Version classiqueVersion mobile

Um lugar na cidade

 | 
Graça Índias Cordeiro

4. Memórias do bairro

Texte intégral

Algarvios, varinas e galegos

Interrogando uma fonte privilegiada

  • 1 Em Portugal, a obrigatoriedade do registo dos momentos mais importantes do ciclo de vida centraliza (...)

1É ponto assente que os assentos de baptismo, óbitos e casamentos se constituem como fontes privilegiadas, não só da história e da demografia, mas também da antropologia, que tem incorporado uma perspectiva histórica na construção do seu conhecimento etnográfico ao tentar identificar alguns factores de mudança e de continuidade que organizam a vida social e definem a sua dimensão cultural ao longo do tempo1.

2No caso do presente estudo, as dificuldades de acesso à informação fundamental para uma caracterização da população escolhida, sobretudo no respeitante às actividades profissionais dos seus habitantes, levou a que, desde o princípio do trabalho de campo, se recorresse a este tipo de fontes, como forma de conhecer, embora superficialmente, parte de um contexto vivencial específico com alguma profundidade temporal.

  • 2 Atendendo a que, a partir de 1911, o registo civil passou a ser obrigatório, entre 1886 e esta data (...)

3Os arquivos paroquiais foram, assim, explorados, no sentido de encontrar um corpo de informação sistemática capaz de produzir dados sobre uma fatia relativamente longa de tempo – cerca de um século – num espaço previamente delimitado como o coração da Bica. Embora seja prática comum a análise de registos de óbito e casamento como fontes privilegiadas para o estudo de comportamentos demográficos de populações passadas-natalidade, mortalidade, migrações, etc. (Rodrigues, 1994: 47) a presente recolha recaiu apenas sobre os assentos dos nascimentos referentes a algumas ruas do bairro, previamente seleccionadas, registados pelo pároco, até 1910, e pelo funcionário civil a partir de 19112. As razões desta opção metodológica são de duas ordens – científica e pragmática – e merecem ser melhor explicitadas.

4A recolha dos três tipos de assento – de nascimento, de casamento e de óbito –, que permitiriam um cruzamento de informação com o objectivo de entrever a dinâmica populacional de um aglomerado de reduzidas dimensões, revelou-se, neste caso, impossível. O quadro urbano em questão contrastava claramente com os contextos rurais portugueses em que tal metodologia tem sido levada a cabo, como forma de captar certos comportamentos culturais (O’Neill, 1984; Brettel, 1991). A elevada densidade populacional desta freguesia urbana, a mobilidade dos seus habitantes, a arbitrariedade das fronteiras administrativas, dificultando a selecção de uma colecção de registos coerentemente agrupados configuravam, por si só, uma realidade social e cultural com um elevado grau de complexidade e mutabilidade o qual necessitaria de uma análise assaz prudente. Deste modo, no contexto de uma grande cidade que, como todas as grandes cidades, cresceu devido a fenómenos de acentuada mobilidade populacional, a instabilidade decorrente de partidas e chegadas, mesmo que apenas limitadas a determinadas épocas, configurava um universo social flutuante, difícil de acompanhar através da fonte em causa.

5De um ponto de vista mais pragmático, a elevada densidade populacional desta pequena área havia produzido uma grande profusão de registos, cuja recolha e análise se revelou impraticável, de uma forma mais completa, no quadro da actual pesquisa. De facto, e após a análise da totalidade de registos de nascimento entre 1886 e 1974, nas ruas seleccionadas, confirmava-se a ideia de que a prática da coabitação entre várias famílias, em prédios que chegavam a ter cinco pisos e casas com seis assoalhadas, era bastante generalizada, o que criava um quantitativo de habitantes dificilmente abarcável numa pesquisa de estritos timings e recursos financeiros.

6De certa forma, a limitação do terreno em causa, delimitou, por sua vez, não só o objectivo da recolha a efectuar, como o próprio âmbito desta recolha. A decisão foi a de escolher um tipo de registos que contivesse a informação mais adequada ao esclarecimento de duas questões em aberto, relacionadas com a mobilidade desta população urbana e com as causas da sua fixação na cidade. As perguntas foram formuladas do seguinte modo: de onde vieram os antepassados destes bicaenses que, afirmando ter ali as suas raízes para lá dos avós, criavam uma distinção entre os paraquedistas e os da Bica – e qual a antiguidade de tais raízes? Qual a sua inserção no mercado de trabalho local, sabendo-se ser esta uma das principais vertentes da integração sociocultural em meios urbanos, a par da sua fixação residencial, com um papel central na socialização, facilitadoras da inserção em múltiplas redes sociais locais? Num bairro que ainda hoje se dá a conhecer pelo lado da sua coesão social, e por um ar de comunidade protegida, a perspectiva histórica foi no sentido de procurar elementos que esclarecessem a produção desta relativa homogeneidade social e imagem de «aldeia na cidade», no sentido de encontrar eventuais fenómenos de migração em cadeia, em torno de um conjunto de actividades sócioprofissionais comuns ou, pelo contrário, elementos que não confirmando esta hipótese, ajudassem a perceber a Bica de hoje, na sua história mais recente.

  • 3 A informação contida nos assentos de casamento teria sido bastante mais reduzida da existente nos r (...)

7Nos registos de baptismo e nascimento encontravam-se não só os elementos referentes aos pais da criança registada – naturalidade, profissões e estado civil – como também aos avós – naturalidade – e aos padrinhos – residência e profissão –, o que parecia cobrir uma pequena rede de relacionamento bastante diversificada, desde a consanguinidade à aliança. Além disso permitia acompanhar a evolução do grupo doméstico, através de nascimentos sucessivos, com algumas indicações interessantes: mudanças de residência dentro de uma pequena área, mobilidade profissional, padrões de apadrinhamento, ilegitimidades diferenciadas. Nalguns casos foi, até, possível, construir algumas redes genealógicas ilustrativas de uma acentuada estabilidade residencial, como adiante se verá3.

8O objectivo desta recolha foi, por conseguinte, duplo. Por um lado, reunir informação estatisticamente relevante para uma primeira caracterização do fundo populacional deste conjunto de ruas, consideradas o centro da Bica (Cap. 3); por outro lado, e confirmando-se a ideia de uma certa estabilidade residencial de algumas famílias, ao longó. de gçrações, a esperança de conseguir traçar algumas linhas de parentesco no seio destes grupos familiares que me permitissem esclarecer a racionalidade oculta que se parecia esconder por detrás de um conjunto de unidades familiares domésticas, aparentemente isoladas.

9Ao longo de alguns meses estes registos foram recolhidos em duas Conservatórias do Registo Civil de Lisboa: na 6a Conservatória, durante quatro meses e na 3a Conservatória, durante dois meses.

10A primeira fase da recolha, que decorreu entre Janeiro e Abril de 1991, nesse lindo edifício de fachada setecentista, situado no topo da Rua da Bica Duarte Belo – o Palácio Vaiada Azambuja, ocupado pela 6a Conservatória do Registo Civil –, foi um período de reconhecimento das vizinhanças da Bica e pude-me aperceber, ao experimentar uma parcela do dia-a-dia dos funcionários de um dos muitos empregos existentes nesta zona central da cidade, de como é real a distância social existente entre mundos geograficamente próximos numa cidade. Tendo-me adaptado ao horário de funcionamento da dita repartição, adoptei os hábitos dos seus empregados: chegava de manhã de transportes públicos, comia nos mesmos restaurantes, frequentava as mesmas pastelarias, ouvia as suas conversas, inteirava-me das suas vidas fora daquele espaço. E não me cansava de surpreender pelo estatuto de não existência que o bairro da Bica, ali a dois passos, tinha para estes indivíduos: toda a sua vida girava, geograficamente, à volta deste bairro, sem nunca dele se aproximarem. Para algumas destas pessoas, há anos familiarizadas com esta zona da cidade, o lado relativamente mais anónimo das artérias de circulação circundantes do bairro, com os seus pequenos comércios e restaurantes, desde o Calhariz ao Bairro Alto, ou o lado mais cosmopolita do Chiado e da Rua Garret eram, sem dúvida, mais atraentes do que a privacidade que se adivinhava nesse território mais residencial, quase aldeão, semi-privado, da encosta que leva à Bica, dissuasor de interferências alheias. Embora aí existissem alguns restaurantes e pequenos tascos, relativamente mais baratos, o seu desconhecimento – ou talvez outras razões – não chamava a frequência destes habitantes de uma mesma área.

  • 4 Os registos paroquiais anteriores a esta data encontram-se na Torre do Tombo. Segundo Vieira da Sil (...)
  • 5 O Gráfico 2, apresentado no capítulo 3, mostra que na década de 1880 a freguesia quase duplicou na (...)

11A recolha incidiu sobre os assentos a partir de 1886, data em que se iniciavam os Livros de Baptismo disponíveis4 até 1970, ano em que os registos desapareceram quase por completo. O início da pesquisa abrangeu, ainda, o período em que a freguesia de S. Paulo viveu um súbito aumento populacional devido ao afluir de vagas migratórias, tal como muitas outras freguesias da cidade5.

Gráfico 19. Distribuição anual dos registos de baptismo e de nascimento consultados (1886-1974)

Gráfico 19. Distribuição anual dos registos de baptismo e de nascimento consultados (1886-1974)

Fonte: Registos de Baptismo e Nascimento (Freguesia de S. Paulo)

  • 6 Por lei, o recém-nascido era obrigado a ser registado na Conservatória da freguesia do local do nas (...)
  • 7 Segundo o artigo 128°, do Dec.-Lei 47678 de 15/5/1967, deixa de ser obrigatório indicar a profissão (...)

12Ao analisar a distribuição anual dos registos de baptismo e nascimento disponíveis (Gráfico 19) vemos que, ao longo da última década do século xix e duas primeiras do actual, a média anual dos registos ronda os 50-60, chegando mesmo a atingir os 70 no início da década de 10 – o que poderá significar a obrigatoriedade do registo civil – e que, a partir desse momento, eles vão decaindo progressivamente, não chegando, nos últimos anos, a ultrapassar a dezena de registos por ano. Se é certo que a partir sensivelmente dos anos 30 a população da freguesia começou a decrescer (Cap. 3), é igualmente certo que o costume, cada vez mais generalizado, de os partos ocorrerem em maternidades levou a esta queda vertiginosa do número de registados na Conservatória em causa6. De um modo geral, a informação colectável a partir dos anos 40 é bastante insuficiente, não só pela escassez de registos, como também pelas lacunas de parte da informação: a profissão dos pais, a partir dos anos 607 e, mais tarde, o desaparecimento das próprias testemunhas.

13A unidade de residência foi tomada como referência para a recolha, seleccionando assim, de entre todos os registos da freguesia de S. Paulo, apenas as moradas incluídas na subárea previamente identificada como o núcleo duro da Bica que sempre pertenceram a uma mesma freguesia. Por conseguinte, foram passados a pente fino todos os registos referentes aos nascimentos ocorridos nas casas dos seguintes arruamentos: Calçada da Bica Grande, Beco dos Aciprestes, Travessa da Bica Grande, Largo de Santo Antoninho e apenas um dos lados das seguintes ruas, por se encontrar o outro lado destas ruas fora da jurisdição da freguesia de S. Paulo: dos Cordoeiros, Calçada da Bica Pequena e Travessa do Cabral (Fig. 8).

Figura 8. Ruas abrangidas pela recolha dos registos paroquiais e civis de nascimento (1886-1970)

Figura 8. Ruas abrangidas pela recolha dos registos paroquiais e civis de nascimento (1886-1970)
  • 8 Da informação contida nos registos de baptismo, destacaram-se os seguintes elementos: data e local (...)

14Toda a informação disponível foi copiada para uma ficha, cujo modelo foi previamente elaborado de acordo com a ordem interna do registo, independentemente das questões centrais que orientavam a pesquisa no momento da recolha8 (Figura IV em Anexo).

  • 9 Desde 1886 – ano em que se iniciou a recolha dos registos – que aparece um elevado número de casais (...)

15Três vertentes foram objecto de uma análise mais intensiva: os lugares de origem dos seus habitantes, o seu mapa socioprofissional e a imbrincada teia de relações familiares e parentais, visível até para um observador menos atento. Com efeito, um importante fenómeno de migração em cadeia, até à primeira década deste século, oriundo da vila de Olhão, então com uma única freguesia9; uma base socioprofissional comum, reveladora de uma relativa coesão social e homogeneidade cultural; e a existência de numerosas alianças no quadro de uma estabilidade residencial de algumas gerações foram apenas alguns dos elementos encontrados que terão contribuído, sem dúvida, para a emergência de um verdadeiro enclave social.

  • 10 O caso da Madragoa, rival e vizinha da Bica, com uma história bastante visível de ocupação de popul (...)

16Outros aspectos foram tomados em linha de conta. Contudo, as limitações de tempo e de recursos não permitiram uma exploração mais aprofundada. A sobreposição de relações de parentesco com as de vizinhança, fortalecidas por laços de parentesco espiritual estabelecidos entre vizinhos; o número de famílias conjugais a viverem sob um mesmo tecto – com uma mesma morada – a sugerir formas de sobrelocação na maioria das habitações deste bairro; um elevado índice de analfabetização, na frequente ausência de assinatura dos pais e padrinhos; a multiplicidade de casos de ilegitimidade, com significados bastante diferenciados; a elevada mobilidade residencial dentro do bairro; as frequentes ausências dos pais no momento do nascimento das crianças, por se encontrarem em viagens marítimas de longo curso, com a indicação do nome do navio ou do lugar em que estavam aportados.... Enfim, uma mais completa e aprofundada análise destes registos – não só de nascimento, mas de todos os restantes – quase permitiria, por si só, retratar épocas passadas, com base nos muitos elementos de caracterização demográfica e sociocultural que aqui surgem numa grande riqueza. No entanto, tal não foi possível, e aqui fica apenas registado um pequeno exercício de exploração destas fontes, preliminar a um projecto futuro mais alargado onde a dimensão comparativa possa ter o seu lugar10.

De onde vieram os bicaenses?

  • 11 Recolhida a partir de registos de casamento e de óbito.
  • 12 Além da correlação existente entre o nível socioeconómico da população de uma freguesia e a quantid (...)

17A Lisboa de final do século xix era, sem dúvida, uma Lisboa cheia de habitantes recém-chegados das províncias à procura de oportunidades de fixação ou de embarcar para as Américas. Teresa Rodrigues compara a naturalidade11 da população de duas freguesias – S. Miguel de Alfama e Conceição – contrastantes no seu perfil socioeconómico, factor tido como o mais influente a nível migratório (1994: 54), entre 1840 e 1859, anterior, portanto, ao início da época abrangida na minha própria recolha. E conclui: É menor a imigração na zona mais abastada. Na Conceição, pertencem à cidade cerca de metade dos contraentes, mas na freguesia popular de S. Miguel a percentagem desce a 35% (ob. cit.: 55). Sobre as áreas de recrutamento de imigrantes, as duas freguesias também divergem: enquanto, na Conceição, surge um elevado número de alentejanos e de algarvios, em Alfama há indivíduos de todo o país, segundo a análise dos dados feita pela autora que conclui: As diferenças evidenciam uma repartição no espaço urbano segundo as origens dos migrantes, fenómeno, aliás – poder-se-ia acrescentar – muito pouco estudado12.

18Tomando como fonte os Recenseamentos Gerais da População, a freguesia de S. Paulo contou, em tempos, com um elevado número de transeuntes e não naturais (Graf. 6, p. 100). Contudo, estes Recenseamentos não discriminam as naturalidades dos residentes de cada freguesia, aspecto que interessaria conhecer, como elemento de comparação com os dados agora recolhidos sobre os residentes das ruas da Bica em análise.

Tabela 6. Naturalidades dos pais e mães dos registados: distribuição com ordenação descendente das proporções de cada distrito por período.

Tabela 6. Naturalidades dos pais e mães dos registados: distribuição com ordenação descendente das proporções de cada distrito por período.

Fonte: Registos de Baptismo e Nascimento (1886-1960)

  • 13 Foram estabelecidos quatro períodos para o tratamento e apresentação dos dados: 1886-1910; 19111926 (...)
  • 14 Em inícios do século residiam em Portugal cerca de 22 milhares de galegos, dos quais 12 mil residia (...)

19Num primeiro período (1886-1910)13, cerca de 29% do pais das crianças registadas eram naturais de Lisboa, contra cerca de 57% no último período, entre 1946 e 1960, o que não constitui qualquer motivo de surpresa (Tabela 6). Embora esta diversidade fosse de indivíduos, casais ou famílias, provenientes de muitos lugares do país, e alguns do estrangeiro – com um especial relevo para os galegos14 –, a verdade é que algumas regiões surgem com uma maior relevância. É o caso do Algarve, representado por pais de filhos aqui registados, constituindo estes indivíduos 20% do universo da totalidade de pais de filhos registados ao longo deste primeiro período considerado, o que nos leva a supor a existência de uma numerosa colónia de algarvios a habitar, mesmo que provisoriamente, estas poucas ruas da Bica (Gráfico 20).

Gráfico 20. Naturalidades, por período, de pais e mães dos registados, realçando o contributo dos dois principais distritos (Lisboa e Faro).

Gráfico 20. Naturalidades, por período, de pais e mães dos registados, realçando o contributo dos dois principais distritos (Lisboa e Faro).

Fonte: Registos de Baptismo e de Nascimento (1886-1960)

20Após uma análise mais detalhada dos pais naturais do distrito de Faro, que abrange todo o Algarve, surge, nitidamente em destaque, o concelho de Olhão (Gráfico 21) e particularmente uma freguesia – Nossa Senhora do Rosário – que então correspondia ao seu núcleo urbano, particularmente nos primeiros períodos. Os pais naturais desta freguesia constituem cerca de 54% dos pais algarvios. Este dado constitui, talvez, um dos mais relevantes surgido da análise das naturalidades dos pais das crianças registadas na Bica.

Gráfico 21. Proporção, por período e em cada concelho, de pais dos registados naturais do Algarve

Gráfico 21. Proporção, por período e em cada concelho, de pais dos registados naturais do Algarve

Fonte: Registos de Baptismo e de Nascimento (1886-1960)

  • 15 Pinho Leal escreve sobre Olhão, no seu Portugal antigo e moderno, publicado em 1874: Principiou est (...)

21Olhão15, como todo o Algarve Oriental, sempre se caracterizou pelo seu carácter repulsivo, sobretudo em torno do êxodo masculino de marítimos (Cavaco, 1976, 2° vol.: 391).

A existência de correntes significativas para Faro e Lisboa abrangiam gente de todas as classes sociais, fossem elas rurais, marítimas ou urbanas (...) À margem direita do «gargalo» do Tejo convergiam muitos marítimos de Olhão, que mais tarde escolheram também a Caparica, Setúbal e Sines. Tais correntes foram frequentes vezes precedidas de migrações sazonais que, ao permitirem ganhos complementares dos auferidos no Sotavento, retardaram muitas partidas (temporárias e definitivas de indivíduos isolados e de famílias) mas que, por outro lado, facultando a familiarização com os novos lugares, facilitaram a fixação e estimularam mudanças de residência (ob. cit.: 391).

  • 16 Casados.

22É, de facto, surpreendente a quantidade de pais naturais de Olhão – e muitos deles aí recebidos16, não comparável a nenhuma outra região do país, à excepção de Lisboa, que já neste primeiro período contava com 29% de pais oriundos da capital.

Gráfico 22. Os cinco principais distritos que, à excepção de Lisboa, apresentam nos quatro períodos maior frequência de naturalidades de pais e mães dos registados

Gráfico 22. Os cinco principais distritos que, à excepção de Lisboa, apresentam nos quatro períodos maior frequência de naturalidades de pais e mães dos registados

Fonte: Registos de Baptismo e de Nascimento (1886-1960)

23A segunda maior ocorrência regional é a do distrito de Aveiro com uma maior incidência em Estarreja. De facto, neste último caso, mais de metade são mães, e não pais, estando, provavelmente, esta fixação no bairro de nativas da região de Aveiro ligada ao exercício de uma profissão que ficou na história popular de Lisboa, hoje convertida turisticamente: a varinagem. A marcada presença feminina, entre os originários desta região, reflecte, afinal, um dos traços habituais de qualquer migração: a representação diferenciada de um ou outro sexo (Gráfico 22).

24A migração olhanense, pelo contrário, caracteriza-se por um forte equilíbrio sexual nas presenças testemunhadas por estes registos, correspondendo, provavelmente, à presença de casais, cujos cônjuges são ambos naturais de uma mesma freguesia ou concelho, casais estes de facto ou de direito, o que significa, doutra parte, que, apesar da profissão mais comum a estes olhanenses ser a de marítimo (Tabela XV, em Anexo) as suas mulheres e familiares os acompanhavam a Lisboa, e aí permaneciam, por temporadas ou acabando, até, por se fixar.

25Com o objectivo de analisar a composição dos casais segundo a sua naturalidade, construiu-se uma matriz por período (Tabelas XVIII-XX, em Anexo). Definiram-se quatro categorias, como forma de perceber se haveria alguma regularidade nas escolhas conjugais e, na afirmativa, quais as tendências dominantes: a) casais com um cônjuge oriundo de Lisboa; b) com ambos os cônjuges oriundos de Lisboa; c) com ambos os cônjuges oriundos de fora de Lisboa, de uma mesma naturalidade; d) com ambos os cônjuges oriundos de fora de Lisboa, embora de naturalidades diferentes.

Gráfico 23. Composição dos casais, por naturalidade, nos 3 primeiros períodos (1886-1910; 1911-1926; 1927-1945). Tabelas XVIII-XX, em Anexo

Gráfico 23. Composição dos casais, por naturalidade, nos 3 primeiros períodos (1886-1910; 1911-1926; 1927-1945). Tabelas XVIII-XX, em Anexo

Fonte: Registos de Baptismo e de Nascimento (1886-1960)

26Em relação aos pais e mães algarvios analisados, ficou claro que cerca de dois terços destes estavam casados entre si, tendo o restante terço preferencialmente, naturais de Lisboa. Este facto, já por si bastante elucidativo, configura, aliás, um padrão de casamento até ao final do primeiro quartel deste século (Período 1 e 2) no universo dos casamentos fecundos existentes no espaço destas poucas ruas escolhidas: a maioria dos casais registam uma igual naturalidade, e, de outra parte, as preferências centram-se num companheiro(a) de Lisboa (Tabelas XVIII-XX e Gráfico 23). Com algumas nuances: se há mais mulheres do distrito de Aveiro casadas com homens lisboetas – 17 casamentos cuja mãe é de Aveiro e o pai de Lisboa, contra apenas 5, com mãe lisboeta e pai de Aveiro – já no caso do Algarve, a relação inverte-se, aparecendo maior número de pais algarvios casados com mãe lisboeta – 30 – contra apenas 16 com uma mãe algarvia e um pai lisboeta. Talvez esta relação se torne mais compreensível após a análise das actividades profissionais de cada grupo de migrantes, como é o caso do marítimo olhanense ou da varina de Estarreja ou murtoseira... No entanto-e passando sobre as pequenas leituras particulares que se podem fazer sobre tais matrizes o facto mais relevante é o da existência de uma certa endogamia entre conterrâneos, seja ela produzida por migração de casais já constituídos na sua terra de origem e que, em idade de reprodução, vieram viver para a Bica, ou por encontros entre jovens com uma maior afinidade cultural, já no novo contexto de vida urbano. Os casamentos mistos entre diferentes lugares de origem, exceptuando Lisboa, continuam a ocorrer pouco, sem ser dominante, nesta primeira abordagem forçosamente exploratória.

27A outra presença que merece uma particular atenção é, como já referimos, a região de Aveiro, não tanto pelo seu quantitativo – apenas 6,3% do total do 1° período e 5% do 2° período (Tabela 6) –, como pelo evidente desequilíbrio entre os seus representantes masculinos e femininos, e, sobretudo, pela ligação com uma actividade particular – a venda ambulante de peixe – que ganhou uma visibilidade incomparável na história e no imaginário da cidade de Lisboa. O facto de esta ocorrência corresponder quase exclusivamente ao elemento feminino, pode significar também um maior número de ilegitimidade entre as naturais deste concelho – não nos esqueçamos de que o universo que trabalhamos, neste momento, é o dos pais que legitimamente aparecem nos registos oficiais, religiosos ou civis. Mas, mais provavelmente, a relativa concentração, neste bairro, de ovarinas terá a ver com a proximidade do rio e dos lugares onde o peixe é descarregado assim como da proximidade do mercado da Ribeira, ponto central de venda do peixe para toda a cidade.

Foto 12. Peixeiras preparando o peixe (1909)

Foto 12. Peixeiras preparando o peixe (1909)

J. Benoliel, Arquivo Fotográfico – CML

28Setúbal, um dos primeiros portos de pesca de todo o litoral do país, na margem sul do estuário do Tejo, sempre foi um dos pólos de atracção mais importantes da região de Lisboa, sobretudo no que toca aos fluxos migratórios com origem no sul do país e, muito concretamente, de populações ribeirinhas, normalmente mais «movimentadas» do que as do interior. Também aqui regista uma maior representação do que outras zonas do país. Não podemos deixar de recordar alguns sexagenários entrevistados, nascidos em Setúbal, com progenitores nascidos na Bica. Era costume, contam, os pescadores do Tejo irem até à zona de Setúbal, onde o peixe abundava e a indústria conserveira florescia. O conhecimento destas pequenas migrações temporárias, levadas a cabo de uma forma regular por certas camadas profissionais, ajudam-nos a relativizar a própria categoria de migrante e o conceito de mobilidade, cuja referência é, habitualmente, uma sedentarização absoluta.

29Viseu e Coimbra são os dois distritos do centro do país que aparecem em equivalência com Setúbal. São regiões tradicionalmente repulsoras de gente, e não constitui novidade a importância que, também no bairro da Bica, assumem. Seria interessante analisar a relação entre a inserção socioprofissional destes migrantes e a de populações oriundas de regiões mais litorais do país.

  • 17 Parte da análise que se segue consta, com algumas modificações, de um artigo já publicado (Cordeiro (...)

30Em data imprecisa, mas talvez não muito afastada dos finais do terceiro decénio de Setecentos, grandes migrações de «pessoal do norte», como se dizia, terão começado a surgir à beira-Tejo. Eram «Ílhavos», «Ovarinos» e «Murtoseiros», cumulativamente designados, no Tejo, por «Varinos» (Soares, 1991: 264). De início, sendo esta migração de tipo sazonal – Na sazão do sável chegavam os varinos, após tormentosas e prolongadas viagens (...) abrigando – se nos portos do Aterro da Boavista, na Torre de Belém (...) até Paço de Arcos (ob. cit.: 265) –, teria sido por volta de 1830 que os varinos se sedentarizaram em regiões à beira-rio, próximas de mercados. Os homens dedicavam-se à pesca e as mulheres à venda do peixe, embora esta divisão sexual do trabalho se atenuasse em épocas de crise pois todos recorriam às mais variadas ocupações, vendendo produtos pela ruacriação, frutas, alhos leite, marmelos assados, hortaliça, bolos... (ob. cit:. 266)17.

31Em Lisboa, o caso mais conhecido de uma fixação concentrada destas populações, é o bairro da Madragoa, que ainda hoje vai alimentando a sua imagem de «pátria de varinas e pescadores». Contudo, este tipo de população migrante fixou-se também noutros bairros da cidade – Alfama, Bairro Alto, Bica, Alcântara – tendo povoado o seu quotidiano de tal maneira que fixou definitivamente uma certa imagem da sua vida cultural. Varinos, frieleiras, tramariotas, algarios, são, no fundo, alguns dos estereótipos representativos de populações originárias do litoral do país que, num determinado momento, invadiram a cidade de Lisboa e aí se acabaram por fixar, integrando-se na sua memória colectiva com um peso desigual. Se as varinas se fixaram para sempre à imagem de Lisboa, já os outros se perderam e caíram num esquecimento relativo que os impediu de se elevarem à categoria de «figura típica».

32A Bica, de acordo com o que nos dizem os seus registos de nascimento, foi mais intensamente povoada por algarvios. Até às primeiras décadas deste século, estes homens e mulheres tiveram um peso numérico bastante superior ao dos migrantes de outras regiões do país. Em finais do século passado, a quantidade de nativos do Algarve e, sobretudo, dessa freguesia do concelho de Olhão – Nossa Senhora do Rosário, – é quase igual à dos próprios lisboetas. Esta migração em cadeia, que sugere a transferência de famílias completas de Olhão para as ruas da Bica, cujos homens trabalhavam, regra geral, como marítimos – a profissão mais concorrida até começar progressivamente a desaparecer a partir dos anos 30 –, constitui um dos elementos mais notáveis de fixação de uma população com uma elevada homogeneidade regional e profissional, que não podia ter deixado de marcar profundamente a vida cultural deste bairro (Tabela XV em Anexo). Muitos dos seus actuais habitantes são descendentes, em 3a e 4a geração, destes algarvios, e, embora essa noção de pertença «étnica» se tenha perdido por completo, a ponto de ser ignorada pelas gerações mais novas – contrariamente ao que se passa na vizinha Madragoa, onde a pertença à tribo ovarina é conscientemente valorizada e permanentemente actualizada pelas relações com a terra de origem –, a verdade é que existe um fundo cultural comum que se exprime de inúmeras maneiras, para o qual a fixação deste tipo de população marítima terá, com certeza, contribuído: um emaranhado de famílias aparentadas com fortes raízes locais, uma certa socialização de género bem vincada, um tipo de relacionamento vicinal muito marcado pela conjugação, aparentemente contraditória, de solidariedade e competição, uma grande capacidade de mobilização colectiva, cujo mais expressivo exemplo se pode encontrar na preparação anual da Marcha e do arraial...

  • 18 Segundo uma tradição que parece consistente, teriam sido os ilhavenses, vindos do Norte (...)quem p (...)

33Ovarinos e algannos parecem ter povoado vários lugares da costa portuguesa, cidades e praias na região de Lisboa, numa fixação bipolarizada territorial e socialmente, assinalada por vários autores (Oliveira et alii, 1988: 22218; Guimarães, 1994: 532). Paulo Guimarães descreve a existência, em Setúbal, de dois bairros – Santos Nicolau e Tróino – ocupados por populações litorais do norte e do sul...:

A ocupação de novos bairros não foi arbitrária quanto à relação com a população imigrante e com a actividade predominante. As gentes do Bairro Santos Nicolau e a do bairro mais antigo das Fontainhas eram conhecidas por «ovarinas», em referência à origem aveirense e do litoral centro. Ao contrário do pescador do bairro tradicional do Tróino, que vivia da pesca da sardinha, o pescador de Santos Nicolau vivia do estuário do Tejo, era geralmente um pequeno proprietário que abastecia o mercado burguês. O habitante de Tróino, por seu turno, aparece ligado à imigração algarvia, atraída com a expansão conserveira. Eram duas «classes» que formaram duas associações de classe distintas, pois viveram diferentes problemas(...) ganhando a população de Santos Nicolau, considerada como de «gente remediada» (1994: 532).

34É clara a relação estabelecida entre a origem e a categoria socioprofissional a que pertencem, relação que se pode extrapolar para o caso de Lisboa, olhando a Madragoa como bairro de ovarinas e a Bica como bairro de algarvios. Se as varinas da Madragoa vingaram na memória de Lisboa, já os algarvios da Bica, talvez mais pobres, segregados, esquecidos, maioritariamente ligados à pesca da sardinha, caíram no esquecimento do imaginário de Lisboa.

  • 19 Sobre os locais de destino das migrações de murtoseiros, escreve Jorge Arroteia: (...) destacamos O (...)

35Algarvios e varinas são apenas dois casos de migrações com um fundo profissional comum que ajudam a identificar elementos populacionais na história cultural de Lisboa. Duas migrações que, no fundo, registam algumas semelhanças, se nos lembrarmos que ambas as regiões – e em particular, Murtosa (Arroteia, 1984) e Olhão (Cavaco, 1976) – sempre se caracterizaram por um carácter repulsivo, acrescido do facto de que os movimentos sazonais de pescadores as punham bastante em contacto, como prova o exemplo da existência de colónias de murtoseiros em Olhão19, os primeiros povoamentos da Costa da Caparica, ou, ainda, as tripulações mistas de ilhavenses e olhanense nas caravelas que saíam da Ribeira das Naus... (Oliveira et alii, 1988).

  • 20 Sobre o êxodo, fundamentalmente masculino, de Olhão, escreve Carminda Cavaco: Por vezes, as partida (...)

36Segundo Carminda Cavaco (1976), baseando-se nos dados dos censos a partir de 1890, a população de Olhão contava com um razoável contingente de forasteiros. Da informação disponível, através dos registos agora analisados, sobre estes migrantes algarvios, apenas se sabe que quase todos nasceram em Olhão, mas nada se sabe sobre os seus antepassados, ficando a dúvida indissolúvel sobre as suas anteriores origens. Uma coisa parece certa: tanto a Bica, como a Madragoa e, de um modo geral, todos os bairros ribeirinhos de Lisboa, foram invadidos por populações oriundas de regiões litorais e piscatórias do norte e do sul do país, que, a pouco e pouco aí se fixaram20, em torno de trabalhos relacionados com as actividades marítimas, piscatórias e portuárias. Embora essas correntes migratórias internas tenham desaparecido, restando hoje essa outra que vai continuando a trazer migrantes da zona centro-norte do país – Coimbra, Viseu, Guarda –, a marca destas anteriores correntes de populações de origem marítima – Faro, Aveiro, Setúbal – permanece no imaginário e nas práticas culturais de parte da população lisboeta.

  • 21 Sobre os Ílhavos, Ovarinos e Murtoseiros, cumulativamente designados, no Tejo, por Varinos e os alg (...)

37Por especulativa que seja, não se pode deixar de lembrar a rivalidade que opõe a Bica à Madragoa, tão expressiva no momento das festas dos Santos Populares e associá-la a alguns testemunhos orais de guerras que opunham, na labuta pesqueira do Tejo, populações nortenhas a populações do sul, ambas à procura de uma maior valorização do seu pescado no mercado consumidor de uma grande cidade (Soares, 1991: 26421).

Foto 13. Varinas na venda ambulante (1909)

Foto 13. Varinas na venda ambulante (1909)

J. Benoliel, Arquivo Fotográfico – CML

Um fundo socioprofissional comum

38A imigração como fenómeno global atinge grupos socioeconómicos desfavorecidos, embora existam testemunhos de outro tipo de migrantesestudantes, aventureiros, mercadores, marinheiros, soldados. Muitos deles permanecem apenas alguns anos, outros acabam por se fixar em Lisboa, escreve Teresa Rodrigues (1994: 51). Com efeito, a percentagem de ausentes que a freguesia de S. Paulo regista em 1864 e 1878, apresenta-se como o segundo valor mais elevado de todas as freguesias de Lisboa: 14,5% de homens ausentes só ultrapassado por S. Julião, com 28,6% e próximo da Conceição, com 13,3% (1878). O valor mais alto a seguir à Conceição, é de 7,4%, registado por Alcântara em 1864. Qualquer destas freguesias, situadas junto ao rio, concentram grandes contingentes de população marítima, o que se comprova pela análise profissional.

  • 22 Sobre a classificação socioprofissional utilizada, ver Nota Metodológica.

39Com a análise da naturalidade destes habitantes, atrás sugerida, tornou-se evidente que o modo como cada um ganha a vida numa cidade – ou na sua relação com ela – é um elemento fundamental na caracterização da população imigrante, tendo essa expectativa influenciado não só a decisão de sair do lugar onde antes se vivia, como a escolha do bairro em que se vai habitar. Após a análise das profissões destes pais que escolheram o espaço da Bica para viver – mesmo que temporariamente –, sobretudo ao longo dos dois primeiros períodos, vemos que não só marítimo é a profissão masculina mais repetida, como existe uma clara predominância das actividades marítimas, portuárias e piscatórias. Com efeito, os grandes subgrupos, a nível de dois dígitos, de Condutores de veículos e embarcações... (8,3) e Trabalhadores não qualificados das Minas, etc., etc. e dos Transportes (9,3) aparecem particularmente bem representados até final do segundo período, 1926 (Tabela 7). O subgrupo das Forças Armadas, igualmente numeroso, é maioritariamente composto por empregados na Marinha e na Armada (Tabela XV em Anexo)22.

Tabela 7. Classes profissionais dos pais e mães dos registados por período

Tabela 7. Classes profissionais dos pais e mães dos registados por período

Fonte: Registos de Baptismo e Nascimento (1886-1960)

  • 23 À excepção da margem abrangida pelo centro histórico, segundo Vítor Matias Ferreira (1986).

40As actividades industriais constituem o segundo grande motivo de ocupação masculina ultrapassando, a partir do terceiro período (1927-45) as actividades marítimas que decrescem gradualmente de importância. Distribuindo-se desigualmente ao longo do tempo, nos primeiros períodos há uma predominância de certas actividades artesanais, como sejam carpinteiros ou sapateiros, e também caldeireiros, fundidores de metais, canteiros, surgindo mais tarde elevado número de electricistas, tipógrafos, serralheiros. A área de implantação da Bica, e, de um modo geral, de toda a parte ocidental da Zona Ribeirinha de Lisboa23, caracteriza-se, funcionalmente, pela especialização portuária e industrial (Ferreira, 1986; Pinheiro, 1990). ...A zona ribeirinha é especialmente atractiva pelas facilidades de transporte e água que proporciona (...) na Boavista instalam-se fundições, serralharias, fábricas de gás e de aparelhar madeiras (Pinheiro, 1990; 95).

Foto 14. Grupo de operários de uma fábrica de S. Paulo (início séc. xx)

Foto 14. Grupo de operários de uma fábrica de S. Paulo (início séc. xx)
  • 24 Vizinha da freguesia de S. Paulo e que incluía parte da Bica até 1959.

41Especificando um pouco melhor, a partir da informação contida no Inquérito Industrial de 1881 e o de 1890, podem-se assinalar algumas das indústrias existentes na envolvente do bairro da Bica: oficinas de construções metálicas, Fábrica Tejo, uma indústria de gelo, cerveja e chocolate, Parry Son, na rua 24 de Julho; Fábrica Companhia Perseverança, de obras de ferro e outros metais, no Largo do Conde Barão; Fábrica Vulcano, no boqueirão do Duro; Companhia Previdente, na Rua do Instituto Industrial; comércio de vidros, na Rua de S. Paulo; fábrica de vidros, na Rua das Gaivotas; Companhia Lisbonense de Iluminação a Gaz, na Rua da Boavista. De dimensões muito desiguais, estas indústrias empregavam desde uma escassa meia dúzia a mais de cem pessoas, entre operários e aprendizes recrutados entre homens, mulheres e crianças. Segundo informação apresentada em Borges de Macedo, referindo-se à freguesia de Santa Catarina24, no primeiro quartel do século xviii existe, já, nesta zona de Lisboa, uma forte tradição industrial. O levantamento profissional desta parte da Bica, revela, assim, a própria cidade de Lisboa (...) em todos os cambiantes, um grande porto de mar, um centro político e administrativo, com a multiplicidade enorme das suas ocupações e o seu escalonamento (Macedo, 1982: 80).

42A proximidade do porto é, pois, fulcral para o crescimento demográfico e industrial, não só da Bica, como de toda a capital:

O quarto quartel do século xix foi um período decisivo do urbanismo de Lisboa. Em paralelo com importantes trabalhos ao nível das infra-estruturas (obras no porto e instalação das estações ferroviárias), assiste-se ao forte crescimento populacional e ao enorme aumento da área do município (...) Aparecem fábricas e oficinas, transportes colectivos, grandes negócios e respectivas fortunas(...) Assiste-se à concentração na cidade de volumes crescentes de proletários atraídos pelo trabalho industrial ou simplesmente expulsos do campo. Estes trabalhadores(...) vão acumular-se nas zonas antigas da cidade, por vezes nos casarões degradados já abandonados pela aristocracia. O aluguer dessas casas a várias famílias e a ocupação dos respectivos pátios(...) aumenta a densidade das zonas mais antigas e diminui as suas condições de salubridade (Salgueiro, 1992:191 e 193).

43A sobrelocação de casas espaçosas e antigas e o pátio do no 2 da Calçada da Bica Grande habitado por elevado número de famílias, são bem dois exemplos, retirados da informação contida nos registos de nascimento, que dão a dimensão da elevada densidade populacional desta zona, aliada a uma pobreza generalizada – frequentemente os pais do recém – nascido ficam dispensados de pagar o selo por serem pobres.

44As actividades ligadas ao comércio também são importantes no mapa das profissões masculinas da Bica, sobretudo na categoria de «empregado de comércio», embora os comerciantes, lojistas ou negociantes, também registem algum protagonismo, embora menor. Mas é sobretudo ao nível das profissões femininas, mais visíveis nos primeiros períodos, que a categoria de «vendedora» (de peixe, maioritariamente, embora também de hortaliça e ambulante) mais ocorrências regista, sendo estas, na quase totalidade, naturais do distrito de Aveiro.

45Um facto parece claro, na definição deste esboço socioprofissional do bairro em épocas passadas, sobretudo ao longo dos primeiros períodos: uma divisão sexual do trabalho bastante em consonância com os actuais «mitos» da história «popular» de Lisboa, que atribuem uma grande importância ao protagonismo feminino na vida pública destes bairros – na figura da varina, por exemplo. Os seus traços mais marcantes delineiam um peso muito grande de homens embarcados, ausentes por longas temporadas dos destinos do bairro, e uma presença feminina muito forte no quotidiano do bairro e nas suas proximidades, ocupadas em trabalhos ocasionais – em serviços pessoais e domésticos (lavagem de roupa, limpezas, etc.), em fábricas ou, ainda, na venda mais assídua, de diversos produtos nos mercados ou pelas ruas, para além dos cuidados dos filhos que as acompanhavam na maioria das suas actividades.

46Com efeito, e após esta breve e incompleta análise da distribuição socioprofissional dos habitantes das ruas em análise, pode-se afirmar que a pulverização de métiers e trabalhos existentes neste espaço exíguo, apesar de configurar uma razoável diversidade, na realidade, insere-se num quadro relativamente homogéneo. A variedade de desempenho de profissões concretas corresponde, de facto, a uma semelhança de condições de vida e situações existenciais, o que leva a que se possa falar de uma certa homogeneidade na posição de status dos seus habitantes, na sua falta de poder, na sua estreitíssima dependência de outrem. Uma clara predominância de trabalhos não especializados dinamizadores de interacções com o exterior do bairro em torno do comércio, anteriormente mais ligados às actividades marítimas, portuárias e piscatórias, e hoje mais situados no domínio dos serviços; uma socialização de género muito vincada, baixos níveis de instrução formal, são apenas alguns dos aspectos que configuram um quadro cultural onde a consciência da dependência de outrem é um dado adquirido na precariedade do quotidiano.

47Parte da informação contida nestes registos, embora não tivesse sido objecto de uma análise quantitativa, como é o caso da ilegitimidade dos filhos, da atribuição do nome e de alcunhas, ou da prática do apadrinhamento, merecem, contudo, algumas reflexões.

  • 25 Teresa Rodrigues refere uma subida de ilegitimidade para o final do século (1993).
  • 26 Veja-se uma excelente recensão sobre o tema em Caroline Brettell, 1991: 227 -276, a propósito do se (...)

48Na Lisboa de finais do século passado o fenómeno da ilegitimidade era maior nos bairros populares e periféricos, receptáculos da população estranha à cidade (Rodrigues, 1994: 48) onde o casamento também era mais precoce e mais frequentes as uniões fecundas de facto.25 A Bica parece não constituir excepção, atendendo à quantidade de filhos ilegítimos ou naturais que aparecem assinalados nos registos de nascimento. A ilegitimidade, fenómeno bastante investigado na demografia e também na antropologia, corre o risco de se tornar num rótulo enganador, se não se distinguir algumas situações de facto que cabem nesta categoria genérica. A sua ocorrência, lida pelos olhos dos investigadores, não pode ser confundida com o significado que assume para os directos implicados nesse tipo de relação, entendida, pelos primeiros, como transgressora. Sem querer entrar em detalhes e referências sobre este tema26, alguns aspectos podem ser salientados no estudo em causa.

49De facto, todos os filhos fora do casamento oficial são designados pelo funcionário eclesiástico ou civil, genericamente como ilegítimos. Contudo, podemos encontrar quatro tipos diferentes de ilegitimidade: filhos de uniões de facto, ou seja, de pais solteiros – caso mais frequente; filhos de pai incógnito, caso relativamente frequente; filhos de mãe incógnita, caso mais raro assim como, filhos de mãe e pai incógnitos, caso raríssimo.

50Os filhos respeitantes ao primeiro caso – filhos de união de facto – muitas vezes são legitimados por casamento posterior de seus pais; os filhos de pai ou mãe incógnita, algumas vezes têm uma perfilhação secreta por parte de um dos progenitores, casado, o que sugere ser filho adulterino, podendo ou não ser levantado este secretismo por divórcio ou enviuvamento do perfilhador. Não se detectou nenhum caso em que a posterior legitimação envolvesse algum dos padrinhos constantes do registo de nascimento ou baptismo.

51O conhecimento, apenas impressionista, deste fenómeno na Bica, leva a que algumas considerações se imponham. Com efeito, e influenciada pelo conhecimento biográfico, retrospectivamente contado por alguns indivíduos, tudo parece indicar que a prática do não casamento era relativamente comum entre os seus pais e/ou avós. O que não significava a inexistência de ligações matrimoniais ou que um vínculo forte não unisse os dois parceiros. Com efeito, o não-casamento oficial de pais ou avós quase nunca é referido – mesmo em casos em que, confrontados com a análise dos registos ele existe. Quando referenciado, é no quadro de uma apreciação distanciada, moralizante, de certa forma alheia ao passado vivido. Um exemplo, apenas: José Manuel Marques fala longamente da sua avó materna, que era uma torre de mulher e que conseguiu salvar o seu avô da deportação. Descreve o episódio:

Quando a charrette vem, (em frente do tribunal da Boa-Hora) a minha avó atirou-se para a frente dos cavalos e fez parar os cavalos, a implorar misericórdia, para o meu avô não ser deportado. A minha avó contava-me: eram oito filhos, sete irmãs e um rapaz, todos piquenos, a minha avó lavava roupa, era lavadeira...uma miséria. Estava a ver o que era ser deportado? A minha avó vivia na Mouraria, na r. S. Cristovão e S. Lourenço. (...) Antes de casar... que nunca casou, e foi um erro, com tantos filhos e não casar, não é? Mas viviam assim como casados, não é?... não havia cá aquela formalidade, não havia fortuna para deixar de parte a parte, não havia nada.... e então lá aguentou e a verdade é que o meu avô não foi deportado. Ficou aí preso mais um tempo e depois foi embora.

  • 27 Com efeito, parece que a relação entre a actividade da pesca e agrícola, que no norte caracteriza a (...)

52Contudo, o mais frequente, ao contar a vida de pais ou avós, é deixar-se no esquecimento que os seus pais só se casaram ao segundo, ou ao terceiro filho, ou até que nunca chegaram a casar. Estes grupos sociais, predominantemente assalariados, mesmo antes de imigrarem para a cidade, viviam uma relativa despossessão de bens patrimoniais, sendo o seu bem mais valorizado a sua força de trabalho. Na pesca ou na indústria, os que imigravam eram os mais pobres, que normalmente trabalhavam por conta de outrem27. Talvez esta seja uma das razões porque a «formalidade» do casamento não fosse particularmente valorizada e os «casais de facto» proliferassem em detrimento dos «casais de direito».

53A atribuição dos nomes e alcunhas, surge como outro fenómeno digno de registo. Numa primeira leitura, a atribuição dos nomes dos filhos parece não obedecer a qualquer critério, e ser fruto de um mero acaso-para o qual sempre contou, com certeza, um certo fenómeno de moda, facilmente detectável na proliferação de Amélias e Carlos, no tempo de reis com estes nomes, ou a utilização de nomes bíblicos e santificados, que em todos os tempos proliferaram. No entanto, alguns critérios parecem existir em muitas atribuições de nomes, critérios estes que se sobrepõem, por vezes, e impedem o estabelecimento uma conjunto coerente de regras. Mais uma vez, o que aqui se encontrou resultou de uma análise pouco cuidada, impressionista, e, portanto, falível. No entanto, alguns princípios ficaram claros.

54Em primeiro lugar – e este talvez seja o princípio mais evidente – a atribuição do nome do padrinho ou da madrinha ao afilhado. Mais rara é a atribuição de nome de pai ou de mãe, mas mais frequente, por outro lado, é a passagem do nome de um avô, umas vezes paterno, outras materno, ao neto – sobretudo quando este avô ou avó são padrinhos. Esta configurava, aliás, uma outra regularidade: a sobreposição de uma relação de apadrinhamento, de aliança, com uma relação de parentesco, de sangue, por assim dizer. Avós e irmãos, muitas vezes menores, surgem incansavelmente como padrinhos, sendo a sua relação de sangue reforçada com a aliança criada pelo apadrinhamento. Outras vezes é um colega de trabalho do pai, ou um superior hierárquico que aparece, como é o caso, recorrente, dos marujos da Armada. Outras vezes, é apenas um vizinho de rua, de prédio ou até da mesma casa que é convidado para apadrinhar um recém-nascido.

55Em segundo lugar, a atribuição dos apelidos vai ganhando uma uniformização, ao longo do tempo, que nos registos dos primeiros períodos está longe de ter. É muito comum, nestes primeiros tempos, uma filha ganhar um apelido materno, e um filho, um paterno; também a ordem dos apelidos se altera, frequentemente, entre vários filhos de um mesmo casal, e um nome de uma mãe figura como segundo nome – ou apelido – de um filho (por exemplo, uma mãe chamada Maria da Conceição, tem um filho que se chama João Luís da Conceição...) Mais interessante parece ser o fenómeno do aparecimento das alcunhas que acabam por ser incorporadas no nome legal de cada um. A produção de alcunhas é uma prática corrente, no entanto, nem todas pareceram ser susceptíveis de uma fixação. Se é verdade que, a partir do meu próprio conhecimento do bairro, me apercebi de que havia alcunhas que se ligavam a um traço físico ou de personalidade de um indivíduo – geralmente homem – pareceu-me que elas eram francamente mais socializadas e mais livremente utilizadas, quando ligadas à pertença étnica ou ao desempenho profissional de um indivíduo. Assim, embora se falasse num Calhau, Periquito ou num Manei Caldeiradas, num círculo restrito, muito mais livremente se falava de um Carlos Bombeiro, de um Chico Estivador, de um Pedro Marinheiro, de um Jorge Barbeiro ou de um Ti Manei Sapateiro. Caldeiradas, por exemplo, parece uma alcunha muito comum e que, inclusivamente passa de pai para filho. No entanto, esta designação não encontra fixação de qualquer tipo, permanecendo exclusivamente do foro oral. O mesmo já não se passa com nomes como João Aveiro, Manuel Algarvio, José Marceneiro ou Joaquim do Peixe, que constam dos registos analisados.

Vizinhas

Aqui é tudo uma família...

56A análise da fonte em causa permite-nos debruçar sobre algumas dimensões da vida passada deste bairro. A contagem e estatística rudimentar feita ao longo deste capítulo sugeriram algumas pistas de análise sobre a relação entre a base socioprofissional dos seus habitantes, a sua proveniência e uma relativa homogeneidade social e cultural fortalecida por um quadro ecológico facilitador de múltiplas interacções locais. No entanto, a vertente do enraizamento que estas práticas sociais parecem ter no contexto de vida deste pequeníssimo espaço de vida urbano e, quase que se poderia acrescentar, a sua incorporação em parte da população actual, tornou-se particularmente evidente com a reconstrução de algumas linhas de parentesco. A descoberta de uma rede genealógica bastante densa revelou um forte enraizamento de algumas famílias, ao longo de mais de cinco gerações.

57Sem entrar em pormenores sobre a técnica utilizada para a identificação e ligação dos indivíduos, um aspecto não pode, no entanto, deixar de ser referido: a busca de linhas comuns de parentesco para homens e para mulheres logo começou a registar uma diferenciação. Enquanto que os homens se escapavam e apareciam, frequentemente, como isolados, sem o suporte de uma rede de ascendentes ou colaterais, as mulheres constituíam-se como autênticos nós de relacionamento de uma teia relativamente densa de ascendentes, descendentes e alianças. Por outras palavras, tudo parecia indicar uma maior permanência de raparigas e uma maior mobilidade de rapazes que, pelo casamento, se integravam em malhas familiares centralizadas no feminino.

58Um dado surgia, deste modo, fazendo germinar algumas pistas de análise futuras. Esse dado referia-se à centralidade das figuras femininas que pareciam desempenhar um papel fundamental na fixação desta população a um território. Com efeito, elas pareciam-se radicar no bairro de uma forma qualitativamente diferente da dos seus companheiros e, para o bem e para o mal, registavam um elevado protagonismo social, apesar de pouco notado e invisível em muitos dos aspectos da vida pública analisados ao longo deste trabalho. Esta foi, sem dúvida, uma das descobertas mais motivadoras deste estudo sobre a construção de um bairro popular que, tendo partido da análise das festas dos Santos Populares – pertencente a um âmbito de concepção e organização quase exclusivamente masculino – acabou por chegar a outras dimensões da realidade social mais ocultas e tão pouco conhecidas em contextos urbanos. Esta apetência para pluriperspectivar as realidades socioculturais parece-me ser, precisamente, uma das maiores virtualidades que o conhecimento antropológico possui.

59Antes da análise destes registos, já os múltiplos cruzamentos de linhas parentais me davam dores de cabeça na Bica. A frase – Aqui é tudo uma família – não me parecia vã, e o idioma do parentesco parecia ser aqui utilizado com algum fundamento. Uma tarde de chuva na sala do Marítimo, tentava desesperadamente desenhar no papel a informação que a Mila me ia recitando: A São, mulher do Alberto, é prima da Maria de Jesus,, ou seja, a avó materna da Maria de Jesus era irmã da mãe da São. O José Júlio é primo da Maria de Jesusa mãe dele era irmã do pai da Maria de Jesus... E mais: a nora do sr. Zé da Feira é sobrinha do José Manuel Marques, vende fruta no mercado 24 de Julho e tem uma filha que entrou na Marcha... (Out. 1991). Ou então, ao serão, no mesmo local, entre quatro homens de uma mesma criação, na casa dos 50 anos, que recordavam episódios de um passado partilhado de memórias de beira-rio. Entre pedaços de histórias – aquela vez que um foi empurrado para o rio, não sabia nadar e foi salvo por pescadores; as tentativas infrutíferas de secar a roupa molhada para se escaparem à tareia das mães; aquele dia em que um deles foi apanhado, nu, num chafariz pela polícia e assim foi levado para a esquadra, tendo-se, depois, escapado pela janela... – tornam-se claras as relações que, afinal, unem estes homens: um deles, o João é cunhado de outro, Quim Machado (pai de Zé Machado) já que é irmão da sua mulher; um terceiro, Zequinha, é primo do Zé Machado pelo lado da mãe, assim como o quarto elemento, o José Júlio (Figura 9).

Figura 9. Relação entre Quim Machado, Zequinha, José Júlio e João (Detalhe da Fig. VI, em Anexo)

Figura 9. Relação entre Quim Machado, Zequinha, José Júlio e João (Detalhe da Fig. VI, em Anexo)
  • 28 Muitos dos seus familiares mais próximos não se predispuseram facilmente a falar comigo, tendo-se m (...)

60O José Júlio, fisionomicamente bastante parecido com o seu primo materno em segundo grau e meu guia nos meandros deste bairro – Zé Machado – era, na altura o vice-presidente do Marítimo e o responsável por toda a burocracia e papelada da colectividade. Empregado de escritório na Robialac e membro do seu Clube – facto de que muito se orgulhava, a ponto de insistir em que eu deveria fazer uma visita a esse clube para ver como funcionava bem... –,o José Júlio ajudou-me a desbravar parte dos arquivos da colectividade e, sobretudo, a colmatar muitas das lacunas de informação dos seus ficheiros: de sócios, de marchantes, de composição de direcções passadas, etc. Parecia-me ser o braço direito do Zé; ambos, à parte as evidentes idiossincrasias que os individualizavam, pareciam-me partilhar uma mesma postura no seio da colectividade, e desempenhavam um papel fundamental na manutenção daquela organização: discretos, calmos, conhecedores das limitações de um bairro destes – bairro do dizque – disse, como caracterizava o José Júlio apaziguadores, trabalhadores, tanto um como o outro, era sempre contra vontade que aceitavam cargos dirigentes, de vice-presidência ou, no caso do Zé, de presidência da assembleia geral. Participavam talvez mais do que qualquer um, embora na sombra, de uma forma discreta. Nunca foram marchantes-embora tivessem já sido, ambos, porta-estandarte – e sempre estiveram do lado de quem decide. As primeiras impressões levaram-me a imaginá-los como representantes de uma aristocracia bicaense: sempre a controlar conflitos, a zelar pela unidade do bairro, nunca envolvidos em brigas nem guerras de vizinhança28.

61Não cheguei a conhecer bem o Zequinha, nem o João. O primeiro é marchante todos os anos, levando sempre um dos primeiros arcos, ao lado do Manecas o marchante sexagenário da Bica, talvez o mais antigo de Lisboa. O segundo, irmão mais novo da mãe do Zé, era frequentador regular do Clube e sempre que se cruzava comigo, a passear a sua cadela de raça, cumprimentava-me urbanamente.

62Quim Machado, pai do Zé, nascera no Bairro Alto, na Rua do Diário de Notícias, no 13. Conta que o seu pai era de Cacilhas; no entanto aparece registado na 6a Conservatória como tendo nascido na Bica, em 1901. E também a partir desta fonte que sabemos que pelos menos quatro irmãos ali foram registados, a seguir a ele, embora Quim Machado só se recorde da existência de uma irmã do pai. O que ele sabe, isso sim, é que o seu pai, avô paterno do Zé, era encarregado da escolha do prego, ali na Companhia Previdente, no Conde Barão. Havia ali uma taberna, onde é hoje a Casa dos Parafusos, que era da minha avó. A minha mãe vendia castanhas, ali, e o meu pai ia lá beber um copinho e assim se começaram a namorar. Tem uma irmã mais velha que nasceu nas Escadinhas, no no 27. Mas ele, Quim Machado, já nasceu no Bairro Alto, para onde os pais se mudaram. A gente naquela altura vivia em quartos alugados, em partes de casa. E a verdade é que se mudava muito de casa. Do Bairro Alto a família mudou-se para o Poço dos Negros, primeiro para um quarto na Travessa dos Oleiros – o marido da Hortense, do Beco, era meu vizinho nesta rua e hoje mora no Beco dos Aciprestes –, depois já para uma casa na rua Poiares de S. Bento, onde fez a escola primária e passou a sua juventude.

63Veio para aqui, ligou-se a estes rapazes e começou a namorar a irmã do João (mãe do Zé). Por aqui ficou, era quase como se fosse daqui. Ia buscá-la ao trabalho, trazia-a a casa e ficava à janela a namorar, mesmo com chuva e tudo. Isso durante uns largos meses, até que alguém chamou a atenção ao pai da rapariga para aquilo, o moço pr’àli a molhar-se todo e, então o futuro sogro disse, que dali por, diante ele já tinha autorização de entrar em casa. Pertencia a um grupo de amigos ali do bairro, que gostavam de jogar futebol, de ir aos fados. Frequentavam uma taberna em Carnide, cujo dono era amigo de um amigo, lá iam beber água-pé, jogar e passar uns bons momentos...

64Por seu lado, lida, sua mulher e mãe do Zé, começou a trabalhar aos 9 anos. Teve uma vida muito dura. Nasceu, assim como uma das suas duas irmãs, na Bica, no3o andar do no 22, mas depois a família mudou-se para os Sete Moinhos, ao pé do Casal Ventoso, bairro da lata onde as casas eram mais baratas...

O meu avô era comunista, era grevista e foi despedido por motivos políticos. Ele era operário caldeireiro, a última casa onde trabalhou foi a CUF. Até que um tio meu que andava a pôr bombas da água no viaduto Duarte Pacheco, que estava a ser construído, falou ao meu avô naquele bairro, o Casal Ventoso. Então eles conseguiram arranjar uma casa, num pátio dos Sete Moinhos. Viviam mal. Quando tinham sapatos de pano era uma alegria: iam a uma senhora com o pano e ela fazialhes o calçado. Tinham grandes dificuldades, comiam pão com café, e mais nada. Depois tornaram à Bica. A minha mãe começou a trabalhar em alfaiataria mas depois deixou de trabalhar quando se juntou com o meu pai, com 16 anos. Não sei quando voltou a trabalhar. E na Bica andou a saltitar de casa em casa. Morou no 20, mudou para o 23... iam alugando partes de casa (Zé Machado).

65Cada casa tinha demasiados habitantes. A medida que os bebés iam nascendo e as famílias aumentando, ia-se mudando de casa.

A casa onde eu nasci, em 1957, – o 20, r/c – tinha uma sala à entrada, dois quartos, uma cozinha e uma casa de banho. Quando eu nasci moravam a minha tia Bia, o marido, o meu primo mais velho, o Zequinha, o meu pai, a minha mãe, eu e acho que havia mais uma avozinha que também vivia lá. Os meus pais viviam em condições muito difíceis porque era muita gente a viver nessa casa.

66Seis anos mais tarde, nasceu a sua irmã Sofia, já na casa que hoje os pais habitam, do outro lado da rua.

Foto 15. Recolhendo fundos para os foguetes a festejar uma vitória da marcha (1970)

Foto 15. Recolhendo fundos para os foguetes a festejar uma vitória da marcha (1970)

Toda a minha infância foi influenciada pelo bairro (...) A Bica começou a entrar nas marchas em 1952, já tinha ganho várias vezes: em 52, em 55, em 58 (tinha um ano), em 63 – tinha 6 anos – em 70, tinha 13. Lembro-me perfeitamente em 70 das pessoas que passavam todas na rua, ansiosas pelo resultado e quando vem, aquilo era foguetes a dar com um pau, era uma volta imediata ao bairro, com a bandeira do Marítimo, a pedir dinheiro para foguetes. Começava-se na Bica Grande, ia aos Cordoeiros, ia a todo o lado; arranjava-se dinheiro para foguetes num ápice. Nós vivíamos muito influenciados por toda esta época festiva. Era a fase do ano em que a Bica era falada e que era o nosso orgulho, nós os bairros pobres éramos projectados. As pessoas falavam na Bica – digo isto, porque sou da Bica, os da Madragoa dirão o mesmo para a Madragoa –, era a altura dos bairros mais esquecidos virem para as primeiras páginas dos jornais e então nós alimentávamos este orgulho próprio, que hoje, penso, está um pouco a desaparecer. A rua era o nosso espaço; antes de irmos para a escola, era na rua que brincávamos. Jogávamos à bola no Beco dos Aciprestes, escorregávamos em tábuas – nós íamos buscar umas tábuas, urinávamos para a base da tábua ou púnhamos cascas de laranja molhadas, esfregávamos para a tábua escorregar pelos degraus da Bica Grande, pelo meio as tábuas por vezes encalhavam, ficava a tábua e nós íamos, houve muitas cabeças partidas ali, mas eu felizmente nunca parti a cabeça. Isto aí pelos meus 5, 6, 7, 8 anos.

Depois, já pelos 8, 9 anos (...)havia a rivalidade entre a Bica Grande/Travessa do Cabral; havia guerras. Vínhamos roubar árvores cá acima a eles, ou eles tentavam roubar a nós, era engraçado, por exemplo, nós íamos almoçar ou isso e os de cá de cima iam lá abaixo, tentar ir ao nosso cá roubarem as árvores, havia logo um que dava um grito e vínhamos logo todos e havia bastante porrada, até...

67Lembra-se, tal como o Florêncio, das marchas infantis que se faziam. Os fatos foram feitos pela Deolinda, que mora ao lado da mãe da Gertrudes, sogra do Alberto. Ela fez umas fatiotas, umas fardas para nós e nós lá íamos...Fizemos a volta ao bairro, fomos ao Pátio da Galega, cantávamos, fazíamos marcações, as pessoas davam-nos dinheiro...

68Embora hoje o Zé viva a mais de 200 metros de distância, na esquina da Rua do Almada com a Travessa do Cabral, a sua vida continua a focalizar-se na rua da sua infância: entre o Clube, a casa dos pais e de alguns amigos e vizinhos, a Calçada da Bica Grande continua a ser a sua casa. As suas melhores memórias de infância vão para a sua avó materna Natália, que recorda saudosamente, de lágrimas nos olhos: quando a acompanhava a vender fruta pelas ruas, ou a apanhar caracóis em Oeiras, em Carcavelos...

Aqui do bairro, quem vendia fruta era a minha avó Natália que vivia na Bica Grande, no no 22, ao lado donde eu nasci. Vivia com o marido e com os filhos. A minha avó nessa altura estava a viver em casa da mãe dela, da minha bisavó. Vendia fruta durante o Verão, e nos meses do caracol – Maio, Junho, Julho, Agosto – ela comprava caracóis, ou íamos apanhar caracóis directamente... Lembro-me perfeitamente de ir a Oeiras, a Santo Amaro de Oeiras, onde está hoje um grande complexo urbanístico, antigamente era uma quinta muito grande e nós íamos aí; íamos eu, a minha avó e o meu avô, a minha prima Lena, que o pai dela também vendia. Eu e as minhas primas, e os meus primos íamos todos apanhar caracóis; íamos para a praia e antes de St. Amaro, descíamos um bocado antes íamos para Paço d’Arcos apanhar caracóis... A minha avó era conhecida pela Natália dos Caracóis... «taratóis», como eu dizia. Eu era conhecido como o «neto da dos caracóis».

69Lembra-se também dos avós e bisavós maternos até ser crescido. O bisavô era republicano, patriarcal, recto, austero. Todos os 5 de Outubro, hasteava a bandeira nacional na janela. A minha bisavó empenhava frequentemente esta bandeira, quando a necessidade era maior, mas sempre às escondidas. Um dia veio o 5 de Outubro e a bandeira estava empenhada...!! Nem queiras saber, a minha avó, coitadinha...

70Quando não iam para a praia, iam tomar banho na Ribeira, onde hoje se parte para ir para Cacilhas, onde era o mercado do peixe e da fruta.

Eramos miúdos, 11, 10, 9 anos, despíamo-nos, ficávamos em cuecas, e lá íamos molhar-nos e brincar. Claro que de vez em quando apareciam as mães para nos dar porrada, para nos ir lá buscar...Outras vezes íamos à praça [24 de Julho], às varinas, pedir cabeças de peixe-espada. E para quê? Nós trazíamos camaroeiros – éramos nós que os fazíamos – púnhamos as cabeças dos peixes-espada atadas com corda e púnhamos os camaroeiros naqueles pontões que entram pela água, na Ribeira, na água, e não era preciso muito, 3, 4 minutos depois tirávamos vinham os caranguejos todos agarrados e nós apanhávamos caranguejos para depois vir comer, ou até vender, por entre as pessoas do bairro.

71No Natal, roubavam pinheiros: os fazendeiros vinham e ficavam a dormir à porta da praça, no jardim D. Luís, estavam ali os pinheiros todos, eles dormiam e de noite nós íamos lá e tirávamos um, dois pinheiros e fugíamos pela Bica acima e já tínhamos pinheiro para o Natal.

72Para ele, todas as recordações de infância da vida de bairro, põem em acção familiares mais próximos ou distantes. Como aquele primo que era piloto da Marinha Mercante, que ganhava bem, tinha um ordenado superior à média daqui; que vivia no Beco e que estava em terra quando foi o Campeonato de Futebol em 66, ano em que Portugal participou: a porta dele com a televisão aberta para a rua e toda a gente sentada na rua a beber cerveja Cuca, que era de Angola, trazida por ele, e a vermos o futebol, e era uma algazarra, uma brincadeira. A rua fazia parte da vida de uma pessoa, nós trazíamos para a rua sentimentos que...pronto, não tínhamos casas grandes, não tínhamos televisão, não tínhamos onde brincar... ou a prima Joaquina que morava no 10 do Beco, cunhada desse primo, uma mulher que teve sempre muito azar na vida, teve uns amores sempre difíceis, deitou-se ao desgosto a beber vinho branco e morreu com uma barriga de água e que adorava jogar... Lembra-se do festão que se fazia na sua infância, não era comprado como é agora, dantes não era industrial: era feito por mulheres e crianças, com cola de farinha e papel do mais barato que havia, de várias cores; este era cortado em tiras, faziam-se argolas que depois se enfiavam num fio e enfeitavam todo o Beco...

Fotos 16 e 17. Calçada da Bica Grande e esquina com o Beco dos Aciprestes (anos 60).

Fotos 16 e 17. Calçada da Bica Grande e esquina com o Beco dos Aciprestes (anos 60).

73O percurso biográfico do Zé é, até certo ponto, excepcional em relação aos outros bicaenses. Licenciado, com trinta e seis anos, acumula uma actividade de editor com um lugar na Junta de Freguesia. Como ele próprio afirma – vive para o bairro: como dinamizador associativo, como intermediário com o poder autárquico, como conselheiro, como autêntico juiz da paz, por vezes, ele é, seguramente, um elemento respeitado e querido pelos habitantes da Bica. É o Zé da Bica e gosta de o ser. Vive sozinho, é divorciado: a sua mulher, provavelmente, não suportou a aliança incondicional que ele tem com os seus pares e familiares, um autêntico casamento com a sua Bica.

74Os pais vivem no no x da Calçada, num 3o andar, mas antes haviam vivido no r/c desse mesmo prédio. Duas portas abaixo, num r/c, vive uma das irmãs da mãe, casada com um irmão do Alberto que, por sua vez, e embora tenha nascido e vivido a sua infância no Beco, vive no 1o andar do mesmo edifício. A mulher deste irmão, a São, é prima da Maria de Jesus que vive mesmo em frente, e que é prima direita do José Júlio, que vive quase em frente dela, num 1o andar; duas portas acima dela, no r/c do no 20, onde nasceu o Zé e hoje vivem uns tios seus, sendo ele irmão da já referida São, vive também a sua filha Lena, prima do Zé, com a sua filha, dois andares acima...

A minha avó morava em frente à minha mãe, a minha avó num terceiro andar, a minha mãe num segundo (como ainda hoje mora), e o meu tio, filho da minha avó que mora na casa dela e, mandava-se uma corda e faziam um vaivém. «Ó Ilida, tens aí uma batata?...» Uma das marcações bonitas, naquela altura na marcha, era o vaivém: (canta) «A Bica tem/ o seu vaivém/...», a imitar o elevador a subir e a descer. E que havia muitos vaivéns de janela para janela...

75Avó que vivia em casa da bisavó, junto da casa da tia Bia, mulher do tio João que, após a reconstrução da genealogia, vemos que é, afinal, irmão da avó Natália; pertinho da Deolinda que fazia os fatos para a marcha e que, também após análise da genealogia, descobrimos que é irmã da bisavó... O emaranhado das linhas de parentesco da família do Zé é de tal forma imbricado que, muitas destas linhas foram descobertas a partir do tratamento dos registos de nascimento, e são desconhecidas pelo próprio Zé; e, mesmo nos casos em que ele consegue identificar primos e tios, muitas vezes não sabe traçar a linha que os une e acaba por me responder: Tenho de perguntar à minha mãe! ou a minha tia Lurdes é que deve saber isso!

76Todos os primos e tios do Zé Machado, que vivem ali no bairro, são maioritariamente maternos. Após a pesquisa de parentes que, de uma forma mais directa ou indirecta, com ele pudessem ser relacionados, feita a partir dos registos de nascimento, foi possível reconstituir uma rede genealógica com uma grande extensão, que se inclui em anexo (Fig. VI e Tabela XVII). Com o objectivo de dar uma ideia da importância desta grande família da Calçada da Bica Grande apresenta-se, conjuntamente um mapa das moradas onde estes familiares nasceram (Tabela XVI, em Anexo).

Redes e raízes no feminino

77Ao longo deste trabalho, são referidos alguns indivíduos em particular, pelo seu papel na organização das festas do bairro e/ou na dinamização da vida de uma instituição dependente da principal rua: o Marítimo Lisboa Clube. Como adiante será referido (Cap. 5) o número de sócios que, mais próximos ou distantes, acabam por se relacionar com esta família – aqui entendida num sentido muito alargado – é elevadíssimo, bem como os seus corpos gerentes.

78Armando, presidente da colectividade, foi viver para a Bica com 10 anos de idade. Casou-se com a Filomena, irmã do Raul, ensaiador da marcha, e prima afastada do Zé. De facto, foi uma surpresa para este último a informação deste parentesco afastado. Os meandros parentais que ligam famílias há longos anos sediadas neste enclave não parecem interessar as gerações mais jovens destas mesmas famílias. No entanto, da boca de indivíduos exteriores a estas mesmas famílias aparentadas, algumas vezes ouvi a seguinte frase: Aqueles do Marítimo são um clã. Ou: Aquilo é uma só família...

79José Florêncio, tesoureiro do Marítimo – um dos poucos cargos que sempre tem permanecido numas mesmas mãos – é padrinho de meio mundo da Bica: de casamentos e de nascimentos. É um indivíduo de poucas falas, sério, metalúrgico reformado. Pessoa muito respeitada, permaneceu um desconhecido para mim. Está casado com Josefina Amado, é como se pertencesse aos Amados, uma das famílias mais conhecidas do Pátio (Fig. VI, em Anexo). O pai do Raúl (ensaiador da marcha) e da Filomena era um dos inúmeros irmãos da Josefina. Nado e criado, como todos os seus irmãos, no Pátio, canalizador de profissão, o Eduardo morreu de repente, com 41 anos, vitimado por um ataque de coração. Todos o recordam com saudade, mas é o seu sogro – avô materno de Raúl e Filomena – que todos se lembram de ser um grande animador do bairro, conhecido pela sua capacidade de organizar festas e folias. Chamava-se Manuel Martins, mas toda a gente o conhecia pelo Manei Maluco, por causa das paródias que ele organizava, umas coisas muito malucas que ficavam na memória de toda a gente. Era um grande animador aqui da parte cultural, no Carnaval...era a pessoa principal recorda Raúl, a partir do que a mãe lhe contava quando era pequeno. O cunhado Armando, por seu lado, recorda o pai do Raúl: O meu sogro tinha sido um grande impulsionador disto, das animações aqui no bairro... e isso terá sido uma das motivações para ele, Armando, dar continuidade a estas animações, de um modo semelhante – quem sabe? – ao modo como o seu sogro e o sogro do avô do Raúl terão levado essa mesma tradição...

80Em contraposição, Fuís Florêncio – o Florêncio, como é conhecido – que, para um observador exterior tão útil se tem revelado na organização da marcha da Bica (Cap. 7), irmão mais novo de José Florêncio, nado e criado no Pátio e amigo, desde a infância, da família Amado, não parece ser tão respeitado como o irmão. Incomparavelmente menos apagado e, sobretudo, menos pacífico, casou-se com uma rapariga da Rua dos Cordoeiros e aí viveu durante uns anos: é o contra-poder em pessoa. Sempre em conflito latente com a direcção do Marítimo, ciclicamente rompe com estes. É um artista e trabalha de corpo e alma para a marcha – e nos anos em que participa, orienta o próprio ensaiador oficial, que sempre recebe os louros públicos; nos anos em que o conflito estala, afasta-se e prefere ausentar-se de tudo o que diz respeito à marcha e ao Clube. Todos o ignoram e fazem como se ele nunca tivesse existido, à excepção de um pequeno grupo de adolescentes, talvez ainda à procura de uma identidade, que o acompanham e se solidarizam com ele. Nalguns momentos mais críticos – como, por exemplo, aquando da Assembleia Geral anual para eleger novos corpos directivos – eles formam coligações com ele e abrem uma guerrilha com o clã da direcção – mesmo na ausência do seu líder. Em 1991 o Florêncio afastou-se, magoado, da preparação da marcha, por não ter sido ouvido nos seus conselhos. No ano seguinte, no entanto, dedicou-se-lhe de corpo e alma – e a marcha ganhou o primeiro prémio. Em final de 1994 afastou-se, ao que parece definitivamente, e não participou na marcha de 1995: a marcha obteve a pior pontuação dos últimos anos, não tendo sequer ido à finalíssima. O Zé Machado quase chorava, no dia em que se soube. Perguntei-lhe se a ausência do Florêncio não teria a ver com isso: Isso, sobretudo, não pode ser dito; ninguém reconhecerá isso. Mas...acho que talvez tenhas razão.

81O Florêncio vive numa espécie de região limite, dentro e fora do bairro. A sua pertença, afirma, é a Bica, o Pátio onde nasceu e cresceu. A sua mulher é exterior às redes de vizinhança da calçada e, até certo ponto, é mal vista. Pertence a um outro espaço de inserção vicinal, a Rua dos Cordoeiros, e alguns do Zip-Zip são seus amigos de infância. Da mesma forma que ele afirma que a mulher gosta mais do Zip-Zip – a Eugénia está mais agarrada ao Zip. É lógico, ela nasceu ali, viveu ali, tem amigos de infância dela, o que não é o meu caso. Sou amigo deles todos mas já não é assim de infância como ela. Ela andou com eles todos na escola – ele está mais agarrado às Escadinhas. É certo que o seu feitio é apontado como o culpado das dissensões e afastamentos a que tem sido votado; mas não menos certo é que, entre os jovens que levam os destinos da marcha e do clube com quem conversei, a visão do Florêncio me pareceu uma das mais distanciadas das tricas (intrigas) entre directores e mulheres de directores, e até do bairrismo mais radical que alguns deles demonstravam. Talvez por ser mais velho, talvez por estar casado com uma dos Cordoeiros, talvez pela sua própria personalidade e entendimento da realidade...

82Enquanto as mulheres são centrais na fixação social a um território, os homens protagonizam o bairro para fora, a partir da colectividade. Agrupam-se longe delas – no Clube, neste caso – e constroem um colectivo masculino capaz de publicitar o bairro para fora, ganhando lucros materiais e simbólicos. As mulheres ficam a gerir o bairro do lado de fora do clube, provavelmente de um modo muito semelhante ao que faziam quando grande parte dos seus habitantes masculinos ganhavam o seu pão como embarcadiços, ou pescadores, longe dali por temporadas mais ou menos prolongadas.

83Se olharmos o quotidiano do bairro, enquanto espaço residencial que é – o ram-ram que faz a vida andar, as tarefas de cuidar e tratar das casas, da alimentação, do vestuário, das crianças, dos adultos e dos velhos – os homens adultos, em idade activa, notam-se pela sua ausência. Se olharmos para a festa anual dos Santos Populares e para a colectividade que as promove – e foi este o ponto de vista do presente trabalho – as mulheres apagam-se. Com efeito, na Bica existem limites mais ou menos claros entre os espaços masculinos e femininos: as janelas e vãos de porta são mais ocupados por mulheres, a colectividade é da competência dos homens. Mas o mais importante nesta divisão talvez seja o que é mais invisível para os olhos de um observador: a gestão da economia doméstica, a língua viperina que consegue trazer para a rua a vida privada, os olhares distanciadores que mantêm os estranhos do lado de fora do bairro, as vizinhas que funcionam como eficazes canais de circulação de informação por vezes demolidores de reputações, os pequenos ódios e silêncios que conseguem dividir um bairro em múltiplos micro-mundos de relacionamento social revelam, com efeito, comportamentos próprios das mulheres. É deste modo que podemos considerar o bairro da Bica. na sua dimensão vivencial, uma estrutura informal de relacionamento interno bastante denso, baseado num enraizamento de práticas e formas de sociabilidade que fecham o bairro, tornando-o quase como que impermeável a invasões de fora. As grandes defensoras e, mais do que isso, as gestoras desta comunidade protegida são, em larga medida, as mulheres.

Fotos 18 e 19. Mulheres nas Escadinhas, homens no Beco.

Fotos 18 e 19. Mulheres nas Escadinhas, homens no Beco.

84A dificuldade que mulheres de fora encontram em se fixar no bairro ilustra bem este aspecto. A Adelaide, de Santa Catarina, que vive na parte superior do bairro, habitou durante dois anos uma casa nas Escadinhas: como ela própria hoje diz, era bom dia, boa tarde não criou relações com ninguém. Rita, mulher do ensaiador da marcha, confessa a sua não adaptação àquele bairro: é um bairro de muita quadrilhice, as mulheres gostam de falar da vida de cada um, gostam de espreitar para casa dos outros; se pudesse, mudava. Os próprios homens reconhecem a força dos juízos das mulheres do bairro. É o Zé que perante a pergunta sobre a existência de prostitutas a viver na Bica – dada a proximidade de locais de diversão nocturna tradicionalmente vocacionados também para a prostituição, como o Cais-do-Sodré – me responde: Assumidas? Um bairro destes não dá para se ser assumida... o que não impede, contudo, que ele se lembre da cumplicidade que, na sua juventude, havia entre estas mulheres-da-vida e os rapazes dali, tendo-se mesmo alguns deles tornado chulos...

85De facto, e devido a esta grande controlo social de mulheres radicadas neste território, homem casado com mulher da Bica – ou homem que viva só, como o José Júlio ou o Zé – é mais respeitado do que homem casado com mulher de bairros ou ruas vizinhas, como Santa Catarina ou Rua dos Cordoeiros, que sempre será olhada com uma certa desconfiança. Armando e Rita, ambos forasteiros, cunhados e casados com dois irmãos filhos da Bica, são bem dois exemplos deste facto: enquanto o primeiro, como presidente da colectividade que é, pode ser considerado um filho adoptivo da Bica – o marido da Mena –, a Rita esforça-se por conquistar um lugar seu; por vezes envolve-se em brigas e afirma que não gosta de ali viver.

86Os homens fazem a festa, organizam actividades desportivas, e o seu trabalho adquire uma visibilidade pública que extravasa os limites do bairro onde vivem. As mulheres, apesar da relativa invisibilidade pública do seu trabalho, contribuem decisivamente para a fixação dos homens a um território, quase como se a pertença deles ao bairro passasse por elas: os homens que nascem fora, casam com elas e assim pertencem ao bairro – juntam-se aos cunhados, sogros, vizinhos, amigos nas actividades colectivas que os unem; os homens que, apesar de nascidos aqui, casam com mulheres de fora, vivem uma situação de ambiguidade de pertença e, ou vão viver para fora do bairro, aproximando-se das redes de solidariedade da sua mulher, ou trazem a mulher para o bairro e esperam que ela sobreviva como paraquedista, no meio das outras mulheres ciosas da sua micropátria, ou, ainda, acabam por se conformar a uma separação que, de certo modo, os acaba por reconciliar com o seu bairro. Quase como se as mulheres se constituíssem como agentes de enraizamento, vinculando um sistema de interesses, representações e significações (Guerra, 1987:185) capaz de produzir e reproduzir uma identidade local.

87Não me posso deixar de recordar das conversas que no Inverno de 1990 tive no Guilhas (Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul), na Madragoa, com a namorada de um dos seus directores, Ermelinda, então com 24 anos, nada e criada na Madragoa, neta materna de um galego e de uma nortenha que trabalhara na descarga do carvão, da areia no porto de Lisboa e ainda, como vendedora de peixe de porta em porta, de canasta na cabeça. A mãe nascera na casa onde ainda vivia, na Tv. das Inglesinhas, o pai viera de Campo de Ourique. Todas as suas memórias se reportavam ao lado materno:

A minha mãe ainda estudou até à 4a classe; depois não teve possibilidade, fez costura. Aprendeu com uma senhora, a bordar, a xulear e depois trabalhou para várias casas. Era costureira, mas o sonho dela era fazer roupa para homem... fardas e as capas ali para os instrumentistas da RDP (antiga Emissora Nacional, no Quelhas, perto da Madragoa) mas o meu avô não deixou, derivado à minha mãe ser uma pessoa muito fraquinha e doente. Mais tarde, foi vender peixe para uma praça em Moscavide, trabalhar com a irmã da minha avó, que também era varina. Tinha um lugar na praça que agora é da minha madrinha, que também é madrinha de casamento da minha mãe e que é filha desta tia.

88Três mulheres – mãe da Ermelinda, sua tia e prima – que todos os dias, pelas duas da manhã abalavam para a Lota ou para o Frigorífico para comprar o peixe, depois tomavam o pequeno almoço e dirigiam-se para Moscavide, numa carrinha Volkswagen, conduzida pela madrinha, onde iam vender: tiravam as caixas do peixe, o peixe das caixas, lavavam-no, punham gelo, faziam as contas, a tabela dos preços, tudo isto antes de pôr à venda aos fregueses. Naquela altura (1990), a madrinha já vivia em Moscavide e abrira uma peixaria, onde a mãe da Ermelinda trabalhava, com a nora da tia... (Fig. 10).

Figura 10. Parentes mais próximos da Ermelinda

Figura 10. Parentes mais próximos da Ermelinda

89Do pai, ela pouco sabia: trabalhava numa oficina como pintor de automóveis e à noite de taxista: era uma pessoa de muito bailarico, corria todas as colectividades de Lisboa.. Conheço muito mais a família da minha mãe...nós não temos a mania da família. Cada um em sua casa, boa-noite e está tudo bem. Somos desse tipo. Praticamente só me relaciono com a parte da minha mãe e da minha avó. E dava a sua opinião sobre as mulheres da Madragoa:

As mulheres no bairro são muito independentes. Podem-se ver, por um lado, como independentes, por outro lado como uma ajuda, um suporte para o marido. Eu penso que é mais uma independência escondida ou, pelo menos, era. As pessoas trabalhavam. Umas por necessidade, mas outras tinham o seu pé-de-meia. Não davam contas do seu dinheiro ao marido, a maioria. Tinham o seu pé-de-meia e ninguém sabia ao certo quanto tinham. Isso era encoberto. A mulher trabalhava para ajudar o marido mas...eram pessoas rijas, activas, «vibrazes».

90Tanto na Madragoa como na Bica, a existência de um permanente sentimento de desconfiança entre as mulheres, que se reflecte muitas vezes no comportamento dos seus parceiros, chegando a envolver famílias completas num estado continuado de guerra fria (enquanto ela não aquece), é um dos casos mais interessantes observável nas relações sociais internas ao bairro. Facilmente correlacionável com o protagonismo profissional que elas aqui assumem na luta pela sobrevivência, em lugares onde parte dos homens vivem ausentes, a porrada entre mulheres é um dos aspectos mais corriqueiros e mais narrado. As trocas de diálogos em tom de provocação, num regime de sempre-ao-ataque vs sempre-à-defesa faz parte deste estado de desconfiança latente, de defesa do que é seu, de ataque rápido quando há a suspeita de que a honra foi ferida. Aqui, as mulheres parecem ser as principais defensoras activas da sua honra e vergonha – os homens surgem como excluídos. Com mais cornos ou menos cornos, os homens fecham os olhos; as mulheres, por seu turno, se enganadas, lançam-se à tareia a quem é responsávelà outra, está claro. Mas, na maior parte das vezes, elas batem-se por coisas tão comezinhas como palavras que se trocam, ou que se não trocam, um sorriso que se esboçou, um encolher de ombros que escapou, um olhar furtivo para o seu homem...

91Tal como na Madragoa, também na Bica as mulheres desempenham um papel central na definição do bairro. De um modo geral, o trabalho dos homens existe longe do bairro e o seu protagonismo local ganha visibilidade noutro tipo de actividades, como por exemplo, na organização das festas e na colectividade. Descendentes, muitos deles, de marinheiros, pescadores, operários, ou, apenas, trabalhadores não especializados, e hoje, empregados de balcão, contínuos, empregados em lugares dispersos pela cidade, eles vivem o bairro com e através das mulheres que com eles coabitam. Por isso, a Bica ainda é um bairro de vizinhas que parecem ser as suas raízes ocultas.

92Falar de enraizamento implica falar da mobilidade, entendida aqui em diferentes níveis e dimensões. As cidades são em grande medida feitas por esse fenómeno de mobilidade espacial, mobilidade esta diferencialmente vivida por homens e mulheres. Os homens, desde muito novos, que se vão apropriando e defendendo o seu território circundante ao ar livre, na rua, nos largos, em espaços abertos, no rio. Primeiro da sua rua, quando mais velhos, do seu bairro e bairros vizinhos. As verdadeiras batalhas de pedrada que, desde há séculos existem em Lisboa, ilustram bem esta conquista do espaço envolvente. As mulheres circulam, de um modo geral, por espaços mais interiores, pelas casa de familiares, de mestras, na aprendizagem precoce das tarefas domésticas e laborais que as tornarão autónomas mais cedo. Na Bica, é comum as mulheres de quarenta, cinquenta anos terem começado a trabalhar antes dos 10 anos; nessa idade, os homens da mesma classe etária recordam as suas brincadeiras, em grupo, na rua. Só mais tarde entravam no mundo do trabalho. A juventude feminina era vivida no controlo asfixiante de casas de mestras, a costurar, ou a ajudar familiares mais próximos na venda de artigos frescos, pelas ruas, sem a liberdade dos garotos que vadiavam, em bandos, à descoberta da cidade.

93Sujeitas a uma responsabilização precoce, as raparigas ficavam mais presas a uma casa, a um lugar, a uma rede de vizinhança. Os rapazes passeavam, até encontrar a rapariga com quem queriam casar, e visitavam-na, conversavam com ela à janela até que, os seus pais ou tutores, o deixassem entrar em casa. O deixar entrar em casa da rapariga era a primeira transposição de um limiar, com o consentimento do namoro, o início de um novo estadotudo dentro do espaço de vida da rapariga. Se a rapariga fica solteira, é ela que deverá cuidar dos velhos, e ficar em casa com eles. No casamento, é maior o número de homens que vieram de fora e se integraram, por via dessa união, no mundo do bairro.

94Na Bica ouvia inúmeras vezes pessoas referirem-se aos outros bairros no feminino: elas, lá em Alfama... A separação entre o lugar de trabalho e de habitação, que caracteriza o modelo de urbanismo ocidental que se desenvolveu a partir do século xix, é diferencialmente vivido por homens e mulheres; enquanto os homens trabalham fora, ainda hoje há bastantes mulheres nestes bairros populares que trabalham dentro, ou seja, não vivem essa segregação entre o mundo laborai e o mundo doméstico – da casa, dos filhos, da família. As suas tarefas prolongam, de certa forma, as tarefas domésticas e os seus trabalhos, quando as levam a sair do bairro, são de limpeza, cuidar de crianças ou velhos, lavar roupa e engomar, cozinhar e servir às mesas. A cidade é vivida de muitas maneiras diferentes e o fosso que separa a experiência vivencial de um homem e de uma mulher, na Bica é, ainda, grande.

95Na reconstrução levada a cabo, a partir dos registos de nascimento, foi possível isolar duas amplas redes familiares. A primeira radica-se no espaço da Calçada da Bica Grande há algumas gerações, a segunda fixa-se territorial mente no Largo de Santo Antoninho e Rua dos Cordoeiros. Nesta, apenas um casal é sócio do Marítimo, e a sua participação anual nas marchas, com ambas as filhas, suscita, não raras vezes, motivos de briga. A análise da fixação destas duas famílias em dois espaços contíguos, sem, contudo, se sobreporem, ilustra a ideia, implícita ao longo deste trabalho, de que os verdadeiros eixos da vida colectiva de uma cidade – neste caso, de Lisboa – se estruturam em torno de unidades microespacializadas. A territorialização das redes de parentesco que, nesta análise, parece surgir, relembra alguns factos presentes noutras sociedades onde, apesar do idioma de parentesco ser central no acender das solidariedades, de facto, é a solidariedade vicinal, que afirma a coesão de uma unidade mínima, e que acaba por impor a definição dos limites entre o dentro e o fora, entre o nós e os outros (Evans-Pritchard, 1940). A espacialização da vida social torna-se, aqui, particularmente evidente e o espaço, enquanto elo de ligação entre a pertença a um bairro (...) e o desenvolvimento de modalidades específicas de solidariedade e oposição (Guerra, ob. cit: 185), constitui-se como uma referência central nas múltiplas identidades de cada indivíduo.

Foto 20. Calçada da Bica Grande

Foto 20. Calçada da Bica Grande

Arquivo Fotográfico-CML

Notes

1 Em Portugal, a obrigatoriedade do registo dos momentos mais importantes do ciclo de vida centralizados pela autoridade eclesiástica, instalou-se desde as decisões tomadas no Concílio de Trento (1563): primeiro, do baptismo e do casamento, mais tarde, também da morte. No entanto, e embora sejam conhecidos livros paroquiais anteriores ao referido Concílio, só a partir de meados do século xix é que houve uma mais cuidada uniformização dos formulários utilizados para este tipo de registos, que foram adoptados pelo poder civil que, num gesto de força política, a partir de 1911, os colocou sob sua alçada. Os registos civis já existentes desde meados do século xix eram, até essa data, facultativos e utilizados por uma fatia ínfima da população portuguesa e, por isso, escassos e pouco representativos (Rodrigues, 1993: 74). Até à implantação da República é a igreja quem centraliza o controlo das existências e alianças dos indivíduos e, embora perca esse mesmo controlo com a queda da monarquia, o costume está de tal forma enraizado que continua a incluir no seu seio, em acumulação com o registo civil, – este sim, obrigatório – a maioria destes actos solenes. No caso de Lisboa, e segundo Teresa Rodrigues, a coerência geral que os registos paroquiais assumem para o século xix apenas regista algumas pequenas falhas – não significativas, quanto a ela – nas freguesias de ocupação popular. No entanto, e atendendo a que esta fuga ao controlo religioso é pouco colmatada pelo registo civil a cargo dos administradores dos bairros, pode-se inferir que a adequação dos registos paroquiais à realidade pecará, muito provavelmente, por defeito.

2 Atendendo a que, a partir de 1911, o registo civil passou a ser obrigatório, entre 1886 e esta data consultaram-se os Livros de Baptismo, da responsabilidade do pároco e a partir daqui passou-se para a consulta dos Livros de Nascimento, da responsabilidade das Conservatórias do Registo Civil, por abranger a população de uma forma mais completa. A informação contida em ambos os registos – paroquiais e civis-é de tal forma semelhante, que os civis parecem ser uma cópia dos paroquiais; em relação ao número de crianças abrangidas, a média anual continua a ser a mesma, o que assegura uma representatividade idêntica desta fonte em relação à população abrangida. Os livros que se referem ao período entre 1911 e 1918 estão arquivados na 3a Conservatória e, os livros anteriores a 1911 e a partir de 1918, encontram-se na 6a Conservatória, só criada nesta última data.

3 A informação contida nos assentos de casamento teria sido bastante mais reduzida da existente nos registos de nascimento analisados. A título de exemplo, os casais já casados na sua aldeia de origem não apareceriam – e não teria sido possível perceber eventuais fenómenos de migração em cadeia;o aspecto reprodutivo destas uniões teria permanecido oculto – e não teria sido possível detectar algumas transformações do grupo doméstico, como sejam as mudanças de profissão e de casa, numa área restrita, tão comuns na população analisada; as uniões de facto e outras formas de ilegitimidade, bastante comuns neste bairro, também teriam caído no esquecimento.

4 Os registos paroquiais anteriores a esta data encontram-se na Torre do Tombo. Segundo Vieira da Silva, no ano de 1943 os livros de registos paroquiais de S. Paulo ainda se achavam na posse do respectivo pároco (Silva, 1943). Só mais tarde, portanto, é que estes livros foram entregues à 6a Conservatória do Registo Civil, abrangente desta freguesia, contrariando a lei que, em Fevereiro de 1911, estabeleceu que os livros paroquiais anteriores a 1910 fossem recolhidos nas conservatórias então formadas (D’Alcochete, 1964: 172).

5 O Gráfico 2, apresentado no capítulo 3, mostra que na década de 1880 a freguesia quase duplicou na sua população, o que nunca mais voltou a acontecer.

6 Por lei, o recém-nascido era obrigado a ser registado na Conservatória da freguesia do local do nascimento, o que fazia com que, por exemplo, houvesse tantos naturais de S.Sebastião da Pedreira, freguesia onde existem bastantes maternidades.

7 Segundo o artigo 128°, do Dec.-Lei 47678 de 15/5/1967, deixa de ser obrigatório indicar a profissão no acto do registo.

8 Da informação contida nos registos de baptismo, destacaram-se os seguintes elementos: data e local do nascimento; nome, profissão, morada, naturalidade e, por vezes, idade e local do casamento dos pais; nome e, por vezes, naturalidade e residência dos avós; nome, profissão e local de residência dos padrinhos; indicação de quem declarou o nascimento e de quem assinou, entre os participantes no acto. Em relação aos averbamentos, que apenas começaram a ser obrigatórios a partir de meados dos anos 30, a indicação das datas e locais dos casamentos, nomes e naturalidades dos cônjuges, data do eventual falecimento do cônjuge e data do seu próprio falecimento.

9 Desde 1886 – ano em que se iniciou a recolha dos registos – que aparece um elevado número de casais algarvios, maioritariamente oriundos da freguesia de Nossa Senhora do Rosário, que vai progressivamente decrescendo a partir da primeira década do presente século.

10 O caso da Madragoa, rival e vizinha da Bica, com uma história bastante visível de ocupação de populações litorais do Norte, é um dos casos mais tentadores a serem explorados futuramente, numa perspectiva comparada.

11 Recolhida a partir de registos de casamento e de óbito.

12 Além da correlação existente entre o nível socioeconómico da população de uma freguesia e a quantidade de imigrantes existentes, outras relações poderiam ser procuradas, distinguindo, por exemplo, as freguesias ribeirinhas das mais interiores e analisando a distribuição dos seus habitantes no mercado laborai urbano (cf. Jean-Claude Chamboredon. 1985).

13 Foram estabelecidos quatro períodos para o tratamento e apresentação dos dados: 1886-1910; 19111926; 1927-1945; 1946-1960. Sobre os critérios desta periodização veja-se Nota Metodológica.

14 Em inícios do século residiam em Portugal cerca de 22 milhares de galegos, dos quais 12 mil residiam na cidade e termo. (Rodrigues, 1994: 53)

15 Pinho Leal escreve sobre Olhão, no seu Portugal antigo e moderno, publicado em 1874: Principiou esta povoação no meado do século xvii por um agregado de cabanas de palha, em que se abrigavam os pescadores, durante o tempo das pescarias, até que se foi tomando habitação permanente e se foram edificando casas, constituindo-se pouco a pouco uma bonita e grande aldeia(...) Pertenceu ao concelho de Faro até 1808, sendo então elevada à categoria de vila e criando-se o seu concelho(...) Deu-se-lhe então o nome de Vila Nova de Olhão ou Olhão da Restauração. Já então a vila, posto ser, na sua quase totalidade, composta de pescadores e artes correlativas, era muito florescente.(...) Tem poucas ruas largas e alinhadas, sendo a maior parte travessas estreitas e uma rede de becos e alfurjas, ressentindo-se da desordem em que haviam sido construídas as cabanas primitivas, sem que ao edificarem-se os novos prédios houvesse a mínima regularidade, mas seguindo-se as mesmas sinuosidades antigas... (230-231) Ver, também, Ernesto Veiga de Oliveira et alii (1988): 202-215, com indicação de bibliografia sobre Olhão.

16 Casados.

17 Parte da análise que se segue consta, com algumas modificações, de um artigo já publicado (Cordeiro, 1994).

18 Segundo uma tradição que parece consistente, teriam sido os ilhavenses, vindos do Norte (...)quem primeiro se estabeleceu na Costa da Caparica, até então deserta; e imediatamente após eles, os algarvios, vindos do Sul. Uns e outros, além da pesca e da organização que esta implica, trouxeram consigo os seus hábitos e costumes próprios, que implantaram nestas paragens (Oliveira et alli, 1988: 222).

19 Sobre os locais de destino das migrações de murtoseiros, escreve Jorge Arroteia: (...) destacamos Olhão, para onde os pescadores locais eram transportados nos «calques algarvios» que se dirigiam a Aveiro para vender os «carregamentos de peixe salgado» e, de regresso, levavam para o Algarve as bateiras dos pescadores murtoseiros «com as suas redes e aprestos adequados, por insignificante preço» (1984: 62-63).

20 Sobre o êxodo, fundamentalmente masculino, de Olhão, escreve Carminda Cavaco: Por vezes, as partidas (...) são tidas como não definitivas, em especial entre a população serrana e marítima no início do século, como sugere a superioridade de população residente sobre a presente.(...) E ainda sobre os marítimos de Olhão que convergiam para a região do Tejo.Tais correntes foram frequentes vezes precedidas de migrações sazonais que, ao permitirem ganhos complementares(...)retardaram muitas partidas mas que, por outro lado, facultando a familiarização com os novos lugares, facilitaram a fixação e estimularam mudanças de residência (ob. cit.: 395 e 397).

21 Sobre os Ílhavos, Ovarinos e Murtoseiros, cumulativamente designados, no Tejo, por Varinos e os algarvios, anota esta autora, numa nota de pé de página: Um curiosa referência à rivalidade entre estes dois grupos de povoadores está expressa num folheto de cordel do século xviii, editado na Catalunha, e que tem por título «Nova Relação da Batalha Naval Que Tiveram os Algarvios com os Saveiros nos Mares Que Confinam com o Celebrado País da Trafaria.» (ob. cit.: 264).

22 Sobre a classificação socioprofissional utilizada, ver Nota Metodológica.

23 À excepção da margem abrangida pelo centro histórico, segundo Vítor Matias Ferreira (1986).

24 Vizinha da freguesia de S. Paulo e que incluía parte da Bica até 1959.

25 Teresa Rodrigues refere uma subida de ilegitimidade para o final do século (1993).

26 Veja-se uma excelente recensão sobre o tema em Caroline Brettell, 1991: 227 -276, a propósito do seu estudo na freguesia de Santa Eulália (concelho Viana do Castelo).

27 Com efeito, parece que a relação entre a actividade da pesca e agrícola, que no norte caracteriza as actividades agro-marítimas, parece ser mais ténue no sul. Concretamente, os habitantes da vila de Olhão – vila de características urbanas – ligavam-se mais a actividades industriais, como complemento da pesca, do que propriamente à agricultura.

28 Muitos dos seus familiares mais próximos não se predispuseram facilmente a falar comigo, tendo-se mantido longe das coscuvilhices etnográficas de uma estranha.

Table des illustrations

Titre Gráfico 19. Distribuição anual dos registos de baptismo e de nascimento consultados (1886-1974)
Crédits Fonte: Registos de Baptismo e Nascimento (Freguesia de S. Paulo)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
Titre Figura 8. Ruas abrangidas pela recolha dos registos paroquiais e civis de nascimento (1886-1970)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Tabela 6. Naturalidades dos pais e mães dos registados: distribuição com ordenação descendente das proporções de cada distrito por período.
Crédits Fonte: Registos de Baptismo e Nascimento (1886-1960)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 368k
Titre Gráfico 20. Naturalidades, por período, de pais e mães dos registados, realçando o contributo dos dois principais distritos (Lisboa e Faro).
Crédits Fonte: Registos de Baptismo e de Nascimento (1886-1960)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Gráfico 21. Proporção, por período e em cada concelho, de pais dos registados naturais do Algarve
Légende Fonte: Registos de Baptismo e de Nascimento (1886-1960)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre Gráfico 22. Os cinco principais distritos que, à excepção de Lisboa, apresentam nos quatro períodos maior frequência de naturalidades de pais e mães dos registados
Crédits Fonte: Registos de Baptismo e de Nascimento (1886-1960)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Gráfico 23. Composição dos casais, por naturalidade, nos 3 primeiros períodos (1886-1910; 1911-1926; 1927-1945). Tabelas XVIII-XX, em Anexo
Crédits Fonte: Registos de Baptismo e de Nascimento (1886-1960)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Foto 12. Peixeiras preparando o peixe (1909)
Crédits J. Benoliel, Arquivo Fotográfico – CML
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 188k
Titre Foto 13. Varinas na venda ambulante (1909)
Crédits J. Benoliel, Arquivo Fotográfico – CML
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 220k
Titre Tabela 7. Classes profissionais dos pais e mães dos registados por período
Crédits Fonte: Registos de Baptismo e Nascimento (1886-1960)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 340k
Titre Foto 14. Grupo de operários de uma fábrica de S. Paulo (início séc. xx)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 292k
Titre Figura 9. Relação entre Quim Machado, Zequinha, José Júlio e João (Detalhe da Fig. VI, em Anexo)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Foto 15. Recolhendo fundos para os foguetes a festejar uma vitória da marcha (1970)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 244k
Titre Fotos 16 e 17. Calçada da Bica Grande e esquina com o Beco dos Aciprestes (anos 60).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 216k
Titre Fotos 18 e 19. Mulheres nas Escadinhas, homens no Beco.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 412k
Titre Figura 10. Parentes mais próximos da Ermelinda
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Foto 20. Calçada da Bica Grande
Crédits Arquivo Fotográfico-CML
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2303/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 288k

© Etnográfica Press, 1997

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search