Version classiqueVersion mobile

Um lugar na cidade

 | 
Graça Índias Cordeiro

2. Um bairro no centro da cidade

Texte intégral

Lisboa e os bairros

1A dificuldade em delimitar, com rigor, os bairros numa cidade, é bem explicitada na definição dada por Kevin Lynch: Os bairros são regiões urbanas de tamanho médio ou grande, concebidos como tendo uma extensão bidimensional, regiões essas em que o observador penetra – «para dentro dele» – mentalmente e que reconhece como tendo algo de comum e de identificável (1982: 58) Embora alguns possam ter fronteiras fortes, definidas e precisas, outros têm-nas ligeiras e incertas e, outros ainda, não possuem fronteiras visíveis. Neste último caso, a extensão máxima atribuída a um bairro como o centro mais unanimemente considerado pela maioria. (...) identifica esse bairro; não é invulgar o tipo de bairro onde o centro é bastante forte, rodeado por uma mudança temática que, gradualmente, vai desaparecendo (idem: 80,81).

2Os bairros designados como populares, na cidade de Lisboa, encontram-se, de um modo geral, neste último caso: são bairros antigos, perto do centro da cidade, inseridos numa continuidade urbanizada com séculos de história, sem qualquer espécie de visibilidade de fronteiras. No entanto têm nomes que os distinguem e, em certas situações, constituem-se como referências localizadas, com corpos colectivos de dimensões variáveis que assumem comportamentos de rivalidade territorializada.

  • 1 Com efeito, a antropologia urbana tornou particularmente evidentes algumas limitações teóricas e me (...)

3Três vertentes são indispensáveis para a análise de um bairro: a sua definição territorial, as suas características económico-sociais e as suas imagens culturais. Identificar os bairros de uma cidade – tomando aqui a noção de bairro no seu sentido genérico de entidade social e espacial mais limitada que a cidade (Noschis, 1984: 13 e 34), como um território de vida social, real e imaginária, entre a realidade e a sua representação (Bourdieu, 1989: 113) – conduz a uma necessária articulação com outras realidades locais, de maior ou menor escala, como sejam as unidades administrativas ou as unidades de vizinhança. Enquanto as primeiras se produzem no exterior das dinâmicas vicinais mais localizadas, as segundas surgem do interior do quotidiano dessas micro sociedades urbanas. Tanto uma como a outra parecem, no entanto, ser unidades mais facilmente identificáveis do que o bairro: as freguesias têm fronteiras claras, traçadas no mapa com um rigor cartográfico; as vizinhanças correspondem a nós de interacção vicinal, mais pequenas do que o bairro. Algumas questões decorrem deste exercício: qual a escala correcta para a observação e análise de um bairro? Qual o seu nível de organização socioespacial? Será o lugar simbólico intermédio entre a unidade de vizinhança mais pequena e a cidade mais abrangente? Em caso afirmativo, qual o seu lugar, entre essas pequenas unidades menores de moradores e frequentadores existentes em Lisboa, pólos atractivos de redes de relações e sociabilidades locais em constante rivalidade, latente ou manifesta (Costa, 1988: 184) e as subdivisões administrativas de tamanho variável, as freguesias, cuja dimensão, nuns casos ultrapassa a dimensão de um pequeno bairro – Bica e Madragoa –, e noutros casos corresponde apenas a uma parte do bairro, como exemplifica o caso de Alfama? Estas são algumas das questões que este trabalho pretende esclarecer. A reflexão em torno das escalas de organização espacial e social urbana que tem faltado nos estudos históricos (Saunier, 1993) e antropológicos, constituiu, afinal, um dos limites de partida no projecto em curso1.

4De significado pouco preciso, a palavra bairro refere-se, no caso português, a realidades bastante contrastantes, rurais ou urbanas (Vasconcelos, 1980, vol. II: 311 e segs.). Em Lisboa, com o aparecimento das marchas dos bairros populares, a ideia de bairro popular fixou-se, de um modo geral, nos nomes anualmente publicitados pelas marchas, referindo-se a lugares mais antigos da cidade. Na actualidade, os novos bairros que vão nascendo nos raros espaços ainda possíveis designam-se por urbanizações, ficando o nome de bairro para aqueles que exibem alguma pobreza ou precaridade, desde os de lata, até aos clandestinos, passando pelos sociais e de realojamento. A ideia de bairro merece, pois, uma breve incursão no passado, como primeira aproximação a esses bairros hoje típicos, numa cidade que neles se gosta de contemplar.

5Nos primeiros tempos da sociedade portuguesa, como ainda hoje na linguagem popular, chamava-se bairros a regiões mais ou menos extensas dos povoados com limites próprios ou convencionais. Com a mesma significação usava-se também a designação de vila, explica-nos Vieira da Silva no seu estudo histórico sobre os Bairros de Lisboa 1930: (3). Alguns destes bairros chegaram até aos nossos dias, com limites mais ou menos flutuantes; e como designação topográfica popular, e geralmente sem consagração oficial, existem hoje em Lisboa os seguintes bairros... e o autor refere 37 bairros, dos quais constam Alfama, Madragoa, Mouraria, Bairro Alto, mas não a Bica (ob. cit.: 6). Para além destes – sem dúvida, os mais importantes na circulação do conhecimento sobre a cidade haveria, nestes finais dos anos 20, muitas vilas, pátios e outras aglomerações com carácter um pouco idêntico aos bairros...(fbiàzm). A Bica, provavelmente, caberia neste último grande conjunto. Ou talvez não passasse apenas de um sítio, na acepção que Firmino da Costa dá, quando se refere a essa pulverização de pequenos lugares que, no interior dos bairros, centralizam sociabilidades (Costa, 1984a e b).

  • 2 Auxiliados por quadrilheiros. Ainda hoje se usa muito um termo – quadrilhice –, nomeadamente na Bic (...)

6Vieira da Silva traça, resumidamente, a evolução dos bairros oficiais de Lisboa ou seja, aqueles que subdividiram o território desta cidade com o objectivo de melhor o administrar e policiar. A sua gestão cabia aos corregedores e juízes do crime2 O Dicionário Jurídico de Administração Pública esclarece que, apesar de o bairro só ter surgido, como circunscrição especificamente administrativa, durante o segundo quartel do século xix, (...) como divisão oficial do território, remonta contudo longinquamente na história da nossa antiga administração loca! (1965: 654).

  • 3 O Código Administrativo de 16/3/1842 foi o primeiro diploma legal dedicado especialmente à organiza (...)
  • 4 Mocambo, Esperança e Madragoa designam, aproximadamente, uma mesma área da cidade. Madragoa é um no (...)

7Com efeito, o território das duas maiores cidades – Lisboa e Porto – foi dividido, primeiro, em bairros judiciais e, mais tarde, igualmente em bairros administrativos3 e fiscais. Embora nalgumas épocas estes fossem apenas designados por números ordinais, durante os séculos xviii e xix eles aparecem identificados com um nome, tendo algumas dessas designações permanecido até hoje em ruas, sítios e, até, bairros, como é o caso de Alfama, Bairro Alto, Mouraria, Castelo, Alcântara, Mocambo4 (Tabela 1). Estes nomes que anteriormente foram designações oficiais, contribuíram, sem dúvida, para um enraizamento na toponímia urbana de Lisboa, que hoje permanece.

Tabela 1. Bairros, Bairros Judiciais e Bairros Administrativos

1742

1820

1833

1862

Rua Nova

Rua Nova

Bairro Alto

Bairro Alto

Bairro Alto

Bairro Alto

Remolares

Remolares

Rocio

Rocio

Rocio

Rocio

Alfama

Alfama

Alfama

Alfama

Castelo

Castelo

Limoeiro

Limoeiro

Ribeira

Ribeira

Mouraria

Mouraria

Mouraria

Andaluz

Andaluz

Monte de Santa Catarina

Santa Catarina

Santa Catarina

Mocambo

Mocambo

Alcântara

Belém

Belém

Fonte: Silva, 1930

8Mais antigas do que os bairros, as freguesias de Lisboa, teriam sido instituídas ainda antes do domínio muçulmano, e a maioria das restantes foram criadas após o século xvi, a acompanhar o crescimento da cidade. Nestes tempos mais antigos, a freguesia ou paróquia designava tanto a igreja matriz ou sede paroquial, como a circunscrição territorial (Silva, 1943: 5) e integrava populações que mantinham laços de estima e identificação com as suas sedes paroquiais. Embora esta unidade – freguesia/paróquia – correspondesse, em tempos, a um segmento de população que com ela mantinha uma ligação de pertença e de identificação, a verdade é que, cada vez mais se foi transformando numa mera unidade administrativa. Os bairros oficiais, que posteriormente surgiram, definiram unidades de dimensão intermédia entre a unidade mínima administrativa – a freguesia ou paróquia – e o concelho que, sendo urbano, atingia uma elevada densidade populacional.

9As freguesias de S. Paulo e de Santa Catarina, onde se situa a Bica, pertenceram sempre a dois bairros distintos, desde o princípio do século xvii até meados do século passado. A partir de 1852 integraram-se num mesmo bairro que sofreu algumas mudanças de nome e dimensão: Bairro de Alcântara (1852), Bairro de S. Paulo (1867), Bairro de Santa Catarina (1885),3o Bairro (1919) (Tabela 2). As actuais indecisões e dúvidas sobre as fronteiras dos pequenos bairros aí existentes – tomando aqui a palavra bairro um sentido diferente – provavelmente foram-se alimentando ao longo das alterações nos limites administrativos traçados.

Tabela 2. Freguesias de S. Paulo e Sta. Catarina nos Bairros de Lisboa

Ano

N° de Bairros

Pertença de S. Paulo e Santa Catarina

1593

6 bairros

S. Paulo e Santa Catarina – 2° bairro

1608

10 bairros

S. Paulo - 6o Bairro / Sta. Catarina - 10° bairro

1742

12 bairros

S. Paulo - Remolares / Sta. Catarina - Mt. Sta. Catarina

1820

13 bairros

S. Paulo - Remolares / Sta. Catarina - Sta. Catarina

1826

13 bairros

S. Paulo - Remolares / Sta. Catarina - Sta. Catarina

1833

6 bairros judiciais

S. Paulo - Rocio / Sta. Catarina - Sta. Catarina

1852

4 bairros administrativos

S. Paulo e Sta. Catarina - Alcântara

1867

3 bairros administrativos

S. Paulo (Sta.Catarina / Mercês / S.Paulo) – 3° Bairro

1885

4 bairros administrativos

Sta. Catarina (S. Paulo + Sta. Catarina) – 3° Bairro

1919

7 bairros fiscais

M. Pombal e Sta. Catarina – 3° Bairro

Fonte: Silva. 1930

  • 5 Embora a freguesia também interfira na construção dos mapas mentais e na representação do bairro, p (...)

10Os bairros de hoje, territórios geográficos e sociais aproximativos (Brachet, 1981:31) pertencem ao domínio exclusivo da tradição oral. A divisão em bairros administrativos desapareceu e hoje a única divisão administrativa e política do território urbano é dada pela freguesia. Se a história das freguesias está em parte feita, a partir de documentação existente, já a história dos bairros de Lisboa, realidade diversa, está por fazer. A identificação dos bairros actualmente existentes na geografia da cidade de Lisboa, como unidades sociais aproximadas, surge, pois, como um primeiro passo para o estudo dos mecanismos de construção da identidade local urbana, já que é ao nível do bairro enquanto espaço de apropriação simbólica, e não da freguesia, que esta construção se manifesta5

  • 6 Só mais tarde, próximo dos anos 50, o bairro da Bica surge nalguns textos de divulgação, crónicas d (...)

11O caso da Bica, pequeníssimo sítio ou lugar, associado a uma Bica dos Olhos, a uma Bica Grande ou a uma Bica do Belo, inserido na freguesia de S. Paulo e pertencente ao Bairro dos Remolares, de Alcântara, do Rossio e, até, à paróquia civil de Santa Catarina, é hoje considerado um dos bairros mais típicos de Lisboa, ao lado de uma Alfama, de um Bairro Alto ou de uma Madragoa. Este simples facto revela uma notável afirmação de um topos urbano com uma história que, embora recente, de um ponto de vista oficial, é provavelmente bastante mais antiga do ponto de vista das suas condições topográficas, de carácter ou de hábitos da população, como escrevia Vieira da Silva a propósito de alguns bairros fundamentais na representação e no imaginário da sua cidade dos anos 20: Alcântara, Mocambo (Santos), Bairro Alto, Buenos Aires, Camões, Alfama, Mouraria, Avenidas Novas, S. Vicente...6.

12O seu núcleo duro – o seu sítio, quase se poderia dizer – que grosseiramente corresponde à Bica de Baixo (Cap. 3,) pertence à freguesia de S. Paulo, desde sempre notada pelo labor do seu porto, das suas praias, dos seus estaleiros, das suas fábricas. Vizinha desta freguesia eminentemente laborai, que sempre registou fracas densidades populacionais, situa-se a freguesia de Santa Catarina, já no século xviii densamente povoada por operários, artesãos, criadagem, etc. (Macedo, 1982: Cap. II). A Bica, igualmente residencial, embora historicamente voltada para S. Paulo, a Ribeira Nova e as actividades portuárias, marítimas, fluviais, possui traços de uma e de outra, sem pertencer a nenhuma delas. Por outras palavras, constitui-se como um nicho ecológico no limiar de dois mundos sociais, um lugar de fronteira entre duas freguesias e mais do que isso, entre duas regiões vivenciais interdependentes.

  • 7 Norberto de Araújo, por exemplo, nas suas Peregrinações (s.d.), escreve dois capítulos distintos: u (...)

13De facto, este bairro é Santa Catarina, é S. Paulo e não é nenhum deles: é a Bica. Hoje, pertence na sua totalidade à freguesia de S. Paulo e explicitamente identifica-se mais com S. Paulo do que com Santa Catarina; ontem, chegou a pertencer à paróquia civil de Santa Catarina e muitos dos seus habitantes, fosse no acto do registo de um filho, fosse na licença pedida para umas obras em sua casa, afirmavam pertencer, indiscriminadamente a uma ou outra7. As linhas que se seguem têm como objectivo esboçar, de um modo bastante vago e incompleto, alguns traços ilustrativos do contexto sócio-histórico, urbanístico e ambiental que, ao longo dos tempos, foi produzindo esse bairro único na cidade de Lisboa: a Bica.

Contexto de um lugar

  • 8 Assim canta João Zorro lá pelos fins do século xiii Lisboa debruça-se sobre o mar, não sobre o rio. (...)

Em Lixboa sobre lo mar
Barças nouas mandey laurar
Ay mha senhor velida...
8

  • 9 Veja-se a reprodução da planta recolhida por Santana (s.d.), da freguesia de Santa Catarina e de S. (...)

14O núcleo central da Bica, que adiante será melhor definido, pertence, pelo menos desde o século xviii a uma única freguesia: S. Paulo9. Criada na segunda metade do século xvi, entre 1566 e 68 (Silva, 1943: 52), esta freguesia surge numa época da história da cidade marcada por intensa vida marítima e mercantil, que marcou a fisionomia e a vida social e cultural da cidade ao longo de séculos.

15Nascida do rio, povoada por Fenícios, Gregos, Cartagineses, Romanos e Mouros, e por muito tempo alcandorada numa das suas colinas, é ao longo do século xvi, em pleno reinado de D. Manuel I, que Lisboa vai descer da sua colina até à beira-rio, modificando profundamente a sua estrutura urbana, física e simbolicamente, com a instalação da corte junto ao rio, num novo paço real rapidamente construído para fora da cerca... (França, 1980: 19; Rodrigues, 1970). Ao descer da alcáçova, desde o século xiii centro militar e político, para a Ribeira, o rei vem, afinal, confirmar a vocação mercantil e marítima de uma cidade – e de um reino – na ligação privilegiada com o seu hinterland marítimo (Brito, 1976: 26-27).

16A relação desde sempre estabelecida com o estuário do Tejo, no seu ponto de confluência com o mar, ficou, a partir daqui, consolidada e fortaleceu-se ao longo de séculos, sendo definida como essencial para o destino da capital. E o Terreiro do Paço, então levantado sobre uma praia, continua, ainda hoje, a simbolizar a dupla perspectiva da relação que se estabelece com o além-mar: a dos destinos imaginados por quem sonha partir, e a expectativa dos visitantes recebidos no deslumbramento da luz reflectida de uma cidade branca...

17O valor do seu rio constitui-se como um facto maior da história da cidade, facto este que tem sido analisado de diferentes perspectivas e ângulos. Em termos das suas actividades económicas principais – de comércio, de indústria, de administração e serviços –, em termos da expansão urbana que, desde finais da Idade Média até finais do século passado se fez ao longo do rio, e, sobretudo, em termos do seu ethos, dos seus temas identitários e do seu imaginário, Lisboa tem-se organizado, social e culturalmente, em função deste rio que abre para o mar, a ponto desta apropriação do Tejo, que aqui desagua, constituir um dos temas culturais mais abrangentes-talvez mesmo o principal.

O Tejo, com o seu extraordinário porto, está indissoluvelmente ligado à história da cidade. A expansão desta fez-se, até ao século passado, muito mais ao longo das margens baixas do rio do que para os planaltos da área ao norte da cidade. Os vales que sulcam este planalto mantiveram até muito tarde as suas características de zonas de abastecimento de verduras à cidade, inclusive os que hoje constituem duas das artérias mais movimentadas: a Av. da Liberdade e a de Almirante Reis. O Tejo não só ligava a capital com o mundo exterior como ainda foi um meio de transporte usual até uma época muito recente... (Brito, 1976: 146).

  • 10 O título completo é: Sumário em que brevemente se contêm algumas coisas assim eclesiásticas como se (...)

18É a partir do século xvi que se dá a grande transformação da Lisboa medieval, que deixa de se alcandorar no seu castelo para se tornar, não apenas numa das mais importantes cidades da Europa, como também uma verdadeira metrópole no sentido moderno do termo (Rodrigues, 1970: 96). De 60 mil habitantes em 1551 ultrapassa, em 1620 os 110 mil – um crescimento sem interrupção mesmo quando a população global do país parecia estagnar (ibidem). Desce do seu alto, e vai povoando e urbanizando a sua baixa, progressivamente. Os limites ribeirinhos de Lisboa vão-se estendendo a nascente e a poente e já são, nesta altura, marcados por dois monumentos: Madre de Deus e Jerónimos. Duas descrições, para além das iconográficas, deste século xvi, permitem-nos ter uma ideia da Lisboa, que ao longo deste século vira nascer mais doze freguesias a acrescentar às cerca de vinte do período da sua fundação, enquanto cidade cristã, reconquistada aos mouros: o Sumário...10 (1551) de Cristóvão Rodrigues Oliveira e a Descrição da Cidade de Lisboa (1554) de Damião de Góis.

Desde o templo de Santa Clara até...Santos (...) extremidade sul da cidade, a margem direita que se estende ao longo do mar (...) mede cerca de 3000 passos. Assim este lado da cidade é banhado pelo mar; os outros três lados têm acesso por terra. Por conseguinte, com as suas cinco colinas e outros vales extremamente férteis e muito aprazíveis, a cidade abarca um espaço tal que todo o seu perímetro se pode calcular em 7000 passos. Não me parece fácil, porém, desenhar a forma exacta e a descrição de Lisboa, visto assentar em terreno montanhoso e acidentado (Damião de Góis, 1988: 48).

  • 11 Eram eles a Misericórdia, o Hospital de Todos os Santos, Paço dos Estaus, o Celeiro Público, a Alfâ (...)

19Esta era a visão de conjunto que Damião de Góis se esforçava por dar; com cerca de 20 000 casas no seu interior, algumas sumptuosas, e os seus principais sete monumentos11, este autor chamava a atenção para a abundância da sua água, que brotava das suas fontes e chafarizes visíveis no litoral.

  • 12 A igreja foi edificada logo depois da reconquista cristã de Lisboa (...) no sítio onde havia sido o (...)
  • 13 A partir de 1708 passou a chamar-se Nossa Senhora da Encarnação.

20Mais expressivo, do ponto de vista estatístico, é o Sumário, que dentro das 432 ruas e travessas, 89 becos e 62 postos então existentes em Lisboa, estima cerca de 80 000 habitantes (Oliveira, 1987.) A freguesia de Nossa Senhora dos Mártires12, que em conjunto com a de Nossa Senhora do Loreto13, ocupava uma grande área a ocidente da cidade e da qual iriam ser desmembradas várias freguesias ainda antes do final de quinhentos – Santa Catarina e S. Paulo, entre outras –, contava, por esta altura, 1209 casas e 2552 vizinhos, distribuídos por 35 ruas, 4 becos e 26 postos, num total de 65 lugares identificados com um nome. Cata-que-farás, Boavista, Esperança, Santos-o-Velho, Santa Catarina, já aqui aparecem como designações que ainda hoje permanecem, e designações como capitão, praia, carreira, banda do mar mais não reflectem do que o seu limite ribeirinho. A Cordoaria Velha e Nova e a Bica do Belo aparecem aqui como nomes de «postos» e, recorda-nos, forçosamente, duas das actuais ruas existentes no bairro da Bica: a rua dos Cordoeiros e rua da Bica Duarte Belo.

21Tudo parece indicar que o lado oriental das actuais Chagas já nesta altura se começava a urbanizar, numa antecipação da futura Vila Nova de Andrade, antepassada do Bairro Alto. Sobre a sua margem ribeirinha, conta-nos o autor: é a cidade cercada de mar, lavados os muros e casas dela da mesma água que traz já em si o rio Tejo (...) cuja mansidão de águas e outras vezes braveza as casas que tem de fronte faz fazer mui aprazível vista, ocupadas sempre com muitas grossas naus e navios assim estrangeiros como do reino (Oliveira, 1987: 102-3). Nos chamados Bairros Ocidentais, as encostas em direcção ao Tejo e ao cais eram, segundo José A. Rodrigues, os lugares escolhidos pelos homens do mar – pilotos, pescadorese os mercadores, fornecedores dos navios. Abrigando quase 20% dos moradores inventariados em 1565, aí se encontravam 42% dos homens do mar (1970: 107).

22Tanto na prosa destes viajantes, como nos contornos da sua iconografia, Lisboa é-nos apresentada nos seus contrastes entre o sossego das hortas e searas dos seus arrabaldes, a ondulação das suas colinas povoadas e a planura das suas margens ribeirinhas, com praias, cais, e barcos numa azáfama permanente de pessoas e mercadorias. Júlio de Castilho, em finais do século xix, no início da sua obra sobre a Ribeira de Lisboa, retrata assim aquilo que teria sido a panorâmica do Tejo nestas épocas recuadas, a partir de um dos miradouros naturais de Lisboa: o alto de Santa Catarina ou da Boa Vista (Foto 1)

Quem no século xvi, por alguma formosa tarde de Verão, destas tardes luminosas do clima peninsular, subisse ao monte lisbonense denominado da Boavista ou de Belver (... (presenciava um dos espectáculos mais pitorescos, mais variados e mais atractivos de todo o mundo (...) a cena completa dos nossos tráficos navais. (...) Ao rés da praia os estaleiros, onde se consertavam os vasos antigos, e se edificavam embarcações de alto bordo. Enfim, por essas vielas próximas, o ir e vir da população mareira, que à beira-mar escolhe sempre o ninho, como as aves aquáticas, e na vizinhança do retroar das ondas se compraz.(...) Por toda a orla meridional desta cidade, uma das mais marinheiras da península, expande-se em cheio a actividade naval incansável do lisboeta... (1981: 15-16).

Foto. Miradouro do Alto de Santa Catarina

Foto. Miradouro do Alto de Santa Catarina

Arquivo Fotográfico – CML

  • 14 Fundou-se as Chagas de Jesus em 1542, logo seguida pela criação da de Santa Catarina em 1557, que l (...)

23Toda a área ocidental, que enquadrava este alto, ficava abrangida pelas recém criadas freguesias das Chagas (1541), Encarnação (Loreto: 1551), Santa Catarina 1559), (Santos-o-Velho (1566) e S. Paulo (1566-6814. Várias igrejas, conventos e ermidas pontilhavam a área e organizavam os paroquianos que se iam aglomerando em torno de Santa Catarina, do Corpo Santo, de S. Paulo... Ao longo dos séculos xvi e xvii, os núcleos de edificações que se aninhavam em volta das casas religiosas eram os principais factores da formação de bairros que por sua vez determinaram a criação de templos paroquiais. E essas casas religiosas fundaram-se na cidade ocidental com uma frequência assustadora (Sequeira, 1916:16). Estes paroquianos eram, sobretudo, gente ligada à expansão marítima, artesãos e marinheiros... que iam ocupando um caseamento algo irregular e modesto, que se multiplicava e não tinha já pouso na cidade, a crescer a partir do rio, subindo a encosta paralelo à muralha da cidade, em terrenos da enorme herdade pertencente a Bartolomeu de Andrade. Eram os inícios da Vila Nova de Andrade ou Bairro Alto de S. Roque, cuja edificação regularizada se realizou desde os princípios de Quinhentos e ainda pelo século seguinte (França, ob. cit.: 23).

24Embora se pense que a paroquial de S. Paulo tenha sido construída em 1412, só é certa a existência desta igreja a partir de 1593, como sede paroquial. A orientação deste templo primitivo – que ficou arrasado com o terramoto de 1755 e o incêndio que se lhe seguiu – ocupava aproximadamente o local do actual largo de S. Paulo e, contrariamente à actual igreja, tinha a sua porta voltada para o poente. Segundo o autor da Corografia Portuguesa de 1712 – o Padre António Carvalho da Costa – a freguesia, desanexada da de Nossa Senhora dos Mártires e de Santos, teria principiado numa ermida do Espírito Santo, no Beco do Carvão, tendo os fregueses construído a primitiva igreja à sua custa (Costa, 1712: 483).

  • 15 O que na cidade de Lisboa chamamos o Corpo Santo não é palácio; é uma ermida, ou o bairro, em que p (...)
  • 16 Igreja não paroquial. Era uma capela da igreja do convento da Trindade, pertencente a uma Irmandade (...)

25A igreja de S. Paulo, como a do Corpo Santo15, terão sido pólos de um intenso povoamento de gentes ligadas à faina do mar e ao comércio. Não será necessário lembrar outras igrejas e irmandades criadas e sustentadas por mareantes – como o caso das Chagas16 – para se saber que toda esta parte ribeirinha de Lisboa nasceu e se formou numa estreita dependência da navegação e do comércio.

26A história destas igrejas, como focos de aglutinação de um povoamento marítimo, é indissociável da história de certas associações profissionais e religiosas – confrarias, compromissos e irmandades – que, muitas vezes, incluíam hospitais e que, nesta Lisboa marinheira, estruturavam um quotidiano dificilmente imaginável nos dias de hoje. Desde Alfama até à Pampulha, toda a faixa ribeirinha de Lisboa – e que correspondia, grosso modo, à cidade no seu conjunto, até finais do século passado – se organizava socialmente em torno de um conjunto de actividades e celebrações dependentes desse rio-mar que dava sentido à cidade. No seu pequeno texto sobre a Confraria do Espírito Santo dos Navegantes e Pescadores do Alto, fundada no século xiv, com sede na igreja de S. Miguel de Alfama, Matos Sequeira afirma:

Confrarias de gente do mar outras havia na Lisboa quatrocentista como a «dos mareantes» na capela das Chagas da Igreja da Trindade, no século seguinte deslocada e tornada freguesia e a que tinha sede na ermida de Nossa Senhora da Graça e Corpo Santo, a Ccita-que-Farás – «Confraria dos Pescadores do Alto» – que era então a que fazia na cidade aquela famosa procissão e romaria às portas do arrabalde e à senhora dos Prazeres, levando num andor a imagem de S. Frei Pedro Gonçalves Teimo, enramada de coentros verdes (1941: 43)

27Em 1659 foi fundada, junto desta ermida, por dominicanos irlandeses, a Igreja e Convento do Corpo Santo. «Cata-que-Farás» era um aglomerado de vielas, para oeste do Corpo Santo, presididas, por assim dizer, pela Cruz de Cata-que-Farás (Castilho, 1981: 81). Inicialmente um terreno destinado a arrecadação de mastros de navios, logo seguido de habitação, e de um hospital, este populoso sítio ficava junto de uma das entradas da muralha fernandina, o Postigo do Duque de Bragança.

Foto 2. Doca do Cais-do-Sodré

Foto 2. Doca do Cais-do-Sodré

Arquivo Fotográfico – CML

  • 17 Palavra que deriva do substantivo latino remus e que designava os carpinteiros de remos que ali tra (...)

28Pelo século xix, inúmeras estalagens, pensões e casas de pasto ocupavam o, então, largo dos Remolares17, que corresponde hoje à praça do Duque da Terceira, vulgo Cais-do-Sodré. Empedrada semelhantemente ao Rossio e arborizada, é muito frequentada pelos negociantes e homens do mar, em consequência da sua posição à margem do Tejo e porque há ali mais de um escritório de agência comercial e marítima – além de cafés, hotéis, bilhares, etc..., assinalava Júlio César Machado no seu Novo Guia do Viajante em Lisboa, publicado pela terceira vez em 1872, numa edição aumentada. Era este um lugar de convívio e encontro, cosmopolita, marcado por meetings habituais de marítimos. A expressão é de Castilho que testemunha, ainda em finais do século passado:

Quem passa à tardinha pelo Cais-do-Sodré, vê do lado poente, aos pés do quarteirão oposto ao do Hotel Central, dúzias de homens ali aglomerados, conversando, e reconhece-los-á logo por gente do mar: capitães mercantes, e pilotos e mestres, e barqueiros, e marinheiros, tudo ali se junta diariamente, a falar e a ver o Tejo, e a estudar a aparência meteorológica da barra, e a encontrar amigo e a saber notícias comerciais, e a entender-se com os comerciantes; em suma: a labutar no seu ofício 1981: (95-96).

29E insiste na grande visibilidade do elemento masculino por estas paragens: há séculos que é assim, esta reunião essencialmente masculina e onde nunca aparece o elemento feminino. Já a antiga mulher alfamista fiava ou cosia em casa, enquanto o homem lidava nos galeões: «O marido batva, e a mulher arca» (idem: 96) E testemunha, ainda, quadros que ilustram a ocupação humana de toda esta faixa ribeirinha da cidade: as desavenças e brigas históricas entre marinheiros ingleses e catraeiros portugueses; as lojas volantes de barbeiro para os embarcadiços que foram proibidas em 1842; as redes dos pescadores presas nas árvores da alameda da Junqueira; os banhos no cais do Terreiro do Paço; esse dédalo de vielas muito imundas, uma espécie de amostra alfamista, com ferrarias, tabernas de última ralé e outros antros erguido sobre ruínas de casas nobres, junto do largo da Esperança e demolidas pelos anos 60 do século passado...

  • 18 Os Banhos de S. Paulo edifício construído em 1850, segundo traça original do Arq° Pedro J. Pézerat- (...)

30O Guia do Viajante, atrás referido, está cheio de apontamentos sobre S. Paulo e Boavista: inúmeras hospedarias, companhias de seguros marítimos, classificadores e corredores de navios, leilões, companhias e estabelecimentos de crédito, agências, botequins e cafés, lojas de fotografia, banhos públicos18, fontes e chafarizes, o mercado da Ribeira Nova...

31A água, que parece ter sido abundante neste lugar, chamava a atenção sobre esta área. Banhos, nascentes, poços em propriedades particulares e, sobretudo, bicas e chafarizes são algumas das referências constantes das imediações de S. Paulo. Para além do chafariz de S. Paulo, que surgiu em 1849 como resultado de insistentes pedidos dos seus paroquianos (Foto 3) tendo uma das suas bicas sido destinada exclusivamente a gente do mar, algumas bicas assinalam a zona. A água da Bica dos Olhos, já noticiada em meados do século xvi, ainda nos anos 50 deste século era utilizada para lavagens dos olhos pelas suas virtudes curativas (Castilho, 1981: 276-281; Real, 1857: 201). Ainda hoje ela é referida como um dos «monumentos» importantes de S. Paulo e, muito em particular, do bairro da Bica. Esta bica e uma outra, a Bica Grande que se encontra no pátio de um dos seus prédios – e à qual se atribui o nome da Calçada –, bem como outras fontes de água hoje desaparecidas, são um dos elementos que fazem parte de uma história local frequentemente narrada.

Foto 3. Chafariz do Largo de São Paulo

Foto 3. Chafariz do Largo de São Paulo

Roque Gameiro, 1925

Foto 4. Banhos de São Paulo (1951)

Foto 4. Banhos de São Paulo (1951)

Eduardo Portugal, Arquivo Fotográfico – CML

32A praça de S. Paulo foi lugar de comércios e indústrias várias: a primeira refinaria de açúcar, criada no tempo de Marquês de Pombal, vendas de pão e feiras são apenas exemplos remotos. Um novo mercado surgiu em 1771, chamado Ribeira Nova. Segundo Castilho, este mercado era um verdadeiro pandemónio da beira-mar:

Segundo me informa pessoa que chegou a ver tal mercado na sua feição primeira, as barracas ou cabanas dos vendedores não tinham plano; eram umas baiucas breadas, de tecto esconso ou de duas águas, e altas e baixas e mal arruadas. (...) aparecia como exactíssimo retrato da praça da Figueira, já na disposição, já na abundância do pescado e outros víveres, embora a vizinhança das águas e da população barqueira desse feição peculiar ao sítio (Castilho, 1981: 106).

33A sua centralidade intensificou-se com o aparecimento dos primeiros transportes públicos em Lisboa, a partir dos anos 70 do século passado, saindo dali uma das três linhas de americanos, em direcção a S. Bento e ao Rato, com ramais para a Estrela e o Príncipe Real (Ravara, 1982: 85).

  • 19 Nas imediações do Conde Barão e na Rua da Boavista ainda se podem ver antigos edifícios desta época (...)
  • 20 Iniciadas em 1887.
  • 21 Data de 1928 a construção da Estação do Cais-do-Sodré.
  • 22 O seu novo edifício foi construído entre 1889/91.

34Em finais do século xix e início do actual, outras transformações intensificaram a atracção da zona da Boavista e de S. Paulo. A povoada paróquia de S. Paido, referida por Castilho (1981:98), deve a densificação do seu povoamento ao despontar de uma primeira industrialização19, às obras do porto de Lisboa20, à construção da linha de caminho-de-ferro Cais-do-Sodré/Cascais21 à construção do Mercado da 24 de Julho (1882) e consolidação da sua centralidade, enfim, a todo um conjunto de actividades a proliferarem e a chamar a mão-de-obra barata de populações recém imigradas à capital (Foto 5). Outros pólos de actividade, mais restritos-como é o caso da Casa da Moeda22 ou do Arsenal da Marinha- também contribuíram para um grande desenvolvimento económico e urbano desta área. No entanto, foram sobretudo as actividades comerciais, baseadas no abastecimento de produtos alimentares e de primeira necessidade, as industriais, em especial a metalúrgica e da construção civil, e as de nave-gação e pesca, que mais contribuíram para a densificação habitacional da área construída já existente e, em muitos casos, francamente degradada. Uma nova apropriação do espaço edificado, por parte de populações oriundas de diversas regiões do país e, em menor grau, do estrangeiro, fez surgir toda uma paisagem social e cultural nova, feita de adaptações, ajustes, modificações, novas presenças e novas práticas que, infelizmente, não deixaram muitos testemunhos, passíveis de fazer história.

Foto 5. Mercado 24 de Julho com varinas (1905)

Foto 5. Mercado 24 de Julho com varinas (1905)

Arquivo Fotográfico – CML

35Um sem-número de armazéns de vinho e tavolagens, nas palavras de Castilho, e algumas casas de prostituição, no levantamento de Santos Cruz 1841), (servem de indicadores de um tipo de ocupação masculina, relativamente móvel, que caracterizava a vida desta parte da cidade. Segundo essa prospecção sobre a distribuição de prostitutas pela cidade de Lisboa, afirma o autor que alguns locais da cidade eram preferencialmente escolhidos por esta classe. Indica quase todas as ruas da Madragoa, algumas da Mouraria, de Alfama, do Bairro Alto, e refere inúmeras vezes a rua da Bica Grande, de S. Paulo, da Boa Vista, do Corpo Santo... (Cruz, 1984:124, 125). Talvez como resultado das proibições que as obrigavam a afastar de ruas principais, praças e passeios públicos, o autor apenas conseguiu localizar três ruas na freguesia de S. Paulo, onde este negócio era visível: a rua da Bica Grande é uma delas, com quatro casas e dez prostitutas de3a ordem, o tipo mais baixo e reles da sua classificação (ob. cit.: 355). Deste modo, se antes dos editais restritivos da sua liberdade, elas habitavam em maior número por toda a rua direita do Arsenal, Corpo Santo, S. Paulo e Boa Vista, (...) Loreto, Calhariz(...) (ob. cit.: 238), no momento do inquérito, já tinham escolhido outras ruas mais recatadas e escondidas dos olhares públicos. Facilmente se compreende que a localização das escadinhas da Bica Grande se revelasse óptima, escondida dos olhares dos transeuntes.

  • 23 Ver Inquéritos Industriais de 1881 e 1890, ambos editados em Lisboa: Imprensa Nacional.

36Várias ocupações, várias especializações, variadas vivências caracterizavam, portanto, S. Paulo e a Boavista: focos industriais de dimensões variáveis que empregavam homens, mulheres e crianças desde que o sol nascia até que se punha23 gigantesca casa-mercado – Mercado 24 de Julho – que ainda hoje ocupa o lado oriental da Praça D. Luís e um mais pequeno, de peixe, junto ao rio, conhecido pela Ribeirinha; toda a rua Direita de S. Paulo no movimento diário das lojas, armazéns, algibebes e casas de comida; uma linha portuária com a sua Casa do Conto, onde os estivadores eram contratados e subcontratados ao sabor das partidas e chegadas dos grandes navios de alto mar. Enfim, todo um conjunto diversificado de actividades comerciais, industriais e portuárias, percorrendo negócios do mais ilícito ao mais legalizado, animavam a área desta freguesia de S. Paulo até há bem pouco tempo, alimentando-a de fluxos permanentes de pessoas e produtos, de transportes variados e actividades diversificadas e fazendo-a participar de uma patine de cultura local ainda hoje sentida e imaginada por quantos visitam este sítio (Suttles, 1984). Alguns destes aspectos, relacionados com o labor dos fregueses de S. Paulo, serão analisados mais em detalhe, quando as origens e as profissões dos habitantes da Bica vierem a lume (Cap.4).

Foto 6. Descarga do carvão de um navio do Cais-do-Sodré 1907)

Foto 6. Descarga do carvão de um navio do Cais-do-Sodré 1907)

J. Benoliel, Arquivo Fotográfico – CML

Imigração e crescimento urbano

  • 24 Em 1864 Lisboa, com 163 763 habitantes, podia-se comparar com Marselha, então com 183 181 habitante (...)

37Contrariamente à maior parte das capitais europeias, só tardiamente, a partir de finais do século passado, é que Lisboa conheceu um crescimento mais intenso24 No entanto, mesmo se Lisboa sempre foi uma pequena cidade, comparada com as capitais da Europa, a verdade é que, comparada com a realidade urbana nacional, sempre foi excessivamente grande. Pode-se afirmar que, não só Lisboa concentrava já, durante o século passado – e mesmo anteriormente –, o maior peso de população urbana a nível nacional, como se configurava, em relação ao sul do país, como um pólo isolado de forte atracção populacional (Rodrigues, 1993: 27).

  • 25 Que pouco se alteraram até à década de 50 do século xx.

38Foi sobretudo a partir da década de 80 do último século que ela cresceu: de repente, em área, por alargamento dos seus antigos limites administrativos25, e, gradualmente, em população, pelo poder de atracção de uma indústria em crescimento e de trabalhos relacionados com as obras públicas e a construção civil de uma cidade em expansão.

  • 26 No entanto, a população nascida na cidade foi sempre cerca de metade da população total. No Censo d (...)

39Como a maioria das cidades, cresceu à custa da população vinda de fora26 (Brito, 1976: 101), compensando os seus saldos fisiológicos negativos ou fracamente positivos, com os muitos provincianos que chegavam à procura de uma vida nova (Girão, 1945). Os fluxos migratórios que, a nível nacional, canalizavam populações do norte para o sul e do interior para o litoral, desembocavam naturalmente nas cidades que polarizavam as principais actividades económicas com um especial relevo para a sua cidade mais desenvolvida – a capital – que servia, além do mais, de ligação com outros possíveis destinos de migração. Se é certo que emigração e crescimento urbano são dois grandes fenómenos oitocentistas (Rodrigues, 1993: 36), a verdade é que foi Lisboa, no panorama urbano português, a cidade que mais se destacou na integração de populações oriundas de todo o país e também da Galiza, que aqui se foram estabelecendo (ob. cit.). Com projectos mais ou menos definidos de instalação definitiva ou sazonal na capital ou de passagem para as Américas, estes migrantes foram-se fixando e repovoando os velhos bairros de Lisboa, nas suas casas antigas e, por vezes, já degradadas, abandonadas e/ou subalugadas por anteriores ocupantes que se haviam mudado para áreas mais nobres de uma Lisboa que crescia ao longo da Avenida da Liberdade em direcção às Avenidas Novas e em recentes urbanizações, como por exemplo Campo de Ourique.

  • 27 O alargamento da área da cidade, a partir dos anos de 1880, não resulta de uma grande pressão demog (...)

40Com efeito, nesse final de século, o crescimento de Lisboa devia-se, fundamentalmente, ao seu saldo migratório, que ultrapassava consideravelmente o seu saldo fisiológico. De facto, durante algumas décadas, o aumento de população não implicou qualquer aumento da sua área, que prematuramente já havia sido alargada, mas sim a colmatagem de espaços vazios, tão persistentes ao longo da história do seu desenvolvimento27.

41Contudo, este crescimento populacional com a correlata densificação do seu espaço não progrediu homogeneamente, antes definindo manchas territoriais diferenciadas, com ritmos de crescimento e de ocupação do solo claramente contrastantes. Se é certo que em finais do século xix Lisboa registava, em termos globais, uma fraca densidade populacional, sendo ainda uma cidade semi-rural, cheia de hortas e searas no seu interior, a verdade é que a sua população, maioritariamente imigrante, se concentrava cada vez mais nuns poucos bairros, sobrelotados e com reduzidas condições de habitabilidade, bairros estes que circunscreviam manchas populacionais de grande densidade social e humana.

  • 28 A partir de 1930/40 criaram-se condições para um novo modo de urbanizar a cidade, decorrente de um (...)
  • 29 Estas cinco manchas territoriais são designadas como: 1-Centro Histórico; 2- Lisboa Antiga (que inc (...)

42Vítor Matias Ferreira caracteriza o crescimento urbano da cidade de Lisboa, para o período entre 1890 e 194028 em cinco grandes «manchas territoriais»29 de acordo com um escalonamento estabelecido entre os valores de máxima «repulsão» e de máxima «atracção» demográfica (Ferreira, 1987: 95). Este crescimento varia entre o centro da cidade, repulsor, cuja população residente foi diminuindo ao longo desses cinquenta anos, e a sua periferia, mais atractiva e detentora de índices mais elevados de crescimento demográfico. Entre estes dois extremos ficam zonas que reflectem crescimentos moderados, mais intensos nos primeiros anos, mais fracos nos últimos (ibidem). Estas manchas de ocupação demográfica correspondem a uma diferenciação sociourbanística dinâmica do crescimento urbano de Lisboa e permitem diferenciar o declínio de um centro histórico da pujança demográfica das freguesias mais periféricas da cidade.

43Teresa Rodrigues (1993), seguindo a proposta de Matias Ferreira, retoma a partição de parte deste espaço descontínuo, que correspondia à Lisboa de oitocentos, e define três manchas territoriais (Figura 1), de acordo com a dinâmica populacional do século passado: o mesmo centro histórico, já em vias de terciarização, com um consequente despovoamento, incluindo as mesmas cinco freguesias referidas por Vítor Matias Ferreira: S. Julião, Conceição, S. Nicolau, Mártires, Santa Justa; um conjunto de bairros anteriores ao terramoto de 1755 que lhe sobreviveram e registaram um crescimento moderado, formando uma cintura em torno do centro histórico, abrangendo as freguesias do Castelo, Sé, Santo Estêvão e S. Miguel (Alfama), Santiago, Santo André e Santa Marinha (Graça), S. Cristóvão e S. Lourenço, Madalena, Socorro (Mouraria), Pena, S. José, Encarnação, Santa Catarina e S. Paulo (Bairro Alto e Bica), Mercês, Lapa e Sacramento e, finalmente, à volta desta cintura, toda uma área de transição entre o tecido urbano setecentista e oitocentista, a parte mais nova da cidade que conheceu um enorme crescimento populacional: S. Marnede, Santos (Madragoa), Santa Isabel, Alcântara, Belém, Ajuda e Benfica; Santa Engrácia, Beato, Olivais, Anjos, Charneca, Ameixoeira, S. Sebastião e Arroios.

44E com um mesmo objectivo de diferenciar várias «Lisboas» – entre um núcleo central e a sua periferia –, do ponto de vista do seu crescimento e estrutura demográficas, que Ana F. Santos e Françoise R. Cruz (1990: 353-369) analisam o ritmo de povoamento das suas diferentes zonas, ao longo de cerca de um século (1864-1981). A repartição em três zonas – zona central, que inclui o núcleo histórico e parte de Lisboa antiga, zona intermediária, correspondendo a uma primeira fase de expansão de final do século xix aos anos 40/50 e zona periférica, de crescimento recente – corresponde, afinal, não só a três etapas de crescimento do concelho, como a estruturas demográficas diferenciadas.

Figura 1. Zonas urbanas com crescimento diferencial entre 1800 e 1900

Figura 1. Zonas urbanas com crescimento diferencial entre 1800 e 1900

Fonte: Rodrigues, 1993

45Ficamos a saber que, se em 1864 mais de metade da população de Lisboa vivia no centro da cidade, hoje menos de 15% o habita. Os bairros situados na zona antiga da cidade sofreram, na passagem do século, um processo de densificação que se traduziu em prédios a crescer em altura, traseiras e pequenos espaços livres a povoarem-se de habitações mais ou menos precárias e inúmeros andares a fragmentarem-se em «partes de casa» e/ou quartos, albergando várias famílias. Hoje, este mesmo centro da cidade transformou-se num espaço esvaziado onde se assiste ao envelhecimento progressivo da sua população e a uma alteração da composição dos agregados familiares, que, da coabitação entre várias famílias passaram ao isolamento de um único habitante, nos mesmos espaços, antes sobrelotados.

  • 30 Designação recorrentemente utilizada pelos orgãos do poder autárquico, tais como a Câmara Municipal (...)
  • 31 Veja-se o caso paradigmático do bairro de Alfama, estudado por António Firmino da Costa e Maria das (...)

46Com efeito, se no princípio do século foi sobretudo o seu centro que albergou as vagas de migrantes mais empobrecidos, nos anos quarenta e cinquenta foram as suas periferias que os acolheram, densificando-se e alargando os limites urbanos da cidade. Diferenças demográficas que correspondem, certamente, a diferenças sociais e culturais. Os bairros antigos do seu centro possuem, hoje, uma herança, em termos culturais e vivenciais, diferente da das populações das suas margens e dos seus arredores. Mesmo nos casos em que novas populações migrantes mais recentemente se instalaram nestes bairros mais antigos – populares e históricos30 recompondo e renovando o seu tecido social, ou nos casos em que uma renovação habitacional e urbanística os valorizou e atraiu estratos sociais mais endinheirados, estes bairros ou pequenos núcleos no seu interior, continuam a afirmar-se através de sistemas culturais locais, produzindo colectividades, fado, marchas e arraiais, solidariedades de vizinhança, coscuvilhices e comportamentos mafiosos, como se tivessem incorporado uma cultura local com traços de continuidade com o passado31.

47A razão porque tão insistentemente são feitas incursões no passado, parcelares e impressionistas, tem como objectivo sugerir que a compreensão de alguns modos de vida enraizados em determinados lugares da cidade passa pela busca da sua dimensão temporal e que o tempo histórico relevante para a compreensão dalguns dos seus aspectos mais peculiares, mais tarde categorizados como tradições populares, remonta ao final do século passado, época em que Lisboa se renovou na sua população e nas suas relações económicas. Esta renovação afectou profundamente o quotidiano dos bairros então existentes e que se foram dando a conhecer como bairros pobres da cidade.

48Em primeiro lugar, devido a um aumento das densidades populacionais que os tornou bastante concentracionários, com todos os problemas de arejamento e de saúde pública, tão debatidos nos relatórios de técnicos e intelectuais da época. Este aumento implicou, na segunda metade do século, um substancial aumento de número médio de pessoas por fogo, o que levou a que neste final de século existissem zonas fisicamente saturadas, onde o número de fogos estabilizou durante grande parte do século. São disso exemplo os bairros populares, onde o número de residentes não deixou de aumentar, com o consequente agravar das condições de existência, a exemplo de Alfama e do Bairro Alto (Rodrigues, 1993: 46). Este aumento do número de almas por fogo reflecte a prática generalizada da coabitação, sobretudo nas freguesias próximas de uma primeira industrialização na margem a ocidente do rio. Santos e Santa Catarina reflectem bem este crescimento, na sua totalidade (Cap. 3). Se os dados fossem passíveis de se organizar de outra forma, que não por freguesia, a Bica, que pertencia parcialmente à última freguesia citada, provavelmente reflectiria o mesmo.

49De facto, a densidade populacional da freguesia de S. Paulo sempre se revelou pequena, devido aos imensos espaços despovoados de habitações que a constituem – zonas industriais, portuárias, comerciais. No entanto, o bairro da Bica, que, além de se estender por duas freguesias, ocupava – e ainda ocupa – menos de metade da sua superfície total, era, com certeza, como ainda hoje é, um lugar intensamente habitado, como o comprovam os testemunhos do seu edificado, que cresceu em altura, ou o de algumas fontes, como os registos paroquiais (Cap. 4). Neste caso, por exemplo, sabemos que a fraca densidade desta freguesia, em termos globais, correspondia, de facto, a uma altíssima densidade residencial, concentrada no seu núcleo habitacional. Por isso, outras freguesias, mais homogeneamente residenciais, surgem nas estatísticas como mais densas, e como tal são mais referenciadas. No caso em análise – um bairro de Lisboa – a divisão territorial mínima de freguesia, utilizada na apresentação dos dados estatísticos disponíveis, está longe de nos permitir uma visibilidade adequada à realidade social desses mesmos bairros.

50Em segundo lugar, devido à alteração demográfica, social e cultural provocada pelo incremento dos saldos migratórios. Ainda é Teresa Rodrigues que nos informa que entre 1878 e 1890 o saldo migratório foi cinco vezes superior ao fisiológico, e que durante a última década desse século foi três vezes superior. A história destes fenómenos migratórios, a inserção destes migrantes progressivamente urbanizados, e a importância de fenómenos alargados de migrações em cadeia provenientes de um mesmo lugar, terão provocado alterações profundas no mapa cultural de uma pequena cidade que durante todo o século xix tinha estagnado no seu crescimento, num ambiente de crise gerado por invasões francesas, guerras civis, etc. Se o saldo migratório é negativo durante toda a 1a metade de Oitocentos e quase nulo entre 1857 e 1864, a partir deste momento dá-se uma inversão de tendência. Após 1864 o crescimento migratório é positivo, estimado em quase 5 mil efectivos até 1878, 30547 de 1878 a 1890 e ainda 18581 na última década (Rodrigues, 1994: 49).

  • 32 Santos-o-Velho, freguesia a que pertence a Madragoa, é incluído ora na segunda coroa ora na terceir (...)

51O crescimento populacional de Lisboa em finais do século passado incidiu, com um maior peso, tanto no primeiro anel envolvente do seu centro histórico, onde se situa parte considerável de bairros, hoje conhecidos como populares: Bairro Alto, Bica, Alfama, Mouraria, Graça, S. Vicente, Castelo, Madragoa32, como na zona imediatamente contígua, que inclui bairros como Alcântara, Ajuda, Benfica, Beato, Olivais, Campo de Ourique. Este crescimento urbano induziu, no entanto, modos diferenciados de ocupação do espaço aos quais terão correspondido tipos diferentes de inserção urbana. Se confrontarmos com estes dados o mapa elaborado por Salgueiro e Garcia (1988), inspirado no olhar de Eça de Queiroz sobre a Lisboa da década de 60, podemos sugerir algumas pistas de interpretação (Figura 2).

Figura 2. Reconstituição de algumas «manchas» de indústria e habitação em Lisboa no tempo de Eça de Queiroz

Figura 2. Reconstituição de algumas «manchas» de indústria e habitação em Lisboa no tempo de Eça de Queiroz

Fonte: Salgueiro e Garcia, 1988

  • 33 A relação que melhor ilustra esta proximidade entre estratos diferentes é, talvez, a de criado(a) d (...)

52A capital queirosiana dá-nos, antes de mais, a localização periférica da burguesia endinheirada, mais ou menos aristocrática, que fugira a ocupar palacetes em novas áreas mais amplas e sossegadas (Salgueiro e Garcia, 1988: 401). O centro da cidade vai progressivamente sendo reocupado por uma população trabalhadora diversificada: operários, pequeno-burgueses, artesãos, vendedores, criados, etc. Este processo de recomposição urbana implica, forçosamente, uma simbiose complexa entre antigos e novos habitantes, e um leque de interacções entre diferentes camadas sociais que coexistem num mesmo espaço social. Convém relembrar que a relação senhorio/locatário ou locatário/sublocatário era a forma de ocupação habitacional mais comum33. Além disso, continuavam a existir alguns redutos onde a média burguesia se mantinha, como se pode exemplificar com a zona contígua à Bica – Chagas, Loreto, Chiado.

53De outra parte, embora nos deparemos, nesta figura, com uma grande concentração de estabelecimentos industriais no núcleo central e histórico de Lisboa – a Baixa, o Chiado, o Bairro Alto –, explicam-nos os autores que são estabelecimentos de pequena dimensão e já em declínio, o que não sucede com as indústrias maiores e mais modernas que vão surgindo em espaços mais vastos e pouco urbanizados, como por exemplo ao longo do rio e suas proximidades – Alcântara-Junqueira, Janelas Verdes, para ocidente, e Xabregas-Olivais, para oriente. As fábricas de Xabregas a Olivais demarcam-se pela sua dimensão e também pela sua juventude (1870) (ob. cit.: 405). Ilustra bem este facto a localização das vilas operárias, junto destas indústrias. É sobretudo esta coroa mais periférica, sugerida pela proliferação deste tipo de habitação operária, que cresce intensamente durante algumas décadas, caracterizando-se por uma população urbana com marcas de uma certa homogeneidade, profissional e habitacional. Com uma aprendizagem diferente do viver na cidade, serão todos aqueles que vão ocupar quartos, partes de casa, mansardas, águas-furtadas e trapeiras, ou pátios entalados em saguões e logradouros, nos velhos edifícios dos bairros antigos da cidade, coexistindo e relacionando-se com populações já instaladas, com estatutos socioeconómicos diversificados, e que se vão inserir num mercado de trabalho caracterizado por uma grande heterogeneidade, habitualmente desqualificado, trabalhando por conta própria ou de outrem, desde o serviçal ao vendedor ambulante.

54No tempo de Eça de Queiroz, a área da Bica enquadrava-se numa área urbana mista, uma área pobre que se estendia na frente fluvial da cidade (Aterro, Santos, Poço dos Negros), um dos núcleos antigos onde as fábricas se vinham estabelecer. Nessa Lisboa oitocentista, feita de «arruamentos, na Baixa, sombrios e fétidos», autênticas «pocilgas»...onde viviam operários e «lojistas», e de bairros como o Bairro Alto e a Mouraria, símbolos de uma Lisboa típica, de prostituição e de crimes fadistas (Salgueiro e Garcia, ob.cit.: 403), este bairro caracterizava-se, muito provavelmente, por um misto de vida fabril, na proximidade de uma primeira mancha de industrialização ribeirinha, de vida marítima e portuária, ligada à proximidade do rio, do porto e de inúmeros cais, e de todo um conjunto de actividades artesanais, comerciais e de serviços comum a todos os bairros mais antigos de Lisboa. Uma grande diversidade de interacções e dependências caracterizaria, assim, a vida social no interior de um pequeno espaço residencial, ecologicamente isolado, com traços de fechamento e ocultação bastante evidentes.

55A diferença que todo aquele que pensa conhecer a Lisboa popular sabe existir, a partir de um conhecimento socialmente partilhado e baseado no senso comum, entre, por exemplo, uma Alcântara operária, uma Mouraria mafiosa, um Beato fabril e uma Alfama fadista, é, até certo ponto, condicionada por diferentes inserções no mercado de trabalho e habitacional, por diferentes modos de socialização de vizinhança, por contrastantes paisagens locais. Os quadros de interacção (Costa, 1984b: 27-29) de um bairro maioritariamente fabril não são, seguramente, os mesmos de um bairro caracterizado por uma proliferação dificilmente classificável de estratos socioprofissionais que vivem formas de dependência diversificadas, a nível económico e político. Após uma incursão nalgumas das recentes análises demográficas e urbanísticas que têm sido feitas sobre a evolução urbana de Lisboa, é possível concluir que Lisboa se tem construído ao longo do último século como um espaço não homogéneo, integrador de múltiplas e complexas descontinuidades, no tecido urbano, social e cultural-sobre as quais tão pouco se conhece.

Vilas e pátios: os ghettos ocultos de uma cidade

56A inexistência de estudos monográficos ilustrativos de vivências locais, a nível de bairro e de rua, constituem uma lacuna grave na história de Lisboa. Esta lacuna no conhecimento do particular levou a que a profundidade temporal, tão necessária ao conhecimento das possíveis coerências sociais e culturais ocultas, fosse procurada em fontes ainda pouco exploradas no contexto urbano português. Mas, antes de desviar o olhar em direcção ao bairro da Bica fazendo ressaltar, na crueza dos dados retirados dos seus registos de nascimento, alguns dos traços particulares da sua história recente, será útil enquadrá-lo no conjunto desses espaços habitacionais, habitualmente designados como populares, pobres, escondidos, segregados – verdadeiros ghettos – que emergiram do desenvolvimento urbano do século passado e que continuam a marcar a singularidade urbanística e cultural de Lisboa.

  • 34 Uma das razões porque a mortalidade nestas áreas populares era maior, prende-se também com a falta (...)

57No final do século xix as áreas de fixação privilegiadas de estranhos recém-chegados à cidade eram os bairros que, actualmente, são conhecidos por históricos e populares. A já referida densificação que estes bairros sofreram, contribuiu para a degradação física das condições de vida destes lugares – de habitabilidade, de higiene, de saúde.34 Mas contribui também para a recomposição do seu tecido urbano, de um ponto de vista sociocultural, segundo afinidades regionais, profissionais, familiares. A forma como estas vagas migratórias, de grupos socioeconómicos desfavorecidos, afectou a vida, as relações sociais, a política, a economia, a paisagem cultural desta Lisboa de fim de século, prolongando-se, de uma forma mais atenuada, até à década de 20 – e, muito em particular, os ecos contemporâneos que a memória e o imaginário lisboeta continuam a fabricar em torno deste período crucial da sua história – não tem merecido a seriedade de uma abordagem científica, e continua a pertencer, quase totalmente, a uma história fantasiada.

  • 35 Sobre o estudo exploratório feito, neste bairro, em 1989/90, ver Introdução.

58O caso quase emblemático do bairro da Madragoa, com o seu pool de população ovarina, continua a ser um dos poucos casos exemplificativo de um marcado fenómeno de migração em cadeia, que se impôs nos contornos da identidade de uma cidade, embora ainda não tenha merecido a atenção de um conhecimento mais aprofundado35. Aliás, é curioso que o caso da Madragoa se tenha imposto na tipificação de Lisboa, com a sua varinagem oriunda da região de Aveiro, numa cidade onde o elemento migrante era, fundamentalmente, sulista. É ainda Teresa Rodrigues quem nos explica que a naturalidade destes imigrantes, que ainda entre 1890 e 1900 triplicavam os valores do excedente fisiológico, é mal conhecida.

A imigração parece envolver gente oriunda de todo o país, mas sobretudo das províncias do sul, do Algarve, Alentejo e Beira Baixa. Enquanto as gentes nortenhas emigram com destino às Américas, a sul o fluxo migratório faz-se predominantemente em direcção ao litoral e à zona de influência da maior urbe portuguesa (Rodrigues, 1994: 51).

59Outros autores têm insistido no facto de que para Lisboa imigravam os mais pobres, aqueles que não conseguiam uma reserva mínima de sobrevivência para se aventurarem a uma grande viagem rumo ao desconhecido. O que, em termos quantitativos, poderia ter levado a uma fixação em massa de gente do sul e de alguma do norte – o que não quererá dizer que não havia pobres do norte e, talvez, tivessem sido esses quem, preferencialmente, se acabaram por fixar em Lisboa, nestes bairros ribeirinhos...De facto, um conjunto complexo de factores terá contribuído para uma visibilidade diferenciada destes colectivos de imigrantes, de forma a que, a invisibilidade dos algarvios da Bica, tão contrastante com a visibilidade das varinas da Madragoa, necessitaria de um maior aprofundamento histórico e cultural (Cap. 4).

60O acelerado crescimento populacional que a cidade sofreu nas décadas que fizeram a transição do século, em consequência de um elevado saldo migratório, definiu, por conseguinte, subunidades urbanas compostas, não só de quantidades e qualidades diferentes de indivíduos, como também de construções habitacionais particulares. Uma cidade não cresce só em população e em área, também cresce em altura e por dentro: foi esse o caso de Lisboa, com os múltiplos aproveitamentos e novas funcionalidades de espaços inexistentes, diversamente inventados.

  • 36 Ver José Leite de Vasconcelos, 1980, vol II: 320 e segs.

61As chamadas vilas e pátios36 foram talvez o tipo mais característico de habitação popular urbana que proliferou na periferia e espaços ainda livres no interior da cidade, contribuindo muitas vezes para saturação de antigos bairros já fixados num conjunto urbano pré-existente.

  • 37 O pátio é constituído por um espaço murado ou envolvido por casas de habitação e agrupa, geralmente (...)
  • 38 Ambas as tipologias – pátio e vila – se referem a casos bastante diversificados o que torna, por ve (...)

62Embora se possa afirmar que a tipologia de pátio e vila não identifica duas realidades claramente delimitáveis, sabemos existirem algumas distinções importantes. Enquanto o pátio37 emerge numa primeira fase da densificação da população e do seu agrupamento precário nos bairros antigos da cidade, referindo-se a construções mais ou menos improvisadas, amontoadas em pequenos espaços desocupados ou velhas construções arruinadas no interior de bairros em processo de sobrelotação, a vila surge como um esforço de melhoria das condições de vida da classe operária, moralizando a relação de dependência entre o local de trabalho e de residência, ao criar conjuntos de módulos simples, organizada em volumes compactos,(...) destinando-se a habitação colectiva, em espaços mais arejados – e por conseguinte, mais periféricos – e com uma maior salubridade (Rodrigues, 1979: 38-40)38.

63Contudo, e para lá de todas as tentativas de classificação, estas duas formas de habitação popular urbana referem-se, de facto, a uma realidade social comum: espaços de habitação pobres, separados, segregados, tanto de um ponto de vista urbanístico, como social e cultural. Ambos surgem em espaços residenciais com um estatuto de menoridade, gerados e alimentados por uma cidade mãe que os esconde e oculta. Situados nas traseiras dos prédios ou nos seus logradouros, comunicando directa ou indirectamente com a rua através de um túnel ou pequeno corredor estreito, aproveitando becos ou recantos afastados, ou então, na periferia da cidade, qualquer destes conjuntos habitacionais vive uma situação de marginalidade, invisibilidade e estigmatização, comparável aos actuais slums, que desde os bairros de lata mais provisórios aos blocos de realojamento mais betonizados, continuam a caracterizar uma cidade segregada e pouco integrada.

64Embora o bairro da Bica, do ponto de vista urbanístico – da sua traça e do seu edificado – se integre num conjunto setecentista mais amplo, contemporâneo do Bairro Alto, de facto, ele surge como uma ilha encravada no centro da cidade, marcado por traços de ocultamento e segregação. O facto de este enclave ser ocupado por populações bastante empobrecidas, com todo o ambiente que essa ocupação pressupunha numa cidade já por si pouco limpa e pouco iluminada, contribuiu, sem dúvida, para uma certa invisibilidade da sua realidade. Ainda hoje, a sua reduzida dimensão aliada ao quase ocultamento natural provocado pelo lugar recôndito que ocupa num estreito vale semi-tapado por altos prédios, são factores demasiado evidentes para ficarem esquecidos. O paralelismo que, a nível urbanístico e sociológico, se pode estabelecer entre o seu eixo central – a Calçada da Bica Grande e um pátio de Lisboa ou ilha do Porto, é de tal forma evidente que não pode deixar de ser sublinhado.

65No entanto, este isolamento era, como continua a ser, hoje, relativo. Como bairro que é a Bica apenas se fecha enquanto «modo de habitar». Com efeito, os múltiplos «modos de ganhar a vida» dos seus habitantes sempre ultrapassaram os horizontes das suas estreitas ruas íngremes e sempre lançaram a sua população num modus vivendi urbano, caracterizado por uma grande diversidade de papéis geradora de redes de relações e interdependências fora do bairro.

66O isolamento aqui apontado refere-se aos redutos vivenciais que, na paisagem de uma cidade reflectem uma relação de evitamento entre submundos sociais e culturais, relação esta marcada por uma desigualdade profunda, propiciadora de esquecimentos, lacunas, descontinuidades na sua memória oficial. Estas não existências sociais – que, por vezes, ascendem a existências imaginadas e mitificadas – constituem-se como autênticos ghettos no conhecimento do seu passado, lugares de ignorância que parecem oscilar entre dois tipos de existência: a sua própria negação enquanto lugares de uma cidade – pela sua omissão recorrente, e a Bica encontra-se neste caso – ou a sua mitificação mais ou menos sugerida, mais ou menos elaborada, em torno de um qualquer valor indefinido de pitoresco, como é o caso de Alfama, abundantemente recriado nas páginas de Castilho a prenunciar futuros aproveitamentos ideológicos e turísticos. Uma das razões porque a Bica foi escolhida encontra-se na capacidade com que este lugar minúsculo e quase invisível conseguiu fazer-se bairro, tornando-se, mesmo, num bairro típico, e assim entrar na representação e no imaginário de uma cidade.

O enclave da Bica

Bairro Alto: traçado e urbanização

67Pelo século xv, todo um extenso domínio, situado a oeste das Portas de Santa Catarina, pertenciam a um rico judeu, astrólogo e cirurgião de grande prestígio, chamado Guedelha Palançano (Castilho, 1954: XVIII). Este domínio era composto por duas grandes herdades conhecidas pelos nomes de Boavista, a sul, e Santa Catarina, a norte. Separavam-nas um caminho – a estrada de Santos – que ligava as referidas portas ao sítio com esse nome. Estas herdades incluíam, não só o actual Bairro Alto, como também o terreno que descia até ao rio Tejo, integrando o que actualmente são as Chagas, a Bica, parte de S. Paulo, Boavista, Santa Catarina. Vicissitudes decorrentes da história das perseguições étnico-religiosas levaram a que este domínio fosse vendido a um fidalgo, após um aforamento que mais tarde foi reactualizado para um dos herdeiros do anterior aforador, Bartolomeu de Andrade: O 15 de Dezembro de 1513 é a data da fundação do Bairro Alto por corresponder à data da escritura tabelónica que iria desde logo iniciar aforamentos para construção de casas (Saa, 1929: 5).

  • 39 Segundo Mário Saa (1929), esta designação surgiu para distinguir este novo bairro de uma outra Vila (...)

68Nos princípios do século xvi, esta extensa propriedade foi, então, dividida em talhões para a edificação de casas. O traçado ortogonal que definiu a futura urbanização do Bairro Alto, numa primeira fase Vila Nova de Andrade Chagas39 numa segunda Bairro Alto de S. Roque, constitui-se, hoje, como exemplo de novas concepções urbanas duma cidade ainda medieval, expressas, em parte, por um novo corpo legislativo assinado por D. Manuel I. O novo bairro, com os seus quarteirões quadrangulares, a fachadas dos edifícios, de alvenaria, alinhadas, as ruas principais com orientação norte/sul, viradas ao mar e cortadas por travessas perpendiculares, as janelas de sacada a substituir as balcoadas que dificultavam o trânsito e o arejamento, enobreceram a cidade e, como tal, atraíram sucessivas camadas e grupos populacionais que não paravam de crescer, apertados pelas muralhas. Primeiramente, foi a sua parte sul, que se urbanizou, mais ribeirinha, entre o pequeno aglomerado urbano situado numa praia à beira-rio – Cata-que-Farás – e as portas de Santa Catarina, logo seguida dos lados da estrada de Santos, às Chagas. A parte mais próxima do rio foi sendo ocupada por homens ligados à faina do mar – mareantes, pilotos e mestres da carreira da índia e suas famílias....Construíram-se tímidas casas, quase todas para gente marítima que vinha subindo ao alto, lá de baixo desde a Boavista: capitães, mesteirais, calafates, operários das fainas navais, conta Norberto de Araújo, nas suas Peregrinações (s.d., Livro V: 83). Mais tarde, em finais do século e ao longo do seguinte, foi toda a parte norte, orientada pela igreja de S. Roque, que se urbanizou, sofrendo influências directas dos jesuítas sediados na referida igreja desde 1553 (Carita, 1994: 25-30).

69Duas fases de um mesmo conjunto urbano a que corresponderam duas ocupações social mente distintas. Se nos primeiros tempos, e com a ocupação dos terrenos mais próximos do rios os alicerces do bairro foram (...) construídos por mãos de marítimos (Saa, ob.cit.: 5), mais tarde, com a chegada dos jesuítas a S. Roque, a Vila Nova de Andrade foi perdendo as suas características de bairro popular de mareantes e mestres de naus (idem) para ser reocupado por toda uma classe de mercadores, capitães de carreira, clérigos, burgueses ricos e, naturalmente, aristocratas (Carita, 1994: 29). Se numa fase inicial o incremento desta urbanização, desde o actual Calhariz até à margem do Tejo, foi feita à custa da gente d'ofício, que dos bairros populares de Cata-que-Farás, Sapataria, Adega de Santos, Mata Porcos afluíam em cardume, num segundo momento, cederam o passo a gente d’algo, que lhes cedeu os contratos de aforamento; e eram agora escudeiros, estribeiros e cavaleiros fidalgos a darem o seu dinheiro e as suas galinhas (idem: 10). O século xviii foi, pois, o período da consolidação do bairro, tanto em termos urbanísticos como arquitectónicos. A Companhia de Jesus, a construção de um número considerável de palácios e grandes casas, a moda do coche (...) – que aqui podia circular... – instituem-se como componentes para o prestígio do bairro (30).

  • 40 Nas actuais ruas da Misericórdia e de S. Pedro de Alcântara, Loreto e Calçada do Combro, do Século, (...)

70Mas foi no século seguinte, após o terramoto de 1755 e já pelo século xix adentro, com a consequente intervenção pombalina, que o bairro viu, por um lado, redefinidos os seus limites e a sua coesão interna (ob. cit.: 31 e 35) e, por outro, entrou em declínio enquanto bairro aristocrático. Por um lado, e embora a sua traça ortogonal tenha sido preservada até aos dias de hoje, o alargamento das vias e largos que o rodeavam, bem como algumas construções e reconstruções monumentais40 definiram uma espécie de fronteira, antes inexistente, entre o interior do bairro e o seu exterior, reduzindo-o à sua parte alta. A sua parte baixa que, na área das Chagas, ficou quase destruída com o incêndio que se seguiu ao terramoto, foi dignamente reconstruída e ocupada por estratos sociais bastante elevados, de média e alta burguesia.

71Por outro lado, parte das grandes casas e palácios meio arruinados, abandonados pelos seus proprietários – muitos dos quais viram o seu poder económico e político reduzido com as medidas de Pombal – acabaram por ser arrendados para novas instalações, tais como escolas, hospitais, jornais, tipografias, ou, pura e simplesmente, habitações de estratos sociais de baixa condição, o que alterou radicalmente a ocupação do bairro, imprimindo-lhe uma nova fisionomia, novas vivências e funcionalidades.

72O bairro densificou-se e cresceu em altura; os jornais ocuparam em massa o interior do bairro, com toda essa azáfama de jornalistas, redactores, informadores, tipógrafos, livreiros, políticos a espraiarem-se pelo bairro...; a escola nacional de teatro e música instalou-se num dos seus conventos; desde finais do século xviii que artistas e escritores, crescentemente, o têm escolhido para habitação. A centralidade que acompanhou o seu empobrecimento gradual reconverteu-o num bairro novo com características de insularidade, acentuadas pela descontinuidade que os sumptuosos edifícios da sua cintura criaram com o seu interior, maioritariamente pobre e trabalhador. O bairro vivia de dia e de noite, na sobreposição, articulação e interdependência de estratos sociais diversos, nos seus locais de convívio e de comida – tabernas, casas de pasto, casas de fado – nos seus bordéis, nas suas oficinas, nas suas lojas, nas suas ruas...

73A Bica quase poderia ser considerada uma subunidade no interior deste bairro, pela sua contiguidade geográfica, urbanística e social. Se é certo que a norte, a Bica regista uma continuidade clara com o Bairro Alto, a verdade é que a sul, ela se afirma inequivocamente na sua individualidade.

74Com efeito, a parte alta da Bica, que aparece recorrentemente nas plantas do dito bairro com as suas quatro travessas – Sequeiro, Laranjeira, Portuguesa e Cabral –, apresenta uma continuidade de traçado e de edificado com os quarteirões do Bairro Alto, dificilmente separadas pela Calçada do Combro (Fig. II em anexo). No equilíbrio das suas dimensões, nas suas ruas viradas ao Tejo com as referidas travessas perpendiculares, esta Bica prolonga esse sistema organizado de pequenos quarteirões de configuração rectangular, que ocuparam o lugar da rua e beco que definiam na Lisboa medieval a estrutura urbana da cidade (ob. cit.: 47). A sua ortogonalidade é tanto mais marcante quanto o terreno sobre o qual assenta é extraordinariamente íngreme: ... Na parte que fica a sul do Calhariz, de topografia mais acidentada e talvez, também, por ter sido ocupada primeiro, a frequência das vias é menor e os quarteirões têm dimensões superiores aos da parte norte (Salgueiro, 1992: 172).

75Contudo, se na sua parte a norte o valor do quarteirão se impôs sobre a continuidade e coesão da rua medieval, o mesmo já não acontece na sua parte a sul, cujo pólo da vida social é constituído por essa enorme calçada de escadinhas – a Calçada da Bica Grande – virada sobre si própria, que absorve o beco; por outro lado, e como sugere Carita, na obra já tão citada, a Calçada do Combro, como barreira limite, e a proximidade a S. Paulo voltaram estes dois pequenos bairros (Santa Catarina e Bica) para o Tejo, separando-os do Bairro Alto (1994: 56), sendo bastante forte, no caso da Bica, a sua ligação a S. Paulo, à Boavista, à margem do Tejo; a quase ausência de vias de comunicação – um elevador e ruas não transitáveis, em escadinhas – configura um bairro pouco cruzado por veículos automóveis (só para estacionamento) o que contribui para um ambiente de protecção e um maior controlo sobre os lugares públicos, tais como rua, passeios, degraus, lojas, tascas, entre outras; uma população historicamente ligada ao porto, à navegação e à pesca; enfim, um nome que a distingue das urbanizações e/ou bairros circundantes constitui, afinal, a prova mais explícita de uma identidade própria, que nas situações mais diversificadas se afirma por oposição aos seus bairros mais próximos: Santa Catarina, Bairro Alto, Madragoa.

A Bica entre S. Paulo e Santa Catarina

76O actual bairro da Bica, definido no seu sentido mais alargado, foi durante largos séculos abrangido por parte de duas freguesias, S. Paulo e Santa Catarina. Ainda em 1959 – momento em que, houve uma redefinição da área de algumas freguesias em Lisboa – a parte de cima da Bica, a norte da Travessa do Cabral, pertencia a Santa Catarina e a sul desta mesma travessa, a S. Paulo. A Rua dos Cordoeiros registava uma dupla pertença: o seu lado norte pertencia a Santa Catarina, o seu lado sul a S. Paulo; só metade da Travessa do Cabral, no seu lado sul e apenas o lado oriental da Calçada da Bica Pequena pertenciam a S. Paulo, ficando tudo o resto sob jurisdição de Santa Catarina (Figura 3).

Figura 3. Linha de fronteira entre São Paulo e Santa Catarina, antes (A) e depois (B) de 1959

Figura 3. Linha de fronteira entre São Paulo e Santa Catarina, antes (A) e depois (B) de 1959

77Mais antigo que a Bica, o bairro de Santa Catarina era, pelo século xvi, não só uma das divisões judiciais e administrativas de Lisboa, como simbolizava, em termos de identidade, o lado ocidental da cidade. Conta Castilho, no seu Bairro Alto, que no último quartel do século xvi parece que os habitantes desta paragem eram denominados os «Catarinos», na gíria vulgar, em oposição aos dos bairros orientais, conhecidos por «alfamistas» (1954: 320).

78Segundo a Corografia Portuguesa... (1712), nos inícios do século xviii a freguesia de Santa Catarina, então com 1316 vizinhos e 5354 pessoas, incluía as rua do Cabral, rua da Bica Grande, rua do Cypreste, rua da Bica Pequena (...) rua das Escadinhas, rua do Almada, travessa do Laranjeiro e travessa do Siqueyra, entre outras (Costa, 1712: 489). Nesta mesma obra, S. Paulo, apenas com 550 vizinhos e 2900 pessoas, circunscrevia-se à sua parte mais ribeirinha, e incluía a bica de Duarte Bello com uma morada de casas (...) um beco com saída para um largo que chamam o Terreirinho de Santo António (actual Calçada da Bica Pequena, na parte que nasce da Rua de S. Paulo e Largo de Santo Antoninho) e uma calçada que vem do monte de Santa Catarina e a qual se chama de Salvador Correia de Sá (idem). Embora haja uma certa margem de indefinição sobre a sua localização exacta, com estas referências a nomes de ruas e suas descrições vemos que parte da actual toponímia deste bairro já existia nesta época recuada. Além disso, parte considerável da Bica hoje pertencente à freguesia de S. Paulo, fazia parte da sua vizinha Santa Catarina.

  • 41 Convém, talvez, relembrar, que Santa Catarina é uma das freguesias pertencentes ao Bairro Alto.

79De facto, a análise de alguns documentos posteriores à Corografia citada confirma uma relativa permanência desta divisão até 1959. Embora algumas destas ruas surjam como pertencentes já a S. Paulo-Rua da Bica Grande, Beco dos Ciprestes ou Aciprestes, Rua da Bica Pequena-outras continuam a pertencer a Santa Catarina. Analisadas as plantas das duas freguesias no século xviii (Santana: s.d.) e tomando como referência o Dec.-Lei de 18 de Julho de 1885, pode-se concluir que os limites destas duas freguesias se mantiveram com uma certa estabilidade até 1959. Com efeito, até esta data a fronteira S. Paulo/Santa Catarina separava a Bica em duas, confirmando a actual percepção de uma Bica de Cima e uma Bica de Baixo. Se a primeira regista, apesar de tudo, alguma visibilidade nos textos históricos – Júlio Castilho, por exemplo, refere algumas ruas desta parte na sua obra sobre o Bairro Alto, ruas estas que, além do mais, aparecem normalmente nos mapas deste bairro41 – a Bica de Baixo revela-se, precisamente, na invisibilidade que decorre do silêncio dos textos.

80Em 1959 toda a parte superior da Rua da Bica Duarte Belo e suas travessas – Sequeiro, Laranjeira, Portuguesa – foram incluídas na freguesia de S. Paulo, criando, assim, uma espécie de chapéu nos contornos superiores desta freguesia. O Decreto-Lei no 42 142 de 7/2/1959 aponta, como razões para uma nova definição dos limites das freguesias de Lisboa, factores de ordem demográfica, geográfica e urbanística.

  • 42 Já em 1955, nas reuniões da Câmara Municipal de Lisboa se discutia a pouca adequação da divisão ent (...)

81A necessidade de um ajustamento de áreas e populações paroquiais, criando novas freguesias nas zonas de expansão e extinguindo algumas do centro da cidade levou a que uma redefinição administrativa fosse promulgada, devido ao desequilíbrio provocado pelo crescimento populacional nos bairros novos e o despovoamento dos antigos, no centro da cidade42. De um ponto de vista urbanístico, são vários os casos de bairros e quarteirões cortados a meio por linhas divisórias..., provocando uma divisão ilógica, que não respeita as unidades geográficas nem as mais elementares regras de urbanística, cheia de imprecisões e casos duvidosos. Por conseguinte, este decreto-lei suprime duas freguesias, cria doze novas e ajusta os limites das restantes quarenta e uma.

82Os critérios explicitados neste decreto tentaram conjugar uma boa forma urbana – respeitando a lógica urbanística na definição das linhas de separação entre freguesias e ao mesmo tempo (um critério) de simplicidade e clareza, fazendo-a passar quase sempre pelas linhas de separação naturais, tais como vias férreas, arruamentos de grande circulação automóvel, zonas mortas e acidentes topográficos – com uma certa homogeneidade social e numérica da sua população, assim como a acessibilidade a um sem número de serviços. Procurou-se que as freguesias correspondessem, tanto quanto possível, a comunidades definidas por uma população socialmente homogénea e não muito numerosa, habitando uma área naturalmente delimitada e dotada de serviços públicos mais comuns (igreja, escolas, etc.). Além destas preocupações, uma outra, de respeito pela tradição, presidiu à denominação das freguesias: tanto nas novas, como na alteração dos nomes das antigas que, na primeira República, haviam sido modificados. Só em 1959 S. Paulo se voltou a chamar S. Paulo, após ter sido designado por Marquês de Pombal, durante quarenta e seis anos.

83Se nos debruçarmos sobre o caso da Bica – e Bica, aqui, é entendida como uma área naturalmente delimitada pelo vale entalado entre o monte das Chagas, a Oriente e o de Santa Catarina, a Ocidente, e que corre paralela à linha do elevador que, a partir de 1892, facilitou a ligação entre o seu topo e a sua base – percebemos algumas das razões que terão levado a alteração de fronteira feita entre estas duas freguesias vizinhas.

  • 43 E mesmo anteriormente. Ver Borges de Macedo, 1982.

84O problema do quantitativo de habitantes, em primeiro lugar. Pelo menos desde o século passado43 que a freguesia de Santa Catarina tem sido das áreas mais densamente povoadas da capital, predominantemente residencial (bairro de Santa Catarina, parte do Bairro Alto e, até 1959, parte da Bica) próxima de áreas fabris (Boavista, Conde Barão) e comerciais (S. Paulo, Mercado da Ribeira). A uma superfície relativamente reduzida sempre tem correspondido uma grande concentração populacional, sobretudo residencial, o que a distingue da sua vizinha S. Paulo, ribeirinha, com uma área substancialmente maior abrangente de um espaço vazio, do ponto de vista habitacional, ocupada pelo Porto de Lisboa e suas actividades, Mercado da Ribeira, linha de caminho-de-ferro, Cais-do-Sodré. Esta freguesia, com uma área residencial reduzida, a norte, revela um desequilíbrio com a sua vizinha Santa Catarina no que respeita à relação entre superfície e habitantes.

85O problema da lógica urbanística, em segundo lugar. A Bica terá sido, talvez, considerada uma área natural, tomando como eixo viário a Rua da Bica Duarte Belo, com o conjunto de perpendiculares (travessas e rua dos Cordoeiros), paralelas, prolongamentos (Calçada da Bica Grande e Calçada da Bica Pequena) e o Largo de Santo Antoninho. Os acidentes topográficos e os eixos rodoviários que circundam o vale, em conjunto, foram, talvez, as principais linhas de separação naturais que terão contribuído para esta nova fronteira, a passar pelo Calhariz, rua de circulação intensa, no topo da colina, e as ruas laterais, ruas das Chagas e de Marechal Saldanha, quase planas, de menor circulação mas, delimitadoras dos dois altos: Chagas e Santa Catarina. Todo o interior do «chapéu» que a Bica constituiu, não só não possui trânsito rodoviário, como se afunda em relação a estas duas ruas laterais, e quase todas as travessas referidas incluem no seu topo degraus que ajudam a transposição até essa parte de cima da cidade, mais plana. Em termos do seu traçado urbanístico, de que falaremos mais adiante, parece existir uma coerência de conjunto, apesar do edificado da sua parte de cima não ser equivalente aos velhos edifícios, mais degradados, da parte baixa.

86Vemos assim que a actual inclusão do bairro da Bica na freguesia de S. Paulo é algo bastante recente na sua história – cerca de 30 anos – o que nos permite reequacionar o problema da sua clivagem interna entre uma Bica de Baixo e uma Bica de Cima, facto que se impôs no decorrer do conhecimento do bairro. Terá esta anterior divisão, do foro administrativo, correspondido e/ou acentuado uma diferenciação social entre o topo do, actualmente considerado bairro da Bica, e a sua parte baixa? Ou terá sido, apenas, um caso de separação arbitrária de um bairro, que foi corrigido com uma nova delimitação? Será a definição alargada de Bica, nos anos 90, um produto, até certo ponto, desta nova redefinição administrativa, ou, pelo contrário, já existiria essa noção alargada independentemente dos limites administrativos? Ou será que a Bica do século passado correspondia, apenas, à sua parte baixa, pertencendo o seu topo ao Bairro de Santa Catarina?

87Perguntas que estão condenadas a não terem resposta. Os bairros são realidades dinâmicas, que se criam e se reproduzem de acordo com vivências e representações partilhadas, num entrelaçado complexo de determinações: socioprofissionais, culturais, administrativas, territoriais. De facto, as freguesias também registam um certo dinamismo – como se pode deduzir pelas suas modificações ao longo dos séculos – que decorre, por um lado, da realidade social onde se baseiam, mas que também acaba por influir nessa mesma realidade social. Mais do que procurar causas e consequências, é importante destrinçar alguns elementos que coagem na produção de uma determinada realidade urbana: o bairro. A Bica de há cem anos atrás era, de certeza, uma realidade profundamente distinta da Bica de hoje. O que hoje podemos definir como uma Bica mais abrangente e mais restrita, é válido para o presente e, apesar de poder conter no seu interior elementos de uma historicidade mais remota – e talvez sejam esses elementos que ajudam a esclarecer algumas zonas de ambiguidade – não nos podemos esquecer que a actual Bica, relembrada e contada aos de fora, terá mais a ver com uma história recente que se liga ao presente, num misto de lembranças/esquecimentos/invenções, do que com qualquer factualidade histórica independente da memória imaginativa dos indivíduos.

88A realidade da Bica, de facto, interpenetra-se com a realidade de Santa Catarina e de S. Paulo. No entanto, a distinção que, ao nível das representações, se estabelece entre a sua parte de cima e a sua parte de baixo, é significativa da maior relação que esta última tem com S. Paulo, e a relação que aquela possui – e, razoavelmente, sempre possuiu – com o Bairro Alto e Santa Catarina. A ligação que o elevador teve por objectivo estabelecer, em finais do século passado, entre o Calhariz e S. Paulo, proporcionando um percurso rápido e directo para os moradores do Bairro Alto, Santa Catarina e mesmo das Chagas, que trabalhavam nas obras e serviços do porto e núcleos industriais e comerciais instalados em S. Paulo e nas zonas do aterro da Boavista (Ferreira e Calado, 1992: 31) terá talvez contribuído, não para uma homogeneização das duas Bicas, mas sim para uma maior marginalização e ocultação da sua parte baixa e, muito concretamente das Escadinhas da Bica Grande, a partir de então completamente desviadas do percurso dos transeuntes que se passou a fazer dentro de um elevador pela rua que lhe fica paralela: a da Bica Duarte Belo.

89Esta é outra das razões porque esta Bica Grande foi encarada quase como um objecto natural para uma pesquisa microlocalizada. Para além da busca de um lugar, individualmente percepcionável no presente, que permitisse uma análise etnográfica, também a perspectiva temporal, passível de um enquadramento histórico do bairro, dos seus habitantes e das suas actividades – e, por conseguinte, uma articulação com a envolvente urbana no tecido urbano mais vasto – se tomava necessária. As questões relacionadas com a sua composição socio-profissional e com a origem dos seus habitantes, assim como as redes de relacionamento estabelecidas a nível dos vários parentescos – de sangue, apadrinhamentos, entre outros possíveis – mereciam uma abordagem histórica apenas possível através da consulta de registos paroquiais e civis. Só se tomava viável empreender esta pesquisa dentro duma mesma circunscrição administrativa – já que os arquivos se organizam de acordo com as partições existentes. Era a parte baixa da Bica que sempre tinha permanecido na mesma freguesia – S. Paulo o que, aliado à sua inclusão unânime no bairro da Bica me levou à opção de me concentrar na envolvente da Calçada da Bica Grande.

Um bairro invisível no coração da cidade

90A Bica é um dos bairros típicos de Lisboa. Esta é uma afirmação de senso comum, largamente partilhada por todos aqueles que o dizem conhecer e que repetem que ele é um dos bairros populares onde as tradições bairristas melhor se exprimem. Sendo de reduzida dimensão, se o compararmos com esse bairro considerado o mais típico – Alfama –, a Bica surge, no conjunto destes bairros populares, com uma originalidade bem marcada que, por algumas razões que de seguida se apresentarão, logo sugere um estudo antropológico.

91Em primeiro lugar, pela sua pequenez. O bairro da Bica, na sua definição mais abrangente, ocupa uma dezena de arruamentos de dimensões variáveis. Tem um beco, cinco travessas, três ruas que fazem fronteira com Santa Catarina, duas calçadas e um largo (Figura III em anexo).

92A superfície abrangida é bastante pequena, mesmo se o compararmos a esse outro bairro vizinho, semelhante em muitos aspectos, e que é mais pequeno que a freguesia que o integra, tal como a Bica: a Madragoa. De todos os bairros populares, a Madragoa destaca-se, não só pelas múltiplas associações que se fazem com Lisboa – fonéticas, metafóricas, poéticas, etc. – como também por ser pequeno. Pois a Bica é incomparavelmente mais pequena, em área e em população.

  • 44 A funcionar a partir de 1892, datando a sua autorização de 1888 (Capitão, 1974: 96).

93Em segundo lugar, pela sua pouca visibilidade. Paradoxalmente, a Bica que todos conhecem de nome, associada a uma imagem vaga de bairro popular lisboeta, é relativamente pouco conhecida e raramente localizada na geografia da cidade. O elevador44 que tomou a sua designação – o elevador da Bica – é, talvez, o elemento que melhor a identifica para o cidadão comum «conhecedor» da cidade, embora a sua linha passe ao lado do seu núcleo menos conhecido: a Calçada da Bica Grande.

  • 45 À excepção do restaurante Bicaense, que se pode encontrar nalguns roteiros turísticos e gastronómic (...)
  • 46 Na Madragoa, nos anos 40 havia 20 tabernas e 3 outras “casas de comida” e que hoje há 3 tabernas e (...)

94Com efeito, sabe-se que alguns factores, tais como a existência de comércios, a passagem de transportes públicos e trânsito automóvel ou a existência de pontos de interesse turístico, contribuem para a visibilidade de um bairro. A Bica é desprovida de todos eles. O seu comércio é apenas local e para locais, desde os pequeníssimos restaurantes situados na linha do elevador45 até às poucas mercearias existentes. Mais uma vez, se compararmos com a Madragoa, que nalgumas dezenas de anos viu o bairro crescer em interesse turístico também, e sobretudo, pelos seus restaurantes46, vemos que apenas uma rua da Bica – a Bica Duarte Belo – se tem, por assim dizer, aberto mais à gente de fora, e mesmo assim, muito pouco.

95O único transporte público ali existente é o elevador, e não se pode considerar que cruze o bairro; de facto, percorre de alto abaixo uma única artéria, a já citada Rua da Bica Duarte Belo, que fica completamente ocupada por este vaivém ininterrupto, que pouco espaço lhe deixa para outras actividades. As únicas vistas que deste funicular se podem obter limitam-se aos estreitos passeios da rua, aos flashes das suas travessas e às portas e janelas baixas das casas que quase roçam o elevador. A sua zona central, as Escadinhas permanecem ocultas, por detrás dos prédios. Por outras palavras, a circulação deste elevador unindo dois pontos exteriores ao bairro – o Largo do Calhariz e a Rua de S. Paulo – contribui para uma maior separação entre o citadino que se mete dentro de um elevador para subir a colina e o bairro que apenas é entrevisto e imaginado das suas janelas.

96O trânsito rodoviário é inexistente neste bairro – e esse é, talvez, um dos seus aspectos mais marcantes. A existência de uma imensidão de escadinhas a encabeçar as calçadinhas de basalto, a linha do elevador, defendem toda esta colina do tráfego, onde se encaixa o bairro da Bica. Em relação aos seus pontos de interesse turístico, pode-se afirmar que o único ponto turístico verdadeiramente atractivo, são as festas dos Santos Populares, em Junho; monumentos, não os há; e as melhores vistas obtém-se do seu lado de fora: é do topo da linha do elevador – ao Calhariz – que se pode alcançar a melhor panorâmica sobre o Tejo e a Outra Banda (Almada, Cacilhas, Trafaria, etc.) recortada pelos edifícios.

  • 47 Lamentavelmente, não foi possível obter o valor das cotas para a construção de um perfil topográfic (...)

97Em terceiro lugar, pelo seu encravamento topográfico e urbanístico. A Bica ocupa o vale entalado entre os declives de duas das inúmeras colinas da Lisboa ocidental – do Alto das Chagas e do Alto de Santa Catarina –, constituindo-se ela própria como um declive inclinado, que cai do ponto cimeiro de ligação entre os dois montes referidos (Chagas e Santa Catarina) para sul, em direcção a toda a faixa plana que em finais do século passado foi roubada às margens do rio e que actualmente abrange toda a área entre a Rua de S. Paulo/Rua da Boavista e o rio. A densidade com que o edificado ocupa este quase desfiladeiro perpendicular ao rio e, sobretudo, os altos edifícios pombalinos que ladeiam o lado norte da Rua de S. Paulo, não permitem uma visão de conjunto da urbanização do bairro, ocultando-o. Só subindo até uma perspectiva aérea ou então entrando pelas suas ruas íngremes dentro, ele pode ser apreendido. A análise cartográfica e topográfica revelam-se, neste caso, instrumentos indispensáveis para um reconhecimento do local47.

98A situação da sua rua principal, – a Calçada da Bica Grande, ou Escadinhas da Bica Grande, segundo designação local – integrada na trama de ruas e casas que a enquadram, embora até certo ponto isolada, acentua esta separação entre o dentro e o fora da Bica. Quem dela se aproxime, pelo lado de cima, do Calhariz, pode descer pela linha do elevador até ao Largo de Santo Antoninho, não se apercebendo da calçada que lhe fica paralela, do seu lado esquerdo, escondida atrás dos edifícios altaneiros que a cercam. As duas travessas que com ela comunicam, para quem desça pelo lado alto da cidade, são ambas enganadoras: a Travessa do Cabral, que desemboca no alto das Chagas com as suas escadinhas a subirem a perder-se de vista, esconde, mesmo a meio, o topo da referida calçada, a um olhar desatento lançado da Rua da Bica Duarte Belo; e a Travessa da Bica Grande, pequena, escura e apertada num dos recantos do referido largo mais sugere um beco sem saída pouco apetecível de transpor. Por seu turno, quem, pelo lado de baixo da cidade, se aventure a procurar a Bica e caminhe pela plana e movimentada Rua de S. Paulo, arrisca-se a passar pela «entrada» da calçada sem notar. A sua entrada apenas é um pequeno intervalo numa sucessão ininterrupta de altos edifícios oitocentistas, entrada esta que, devido a uma escuridão acentuada pelo estado de degradação e enegrecimento das fachadas laterais desses mesmos edifícios de frontarias luminosas, e devido ao início de uma encosta íngreme polvilhada de degraus a perder de vista, sugere indubitavelmente um beco, um pátio ou uma vila com os traços de fechamento que lhe são próprios. A consciência desta porta de entrada, desta fronteira entre a movimentadíssima Rua de S. Paulo e o início dessa calçada quase privada para uso dos seus habitantes é de tal modo forte que se conta mesmo que dantes havia um portão de ferro que se fechava de noite para só se abrir de manhã, defendendo, assim, os seus habitantes do exterior.

99Em quarto lugar, um outro factor, mais sociológico, contribui igualmente para a pouca visibilidade social da Calçada da Bica Grande e das ruas que a enquadram – Beco dos Aciprestes e Travessa da Bica Grande, sobretudo – já por si situadas longe dos olhares indiscretos dos transeuntes e do trânsito confuso da parte baixa da cidade: o seu ambiente humano e social, pouco disposto a suportar olhares anónimos e curiosidades desconhecidas. No seu interior todos se conhecem e este simples facto contribui para um alto grau de controlo social, verdadeiramente dissuasor em relação a todo o estranho que se lembre de para ali espreitar. O simples facto de começar a subir os seus degraus, numa intenção de invasão deste espaço quase doméstico, é inevitavelmente acompanhado de olhares silenciosos altamente constrangedores, muitas vezes até de algumas perguntas sobre as intenções de tal incursão. Só com um objectivo concreto – uma fotografia turística, a busca de uma nota exótica, uma exploração etnográfica – é que alguém aceitará de boa vontade o mal-estar quase físico que as presenças desconfiadas dos seus habitantes comunicam através dos seus olhares interrogativos.

100A densidade da sua rede de relacionamento social, baseada num elevado grau de interconhecimento, é, com efeito, um dos dados que surge logo num primeiro contacto com a parte baixa do seu bairro. Este conhecimento interpessoal contribui para esse ar tão típico, que se revela na familiaridade descontraída com que as crianças brincam nas escadinhas sob a atenção escondida das muitas mulheres presentes, nos pequenos objectos abandonados na soleira das portas abertas, apenas protegidas por um cortinado, nos largos lençóis e toalhas que esvoaçam no ar roçando a cabeça de quem passe, nas conversas que fazem parar vizinhos a meio de uma escalada ou lançam gritos cruzados entre janelas, nos caracóis que se saboreiam numa mesa improvisada entre duas portas... A rua constitui-se aqui como um espaço familiar de comunicação, de vivências lúdicas, dos pequenos grandes trabalhos do quotidiano. No princípio do Verão, em Junho, mês dos santos, ela enfeita-se e festeja-se e é nessa época que a Bica irrompe numa imagem mitificada e embelezada, através do seu arraial mas, sobretudo, através da sua marcha que, em exibições para o exterior do bairro, lhe dá a sua máxima visibilidade, construindo-o como objecto de admiração e enaltecimento, como mito vivo aos olhos de si próprio e de toda a cidade.

  • 48 Segundo Barry Wellman e Barry Leighton, este conceito identifica bairro e comunidade, e refere-se a (...)

101A sua dimensão reduzida, a pouca vida comercial, a ausência de tráfego, a intensidade das suas interacções sociais quotidianas e o seu encravamento quase natural contribuem, em conjunto, para dois resultados contraditórios: uma reconhecida popularidade com um lugar cativo na circulação dos significados de uma cidade, que leva qualquer lisboeta a reconhecer que a Bica é um bairro típico de Lisboa e, paradoxalmente, um relativo desconhecimento da sua realidade concreta – dos seus espaços vitais, das suas práticas quotidianas, das suas casas e dos seus habitantes – o que acentua o seu estatuto de quase mito na realidade dos bairros antigos lisboetas, mais ou menos devassados por uma gentrification em progressão. Por outras palavras, este bairro parece erigir-se sobre uma vida comunitária bastante intensa, alicerçada em redes de relações de vizinhança, densas e territorialmente circunscritas, configurando algo muito semelhante à ideia de comunidade protegida48

Foto 7. Calçada da Bica Grande

Foto 7. Calçada da Bica Grande

Roque Gameiro, 1925

Notes

1 Com efeito, a antropologia urbana tornou particularmente evidentes algumas limitações teóricas e metodológicas da disciplina quando aplicada a contextos diferentes daqueles que a geraram como área de conhecimento autonomizada das outras ciências sociais e humanas. A sociedade urbanizada, de larga escala e com um grau de complexidade contrastante com as sociedades de pequena dimensão, tradicionalmente estudadas pela antropologia, colocou no centro das preocupações desta disciplina as limitações teóricas e metodológicas de um saber armadilhado nalguns conceitos, proposições e metodologias aplicadas ao infinitamente pequeno e quotidiano (Laplantine, 1991). A relação entre cultura e sociedade e a operacionalidade do conceito de cultura em escalas de organização tão diferentes como bairros, cidades ou nações (Rollwagen, 1979), a conciliação entre um quadro conceptual necessariamente diacrónico e o presente etnográfico – bem como entre a complexidade de uma realidade que requer outros instrumentos de observação mais sofisticados do que apenas o olhar mais ou menos distanciado de um indivíduo solitário –, a selecção de uma unidade de estudo capaz de evidenciar, e não de ocultar, a sua relação com a sociedade abrangente, o envolvimento do antropólogo com os seus objectos, são apenas alguns dos pontos insistentemente debatidos e analisados pela antropologia das sociedades urbanas (Fox, 1972; Leeds. 1994; Mullings, 1987; Rollwagen, 1979).

2 Auxiliados por quadrilheiros. Ainda hoje se usa muito um termo – quadrilhice –, nomeadamente na Bica, como sinónimo de coscuvilhice.

3 O Código Administrativo de 16/3/1842 foi o primeiro diploma legal dedicado especialmente à organização administrativa que expressamente declarou o bairro como circunscrição territorial. Os Códigos que se lhe seguiram, mencionavam entre as demais circunscrições administrativas, os bairros de Lisboa e Porto, como subdivisões dos respectivos concelhos (Dicionário Jurídico..., vol I: 654)

4 Mocambo, Esperança e Madragoa designam, aproximadamente, uma mesma área da cidade. Madragoa é um nome mais moderno que, possivelmente e de acordo com os textos jornalísticos, apenas se fixou no presente século.

5 Embora a freguesia também interfira na construção dos mapas mentais e na representação do bairro, para além de ser depositária do poder local.

6 Só mais tarde, próximo dos anos 50, o bairro da Bica surge nalguns textos de divulgação, crónicas do quotidiano urbano desta cidade. Norberto de Araújo, nas suas peregrinações por Lisboa, descreve-a.

7 Norberto de Araújo, por exemplo, nas suas Peregrinações (s.d.), escreve dois capítulos distintos: um sobre S. Paulo e a Ribeira Nova, outro sobre a Bica e Santa Catarina...

8 Assim canta João Zorro lá pelos fins do século xiii Lisboa debruça-se sobre o mar, não sobre o rio. (...) Liberdade poética, dir-se-há. E bem sabido que a cidade jaz sobre o Tejo (...). Mas da realidade geográfica e erudita ao conhecimento quotidiano vai distância grande. Lisboa pode estar sobre o rio, pois que assim o dizem os Antigos. Mas tanto o povo miúdo como a «classe média» dos notários e dos legistas afirmam no dia a dia o contrário. E é de supor que o rei não falasse de outra maneira (Marques, 1988: 395).

9 Veja-se a reprodução da planta recolhida por Santana (s.d.), da freguesia de Santa Catarina e de S. Paulo, em finais do século xviii. O núcleo central aqui referido situa-se na parte baixa da Bica, assunto que adiante será abundantemente discutido.

10 O título completo é: Sumário em que brevemente se contêm algumas coisas assim eclesiásticas como seculares que há na cidade de Lisboa.

11 Eram eles a Misericórdia, o Hospital de Todos os Santos, Paço dos Estaus, o Celeiro Público, a Alfândega Nova, Casa de Ceuta e da Índia e o Arsenal de Guerra (Damião de Góis, 1988).

12 A igreja foi edificada logo depois da reconquista cristã de Lisboa (...) no sítio onde havia sido o cemitério dos cruzados ingleses durante o cerco da cidade.(...) Consta que na sua origem o distrito da freguesia se estendia desde a Sé e Santa Justa até Oeiras. No entanto, a sua circunscrição foi-se reduzindo e foram-se desmembrando dela novas freguesias do lado ocidental até à ponte de Alcântara, algumas completadas com territórios destacados de outras paróquias (Silva, 1943:30)

13 A partir de 1708 passou a chamar-se Nossa Senhora da Encarnação.

14 Fundou-se as Chagas de Jesus em 1542, logo seguida pela criação da de Santa Catarina em 1557, que levou do distrito dos Mártires parte do Congro e o Monte do Pico (hoje partido no das Chagas e Santa Catarina). Seguidamente desmembrou-se em 1566 o território cerca do Mosteiro de Santos (...) e pouco depois a praia de S. Paulo, a Boa-Vista, os Remolares e Cata-que-Farás eram incluídas em uma outra com o título de S. Paulo (Sequeira, 1916: 15).

15 O que na cidade de Lisboa chamamos o Corpo Santo não é palácio; é uma ermida, ou o bairro, em que por uns degraus de pedra se sobe a uma pequena igreja, dedicada ao santo que os homens do mar costumam invocar nas tormentas e lhes chamam alguns Santelmo ou São Teimo, e outro gritam dizendo: Salva, salva, Corpo Santo!, escreveu Bluteau, citado por Castilho, 1981, vol IV: 70.

16 Igreja não paroquial. Era uma capela da igreja do convento da Trindade, pertencente a uma Irmandade das Chagas, de marítimos da carreira da índia, instituída em 1482, tendo sido mais tarde aberta uma igreja em 1542. Não tinha esta freguesia território determinado e as regalias paroquiais aplicavam-se somente aos seus fregueses que eram os homens do mar e navegantes da carreira da índia (Silva, 1943: 46).

17 Palavra que deriva do substantivo latino remus e que designava os carpinteiros de remos que ali trabalhavam (ver nota n° 8 em Castilho, 1981, vol IV: 228-231).

18 Os Banhos de S. Paulo edifício construído em 1850, segundo traça original do Arq° Pedro J. Pézerat-e recentemente recuperado pela Associação dos Arquitectos Portugueses – existente junto da Igreja de S. Paulo, merecem ser referidos (Foto 4). Tendo, no seu passado, canalizado águas sulfurosas de algumas nascentes próximas, serviu, recentemente, o seu interior como estaleiro da Marcha da Bica, até 1993.

19 Nas imediações do Conde Barão e na Rua da Boavista ainda se podem ver antigos edifícios desta época: a fábrica Vulcano Collares (1924), a Previdente, a casa dos Parafusos, etc.

20 Iniciadas em 1887.

21 Data de 1928 a construção da Estação do Cais-do-Sodré.

22 O seu novo edifício foi construído entre 1889/91.

23 Ver Inquéritos Industriais de 1881 e 1890, ambos editados em Lisboa: Imprensa Nacional.

24 Em 1864 Lisboa, com 163 763 habitantes, podia-se comparar com Marselha, então com 183 181 habitantes, segundo Magda Pinheiro, 1990: 83.

25 Que pouco se alteraram até à década de 50 do século xx.

26 No entanto, a população nascida na cidade foi sempre cerca de metade da população total. No Censo da População de 1890 é referido que a população da cidade de Lisboa se compõe de 151.317 habitantes nela nascidos e de 149.889 naturais de outras localidades ou estrangeiros (vol. 1, 1896: LXXXVI).

27 O alargamento da área da cidade, a partir dos anos de 1880, não resulta de uma grande pressão demográfica (que não existe, pois só a partir da década de 1900 a taxa de crescimento da sua população ultrapassa os 2% ao ano) mas representa sobretudo o desejo das autoridades municipais de alargar a área de tributação fiscal -nomeadamente através da cobrança dos direitos de consumo – pela incorporação de outras localidades, com o objectivo de combater uma situação financeira altamente deficitária (Ravara, 1982: 86).

28 A partir de 1930/40 criaram-se condições para um novo modo de urbanizar a cidade, decorrente de um acentuado controlo político-urbanístico, o que leva os vários autores a isolarem, consensualmente, um primeiro período de crescimento urbano entre 1890 e 1940 (Marques, 1969).

29 Estas cinco manchas territoriais são designadas como: 1-Centro Histórico; 2- Lisboa Antiga (que inclui S. Paulo e Santa Catarina); 3 e 4-Ocupação Oitocentista; 5 – Expansão Novecentista (Ferreira, 1987: 110-111).

30 Designação recorrentemente utilizada pelos orgãos do poder autárquico, tais como a Câmara Municipal de Lisboa.

31 Veja-se o caso paradigmático do bairro de Alfama, estudado por António Firmino da Costa e Maria das Dores Guerreiro (1984), cuja maioria da população é migrante, mantendo laços fortes de ligação à sua terra de origem.

32 Santos-o-Velho, freguesia a que pertence a Madragoa, é incluído ora na segunda coroa ora na terceira, conforme o ponto de vista valorizado.

33 A relação que melhor ilustra esta proximidade entre estratos diferentes é, talvez, a de criado(a) de servir – patrão, que, normalmente, decorria no espaço doméstico do último.

34 Uma das razões porque a mortalidade nestas áreas populares era maior, prende-se também com a falta de imunização a certas doenças, por parte de população forasteira: A maior incidência da morte em grupos não imunizados contra as endemias urbanas explica a geografia da mortalidade de crise, que penaliza as áreas de fixação privilegiada dos recém-chegados (Rodrigues, 1994: 48).

35 Sobre o estudo exploratório feito, neste bairro, em 1989/90, ver Introdução.

36 Ver José Leite de Vasconcelos, 1980, vol II: 320 e segs.

37 O pátio é constituído por um espaço murado ou envolvido por casas de habitação e agrupa, geralmente, em volta de um terraço, um conjunto de casas pobres. É um modo primário de articulação entendida como abrigo e por vezes sem as mínimas condições de habitabilidade. (Rodrigues, 1978: 38).

38 Ambas as tipologias – pátio e vila – se referem a casos bastante diversificados o que torna, por vezes difícil a sua definição. Tanto os pátios como as vilas constituem uma adaptação improvisada a espaços já pré-existentes, numa cidade pouco planificada. A diversidade das segundas vai desde vilas formando pátios, construídas atrás de prédios, em correnteza, formando ruas, até vilas que atingem uma verdadeira dimensão urbana, pelo volume da edificação, complexidade estrutural, chegando a incluir um sistema viário – como é o caso do ‘Bairro Estrela de Ouro’, à Graça – ou equipamento colectivo, o que as aproxima já dos bairros operários e económicos, mais tardios na história da cidade, escreve Nuno Teotónio Pereira (1994:509-524).

39 Segundo Mário Saa (1929), esta designação surgiu para distinguir este novo bairro de uma outra Vila Nova... já existente na Lisboa intramuros. Helder Carita (1994) refere, como urbanizações quase contemporâneas, a Vila Nova de Santa Catarina (47) mas, sobretudo, um pequeno bairro anterior à Vila Nova de Andrade, que desde 1502 existia dentro das cercas dos frades Trinos, já com alguns traços modernos – quarteirão, alinhamento de fachadas, ruas largas e travessas, etc, e que se chamaria Vila Nova do Olival ou da Oliveira (18).

40 Nas actuais ruas da Misericórdia e de S. Pedro de Alcântara, Loreto e Calçada do Combro, do Século, e, mais tarde, a construção da rua D. Pedro V, a norte.

41 Convém, talvez, relembrar, que Santa Catarina é uma das freguesias pertencentes ao Bairro Alto.

42 Já em 1955, nas reuniões da Câmara Municipal de Lisboa se discutia a pouca adequação da divisão então vigente, elaborada em 1885 e desactualizada, em muitos aspectos, da realidade urbana lisboeta que se transformara. A 20 de Outubro desse ano, o vereador Ribeiro Ferreira, a propósito da inauguração de algumas novas igrejas (S. João de Brito, S. João de Deus) referia as complicações resultantes da falta de coincidência dos territórios civis e religiosos, causado pelo desdobramento de algumas freguesias civis em mais do que uma paróquia, o que se prendia com a evolução demográfica que Lisboa sofrera desde finais do século passado, tendo a sua população diminuído nas freguesias centrais de Lisboa (...) enquanto nas periféricas ou afastadas do centro da cidade se produziu, pelo contrário, grande incremento populacional (Actas das Reuniões da Câmara, 20/10/1955: 2-4).

43 E mesmo anteriormente. Ver Borges de Macedo, 1982.

44 A funcionar a partir de 1892, datando a sua autorização de 1888 (Capitão, 1974: 96).

45 À excepção do restaurante Bicaense, que se pode encontrar nalguns roteiros turísticos e gastronómicos da cidade de Lisboa.

46 Na Madragoa, nos anos 40 havia 20 tabernas e 3 outras “casas de comida” e que hoje há 3 tabernas e 22 «casas de comida e bebida» e que destas últimas 22, 15 são restaurantes, cervejarias e pubs maioritariamente frequentados por gente de fora do bairro... (Pujadas e Cordeiro, 1990).

47 Lamentavelmente, não foi possível obter o valor das cotas para a construção de um perfil topográfico, que melhor ilustraria este vale-inserido-numa-colina.

48 Segundo Barry Wellman e Barry Leighton, este conceito identifica bairro e comunidade, e refere-se aos casos em que as relações primárias, sobretudo as de vizinhança, possuem uma grande vitalidade, representando um factor importante de solidariedade e entreajuda no seio de sistemas industriais burocráticos. Outros dois conceitos ajudam a explicitar este: comunidade perdida e comunidade emancipada. Três aspectos definem o sentido com que o conceito de comunidade é, aqui, utilizado: rede de relações interpessoais exteriores ao lar, um lugar de residência comum e sentimentos e actividades solidárias (Wellman e Leighton, 1981: 112).

Table des illustrations

Titre Foto. Miradouro do Alto de Santa Catarina
Crédits Arquivo Fotográfico – CML
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2297/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 252k
Titre Foto 2. Doca do Cais-do-Sodré
Crédits Arquivo Fotográfico – CML
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2297/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre Foto 3. Chafariz do Largo de São Paulo
Crédits Roque Gameiro, 1925
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2297/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 240k
Titre Foto 4. Banhos de São Paulo (1951)
Crédits Eduardo Portugal, Arquivo Fotográfico – CML
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2297/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 228k
Titre Foto 5. Mercado 24 de Julho com varinas (1905)
Crédits Arquivo Fotográfico – CML
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2297/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 232k
Titre Foto 6. Descarga do carvão de um navio do Cais-do-Sodré 1907)
Crédits J. Benoliel, Arquivo Fotográfico – CML
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2297/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 252k
Titre Figura 1. Zonas urbanas com crescimento diferencial entre 1800 e 1900
Crédits Fonte: Rodrigues, 1993
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2297/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre Figura 2. Reconstituição de algumas «manchas» de indústria e habitação em Lisboa no tempo de Eça de Queiroz
Crédits Fonte: Salgueiro e Garcia, 1988
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2297/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Figura 3. Linha de fronteira entre São Paulo e Santa Catarina, antes (A) e depois (B) de 1959
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2297/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre Foto 7. Calçada da Bica Grande
Crédits Roque Gameiro, 1925
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2297/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 519k

© Etnográfica Press, 1997

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search