Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

As festas do Espírito Santo nos Açores

 | 
João Leal

Parte II. Diversidade e unidade das Festas do Espírito Santo

Capítulo 9. Jantares, Gastos e Festas. Santo Antão (São Jorge)

Texte intégral

I

1Santo Antão é uma das cinco freguesias que compõem o concelho da Calheta, na ilha de São Jorge. Situada na ponta SE da ilha, a freguesia integra, juntamente com a freguesia do Topo, uma área geográfica com características relativamente individualizadas no conjunto da ilha.

  • 1 Estes números baseiam-se num recenseamento das casas da freguesia, efectuado a partir dos registos (...)

2Com uma área de 33,41 km2, a freguesia possuía em 1988 um total de 1.225 habitantes e 294 grupos domésticos. Destes, cerca de 72% correspondiam a agregados familiares simples, 16% a agregados familiares alargados e 3% a agregados familiares múltiplos; os «isolados» representavam 8% das unidades domésticas e, por fim, os agregados não conjugais correspondiam a 1%1.

3A população distribui-se por um conjunto de lugares — localmente designados por arrabaldes — entre os quais, se destacam, para além do centro propriamente dito, os lugares de São Tomé, Cruzai, Caminho Chão e Santa Rosa. Caracterizados por uma maior dimensão demográfica, dispondo também, em muitos casos, de um conjunto de equipamentos próprios — comércio, escolas, ermidas, etc… — estes lugares são considerados os mais importantes da freguesia. Além deles existem ainda — como se depreende do quadro 23 — um conjunto de outros lugares que, embora individualizados por topónimos próprios, acabam por se referenciar privilegiadamente aos lugares atrás mencionados. No litoral norte e sul situam-se por seu turno um certo número de povoações de ocupação temporária, os chamados nortes ou fajãs, a mais importante das quais é a Fajã de São João.

4O povoamento oscila entre o povoamento disperso puro e o povoamento disperso-orientado, estruturado em torno de canadas ou caminhos, ao longo dos quais se dispõem as casas. Na sequência do sismo de 1981, ao mesmo tempo que se acentuou o peso deste último tipo de povoamento, ocorreu uma profunda modificação nos padrões da casa tradicional, que se encontra em franco declínio.

QUADRO 23. Distribuição da população por lugares (Santo Antão, 1988)

LUGARES

UNIDADES DOMÉSTICAS

HABITANTES

Santa Rosa

30

101

Ribeirinha

13

66

Cancelinha

24

107

Santo Antão

32

125

Canada do Atalho

5

18

Bueiro

8

32

Canada do Canto

8

35

Sete Fontes

5

27

Caminho Chão

18

70

Canada da Castanha

5

13

Canada das Queimadas

2

19

Cruzai

62

234

Caminho de Cima

9

40

Canada do Foro

4

9

Canada da Caldeira

8

21

Lameiro

11

55

Tranqueiras

6

37

São Tomé

38

194

Fajã de São João

6

22

Totais

294

1225

  • 2 Segundo os dados do Recenseamento Geral da População de 1960, a população da freguesia era nesse an (...)

5Tal como outras freguesias açorianas, Santo Antão é uma freguesia marcada pela emigração, em particular pelo surto migratório que se desenvolveu a partir dos anos 60: a sua população actual representa cerca de 64% da população existente na freguesia em 19602. Essa emigração apresenta entretanto características algo diferentes das que observámos em Santa Bárbara: dirige-se na sua esmagadora maioria para a costa oeste dos Estados Unidos da América sendo a ocupação profissional dominante entre os emigrantes o trabalho em grandes explorações agrícolas ligadas à criação de gado leiteiro.

  • 3 Estes dados e os seguintes baseiam-se nos resultados do Recenseamento Agrícola dos Açores de 1985 r (...)

6A economia da freguesia é essencialmente pastoril e desenvolve-se em torno da criação de gado vacum. O total do efectivo pecuário da freguesia era em 1985 de cerca de 2.200 cabeças de gado, com predomínio das vacas leiteiras, correspondentes a 40% do total3. Esta orientação pastoril, embora venha de trás, conheceu, a partir dos anos 40/50, uma aceleração decisiva, em detrimento de uma certa complementariedade até então existente entre a criação de gado e actividades de características mais estritamente agrícolas. Assim, actualmente, embora cada casa disponha de terrenos destinados a culturas agrícolas — milho, batata, vinha, produtos hortícolas diversos —, cerca de 88% da Superfície Agrícola Útil da freguesia — 1.335 ha — corresponde a pastos. O próprio milho — que ocupa uma área de 105 ha — destina-se hoje em dia maioritariamente à alimentação do gado.

7A estrutura da propriedade baseia-se na pequena e média propriedade muito dispersa. O número médio de blocos por exploração é de 7,4, sendo a área média por bloco de 0,82 ha. O arrendamento — pago num quantitativo determinado de leite — ocupa um lugar importante na estrutura fundiária local, correspondendo as terras arrendadas a cerca de 42% do total da Superfície Agrícola Útil.

  • 4 Os dados referentes à Cooperativa Agrícola do Topo foram-me fornecidos pela respectiva direcção, na (...)

8A criação de gado destina-se essencialmente à produção de leite, utilizado no fabrico do queijo de São Jorge, sendo portanto relativamente significativa a orientação da economia local para o mercado. 60% das explorações agrícolas retiram o seu rendimento principal ou exclusivo da actividade pecuária, e é de 88% a percentagem de explorações agrícolas que vendem regularmente parte da sua produção. A venda do leite e o fabrico do queijo processam-se no âmbito da Cooperativa Agrícola do Topo, que abrange as freguesias de Santo Antão e do Topo. Fundada em 1944, a Cooperativa dispõe desde 1986 de modernas instalações fabris situadas na Ribeira das Lexivias, em Santo Antão. O seu número total de sócios era, em 1987, de 303, 193 dos quais eram moradores de Santo Antão. O total de leite processado pela fábrica elevou-se, em 1987, a cerca de 2.769 milhões de litros, sendo a sua produção no mesmo ano de perto de 26.000 queijos grandes4.

II

9Em Santo Antão, as Festas do Espírito Santo compreendem, como nas ilhas do grupo central, duas séries distintas de festejos: os Jantares e os Gastos, por um lado, e as Festas, por outro. Os Jantares e os Gastos — equivalentes às Funções terceirenses — têm lugar ao longo do período de oito semanas que medeia entre o domingo de Páscoa e o domingo da Trindade. Nas primeiras seis semanas têm lugar os Jantares, conhecidos por primeiro Jantar, segundo Jantar, terceiro Jantar, etc…, de acordo com a semana em que recaem. Nas últimas duas semanas têm lugar os Gastos: Gasto do Espírito Santo ou de Pentecostes no domingo de Pentecostes e Gasto da Trindade, no domingo da Trindade. Nestas duas últimas semanas, em simultâneo com os Gastos realizam-se também as Festas: Festa velha, no domingo de Pentecostes e Festa nova, no domingo da Trindade.

MAPA 16. Freguesia de Santo Antão

MAPA 16. Freguesia de Santo Antão

QUADRO 24. Membros das irmandades do Espírito Santo (Santo Antão, 1988)

IRMANDADE

N.o MEMBROS

IRMÃOS

AJUDANTES

1.° Jantar

37

14

23

2.° Jantar

35

15

20

3.° Jantar

31

13

18

4.° Jantar

32

16

16

5.° Jantar

51

51

6.° Jantar

30

24

6

Gasto Pentecostes

45

13

32

Gasto Trindade

34

22

12

Total

295

168

127

10Na base tanto dos Jantares como dos Gastos encontra-se um conjunto de oito irmandades, cada uma delas ligada a um Jantar ou Gasto específico. No total, estas irmandades abrangem um conjunto de 295 unidades domésticas, 84 das quais — isto é cerca de 28% do total — correspondem a emigrantes. Os seus membros dividem-se em duas categorias: os cabeças — ou irmãos propriamente ditos — e os ajudantes (cf. quadro 24). É entre os primeiros que cada irmandade — de acordo com um critério rotativo — designa em cada ano o responsável individual pelos festejos respectivos. Este recebe a designação de mordomo e, apoiado na irmandade, assume um papel particularmente importante no seu decurso.

11Nos Jantares os festejos convergem, em cada uma das semanas, para o domingo respectivo, sendo a semana que o antecede ocupada com preparativos de vária ordem e com algumas cerimónias preliminares. Nos Gastos, o ponto culminante dos festejos, além do domingo, abrange ainda os dias mais próximos: sábado,2.a e 3.a feira, no caso do Gasto de Pentecostes e sábado, no Gasto da Trindade. A estrutura genérica dos festejos apresenta um certo número de traços comuns. Nos Gastos, de acordo com a sua maior extensão, essa estrutura básica é entretanto objecto de um conjunto significativo de enriquecimentos e acrescentamentos.

FIGURA 8. Organização dos cortejos que antecedem e se seguem à coroação (Santo Antão)

FIGURA 8. Organização dos cortejos que antecedem e se seguem à coroação (Santo Antão)

Legenda: R-ramos; B-bandeira do Espírito Santo; E – espadim; V – varas; C – coroas; Mdo/Mda – mordomos; A – acompanhantes; M – crianças

  • 5 Das três Coroas existentes na freguesia, uma é mais antiga, sendo considerada como a Coroa primitiv (...)

12Na sua vertente religiosa, os festejos compreendem, em primeiro lugar, a recitação diária do terço. Esta tinha tradicionalmente lugar em casa do mordomo, onde no decurso da semana preparatória dos festejos, eram instaladas as insígnias do Espírito Santo — três Coroas, uma bandeira e um espadim5. Entretanto, desde há cerca de 20/30 anos essa prática entrou em declínio e a recitação diária do terço tem actualmente lugar no Império. Diferentemente do que se passa noutras ilhas do grupo central, este terço não apresenta características tradicionais específicas: trata-se de um terço usual, marcado pelo peso que nele assumem as intenções relacionados com o mordomo e sua família. No domingo, no termo da missa, tem por seu turno lugar a coroação. Esta incide sobre três crianças ou adolescentes, do sexo masculino ou feminino, escolhidos preferencialmente entre os filhos ou filhas do mordomo. A coroação é rodeada de um conjunto de cortejos que obedecem a regras de composição relativamente complexas. Nesses cortejos integram-se em primeiro lugar duas alas compostas pelos membros da irmandade, cada um dos quais transporta uma vara. No interior dessas duas alas segue a bandeira do Espírito Santo — transportada pelo mordomo do ano seguinte — ladeada por dois rapazes que transportam consigo os ramos — duas varas especiais encimadas por uma decoração floral. Em seguida segue a criança que procede ao transporte do espadim. Mais atrás incorporam-se as três crianças ou adolescentes que deverão ser coroados, imediatamente seguidos de três adultos, encarregues de os secundar nos seus desempenhos cerimoniais. À ida para a igreja, é a estes adultos que compete o transporte das Coroas; as crianças ou adolescentes que serão coroados conduzem por seu turno uma vara florida. À saída da igreja, as crianças ou adolescentes, com as Coroas na cabeça, seguem no interior de um quadro formado por varas enquanto os adultos asseguram o transporte das varas floridas. É usual incorporarem-se então no cortejo algumas dezenas de crianças, geralmente vestidas de branco e transportando consigo ramos de flores, que acompanham o quadro das Coroas. Encerrando esta secção do cortejo seguem por fim o padre, o mordomo e a mordoma, bem como alguns acompanhantes. Tradicionalmente, o acompanhamento destes cortejos — bem como de outras sequências dos festejos — cabia a uma folia, composta por um tambor e por um cantador. Entretanto — de acordo com uma tendência mais geral que tivémos anteriormente ocasião de pôr em evidência — a folia entrou em declínio, sendo actualmente o acompanhamento dos festejos assegurado por uma das duas filarmónicas existentes na freguesia, que segue usualmente no termo do cortejo (cf. figura 8).

13Nos Gastos esta estrutura ritual reveste formas mais complexas. Assim, em vez de uma, realizam-se várias coroações, ao longo dos diferentes dias por que os festejos se prolongam. Geralmente, quer as crianças ou adolescentes que coroam, quer os adultos que os acompanham são distintos de coroação para coroação. Por outro lado, os cortejos que rodeiam estas coroações são também enriquecidos pela presença de três personagens inéditos: os chamados cavaleiros, que seguem à frente do cortejo, imediatamente a seguir à bandeira do Espírito Santo. Geralmente escolhidos entre rapazes ou adolescentes, estes personagens envergam uma toalha branca caída sobre o peito e enfeitada por cinco laços vermelhos e cor-de-rosa. Dois deles transportam consigo uma vara florida, enquanto o do meio conduz o guião do Espírito Santo, utilizado exclusivamente no quadro dos Gastos.

  • 6 As Sopas do Espirito Santo em Santo Antão são temperadas com sal, pimenta, nabo, couve, cebola, alh (...)
  • 7 O pão de leite requer, para cada fornada — cerca de 17/18 pães, 15 kg de farinha, 5 dúzias de ovos, (...)

14Na vertente alimentar, por seu turno, os festejos requerem a preparação de um conjunto tradicionalmente definido de alimentos cerimoniais, entre os quais avultam as Sopas do Espírito Santo — feitas também à base de carne de rês cozida e de pão de trigo, mas diferindo em inúmeros aspectos de detalhe do tipo de Sopas usadas em Santa Bárbara6 — um certo número de variedades de biscoitos e massa sovada — entre as quais avultam o pão de leite, a massa da noite, a massa de São Miguel, rosquilhas fervidas e rosquilhas de aguardente — e ainda duas variedades principais de pão de trigo — pão de esmola e pão de cabeça7. Estes alimentos são preparados em quantidades muito significativas e requerem um elevado dispêndio de dinheiro ou géneros, suportado em parte importante — cerca de 60% — pelo mordomo. Os restantes 40% provêm, por um lado, da contribuição dos membros da irmandade. Cada um deve entregar ao mordomo uma determinada soma em dinheiro e uma certa quantidade de ovos — utilizados na confecção da massa sovada — variável de irmandade para irmandade. Por outro lado, cada mordomo recebe ainda algumas dezenas de ofertas em géneros de parentes e vizinhos. É sobre o mordomo que recaem também as responsabilidades de confecção dos alimentos. Para o efeito, ele apoia-se num gupo de ajudantes femininas, as amassadeiras, que são dirigidas por uma mestra. Estas têm a seu cargo a preparação do conjunto dos alimentos necessários aos festejos, com excepção do abate e da preparação prévia das reses, cuja responsabilidade recai sobre um grupo de ajudantes masculinos, à frente dos quais se encontra o marchante.

15Os alimentos circulam no quadro dos festejos sob a forma de um conjunto de refeições, ofertas e distribuições tradicionalmente regulamentadas. A mais importante dessas prestações é constituída por uma grande refeição que tem lugar, em cada um dos domingos, a seguir à coroação, na Casa do Espírito Santo. Essa refeição — conhecida tanto nos Jantares como nos Gastos pela designação genérica de Jantar — consta de Sopas do Espírito Santo, massa sovada e vinho e nela participam algumas centenas de pessoas, entre as quais a totalidade dos membros da irmandade respectiva e um conjunto amplo de convidados do mordomo. Os irmãos e ajudantes emigrados fazem-se geralmente representar — tanto nesta refeição, como no conjunto de outras sequências em que é requerida a sua presença — através de uma casa da freguesia por eles indicada. Entre os convidados para o Jantar, é usual cada mordomo incluir doze pobres. Tradicionalmente, participava também no Jantar a folia que, através de quadras apropriadas, introduzia os diferentes pratos, dirigia saudações ao mordomo e aos restantes convivas, etc… Desde que esta foi substituída pela filarmónica, os seus componentes são também convidados para o Jantar devendo executar, no seu termo, alguns números musicais em honra do mordomo. Em articulação com esta refeição e antes do seu início, realiza-se uma distribuição de esmolas, previamente benzidas pelo padre, por cerca de duas a três dezenas de casas mais pobres, escolhidas por cada um dos mordomos. Estas esmolas constam de um pão de trigo — o chamado pão de esmola — e, eventualmente, de uma porção de carne de rês crua. Na ocasião é também oferecido um copo de vinho a cada uma das pessoas que recebe a esmola. No termo da refeição, tem por seu turno lugar a distribuição de um pão de trigo — o chamado pão de cabeça — exclusivamente destinada aos membros da irmandade. Estes são ainda abrangidos por uma pequena refeição — conhecida pela designação genérica de almoço — à base de massa sovada e vinho que se realiza na Casa do Espírito Santo previamente à coroação. A par destas prestações mais importantes, a sequência ritual de Jantares e Gastos prevê ainda outras formas de circulação do alimento. Assim, na madrugada de domingo, realiza-se uma distribuição porta-a-porta de Sopas do Espírito Santo que pode abranger, nos casos mais expressivos, perto de duas a três dezenas de casas, escolhidas por cada um dos mordomos de acordo com critérios variáveis. Uma vez terminados os festejos, tem também lugar uma distribuição porta-a-porta de presentes em massa sovada, que, entre outros objectivos, visa retribuir as ofertas em géneros feitas ao mordomo pelas casas que não fazem parte da irmandade. Integram ainda a sequência dos festejos um certo número de dádivas alimentares em carne de rês crua, distribuídas entre as amassadeiras, e um brinde — com massa sovada e vinho — feita aos membros da filarmónica na véspera do início dos festejos.

  • 8 As espécies são um biscoito em forma de ferrradura pequena, com um revestimento exterior de massa e (...)

16Este conjunto de prestações é comum a Jantares e Gastos. Nestes últimos, porém, elas caracterizam-se por uma maior amplitude. Assim, no Gasto de Pentecostes, realizam-se não uma mas várias refeições — uma por cada dia por que se prolongam os festejos — que abrangem no seu conjunto perto de mil pessoas. No Gasto da Trindade, apesar de, à semelhança dos Jantares, se realizar uma só refeição, o número de participantes é em geral mais elevado que nestes: cerca de quatrocentos, contra duzentos/trezentos. Da mesma maneira, as esmolas distribuídas em ambos os Gastos são geralmente em número superior às distribuídas no quadro dos Jantares. A par desta maior amplitude, algumas das prestações que integram os Gastos possuem ainda um conteúdo distinto. É o caso das esmolas, que além do pão de esmola, envolvem obrigatoriamente a distribuição de carne de rês crua. E é também o caso da oferenda alimentar feita aos membros da irmandade que, em vez de um pão de cabeça, é integrada por um prato de doces — o chamado serviço da coroa — de confecção mais trabalhosa e dispendiosa e cuja distribuição é assegurada pelos cavaleiros. Entre esses doces — aos quais fizemos alusão no capítulo anterior — merecem particular relevo as espécies, as rosquilhas brancas, os esquecidos, os caramelos, os suspiros e o pão leve8.

  • 9 O conjunto de números e cálculos acima apresentado toma como ano de referência 1988.

17Proporcionalmente a este conjunto de acrescentamentos e enriquecimentos, os Gastos requerem uma despesa superior à dos Jantares. Enquanto que nestes últimos, ela se situa em média por volta dos 200/400 contos, no Gasto da Trindade ela eleva-se a 600 contos podendo atingir no Gasto de Pentecostes valores superiores a 1.000 contos. Esta despesa monetária corresponde, nos Jantares, aos seguintes gastos médios em géneros: uma cabeça de gado, entre 10 a 15 sacas de farinha (500 a 750 kg), 1 saca de açúcar (50 kg), 20 a 25 kg de manteiga, 70 a 80 dúzias de ovos, 2 quintos de vinho, etc… O Gasto de Pentecostes requer, pelo seu lado, três a quatro reses e quantidades significativamente mais elevadas dos restantes géneros. No Gasto da Trindade, por fim, são usualmente necessárias duas reses. A contribuição dos membros da irmandade para os festejos apresenta também nos Gastos um valor mais elevado. Enquanto que nos Jantares ela é em geral de mil escudos e uma dúzia de ovos, os irmãos do Gasto de Pentecostes oferecem ao mordomo respectivo 3.000$00 e três dúzias de ovos e os do Gasto da Trindade 2.000$00 e duas dúzias de ovos9.

*

18Simultaneamente aos Gastos têm lugar as Festas. Estas atingem o seu ponto culminante num conjunto de distribuições de bolos e no bodo de leite. Estas duas distribuições possuem uma relativa autonomia em relação às prestações alimentares que temos vindo a referir e apoiam-se também em critérios distintos dos que até agora encontrámos. Na sua base, em vez do dispêndio cerimonial do mordomo e da irmandade, encontra-se um conjunto de contribuições de casas da freguesia que se associam de forma autónoma aos festejos. Os critérios que presidem à própria distribuição do alimento são também distintos: a sua circulação, em vez de privilegiar conjuntos limitados de indivíduos e casas, é geral e aberta.

  • 10 As vésperas têm a forma exterior de um bolo redondo e achatado. Cada fornada de vésperas — correspo (...)

19As distribuições de bolos, que são previamente benzidos pelo padre, intervêm tanto no Gasto de Pentecostes — na 2.a e na 3.a feira — como no Gasto da Trindade — no domingo respectivo — e decorrem junto à Casa do Espírito Santo. Diferentemente do que se passa na maioria das ilhas do grupo central, a entrega destes alimentos na Casa do Espírito Santo é feita de forma informal, não originando a organização de qualquer cortejo específico. No Gasto de Pentecostes, além dos bolos propriamente ditos — conhecidos também pela designação de vésperas — são ainda distribuídos coscorões — feitos à base de massa de trigo temperada e fritos em banha de porco. No Gasto da Trindade a distribuição consta unicamente de bolos, os chamados bolos mancebos10. À frente destas distribuições encontra-se a mesa da Irmandade do Divino Espírito Santo — uma irmandade própria, absolutamente distinta das irmandades ligadas aos Jantares e aos Gastos — que, além de centralizar os alimentos tomando nota num rol próprio das casas que realizaram ofertas e do quantitativo destas —, está também encarregue de proceder à sua distribuição.

20Quanto ao bodo de leite, ele é específico do Gasto de Pentecostes. Realizase na 2.a feira de Pentecostes e consiste numa distribuição de leite acabado de ordenhar. A sua realização é antecedida por um cortejo, onde além das vacas cujo leite será distribuído no decurso do bodo, se integram a Rainha da Festa e as suas duas damas de honor — três adolescentes vestidas de branco e encarregues do transporte das Coroas — vários carros alegóricos — com motivos variáveis de ano para ano — e ainda as duas filarmónicas existentes na freguesia. À chegada do cortejo ao Império, o padre procede à benção do gado e inicia-se então a distribuição do leite, ordenhado na altura. Simultaneamente realiza-se uma distribuição generalizada de fatias de pão de leite e de vinho.

21A introdução do bodo de leite na estrutura dos festejos remonta aos anos 40 e é indissociável de dois factores principais: a existência de relações muito fortes entre a ponta SE de São Jorge e a ilha Terceira, donde os bodos são originários; a reorientação, a partir dos anos 40/50 da economia da freguesia no sentido da criação de gado como actividade dominante, em detrimento da complementariedade até então existente entre a criação de gado e a actividade agrícola. Quanto à articulação do bodo de leite com o cortejo alegórico, ela deve-se provavelmente à influência dos emigrantes: alguns dos seus motivos principais — a rainha da festa e as damas de honor, os carros alegóricos — fazem de facto parte da sequência ritual das Festas do Espírito Santo tal como estas são celebradas nos E.U.A. pelos emigrantes açorianos.

Extracto de um rol dos bolos da Festa (Santo Antão, 1987)

III

22Em torno desta estrutura dos festejos é possível reencontrar motivos idênticos aos que começámos por identificar na primeira parte da tese.

23Assim, no plano religioso — embora a promessa ocupe aqui um lugar menos relevante do que em Santa Bárbara — as Festas do Espírito Santo em Santo Antão resultam também da conjunção de formas de religiosidade de características individuais com formas de religiosidade de natureza colectiva. É com base nas primeiras que se realizam os Jantares e os Gastos. Quanto às segundas, elas exprimem-se sobretudo no âmbito das Festas.

24Tanto no plano individual como no plano colectivo, é também sobre o dispêndio de alimentos requeridos pelos festejos que repousa em grande medida o vinculo que eles estabelecem com a divindade.

25No caso do mordomo, este dispêndio opera como o meio principal de obtenção da protecção do Espírito Santo para a sua unidade doméstica. É por outro lado frequente que certos gastos cerimoniais — por exemplo, a quantidade precisa de esmolas distribuídas ou o número de cabeças de gado abatidas — resultem de promessas feitas ao Espírito Santo e operem portanto como um meio de retribuir graças anteriormente concedidas.

26As contribuições alimentares feitas pela comunidade no âmbito das Festas baseiam-se também em pressupostos semelhantes. Assim, a participação no bodo de leite está ligada à benção do gado e à colocação deste recurso fundamental da economia local sob a protecção divina. Quanto às ofertas de bolos, além de serem recorrentemente apresentadas como uma «devoção», podem também, em certos casos, resultar de promessas. No passado, elas apareciam por outro lado estreitamente associadas a ideias de bem-estar do grupo doméstico, como decorre de uma história frequentemente evocada na freguesia, de acordo com a qual o momentâneo abandono, no decurso dos anos 40, das ofertas de coscorões — em cuja feitura intervem a banha de porco-teve como consequência um «castigo» do Espírito Santo, sob a forma de uma epidemia que matou todos os porcos da freguesia.

27Algumas das formas de circulação do alimento baseiam-se também em critérios de natureza religiosa. É o que se passa com as distribuições de esmolas e com a inclusões de doze pobres entre os convidados para a refeição na Casa do Espírito Santo.

*

28Simultaneamente, o conjunto de refeições, dádivas e distribuições alimentares que passámos em revista possui uma importante dimensão sociológica.

29Esta dimensão sociológica começa também por operar num âmbito restrito, como um instrumento de reafirmação dos laços sociais existente entre cada um dos mordomos e o conjunto de indivíduos e grupos domésticos que fazem parte do seu círculo de relações: parentes, vizinhos, amigos, etc…

30O vínculo entre estas esferas sociais e os festejos é particularmente importante no referente ao parentesco e começa por assentar nos critérios que presidem à formação do grupo de amassadeiras encarregue da preparação culinária dos festejos. Como decorre do quadro 25, um número importante dessas ajudantes é de facto recrutada entre parentes do mordomo e da mordoma. Quanto aos ajudantes masculinos que asseguram o abate e a preparação prévias das reses, todos eles são — com excepção do marchante — parentes dos mordomos.

31Simultaneamente um número importante das ofertas em géneros recebidas por cada mordomo como contributo para as despesas envolvidas nos festejos é também feita por parentes (cf. quadro 26).

32Paralelamente ao parentesco, a vizinhança desempenha também — embora de uma forma menos constrangente do que em Santa Bárbara, provavelmente devido à inexistência da categoria formal dos vizinhos de perto — um papel importante. Assim, em dois dos Jantares atrás referidos — o 2.° e o 5.° — algumas das amassadeiras — respectivamente duas e cinco — foram recrutadas com base nesse critério. E do total de ofertas em géneros feitas a cada um dos mordomos, entre três a cinco foram também feitas por unidades domésticas da sua vizinhança mais próxima.

33É também nestas esferas sociais que o alimento apresenta formas mais densas de circulação. Como vimos, as amassadeiras recebem em sua casa uma prestação de carne crua. Em muitos casos elas são também abrangidas pela distribuição matinal de Sopas do Espírito Santo que tem lugar no domingo. Finalmente, é usual que, no termo dos festejos, elas recebam ainda um presente em massa sovada. Quanto às unidades domésticas que realizaram ofertas ao mordomo, elas são também abrangidas, como vimos, pela distribuição porta-a-porta de presentes em massa sovada.

QUADRO 25. Amassadeiras e parentes nos Jantares e Gastos (Santo Antão, 1988)

AMASSADEIRAS

PARENTES

1.° Jantar

13

6

2.° Jantar

9

3

3.° Jantar

14

8

4.° Jantar

12

6

5.° Jantar

8

3

6.° Jantar

10

8

Gasto Pentecostes

19

13

Gasto Trindade

17

3

QUADRO 26. Parentes e ofertas nos Jantares e Gastos (Santo Antão, 1988)

OFERTAS

PARENTES

1.° Jantar

37

8

2.° Jantar

20

10

3.° Jantar

29

11

4.° Jantar

26

16

5.° Jantar

6.° Jantar

44

15

Gasto Pentecostes

31

21

Gasto Trindade

  • 11 Os cálculos relativos ao peso dos parentes e vizinhos entre os convidados para o Jantar propriament (...)

34Mas a prestação alimentar mais significativa deste ponto de vista é sem dúvida o jantar propriamente dito. Neste, além dos membros da irmandade respectiva participam ainda, como vimos, um grande número de convidados do mordomo. Os critérios para estes convites baseiam-se em pressupostos idênticos aos que temos vindo a passar em revista. Para além da vizinhança, é posto particular ênfase no parentesco. De facto, entre 20 a 50% das unidades domésticas convidadas fazem parte das relações de parentesco do mordomo11. Uma das preocupações centrais deste é justamente a de que nenhum parente — mesmo afastado — deixe de ser convidado: uma qualquer omissão nessa área seria considerada como uma quebra grave do código de sociabilidade que rege as relações entre parentes. Daí que o jantar em si seja valorizado como uma ocasião privilegiada de reencontro e reunião da parentela.

35A par destes círculos privilegiados de relacionamento social, os convites para o jantar estendem-se ainda a outro tipo de relações sociais. Entre estas, contam-se, em primeiro lugar, as que se baseiam no código mais informal da amizade. Em segundo lugar, é também frequente a extensão desses convites — particularmente nos Gastos — para unidades domésticas, muitas vezes residentes fora da freguesia, a quem o mordomo está devendo favores ou com as quais mantem relações regulares de troca de serviços.

36É também de acordo com pressupostos similares que podem ser analisados alguns dos critérios que presidem à organização dos cortejos que rodeiam a coroação. De facto, o conjunto de personagens que integram a secção central do cortejo — os rapazes ou raparigas que transportam os ramos, as crianças ou adolescentes que são coroados, os adultos que asseguram o transporte das Coroas para a igreja, e, nos Gastos, os três cavaleiros — são fundamentalmente escolhidos entre as unidades domésticas aparentadas aos mordomos. Paralelamente, ocorrem também, sobretudo em relação às crianças e adolescentes coroados, casos de escolha de vizinhos. Por fim, é usual que cada mordomo se faça acompanhar no cortejo de alguns parentes mais chegados e distribua entre os restantes, assim como entre vizinhos e amigos que quer honrar, algumas das varas reservadas aos membros da irmandade.

37A ligação dos Jantares e dos Gastos à reiteração das relações sociais próximas do mordomo assume um significado acrescido quando este é um emigrante. Foi o que se passou, em 1988, com o 1.° e o 5.° Jantares e com ambos os Gastos. Tal como em Santa Bárbara, os festejos fornecem então uma ocasião particularmente importante de momentâneo reagrupamento de indivíduos e famílias separados pela emigração, eventualmente aproveitado também para a celebração de outros ritos familiares. Foi o que sucedeu, nesse mesmo ano, com o Gasto da Trindade, a cuja realização se seguiu, uma semana mais tarde, o casamento de uma das filhas do mordomo.

*

38Começando por privilegiar os círculos sociais próximos de cada mordomo, a circulação do alimento no quadro das Festas do Espírito Santo em Santo Antão possui também uma dimensão mais ampla e decisiva, relacionada mais uma vez com as duas instâncias centrais sobre as quais assenta o sistema social local: o lugar — ou arrabalde — e a freguesia.

  • 12 Estes números foram calculados a partir do recenseamento das casas da freguesia que elaborei no dec (...)

39A freguesia constitui o quadro fundamental da organização social. Dois factos expressam com particular nitidez essa sua característica: uma elevada taxa de endogamia — que se situa perto dos 80%12 — e uma forte consciência de si própria, com múltiplas expressões em verbalizações e práticas de natureza «sociocêntrica».

40Quanto ao lugar, além de constituir a unidade base do povoamento da freguesia, configura também em muitos casos uma importante unidade social intermédia. E o que sucede com aqueles que vimos serem os lugares mais importantes da freguesia: São Tomé, Cruzai, Santa Rosa e Caminho Chão. Dispondo de um conjunto de equipamentos próprios — comércio, escolas, ermidas — que reforçam a sua autonomia, estes lugares desenham ainda um quadro preferencial de relacionamento social. Nalguns casos, a sua personalidade reflecte-se mesmo no afloramento de uma consciência «sociocêntrica» embrionária e ainda numa certa endogamia de lugar. É o que se passa em particular em São Tomé e no Cruzai, onde justamente a tendência endogâmica é mais acentuada: 41% em São Tomé e 45% no Cruzai.

QUADRO 27. Jantares e lugares (Santo Antão, 1988)

JANTAR

LUGAR

1.° Jantar

São Tomé

2.° Jantar

Com. Chão

3.° Jantar

São Tomé

4.° Jantar

Santa Rosa

5.° Jantar

Cruzai

41Tal como em Santa Bárbara, é justamente como um instrumento de reiteração dos laços existentes no âmbito destas duas unidades sociais e da reafirmação da sua identidade que a circulação cerimonial do alimento no quadro das Festas do Espírito Santo assume maior relevância.

42O vínculo entre os festejos e o lugar estabelece-se por intermédio da série inicial de Jantares, e assenta sobretudo nas respectivas irmandades. Estas, como vimos, além de procederem à nomeação anual do mordomo, têm um relevante papel no decurso dos festejos, e, em particular, na sua vertente alimentar. Além de suportarem uma parte do dispêndio cerimonial requerido pelo Jantar, os seus membros constituem uma das esferas onde a circulação do alimento é mais intensa. Além do almoço e da oferenda alimentar que lhes é exclusivamente destinada, participam em plano de relevo na refeição que tem lugar na Casa do Espírito Santo — onde além de serem os primeiros a entrar, ocupam ainda a mesa central. Em caso de impossibilidade pontual de algum dos seus membros comparecer à refeição, por outro lado, o mordomo está obrigado a levá-la a sua casa.

43Ora, em cinco desses seis Jantares, existe uma correspondência entre a pertença a uma determinada irmandade e a pertença a um dos lugares principais da freguesia: São Tomé, Cruzai, Santa Rosa e Caminho Chão (cf. quadro 27).

  • 13 Estes cálculos — bem como os seguintes — não levam em conta os emigrantes.

44Essa correspondência é particularmente clara no 1.° e no 5.° Jantares, onde o número de membros das irmandades que pertencem a São Tomé, por um lado, e ao Cruzai, por outro, representam respectivamente 87% e 72% do total dos irmãos e ajudantes13.

45Mas ela reencontra-se, embora de forma menos nítida, nos outros Jantares. Assim, no 2.° Jantar, 57% dos membros da respectiva irmandade pertencem ao Caminho Chão e no 3.° Jantar, 56% pertencem a São Tomé. No 4.° Jantar essa ligação é aparentemente mais frágil: embora o lugar que forneça mais irmãos e ajudantes seja o de Santa Rosa, estes não representam senão 27% do total de membros da irmandade. Se acrescentarmos entretanto a esses irmãos e ajudantes os provenientes de outros lugares menores situadas nas imediações de Santa Rosa, obtemos uma percentagem mais significativa: 50%.

46Este vínculo entre os Jantares e os principais lugares da freguesia reencontra-se ainda nos critérios que presidem à circulação do alimento fora do quadro da irmandade. Em cada um dos lugares que têm vindo a ser referidos existe um certo número de casas — entre 25 a 30% — que não integram a respectiva irmandade. Essas casas, na sua maioria, acabam entretanto por ser abrangidas pelas diferentes prestações alimentares. Algumas delas figuram entre os convidados do mordomo à refeição que tem lugar na Casa do Espírito Santo e contam-se também entre aquelas que lhe fizeram ofertas alimentares prévias; no termo dos festejos recebem portanto em suas casas um presente em massa sovada. Outras, particularmente as de menores recursos económicos, são alvo das atenções do mordomo, no quadro da distribuição de esmolas e ainda no âmbito da distribuição porta-a-porta de Sopas do Espírito Santo.

47Tanto o vínculo preferencial entre lugares e irmandades como estes dispositivos emprestam aos Jantares características de uma celebração que, por intermédio da linguagem da dádiva alimentar, reafirma os laços sociais entre habitantes de um mesmo lugar e sublinha a sua identidade no quadro da freguesia.

48Este vínculo entre irmandades e lugares, que se apresenta já de uma forma diluída no 6.° Jantar, enfraquece-se decisivamente nos Gastos. Proporcionalmente ao maior dispêndio requerido pelos festejos, os critérios de pertença a estas duas irmandades deixam de ser de tipo «horizontal» — a pertença a um mesmo lugar — para passarem a reflectir preferencialmente critérios de tipo «vertical» — o estatuto sócio-económico mais elevado dos seus membros. Muitas pessoas na freguesia definem de facto os Gastos como «os Jantares dos ricos». Este vínculo entre os Gastos e a elite socio-económica local é particularmente clara no Gasto de Pentecostes: da sua irmandade fazem parte, entre outros, alguns dos mais abastados criadores de gado da freguesia, os principais comerciantes locais, o presidente da Cooperativa — ex-presidente da Junta de Freguesia — assim como outras figuras de relevo na «pequena política» local. Os emigrantes mais bem sucedidos da freguesia distribuemse também por esta irmandade e ainda pela irmandade do Gasto da Trindade. A circulação do alimento recebe em consequência um significado sociológico distinto, de afirmação dos laços de pertença a um grupo de «status» particular e a equação entre Festas do Espírito Santo e prestígio individual — mais diluída nos Jantares — apresenta-se aqui de forma mais nítida. Não é aliás por caso que, em ambos os Gastos, a indicação do mordomo do ano seguinte é frequentemente alvo de discussões acaloradas, em resultado das pressões exercidas pelas estratégias de prestígio individual sobre a regra da rotatividade no acesso ao cargo de mordomo.

49Isso não significa entretanto o abandono do tipo de trabalho sociológico inaugurado pela série inicial de Jantares. Promovidos de acordo com motivações onde o prestígio individual é relevante, os Gastos acabam por fornecer o contexto ritual para um discurso em que a comunidade acaba por surgir como o sujeito mais em evidência. De facto, simultaneamente aos Gastos, têm lugar as Festas, cujo núcleo central é constituído, como vimos, por um conjunto de prestações alimentares — distribuições de bolos e bodo de leite — autónomas das refeições e distribuições asseguradas pelo mordomo e pela irmandade. Através dessas prestações é justamente à continuação desse trabalho sociológico que podemos assistir. Depois de se ter colocado ao serviço da reafirmação da identidade do lugar, a circulação do alimento passa então a estar ao serviço da reiteração dos laços sociais no âmbito da freguesia e da reafirmação da sua identidade enquanto corpo social unificado.

50O vínculo entre essas prestações e a freguesia decorre em primeiro lugar da intervenção decisiva que os seus habitantes têm no seu financiamento e organização. Esta intervenção assume formas particularmente importantes no quadro do bodo de leite. A distribuição de leite propriamente dita conta de facto com a participação da maior parte dos pastores da freguesia. A distribuição de pão de leite e vinho que a acompanha assenta também em mecanismos comunitários. A sua organização está a cargo de uma comissão de dez a doze casas nomeada anualmente e à qual, rotativamente, todas as casas da freguesia devem pertencer. Os alimentos distribuídos resultam pelo seu lado de um peditório que, algum tempo antes dos festejos, percorre o conjunto da freguesia. Quanto às distribuições de bolos — apesar da concorrência do bodo de leite —, elas continuam a envolver também uma participação significativa das casas da freguesia: cerca de noventa a cem casas — correspondentes a 40% do total da freguesia — associam-se regularmente a elas, mediante ofertas de quantidades tradicionalmente definidas de alimentos, as chamadas contas ou meias contas. Na Festa de Pentecostes cada conta corresponde a vinte e cinco bolos e vinte e cinco coscorões e cada meia conta a treze bolos e treze coscorões. No Festa da Trindade, cada conta corresponde a quinze bolos mancebos.

51O vínculo que se estabelece entre as distribuições de bolos e o bodo de leite e a freguesia reencontra-se, em segundo lugar, nos critérios que presidem à distribuição destas prestações alimentares. Como verificámos antes, diferentemente das restantes prestações — que se destinam a conjuntos determinados de indivíduos ou grupos domésticos —, as distribuições de bolos e o bodo de leite possuem como característica distintiva uma circulação ilimitada e generalizada. Por detrás desta amplitude na circulação do alimento é de novo o horizonte sociológico da freguesia que emerge.

52Esta desenha por um lado o quadro preferencial de circulação dos alimentos. Tanto as distribuições de bolos, como o bodo de leite começam por reunir em seu torno um grande número de vizinhos e é entre eles que os alimentos distribuídos são primeiro que tudo consumidos e partilhados. Se os Jantares se configuravam como uma refeição colectiva formal privilegiadamente centrada sobre o conjunto dos habitantes de um dado lugar, a articulação das Festas com estas distribuições alimentares empresta a estas, por seu turno, características de uma refeição informal alargada ao conjunto da freguesia.

53A amplitude que caracteriza a circulação do alimento estende-se em segundo lugar às pessoas de fora da freguesia que, acorrendo em grande número aos festejos, são convidadas a associar-se às distribuições alimentares em curso. Esta faceta dos festejos é particularmente forte na Festa de Pentecostes, em particular no decurso da 2.a feira de Pentecostes. Nesse dia, além do bodo de leite, realiza-se ainda uma distribuição de bolos especialmente destinada aos forasteiros.

54Por detrás desta hospitalidade alimentar é de novo a freguesia que se perfila. Tal como em Santa Bárbara, o alimento funciona aqui como um instrumento através do qual a freguesia, abrindo-se para o exterior, pode afirmar de forma plena a sua identidade e reivindicar um prestígio acrescido. Este vínculo entre o alimento e o prestígio colectivo da freguesia é particularmente marcado no bodo de leite. Os pastores escolhem para o efeito as melhores vacas que, não tendo sido propositadamente ordenhadas de manhã, se apresentam no bodo com os úberes literalmente a abarrotar de leite, numa óbvia demonstração de abundância. Os temas predominantes de conversa incidem justamente sobre as qualidades do gado presente, ou sobre a excelência do seu leite. As distribuições de bolos possuem uma dimensão idêntica: a abundância e a liberalidade com que são distribuídos, a própria qualidade da massa e a apresentação estética dos alimentos — baseada em motivos (pombas do Espírito Santo, coroas e flores estilizadas, etc…) impressos na massa por meio de pequenos chavões de madeira — são particularmente valorizadas.

55Esta orientação dos festejos, embora asssente sobretudo nas distribuições alimentares que temos vindo a analisar, afecta também o carácter das prestações alimentares asseguradas no âmbito de cada um dos Gastos pelos respectivos mordomos. Não só o número de indivíduos e casas abrangido pelas refeições na Casa do Espírito Santo e pelas esmolas é, comparativamente aos Jantares, maior, como, sobretudo no Gasto de Pentecostes, certos aspectos da circulação do alimento acabam por ser «contaminados» pelos critérios seguidos nas distribuições de bolos e no bodo de leite. É o que se passa com a refeição que tem lugar na 2.a feira de Pentecostes. Coincidindo com o dia em que é máxima a abertura dos festejos para o exterior, ela não só é reservada a convidados de fora da freguesia, como é também frequente que a estes se juntem outros forasteiros que, embora não convidados, solicitam ao mordomo licença para participarem na refeição. Em nome da hospitalidade alimentar em relação ao exterior que é característica desse dia, esses pedidos são geralmente satisfeitos.

56Esta espécie de «contaminação» dos Gastos pelos critérios sociológicos que presidem à circulação do alimento nas Festas deve ser sublinhada. Por seu intermédio, a comunidade, ao mesmo tempo que aceita a lógica individualista inscrita nos desempenhos dos mordomos respectivos, tenta de alguma maneira ligá-los à afirmação da identidade e do prestígio colectivo da freguesia. «Individualismo» e «holismo» deixam-se mais uma vez ver, não como propriedades mutuamente exclusivas, mas como registos de alguma forma sobreponíveis.

IV

57A vinculação das Festas a ideias de reafirmação dos laços sociais no âmbito da freguesia e de reiteração periódica da sua identidade como corpo social unificado reflecte-se noutras facetas dos festejos.

58É o que se passa em primeiro lugar com alguns aspectos relacionados com a participação que têm neles as duas filarmónicas existentes na freguesia: a «Recreio dos Lavradores», também conhecida por música velha e cuja fundação remonta a finais do século passado e a «Nova Aliança», ou música nova, criada em 1965. Estas duas filarmónicas mantêm entre si uma forte rivalidade cujas raízes remontam aos anos 40/50. Nessa ocasião formaram-se na freguesia dois partidos rivais, um ligado à figura do padre, outro ligado à figura do médico local, que exercia também funções de direcção na Cooperativa agrícola. Esses partidos mantinham entre si relações de hostilidade aberta: houve famílias que deixaram de se falar, processos em tribunal, algumas das casas mais ligadas ao partido do médico deixaram de frequentar a igreja e muitas das casas ligadas ao partido do padre abandonaram a cooperativa. Foi justamente no quadro desta situação — que pode ser analisada à luz de alguns dos pressupostos desenvolvidos por Boissevain em «Saints and Fireworks» (1965) e posteriormente aprofundados em «Friends of Friends» (1978: 206 a 226) a propósito das rivalidades entre partiti numa freguesia rural da ilha de Malta — que se deu a criação da música nova: alguns dos músicos da «Recreio dos Lavradores» — cuja direcção alinhava preferencialmente com o partido do padre — decidiram a criação de uma nova filarmónica, identificada com a figura do médico. Esta foi inicialmente boicotada pelo partido do padre — que lhe moveu um processo em tribunal — e só em 1971 pôde realizar a sua primeira exibição pública. Embora hoje em dia esta divisão da freguesia em dois partidos rivais se tenha atenuado, as duas músicas continuam a manter entre si um forte antagonismo, avaliado localmente de forma contraditória. Para uns, trata-se de um facto negativo: «quando se formam numa freguesia dois partidos rivais, nunca mais há concerto e vêem-se muitas coisas tristes». Para outros, porém, a existência de duas filarmónicas rivais é encarada de forma positiva. É dado o exemplo de uma freguesia vizinha — Ribeira Seca — onde o desaparecimento de uma de duas filarmónicas também rivais conduziu, anos depois, à extinção da outra e a emulação é vista como um factor de progresso: «quando não há guerra, não há comércio, está tudo morto». As expressões dessa rivalidade são múltiplas e vários incidentes têm marcado, em anos recentes, o relacionamento entre as duas músicas. Devido a esse facto, as duas filarmónicas recusam-se, salvo em raras ocasiões, a tocar em conjunto e os mordomos vêem-se obrigados a convidar para os festejos uma delas, com exclusão da outra. A Festa de Pentecostes articula-se justamente com uma das poucas excepções a esta norma. No quadro das sequências mais directamente relacionadas com o bodo de leite, as duas filarmónicas, pondo momentaneamente de parte as suas rivalidades, tocam em conjunto. Como vimos, o bodo de leite representa, no âmbito mais geral dos festejos, um dos pontos altos da afirmação da unidade da freguesia. Não deixa de ser significativo que seja justamente essa a ocasião onde, em nome dessa unidade, é encenada uma momentânea supressão dos factores de divisão internos à freguesia que as rivalidades entre as duas filarmónicas expressam.

59É também de acordo com pressupostos similares que pode ser examinada a instituição das chamadas casas de ver a festa. Esta instituição — que entrou em declínio no seguimento do sismo de 1981 — designa um conjunto de casas, situadas na proximidade imediata da Casa do Espírito Santo e do Império, que eram utilizadas exclusivamente na altura das Festas de Pentecostes e da Trindade, encontrando-se desocupadas durante o resto do ano. Constituindo propriedade conjunta de várias famílias, residentes habitualmente em lugares menos centrais, essas casas eram tradicionalmente utilizadas para acomodar essas famílias ao longo de todo o período de duração das Festas. Facilitando a concentração da população no «coração» geográfico dos festejos, elas deixavam-se ver como uma transcrição para o plano espacial, das ideias de unificação da freguesia inscritas nos Festas.

*

60Finalmente, é ainda na perspectiva dos vínculos estreitos existentes entre as Festas do Espírito Santo e a afirmação da identidade da freguesia que é possível examinar o papel que estas desempenharam no processo que, no decurso do século passado, conduziu à criação da freguesia de Santo Antão.

61A existência de Santo Antão enquanto freguesia e paróquia autónoma remonta de facto a 1889. Até então, Santo Antão constituía apenas um curato da paróquia e freguesia do Topo. O processo que rodeou a sua autonomização foi um processo longo e marcado por incidentes vários que opuseram entre si os partidários da nova freguesia e os que na Vila estavam contra a autonomia de Santo Antão. Muitos desses incidentes conservam-se ainda na memória local, com relevo para a chamada «guerra dos marcos», um conjunto de confrontos verbais e físicos surgidos após a criação da freguesia de Santo Antão em torno da demarcação dos seus limites.

62As Festas do Espírito Santo desempenharam justamente neste processo um importante papel. De facto, uma das primeiras e mais importantes expressões das reivindicações «autonómicas» de Santo Antão consistiu na ruptura do vínculo ritual que, por intermédio das Festas do Espírito Santo, a unia à Vila. Essa ruptura deu-se em 1884, antecipando portanto em 5 anos a criação oficial da freguesia. No decurso das Festas do Espírito Santo desse ano, a população de Santo Antão não só se recusou a participar, como era usual, nos festejos da Vila, como decidiu promover, à revelia do clero local e da população da Vila, aquela que se tornaria na primeira Festa do Espírito Santo circunscrita a Santo Antão.

63Esse acontecimento é relatado com certo detalhe numa notícia de um jornal da época:

Em toda a ilha se festejou como é costume, no 1.° do corrente, o Divino Espírito Santo, distribuindo-se ao povo pão, bolos, tremoços, queijo e vinho.
No Topo, porém, onde estas festas se fizeram sempre com grande abundancia e entusiasmo, reunindo-se os povos dos diferentes arrabaldes da freguesia no antigo Império da vila, o que tornava um arraial digno de admirar-se, no corrente ano, dividiram-se os povos em dois partidos, formando-se um novo Império de Santo Antão, povoação importante daquela freguesia.
Entre uns e outros entusiastas empregaram-se todos os meios, os da Vila contra a criação do novo Império e os de Santo Antão para levarem a efeito a ideia. Se os da Vila conseguiram o propósito de se não coroar o novo imperador de Santo Antão em dia tão memorável para os povos do curato, os de Santo Antão viram coroados de melhor êxito os seus desejos.
Negou-se o clero da freguesia a concorrer com as cerimónias que em semelhantes actos se costumam realizar; o povo de Santo Antão, porém, não recuou, coloca a coroa no prato e em procissão, percorreu o curato entoando ao Divino Espírito Santo a oração da Ave Maria; distribuindo de tarde os seus 3.600 bolos, coscurões, tremoço, queijo e vinho entre alegres trovas ao som da classica viola.
E assim inaugurou aquela povoação o seu primeiro Império.
(O Velense, n.° 109 de 8 de Julho de 1884)

64A importância deste vínculo entre as Festas do Espírito Santo e a criação da freguesia de Santo Antão deve ser sublinhada. Configurando-se como um discurso ao serviço de um trabalho de reorganização cíclica das relações sociais, as Festas do Espírito Santo fornecem de facto um instrumento particularmente adequado para esse processo de radical reformulação de identidades sociológicas relativas que a criação da nova freguesia traduz.

65Esta ligação entre as Festas do Espírito Santo e a autonomia da freguesia de Santo Antão mantem-se aliás viva na memória local. Para muitas pessoas, a razão da oposição da Vila à criação da freguesia de Santo Antão assentava nas Festas: «este povo já não ia para a Vila ajudá-los a fazer a festa».

66Nos anos imediatamente subsequentes à criação da freguesia de Santo Antão, as Festas do Espírito Santo continuaram ainda a desenhar um terreno preferencial para a expressão da rivalidade entre as duas freguesias. Alguns dos incidentes concretos então ocorridos foram registados pela imprensa da época. Outros fazem parte da memória oral da freguesia. Entre eles merece particular destaque o de uma família de Santo Antão que, insistindo em oferecer os seus bolos no Topo, em vez de o fazer em Santo Antão, acabou por ser objecto de uma pequena acção «punitiva» no seu regresso à freguesia. Mais uma vez demos a palavra à imprensa da época:

Na terça-feira do Espírito Santo à tarde, quando seguia da Vila para sua casa, o sr…., ao passar em Santo Antão, alguém mal intencionado, deitou uns foguetes próximo do carro em que ia a família do dito, do que resultou espantarem-se os bois, com grave susto e grande perigo para as pessoas que conduziam.
(O Insulano n.° 268 de 16 de Junho de 1900)

67Historicamente assumida por contraposição ao Topo, a identidade de Santo Antão repousa ainda hoje em parte importante sobre esse confronto com a freguesia vizinha. E, tal como no século passado, as Festas do Espírito Santo continuam a desempenhar um importante papel nesse confronto, conduzido agora de uma forma mais «pacífica».

68De facto, um dos aspectos mais interessantes da Festa de Pentecostes é o modo como ela dá lugar ao estabelecimento de uma relação de reciprocidade cerimonial entre as duas freguesias. Enquanto que em Santo Antão, o dia mais importante dos festejos e aquele em que ocorre a sua abertura ao exterior é, como vimos, a 2.a feira de pentecostes, no Topo as mesmas cerimónias concentram-se na 3.a feira. Este arranjo possibilita que os habitantes das duas freguesias se visitem mutuamente messes dois dias: na 2.a feira a população do Topo ocorre em grande número a Santo Antão, e, na 3.a feira, é a vez de os de Santo Antão se deslocarem ao Topo.

69Abandonadas as formas mais violentas de rivalidade é no terreno criado por esta relação de reciprocidade cerimonial que ambas as freguesias podem agora competir: confrontando pequenas diferenças na estruturação dos festejos, comparando o seu brilho relativo, e, sobretudo, procurando exibir uma generosidade e uma liberalidade acrescidas na distribuição dos alimentos.

V

  • 14 No fim do Verão, tinha lugar um movimento similar, mas de mais curta duração e envolvendo uma parte (...)

70Tal como em Santa Bárbara, o trabalho sociológico inscrito nas Festas do Espírito Santo de Santo Antão deve ser visto como um trabalho de reiteração cíclica das relações sociais. Esta sua característica recebia tradicionalmente um significado acrescido, resultante do modo como o período consagrado às Festas do Espírito Santo sobrevinha no seguimento das mudas. Estas consistiam em deslocações sazonais da população do seu habitat usual para as fajãs e nortes, que, como vimos, constituem povoações de ocupação temporária situadas respectivamente na costa sul e na costa norte (cf. mapa 16). A mais importante e significativa dessas deslocações ocorria justamente no decurso do inverno, entre meados de Janeiro e finais de Março, isto é, no período que antecedia as Festas do Espírito Santo14. As razões que estavam na sua base prendiam-se com alguns constrangimentos ecológicos que pesavam sobre a actividade agro-pastoril. Para as compreendermos torna-se necessário ter presente o facto de o povoamento em Santo Antão se desenvolver a mais de 300 m, o que corresponde, nos Açores, a uma altitude considerável. Durante o período mais rigoroso do Inverno, a produtividade dos pastos tornava-se consequentemente muito reduzida. Devido às suas condições climatéricas mais amenas e temperadas e a uma maior produtividade dos solos, as fajãs e os nortes representavam uma alternativa a esse quadro.

71Ora, além da sua componente geográfica e económica, as mudas possuíam também uma importante dimensão sociológica, expressa no conjunto de modificações a que submetiam a organização social local. Essas modificações operavam a vários níveis, desde os hábitos e as práticas mais quotidianas de sociabilidade até aos níveis mais estruturais do relacionamento social, como o lugar e a freguesia, cujos limites e identidade eram justamente postos em causa de forma radical. Relativamente ao lugar, as mudas implicavam não apenas o abandono desse espaço privilegiado de sociabilidade como determinavam uma suspensão das fronteiras e limites que ele impunha ao relacionamento social. De facto, ao mesmo tempo que dispersavam pelas diferentes fajãs e nortes os habitantes de um mesmo lugar, as mudas concentravam em cada um desses locais, pesssoas e casas provindas de diferentes lugares da freguesia. A identidade da freguesia era também profundamente afectada. Com efeito, um dos aspectos característico das mudas era o modo como elas envolviam, simultaneamente à população de Santo Antão, a população do Topo. Misturando a população das duas freguesias nas diferentes fajãs e nortes, as mudas «subvertiam» pois os limites e barreiras que usualmente as separavam, diluindo momentaneamente a identidade de cada uma delas.

72Isto é: eram justamente as unidades sociais nomeadas pelas Festas do Espírito Santo que as mudas punham de alguma forma em questão. Um tal facto conferia uma importância acrescida ao trabalho sociológico inscrito nas Festas do Espírito Santo. Sobrevindo tradicionalmente no termo das mudas, este, além das características genéricas que ainda hoje lhe podem ser reconhecidas, propunha-se uma verdadeira re-composição dessas duas unidades sociais, após um período particularmente crítico do seu desenvolvimento.

73É justamente a esta luz que é possível examinar o peso que ocupavam tradicionalmente nas Festas do Espírito Santo alguns mecanismos relacionados com a organização espacial dos festejos. Verificámos a importância desses mecanismos nas Festas, a propósito das casas de ver a festa. Orientadas para a reafirmação dos laços de pertença à freguesia e da sua identidade, as Festas articulavam-se com uma momentânea fixação da população no centro da freguesia que, envolvendo o abandono da residência habitual de parte dos habitantes da freguesia, desenhava um movimento simétrico e inverso ao das mudas. De forma embora diferente, esta dimensão espacial reencontrava-se também na série inicial de Jantares. De facto, quando as Coroas e outras insígnias do Espírito Santo eram instaladas em casa dos mordomos, uma parte dos festejos decorria então no próprio marco físico de cada um dos lugares, tornando em certa medida indissociáveis as vertentes sociológica e territorial da reconstrução da sua identidade. Ou seja: funcionando nas mudas como causa e suporte material do processo de «desagregação» do lugar e da freguesia, o espaço era simultaneamente utilizado nas Festas do Espírito Santo como um elemento simbólico dos propósitos de re-composição da organização social que nelas se inscreviam.

*

  • 15 Este facto reflecte-se de forma expressiva nos dados referentes às entregas mensais de leite na Coo (...)

74Simultaneamente, as Festas do Espírito Santo em Santo Antão articulamse também com ideias de renascimento da natureza. Embora de uma forma menos expressiva do que em Santa Bárbara, elas reservam algum destaque a decorações florais de vário tipo, em particular no quadro dos cortejos que rodeiam a coroação. Como vimos, quer os ramos quer as varas que acompanham as Coroas são encimadas por uma decoração floral. As crianças que se integram nos cortejos transportam também consigo ramos de flores. E depois da coroação, quando as Coroas regressam ao Império, tem usualmente lugar uma pequena cerimónia em que as crianças que acompanham as Coroas lançam pétalas de flores sobre o mordomo e sobre as crianças ou adolescentes que foram coroados. Esta associação entre os festejos e a vegetação reencontra-se também em torno do alimento. No passado, era usual ornamentar o gado, antes do seu abate, com flores e ramos de verdura. E ainda hoje em dia, quer os pães de esmola, quer os pratos de doces distribuídos entre os irmãos e ajudantes de cada Gasto são também embelezados com flores. Finalmente, entre os motivos impressos nos bolos por intermédio dos chavões, ocupam também lugar de relevo, como vimos, os que representam flores estilizadas. Quanto às ideias de regeneração da fertilidade, elas exprimemse com particular força no bodo de leite: é justamente na época do ano em que as Festas se realizam que a produção de leite, após ter decaído para níveis muito baixos no decurso do inverno, atinge o seu apogeu15.

*

75Conotadas com ideias de regeneração cíclica da ordem social e natural, as Festas do Espírito Santo em Santo Antão, caracterizam-se, por fim, pelo relevo acrescido que concedem ao código etário. De facto, à semelhança da solução prevalecente nas freguesias da parte ocidental da ilha de Santa Maria — onde, como vimos, o menino da mesa, uma criança de quatro a oito anos de idade, constituía o protagonista principal da coroação — em Santo Antão é sobre um grupo de três crianças ou adolescentes que esta incide. Simultaneamente, um conjunto de outros aspectos dos festejos reforçam igualmente a importância do código etário. De facto, alguns dos desempenhos previstos nos cortejos que rodeiam a coroação — o transporte dos ramos, o transporte do espadim — são também assegurados por crianças ou adolescentes. E, a seguir à coroação, uma das secções mais importantes do cortejo que se forma é integrado por um numeroso grupo de crianças vestidas de branco.

  • 16 A importância dos desempenhos assegurados por crianças e adolescentes, em particular do sexo femini (...)

76A par desta acrescida importância do código etário, as Festas do Espírito Santo em Santo Antão colocam-nos perante a importância de um outro meio de simbolizar as ideias de renovação, baseado na exploração das potencialidades significantes da figura feminina. De facto, na escolha das crianças ou adolescentes que asseguram desempenhos tanto no quadro das coroações como no quadro dos cortejos que as rodeiam, existe uma marcada preferência por crianças ou adolescentes do sexo feminino. Da mesma maneira, no quadro do cortejo alegórico que antecede o bodo de leite, um dos carros mais em evidência é aquele onde seguem a rainha da festa e as respectivas damas de honor16.

Notes

1 Estes números baseiam-se num recenseamento das casas da freguesia, efectuado a partir dos registos paroquiais e completado com a recolha de informação oral.

2 Segundo os dados do Recenseamento Geral da População de 1960, a população da freguesia era nesse ano de 1933 habitantes, correspondentes a 520 fogos.

3 Estes dados e os seguintes baseiam-se nos resultados do Recenseamento Agrícola dos Açores de 1985 relativos a Santo Antão.

4 Os dados referentes à Cooperativa Agrícola do Topo foram-me fornecidos pela respectiva direcção, na altura presidida pelo Sr. José Leovigildo.

5 Das três Coroas existentes na freguesia, uma é mais antiga, sendo considerada como a Coroa primitiva do Império. Quanto às duas restantes, uma delas pertencia originalmente à ermida do Norte de Entre-Ribeiras, destruída pelo sismo de 1981, e a outra foi oferecida ao Império, nos anos 40, por um emigrante.

6 As Sopas do Espirito Santo em Santo Antão são temperadas com sal, pimenta, nabo, couve, cebola, alho, etc... Já depois de cozidas e antes de serem servidas é-lhes acrescentado molho de carne de rês assada, pedaços de fígado de vaca, linguiça e salsa.

7 O pão de leite requer, para cada fornada — cerca de 17/18 pães, 15 kg de farinha, 5 dúzias de ovos, 750 g de manteiga, 2 colheres de banha, 3 kg de açúcar, fermento e 1 litro de água misturada com leite. A massa de São Miguel, por seu turno, requer, para cada fornada — cerca de 12/13 pães, 10 kg de farinha, 5 dúzias de ovos, 3 ½ kg de açúcar, 1 kg e 250 g de manteiga, fermento e lima. A massa da noite é similar à de São Miguel, só que requer mais ovos. Quanto às rosquilhas fervidas, para cada fornada — cerca de 120 rosquilhas — são necessários 7 kg de farinha, 4 dúzias de ovos, 1 kg de açúcar, ½ litro de álcool puro, 2 colheres de fermento e 250 g de manteiga. Antes de serem levados ao forno, as rosquilhas são fervidas em água. A massa a partir da qual são feitas as rosquilhas de aguardente é similar à utilizada na confecção das rosquilhas fervidas, só que mais mole e sem prévia cozedura em água. Quanto aos pães de esmola e aos pães de cabeça, a sua massa é idêntica à do vulgar pão de água — só que ligeiramente temperada — e é sobretudo no sua forma exterior que estes dois tipos de pão se distinguem.

8 As espécies são um biscoito em forma de ferrradura pequena, com um revestimento exterior de massa e um creme levemente doce e picante no interior. A massa exterior é confeccionada a partir de 1 kg de farinha, 125 g de manteiga, entre 5 a 6 claras de ovo, sal e fermento. À parte é preparado o creme em cuja composição entram ½ litro de água, 1 kg de açúcar, 125 g de manteiga e pão torrado; depois do creme levantar fervura são-lhe acrescentados os seguintes temperos: raspa de limão, noz moscada, canela moída, cacau, erva doce e pimenta. Cada fornada de espécies comporta entre 12 a 15 espécies. Quanto às rosquilhas brancas, cada fornada requer 4 kg de farinha, ½ kg de açúcar, ½ dúzia de ovos e 20 colheres de banha ou manteiga; no fim da cozedura, as rosquilhas são revestidas de açúcar em ponto. Cada fornada de esquecidos — cerca de 60/80 esquecidos — requer 1 kg de farinha, 16 ovos, 8 claras de ovos, 1 kg de açúcar e limão. Quanto às receitas dos suspiros, caramelos e do pão leve, não são muito diferentes das usualmente utilizadas para esse tipo de doces. Cada serviço de coroa comporta em cada um dos Gastos — Pentecostes e Trindade — respectivamente três e quatro exemplares dos diferentes tipos de doces.

9 O conjunto de números e cálculos acima apresentado toma como ano de referência 1988.

10 As vésperas têm a forma exterior de um bolo redondo e achatado. Cada fornada de vésperas — correspondente a 25 vésperas — requer 9 kg de farinha, 2 dúzias de ovos, 2 litros de leite, 125 g de manteiga e 1 kg de açúcar. Quanto aos coscorões a sua massa é confeccionada com 4/5 kg de farinha e 3 dúzias de ovos — deixando algumas gemas de lado; depois de tendidos e dobrados, os coscorões são fritos em gordura de porco. Quanto aos bolos mancebos, embora o seu formato seja maior do que o das vésperas, a sua massa é idêntica.

11 Os cálculos relativos ao peso dos parentes e vizinhos entre os convidados para o Jantar propriamente dito foram estabelecidos com base nos róis de visitas. De facto, de uma forma geral, as casas convidadas para o Jantar contam-se entre as que realizam previamente uma oferta ao mordomo.

12 Estes números foram calculados a partir do recenseamento das casas da freguesia que elaborei no decurso da pesquisa de terreno.

13 Estes cálculos — bem como os seguintes — não levam em conta os emigrantes.

14 No fim do Verão, tinha lugar um movimento similar, mas de mais curta duração e envolvendo uma parte menos significativa da população. Para uma apresentação mais detalhada das mudas, cf. Bettencourt, 1988. O declínio das mudas parece estar ligado a dois factores principais: um deles resulta do aumento dos índices de produtividade nos pastos no decurso do inverno, devido à introdução de adubos; o outro resulta das consequências do sismo de 1981, que destruiu de forma irreparável as habitações de grande parte dos nortes.

15 Este facto reflecte-se de forma expressiva nos dados referentes às entregas mensais de leite na Cooperativa Agrícola do Topo. Esta encontra-se fechada entre Janeiro e Março/Abril, meses em que a produção de leite atinge o seu ponto mais baixo. Em Maio, o total de leite entregue é já muito significativo — cerca de de 338 mil litros em 1986 e 440 mil em 1987 — para atingir o seu máximo anual em Junho — 355 mil litros em 1986 e 489 mil em 1987. Depois, a partir de Julho, as entregas de leite entram num movimento de declínio, que atingirá o seu ponto mais baixo em Dezembro — 25 mil litros em 1986 e 45 mil litros em 1987.

16 A importância dos desempenhos assegurados por crianças e adolescentes, em particular do sexo feminino, não apenas em Santo Antão, mas noutras freguesias e ilhas açorianas, tem sido por vezes entendida como uma consequência do efeito de «feed-back» das transformações operadas nas Festas do Espírito Santo, tal como estas são celebradas nos E.U.A., entre as comunidades de açorianos emigrados, sobre as Festas do Espírito Santo nos Açores. Isto é apenas parcialmente verdade. Tanto quanto é possível verificar, quer através do recurso à bibliografia mais antiga, como por intermédio da memória oral, essa tendência vem de trás. O que mudou foi, por um lado, o peso relativo desses desempenhos — cuja importância é agora maior — e, por outro lado, algumas das modalidades concretas de que estes se revestem. Assim, no caso de Santo Antão, se, como sublinhámos, a introdução da rainha da festa e das damas de honor é claramente uma consequência da emigração, o peso mais geral dos códigos etário e sexual deve ser considerado, apesar das modificações que eventualmente tiveram lugar em tempos mais recentes, como um aspecto estrutural dos festejos.

Table des illustrations

Titre MAPA 16. Freguesia de Santo Antão
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2049/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 236k
Titre FIGURA 8. Organização dos cortejos que antecedem e se seguem à coroação (Santo Antão)
Légende Legenda: R-ramos; B-bandeira do Espírito Santo; E – espadim; V – varas; C – coroas; Mdo/Mda – mordomos; A – acompanhantes; M – crianças
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2049/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Légende Extracto de um rol dos bolos da Festa (Santo Antão, 1987)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2049/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 440k

© Etnográfica Press, 1994

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540