Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

As festas do Espírito Santo nos Açores

 | 
João Leal

Parte II. Diversidade e unidade das Festas do Espírito Santo

Capítulo 10. Coroações e Impérios. Piedade (Pico)

Texte intégral

I

  • 1 Estes dados foram obtidos através da consulta dos registos paroquiais, complementada com informação (...)
  • 2 A população da freguesia da Piedade era, em 1960, de acordo como os dados do Recenseamento Geral da (...)

1Nossa Senhora da Piedade — ou Ponta da Piedade, ou ainda Piedade, como é também conhecida — é uma das dezassete freguesias em que se divide a ilha do Pico. Com uma área de 12,94 km2, a freguesia situa-se na ponta leste da ilha, fazendo parte do concelho das Lajes e tinha em 1989 um total de 855 habitantes e 259 unidades domésticas. Destas, cerca de 72% correspondiam a agregados familiares simples, enquanto os agregados familiares alargados e múltiplos representavam respectivamente 15% e 6% do total; os isolados correspondiam a 7% e os agregados não conjugais a 2% das unidades domésticas1. O povoamento é predominantemente disperso e a população distribui-se por um conjunto de lugares entre os quais avultam os Fetais, a Manhenha, a Ponta da Ilha, Altamora, o Curral da Pedra, o Caminho de Cima e o Calhau (cf. quadro 28). Afectada pela emigração — que se traduziu num decréscimo, entre 1960 e 1981, de 24% da população2 — a freguesia possui um modo de vida assente na agricultura e na criação de gado, desempenhando também a pesca um papel importante na actividade dos seus habitantes.

2Na Piedade, a estrutura genérica das Festas do Espírito Santo compreende, como em Santo Antão, dois tipos distintos de festejos: por um lado, as Coroações — também designadas por Gastos de Coroa ou por Jantares — por outro, os Impérios. As Coroações tinham tradicionalmente lugar em todos os domingos compreendidos entre o domingo de Páscoa e o Pentecostes e ainda no domingo de Pentecostes e 2.a feira de Pentecostes e no domingo da Trindade. A designação reservada para o conjunto deste período era a de folia. Até há cerca de 40 anos tinha também lugar uma Coroação na 5.a feira de Ascensão. Hoje em dia, e desde há cerca de 20 anos, deixaram de se realizar Coroações nos domingos anteriores ao Pentecostes. Em contrapartida passaram a realizar-se algumas Coroações fora do tempo, promovidas por emigrantes. Quanto aos Impérios recaem sobre o domingo e 2.a feira de Pentecostes e o domingo da Trindade, realizando-se em simultâneo com as Coroações desses dias.

QUADRO 28. Distribuição da população por lugares (Piedade, 1989)

LUGAR

UNIDADES DOMÉSTICAS

HABITANTES

Fetais

61

223

Manhenha

11

34

Ponta da Ilha

56

188

Altamora

46

135

Curral da Pedra

12

48

Caminho e Cima

19

58

Calhau

54

169

Totais

259

855

  • 3 Das duas Coroas existentes na freguesia, uma é mais recente e foi oferecida por um emigrante; o esp (...)

3As Coroações resultam de promessas individuais em que, para além de razões relacionadas com a saúde, surgem recorrentemente motivos associados aos perigos da vida do mar. À sua frente encontra-se um mordomo. Ao longo da semana em que decorrem os festejos, o mordomo entra momentaneamente na posse dos emblemas do Espírito Santo: duas Coroas, três estandartes e um espadim3. Tradicionalmente, estas insígnias eram instaladas em casa do mordomo, num altar erguido para o efeito. Recentemente, porém, generalizou-se o recurso ao salão paroquial, que funciona como o equivalente da copeira em Santa Bárbara ou da Casa do Espírito Santo em Santo Antão.

  • 4 É a seguinte a letra desse cântico: «Adoremos com afectos de alma/ ao Espírito Santo divino/ do céu (...)
  • 5 É o seguinte o texto dessa oração: «Ó senhor Espírito Santo/ vos roguemos com clamor/ mandai preven (...)

4Na sua vertente religiosa, as Coroações compreendem, por um lado, a realização diária do terço, junto ao altar do Espírito Santo. Este é cantado e estrutura-se de acordo com uma modalidade tradicional cujas linhas gerais se reencontram tanto noutras freguesias do Pico como noutras ilhas do grupo central. Essa modalidade prevê, em primeiro lugar, a substituição da Ave Maria por um pequeno cântico de louvor ao Espírito Santo4. E comporta, em segundo lugar, a entoação final da Salve Rainha dobrada, um cântico construído a partir da Salve Rainha. Finalmente, no decurso ou na parte final do terço, são cantadas várias orações, entre as quais avulta a «Oração ao Espírito Santo», em que se solicita a protecção divina em relação a terramotos5.

MAPA 17. Freguesia de Nossa Senhora da Piedade (Pico)

MAPA 17. Freguesia de Nossa Senhora da Piedade (Pico)

FIGURA 9. Organização do cortejo que rodeia a coroação (Piedade)

FIGURA 9. Organização do cortejo que rodeia a coroação (Piedade)

Legenda: M — crianças; E — estandartes; C — coroas; Mdo — mordomo, A — acompanhantes.

  • 6 Em 1989, a filarmónica existente na freguesia encontrava-se momentaneamente desactivada e as Coroaç (...)

5No domingo, por seu turno, realiza-se a coroação propriamente dita. Esta incide sobre duas crianças ou adolescentes escolhidos geralmente entre os filhos do mordomo e realiza-se no termo da missa. Os cortejos que a rodeiam obedecem a um certo número de constantes. À frente seguem três quadros formados com varas, no interior dos quais seguem os três estandartes. De seguida vêm os dois quadros das Coroas. Estes quadros são formados por crianças, com predominância de meninas, vestidas geralmente de branco. Em cada um deles, além das crianças que formam o quadro propriamente dito e das que conduzem os estandartes e as Coroas, integram-se também duas meninas que transportam consigo ramos de flores. No termo do cortejo, por fim, incorpora-se o mordomo — que se faz acompanhar de uma vara própria, a chamada vara do mordomo — seguido do restante acompanhamento (cf. figura 9). Tradicionalmente estes cortejos eram dirigidos e acompanhados pela folia, constituída por dois foliões: um que tocava o tambor e dirigia, e outro que apenas cantava. De acordo com a tendência mais geral prevalecente nos Açores, designadamente nas ilhas do grupo central, a folia entrou entretanto em declínio, tendo sido substituída por uma filarmónica6.

  • 7 Cada fornada de pão de ovos requer 8 kg. de farinha, 4 dúzias de ovos, 2 kg. de açúcar, 1 kg. de ma (...)
  • 8 Os números apresentados tomam como ano de referência 1989.

6Quanto à componente alimentar das Coroações, ela assenta na preparação de um certo número de alimentos que, na Piedade, incluem: pão de trigo, pão de ovos — preparado sob a forma de pão da mesa e de biscoito — rosquilhas, pão leve, arroz doce, Sopas do Espírito Santo e carne assada7. Estes alimentos — aos quais há que acrescentar ainda o vinho — requerem um dispêndio importante de géneros — uma ou duas reses, 250 a 300 kg de farinha, entre 200 a 300 dúzias de ovos, 3 a 4 quintos de vinho, etc... — e representam hoje em dia um gasto médio situado entre os 200 e os 300 contos8. Este gasto é suportado fundamentalmente pelo mordomo, que recebe entretanto um certo número de visitas em géneros (ovos, açúcar, farinha) ou em dinheiro. Quanto à confecção culinária doa alimentos, está, como em Santo Antão, a cargo de dez a doze ajudantes femininas, dirigidas por uma mestra; o abate e a preparação prévia das reses competem por seu turno a um grupo de ajudantes masculinos — os matadores — dirigidos por um marchante.

7A prestação alimentar central das Coroações é constituída pelo jantar. uma grande refeição, reservada aos convidados do mordomo — entre cem a duzentos —, que consta de Sopas do Espírito Santo, carne assada, pão da mesa, pão leve e arroz doce. A refeição realiza-se no termo da missa de coroação e tem actualmente lugar no salão paroquial. Além do jantar, as Coroações envolvem ainda um conjunto de outras prestações alimentares. A mais importante dessas prestações resulta geralmente de uma promessa específica feita nesse sentido e consta de uma distribuição de esmolas — compostas por um pedaço de carne de rês crua, um biscoito e um litro de vinho — entre duas a três dezenas de casas mais pobres da freguesia. Essas esmolas são previamente benzidas pelo padre, sendo repartidas porta-a-porta no decurso da tarde de sábado. Uma outra prestação consiste numa distribuição porta-a-porta de Sopas do Espírito Santo. Esta distribuição tem lugar na madrugada de domingo e abrange as casas que fizeram visitas ao mordomo. Finalmente, os ajudantes recebem também em sua casa uma posta de carne crua e um biscoito.

QUADRO 29. Pontos e ofertas nos Impérios (Piedade, 1989)

QUADRO 29. Pontos e ofertas nos Impérios (Piedade, 1989)
  • 9 Este bolos, são também conhecidos pela designação de vésperas e são muito parecidas com as usadas e (...)

8Quanto aos Impérios, eles estruturam-se em torno de um conjunto de distribuições generalizadas de bolos — ou vésperas9 — e de vinho que têm lugar nas tardes de domingo e 2.a feira de Pentecostes e de domingo da Trindade. Essas distribuições realizam-se a partir da Capela do Espírito Santo — designação local atribuída ao edifício genericamente conhecido no grupo central por Império — onde as Coroas ficam em exposição. Simultaneamente, tem lugar um arraial, com exibições de filarmónicas, arrematações, comes e bebes, etc...

  • 10 Há cerca de 30 anos atrás, cada ponto tinha à sua frente o chamado cabeça de pelouro, assessoreado (...)

9Na base dos Impérios e, em particular, da distribuição generalizada de bolos e vinho que constitui o ponto central dos festejos, encontram-se três pontos, conhecidos pelas designações de ponto de Domingo, ponto de 2.a feira e ponto da Trindade. Cada um destes pontos tem à sua frente uma direcção composta por três elementos10 e defíne-se como uma espécie de irmandade formada por um certo número de casas da freguesia que, através de ofertas tradicionalmente regulamentadas, asseguram o financiamento das distribuições de bolos e vinho que intervêm em cada um dos dias. Essas ofertas são feitas em vinho, em bolos ou em dinheiro, de acordo com quantidades tradicionalmente estipuladas: um pote de vinho (12 litros) e meia conta de bolos — correspondente a vinte e cinco bolos — ou 2.500$00 em dinheiro. No ponto de 2.a feira, entretanto, a oferta em vinho é de apenas 5 litros e, em 1989, o quantitativo em dinheiro com que cada irmão contribuía para os festejos foi fixado em 5.000$00. Como se pode verificar no quadro 2, é bastante significativo o número de casas que, em cada ponto, contribuem para o Império respectivo, assim como os quantitativos globais de alimentos e dinheiro obtidos.

10A entrega formal destes alimentos — em particular dos bolos — ao Império faz-se por intermédio de um conjunto de cortejos organizados especificamente para o efeito, que têm lugar ao fim da manhã de cada um dos dias em que recaem os festejos, e no termo dos quais os alimentos são benzidos pelo padre. Encabeçados pelas Coroas e pelos estandartes, esses cortejos são compostos por duas filas integradas por algumas dezenas de irmãos do ponto que asseguram o transporte dos bolos oferecidos ao Império. Os bolos são geralmente transportados em açafates levados à cabeça, sendo profusamente decorados com flores. Num desses cortejos — o de 2.a feira do Espírito Santo — procede-se também ao transporte, num carro de bois decorado, do vinho necessário aos festejos.

11Além do papel que desempenham nos Impérios, os pontos ligam-se ainda às Coroações que têm lugar nesses dias. Esse nexo diz em primeiro lugar respeito às modalidades organizativas a que estas últimas obedecem. Os mordomos que as asseguram fazem parte do ponto respectivo, estando também prevista a possibilidade de vários irmãos do mesmo ponto se associarem entre si para organizarem conjuntamente uma Coroação. Finalmente, em caso de inexistência de promessas, é o ponto no seu conjunto que toma a seu cargo a realização da Coroação. A relação entre os pontos e as Coroações de domingo e 2.a feira de Pentecostes e domingo da Trindade estende-se em segundo lugar à vertente religiosa dos festejos. Assim, os cortejos que rodeiam a Coroação são geralmente integrados por um grande número de irmãos do ponto. Inversamente, no cortejo que assegura o transporte cerimonial dos bolos e do vinho para a Capela do Espírito Santo, o transporte dos estandartes e das Coroas é assegurado pelo «séquito» do mordomo. O vínculo entre os pontos e as Coroações estende-se por fim à vertente alimentar dos festejos. Como se pode verificar no quadro 30, as visitas ao mordomo — que são geralmente em maior número do que nas restantes Coroações — atingem também no ponto uma densidade significativa. Parte do vinho necessário ao jantar é igualmente fornecido pelo ponto, a partir das ofertas feitas pelos irmãos. Finalmente, os irmãos do ponto são obrigatoriamente convidados para o jantar, ocupando nele uma mesa própria, distinta da dos restantes convidados.

QUADRO 30. Coroações, visitas e pontos (Piedade, 1989)

COROAÇÃO

TOTAL DE VISITAS

PERCENTAGEM DE VISITAS FEITAS NO QUADRO DO PONTO

Domingo de Esp. Santo

86

50%

2.a. Feira de Esp. Santo

98

45%

Domingo da Trindade

70

57%

  • 11 Hoje em dia, apesar de esta cerimónia ter desaparecido, mantem-se a oferta ao pároco e aos sacristã (...)

12Tradicionalmente as Coroações que tinham lugar no domingo e 2.a feira de Pentecostes e no domingo da Trindade compreendiam ainda o serviço: «organizava-se um pequeno grupo composto por dois moços de destaque no lugar, tendo cada um uma toalha comprida, de alvo linho, altas rendas e laços de fita vermelhas presa no ombro esquerdo. Com eles iam os foliões e alguns irmãos com suas varas, incumbindo-lhes, em primeiro lugar, levar as alcatras assadas e duas grandes argolas de massa sovada ao vigário e seu cooperador. O resto da cerimónia constava de bolos doces, confeitos e amêndoas, limões e outras frutas próprias da estação que (...) eram distribuídas pelas pessoas mais em evidência, que geralmente deitavam uns cobres no prato» (Coelho, M., 1961: 345)11.

II

13Em torno desta estrutura dos festejos é possível reencontrar de novo um conjunto de motivações de natureza religiosa, resultantes mais uma vez da conjunção de formas de religiosidade de características simultaneamente individuais e colectivas. É com base nas primeiras que se realizam as Coroações, resultantes, como vimos, de promessas individuais. Quanto às segundas, elas exprimem-se sobretudo nos Impérios, ligados a ideias de bemestar colectivo que, na Piedade, surgem ainda hoje difusamente associadas ao vulcanismo. Como vimos, uma das orações entoadas no âmbito do terço tem justamente como objectivo solicitar a protecção do Espírito Santo em relação a terramotos e erupções vulcânicas. Por outro lado, certos aspectos relacionados com as origens das Festas do Espírito Santo na freguesia são também frequentemente ligados a algumas das crises vulcânicas que a ameaçaram. Duas dessas crises misturam-se nas narrativas orais. Uma refere a erupção de 1801 na Urzelina (São Jorge). Extremamente violenta — a maior parte da povoação da Urzelina ficou então soterrada — essa erupção era visível do Pico e, segundo se conta na freguesia, «os antigos fizeram então a promessa de fazer um Império na 2.a feira do Espírito Santo, se o lume não chegasse ao Pico». Noutras narrativas, entretanto, esta mesma promessa é apresentada como resultante da erupção vulcânica ocorrida, em 1718, no Pico, nas freguesias de Bandeiras e Santa Luzia.

14Tanto no plano individual como no plano colectivo, é também sobre o dispêndio de alimentos requerido pelos festejos que repousa em grande medida o vínculo que elas estabelecem com a divindade. É a este respeito significativo que uma das versões sobre a ligação entre as Festas do Espírito Santo e as crises vulcânicas atrás referidas faça remontar a essas ocasiões não apenas a celebração do Império de 2.a feira de Pentecostes mas, de uma forma mais ampla, o conjunto das distribuições de bolos e vinho associadas aos Impérios.

15Ao mesmo tempo, as Festas do Espírito Santo na Piedade possuem uma importante vertente sociológica, apoiada mais uma vez na linguagem da dádiva alimentar. Essa vertente sociológica expressa-se também em dois níveis distintos: um relacionado com esferas sociais de carácter mais restrito, ligadas às figuras individuais de cada um dos mordomos, outro relacionado com círculos sociais mais amplos.

16O vínculo entre as Festas do Espírito Santo e esferas mais restritas de sociabilidade — parentesco, vizinhança, amizade — é estabelecido por intermédio das Coroações e começa por assentar nas modalidades em que se baseia a formação do grupo de ajudantes. Mas é sobretudo em torno dos critérios que presidem à escolha dos convidados para o jantar que ele transparece mais claramente. Cada mordomo procura que esses convites cubram de forma mais ampla possível a sua rede de relacionamento social, com destaque para as relações baseadas no parentesco. Estas podem constituir entre 20 a 30% do total de unidades domésticas representadas. Números idênticos reencontramse em torno das visitas feitas a cada um dos mordomos. E é também entre os membros destas unidades domésticas que são preferencialmente recrutados as crianças e adolescentes que integram os quadros. Finalmente, são ainda mecanismos ligados ao parentesco que presidem em muitos casos à formação das companhas que tomam a seu cargo a realização de Coroações colectivas. Foi o que sucedeu em 1989, com a Coroação de domingo do Espírito Santo. Esta tinha à sua frente um grupo de cinco mordomos estreitamente aparentados, constituído por um pai, dois filhos casados, um genro e um sobrinho. O pai pagou a carne e os outros parentes repartiram entre si as restantes despesas. Cada um convidou entre vinte cinco a trinta pessoas para o jantar e superintendeu a formação de um quadro próprio, com crianças por ele convidadas.

  • 12 Os dados relativos à taxa de endogamia foram obtidos através da consulta dos assentos paroquiais de (...)

17Paralelamente a esta vertente sociológica mais restrita, as Festas do Espírito Santo na Piedade ligam-se também a ideias de reiteração das instâncias mais globais sobre as quais assenta o sistema social local: o lugar, por um lado, e a freguesia, por outro. Mas enquanto que em Santo Antão, estas ideias eram dadas, ao longo do conjunto dos festejos, pela sucessão Jantares/Festas, no caso da Piedade elas exprimem-se sobretudo na fase final dos festejos, coincidente com o domingo e 2.a feira de Pentecostes e com o domingo da Trindade. Subjacentes tanto às Coroações desses dias como aos Impérios estão, como vimos, um conjunto de três pontos. Ora, por detrás de cada ponto é uma área específica da freguesia, polarizada em torno de um lugar preciso, que se encontra (cf. mapa 18). O ponto de domingo corresponde à área designada por Ponta da Ilha: 81% dos irmãos é lá residente. O ponto de 2.a feira é integrado maioritariamente por irmãos do Calhau: cerca de 97% do total. O ponto da Trindade, por fim, liga-se a Altamora, que fornece 48% dos irmãos. Em cada uma destas áreas é também bastante significativa a proporção de casas que fazem parte dos respectivos pontos: 81% na Ponta da Ilha, 88% no Calhau e 52% em Altamora. Esta organização da freguesia em circunscrições rituais acompanha de perto a própria realidade sociológica. De facto, os lugares mencionados constituem os lugares mais importantes da freguesia. E por relação a eles que outros lugares menores — Manhenha, Curral da Pedra, Caminho de Cima, etc... — se definem. E são também eles que, no plano matrimonial, definem as áreas onde a endogamia de lugar atinge proporções mais significativas: 44,4% no Calhau e 35% na Ponta da Ilha. Significativamente, Altamora, que constitui o ponto com uma ligação mais fraca à realidade do lugar, é também o lugar onde a endogamia atinge proporções mais baixas: apenas 128%12.

MAPA 18. Pontos e lugares nas Festas do Espírito Santo na Piedade

MAPA 18. Pontos e lugares nas Festas do Espírito Santo na Piedade

18O vínculo existente entre lugares e pontos começa por reflectir-se nas Coroações que se realizam no domingo e 2.a feira de Pentecostes e no domingo da Trindade. Simultaneamente às características gerais que lhes reconhecemos anteriormente estas definem-se ainda como uma celebração que reforça os laços sociais no âmbito do lugar. Este assume-se, por um lado, como o principal parceiro colectivo do mordomo no dispêndio requerido pela Coroação. De facto, como vimos, além de uma comparticipação importante na despesa com o vinho requerida pelo jantar, o ponto contribui ainda com uma proporção importante das visitas recebidas por cada um dos mordomos. Em média, entre 30 a 40% da despesa requerida por estas Coroações é directa ou indirectamente suportada pelo ponto. Proporcionalmente às responsabilidades que assume no financiamento dos festejos, o lugar constitui por outro lado uma das esferas sociais onde a circulação cerimonial do alimento atinge proporções mais importantes. De facto, além das Sopas que os irmãos que realizaram visitas recebem em sua casa, pelo menos um dos membros de cada unidade doméstica que faz parte do ponto deve ser, como vimos, convidado para o jantar. Este recebe, em consequência, características de uma refeição colectiva extensiva ao lugar.

19É de acordo com pressupostos similares que podem também começar por ser encarados os Impérios. Financiando as distribuições de bolos e vinho que constituem o seu núcleo central, cada lugar assume à vez um papel de doador colectivo de alimentos que lhe permite vincar a sua identidade no quadro da freguesia. Esta faceta dos festejos exprimia-se de forma particularmente clara no percurso tradicional a que obedeciam os cortejos ligados à entrega dos alimentos na Capela do Espírito Santo. Tendo o seu início num dos extremos da área recoberta pelo ponto, esses cortejos percorriam depois o conjunto dessa área — recolhendo as ofertas das diferentes casas — para depois se encaminharem para o centro, onde eram aguardados pelos restantes moradores da freguesia. Por seu intermédio, era a própria identidade territorial de cada ponto que era sublinhada.

20Ao mesmo tempo que se ligam a ideias de reiteração dos laços sociais no âmbito de cada lugar, os Impérios ligam-se também à reafirmação da identidade da freguesia. Dependendo exclusivamente do ponto no tocante ao financiamento das distribuições alimentares que o integram, os Impérios fornecem em primeiro lugar o contexto para uma grande refeição colectiva extensiva ao conjunto da freguesia. É de facto no quadro desta que o alimento começa privilegiadamente por circular. À hora prevista para o início das distribuições de bolos e vinho é grande o ajuntamento de vizinhos nas imediações da Capela do Espírito Santo. Tradicionalmente era mesmo usual que muitas famílias trouxessem de casa biscoitos confeccionados para a ocasião que eram informalmente partilhados com parentes ou conhecidos e que eram consumidos em conjunto com os bolos e o vinho distribuídos no quadro do Império. Simultaneamente, a circulação do alimento é extensiva aos forasteiros, que afluem em grande número. Tal como verificámos anteriormente, o alimento funciona também aqui como um signo do prestígio colectivo da freguesia, que permite que esta, no preciso momento em que se assume como tal, o possa fazer por confronto com um parceiro colectivo outro. O facto de grande parte dos forasteiros ser proveniente de freguesias do Pico onde este tipo de distribuições generalizadas consta, em vez de bolos, de rosquilhas, é particularmente posto em relevo, sendo interpretado como uma espécie de reconhecimento tácito da «superioridade» dos bolos em relação às rosquilhas.

III

21O sistema que acabámos de passar em revista apresenta uma «anomalia» importante que até agora deixámos na sombra. Essa anomalia prende-se com o estatuto periférico ocupado na estrutura geral dos festejos pelo lugar dos Fetais. Esse estatuto periférico começa por se exprimir no facto de os Fetais se encontrarem excluídos do sistema de pontos. Embora os testemunhos orais sejam algo imprecisos, essa exclusão parece datar de há 70 ou 80 anos. Até essa altura, os Fetais integravam-se no ponto da Trindade, que cobria portanto toda a mancha sul da freguesia e não, como sucede agora, apenas o lugar de Altamora (cf. mapa 18). No seguimento de um incidente grave em que um grupo de homens dos Fetais foi acusado da morte de um outro morador da freguesia, o lugar deixou então de fazer parte desse ponto. Na base desse incidente esteve o incêndio da primitiva Capela do Espírito Santo, então em madeira. Esse incêndio ocorreu nas vésperas do Império da Trindade e gerou um conjunto de suspeições e acusações cruzadas na freguesia. Os dos Fetais acusavam pessoas exteriores ao lugar, interessadas em prejudicar o brilho dos festejos — que nessa semana estavam a cargo de um mordomo dos Fetais — enquanto que no resto da freguesia se atribuía a autoria do incêndio aos dos Fetais. Quando os moradores deste lugar se dirigiram ao centro para levantar a Coroa, os ânimos estavam excitados e esta foi-lhes negada. Ao retroceder, o grupo foi alvo de provocações por alguns indivíduos e as duas partes envolveram-se em conflito do qual resultou a morte de um desses indivíduos. Este incidente encontra-se mais detalhadamente descrito no estudo da autoria de Manuel Ávila Coelho consagrado à freguesia da Piedade. Depois de referir o incêndio da Capela o autor prossegue: «ora isto aconteceu entre a segunda-feira de Espírito Santo e o Domingo da Santíssima Trindade, dia em que os habitantes do lugar dos Fetais faziam o seu Império. Daqui nasceram duas desconfianças: uma nos lugares do Calhau e Ponta da Ilha, onde se julgava estar nos Fetais o autor da façanha: outra nos Fetais, onde se pensou que o causador do incêndio estava no Calhau ou Ponta da Ilha, para que não pudessem fazer o seu Império com a casa destruída! Neste estado de espírito um grupo dos Fetais veio ao Calhau reclamar a coroa que lhe foi negada e ao dirigir-se ordeiramente para casa foi apupado por um indivíduo que conversava com o filho do e que fugiu a tempo. Os do grupo, retrocedendo, envolveram-se em desordem com o rapaz que estava inocente. Deu-se então o desastre quando o acudiu aos gritos do filho — uma pedra, que o atingiu na cabeça, fulminou-o» (Coelho, M.a., 1961: 328).

22Vendo-se excluídos do sistema geral dos festejos à escala da freguesia, os moradores dos Fetais passaram então a promover Impérios próprios no domingo e 2.a feira de Pentecostes e no domingo da Trindade. À semelhança da freguesia, o lugar foi dividido em três pontos, cada um dos quais tinha a seu cargo os festejos no dia respectivo. Posteriormente, a par destes Impérios, passou também a realizar-se na 5.a feira do Corpo de Deus — a 5.a feira imediatamente a seguir ao domingo da Trindade — um Império para o qual contribuíam todas as casas do lugar. Hoje em dia, parte desta estrutura, já muito debilitada, entrou em declínio e realizam-se apenas dois Impérios, um no domingo de Pentecostes, outro no domingo da Trindade, cada um ligado a seu ponto. O modo como inicialmente a organização dos festejos nos Fetais foi decalcada do sistema geral prevalecente na freguesia deve ser sublinhado. Tudo se passa como se, para afirmar a sua autonomia, os habitantes do lugar não considerassem suficiente a simples realização de festejos próprios. Ao mesmo tempo, há como que uma apropriação de dispositivos de natureza similar aos que subjazem à conceptualização da freguesia — a divisão em pontos. Ao fazêlo, os habitantes dos Fetais não só reclamam uma equivalência entre o estatuto do seu lugar e o da freguesia da qual se pretendem demarcar, como, nesse movimento, põem em evidência o carácter verdadeiramente estrutural desses dispositivos, comutáveis entre si independentemente do estatuto sociológico empírico — lugar, freguesia — das unidades que a eles recorrem.

  • 13 Os casamentos entre indivíduos residentes na Ribeirinha e indivíduos pertencentes aos restantes lug (...)

23Uma confirmação suplementar do que acabámos de dizer é-nos fornecida pela organização dos festejos na freguesia da Ribeirinha, que confina, a noroeste, com a da Piedade. Esta freguesia foi criada recentemente, em 1981. Até então a Ribeirinha constituía um lugar da freguesia da Piedade, dotado entretanto de uma grande autonomia, particularmente marcada no plano religioso — o lugar constituía um curato da paróquia da Piedade — e no plano matrimonial — eram relativamente raros os casamentos entre residentes no lugar e residentes no resto da freguesia13. Foi aliás em consequência dessa autonomia que se deu, sem incidentes de maior, a sua passagem a freguesia. Ora uma das expressões mais relevantes dessa autonomia do lugar passava não apenas pela organização de Impérios próprios, mas, mais uma vez, pela adopção em seu torno de uma divisão do lugar em três pontos, cada um dos quais tinha a seu cargo a promoção dos festejos no domingo e na 2.a feira de Pentecostes e no domingo da Trindade.

*

24Regressemos entretanto aos Impérios dos Fetais. Tal como no caso que abordámos na primeira parte deste estudo — cf. pp. 121 a 127 do Capítulo 5 — também aqui, é a partir da condição periférica do lugar no sistema social local que é possível interpretar os factos que passámos atrás em revista. Situado geograficamente num dos extremos da freguesia, recorrentemente apresentado como o lugar mais pobre, os Fetais são também o lugar onde é mais elevada a taxa de endogamia de lugar: 53% contra a média de 30% prevalecente nos restantes lugares. A rivalidade entre o lugar e o resto da freguesia é também muito forte. É nesse quadro que é aliás possível analisar o incidente que esteve na origem da exclusão dos Fetais do sistema de pontos: as acusações e suspeições mútuas opunham os Fetais ao resto da freguesia e tinham nessa rivalidade — conduzida então ao limite da violência física — o seu pano de fundo. Embora atenuada pela passagem dos anos, esta rivalidade mantem-se na actualidade. Há ainda quem trate os dos Fetais por «canalha dos Fetais» e por causa deste epíteto, teria mesmo ocorrido, há cerca de 30 anos, um segundo incidente com consequências mortais entre um grupo de habitantes do lugar e um grupo de habitantes do resto da freguesia. Finalmente, há um terceiro plano em que a condição periférica dos Fetais se afirma: esse plano é o religioso. De facto, em contraste com o catolicismo predominante no conjunto da freguesia, cerca de 50% da população dos Fetais — isto é, à volta de trinta a trinta e cinco casas — está filiada numa das três igrejas protestantes com implantação no lugar: Testemunhas de Jeová, Adventistas do Sétimo Dia e Novas da Alegria. Intervindo num meio tradicionalmente tão católico como os Açores, esta situação é reveladora do grau de periferização do lugar em relação ao meio social envolvente.

25É justamente neste quadro que é possível entender o estatuto também ele periférico dos Fetais em relação às Festas do Espírito Santo na Piedade. Por seu intermédio, somos de novo confrontados com a aptidão — que havíamos já surpreendido em Santo Antão — das Festas do Espírito Santo para operarem como um instrumento de radical reformulação de identidades sociológicas relativas. Aparecendo ligadas, em Santo Antão, à autonomização da freguesia, as Festas do Espírito Santo actuam neste caso como um elemento essencial de um processo através do qual um lugar procura reestruturar de forma profunda o seu estatuto sociológico.

IV

26As Coroações e Impérios na Piedade permitem-nos pois reencontrar, formulados embora de uma forma diferente, alguns dos temas centrais que havíamos começado por isolar em torno dos Impérios de Santa Bárbara e que reencontrámos a propósito das Festas do Espírito Santo em Santo Antão. Tal como nestas duas freguesias, as Coroações e Impérios da Piedade definem-se também como um ritual que, a par de uma importante vertente religiosa, se caracteriza pela sua ligação a ideias de reiteração das relação sociais. Começando por operar num âmbito mais restrito — ligado às esferas de sociabilidade de cada um dos mordomos — essas ideias estendem-se também num segundo e decisivo momento às instâncias centrais sobre as quais se funda a organização social local.

27Tal como em Santa Bárbara e em Santo Antão, também na Piedade, estas características sociológicas das Festas do Espírito Santo devem ser entendidas à luz do vínculo entre ritual, relações sociais e tempo. E tal como nessas duas freguesias, os festejos surgem simultaneamente associados a ideias de renascimento da natureza e de regeneração da fertilidade. Como vimos, muitas das crianças e adolescentes que integram os cortejos que rodeiam a coroação transportam consigo ramos de flores e tanto os açafates com bolos oferecidos ao Império como os carros de bois que procedem ao transporte do vinho são também ornamentados com decorações florais.

28Simultaneamente, deve ser de novo sublinhada a importância do código etário na estrutura dos festejos. Para além da coroação incidir — como em Santo Antão — sobre duas crianças ou adolescentes, os cortejos que a rodeiam reservam igualmente, como vimos, um papel importante a crianças. A preferência por crianças ou adolescentes do sexo feminino é também muito marcada e por seu intermédio somos de novo confrontados com a exploração das potencialidades significantes da figura feminina e com a sua aptidão em expressar ideias de renovação.

Notes

1 Estes dados foram obtidos através da consulta dos registos paroquiais, complementada com informação oral recolhida junto de alguns informantes chave.

2 A população da freguesia da Piedade era, em 1960, de acordo como os dados do Recenseamento Geral da População, de 1293 habitantes e 374 fogos. No cálculo deste número, descontei os habitantes da Ribeirinha, que, embora nessa ocasião fosse um dos lugares da freguesia da Piedade, se veio a tornar, em 1981, numa freguesia autónoma.

3 Das duas Coroas existentes na freguesia, uma é mais recente e foi oferecida por um emigrante; o espadim foi também oferecido, em 1889, por um emigrante, o mesmo sucedendo com um dos estandartes.

4 É a seguinte a letra desse cântico: «Adoremos com afectos de alma/ ao Espírito Santo divino/ do céu descei sobre nós/ com auxílios do amor divino».

5 É o seguinte o texto dessa oração: «Ó senhor Espírito Santo/ vos roguemos com clamor/ mandai prevenir a terra/ que não haja mais tremor// Sois pai de misericórdia/ livrai-nos de todo o mal/ não nos mateis com tremor/ nesta ilha de orfandade// Meus pecados são a causa/ da terra tanto tremer/ agora vos prometemos/ nunca mais vos ofender// Não despreseis a fé grande/ que é ao que nós recorremos/ fazei como pai benigno/ não por nós o merecermos// Minha senhora soberana/ das mercês do pecador/ o senhor Espírito Santo/ Seja o nosso intercessor// Rogai com afecto d'alma/ Espírito Santo divino/ do céu desçam sobre nós/ sucessos do amor mais fino// Glória seja ao Pai/ ao Filho que nos remiu/ ao senhor Espírito Santo/ que de graças nos cobriu// Ó Santíssima Trindade/ sois esposa, mãe e filha/ peço-vos misericórdia/ para toda esta ilha// A vossa misericórdia/ que do céu queira gozar/ não nos mateis com tremores/ nesta ilha de orfandade// Toda nossa esperança/ nós pomos em vós senhor/ ó senhor Espírito Santo/ ouvi a quem vos adora.».

6 Em 1989, a filarmónica existente na freguesia encontrava-se momentaneamente desactivada e as Coroações realizaram-se sem qualquer acompanhamento musical.

7 Cada fornada de pão de ovos requer 8 kg. de farinha, 4 dúzias de ovos, 2 kg. de açúcar, 1 kg. de manteiga, a raspa de um limão grande, fermento e eventualmente 1 cálice de aguardente e um pouco de leite. Enquanto o pão de mesa é maior e mais sobre o comprido, o biscoito possui um formato arredondado. Quanto às rosquilhas, cada fornada — 4 rosquilhas — requer 5 kg. de farinha, 3 dúzias de ovos, 1 kg. de açúcar, ½ kg. de manteiga, 1 raspinha de limão, nos moscada, 1 cálice de aguardente e fermento. As Sopas do Espírito Santo, por seu turno, são feitas à base de carne de rês cozida e pão de trigo e são condimentadas com canela, tomatada, alho, cebola e sal.

8 Os números apresentados tomam como ano de referência 1989.

9 Este bolos, são também conhecidos pela designação de vésperas e são muito parecidas com as usadas em Santo Antão. Para a confecção de 44 desses bolos são necessários 22 kg. de farinha, 4 dúzias de ovos, 2 kg. de açúcar e fermento. De feitio redondo e achatado, as vésperas são embelezadas, antes de irem ao forno, com motivos diversos, impressos na massa por intermédio de chavões de madeira.

10 Há cerca de 30 anos atrás, cada ponto tinha à sua frente o chamado cabeça de pelouro, assessoreado por dois mordomos, um encarregue do vinho e outro dos bolos. Hoje em dia, tanto estas designações como a divisão de trabalho que elas pressupõem caíram em desuso: a direcção de cada ponto, renovada todos os 2 ou 3 anos, tem à sua frente um presidente eleito pelos irmãos que escolhe dois outros indivíduos para o auxiliarem.

11 Hoje em dia, apesar de esta cerimónia ter desaparecido, mantem-se a oferta ao pároco e aos sacristãos. Esta consta de uma rosquilha e é geralmente efectuada na véspera do dia em que recaem os festejos.

12 Os dados relativos à taxa de endogamia foram obtidos através da consulta dos assentos paroquiais de casamentos e dizem respeito aos anos de 1948 a 1987. Por ausência de indicações relativas ao lugar de residência dos noivos não foram levados em conta os anos de 1963, 1964 e 1968 a 1982. No total, a amostragem realizada incide sobre um conjunto de 284 casamentos.

13 Os casamentos entre indivíduos residentes na Ribeirinha e indivíduos pertencentes aos restantes lugares da freguesia da Piedade correspondem a cerca de 5% do total de casamentos recenseados a partir da consulta aos assentos paroquiais da Piedade.

Table des illustrations

Titre MAPA 17. Freguesia de Nossa Senhora da Piedade (Pico)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2052/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Titre FIGURA 9. Organização do cortejo que rodeia a coroação (Piedade)
Légende Legenda: M — crianças; E — estandartes; C — coroas; Mdo — mordomo, A — acompanhantes.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2052/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre QUADRO 29. Pontos e ofertas nos Impérios (Piedade, 1989)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2052/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre MAPA 18. Pontos e lugares nas Festas do Espírito Santo na Piedade
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2052/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 77k

© Etnográfica Press, 1994

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540