Version classiqueVersion mobile

Um lugar na cidade

 | 
Graça Índias Cordeiro

7. No palco da cidade (1952-1992)

Texte intégral

  • 1 Manuel Maria Machado «Marcha Popular da Bica», publicação da Câmara Municipal de Lisboa, 1989.

1A Bica me viu nascer, a Bica me embalou. Aqui cresci e me fiz homem. Hoje, a Bica me absorve quase o tempo inteiro. Ela foi o meu amor primeiro. Que mais poderei dizer da minha Bica?1

2Embora se enquadrem num mesmo ciclo festivo, o arraial e a marcha estabelecem um diálogo com instâncias diferentes da realidade urbana que os produz. Ambos surgem como um embelezamento, uma transfiguração recriada do bairro – é certo. As ruas enfeitadas e iluminadas, a música, a comida e a bebida, constituem-se como um convite geral, um dar-se a conhecer, uma abertura, no momento da festa, que não existe durante o ano. A marcha, por seu lado, aposta na criação de uma imagem do bairro mitificada: a Bica dos aguadeiros e dos vendedores ambulantes, com uma maior ou menor efabulação, ecoa, na alma de todos os bicaenses, como um retrato de uma Bica passada, reconhecida nalguns aspectos, imaginada noutros.

3Mas a marcha é sobretudo uma delegação do bairro que apresenta e representa o bairro para fora. Apresentação esta que tem um objectivo muito sério: ganhar a todos os outros bairros, ficar à frente de toda essa Lisboa tão semelhante à Bica, no quotidiano preso das ruas e dos prédios velhinhos, na miséria de vida ainda tão presente, na pouca instrução, nos trabalhos de ocasião, na falta de poder e de controlo sobre a sua própria vida, na sociabilidade alimentada pela coscuvilhice e por essa cadeia forte de solidariedade, cujos elos se fazem no dia-a-dia da entreajuda. Esta é uma das razões porque o concurso das marchas surge como central na vida destes bairros: através das associações de bairro, formam-se grupos que se aproximam do poder e que conseguem romper o isolamento destes lugares e cria-se todo um ciclo de trocas e favores que defendem o bairro – ou parte dele – e criam a possibilidade de oportunidades – que de outra forma seriam inalcançáveis.

4Para lá destes objectivos gerais de luta pelo poder, contudo, o que parece extraordinário é a forma como, olhada por dentro, a organização da marcha e do arraial surge como o resultado de um equilíbrio precário entre uma dinâmica de cisão, de conflito permanente e um desejo de fusão, de unidade perante o exterior que sempre acaba por vingar. A pulverização de pequenos mundos dentro da Bica – de interesses, de famílias, de amizades – consegue alcançar níveis relativos de coesão, referenciada a um território, o que permitiu encontrar um lugar com uma relativa unidade que se constituiu como um ponto de observação estratégica: o da Calçada da Bica Grande, onde se radica o pequeno grupo responsável pela marcha da Bica e pelo arraial mais conotado com este bairro.

A Marcha da Bica, 1952

5Poucos elementos foram encontrados nas notícias da imprensa diária sobre o início da Marcha da Bica. A sua primeira participação, em 1952, no desfile pela Av. da Liberdade é assim descrita no Século:

Veio depois a Bica com arcos onde predominavam as caravelas e o brasão da cidade, rodeados de cravos vermelhos. moças levavam saias encarnadas com duas barras amarelas, como os lenços traçados no peito sobre blusas azuis; e com graça e donaire sobraçavam cantarinhas de barro. Eles, de calças castanhas, camisas cremes abertas e cintas escocesas. A madrinha é a cantadeira Natividade Pereira e o ensaiador Mário Ramsky. A organização é da Academia Recreio Artístico e do Marítimo Lisboa Club. Cantavam «Bica» de Raúl Ferrão e Frederico de Brito (SEC, 13-6-1952).

6Com o Diário Popular (24-6-1952) pode dizer-se que a Bica chegou, foi vista e venceu. Obteve o primeiro prémio da classificação geral, seguida de Alfama e Mouraria. Neste ano exibiram-se mais algumas vezes, para além do desfile e das exibições do concurso: na Feira de S. Bento, no Arraial do Marquês de Pombal e na Feira Popular.

A da Bica, que conquistou o primeiro prémio no concurso das marchas, é um rancho de incontestável beleza, com os seus bonitos arcos em que avultam as caravelas e o brazão da cidade. (...) tem bonitas marcações, muita vida e um aspecto impressionante. Tendo por madrinha a artista do fado Natividade Pereira, a marcha da Bica, vai esta noite, à Feira Popular apadrinhada pelo restaurante típico A Tipoia, que tem ali uma magnífica casa do mais selecto e agradável ambiente. Da direcção da grande cantadeira Adelina Ramos, A Tipóia, sucursal, na feira, da casa da Rua do Norte que Lisboa elegante conhece e prefere – quis desse modo mostrar a sua simpatia pela marcha da Bica (SEC, 3-7-1952).

  • 2 Cumplicidade que se estabelece, em grande medida, através do fado. Se nos lembrarmos de Milú Ferrei (...)

7As relações de cumplicidade e ameno convívio estabelecidas com o seu bairro vizinho – Bairro Alto – são aqui bem expressas, com o apadrinhamento referido.2 A sua actuação na Feira Popular foi coroada de êxito, e as evocações da Dança da Luta ficaram para sempre associadas à Bica:

...A marcha da Bica percorria a feira acompanhada de muitas centenas de admiradores e curiosos (...) As marcações têm sabor popular e bairrista, e não faltam na exibição desenhos e figuras coreográficas que evocam as velhas «danças da luta», que fizeram as delícias de Lisboa de há algumas dezenas de anos (SEC, 4-6-1952).

8O sr. Alberto recorda em pormenor como, quase por acaso, o Marítimo se viu a embarcar na sua realização:

Quando foi a marcha de 52, quem organizou praticamente fui eu. A «Tuna Comercial de Lisboa», que é na Rua dos Fanqueiros, e que depois se tornou numa boite e se passou a chamar «Academia de Recreio Artístico», nunca tinha entrado na marcha. E então essa Academia queria levar as marchas. E qual era a marcha que elas pensavam fazer? A marcha dos pretos, das pessoas de cor. Mas começaram e não conseguiram. E então vieram aqui pedir, se a gente não se importava de tomar conta da marcha...e havia aí um senhor, que na altura era o presidente, que não queria. Disse assim: «Bom, eu ajudo o que puder mas não contem comigo». E eu disse, ai não? Vieram aqui os tipos, Jorge d’Avila, Artur Marta e o presidente da «Tuna Comercial de Lisboa», para pedir à gente, que eles não se entendiam com a marcha. E o saudoso Mário Ramski que foi um grande bailarino – foi o homem que abriu os olhos às marchas todas (...) que tinha sido contratado pela tuna para ensaiar a marcha. A gente não o conhecia. E eu, mais um rapaz que está no Brasil já há muitos anos, disse que ajudava o que pudesse: «Vão descansados que a gente trata disso». Agarro num papel e ponho ali: «Admite-se marchantes». Apareceram logo mais de 48 figuras e arranjaram-se logo dez casamentos, isso é que é! (Alberto, 68 anos, 1991).

9Dez casamentos que resultaram do namoro nascido ou fortalecido no convívio desta primeira marcha, às quais se seguiram outras igualmente gloriosas, recordadas, hoje, com muita saudade pelos seus participantes, hoje nas casas dos 60 anos.

10A Dança da Luta (Foto 38), surge neste primeiro ano como uma das tradições apro-priadas pela Bica, desenvolvida ao seu máximo três anos mais tarde, em 1955.

A Bica...apresenta um número que fará, por certo, sensação: a tradicional «dança da luta» que assim revive ao cabo de meio século e constitui a alegoria da Marcha. E são deveras exóticas as vestimentas dos seus dezasseis componentes: «maillots» rosa-velho que se alongam ajustados às pernas até ao pés e sobre os quais ostentam calções e peitilhos de veludo negro cravejados de lantejoulas e debruados de alvos arminhos, ligando com punhos e diademas idênticos. A dança compreende marcações com massas, ao som de gaita e de caixa de foles, integrando-se no conjunto dois garotos (que figuram, afinal de damas) envergando não menos exóticos trajos, de inspiração romana (DP, 11-6-1955).

11Os nomes dos artistas que prepararam a Dança da Luta, bem como o que ajudou à decoração dos arcos, vêm identificados nas notícias (DP, 12-6-1955).

Foto 38. Exibição da Dança da Luta num estádio

Foto 38. Exibição da Dança da Luta num estádio

– Foi aqui, neste bairro, que foi formada a Dança da Luta. Era num pátio, de um prédio velho, onde se ensaiava...a porem-se uns em cima dos outros a fazer uma pirâmide. Antes, ainda eu não era nascido, é que saiu a dança da luta a cavalo. Ainda me lembro de ouvir contar... com capas e a pega era como a do rolo da massa, fitas com cores. Quem contava era o tio Manei Sapateiro que era tio do Augusto que entrou nessa coisa (Alberto, 68 anos, 1991).

12Florêncio, cujo irmão mais velho participara nesta dança, lembra-se de ter sido orientada por Mário Ramsky, segundo uma ideia que o Leitão de Barros trouxe de um corso que viu no Brasil. Lembra-se que eles se viram aflitos para fazer aquilo na Rua do Ouro por causa dos arames...

13Avelino de Sousa, no seu Bairro Alto escrito a partir de memórias que se reportam a finais do século xix e publicado em 1944, recorda a Dança da Bica que, com todas as outras diversões populares do mesmo tipo, saíam à rua no Carnaval: danças, cegadas, paródias, batalhões carnavalescos (149). Segundo ele, neste período saíam à rua a Dança dos Pescadores, a Dança dos Marinheiros – ambas levando um barco –, a Dança dos Padeiros e, aquela que merece uma descrição mais pormenorizada, a Dança da Luta.

A Dança da Luta – principalmente a da Bica – era uma imitação interessantíssima das danças pírricas (romanas) e eram divididas em dois grupos distintos que chegavam a ter, nalguns anos, dois ensaiadores: o «grupo do corpo de baile (damas e cavalheiros)» (...) e o grupo dos lutadores(...) (154)

14Ambos os grupos dançavam, batendo com pequenas espadas entre si, os primeiros, e com maças de madeira, os segundos.

No fim faziam grupos braçais, gimnásticos, subindo uns sobre os ombros dos outros com a maior facilidade, e também em escadas – duas escadas enormes, encostadas uma à outra nas extremidades superiores – e aguentadas cá em baixo por um dos rapazes mais possantes)...). Os restantes subiam às escadas, colocando-se também uns sobre os ombros dos outros, havendo um – o mais leve – a que chamavam «volante» e que subia a ocupar o lugar mais alto e mais perigoso. Chegavam a fazer pirâmides que iam além da altura de um primeiro andar, e até em ruas com inclinação, como a Calçada do Combro! (...) Acompanhava esta dança uma fanfarra (154).

15É o próprio autor que chama a atenção para a agilidade destes rapazes e os poucos acidentes que haviam – talvez porque uma parte dos rapazes eram homens do mar, habituados a subir às enxárcias e tinham, por esse motivo, qualquer coisa de acrobatas (idem). Outras descrições desta Dança... surgiram nalguns números da Ilustração Portuguesa, nas suas grandes reportagens fotográficas do Carnaval.

16Foram as fotografias desta revista que inspiraram, em 1955, os organizadores da Marcha da Bica a reconstruírem esta tradição, o que se revelou um sucesso. Curiosamente, o texto que acompanha uma das fotografias invocadas sugere que esta Dança teria sido levada a cabo por moradores da Bica do Sapato, lá para os lados de Alfama! Fica, no entanto, a certeza de que, exclusiva ou não do bairro da Bica, esta performance aí se fazia, pelo Bairro Alto e Calçada do Combro, segundo o testemunho de A. de Sousa e também testemunhos de sexagenários que se lembram dos seus pais lhes contarem a sua preparação e exibição na Bica.

17No entanto, este tema-tradição, surge sempre como acessório, uma representação espectacular e nada mais. O verdadeiro tema da marcha, que se inicia em 55, para se fixar, é outro:

A marcha propriamente dita é formada por pares de regateiras e de aguadeiros – elas, vestindo garridas saias e jalecas de cores várias, com lenços de ramagens na cabeça, e sobraçando cestas lindamente ornamentadas; eles de calças azuis com listas brancas bem ajustadas à perna, colete castanho sobre a camisa creme, bonés de pala brilhante e sapatos de biqueira quadrada e conduzindo barris (de água). Vistosos arcos luminosos em que figuram os três santos populares, a Bica e outros motivos, darão ainda mais cor e alegria à «marcha» dos campeões de 1952, que o «Marítimo Lisboa Clube» organizou e que tem por madrinha a cantadeira Alcídia Rodrigues (DP, 12-06-1955).

18Desde muito cedo que a Bica se fixou num tema até hoje inalterado: aguadeiros, numa alusão clara às bicas, fontes e chafarizes existentes na área. Enquanto a reconstituição da Dança da Luta morreu após os primeiros anos, este tema permaneceu até à actualidade.

19Os três primeiros anos em que a Bica participou, sob a organização do Marítimo Lisboa Clube, são anos de vitória: 1952, 1955 e 1958. Até aí, o bairro que mais prémios conseguira alcançar fora a sua vizinha Madragoa. De base socioprofissional muito semelhante, ambos bairros ribeirinhos com ligações estreitas com as actividades do porto e com a chegada do peixe à Ribeira, ambos fornecedores de parte do pessoal trabalhador no grande mercado abastecedor de Lisboa, eles registam ainda outra semelhança: a organização de uma marcha considerada das mais bairristas e genuínas da cidade de Lisboa. As bases de uma rivalidade séria são, desde muito cedo, explicitadas, assumindo uma visibilidade despudorada no período das festas da cidade.

A Bica vai fazer a cabeça tonta à Madragoa... Sem desprimor para qualquer outra marcha, os conterrâneos de Fernando Farinha são um concorrente sério a ter em conta, este ano, com vista ao 1° lugar (prémio de honra) das marchas populares. Lindas raparigas – muito jovens, todas elas – enfileiram na marcha da Bica, um dos mais típicos bairros da cidade, e a sua irradiante simpatia, aliada a uma natural graciosidade, levá-las-á, por certo, a conquistar ao público os mais fortes aplausos (DN, 4-6-1966).

20A rivalidade com a Madragoa é um dos temas mais falados e relembrados no bairro. No entanto, parece haver um consenso sobre a sua demonstração pública: ela só aparece no período das marchas e das festas de Junho. Durante o resto do ano não parece existir grande rivalidade a não ser a produzida por bandos de jovens adolescentes e pré-adolescentes, que nessa fase do seu ciclo de vida se ocupam a marcar e defender o seu território, recorrendo às mais diversas brincadeiras ritualizadas – jogos de pedrada, incursões em território alheio, provocações múltiplas – levando ao nascimento de sentimentos de pertença grupai pela demarcação de outros grupos, odiados e afastados.

21É curioso que, quando inquiridas sobre este fenómeno da rivalidade com a Madragoa, as respostas são pouco consensuais. Os mais novos afirmam sem hesitar que sim, que a rivalidade é muito grande – e contam histórias que ouviram; os mais velhos lembram-se de alguns episódios caricatos – como aquele da varina que veio por aí adiante e se atirou a um da Rua dos Cordoeiros e lhe mordeu os testículos, ou daquela vez que um bando de mulheres da Madragoa vieram por aí com o intuito de se vingarem e até tiveram de chamar a polícia ali da esquadra da Boavista para intervir, ou, ainda, quando elementos das duas marchas se pegaram numa saída à Tapadinha... – mas não são tão claramente afirmativos quantos os novos.

  • 3 Porta estandarte da Marcha em 1991, e vizinho do Marítimo, sócio e delegado à Federação poucos anos (...)

22Muitos têm parentes próximos da Madragoa, ou descendem de homens e mulheres que lá nasceram ou então que, oriundos da Murtosa, Estarreja ou Ovar, para ali emigraram. Os avós maternos do Zezinho3, por exemplo, hoje com 73 anos (1991), eram da região de Aveiro, e viveram na Madragoa. O pai nasceu já na Bica, por sua vez ele nasceu em Setúbal, embora pelo menos uma sua irmã já tenha nascido aqui, na Bica, em 1924. Apesar de ter nascido em Setúbal, com mês e meio já vivia na Bica – tal como o Alberto. O José Manuel Marques, um dos principais incentivadores da Marcha, não só é descendente, por via materna, de uma avó murtoseira, como é casado com uma mulher da região de Ovar que, emigrada em Lisboa trabalhava para uma patroa-varina que vivia numa rua da Bica. Quanto à avó, emigrada na Madragoa – onde a mãe dele nasceu –, esteve ligada ao peixe e acabou por se mudar para a Mouraria onde viveu o resto da sua vida, como lavadeira. Tinha 7 filhas – todas umas lindas raparigas – que vendiam peixe pela rua, para ajudar em casa e um rapaz. O pai dele foi comprador e vendedor de peixe, antes de ter caído na estiva, que era uma coisa que acontecia a essa gente que negociava em peixe... Parece, pois, existir uma grande familiaridade entre estes dois bairros vizinhos.

23No entanto todos são unânimes numa coisa: é só nas festas e, sobretudo, nas marchas que a rivalidade existe...As piadas que se cruzam – Cheira a peixe podre! –, a tensão que leva a que os organizadores das festas evitem a proximidade das duas marchas, enfim, o seu quadro de vida suficientemente semelhante para que as pequenas diferenças e, sobretudo, a pertença a um outro território prolongamento de uma outra pátria – a região de Aveiro faz com que, nestes momentos, se acendam ódios e emoções incontroláveis. No entanto, não nos devemos esquecer que, de uma forma muito semelhante, no interior da própria Bica os ódios, as rivalidades, as tensões entre famílias e indivíduos, normalmente do sexo feminino, são um elemento central da dinâmica do bairro, que faz parte do relacionamento do dia a dia – o que torna tão difícil a vida neste bairro do diz-que-disse, como desabafava o José Júlio, num momento de desespero perante mais uma quezília grave entre vizinhas.

Os bastidores: unia imagem em construção

Das primeiras ideias ao tema final

24Cada ano, em simultâneo com o renascimento da marcha, recomeçam as negociações entre as colectividades de Lisboa e a Câmara Municipal, com o objectivo de se acordar um protocolo de colaboração entre as colectividades e esse órgão. Aparentemente, o regulamento das marchas e o valor do subsídio são alguns dos temas quentes da discussão. De facto, cada ano são reeditados, com poucas alterações, modelos dos anos anteriores, pois há já uma tradição na forma como tudo funciona.

25As questões mais delicadas dizem respeito – como não podia deixar de ser – ao aspecto financeiro: desde o orçamento da marcha até à receita dos bilhetes da Finalíssima, no Pavilhão Carlos Lopes, passando pelos atrasos nos pagamentos, que levam as colectividades a endividarem-se para poderem preparar a marcha, tudo é objecto de reivindicação.

- Eu ando aqui a trabalhar de borla é para o meu Clube e para o meu bairro, não é para a Câmara!;
- Os louros são para eles e as marchas é que ficam pobrezinhas!;
- Nós não vamos para a rua servir a Câmara para que os senhores vereadores andem de automóvel e nós andamos meses a ensaiar!
- O vereador diz que se a colectividade não aceitar, vai outra. E claro que nós não vamos deixar!,

26foram apenas algumas frases que, inflamadamente, se disseram numa reunião entre colectividades, na Federação das Colectividades de Cultura e Recreio, federação esta que, irregularmente, tem mediado entre a Câmara e as colectividades.

27No entanto, este é apenas um dos níveis da relação entre as colectividades e a Câmara Municipal, talvez o mais público e que menos resultados produz. Com efeito, é, de certa forma, em privado que a verdadeira articulação câmara/colectividades se estabelece. Um ou dois elementos mais bem posicionados na colectividade, detentores desse saber intrinsecamente «urbano» que só alguns possuem, enriquecido com conhecimentos, amizades e capacidade de negociação, conduzem o diálogo com a Câmara, de uma forma discreta, pouco visível para um olhar exterior, através de um contacto regular com os meandros políticos e burocráticos do poder autárquico.

28Podemos, pois, arriscar, que as reuniões públicas, que congregam representantes de todas as colectividades, exemplificam apenas um nível de relacionamento com o pelouro do Turismo da Câmara, encarregue de levar avante o espectáculo das marchas. A definição e fixação das regras contratuais do acontecimento parecem situar-se num outro nível de comunicação, menos publicitado e mais eficaz, como é o caso dos protocolos e regulamentos que os representantes de ambas as partes acabam por assinar, obrigando-se, mutuamente, um conjunto de deveres e obrigações.

29É no rescaldo do fim de um ciclo festivo que começam a germinar as novas ideias para o ano seguinte e se vão trocando algumas impressões, na intimidade de conversas a dois ou a três. No princípio de Setembro, mal se concluiu o ciclo anterior com o desfazer dos arcos e o arrumar das fardas nos armários, já se começam a lançar as cartas para a mesa e a compor e retocar uma nova imagem da Bica, em reuniões fechadas na cave do Marítimo...

  • 4 Até 1992, inclusive
  • 5 Um única interrupção neste panorama temático: em 1995, surgiram de repente marinheiros na marcha da (...)

30Novas ideias para o tema de fundo, inspirador de fatos, arcos e coreografias, bem como das letras de três marcações, são, cada ano que passa, improvisadas. Variações em torno de um mesmo núcleo temático inventam-se, anualmente: o amor, a água, a venda ambulante, o passado do bairro. Um dos aspectos mais interessantes desta marcha é, sem dúvida, a capacidade que têm tido, ao longo de cerca de onze anos de actividade4, de ser fiéis a um mesmo tema inventando sempre uma variação nova, o que se revela um caso exemplar de criatividade imaginativa. Os sub-temas vão alternando, quase ciclicamente, inspirados pelo tema orientador de um ano passado, de uma marcha antiga. Livros antigos, gravuras encontradas em alfarrabistas, uma informação dispersa recolhida aqui, outra conversa tida ali, é a partir de vários pedaços de dicas, num suporte mais visual ou mais narrativo, que vão compondo uma peça, num trabalho ininterrupto de sistematização que vai dando um significado facilmente identificável a um passado que, cada ano que passa, se vai recriando um pouco melhor.5

31O objectivo da primeira reunião, habitualmente em Janeiro, é a escolha de um tema unificador de toda a marcha. Definido previamente, de um modo mais abstracto, ou decorrente da pré-visualização dos 12 arcos ou dos pares de rapazes e raparigas, o processo é sempre único e depende, em última análise, dos indivíduos implicados em cada ano. O que importa é que o conjunto dos arcos, dos fatos, da coreografia, das marcações produzam uma unidade de significado, rapidamente reconhecível por todos. Por vezes a primeira ideia a surgir é um tema, redigido por alguém mais letrado; outras vezes, o desenho dos arcos, surgido da veia artística de outro; ou então, uma ideia original de uma marcação espectacular, lembrada pela prática cenográfica de outro... O processo organiza-se cada ano em torno de uma finalidade pragmática: o que é preciso é levantar a marcha e quanto mais depressa melhor!

  • 6 Marchas Populares, 1992, CML: 20
  • 7 Ver letras das marchas publicadas, anualmente, pela Câmara Municipal de Lisboa.

32É sob o signo da água que a Bica vai entrar nas Marchas6, e é sob este signo que sempre tem entrado. A associação simbólica estabelecida com o Tejo, o mar, a navegação, os chafarizes e fontes, as peixeiras, o cais e o porto tem sido uma constante ao longo dos anos. A figura que representa o bairro nas marchas é o aguadeiro, e desde logo se vão criando, cada ano, inúmeras variações sobre este tema central. Em 1991, as janelas e os namorados, cedem o lugar aos chafarizes de 1992, que por sua vez cedem o lugar à invocação dos Descobrimentos em 93, que mais tarde cede aos marinheiros... As letras das marchas são, talvez, o que melhor exprime um imaginário, inspirado na história de Lisboa que, criativamente, se adapta a uma história particular da Bica. A água, no fundo, na sua ligação aos chafarizes, ao Tejo e ao mar, é, afinal, o tema maior da própria cidade7.

  • 8 Nome porque é designada a pequena orquestra que acompanha as marchas.

33No que toca às músicas das marchas, ultimamente têm ficado a cargo do cavalinho8 que tem sido contratado para acompanhar a marcha, cujos elementos pertencem à CARRIS. Quanto às letras, muitas vezes são escritas por bicaenses. Uma das três marchas reedita sempre uma das marchas antigas, já conhecida e reconhecida por todos – até porque antigamente eram grandes músicos quem faziam as marchas...e elas eram mais bonitas!

34A direcção do Clube convida um sócio a desempenhar a função de ensaiador. Nos últimos anos tem sido sempre o cunhado do presidente, Raúl Santos. Este, por sua vez, convida alguns colaboradores e acaba por ser um pequeno grupo de menos de dez indivíduos quem monta tudo.

35Num primeiro olhar, o papel do ensaiador oficioso, por assim dizer, dilui-se neste colectivo. No entanto, e embora todos eles repitam vezes sem conta que tudo resulta de um trabalho de equipa e que ali são todos iguais, a verdade é que, no interior deste pequeno grupo, a diversidade de papéis organiza-se segundo uma hierarquia própria. E certo que cada um dá dentro do que pode, e o que cada um pode está, em última análise, relacionado com a sua prática profissional. Por exemplo, uma pessoa como o Zé Machado, ligado à actividade editorial e política, utiliza os canais de informação em que se movimenta habitualmente, como fontes seguras de sugestões e novas ideias para temas e figuras da marcha; a título de exemplo, temos as fardas dos aguadeiros inspiradas no livro de Alberto de Sousa (1924), O Traje Popular em Portugal no Séc. xviii e xix, por ele adquirido num alfarrabista.

36Homens com grande experiência manual – serralheiros, electricistas, carpinteiros, etc. – são elementos preciosos no fabrico das estruturas de ferro e madeira dos arcos, por vezes pesados: já o trabalho menos especializado do corte e colagem fica a cargo da boa vontade juvenil que, em colectivo, acha curtido perder algumas noites a participar na feitura dos arcos e adereços.

  • 9 E, provavelmente, outras razões que, para mim, permaneceram ocultas. Ao lembrar o Florêncio, não po (...)

37Mas, há sempre alguém respeitado por todos, que sintetiza um saber artístico e uma capacidade natural de liderar e que, num conhecimento mais aprofundado, revela ser a verdadeira alma da concepção dos arcos e, até, das coreografias – e que, por vezes não coincide com o elemento estrategicamente escolhido pela direcção para desempenhar o papel de ensaiador. Com efeito, ao longo do biénio de 91-92 que me foi possível acompanhar, a interpretação que eu fui tecendo, subjectiva, é certo, levou-me a reparar no Florêncio, cuja personalidade e temperamento o afastavam ciclicamente do clube em questão9, mas que parecia desempenhar um papel notável no processo de criação da marcha da Bica, embora permanecendo sempre nos bastidores e tendo como únicos aliados uns quantos jovens dedicados que o acompanhavam. Foi na companhia do Florêncio que aprendi alguma coisa sobre a marcha da Bica.

Recursos materiais, humanos e simbólicos

38Florêncio tem 43 anos, nasceu no Pátio do Broas, dois anos antes da marcha da Bica sair pela primeira vez e, talvez por isso, lembra-se sempre da marcha e do entusiasmo que ela criava – sobretudo na pequenada do Pátio. Sexto filho vivo, vigésimo nono parto da sua mãe, Florêncio lembra-se dela a lavar, junto com outras mulheres, em seis ou sete tanques de pedra, por vezes em celhas, com água daquela bica que ainda ali há (...) no referido Pátio:

Lavavam as roupas para os restaurantes da zona: as toalhas de mesa, os guardanapos... Antigamente, havia grandes restaurantes; lavavam e engomavam. Elas iam buscá-la à segunda-feira, e depois à terça tinham que a entregar. Às vez.es de Inverno era as casas todas cheias de roupa. (...) Para particulares era muito raro, porque ali no Pátio e na zona não havia pessoas tão abastadas que pudessem pagar.

39O pai era sapateiro, embora neste pátio houvesse muitos estivadores: a força toda daquela gente do pátio eram os estivadores. Alguns ficaram-lhe na memória, homens fortes, sólidos. Alguns destes homens participaram na reedição da Dança da Luta, que ele, Florêncio, teve oportunidade de ver: lembro-me tão bem... o meu irmão era o último, ia lá para cima, cá em baixo era o Tonecas, os mais fortes... As marchas eram ensaiadas na Casa do Conto – A casa do conto era a casa dos estivadores e chamavam casa do conto porque os estivadores eram contados e distribuídos pelo porto de Lisboa.... Lembra-se das marchas infantis que se organizavam no Pátio:

Arranjávamos arcos, como os arcos de ensaio que a gente tem, de madeira, depois, como o pai do Joaquim Amado era sócio duma tipografia da R. do Século – essa tipografia ainda existe – a gente ia lá às sobras do papel, arranjávamos tiras de papel de cores, forrávamos os arcos, fazíamos argolas.

  • 10 Hoje, cinema Camões, no Loreto.

40Embora gostasse da escola e tivesse excelente aproveitamento, foi obrigado a sair porque os pais não tinham posses. Começou a trabalhar com catorze anos, primeiro, como moço de fretes, depois num teatro, mais tarde numa oficina a ajudar na cromagem... o que recebia dava à mãe, que lhe dava uns tostões para ir ao cinema, ao domingo, ao «Ideal»10. Dois filmes custavam 25 tostões. Aquilo eram bichas enormes... Ou então no Salão Paroquial, que era a 5 tostões a entrada. Aliás, a Igreja de S. Paulo era um espaço bastante frequentado pelo Florêncio: desde os 5 anos nos escuteiros, como muitos rapazes do pátio, ali cresceu, ali dirigiu rapazes mais novos e só saiu aos 28 anos. O teatro sempre foi uma das suas actividades preferidas.

Arranjei uma goela para o teatro, por intermédio de um rapaz que trabalhava também na oficina e que fazia esses biscates de noite, fui para os cenários para o Variedades, no Parque Mayer. Do Variedades fui para o ABC, do ABC para o Maria Vitória, depois voltei para o Variedades depois fui para a Atlântida...

41Por carolice e amor, não se sabe se à arte, se ao bairro ou se a ambos, a verdade é que se tem dedicado apaixonadamente a repor na praça algo que, desde que nasceu, viu ser montado e que enriqueceu o imaginário da sua infância.

Todos os meus irmãos foram na marcha. Só eu é que não tinha ido ainda. E não era por não ter idade, mesmo que tivesse não me deixavam, porque era o mais novo, e não me deixavam. Só eles é que podiam ir. Antigamente, as pessoas que iam na marcha era como se fossem uma elite, ir na marcha, parece que eram os barões aí do bairro e... era por isso que a gente fazia as marchas infantis. Hoje, qualquer um vai na marcha. Hoje há dificuldade no recrutamento, é difícil arranjar, especialmente homens.

42Ligado ao teatro, é cenógrafo, de profissão, e actor, por amadorismo. É esta a sua paixão, e é ele que anima não só o grupo de teatro do Marítimo – os Maritús – que, entre Outubro de 91 e a Páscoa de 92 levaram ao palco do Salão Paroquia! nada menos do que quatro peças, como também a marcha e, até, a procissão que em Outubro de 91 percorreu as ruas da Bica...É uma mesma im-plicação, uma única emoção que o faz participar nestas diferentes encenações:

Eu acho que a compensação que nós temos disto é ver as coisas que nós fazemos serem apreciadas pelas outras pessoas, serem julgadas. E ver o trabalho que a gente anda a fazer, aqui enclausurados. A marcha sair é o prémio que a gente tem.f...) Eu gosto mais de ir ao Pavilhão, dá-me mais gozo. O ambiente no Pavilhão é como no teatro. Eu tenho uma coisa que se calhar é defeito, estou no palco a fazer o meu papel e vejo as pessoas todas, as reações todas. No Pavilhão é a mesma coisa.

43Marchante já em 1989, em 1990 deu-se de alma e coração à sua preparação: era um bicho que mordia cá dentro e achei que tinha jeito... Trabalhou bastante com o seu amigo Raúl Santos, ensaiador da marcha, e ganharam um quarto lugar:

  • 11 Ver Fig. VI, em Anexo.

Eu sempre gostei das marchas, mas isto foi uma guerra que eu tive com o José Marques há 2 anos. Ele propôs que a marcha não saísse. E nós tivemos uma guerra, sai e sai mesmo! Isto foi em Fevereiro. (...) Pus-me à cabeça dos arcos mais o Afonso Sá11, da marcha, arraial e no trono, foi um arranque. Tirámos o nono lugar ao José Marques e ficámos em quarto lugar...

44Em 1991 houve dissensões, acabou por se afastar e só cumpriu o seu papel de marchante. As janelas de madeira e acrílico, desenhadas como imitação das «janelas típicas de Lisboa», falharam pelo seu peso excessivo. Não resultaram com o efeito desejado, e o oitavo lugar que foi atribuído à Marcha da Bica, após tanto esforço, acentuou a amargura de Florêncio:

Houve desencontro de ideias, adulteraram as minhas ideias, eu fiz um esquema com os desenhos das janelas, mas claro que não era aquela ideia...puseram-se a dar ouvidos a outras pessoas, que sabiam mais de arraiais – uma coisa é fazer arraial, outra coisa é fazer a marcha; uma coisa é fazer coisas para pendurar lá em cima, outra coisa é fazer coisas para transportar. As pessoas não tinham essa ideia, então uma janela que eu tinha planeado em arame e papel, resolveram fazer uma janela mesmo, em madeira...

45Em 1992 participou, apaixonadamente, desde o primeiro minuto; talvez tivesse sido coincidência, mas a verdade é que a Bica alcançou a vitória tão desejada. As cores e a simplicidade desta marcha comoveram o júri. Ainda hoje me lembro das palavras do Florêncio, em Abril desse ano: Uma marcha para ser popular tem de levar muito festão, muitas flores e muitos balões, porque se não for assim a marcha não tem sentido.

46A primeira fase da construção dos arcos para a marcha é o fabrico da sua armação de ferro. A soldadura é morosa e o responsável por esta fase é o Tó G., irmão da Mila. Alto, forte, simpático, é metalúrgico de profissão. O seu trabalho é indispensável, e talvez seja essa uma das razões porque pertence à comissão técnica da marcha. E verdade que sem ele não existiriam arcos da marcha. Em 1992, trabalhava dias a fio à volta da estrutura de ferro dos arcos, muitas vezes sozinho, só com as fotografias dos chafarizes escolhidos, meia dúzia de polaroides pouco nítidas. Prefere, no entanto, a companhia dos jovens que costumam ajudá-lo e, muito em particular, do Florêncio, autor desta ideia para os arcos. Costuma começar pela base, explicou-me, e só depois levanta a parte de cima. Os trabalhos iniciaram-se, nesse ano, em Janeiro, mais intensamente aos fins-de-semana. Na sala do Marítimo, de janela escancarada para a Calçada, ali passou horas a fio (Foto 39).

Foto 39. No Marítimo: soldando a estrutura metálica de um arco (Março 1992)

Foto 39. No Marítimo: soldando a estrutura metálica de um arco (Março 1992)

47É habitual aproveitarem-se estruturas de anos anteriores: foi o caso do arco que representava o Marítimo, ou o da Câmara Municipal, com a sua caravela. Outros, que já não sirvam para a marcha, acabam por ir enfeitar o cimo das ruas, embelezando o arraial. Não só é um processo de bricolage a que se assiste, como também, a uma verdadeira reciclagem de material. É natural verse, no arraial, aproveitamentos de arcos anteriores da marcha. Por exemplo, o acrílico das janelas que, em 1991, representavam motivos do bairro e da freguesia de S. Paulo, nos anos seguintes foram utilizados para decorar a fachada da colectividade, e as paredes do muro, no Beco. Apesar deste aproveitamento, a primeira fase do fabrico dos arcos demorou cerca de mês e meio, para além de uma interrupção de cerca de um mês para os festejos do Carnaval – o teatro, sobretudo – que dispersou todos desta actividade e, muito particularmente, o Tó G. Em Março termina esta primeira fase e as estruturas de ferro e arame estão prontas para a forragem, a pintura, os enfeites.

48Em 1991, seis dos doze arcos, representavam janelas dos bairros de Lisboa. De madeira, os seus «vidros» eram de acrílico pintado, com imagens do bairro sobre os quais esvoaçavam cortinas de tecido leve. A experiência desse ano foi traumatizante para todos: os arcos revelaram-se de tal forma pesados que só os homens mais fortes foram capazes de os transportar satisfatoriamente. Mesmo depois de terem improvisado grossas correias de cabedal que cruzavam nas costas, houve marchantes que desistiram – e foi, de um modo geral, extremamente penoso conseguir levar a marcha a bom termo com tal fardo (Fotos 40 e 41).

Fotos 40 e 41. Ajustando as correias para os arcos; desfile em Belém (Junho 1991)

Fotos 40 e 41. Ajustando as correias para os arcos; desfile em Belém (Junho 1991)

49Em 1992, os arcos representavam seis chafarizes: o da Travessa da Laranjeira, o da Calçada Salvador Correia de Sá, o do Jardim de D. Luís, o do Largo de Santo Antoninho, do Largo de S. Paulo, da Bica dos Olhos e da Bica do Pátio, este último aproveitando um arco já feito há dois anos atrás – era o primeiro arco da marcha de 1990 (Foto 42). Cada chafariz reproduzia a sua singularidade própria: o Arco do chafariz de D. Luís, levava 2 metades de um banco; o de Santo Antoninho, um gradeamento; o de Salvador C. Sá, dois cabeçudos (pimenteiros); o da Laranjeira, uns quantos degraus.

50A forragem (Foto 43), a pintura, todo o embelezamento dos arcos decorrem nos Banhos de S. Paulo, edifício com mais de um século de idade, com o interior espaçoso e vazio. Segundo estimativa do próprio Florêncio, a forragem destes arcos demora algumas horas, entre duas ou três pessoas. Um pequeno grupo de jovens rapazes, por vezes ajudados por uma namorada ou amigo, acorrem aos ditos Banhos aos serões e nos fins-de-semana, para trabalharem nos arcos. Parte dos ferros são envolvidos em tiras de espuma, que lhes dão volume, e depois rodeados com festão, salpicados com pó brilhante ou tinta. Outros são forrados a papel vegetal, esticado e colado directamente sobre o ferro, pronto para ser pintado. A técnica de cortar e colar consiste num trabalho semi-especializado quase sempre desempenhado por colegas e amigos do Florêncio, também com experiência de palcos e cenários do teatro (Foto 44).

51Mas outros trabalhos prosseguem, para além da fabricação dos arcos. Os adereços vão sendo feitos ao mesmo tempo: 24 lanternas para os arcos, forradas com papel celofane; bilhas, também com uma estrutura de ferro, forradas a papel vegetal, barris e jarras, manjericos grandes e pequenos, já prontos a pintar e a electrificar. Alguns destes adereços são reciclagem de anos anteriores, como foi o caso dos barris, jarras, manjericos gigantes. Os nichos dos santos (1992) também foram recuperados de uns santos de há 20 anos (!) – Já estão forrados e pintados, só falta a carne...Em 1991, os adereços foram canastas, panelas de «fava-rica», cestinhos, peixes, figos, marmelos, maçãs, a invocarem cenários da venda ambulante de tempos passados...

52A responsabilidade da electrificação cabe ao Luís, electricista de profissão, que orientava o trabalho dos restantes: passar o fio, ligá-lo às lâmpadas e às baterias. Enquanto os arcos requerem baterias mais potentes, os adereços, para os volantes, apenas levam pilhas de 6 volts. Dantes, a iluminação era feita a velas, o que fazia com que umas vezes se apagassem, outras pegassem fogo. Mas só por acidente isso acontecia, porque tecnicamente tudo era feito para evitar o pior: a vela era metida num copo que girava, ao mesmo tempo que o barril girava. As actuais pilhas tornam o sistema menos perigoso, mas mais pesado.

Foto 42. Conversando ao pé de um «chafariz», Banhos de S. Paulo (Junho 1992)

Foto 42. Conversando ao pé de um «chafariz», Banhos de S. Paulo (Junho 1992)

Foto 43. Forrando um manjerico com papel vegetal, Banhos de S. Paulo (Junho 1991)

Foto 43. Forrando um manjerico com papel vegetal, Banhos de S. Paulo (Junho 1991)

Foto 44. Envolvendo o arame com espuma. Banhos de S. Paulo (Junho 1991)

Foto 44. Envolvendo o arame com espuma. Banhos de S. Paulo (Junho 1991)

53As tarefas mais minuciosas da pintura – feita sobre o desenho no papel vegetal – são repartidas pelos mais jeitosos; a colagem do festão, o fabrico de flores de papel ou das pétalas de um manjerico gigante (1991) são levados a cabo com a boa-vontade de uns quantos rapazes e raparigas, na sua maioria marchantes, no Marítimo ou nos estaleiros da marcha – os Banhos de S. Paulo – horas a fio, poucos dias antes do Ensaio-Geral. São sempre momentos de alegre confraternização, em que o tempo livre de cada um é socializado alegremente, na prossecução deste objectivo comum.

54Os materiais são adquiridos de variadas maneiras: oferecidos por algum sócio, desviados do local de trabalho de outros, muito dele é comprado: papel, tinta, cola, espuma, festão. Este último, de plástico, é fornecido a metro pelo pai de um sócio, que se entretém a fazê-lo ao longo do ano, aproveitando restos de sacos de plástico de diversas cores. O festão de plástico é melhor do que o antigo, de papel de seda: quando chove, não só não se desfaz, como, ainda por cima, fica todo lavadinho e com um maior brilho...

55A prioridade das prioridades é acabar os arcos; só depois vem o arraial. Se é certo que 50% da marcha é aproveitamento das anteriores, não é menos certo que o arraial aproveita muito da marcha: restos de arcos, de festão, de imagens, de madeiras, de adereços. Embora a marcha mobilize um maior esforço de inovação – e é aqui que se dá o maior investimento deste bairro –, a verdade é que a ambos preside um igual princípio de bricolage, de recomposição, de transformação.

56As fardas dos marchantes, das mascotes, dos músicos, dos aguadeiros são confeccionadas no Rodrigues e Rodrigues, a mesma empresa de confecção de vestuário que, num passado bem recente, mobilizava tanta mão-de-obra feminina do bairro. Os figurinos são negociados entre o responsável pelo desenho, da parte do Marítimo, e o responsável da dita empresa que dá a sua opinião sobre os feitios, as cores, os tecidos a utilizar. Cada marchante tem de lá ir pelo menos duas vezes, uma para tirar medidas outra para uma primeira prova. Os marchantes da Bica são, de certa forma privilegiados pela sua proximidade do Rodrigues e Rodrigues, que se encarrega das fardas das dezoito marchas de Lisboa.

Sobre os marchantes

57Durante o mês de Janeiro aparece um papel colado na janela do Marítimo que dá para as Escadinhas: «Marchantes. Aceitam-se inscrições até 3/2». No entanto, só em Abril é que os ensaios geralmente começam.

58Por vezes há dificuldade em conseguir os vinte e quatro pares necessários, por falta de elementos masculinos. Uma ou duas raparigas podem ser excluídas, ficando como suplentes. Neste ponto, como aliás em quase todos, existem registos paralelos do real: o que se diz que se faz, e o que se sabe que se faz, sem sequer ser necessário dizer. Na apresentação da marcha, que teve lugar em 11 de Abril (1992), só compareceu quem já estava seleccionado.

59Ser marchante é algo que é próprio da juventude. Receber ordens gritadas, obedecer sem refilar a indivíduos mais velhos, é, de certa forma, natural para quem ainda não chegou aos 20 anos. Esta é a composição maioritária da marcha. No entanto, há excepções: dois ou três veteranos, sexagenários, já muito batidos nesta prática da marcha e mulheres de idades variáveis, algumas das quais mulheres de directores. O ar castiço da marcha vem mais das mulheres do que dos homens, de facto, e são talvez estas mulheres que contribuem, em parte, para o sucesso da imagem de uma marcha: com um ar avarinado, a saracotear as ancas de mão na cinta, como só quem nasceu nestes bairros sabe fazer...elas servem de modelo às jovens e, até, às meninas de muita tenra idade. Quase todos os marchantes são do bairro, alguns das redondezas, mais raramente algum amigo de fora.

60Mas o grosso das hostes é composto pela rapaziada. A ordem só se consegue a braço de ferro, e para isso há a figura do director de marcha:

O director de marcha tem a ver com o terreno do ensaio. Com a organização, com o respeito, com o evitar a balbúrdia, justificação de faltas, preparar os marchantes para que quando o ensaiador chegar não ter a preocupação de saber o que é que vai fazer, de estar a chamar A, B, C, mas sim ensaiar 48 pessoas. As pessoas que vão assistir, o que é que o marchante vai ou não vai falar, etc, essas coisas também são com o director da marcha (Armando, Nov. 1991).

61No entanto, nem todos sabem conduzir pessoas e quem, em última análise, está sempre presente a desempenhar este papel é, precisamente, o presidente do Clube.: conduzir homens e mulheres é muito difícil! Eu tenho experiência, já de trás, de conduzir instruções de homens, difíceisfiz intrução nos bombeiros, na tropa –, enfim, sou disciplinador e disciplinado.

62A apresentação da marcha é o momento cerimonial em que o ciclo da marcha se abre oficialmente. É o momento que marca a passagem dessa rapaziada a um novo estado e a uma nova responsabilidade: eles vão representar o bairro e é-lhes pedido, pelos directores do Clube, o esforço moral de o saberem dignificar. É-lhes explicado o regulamento, o modo como se devem comportar, o que vai acontecer nos meses que se seguem. Na sala dos Banhos de S. Paulo, uma noite de sábado, estão reunidos todos os marchantes e alguns familiares, e os dirigentes do clube, numa mesa comprida, em frente de todos. A sessão abre com um pequeno discurso do presidente que começa por apresentar os corpos gerentes do clube, a comissão da marcha, etc., de forma a que fique bem claro a quem compete a autoridade. É distribuída uma pequena pasta com um conjunto de fotocópias que explicam aos marchantes as suas obrigações. Da mesma forma que a colectividade assinou um protocolo com a Câmara Municipal, também a cada marchante lhe compete a assinatura de um com o Clube.

63Na semana seguinte começam os ensaios de canto, ainda no espaço dos Banhos de S. Paulo. Logo de seguida, começam os ensaios no recinto cedido pela EDP, sito na Rua D. Luís (Figura II em Anexo). O cavalinho faz-se representar com poucos elementos – um mínimo de 2 ou 3 –, como forma de baixar os custos, já que os músicos são pagos individualmente – e são os únicos pagos, em todo este processo. Em 1992, duas das marchas foram da sua autoria; a terceira marcha era de 1958.

64O colectivo dos marchantes é um grupo, de certa forma, conjuntural. Existe no momento da marcha para logo de seguida se desfazer. Apesar de haver um núcleo fixo de marchantes, a sua maioria é flutuante. Sob este aspecto, os dois anos em que acompanhei este processo foram contrastantes – e não há razão nenhuma para pensar que tenham sido excepcionais.

65Entre Maio e Outubro de 1991, acompanhei Adelaide e a sua família regularmente. Vivia com a sua numerosa família – o companheiro, quinze anos mais novo, um filho crescido e a sua namorada, uma filha adoptiva de sete anos, um sobrinho pré-adolescente que com ela vivia para ver se endireitava, um hóspede varredor da Câmara Municipal – numa casa com quatro divisões, numa das travessas da Bica de Cima. Nascida na Rua do Sol a Santa Catarina, após algum tempo de vida nesta mesma rua onde hoje vive, passou a sua juventude na Mouraria. Casou-se jovem e foi viver para os arredores de Lisboa. Teve três filhos com um pequeno intervalo, divorciou-se e veio viver para a Calçada da Bica Grande, para casa de uma amiga. Já nessa altura vivia com o seu actual companheiro, também oriundo de uma numerosa família de Santa Catarina: Não tínhamos confiança com ninguém. Morei ali dois anos em casa dela e não tinha confiança com ninguém. Era bom dia, e boa tarde..., conta ele. Ao fim do primeiro ano, começou a ajudar a Milú na casa de fados, e começou a ganhar mais confiança com as pessoas do bairro. Mudou-se para Santa Catarina, bairro onde nascera, mas como a casa era muito pequena e tinha já os três filhos com ela, acabou por alugar a casa na travessa onde hoje mora.

66Tem mais de quarenta anos, é uma mulher frontal, alegre, sempre pronta para a brincadeira e também para a briga, quando necessário. Tem ideias muito claras sobre como se devem educar os filhos, e sobre a necessária e permanente defesa da honra, se possível, à porrada', critica as vizinhas da Bica que só gostam de calhandrice e manifesta as suas preferências pela parte de cima do bairro – ali a intriguice é menor. Trabalha no bar duma empresa internacional, a servir cafés, das sete horas da manhã até ao meio-dia, e das cinco da tarde às oito da noite. O seu filho mais velho vive, com a mulher e um filho pequeno na Alemanha, e está prestes a regressar para irem habitar uma casa nas Escadinhas, já comprada; o outro filho mora na Outra Banda, também casado. Nos momentos mais altos da festa – dias fortes do arraial, ensaio geral da marcha, descida da marcha da Avenida, ida ao Pavilhão, excursão da Marcha, toda a família está presente e participa. Fernando, o seu companheiro, o filho Luís e a namorada, bem como o seu hóspede, vão todos na marcha. Nesse ano (1991) o clã da Adelaide esteve bem presente a marcar alegremente as festas na Bica. Na Avenida, engrossaram a claque que corria atrás da marcha; no Pavilhão, os seus gritos e saltos eram tão fortes que mal se ouviam as canções... Na excursão final, em Julho, este grupo era, sem dúvida, o mais alegre e participativo.

67No ano seguinte (1992), notaram-se pela sua ausência. O ano anterior correra mal, algumas razões foram invocadas para o afastamento deste numeroso clã. Quando encontrei a Adelaide a sair da tasca da Milú, na noite em que a marcha da Bica soube que ganhara, no meio da euforia colectiva, perguntei-lhe se ficara contente, ao que me respondeu que sim, que não lhe era indiferente. No entanto, a sua alegria não foi festejada na rua.

68De facto, esta família nunca se misturou com os destinos da colectividade. Muito amigos do Zé Machado, a maior ligação com as Escadinhas alimentava-se com ele e a Joana, algarvia a viver ali há cerca de 10 anos. Só o Fernando, seu companheiro, se fizera sócio. Mais ninguém e sempre cultivaram uma certa distância em relação aos mais notáveis; muitas vezes trocaram o arraial das escadinhas pelo do Zip-Zip, próximo de Santa Catarina, onde se encontravam os familiares do Fernando e velhos conhecidos; este animou alguns desentendimentos entre os marchantes. É certo que, quando participaram, torceram o mais possível pela marcha da Bica. Mas no final do período festivo, todos confessaram: se Santa Catarina levasse uma marcha, eles preferiam ir nela. E nunca mais participaram na marcha da Bica. Como estes indivíduos, a participação de muitos outros decorre do mesmo modo.

Os ensaios

69O espaço aberto cedido pela EDP, que fica entre a Av. 24 de Julho e a Rua de D. Luís, é um lugar amplo, desabrigado, ventoso, pouco iluminado. Os ensaios da marcha da Bica costumam ter poucos assistentes. Os participantes vão chegando, sós ou em grupos, de fato de treino, à vontade, agasalhados, porque Abril e Março ainda são frios... Todas as noites, às nove da noite, umas vezes mais tarde, têm início os ensaios, que começam pela primeira marcação, marcação esta que começa por apenas ter existência real na cabeça de um ou dois. Muito irá nascer, aos poucos, nestes ensaios.

Foto 45. Ensaiando no recinto da EDP, em S. Paulo (Maio 1991)

Foto 45. Ensaiando no recinto da EDP, em S. Paulo (Maio 1991)

70Mais velho do que Raul, o Florêncio é uma preciosa ajuda nas marcações. Raiíl relata a sua experiência de ensaiador:

Antes de começar a ensaiar eu sabia que teria de fazer uma primeira marcação para partir para a segunda. Porque o mais difícil é arrancar do zero para a primeira. E depois a segunda e a terceira, são as ideias que nascem na altura – e que eu penso que são as melhores. Se começamos a fazer os desenhos no papel – é muito giro – mas chegamos à altura e não dá. Porque o papel é uma coisa e estar a trabalhar com arcos é diferente, tem que ser mesmo na altura. Não é fácil, porque eu estar a transmitir uma ideia a 50 pessoas não é assim tão fácil como isso. Estou sempre aberto ao diálogo, sempre disse que se não gostassem para me dizerem, muitas vezes eu dizia-lhes para fazerem assim, e eles faziam melhor (Out., 1991) (Figura VIII em Anexo).

71Conta Florêncio, sempre presente como marchante, que o Raúl, de facto, costuma consultá-lo:

Há um esquema de marcações, mas muita coisa muda: há uma volta que não pode ser dada assim... Por exemplo esta marcação que nós agora estamos a ensaiar, que é o bolo de noiva, surgiu de uma marcação antiga. Mas isso eu já vi fazer há uns anos atrás na marcha da Bica. Eu lembro-me, eu fiz um desenho como vi... E o nosso esquema de trabalho é assim, a gente faz, discute os dois, e decide.

72O cunhado do Raúl, e presidente do clube, Armando Costa, lá está sempre, a pôr ordem, a ajudar, por vezes a sugerir, também. Por vezes o grupo indisciplina-se, sobretudo as mulheres, que refilam, não páram de falar e de mandar bocas... O ensaio termina por volta das 11 horas, e costumam fazer um intervalo no meio – que, por vezes demora mais do que o desejado. De qualquer modo, em final de Maio já se alinham as quatro marcações referentes às quatro marchas: três da Bica e uma comum às marchas de todos os bairros: a Grande Marcha de Lisboa. O corpo de marchantes já pisa o chão à vontade, e as suas vozes já se ouvem bem. Só faltam os fatos, os arcos, a luz a envolve-los para deslumbrar todo o bairro que os vai ver, naquela noite tão esperada, a primeira em que se vão exibir e ver o efeito que produzem: a do Ensaio Geral.

73Os dias que antecedem o Ensaio Geral são dias de muito stress, intenso trabalho, múltiplas preocupações. Por muito cedo que tenham começado com a preparação da marcha, há sempre coisas a ultimar: os milhares de pétalas dos gigantescos manjericos, num verdejante papel celofane, que falta ainda colar, uma a uma; ou as canastas das «peixeiras» que inexplicavelmente se esgotaram no mercado lisboeta, viajando um grupo até à Nazaré em busca delas; um arco ainda por colar e pintar, o relógio da Ribeira por desenhar, o arco do clube por electrificar, outro que arde e se tem de refazer...Esta azáfama prolongar-se-á por quase todos os dias de Junho: desde os primeiros dias até ao desfile da Avenida e, sobretudo depois deste, resultante do feed-back do júri que sempre deixa escapar algum comentário solto, alguma crítica. Até à ida ao Pavilhão, muito muda na decoração dos arcos: mais flores, outras cores, um acrescento ali, uma pincelada acolá.... Mas a emoção do primeiro momento em que a marcha se apresenta, quase acabada, essa é a do Ensaio Geral.

A Bica é linda! Competição e bairrismo

O Ensaio Geral

74O espectáculo começa sempre perto das dez horas da noite, às vezes, até, um pouco mais tarde: é Verão, os dias são compridos e a marcha brilha mais contra o negro do céu... No entanto, sempre é anunciada para as nove e já perto das oito começam a chegar os mais velhotes, com as suas cadeirinhas e banquinhos de armar, a tomar lugar mesmo à frente, fazendo uma primeira fila bem pertinho da corda, envolta em festão colorido, que separa o recinto do espectáculo. À entrada do recinto, do lado da 24 de Julho, lá está o Tóino, padrasto do Raul, com duas lindas taças, prémios de anos em que a Bica ganhou, bem areadas, a recolher donativos para o Clube; a criançada corre e brinca, pedaços de famílias dispersas encontram-se, o tio que veio do Barreiro, a prima do Cacém, o amigo da Amadora, conhecidos revêem-se, os bebés são apresentados, vive-se uma animação tremenda.

75Num bar improvisado – uma tábua em cima de algumas grades – servem-se cervejas, sandes, amendoins, batatas fritas.... Ao lado, um caixote de lixo alto, cinzento, ostenta a sua residência: Calçada da Bica Grande, 37. Ao fundo daquele enorme espaço, perto da entrada do lado da Rua de D. Luís, por detrás do muro, estão os marchantes, já fardados, os arcos encostados ao muro, numa expectativa atenta. Alguns dos organizadores, o Armando, o Raiíl, nervosos, andam de um lado para o outro, afogueados, engravatados, suados...O José Júlio também está nervoso, com o seu cachimbo e a sua calma aparente...o Zé Machado, de fato novo, desmultiplica-se conversando com todos, com os familiares, os amigos estrangeiros, o presidente da Junta, os representantes do Vai-Tu, os arquitectos do Gabinete do Bairro Alto, a amiga da Câmara, as moças do Gabinete de Festas, a antropóloga chata, a fotografar tudo e todos...

76Já na penumbra, ouve-se ao longe a música, ritmada pelo som roufenho de um tambor: é o caixa, a bater o compasso da marcha. Todos acalmam, na expectativa, faz-se silêncio...e eis que surge, ao fundo, o porta-estandarte, de fato e gravata, seguido das mascotes, filhos do Raúl, o Tiago de 4 e a Sandra de 6 anos, autênticas miniaturinhas de marchantes, muito orgulhosos nos seus fatinhos, seguidos pelo primeiro arco, deslumbrante, da Ribeira.... e já se ouve a música e as vozes delas,...Ponham colchas à janela que vai a Bica a passar... E a Ribeira vem com ela, e a Ribeira vem com ela, qual gaivota a esvoaçar...

77Aproximam-se, marchando dois a dois, entram para o meio da cintura de espectadores, alinham-se e poisam os arcos. Ali ficam parados, ao som da música, a cantar, a agitar as saias.

Foto 46. Ensaio Geral no recinto da EDP (Junho 1992)

Foto 46. Ensaio Geral no recinto da EDP (Junho 1992)

78Em 1992, os doze arcos representavam, por esta ordem, o mercado da Ribeira, a Câmara Municipal de Lisboa, o Marítimo Lisboa Clube, o Santo António, São João e S. Pedro, e as seis réplicas dos chafarizes escolhidos. Cinco dos temas são obrigatórios, comuns a todos os bairros: a cidade, na figura do arco representando a Câmara Municipal, a colectividade organizadora no arco do Marítimo, ambos com caravelas e barcos, e os três Santos Populares, pela ordem cronológica por que se celebram que também é a da sua relevância simbólica. Se estes cinco temas afirmam a pertença à cidade de Lisboa e a organização concertada entre o poder local do município e de cada «bairro», bem como o período festivo que celebram – os Santos –, os restantes sete temas representam a singularidade de cada bairro. O elevador, os chafarizes, as estátuas, a Ribeira, as Escadinhas, a Bica dos Olhos, são signos que falam da Bica, que identificam o seu território e que recorrentemente aparecem.

79Silêncio! É o momento solene dos discursos. A um canto, o microfone não funciona muito bem, mas dá para ouvir, apesar da impaciência dos assistentes. É o Armando quem abre a sessão:

– Meus senhores, minhas senhoras, boa noite. É como muito prazer que a Marcha da Bica, ao fim de um grande esforço, da grande luta que tivemos, está aqui para vos apresentar aquilo que irá apresentar nas Marchas de Lisboa. Quero agradecer à EDP pelo local que nos cedeu para que nós pudéssemos ensaiar e quero agradecer além de tudo a todos os colaboradores, a todos os amigos que estiveram do nosso lado e que nos estiveram a ajudar, perdendo horas, noites afio. A todos o meu obrigado! (palmas) Atenção, vai ter a presença o senhor presidente da Assembleia Geral, o Dr. José Machado (palmas).

80Faz-se silêncio e o orador compõe, nervoso, o nó da gravata:

– Com um B de Belo, com um I de Inconfundível, com um C de Carinhoso e com um A de Amor, se escreve a palavra BICA, o nome deste Bairro, a quem já apelidaram de «deslumbre». E a Bica deslumbra mesmo. Não existe nestas palavras qualquer sentimento faccioso ou sectário, não, o que perpassa por estas palavras é o amor que se vai bebendo à medida que se calcorreiam estas ruelas e calçadas e se contemplam largos e outros locais deste nosso Bairro (...) Nos tempos que correm, muitas das tradições vão sendo postas de lado, contudo, existem ainda muitos, como vós, obreiros da Marcha e do Arraial da Bica, que se entregam de alma e coração à Marcha e ao Arraial. É com grande orgulho que me encontro entre vocês...

81É de facto, um momento de comoção, este, que reúne o bairro todo. Armando pega no microfone: – E, findas estas pequenas e poucas palavras, nós vamos passar realmente à apresentação. Portanto, a partir deste momento a Marcha fica ao cuidado do Raúl...

82E a Marcha arranca, a cantar e a marchar, com os seus arcos e as suas raparigas bamboleando as ancas. Os quatro aguadeiros, que são o apoio permanente da marcha e mais dois ou três directores, não páram de um lado para o outro, agitados a dar ordens, a afastar as pessoas que se aproximam do recinto, para dar mais espaço à marcha, a ajudar um par a manter em pé o seu arco que o vento torna difícil de transportar.

...Hoje a marcha sai,
mas que reinação
Vem o bairro inteiro que eu já sei
Olha como vai
cá o meu balão...

83E logo de seguida, todos cantam o refrão:

  • 12 E assim a Bica. Marcha de 1991, repetindo uma marcha antiga de 1958, de Frederico de Brito/ Alves C (...)

Que rica
que vai a Bica
Vai com tal graça e tem um certo não sei quê
Que linda
que ela é ainda
Por onde passa até alegra quem a vê...
Lisboa
hoje enfeitou-a,
fez dela um arraial de amor e fé
Foi posta
naquela encosta
Só quem lá mora é que conhece o que ela é!
12

  • 13 A partir de 1992, parte deste ensaio passou a ser preenchida pela exibição da Marcha Infantil da Bi (...)

84O Raúl, anda por dentro deles, transfigurado do nervoso. Nos momentos mais espectaculares, todos batem palmas – quando, por exemplo, um barril com fogo de artifício lança estrelinhas para os ares; ou então, acompanham, cantando uma marcha antiga. As crianças são as mais difíceis de controlar: querem fugir para o meio da marcha, segui-la, dançar com elas, dar às ancas...13

  • 14 A Bica é um jardim. Marcha de 1991 da autoria de Américo Silva e música de E. Goltz.

Escadinhas da Bica
Que tem o condão
De ser a mais bairrista e do bairro o coração
Cá na nossa Bica há os Cordoeiros
E rua castiça para timoneiros
É neste bairro que eu vivo
Será nele que irei morrer
Creiam bem no que vos digo
Esta marcha é para vencer!
14

85São apenas vinte e cinco minutos que a exibição dura, e quando acaba, para um breve intervalo, poucas pessoas abandonam o recinto. Logo a seguir a marcha vai repetir, e só depois é que a festa acaba. No final, uma fila incerta de gente espalha-se pela Rua de S. Luís, Rua da Moeda, em direcção à Bica...

Figura 20. Percurso da volta ao bairro (1991 a 1994)

Figura 20. Percurso da volta ao bairro (1991 a 1994)

86Por vezes, é no próprio dia deste Ensaio Geral que a marcha dá a sua Volta ao Bairro. Esta volta consiste no desfile que os marchantes e o cavalinho fazem pela ruas do bairro, sem os arcos, cantando processionalmente. Sai dos Banhos de S. Paulo (Foto 47), de manhã ou de tarde, e, em desfile, percorre lentamente as principais artérias do bairro, parando de vez em quando. São precedidos por directores do Marítimo que seguram, aberta, as pontas da bandeira do Clube – para a qual vão caindo notas e moedas, atiradas das janelas dos prédios. Este peditório tem um objectivo: angariar fundos, ganhar o bairro para a sua causa, prenunciar a vitória, forçando o destino a seu favor. Como no futebol, como nas eleições, acreditar numa vitória certa contribui para que o futuro sorria... A solidariedade dos habitantes do bairro – para a sua marcha e o seu clube – manifesta-se e, no final, já na sede, chega o momento da contagem do produto. A volta dura mais de uma hora, e ao grupo dos marchantes acabam por se misturar amigos e vizinhos, que seguem, na cauda, a marcha.

Foto 47. Volta ao bairro à saída dos Banhos de S. Paulo (Junho 1992)

Foto 47. Volta ao bairro à saída dos Banhos de S. Paulo (Junho 1992)

87O percurso é sempre o mesmo, garante-me o Zé Machado. Com efeito, assemelha-se ao percurso da procissão, ao caminho percorrido pelos atletas do Grande Prémio de Atletismo comemorativo do Aniversário da colectividade, às linhas que alguns habitantes me traçaram indicando-me as ruas que pertenciam à Bica: nestes percursos é a Bica que se constrói e se reforça, definindo e reafirmando os seus limites territoriais (Fig. 20)

Desfile na Avenida e exibição no Pavilhão

88O desfile pela Avenida da Liberdade, na véspera do dia de Santo António é menos importante do que a ida ao Pavilhão, cerca de uma semana mais tarde, tanto para os habitantes do bairro como para os participantes da marcha. Alguns factores contam para isto. Em primeiro lugar, é transmitida em directo pela televisão, com uma riqueza de pormenor que, na Avenida, é dificilmente visionável. Em segundo lugar, torna-se incómodo para os espectadores que, para verem em condições o espectáculo têm que ir algumas horas antes para apanhar lugar na primeira fila, junto à vedação que separa a estrada do passeio ao longo da Avenida, o que se torna muito cansativo, visto o desfile durar mais de cinco horas. Em terceiro lugar, a noite de Santo António é a noite forte do arraial, no bairro; o programa musical é o melhor, a afluência a mais intensa em véspera de um dia feriado, etc. Da parte dos seus organizadores, todas as mãos disponíveis são mobilizadas, todos os recursos de segurança também; e além disso, a chegada da marcha ao arraial deverá ser condignamente festejada, e é um dos momentos mais empolgantes para os seus habitantes.

89No entanto, não deixa de ser esta a primeira exibição pública da marcha, a mais importante para a cidade, para o mundo, já que através da televisão chegará a todo o país e até ao estrangeiro. Os marchantes concentram-se no Marquês de Pombal, no topo da Avenida, aguardando a sua vez; a ordem do desfile foi previamente sorteada. A descida é longa e lenta, com alguns momentos de paragem, para exibirem apenas duas das quatro marcações: a Grande Marcha de Lisboa, e uma das marchas da Bica. Destas exibições, a mais importante é, sem dúvida, a que fazem defronte da tribuna, onde está o júri e um conjunto de entidades oficiais, entre os quais o presidente da Republica e o presidente da Câmara. A descida de cada marcha não ultrapassa o par de horas, mas é cansativa: a avenida é inclinada, e fazer os passos para baixo e para cima, com o peso dos arcos, torna-se difícil.

90Depois é chegar ao Rossio, onde estão as camionetas todas reunidas, ser abraçado numa euforia comovida por amigos e parentes, saudar a claque que os acompanhou, transportarem os arcos para a sua camioneta e abalar, normalmente a pé, até ao arraial do seu bairro.

  • 15 O júri compõe-se dos seguintes elementos: um coreógrafo, que faz a apreciação das marcações; dois a (...)

91Revestido de uma maior solenidade é o dia do Pavilhão. Nessa noite, a marcha da Bica será uma das seis que se irá exibir, com o total das suas marcações. Em três noites intercaladas o júri poderá assim apreciar, de novo, as dezoito marchas concorrentes e no final mostrar as sua pontuações. O júri é composto por oito elementos, cada um responsável pela apreciação de um dos aspectos: coreografia, arcos, música, etc.15 A pontuação que cada um, individualmente, atribui, é no final somada e as marchas são assim escalonadas. A que obtiver mais pontos, será a vencedora. Desde 1992 criou-se mais uma exibição no Pavilhão: a finalíssima, em que as seis melhores marchas disputam o primeiro prémio.

92Durante toda a tarde, antes da ida ao Pavilhão, as Escadinhas estão bastante animados. A Júlia, que este ano não vai na marcha, prepara-se para sair e ir andando, com toda a claque, já para o Pavilhão. Foi ela que ficou responsável pela sua organização.

93São cinco horas e os marchantes circulam por ali, saem de casa, falam à janela com familiares e vizinhos, sentam-se pelos degraus da rua em pequenos grupos de dois e três; à porta da Mariazinha, um grupo de raparigas conversa.

Foto 48. Calçada da Bica Grande no dia do Pavilhão (Junho 1991)

Foto 48. Calçada da Bica Grande no dia do Pavilhão (Junho 1991)

94A Carvoaria Minhota conhece um maior movimento..., marchantes, familiares e amigos, entram e saem... Queixam-se que estão proibidos de beber, e assim o tempo custa mais a passar, lá se vão enganando com uma Imperial, um Sumol... Alguém, que faz hoje anos, paga uma rodada a todos, conversa-se, brinca-se, de mesa para mesa...As raparigas, por sua vez, vão-se dirigindo para casa da Filomena, mulher do presidente do Marítimo, em cuja mesa da sala está exposto todo o material de maquilhagem que a Florbela se entretém a utilizar em cada uma delas à vez...Sempre que um homem quer ali entrar, a Mena refila, gritando alto e bom som que ali não podem entrar homens, que é só para mulheres; a Júlia vai buscar, às escondidas, um pouco de sangria ao Marítimo, que o Armando mandou fazer para quando os marchantes regressassem do pavilhão.

95De uma das portas do Beco, sai o Chico, já fardado: vai para os Banhos ajudar a carregar os arcos para a camioneta da Câmara que deve estar a chegar. Desço com ele e vamos até aos Banhos. Vêm a sair o Florêncio, o Tó, o Calhau, vão comer qualquer coisa, a camioneta só vem a um quarto para as sete. Vou com eles, a um tasco na Rua de S. Paulo. Uns já estão meio fardados, como o Florêncio, outros completamente, como o Chico, outros ainda não. Nos Banhos ficaram o José Júlio, o Armando, o Raúl. São duas as camionetas que vão transportar os arcos: uma maior, coberta, para os arcos – o Armando teve medo que chovesse – e outra, mais pequena, para os adereços – barris, bilhas e uma espécie de mastro, decorado com balões, com rodas, acabado de fazer, num rasgo de inspiração. Este mastro, segundo me explicam, é uma alusão às verdadeiras marchas ao fulambó populares (Foto 49).

Foto 49. Carregando a camioneta à porta dos Banhos de S. Paulo (Junho de 1992)

Foto 49. Carregando a camioneta à porta dos Banhos de S. Paulo (Junho de 1992)

96A animação percorre também a Rua de S. Paulo, no gaveto que o passeio forma entre a entrada do elevador da Bica e o início da íngreme Calçada Salvador Correia de Sá. A Caneca e a Vaquinha são lugares onde se bebe qualquer coisa e se conversa com alguns amigos e familiares; também elas se enchem de aguadeiros do século passado e vendedoras de fruta...O lugar da Bancada Azul engrossa, os transeuntes param e espreitam para a rua, agora já iluminada: É a marcha da Bica que vai sair.; diz-se. Acabam por se juntar todos nos primeiros degraus, de frente para S. Paulo (Foto 50).

97E o momento alto, da emoção das despedidas. As Escadinhas, de súbito, ficam apertadas; as luzes do arraial acendem-se, na penumbra do anoitecer, o caixa dá o ritmo, e todos cantam, a despedir-se do bairro. Toda a gente está à janela, muitos formam uma pequena multidão do outro lado da rua, em S. Paulo. Os eléctricos abrandam, o trânsito infernal apaga-se... Os marchantes cantam alto e bom som e as grossas paredes daqueles prédios velhos ressoam por ali acima. Algumas mulheres choram – é o caso da Mariazinha, mãe do Raul e da Filomena, Tem saudades, casou-se na marcha..., dizem, já lá vão 40 anos! Recusa-se sempre ir ao Pavilhão, comove-se muito...

Foto 50. Despedida da Marcha (Junho 1991)

Foto 50. Despedida da Marcha (Junho 1991)

98Insistem para eu ir na camioneta. O Armando, de fato e de gravata, controla as entradas na camioneta, que já está quase cheia. Entro. Cá fora, as irmãs Gracinda e Clara Amado, ao lado da sua cunhada Maria, escondem as lágrimas, sorrindo e acenando. A camioneta arranca, com as suas bandeirolas e lenços das janelas, numa grande algazarra...estão todos nervosos, com aquela euforia toda. Eu sento-me ao lado da Eugénia, a mulher do Florêncio, que me oferece prontamente o lugar. Olha para ela, graxista, quer ir ao lado da fotografa, diz logo alguém... Mal contornamos a Ribeira, grande burburinho se levanta: Alto! e pára a camioneta. Falta o xaile da madrinha! Salta de imediato o Raul, corre à Bica e passado pouco tempo regressa, já com o xaile. O padrinho não vai estar presente, tem um espectáculo, vai só a madrinha... e a cantar marchas antigas da Bica, a conversar, a brincar, a fumar, lá vamos todos em ambiente de excursão para o Pavilhão, nesta camioneta velhíssima, do tempo da 1a Guerra Mundial, dizem, na brincadeira...

99As noites em que as marchas se exibem, são, seguramente, as noites mais animadas deste Pavilhão. A pinha, o barulho e o bulício são indescritíveis. As claques das diferentes marchas distribuem-se por todas as bancadas da geral, segurando os seus cartazes, panos pintados, cascóis coloridos... Os marchantes, com os seus fatos de cortes, cores e materiais diversos, passeiam-se, e podemo-nos cruzar no bar com uma dama do século xviii, com o seu vestido de roda e alta peruca emproada, uma varina descalça de mini-saia e avental brilhante ou uma saloia de tairocas envernizadas e rodilha na cabeça... Mas o grosso do batalhão de marchantes, encontra-se todo na parte de trás do Pavilhão, a pleno ar, de onde entra directamente para o palco, por um dos lados, saindo por outra porta.

100A confusão é grande, com um movimento contínuo de gente a entrar e sair do recinto; muitos só ali estão para ver e aplaudir a sua marcha, só ficando sossegados nos cerca de vinte minutos em que a sua marcha se exibe. Em 1992, a Bica estava muito melhor representada do que em 1991.

O ensaio geral do ano passado afastou muita gente do pavilhão. Por causa dos arcos tão pesados. As pessoas começaram a ter medo, vergonha...houve muita gente que não foi ao Pavilhão. Eu próprio tive medo, não pelo meu arco, que era o mais leve de todos, o do Marítimo, mas pelos outros (Florêncio, Março de 1992).

101Das seis marchas dessa noite, a única que é entusiasticamente aplaudida pela claque da Bica é a do Bairro Alto: Bairro Alto, amigo, a Bica está contigo! Esta claque é bastante grande, dirigida por alguns indivíduos estrategicamente bem colocados. O Zé Machado é um deles. Na marcha que antecede a sua exibição, já tudo está impaciente pela Bica, a última da noite; ainda ela não saiu e já tudo grita BICA! BICA! BICA!, numa histeria ensurdecedora. Distribuem-se pauzinhos de fazer estrelinhas; as mães chamam as crianças pequenas para o pé delas, não se vão magoar, tais são os saltos, o bater de pés, o esbracejar furioso: todos ficam, de um forma ou de outra, fora de si. Força, Bica! lê-se num cartaz branco, um cachecol debruado a azul com o nome do bairro agita-se no ar...

Foto 51. Marcha da Bica no Pavilhão Carlos Lopes (Junho 1992)

Foto 51. Marcha da Bica no Pavilhão Carlos Lopes (Junho 1992)

102Mal surge a marcha, todos os pauzinhos se acendem e é um mar de estrelinhas no ar, a histeria colectiva atinge o paroxismo: os gritos, os saltos, o chão a tremer, até o Zé gritar Já chega!, mandando calar o pessoal. De vez em quando, levanta-se um grito geral Bica! Bica! Bica!, deixa de se ouvir por completo a marcha, para depois acalmar. Embora no resto do pavilhão já se vejam grandes buracos nas bancadas, a claque da Bica, com os seus gritos, apaga este esmorecimento.

103Quando a marcha acaba, e se retira no meio dos mesmos gritos, todos se acalmam. Levantam-se e começam a sair, dirigindo-se para a traseira do Pavilhão, onde todos os marchantes se encontram. Entre beijos e abraços, lágrimas e risos, tiram-se fotografias de grupo, os familiares não largam os seus, outros deitam-se na relva cansados...Ninguém duvida que a Bica foi a mais bonita na música, nos arcos, na iluminação. Corre o boato, secretíssimo, ainda, de que a Bica teria sido apurada para a Finalíssima – um dos membros do júri teria contado a alguém. Está tudo emocionado, mas há que arrumar os arcos na camioneta, que regressar a casa...

104Minutos antes da chegada da camioneta transportando os marchantes, a Bica parecia adormecida. Uma noite de semana, sem arraial, só os homens do lixo haviam quebrado esta calma quase de província, ao arrastarem os caixotes escadinhas abaixo, num troar ensurdecedor que demorou apenas alguns minutos, para logo cair o silêncio. De repente, pára a camioneta, ao fundo da calçada, alguém corre escada acima e, quando os primeiros marchantes começam a subir a rua, já ela se ilumina toda, a recebê-los. No Beco, uma mesa comprida espera por eles, com sangria e sandes, para a ceia merecida e festa rija até de madrugada.

O dia em que a Bica ganhou

105Nesse ano – 1992 – a Marcha da Bica foi uma das seleccionadas para a Finalíssima, que teve lugar no Pavilhão Carlos Lopes. O espectáculo foi muito semelhante ao de dias antes, talvez um pouco mais empolgante. Passado poucos dias, na noite do encerramento das Festas de Lisboa, no Terreiro do Paço, estas mesmas seis marchas exibiriam-se num palco montado nesta praça.

Nessa noite a Bica estava calma, iluminada, na expectativa. Na Praça do Município, encontrava-se o arraial das marchas: as camionetas estacionadas, os marchantes em alegre confraternização, entre si e entre as diferentes marchas. Os da Bica, dispersos, sentados na estátua, a esperar pacientemente os grandes atrasos habituais: já eram onze horas e ainda estava a desfilar a terceira...
Todos estão alegres e serenos. Corre o segredo de que vão ganhar porque um jornalista do
Diário de Notícias, que ali foi, só entrevistou esta marcha. Um segredo que justifica a cara alegre de todos, o clima descontraído e de brincadeira. Por ali, do outro lado da estátua, está também a marcha da Madragoa, que já actuou, e descansa agora. Alguns marchantes de ambas as marchas conversam entre si.
A actuação das marchas no palanque montado no Terreiro do Paço é um espectáculo algo triste. Visto de baixo para cima, o espectáculo não resulta. Em redor, vendem-se pipocas, algodão doce, hamburguers e cachorros, bebidas, gelados e o entusiasmo por esta exibição
folclórica é pequeno...
Terminada a sua actuação, a marcha da Bica, que quase passara despercebida no meio daquela multidão flutuante, regressou à Praça do Município. O director da marcha decide ir já de seguida para a Bica
para evitar confusões... Todos receiam a pancadaria quase certa, logo que se saibam os resultados, e sentem-se mais seguros no seu território e não naquele espaço aberto e, ainda por cima, às escuras, a ponto de se iniciar um espectáculo de fogo de artifício.
A marcha arranca, tocando e cantando: deixam para trás as camionetas e seguem pelas ruas, até à Bica. É um espectáculo muito bonito de se ver, a marcha toda iluminada pelas ruas, ladeada e seguida por muita gente, e só me ocorre que seria assim no tempo das marchas
aux flambeaux, grupos de mascarados, com arcos iluminados, e bandeiras, cantando e desfilando pelas ruas... Vai pela Rua do Arsenal, vira no Corpo Santo até apanhar a Rua de S. Paulo e assim chega à Bica. As Escadinhas estão todas iluminadas, as pessoas saem de casa e vêm até à rua ver o espectáculo. A marcha para uns minutos, como que a cumprimentar os seus, dá meia volta e vai até aos Banhos de S. Paulo, onde arruma os arcos e os adereços. Todos estão cansados, numa enorme expectativa de saber quando anunciarão a vencedora. Alguém sintoniza, num rádio a pilhas, o posto do Rui Vilar. O pessoal senta-se por ali, no chão e, de vez em quando, aproximam-se do rádio, em amena conversa. E perto da uma da manhã, quando todos regressam, em pequenos grupos, à Bica.
Na
Bica Grande e no Beco, iluminados, o ambiente é silencioso e muito tenso. Algumas velhotas por ali andam de roupão e de chinelos, de transístor colado à orelha; encostados às portas de suas casas, grupos de vizinhos falam. Ninguém dorme na Bica. A Júlia já está no seu posto no balcão e vai servindo bebidas, um rádio está em equilíbrio, à janela do Marítimo para que todos possam ouvir, mas nada. O Zé Machado está nervosíssimo, cheio de dores de estômago e sofre, não acreditando que a Bica vá ganhar...
...de repente, sobem dois adolescentes, de capacete na mão, esbaforidos, a correr
escadinhas acima e a gritar: A Bica ganhou! A Bica ganhou! Tinham estado no Terreiro do Paço e mal tinha sido anunciado, pelo actor Nicolau Breyner, ao altifalante, eles tinham vindo para aqui. Estala a euforia, o Zé ainda tem um momento de hesitação, não é verdade, vocês estão a brincar..., mas é evidente que não, a cara deles não engana.
E a explosão de alegria, de lágrimas, uma verdadeira histeria colectiva. Todos se abraçam e se beijam, gritam e choram e é um momento de comoção verdadeiramente indiscritível. A Lena, prima do Zé, aparece com uma garrafa de
whiskie na mão, e logo se começa a preparar a festa. Uns quantos vão para o churrasco, ao lado do balcão, e lá seguem as ordens do Tó; outros vão para dentro do balcão servir bebidas; todos estão molhados da comoção, do suor, das lágrimas, da alegria que escorre Bica abaixo... O Beco vai-se enchendo cada vez mais, na esquina em frente ao Marítimo já ninguém se consegue mexer e a Bica fica cada vez mais pequenina, mais encolhida. O ajuntamento é tão grande e aquele piso tão íngreme que eu busco um vão duma porta para me proteger dos apertões, saltos e encontrões.
Todos saltam e gritam:
Olé, olá, quem não salta não é da Bica! Olé, olá, a Bica é o melhor que há!, e, de vez em quando, um solista grita; És do Bairro Alto? coro: Não! sol..És de Alfama? coro: Não! sol: És da Mouraria? coro: Não! sol: Então donde és? coro: Bica! Bica! Bica! Bica! De vez em quando, um grito estridente sobe aos ares: A Bica é liiiinda!! e cantam uma canção em voga sobre a dura vida do marinheiro, trocando marinheiro por marchante...
Os músicos sobem para cima das mesas montadas no arraial do Beco e tocam as marchas, acompanhados de todos que cantam. Não se consegue andar. Alguém me faz sinal, do meio da multidão, a oferecer-me uma bebida. Saio da minha fortaleza, no vão da porta, e encaminho-me, furando e empurrando para o centro da festa. O meu amigo Zé faz de escudo à minha proeminente barriga, tão exposta aos apertões e cotoveladas que no ardor da festa, chovem sem que ninguém se importe com isso...
De repente começa-se a formar um cordão humano, em fila indiana. Sai do Beco e começa a
fazer uma volta ao bairro, seguida de muita gente. Sobem as escadinhas, a rua do elevador e param na esquina da Travessa, da Laranjeira virados para o lado da casa do José Marques. Pouco depois, ele acompanha o cortejo, que sobe mais um pouco até à Travessa, do Sequeiro e desce pela Rua do Almada até à Travessa do Cabral, repetindo um percurso idêntico ao da volta ao bairro. Estas duas ruas, no entanto, estão sossegadas como se nada se passasse: ninguém nas janelas, ninguém na rua. De repente, surge um polícia esbaforido a subir pelas Escadinhas acima com cara de poucos amigos. Diz-se que houve uns miúdos que andaram a tocar às campainhas na Salvador Correia de Sá e que alguém terá telefonado para a esquadra a fazer queixa...
O subchefe da polícia fala com o Armando, dizendo que têm de acabar aquela algazarra, que não se pode fazer tanto barulho. Ninguém liga, claro, apesar de já serem umas três horas da manhã. A mulher do Armando começa um número que vai repetindo pela noite fora: sobe para o balcão e manda calar o pessoal com chius!!, para não fazerem barulho; gestualmente, com as mãos pede que todos cantem mais forte a começar por ela própria, o que dá um espectáculo engraçado de duas mensagens contraditórias, uma para o polícia ouvir, a outra para todos entenderem. Passado pouco tempo faz o mesmo da varanda de sua casa... Toda a noite a Bica esteve em festa.
(Excertos do
Diário de Campo, 30 de Junho de 1992)

106A entrega dos prémios é feita dias mais tarde, numa pequena sessão solene, na burocracia fria dos Paços do Concelho, com a presença dos vereadores e funcionários da C.M.L. implicados nas Festas da cidade e os representantes das colectividades que ali vão receber os prémios: da marcha, do arraial, da rua mais bonita, do melhor trono. Estão presentes meia-dúzia de notáveis do Marítimo. Trata-se de uma cerimónia cinzenta, um ponto final sem graça NO PALCO DA CIDADE (1952-1992) sobre um mês tão animado como é o de Junho para os bairros populares e típicos de Lisboa.

107Mais uma vez, a realidade não se deixa ler apenas pela observação in loco, existindo num registo múltiplo. Aparentemente, a única compensação que a marcha ganhadora tem é uma taça, solenemente oferecida à colectividade organizadora. De facto, a vitória alcançada por esta colectividade traz mais lucros do que apenas a posse patrimonial de uma taça: algumas saídas da marcha, contratada para se exibir nos mais variados lugares de espectáculo, por vezes até, idas ao estrangeiro, a países onde a emigração portuguesa é suficientemente forte para pagar a sua deslocação um relacionamento privilegiado com a Câmara Municipal, facilitador de ganhos de várias ordens, a nível colectivo – da associação – e a nível individual, para os que nela construíram um lugar notado; um reconhecimento social, para o bairro e para a cidade dos bairros-irmãos que, como ele, participaram no espectáculo...

108Apesar do seu ar cinzento, esta cerimónia ritualiza o aperto-de-mão que sedimenta uma aliança mais profunda entre o poder autárquico e o poder desses clubes que lutaram por representar um lugar urbano: o seu bairro. E o maior prestígio alcançado pelas poucas marchas que, ciclicamente, sempre vão vencendo – Madragoa, Bica, Alfama, Castelo – definem uma hierarquia simbólica, diferenciando-as – e diferenciando os bairros a que pertencem. Há marchas para ganhar e marchas que não são para ganhar: as primeiras sabem que, além do subsídio anual para as marchas, que é, sem dúvida, uma fatia orçamental de decisiva importância para a sua sobrevivência anual, se encontram numa situação vantajosa em relação às segundas, na captação da solidariedade do governo municipal para o futuro incerto que, afinal, é a expectativa de todos estes bairros pobres e, quase em ruínas. Os bairros mais típicos, possuidores de um maior valor turístico, aqueles que mais urgentemente se vão recuperando e reconstruindo, são, em última análise, aqueles que mais louros têm ganho na sua participação no espectáculo das marchas de Lisboa: Alfama, Madragoa, Bairro Alto e Bica...

As fronteiras elásticas de um bairro

109A motivação que anima a preparação da marcha, e por conseguinte, a mobilização de esforços e recursos, é incomparavelmente maior do que para o arraial – o que se constitui como um indicador claro da dupla pertença destas organizações formalizadas a pequenos lugares, já que se radicam numa rua ou parte de bairro e, ao mesmo tempo, se constituem como entidades dialogantes com toda uma cidade e, particularmente, com o seu poder.

110De facto, uma razão pragmática contribui para este fosso entre as duas dimensões festivas: enquanto que o prémio da marcha se materializa num chorudo subsídio de milhares de contos, oferecido de início a todos os que participam na preparação do seu espectáculo – e independentemente das vitórias alcançadas –, o pequeníssimo subsídio para o arraial não predispõe a grandes esforços de organização, já que o prémio atribuído aos três melhores arraiais não costuma ultrapassar algumas centenas de contos.

111Na Bica, o aparecimento de arraiais surge, ou por iniciativa de alguns habitantes, muitas vezes comerciantes ou artesãos e, por isso, com uma identificação com a rua que habitam bastante marcada, ou por iniciativa de uma ou mais colectividades. No primeiro caso, a área enfeitada é restrita a uma pequena área, a uma parte de rua e, muitas vezes, nem sequer é o lucro o objectivo pretendido – caso do sr. Augusto Barreto, estofador, que assim recebe os familiares de fora de Lisboa. No segundo caso, a área envolvida é maior, a sua organização mais complexa, e a apropriação de um território e da legítima representação de todo um bairro configura motivações, práticas e, em última análise, todo um projecto muito mais ambicioso.

112Em Maio de 1991, duas colectividades da Bica prepararam o seu arraial: o Zip-Zip, da Rua dos Cordoeiros, enfeitou a sua rua, a Calçada Salvador Correia de Sá e o pátio do actual Colégio de Santa Catarina, no largo de S. João de Nepomuceno, erguendo um trono de Santo António, bem visível da Rua de S. Paulo. O Marítimo fez o seu arraial na Calçada da Bica Grande, no Beco, na Travessa da Bica Grande e na Travessa do Cabral. Apesar de muito falarem num projecto de trono, a verdade é que o dia de Santo António passou sem ele estar montado (Figura 21).

Figura 21. Arraiais do Marítimo e do Zip-Zip com os respectivos tronos (A e B) (1991)

Figura 21. Arraiais do Marítimo e do Zip-Zip com os respectivos tronos (A e B) (1991)

113O arraial do Zip levava algumas vantagens em relação ao das Escadinhas: o seu recinto era amplo, permitia colocar maior número de mesas, um palco e ainda espaço para dançar; o outro arraial, apesar do lindo efeito que fazia, fruto do anfiteatro natural que a rua sugere, revelava-se incómodo: dançar em escadinhas, mesmo debaixo da música, altíssima, que saía do coreto levantado na esquina do Beco com a Calçada, acabava por afastar os forasteiros que por ali passavam e iam assentar arraiais do outro lado. Além disso o programa das festas parecia ter sido objecto de um maior cuidado pela organização do Zip do que do Marítimo.

114Analisando o programa de ambos – intitulados Festas dos Santos Populares-Zip-Zip e Bica -Arraiais dos Santos Populares – e relembrando as noites passadas de um para o outro lado, podemos notar algumas diferenças (Figuras IX e X, em Anexo). Nos 16 dias de arraial do Zip-Zip, entre as suas atracções nocturnas, contou-se uma Grande Noite do Fado, para a qual foram convidados alguns nomes conceituados, nove noites animadas por conjuntos musicais, uma por um Grupo de Música Popular e Rancho Folclórico e apenas cinco por teclistas. Do lado do Marítimo, as mesmas noites foram animadas por conjuntos e por teclistas: nove noites por teclistas e apenas sete por conjuntos... Na realidade, as participações de teclistas foram mais vezes do que as anunciadas, por percalços de última hora...o que levou à quase deserção completa do arraial da Bica, nalgumas noites, em favor do arraial do Zip-Zip.

115Na véspera do dia de Santo António, de 1991, apareceu um artigo no matutino Correio da Manhã que acicatou os ânimos da Rua dos Cordoeiros; neste artigo informava-se que as festas da Bica estavam a cargo do Marítimo e o lindo trono erguido sobre a Rua de S. Paulo, pelo Zip-Zip era referido como fazendo parte desse arraial. O mal-entendido não passou desapercebido. Logo uma mulher da Rua dos Cordoeiros se dirigiu à sede do Marítimo pedindo explicações e mais do que isso, acusando-os, revoltada, de terem mentido aos jornalistas e usurpado o trono do Zip-Zip. Não só esta colectividade não era referida nas páginas do jornal mais lido, como ainda por cima toda a sua obra – trono e arraial – apareciam usurpados pela colectividade rival. Uma razão de peso alimentava ainda mais a revolta dos do Zip...: o Marítimo obtivera um subsídio de centenas de contos para o seu arraial, enquanto eles, apenas tinham conseguido obter menos de metade dessa quantia. A briga estalou e o ódio entre as duas colectividades reacendeu-se.

116Este episódio não ficou por aqui, e a resposta do Marítimo, que nessa altura alegou estar inocente de tal notícia pouco cuidada, não se fez esperar: em meados do mês de Junho ergueu, um pouco à pressa, um trono nas escadinhas da Travessa do Cabral...e ganhou o 1o prémio!

117Nos anos que se seguiram, o Zip-Zip não voltou a organizar arraiais. Do lado do Marítimo dizem que aquela colectividade morreu, está a desaparecer...

118Os Cordoeiros é uma das ruas mais castiças da Bica... canta-se na marcha de 1991. No entanto, esta rua e a Calçada da Bica Grande vivem de costas voltadas uma para a outra, pelo menos no mês das festas. Razões de vária ordem – políticas, pessoais, etc. – foram apontadas por diversos informantes situando as origens desta rivalidade em acontecimentos dos últimos dez anos. No entanto, esta clivagem surge já, de um modo bem explícito, nas poucas notícias que tomam a Bica e Santa Catarina por referência, surgindo estas duas ruas – Cordoeiros e Calçada da Bica Grande – como entidades organizadoras de festas – marchas aux flambeaux e bailaricos ou arraiais – até certo ponto independentes (Cap. 6).

119Um jovem sócio do Vai-Tu, habitante do Bairro Alto, em conversa sobre as colectividades da zona, disse-me: Zip-Zip e Marítimo, isso é tudo a mesma coisa, são os mesmos... ! Sendo ele da mesma criação que os jovens do Marítimo e, até, amigo de alguns deles, esta informação deu-me que pensar. Com efeito, nos primeiros tempos estas duas colectividades surgiam-me bastante contrastadas, nas pessoas, no território em que se inseriam... Mais tarde, fui-me apercebendo que os protagonistas do Marítimo haviam todos passado pelo Zip-Zip, quando o Marítimo ainda se encontrava em estado de hibernação. Com efeito, todo o núcleo central do actual Marítimo, participou activamente na direcção do Zip-Zip, ao longo de alguns anos. Mas esta participação, assim como de repente se iniciou, de repente morreu, e a imagem da linha do elevador como um fosso entre os do lado de lá e os do lado de cá, voltou a reinar entre os rapazes da Bica Grande.

120A Bica é o Iraque, o Zip-Zip o Irão – contam-me em tom de gracejo, os rapazes do Marítimo. Para estes rapazes, a associação Marítimo/Bica é mais verdadeira, que a de Zip-Zip/Cordoeiros. Como me explicou o Florêncio, um dia, sobre a rivalidade com a Rua dos Cordoeiros:

...não é bem rivalidade, isto é... é um núcleo de pessoas que no fundo passaram pelos dois clubes. Eu estou à vontade para falar que eu já estive lá, estou cá, dou-me bem com gente de lá e de cá, dou-me mal com gente de lá e de cá. Isto não é como estavam a dizer noutro dia (...) a tentarem fazer dos outros os maus da fita e os de cá os anjinhos. Isto tanto há mal de um lado como há mal do outro (Março 1992).

121A expressão os outros, neste caso, refere-se ao Zip-Zip:

Há uma corrente na R. dos Cordoeiros que é contra o Zip-Zip. Está aberto até muito tarde numa algazarra enorme. E proporciona a que se junte muita gente, muita gandulagem cá fora. É um mau ambiente. E o clube é visto com maus olhos por muitos habitantes da Rua dos Cordoeiros. Por isso eu não digo os habitantes da Rua dos Cordoeiros, eu digo o Zip, portanto quando me refiro aos do lado de lá é o Zip. E a quem lá frequenta aquilo.

122Florêncio está casado com uma mulher nada e criada na Rua dos Cordoeiros, e talvez por isso tenha uma visão mais complexa, mais «estereoscópica», da realidade. Quando o Marítimo reabriu ele vivia na Rua dos Cordoeiros; mas como nasci na Bica, as minhas raízes no fundo estavam deste lado. E acabei por começar por vir para este lado também. E depois entretanto houve a marcha, e depois então é que me desliguei mesmo do Zip. A mulher também entrou nesta primeira marcha, mas a vivência de ambos nesta experiência foi – e será sempre – diferente.

...a Eugénia está mais agarrada ao Zip. É lógico, ela nasceu ali, viveu ali, tem amigos de infância dela, o que não é o meu caso. Sou amigo deles todos mas já não é assim de infância como ela. Ela andou com eles todos na escola.

123A linha do eléctrico sempre foi fronteira, explica-me o Florêncio, lembrando os seus 10, 12 anos, quando os da Bica andavam «à porrada» com os da Rua dos Cordoeiros:

...a gente brincava aos cóbois na Bica, mas depois havia os da Rua dos Cordoeiros que não podiam vir p’rá Bica. A gente não deixava e eles também não deixavam que a gente fosse para a Rua dos Cordoeiros. (...) a fronteira era a linha do elevador. Daqui para o largo e do largo para cá. O problema era sempre o mesmo: eram os vidros partidos, até do elevador. Uma vez fomos todos presos, éramos alguns 15 e fomos todos para a esquadra, todos miúdos, 10, 12 anos (...) Não nos fizeram nada, foram lá as nossas mães buscar-nos e ainda foi pior, mais valia lá termos ficado! (riso) Levei uma tareia que até fiquei de cama!

124Com efeito, as ruas enfeitadas no arraial, nunca ultrapassam esta fronteira, inúmeras vezes assinalada: a linha do elevador.

125À pedrada, cada grupo defendia o seu território. Estes grupos definiam-se segundo uma dinâmica de fusão/cisão, semelhante à descrita por Evans-Pritchard entre os Nuer 1940), (quase poderíamos arriscar. Cada grupo definia-se por oposição a um outro, com níveis de abrangência vicinal e territorial cada vez maior, desde o grupo minimal até ao grupo maior:

  • 16 Noutra conversa, com homens entre os 50 e os 60 anos, as memórias também foram até aos jogos de ped (...)

Isto era assim: havia «o Beco» e nós, da parte de baixo [Pátio do Broas] de maneira que aquilo era pedrada para baixo, pedrada para cima. Mas quando vinha a «Rua dos Cordoeiros», a gente juntava-se, o Beco e o Pátio, e fazia guerra contra a Rua dos Cordoeiros. Mas quando vinham os gajos do Bairro Alto era o contrário: juntávamo-nos todos para combater os gajos do Bairro Alto (riso). Juntávamo-nos mesmo! E os combates eram sempre ali no Colégio [Largo S. João Nepomuceno] onde o Zip fez as festas o ano passado. Havia aquela vedação de ferro e então, a gente era lá dentro e eles eram cá fora. Entrávamos por uma escada, que eles não conheciam, nós é que conhecíamos. E quando estávamos aflitos, metíamo-nos na escada e fugíamos! (riso) E depois acabávamos de cabeças partidas...16

126A marcha e o arraial obedecem, com efeito, a dois tipos de intencionalidade estratégica por parte das colectividades que os organizam: enquanto a marcha se enquadra numa luta de prestígio entre pares, fora dos bairros, cujo palco de encenação é, em última análise, toda a cidade, o arraial surge como uma apropriação de um território e a afirmação de um protagonismo dentro do bairro, muitas vezes, igualmente belicosa, entre associações vizinhas.

Foto 52. Beco dos Aciprestes enfeitado (Maio 1991)

Foto 52. Beco dos Aciprestes enfeitado (Maio 1991)

Foto 53. Calçada de Bica Grande enfeitada (Maio 1991)

Foto 53. Calçada de Bica Grande enfeitada (Maio 1991)

Notes

1 Manuel Maria Machado «Marcha Popular da Bica», publicação da Câmara Municipal de Lisboa, 1989.

2 Cumplicidade que se estabelece, em grande medida, através do fado. Se nos lembrarmos de Milú Ferreira, nada e criada no Bairro Alto, habitando em Santa Catarina e com uma casa de fados em plena Bica, e se recordarmos o que ela nos contou sobre a sua infância passada também na Bica, como aprendiza de costureira, percebemos o continuum que parece existir entre estes dois bairros, sem perca de identidade de nenhum deles.

3 Porta estandarte da Marcha em 1991, e vizinho do Marítimo, sócio e delegado à Federação poucos anos após a sua fundação.

4 Até 1992, inclusive

5 Um única interrupção neste panorama temático: em 1995, surgiram de repente marinheiros na marcha da Bica, talvez num esforço de adequação ao passado de um bairro fundamentalmente marítimo...Não sei até que ponto a presença de uma antropóloga, a vasculhar nos arquivos da memória destas populações, terá contribuído para esta modificação.

6 Marchas Populares, 1992, CML: 20

7 Ver letras das marchas publicadas, anualmente, pela Câmara Municipal de Lisboa.

8 Nome porque é designada a pequena orquestra que acompanha as marchas.

9 E, provavelmente, outras razões que, para mim, permaneceram ocultas. Ao lembrar o Florêncio, não posso deixar de lembrar essa pequena alusão feita por Avelino de Sousa no seu já citado Bairro Alto, a sugerir uma relação directa entre o temperamento difícil e a criatividade artística que alguns indivíduos deste meio exemplificam. O célebre Amaro – fadista e desordeiro célebre...que volta não volta dava que fazer à polícia, que pelos anos 90 do século passado dirigia a Dança da Luta, e se via substituído pelo Augusto, cocheiro, rapaz muito honesto, batedor de praça na direcção desse acontecimento (ob. cit: 105) só me fazem recordar o Florêncio e o Raúl, que nos anos 90 dirigem a marcha da Bica, um resmungão, conflituoso e mal comportado, o outro, pacato e de modos afáveis...

10 Hoje, cinema Camões, no Loreto.

11 Ver Fig. VI, em Anexo.

12 E assim a Bica. Marcha de 1991, repetindo uma marcha antiga de 1958, de Frederico de Brito/ Alves Coelho Filho.

13 A partir de 1992, parte deste ensaio passou a ser preenchida pela exibição da Marcha Infantil da Bica, organizada pelo Colégio de Santa Catarina.

14 A Bica é um jardim. Marcha de 1991 da autoria de Américo Silva e música de E. Goltz.

15 O júri compõe-se dos seguintes elementos: um coreógrafo, que faz a apreciação das marcações; dois artistas plásticos, que fazem a apreciação dos arcos e trajos; um poeta...um compositor...um maestro...um especialista em formas culturais populares lisboetas...um encenador e um presidente de Júri (Regulamento das Marchas Populares de Lisboa 1991, C.M.L.).

16 Noutra conversa, com homens entre os 50 e os 60 anos, as memórias também foram até aos jogos de pedrada: sobretudo com os de Santa Catarina. Subiam até ao jardim (miradouro) e desciam pela rua à pedrada, as pessoas fechavam as janelas que aquilo era um susto. A linha da fronteira era ao cimo das escadinhas da T. da Portuguesa, para o lado de cá era Bica, para o lado de lá já era Santa Catarina.

Table des illustrations

Titre Foto 38. Exibição da Dança da Luta num estádio
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Titre Foto 39. No Marítimo: soldando a estrutura metálica de um arco (Março 1992)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 212k
Titre Fotos 40 e 41. Ajustando as correias para os arcos; desfile em Belém (Junho 1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 240k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 204k
Titre Foto 42. Conversando ao pé de um «chafariz», Banhos de S. Paulo (Junho 1992)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 224k
Titre Foto 43. Forrando um manjerico com papel vegetal, Banhos de S. Paulo (Junho 1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 236k
Titre Foto 44. Envolvendo o arame com espuma. Banhos de S. Paulo (Junho 1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 228k
Titre Foto 45. Ensaiando no recinto da EDP, em S. Paulo (Maio 1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 220k
Titre Foto 46. Ensaio Geral no recinto da EDP (Junho 1992)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 300k
Titre Figura 20. Percurso da volta ao bairro (1991 a 1994)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Foto 47. Volta ao bairro à saída dos Banhos de S. Paulo (Junho 1992)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Foto 48. Calçada da Bica Grande no dia do Pavilhão (Junho 1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 252k
Titre Foto 49. Carregando a camioneta à porta dos Banhos de S. Paulo (Junho de 1992)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 236k
Titre Foto 50. Despedida da Marcha (Junho 1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 240k
Titre Foto 51. Marcha da Bica no Pavilhão Carlos Lopes (Junho 1992)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 228k
Titre Figura 21. Arraiais do Marítimo e do Zip-Zip com os respectivos tronos (A e B) (1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Foto 52. Beco dos Aciprestes enfeitado (Maio 1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 436k
Titre Foto 53. Calçada de Bica Grande enfeitada (Maio 1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2312/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 495k

© Etnográfica Press, 1997

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search