Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

As festas do Espírito Santo nos Açores

 | 
João Leal

Apêndice B. As Festas do Espírito Santo no Continente e na Madeira

Texte intégral

1Embora constituam hoje em dia um traço emblemático da cultura popular açoriana, as Festas do Espírito Santo existiram e nalgums lugares existem ainda em vários pontos do continente e da Madeira. O objectivo geral deste Apêndice é justamente o de fornecer uma ideia genérica da difusão do ritual nestas duas áreas, a partir da consulta da bibliografia disponível.

2Comecemos pelo sul do país. No Algarve, J. A. Gascon (Gascon, 1921/22) refere a existência de Festas do Espírito Santo nas freguesia de Alte (concelho de Loulé), Bensafrim e Barão de São João (concelho de Lagos) e Marmelete (concelho de Monchique). Essas indicações reportam-se ao início deste século e num dos casos — na freguesia de Marmelete — o autor refere que os festejos tiveram pela última vez lugar em 1903. No vol. VIII da «Etnografia Portuguesa» de Leite de Vasconcelos, é também trancrita uma notícia de 1901 relativa às Festas do Espírito Santo nesta última freguesia (Vasconcelos, 1982: 322). Micaela Soares, por seu turno refere a existência de festejos similares em Tavira (Soares, 1983: 54).

3No Alentejo, as indicações existentes dizem sobretudo respeito ao litoral. J. A. Gascon refere a existência de Festas do Espírito Santo na Bordeira, Odeceixe a Aljezur (concelho de Aljezur) onde teriam terminado no século passado, devido a proibição eclesiástica (1921/22: 275). Ainda no litoral alentejano, existe também uma descrição dos festejos em Santiago do Cacém, relativa ao ano de 1862 (Pires, 1908). Quanto ao Alentejo interior, as referências concentram-se fundamentalmente no distrito de Portalegre. Sabe-se que no séc. XVI, Portalegre, Marvão e Niza celebravam Festas do Espírito Santo (Azevedo, 1896) e para tempos mais recentes — finais do século passado, inícios deste século — além de uma referência suplementar a Niza (Moura, 1977: 58-59), existem menções relativas à Amieira (Sousa, Tude e Rasquilho, 1936: 430-433) e a Montalvão e Póvoas e Meada (Barata, 1969: 133-135).

  • 1 Como vimos, de acordo com as «narrativas de fundação» das Festas do Espírito Santo, teria sido em A (...)
  • 2 Segundo Elisabeth Cabral e Luísa Nunes, as Festas do Espírito Santo em Alcabideche mantiveram-se «e (...)

4Na Estremadura, os levantamentos mais completos são os realizados por Elisabeth Cabral e Luísa Nunes (Cabral, M. E. e Nunes. M. L., 1982/83) e por Micaela Soares (Soares, M., 1983) e incluem, além do caso emblemático de Alenquer1, Lisboa, Alcabideche e Cascais (concelho de Cascais), Sintra, Almoçageme, Colares, Mercês, Montelavar, São João das Lampas e Penedo (concelho de Sintra) e Torres Vedras. Francisco Câncio (1956: 125) menciona a realização de festejos em Arruda dos Vinhos e no vol. VIII da «Etnografia Portuguesa» de Leite de Vasconcelos é também feita referência à existência, em 1926, de Festas do Espírito Santo em Aldegalega da Merceana (Vasconcelos, 1982: 325 e 326). Com excepção deste caso e ainda de Alcabideche — onde os festejos continuavam a ter lugar no início do século2 — e do Penedo — onde eles ainda se realizam actualmente — as restantes referências são anteriores ao séc. XIX e, nalguns casos, reportam-se mesmo a tempos mais recuados.

5Mais a norte, possuímos indicações relativas às Festas do Espírito Santo em Óbidos (Anónimo, 1985: 140-141), Turquel (concelho de Alcobaça) (Ribeiro, José Diogo, 1908: 141-142), Reguengo do Fetal (concelho da Batalha) (António e Câmara, 1984), Vermoil (concelho de Pombal) (Vasconcelos, 1982: 326), Leiria (Soares, 1983: 19) e Eiras (Coimbra) (Campos, 1879; Pratt, 1899). Com excepção do Reguengo do Fetal e Vermoil — onde os elementos recolhidos se reportam respectivamente a 1984 e a 1926 — todas as outras referências são anteriores a finais do séc. XIX.

6No Ribatejo, para além da Festa dos Tabuleiros de Tomar (cf. Ferreira, Fernando, 1978) são também várias as povoações, onde, em épocas diferentes, as Festas do Espírito Santo se teriam realizado. Ainda no concelho de Tomar, Francisco Ferreira refere a existência de festejos nas freguesias de Carregueiros (1978: 18 e 50), Paialvo (id.: 19 e 50), Casais, Pedreira, Linhaceira e Palhavã (id.: 50) e Francisco Câncio acrescenta a estas freguesias a de Junceira (1956: 283). Para outras áreas, o levantamento mais completo é o de Francisco Câncio e inclui Azinhaga do Ribatejo, Sardoal e Montalegre (Sardoal) (Câncio, 1956). Benavente (Azevedo, 1926: 81-121), Santarém (Soares, M., 1983: 8788), Lamarosa da Olaia (concelho de Torres Novas) (Vasconcelos, 1982: 322324), Meia Via (concelho de Torres Novas) (Laurentiaux, 1983: 88), Mouriscas (concelho de Abrantes) (Costa, Carlos e outros, s/d), Pedrogão Grande (Coelho, F. A., 1881: 73) e Mação (Chaves, L., 1945: 112) são outras das localidades para as quais se possuem referências às Festas do Espírito Santo.

7Era entretanto na Beira Baixa que as Festas do Espírito Santo apresentavam uma maior densidade. A enumeração mais completa da geografia regional das Festas é da autoria de Jaime Lopes Dias (Dias, J., 1926, 69-80; 1942, 73-86; 1948, 129-132; 1953, 85-111; 1965, 135-149) e menciona as seguintes localidades: no concelho de Penamacor, as povoações de Vale de Lobo, Benquerença, Meimoa, Meimão e Salgueiro; no concelho do Fundão, Capinha, Vale de Prazeres, Atalaia, Pero Viseu e outras povoações (para o concelho do Fundão, cf, também Cunha, J., 1892, 136-147); no Concelho da Sertã, o Castelo; no concelho de Idanha-a-Nova, Monsanto e Zebreira (para Monsanto, cf. também Buescu, 1961: 60-61); no concelho de Castelo Branco, Monforte da Beira e Tinalhas, e no da Covilhã, Teixoso e Casegas. Referências de carácter mais geral são ainda feitas aos concelhos de Belmonte e Proença-a-Nova. Luís Chaves acrescenta a esta lista Alpedrinha (Chaves, L., 1945: 110) e Paúl (id., ibid.: 103), ambas no concelho da Covilhã, Sarnadas (concelho de Vila Velha de Rodão) (id., ibid.: 112) e Açores (concelho de Celorico da Beira) (id., ibid.: 108) sendo esta última povoação mencionada também por Leite de Vasconcelos (1982: 326). No mesmo autor encontram-se ainda referências à realização de Festas do Espírito Santo na cidade da Covilhã (id., ibid.: 325), em Benquerença (concelho de Penacova) (id, ibid.: 317-320), em Telhado e Alcongosto (concelho do Fundão) (id., ibid.: 327), em Medelim (concelho de Idanha-a-Nova) (id., ibid.: 320) e ainda na Aldeia da Serra, Mourela e Velosa (concelho de Celorico da Beira) (id., ibid.: 326). Outras referências disponíveis reportam-se a Segura (concelho de Idanha-a-Nova) (Andrade, 1988: 331336), Ladoeiro (concelho de Idanha-a-Nova) (Mesquita, 1984: 41) e Quadrazais (concelho do Sabugal) (Soares, 1983: 57-58). Esta listagem está entretanto longe de ser exaustiva: Lopes Dias afirma a este propósito que «poucas serão as povoações da Beira Baixa que não pratiquem com certo relevo, devoções do Espírito Santo» (Dias, J. L., 1965: 135). Constituindo a área do continente onde é mais densa a difusão das Festas do Espírito Santo, a Beira Baixa é também a área onde elas subsistiram até mais tarde. De facto, a maior parte das referências citadas situam-se no período compreendido entre 1920 e 1960. A partir desta data, ou posteriormente, parece entretanto ter-se acelerado o processo de declínio das Festas do Espírito Santo na Beira Baixa e, actualmente, em muitas das localidades mencionadas, elas deixaram já de se realizar.

*

  • 3 É certo que em Leite de Vasconcelos se podem encontrar algumas referências a rituais relacionados c (...)

8Nesta distribuição regional das Festas do Espírito Santo é possível destacar alguns aspectos mais importantes. O primeiro prende-se com a ausência de testemunhos relativos ao norte do país3. Se tomarmos como ponto de partida as grandes áreas geográficas em que, de acordo com Orlando Ribeiro (Ribeiro, O., 1963) se dividiria o território do continente — Norte Atlântico, Norte Transmontano e Sul — verifica-se que as Festas do Espírito Santo se concentram predominantemente no Sul, sendo escassa ou nula a sua representatividade tanto no Norte Atlântico como no Norte Transmontano (cf. mapa 20). É certo que na Beira, um certo número de povoações se situam já no Norte Atlântico. Deve entretanto ser realçado que elas se localizam predominantemente na linha de transição entre o Sul e o Norte Atlântico, uma zona ainda aberta a influências vindas do Sul. Podendo ser definidas como um traço cultural específico do Sul do país, as Festas do Espírito Santo não apresentam entretanto nessa área uma distribuição homogénea. A sua difusão é particularmente significativa em quatro regiões: a Beira Baixa, o Alto Ribatejo, a Estremadura e o Alentejo litoral e Algarve. Destas quatro regiões a mais importante é sem dúvida a Beira Baixa, devendo ainda salientar-se — apesar da excepção constituída pelo norte do distrito de Portalegre — a inexistência de referências significativas ao culto do Espírito Santo no Alentejo interior.

9Na maior parte dos casos, as referências relativas às Festas do Espírito Santo nas várias localidades que acabámos de identificar, são relativamente breves e fragmentárias. Para um certo número de povoações, porém, é possível dispor de descrições mais desenvolvidas, susceptíveis de fornecer uma visão genérica da estrutura do ritual. É o que se passa com as Festas do Espírito Santo em Marmelete (Monchique), Santiago do Cacém, Alcabideche (Cascais), Penedo (Sintra), Reguengo do Fetal (Batalha), Eiras (Coimbra), Lamarosa da Olaia (Torres Novas), Tomar e nalgumas localidades da Beira Baixa.

10Em Marmelete (Monchique), de acordo com as informações recolhidas por J. A. Gascon (Gascon, 1921/22), as Festas do Espírito Santo decorriam ao longo das sete semanas que se estendem do domingo de Páscoa ao domingo de Pentecostes. Os festejos eram assegurados, em cada uma das semanas, por um rei, uma rainha, um escrivão e vários mordomos e o seu acompanhamento e direcção musical estava a cargo de seis foliões, um dos quais tocava tambor. Apesar das designações dadas a alguns destes personagens, não existe entretanto qualquer referência à existência de uma Coroa do Espírito Santo. Nos domingos anteriores ao Pentecostes, a sequência dos festejos previa uma alvorada — entoada pelos foliões —, um almoço restrito — que tinha lugar em casa de um dos mordomos — e um peditório — que se realizava no termo da missa dominical. Neste peditório, o rei transportava consigo um bastão, no cimo do qual era espetada uma queijada, onde os vizinhos prendiam ou depositavam o seu contributo monetário; em troca, a rainha oferecia a cada um dos esmoleres uma queijada. Na semana do Pentecostes esta estrutura básica dos festejos era substancialmente enriquecida. Assim, na véspera de domingo, realizava-se uma distribuição porta-a-porta de esmolas de pão e carne — previamente benzidas pelo padre — entre algumas casas mais pobres da localidade. No domingo tinha por seu turno lugar o bodo, uma grande refeição colectiva que «constava de pão, vinho, arroz, carne e grãos, chegando a consumir trinta chibatos ou carneiros, dois ou três bois, cerca de noventa alqueires de pão, não falando já nos outros géneros nem no vinho que havia sempre em abundância» (Gascon, 1921/22: 283). Esta refeição tinha lugar num edifício próprio, a Casa do Espírito Santo onde «estava a mesa posta durante todo o tempo que durava o bodo e ia lá comer quem queria e quanto queria» (id. ibid.). Iniciando-se no domingo, este bodo podia prolongar-se até à 4.a feira seguinte. De acordo com uma notícia transcrita por Leite de Vasconcelos os gastos com o bodo foram, em 1901, de «135 alqueires de trigo em pão; 6.200 queijadas; 2 vacas; 35 carneiros; 25 galinhas; 4 arrobas de arroz; 3 alqueires de grão de bico; 25 arrobas de batatas; 45 kilos de toucinho; 31 almudes de vinho e 1 almude de aguardente» (Vasconcelos, 1982: 322).

MAPA 20. Distribuição das Festas do Espírito Santo no Continente

MAPA 20. Distribuição das Festas do Espírito Santo no Continente

11Para Santiago do Cacém, possuímos uma descrição relativa ao ano de 1862, publicada no jornal «O Bejense» e reproduzida por Tomás Pires nas suas «Investigações Etnográficas» (Pires, 1908). De acordo com essa descrição, a Festa, designada por Bodo do Divino Espírito Santo, resultava de um voto individual e tinha lugar no domingo de Pentecostes. Além de um cortejo em que se integrava a Coroa do Espírito Santo — não existe entretanto qualquer referência à cerimónia da coroação — os festejos compreendiam ainda um conjunto de distribuições alimentares: aos doentes do hospital, aos presos e, por fim, aos pobres. Entre os alimentos distribuídos são referidos sopa, carne de vaca, arroz, pães de trigo, brindeirinhos e fartes. O abate do gado — que era previamente benzido pelo pároco — dava lugar a uma grande concentração de devotos, uma vez que eram atribuídas virtudes curativas ao sangue das reses: «no local que serve para matadouro das vacas destinadas ao bodo do Divino Espírito Santo, reúne-se quase toda a gente que tem qualquer sofrimento, munido da sua tigela, panela, púcaro, etc., etc., para encher do sangue das vacas e logo que o obtêm começam a untar o lugar onde existe o padecimento, e mesmo outros onde não existe, com o fim de não aparecer no sítio untado mal algum» (Pires, 1908: 71). As virtudes atribuídas aos alimentos oferecidos no quadro do bodo estendiam-se também aos brindeirinhos, que eram colocados no trigo, para o preservar do gorgulho (id., ibid.: 72).

12Em Alcabideche (Cascais) de acordo com os elementos referentes ao início do século recolhidos por Micaela Soares (Soares, M., 1983) e por Elisabeth Cabral e Luísa Nunes (Cabral, M. E. e Nunes, M. L., 1982/83), as Festas do Espírito Santo convergiam para o domingo de Pentecostes. À sua frente encontrava-se um grupo de quatro festeiros que tinham designadamente a seu cargo a realização de um peditório com vista ao financiamento dos festejos. O personagem central das Festas era entretanto um imperador, que tinha como insígnia a Coroa do Espírito Santo e que era coadjuvado nos seus desempenhos cerimoniais por um condestável e por um camarista. Além da coroação do imperador, os festejos incluíam um bodo aos pobres, que «consistia na distribuição de uma tigela de arroz, com carne e sopas de pão, vinho e pão de trigo» (Soares, 1983: 42), uma distribuição generalizada de pão bento, e ainda uma distribuição mais restrita de pão de quilo bento junto dos vizinhos que tivessem oferecido «um alqueire de trigo ou mais» (id., ibid.) para as despesas da Festa.

  • 4 Para uma apresentação mais detalhada do modelo tradicional das Festas do Espírito Santo no Penedo, (...)

13No Penedo (Sintra), as Festas do Espírito Santo subsistiram até aos nossos dias, ainda que com algumas transformações relativas ao modelo tradicional4. Convergindo para o domingo de Pentecostes, os festejos têm à sua frente uma comissão composta por um número variável de festeiros. Esta, além de superintender os festejos, tem a seu cargo a realização, algum tempo antes da Festa, de um peditório pelos lugares das redondezas. O personagem central dos festejos é entretanto o imperador. Esse cargo era exercido, até meados do século passado, por um adulto, ocasião em que passou a ser desempenhado por uma criança de cinco a dez anos de idade, em cumprimento de uma promessa feita por pais ou familiares. O imperador enverga um traje próprio, constituído por um fato de veludo vermelho, um chapéu do mesmo tecido, e meias e camisa branca, e tem como insígnias uma Coroa do Espírito Santo, um ceptro e uma espada. Coadjuvam-no nos seus desempenhos cerimoniais um condestável e um porta estandarte. O primeiro possui insígnias semelhantes às do imperador enquanto o segundo tem a seu cargo o transporte de um estandarte do Espírito Santo. Estes dois cargos são geralmente desempenhados pelo imperador do ano seguinte e pelo imperador do ano transacto. Os festejos iniciam-se na véspera do domingo de Pentecostes, com o abate de uma rês. Tradicionalmente, esta era passeada em cortejo pelas ruas da povoação e devia ainda efectuar duas ou três voltas rituais ao redor da capela local. Desde aos anos 40/50 o abate da rês passou entretanto a ser antecedido de uma tourada à corda. No domingo tem lugar a coroação, que se realiza antes do início da missa, à porta da Capela e que, além do imperador do ano, incide também sobre o imperador do ano seguinte ou condestável. Ao fim da tarde, realiza-se por seu turno o bodo, presidido pelo imperador, pelo condestável e pelo porta estandarte. No seu decurso é servida a carne do boi abatida na véspera, cozinhada de forma variável de ano para ano. Além de algumas dezenas de pobres, participam também no bodo um certo número de devotos que fizeram a promessa de se sentar com eles na mesma mesa. No decurso do bodo, muitas pessoas percorrem as mesas, distribuindo entre os presentes uma certa quantidade de dinheiro, em cumprimento de promessas.

14No Reguengo do Fetal (Batalha) — de acordo com a descrição de Ana Maria António e Maria da Luz Câmara (1984) — as Festas do Espírito Santo realizam-se no domingo de Pentecostes e têm à sua frente um imperador, que assume o cargo em resultado de uma promessa específica nesse sentido. Os festejos envolvem ainda a participação de uma parte importante da população da freguesia, que se associa a eles mediante a oferta de uma grande número de pães. Os festejos iniciam-se com a coroação do imperador. A cerimónia, presidida pelo padre, realiza-se no largo central da localidade e, uma vez terminada, forma-se um cortejo que, depois de entrar na igreja paroquial, se dirige para a capela de Nossa Senhora do Fetal. Nesse cortejo, além do imperador, seus familiares e convidados, integram-se também as pessoas que ofereceram pães para a Festa, sendo estes transportados em cestos especialmente decorados para o efeito. Depois da missa, o padre procede à benção do pão e segue-se um almoço em casa do imperador — ou noutro recinto apropriado — destinado a familiares e convidados deste, em número que chega a ser de duas centenas. Entretanto, junto à capela, decorre um arraial e, ao fim da tarde, tem lugar a distribuição de pães. Finda esta, forma-se um novo cortejo que se dirige da capela para a igreja paroquial, onde tem lugar uma segunda coroação do imperador. O termo dos festejos é assinalado pela realização de um jantar em casa do imperador, organizado em moldes similares ao almoço.

15Em Eiras (Coimbra), de acordo com as descrições de Aires de Campos (Campos, 1879) e Alfredo Pratt (Pratt, 1899) relativas a inícios do séc. XIX, as Festas do Espírito Santo parecem ter tido origem num voto popular relacionado com uma epidemia de peste e realizavam-se no domingo de Páscoa e no domingo de Pentecostes. As insígnias da Festa eram constituídas por uma Coroa, um estandarte e um sabre. À sua frente encontrava-se um imperador, escolhido pela Câmara do concelho que lhe entregava na mesma ocasião vinte e seis mil réis em dinheiro, cinquenta alqueires de trigo e oito almudes de vinho como contributo para as despesas dos festejos. Para estas contribuíam ainda os lavradores locais, com ofertas em géneros. Coadjuvado por dois pagens e dois criados, o imperador era coroado pelo padre na igreja local e, acompanhado de uma numerosa comitiva, que seguia a cavalo, devia visitar sucessivamente o convento de Celas — onde se realizava uma nova coroação — e o lugar de Santo António dos Olivais. Os festejos compreendiam ainda um conjunto de sequências de características alimentares, entre as quais um jantar, distribuições de esmolas de pão, vinho, fartes, bolos e tremoços e ofertas de carne, pão, lacticínios e doces entre os lavradores que haviam contribuído para as despesas dos festejos.

16Na Lamarosa da Olaia (Torres Novas), de acordo com uma notícia relativa ao ano de 1904 reproduzida por Leite de Vasconcelos (Vasconcelos, 1982: 322 a 324), as Festas do Espírito Santo convergiam para o domingo de Pentecostes e tinham à sua frente um juiz da festa. Na 5.a feira anterior ao Pentecostes realizava-se a chamada festa dos tabuleiros: um cortejo formado exclusivamente por raparigas procedia à entrega cerimonial dos pães oferecidos pelos vizinhos na casa do juiz da festa. 6.a feira era abatida uma rês, cuja carne era depois distribuída pelos vizinhos que haviam contribuído para a festa. No sábado, tinha lugar o bodo: um cortejo percorria as ruas da povoação, distribuindo pão e vinho em todas as casas. No domingo, por fim, as cerimónias tinham características exclusivamente religiosas: o juiz, acompanhado da Coroa do Espírito Santo, assistia à missa, no termo da qual a Coroa era entregue ao juiz do ano seguinte. Não existe porém qualquer referência à coroação.

17Em Tomar (Ferreira, Fernando, 1978), a Festa dos Tabuleiros — que conheceu, no decurso dos anos 50/60 profundas modificações, ligadas sobretudo ao seu aproveitamento para fins turísticos — desenrolava-se tradicionalmente ao longo do período que medeia entre o domingo de Páscoa e o domingo de Pentecostes. No domingo de Páscoa realizava-se o Cortejo das Coroas, que eram levadas procissionalmente à igreja. Este Cortejo repetia-se nos domingos seguintes. Na véspera de domingo de Pentecostes tinha por seu turno lugar a Procissão dos Tabuleiros, no decurso da qual eram reunidas as ofertas em pão oferecidas pelos devotos. Estes pães. bem como a carne de um certo número de reses abatidas para o efeito eram benzidos, sendo depois objecto, em domingo de Pentecostes, de uma distribuição pública conhecida pela designação de bodo. Embora não existam referências seguras à existência de coroação, esta parecia ser de norma nas freguesias rurais do concelho, onde a sequência das Festas possuía inúmeros pontos de contacto com aquela que acabámos de sintetizar.

18Na Beira Baixa, de acordo com as descrições de Jaime Lopes Dias as Festas do Espírito Santo estendiam-se ao longo do período de sete semanas que medeia entre o domingo de Páscoa e o domingo de Pentecostes. À sua frente encontrava-se uma folia ou confraria — as duas expressões são igualmente utilizadas por Jaime Lopes Dias — integrada por um grupo de mordomos e outros personagens, em número e com designações variáveis de localidade para localidade, que assumiam entre si o encargo da promoção dos festejos. Entre esses personagens contavam-se em certos casos os responsáveis pela direcção e acompanhamento musical dos festejos, que recebiam também designações variadas consoante as localidades. Em cada um dos domingos em que decorriam os festejos, a Coroa e outras insígnias do Espírito Santo eram conduzidas em cortejo à igreja à hora da missa; não se realizava entretanto qualquer coroação. No fim da missa, tinha lugar uma refeição cerimonial restrita aos membros da folia ou confraria e aos seus convidados, cuja responsabilidade recaía à vez sobre um dos seus membros. Essa refeição constava de alimentos cerimoniais variáveis de localidade para localidade e obedecia em geral a uma etiqueta própria minuciosamente regulamentada. Antes dos vários alimentos serem servidos eram entoadas quadras alusivas, os vários membros da confraria trocavam entre si saudações recíprocas e, em certos casos, eram mesmo aplicadas multas a quem desrespeitasse o cerimonial estipulado.

19No interior deste quadro genérico que esboçámos, é possível indicar algumas variações mais significativas. Essas variações dizem respeito, em primeiro lugar à composição e designações da confraria. Numa descrição genérica dos festejos contida no vol. I da «Etnografia da Beira» (1926: 69-80), Lopes Dias refere um caso em que ela era composta por um rei, um pagem, um alferes, dois mordomos e seis fidalgos. Estes últimos tinham a seu cargo o acompanhamento e direcção musical dos festejos. Na Zebreira (Idanha-a-Nova) a folia era composta por um total de dezasseis membros: um juiz, um alferes, um escrivão, uma tesoureira, e doze mordomos. Estes cargos, com excepção da tesoureira, eram geralmente desempenhados por rapazes novos (Dias, J. L., 1953: 87). Em Monsanto (Idanha-a-Nova) os festejos estavam a cargo de um conjunto de mordomos, que, por promessa, encabeçavam a Festa em cada um dos domingos (Buescu, 1961: 60). Na Capinha (Fundão), a folia era composta por um rei, um alferes um pagem e quatro fidalgos (Cunha, J. G., 1892: 138). Na Atalaia (Fundão) faziam parte dela um alferes — que devia ser um rapaz noivo — um tesoureiro, um juiz, oito mordomos, além de um tambor (id. ibid.: 143). Em Pero Viseu (Fundão) integravam a folia um rei, um alferes, e três foliões propriamente ditos, para além de um número não especificado de mordomos (id., ibid.: 145). Em Teixoso (Covilhã), a folia era composta por sete membros escolhidos entre os homens que tivessem contraído casamento no ano transacto e compreendia um rei, um alferes, um procurador, um juiz, um escrivão e dois mordomos (Dias, J. L., 1965: 147 e 148). Em Monforte da Beira (Castelo Branco), a folia integrava também sete membros; um juiz, um alferes — este obrigatoriamente solteiro — um secretário — também designado por rei — um coroeiro — cargo desempenhado por uma criança — um tesoureiro e dois mordomos; cada um destes sete elementos era escolhido numa das sete áreas em que, para o efeito, a freguesia se dividia (Dias, J. L., 1953: 109). Por fim, em Benquerença (Penacova) a designação de folia era reservada aos seis indivíduos que tinham a seu cargo a direcção e acompanhamento musical dos festejos, três dos quais eram designados também por duques e os restantes três por marqueses. «Agregados a eles há uma companhia de sete indivíduos eleitos anualmente pelos outro sete do ano anterior e que se denominam: rei, alferes, pagem, juiz, tesoureiro e mordomos (dois)» (Vasconcelos, 1982: 318).

20O conteúdo das refeições que têm lugar em cada um dos domingos do período consagrado à realização dos festejos é também variável. Lopes Dias refere como ementa mais generalizada «as sopas, arroz, ensopado, prato desconhecido (contem iguaria que vem para a mesa escondida) e arroz doce» (Dias, J. L., 1926: 76). Na Zebreira, por seu turno, são servidos tremoços, filhos, mel e vinho (id., 1953: 90). E em Benquerença «o jantar consta de sopa, cozido (carne) e arroz, carne guisada, arroz de lebre e de coelho e carne assada, vinho à vontade, fruta e arroz doce ou letria» e ainda «um queijo fresco, sem sal, polvilhado de açúcar» (Vasconcelos, 1982: 319).

*

21No arquipélago da Madeira, as Festas do Espírito Santo, tal como nos Açores, remontam aos tempos do povoamento, mas, embora se mantenham ainda em muitas freguesias, parecem encontrar-se em processo de declínio. Já em 1921, os autores do «Elucidário Madeirense» assinalavam que «os grandes festejos que se realizavam outrora no domingo do Espírito Santo, estão muito reduzidos» (Silva/Meneses, 1984: 421). Escrevendo em 1985 sobre o mesmo tema, Nelson Veríssimo, depois de referir que «ainda hoje, em muitas freguesias da Madeira se continua a proceder a estes festejos», acrescentava de imediato que «este costume está a perder o seu cunho original e tende a desaparecer» (Veríssimo, 1985: 9).

22As descrições disponíveis (cf. entre outros Silva/Meneses, 1984, 412 e 413; Pereira, E., 1967, 1091 a 1094; Sarmento, 1951, 91 a 96; Veríssimo, 1985 e 1988) sugerem a existência de um modelo relativamente uniforme dos festejos.

  • 5 No Porto Santo, os mordomos eram em número de dezoito e, além do imperador é ainda referida a exist (...)
  • 6 Vale a pena sublinhar as similitudes entre estas visitas do Espirito Santo e o compasso pascal tal (...)

23Estendendo-se ao longo do período que medeia entre o domingo de Páscoa e o domingo de Pentecostes, as Festas do Espírito Santo têm à sua frente um conjunto de quatro mordomos. Nos seus desempenhos cerimoniais, estes mordomos vestem uma opa de seda vermelha e cada um deles transporta uma das insígnias da Festa: a Coroa, o ceptro, um pendão e uma bandeira do Espírito Santo. O mordomo a quem compete o transporte do ceptro é conhecido pela designação de imperador «por razão duma antiga cerimónia de coroação já banida com que era distinguido» (Pereira, E., 1957: 1093)5. Estes mordomos têm a seu cargo a visita do Espírito Santo que decorre em cada um dos domingos que antecedem o domingo de Pentecostes. «Acompanhados de crianças de dez a doze anos [as chamadas saloias] com antigos trajos campónios, ornados de prendas, e de tocadores de macheie, rabeca, viola e rajão» (id., ibid.) os mordomos visitam sucessivamente todas as casas da freguesia, onde dão as insígnias a beijar aos elementos da casa e recolhem também «esmolas em dinheiro e produtos da terra para ajuda de festa» (id., ibid.: 1091). Estas visitas são rodeadas de uma certa cerimonialização. As casas são decoradas «com flores e verdura» (Veríssimo, 1985: 13) e é preparada uma mesa com «um jarro de vinho e um prato de doces» (id., ibid.) para os mordomos e cantadeiras. Os momentos mais significativos da visita a cada casa são assinalados através de cantigas — de saudação, de agradecimento, etc... — entoadas pelas cantadeiras6. No final da visita a cada um dos lugares da freguesia «as pessoas juntavam-se na berma dos caminhos para se despedirem das insígnias» (id., ibid.).

24O domingo de Pentecostes representa o ponto culminante dos festejos. Na véspera ou no próprio dia, organiza-se um cortejo, encabeçado pelos mordomos, que transporta para a copa — «um barracão de verdura e flores improvisado no adro» da igreja (Pereira, E., 1957: 1093) — os produtos agrícolas e os alimentos — pão, carne, etc... — confeccionados a partir do produto das esmolas das visitas. No domingo, depois da missa, uma parte desses alimentos, depois de benzida pelo pároco é distribuída na copa entre um certo número — geralmente doze — de pobres da freguesia. Segundo Nelson Veríssimo «a cada pobre era destinada uma posta de carne, 1 kg de arroz, 1 kg de massa, 1 pão de quilo, frutas e um prato com doces» (Veríssimo, 1985: 16). Em certas freguesias, esses pobres são também convidados para uma refeição em casa do imperador, que consta de sopa de couve, caldo de massa, arroz com carne assada de vaca ou porco, doces e fruta (id., ibid.). Para além destas duas prestações alimentares, a sequência dos festejos é ainda integrada por uma distribuição porta-a-porta de pão bento «pelos casais da freguesia que contribuíram com esmola para a festa» (id., ibid.: 17). Esta distribuição tem lugar na segunda feira do Espírito Santo ou ao longo de toda a semana que se segue ao domingo de Pentecostes. Em cada casa, «o pão bento era colocado num prato, no centro da mesa. Então a família (todos os membros do agregado doméstico) comia uma parte do pão. O pão era partido pelo homem, chefe de família, e era por ele distribuído aos mais velhos (...) e depois à mulher e aos filhos». No fim, entretanto, devia «sobrar, por obrigação, um pedaço de pão» que «era religiosamente guardado e merecia o culto e a veneração da família. A ele eram atribuídos poderes miraculosos» (id., ibid.).

Notes

1 Como vimos, de acordo com as «narrativas de fundação» das Festas do Espírito Santo, teria sido em Alenquer que a Rainha Santa Isabel as instituiu. Posteriormente, existem testemunhos da realização das festividades para o séc. XVII (Brandão, 1672: 185). Refira-se, por curiosidade, que em 1945, por iniciativas da Junta da Província da Estremadura, teve lugar uma «recriação» dos festejos tal como eles teriam tido lugar no séc. XVII (cf. Câncio, 1956: 221-222).

2 Segundo Elisabeth Cabral e Luísa Nunes, as Festas do Espírito Santo em Alcabideche mantiveram-se «em toda a sua pureza até inícios do presente século (1907 ou 1908)». Existem referências posteriores para 1926, 1929 e 1930 e ainda para 1979, mas o ritual caracterizavase já por um certo declínio (Cabral. M.E. e Nunes, M.L., 1982/83: 823).

3 É certo que em Leite de Vasconcelos se podem encontrar algumas referências a rituais relacionados com o Espírito Santo no norte do país: em Bougado (Santo Tirso) (Vasconcelos, 1982: 321) e em Bom Jesus de Matosinhos e Bom Jesus do Monte (id., ibid.: 324-325). Luís Chaves refere também a existência de uma solenidade colocada sob a evocação do Espírito Santo em Guimarães (Chaves, L., 1945: 102-103). Em todos estes casos, os elementos fornecidos sugerem entretanto tratar-se de celebrações sem relação explícita com os motivos principais que caracterizam as Festas do Espírito Santo propriamente ditas.

4 Para uma apresentação mais detalhada do modelo tradicional das Festas do Espírito Santo no Penedo, cf. Keil, 1917. A estrutura actual dos festejos foi objecto de dois estudos monográficos, de Elisabeth Cabral e Luísa Nunes (Cabral, M.E. e Nunes, M.L., 1982/83) e de Micaela Soares (Soares, 1983).

5 No Porto Santo, os mordomos eram em número de dezoito e, além do imperador é ainda referida a existência de um pagem, dois camaristas e um marechal (Pereira, E., 1957: 1092).

6 Vale a pena sublinhar as similitudes entre estas visitas do Espirito Santo e o compasso pascal tal como este se realiza tradicionalmente em muitos pontos do país. Cf. a este respeito Veiga de Oliveira, 1984g.

Table des illustrations

Titre MAPA 20. Distribuição das Festas do Espírito Santo no Continente
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2067/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 145k

© Etnográfica Press, 1994

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540