Vous l’avez sans doute déjà repéré : sur la plateforme OpenEdition Books, une nouvelle interface vient d’être mise en ligne.
En cas d’anomalies au cours de votre navigation, vous pouvez nous les signaler par mail à l’adresse feedback[at]openedition[point]org.

Précédent Suivant

Introdução. Rio de Onor, Rio de Onor e a aldeia revisitada

p. 13-24


Texte intégral

1A partir dos anos 60, com o questionamento da prática teórica de uma antropologia clássica — que acompanha a deslocação territorial do seu objecto conduzindo a uma contínua produção de estudos sobre comunidades rurais do Ocidente —, a História passou a ser, não apenas uma disciplina em inevitável diálogo com a Antropologia, mas mesmo uma dimensão nova do «território» do antropólogo. Este confronta-se, de imediato, com sociedades iniludivelmente inseridas em contextos mais amplos de dependências e inter-relacionamentos político-administrativos, jurídicos, económicos e sociais patentes numa diversidade de registos e documentos que passaram a ter de ser incorporados na investigação. Dimensões temporais postas em destaque sobretudo pela tradição historiográfica francesa do post-guerra — «long durée», conjuntura, «évènement» — passam a ser, implícita ou explicitamente, quadros de referência que, com a informação produzida a partir do tratamento das fontes documentais, permitiram à antropologia elaborar e/ou veicular modelos e categorias que têm procurado dar conta da multiplicidade e irredutibilidade dos dados de terreno. São disso exemplo os esforços de tipificação incidindo sobre o grupo doméstico, casamento, residência e herança ou, num outro plano, a identificação de situações estruturais ou conjunturais de fluxos populacionais como migrações sazonais, emigração com abandono temporário ou definitivo de parte dos efectivos dos grupos estudados, relações de pendularidade aldeia-cidade, etc.

2Mas esta consciência e diálogo que o antropólogo mantém com a História não se cifram apenas no recurso a novos materiais e informações de uma cultura institucional e escrita, ou no conhecimento dos principais marcos das histórias nacionais com que se equacionam os dados resultantes do trabalho de campo ou mesmo na identificação e utilização de modelos de organização relativamente estáveis e situados no tempo. De facto, se considerarmos que o objecto último da investigação antropológica é o estudo de relações sociais e condições de reprodução social de grupos ou unidades em análise, o antropólogo lida com uma complexidade de processos temporais que se traduzem num desafio maior determinado, também, pelos condicionamentos epistemológicos da sua prática. Em primeiro lugar, no que respeita ao tempo, sempre curto, de trabalho de campo, a dificuldade em detectar e distinguir continuidades e mudanças, inércias e dinamismos, permanências e inovações confundidos na sincronia do presente da observação. Em segundo lugar, e em íntima relação com o anterior, o facto de ter sido precisamente, num período histórico de grandes perturbações e mutações nos modos de vida das sociedades rurais do Ocidente, que o antropólogo as foi estudar deparando no terreno com um discurso valorativo estabelecendo o confronto entre um antes e um agora em torno de uma fronteira que, consoante as regiões e o momento de observação (e o grupo etário dos informantes), oscila entre a Primeira Guerra Mundial ou o entre as duas Guerras (França), a Guerra Civil (Espanha), a Segunda Guerra Mundial (Itália) ou os anos 60 da grande emigração (Portugal), para citar apenas as recorrências maiores da literatura antropológica sobre a Europa.

3Daí a História vir progressivamente a redimensionar o «território» do antropólogo não apenas enquanto grelha mais ou menos cerrada de factos e referências cronológicas ou na sondagem e restituição de um passado mais ou menos distante, mas também (e, talvez, sobretudo) na dimensão local e presente da sua produção. Aí deparamos com a intervenção dos actores sociais reproduzindo, contornando ou refazendo a norma, abrindo campo a estratégias individuais ou de grupo pelo jogo variável de alianças e de oposições, inovando, representando-se diversamente o passado, o presente e o futuro, ou seja, na expressão mais complexa da sua historicidade.

4Debatemo-nos neste livro com a identificação de processos temporais que reenviam para a historicidade dos grupos ou comunidades locais a partir de um estudo de «long term» realizado num tipo de aldeia que mais dificuldade tem levantado à reposição dessa mesma historicidade. Trata-se de Rio de Onor, aldeia trasmontana que foi objecto de um estudo pioneiro de Jorge Dias consequente à pesquisa conduzida no terreno nos finais dos anos 40 (Dias, 1953), exemplo de forma social que se produz sobre modelos de organização comunitária e que, apesar daquela e outras investigações daquele autor — desde a publicação de Vilarinho da Fuma em 1948 — e da vasta e por vezes valiosa literatura anterior, só veio verdadeiramente a ser trazido para a reflexão antropológica anos depois. De certo modo, os dois livros de Jorge Dias podem considerar-se extemporâneos (e também por isso pioneiros) e o momento em que surgem no contexto europeu e a língua em que estão escritos limitaram a sua divulgação. O conhecimento das formas de organização semelhantes às que apresentam Vilarinho da Furna e Rio de Onor só se tornaria mais generalizado como tema de debate — pelo seu enquadramento académico, suporte de publicação em revistas de especialidade e língua veicular — com a designação conceptual de «closed corporate community» que lhes dá Eric Wolf na sua proposta de classificação tipológica das comunidades camponesas (Wolf, 1955) e, mais especificamente para o contexto peninsular (onde os estudos de Jorge Dias são contemplados), com Susan T. Freeman (1968) e o seu «iberian structural type». Retenham-se alguns dos traços gerais que as caracterizam: comunidades de montanha, de pequenas dimensões, detendo um vasto e diversificado património colectivo, combinando agricultura e pastoreio, com constrangimentos na organização do território e das culturas (maxime o afolhamento bienal e o «open field»), assembleia de vizinhos como orgão de gestão e controlo, condições definidas para se ser membro (vizinho) e ter parte no comum, formas institucionalizadas de partilha de direitos e obrigações, homogeneidade ocupacional. Refira-se, no entanto, que estas sociedades que tendem a configurar uma vincada democraticidade interna e a desenvolver uma ideologia igualitária (que não exclui desigualdades reais entre os seus membros), apresentadas como «tipo estrutural ibérico», não se confinam à Península e dentro desta, ao Norte, como expressão de qualquer especificidade histórica ou cultural. Basta, por exemplo, pensar na «circum-alpine culture area» de Burns (1963) que, com novos elementos de interpretação de ordem tecno-ecológica identifica para uma área mais alargada formas similares de organização e em relação às quais dispomos de etnografias detalhadas [por exemplo: Friedl (1974), Netting (1981)]; ou numa extensa geografia de casos, alguns dos quais objecto de profunda e estimulante investigação como a que foi conduzida por Henri Stahl e seus colaboradores na Roménia (Stahl, 1939 e 1969) e que, pelos azares de circulação dos textos, tem ficado fora da reflexão em antropologia. De facto, em toda a extensão do continente Europeu são feitos inumeráveis registos, de qualidade variável, por autores de finais do século xix e começo deste atraídos pelas estruturas comunitárias dos colectivismos agropastoris, arcaísmos remetidos para fases primitivas da evolução das sociedades e interpretados como vestígios de antigas organizações tribais e clânicas ou como marcas étnicas de povos concretos como, por exemplo, de Oriente a Ocidente, os eslavos, os germanos ou os vaceus (estes no norte da Península Ibérica). Vejam-se por todos eles, as bem representadas antologias de Guidetti/Stahl (1977 a, 1979 e, quanto à Itália, 1977 b) ou as obras de Joaquin Costa e colaboradores (1902 e 1898) referentes à Espanha a que, com frequência recorremos no presente trabalho. As ideias, ou projecções ideológicas que envolveram a apresentação e interpretação destes registos etnográficos — isolamento, arcaísmo, democracia, igualitarismo — frequentemente perturbam o observador destas comunidades que, só mais recentemente, vieram a ser ressituadas no contexto de uma compreensão histórica mais fundamentada das sociedades rurais ocidentais. Surgem assim novas questões e, com elas, novas posturas teóricas e metodológicas da investigação, com a identificação, por exemplo, de uma origem tardia (medieval) do «open-field» com os constrangimentos e organização colectiva que o sistema implica (Hoffman, 1975), com a detecção de múltiplas formas de dependência que podem estar associadas à existência destas aldeias e que vão da interferência do aparelho político-administrativo e jurídico e de interesses económicos que lhes são exteriores (Stahl, 1969; Cuadrado Iglésias, 1980; Mangas Navas, 1981; Vassberg, 1980 e 1983), à sua inserção na sociedade senhorial ou feudal, com particular incidência na constituição e grau de autonomia local de decisão das assembleias aldeãs (Panin, 1970) ou, mesmo, à sua existência e «utilização» em contexto de dominação e exploração coloniais (Wolf, 1957), para referir apenas alguns dos principais tópicos e alguns autores. Ou seja: a passagem de uma história longínqua, como pano de fundo, revelada por vagos arcaísmos e especificidades locais, à interrogação de historicidades concretas.

5O ponto de partida do nosso estudo não foi, em si mesmo, a monografia que Jorge Dias escrevera sobre Rio de Onor, no sentido de, a partir dela, procedermos ao reestudo da aldeia nos moldes em que este procedimento é correntemente utilizado em Antropologia como método e campo de enquadramento do debate teórico. Ou seja, não foi nossa intenção fazer a avaliação do estudo deste autor com base no nosso próprio trabalho de campo, nem tomá-lo como pólo de comparação para a caracterização das transformações ocorridas na aldeia; e, no entanto, Rio de Onor é uma presença constante neste trabalho. Antes de mais porque é também ele que o tornou possível, não apenas por o conhecimento que dele tínhamos nos ter inspirado a vontade de conhecer a aldeia e aí nos ter levado numa primeira e curta estadia em 1975, como também pela qualidade do registo etnográfico para o qual frequentemente remetemos no presente texto e que se torna de uma complementaridade indispensável, se pensarmos, em particular, na descrição das alfaias e infra-estruturas tecnológicas, do calendário das actividades agro-pastoris, de certos processos de trabalho, da caracterização mais geral da paisagem, do núcleo habitado e dos ritmos que os atravessam. Por outro lado, os parâmetros teóricos e metodológicos que presidem à estruturação deste trabalho são também o resultado das divergências pontualmente explicitadas em confrontação com o estudo de Jorge Dias. Mas, acima de tudo, Rio de Onor veio a projectar-se num plano (fora do campo de previsibilidade do autor, de qualquer autor), ainda para nós insuspeito aquando da nossa primeira estadia na aldeia, e que é uma ilustração (talvez rara) dos efeitos produzidos, detonados ou simplesmente intensificados localmente pelo estudo de um antropólogo. A monografia de Jorge Dias foi a revelação de «arcaísmos» e especificidades de uma forma de organização que despertou o interesse de intelectuais e visitantes atraídos pelo seu exotismo, com os canais informais de comunicação e os artigos na imprensa a amplificarem a curiosidade e o apreço por este caso de aparente ou sugerida autonomia administrativa, harmonia interna, democraticidade, singularidade. A imagem que assim se vai construindo da aldeia, é-lhe devolvida, ao mesmo tempo que nesta se vai tomando consciência desse mesmo interesse, aproveitando-o como capital simbólico, valorado a partir do exterior, através de «apadrinhamentos» de notáveis bem colocados com acesso a locais de decisão que se vão traduzir em diversos tipos de apoio e melhoramentos que muitas aldeias da zona — mesmo nas proximidades da cidade — não conseguiram, ou de que só muito posteriormente vieram a beneficiar. Aconteceu isto com o calcetamento das ruas e canalização da água para fontanários públicos (meados dos anos 60), subsídios para reparação das casas mantendo os materiais e traços arquitectónicos tradicionais (começo dos anos 70), luz eléctrica (1974). abertura de nova estrada e alcatroamento (1973 e 80), entre outros benefícios e sinais de apoio exterior que referiremos. Uma das primeiras manifestações deste efeito de protecção — e estímulo — das tradições comunitárias foi, ainda nos anos 50, a ausência de agressões dos Serviços Florestais que não viriam a intervir e a ocupar os terrenos baldios comunais, ao contrário do que ocorreu na generalidade das aldeias da zona, apesar dos protestos das populações. E esta consciência de se ser comentado e objecto de curiosidade e de possuir, afinal, nas práticas e modelos de organização comunitária um capital exteriormente reconhecido e reproduzido por processos discursivos que difusamente envolvem e se projectam na aldeia, que faz com que a monografia de Jorge Dias venha a ser «o Livro» fundador de uma identidade e um retrato da aldeia que os habitantes procuram confirmar aos visitantes. Por outro lado, é este mesmo livro que lhes serve de guião na visita e continua a ser utilizado como texto de apoio de crónicas e artigos da imprensa periódica, mesmo para referir práticas entretanto abandonadas e que já hoje se não observam. É toda esta complexa projecção reflectida de imagens sobre a aldeia, que esta incorpora e em que se revê como num espelho, que designamos por «efeito Rio de Onor» e nos obrigou, no presente trabalho, a ter de construir um objecto que se referencia à própria aldeia e aos discursos e representações que a recriam e aos «usos» que localmente se lhes dão e que, como veremos, se vêm constituir em factor de ordem ideológica que com outros se combinam para as condições de permanência da organização comunitária nos moldes em que pode ser observada e que aqui analisamos. A aldeia de Rio de Onor obrigou-nos assim a termos de nos confrontar com a sua biografia excessiva que tivemos de incorporar na análise, complexificando-a e dificultando-a, biografia essa que, afinal, transporta marcas de singularidade reveladas pelos textos muito tempo antes da publicação da monografia de Jorge Dias, cuja divulgação e leituras de que foi objecto apenas intensificaram.

6Não considerando agora (fá-lo-emos posteriormente) o que os demarcadores oficiais da fronteira luso-espanhola escreveram sobre a aldeia em 1860, a primeira informação que refere uma daquelas singularidades ou especificidades de Rio de Onor foi registada por Leite de Vasconcelos quando, em Agosto e Setembro de 1884, realizou a sua primeira excursão trasmontana por terras de Bragança e Miranda: «em Riodonor e na próxima aldeia de Guadramil descobri dois falares muito notáveis» (Vasconcelos, 1926:55). É esta língua única (o riodonorês) de origem Leonesa que torna obrigatória a passagem na aldeia de todos os investigadores posteriores que se ocupam de estudos dialectológicos. tanto em Portugal, como em Espanha. É para nós de importância secundária saber as conclusões a que chegam estes autores quanto ao grau de vitalidade deste dialecto localizado e comum à aldeia portuguesa e espanhola, que vão desde a afirmação extrema de que seria falado por «um só velho» (Rodrigues, 1908) à opinião de que se encontra vivo e bem preservado (Cortes y Vazquez, 1949). O que é mais interessante constatar é o facto da língua ser para os estudos dialectológicos um objecto relativamente autónomo sem articulação com a vida social sobre a qual aqueles e outros autores que escreveram sobre o falar de Rio de Onor poucas informações nos dão; as excepções são o longo artigo que Jorge Dias escreve em colaboração com Herculano de Carvalho (Dias, Herculano. 1955) e um desenvolvido estudo sobre os falares fronteiriços de Trás-os-Montes (Santos. 1967). onde a autora fornece bastantes elementos de contextualização espacial, económica e social que suportam a análise dialectal. De qualquer modo. esta diferença maior com que Rio de Onor se apresenta e que tem levado à sua inclusão em todos os inquéritos linguísticos realizados à escala nacional, apresenta-se como uma idiossincrasia que contribuiu decisivamente para a construção da imagem de uma aldeia diferente.

7A segunda das singularidades, recorrentemente e inevitavelmente referida nos textos dos autores anteriormente referidos e de todos aqueles que escreveram sobre a aldeia, é a da sua localização sobre a linha de fronteira. A sua contiguidade com a aldeia espanhola de Rihonor de Castilla, o mesmo nome que ambas têm. a forma como são designadas uma em relação à outra — Rio de Onor de Cima e Rio de Onor de Baixo — constituem-se em obstáculo à problematização da fronteira naquilo que efectivamente separa ou não separa, ou seja. nos efeitos concretos da sua existência histórica e política. Isto faz com que apareça claramente sobrevalorizada uma situação de internacionalidade de duas aldeias supostamente formando um todo isolado na sua identidade que impede perceber cada uma delas por referência aos contextos de dependência e. em geral, da história dos países a que pertencem. A situação fronteiriça traz consigo uma aparente dificuldade em falar de qualquer das aldeias e que se resolve num paradoxo igualmente recorrente nos textos. De facto, quando os seus autores escrevem a partir de Espanha e se referem directamente a Rihonor de Castilla, insistem no facto de os seus habitantes manterem mais relações com Portugal do que com o espaço social do seu próprio país (Kruger, 1925; Cortes y Vazquez, 1949). Quando falam de Rio de Onor a partir de Portugal, a afirmação é inversa e simétrica da anterior, dizendo-se que os portugueses tendem a manter mais relações com o país vizinho do que com o seu; é o que afirma Leite de Vasconcellos citando uma carta, do final do século passado, do pároco que faz serviço em Rio de Onor (Vasconcellos, 1929), ou Maria J. M. Santos (1967). A explicação que por vezes se dá para esta frequentação maior com o país vizinho (seja qual for a aldeia de que se esteja a falar) é a do estado das vias de comunicação que ligam aos centros urbanos mais próximos, de ambos os países (Puebla de Sanábria a 14 km e Bragança a 28 km), mas o paradoxo permanece quando cotejamos os textos e as datas da observação que registam, pois não correspondem a reais melhorias diferenciais das estradas que servem as duas aldeias. Esta «atracção pelo outro lado» deve-se, quanto a nós, à própria dificuldade em pensar a fronteira e que afinal se traduz na sua representação como lugar desnivelado, em desequilíbrio, para além do qual vagamente se remete o suporte da identidade daqueles que, vivendo na extrema periferia ou terminus do seu próprio país (e do observador), vêem esbater-se os contornos dessa pertença e de uma identidade inequivocamente atribuída. Quer isto dizer que uma nova contradição se instala nesta construção imaginária da fronteira pois, se como lugar em desiquilíbrio forçosamente terá de revelar propriedades dinâmicas (como procuramos mostrar no presente trabalho), estas contrariam as ideias de isolamento e fechamento sobre si normalmente transmitidas quando se fala da aldeia (das duas aldeias). Esta biografia de excepção traduzida desde muito cedo naquelas duas singularidades maiores e reproduzida nos textos que sucessivamente se escrevem sobre Rio de Onor e discursos que foram envolvendo a aldeia, facilitaram as projecções subsequentes à monografia de Jorge Dias, reveladora de uma forma de organização comunitária pouco conhecida, e cuja divulgação, por notícias esparsas e fragmentadas em crónicas e artigos de jornal ou roteiros de viagem, firmou a ideia de uma aldeia diferente, diferença essa que, como dissemos, os habitantes também tomaram por sua conta através dos efeitos do «efeito Rio de Onor».

8Considerando as bases materiais do comunitarismo de Rio de Onor — os vastos e diversificados recursos comunais — e os modelos de organização e práticas colectivas voltados para o aproveitamento daqueles recursos, também sobre eles se encontram informações anteriores ao estudo aprofundado de Jorge Dias. No entanto, elas permanecem isoladas e, por razões diversas, não se desmultiplicaram num conhecimento mais geral que, aparentemente, poderiam ter despoletado. A primeira notícia detalhada foi escrita pelo Abade de Baçal a pedido de Rocha Peixoto, para publicação na Portugália e que, não só não a conheceu a tempo de poder contemplá-la no seu artigo de apreciação global do comunitarismo em Portugal (Peixoto, 1908) como, com a sua morte, ficou inviabilizada a sua publicação na referida revista, vindo posteriormente a público na Ilustração Transmontana, de circulação mais restrita (Alves, 1910). A segunda notícia é a referência que Vergílio Taborda faz aos lameiros comunais em Rio de Onor e Guadramil no estudo inovador que fez da «terra fria» trasmontana (Taborda, 1932) e de que, de novo a morte, impediu qualquer desenvolvimento posterior que a perspectiva analítica do autor parecia anunciar. Também Orlando Ribeiro passou por Rio de Onor em 1935 mas, como confessou, todas as notas de trabalho de campo, que entregara a Leite de Vasconcellos, se extraviaram (Ribeiro, 1974). Foi necessário chegar aos anos em que Jorge Dias inicia o seu próprio trabalho de campo em Rio de Onor para surgirem os primeiros textos que abordam aspectos da organização económica e social da aldeia (Cunha, 1945) cuja qualidade de informação parece já ser o resultado de contactos havidos com Jorge Dias. De qualquer modo, só com a publicação de Rio de Onor se abre o campo a uma curiosidade despertada e ao interesse científico, este mais na perspectiva do conhecimento do país e das suas diversidades do que propriamente no espaço disciplinar da etnologia que, em novos moldes, o autor introduziria no país.

9No presente estudo, apesar de. como antes dissemos, não visar a comparação e o confronto dos seus próprios resultados com os que J. Dias propôs, a sua monografia é um dos instrumentos de trabalho que mais constantemente utilizámos. Em termos teóricos divergimos do postulado principal que a atravessa segundo o qual. o modelo de organização comunitária encontrado em Rio de Onor teria conseguido no passado uma real situação de igualdade económica dos vizinhos que, segundo o autor, nos anos 40 já não se observava pelo abandono de práticas normativas que antes teriam sido estritamente seguidas para garantir a indivisibilidade e permanência das casas num limite controlado de um número total das que compõem a aldeia. Por outro lado. procurámos identificar um problema que Jorge Dias não chegou a equacionar criando a nosso ver um obstáculo metodológico à sua própria pesquisa. Referimo-nos à existência da fronteira política, que para aquele autor aparece despida de pertinência, já que no seu trabalho privilegiou o nível integrador da cultura e das práticas quotidianas (em que a fronteira tende a ser uma realidade inexistente), descurando a identificação de espaços diferenciados de dependência e histórias nacionais que obrigam a ponderar as diferenças que as duas aldeias apresentam. Além disso, a fronteira é mais um factor que localmente se manipula, colectiva e individualmente, como se poderá constatar ao longo do presente trabalho. Assim a primeira baliza que ajuda a situar a nossa pesquisa é a sua referenciação à aldeia portuguesa de Rio de Onor, sendo só em função desta e das condições da sua reprodução social que nos referiremos a Rihonor de Castilla e, por isso, as designamos sempre com as grafias dos respectivos países e línguas: — Rio de Onor e Rihonor.

10Os dados que suportam a investigação resultaram das várias estadias que entre Março de 1975 e Outubro de 1988 fizemos na aldeia. A mais prolongada decorreu entre os meses de Dezembro de 1975 e Novembro de 1976 e a esta se seguiram outras, por períodos que variaram entre os três meses e alguns dias, nos anos de 1977, 1980, 1981, 1982.1984, 1986, 1987, 1988 e 1990. Por outro lado, explorámos a totalidade das fontes escritas, localmente disponíveis, que permanentemente procurámos articular com os dados da observação directa e a informação estrategicamente solicitada ou casualmente fornecida pelos habitantes. Tomámos como ponto privilegiado de observação e avaliação dos processos sociais e mudanças aqui analisados os anos de 1975/77, recuando no tempo até onde podemos dispor de maior densidade e qualidade de dados e acompanhando a evolução posterior até finais da década de 80, com apoio nas estadias mais breves que fizemos na aldeia e no contacto entretanto mantido com os nossos informantes. Na delimitação do campo deste estudo tomamos Rio de Onor na especificidade que lhe é dada, tanto pela sua situação fronteiriça, como pelos modos tantas vezes inefáveis como se processou o «efeito Rio de Onor», como ainda pelas conjunturas mais circunscritas e historicidade própria. Mas, paralelamente, procurámos restituir e resituar Rio de Onor num espaço regional que manifesta grandes homologias na organização da paisagem, na economia, modos de vida e traços culturais que os acompanham, no comportamento demográfico, nas formas de relacionamento com a cidade, enfim, na história mais geral em que se insere e na própria periferia de um território raiano.

11São dois os planos analíticos que aqui se cruzam correspondendo a dois ângulos de abordagem: a aldeia como forma social que se constitui enquanto totalidade e a casa ou unidade económica, social e simbólica que, no quadro de uma aldeia que detém e gere amplos recursos comunais, é a unidade de conta na partilha dos direitos e deveres inerentes à sua fruição. Começamos por fazer a apresentação da aldeia num Capítulo 1 onde é ensaiado um primeiro nível de problematização da fronteira, que interrogamos na sua presença no tempo e na qual encontramos um factor que ajuda a explicar a permanência tardia da organização económica, social e política local e as diferenças que se observam entre Rio de Onor e Rihonor de Castilla. Também aí tomamos contacto com as linhas de estruturação do território ou termo da aldeia, propondo a leitura comparada dos levantamentos cadastrais efectuados em 1900 e em 1975; assim como, o seu comportamento demográfico.

12No plano da aldeia, os modelos da organização comunitária adquirem a sua máxima visibilidade nos colectivos instituídos, maxime a instituição de cúpula que, como orgão de poder, preside à gestão do património comunal e dos modos de acesso a ele. No Capítulo 2, procedemos à identificação do conselho de vizinhos, a sua composição, o seu grau de representatividade em relação ao total das casas que constituem a aldeia, as variações desta ao longo do tempo e a configuração das sessões como espaço social de intensa comunicação e de apagamento formal dos conflitos. É ainda sobre o conselho que incidem os dois capítulos seguintes. No Capítulo 3, são definidos os seus poderes e competências, num âmbito de acção que tem nos coutos ou lameiros comunais o seu centro nevrálgico e produtor de tensões. Mas é igualmente a perda dos seus poderes que neste capítulo nos leva à análise do político numa pequena comunidade, que já havia sido introduzida no capítulo anterior e sobre o qual concluiremos no Capítulo 4 depois de descrevermos as 38 sessões do conselho a que assistimos no ano de 1976. Todavia, a visibilidade dos colectivos — de que referiremos outros dois: as quadrilhas das debulhas e os moços solteiros —, com a sua ilusória unanimidade esconde quase sempre, não apenas a conflitualidade que atravessa a aldeia e que, no presente trabalho é frequentemente focada, como também tende a obscurecer e a deixar «invisíveis» outros princípios de organização e partilha que decidem sobre as condições de reprodução das casas e da aldeia. Ocupamo-nos nos três capítulos seguintes da sua identificação e análise. No Capítulo 5. abordamos o princípio da rotatividade que, pela sua recorrência, propriedades dinâmicas e modelo de funcionamento. determina efeitos de estruturação topológica, social e ideológica da aldeia. No Capítulo 6, os sorteios são analisados pela forma como se referenciam à aldeia como um todo e reafirmam as partes que a constituem — os que têm direito a «sorte» — e como nele se projecta uma conceptualização da equidade, difícil de gerir e alcançar. No Capítulo 7, abordamos os leilões enquanto princípio de organização e modo de constituição de um fundo comunal em terras, géneros e dinheiro, e a circulação destes bens a montante e a jusante. Com eles directamente nos deparamos com as diferenciações económicas entre os vizinhos da aldeia, vítimas de situações conjunturais mais ou menos duráveis (ou mesmo estruturais) que as casas atravessam. É sobre estas, a identificação dos bens e direitos que integram o seu património, a diversidade relativa que apresentam e as estratégias de reprodução e factores que para esta se manipulam e combinam, que incide o Capítulo 8. As Conclusões são uma leitura transversal de todo o trabalho com indiciação das questões muitas vezes implícitas e que, sem termos partido de qualquer paradigma com a formulação de uma tese a demonstrar, enquadram e orientam a análise e a ordem de enunciação do presente trabalho. Nela nos interrogaremos sobre a aldeia como forma social onde se produzem modelos igualitários e as casas se diferenciam; que se produz como unidade sobre tensões e contabilidades sociais que trazem a fragmentação; e em que os processos temporais que participam da sua historicidade também eles são produzidos, vividos e percebidos a partir de lógicas definidas pelos dois espaços sociais que mutuamente se implicam — a própria aldeia e as casas que os vizinhos representam.

Précédent Suivant

Le texte seul est utilisable sous licence Licence OpenEdition Books. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.