Version classiqueVersion mobile

Um lugar na cidade

 | 
Graça Índias Cordeiro

5. Sociabilidades e colectividades

Texte intégral

Pelas margens da Bica Grande

1Se quisesse traçar superficialmente o percurso do meu reconhecimento deste bairro, ao longo dos primeiros meses de trabalho de campo, começaria nas ruas que envolvem o coração da Bica – o imediatamente visível – , passaria por umas estadias fugazes na tasca mais aberta e acessível, que fica situada no topo da Bica, para terminar envolvida nos meandros quase clânicos da colectividade de rua – o Marítimo Lisboa Clube. Um percurso que se foi adaptando a níveis de comunicação diferentes, e me permitiu entrar progressivamente na rede dos relacionamentos locais, de vizinhança, amizades e parentesco.

  • 1 Central Business District.

2Inicialmente, comecei pelas margens daquilo que sempre se me afigurou como o núcleo duro do bairro, evitando-o medrosamente: as Escadinhas da Bica Grande. Aqui, o controlo social adivinhava-se tão apertado que funcionava como um dissuasor bastante eficaz da aproximação de estranhos. Desde o nível das sociabilidades até ao topográfico, múltiplos factores contribuíam para a existência de um aparente nicho ecológico de vida urbana, bastante bem protegido das forças anómicas e anónimas dos fluxos citadinos do C.B.D.1, tão próximo e ameaçador. Durante as primeiras semanas, portanto, evitei prudentemente esta quase-ilha urbana. Parava na Rua dos Cordoeiros, na Rua da Bica Duarte Belo, na Travessa do Cabral e conversava com quem estivesse disponível. O sapateiro, o miniaturista, o estofador, alguns homens e mulheres reformados aparentemente desocupados, foram os meus primeiros interlocutores. Só mais tarde, me aproximei da Calçada da Bica Grande; primeiro na tasca que se situa no topo da Travessa do Cabral – a Carvoaria Minhota –, depois, apresentando-me de chofre colectividade adentro, em plenas escadinhas.

3As razões destas deambulações preliminares eram facilmente compreensíveis: queria familiarizar-me gradualmente com um ambiente cultural, até certo ponto desconhecido para mim, e ganhar alguma segurança nas formas de comunicação a estabelecer com esse mundo. Desta maneira, um progressivo processo de familiarização ia-me ajudando a criar uma rede de conhecimentos dentro do bairro, ao mesmo tempo que me facilitava uma definição gradual dos objectivos de uma pesquisa apenas iniciada e ainda à procura dos seus principais temas e eixos orientadores. De porta em porta, dentro de uma oficina ou na tasca a comer uma sanduíche, ia-me apercebendo não só dos diferentes ritmos e horários do quotidiano de um bairro e dos seus habitantes, aprendendo a conhecê-los e a comunicar com eles, como também me ia apresentando, a mim e às razões que ali me levavam.

4A rua e alguns lugares abertos que sobre ela dão – tascas, ateliers, oficinas, lojas – foram o meu primeiro terreno e foi aqui que fui construindo uma primeira ideia do bairro da Bica, com o seu grande elevador amarelo a encher a rua principal e os miúdos nele pendurados, o cheiro forte de carnes e peixes a assarem nos churrascos improvisados sobre velhos bidões de lata, à porta dos pequenos tascos, o movimento lentíssimo dos idosos a calcorrearem as íngremes calçadas e infinitos degraus com os seus sacos de compras, as saudações gritadas, ou murmuradas, entre vizinhas que se cruzam, a luz intensa a brilhar no basalto escuro da calçada, nas frutas e legumes das minúsculas mercearias, nos lençóis a esvoaçarem por sobre as janelas de sacada, nas gaiolas e sardinheiras a esconderem as cores desbotadas e as paredes escalavradas dos seus prédios envelhecidos... Mas ao mesmo tempo que esta primeira imagem sensitiva se ia instalando, de uma Bica global, difusa, idílica, feita de luz, cheiro, ruídos e emoções, também ia descobrindo uma outra Bica mais real e menos romântica, mais densa, mais humana, incomparavelmente mais contraditória e menos pacífica, que nascia das conversas e da interacção individualizada com este ou aquele indivíduo, mais disponível no seu trabalho ou no seu lazer para me dar atenção. Estas conversas permitiram-me percepcionar de uma forma mais concreta uma rua ou pequenos nichos dentro dela, e entrever a dimensão local dos seus problemas, dos seus vizinhos, das suas histórias e dos seus conflitos.

  • 2 O convento de S.João Nepomuceno, para os Carmelitas descalços alemães, foi construído no século XVI (...)

5A Rua dos Cordoeiros foi uma das ruas mais insistentemente cruzada, nos primeiros tempos. Trata-se de uma rua comprida, ligeiramente curva, habitualmente pacata, sem trânsito automóvel – como aliás todo o bairro –, ladeada por prédios de três e quatro andares em variável estado de degradação física. Embora paralela à Rua de S. Paulo, fica entalada acima dessa rua e abaixo do Miradouro de Santa Catarina o que a torna até certo ponto escondida, estabelecendo uma ligação entre o Largo de S. João Nepomuceno – onde ficava o antigo Convento do mesmo nome2, hoje Colégio de Santa Catarina – e o Largo de Santo Antoninho, ao lado da linha do elevador da Bica. Viradas para o largo encontram-se duas tascas, no princípio da rua; do seu lado sul, a meio uma colectividade habitualmente fechada – Grupo Desportivo Zip-Zip –, logo seguida de um sapateiro, e mais à frente um minimercado-mercearia; do lado oposto, uma salsicharia – Salsicharia Minhota – o atelier de um escultor-miniaturista e, por estranho que pareça, a sede da Junta de Freguesia da vizinha Santa Catarina, ainda em território da freguesia de S. Paulo.

Foto 21. Rua dos Cordoeiros (Maio 1991)

Foto 21. Rua dos Cordoeiros (Maio 1991)

6Dois artesãos habitam esta rua, ambos na casa dos sessenta, cada qual no seu lado, a poucos metros de distância. Não se falam e o evitamento é a sua regra de ouro. Não por rivalidade profissional, já que um é sapateiro, o outro escultor de miniaturas, mas por questões pessoais. Em tempos foram amigos, depois zangaram-se e nunca mais se falaram. Ambos passam o dia ali, na oficina: o sr. Fortunato, enfiado na sua oficina escura e exígua, sentadinho num banco, quase de cócoras, a arranjar o seu calçado; o sr. António, acorcundado, no seu atelier amplo e espaçoso, cheio de luz, num banco alto, a fazer os seus moldes, a atender clientes ou à conversa com a vizinhança. Fortunato, o sapateiro, vive ali, num pequeno quarto ao fundo da sua oficina; António, o escultor, vive em Campo de Ourique, mas passa ali a maior parte do seu tempo.

7António é natural de Aguiar da Beira. Após uma doença de ossos prolongada entre os 11 e os 18 anos, que o fez percorrer hospitais por todo o país acabou por vir para Lisboa trabalhar e desde aí nunca mais teve problemas de saúde. Fala descontraidamente, com um ar vivo e expressivo, dessa pequena marreca, do lado do peito, que lhe torna os ombros extremamente largos. Tem vestido uma camisola e umas calças velhas como fato de trabalho, embora por baixo esteja de camisa e gravata... Chegado a Lisboa, ocupou um quarto perto do Calhariz, e começou a trabalhar como maquetista. Tinha um irmão que trabalhava numa casa para uma senhora, cujo UM LUGAR NA CIDADE marido fazia maquetas, marido este que foi para África e deixou o negócio a um empregado seu. Como ele, António, tinha muito jeito de mãos para fazer coisas, começou a trabalhar para esse empregado. Mas ele tratava-o mal – não era boa peça – e acabou por ir trabalhar para alguém que tinha um pavilhão de maquetas em Belém, aquando da Grande Exposição do Mundo Português, onde trabalhou dez anos. O patrão não percebia nada do assunto, nem sequer sabia ler o desenho. Gastava todo o dinheiro com as mulheres, no Cais-do-Sodré. Os empregados uma vez até lhe fizeram uma espera aí mesmo, porque ele não lhes pagava a tempo e horas. Cheguei-lhe a emprestar 5 contos, naquele tempo era muito dinheiro! Conta que a mulher do patrão lhe batia, que ele tinha medo dela e muitas vezes fingia que não estava na oficina quando ela telefonava e era ele, António, que atendia o telefone. A verdade é que o patrão tinha bons conhecimentos – até o Salazar chegou a ir lá visitar o pavilhão – e nunca faltavam encomendas. Chegou a trabalhar sobre a maqueta de Lisboa de antes do terramoto, hoje no Museu da Cidade:

Pois não sabia que agora estava aí. Estive muitas horas sobre essa maqueta, sob a direcção do Matos Sequeira. Eu e outros. Ele dava-nos as indicações directamente, não tínhamos desenho nem nada para nos guiarmos e às vezes era difícil; ele explicava-nos como eram as ruas (...) Fiquei bom amigo dele.

8Matos Sequeira testemunhou para ele poder ter a profissão de escultor no Bilhete de Identidade e foi lá, ao Arquivo de Identificação, com ele.

9Após ter vivido numa travessa da Bica, voltou para o Bairro Alto, para uma parte de casa, com a sua mulher e mais tarde, já com um filho, para Campo de Ourique. Tem três filhos, dois rapazes e uma rapariga. Na parede tem fotografias dos netos, da mulher e dos filhos pequenos.

10A sua oficina é um espaço grande, cheio de moldes de borracha, de peças em gesso de tamanhos muito variáveis, algumas ainda por pintar, nas paredes alguns retratos pintados a óleo por ele próprio, fotografias da maqueta do santuário de Fátima feita por ele, emoldurado o artigo que apareceu no Correio da Manhã sobre ele, algumas fotografias dele ao pé de maquetas de prédios ou urbanizações e, sobre duas bancas o material com que trabalha, vernizes, tintas, instrumentos, etc. Ao fundo da oficina tem um pequeno quarto transformado em «gruta»: um tecto irregular com conchinhas de gesso que também cobrem as paredes, de um dos lados uma cova rasgada e, encostado, o aquário – um mini-lago, iluminado, detrás de um vidro. Em frente deste aquário, um sofá de napa, estilo anos 60... Por detrás da porta, uma pilha de álbuns de fotografias. É um amante de fotografia, confessa, tem duas máquinas, uma Cannon e uma Praktica. Os seus álbuns de fotografias testemunham vários domínios e épocas da sua vida. A Rua dos Cordoeiros e o elevador da Bica, bem como o Largo de Santo Antoninho constituem o pano de fundo de algumas delas: as festas dos santos populares, com as ruas 180 enfeitadas e coretos armados com conjuntos musicais, sardinhadas com vizinhos e amigos em pleno Largo de Santo Antoninho.

11Vai a casa só para dormir. Toda a vida se passa aqui, até nos fins-de-semana. Dantes, quando tinha muito trabalho, até costumava vir para aqui às 3 da manhã e ficava até à meia-noite. Até as relações de amizade são aqui: com um vizinho que trabalha ali ao lado nuns escritórios; com um empregado da salsicharia, originário da Régua, que não só é vizinho ali no trabalho como também na residência; com a Leninha, vizinha, filha do dono de uma taberna que ali existia, que teni uma gata que espreita para a oficina e a quem ele dá os restos de espinhas dos seu almoço, que cozinha ali mesmo num pequeno fogão.

12A mãe desta Leninha, era peixeira e morrera há alguns anos, logo seguida do pai, o João Carapau. Este era o dono de uma taberna que, por ter um jogo da laranjinha era conhecido por esse nome. Chegou a ter dois jogos, e foi aí que António jogou pela primeira vez, em 1964. Frequentava também outras tabernas com este jogo: em Caxias, no Bairro Alto, perto do Diário de Notícias, na Possidónio da Silva, nos Combatentes, num pátio onde havia uma fundição, cá em cima em frente dumas escadinhas para a R. do Possolo...

No Fonte Santa, no Águias, também havia, mas havia muita porrada, muita zaragata, e eu deixei de ser sócio. Era assim: Eh pá, vamos ali jogar ao Bairro Alto; eh pá, hoje é sábado, e que tal se fôssemos até Caxias? depois lanchávamos, petiscávamos. Cada jogo pagava quem perdesse – um copo, uma rodada. Chegávamos a estar das 2 da tarde até às 6 da tarde, ia-se bebendo. Apostava-se, também os espectadores.

  • 3 Jogo da malha.

13Ele ia muitas vezes à laranjinha ou para jogar ou para ver jogar. Olhe, se ainda houvesse o jogo eu não estava aqui a fazer a sesta! Jogavam novos e velhos, mas havia mais velhos, de sessenta e tais. Havia uns que eram da R. do Alcaide e que aqui sempre vinham. Também gostava de jogar ao chinquilho,3 mas isso era lá na sua terra, aqui em Lisboa nunca jogou.

14Sobre as festas dos Santos, que se aproximam, conta como há dois anos atrás ele as organizou, com o merceeiro da loja em frente, o empregado da salsicharia do lado e um vizinho amigo. Enfeitaram a rua, ele deu a electricidade, pediram licença ao Governo Civil, trouxeram sardinhas, cervejas e, nos fins-de-semana e dias dos santos, festejavam. Depois, com os lucros fizeram uma almoçarada entre todos. O ano passado foi o Zip-Zip quem se encarregou das festas e este ano também vai ser, pelo que fica a expectativa de como irá correr o mês de Junho que se avizinha.

15Fortunato é natural do concelho de Coimbra, onde tem um terreno maior que a Bica! Fala com orgulho das suas couves e batatas, sempre que pode vai até lá, em vindo o tempo do vinho tem de lá ir mais vezes; tudo o que consome é de lá: batatas, azeite, vinho. O ano passado foi a mulher que fez o vinho, ele teve de ir para o hospital ser operado a um problema do fígado – e mostra a cicatriz.

16Primeiro desconfiado e depois conversador, o seu tom é sempre amargurado, descontente, mal disposto. Fala sobre a sua pequena família, composta pela mulher, filho e nora. O filho vive nos arredores e a mulher passa lá temporadas a tomar conta dos netos. Por vezes está aqui com ele, sobretudo aos fins-de-semana. Não raras vezes, vejo-os a comerem numa mesa improvisada à beira da sua porta...Gosta de coscuvilhar sobre a vida dos vizinhos dos prédios ali à volta, sempre em tom crítico. Gaba-se de conhecer muito bem Lisboa, e também muita gente, que passa ali só para o cumprimentar. O que não impede que uma vez não tenha chamado a polícia – a última vez que o fez – que foi quando uma batata saiu disparada da taberna do pai da Leninha, entrou pela sua janela, partindo os vidros, e caiu em cima da comida: E eu ainda não tinha comido!!... Tal como o seu vizinho António, gosta de me contar episódios de brigas e desacatos entre mulheres, a que assistiu: uma vez uma peixeira, que também vendia jornais, que tinha duas e três pessoas a trabalhar para ela veio ali e deu uma tareia numa vizinha ali da frente...eu não me meti, que quando não há homens não me meto...;

  • 4 Bairro Alto.

17Os temas saltam da explicação da técnica de bem cozer a sola de um sapato que tem em mãos – Este aqui é do meu senhorio... – para as festas que se avizinham nos fios que cruzam a Rua dos Cordoeiros já preparados para receber as flores de papelCostumo ir ao Alto4E à Madragoa?Não senhora, não gosto de lá ir, nunca vou. Porquê? A gente não se dá bem, não sei porquê, mas nunca nos demos. A Bica e a Madragoa não se dão...Quando era das marchas, dantes a Bica era a melhor e elas não gostavam e então vinham para aqui e tentavam estragar, armavam zaragatas...; do casamento da filha de uma vizinha do fundo da rua que acaba de receber uma visita chegada de táxi – Aí está a madrinha... Pois que se casem, que se casem...muito casamento há aí! para a miséria escondida de um pátio ali mesmo ao nosso lado de onde surge uma criança a brincar; do cumprimento a um vizinho que ali trabalha numa salsicharia: Olá, ó Minhoto, para a nostalgia de uma Lisboa cheia de gente nascida fora, onde cada zona (de origem) tinha a sua profissão:

Do Minho, sobretudo de Valença, ali da raia eram este tipo de casas – tabernas, tascos, restaurantes; de Arcos de Valdevez eram os padeiros. (...) Mas este tempo da província vai acabar, agora há muita gente de Lisboa. Dantes, vinham muitos rapazes da minha terra para varredores da Câmara, agora até já há varredores que são nascidos e criados aqui em Lisboa, lisboetas mesmo. Os novos já nasceram aqui e são pretendentes a lisboetas...

Foto 22. Rua da Bica Duarte Belo

Foto 22. Rua da Bica Duarte Belo

Arquivo Fotográfico, CML

18A Rua da Bica Duarte Belo é quase integralmente ocupada pelo elevador quando passa. Cruza a Bica de alto a baixo, como se de uma coluna vertebral se tratasse e quase a chegar lá abaixo, ao passar pelo Largo de Santo Antoninho, muda de nome e chama-se Calçada da Bica Pequena. Calçada esta que desaparece para dar lugar ao referido largo, para reaparecer a ocupar um beco estreito e escuro, com saída para a Rua de S. Paulo. De facto, estas alterações de nome caem no esquecimento, dos habitantes e conhecedores do bairro: a Bica Duarte Belo é a rua do elevador, e para muitos, ela é mesmo considerada o centro do bairro.

19Os pequenos comércios do bairro encontram-se quase todos nesta rua. Algumas tascas frequentadas sobretudo por residentes locais, algumas lojas antigas, como a Casa dos Botões, um cabeleireiro, pequeníssimas mercearias, alguns artífices em pequenas oficinas. Uma colectividade – o Vai-Tu –, já perto da última travessa que cruza a linha do elevador – a do Cabral – abre a sua porta, ladeada por uma vitrina com um Santo António, para a rua onde alguns velhotes se sentam a aproveitar os raios de sol no pino do Inverno, ou a aragem das sombras dos prédios, quando o calor aperta. O presidente da Junta de Freguesia habita um segundo andar, perto desta colectividade; esta é a rua mais visível, mais pública e mais abundantemente representada – em spots publicitários, em filmes, em gravuras turísticas, em álbuns que vendem a Lisboa típica – e este facto deve-se em grande parte à existência do funicular que ali circula a toda a hora – e que é, nas palavras de alguns habitantes, um verdadeiro ex-Iibris do bairro.

20As pessoas antigas, mais velhas, umas morrem, outras vão-se embora e agora, nesta rua, já há muita gente que não é daqui da Bica, é de fora. Quem desabafa assim é Augusto Barreto, filho, neto e bisneto de sapateiros, cujos dois irmãos, ourives e estofador, fizeram a vontade ao pai e não seguiram o ofício que a tradição familiar mandava. Sentada num banquinho, na sua minúscula oficina, à esquina da Travessa da Laranjeira com a Bica Duarte Belo, imagino a sua infância, a adolescência, a história de amor com a mulher, as festas que ele gostava de preparar...

21Toda a sua vida, à excepção dos anos em que esteve na guerra colonial, em África, decorreu ali naquele pequeno espaço entre a Rua do Almada e este cubículo onde agora conversamos. Na altura dos Santos, toda a família se junta aqui – a minha irmã vive em Braga, mas não há santos que não venha cá comer sardinhas, costumava enfeitar a rua toda, só ele sozinho, mas este ano não está a pensar fazer nada apesar de já terem insistido com ele, da Junta de Freguesia que estão a pensar enfeitar a Bica toda, este ano; mas ele não vai fazer nada. Porquê? Porque têm acontecido sempre desgraças: um ano foi um vizinho que caiu e partiu uma costela, o ano passado ele teve uma broncopneumonia mesmo na noite de S. António... Para além disso, as vizinhanças já são outras e Augusto não gosta de problemas.

22A sua mulher, Francisca, conta como eles costumavam sempre enfeitar e iluminar, com uma fiada de lâmpadas de cada cor, a janela de sua casa, agora em obras. Mas no ano passado até chegaram a chamar a polícia por causa do barulho depois da meia-noite, além de terem refilado por acharem que as bandeirinhas de um dos lados da rua eram mais feias, o que era insultuoso! E, ainda por cima, pensaram que eles ganhavam rios de dinheiro com a mesa que punham cá fora, quando afinal só tinham despesa. É que costumam ter a sua mesa com a família, que vem toda de fora, mais de vinte pessoas, e há sempre gente de fora e turistas que abancam, pensando que é negócio, e como é familiar, eles não vendem.

  • 5 Ver notícia 13-6-1932-DN.

23Dantes é que era bom: havia fogueiras nos largos e nas esquinas das ruas, não se podia deixar caixotes de madeira à porta, ia tudo para a fogueira, recorda Augusto. Uma vez, devia ter seis, sete anos, foi mascote da marcha da Bica. Foi no tempo do Sr Eduardo, que organizava as marchas, toda a Rua do Almada estava enfeitada, o coreto estava montado ali na esquina com a Travessa da Laranjeira, o Dr. Sacadura B. emprestara o palácio (no miradouro Santa Catarina) para os ensaios da marcha, e foi quando o marujinho da Bica foi morto, o Lélé vendia iscas nas escadinhaseram as Iscas à Lélé, veio o Marujinho e meteu-se com o Lélé e vai ele chateou-se, puxou da faca das iscas e matou-o!5

Foto 23. Travessa de Portuguesa (1992)

Foto 23. Travessa de Portuguesa (1992)
  • 6 Que fica no miradouro de St. Catarina.

24Com um ano de idade chegou à Bica, vindo da Covilhã, e cá ficou; morava ali perto, no actual edifício da Caixa Geral dos Depósitos que dá para o jardim6. Hoje mora na Travessa da Portuguesa, ali quase ao lado, no prédio que está em obras há já muito tempo e por isso ele e a mulher estão a viver, provisoriamente, no anexo deste cubículo, tendo pedido a uma vizinha que guardasse a mobília. A oficina é um espaço exíguo, com duas máquinas de costura, uma mesa grande, agora ocupada com pano de cortinado, que ocupa todo o aposento, o banco onde estou sentada e pouco mais. A salinha onde a mulher descansa e mais tarde me recebe, é ainda mais pequena, mas acolhedora.

25D. Francisca, costureira, sofre do coração. Começaram a namorar, ela com nove anos e ele com quinze, contra a vontade dos pais dela. Quando ela tinha doze anos ele foi pedir para a namorar e teve autorização para ir a sua casa. Ela trabalhava em casa de um empregado do Rodrigues e Rodrigues, que tinha uma oficina onde a mulher e algumas raparigas trabalhavam; mais tarde, começou a trabalhar directamente para o Rodrigues e Rodrigues: eles mandavam as calças cortadas e elas tinham de as coser, em casa. Há quatro anos (1987) eram pagas a 275$00 o par e levavam um dia inteirinho para coser dois pares! No Natal davam senhas às empregadas para se abastecerem numa mercearia que havia lá ao lado e, conforme as empregadas eram melhor ou piores, assim levavam mais ou menos mercearias; depois, quando começou a ser obrigatório o subsídio de Natal e de férias, às externas davam só o dinheiro e às internas continuavam a dar essas senhas. Fala do namoro difícil com o marido, não a deixavam nunca sair de casa. Ela morava numas águas furtadas, com a mãe e o padrasto, ele no rés-do-chão em frente, e só podiam namorar à janela. Com lágrimas nos olhos, recorda que nos Santos, ela ficava lá em cima a vê-lo dançar com outras. Depois ele foi para a tropa e quando terminou casaram-se. Entretanto começou a guerra colonial e, quase de seguida, foi mobilizado para Angola. Passados dois anos, quando terminou o seu tempo e estava para se vir embora, as tropas que os iam render foram chamadas para a Guiné – onde entretanto também começara a guerra – e ele ficou mais 2 anos em Angola. Cá em Lisboa, ela esperava.

26O marido trabalha, actualmente, para uma companhia de navios e o trabalho é incerto. Eles pagam bem, mas quando há encomendas têm de fazer noitadas, os dois, para ter as coisas prontas a tempo e horas; mas é variável, por exemplo, agora com a guerra do Golfo, teve mais de 3 meses sem lhe aparecer nenhum navio com os bancos para estofar. Porque o estofar é sempre a última coisa: os navios ficam a arranjar na Lisnave ou em Setúbal e só no fim, para não se sujarem, é que lhe trazem os bancos para arranjar. As vezes trazem muitos bancos para estofar e então têm de pedir a um vizinho, que tem um armazém, para lhos guardar. Dantes, era o Rodrigues e Rodrigues, para o qual a mulher trabalha há mais de 30 anos, que fornecia esta companhia e ele fazia os estofos para eles. Mas eles começaram a decair, a falhar, e ele então começou a fazer directamente para a companhia. Estofos, cortinados, estores, faz de tudo, sempre ajudado pela Francisca, sua mulher. Têm dois filhos, casados: o mais velho mora ali perto, em S. Paulo, o outro mora na Outra Banda.

27O sr. Augusto dá-se bem com toda a gente. Familiares, não tem praticamente. Todos os dias de manhã, quando se levanta – cerca das 6h – vai ao mercado, todos o conhecem. Ainda hoje, antes de ir para Setúbal, passei por lá. Nos fins-de-semana, de Verão, sempre que pode vai acampar para Viana do Castelo, passando por Braga, onde vive a irmã. Não é sócio de nenhuma colectividade no bairro, agora vai-se fazer sócio mas é de um clube de campismo, por causa destes fins-de-semana. Sempre gostou muito de acampar, sempre acampou.

28Um dos locais que ele frequenta é a Carvoaria Minhota. Encontro-o muitas vezes, quase sempre ao balcão, a bebericar uma imperial com tremoços. Local que, nos primeiros tempos também foi por mim eleito como ponto de observação, como lugar de descanso, para tomar notas e conhecer os seus ritmos e clientela habitual. Para além do conhecimento da vida de bairro que, a partir daqui, fui conseguindo, foi neste espaço que me fui relacionando com um conjunto de bicaenses, tão diversificado quanto o acaso do encontro o ia permitindo: desde o sr. Carlos Silva, reformado, também apaixonado pela prática do campismo selvagem, que me convidou para ver a sua casa, em frente do tasco, e que poucos dias mais tarde foi hospitalizado; passando pelo marchante mais antigo da Bica, nado e criado na rua do próprio tasco, o Manecas, e à sua extensa família; até à Adelaide nada e criada em Santa Catarina, fortemente identificada com a Bica, vizinha de rua do sr. Augusto e da mulher, amiga do peito da Milú, com casa de fado nas Escadinhas, que me aceitou durante meses como membro da sua família, de quem me tornei amiga e pelos olhos de quem apreendi uma primeira imagem da Bica e das suas festas.

As Escadinhas: espaços e convívios

29O bairro da Bica é relativamente pobre em lugares instituídos de sociabilidade: tascas, cafés, mercearias ou outro tipo de lojas. Estes são espaços de pequenas dimensões, renovados sobre o aproveitamento de anteriores lojas que perderam a sua razão de existir – tabernas, carvoarias, drogarias, etc. – e atraem clientelas específicas em determinados tempos, também diversificados. O tasco de rua com apenas duas mesas, que vive de alguns vizinhos que ali se encontram todas as noites para um bagaço e uns momentos a ver televisão contrasta com a Bicaense, sito na rua do elevador, o restaurante mais conhecido fora do bairro, assiduamente procurado por grupos de jovens comemorando aniversários, finais de curso, etc.. Cada lugar tem a sua clientela particular, os seus hábitos e os seus ritmos próprios e, de um modo geral, não se abrem facilmente para os citadinos exteriores ao bairro.

30Na sua parte central, envolvente das escadinhas, apenas se encontram três tascas com vocações de sociabilidade distintas: o Domingues, a Minhota e a Milú. No entanto, outros locais de sociabilidade existem. A mercearia e a padaria, ambas na Travessa do Cabral, que abastecem a vizinhança e entretêm as mulheres que as frequentam; o Manei Barbeiro que, ao fundo das escadinhas, quase ao pé da rua de S. Paulo, esconde um dos núcleos mais dinâmicos de sociabilidade masculina, núcleo este que se prolonga na conhecida Bancada Azul, que identifica tanto o grupo de homens de meia-idade como a parcela de passeio que ocupam, em plena Rua de S. Paulo, mesmo em frente da calçada, ou o tão referido Café Colunas, virtual, apenas existente na imaginação e no convívio reactualizado das gerações de adolescentes que continuam a eleger a esquina perto da Carvoaria Minhota, como um ponto estratégico de encontro, observação e conversa.

Foto 24. Carvoaria Minhota, vista do topo da Calçada da Bica Grande (1991)

Foto 24. Carvoaria Minhota, vista do topo da Calçada da Bica Grande (1991)

A Minhota

31A Carvoaria Minhota, situada na Travessa do Cabral, no topo da Calçada da Bica Grande – se bem que virada de costas para esta – é, de entre os três lugares com visibilidade institucional, o mais aberto, com clientela mais flutuante, aparentemente mais urbano. Trata-se de uma casa de comida e bebida, a meio caminho entre a tasca, o café, a cervejaria, a leitaria. É um pouco de tudo, embora não sirva comida quente, só sandes, bebidas, guloseimas, salgados. Relativamente espaçosa, atendendo à exiguidade habitual destes locais nos bairros antigos, tem uma porta larga sempre aberta, convidativa, e um razoável movimento de entradas e de saídas. Uma clientela fiel é recrutada sobretudo entre os habitantes da parte alta da Bica, da Bica Duarte Belo e suas travessas, embora também ali vão alguns habitantes das escadinhas. O Zé Machado, por exemplo, pára aqui para comer algo ou beber uma água, quando desce da sua casa, na Rua do Almada em direcção a casa dos seus pais, nas escadinhas; a Adelaide, da Travessa da Laranjeira, encontra-se várias vezes por dia aqui com a sua amiga Joana que, apesar de habitar bem no centro das escadinhas é, no dizer de muitos, uma pára-quedista, visto ser algarvia e só ali habitar há cerca de dez anos.

32O seu ambiente relativamente aberto e descontraído, o facto do seu dono ser exterior ao bairro, na origem e na residência, e o facto, não menos importante, de ali sempre ter existido uma carvoaria e/ou taberna, tornam o espaço da Minhota um dos pontos de convívio entre habitantes do bairro mais animado e simpático. Sobretudo à noite, quando se enche e se transforma numa grande sala de convívio onde todos falam de mesa para mesa, ou ao balcão, entre desafios de futebol, imperiais e bagaços. Além disso tem um telefone público, o que constitui um factor de atracção importante, num bairro onde nem todos se podem dar ao luxo de o ter privado, dentro de casa.

33Está a ver? É como se estivessem em casa. Por um lado é bom. Aqui os clientes são conhecidos, uma vez ou outra lá aparece um que não se conhece, comenta um dos filhos do dono, o Peter, com um ar distanciado, quase de antropólogo, num momento em que um dos clientes grita, excitadíssimo, durante um campeonato de futebol que passa na televisão. O pai dele, Manei, com a ajuda de toda a família – mulher e dois filhos crescidos – explora aquele negócio há um par de anos. Vieram há cerca de 6 anos para Lisboa, de Joanesburgo e já exploraram um estaminé na Baixa; no entanto, prefere estar ali! Na Baixa é bem diferente, os clientes passam e não se sabe quem são. Há clientes que não se sabe o que é que escondem por trás. Abrem todos os dias das 7 da manhã até à meia-noite, e a hora de ponta, o pico da animação é à noite, depois do jantar. Durante o mês das festas é muito diferente, aparece gente de fora, de Alfama, do Bairro Alto. É de morrer!

34A Minhota parece estar permanentemente em obras de melhoramentos, com o objectivo de aumentar o espaço e começar a servir almoços. Continua a testemunhar a carvoaria-taberna que em tempos foi, com os seus troféus e medalhas de grupos de futebol que ali se foram formando, expostos num pequeno nicho sobre a porta larga, sempre aberta. Durante os primeiros tempos, este lugar revelou-se um ponto de observação excelente, onde eu podia permanecer durante horas a fio. Durante o mês dos santos, umas mesinhas na rua prolongavam este espaço de encontro. Aprendi muito da vida de bairro, desde a arte de bem estacionar o seu automóvel no meio de outros, até aos amores e ódios entre os seus frequentadores.

35Durante o dia é um lugar calmo, sobretudo frequentado por mulheres e trabalhadores de biscates que circulam pelo bairro. Alguns reformados passam ali largos minutos a ler A Bola, a conversar.

Entra uma adolescente de garrafa em punho e pede para encher de vinho; interessa-se pela máquina dos prémios, 100$00 e a maioria dos prémios são esferográficas e isqueiros. Ca ganda lata, pra qu’é qu’eu quero uma esferográfica? Lá tenta a sua sorte. Bola branca = isqueiro. Sai, gritando para o Zeca, irmão do Peter: Quando ele acabar levas com ele no focinho.
O Manecas com a filha adolescente e o seu bebé, e o Luisinho, filho adoptivo de uma dúzia de anos, entram: a mãe deixou-mo à porta com um mês e foi à sua vida e eu criei-o como se fosse meu filho, contar-meia mais tarde. Grita:- Duas bicas! manda um sopapo amigável no puto e diz: tu não bebes bica, mas o puto impõe-se e claro que a bebe. Por sugestão da filha adolescente, atravessam a rua e vão à mercearia comprar qualquer coisa; regressam a pagar as bicas; o velhote grita para uma velhota que acabou de entrar: Então tu ainda não foste ver as marchas? Ora, também não vais, este ano ninguém vai... O puto empurra-o e diz, impaciente: vamos embora! e lá saem todos.
Ana, a velhota algarvia que acabou de entrar, mora mesmo ao lado, num 5
o andar de um prédio quase a ruir. Manda vir com o patrão que, no alto de um escadote prega pregos, porque lhe faz tremer a casa toda. Mete conversa comigo. É de Ferragudo e veio para Lisboa em criança, com os pais. O pai era pescador, depois embarcadiço, a mãe servia a dias como eu, também... Primeiro foram para Cascais e depois para a Bica, onve vive desde os oito anos. O marido, que era de Sacavém, já morreu. Ela trabalhava para uma senhora, costurava na oficina de uma senhora, ali para S. Paulo...para o Rodrigues e Rodrigues. Foi aí que conheceu o marido, já viúvo, mais velho do que ela sete anos, com duas filhas, uma com cinco anos, outra com oito, que ela criou. Relembra, comovida, quando foi viver com ele, apenas com dezoito anos: saiu na estação de Sacavém, e lá estavam as meninas sentadinhas no banco, vestidas de cor-de-rosa...
Uma rapariga nova, que bebe a sua bica, ao sair interpela-a, gracejando. É sua vizinha, é viúva e tem dois filhos pequenos,
mora no terceiro e eu no quinto. Mas desconhece o que ela faz, só sabe que ela trabalha muito, sai de manhã e vem à noite. Conta-me que esta tasca era uma carvoaria, que ainda vendem carvão mas agora é em sacos de plástico. Desabafa: não se dá com esta gente, são todas muito intriguistas, gostam de falar mal de toda a gente... Aproxima-se do meu ouvido e diz baixinho: Olhe, por exemplo esta que aqui estava, reparou? O cabelo dela é pintado, sabia? Pois essa gosta muito de vir para aqui falar com a mulher do Manei... Conta que quando era casada subia sempre pela calçada, desde que ficou viúva sobe sempre por trás, pelo Largo de Santo Antoninho. Porquê? Por causa do falatório, uma vez desci com a minha irmã pela Calçada, ia toda de branco a festejar... e gozaram comigo: «Toda chique, de chapéu e tudo!!».
Passam dois polícias em frente do tasco. Alvoroço – Eh pá, para onde vão? Espreitam e tecem comentários. Entra um jovem bem parecido. É conhecido dali, parece ser guarda à paisana: Ainda hoje passei 15 multas. – E quanto ganha por isso?, pergunta o Manei. Eu, nada. Se ganhasse alguma coisa, ia a Bica toda, começava aqui na travessa do Cabral e ia até lá acima. – Era, era, se fosse assim no dia seguinte vocemecê aparecia aí debaixo de um carro, morto...
Carlos Silva, reformado, conta-me a história da sua vida. Vive ali à frente, num quinto andar. No andar de baixo mora o seu compadre, o padrinho do filho mais novo. Nasceu em 1933, a tantos de Outubro, a mulher em Março do ano seguinte. O pai dele conhecia a avó dela, da mulher, de Ovar, eram da mesma terra. O pai, em solteiro, veio viver para aqui, esta mesma casa onde agora vive que então era a casa da avó da mulher... Quando ele nasceu, os pais moravam na Rua da Graça... Quer saber uma coisa curiosa? A cama onde eu nasci, no Hospital de S. José, foi a mesma onde a minha mulher nasceu quatro meses mais tarde. Vi isso numa certidão... Conheceu a mulher, porque a avó e a neta costumavam ir visitar os seus pais a casa. Um dia mais tarde encontrou a rapariga no dentista, e convidou-a, com a avó, para ir a casa comer, e pediu-a em namoro. Tinha 23 anos. Casaram e acabou por vir viver para aqui, para casa da mulher. Foi electricista, encarregado de armazém e orçamentista, lá para os lados da Estefânia...
-Desculpe estar de costas para si, diz-me o Zezinho. Ora essa. Apesar dos seus setenta e três anos, tem uma vivacidade verdadeiramente incrível: baixo, magrinho, parece um rapazinho nervoso, olhos muito azuis a brilhar. Nasceu em Setúbal mas veio para a Bica com mês e meio, a mãe era da Madragoa, o pai da Bica. Os avós maternos são da zona de Aveiro, os paternos de Olhão (Fig. VI em Anexo). Ele nasceu em 5 de Junho de 1918. Agora mora na casa por cima do Marítimo. O seu tema preferido são as festas....

(Excertos do Diário de Campo – Abril e Junho de 1991)

A Milú do Fado

36A tasca da Milú, um pouco acima da esquina do Domingues, é como se pertencesse a outro mundo. Ocupa o no 13, da Calçada da Bica Grande e embora se chame Guitarra da Bica, todos a conhecem por Milú. Dá fados às sextas e sábados a partir das dez da noite, o que perturba o sossego da vizinhança. Aberta durante o dia, por vezes serve almoços, mas mais frequentemente tem uma mesa ocupada com homens a jogarem o dominó ou as cartas. Uma vizinha que mora mesmo em frente, do outro lado da rua, toma conta da tasca durante a semana, mas nas noites do fado retira-se para o seu poiso de observação – a sua janela – e ali fica até de madrugada a assistir à animação dos intervalos, quando a sala superlotada sai cá para fora para respirar um pouco de ar livre e mexer as pernas. Embora estas sessões também contem com a frequência de alguns clientes vizinhos do bairro, a sua maioria é de fora e fazem parte da rede de amizades, simpatias e admiradores da Milú, cantadeira nada e criada no Bairro Alto e habitante do bairro vizinho de Santa Catarina.

  • 7 Um estudo mais aprofundado sobre esta casa de fado, foi elaborada para o catálogo da Exposição Fado (...)

37A convivência com a vizinhança aparentemente é pacífica, embora algumas queixas de vizinhos de vez em quando animem a má língua daquela parte da rua. Este microcosmos, no entanto, constitui-se como um mundo à parte, com a sua vida própria e os seus clientes, vindos de outros bairros e cuja ligação à Bica apenas é dada por esta casa. Em Outubro de 1993 a casa da Milú fechou, com uma ordem de despejo e os meandros de um processo complicado entre vários sublocatários a mediar a inquilina de então7

Foto 25. Calçada de Bica Grande, vista do topo (1991)

Foto 25. Calçada de Bica Grande, vista do topo (1991)

As Escadinhas

38A Calçada da Bica Grande, escadinhas da Bica, ou muito simplesmente, a Bica, é o espaço onde palpita o coração da vida de bairro. Nas noites de calor esta rua atinge uma animação dificilmente descritível; nas soleiras da porta, à janelas e postigos das suas lojas que, de alto abaixo, ladeiam a rua, sentados em cadeiras, bancos e banquinhos, ou muito simplesmente nos degraus desta rua em anfiteatro, debruçados às janelas ou de portas e janelas abertas com cortinas a esvoaçarem ou sem elas, a rua parece integrar-se no espaço doméstico da casa – ou a casa parece estender-se por sobre a rua. As refeições, o som da televisão, as brincadeiras infantis, as conversas, as emoções, tudo o que faz o quotidiano de uma casa aqui, na Bica, faz o quotidiano da sua rua.

39Como dizia o José M. Marques ali a malta era como a tartaruga: assim que sai do ovo, na areia da praia, qual é o caminho da tartaruga? É o mar. Pois a malta aqui, assim que começava a gatinhar, o caminho dela era para a rua.

  • 8 Nos meus primeiros tempos de «Bica», eu perguntava qual o número da porta, qual o andar, para poder (...)

40Não quer isto dizer, no entanto, que não exista uma fronteira clara entre o espaço doméstico, privado, e o espaço público, da rua. A existência inequívoca deste limiar fica bem ilustrada pela importância dos encontros à soleira da porta. Com efeito, a comunicação entre vizinhos – e, muito em particular, entre vizinhas – estabelece-se à janela, sobre os degraus da entrada, à beira de rua e de casa, nesse espaço público ainda securizante que circunda a própria casa. É muito raro bater-se à porta de um vizinho, ou tocar.8 Chama-se, e este simples costume significa mais do que pode parecer à primeira vista: ao chamar, o interpelador identifica-se pela voz, apresenta as suas intenções pela entoação, publicita aos ouvidos dos vizinhos a sua vontade de contactar alguém...No caso de entrar na casa alheia, esta invasão do espaço privado, excepção feita para membros de uma mesma família, é rodeada de inúmeros rituais de apaziguamento – Não incomodo?! Dá-me licença que entre? Desculpe vir cá, assim, mas... – e só sucede, normalmente, em casos de extrema necessidade: um pedido de auxílio, uma informação urgente, um recado mais longo, um objecto devolvido. Muitas vezes, se o assunto é rápido, o intruso não vai além do limiar da porta e ali transmite um recado, uma informação, um pedido. Só em casos de uma maior intimidade, ou grande necessidade, é que entra.

41Nesta rua não há lojas propriamente ditas. Apenas duas tascas com ritmos e clientelas contrastantes: a casa de fados e uma casa de comida. A Milú vive nas noites de fim-de-semana, e enche-se de gente que vem de fora de propósito para se enfiar na semi-penumbra da antiga taberna, apenas cruzando os poucos degraus que a separam da Rua de S. Paulo. Por seu lado, o prato forte do Domingues são os almoços dos dias úteis e situa-se num ponto estratégico que o torna visível de fora do bairro: quem passa na Rua de S. Paulo consegue entrever e cheirar, na esquina da Travessa da Bica Grande e das Escadinhas da Bica Grande, o seu churrasco envolvido no fumo das sardinhas ou das febras a grelharem, e parte da sua clientela é recrutada nas redondezas da Bica, entre pessoas que por ali trabalham, nos serviços e lojas da área circundante de S. Paulo e Cais-do-Sodré.

42Mas o Domingues também vive uma grande proximidade com a vizinhança, com os residentes do bairro que ali vão beber uma bica, almoçar ou buscar comida feita para levar para casa. Embora o prédio pertença àquele que dantes explorava esta tasca – o Manei das Caldeiradas –, o seu actual dono já ali está há algumas dezenas de anos o que lhe permite manter o local como um ponto de reunião importante, com raízes no bairro e memórias comuns partilhadas. Quem tem por hábito vir aqui, fá-lo assídua e fielmente, como é o caso da família da Maria, que vive mesmo em frente da tasca de esquina: os seus filhos, Filomena, mulher do presidente do Marítimo, e Raul, ensaiador da marcha, bem como os da sua criação...

43A pequena venda da Maria, que ocupa dois ou três degraus à porta de sua casa, é outro ponto de encontro fundamental, sobretudo de mulheres. Porta que está sempre aberta, mesmo de Inverno, com ela, o marido e os netinhos sempre ali à beira. Vende pequenos adereços, roupa interior, guloseimas. A filha e a nora, bem como outras raparigas da criação delas – Júlia, Jacinta, etc. –, e a sua comadre velhinha – a Ti Joaquina – por ali passam e estacionam a dar dois dedos de conversa, ali se sentam, ali ficam uns pedacinhos. Uma delas, a Júlia, aliás já tem também uma pequena venda à porta de sua casa, mais acima na rua. O filho e genro de Maria, ambos directores do Marítimo, são mais fugitivos e preferem ali apenas passar escadinhas acima, a tratar dos mil e um assuntos da colectividade que há sempre para resolver, ou então dois degraus abaixo, dentro da barbearia em convívios mais masculinos.

44Esta barbearia, duas portas abaixo, antiga, bonita de se ver, é um dos lugares de encontro dos homens. Porquê? Pois então onde é que nós havíamos de estar? Já há mais de 50 anos que eu venho para aqui!, comenta o Zezinho, que vive no prédio do Marítimo. A Bancada Azul é uma espécie de prolongamento desta barbearia; é este o nome porque são conhecidos os homens que do outro lado da rua de S. Paulo, ali estacionam, a observar a Calçada da Bica Grande nos intervalos do trânsito intenso que passa.

Foto 26. Observando as Escadinhas da Bancada Azul (1991)

Foto 26. Observando as Escadinhas da Bancada Azul (1991)

45A parte de baixo da rua é, de facto, uma zona densa de relações quotidianas que marcam fortemente este território: o triângulo formado pelo Domingues, o Manei Barbeiro e a casa da Maria, constitui uma espécie de porta invisível que protege a entrada da Calçada e cujo limiar tem, forçosamente, de se transpor caso se queira entrar no bairro.

46Mais oculto é o espaço e o tempo ocupado por esse tipo de associações voluntárias, existentes em Lisboa e que dão pelo nome de colectividades (Viegas, 1986). A sua presença por vezes parece apagar-se, outras vezes surge simbolizando um lugar, um bairro da cidade. É o caso do Marítimo Lisboa Clube, associação que a história tem levado a que seja considerada a colectividade da Bica, ou pelo menos, da Bica de Baixo. Com efeito, ela não só representa e simboliza o bairro; ela também ajuda a criar o bairro, com as suas actividades e as suas cerimónias, ela define-o nas suas fronteiras com festas e rituais exteriores. Esta colectividade – como eventualmente outras deste tipo – não pode ser considerada um sujeito passivo na saga dos bairros de Lisboa; mais do que reflectir a vizinhança em que se insere, ela produz essa vizinhança e mais do que isso, produz um bairro. É, por conseguinte, um actor essencial a destacar no processo de identificação de um bairro.

Colectividades no masculino

47As colectividades, em Lisboa, parecem nascer por oposição à rua. Normalmente escondidas em velhos edifícios, ocupam andares ou partes de edifícios, e apenas se anunciam, no exterior, por um pau de bandeira em riste numa das suas janelas ou sobre a porta da rua, fechada. As suas entradas são condicionadas e, no seu interior, vive-se um tipo de sociabilidade controlada sem a descontracção que caracteriza o espaço da rua ou da casa.

48Na Bica, existem quatro colectividades, todas diferentes. São conhecidas por Vai-Tu, Zip-Zip, Marítimo e S. Vicente da Beira. Embora todas possam ser grosseiramente classificadas num mesmo tipo de associações voluntárias, juridicamente formalizadas, vulgarmente conhecidas por associações culturais e recreativas, cada uma possui uma «personalidade» própria e irredutível. Não tanto pelo seu lado formal, já que os estatutos e regulamentos deste tipo de associações, tende a ser semelhante, nem pelas actividades que promovem – sendo o desporto uma prática sempre privilegiada – mas sim pela sua história particular, pela sua área de inserção, pelos seus frequentadores e associados, pela sua dinâmica própria. Apenas uma, de entre elas, foi objecto de uma análise intensiva. Essa colectividade foi, como não podia deixar de ser, a pertencente à Calçada da Bica Grande, o topos central deste trabalho. No entanto, todas elas merecem uma breve referência (Fig. III em Anexo).

  • 9 Referência a Zé Machado, morador no extremo sul da Rua do Almada.

49O Grupo Desportivo da Liga dos Amigos de S. Vicente da Beira, cuja sede se localiza na Rua do Almada, perto da Calçada do Combro, terá sido, em tempos, uma associação regional florescente, com uma base associativa composta por originários dessa aldeia, conhecida pelos bailes e convívios que organizava para os seus conterrâneos. A informação esbatida de que parece que havia bastante gente de S. Vicente da Beira, «do Zé para cima»9, sintetiza bem a relação distante que a Bica de Baixo mantém com esta colectividade...Embora geograficamente próxima e inserida numa mesma circunscrição administrativa, esta colectividade definiu-se, ao longo desta pesquisa, como socialmente distante da Bica. Quase sempre de porta cerrada e, apesar de em certos momentos desportivos surgir com uma equipe a representá-la, a dinâmica oculta deste grupo desportivo foi deliberadamente deixada de fora do presente trabalho.

50O Grupo Excursionista Vai-Tu, a colectividade mais conhecida da Bica, devido às sessões de fado que a animaram durante alguns anos na década de 80 e que atraíram alguma gente de fora, fica na Rua da Bica Duarte Belo, muito próxima da travessa do Cabral. Nasceu em 1948 na taberna do João Maria, na rua dos Cordoeiros, pela sua mão e de mais seis clientes.

Foto 27. Entrada do Grupo Excursionista Vai-Tu (1991)

Foto 27. Entrada do Grupo Excursionista Vai-Tu (1991)

51Em 1975 a sua sede ainda aparecia no seu papel timbrado como sendo na Rua dos Cordoeiros, no 20-A (à Bica); no dia 7 de Setembro de 1976, uma carta dirigida à Federação Portuguesa das Colectividades de Cultura e Recreio, informava que a sede havia mudado para a Rua da Bica Duarte Belo, no 6, onde ainda hoje permanece. Um convite dirigido a esta Federação... para uma Sessão de Beneficência a ter lugar no dia 1 de Dezembro desse mesmo ano, destinava-se a festejar a inauguração da sua nova sede, no espaço de uma velha mercearia há muito fechada.

52Quem frequentava a taberna do João Maria, eram operários, gente modesta; iam lá jantar ou beber um copo. A minha posição de comerciante, embora modesto, também exigia acompanhar com gente boa. Essa gente depositava alguma confiança em mim, fizeram de mim tesoureiro por isso mesmo, e começámos a pagar uma cota de 5$00 por semana, para as excursões que, mais ou menos uma vez por ano faziam. Alugavam um táxi, dos grandes, e lá iam para o Minho, o Algarve, Espanha...Abasteciam-se nos mercados e almoçavam à beira da estrada: paravam ao pé de um chafariz ou outro ponto de água,

levávamos uma boa panela, os pratos, um saquinho de sal, azeite, uma máquina de petróleo, tudo o que é necessário. Havia um companheiro que não nos largava: um garrafão. Mas tudo com maneiras. Até fizemos uns versos ao garrafão. Depois dormíamos a nossa sesta, até às tantas da tarde. E seguíamos viajem. Com um destino, andávamos à procura da pensão, quanto custa a dormida, a comida, umas vezes ficávamos, outras não. Se fosse uma casa limpa, asseada, com um ar convidativo, nós ficávamos. Éramos todos novos, naquela altura – 30 anos, 35...! (João Maria, 78 anos, 1991).

53No regresso, quando já estavam próximos de Lisboa, telefonavam a anunciar a sua chegada; e era uma festa, o carro, todo enfeitado de bandeirolas e bandeirinhas a entrar na rua cheia de mulheres e familiares a recebê-los... era uma sensação que nem queira saber!!

  • 10 Em 1991. Mais tarde, em 1993 esta colectividade recomeçou as suas sessões de fado, nas tardes de do (...)

54Mais tarde, já na nova sede começaram a organizar sessões de fado: Quando estávamos aflitos com as contas, eram bailes e fado durante todo o fim-de-semana... Foi assim que ergueram a nova sede, fizeram obras, melhoraram-na. Mas, ao fim de alguns anos, acabaram por desistir da actividade que os tornara famosos em Lisboa: os cachets dos músicos, hoje, são muito elevados, o trabalho é muito para um lucro muito pequeno, não vale a pena-suspiram, cansados, os seus dirigentes10.

55A sua frequência habitual é composta por homens reformados que ali se encontram para jogar às cartas, beber um copo e conversar um pouco. O seu pequeno bar ainda continua a ser um chamariz para uns poucos vizinhos que ali buscam o calor de estar entre amigos. Como todas as associações similares, o Vai-Tu vive hoje anos difíceis da sua história. As sessões de fado morreram, restam as excursões que sempre foram a sua razão de ser, algumas obras de beneficência em prol das crianças pobres e mais necessitadas da freguesia, para além dos bailes pelos Santos e pelo Carnaval. Queixam-se da falta de fôlego e de sangue jovem, só ele capaz de ressuscitar os tempos gloriosos de quando os seus fundadores, na flor da idade, abalavam, de carro, a viajar pelo país fora... mas os rapazes novos de hoje, ao domingo vão para a praia e não querem responsabilidades... Só restam eles como testemunho de uma geração que se orgulha de continuar a conduzir os destinos da colectividade, com uma firmeza de convicções que, de facto, afasta mais do que atrai o sangue jovem tão ansiado. Como me dizia um rapaz do Bairro Alto que ali foi, durante uns tempos, director:

Eu tenho ajudado a levantar isto e sou respeitado porque sou de fora; se fossem os do Marítimo ou os do Zip-Zip a terem vindo fazer o que eu estou a fazer, isso seria impossível, porque os velhos não os respeitariam... pois então se os conhecem desde que nasceram!
(Aníbal, Março 1992)

56A análise do seu ficheiro de associados permitiu-nos descobrir alguns factos interessantes. Talvez por causa destas sessões de fado, registam um número elevado de sócios não moradores na Bica (cerca de 40%) e também de mulheres (34%) o que não é muito comum neste tipo de associações essencialmente masculinas (Tabelas 8 e 9).

Tabela 8. Caracterização geral dos sócios do Vai-Tu (1991)

Tabela 8. Caracterização geral dos sócios do Vai-Tu (1991)

Fonte: Ficheiro de Associados do G.E.V.T.

Tabela 9. Caracterização dos sócios do Marítimo (1991)

Sócios

Femin

Masc

Total

Reformados

5

13

18

Nao reformados

45

122

167

Total

50

135

185

Fonte: Ficheiro de Associados do MLC

57Os cerca de 60% que habitam a Bica repartem-se pelas ruas das suas imediações, pertencendo a maioria às ruas da Bica de Cima – Rua da Bica Duarte Belo e suas travessas. Os que residem fora da Bica, concentram-se mais em três freguesias desta área: S. Paulo, Santa Catarina e Encarnação, com um peso maior para esta última. Esta pertença territorialmente confinada torna-se particularmente relevante quando comparada com as pertenças de uma sua congénere vizinha, o Marítimo Lisboa Clube, com um território de influência muito mais restrito – comparação que adiante será melhor apresentada. É de supor que as sessões de fado que, em finais dos anos 70 começaram a animar os serões dos fim-de-semana desta colectividade, a tenham publicitado, alargando a sua área de influência.

58O Grupo Desportivo Zip-Zip nasceu nos conturbados anos do pós- 25 de Abril e a vontade que então animou o grupo de rapazes jovens, politicamente de esquerda, para a sua criação, parece ter esmorecido com os anos. Com sede na Rua dos Cordoeiros, nas dependências de uma antiga padaria, tem quase sempre a sua porta fechada. O arraial dos Santos Populares tem sido a actividade que, nalguns anos, a tem mantido viva e, pontualmente, algum baile ou sessão de fado. O desenvolvimento da actividade desportiva fomentado entre a juventude da rua, parece ter ficado apenas como um objectivo inatingível e cada vez mais longínquo. As relações com os rapazes do Marítimo estão longe de ser pacíficas – jovens que, antes de terem decidido fazer ressuscitar o Marítimo, haviam tentado levantar um Zip que depois abandonaram e hoje renegam.

Foto 28. Entrada do Grupo Desportivo Zip-Zip (1991)

Foto 28. Entrada do Grupo Desportivo Zip-Zip (1991)
  • 11 Os ficheiros desta colectividade não foram consultados. Não tanto por não existirem – sempre me dis (...)

59Foi uma associação que permaneceu, para mim, envolta num certo mistério, decorrente da relação tempestuosa que existia com o Marítimo11. O pouco que aprendi sobre ela nasceu de uns escassos contactos com alguns dos seus dirigentes, nos primeiros tempos das minhas deambulações pela Bica – quando a Rua dos Cordoeiros se me afigurava como uma das possíveis a desbravar – e do muito que ouvi, no Marítimo, sobre ela. A ideia que pude fazer da sua história, do seu presente, dos seus sócios, ficou, portanto, inevitavelmente distorcida e aquém do conhecimento pessoal que, noutras condições, poderia ter ambicionado. Esta colectividade é, por isso, referenciada neste trabalho apenas como o outro contra o qual um nós se afirma, e o par Zip-Zip/Rua dos Cordoeiros depende, inevitavelmente, desse outro par Marítimo/Calçada da Bica Grande que foi escolhido como o lugar temático de aprofundamento, no presente trabalho. Todas as referências que lhe são feitas, dependem, por conseguinte, do ponto de vista em que eu, deliberadamente, me coloquei: o do Marítimo Lisboa Clube.

60O berço da ideia de uma colectividade chamada Zip-Zip foi, como é prática habitual, uma taberna conhecida por esse mesmo nome, virada para o Largo de Santo Antoninho. Logo a seguir ao 25 de Abril de 1974, a padaria situada um pouco mais à frente, na Rua dos Cordoeiros, foi ocupada por um grupo de jovens que organizaram algumas actividades, tais como uma venda directa de peixe, ali no largo, excursões, teatro, tendo até chegado a assinar um protocolo com a Junta de Freguesia de S. Paulo. Num período em que ao Vai-Tu só preocupavam as sessões de fado e, de vez em quando, uma excursão de beneficência a crianças, e o Marítimo era só para a batota (...) o Zip era a colectividade mais importante da Bica, sem dúvida nenhuma. Nessa altura começou a ter projecção e começaram a ter directores «do lado de cá» da Bica... ( Machado, Abril 1992), alguns dos quais, hoje, levam os destinos do Marítimo. As razões que levaram, pelos anos 80, a conflitos entre os directores do lado de cá e os do lado de lá são pouco claras. A verdade é que lá por 1988, surgiu a ideia de reabrir o Marítimo, encabeçada por José Manuel Marques, antigo director e ensaiador da marcha da Bica, e a história do Zip-Zip a partir daqui esfumou-se, tendo começado o reinado desta outra colectividade, o Marítimo.

Foto 29. Entrada do Marítimo Lisboa Clube (1991)

Foto 29. Entrada do Marítimo Lisboa Clube (1991)

61O Marítimo Lisboa Clube, por sua vez, fica em plenas Escadinhas da Bica Grande, num prédio que torneja para o Beco dos Aciprestes, o mais novo ali existente, construído em finais dos anos 20. A porta do prédio dá acesso a cinco pisos de apartamentos, e o Marítimo ocupa a cave direita, com janelas para a rua, do lado das Escadinhas e do Beco. Apesar do local ser privilegiado pela sua situação de centralidade em relação à Calçada e ao Beco, a sua relação com a rua estabelece-se apenas através das janelas, quando abertas, e durante as festas dos Santos Populares, em Junho, por ela organizadas...

O Marítimo Lisboa Clube

62Esta colectividade foi fundada, oficialmente, em 1944. No entanto, a prática de uma sociabilidade masculina, que continua a alimentar a sua actual existência, já existia anteriormente a esta fundação. De facto, a partir, tanto das memórias de alguns homens mais velhos que sempre ali viveram no bairro cujos pais e familiares mais próximos ali nasceram, como a partir de notícias encontradas em jornais, sabe-se que este fenómeno da associação masculina, em torno de actividades desportivas e/ou lúdicas, como são as festas dos Santos Populares, ou o futebol, tem registado alguma permanência neste lugar.

  • 12 As primeiras cartas-resposta da Federação, referem a morada da sede como sendo no no 37, cave. O en (...)

63No jornal Século de 13-6-1924, encontrámos a seguinte notícia: Veio cumprimentar-nos, desfilando em frente do nosso edifício uma vistosa marcha «aux flambeaux» organizada pelo Marítimo Foot-Ball Lisboa, da Ribeira Nova. De facto, este Marítimo é o antepassado do actual Marítimo, tardiamente formalizado, mas já existente em 1924. Num documento de arquivo encontrado na Federação das Colectividades de Cultura e Recreio, uma carta assinada pela Comissão Organizadora do Marítimo Lisboa Clube, datada de 26 de Setembro de 1944, convida um representante desta Federação a assistir à inauguração oficial da sede da colectividade, na cave do no 36 da Calçada da Bica Grande12, há poucos dias legalizada pelo Governo Civil de Lisboa e em vias de se inscrever na dita federação. Era o culminar de um processo iniciado em 1 de Janeiro desse mesmo ano, com uma fundação decidida por um grupo de homens jovens que trabalhavam na Ribeira, marítimos, mas que apenas em finais de Junho enviaram a documentação necessária à dita Federação, centralizadora e intermediária de todas as formalizações associativas. Cinco dias após a dita cerimónia inaugural, foi na sessão do dia 6 desse mesmo mês, aprovada a federação da nova colectividade, sob o registo número 543. Um elemento curioso é detectável, após a análise desta documentação: o papel da carta que, em 26 de Setembro é enviada pelo novo Marítimo Lisboa Clube, convidando a referida Federação para a sua festa, vem identificada, com um carimbo no seu canto superior esquerdo com o seguinte nome: Marítimo Foot-Ball Lisboa, com sede na Calçada da Bica Grande, 13, actual tasca da Milú e anterior taberna pertencente a uma família de galegos. No centro desta identificação, uma bola de futebol simboliza a vocação do clube (Figura VII, em Anexo).

Naquele tempo nós não tínhamos dinheiro e quotizávamo-nos. Tínhamos um grupo aqui outro ali, numa taberna, e uma vez por semana pagávamos um x e de três em três meses dávamos um passeiozinho à Erice ira, Praia das Maçãs.... só os homens, as mulheres eram umas vítimas sempre, coitadinhas. Hoje já não são tanto, felizmente...O meu grupo era o «Ponto de Interrogação». E sabe porquê? Porque eu não podia dar o nome que eu queria dar. Era ali na taberna, na Bica. E havia quadros maravilhosos. Os grupos excursionistas eram sempre na taberna que nasciam. Era onde é a Milú, que dá fados. Era a taberna do Aquilino, o galego: Aquilino Áspera Gonzalez (José Manuel Marques, 72 anos, 1991).

Dantes, a tasca da Milú era só copos e dominó e matraquilhos, não havia comida. Aquilo era de galegos, uma grande família de galegos que morava ali na Calçada, no prédio da Mariazinha (em frente da taberna). Lembro-me do Aquilino, galego, que vivia com a mulher e as filhas no 14, 4o andar. E do sr. Belmiro, que era compadre do Aquilino e que explorava aquilo quando eu era pequena. Este sr. Belmiro não vivia aqui, mas a tasca estava sempre aberta, quem frequentava eram os velhotes aqui da rua, sócios do Marítimo... Só vendiam vinhos e refrescos, nem café havia. O meu pai (Jorge G.) ia lá muito, jogava o dominó. A tasca fechava por volta das 10 da noite. Não havia fado (Suzete G., 43 anos, 1993).

  • 13 Veja-se o caso do Vai-Tu, atrás referido.

64Nascido em 1919, as memórias de José Manuel Marques são mais recuadas que as de Suzete, nascida em 1950. Mas ambos recordam o dono antigo: era a taberna do Aquilino, galego. José M. Marques recorda os tempos anteriores à fundação deste Marítimo, recorda os grupos excursionistas que se formavam nas tabernas, muitos deles tendo dado origem às actuais colectividades13.

  • 14 Onde fica hoje o restaurante do Domingues.

Naquele tempo havia duas tabernas na Bica: essa e uma mais abaixo. Era a taberna do Manei das Caldeiradas. E sabe porque é que se chamava assim? Porque os pescadores algarvios e de Sesimbra, de Setúbal, e até de Cascais, vinham com os barcos com o peixe, traziam as cestas do peixe para ele fazer a caldeirada, gastavam o pão e o vinho e ainda ficava muito peixe para o dono da casa fazer negócio e vender. Ainda agora a gente da velha guarda olha para aquela casa como o Manei das Caldeiradas14 (José Manuel Marques, 72 anos, 1991).

65Florêncio, da mesma idade da Suzete, nado e criado no Pátio, lembra-se do seu pai, sapateiro, passar parte do seu tempo no Manei das Caldeiradas; por seu turno, Suzete, lembra-se do seu pai, Jorge G., nascido no último prédio do Beco, como ela, andar envolvido no Marítimo, com outros homens da sua criação.

66Só em Fevereiro do ano seguinte, 1945, se procedeu à eleição dos corpos gerentes da recém criada associação. Uma carta dirigida à Federação solicitava a cedência de instalações para a reunião da Assembleia Geral, visto na nossa sede não ser possível a sua realização por não haver dependências para o efeito desejado, o que aliás se repetiu nos anos que se seguiram. A partir de 1946 a correspondência já seguia em papel timbrado, com o actual nome, morada, data da fundação – 1 de Outubro de 1944 – e o emblema, representando a actividade marítima – remos, âncora e roda do leme.

Figura 11. Logótipo do Marítimo Lisboa Clube

Figura 11. Logótipo do Marítimo Lisboa Clube

67Em 1948, uma carta pedia que fosse a colectividade perdoada na falta de pagamento da sua licença ao Governo Civil:

Pela Presente, vimos rogar a Vossas Exc.as o grande favor de que vossas Exc.as interferir para que nos fosse perdoada a falta de pagamento das nossas licenças do Governo Civil, pois não foram pagas desde Outubro do ano findo pois que infelizmente este clube não ter podido alcançar verba para poder satisfazer devido à grande falta de meios...

68Pedido que foi atendido, com a devida carta de agradecimento, acrescida de um voto de louvor à Federação que por eles intercedeu, ambas assinadas por Jorge G., 1° Secretário. Alguns dias mais tarde, seguia a indicação dos nomes dos delegados da colectividade à Federação.

69A correspondência trocada entre a Federação e a colectividade dá bem uma imagem, não só do controlo e da apertada rede de favores e contra/favores em que as associações se moviam, como também da inserção num mundo de regras burocrático-jurídicas, bem visível na troca de ofícios, queixas, agradecimentos, pedidos de informações várias. A circulação destas mensagens e contra-mensagens familiarizavam e tornavam mais tangíveis a uma certa elite masculina de associados, o poder judicial-administrativo de uma cidade.

70Outro factor, porém, condicionava todo este processo de constituição e sedimentação de uma colectividade: numa época de grande repressão política e de costumes, esta era, talvez, uma das poucas formas permitidas para a organização colectiva, necessariamente controlada. Como sucedeu um pouco por todos os bairros populares de Lisboa, as actividades lúdicas, desportivas e festivas enquadravam-se no único molde permitido para o controlo destas actividades potencialmente transgressoras: a constituição em associações de recreio e desporto. A partir daqui, desenvolveram-se algumas estratégias previsíveis: os delegados à federação eram escolhidos entre os mais letrados, como sejam empregados de escritório, funcionários dos correios e telégrafos, artesãos; um cuidado extremo nas formalidades epistolares dos pedidos de perdão, agradecimentos, votos de louvor, etc.; um legalismo quebrado, mais por ignorância, do que por fuga voluntária ao cumprimento das obrigações. Como exemplo, ficam os acertos sobre o modelo do cartão de identificação submetido à apreciação do ministro do Interior, em 1954, bem como o processo instaurado por uma falta de pedido de autorização à Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses, na utilização de peças do seu repertório nos bailes de Carnaval do ano de 1963...

  • 15 Anterior ao que foi fundado em 1944.
  • 16 Jorge G., sócio fundador do Marítimo.

Aqui esta zona era uma zona só de marítimos. Por isso é que tem o nome. O presidente do primeiro «Marítimo»15 chamava-se Manuel R. S. E., era negociante de peixe, ali na Ribeirinha, onde os barcos atracavam quando vinham com a sardinha, com o chicharro. O vice presidente, que se chamava Francisco J. B. também era negociante de peixe. O meu pai, assim como o pai da Mila16, antes de ser comprador, foi apanhador. Eles metiam-se dentro do porão, arregaçavam as calças até cima, metiam água do mar lá dentro, elas punham as canastas e eles baldeavam o peixe para as canastas. Depois, como eram marítimos e conheciam os barcos, quando eles chegavam à lota, atulhados com carapau, ou sardinha, ou chicharro, eles espetavam uma barra no meio do barco para fazer um cálculo de quantos cabazes tinham. Ora o meu pai não precisava de usar a vara, porque desde menino e moço que já conhecia os barcos e já sabia, se viesse cheio tinha tantos cabazes, se viesse meio, etc. Então o meu pai era o comprador mais pobre mas tinha o sócio mais rico da Ribeira Nova – António V. E. – a vila Graciete, na Maria Pia, era dele – cujo genro e filha eram donos da casa de jogo que há ali na Rua de S. Paulo. Tanto o Manuel S. E., como o Francisco J. B., que eram os do dinheiro, todos queriam o meu pai – o meu pai não precisava da barra... (Alberto, 68 anos, 1991).

71Alberto, sócio número dois do Marítimo, vive nas Escadinhas, e nasceu em Setúbal, filho de uma setubalense casada com um pescador da Bica.

O meu pai – que Deus tem – era marítimo, de Lisboa. Nasceu no Beco dos Aciprestes, 6 e faleceu no 11, chamava-se José Pedro Pinto, e todos lhe chamavam o (alcunha). A minha avó paternal chamava-se Maria José e era de Sesimbra, da família dos Catitas. A minha santa mãe estava em Setúbal, era filha de uma professora da primária que faleceu quando foi da pneumónica, e o meu avô era carpinteiro. Eram 7 filhos. Com 17 anos a minha mãe foi criada para casa de uma pessoa que tinha uma taberna, uma casa de pasto, de um casal que tinha duas filhas lindas. E a minha mãe é que as criou. Foi aí que o meu pai a conheceu. O meu pai andava ao mar, e Setúbal estava a dar mais peixe. Enamorou-se da minha mãe e casou.

Mudaram-se para a Bica porque o Alberto, então com 4 anos, tinha uma hérnia, precisava de ser operado e em Setúbal não havia médicos à altura, não havia hospital.

Fomos para casa de uma tia no Beco dos Aciprestes no..., irmã do meu saudoso pai, que estava abandonada porque vivia maritalmente com outro tipo. Eles foram para essa casa por 50$00 mensais. O prédio era do vice-presidente do Marítimo, Francisco J. B. (...) e tem dois r/c.

O no... era de um irmão da minha falecida sogra que era sapateiro, o Ti João, tio da minha mulher; e o no...era a casa da minha tia para onde viemos morar.

72A mãe e a irmã dormiam numa cama, as duas irmãs noutra e ele no chão... A vida era difícil, na altura. Andou na Escola da Rua das Gaivotas, entrava à uma e vinte e saía às cinco da tarde.

Andávamos descalços. Na escola havia à volta de 60 alunos, se 7 ou 8 tivessem sapatos... pelo menos 4 tinham. Só tínhamos umas sapatilhas de corda, mas só ao sábado e domingo é que vestíamos. Era só de rapazes – que é como deve ser. De manhã ia ajudar o meu pai a dar os bilhetes e a receber as chapas para fazer o controle, na Ribeira.

73Cada negociante de peixe tinha uma vendedeira – a sua vendedeira – e uma escrivoa. O barco era comprado, a vendedeira tinha chapas que dava às suas varinas para levarem o peixe em canastas, descarregando o peixe. O comprador dizia: Dez mulheres!, e a vendedeira dava as chapas a dez das mulheres que estavam na rampa à espera de serem contratadas. Estas mulheres só transportavam o peixe. A escrivoa assentava a mercadoria que ia saindo. Depois havia uns bancos, dentro do mercado, assentavam ali as canastas e então o peixe era vendido às que tinham os lugares na praça e aos vendedores ambulantes. Os bilhetes correspondiam ao imposto que era cobrado por cada transacção.

74Quando Alberto tinha oito anos o pai morreu com uma pneumonia. Entretanto, a filha da irmã do pai foi viver para lá e começou a empurrá-los, a empurrá-los até que eles tiveram de se mudar. O senhorio dele, que era dono de todo o prédio – o vice presidente do Marítimo – bem que tinha insistido com o pai para passar os recibos em nome dele, mas ele nunca tinha querido atraiçoar a irmã e afinal... Lá se mudaram para a Calçada da Bica Grande, no... que é onde agora vive o irmão mais novo. Ele explica-me que isto é assim, o mais novo é que fica com a casa. Ele agora vive no 2o andar de um outro prédio, ao lado.

A direcção do Marítimo antigo era só gente do mar: vendedores, apanhadores, pescadores. E varinas. E aguadeiros. Isso de dizerem que a Madragoa é um bairro de varinas, é mas é um bairro de ovarinas, que vêm de Ovar. Aqui não. Aqui havia varinas mas nadas aqui da Bica. Aí é que é o importante. A Madragoa, quando vai na marcha, é os pescadores, é elas a dançar, as varinas... Mas aqui havia muitas varinas que vendiam peixe, de canasta à cabeça, havia pescadores, os maridos delas andavam com uma canoa a arrastar ao camarão...

75O futebol fazia parte do quotidiano da juventude do Alberto. Tal como o fado e os passeios com amigos. As memórias dele levam-nos para os anos 30, 40, no tempo do primeiro Marítimo, antes do actual. O Marítimo já existia antes, mas era a nível particular, não tinha sede. A actual sede era então ocupada por uma cabeleireira e um tal Carlos B., que escrevia para um semanário ligado ao fado.

A «Canção do Sul». Em 44 eles foram-se embora, a casa ficou vaga, e então pediu-se autorização ao inquilino que mora aqui no..., o José Paulo, que é sócio do clube, e ao Libânio, que morava no lado esquerdo – porque não se pode pôr uma colectividade sem consentimento – e então pedimos a eles, eles assinaram. Ai é que o Marítimo começou em 44, a entrar na legalidade porque tivemos de entrar para a Federação, porque não há clube nenhum que possa não estar nessa Federação. Antes, o Marítimo era como todos os outros, não tinha sede.

76A história do primeiro Marítimo confunde-se com a história desse desporto que tão fulminantemente se popularizou entre os rapazes do bairro: o futebol. Os primeiros jogadores do Marítimo são relembrados por Alberto: José Manuel, apanhador de peixe; o Viriato, marítimo; o Barbado, o José Duarte, o Albano Carmo, negociantes de peixe; António Alemão, apanhador de peixe; João Solidão, comprador de peixe... Jogavam contra o Esperança, da Madragoa, entre outros...

  • 17 Não é só marítimo quem anda ao mar; quem anda numa canoa a arrastar o camarão (...) os compradores, (...)
  • 18 O futebol foi introduzido em Portugal em finais do século passado, importado de Inglaterra por algu (...)

77Para além do Marítimo, houve muitos outros grupos de futebol. O Pombalense, na Calçada Salvador Correia de Sá; o Pátria, da camisola encarnada. O Bicaense e o Sport Lisboa e Bica. Todos eles compostos de gente do mar17. Jogavam nos campos do Casa Pia, de Alcântara, do Aliança, no Rego, em torneios organizados a nível de bairro. Era assim: um organizador alugava um campo, fazia convites aos clubes. Cada clube pagava um x e era sorteada a ordem dos jogos e da sua sucessão. A grande motivação dos clubes então existentes era o futebol18.

78Da história ainda pouco aprofundada do futebol em Portugal, podem-se retirar alguns elementos, que interessam directamente para a história desta colectividade. Durante a última década do século passado foram fundados alguns clubes de futebol identificados com zonas fabris e populares de Lisboa: Braço de Prata, Alcantarense, Campo de Ourique... Os primeiros jogosespectáculo que se fizeram, decorreram, num primeiro momento, no âmbito da rivalidade Portugal/Inglaterra; depois, já nos anos 20 deste século, da rivalidade Lisboa/Porto, com selecções de ambas as cidades. Só mais tarde se enraizaram os principais clubes lisboetas, a alimentarem «bairrismos» locais: o Sporting, o Benfica e o Belenenses.

79Em 1926, organizou-se o 1o Campeonato de Portugal, que seleccionou equipas vencedoras de Lisboa – Sporting Clube Portugal –, do Porto – Futebol Clube do Porto –, do Algarve – o Olhanense – e do Funchal – O Marítimo. De facto, este campeonato limitou-se a disputar o título a dois jogos, um em cada campo, entre os campeões de Lisboa e do Porto, deixando de fora os restantes vencedores...por ter havido uma certa precipitação na organização do campeonato (Parreirão, 1989: 334). No ano seguinte, a selecção portuguesa que se apresentou em Amesterdão nas Olimpíadas, brilhou. Contava, entre os seus jogadores, com um guarda-redes internacionalmente citado pelos comentadores do acontecimento – António Roquete, do Casa Pia Atlético Clube, com sede na Rua de S. Paulo – e alguns jogadores do Belenenses, do Vitória de Setúbal, do Carcavelinhos... tudo zonas marítimas, onde parece que o então «pontapé na bola» terá singrado esfuziantemente.

80É de 1924 essa notícia de um tal Marítimo Foot-Ball Lisboa, formado na Ribeira Nova por um conjunto de rapazes novos que aí trabalhavam e viviam na Bica. Como já foi referido no capítulo anterior, nesta altura, o bairro contava com muitos olhanenses e seus descendentes, oriundos de uma terra cujo clube de futebol ficou entre os primeiros no Campeonato de Portugal, dois anos mais tarde. Sabe-se, também, que outro clube famoso era, nessa altura, o Marítimo, da Madeira, o que certamente terá inspirado este pequeno clube a escolher um nome idêntico... Alguns anos passados, já no tempo das memórias da juventude de Mila, hoje com 50 anos, o clube mais popular na Bica era o Belenenses. Havia uma rapariga da sua criação, que jogava à bola com ela ali no Beco, onde nasceu, que era conhecida pela Matateu, numa alusão a um dos maiores jogadores desse clube ribeirinho... Não é por acaso, com certeza, que a cor do clube da Bica é azul.

81Ecos de uma memória mais recente foram por vezes invocados, na sala do Marítimo, por homens na casa dos 50. Fotografias foram aparecendo, a ajudar a relembrar o nome desses clubes de futebol já desaparecidos: o Atlético da Bica, os Leões da Bica, os Estrelas da Bica... Dois deles parecem ter nascido numa taberna, tendo depois passado para outra, antepassada da Carvoaria Minhota, ali na Travessa do Cabral; outro surgiu já depois do 25 de Abril (1974); alguém ainda recorda uma outra equipe, os Onze Unidos da Bica, lá pelo final dos anos 50... Com efeito, a prática, o espectáculo e, sobretudo, a adesão incondicional a um grande clube do futebol, continuam a ser centrais no bairro da Bica – e, como não podia deixar de ser, a separação que ali se regista entre os sócios dos dois maiores clubes lisboetas, o Sporting e o Benfica, definem duas metades dialogantes. Apesar de não ser este o objectivo do presente de trabalho, ele acabou por se impor a ponto de se poder sugerir que talvez seja este o mais forte fenómeno de pertença bairrista existente, a nível da cidade. No entanto, fica apenas como um dado marginal no presente trabalho, cuja importância foi tardiamente notada.

As bases locais de uma associação

  • 19 Ou haviam morado durante a sua infância e juventude, continuando muito ligados à casa-materna.

82Dos 169 associados que, à data da recolha efectuada – Outubro de 1991 –, pertenciam a esta colectividade, 136 (80%) moravam19 em ruas pertencentes à Bica. Destes, 100 (74%) pertenciam, às Escadinhas da Bica Grande: 21, ao Beco dos Aciprestes e 79 à Calçada da Bica Grande. Fica claro que a base territorial dos seus associados é extre-mamente restrita: todos eles habitam, praticamente, na Calçada da Bica Grande e suas ruas satélites. Com efeito, o Marítimo Lisboa Clube é uma colectividade que abrange uma área geográfica muito restrita, com uma base estritamente local. Comparativamente ao Vai-Tu, a sua base territorial é bastante mais localizada. Após a contagem das moradas dos seus sócios, o Marítimo Lisboa Clube pode, de facto, ser considerado a colectividade das Escadinhas (Gráfico 24).

83Os dados constantes na ficha de sócio recolhida não vão além do nome e morada. Por isso, não foi possível construir um quadro de caracterização dos seus sócios, como em relação ao Vai-Tu. A profissão, omissa na ficha, foi recolhida oralmente e, por isso regista muitas imprecisões. Para além do aspecto já referido, da vizinhança entre todo os sócios, pouco mais se pode retirar. Aos associados mais antigos correspondem os primeiros números no ficheiro, sendo os últimos os mais recentes o que, de um modo geral, não só estabelece uma separação entre distintas classes etárias, como também dá a primazia aos homens, surgindo tardiamente as suas mulheres que aparecem raramente, e os seus filhos ou filhas. As profissões, grosseiramente definidas a partir das afirmações dos próprios, revelam uma grande homogeneidade de métiers, de tipos de trabalho, de salários – de categorias socioprofissionais. A nível da pertença por sexo, como é comum a todas as associações, os homens ganham às mulheres – muitas das mulheres são casadas com sócios e por isso se associam, ficando, porém, de fora.

Gráfico 24. Moradas dos sócios do Marítimo e do Vai-Tu (1991)

Gráfico 24. Moradas dos sócios do Marítimo e do Vai-Tu (1991)

Fonte: Ficheiro de associados do M.L.C. e do G.E.V.T.

84Vejamos a sua composição socioprofissional, comparando-a com a do Vai-Tu. As diferenças não parecem ser grandes, no entanto existem. Enquanto os grupos mais importantes, no Vai-Tu, se enquadram no grupo do operariado-cerca de 30% –, no Marítimo encontramo-lo no grupo dos vendedores e pessoal dos serviços – cerca de 20%-e entre os trabalhadores não qualificados – 10%. De resto, ambos registam cerca de 10% de profissões administrativas (10,65% para o Marítimo e 13,78% para o Vai-Tu) e uma fatia bastante grande de profissões não classificadas, predominantemente de reformados e domésticas no Vai-Tu, maioritariamente «não mencionadas», no Marítimo, por desconhecimento de quem tentou completar as lacunas de um ficheiro de sócios bastante mais rudimentar do que o do Vai-Tu (Tabela XXI em Anexo).

  • 20 Sobre o conceito de intervinculação, como modo de classificar a maior ou menor densidade da malha d (...)
  • 21 Mutatis mutandis a imagem de «espessura temporal» utilizada por alguns historiadores...

85Mas outros elementos, porventura mais reveladores de uma densidade de sociabilidades, escapam à estrita análise deste ficheiro. Por exemplo, as relações familiares que ligam os seus sócios, não explicitadas no ficheiro, são múltiplas. Algumas famílias encontram-se sobre-representadas no Marítimo Lisboa Clube. O conjunto familiar melhor representado é, precisamente, um dos mais antigos da Calçada da Bica Grande, cuja rede de malha muito densa, com um elevado grau de intervinculação20, melhor ilustra o tempo de permanência e o enraizamento nesta rua, de várias gerações (Fig. VI, em Anexo). São inúmeros os sócios do Marítimo que, por afinidade ou descendência pertencem a esta «família»; nos cargos directivos, desde 1989 – o último período da sua vida – é esta mesma família que predomina. Com efeito, a solidariedade que liga as famílias mais antigas do bairro, decorrente de um conhecimento antigo das suas relações, das suas vidas, das situações porque passam, é algo dificilmente explicável que contribui para um ambiente de uma grande «espessura social»21 bem visível nesta associação.

Cargos e líderes

86O Marítimo Lisboa Clube não escapa à formalização habitual destas associações, consentânea com os limites legais em vigor. Os seus corpos gerentes compõem-se de três órgãos: Direcção, Mesa da Assembleia Gera! e Conselho Fiscal, reúnem uma Assembleia Geral pelo menos uma vez por ano, onde apresentam e aprovam o relatório de actividades e de contas, e regem-se pelos mesmos estatutos que, em 1944, foram redigidos com a finalidade de serem reconhecidos legalmente.

87Após 1970 – último ano em que a Marcha da Bica participou antes da mudança de regime político em Portugal esta colectividade viveu uma espécie de estado de hibernação. Fechou as suas portas, tendo ficado o seu antigo tesoureiro, dono de uma antiga mercearia que lhe ficava defronte, responsável pela chave. Episodicamente abriu como espaço de jogo, algumas obrigações financeiras foram cumpridas, outras não. Analisando a documentação referente a esta colectividade, no arquivo da Federação Portuguesa das Colectividades de Cultura e Recreio, foi encontrada a seguinte informação do cobrador, que ali se deslocara a cobrar a habitual quota, em Janeiro de 1988: Falei com a vizinha do lado que me informou o seguinte: O clube continua a existir, embora sem frequência regular. Constou-lhe que vão fazer contactos na Câmara para retomar a actividade... E mais tarde, em Dezembro do mesmo ano: Não consegui contacto com directores. Segundo informação da vizinha do lado, a sede está em obras, deixei recado para que a direcção (creio que não há) se pusesse em contacto com a Federação.

88Com efeito, foi durante o ano de 1988 que se iniciou o processo de reabertura da colectividade, por um pequeno grupo de vizinhos. Embora a história possa ser contada como uma ideia surgida espontaneamente de uma conversa de café: – Foi lá em baixo no Domingues, entretidos a jogar o dominó e tal e então tivemos uma ideia: e se a gente abrisse o Marítimo e fizéssemos arraiais outra vez e a marcha? Foi uma ideia que foi assim para o ar, eh pá até era giro e tal, quem é que terá a chave daquilo, vamos falar com quem tem a chave... (Raul, 29 anos), parece mais credível – de acordo com outras informações – que um antigo director, «bem relacionado», tenha conseguido uma oportunidade monetária para reerguer a associação e que de um pequeno grupo de amigos de confiança, até à constituição de uma comissão alargada – futura direcção – se tenha trabalhado para a sua ressurreição. Da ordem de despejo que a sede tinha, no momento da sua reabertura, até à compra que conseguiram negociar com o proprietário, foi um processo ao qual não foi alheia a intermediação de alguns filhos do bairro com o poder autárquico.

89Desde esse momento até à actualidade, a história da colectividade e, muito em particular, do grupo que a dirige, está longe de ser pacífica. Um comentário sobre a vida associativa, ouvida de um jovem dirigente do Vai-Tu, no Carnaval de 1992, esclareceu-me, de alguma forma, sobre o primeiro conflito grave sofrido pela primeira direcção do Marítimo: Para os novos, um velho há-de ser sempre um contínuo; para os velhos, um novo há-de ser sempre um moço de recados (Aníbal, Março 1992).

90Com efeito, se é verdade que a primeira direcção era presidida por José Manuel Marques, homem de quase 70 anos, a verdade é que menos de dois anos passados, o Marítimo está completamente na mão de uma nova geração. Os motivos de briga terão nascido em torno da preparação da marcha, que entretanto voltou a sair desde 1989. Neste ano, ela ainda foi ensaiada por José M. Marques, no ano seguinte e até hoje (1995) já foi ensaiada por Raúl, irmão da mulher do novo presidente do Marítimo desde 1990, Armando Costa.

91Armando veio para a Bica com 10 anos de idade, em 1970, trabalhar numa drogaria na Rua da Bica Duarte Belo. Embora não seja um «filho da Bica» e caia na categoria dos pára-quedistas, pertence, por aliança, a um dos clãs mais forte da rua. Vive na Calçada da Bica Grande, em frente ao Marítimo, com a sua mulher Filomena e dois filhos e é talvez das pessoas que mais trabalham para a imagem do bairro através de uma dedicação incondicional ao Clube. É contínuo num banco, além de outras actividades extra, uma das quais como bombeiro voluntário.

Como é que eu vim para aqui? Por carolice. Eu morava aqui em frente e sabia que o meu sogro tinha sido um grande impulsionador disto (...) Um dia venho à janela e vejo eles a quererem pregar pregos, a esticar fios, e disse à Filomena, olha eu vou lá abaixo ajudar. Venho à rua e digo eh pá porque não fazes assim, e fazemos assado, e começa-se a criar um espírito de que eu poderia pôr as pessoas a trabalhar, com um certo ritmo e uma certa produtividade; e portanto, fui ficando por aqui. Eu assinava facturas e contas, se eu era pessoa para trabalhar, também tinha de ser pessoa para controlar. O José Marques pensou fazer uma reunião para arranjar uma Direcção e convidou-me para vice-presidente. E eu fiquei. Em 89. O Marques era o presidente, eu o vice-presidente (...)No aniversário do Clube de 89, nós tínhamos acabado de adquirir aquela fracção e, num almoço, eu propus que fosse convidado o senhor que na altura era o vereador do desporto. Porquê? Porque eu tinha a noção de que as pessoas se cativam pelos almoços, está mais que provado... Logo de seguida o sr. vereador veio cá, estive a mostrar-lhe a sede e combinámos logo uma tentativa de uma reunião para comprar este lado. O senhorio queria na altura x mil contos. Fomos à Câmara e passado uma ou duas semanas... tinha o dinheiro. Antes das eleições autárquicas. E então foi quando nos lançámos na compra deste lado. A compra deste lado, por sua vez, culminou no ano seguinte, com as eleições, pronto... em que as pessoas achavam que eu podia assumir a presidência do Clube (Armando, Nov. 1991).

92Embora alguns dos dinamizadores da primeira comissão que fez renascer o Marítimo das cinzas tenham já saído, outros têm permanecido, podendo-se afirmar que há um núcleo estável e permanente na direcção. A direcção é o órgão mais importante, o que não quer dizer que as pessoas mais importantes para a vida do clube aí se encontrem. Neste momento, seria talvez importante distinguir aquilo que poderíamos designar por «forças vivas» e por «líderes» propriamente ditos. Enquanto os primeiros trabalham em prol da colectividade, por vezes nos bastidores, demarcando-se dos cargos dirigentes da colectividade e disponibilizando o seu poder pessoal e rede de conhecimentos – o Zé Machado é, talvez, um caso exemplar –; os líderes assumem publicamente os destinos do clube, ordenando e dando a cara, invocando a autoridade do seu lugar e colocam-se na situação ingrata do «chefe», não raras vezes desprezado e odiado. Evidentemente que a partilha entre estes diferentes papéis não resulta de uma escolha livre, adequando-se ambos a status sociais e de relação com o poder exterior ao bairro, pertenças familiares, níveis de instrução, profissões, enfim, personalidades diferentes.

O dia-a-dia numa cave apertada...

93Acabado de construir em 1929, a ocupar o lugar de dois prédios que pouco tempo antes foram demolidos devido ao seu mau estado, o prédio onde se encontra a sede do Marítimo é o edifício mais novo da Calçada da Bica Grande. E dos poucos que tem uma única porta de escada que dá acesso a todos os pisos, desde a cave até ao último andar; é um prédio moderno, com esquerdo e direito (Fig. 12).

Figura 12. Alçado e planta do edifício onde fica a sede do Marítimo

Figura 12. Alçado e planta do edifício onde fica a sede do Marítimo

Fonte: Processos-Obra – CML

94A verdadeira comunicação entre a colectividade e a rua faz-se através das suas janelas: é ali que a Mila passa as manhãs, quando lá está; é de janela aberta que o seu irmão Tó solda os arcos da marcha, e os vizinhos ali ficam a ver e a falar; é à janela, qual guichet improvisado, que o José Júlio vende as senhas durante o arraial. As janelas do Marítimo são o seu cordão umbilical com o bairro. A sua relação com o prédio resume-se à partilha, com mais nove moradores, de um mesmo edifício.

95Como a maioria das colectividades, o Marítimo, enquanto espaço de acolhimento para os tempos livres dos habitantes do bairro, abre ao fim-de-semana e aos serões dos dias de semana. Por vezes, se tem algum colaborador ou colaboradora a trabalhar para ele – na limpeza, a vender no seu «mini-bar», a aceitar as apostas das inúmeras lotarias populares e sorteios, – pode abrir também nas tardes dos dias de semana. A televisão, sobretudo nas tardes e noites em que são transmitidos jogos de futebol, as mesas em que se pode jogar descontraidamente, as bebidas que o bar oferece, e a companhia de pares, são talvez as melhores motivações à decisão de dar ali um salto ao Marítimo. Em determinadas épocas, o ambiente de euforia criado por um grupo mais alargado – no final dos ensaios da marcha, um aniversário, uma reunião – também pode funcionar como incentivo. Estar apenas com vizinhos e amigos, fora da rotina doméstica, no ambiente descontraído da camaradagem masculina é uma razão suficientemente forte para que aquele espaço apertado, escuro, pouco cuidado, se torne num espaço familiar, barulhento e confortável.

96Claro que alguns sócios frequentam mais assiduamente que outros esta cave. Aliás, apenas um reduzido número se pode considerar de habitués, no sentido de que ali vão como quem vai ao café, para passar o tempo, descansar, mudar de ambiente. De facto, são sobretudo os que têm em mãos alguma quota parte da sua gestão que ali vão, periodicamente, tratar de papéis, enviar convocatórias, organizar uma jornada de atletismo, um jogo de futebol, uma reunião com a Câmara, falar com fulano ou sicrano.... Os responsáveis por este trabalho mais burocrático são aqueles cujo trabalho de escriturários molda esse tipo de colaboração com o clube. O seu director é talvez a presença mais assídua: a inteirar-se, a controlar, a dar uma ajuda aqui e ali. E um verdadeiro chefe, no sentido em que está próximo de todo o trabalho que ali se faz; talvez por isso não raras vezes é acusado de autoritarismo e objecto de algumas revoltas anti-poder: os seus companheiros aceitam mal as suas atitudes, às quais a exuberância de um temperamento demasiado emocional não ajuda nada – o Armando grita, esbraceja e vocifera com um relativa facilidade.

97Rapazes e raparigas, maioritariamente solteiros, ali escolhem, por períodos mais ou menos longos, o lugar para estar à vontade, jogar às cartas, brincar, ajudar no que for preciso. Mulheres casadas são uma presença mais rara e, não poucas vezes, a sua chegada é conflituosa: a buscar um filho que ali já não devia estar, a fazer uma cena a um marido esquecido dos seus deveres conjugais, a descompor uma vizinha há muito odiada... De certa forma, estes episódios ilustram a vocação securizante, familiar deste «lar associativo», rival do fogo doméstico, gerador de uma relação tensa com o espaço feminino da casa. Não raras vezes, os maridos têm de ouvir da boca de mulheres amarguradas: ...só te falta levar a cama para lá! As únicas mulheres que ali vi numa relação de apaziguamento com aquele espaço, para além de teenagers, foram mulheres relativamente desinseridas da apertadíssima rede parental-vicinal da Bica Grande: mulheres que vivem sós ou habitantes de outra rua. As mulheres pertencentes a qualquer das famílias mais enraizadas no bairro (Cap. 4) sobressaem pela total ausência do lado de dentro das paredes do clube.

98Mas, verdade se diga que as principais actividades do Marítimo, as que são mais esforçadamente produzidas, são as que, ciclicamente se fazem fora das suas portas. São estas que lhe dão um potente sopro vital: algumas modalidades desportivas, os almoços comemorativos da marcha e de aniversário, o teatro e, sobretudo, o arraial e a marcha que levam quase um ano completo a ser preparados. São estes os momentos mais altos do Marítimo.

Ciclo anual festivo

99Almoços de confraternização, espectáculos de teatro, prémios de atletismo, torneios de futebol e, por vezes, bailes, são, com efeito, acontecimentos que servem para marcar datas importantes e celebrar a revivescência do clube. Embora o Carnaval, a Páscoa e o Natal tenham sido assinalados por peças de teatro e, ao longo do ano, se possam organizar campeonatos de futebol ou de sueca, a verdade é que é ao longo do mês de Outubro, mês em que se celebra o aniversário do clube, que todas estas actividades se concentram numa vertigem só comparável à que, em Junho, arrasta todo o clube para o arraial e as marchas.

100O programa do aniversário, com os seus acontecimentos diversificados que vão de uma jornada de atletismo à participação activa numa procissão, de um almoço de confraternização de sócios a uma peça de teatro, revela-se o momento mais interessante do ciclo anual festivo, não só pela criação de um clima emocional propício à criação de sentimentos e emoções identificadas com uma communitas (Turner, 1974), como também pela apropriação e delimitação de uma porção de território definido como bairro, e ainda, pelo ciclo de prestações e contraprestações que envolve esta colectividade – e, por conseguinte, parte do bairro – num amplo circuito de reciprocidades, com várias instituições locais: a igreja, a polícia, a junta de freguesia, os comerciantes locais, outras colectividades, a própria Câmara Municipal.

101No sábado à noite, 5 de Outubro de 1991, estreia-se, no Salão Paroquial da Igreja de S. Paulo, a peça: Passa por mim na Bica – Revista à Portuguesa. Está em cena, nesse momento em Lisboa, no Teatro Nacional D. Maria II, a revista encenada por Filipe II. a Féria, Passa por Mim no Rossio, uma revista moderna, que faz uma síntese dos momentos mais altos da história do teatro de revista e que alcança um extraordinário sucesso de bilheteira. O nome da revista que, durante dois dias irá ser representada em S. Paulo, inspirou-se neste sucesso, e os seus sketches parodiam alguns fenómenos da actualidade, mediados pela televisão, como sejam a volta a Portugal em bicicleta ou o concurso popularíssimo «O preço certo» – que ali se chama «O preço incerto», para além de pequenas sátiras a pedaços de um quotidiano urbano, com os quais os espectadores facilmente se identificam.

102A exibição desta peça durante dois dias seguidos constitui um dos momentos altos da celebração do aniversário do Clube, à qual não falta a presença do Presidente da Junta de Freguesia e de alguns elementos da Câmara. É um momento de encontro e boa-disposição que o Marítimo oferece ao bairro, na gratuidade de uma dádiva de quem celebra, partilhando com o seu povo, uma passagem importante da sua vida. No entanto, não é a primeira actividade do programa: torneios de sueca inter-sócios já haviam começado na véspera, prolongando-se por alguns dias mais.

Foto 30. Nos bastidores do Salão Paroquial (Outubro 1991)

Foto 30. Nos bastidores do Salão Paroquial (Outubro 1991)

103A peça é encenada e interpretada por um grupo de cerca de uma dúzia de elementos que também costumam participar na marcha; os mesmos líderes a encenar, os mesmos marchantes a representar. O grupo chama-se Os Maritús. Florêncio, igualmente organizador da marcha, é quem a apresenta: foi ele o seu principal inspirador, das cenas, dos diálogos, dos cenários. O seu talento de actor provoca o riso da sala. Com mais afluência no dia da estreia do que no dia seguinte, de tarde, a peça é um sucesso. As primeiras cenas decorrem num palco ocupado por réplicas dos dois elevadores da Bica, com uma pequena escadaria ao meio, iluminada, por onde desceram logo de início, todos os actores, apresentando-se, ao som de música. Seguem-se alguns sketches humorísticos, todos eles apresentados pelo Zé Povo, incorporado pelo Florêncio de smoking e laço. À rábula sobre a Volta a Portugal em bicicleta, segue-se um quadro de variedades dos nossos artistas da televisão (Marco Paulo, Nelson Ned, Elton John, Tino Variações...), um episódio numa tal Farmácia Taveirinha em torno da compra de um Tampax, uma cena de pesca no Cais das Colunas (que se inicia com a voz do apresentador: A Bica é um bairro de pescadores...), uma brincadeira ao tempo de antena dos Partidos com a participação de sindicalistas e, finalmente, uma longuíssima brincadeira ao concurso televisivo então na moda, O Preço (in)Certo, que conta com a participação de alguns espectadores, previamente combinada.

104O futebol continua a ser uma das actividades mais acarinhadas pelo clube. Com as suas equipes juvenis, de iniciados ou de seniores, eles participam anualmente nos Jogos da Cidade, organizados pela Câmara Municipal, e aproveitam o mês do aniversário do clube para organizarem alguns torneios. Ao longo do mês, aos sábados à tarde, os jogos sucedem-se, num campo pertencente à Administração-Geral do Porto de Lisboa, em plena zona portuária, do outro lado da linha de caminho-de-ferro, ainda em território da freguesia. Têm relativamente pouca assistência, restrita aos jovens que me habituei a ver participar também nas marchas e a ajudar nos arraiais, um extenso grupo de amigos colaboradores do Marítimo.

Foto 31. Equipe de Futebol do Marítimo (Outubro 1991)

Foto 31. Equipe de Futebol do Marítimo (Outubro 1991)
  • 22 Esquadra que fica defronte do elevador da Bica, na ponto em que a Rua de S. Paulo se transforma em (...)

105As equipas, de cinco elementos cada uma, surgem conforme as disponibilidades e os diálogos que se estabelecem dentro do bairro e com certas instituições. Num dos jogos observados, o primeiro lugar era disputado por quatro equipas: a do Marítimo, do S. Vicente da Beira, da Polícia e da MECTEL, uma empresa de material eléctrico onde trabalha o director responsável pela parte desportiva do clube. O árbitro, polícia da esquadra da Boavista22, mantém relações de amizade com o clube e os jovens do bairro. Entre o calor dos desafios, o álcool ingerido por alguns assistentes e a calma autoritária de outros, dos quatro desafios, um apenas decorreu calmamente. Os jogadores e até os assistentes travaram-se algumas vezes de razões...mas a verdade é que não assisti a celebração nenhuma que não tivesse, ou um momento de pancadaria, emocionalmente vivido por todos, participantes e espectadores, ou a sua ameaça.

106Inesperadamente, foi o Marítimo o vencedor. Sem grande algazarra, calmamente. No final, um dos directores distribuiu as taças, à pressa, pois se tinham atrasado e já duas equipas esperavam que o campo, alugado à hora, ficasse livre. Além disso tinham todos de despachar: já passava das sete horas e às nove saía a Procissão da Igreja das Chagas, e este mesmo grupo, entre jogadores e assistentes, tinham de estar presentes para ultimar e transportar o andor.

Figura 13. Percurso da procissão de Nossa Senhora de Fátima (12-10-1991)

Figura 13. Percurso da procissão de Nossa Senhora de Fátima (12-10-1991)

107A Procissão da Nossa Senhora de Fátima percorreu parte da freguesia de S. Paulo, entre a Igreja das Chagas e a Igreja de S. Paulo, no dia 12 de Outubro de 1991. Um dos jogadores da equipe do Marítimo, nessa tarde tinha-me confessado o seu cansaço: há três noites seguidas que não descansava, a preparar o andor para a procissão, a enfeitá-lo, a electrificá-lo, tal e qual como quando são os arcos da marcha, em troca do Salão Paroquial que o padre lhes emprestou para a peça de teatro... E ainda faltava a noite que se avizinhava, com o transporte do andor...o que valia, era que o percurso iria ser partilhado entre quatro cargas: a primeira estava a cargo dos escuteiros, a segunda e terceira do Marítimo, a quarta da polícia. Oxalá todos cumprissem com a sua parte...o que de facto não aconteceu, já que a polícia não cumpriu a sua parte, e lá foram os rapazes do Marítimo a arcar com o andor...

108Na amenidade duma noite de Outono, a procissão sai do Largo das Chagas, defronte da sua Igreja, e atravessa a Rua das Chagas (Figura 13). Duas motorizadas da polícia abrem o caminho, o padre, de megafone em punho, e dois acompanhantes, com as suas vestes claras abrem o cortejo, logo seguidos do andor, com a imagem da Nossa Senhora rodeada de flores e iluminada. Segue-se a massa processional onde o elemento feminino domina, de vela na mão, entoando cânticos. Entre os primeiros, segue um grupo de escuteiros, alguns directores do Marítimo, o presidente da Junta e a sua mulher, e outras personalidades locais.

109Entram pelo bairro da Bica pela Rua Marechal Saldanha e seguem pela Rua do Almada; a primeira paragem mais prolongada é, no cruzamento entre a linha do elevador e a Travessa do Cabral, mesmo em frente à Carvoaria Minhota, onde a família da Adelaide observa, à porta. Aqui, o padre faz um pequeno sermão, apelando ao cuidado, por parte de todos os pais e educadores, à boa educação cristã das crianças. Mais tarde informam-me que a catequese começará na semana seguinte. E a procissão desce as Escadinhas da Bica Grande, todas iluminadas, com as suas velhas paredes cobertas de colchas e toalhas claras e os seus ocupantes, velhotes na maioria, à janela. O canto faz ressonância nesta rua-quase-túnel e torna-se muito comovente ver esta marcha processional que desce lentamente a longa escadaria.

Foto 32. Vendo a procissão a passar (12-10-1991)

Foto 32. Vendo a procissão a passar (12-10-1991)

110À porta do Marítimo, de janelas abertas e iluminadas, encavalitam-se alguns jovens sócios; caída da janela sobre esta Calçada, duas tiras de pano, vermelha e verde, fazem a bandeira nacional; sobre ela, a Mila, que toma conta do seu bar, sorri para a fotografia. Do outro lado da rua a Joana, algarvia, espera o cortejo com o seu pequeno santuário: algumas pequeninas imagens sobre o parapeito da janela, e uma velas a alumiar. E a procissão segue, pela Rua dos Cordoeiros, onde deitam papelinhos, com mais algumas paragens, para mudar a carga do andor, e para ouvir mais outra prelecção do padre. À excepção da primeira carga, todas as outras foram da responsabilidade dos directores do Marítimo. Por duas vezes alternadas, o mesmo grupo de quatro directores-entre eles o Florêncio e os seus rapazes e o Armando, seu presidente-transportou o pesado andor, nas quatro cargas que perfizeram o percurso.

111Já na Igreja de S. Paulo, foi rezada uma missa, perante os fiéis que a enchiam completamente. Mais uma vez o padre apela a todos os educadores para que enviem os seus filhos à catequese, que baptizar os filhos, como todos fazem, não basta. Findo o culto, tudo se dispersa. Já no Marítimo, nessa noite, assisto à entrada esfuziante do seu presidente: Mais uma vez, a nossa rua era a mais bonita de todas!!

112O Almoço de Confraternização dos Sócios, comemorativo do seu 47° aniversário, que em 1991 teve lugar no dia 26 de Outubro, é, talvez, o momento que se reveste de maior solenidade. Nesse ano ele decorreu na Bicaense, restaurante afamado sito na Rua da Bica Duarte Belo. Trata-se de uma reunião fechada, exclusivamente para os seus sócios e familiares, de uma contraprestação, não ao bairro no seu geral, porque não é um almoço aberto, mas sim a todos os que mais dedicadamente têm apoiado o clube. Entre estes contam-se os convites políticos, que são objecto de um tratamento de eleição no sentido de fortalecer a ligação ao poder político e monetário do qual dependem, e alguns sócios e vizinhos que mais cotados ficaram na hierarquia do prestígio que se foi definindo ao longo do último ano. Esses são objecto de um convite personalizado e, apesar do almoço ser pago por cada um, a honra de poder participar de um almoço de cerimónia é suficientemente gratificante para que o dinheiro dispendido fique reduzido a um mal menor. Para além destes comensais, qualquer sócio tem o direito de participar neste repasto, mediante uma inscrição num papel afixado nos dias que o antecedem, no placard da sede da colectividade.

113A ordem dos lugares da mesa, disposta em U, é estritamente planificada. O representante da vereação do Desporto da C.M.L., o presidente do clube e o presidente da Junta de Freguesia de S. Paulo sentam-se nos três lugares centrais, acompanhados por dois elementos da Junta – um dos quais acumula com um cargo directivo do Clube e o seu vice-presidente; ainda no topo, mas já nas mesas laterais, ficam os representantes da Federação das Colectividades, da vereação do Turismo, do clube vizinho Vai-Tu, e alguns homens importantes do clube, como é o caso do tesoureiro e seus familiares, um secretário da direcção, o ensaiador...e um arquitecto convidado. As mulheres dos directores e seus familiares ocupam uma das mesas laterais e o resto dos sócios e vizinhos, por ordem decrescente de importância, ocupam os restantes lugares. Houve o cuidado prévio em marcar os lugares de honra, com um cartão; os restantes, acabaram por se sentar um pouco ao acaso, segundo as suas afinidades, não sem que se tenha levantado um rumor de protesto: E porque é que alguns são convidados aqui e outros não são? Não estamos todos aqui para o mesmo? ou, Pois, nós somos a ralé... o que contribuiu, logo desde o princípio para se gerar um clima de tensão, a custo controlado pelos dirigentes de uma forma discreta.

114No lado oposto ao da mesa, sobre um balcão paralelo ao fundo da sala, encontram-se algumas taças e uma medalha, que no final, irão ser distribuídas pelos campeões de algumas das provas desportivas.

115A ementa é o «famoso» bacalhau com natas habitualmente servido por este restaurante, que vai chegando em tachinhos individuais de barro e que demora cerca de duas horas a deixar todos satisfeitos. As conversas são das mais diversas: vão do vinho a martelo que o pai de um deles, que tinha uma taberna, fazia com um nitrato que vinha da Alemanha e que não durava mais de 48 horas e era vendido como sendo do Cartaxo, até à má-língua sobre alguns ausentes desta celebração... No final, após serem servidas as bicas, aparece, transportado por três sócios, um gigantesco bolo com o emblema do clube. Foi um sócio, que mora em frente e é pasteleiro, que o fez. O presidente levanta-se e toma a palavra. Pede que todos cantem os parabéns ao Marítimo, e o coro eleva-se: Parabéns a você....para o menino Marítimo, uma salva de palmas!

Foto 33. Bolo comemorativo do 47.° aniversário do Marítimo (Outubro 1991)

Foto 33. Bolo comemorativo do 47.° aniversário do Marítimo (Outubro 1991)

116O bolo é cortado e servido, no meio de grande algazarra. Quando tudo acalma, o presidente toma a palavra iniciando o período dos discursos: Como sabem houve dois torneios de futebol de salão, o Marítimo Lisboa Clube conseguiu o primeiro lugar em seniores e o segundo lugar em iniciados. Está presente a Polícia de Segurança Pública e eu pedia ao capitão da equipa de seniores... Raúl Santos, que entregasse a taça ao representante do desporto... As diferentes taças são entregues, e cada entrega termina com aplausos. Um agradecimento especial ao subchefe F., da P.S.P., que tem aceitado arbitrar os desafios gratuitamente, acompanhados de uma pequena lembrança do Clube.

117O Presidente agradece a todos os presentes, sócios e representantes de entidades oficiais. Insiste na importância da marcha e do arraial, como motor da colectividade, e refere os prémios alcançados no último ano.

Em relação às obras tenho a informar que já tenho o projecto que foi aprovado pela Câmara Municipal de Lisboa, já temos os orçamentos e vou fazer a entrega simbólica, ao sr. C., que é o representante do pelouro do Desporto da Câmara, para entregar ao senhor vereador o orçamento, e uma fotocópia da planta com todas as alterações que pretendemos fazer esperando que, daqui a um ano, este almoço que se está a realizar aqui, se possa realizar na nossa sala, em nossa casa, onde nós possamos estar completamente à vontade (palmas). A Direcção não tem mais nada a dizer, agradece a presença de todos, pedindo a colaboração de todos vós para as próximas marchas, próximos arraiais...e claro, para obras. Um muito obrigado.

118Após as palmas que se seguem, o interpelado discursa e insiste no apoio aos clubes da cidade de Lisboa que a Câmara tem como critério dar, em torno, fundamentalmente, de obras e equipamento. Lembra que faz hoje um ano que ele esteve aqui presente, e que lhe foi apresentado o problema da ampliação da sede, que este ano já têm um projecto e que espera que daqui a um ano a obra possa estar pronta, ou pelo menos em estado avançado. E termina com um desejo que este aniversário se prolongue por muitos anos e muitas felicidades para o Marítimo e para todo o povo do bairro da Bica.

119Discursam ainda o representante da Federação, o presidente da Junta de Freguesia. A fechar a sessão dos discursos – the last but not the least – é a vez do presidente da Assembleia Geral do Marítimo, e elemento da Junta de Freguesia, o Dr. José Machado:

  • 23 A comparação entre o bairro e uma aldeia, curiosamente, nunca surgiu noutros contextos. Neste caso, (...)

Penso que estamos todos num restaurante que tem um nome que nos toca muito a nós. Chama-se a Bicaense. Eu, como muitos dos presentes, somos filhos da Bica, de um bairro que já alguém chamou «o bairro-deslumbre», ou «uma aldeia em Lisboa23», e tantos outros que têm da Bica uma ideia positiva e que na realidade é verdadeira. Cada bairro popular tem a sua tradição, tem a sua maneira de ser e de viver. Não quer dizer que a Bica seja melhor que a Madragoa, o Bairro Alto, a Mouraria, Alfama...nada disso. Só que a Bica é a Bica: nós temos uma maneira diferente de encarar as coisas. E não é por acaso que o Marítimo Lisboa Clube é a colectividade desta ampla freguesia que mantém e preserva as tradições culturais deste povo bicaense. Quantos de nós não têm pais, mães, tias, avós, primas, que não foram na marcha da Bica, que não participaram nos arraiais da Bica, que não participaram na Dança da Luta? São coisas que estão metidas dentro de nós. E que apesar de estarmos 20 anos afastados das marchas e dos arraiais, com o Marítimo a funcionar só com jogos, a chama bairrista lisboeta manteve-se acesa.

E porquê? Porque esta maneira de ser da Bica, de defendermos as nossas cores, que é o nosso bairro, foi-nos imposto por todos os nossos ascendentes... Todos nós temos antecedentes da marcha, de pôr a Bica a rainha das Marchas, a rainha dos arraiais, e parecendo que não, ao longo dos anos não estagnámos. Foi em 1989 que foi o arranque. E, meus amigos, custou!...Marcha: 9o lugar, arraial, 1o lugar. 90: 4o lugar na marcha, 1o prémio no arraial. 91: 8o lugar na marcha (injustamente, diga-se de passagem), 1o lugar no trono de Santo António, 1o lugar na Rua mais bonita. 92...temos de ganhar tudo!

120E termina apelando para que os sócios, os dirigentes do clube façam do Marítimo um clube de corpo inteiro. Viva o Marítimo! Viva Portugal!

121O presidente do clube convida todos a visitarem a sede para fazer uma saúde e assim termina esta celebração.

Foto 34. Prémio de Atletismo Bica-S. Paulo – Partida do Largo de S. Paulo (Junho de 1992)

Foto 34. Prémio de Atletismo Bica-S. Paulo – Partida do Largo de S. Paulo (Junho de 1992)

122No dia seguinte, domingo pela manhã, tem lugar o 2o Grande Prémio de Atletismo do Marítimo Lisboa Clube. A partir das nove horas os atletas, que previamente se inscreveram na sede do clube, concentram-se junto ao elevador da Bica. A organização conta com a colaboração a Junta de Freguesia e o seu principal animador é, sempre, o Zé. Os concorrentes são organizados por escalões etários: Benjamins, Infantis, Iniciados, Juvenis, Juniores, Seniores e Veteranos, em dois grandes grupos por sexo. O percurso da corrida é distribuído em fotocópia e, aquilo que no mapa fora simples de delimitar, acaba por se revelar, sobretudo para os mais novos, difícil de completar: a rota, já de si longa, torna-se extremamente penosa de completar, atendendo ao acidentado do terreno, com subidas demasiado íngremes para serem percorridas a correr... (Figura 14)

123Outros prémios de atletismo são, ao longo do ano organizados pela Junta de Freguesia, em parceria com o Marítimo e o Zip-Zip. Têm sempre uma grande afluência de atletas, dos mais diversos pontos da cidade e arredores, e estes episódios são sempre publicitados no Boletim Informativo da Junta de Freguesia. Simbolicamente, no entanto, não são equivalentes, delimitando territorialidades diferentes. Por exemplo, o percurso do prémio de atletismo Bica-S. Paulo, em Junho de 1992, é diferente deste, organizado pelo Marítimo. Enquanto este circunda o bairro da Bica, o da Bica-S. Paulo percorre a parte mais plana da freguesia (Figura 15 e Fot. 34).

Figura 14. Percurso do prémio de atletismo Marítimo Lisboa Clube (Outubro de 1991)

Figura 14. Percurso do prémio de atletismo Marítimo Lisboa Clube (Outubro de 1991)

Figura 15. Percurso do prémio de atletismo Bica-S. Paulo (Junho de 1992)

Figura 15. Percurso do prémio de atletismo Bica-S. Paulo (Junho de 1992)

124Por muito importantes que sejam as comemorações do aniversário do clube, são, com efeito, as festas dos santos populares que mais mobilização conseguem. É o momento em que, apesar de todas as intrigas e quezílias intestinas que opõem o cimo das Escadinhas à sua base, a vizinha à vizinha, o director ao mais rebelde associado, a Bica se vê reflectida no seu Clube e, contribui para a transfiguração do bairro.

125Quando inquiridas pessoas de fora da associação – e mesmo alguns associados –, havia uma queixa que se repetia com uma certa frequência: ali no Marítimo, aquilo é tudo um clã, e eles tomam conta de tudo, pensam que é tudo deles. E referiam-se a um conjunto de rapazes aparentados, que estavam na direcção, que dirigiam os destinos da colectividade, ajudados por uns quantos amigos e familiares. Esta queixa surgia sempre quando algo não corria bem – e todos se demarcavam do dito clã, dizendo cobras e lagartos, falando mal, evitando-os. Mas quando a Bica conseguia atingir um lugar de destaque, devido ao esforço dessa mesma família, no seu embelezamento para o arraial ou na organização da sua marcha, conseguindo ganhar o 1o prémio nos múltiplos concursos que moviam meia cidade, e se tornava o bairro mais procurado, mais falado e mais invejado de toda a Lisboa popular, todos, sem excepção, assumiam como seu o mérito da vitória, com um imenso e genuíno orgulho de pertencer à Bica, acarinhavam emocionadamente os membros que mais tinham trabalhado para o êxito e, em uníssono, afirmavam: isto aqui é tudo uma família. E qualquer um lançava para o ar esse grito avarinado, estridente, com o imenso prazer de pertencer, de alma, corpo e coração, ao bairro mais lindo do mundo: A Bica é liiiiiiiiiiiiiiinda!

Notes

1 Central Business District.

2 O convento de S.João Nepomuceno, para os Carmelitas descalços alemães, foi construído no século XVIII...No início do século xix, porém, foi este convento ocupado por outra congregação religiosa francesa e mais tarde pelos frades mínimos de S. Francisco de Paula. Extintas as ordens religiosas, passou o edifício a ser pertença do Estado e utilizado para o 12a Batalhão da Guarda Nacional, antes de ser o Liceu Nacional de Lisboa. Em 1861, foi o imóvel cedido para as instalações do Asilo de Santa Catarina que o ocupa ainda hoje (Cordeiro e Garcia, 1993: 35).

3 Jogo da malha.

4 Bairro Alto.

5 Ver notícia 13-6-1932-DN.

6 Que fica no miradouro de St. Catarina.

7 Um estudo mais aprofundado sobre esta casa de fado, foi elaborada para o catálogo da Exposição Fado, sob a responsabilidade de Joaquim Pais de Brito. Veja-se Graça índias Cordeiro, 1994.

8 Nos meus primeiros tempos de «Bica», eu perguntava qual o número da porta, qual o andar, para poder tocar à campainha: muitas vezes não me sabiam responder sobre a morada exacta de tal ou tal vizinho – é aquela porta verde, ou de alumínio, logo as primeiras janelas que têm uns vasos, ou a varanda do estendal... O contacto com rua dos pisos não térreos é habitualmente feito através da janela e não pela porta do prédio.

9 Referência a Zé Machado, morador no extremo sul da Rua do Almada.

10 Em 1991. Mais tarde, em 1993 esta colectividade recomeçou as suas sessões de fado, nas tardes de domingo.

11 Os ficheiros desta colectividade não foram consultados. Não tanto por não existirem – sempre me disseram que sim – mas por sinais de algum embaraço em relação a essa minha curiosidade, o que me levou a respeitar uma relativa resistência em mostrá-los. De facto, eu surgi no bairro muito associada a essoutra colectividade – o Marítimo – com quem as relações eram, naquele período, tensas e difíceis.

12 As primeiras cartas-resposta da Federação, referem a morada da sede como sendo no no 37, cave. O engano parece surgir do preenchimento do Boletim de Admissão à Federação, assinado por Jorge G., de 20 anos, morador no Beco dos Aciprestes, 14, 4o. De facto, primeiro ele escreveu a sua própria morada como local da sede; informação que foi riscada, e acrescentada Calçada da Bica Grande, 37, c/v. Deverá ter sido engano de Jorge G„ pois o no 37 desta rua não tem cave e. muito naturalmente, num bairro destes, as pessoas não se orientam pelos números das portas – e algumas ainda hoje desconhecem o número de polícia de portas de casas que conhecem desde que nasceram.

13 Veja-se o caso do Vai-Tu, atrás referido.

14 Onde fica hoje o restaurante do Domingues.

15 Anterior ao que foi fundado em 1944.

16 Jorge G., sócio fundador do Marítimo.

17 Não é só marítimo quem anda ao mar; quem anda numa canoa a arrastar o camarão (...) os compradores, os apanhadores, era tudo gente do mar (...)e não havia bairro onde tivesse mais marítimos do que aqui, na Bica (Alberto, 1991).

18 O futebol foi introduzido em Portugal em finais do século passado, importado de Inglaterra por alguns jovens que ali foram estudar. Uma tal família Pinto Basto, considerada bem, parece ter sido particularmente dinâmica na sua introdução. Instalada na zona do Cais-do-Sodré com uma importante empresa de navegação, foi uma fratria de irmãos que, ao regressarem de Inglaterra, trouxeram a bola de Foot-Ball e o conhecimento do jogo. Sabemos que por toda a área vizinha da Bica havia companhias luso-inglesas, sabemos que o primeiro desafio de futebol teve lugar em Cascais e, mais tarde, em Carcavelos, formando-se duas equipas: uma portuguesa e outra inglesa que no Campo Pequeno, anterior à inauguração da actual praça de touros, fizeram o seu primeiro jogo. É natural que esta importação não se tenha centralizado nas mãos de uma única família – como conta a história, por vezes mitificada – mas que tenha decorrido das estreitas ligações que entre Portugal e Inglaterra existiam (Parreirão, 1989, vol II).

19 Ou haviam morado durante a sua infância e juventude, continuando muito ligados à casa-materna.

20 Sobre o conceito de intervinculação, como modo de classificar a maior ou menor densidade da malha da rede familiar, ver Elizabeth Bott, 1957.

21 Mutatis mutandis a imagem de «espessura temporal» utilizada por alguns historiadores...

22 Esquadra que fica defronte do elevador da Bica, na ponto em que a Rua de S. Paulo se transforma em Rua da Boavista.

23 A comparação entre o bairro e uma aldeia, curiosamente, nunca surgiu noutros contextos. Neste caso, ela era invocada a exemplo de apreciações que estranhos teriam feito sobre o bairro (ver Faure, 1993: 494 e segs).

Table des illustrations

Titre Foto 21. Rua dos Cordoeiros (Maio 1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre Foto 22. Rua da Bica Duarte Belo
Crédits Arquivo Fotográfico, CML
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 268k
Titre Foto 23. Travessa de Portuguesa (1992)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 256k
Titre Foto 24. Carvoaria Minhota, vista do topo da Calçada da Bica Grande (1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 236k
Titre Foto 25. Calçada de Bica Grande, vista do topo (1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 244k
Titre Foto 26. Observando as Escadinhas da Bancada Azul (1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Titre Foto 27. Entrada do Grupo Excursionista Vai-Tu (1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Tabela 8. Caracterização geral dos sócios do Vai-Tu (1991)
Crédits Fonte: Ficheiro de Associados do G.E.V.T.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 176k
Titre Foto 28. Entrada do Grupo Desportivo Zip-Zip (1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Titre Foto 29. Entrada do Marítimo Lisboa Clube (1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Figura 11. Logótipo do Marítimo Lisboa Clube
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Gráfico 24. Moradas dos sócios do Marítimo e do Vai-Tu (1991)
Crédits Fonte: Ficheiro de associados do M.L.C. e do G.E.V.T.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Figura 12. Alçado e planta do edifício onde fica a sede do Marítimo
Crédits Fonte: Processos-Obra – CML
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Foto 30. Nos bastidores do Salão Paroquial (Outubro 1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre Foto 31. Equipe de Futebol do Marítimo (Outubro 1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 172k
Titre Figura 13. Percurso da procissão de Nossa Senhora de Fátima (12-10-1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Foto 32. Vendo a procissão a passar (12-10-1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 136k
Titre Foto 33. Bolo comemorativo do 47.° aniversário do Marítimo (Outubro 1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre Foto 34. Prémio de Atletismo Bica-S. Paulo – Partida do Largo de S. Paulo (Junho de 1992)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 172k
Titre Figura 14. Percurso do prémio de atletismo Marítimo Lisboa Clube (Outubro de 1991)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 244k
Titre Figura 15. Percurso do prémio de atletismo Bica-S. Paulo (Junho de 1992)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2306/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 239k

© Etnográfica Press, 1997

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search