Version classiqueVersion mobile

Homens que partem, mulheres que esperam

 | 
Caroline B. Brettell

Apêndice II. Reconhecimento das Práticas e Costumes desta Aldeia Feito pelos seus Habitantes

Texte intégral

110 de Novembro de 1779

2Reconhecem que têm obrigação de pagar todos os anos ao abade um décimo do milho, azeitona e vinho que produzem nas suas terras e também que o que entregam faz parte do que de melhor produzem. Também reconhecem que devem pagar ao padre um décimo de todo o trigo, centeio e linho que colhem. De cada fornada de telhas que cosem, estão habituados a pagar um moio ao padre. Quanto aos carneiros, o costume é pagar um de cada dez, meio de cada cinco; os que têm menos de cinco, pagam 0$025 réis por cabeça. Para cada vitela o pagamento habitual é 0$005 réis. Por cada dez colmeias, pagam uma; por cada cinco, uma; e os que têm menos de cinco não pagam nada. Quanto ao mel, é costume pagar um litro por cada dez. Por cada dez leitões, o pagamento é um; por cada cinco, é metade e por menos de cinco, o pagamento é 0$025 réis por cabeça. Por cada ninhada de pintos, o pagamento é uma galinha; não há que pagar dizima em relação a frutos, hortaliça, feijões e madeira.

3Quanto à premicia, os casais pagam cinco quartos por agregado familiar, alternando uma de milho com outra de centeio. Os viúvos pagam metade disso e os solteiros, um quarto; e mesmo que numa casa vivam juntos dois ou mais casais, a premicia só é paga uma vez, no Dia de S. Miguel. Cada casal paga também um ovo no Dia de São Miguel e na Páscoa.

4No dia da festa, os mordomos da Confraria de Jesus dão uma oferenda ao abade e além da oferenda para a missa, três tostões em dinheiro e um frango. Por cada casamento, o abade recebe 0$240 réis; os emolumentos correspondentes cada certidão solicitada por uma pessoa da freguesia são 0$200 réis; para as pessoas de outras freguesias, se se tratar de uma certidão de banhos, os emolumentos são 0$240 e nos outros casos, 0$120. Por cada baptismo, há que pagar um frango e pela desobriga, um tostão por cada agregado familiar. Por assistir a um funeral, cada padre deveria receber uma pequena oferta de 0$020. Por cada serviço religioso com missa devem pagar-se ao abade 0$240 réis em dinheiro, um bocado de pão e dois copos de vinho, e se for uma missa de corpo presente, ele tem de receber 0$900 e a cada outro padre presente deveriam pagar-se 0$240 e pão branco no valor de 0$010 réis e um copo de vinho.

5Os herdeiros dos que morreram têm o hábito de mandar celebrar três serviços: um, na presença do corpo; o segundo, ao fim de um mês; o terceiro, passado um ano. Pelo primeiro, o abade recebe a oferenda mencionada acima, o mesmo se podendo dizer dos padres que participem na missa. Pelo segundo e terceiro, o padre recebe 0$240. Pelas orações anuais, o abade recebe 1$440 e, em troca, tem a obrigação de fornecer as velas que serão levadas durante as orações. Para os filhos de famílias é costume mandar celebrar uma missa com cinco padres e outra em que parcipa o abade. Por este serviço recebe 0$240, se a criança tiver mais de sete anos, e pelos que morrerem antes de ter alcançado essa idade recebe a quantia de 0$100.

6Todos os anos, os habitantes da freguesia devem pagar 0$640 à pessoa que serve de mordomo da cruz. Também declaram que as velas usadas na Missa do Dia de Todos os Santos e nos Dias Santos devem ser pagas pelo mordomo da cruz, que é obrigado a dar ao abade na Páscoa uma cabra e duas galinhas e que o mordomo pagará 0$100 ao padre que participa nos ritos em honra da padroeira da igreja. Dizem também que o pároco é obrigado a dizer missa todas as Segundas-feiras e que, por este serviço, os casais pagarão meio alqueire de milho no Dia de S. Miguel, ainda que vivam vários casais na mesma casa; e que os viúvos e solteiros de ambos os sexos pagarão um quarto de alqueire e que o padre é obrigado a fornecer as velas para esta missa. Dizem ainda que o mordomo das confrarias da igreja estão habituados a acender as velas para a missa diária e que o que se esquecer de o fazer terá de pagar uma multa de 0$050.

7Por último, os residentes nesta freguesia dizem que compreendem os hábitos e costumes e obrigações anteriormente reconhecidos e que prometem todos cumpri-los como os seus antepassados fizeram e que, como prova disso, fazem esta declaração e assinam todos em baixo, com excepção das mulheres porque não sabem assinar.

8(seguem-se assinaturas e cruzes, após as quais aparece a seguinte adenda:)

9E os residentes da freguesia declaram que a obrigação de os casais pagarem meio alqueire de milho por ano ao abade pelas missas de Segunda-feira só se aplica às casas que constituem um agregado familiar, atendendo a que muitos casais vivem num agregado, todos eles são obrigados a pagar apenas meio alqueire e isto aplica-se também aos viúvos e solteiros de ambos os sexos.

© Etnográfica Press, 1991

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

leslibraires.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search