Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

As festas do Espírito Santo nos Açores

 | 
João Leal

Parte III. São Miguel: Romarias Quaresmais e Festas do Espírito Santo

São Miguel: Romarias Quaresmais e Festas do Espírito Santo

Texte intégral

I

1O vínculo entre Festas do Espírito Santo, estrutura social e tempo tem sido recorrentemente sublinhado no decurso deste estudo.

2Uma das expressões desse vínculo — conforme tivemos ocasião de sublinhar no Capítulo consagrado ao «Tempo dos Impérios» — deriva da colocação das Festas do Espírito Santo no interior do ciclo cerimonial anual. Sobrevindo na sequência dos «ciclos» do Carnaval e da Quaresma, as Festas do Espírito Santo ligam-se a ideias de reiteração cíclica das relações sociais que podem ser interpretadas por referência à latência social característica da Quaresma. Entre este ciclo cerimonial e as Festas do Espírito Santo é detectável, em consequência, um conjunto de oposições e complementariedades que, começando por operar no plano sociológico, se estende ainda a outros registos simbólicos.

3Este contraste entre Festas do Espírito Santo e Quaresma recebe, na ilha de Sao Miguel, um significado acrescido, resultante da articulação da Quaresma com as chamadas Romarias Quaresmais. Específicas de São Miguel — onde são conhecidas mais usualmente pela expressão abreviada de Romaria —, as Romarias Quaresmais conferem de facto uma expressão particularmente enfática às ideias de latência social e de morte, por referência às quais podem ser entendidas as características sociológicas que as Festas do Espírito Santo apresentam.

II

  • 1 A tese mais divulgada acerca das origens das Romarias fá-las remontar às crises sísmicas que atingi (...)

4Com origens ainda hoje sujeitas a controvérsia1, as Romarias Quaresmais podem ser genericamente apresentadas como uma peregrinação visando a prática intensiva da oração e da penitência. Decorrendo numa das semanas da Quaresma, essa peregrinação centra-se sobre a totalidade das igrejas e ermidas da ilha de São Miguel consagradas a Nossa Senhora — as chamadas Casas de Nossa Senhora —, às quais se acrescentam ainda um grande número de igrejas e ermidas colocadas sob outras invocações. No total, são visitados no decurso do ritual cerca de cem lugares de culto, distribuidos pelo conjunto das cinquenta e oito freguesias de São Miguel (cf. mapa 19). Dadas as características predominantemente litorais do povoamento da ilha, o itinerário da Romaria tem uma configuração circular, devendo fazer-se sempre no sentido dos ponteiros do relógio.

5A participação no ritual tem lugar no quadro de grupos constituídos expressamente para o efeito, os ranchos de romeiros. Os romeiros envergam um traje próprio, constituído por um xaile caído sobre os ombros e um lenço que, sendo mais correntemente atado ao pescoço, pode ser também usado à cabeça. Além disso, todos os romeiros se fazem acompanhar de um bordão e de um terço, e ainda de um saco de pano, ou sovadeira, levado às costas e onde são transportados alguns alimentos e, eventualmente, uma muda de roupa.

6As motivações que conduzem à participação na Romaria são de duas ordens. Para um número importante de romeiros o ritual tende a confígurarse como uma devoção genérica e regular. A participação na Romaria reserva nestes casos um importante papel às ideias de perdão e reconciliação com a divindade e de regeneração espiritual periódica a que a Quaresma confere particular relevo. Em segundo lugar, as Romarias constituem, no quadro das formas de religiosidade popular dominantes em São Miguel, um meio de satisfação de promessas individuais, geralmente relacionadas com circunstâncias graves da vida — doença, acidentes.

7Os ranchos de romeiros constituem-se por freguesia e possuem uma dimensão variável, de acordo com a maior ou menor expressão local do culto e em função do número de pessoas que, em cada ano, pretendem cumprir o ritual. Se, no decurso dos anos 60 e 70 certos ranchos chegaram a integrar duzentos romeiros, a dimensão da maioria dos ranchos oscila actualmente entre os vinte e os cem romeiros. Os ranchos possuem uma estrutura interna própria, caracterizada pela sua autonomia em relação à hierarquia eclesiástica. A direcção do ritual está a cargo do mestre, que é geralmente assistido por um contramestre. Cada rancho integra também dois guias, a quem compete a sua condução ao longo do itinerário tradicionalmente estabelecido. A existência de um ou dois dispenseiros está igualmente prevista, relacionando-se as suas atribuições principais com o aprovisionamento alimentar do rancho: só eles estão autorizados a abandonar o rancho para adquirirem os produtos alimentares que cada romeiro lhes solicite. Finalmente, integram ainda o rancho o menino da cruz — encarregue do transporte de uma pequena cruz — e o alembrador e o procurador das almas cujas funções, de ordem cerimonial, se ligam à oração. O rancho, quando em marcha, adopta uma formação convencional constituída por duas alas de romeiros caminhando a par e separados entre si cerca de 2 metros. Como se pode verificar na figura 10, alguns dos detentores dos cargos atrás referidos ocupam no rancho um lugar tradicionalmente definido.

FIGURA 10. Organização dos Ranchos de Romeiros

FIGURA 10. Organização dos Ranchos de Romeiros

Legenda: G — guias; mc — menino da cruz; CM — contra-mestre; M — mestre; AA — alembrador das almas; PA — procurador das almas.

8Tendo lugar numa das semanas da Quaresma — variável de rancho para rancho, mas que, para cada rancho é sempre a mesma de ano para ano —, o ritual inicia-se a um sábado ou a um domingo e o seu termo ocorre no domingo seguinte. O percurso realizado pelo rancho ao longo da Romaria tem uma extensão aproximada de 200 km. e estrutura-se em etapas diárias de cerca de 25/30 kms. A marcha inicia-se muito cedo, por volta das 4/5 horas da madrugada e termina cerca das 20 horas da noite. No quadro de cada etapa, está previsto um certo número de paragens — que têm geralmente lugar em sítios retirados — tanto para curtas pausas de descanso, como para as refeições. As unidades de referência da caminhada são as freguesias de pernoita: um certo número de freguesias tradicionalmente definidas, variáveis de rancho para rancho, onde os romeiros passam a noite (cf. a este propósito, o mapa 19). No passado, essas pernoitas tinham lugar em cafuas ou palheiros, situados nas imediações das povoações. Actualmente, porém, os ranchos beneficiam da hospitalidade dos moradores. Nas casas onde pernoitam, os romeiros tomam a refeição da noite e podem ainda proceder a cuidados de higiene, embora muito sumários. De facto, durante todo o período de duração da Romaria, os cuidados de higiene dos romeiros são reduzidos ao mínimo, não apenas em resultado das circunstâncias objectivas que rodeiam o ritual, mas também como parte integrante dos usos e costumes com que ele se articula. Desses usos e costumes, merece particular menção a interdição de fazer a barba no decurso da Romaria, ainda hoje observável com notável uniformidade.

MAPA 19. Itinerário do Rancho de Ponta Graça (1988)

MAPA 19. Itinerário do Rancho de Ponta Graça (1988)

1. Senhora da Vida (Ponta Garça). 2. Bom Jesus Menino (Ribeira das Tainhas). 3. Senhora da Paz (Vila Franca do Campo). 4. Santo André (Vila Franca do Campo). 5. Mãe de Deus (Vila Franca do Campo). 6. São Miguel (Vila Franca do Campo). 7. Bom Jesus da Pedra (Vila Franca do Campo). 8. Senhora da Natividade (Vila Franca do Campo). 9. São Pedro (Vila Franca do Campo). 10. Senhora de Fátima (Vila Franca do Campo). 11. São Lázaro (Água de Alto). 12. São José (Ribeira Chã). 13. Senhora das Dores (Água Pau). 14. Senhora dos Anjos (Água Pau). 15. Santa Cruz (Lagoa). 16. Senhora do Rosário (Lagoa). 17. Senhora das Necessidades (Atalhada). 18. Senhora do Livramento (Livramento). 19. Senhora do Carmo (Livramento). 20. Senhora da Glória (Livramento). 21. São Roque (São Roque). 22. São João de Deus (Fajã de Baixo). 23. Senhora dos Anjos (Fajã de Baixo). 24. Senhora da Oliveira (Fajã de Cima). 25. São Sebastião (Ponta Delgada/matriz). 26. São José (Ponta Delgada). 27. Senhor Santo Cristo (Ponta Delgada). 28. Senhor Santo Cristo (Seminário/Ponta Delgada). 29. Senhora da Conceição (Casa de Saúde/Ponta Delgada). 30. Senhora da Piedade (Arrifes/Piedade). 31. Senhora dos Milagres (Arrifes/Milagres). 32. Senhora da Saúde (Arrifes/Milagres). 33. Senhora da Ajuda (Covoada). 34. Santa Luzia (Feteiras). 35. Senhora das Candeias (Candelária). 36. Senhora do Socorro (Candelária). 37. São Sebastião (Ginetes). 38. Senhora de Fátima (Ginetes). 39. Sagrada Família (Várzea). 40. São Nicolau (Sete Cidades). 41. Senhora da Conceição (Mosteiros). 42. Senhora da Conceição (Pilar da Bretanha). 43. Senhora do Pilar (Pilar da Bretanha). 44. Senhora da Ajuda (Ajuda da Bretanha). 45. Senhora dos Remédios (Ajuda da Bretanha). 46. Santa Bárbara (Santa Bárbara). 47. Santo António (Santo António). 48 Senhora da Apresentação (Capelas). 49. Senhora do Rosário (Capelas).
50. Senhora da Conceição (São Vicente). 51. Senhora da Luz (Fenaes da Luz). 52. Senhora da Boa Viagem (Calhetas). 53. Senhora das Mercês (Calhetas). 54. Senhora do Rosário (Rabo de Peixe). 55. Jesus Crucificado (Rabo de Peixe). 56. São Pedro (Ribeira Seca). 57. Senhora do Guadalupe (Ribeira Grande). 58. Senhora da Conceição (Ribeira Grande). 59. Senhor dos Passos (Ribeira Grande). 60. Senhora da Estrela (Ribeira Grande/matriz). 61. Senhora de Fátima (Ribeira Grande). 62. São Salvador do Mundo (Ribeirinha). 63. Senhora da Graça (Porto Formoso). 64. São Brás (São Brás). 65. Senhora do Resgate (Gorreana). 66. Divino Espírito Santo (Maia). 67. Senhora das Dores (Lombinha da Maia). 68. Senhora do Rosário (Lomba da Maia). 69. Senhora da Aflição (Ribeira Funda). 70. Reis Magos (Fenaes da Ajuda). 71. Senhora da Ajuda (Fenaes da Ajuda). 72. São Pedro (Lomba de São Pedro). 73. São José (Salga). 74. Senhora do Rosário (Achadinha). 75. Senhora da Anunciação (Achada). 76. Santa Ana (Feteira Pequena). 77. Senhora do Amparo (Algarvia). 78. Santo António (Santo António do Nordestinho). 79. São Pedro (São Pedro do Nordestinho). 80. Senhor do Pranto (São Pedro do Nordestinho) 81. Senhora da Conceição (Lomba da Fazenda). 82. Senhora do Rosário (Nordeste). 83. São Jorge (Nordeste). 84. Senhora da Nazaré (Nordeste). 85. Senhora da Luz (Pedreira do Nordeste). 86. Senhora da Penha de França (Água Retorta). 87. Senhora da Graça (Faial da Terra). 88. Senhora dos Remédios (Povoação). 89. Mãe de deus (Povoação/matriz). 90. Senhora do Rosário (Povoação). 91. São Paulo (Ribeira Quente). 92. Senhora da Alegria (Furnas). 93. Santa Ana (Furnas). 94. Senhora da Vitória (Furnas). 95. Senhora das Mercês (Ponta Garça). 96. Senhora da Piedade (Ponta Garça).
(Nota: as ermidas e igrejas em «bold» correspondem às que o rancho de Ponta Garça «saúda de longe»)

9As características penitenciais da Romaria assentam, antes de mais, na dureza do próprio percurso realizado pelos ranchos, expressa quer na sua extensão global, quer no ritmo diário da marcha. A este quadro geral somamse muitas vezes condicionalismos específicos. Assim, embora a maior parte do percurso seja actualmente feito por estrada, em muitos casos, para cortar caminho, são utilizados atalhos secundários, que tornam a marcha mais difícil. É por outro lado frequente que a Romaria se desenrole debaixo de condições meteorológicas adversas, características da altura do ano em que ela se realiza. A marcha do rancho não deve ser interrompida sob nenhum pretexto e pode muitas vezes realizar-se dias a fio debaixo de chuva intensa e contínua. Estes factores contribuem para conferir uma dureza suplementar à caminhada que o grupo deve realizar. As marcas dessa dureza, perdida a frescura dos primeiros dias, não tardam em aparecer. Além do cansaço geral, começa a manifestar-se todo o tipo de sequelas: bolhas e calos nos pés, dores musculares, etc… Muitos romeiros consideram-nas parte da penitência e recusam-se a efectuar qualquer tipo de tratamento. A par das dificuldades da caminhada, a penitência assenta noutros dispositivos, relacionados designadamente com a alimentação. Esta, se exceptuarmos a refeição da noite, mais abundante e oferecida pelos donos da casa onde o romeiro pernoita, é em geral algo exígua. Em certos casos a alimentação adquire um mais acentuado valor penitencial. E o que se passa com os romeiros que, em resultado de promessa, participam na Romaria a pão e água. A privação alimentar extrema a que se submetem, reforçando substancialmente as dificuldades ligadas ao ritual, transforma a caminhada num verdadeiro sacrifício.

10No passado, as condições precárias em que decorriam as pernoitas acentuavam também este quadro de dificuldades. É, mesmo hoje em dia, existe sempre o risco, sobretudo no caso de ranchos maiores, de a hospitalidade dos moradores das freguesias de pernoita ser insuficiente para arrumar a totalidade do rancho, podendo os romeiros remanescentes terem de dormir numa situação menos confortável, em qualquer recinto de circunstância.

  • 2 Para uma apresentação mais detalhada dos textos destas orações e cânticos, cf. Leal, 1989, 432-435.

11Quanto à oração, ela centra-se, em primeiro lugar, em paragens regulares em cada uma das igrejas e ermidas que a Romaria deve visitar. Essas paragens têm uma duração variável — entre 15 a 30 minutos — de acordo com vários factores e organizam-se segundo um padrão relativamente complexo, algo diferenciado de rancho para rancho. A par de um certo número de orações retirados da devoção geral católica — sequências de «Pais Nossos» e «Ave Marias», o «Credo», outras orações mais curtas —, o seu núcleo mais importante é constituído por um conjunto de orações e cânticos de características tradicionais mais ou menos marcadas, onde avultam temas eminentemente quaresmais2.

12Paralelamente à oração junto às igrejas e ermidas, o conjunto do percurso da Romaria, sobretudo nos ranchos mais rigorosos, deve ser feito integralmente a rezar. Em comparação com a oração junto às igrejas e ermidas, esta segunda grande modalidade da oração apresenta entretanto, de rancho para rancho, uma estrutura mais uniforme. Nela avulta, como figura central, a «Ave Maria dos Romeiros», um cântico de características tradicionais construído a partir da «Ave Maria». Cântico por excelência da Romaria, a «Ave Maria dos Romeiros» é também o seu verdadeiro «emblema» acústico. As suas características de coral colectivo, severo e plangente — em cuja linha melódica Bettencourt da Câmara (1984: 95) detectou a influência do cantochão, combinada com elementos de natureza popular — transmitem de forma particularmente incisiva as principais linhas de força do ritual. Entoada quer à aproximação das igrejas e ermidas, quer no termo das sequências de oração nelas centradas, a «Ave Maria dos Romeiros» é ainda de norma sempre que o rancho atravessa povoações ou lugares habitados. Além das suas características genéricas de cântico religioso em louvor de Nossa Senhora, a «Ave Maria dos Romeiros» articula-se com formas específicas de oração. A espaços, o cântico é interrompido por um «pregão» — ou salva — entoado em tom arrastado pelo alembrador das almas ou pelo mestre. Esse «pregão» é usualmente conhecido através das expressões alembrar as almas ou bradar às almas, e por seu intermédio, o alembrador das almas (ou o mestre) solicita, quer ao rancho, quer às pessoas que assistem à sua passagem, que rezem um determinado número de orações — geralmente um «Pai Nosso» e uma «Ave Maria» — por intenções que são especificadas no próprio «pregão».

  • 3 Esta tradição possui a sua justificação no facto de as Três Pessoas da Santíssima Trindade serem co (...)

13Ao lado da «Ave Maria dos Romeiros», a oração durante a marcha reserva um papel importante à recitação do terço, que é de norma sempre que o rancho caminha em descampados. A recitação do terço pode ser colectiva e em voz alta ou individual e em silêncio. Cada uma das duas modalidades corresponde a objectivos distintos. Assim, os terços rezados individualmente e em silêncio — que no cômputo global da Romaria podem subir a cerca de quarenta — ligam-se a uma componente mais pessoal da oração de cada romeiro e destinam-se sobretudo às suas intenções individuais. Quanto aos terços rezados em voz alta — cujo quantitativo se eleva também a cerca de quarenta destinam-se fundamentalmente a satisfazer pedidos expressamente feitos ao rancho por pessoas que lhe são exteriores. Nesses pedidos, as pessoas solicitam ao rancho que reze, por intenções que elas especificam, um determinado número de orações — geralmente um «Pai Nosso» e uma «Ave Maria». Ao solicitarem essas orações, esses indivíduos comprometem-se em troca a rezar, em função do seu pedido, um número de orações equivalente ao número de romeiros do rancho mais três, correspondente às três pessoas da Santíssima Trindade3. A recolha desses pedidos constitui a função exclusiva do procurador das almas, que informa também as pessoas que se lhe dirigem do número de romeiros que o rancho integra.

14A importância destas formas de trocas de oração deve ser sublinhada. Por seu intermédio, a Romaria projecta-se para fora do quadro estrito em que começa por situar-se e tende a vincular a si o conjunto da sociedade. Continuamente atravessadas, ao longo das sete semanas da Quaresma, por sucessivos ranchos de romeiros, os habitantes das diferentes freguesias da ilha são no fundo convidados a associar-se ao espírito de penitência e oração que os ranchos encarnam.

III

15Reservando um papel fundamental a esses dois temas centrais da religiosidade quaresmal que são a penitência e a oração, as Romarias ecoam também de forma particularmente enfática as ideias de latência social e de morte características deste período do ciclo cerimonial anual.

16As ideias de latência social expressam-se em primeiro lugar na renúncia à vida social inscrita na Romaria. A consagração exclusiva à penitência e à oração não significa apenas um corte com as ocupações quotidianas mas exige também uma ruptura momentânea com a rede de relações sociais.

17Essa ruptura começa por intervir em relação aos laços familiares e de parentesco e expressa-se no momentâneo corte, durante todo o período de duração da Romaria, com essas esferas fundamentais do relacionamento social de cada indivíduo. Essa ruptura é vivida de uma forma particularmente enfática pelos protagonistas do ritual. Assim, é bastante usual que, na véspera da partida do rancho, muitos romeiros se desloquem propositadamente a casa de alguns parentes mais chegados, para apresentar despedidas. A partida e a chegada do rancho à freguesia de origem, por outro lado, tendem a confundir-se com ocasiões, fortemente marcadas de um ponto de vista emocional, de separação e reagregação na unidade doméstica. À partida, as familias, depois de assistirem, em conjunto com os romeiros, à missa celebrada na igreja paroquial, acompanham o rancho até aos limites da freguesia e, depois da primeira refeição do rancho, têm lugar as despedidas formais. À chegada do rancho, por seu turno, os romeiros são aguardados pelas respectivas famílias, que tomam também a refeição com eles, e que, depois, os acompanham na parte final do percurso, assistindo igualmente à missa que põe termo à Romaria.

18Paralelamente ao corte com as relações familiares e de parentesco, as Romarias Quaresmais pressupõem também uma momentânea ruptura com a freguesia, unidade central da vida social nos Açores e poderoso mecanismo de definição da identidade colectiva. Esta ruptura deriva do modo como a Romaria projecta os ranchos para o exterior das suas freguesias de origem. Fazendo-o, a Romaria configura-se como um ritual envolvendo uma marcada componente de «nomadização» e exterioridade em relação a esse espaço social. Essa condição de exterioridade é enfatizada em certos detalhes do ritual. Era o que se passava, há alguns anos, quando as pernoitas tinham lugar em cafuas ou palheiros, geralmente situados nas imediações das povoações, vincando a condição de exterioridade do rancho. Apesar de hoje em dia a situação se ter modificado e de os ranchos beneficiarem, nas freguesias de pernoita, da hospitalidade dos respectivos moradores, essa hospitalidade aparece entretanto rodeada de sinais que revelam a exterioridade do rancho. Assim, por exemplo, alguns dos dispositivos que rodeiam as pernoitas impõem aos romeiros uma atitude de reserva em relação aos seus hospedeiros: eles são supostos responder de forma breve às questões que lhe forem colocadas, não devem assumir a iniciativa do diálogo, retiram-se o mais cedo possível depois da refeição, etc…

19Intervindo num primeiro momento em relação a unidades sociais precisas, a ruptura com o quadro social inscrita na Romaria estende-se por fim à vida social no seu conjunto e às suas expressões mais genéricas. No decurso da Romaria, as relações do rancho com o exterior vêem-se de facto restringidas ao máximo. Os romeiros não devem, sob nenhum pretexto, abandonar o rancho, sobretudo durante as pausas para descanso ou refeições — usualmente em lugares retirados — ou durante as pernoitas. No decurso destas, como vimos, são-lhes impostas formas de reserva em relação aos seus hospedeiros que acentuam também o seu divórcio com o mundo exterior. É-lhes ainda interdito cumprimentar ou visitar qualquer parente ou amigo nas freguesias percorridas pelo rancho. As compras necessárias ao rancho, por fim, são da responsabilidade exclusiva dos dispenseiros, impedindo a multiplicação de contactos individuais com o mundo exterior.

  • 4 Uma apresentação mais detalhada do conjunto de valores a que se subordina a ideia de «communitas» p (...)
  • 5 Alguns estudos recentes têm procurado problematizar a equação estabelecida por Turner entre peregri (...)

20Começando por assentar nestas formas de ruptura em relação à estrutura social, as ideias de margem e latência sociais presentes nas Romarias Quaresmais expressam-se ainda na sua articulação com um universo sociológico caracterizado por valores muito claros de «communitas». Proposta por V. Turner (cf. Turner, 1969a; 1969b e 1974), esta expressão procura designar o tipo de relacionamento social prevelecente em certos rituais marcados por ideias muito fortes de margem ou liminaridade: ritos de passagem, certo tipo de cerimónias cíclicas, peregrinações, etc… Nesses rituais, um conjunto muito diversificado de valores — entre os quais Turner inclui a camaradagem e o igualitarismo, a indiferenciação e a homogeneidade sociais, a submissão e a renúncia ao individualismo4 — funcionariam por oposição às regras que estruturam a vida social corrente — a «societas» — contribuindo para sublinhar de forma particularmente enfática ideias de margem ou liminaridade em relação à sociedade5.

  • 6 Esta expressão é aqui utilizada no sentido mais corrente que recebe em ciências sociais. Cf., a est (...)

21É um quadro similar que podemos reencontrar nas Romarias. Retirando o indivíduo da estrutura social, estas situam-no simultaneamente numa «communitas» onde se suspendem momentaneamente alguns dos grandes traços caracterizadores da vida social corrente — os conflitos, a diferenciação social, o individualismo —, substituindo-os pelos valores exactamente opostos — a fraternidade, a indiferenciação e a homogeneidade sociais, o «holismo»6.

22Os valores da fraternidade são explicitamente introduzidos no ritual pela forma de tratamento mútuo por irmão que vigora entre os peregrinos; e pelo abraço, que constitui a forma habitual de saudação no interior do rancho. Simultaneamente, é colocada grande ênfase na harmonia que deve caracterizar as relações entre romeiros. «Uma grande família», «uma união muito forte», «a gente aqui somos mesmo como irmãos», são algumas das frases que ouvimos muitas vezes a esse respeito. O ritual prevê mesmo que, caso se integrem no mesmo rancho dois indivíduos em situação de conflito, tenha lugar um pequeno ritual de reconciliação entre eles, descrito da seguinte forma no Regulamento eclesiástico da Romaria: «se acontecer de nalguns ranchos se encontrarem pessoas inimigas ou rivais, o Mestre, no primeiro escampado, tocará a campainha para o rancho e chamando os desavindos, à vista de toda a comunidade, convida-os a abraçarem-se cordialmente, fá-los caminhar lado a lado durante a viagem e dormir na mesma casa, para que a amizade volte a reinar entre eles» (Regulamento…, 1962: 41).

  • 7 Estes dois traços ressaltam claramente dos dados publicados em Saraiva, A. e Dias, T., 1987, 30-31. (...)

23Quanto às ideias de indiferenciação e homogeneidade social, elas começam por expressar-se no modo como a Romaria apaga os critérios estatutários, diferenciadores, que forjam usualmente a identidade social. Os ranchos apresentam de facto, no respeitante à sua composição, uma certa heterogeneidade socio-profissional e etária7. É justamente essa heterogeneidade que é suprimida no decurso do ritual. A forma de tratamento mútuo por irmão estabelece uma equivalência entre todos os romeiros. Por outro lado, as atitudes exigidas entre romeiros impõem a parentes e amigos formas de relação que dissolvem uma proximidade de primeiro grau, baseada nas linguagens do parentesco e da amizade, e a reconvertem numa proximidade de segundo grau, definida exclusivamente pela pertença ao rancho. É por exemplo frequente que, no mesmo rancho, se encontrem membros da mesma unidade doméstica, uma vez que, sobretudo entre o seu núcleo mais estável, a Romaria se tende a configurar como uma tradição de características familiares, que se transmite de pais para filhos. Nesses casos, existe uma preocupação clara de quebrar, designadamente através da atitude prevalecente durante as refeições, o carácter privilegiado dessas relações. Da mesma forma, no modo como alguns mestres distribuem os romeiros para as pernoitas — em grupos de dois ou mais romeiros, de acordo com as disponibilidades de cada casa — os critérios seguidos reafirmam que qualquer romeiro é potencialmente parceiro de qualquer outro romeiro.

24Um terceiro aspecto relevante do universo sociológico proposto pela Romaria é, por fim, a renúncia ao individualismo e a sua substituição por um quadro social caracterizado pelo «holismo». Este quadro social começa por resultar, antes do mais, da fraternidade e da indiferenciação social prevalecentes na Romaria. Assim, a harmonia social faz-se acompanhar de uma renúncia total às prerrogativas e à expressão do individualismo, como aliás é perfeitamente claro no ritual de reconciliação que referimos atrás. É necessário que, pelo menos momentaneamente, cada indivíduo ponha de lado não apenas aquilo que, separando-o de um outro, o investe de autonomia, mas que renuncie também, para retomarmos a expressão que nos foi reproduzida a esse respeito, ao seu orgulho. Por outro lado, destituído dos atributos que o diferenciam, cada romeiro vê-se simultaneamente desprovido dos aspectos estritamente individuais da sua identidade.

25A natureza «holista» da Romaria assenta também no papel que no ritual têm os valores da disciplina e da «humildade». A disciplina constitui um dos aspectos centrais do funcionamento interno de cada rancho e expressa-se num conjunto de normas que dizem respeito, tanto às relações do rancho com o exterior, como à conduta interna a observar no seu interior. Esta disciplina não é entretanto concebida como uma imposição: trata-se, pelo contrário, de uma submissão espontânea e voluntária do indivíduo ao grupo. Quanto à «humildade», além de expressões mais genéricas, transparece de forma particularmente clara na obediência completa ao mestre. Este é não só objecto de uma forma de saudação particularmente significativa desse ponto de vista — o beija-mão — como as suas decisões, quaisquer que sejam, devem ser sempre acatadas sem reservas. Mais uma vez, é à luz das características «holistas» do quadro social da Romaria que este aspecto deve ser compreendido: o que está em causa não é a figura individual do mestre mas o modo como ele encarna no fundo a própria unidade do rancho. Submetendo-se-lhe, cada romeiro torna claro que a lógica do grupo se sobrepõe por completo à lógica individual.

26Isto é, cortado do mundo social exterior, colocando-se à sua margem, o rancho deixa-se simultaneamente ver como um universo sociológico onde se suspendem momentaneamente alguns dos traços centrais da vida social: os conflitos, as diferenças de estatuto e dignidade, o individualismo. Contribuindo para enfatizar as ideias de margem e latência sociais inscritas na Romaria, este contraste entre o ritual e a vida social corrente é de resto vigorosamente sublinhado pelos próprios romeiros: «é um tempo diferente, a gente aqui somos como irmãos, mas em chegando lá fora, vêm as reichas e os ódios»; «durante uma semana é como uma família, até mais unida que a verdadeira, aquela que deixámos para trás»; etc… Para muitos romeiros, esta singular experiência sociológica constitui mesmo um dos aspectos determinantes do ritual.

IV

27Caracterizando-se pela forma particularmente enfática como trabalham as ideias de latência social próprias da Quaresma, as Romarias Quaresmais podem ser vantajosamente contrapostas a alguns dos aspectos que caracterizam, inversamente, o trabalho de reiteração das relações sociais a que se entregam as Festas do Espírito Santo.

28Assim, ao relevo que as Romarias colocam na ruptura com a rede de relações sociais opõe-se o acento que, inversamente, as Festas do Espírito Santo dão à reconstituição minuciosa das principais linhas de força sobre que assenta a estrutura social. Vimos que na Romaria, essa ruptura com a rede de relações sociais era dada de forma particularmente marcada a dois níveis principais: o das relações familiares e de parentesco e o da freguesia. Nas Festas do Espírito Santo, inversamente, os propósitos de recomposição das relações sociais são também particularmente explícitos a esses dois níveis. De facto, as Festas do Espírito Santo apareceram-nos ligadas quer a ideias de reiteração dos laços familiares e do parentesco — em particular no âmbito da vertente sociológica mais restrita dos festejos, ligada às figuras individuais de cada mordomo ou imperador — quer a ideias de reafirmação da freguesia como quadro estruturador central da vida social local. Como vimos, no auge dos festejos, os dispositivos rituais previstos, com relevo para os que se relacionam com as modalidades de circulação do alimento, concedem particular relevo à afirmação dos laços de pertença à freguesia e à reiteração da sua identidade, enquanto corpo social «unificado», face ao exterior.

29O esforço de recomposição das relações sociais que caracteriza as Festas do Espírito Santo aparece por outro lado articulado com um processo de restauração de alguns dos traços da vida social, enquanto tecido estruturado, que pode ser também confrontado com alguns aspectos do relevo que, inversamente, as Romarias concedem a ideias de «communitas». Ao exclusivo acento nos valores da fraternidade inscritos nas Romarias, opõe-se de facto o modo como as Festas do Espírito Santo, simultaneamente a ideias de partilha e hospitalidade alimentar, fornecem também, como vimos, um terreno favorável à expressão de sentimentos de hostilidade e rivalidade. As ideias de indiferenciação e homogeneidade que as Romarias expressam, contrastam também com o acento que, inversamente, as Festas do Espírito Santo colocam na restauração da componente diferenciadora e estatutária da vida social. As modalidades de intervenção nos festejos assentam, por um lado, num conjunto de distinções sociais, baseadas na pertença a esferas sociológicas claramente demarcadas: parentesco, vizinhança, lugar, freguesia, etc… Simultaneamente, a articulação do ritual com um conjunto de símbolos e desempenhos retirados de uma linguagem de «poder» confere-lhe também uma dimensão simbólica de reposição de uma ordem social baseada na diferenciação de estatutos e na afirmação de precedências hierárquicas. Finalmente, ao «holismo» prevalecente na Romaria, opõem-se as pulsões «individualistas» a que as Festas do Espírito Santo são submetidas, resultantes do papel que na sua promoção e realização desempenham formas individuais de mordomia. De facto, como vimos, a articulação dos festejos com um elevado conjunto de despesas alimentares, suportadas em grande medida individualmente, faz com que eles sejam — objecto de pressões ligadas a reivindicações de prestígio individual.

*

30Expressando-se de forma particularmente clara no plano sociológico, o contraste entre Romarias Quaresmais e Festas do Espírito Santo estende-se ainda a um outro registo simbólico, baseado na oposição morte/ renascimento (ou rejuvenescimento).

31De facto, ao mesmo tempo que reservam um particular relevo às ideias de latência social próprias da Quaresma, as Romarias Quaresmais caracterizam-se também pelo modo como prolongam e acentuam as ideias de morte a que se liga este período do ciclo cerimonial anual.

  • 8 Esta preocupação central com o destino após a morte tem ainda outras expressões. São, por exemplo, (...)

32Esta faceta do ritual exprime-se em primeiro lugar no papel central que nele ocupa a oração pelas almas do purgatório. Este traço exprime-se sobretudo no quadro da oração no decurso da marcha. Como vimos, a entoação colectiva da «Ave Maria dos Romeiros» é, a espaços, interrompida por um «pregão» entoado de forma arrastada, através do qual se solicita, não apenas ao rancho, mas a todos aqueles que assistem à sua passagem, um determinado número de orações. Entoados ora pelo mestre, ora pelo encomendador das almas, conhecidos pela designação genérica de bradar às almas, estes «pregões» reservam justamente um papel importante a intenções relacionadas com as almas do purgatório. De uma forma geral, essas intenções são formuladas em termos genéricos: pelo conjunto das almas do purgatório, em particular pelas mais necessitadas, ou pelas mais abandonadas, ou ainda por aquelas que não têm ninguém que reze por elas. Mas encontramos também formulações mais específicas, como as que se referem aos habitantes já falecidos das sucessivas freguesias que o rancho atravessa no seu percurso. Certos ranchos possuem mesmo orações próprias para esse efeito e rezam-nas sempre que, ao longo do percurso, passam por um cemitério. A oração no decurso da marcha reserva também, como vimos, um papel importante às orações pedidas ao rancho por pessoas que lhe são exteriores. Nesses pedidos, as intenções pelas almas do purgarório ocupam também um lugar importante. É aliás a essa luz que pode ser analisada a designação de procurador das almas dada ao romeiro que tem a seu cargo a recepção desses pedidos8.

33A coerência desta ligação entre as Romarias Quaresmais e a oração pelas almas do purgatório deve ser sublinhada. Sendo a Quaresma o período do ciclo litúrgico anual consagrado à evocação da morte de Cristo, ela fornece um quadro particularmente adequado para a evocação pela sociedade dos seus próprios mortos. Os termos dessa evocação inspiram-se também no conteúdo litúrgico da Quaresma: assim como a celebração da morte de Cristo é o indispendável prelúdio à comemoração da sua ressurreição, a oração pelas almas do purgatório visa apressar a sua passagem pelo purgatório, provação preliminar à ressurreição dos mortos.

  • 9 Conforme tive ocasião de sublinhar em Leal, 1993a, 13-14, este conjunto de dispositivos tende simul (...)

34Assente na relação privilegiada com a oração pelas almas do purgatório, a ligação das Romarias Quaresmais a ideias de morte reencontra-se ainda na homologia estabelecida entre a figura do romeiro e a figura do anojado. Essa homologia assenta na interdição de fazer a barba no decurso da Romaria. Integrando-se no quadro mais geral de suspensão dos cuidados de higiene durante a semana em que tem lugar o ritual9, essa interdição inscreve nos romeiros aquela que era uma das marcas mais significativas do luto na sociedade rural tradicional. Conhecida genericamente em todo o território nacional (cf. Vasconcelos, 1925: 113 a 116), a interdição de fazer a barba durante o período mais carregado do luto reencontrava-se também em São Miguel. Mendonça Dias refere por exemplo ser «costume muito antigo (…) não se fazer a barba nos primeiros tempos de luto» (Dias, U. Mendonça, 1946: 170) e Leite de Ataíde regista também como significativa a tradição de, em sinal de luto, os homens deixarem «crescer a barba durante algumas semanas» (Ataíde, 1947).

*

35Recebendo, por intermédio destes dispositivos, uma ligação clara às ideias de morte genericamente inscritas no período quaresmal, as Romarias devem ser, também neste plano, confrontadas com as Festas do Espírito Santo e com a particular ênfase que estas, inversamente, colocam em ideias de renascimento e rejuvenescimento, expressas sobretudo no relevo que nos festejos possui o código etário, associado a um conjunto de desempenhos assegurados por crianças e/ou jovens.

Notes

1 A tese mais divulgada acerca das origens das Romarias fá-las remontar às crises sísmicas que atingiram a ilha de São Miguel em 1522 e 1563. Esta tese foi detalhadamente defendida por Ernesto Ferreira (1959), tendo sido posteriormente retomada por outros autores. De acordo com ela, as Romarias seriam o resultado da institucionalização de manifestações espontâneas de piedade popular no decurso dessas crises sísmicas, tal como elas são descritas nas crónicas de Gaspar Frutuoso e Frei Agostinho de Montalverne. Embora incorporada na estrutura de fundamentação do ritual, esta «narrativa das origens» apoia-se entretanto em elementos que não são completamente seguros, impondo-se por isso uma investigação mais aprofundada nessa área.
A apresentação etnográfica das
Romarias Quaresmais a que procedo em seguida baseiase, como ficou indicado na «Apresentação», numa recolha efectuada junto do rancho de Ponta Garça, complementada posteriormente com recolhas mais breves de informação junto de outros ranchos. Procurei reter os aspectos carcterizadores centrais do ritual, com sacrifício de aspectos de detalhe susceptíveis de enfraquecer a linha central de argumentação do Capítulo. Para uma apresentação etnográfica mais detalhada do ritual, cf. Leal, 1989. Entre a bibliografia consagrada às Romarias Quaresmais, veja-se também: Ataíde, 1920, 781-782; Câmara, 1984, 77102; Dias, U. Mendonça, 1946, 146-154; Ferreira, P.e Ernesto, 1927 e 1959 e Saraiva, A. e Dias, T., 1987.

2 Para uma apresentação mais detalhada dos textos destas orações e cânticos, cf. Leal, 1989, 432-435.

3 Esta tradição possui a sua justificação no facto de as Três Pessoas da Santíssima Trindade serem consideradas como parte integrante do rancho.

4 Uma apresentação mais detalhada do conjunto de valores a que se subordina a ideia de «communitas» pode encontrar-se em Turner, 1969a: 106-107.

5 Alguns estudos recentes têm procurado problematizar a equação estabelecida por Turner entre peregrinação e «communitas»: cf. em particular Eade e Sallnow, 1991. Na introdução, os autores sublinham a maneira como os estudos por eles recolhidos vão no sentido do reconhecimento que a peregrinação «é, sobretudo, uma arena para discursos religiosos e seculares concorrentes, para a cooptação oficial ou a recuperação não oficial de significados religiosos, para o conflito entre ortodoxias, seitas e grupos confessionais, para tentativas de consenso e communitas e para contra-movimentos no sentido da separação e da divisão» (Eade e Sallnow, 1991: 2). Esta pluralidade de discursos pode encontrar-se em torno das Romarias. A igreja, a intelectualidade local e os peregrinos avaliam diferentemente o significado do culto. Mas esse facto não invalida que, do ponto de vista dos peregrinos, a Romaria não corresponda em grande medida a uma experiência similar àquela que Turner procurou descrever através do conceito de «communitas».

6 Esta expressão é aqui utilizada no sentido mais corrente que recebe em ciências sociais. Cf., a este respeito a obra de Dumont, em particular, 1966: 13-35.

7 Estes dois traços ressaltam claramente dos dados publicados em Saraiva, A. e Dias, T., 1987, 30-31. Numa amostragem de cerca de cento e vinte romeiros, 18% tinham entre 9 a 16 anos, 38% entre 17 a 25, 27% entre 26 a 35, 13% entre 36 a 60 e 3% mais de 60 anos. Quanto aos principais grupos profissionais, os camponeses e os agricultores representavam 31% do total, os operários da construção civil 23%, os empregados de serviços 14%, os estudantes 13%, os pescadores 7%, correspondendo os restantes 13% a profissões várias.

8 Esta preocupação central com o destino após a morte tem ainda outras expressões. São, por exemplo, frequentes as intenções que solicitam a protecção divina no momento da morte — «a última hora, a hora da nossa morte, para que Nosso Senhor nos assista com os sacramentos» — por vezes particularizadas em relação a pessoas que, por uma ou outra razão, se podem encontrar em perigo de morte. A actividade marítima, encarada como especialmente perigosa, é em particular objecto de várias referências explícitas. É também neste quadro que podem ser entendidos os pedidos de protecção divina em relação a «tremores de terra, fome, peste e guerra» (Câmara, 1984: 102), ou, noutras formulações, em relação a «fogo, fome, peste, guerra, mortes repentinas, perdições de almas e corpos».

9 Conforme tive ocasião de sublinhar em Leal, 1993a, 13-14, este conjunto de dispositivos tende simultaneamente a projectar os romeiros para o mundo da natureza, por oposição ao mundo da cultura. Esta proximidade ao mundo da natureza assenta ainda noutros dispositivos. Assim, no passado, como vimos, as pernoitas tinham lugar em cafuas ou palheiros situados nas imediações das povoações, e associados portanto a um espaço situado nas margens da cultura. Ainda hoje, por outro lado, os ranchos abandonam frequentemente as estradas correntes, optando por caminhos e atalhos secundários, situados em muitos casos no interior de matos ou bosques. As próprias condições meteorológicas adversas que rodeiam muuitas vezes o trajecto são frequentemente referidas para sublinhar esta vertente de imersão na natureza inscrita no ritual.

Table des illustrations

Titre FIGURA 10. Organização dos Ranchos de Romeiros
Légende Legenda: G — guias; mc — menino da cruz; CM — contra-mestre; M — mestre; AA — alembrador das almas; PA — procurador das almas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2058/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre MAPA 19. Itinerário do Rancho de Ponta Graça (1988)
Légende 1. Senhora da Vida (Ponta Garça). 2. Bom Jesus Menino (Ribeira das Tainhas). 3. Senhora da Paz (Vila Franca do Campo). 4. Santo André (Vila Franca do Campo). 5. Mãe de Deus (Vila Franca do Campo). 6. São Miguel (Vila Franca do Campo). 7. Bom Jesus da Pedra (Vila Franca do Campo). 8. Senhora da Natividade (Vila Franca do Campo). 9. São Pedro (Vila Franca do Campo). 10. Senhora de Fátima (Vila Franca do Campo). 11. São Lázaro (Água de Alto). 12. São José (Ribeira Chã). 13. Senhora das Dores (Água Pau). 14. Senhora dos Anjos (Água Pau). 15. Santa Cruz (Lagoa). 16. Senhora do Rosário (Lagoa). 17. Senhora das Necessidades (Atalhada). 18. Senhora do Livramento (Livramento). 19. Senhora do Carmo (Livramento). 20. Senhora da Glória (Livramento). 21. São Roque (São Roque). 22. São João de Deus (Fajã de Baixo). 23. Senhora dos Anjos (Fajã de Baixo). 24. Senhora da Oliveira (Fajã de Cima). 25. São Sebastião (Ponta Delgada/matriz). 26. São José (Ponta Delgada). 27. Senhor Santo Cristo (Ponta Delgada). 28. Senhor Santo Cristo (Seminário/Ponta Delgada). 29. Senhora da Conceição (Casa de Saúde/Ponta Delgada). 30. Senhora da Piedade (Arrifes/Piedade). 31. Senhora dos Milagres (Arrifes/Milagres). 32. Senhora da Saúde (Arrifes/Milagres). 33. Senhora da Ajuda (Covoada). 34. Santa Luzia (Feteiras). 35. Senhora das Candeias (Candelária). 36. Senhora do Socorro (Candelária). 37. São Sebastião (Ginetes). 38. Senhora de Fátima (Ginetes). 39. Sagrada Família (Várzea). 40. São Nicolau (Sete Cidades). 41. Senhora da Conceição (Mosteiros). 42. Senhora da Conceição (Pilar da Bretanha). 43. Senhora do Pilar (Pilar da Bretanha). 44. Senhora da Ajuda (Ajuda da Bretanha). 45. Senhora dos Remédios (Ajuda da Bretanha). 46. Santa Bárbara (Santa Bárbara). 47. Santo António (Santo António). 48 Senhora da Apresentação (Capelas). 49. Senhora do Rosário (Capelas).50. Senhora da Conceição (São Vicente). 51. Senhora da Luz (Fenaes da Luz). 52. Senhora da Boa Viagem (Calhetas). 53. Senhora das Mercês (Calhetas). 54. Senhora do Rosário (Rabo de Peixe). 55. Jesus Crucificado (Rabo de Peixe). 56. São Pedro (Ribeira Seca). 57. Senhora do Guadalupe (Ribeira Grande). 58. Senhora da Conceição (Ribeira Grande). 59. Senhor dos Passos (Ribeira Grande). 60. Senhora da Estrela (Ribeira Grande/matriz). 61. Senhora de Fátima (Ribeira Grande). 62. São Salvador do Mundo (Ribeirinha). 63. Senhora da Graça (Porto Formoso). 64. São Brás (São Brás). 65. Senhora do Resgate (Gorreana). 66. Divino Espírito Santo (Maia). 67. Senhora das Dores (Lombinha da Maia). 68. Senhora do Rosário (Lomba da Maia). 69. Senhora da Aflição (Ribeira Funda). 70. Reis Magos (Fenaes da Ajuda). 71. Senhora da Ajuda (Fenaes da Ajuda). 72. São Pedro (Lomba de São Pedro). 73. São José (Salga). 74. Senhora do Rosário (Achadinha). 75. Senhora da Anunciação (Achada). 76. Santa Ana (Feteira Pequena). 77. Senhora do Amparo (Algarvia). 78. Santo António (Santo António do Nordestinho). 79. São Pedro (São Pedro do Nordestinho). 80. Senhor do Pranto (São Pedro do Nordestinho) 81. Senhora da Conceição (Lomba da Fazenda). 82. Senhora do Rosário (Nordeste). 83. São Jorge (Nordeste). 84. Senhora da Nazaré (Nordeste). 85. Senhora da Luz (Pedreira do Nordeste). 86. Senhora da Penha de França (Água Retorta). 87. Senhora da Graça (Faial da Terra). 88. Senhora dos Remédios (Povoação). 89. Mãe de deus (Povoação/matriz). 90. Senhora do Rosário (Povoação). 91. São Paulo (Ribeira Quente). 92. Senhora da Alegria (Furnas). 93. Santa Ana (Furnas). 94. Senhora da Vitória (Furnas). 95. Senhora das Mercês (Ponta Garça). 96. Senhora da Piedade (Ponta Garça).(Nota: as ermidas e igrejas em «bold» correspondem às que o rancho de Ponta Garça «saúda de longe»)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2058/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 165k

© Etnográfica Press, 1994

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540