Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

As festas do Espírito Santo nos Açores

 | 
João Leal

Parte I. Os Impérios na freguesia de Santa Bárbara (Santa Maria)

Capítulo 4. A Parte dos Homens I

Texte intégral

I

1Idealmente destinadas à divindade, as dádivas alimentares dos Impérios circulam efectivamente entre os homens. Começando por ligar os homens à divindade, elas ligam também entre si os homens.

2Mauss, ao debruçar-se no célebre «Essai sur le Don» (1983a) sobre um conjunto de complexos sistemas de troca característicos das sociedades tradicionais, chamou a atenção para esta imbricação das vertentes religiosa e sociológica da dádiva. Essa chamada de atenção está desde logo contida na própria definição da dádiva como um fenómeno social total. E é depois objecto, ao longo do texto, de um tratamento mais detalhado. A secção IV do primeiro capítulo — intitulada «Le Présent fait aux Dieux, Le Présent fait aux Hommes» — é justamente consagrada à análise da dimensão propriamente religiosa da dádiva. Tomando como referência o potlatch, Mauss sublinha o modo como as trocas de presentes que nele intervêm são vistas como um meio de influenciar a disposição dos deuses em relação aos homens. «Um dos primeiros grupos de seres — sublinha Mauss — com os quais os homens tiveram de celebrar contratos, e que, por definição, existiam para celebrar contratos com eles, foram, antes do mais, os espíritos dos mortos e os deuses. Com efeito, são eles os verdadeiros proprietários das coisas e dos bens do mundo. Era com eles que era mais necessário trocar e mais perigoso não trocar. Mas, inversamente, era com eles que era mais fácil e mais seguro trocar» (Mauss, 1983a: 167). Simultaneamente, Mauss insiste sobre as virtualidades sociológicas da dádiva — esse é aliás, como se sabe, um dos aspectos mais retidos da sua conceptualização (cf. em particular Levi-Strauss, 1971: 61-79). Intervindo num quadro social profano, a dádiva é essa força «simultaneamente mística e prática que une os clãs e, ao mesmo tempo, os divide» (Mauss, 1983a: 268), é um símbolo da vida social que «mais não faz do que traduzir, muito directamente, a maneira como os sub-grupos destas sociedades segmentadas, de tipo arcaico, estão, permanentemente, imbricados uns nos outros» (id. ibid.: 194).

3É justamente esta dupla componente da dádiva que podemos reencontrar nos Impérios. Inscrevendo-se num domínio que começa por relacionar o indivíduo e a comunidade com a divindade, a circulação cerimonial do alimento encontra-se também neles ao serviço de um discurso centrado sobre as relações sociais.

II

4Esse discurso começa por dizer respeito àquelas que são, em Santa Bárbara, as esferas onde o relacionamento social é mais intenso: o parentesco e a vizinhança de perto.

5Vimos no Capítulo 1 que são duas as expressões principais que designam o grupo doméstico em Santa Bárbara: família e casa. A primeira aplicase ao grupo doméstico enquanto agregado de indivíduos unidos entre si por determinadas relações de parentesco. A segunda, por seu turno, designa o grupo doméstico na sua ligação a um espaço residencial próprio. É justamente a partir destas duas dimensões do grupo doméstico que se erguem esses dois eixos de relacionamento social. O parentesco insere cada família numa teia de relações baseada na consanguinidade e na aliança. A vizinhança de perto, por sua vez, inscreve cada casa num complexo de relações baseado na territorialidade.

6Passemos em revista os aspectos principais de cada um destes círculos de sociabilidade. O parentesco, caracterizado por uma estrita bilateralidade, define para cada indivíduo ou grupo doméstico, o círculo onde os laços sociais possuem maior intensidade e proximidade.

7São três as áreas principais em que se decompõe o mundo dos parentes. Uma primeira — a dos parentes chegados — é constituída pelas relações de parentesco de primeiro grau: pais, fdhos e irmãos. Uma segunda abrange por seu turno as relações de parentesco de segundo grau, com destaque para os tios e primos filhos de irmão. Finalmente, uma terceira engloba os parentes desviados. À medida que se passa de uma para outra área o rendimento efectivo da linguagem do parentesco vai também decrescendo, até atingir na área dos parentes desviados — o mundo difuso dos primos segundos e terceiros, em relação aos quais a atitude predominante oscila entre o «ainda se liga» e o «é gente» — um rendimento praticamente nulo.

8No interior da primeira área a intensidade e a proximidade sociais são pelo contrário máximas e exprimem-se em primeiro lugar por intermédio de um conjunto de modalidades informais de sociabilidade: inter-visitas, favores e serviços, assistência na doença e na velhice, etc… Simultaneamente, é nesta área que são mais frequentes a cooperação e a ajuda mútua, tanto sob a forma de trocas de mão como no quadro da formação de grupos de trabalho extensos. Finalmente, estes parentes desempenham um papel central nas ocasiões de maior relevo ritual de cada casa, em particular no quadro daqueles que são em Santa Bárbara os ritos de passagem mais importantes: o casamento e os ritos relacionados com a morte. O luto, em particular, é especialmente constrangente nesta área do parentesco, devendo prolongarse por cerca de um ano. Embora possua um menor relevo cerimonial, o baptismo dá também lugar ao estabelecimento de laços especiais no interior deste grupo de parentes, uma vez que é entre os irmãos casados dos pais do recém-nascido que são preferencialmente escolhidos os seus padrinhos. Neste quadro geral que temos vindo a esboçar, deve ser feita uma referência especial à matação do porco. Comportando, paralelamente a uma vertente económica, uma importante vertente cerimonial, ela constitui de facto uma ocasião particularmente forte de reafirmação das relações sociais entre parentes chegados.

9A particular intensidade que o relacionamento social adquire nesta área privilegiada do parentesco exprime-se ainda na manutenção de laços importantes nas condições criadas pela emigração. É entre estes parentes que são mais importantes e frequentes formas de contacto como a correspondência regular, o envio de «dolas» e presentes, etc… Um grande número de procurações são-lhes também confiadas. Por fim, é nesta área que é mais vincada a preocupação de inter-visita, com pretextos muitas vezes fornecidos por ocasiões de natureza cerimonial, com destaque para a realização de casamentos.

10Na segunda área das relações de parentesco — constituída pelos parentes de segundo grau — o relacionamento social, embora apareça rodeado de algumas formas tradicionais de reconhecimento — expressas por exemplo no hábito de os sobrinhos, mesmo depois de casados, pedirem a benção aos tios — é já mais distendido, manifestando-se quase exclusivamente em ocasiões de natureza cerimonial, com destaque para os ritos de morte. Além de se integrarem no velório e no funeral, estes parentes devem ainda «guardar luto» durante um período de três meses. Entretanto, o facto de a emigração ter criado, em muitos grupos domésticos, um certo vazio ao nível das relações de parentesco de primeiro grau tem provocado uma certa revalorização, tanto subjectiva como prática, da importância destes parentes. Nesses casos, além de relações de cooperação e ajuda mútua mais frequentes, eles vêem-se também associados de forma mais importante à esfera do ritual.

  • 1 Esta importância da vizinhança de perto é também sublinhada, embora pela negativa, por dois outros (...)

11Simultaneamente ao parentesco, é também importante o peso das relações baseadas na vizinhança de perto. Esta é composta pelas quatro ou cinco casas mais próximas de um dado grupo doméstico. Entre esses casas, aquela que está mais próxima é geralmente designada através da expressão vizinho do portal da porta. Dado o carácter disperso e irregular do povoamento, existe alguma margem de manobra na escolha concreta destes vizinhos. Mas, apesar deste carácter mais electivo, as modalidades de relacionamento social existentes entre vizinhos de perto aproximam-se bastante, na sua intensidade e importância, daquelas que existem entre o núcleo mais chegado de parentes. Um ditado recorrentemente citado na freguesia — «São Mateus/Primeiro os teus/Senão os vizinhos mais de perto» — põe justamente em evidência a homologia existente entre estes dois círculos sociais1.

12O relacionamento entre vizinhos de perto começa também por reservar um importante papel a modalidades informais de sociabilidade: conversas, inter-visitas, empréstimo de objectos e alfaias, pequenos favores e serviços — como, por exemplo, a utilização comum de «frisas» (designação americanizada dada às arcas frigoríficas) — assistência na doença e velhice, etc… As formas de inter-ajuda entre vizinhos de perto asssumem igualmente uma certa importância, particularmente nas desfolhas do milho, que assentam sobretudo na cooperação vicinal. Finalmente, os vizinhos de perto têm também uma participação relevante na esfera do ritual, tanto no casamento como, sobretudo, nos ritos de morte, em que se substituem à unidade doméstica do morto no desempenho de certas tarefas de natureza prática ou ritual como a preparação do cadáver, a confecção de alimentos durante o período mais rigoroso do luto, etc… A matação do porco fornece também uma ocasião relevante para o reforço das relações entre vizinhos de perto. A importância destas relações expressa-se ainda na existência de rituais de saída ou de entrada na vizinhança, por ocasião de mudança de residência, envolvendo exclusivamente os vizinhos de perto. Os laços entre vizinhos de perto sobrevivem em muitos casos — particularmente se a relação se prolongou por muito tempo — à emigração. Embora assumam uma expressão menos importante do que entre os parentes mais chegados, são frequentes casos de correspondência regular, de troca de presentes e favores — designadamente os que se resultam de procurações — entre ex-vizinhos de perto separados pela emigração. Ao mesmo tempo — de forma idêntica ao que sucede com as relações de parentesco de segundo grau — a emigração provocou também, entre as unidades domésticas privadas de relações de parentesco de primeiro grau, um aumento da importância relativa das relações de vizinhança de perto. Na ausência de parentes mais chegados na freguesia, é por exemplo frequente certos casais mais idosos solicitarem a um dos seus vizinhos de perto o encargo de os remir, isto é, de os assistirem na velhice, em troca da herança — assegurada geralmente por escritura notarial — da parte mais significativa dos seus bens.

*

13A importância deste complexo sociológico formado pelas relações de parentesco e vizinhança deve ser sublinhada. Surgindo em articulação com o predomínio, ao nível da organização doméstica, da família elementar, ela escapa ao tipo de correlações que têm sido estabelecidas entre formas de organização familiar e modalidades mais amplas de relacionamento social. Uma dessas correlações equaciona família elementar e fragilidade dos laços de parentesco. Assim, para Jorge Dias, enquanto que no norte do país, a predominância da família «extensa» seria acompanhada pela importância atribuída aos laços de parentesco, no sul, pelo contrário, o predomínio da família elementar seria dobrado pelo enfraquecimento daqueles: «a família é (…) a família elementar, sem outros laços de parentesco fortes» (Dias, A. Jorge, 1990a: 179; cf. também Dias, A. Jorge, 1990b: 187-191). Idêntica perspectiva reencontra-se em Cutileiro e na sua análise da estrutura social de Vila Velha: «não encontramos na freguesia um parentesco formal que se revista de direitos e deveres recíprocos e exclusivos. Fora da família elementar depressa se desvanecem as obrigações ditadas pelos laços de parentesco» (Cutileiro, 1971: 169). Em Santa Bárbara, pelo contrário, família elementar e laços de parentesco fortes não se apresentam como realidades mutuamente exclusivas. Num texto recente, por seu turno, João Pina Cabral, ao mesmo tempo que inverte os termos da equação família «extensa»/ laços de parentesco fortes vs. família elementar/ laços de parentesco fracos, estabelecida por Jorge Dias, procura correlacionar entre si formas de organização familiar e relações de vizinhança. Para este autor «nos sistemas (e complexos regionais) em que o princípio da casa é dominante, as relações entre vizinhos tendem a assumir um aspecto formal, enquanto que as relações entre parentes e compadres tendem a ser subalternizadas» (Pina Cabral, 1991: 238). Inversamente, «conforme o princípio da casa se vai subordinando ao princípio da conjugalidade, vamos encontrando sistemas em que as relações de parentesco se organizam em vicinalidades (frequentemente caracterizadas por uma orientação matrifocal). As relações de vizinhança não são formalizadas e tendem a confundir-se com as relações de amizade» (id., ibid.). Esta dupla asserção é negada pelo material de Santa Bárbara: dominada por aquilo que o autor designa de «princípio da conjugalidade», a organização familiar da freguesia coexiste com relações de vizinhança formalizadas que, por seu turno, não só são conceptualmente distintas das relações de parentesco — como o ilustra o ditado que citámos atrás — como só raramente se organizam em «vicinalidades». Furtando-se ao tipo de correlações estabelecidas entre formas de organização familiar e modalidades mais amplas de relacionamento social, o material de Santa Bárbara sugere que o predomínio da família elementar não é forçosamente sinónimo do enfraquecimento — ora no eixo do parentesco, ora no eixo da vizinhança — do capital de relacionamento social de cada casa.

III

14As modalidades de sociabilidade entre parentes e vizinhos de perto que passámos atrás em revista concedem um papel extremamente importante à linguagem da dádiva alimentar. Esta opera, para retomar uma formulação de Sahlins, como «um barómetro delicado, uma espécie de declaração ritual das relações sociais (…) utilizada instrumentalmente como um mecanismo de início, de sustentação ou de destruição da sociabilidade» (Sahlins, 1978: 215). Esta vocação sociológica da linguagem da dádiva alimentar tem sido sublinhada, em contexto europeu, por vários autores. W. Douglass constatou a sua importância num estudo acerca dos ritos de morte na aldeia basca de Murelaga (Douglass, 1969). Stanley Brandes orientou a sua análise dos ritos de casamento numa aldeia castelhana na base de pressupostos idênticos (Brandes, 1973). Na monografia que consagrou à aldeia francesa de Minot, Françoise Zonabend reteve como uma das expressões mais relevantes da sociabilidade «aldeã», os circuitos de dádivas e contra-dádivas alimentares, de natureza muitas vezes informal, entre casas aparentadas ou vizinhas (Zonabend, 1976, em particular 78-96). Rolande Bonnain, ao escrever sobre a aldeia de Baronnies (Pirinéus franceses), pôs em destaque a importância atribuída a um conjunto amplo de ofertas alimentares e de refeições na configuração das relações de vizinhança (Bonnain, 1981a), chamando ainda a atenção para a importância dessas formas de reciprocidade no quadro da matança do porco (Bonnain, 1981b). Na sua monografia sobre Sainte-Engrâce — uma aldeia do país basco francês —, Sandra Ott examinou de forma detalhada os sistemas de reciprocidade cerimonial entre vizinhos, associados à circulação de «pão bento» e ainda aos ritos de morte (Ott, 1981, 103-117; cf. também Ott, 1980). Finalmente, em Claude Macherel pode encontrar-se uma reflexão de natureza mais genérica sobre o fenómeno da dádiva nas sociedades rurais europeias (Macherel, 1983). O carácter isolado e recente destes estudos deve ser sublinhado. Apesar do «Essai sur le Don» conter, designadamente na sua parte final, algumas referências à importância da dádiva em contexto europeu (cf. Mauss, 1983a: 258-260), a antropologia europeia tem-se caracterizado por uma certa indiferença a essa dimensão das sociedades que constituem o objecto do seu estudo.

  • 2 É provavelmente da palavra brinde — utilizada no sentido que acabámos de referir — que provém a exp (...)

15Em Santa Bárbara, a importância da linguagem da dádiva alimentar reencontra-se, em primeiro lugar, em associação estreita com as modalidades mais informais de sociabilidade entre parentes e vizinhos de perto que referimos atrás. As inter-visitas são muitas vezes secundadas por brindes — designação localmente dada a pequenas ofertas de bebidas ou alimentos de consumo instantâneo2 — refeições ou oferendas alimentares informais. Entre os pequenos favores e serviços que têm lugar entre vizinhos de perto contam-se frequentes ofertas de géneros alimentares ou, inclusivamente, de alimentos cozinhados. Estão neste último caso as ofertas de brindeiros que muitas casas fazem, no dia em que cozem o pão, à vizinhança de perto. As formas de cooperação e ajuda mútua no quadro da actividade agrícola, em particular as que exigem a formação de grupos de trabalho mais extensos, articulam-se também com formas importantes de partilha alimentar e comensalidade. A casa para quem o trabalho está a ser executado, além de fornecer as refeições às pessoas que nele participam, deve ainda assegurar a realização regular de corridas de vinho no início e no termo de cada período de trabalho e, ainda, ao longo do dia.

  • 3 Os dados relativos à matação do porco baseiam-se na assistência a cerca de dez matações, para as qu (...)
  • 4 Este biscoito é também conhecido sob a designação de bolo talhado e é feito com uma massa similar à (...)
  • 5 Os torresmos são pedaços de carne de porco fritos em gordura de porco. O molhe é uma espécie de arr (...)

16Mas é sobretudo no quadro das ocasiões mais formais de relacionamento social que as virtualidades da linguagem da dádiva alimentar se revelam de forma mais expressiva. Entre essas ocasiões, conta-se a matação do porco, tradicionalmente associada a um conjunto amplo de refeições e prestações alimentares. Essas refeições e prestações alimentares começam por intervir no interior do grupo de trabalho que se constitui para o efeito, integrado por cerca de dez pessoas de ambos os sexos escolhidas entre as unidades domésticas que fazem parte da área dos parentes mais chegados da casa anfitriã3. No dia da matação a totalidade das refeições não apenas dos membros do grupo de trabalho, mas, em muitos casos, do conjunto de elementos que fazem parte das respectivas unidades domésticas são oferecidas pelos anfitriãos. Estas refeições são em geral refeições melhoradas e muito abundantes: além de biscoitos — com destaque para os chamados biscoitos da matação4 — e massa sovada, muitas casas matam ainda para o efeito uma ou duas galinhas. No dia seguinte — ocupado com a preparação dos enchidos — essas casas voltam a ser convidadas para uma nova refeição — geralmente a ceia — no decurso da qual são servidos alguns dos alimentos preparados com a carne do porco abatido na véspera, com destaque para os torresmos. No termo da refeição — comumente designada pela expressão provar os torresmos — essas casas recebem ainda uma oferta integrada por um pedaço de carne de porco crua e por um conjunto de alimentos representativos das principais preparações culinárias feitas a partir do porco: torresmos, morcelas, molhe5, etc… Começando por privilegiar as unidades domésticas envolvidas no grupo de trabalho da matação, a rede de dádivas alimentares com que esta se articula estende-se ainda a outras casas, entre as quais ocupam lugar de relevo outros parentes de primeiro grau e os vizinhos de perto. Estas casas são convidadas, no primeiro dia da matação, para ir ver o porco, sendo na altura brindadas com biscoitos, massa sovada e vinho. São também geralmente convidadas para a refeição do dia seguinte, no termo da qual são ainda presenteadas com uma pequena oferenda alimentar, integrada por duas ou três morcelas.

  • 6 Os dados relativos ao ritual do casamento assentam em recolhas conduzidas em dois casamentos realiz (...)

17Os ritos de passagem reservam também um lugar de relevo a um conjunto diversificado de refeições e prestações alimentares. Estas têm uma expressão particularmente importante no casamento6. Este envolve, em primeiro lugar, um conjunto de ofertas em géneros — ovos, farinha, trigo — feitas por parentes e vizinhos de perto a cada um dos noivos, nas duas semanas anteriores à data aprazada para a cerimónia. Estas ofertas são depois retribuídas, nas vésperas do casamento, através de uma distribuição porta-a-porta de brindeiros ou escaldadas.

  • 7 Esses presentes são também conhecidos pela designação de visitas. Esta expressão é ainda utilizada (...)

18Mas é sobretudo no quadro das cerimónias formais a que o casamento dá lugar que é importante o peso da linguagem da dádiva alimentar. Estas cerimónias estendem-se por dois dias: o dia dos noivos, que recai a um sábado e é o dia em que tem lugar a cerimónia religiosa do casamento e o domingo das visitas, que se realiza no domingo imediato e que é preenchido por um conjunto de visitas cerimoniais de parentes, vizinhos e amigos aos recémcasados. É no decurso destas visitas que os convidados à boda entregam aos noivos dos presentes de casamento7. Tradicionalmente estas visitas obedeciam a uma separação por sexos; as mulheres visitavam os noivos da parte da manhã e a tarde era reservada às visitas dos homens.

  • 8 Nalguns casos e devido à influência da emigração, passaram a realizar-se duas refeições com estas c (...)

19O dia dos noivos compreende, além da cerimónia religiosa, duas refeições. A primeira tem lugar antes da missa de casamento e realiza-se em casa dos pais do noivo. Trata-se de uma refeição ligeira, composta fundamentalmente por biscoitos, massas, bolos e doces8. A refeição da boda propriamente dita tem por sua vez lugar no termo da missa e realiza-se em casa dos pais da noiva. A sua ementa é particularmente rica e, além, mais uma vez, de uma grande variedade de biscoitos, massas, bolos e doces, consta ainda de dois ou três pratos de carne — galinha, vitela, etc… Além destas duas refeições, o casamento é ainda marcado por um conjunto de outras prestações alimentares. Entre elas merecem particular relevo um conjunto de ofertas alimentares destinadas aos vizinhos de perto. Estes, na véspera do dia dos noivos, são convidados por cada um dos noivos a ver a mesa armada para o dia seguinte, sendo brindados com massas e vinho. Caso os noivos passem a residir numa área diferente, estão também previstas prestações específicas tanto junto dos seus ex-vizinhos como dos seus novos vizinhos de perto. As primeiras têm lugar no próprio dia dos noivos e constam de um presente composto por cada uma das qualidades de alimentos servidos na refeição da boda. As segundas têm lugar no domingo das visitas e são geralmente integradas por massa sovada. Por fim, as visitas cerimoniais que se realizam no domingo das visitas têm também uma forte marcação alimentar. É preparada uma mesa com biscoitos, massas, bolos, doces e vinho, e à medida que as pessoas chegam, são convidadas a servir-se.

20Os ritos de morte surgem igualmente associados a um conjunto importante de dádivas e contra-dádivas de natureza alimentar. Estas intervêm desde logo no velório, no decurso do qual as pessoas presentes são brindadas com biscoitos e vinho. Mas atingem a sua expressão mais significativa no quadro da Ceia dos Anojados. Esta Ceia tem lugar cerca de uma semana após a realização do enterro, no seguimento da chamada missa do vestido de alma. Esta missa recebe a designação da crença segundo a qual a alma do morto se deve apresentar diante de Deus com um vestido novo e de festa. Esse vestido-ou fato — é comprado expressamente para o efeito e é envergado durante a missa por um parente próximo do morto, escolhido de acordo com a vontade deste. Muitas pessoas na freguesia consideram que se este ritual não for realizado, a alma do morto «não sobe ao céu». É justamente após o termo desta missa que se realiza a Ceia dos Anojados: trata-se de uma refeição melhorada, preparada pelos vizinhos de perto da unidade doméstica do falecido, na qual participam a totalidade dos parentes de primeiro grau deste. A sua realização marca o termo do período mais carregado de luto, assinalando a reintegração parcial destes parentes na vida social corrente.

21O nascimento dá também lugar a um certo número de dádivas alimentares. Logo após o nascimento, a mãe do recém-nascido recebe algumas ofertas em géneros — ovos, açúcar, etc… — que lhe são feitas por parentes e vizinhas de perto. O baptismo é igualmente assinalado por uma pequena refeição que junta os pais da criança e os padrinhos.

  • 9 Esta oferta substitui a oferta do folar pela Páscoa, forma tradicional de reafirmação da relação de (...)

22A própria relação de apadrinhamento, por fim, possui também um importante conteúdo alimentar: ela é periodicamente sublinhada através da oferta ao afilhado, pelo Natal, de um biscoito de orelha9. Os ritos de casamento — que marcam o termo do período mais significativo da relação de apadrinhamento-articulam-se também com um conjunto significativo de prestações e contra prestações alimentares entre padrinhos e afilhados. Aqueles, antes do casamento, oferecem a cada um dos noivos um açafate de escaldadas e uma certa quantidade de vinho, como contribuição para as despesas da boda. No domingo das visitas, estas ofertas são por seu turno retribuídas pelos noivos que presenteiam cada um dos respectivos padrinhos, com um açafate contendo as diversas qualidades de biscoitos e massas servidos no decurso da boda.

*

23Intimamente associada ao «regular» funcionamento das relações sociais nas esferas do parentesco e da vizinhança de perto, a linguagem da dádiva alimentar — com o seu misto de obrigação e gratuitidade — opera também como um verdadeiro aferidor do estado «real» dessas relações. O caso mais significativo é o da matação do porco e, em particular, dos convites para ver o porco. Do mesmo modo que a existência do convite e a sua aceitação e retribuição são encaradas como a expressão por excelência do «bom estado» dessas relações, a sua inexistência é associada a uma situação de degradação ou ruptura no relacionamento. E frequente que situações de fricção entre casas aparentadas ou vizinhas sejam comentadas nesses termos: «fulano e fulano não se dão, nem sequer se convidam para ir ver o porco…» Particularmente expressiva neste caso, essa faceta da linguagem da dádiva reencontra-se nas restantes situações que passámos em revista: a inexistência de uma visita no casamento de um parente chegado ou de um vizinho de perto, o «esquecimento» de retribuir uma oferta de brindeiros podem servir para marcar uma distância antiga ou uma ruptura recente.

24De uma ou de outra forma o jogo das relações sociais em Santa Bárbara aparece estreitamente associado às virtualidades significantes da linguagem da dádiva — a essa tripla obrigação de dar, receber e retribuir de que falava Mauss — e o seu adequado manuseamento constitui sem dúvida um dos aspectos essenciais do «ethos» cultural prevalecente na freguesia.

IV

25É neste quadro geral caracterizado pela estreita ligação da linguagem da dádiva alimentar a mecanismos de reafirmação, de criação ou de ruptura de determinados laços sociais que podem justamente ser interpretados os Impérios.

  • 10 Tal como no Capítulo 2, também neste e no próximo capítulo serão sobretudo utilizados referentes ao (...)

26As diferentes refeições, dádivas e distribuições alimentares que integram a sua sequência ritual começam de facto por intervir neles como um instrumento de reafirmação das relações sociais entre o imperador e os seus parentes e vizinhos de perto10.

27Esse vínculo entre a linguagem da dádiva alimentar e as relações sociais próximas de cada imperador estabelece-se em primeiro lugar por intermédio do grupo de ajudantes. Como tivemos ocasião de sublinhar, o grupo dos ajudantes constitui o quadro em que a circulação cerimonial do alimento é mais intensa. Para além de contra-prestações que visam explicitamente retribuir o seu trabalho — como a irmandade e, hoje em dia, o «envelope» final — é também entre os ajudantes que circula uma parte importante do dispêndio propriamente cerimonial do Império. Além dos direitos específicos que detêm no quadro das prestações mais ampliadas que integram a sequência ritual dos festejos, os ajudantes são ainda beneficiados com um conjunto de prestações que lhes são expressamente consagradas, com relevo para as Ceias de Ajudantes que assinalam o início e o termo do Império.

QUADRO 12. Ajudantes e parentes nos Impérios (Santa Bárbara, 1987)

AJUDANTES

PARENTES

Primeiro Império de Santa Bárbara

8

3

Segundo Império de Santa Bárbara

8

2 1/2

Primeiro Império do Norte

6

1

Segundo Império do Norte

7

4 1/2

28Ora os critérios que presidem à formação do grupo dos ajudantes têm como característica central a importância que concedem às esferas do parentesco e da vizinhança de perto de cada um dos imperadores.

29O parentesco assume particular relevo, como se pode verificar pela proporção de parentes entre os ajudantes, situada, nos Impérios que se realizaram em 1987, entre 40 a 60% do total dos ajudantes (cf. quadro 12 e diagramas 1, 2, 3 e 4). Se nos voltarmos para anos anteriores, encontramos números idênticos (cf. quadro 13).

QUADRO 13. Ajudantes e parentes nos Impérios (Santa Bárbara, 1981, 1982 e 1983)

AJUDANTES

PARENTES

1981 (1)

34

23

1981 (2)

37

20

1982 (1)

25

15

1982 (2)

24

12

1982 (3)

31

16

1982 (4)

34

16

1982 (5)

1983 (1)

32

10

DIAGRAMA 1. Ajudantes e parentes (Primeiro Império de Santa Bárbara 1987)

DIAGRAMA 1. Ajudantes e parentes (Primeiro Império de Santa Bárbara 1987)

DIAGRAMA 2. Ajudantes e parentes (Segundo Império de Santa Bárbara 1987)

DIAGRAMA 2. Ajudantes e parentes (Segundo Império de Santa Bárbara 1987)

DIAGRAMA 3. Ajudantes e parentes (Primeiro Império do Norte 1987)

DIAGRAMA 3. Ajudantes e parentes (Primeiro Império do Norte 1987)

DIAGRAMA 4. Ajudantes e parentes (Segundo Império do Norte, 1987)

DIAGRAMA 4. Ajudantes e parentes (Segundo Império do Norte, 1987)

30Esta mobilização das relações de parentesco faz-se de acordo com alguns dos princípios gerais que estruturam esta área fulcral do relacionamento social. A prioridade é dada às relações de parentesco de primeiro grau: pais, irmãos e, eventualmente, filhos casados do imperador e da imperatriz são de facto supostos associar-se em plano de relevo ao Império.

31Essa participação abrange em primeiro lugar os parentes residentes na freguesia. São raros aqueles que não se associam ao Império. Quando isso sucede fica em geral a dever-se à existência de situações de fricção. Deve entretanto referir-se que os Impérios fornecem em muitos casos um dos contextos principais para reconciliações — pelo menos momentâneas — entre parentes desamanhados. Simultaneamente, a realização de um Império dá frequentemente origem a deslocações propositadas de vários parentes emigrados. Dois dos Impérios atrás indicados assumiram, deste ponto de vista, uma dimensão particularmente expressiva. Assim, no Segundo Império de Santa Bárbara, os pais e quatro dos cinco irmãos do imperador deslocaram-se expressamente para o Império, sucedendo o mesmo com um dos irmãos da imperatriz. No Segundo Império do Norte, por seu turno, três dos sete irmãos embarcados do imperador vieram também de propósito para o Império.

32Nos Impérios promovidos por imperadores residentes na freguesia verifica-se a mesma tendência. Foi o que sucedeu com um dos Impérios realizados em 1981: do total de vinte parentes entre os ajudantes, oito eram emigrantes que se deslocaram expressamente à freguesia para o Império.

33O facto de os Impérios propiciarem uma momentânea reunião dos parentes afastados pela emigração é aliás enfaticamente sublinhada. «Nunca mais nos voltamos a juntar todos», «é a última vez que a família se reúne», são comentários que é possível ouvir a esse respeito. Tal como nos casamentos, a ocasião é utilizada para produzir registos fotográficos e em vídeo que, uma vez terminado o Império, alimentarão a memória dessa grande reunião familiar. Muitos imperadores chegam inclusivamente a fazer depender a data da realização do Império da possibilidade de juntarem o maior número de parentes próximos. Foi o que se passou com o Segundo Império do Norte, que teve a sua data adiada por duas vezes, em resultado de impedimentos em se deslocarem a Santa Bárbara de alguns dos irmãos do imperador. Tirando partido desta concentração extraordinária de parentes, a realização de um Império é também frequentemente aproveitada para a celebração de outros ritos familiares. Foi o que sucedeu em três dos Impérios que temos vindo a utilizar como quadro central de análise. Assim, o Segundo Império de Santa Bárbara deu lugar à realização, duas semanas mais tarde, do casamento de um dos irmãos do imperador: os convidados do noivo eram mais ou menos os mesmos que os parentes e vizinhos de perto que o imperador tinha chamado para integrarem o grupo de ajudantes do Império. O Primeiro Império do Norte, por seu turno, foi antecedido pela realização de uma missa de vestido de alma de uma cunhada da imperatriz. Finalmente, o Segundo Império do Norte articulou-se com a celebração dos 50 anos de casado dos pais do imperador: mais uma vez, notava-se uma flagrante coincidência entre os que tinham sido ajudantes do Império e os convidados para o aniversário.

QUADRO 14. Ajudantes e vizinhos de perto nos Impérios (Santa Bárbara, 1987)

AJUDANTES

VIZINHOS DE PERTO

Primeiro Império de Santa Bárbara

34

7

Segundo Império de Santa Bárbara

32

4

Primeiro Império do Norte

29

Segundo Império do Norte

33

2

34É justamente no interior deste núcleo central de parentes que são idealmente distribuídos certos cargos mais importantes, com destaque para os assegurados pelos ajudantes grados. O trinchante e o mestre sala — assim como o ajudante de trinchante — são usualmente irmãos do imperador ou da imperatriz, com prioridade para aqueles que realizaram uma oferta vultuosa ao imperador. Os briadores são geralmente escolhidos entre os sobrinhos solteiros do imperador e/ou da imperatriz. Caso os filhos do casal não tenham a idade adequada para o exercício do cargo, é também entre os sobrinhos de um ou de outro que são escolhidos os pagens da mesa. Quanto aos pais do imperador e da imperatriz, é geralmente sobre um deles que recai o cargo de ajudante de imperador. Os restantes parentes de primeiro grau, por fim, distribuem-se de forma mais indiferenciada pelos restantes cargos.

35Os critérios gerais que acabámos de passar em revista são particularmente claros no caso do Segundo Império de Santa Bárbara e no Segundo Império do Norte. No Segundo Império de Santa Bárbara, os briadores foram dois dos sobrinhos do imperador, sendo os cargos de ajudante do imperador, trinchante e ajudante de trinchante desempenhados respectivamente pelo pai e por dois irmãos da imperatriz; um dos pagens da mesa era também um sobrinho da imperatriz. No Segundo Império do Norte, por seu turno, os cargos de trinchante, mestre sala e briadores foram exercidos por dois irmãos e dois sobrinhos do imperador, que resolveu ainda acrescentar mais dois pagens da mesa ao número tradicionalmente previsto, por forma a, além dos seus próprios filhos, associar a esse desempenho dois dos seus sobrinhos. Devido à sua idade avançada, o pai do imperador, em vez do cargo de ajudante do imperador — que exige, em dia de Império, o dispêndio de um certo esforço — foi convidado para ajudante da porta da igreja. Nos outros dois Impérios de 1987, embora de uma forma menos expressiva, esta tendência é também reencontrável. Assim, no Primeiro Império de Santa Bárbara, os cargos de trinchante, ajudante de trinchante e ajudante do imperador foram desempenhados respectivamente por dois irmãos e um cunhado do imperador, seus únicos parentes de primeiro grau residentes na freguesia. No Primeiro Império de Santa Bárbara os cargos de trinchante e pagens da mesa foram também confiados a parentes próximos: respectivamente um genro e dois netos do imperador.

36Além dos parentes de primeiro grau, a formação do grupo de ajudantes envolve ainda o recurso a relações de parentesco de segundo grau. E de facto frequente a inclusão de tios ou primos filhos de irmão tanto do imperador como da imperariz no grupo de ajudantes. Nalguns casos, a constituição deste pode envolver inclusivamente a manipulação de relações de parentesco ainda mais afastadas, como sejam primos terceiros ou relações de afinidade de consanguíneos, tanto do imperador como da imperatriz.

37De uma maneira geral, estes parentes fornecem cerca de metade do total de parentes incluídos no grupo dos ajudantes. É justamente esse o caso do Segundo Império de Santa Bárbara e ainda do Segundo Império do Norte.

38Mas a sua participação pode subir para números superiores quando a um baixo número de parentes de primeiro grau residentes na freguesia se acrescenta uma menor participação de parentes emigrados no Império. Nesses casos, alguns dos cargos mais importantes que referimos anteriormente podem inclusivamente ser assegurados, em alternativa, por estes parentes. É justamente esse o caso dos dois outros Impérios de 1987. Assim, no Primeiro Império de Santa Bárbara, de um total de treze parentes que integravam o grupo de ajudantes, dez eram parentes em segundo ou terceiro grau do imperador e/ou da imperatriz. Foi justamente um desses parentes — um primo da imperatriz — que foi convidado para exercer o cargo de mestre sala. No Segundo Império do Norte, por seu turno, dos catorze parentes que faziam parte do grupo dos ajudantes, onze eram parentes em segundo ou terceiro grau do imperador e/ou da imperatriz, tendo sido entre eles que foram convidados o mestre sala, o ajudante de trinchante e o ajudante do imperador.

  • 11 No Segundo Império de Santa Bárbara, assim como no Segundo Império do Norte, a fase preliminar dos (...)

39Simultaneamente ao parentesco, a formação do grupo de ajudantes privilegia também a linguagem da vizinhança de perto. Esta, mesmo nos casos de Impérios promovidos por emigrantes, mantém-se como um dos critérios básicos para a formação do grupo de ajudantes, conforme é possível verificar no quadro 14 e nos mapas 3, 4 e 5)11.

MAPA 3. Ajudantes e vizinhos de perto (Primeiro Império de Santa Bárbara, 1987)

MAPA 3. Ajudantes e vizinhos de perto (Primeiro Império de Santa Bárbara, 1987)

MAPA 4. Ajudantes e vizinhos de perto (Segundo Império de Santa Bárbara, 1987)

MAPA 4. Ajudantes e vizinhos de perto (Segundo Império de Santa Bárbara, 1987)

MAPA 5. Ajudantes e vizinhos de perto (Segundo Império do Norte, 1987)

MAPA 5. Ajudantes e vizinhos de perto (Segundo Império do Norte, 1987)

*

40Assentando de forma privilegiada nas prestações alimentares consagradas aos ajudantes, o vínculo entre a linguagem da dádiva alimentar e a reiteração das relações de parentesco e de vizinhança de perto do imperador, possui ainda outras expressões.

QUADRO 15. Irmandades e parentes (Santa Bárbara, 1987)

IRMANDADES

VIZINHOS DE PERTO

Primeiro Império de Santa Bárbara

132

31

Segundo Império de Santa Bárbara

174

47

Primeiro Império do Norte

120

28

Segundo Império do Norte

146

26

41É à sua luz que pode ser interpretada a prática, que se tem vindo a tornar corrente em muitos Impérios, de alargar a esfera de circulação de algumas distribuições alimentares destinadas exclusivamente aos ajudantes a outras unidades domésticas que, embora ligadas por laços de parentesco — geralmente de segundo grau — ou de vizinhança ao imperador, não fazem formalmente parte do grupo de ajudantes. Esse alargamento intervém sobretudo em relação à Ceia inicial dos Ajudantes. Mas nalguns casos, abrange mesmo a distribuição porta-a-porta de escaldadas. No Primeiro Império do Norte, por exemplo, a imperatriz — uma mulher dotada de uma memória genealógica particularmente apurada — distribuiu escaldadas à totalidade dos seus parentes, inclusivamente em terceiro grau, residentes na freguesia: cerca de vinte escaldadas suplementares foram dessa forma distribuídas.

42É também neste quadro que pode ser analisada a particular densidade que apresentam, entre parentes e vizinhos de perto, as ofertas feitas ao imperador no âmbito da irmandade. Envolvendo a maior parte dos parentes e vizinhos de perto que se integram no grupo de ajudantes, essas ofertas estendemse ainda a outros parentes tanto residentes na freguesia, como emigrados (cf. quadro 15).

43Entre as irmandades oferecidas por parentes, merecem relevo especial — pelo importante contributo que dão para o financiamento do Império — as ofertas feitas em cabeças de gado. Como decorre do quadro 16, a quase totalidade dessas ofertas — ou mesmo a sua totalidade — são de facto feitas por parentes do imperador.

44Os próprios mecanismos de reciprocidade diferida a que, como assinalámos, a irmandade dá lugar, fazem também intervir critérios relacionados com o parentesco. De facto, algumas das irmandades recebidas pelo imperador visam retribuir, em certos casos, ofertas anteriormente feitas por familiares próximos a casas que no passado realizaram também um Império.

QUADRO 16. Cabeças de gado oferecidas por parentes (Santa Bárbara, 1987)

TOTAL DE CABEÇAS GADO

CABEÇAS GADO OFERECIDAS

CABEÇAS GADO OF. P/ PARENTES

Primeiro Império de Santa Bárbara

8

3

3

Segundo Império de Santa Bárbara

8

Primeiro Império do Norte

6

1

1

Segundo Império do Norte

7

3

*

45Operando sobretudo como um instrumento de asserção das relações sociais no âmbito das esferas do parentesco e da vizinhança de perto de cada imperador, a irmandade fornece também um contexto favorável à reafirmação dos laços sociais entre outras unidades domésticas. Assim, a confecção dos pães de mesa e roscas envolve, em muitos casos, o estabelecimento de laços de cooperação entre vizinhos de perto e parentes, seja por intermédio de trocas de mão, seja por intermédio da preparação conjunta da massa sovada. Por outro lado, o facto da irmandade enquanto oferta feita ao imperador implicar da parte deste uma contra-prestação alimentar, é também utilizado, sobretudo pelos emigrantes, como uma forma de presentear indirectamente certas casas. Em vez de ser entregue ao ofertante, a contra-prestação é distribuída a uma casa por ele indicada, geralmente de um parente. O copeiro, além de escrever no papel que acompanha a irmandade o nome da pessoa que fez essa oferta, dá também instruções específicas ao ajudante que assegura a sua entrega para referir oralmente o facto. Esta utilização da irmandade — designada correntemente sob a forma de reconhecimento — é relativamente comum, conforme se pode verificar no quadro 17.

QUADRO 17. Irmandades e reconhecimentos (Santa Bárbara, 1987)

IRMANDADES

RECONHECIMENTOS

Primeiro Império de Santa Bárbara

132

31

Segundo Império de Santa Bárbara

174

47

Primeiro Império do Norte

120

28

Segundo Império do Norte

146

26

Notes

1 Esta importância da vizinhança de perto é também sublinhada, embora pela negativa, por dois outros ditados: «Nunca um invejoso medrou/ Nem quem ao pé dele morou» e «Antes um mau ano/ do que um mau vizinho». Em Cortes-Rodrigues é publicada uma versão ligeiramente diferente deste último ditado: «Antes um mau ano/ Do que um inimigo à porta» (1982: 97). Numa das conversas em que este ditado me foi citado, apressaram-se a explicar-me: «um mau ano sofrem-no todos, um mau vizinho sofre-o um sozinho».

2 É provavelmente da palavra brinde — utilizada no sentido que acabámos de referir — que provém a expressão brindeiro, usada para designar uma certa qualidade de pão de trigo temperado. Na freguesia utiliza-se também correntemente o verbo brindar como sinónimo de oferecer qualquer coisa a alguém.

3 Os dados relativos à matação do porco baseiam-se na assistência a cerca de dez matações, para as quais fui convidado no decurso das minhas estadas em Santa Bárbara, designadamente em Novembro e Dezembro de 1987.

4 Este biscoito é também conhecido sob a designação de bolo talhado e é feito com uma massa similar à do biscoito de orelha, mas mais leve.

5 Os torresmos são pedaços de carne de porco fritos em gordura de porco. O molhe é uma espécie de arroz de porco, confeccionado com restos de sangue.

6 Os dados relativos ao ritual do casamento assentam em recolhas conduzidas em dois casamentos realizados na freguesia em Agosto e Novembro de 1987.

7 Esses presentes são também conhecidos pela designação de visitas. Esta expressão é ainda utilizada para designar qualquer oferta de valor afectivo e também como sinónimo de «cumprimentos»; nas cartas, a expressão «dá visitas a fulano» equivale a «manda cumprimentos meus a fulano».

8 Nalguns casos e devido à influência da emigração, passaram a realizar-se duas refeições com estas características, uma em casa dos pais do noivo, abrangendo os convidados deste e outra em casa dos pais da noiva, destinada aos convidados desta.

9 Esta oferta substitui a oferta do folar pela Páscoa, forma tradicional de reafirmação da relação de apadrinhamento no contexto português e também nos Açores.

10 Tal como no Capítulo 2, também neste e no próximo capítulo serão sobretudo utilizados referentes aos quatro Impérios realizados na freguesia em 1987. Entretanto, sempre que me pareceu necessário, recorri também a informação respeitante a Impérios que tiveram lugar em anos anteriores. A maior parte dessa informação foi recolhida no decurso das estadias realizadas em 1982 e 1983. Outra foi recolhida oralmente em várias sessões de trabalho com os copeiros da freguesia.

11 No Segundo Império de Santa Bárbara, assim como no Segundo Império do Norte, a fase preliminar dos festejos decorreu em casa de parentes chegados dos imperadores — a avó, num caso, os pais, noutro — e os vizinhos de perto que integraram o grupo dos ajudantes foram escolhidos entre as casas que mantinham usualmente uma relação de vizinhança com as casas desses parentes. Quanto aos dois outros Impérios, a sua fase preliminar decorreu na casa dos próprios imperadores e a definição da vizinhança de perto obedeceu a critérios de natureza mais estritamente geográfica. Como me disse um dos imperadores a esse propósito: «levei a vizinhança de perto a cito, para não ofender ninguém». No Primeiro Império de Santa Bárbara, além dos vizinhos de perto da sua casa no Termo da Igreja — onde estava instalada a Coroa — o imperador, um emigrante retornado há 6 meses à freguesia, convidou também para ajudantes os vizinhos de perto da sua casa em São Lourenço, onde residia.

Table des illustrations

Titre DIAGRAMA 1. Ajudantes e parentes (Primeiro Império de Santa Bárbara 1987)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2031/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 212k
Titre DIAGRAMA 2. Ajudantes e parentes (Segundo Império de Santa Bárbara 1987)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2031/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 200k
Titre DIAGRAMA 3. Ajudantes e parentes (Primeiro Império do Norte 1987)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2031/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre DIAGRAMA 4. Ajudantes e parentes (Segundo Império do Norte, 1987)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2031/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 220k
Titre MAPA 3. Ajudantes e vizinhos de perto (Primeiro Império de Santa Bárbara, 1987)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2031/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre MAPA 4. Ajudantes e vizinhos de perto (Segundo Império de Santa Bárbara, 1987)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2031/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre MAPA 5. Ajudantes e vizinhos de perto (Segundo Império do Norte, 1987)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2031/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 44k

© Etnográfica Press, 1994

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540