Version classiqueVersion mobile

Homens que partem, mulheres que esperam

 | 
Caroline B. Brettell

Índice Temático e Onomástico

Texte intégral

— Abordagem ecológico-cultural, 280.

— Aborto, 222, 252.

— Aborto espontâneo, 159.

— Adágios populares, 44, 96, 157.

— Actividade sexual: e trabalho das mulheres, 245, 264; frequências no casamento, 190; aumento da, entre os jovens, 228; das viúvas, 241.

— Adultério, 206, 211, 237, 238, 266.

— Afilhados, como herdeiros, 69, 70.

— Agregados familiares: e herança, 165; como unidades de trabalho, 180; complexos, 169, 171-175; junção de, 177; definição dos, nos registos, 292; desejo de constituir agregado independente, 164, 177; estabelecimento de novos agregados familiares e casamento, 164, 175, 178; extensos, 171; cujos chefes de família são mulheres, 56; chefes de, 145; ciclo da vida dos, 177, 179; casamento e formação de, 163, 164; movimento de pessoas entre, 177, 180; múltiplos, queda, 174, 175, 179; formados por uma pessoa só, 174; poder e autoridade nos, proporção entre simples e complexos, 173; criados nos, 249, 250; dimensão dos, 169; sistema de classificação dos, 166; tipos de, predominância estatística de, 164, 165, 168, 178, 179. Ver também Estrutura dos Agregados familiares; Residência uxorical.

— Alcunhas, 261, 290.

— Alfabetismo. Ver também Educação.

— Almada, Condes de, Santa Eulália, 35, 48, 49, 57, 145.

— Amamentação, 196, 198; e controlo da natalidade, 198; como a melhor forma de alimentação, 198.

— Amas de leite, 271, 272.

— Analfabetismo; e fecundidade. Ver também Educação.

— Análise cultural comparativa, 20, 280 (Ver também Método comparativo).

— Anticlericalismo, 75-77, 80, 269; variações regionais do, 78.

— Antropologia e história, 19-21, 26, 231.

— Apoios e cuidados. Ver Herança.

— Área de cultura mediterrânica, 230.

— Aristocracia rural, ver Nobreza.

— Associação demográfica, 279.

— Autoridade nos agregados familiares, 171; Ver também Agregados familiares.

— Baldios, ver terras comuns.

— Baptismos, pagamento dos, 292.

— Barqueiros, 40.

— Brasil, descoberta de ouro no, 27, 91; emigração para: Ver Emigração para o Brasil.

— Brasileiros, 94, 97-100; como arquétipo nacional, 97; do vale do Lima, 99. Ver também Migração de Regresso.

— Cadernos eleitorais, 55, 289.

— Caldwell, John, 182, 217, 219, 222.

— Campanilismo, ver Sociocentrismo.

— Catolicismo: e fenómenos demográficos, 280. Ver também Igreja Católica.

— Catolicismo Romano, ver Igreja Católica.

— Casa de Barrosa, 50-52.

— Casa do Povo, 43, 85.

— Casais sem filhos, herdeiros de, 52, 61, 62, 69, 70, 74.

— Casamento: alternativas ao, 157, 158, 163; diferenças de idade entre os cônjuges, 144; e transferência da dedicação, 210; e emigração, 262; e fecundidade, 145, 181-182; e formação de agregados familiares, 165, 175-179; e herança, 73, 74, 124, 128; e celibato, 147, 148, 158; e a morte dos pais, 128; e gravidez préconjugal, 241, 251, 274; e posição social, 61, 88; tardio, como opção consciente, 181, 182, 188; carácter desejável do, 157, 158; dispensas para, 141; viabilidade económica, 89, 92, 93, 144-145, 147, 181; medo da decisão pessoal na escolha, 158; a terra como factor para, 139-140; de interesse, 144-145; taxa de, em Santa Eulália, 38, 123; variação regional de o, 125; romântico, 144; sazonalidade do, 137, 138; Ver também Endogamia; Exogamia.

— Casamento em segundas núpcias, 118, 143, 241.

— Casamentos consanguíneos, 115, 141-144, 259; entre a nobreza, 53, 141; de emigrantes regressados, 194; dispensas para, 285; para evitar a fragmentação das terras, 141.

— Casas, construção de, 42, 146; herança de, 164, 165.

— Caseiros, 33, 49, 56, 57; filhas de, e ilegitimidade, 244, 254.

— Castidade, atitudes perante a, 266. Ver também Adultério; Virgindade.

— Celibato, ver Celibato masculino; Celibato definitivo; Celibato Feminino; Solteiras.

— Celibato: e estrutura demográfica, 152; e perturbações psicológicas, 162; viabilidade económica de, 157; ramificações legais de, 157; viabilidade social de, 157; Ver também Celibato definitivo; Celibato feminino.

— Celibato definitivo, 148; e condições económicas, 151; e emigração, 151; e condição de herdeiro, 160-161; e posição socioeconómica, 161; definição de, 147; flutuação do, 151; em França, 154; na Irlanda, 153; dos homens, 151153; das mulheres, 148, 149, 153, 157; famílias com tendência para, 159, 160. Ver também Celibato feminino e celibato masculino.

— Celibato feminino: e ordem de nascimento, 159, 160; e emigração, 151-153; e cuidar dos pais, 159; causas do, 148, 159; mudanças de atitudes perante, 162; culto do, 162; na Irlanda, 153; em Santa Eulália, 158; em Espanha, 157, 158, 162; provérbios acerca do, 162, 157; nas famílias, 157. Ver também Celibato definitivo; Solteiras.

— Celibato masculino, 160, 162; Ver também Celibato definitivo.

— Cerâmica, produção de, em Santa Eulália, 45. Ver também Oleiros.

— Ciclo da vida, e modelos de residência, 179. Ver também Agregados familiares.

— Co-residência, 89, 115. Ver também Agregados Familiares; residência uxorilocal.

— Coale, Ansley, 216, 217, 222.

— Código Civil: e autonomia das mulheres, 157.

— Cólera, 39.

— Coito interrompido, 218.

— Comunidade: como símbolo de identidade, 30; estudo, método de, 19, 20, 30.

— Concepções, sazonalidade das, 202, 203.

— Concepções de religião. Ver Promessas.

— Confrarias, 72, 82, 83, 84, 291.

— Confronto de registos, problemas do, 149.

— Contratos de Arrendamento, de terras, 58. Ver também Terras, Arrendamento de; Foros.

— Controlo de natalidade, 191, 222, 224; como comportamento inovador, 218; meios eficazes de, 215-216; ignorância de, 218; motivações para, 216; condições prévias de, 216. Ver também Limitação de família.

— Controlo dos pais: diferenças de idade entre os cônjuges, 140; e ilegitimidade, 265, 266.

— Conversados, 251. Ver também Namorados; Namoro.

— Couto, 33, 34, 75. Ver também Igreja Católica, como proprietária.

— Crédito rural, 84. Ver também Confrarias; Hipoteca de terras.

— Criados. Ver Serviço doméstico.

— Crianças abandonadas, 253, 271, 272; Ver também Expostos.

— Criadas, 52, 56, 111, 220; como herdeiras, 71; como mães solteiras, 247, 248; em Santa Eulália, 249.

— Culto dos Santos. Ver Festas religiosas e romarias.

— Cultura, 20, 217, 221.

— Cultura de videira, 41, 95.

— Davis, Kingsley, 24, 199, 231.

— Descamps, Paul, 257, 260, 264.

— Deveres religiosos, 84. Ver também Dízimos.

— Diferenças sociais, medidas em termos de terras, 53.

— Dimensão ideal de família, 217, 219, 222.

— Dívidas: herdadas, 84; de emigrantes, 213; pagas por morte, 64, 67, 71.

— Divisão de terras: e emigração, 65, 66, 104; e estrutura do agregado familiar, 179, 180; e mães solteiras, 258; na Suíça, 68.

— Divisão do trabalho, 113; e ilegitimidade, 264-265; e residência uxorilocal, 174; no Norte de Portugal, 43, 44, 113, 154, 155.

— Dízimo, 72.

— Dominação masculina, 26.

— Dotes, 48, 66, 68, 69, 71, 261.

— Educação: e fecundidade, 221, 222; em Santa Eulália, 46; em Portugal, 29; valor atribuído a, 222.

— Emigração feminina, 213, 214; atitudes negativas perante a, 154. Ver também Mulheres, como emigrantes.

— Emigração: e controlo da natalidade, 219, 225; e intervalos genéticos, 205-209; e namoro, 132, 140; e fecundidade, 93, 100, 185, 199, 207-209, 214, 224; e a Grande Era dos Descobrimentos, 90; e a estrutura dos agregados familiares, 163, 174; e ilegitimidade, 265-267; e independência, 144; e sistema fundiário, 130, 145; e estado civil, 132134, 136, 145; e mortalidade, 133, 134, 200, 206, 209, 210. Ver também Emigração de Regresso: e sazonalidade das concepções, 203, 204; e mobilidade social, 94, 95, 278; e a família, 265; como vocação demográfica, 90; causas da, 23, 24, 28, 91, 113, 114; clandestina, 93, 100, 101; consequências da, 23, 91; custo da, 67, 108; condições económicas e, 91, 135; logro da, 100; hipocrisia da, 99; predominantemente masculina, 104-108, 113; intermediários e, 100; e serviço militar, 96, 136; motivada pela ambição, 96, 114; variações regionais da, 105; leis que restringem a, 93; estatísticas sobre, 90, 94, 103-105, 108; para África, 52; para o Brasil, 47, 50-52, 54, 55, 57, 87, 94, 98-100, 113, 115-116, 144; para a França, 38, 44, 46, 81, 82, 89, 91, 96, 103, 113, 138, 147, 203, 209, 219, 224, 225; para Lisboa, 88; para Espanha, 58, 62, 64-66, 8789, 92, 132, 137, 151-153, 186, 203, 212; para a Venezuela, 282. Ver também Emigrantes; engajadores; Ratio de sexo.

— Emigrantes: idades e estado civil dos, 108, 110, 145; idade no casamento dos, 139, 140; como indivíduos desejosos de enriquecer, 96, 97; como herdeiros, 64, 65, 131; contribuições dos, para a Igreja, 81; contribuições dos, para o património familiar, 64; saúde e mortalidade dos, 102, 133, 151, 152; casas de, 98, 146; profissão dos, 108, 109, 113, 114; remessas dos, 23, 29; regressados como bons maridos, 139. Ver também Emigração.

— Endogamia, 155.

— Enfiteuse, 33, 59. Ver também Foros; Terras, fragmentações das; Sistema fundiário.

— Engajadores, 100.

— Escravos, na população de Santa Eulália, 236.

— Esfolhadas, 79.

— Espanha, emigração para, ver Emigração para Espanha.

— Esposas: como emigrantes, 214; como viúvas dos vivos, 113, 200, 209-212.

— Estratificação social: em Santa Eulália, 47; jornaleiros e, 56; terras como símbolo da, 53; na classe dos lavradores, 54, 55.

— Estrutura agrícola no Minho, 40.

— Estrutura dos agregados familiares: e o Código Civil de 1867, 173; e emigração masculina, 179; e ocupação do chefe de família, 178; flexibilidade da, 180; comparação entre Portugal e Áustria, 173; variação regional da, 165, 166. Ver também Agregados Familiares; Residência uxorilocal.

— Exogamia, 155.

— Expostos, 69, 142, 232, 255, 271, 272; como herdeiros, 70; na cidade do Porto, 272; estatísticas sobre, 272. Ver também Crianças abandonadas.

— Falácia ecológica, 26.

— Falatório, 249; padres como alvo de, 80.

— Família: e agregado familiar, 179; em Portugal, 165.

— Fatalismo, 219, 221.

— Fátima, 76.

— Fecundidade: taxas específicas etárias, 187, 188; e educação, 221, 222; e emigração, 185; e mortalidade infantil, 195-199; e modernização, 216, 223; e nupcialidade, 181, 187, 190, 194; e religiosidade, 75, 185, 219, 222; atitudes do governo perante, 220; histórias de indivíduos, 186-187, 197-198; em Espanha, 201; na Suíça, 201; medida da, 191; motivações para reduzir, 219; natural, 187, 192; efeitos do período do casamento sobre, 191; variações regionais da queda da, 183, 221.

— Fecundidade ilegítima. Ver Ilegitimidade.

— Festa. Ver Festas religiosas e romarias.

— Festas religiosas e romarias, 39, 76, 82-83, 89, 98, 251.

— Fidalgo, 48.

— Feiras, 35, 57.

— Filhas, 159, 160; como bem económico, 155. Ver também Solteiras; Mulheres.

— Filhos: vantagens de ter muitos, 220; valor económico dos, 128, 217; ilegítimos como herdeiros, 258, 259. (Ver também Filhos Ilegítimos); número de, e idade no casamento, 191; valor social dos, 220.

— Filhos adoptivos, 74.

— Filhos ilegítimos: aceitação dos, 260; como herdeiros, 52, 61, 65, 70, 74, 142, 260; como parte da família da mãe, 261; como ameaça a grupo de parentes, 263; como maneira de prender a mãe à família desta, 262; pais de, 232, 242, 250; legitimação de, 52; de padres, 80.

— Filoxera, 95, 105.

— Folclore popular: e desconfiança em relação ao exército, 96, 136; e celibato feminino, 157.

— Fontes, carácter completo das, 283.

— Foros, 33, 48, 58, 59, 72, 95, 125, 173.

— França, emigração para. Ver Emigração, para França.

— Friedlander, Dov, 24, 199.

— Funcionalismo, ver Funcionalismo Estrutural.

— Funcionalismo estrutural, 20.

— Funerais, 201, 292.

— Gado: criação de, em Santa Eulália, 45, 46; comércio em Santa Eulália, 35, 45-46.

— Galego, como epíteto depreciativo, 98.

— Galegos em Portugal, 98, 99.

— Galiza; comparações com o Norte de Portugal, 280, 281.

— Gastroentrite, 198.

— Goody, Jack, 74, 85, 86, 275.

— Gravidez pré-conjugal, 129, 237-241, 265; e ilegitimidade, 275; e modelos de residência, 176; e a altura de ocorrência do casamento, 240; como estratégia para casar, 144, 241.

— Gripe espanhola, impacte em, 39, 88.

— Habakukk, H. J., 114, 130, 131, 148, 165, 279.

— Hajnal, John, 121.

— Heer, David, 223.

— Henry, Louis, 204.

— Herança: e rivalidade entre germanos, 63, 64, 74; e emigração, no Tirol, 131; como estratégia de segurança social, 61-63; pelos parentes colaterais, 69; casais sem filhos como testadores, ver Casais sem filhos, herdeiros de; designação de herdeiros, 61-63, 73; indivisível, 50, 57; indivisível e celibato, 148; na Galiza, 73; insuficiência da, em Santa Eulália, 132; por morte, 71; solteiras e solteiros como testadores, 68, 74; bens valorizados em, 66-68, 70, 71. Ver também Terço.

— Herança divisível, ver Herança; Terra; Minifúndio.

— Herculano, Alexandre, 93, 101.

— Hipoteca de terras, 72, 83.

— História, e antropologia, ver Antropologia e história.

— Histórias das famílias, 21.

— Holismo, 20.

— Homeostase, 24, 25, 223, 224.

— Honra, 158, 230, 237, 265, 275; e família patriarcal, 226-267; e vergonha, 230, 273.

— Honras, 48. Ver também Nobreza, como proprietária de terras.

— Idade: diferenças entre os cônjuges, 121-123, 139-141, 143, 144.

— Idade no casamento ajustada, 119, 120; e emigração, 131-133, 145; e fecundidade, 187191, 224; e idade do pai ao morrer, 127, 128; e preços dos cereais, 134-136; e profissão do marido, 129, 130; e ilegitimidade, 234-237; e agregados familiares múltiplos, 176-179; efeito da invasão napoleónica em, 117, 128; flutuações de, 116-117, 124, 147; distribuição de frequência de, 120, 121; comparação entre Itália e Portugal, 140; comparação de idade média e mediana, 177; problemas dos dados, 117; variações regionais de, 123. Ver também Casamento.

— Ideologia de regresso. Ver Migração de regresso.

— Igreja Católica e controlo de natalidade, 185, 218, 219, 224; e ilegitimidade, 270; e herança. (Ver também Goody, Jack), 63; e o Estado Português, 28, 29 75-77; como instituição local importante, 75, 84, 85; como proprietária, 33, 34, 48, 59, 75, 76, 85, 86, 126. Ver também Couto: confisco de bens da, 75, 76, 81; na Irlanda, e ilegitimidade, 268; em Portugal, 269; papel na vida secular, 85, 219, 268; apoio no Norte, 76.

— Igreja paroquial, 79, 81; como centro da comunidade, 80; bens de, 84; papel na vida política local, 84. Ver também Igreja Católica.

— Ilegitimidade, 26, 56, 173; entre os naturais de Santa Eulália, 244; e namoro, 251; e condições económicas, 274; e emigração, 242, 266, 267; e exploração das mulheres, 274; e gravidez pré-conjugal, 237, 238, 241; e religiosidade, 230, 267; e ratio de sexo, 263; e classe social, 229, 247, 250, 254; e celibato feminino, 158, 233; e condição da mulher, 275; atitudes perante, 257, 261, 271; característica de determinadas famílias, 248, 249, 254-256; flutuações da, 233, 234; hipóteses acerca da ilegitimidade histórica, 227-229; na Irlanda, 231, 263, 264, 267; na Europa ocidental, 227, 228, 233, 245, 273, 274; juízos morais, 232; dos escravos, 236; proporção atribuída às reincidentes, 244; razões de, problemas, 233; variações regionais da, 229; rural comparada com a urbana, 228; fontes para o estudo da, 232; prevalência estatística da, 231; o trabalho das mulheres e oportunidades para, 263, 264. Ver também Filhos ilegítimos; Mães solteiras.

— Impostos e tributação, 72, 95, 126, 174, 177.

— Indústria caseira, 43. Ver também Cerâmica; Manufactura do linho.

— Indivíduo, e o grupo, 25.

— Indústria: desenvolvimento da, no século xx, 146; rural, 95.

— Indústrias de lacticínios, 42.

— Inflação, 94, 135.

— Irlanda, idade no casamento na, 123; ilegitimidade na, 231, 265; doença mental na, 269; celibato definitivo na, 153, 154; força do Catolicismo na, 268; condição da mulher na, 22.

— Irrigação, 40.

— Jornais regionais, como fontes, 105.

— Jornaleiras, 56, 164, 212; como mães solteiras, 254, 256.

— Jornaleiros, 56-57, 87, 181; idade no casamento dos, 129; mobilidade geográfica dos, 56; salários dos, 56.

— Junta de freguesia, 84.

— Laços de parentesco, 180.

— Lares para enjeitados, 271.

— Laslett, Peter, 30, 166, 255.

— Latifúndio, 47.

— Lavradores, 53, 54.

— Lavradores-rendeiros, 48, 58, 174.

— Legitimação, 52, 243, 258. Ver também Ilegitimidade.

— Levine, David, 228, 229, 235, 244.

— Limitação da família, 24, 193, 222, 224. Ver também Controlo da natalidade.

— Livi Bacci, Massimo, 74, 120, 184, 185, 201, 217, 230.

— Mães solteiras: noivas abandonadas como, 250-252; como emigrantes, 243; como herdeiras, 248, 258, 261, 263; casamento de, 241243, 262; protecção de, pela lei, 251; modelos de residência das, 173, 261; sanções sobre, 270; irmãs como, 255; origem social das, 245, 246. Ver também Ilegitimidade.

— Malthus, Thomas, 223, 232.

— Manufactura do linho, 43.

— Maria da Fonte, 77.

— Matricentralidade, 26, 261, 265, 279.

— Matrifocalidade, na Baviera, 279.

— Maus tratos infligidos às mulheres pelos homens, 159.

— Menina, como modo de tratamento, 162.

— Método comparativo, 20, 278, 281. Ver também Análise cultural comparativa.

— Migração, 23, 24; interna, 33, 103; selectiva a nível dos sexos, 153, 247; Ver também Emigração.

— Migração de regresso, 31, 88, 94, 97-102, 132, 213, 277, 281; e idade no casamento, 139; dos emigrantes da Galiza em Portugal, 99. Ver também Brasileiros.

— Migração sazonal, 89, 132, 281. Ver também Emigração para Espanha.

— Minas, 44.

— Mineiro, 97.

— Minho, 31, 32; sistema agrícola no, 40, 41; como centro de emigração, 104; indústria no, 43; posse de terras em, 40, 56, 95; população do, 33, 40; tipos de povoamento no, 42.

— Minifúndio, 32, 47; Ver também Terra, fragmentação da.

— Missas, custo das, 292.

— Modelo de casamento mediterrânico, 123, 140.

— Modelos demográficos, variações regionais em, 280, 281.

— Modelos de residência, ver Agregados familiares.

— Modernização: Santa Eulália, 46; em Portugal, 282.

— Modos de tratamento, preconceito em relação às mulheres nos, 279, 280.

— Moral, comparação entre Portugal e a Irlanda, 267.

— Mordomos, 291.

— Morgado, 48, 95. Ver também Herança; Morgados.

— Morgados. Ver também Herança.

— Mortalidade, taxa de, em Santa Eulália, 38.

— Mortalidade infantil, 284; e amamentação, 198; e fecundidade, 195-198; dados sobre, 195; comunicação deficiente da, 286.

— Motivações, dos indivíduos, 26.

— Mudanças sociais, 25, 46, 47.

— Mulheres: como emigrantes, 154, 162, 163, 213, 214; como herdeiras, 51, 65, 154; como chefes de família, 54, 56, 171; mudança dos papéis das, 214; analfabetismo das, 292; importância das, no Nordeste de Portugal, 171; independência das, 213; no Mediterrâneo, 26; modelos de residência das, 177, 178; posição das, e ilegitimidade, 263, 273; posição das, na Irlanda, 153, 154, 273, 274; modos de tratamento das, 162; opiniões acerca do celibato feminino, 158, 159; trabalho das, 43, 49, 56, 113, 154, 247, 267, 273; Ver também Emigração feminina; Solteiras.

— Nados-mortos, 204.

— Namorados, 158, 252. Ver também Namoro.

— Namoro, 251; e ilegitimidade, 228; e celibato feminino, 152; na Irlanda, 153-154; duração do, 132, 158, 159. Ver também Conversados: Namorados.

— Napoleão, invasões de Portugal, 28, 38, 117, 135.

— Nobreza, como proprietária de terras, 48-50; filhos ilegítimos da, 52; no Norte de Portugal, 47-48; relações com os camponeses, 49, 53; práticas sucessórias entre a, 50, 51; Ver também Honras; Morgados.

— Noivado como acesso à vida sexual, 241. Ver também Namoro.

— Normas de comportamento, 21, 25, 231.

— Nuclearidade, como preferência cultural, 179.

— Nupcialidade, ver Casamento.

— Óbito: causas de, 38-39, 287; registo de, 133, 149, 286, 287.

— Ocupações, dos homens minhotos, 40, 45.

— Oleiros, 45.

— Ordens religiosas, 33.

— Padrastos, 143, 159.

— Padres: e leigos, 79, 85; como intermediários, 84; como herdeiros, 51, 68, 74, 160; como proprietários de terras, 50, 51; filhos de, 80, 249; educação dos, 160; emigração de, 50, 51, 54-55; na Irlanda, 78; no Norte e no Sul de Portugal (comparados), 77; moral dos, 78, 79; poder dos, 84, 85; sexualidade dos, 79, 80; origem social dos, 77; apoio aos, pelos aldeões, 291, 292; tipo de, 79.

— Parteira, 212, 284.

— Páscoa, 84.

— Passadores, 101.

— Passaportes, 110.

— Pastagem, 41.

— Paternidade planeada, 225.

— Planeamento familiar, 281. Ver também Paternidade planeada.

— Pombal, Marquês de, 27, 75.

— População, 34; crescimento em Portugal, 28, 36, 95; pressão da, 281.

— Portugal: e Inglaterra, 27, 28; comparação com a Irlanda, 153; história dos princípios de, 32, 33: história económica de, 27-29; mais elevada fecundidade conjugal, 223; sistema fundiário, comparado com o da Grécia, 40; história política de, 28, 29; população de, 34, 36, 37; variações regionais de, 183-185.

— Práticas de atribuição de nomes, 280, 289, 290.

— Prazo, 259. Ver também Terra.

— Preços: no Vale do Lima, 134, 135; dos cereais, e prosperidade económica, 136.

— Presentismo, 20.

— Proletarização, 129; e agregados de famílias nucleares, 179.

— Promessas, 83.

— Propriedades/terras; e reforço das relações sociais, 74; divisão das, 63, 64, 67; reunião das, com o casamento, 141; tipos de, 67, 68; Ver também Herança; Terras; Minifúndios.

— Protestantismo, 76.

— Prostitutas, 245, 253, 256, 271.

— Proto-industrialização, 91.

— Queda da fecundidade: explicações culturais para, 216-217. Ver também Transição demográfica.

— Racionalidade, 25, 217.

Ratio de sexo: e idade no casamento, 139, 140; e ilegitimidade, 263, 265; e celibato definitivo, 148, 155; e posição das mulheres, 278; em Santa Eulália, 36, 109, 201.

— Reconhecimento de herdeiros, 258. Ver também Herança; Legitimação.

— Reemigração, 110.

— Registos de baptismo, formulário dos, 283, 284.

— Registos do casamento, 284, 285; como fonte sobre a emigração, 132.

— Registos escritos, como fontes de informação, 20, 21.

— Registos notariais, 52-53, 58, 289.

— Registos paroquiais, 27, 283.

— Regras de comportamento, 21. Ver também Normas.

— Reincidentes, 244, 253. Ver também SubSociedade com Propensão para a bastardia; Ilegitimidade.

— Relações senhor/criado, 57.

— Religião: e ciclo agrícola, 81; e modelos demográficos, 85; e fecundidade, 217; e saúde, 83; e ilegitimidade, 230.

— Religiosidade; no Norte de Portugal, 75, 77; em Espanha, 77, 78; variações regionais da, 85, 86.

— Remessas, 23, 81, 102, 147. Ver também Emigrantes, remessas dos.

— Resposta demográfica, 25. Ver também Homeostase.

— Róis da Desobriga, como fontes, 111, 166.

— Romanos, no Noroeste de Portugal, 31, 32.

— Romarias, ver Festas religiosas e romarias.

— Rotação de culturas, 40, 41.

— Salários: em Portugal, 93, 94; de artesãos, 88, 108; dos jornaleiros, 94, 108; de criadas, 248.

— Salazar, António de Oliveira, 28; e o Catolicismo, 76, 85.

— Salazarismo, queda do, e controlo da natalidade, 224.

— Santa Eulália: cemitério de, 81; capela de, 50, 81; produção cerâmica em, 45; igreja de, 81; culturas em, 40; taxas demográficas de, 37-39; economia de, 44: educação em, 81; emigração de, 109, 110, 113; lugares em, 42; agregados familiares em, 168-173; sistema de herança em, 125, 126; localização de, 29-31; modernização em, 29; número de agregados familiares em, 35; população em, 35, 36; criados em, 247.

— Saudade, 277.

— Scheper-Hughes, Nancy, 153, 268.

— Secularização, 75. Ver também Religião; Religiosidade.

— Segregação dos sexos, 264.

— Serviço doméstico, 212, 248, 253; e casamento tardio, 128; e ilegitimidade, 246-250.

— Serviço militar, 71; e idade no casamento, 136; e emigração, 96.

— Sexualidade, 22, 264.

— Shorter, Edward, 202, 228, 246.

— Sistema fundiário: e estrutura social, 47; persistência do, 59; variações do, 33; Ver também Enfiteuse; Foros; Terras.

Smith, Daniel Scott, 25, 74, 127.

— Sociocentrismo, 30.

— Solteiras: actividade das, 162; como herdeiras, 62, 63, 67, 73; como testadoras, 70; como mães de filhos ilegítimos, 161; modelos de residência da, 173. Ver também Mães solteiras.

— Stone, Lawrence, 19, 246.

— Sub-sociedade com propensão para a bastardia, 229, 254-257; comparação entre Portugal e Inglaterra, 243, 244; Ver também Ilegitimidade: reincidentes.

— Suicídio, 163.

— Teles, Basílio, 56, 57, 96.

— Terço, 61, 116, 125. Ver também Herança.

— Terra: como factor do casamento, 148, 159; demora na transmissão da, na Nova Inglaterra, 128; fragmentação de, 40, 48, 50, 95, 131; hipoteca de, 72; posse de, como símbolo de posição social, 60; arrendamento de, 48, 58, 125; venda de, 72, 95.

— Terra Arrendada. Ver Foros; terras, arrendamentos de.

— Terras comuns, 41, 173; divisão das, em Santa Eulália, 95.

— Testamento, 51, 53, 60, 61, 64, 74, 288.

— Tia, como modo de tratamento, 162.

— Tinoco, família, 51, 52.

— Trabalho agrícola, como cabendo às mulheres, 56. (Ver também Mulheres).

— Transição demográfica, 21, 196; e emigração, 199; e ilegitimidade, 288; explicações culturais da, 183; em França, 217; em Santa Eulália, 222; em Portugal, 183; na Suécia, 215; teorias sobre, 215, 219, 223. Ver também Queda da fecundidade.

— Troca de serviços, 181.

— Usufruto, direitos de, 68, 125, 261.

— Uxorilocal, residência, 174, 177, 178.

— Vale do Rio Lima, 31; estrutura social em, 47, 48. Ver também Minho.

— Vergonha, 273.

— Vestidos de casamento, 145.

— Viajantes, comentário sobre o Norte de Portugal, 42, 43, 78, 99, 112, 113, 232, 257.

— Viana do Castelo, Distrito de: economia do, 34, 43; emigração do, 104, 108; população do, 35, 36, 43, 104; celibato feminino no, 148.

— Vida rural, monetarização da, 102.

— Vínculos, 48, 51, 95.

— Viúvas, como chefes de famílias, 171; gravidez de, 236, 241; direitos aos bens, 63. Ver também Usufruto, direitos de, 270.

— Vizinhança, 181.

© Etnográfica Press, 1991

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

leslibraires.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search