Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

As festas do Espírito Santo nos Açores

 | 
João Leal

Parte I. Os Impérios na freguesia de Santa Bárbara (Santa Maria)

Capítulo 3. A Parte dos Deuses

Texte intégral

I

1Santa Bárbara é uma freguesia caracterizada por uma religiosidade muito forte.

  • 1 Dados do «Recenseamento feito nas Missas Dominicais de 6/2/77», publicados no número 72, de Abril d (...)

2Esse facto pode começar por ser surpreendido nos elevados índices de prática religiosa que a freguesia apresenta. De acordo com dados de 19791, a assistência dominical à missa envolvia cerca de 80% da população da freguesia, sendo de 34% o número médio de comunhões regulares. Em 1983, apenas dez pessoas em toda a freguesia se eximiram à «desobriga pascal». É também importante a contribuição que as casas da freguesia dão às várias estruturas de carácter formal ou informal em que assenta a acção da igreja. Entre estas destacam-se, para além da Comissão Administrativa da paróquia e da catequese, a irmandade das Almas e a irmandade do Sagrado Coração de Jesus. A primeira tem como objectivo fundamental assegurar um certo número de missas de sufrágio pelas almas dos irmãos já falecidos. A segunda visa promover formas de devoção em relação ao Sagrado Coração de Jesus, cuja festa — celebrada no primeiro domingo de Agosto — constitui a festa «patronal» da freguesia. Uma outra organização religiosa importante é a Associação da Sagrada Família, baseada na circulação domiciliária de uma imagem da Sagrada Família. Durante o período que essa imagem permanece em cada uma das casas, os membros desta, além de procederem à entrega de esmolas, devem também rezar diariamente o terço.

3Simultaneamente a estas modalidades institucionais, desenvolve-se um conjunto de outras formas de religiosidade de características mais independentes, ligadas a celebrações cíclicas, a devoções pessoais aos santos ou à Virgem, a práticas e crenças relacionadas com a morte, etc… Nestas várias formas de religiosidade, um motivo é particularmente importante: a promessa como instrumento regular e privilegiado de relação com Deus. É por seu intermédio que cada indivíduo e cada casa tenta resolver muitos dos pequenos e grandes problemas com que se defronta. Entre estas formas mais independentes de religiosidade e aquelas que assumem uma expressão mais institucional não existe, entretanto, do ponto de vista da comunidade, solução de continuidade: geridas pela igreja ou autónomas em relação a ela, ambas fornecem vias de aproximação igualmente legítimas à divindade.

4É justamente no quadro desta concepção geral do mundo e da vida em que a relação com Deus é vista como estreitamente associada aos destinos humanos que os Impérios devem começar por ser interpretados.

II

  • 2 A expressão «religiosidade popular», embora consagrada, é susceptível de um conjunto de reparos. Cf (...)

5Situados do lado do que se convencionou chamar a «religiosidade popular»2, os Impérios obedecem de facto a um conjunto de motivações de natureza religiosa. Por detrás deles, como sublinham as pessoas, é antes do mais a «fé no Espírito Santo» que se perfila.

  • 3 Contrariamente a um dos argumentos desenvolvido por Foster e Boissevain nos seus textos, não existe (...)

6Essas motivações religiosas são particularmente importantes no caso do imperador. Resultando de uma promessa, o Império funciona para ele como um dos termos do contrato celebrado com a divindade que intercambia a graça divina solicitada com a «performance» de um ritual em sua homenagem e louvor. Além desse valor específico, a realização do Império surge ainda associada, de forma mais difusa, à ideia de uma protecção futura para o imperador e para a sua unidade doméstica. Nesse contrato religioso, estabelecido em última instância com o Espírito Santo, o patrono da igreja ou ermida para a qual o Império foi prometido funciona — de acordo com um mecanismo recorrente da promessa no mundo católico (cf., por exemplo, Foster, 1963, Boissevain, 1977, Christian Jr., 1978, 192-197) — como uma espécie de intermediário entre o vovente e a divindade (cf. figura 3)3.

7Tal como em muitos outros casos, este «contrato» individual estabelecido com a divindade é considerado como sagrado: acredita-se que o seu não cumprimento — ou o seu deficiente cumprimento — em vida do vovente, faz com que, após a morte, a sua alma não encontre descanso enquanto a promessa não fôr satisfeita. Em muitos casos, o defunto surge em sonhos a um dos familiares, solicitando a realização, em seu nome, do Império. O encargo deste é geralmente assumido pelos seus parentes próximos — conjuge sobrevivente, filhos, etc… —, dando lugar aos chamados Impérios de herdeiros ou Impérios de defuntos. Um dos Impérios que teve lugar na freguesia em 1982 resultou justamente de uma promessa não cumprida em vida pelo vovente. O encargo foi assumido pela viúva e pelos filhos que, além de terem repartido entre si os desempenhos principais — imperador, imperatriz, trinchante e mestre sala — contribuíram em partes iguais para as despesas dos festejos. Posteriormente à minha estada na freguesia, em 1988, voltaram a ter lugar dois outros Impérios de defuntos. Um deles foi realizado pelos dois filhos do vovente e, no outro, foram a viúva e os filhos — a maior parte dos quais emigrados — que asseguraram essa responsabilidade.

FIGURA 3. O mecanismo da promessa nos impérios

FIGURA 3. O mecanismo da promessa nos impérios

Adaptado de Boissevain, 1977: 93

8Ao assumir o encargo de promotor principal dos festejos, o imperador, ao mesmo tempo que satisfaz uma promessa individual, fornece também o contexto ritual para que a comunidade manifeste a sua devoção ao Espírito Santo. Essa devoção expressa-se, em primeiro lugar, por intermédio de um conjunto de outras promessas menores pagas no quadro dos Impérios. É o que se passa com um certo número de irmandades — tanto em pães de mesa ou roscas, como em dinheiro e em cabeças de gado — cuja oferta resulta de uma promessa ao Espírito Santo. Esta tanto pode ser pontual, como assumir, em certos casos, características mais permanentes. Há, por exemplo, pessoas que prometem fazer a oferta, todos os anos e «enquanto puderem», de um pão de mesa a pelo menos um Império da freguesia.

9Simultaneamente a estas formas mais precisas de devoção, os Impérios são sobretudo encarados, pelo conjunto da comunidade, como um dos principais garantes do seu bem-estar colectivo.

  • 4 Um sumário dos principais terramotos e erupções vulcânicas ocorridos nos Açores entre o início do p (...)
  • 5 Veja-se a nota da p. 226 do Capítulo 10 para a variante desta oração usada nas Festas do Espírito S (...)

10Esta relação entre o culto do Espírito Santo e o bem estar colectivo é recorrente no conjunto dos Açores e possui uma das suas expressões mais conhecidas no vínculo existente entre as Festas do Espírito Santo e as crises de vulcanismo que assolam periodicamente algumas ilhas do arquipélago, com destaque para São Miguel, Terceira, Faial, Pico e São Jorge4. Esse vínculo reflecte-se, em primeiro lugar, num conjunto de tradições e conceptualizações populares que, ainda hoje, acompanham as Festas do Espírito Santo. Entre elas merece relevo especial a oração «Ó Senhor Espírito Santo» usada designadamente no quadro das Festas do Espírito Santo do Pico e do Faial e marcada por pedidos de protecção em relação a tremores de terra dirigidos ao Espírito Santo5.

  • 6 A partir destes relatos generalizou-se em certos autores a tendência para explicar a força do culto (...)
  • 7 Nas «Memórias de Minha Ilha», Jacinto Monteiro (1982: 46) refere também um caso de utilização da Co (...)

11Desta ligação entre o culto do Espírito Santo e o vulcanismo fazem-se também eco alguns relatos históricos sobre essas crises vulcânicas. Assim, nos terramotos e erupções vulcânicas que atingiram em 1672 a ilha do Faial, a Câmara da Horta, «tendo já antes promovido preces públicas e outros actos de piedade e devoção», deliberou colocar-se sob «a especial protecção do Divino Espirito Santo», renovando a sua irmandade então decaída e fez «o solene voto por si e seus descendentes, de todos os anos celebrarem uma missa solene com sermão e procissão em acção de graças no dia de Pentecostes, e de distribuírem pelos pobres uma parte dos seus frutos, se passassem os efeitos destruidores do vulcão» (Macedo, 1871: 184-185). Mais tarde, em 1760, perante novo terramoto, a população, depois de ter centrado as suas preces na imagem do Santo Cristo da Praia de Almoxarife, «lembrou-se então de recorrer (…) ao Divino Espírito Santo (…). No dia 5 de Janeiro juntaram-se os irmãos da Santa Casa e oficiais da Câmara para que a Coroa se expusesse à devoção do Povo, junto à imagem de Cristo» e fosse festejada «sete domingos seguidos» (id., ibid.: 493), com procissões e coroações. No mesmo ano e ainda no início de 1761, a Terceira foi também assolada com vários terramotos e erupções vulcânicas que motivaram igualmente a realização de «procissões e muitas súplicas, sendo as mais consideráveis com as Coroas do Divino Espírito Santo» (Drummond, 1981: 289). Um dos Impérios mais conhecidos da Terceira — o Império de São Carlos — teve justamente a sua origem na ocasião: «diz a tradição que ali ergueram (…) um estrado de madeira sobre o qual foi colocado uma Coroa do Divino Espírito Santo. Reuniu-se à volta muito povo para implorar a protecção divina não tendo o denso fumo ultrapassado aquele sítio, apesar de ter durado três semanas, o que foi tomado por um milagre» (Lopes, 1980a: 216-217). O terramoto — acompanhado de erupções vulcânicas — que atingiu o Pico em 1719 originou também votos e preces ao Espírito Santo. «O povo de São Mateus (…) levou em procissão a coroa com a imagem do seu padroeiro para cima de um monte: e daí, que se avistava o fogo, fizeram voto de distribuírem pelos pobres esmolas em honra do Espírito Santo, no dia do orago do santo da sua freguesia, se o fogo cessasse» (Almeida, Gabriel de, 1889: 41). Paralelamente a este voto, ocorreu também na mesma ocasião um milagre do Espírito Santo: «entre tão lamentáveis ruínas não padeceram lesão (…) algumas casas de moradores que nelas tinham trigo e vinho dedicado e separado para gastarem no ano seguinte com os pobres no dia do Bodo do Divino Espírito Santo» (Rey, 1881: 291). Milagres similares são também relatados a propósito dos terramotos e erupção vulcânica de 1808 em São Jorge, no decurso dos quais a povoação da Urzelina foi inteiramente soterrada. Assim, em Santo Amaro, «indo a esta freguesia algumas procissões com o Espírito Santo e com as suas varas, e metendo estas na terra o fogo não passou além delas e por ali parou» (Cunha, P.e Manuel, 1981: 557). Na mesma ocasião «contou-se por milagre visível que uma pequena casa com seu reduto onde estava o vinho do bodo que ali se costumava dar em dia de Pentecostes, ficara ilesa correndo a lava ao redor» (Drummond, 1981, III vol.: 184). Segundo um outro autor, escapou também ao fogo «como pequeno oásis, um triângulo do primitivo terreno, em que estava uma rez destinada às esmolas do bodo do Divino Espírito Santo e a qual sobreviveu ao cataclismo» (Lopes, 1980a: 244)6. Em Santa Bárbara, ao mesmo tempo que é possível reencontrar esta ligação entre o culto do Espírito Santo e ideias de bem-estar colectivo, ela recebe entretanto — dado inclusivamente o facto de Santa Maria ser uma das ilhas açorianas tradicionalmente poupadas ao vulcanismo — uma expressão mais genérica. Os Impérios são sobretudo vistos como uma espécie de garante difuso da «ordem das coisas». Os termos mais lapidares com que esta concepção me foi alguma vez apresentada foram os seguintes: «os Impérios nunca hão-de acabar; quando eles acabarem é porque o mundo chegou ao fim». Sob esta ou outras formas, os Impérios são pois vistos como algo que faz parte da respiração do mundo, que se integra na ordem esperada das coisas, tanto quanto a ratifica. Simultaneamente a esta concepção mais geral, os Impérios eram também encarados — em particular no quadro dos peditórios de géneros — como um garante da prosperidade agrícola, e, em particular, da protecção das colheitas7.

II

12De acordo com as motivações que presidem à sua realização, os Impérios começam por se articular com um conjunto de cerimónias de natureza mais estritamente religiosa, entre as quais avultam as alumiações, a coroação e os vários cortejos que integram a estrutura ritual dos festejos. Mas é também de acordo com pressupostos similares que pode ser analisada a sua articulação com o conjunto de refeições, dádivas e distribuições de alimentos que passámos em revista.

13Estas formas de circulação cerimonial do alimento assentam, como vimos, na dissipação de um avultado conjunto de riquezas. Para o imperador, na sua qualidade de financiador principal do Império, essa dissipação de riqueza constitui — no quadro das responsabilidades mais gerais que ele assume como patrocinador principal dos festejos — o instrumento principal de retribuição da graça divina solicitada. Gastos em honra da divindade, os alimentos que o imperador financia podem ser considerados como uma espécie de contra-dádiva à dádiva divina solicitada. A natureza dessa contra-dádiva assume contornos particularmente explícitos nos casos em que as promessas de que resultam os Impérios têm como motivo base a riqueza: obtida com o auxílio da divindade, uma parte dessa riqueza é-lhe depois oferecida em sinal de agradecimento. Certas promessas ilustram de forma particularmente clara este mecanismo. Assim, antes do surto emigratório, eram correntes promessas relacionadas com a riqueza feitas nos seguintes termos: «se eu chegar a ter dez vacas da minha banda (ou vinte…), prometo gastar num Império em louvor do Espírito Santo, duas (ou três…) dessas vacas». Um dos Impérios realizados em 1986 teve na origem uma promessa desse tipo: o vovente — um lavrador abastado da freguesia — havia prometido um Império «caso chegasse a ter cinquenta vacas». Mais recentemente, houve também um Jantar, igualmente promovido por um lavrador local, resultante de uma promessa similar.

14O relevo desta componente dos festejos expressa-se ainda no facto de muitas promessas envolverem a fixação do volume mínimo de gastos a realizar. É de facto frequente que, no acto de prometer um Império, o vovente especifique, por exemplo, o número de cabeças de gado ou as quantidades de vinho e trigo que se propõe gastar em dia de Império. E justamente de promessas desse tipo que derivam os Impérios em que é abatida uma junta de bois. Os Jantares e as Esmolas dão também lugar a procedimentos similares.

15Encarada como o instrumento principal de retribuição da graça divina solicitada, a despesa requerida pelas formas de circulação cerimonial do alimento pode também tornar-se — caso o vovente não respeite os termos da sua própria promessa — num dos motivos principais da não aceitação do Império. Na freguesia são usualmente referidos dois desses casos. Um deles sucedeu há cerca de 40 anos e resultou de uma sugestão feita pelo pároco a um emigrante para que utilizasse o dinheiro que tencionava gastar no Império na compra de um crucifixo para o altar-mor da igreja paroquial. Essa sugestão foi aceite, mas depois da morte do vovente, os seus filhos, tendo sido confrontados com vários fenómenos estranhos — incorruptibilidade do cadáver vários anos após a morte, aparições do defunto —, interpretaram-nos como sinal da não aceitação da mudança de promessa e tomaram sobre si o encargo de promover o Império, «gastando o dinheiro para o que ele havia sido prometido». Um outro caso é mais recente e diz respeito a um Jantar, para o qual o vovente havia prometido uma junta de bois, e uma quantidade especificada de trigo e de vinho. Por razões que não me foram detalhadamente explicadas, o trigo e o vinho efectivamente dispendidos ficaram entretanto abaixo do prometido. Quando da realização do Jantar surgiram logo sinais de que qualquer coisa não estava bem: «a carne não cozia, os ajudantes não se entendiam». Mas, mais uma vez, foi após a morte do vovente que se tornou claro que a promessa não tinha sido aceite: surgiram desavenças entre a família, um dos filhos «entrava-lhe o defunto, pedindo para ele repetir a promessa». Em resultado, o Jantar veio a ser efectivamente repetido: além de uma nova junta de bois, houve mesmo o cuidado de gastar quantidades de trigo e de vinho superiores às inicialmente prometidas…

16Simultaneamente ao dispêndio cerimonial do imperador, os Impérios envolvem também, como vimos, a contribuição da comunidade, seja por intermédio da sua participação nos peditórios de géneros, seja sobretudo por intermédio da irmandade. Estas ofertas — que reproduzem numa escala ampliada ao conjunto da comunidade a atitude de dissipação da riqueza do imperador — começam também por possuir um importante significado religioso. Nos casos em que resultam de promessas, elas podem ser interpretadas à luz de pressupostos idênticos àqueles que presidem ao dispêndio cerimonial do imperador. de uma forma mais modesta, elas operam também como uma contra-dáviva à dádiva divina recebida. Quanto às restantes ofertas, é sobre elas que repousa em grande medida a vinculação dos Impérios a ideias de bem-estar colectivo. Esta concepção afirmava-se de forma particularmente clara em torno dos peditórios realizados por ocasião das debulhas, das vindimas e da apanha do milho, ligados, como vimos, a ideias de protecção das colheitas. Após a recepção da oferta, o imperador era solicitado a colocar o ceptro sobre os géneros pertencentes ao dono da casa e era a esse gesto — que retribuía a oferta realizada — que eram atribuídos poderes de protecção em relação às colheitas respectivas.

*

17Esta concepção que faz da dissipação de riqueza, sob a forma de alimentos, o meio preferencial de comunicação com a divindade, embora tenha a sua expressão mais consistente e expressiva no quadro do culto ao Espírito Santo é uma tendência geral que se reencontra noutras práticas religiosas da freguesia.

18A grande maioria das promessas exteriores ao culto do Espírito Santo são de facto feitas em termos idênticos, sob a forma da oferta de géneros ou mesmo alimentos, que são depois leiloados a favor da igreja. A festa de Santa Bárbara, que se realiza no primeiro domingo de Dezembro, consta fundamentalmente de leilões desse tipo, que se reencontram ainda na festa do Sagrado Coração de Jesus. Ao longo do ano, aos domingos, a seguir ao fim da missa, realizam-se também com alguma frequência leilões idênticos. Os géneros oferecidos são muito variados e vão desde animais — galinhas, porcos, vitelas ou gueixas, etc… — até ovos, enchidos de porco, produtos agrícolas, etc…

*

19Gastos de acordo com pressupostos religiosos, os alimentos começam por circular nos Impérios também de acordo com pressupostos da mesma natureza. A sua distribuição e consumo são consideradas antes de mais uma forma de homenagear e louvar a divindade, como o salientam as inúmeras fórmulas de características religiosas que rodeiam as diferentes prestações. No quadro das distribuições porta-a-porta de alimentos previstas na estrutura ritual dos Impérios, os ajudantes que a asseguram fazem-se geralmente anunciar, em cada uma das casas que visitam, pela fórmula «Espírito Santo nesta casa». É também usual que a aceitação e agradecimento da generalidade dos alimentos seja feita com referência ao Espírito Santo: «seja em louvor do Espírito Santo» ou «o Espírito Santo lhe há-de dar o pago» são as fórmulas mais correntemente usadas com esse objectivo.

20Alguns dos critérios que presidem à própria circulação do alimento possuem também características religiosas, assentes nos valores da caridade. Como vimos, é frequente a inclusão de casas mais pobres entre os destinatários de algumas das distribuições alimentares — seja no quadro das distribuições porta-a-porta de Sopas do Espírito Santo, seja no quadro da irmandade. E são também preocupações da mesma ordem que se encontram na base dos critérios adoptados para a distribuição de Esmolas.

Notes

1 Dados do «Recenseamento feito nas Missas Dominicais de 6/2/77», publicados no número 72, de Abril de 1979, do Boletim Inter-Paroquial de ilha de Santa Maria «Renovar».

2 A expressão «religiosidade popular», embora consagrada, é susceptível de um conjunto de reparos. Cf., a este respeito Isambert, 1982. Para uma análise detalhada da relação entre Festas do Espírito Santo, povo e clero veja-se o Apêndice A do presente livro.

3 Contrariamente a um dos argumentos desenvolvido por Foster e Boissevain nos seus textos, não existe em Santa Bárbara qualquer conexão entre este tipo de relacionamento com a divindade e relações de «patrocinato» na esfera laica. Deve ainda notar-se que esta utilização dos santos e da Virgem como mediadores entre o vovente e o Espírito Santo é, no quadro geral dos Açores, específica dos Impérios de Santa Maria. Nas restantes ilhas do arquipélago — cf. Capítulo 8 — a relação é estabelecida directamente com o Espírito Santo.

4 Um sumário dos principais terramotos e erupções vulcânicas ocorridos nos Açores entre o início do povoamento e os finais do séc. XIX pode encontrar-se em Vargas e Machado, s/d.

5 Veja-se a nota da p. 226 do Capítulo 10 para a variante desta oração usada nas Festas do Espírito Santo da freguesia de Nossa Senhora da Piedade (Pico). No Faial, partes desta oração são utilizadas no quadro da recitação formal de romances populares de temática absolutamente distinta, como «São José e a Virgem a Caminho das Montanhas». Veja-se a este propósito Fontes, 1980, pp. XLIX e 163-165. Esta contaminação entre o romanceiro popular açoriano e as Festas do Espírito Santo é corrente. Nas Flores, por exemplo, uma das alvoradas cantada pela folia no quadro das Festas do Espírito Santo é «O Lavrador da Arada», recitado como romance popular noutras ilhas.

6 A partir destes relatos generalizou-se em certos autores a tendência para explicar a força do culto do Espírito Santo nos Açores como resposta às características vulcânicas do arquipélago. Utilizada como um dos traços definidores da «açorianidade» (cf. em particular Ribeiro, Luís Silva, 1983), esta associação não é entretanto geral. Por outro lado, uma leitura atenta dos principais relatos de terramotos e erupções vulcânicas ocorridos nos Açores mostra que, a par da invocação do Espírito Santo, são feitas outras invocações. Cf. a este respeito Monteiro, Jacinto, 1983.

7 Nas «Memórias de Minha Ilha», Jacinto Monteiro (1982: 46) refere também um caso de utilização da Coroa do Espírito Santo como meio de debelar ataques de epilepsia. Esta atribuição à Coroa de propriedades curativas parece ser entretanto um caso isolado. Em Santa Bárbara, pelo menos, não encontrei referências a esse respeito.

Table des illustrations

Titre FIGURA 3. O mecanismo da promessa nos impérios
Crédits Adaptado de Boissevain, 1977: 93
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2028/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 45k

© Etnográfica Press, 1994

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540