Version classiqueVersion mobile

Homens que partem, mulheres que esperam

 | 
Caroline B. Brettell

Agradecimentos

Texte intégral

1A investigação em que este livro se baseia começou com uma bolsa pós-doutoramento que me foi concedida pelo Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano. A pessoa por quem sinto mais gratidão, por me ter animado a requerer a bolsa e por me ter introduzido, sob a sua orientação atenta mas não abertamente dominadora, no campo da demografia histórica, é Myron Gutmann. Reconheceu o potencial de uma ideia vaga e desafiou-me a tratá-la de uma maneira nova. Gostaria também de agradecer a Omer Galle que, na qualidade de director do Centro de Investigação sobre População da Universidade do Texas, me acolheu calorosamente a bordo e, o que foi talvez ainda mais importante, me proporcionou espaço e tempo de utilização de um computador. Ele, os seus colegas e o pessoal do Centro tornaram os anos iniciais do projecto ao mesmo tempo estimulantes e frutuosos.

2A minha segunda dívida monetária é para com a Fundação Wenner Gren, que me deu apoio para continuar a investigação em Portugal durante o Verão de 1982. A sua contribuição tornou este estudo verdadeiramente interdisciplinar. A Joyce Riegelhaupt coube a tarefa de lhes escrever uma carta em meu nome. As críticas de Joyce a algumas das minhas ideias foram sempre úteis e sentirei a sua falta como colega e amiga. Foi uma pioneira a conduzir os antropólogos americanos ao estudo da sociedade portuguesa. Foram igualmente úteis os comentários cuidadosos sobre o manuscrito feitos por David Kertzer.

3Gostaria também de agradecer à Biblioteca Newberry, por me ter proporcionado uma comunidade de estudiosos à qual me pude ligar, quando da minha mudança para Chicago, e por ter facilitado o acesso à Colecção Greenlee, a que recorri largamente na preparação do Capítulo II. Em Chicago, beneficiei da calorosa amizade e camaradagem de Susan Tax Freeman. O seu apoio e encorajamento foram inestimáveis.

4São também numerosas as minhas dívidas para com Portugal e receio que, ao tentar passá-las para o papel, esqueça alguém ou alguma coisa. Espero que não. Em Lisboa, gostaria de agradecer a Brian O’Neill, do ISCTE, a Robert Rowland, na altura ligado ao Núcleo de Sociologia Histórica do Instituto Gulbenkian de Oeiras, e a Manuel Nazareth, da Universidade Nova. Embora nenhum deles tenha visto o manuscrito final, a oportunidade que tive de trocar ideias com eles acerca da demografia portuguesa foi fundamental. Rui Feijó chamou a minha atenção para os cadernos eleitorais relativos ao distrito de Viana do Castelo. Partilhamos um interesse por esta região, que espero que se mantenha. Maria Beatriz Rocha Trindade conseguiu obter subsídios da Secretaria de Estado da Emigração durante o Verão em que comecei a investigar a possibilidade de um estudo de demografia histórica. A sua dedicação aos problemas dos emigrantes portugueses e à investigação sobre a emigração portuguesa não conhece limites.

5Em Viana do Castelo, Aristides de Arroteia facilitou o meu acesso a vários arquivos importantes e, entretanto, tornou-se um amigo muito simpático e um colaborador voluntário incansável. Devo-lhe a ele, a Aurélio Barbosa, director do Aurora de Lima, a Jorge Ramos da Secretaria do Governo Civil de Viana do Castelo e ao Dr. António Matos Reis, dos Arquivos do Museu Municipal, os meus sinceros agradecimentos. Além disso, os funcionários da Biblioteca Municipal, do Ministério de Justiça, e do Ministério das Finanças foram extremamente receptivos e prestáveis. Antes da minha chegada, ninguém pedira para ter acesso às suas colecções e registos durante períodos de tempo tão longos e lá conseguiram arranjar um espaço sossegado onde eu pudesse trabalhar. Em Braga, gostaria de agradecer ao pessoal do Arquivo do Distrito de Viana do Castelo da Biblioteca Arquepiscopal. Também ele tolerou a minha presença dia após dia. Hoje este arquivo está bem instalado em Viana do Castelo.

6Em Santa Eulália propriamente dita, este projecto nunca se teria realizado sem o apoio e o estímulo do padre Manuel Araújo de Castro. Permitiu que passasse horas intermináveis junto dos arquivos paroquiais, em sua casa, e confiou em mim o suficiente para me deixar levar volumes insubstituíveis até à cidade mais próxima, onde os pude fotocopiar. Durante um Verão, fiquei em casa de Joaquim Fernandes dos Santos Caldas. Ele, a mulher, o filho e a filha foram todos anfitriões atenciosos que se conseguiram adaptar aos meus hábitos estranhos. Na verdade, tenho uma enorme dívida de gratidão para com toda a família Caldas, e em especial para com Virgínia, que foi o meu primeiro contacto com a freguesia. Noutra visita, fui, durante três semanas, convidada de Luísa de Barros. Também ela cuidou de mim, eliminando a preocupação com as refeições diárias a uma estudiosa que trabalhava duramente.

7Há inúmeras outras pessoas de Santa Eulália, novas e velhas, que partilharam os seus pensamentos e ideias comigo, por vezes formalmente, mas muitas outras de passagem. A todas elas, muito obrigada, mas um especial obrigada a João José da Silva, uma das pessoas a quem dedico este livro. Diria que João José possui uma sabedoria que ultrapassa a sua idade, embora já tenha mais de noventa anos e tenha tido uma vida longa e dura. Partilhou comigo muitas das suas experiências e conhecimentos e durante as horas que passei sentada à sua cabeceira, cheguei de facto a amá-lo como o avô que nunca tive.

8Gostaria de expressar o meu reconhecimento ao departamento editorial da Universidade de Princeton, por me ajudar a concretizar a publicação do livro em inglês, e às Publicações Dom Quixote, pela publicação em português. Especialmente agradeço a Mafalda Tello, a tradutora, e a João Arriscado Nunes e Rui Feijó, colegas e amigos.

9Uma última dívida de gratidão é a que tenho para com meu marido Rick, que suportou as minhas ausências em Portugal e todos os longos fins-de-semana e serões que passei sentada ao processador de texto, sem lhe ligar nem ligar a nada mais à minha volta. Sei que partilha a minha admiração pelo povo português e pela sua história heróica de emigração.

10Chicago, Dezembro de 1985.

11Dallas, Maio de 1990.

© Etnográfica Press, 1991

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

leslibraires.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search