Versión clásicaVersión móvil
OpenEdition Books

As festas do Espírito Santo nos Açores

 | 
João Leal

Apresentação

Texto completo

I

  • 1 Cf. a este respeito, Duparc, 1958, e Van Gennep, 1949, 1652-1661 e 1723-1724.

1Embora existam algumas referências a festividades com características similares noutros contextos — designadamente em França1 — as Festas do Espírito Santo constituem em grande medida um traço específico da cultura popular portuguesa.

  • 2 Entre os testemunhos relativos ao desenvolvimento inicial das Festas do Espírito Santo nos Açores, (...)
  • 3 Acerca das Festas do Espírito Santo nas comunidades açorianas emigradas, cf., entre outros, Gayton, (...)

2A sua origem, de acordo com um conjunto de narrativas eclesiásticas seiscentistas, é geralmente situada no séc. XIV, em Alenquer, e atribuída à Rainha Santa Isabel. Entre essas narrativas, destacam-se as de D. Rodrigo da Cunha, na «História Eclesiástica da Igreja de Lisboa» (1642: 122), de Frei Manuel da Esperança, na «História Seráfica da Ordem dos Frades Menores de S. Francisco na Província de Portugal» (1656: 131 e 132), de Frei Francisco Brandão, na «Monarquia Lusitana» (1672: 185) e do P.e Manoel Fernandes (1690: 914). A partir destas fontes, o historiador Jaime Cortesão, sem pôr em causa a importância da Rainha Santa Isabel no impulso inicial dado ao culto, defendeu a sua ligação à acção dos franciscanos espirituais e à ideologia milenarista do Abade calabrês Joaquim de Fiore, construída em torno da próxima chegada de uma Idade do Espírito Santo (cf. Cortesão, 1980: 256 a 270). Tendo conhecido no continente uma difusão bastante ampla — particularmente no centro e sul do país — as Festas do Espírito Santo irradiaram ainda, a partir do continente, para territórios povoados e colonizados pelos portugueses. A sua existência é conhecida na Madeira e no Brasil. Mas foi sobretudo no arquipélago dos Açores — onde a sua origem parece remontar aos tempos iniciais do povoamento2 — que elas conheceram um desenvolvimento mais importante. E é lá, num quadro genericamente caracterizado hoje em dia — tanto no continente como na Madeira — pelo seu declínio e quase desaparecimento, que as Festas do Espírito Santo guardam intacta a sua relevância. Atestada pela sua presença exaustiva em todas as freguesias do arquipélago, esta vitalidade das Festas do Espírito Santo expressa-se ainda no modo como, a partir dos Açores, elas se difundiram nos principais contextos de acolhimento da emigração açoriana: o Brasil, no passado, e os E.U.A. e o Canadá, mais recentemente3.

II

  • 4 Tive ocasião de proceder a uma análise deste tipo de aproximações às Festas do Espírito Santo em Le (...)

3Tendo alimentado, desde finais do século xix, uma bibliografia etnográfica numerosa, as Festas do Espírito Santo têm sido sobretudo interpretadas no quadro de um conjunto de discursos de natureza ideológica que procuram enraizar a «identidade nacional» num projecto de matriz milenarista de que o culto do Espírito Santo seria a expressão mais emblemática. Estreitamente ligada à chamada «filosofia portuguesa», esta leitura das Festas do Espírito Santo — particularmente clara nas obras de autores como Agostinho da Silva (1985), António Quadros (1987) ou Breda Simões (1986 e 1987) — beneficiou, nos anos 80, de uma certa condescendência mediática e universitária, inseparável do modo como certos círculos intelectuais olham a «cultura popular»: um domínio que, mais do que uma racionalidade intrínseca, possuiria sobretudo uma série de virtualidades, largamente imaginárias, para a discussão de questões relacionados com essa recorrente obsessão da cultura portuguesa pela «identidade nacional»4.

4São obviamente outras as intenções deste estudo. Nele, partindo desse contexto privilegiado que são os Açores, procura-se interrogar as Festas do Espírito Santo a partir das aquisições metodológicas e teóricas que caracterizam o campo disciplinar da Antropologia Social.

5Resultando de um trabalho de terreno conduzido intermitentemente entre 1982 e 1989 e que no total se estendeu por cerca de dois anos, «As Festas do Espírito Santo nos Açores. Um Estudo de Antropologia Social» tem como principal objectivo propor um conjunto de linhas de interpretação do ritual contextualizadas por referência a registos como as formas de religiosidade, a estrutura das relações sociais e as formas de conceptualização cíclica do tempo nas sociedades rurais.

6No tratamento dado a estas questões, procurei articular a «espessura histórica» inscrita nas composições rituais que observei e nas palavras e gestos que as dotam de sentido com os inúmeros sinais de mudança e contemporaneidade que elas transmitem. Como se tornará claro no decurso do texto, as Festas do Espírito Santo formam um universo cuja significação se estrutura no ponto de intersecção dessas duas pulsões.

7A I Parte do livro — subordinada ao título «Os Impérios em Santa Bárbara» — constrói-se em torno do estudo detalhado dos Impérios — designação por que são localmente conhecidas as Festas do Espírito Santo — na freguesia de Santa Bárbara (Santa Maria). Por motivos de natureza algo aleatória, foi nesta freguesia que conduzi uma recolha mais minuciosa e prolongada de informação e é fundamentalmente por essa razão — e não devido a quaisquer juízos sobre o carácter mais ou menos arquetípico das Festas do Espírito Santo nesta ou noutras freguesias — que ela fornece o «contexto de referência» para a abordagem das Festas do Espírito Santo que proponho.

8Depois de uma caracterização inicial da freguesia, é feita uma apresentação desenvolvida da estrutura etnográfica das Festas. Os Capítulos seguintes centram-se na análise dos Impérios. Tomando como fio condutor o relevo que na sequência dos festejos tem um conjunto de dádivas e contra-dádivas de natureza alimentar, começo por pôr em destaque — em «A Parte dos Deuses» — o significado religioso de que estas se revestem. Os dois Capítulos seguintes — «A Parte dos Homens I» e «A Parte dos Homens II» — exploram de forma detalhada a ligação existente entre esse conjunto de dádivas e contra-dádivas e a reiteração dos principais círculos de relacionamento social em Santa Bárbara: o parentesco e a vizinhança, em primeiro lugar, e o lugar e a freguesia, depois. É justamente a natureza exacta desse empreendimento sociológico que o Capítulo «O Tempo dos Impérios» se propõe examinar. Depois de sublinhar a dimensão sazonal dos festejos, chamo a atenção para a importância do contraste entre os Impérios e os «ciclos» do Carnaval e da Quaresma-que antecedem imediatamente o período tradicionalmente consagrado à realização dos festejos — na interpretação das suas características sociológicas. Estas são depois postas em relação com os ritmos e temporalidades que estruturam o calendário anual no seu conjunto. É nesse quadro, por fim, que são examinadas as novas formas que tende a assumir na freguesia o vínculo entre ritual, estrutura social e tempo. Culminando a primeira parte do percurso proposto, o Capítulo «Os Dois Imperadores» tenta proceder a uma caracterização mais exacta da figura do imperador — designação atribuída ao promotor dos festejos — com incidência particular nas «pulsões» de carácter individualista, ligadas a motivos de prestígio individual a que, por seu intermédio, os Impérios são submetidos.

9Na II Parte e uma vez constatada a diversidade etnográfica que as Festas do Espírito Santo apresentam nas restantes ilhas dos Açores — Capítulo «Outras Ilhas, Outras Festas» — tenta-se verificar até que ponto e de que forma as principais linhas de análise construídas em torno dos Impérios de Santa Bárbara são susceptíveis de generalização a outras modalidades de estruturação dos festejos. Com esse objectivo são sucessivamente passadas em revista as Festas do Espírito Santo nas freguesias de Santo Antão (São Jorge) — Capítulo 9 — e Nossa Senhora da Piedade (Pico) — Capítulo 10. A organização interna de ambos os Capítulos reproduz de forma abreviada o tipo de percurso seguido na I Parte, por forma a facilitar o balanço das diferenças e similitudes entre as várias modalidades de organização dos festejos.

10Ocupando um lugar de relevo no modelo de interpretação das Festas do Espírito Santo proposto no decurso da I e da II Partes, o vínculo entre os festejos e as formas de conceptualização do tempo nas sociedades rurais fornece o ponto de partida para a III Parte. Tomando por base as Romarias Quaresmais de São Miguel, procura-se aprofundar alguns aspectos do contraste — inicialmente trabalhado em torno de Santa Bárbara — entre Festas do Espírito Santo e Quaresma tal como ele se apresenta na ilha de São Miguel.

11Nas Conclusões, por fim, depois de uma chamada de atenção para algumas especificidades do contexto etnográfico açoriano, sugerem-se algumas linhas de discussão de alcance mais geral, designadamente em torno do relevo da linguagem da dádiva em contexto rural europeu e do vínculo entre ritual, tempo e estrutura social.

12Finalmente, julguei útil acrescentar dois Apêndices. O primeiro, de perfil mais analítico, visa caracterizar o tipo de relação existente entre povo e clero em torno das Festas do Espírito Santo nos Açores. O segundo, de características fundamentalmente etnográficas, procura dar uma imagem da distribuição e principais características das Festas do Espírito Santo no Continente e na Madeira. Em conjunto com os elementos fornecidos acerca dos Açores, os dados aí reunidos possibilitarão ao leitor uma visão de conjunto das Festas do Espírito Santo em Portugal.

III

13A Antropologia Social tem-se caracterizado, do ponto de vista metodológico, pela oscilação entre dois modelos de pesquisa que podemos designar como o «modelo monográfico» e o «modelo comparativo». Enquanto o primeiro enfatiza o estudo intensivo e prolongado de uma comunidade de dimensão reduzida, baseada na chamada observação participante, o segundo valoriza a produção, a partir de várias observações «monográficas» independentes, de confrontos e generalizações sobre conjuntos determinados de factos sociais e culturais.

14Este estudo situa-se a meio caminho entre estes dois modelos. A Parte I reclama-se claramente do modelo monográfico, mas, gradualmente, ao longo das Partes II e III, há uma deslocação no sentido do modelo comparativo.

15As razões para este percurso prendem-se em larga medida com a «biografia» da própria pesquisa. Inicialmente, as minhas intenções eram as de realizar um estudo monográfico clássico em torno das Festas do Espírito Santo centrado num contexto preciso. Foi com esse objectivo que iniciei, em 1982, o meu trabalho de terreno em Santa Bárbara. A minha estada na freguesia foi então de dois meses. Em 1983, complementei essa primeira recolha de informação com uma estada mais prolongada, que se estendeu por 4 meses. Mas foi em 1987 que o grosso do trabalho de terreno foi realizado, numa estada que se prolongou de Julho desse ano até Fevereiro de 1988. No decurso desta pesquisa instalou-se gradualmente uma certa curiosidade em relação às modalidades de organização dos festejos noutras ilhas do arquipélago. Com esse objectivo viria a realizar, em várias ocasiões distintas, um conjunto de recolhas orais de informação num número representativo de freguesias de cada ilha, complementadas, em certos casos — Terceira, São Jorge, Pico, Flores — pela assistência ao ritual. Rapidamente, essa curiosidade ganhou uma dimensão menos etnográfica. A questão que se me colocava era a de saber até que ponto alguns dos grandes motivos estruturadores dos festejos tal como os tinha inicialmente detectado em Santa Bárbara se poderiam reencontrar por detrás dessas outras modalidades do ritual. Foi nessa perspectiva que realizei os dois estudos de caso em Santo Antão e na Piedade, baseados em trabalho de terreno que decorreu respectivamente entre Março e Agosto de 1988 e entre Abril e Maio de 1989. Foi também com esse objectivo que, em Fevereiro de 1988, acompanhei o Rancho de Ponta Garça na sua Romaria.

IV

16Marcado por este percurso metodológico algo híbrido, o presente estudo, como o leitor terá ocasião de verificar, propõe, de um ponto de vista teórico, numerosas linhas de diálogo com a literatura antropológica tanto clássica como recente. O peso da primeira — e, em particular de certos nomes, como Mauss ou Van Gennep — assenta na convicção de que a reflexão antropológica contemporânea, ao mesmo tempo que se baseia numa constante capacidade de abertura de novos horizontes interpretativos, continua a colocar-se um certo número de questões que, de forma directa ou indirecta, são tributárias das interrogações e propostas de análise avançadas nos anos em que ela se afirmou como um campo disciplinar autónomo.

17Essa tendência «classicista» reflecte-se também num estilo de escrita que, por contraste com a «reflexividade» predominante nalguns textos antropológicos mais recentes, possui uma respiração mais clássica. Gostava de esclarecer, em primeiro lugar, que esse facto não traduz da minha parte uma relação distante com a realidade. Pelo contrário, por detrás deste texto há uma paixão muito grande pelas pessoas e pelas coisas. Os anos que passei nos Açores foram seguramente «dos melhores anos da minha vida». Em segundo lugar, gostava de sublinhar que esse estilo de escrita só por ilusão de óptica pode dar a impressão que confundo as minhas linhas de análise com certezas impessoais. Em Antropologia Social, as certezas, além de provisórias, são sempre pessoais. Este é o meu olhar, resultante da minha forma de me relacionar com as pessoas e do meu modo de ver as coisas. Noutras circunstâncias, outras pessoas produziriam outras certezas, resultantes de outros olhares, de outras formas de relacionamento com as pessoas e de outros modos de ver as coisas.

Notas

1 Cf. a este respeito, Duparc, 1958, e Van Gennep, 1949, 1652-1661 e 1723-1724.

2 Entre os testemunhos relativos ao desenvolvimento inicial das Festas do Espírito Santo nos Açores, refiram-se as menções incluídas nas Saudades da Terra — crónica quinhentista açoriana da autoria de Gaspar Frutuoso — relativas às ilhas de Santa Maria (Frutuoso, 1971: 106-107), São Miguel (id., 1977: 281; 1981: 240-241) e Flores (id., 1978: 351).

3 Acerca das Festas do Espírito Santo nas comunidades açorianas emigradas, cf., entre outros, Gayton, 1948 e 1959 e Salvador, 1981.

4 Tive ocasião de proceder a uma análise deste tipo de aproximações às Festas do Espírito Santo em Leal, 1992. Nessa comunicação, chamo também a atenção para as utilizações ideológicas das Festas do Espírito Santo como meio de produção de «identidade regional» no quadro dos Açores.

© Etnográfica Press, 1994

Condiciones de uso: http://www.openedition.org/6540