Version classiqueVersion mobile

Lugares de aqui

 | 
Joaquim Pais de Brito
, 
Brian Juan O'Neill

A dinâmica das alcunhas em Vila Velha

Francisco Martins Ramos

Texte intégral

1. Introdução

1Não tenho conhecimento de estudos aprofundados sobre alcunhas. Naturalmente que há autores que têm abordado esta temática, mas de um modo periférico em relação às suas investigações principais. Tais são os exemplos de antropólogos como Pitt-Rivers (1971, 1983) e Stanley Brandes (1975), no terreno espanhol, e Luís Polanah (1981, 1984, 1986) em Portugal.

2O texto que se segue corresponde a parte do meu trabalho de pesquisa na região do Alentejo, e em Vila Velha, em particular. A recolha iniciou-se em 1982 e atingiu cerca de seis mil epítetos.

3A referência a Vila Velha, (um pseudónimo), torna imperioso relembrar que, em 1965 e 1967, José Cutileiro efectuou na povoação e freguesia pesquisa etnográfica, estudo em que baseou a sua tese de doutoramento na Universidade de Oxford. O trabalho de campo de Cutileiro conduziu à publicação em 1971 do livro «A Portuguese Rural Society», cuja versão portuguesa foi publicada em 1977 sob o título «Ricos e Pobres no Alentejo (Uma Sociedade Rural Portuguesa)». A obra de José Cutileiro inscreve-se no modelo antropológico mediterrânico vigente ao tempo, de que Pitt-Rivers (1954), Lawrence Wylie (1957), Lison-Tolosona (1966), são dos exemplos mais significativos.

4Na sua monografia, o autor orienta-se através de cinco eixos principais, correspondentes a outros tantos capítulos do livro, a saber: a posse da terra e a estratificação social; a família, o parentesco e a vizinhança; a estrutura política; o patrocinato; a religião. Cutileiro estudou a pequena vila, sede de uma freguesia composta por cinco aldeias, assim como as relações com Vila Nova, sede concelhia desde os meados do século passado. Para além da sua permanência prolongada e sistemática no terreno, durante dois anos, o autor utilizou os arquivos e documentos históricos, numa perspectiva actualizada de incursão no passado, para melhor conhecimento do presente.

5A característica mais importante da vila e das cinco aldeias era «a extrema polarização da estrutura de classe baseada numa grande desigualdade inerente à estrutura da posse da terra e ao sistema latifundiário» (Clark e O’Neill 1980).

6De Maio de 1978 a Janeiro de 1979, Sandra Clark, uma jovem antropóloga inglesa, fez pesquisa etnográfica em Vila Velha e, em 1980, publicou juntamente com Brian O’Neill na revista inglesa «Critique of Anthropology» um artigo, no qual é criticada a interpretação específica de Cutileiro sobre o curso da Reforma Agrária, no contexto da Revolução Portuguesa de 1974. Estes autores baseiam-se essencialmente no posfácio à edição portuguesa do livro de Cutileiro.

7Porque me encontro em Vila Velha «a continuar o romance do dr. Cutileiro», (como afirmam os meus informantes menos esclarecidos, mas com perspicácia imprevista), eis a razão deste enquadramento inicial, necessariamente breve, mas introdutório à temática das alcunhas. Cutileiro aflorou levemente a questão, e talvez por isso, senti-me tentado a abordar a matéria em Vila Velha. Naturalmente que o tema já me tinha atraído anteriormente tendo como contexto a região do Alentejo em geral (Ramos 1982, 1985).

8Em primeiro lugar, gostaria de alinhavar alguns comentários sobre a formação e funções das alcunhas, elas que são verdadeiros instrumentos linguísticos e simbólicos do fenómeno da comunicação oral. Com efeito, a linguagem oral é a expressão preferencial dos locutores das comunidades rurais, uma vez que «writing is an activity which links a person with the world of formality» (Pitt-Rivers 1971: 162). De facto, a comunicação interpessoal do mundo rural — o contacto face a face — privilegia a palavra oral como um objecto maleável, que pode ser explorado, manipulado, acarinhado, reduzido, empolado e dominado.

9O discurso das alcunhas é um discurso de rigor, exactamente porque toda a língua é apropriada para exprimir as necessidades da sua cultura. Parafraseando Roland Barthes, quando ele se refere à frase, eu diria que o prazer da alcunha é muito cultural — este artefacto criado pelos locutores anónimos «é imitado de uma maneira mais ou menos lúdica; joga-se com um objecto excepcional cujo paradoxo foi sublinhado pelos linguistas: imutavelmente estruturado e todavia infinitamente renovável; qualquer coisa como o jogo do xadrêz» (Barthes 1976: 96).

10«Foi a organização social que permitiu o reconhecimento da identidade dos indivíduos e dos grupos, como refere Lévi-Strauss» (Guiraud 1973: 119). A marca da identidade desenvolveu-se, exprimindo-se em termos de parentesco, de tratamento ou referência e, alargando-se, fez corresponder os indivíduos a uma família, linhagem, clã, totem ou grupo, a um local geográfico, a uma categoria física, a uma actividade, profissão ou a um antepassado. Daí a existência dos nomes, sobrenomes e alcunhas como fórmulas simples e universais de identificação.

11A metáfora lúdica coloca o indivíduo no centro do palco social e atribui-lhe papéis: a matrona respeitada, o patriarca, o tio tutelar, a companheira de iniciação, o amigo fiel, a noiva preferencial, o adversário, o parente interdito, o inimigo, etc. A sociabilidade quotidiana dos grupos humanos pontua-se por um duplo mecanismo experiencial: lógico e afectivo. «De la logique relèvent les signes qu’indiquent la place de l'individu et du groupe dans l’hierarchie et dans l’organisation politique, économique, institutionelle. De l’afectivité, ceux qui expriment les émotions et les sentiments que Pindividu ou le groupe expérimentent en rélation à d’autres individus et d’autres groupes» (Guiraud 1973: 117). Nas sociedades ocidentais do nosso tempo, perdido ou desaparecido o grande peso do parentesco, o sistema de signos é revitalizado, como afirma Lévi-Strauss, pelas alcunhas, verdadeiras taxinomias sociais. «Totemismo da sociedade urbana ou o canto do cisne do ruralismo?» (Ramos 1982: 2).

12Alcunhar e utilizar uma alcunha não podem ser considerados elementos isolados no contexto de cada comunidade. Eles são a ponta de uma intrincada e complexa rede sócio-cultural de que podemos destacar comportamentos, processos intelectuais, conceptualizações, leituras de índole variada: a nível do poder económico, no respeitante à prática política, no âmbito das classes sociais, no cerne do sistema de parentesco, a nível da xenofobia, de ordem estética e moral, na base do revivalismo, no processo de adopção de inovações, nas ligações à terra e à natureza, na afirmação da rede de amizades, etc. Por esse facto, podemos encontrar na linguagem totalizante das alcunhas, (encaradas na perspectiva de cada comunidade), a síntese semiológica e paradigmática do fenómeno da comunicação como facto social total. Os princípios que governam a atribuição de uma alcunha são, em primeiro lugar, os que identificam o indivíduo aos olhos da opinião pública — lugar de nascimento ou residência, profissão, marcas físicas ou excentricidades do comportamento. Assim, a alcunha «par son côté descriptif, il sert à identifier dans une communauté ou les noms de famille ne sont utilisés par personne, sauf dans les Communications officielles, et ne sont connus pour la plupart que de la proche parenté. Mais, outre qu’il distingue un individu d'entres les autres, il le caractérise.» (Pitt-Rivers 1983: 136).

2. Génese e função das alcunhas

13Algumas questões pertinentes devem ser colocadas: Para que servem as alcunhas? Elas têm funções precisas, desempenham um papel funcional importante, ou são simplesmente a resultante de um espírito crítico desenvolvido e de um poder de observação treinado que conduzem a exercícios de estilo «desinteressados», inocentes, puramente estéticos e lúdicos?

14A primeira função das alcunhas é a identificação. Mas uma identificação específica, isto é, rápida e eficaz. Esta função identificadora articulase com a economia do processo linguístico, como mecanismo referencial.

15Os substitutos fictícios dos nomes nascem por diversas razões, (sanção, prazer, competição, inveja, paródia, discriminação, etc.), mas consolidamse pela necessidade de identificar um actor na teia complexa das relações sociais. Esta necessidade fundamenta-se no facto de que, nas pequenas comunidades, existe um número reduzido de apelidos familiares para muitos utilizadores. O parentesco conduz naturalmente a uma sobre-utilização dos mesmos nomes de família. Daí que, em qualquer aldeia ou vila alentejana, quando se fala, por exemplo, do Manuel Silva, a questão que se lhe segue é:

— Qual Silva?

16A seguir surge o instrumento de simplificação do processo identificador:

— O Silva, O Passarinho Enlameado, ou

— O Silva, o filho da Chibinha sem Mãe, ou

— O Silva, o irmão do Ovinho Estrelado.

17Esta saturação dos mesmos apelidos familiares, semanticamente vazios na maior parte dos casos, conduz à atribuição da marca distintiva, esta sim possuidora de significado afectivo e/ou simbólico. Repare-se:

— O Ferreira, O Vai Depressa, mandou os filhos estudar para a vila.

— O Ramalho, filho da Mula Pelada, vendeu as casas ao Carvalho, O Juiz do Ranho.

O Padre Mudo, casado com a filha do Ramalho Eanes, guerreou com o neto do Português Suave.

18Uma outra função das nomeadas é reforçar as marcas discriminatórias, logo a distância social, quando são utilizadas para referenciar os indivíduos colocados (real ou ficticiamente) em posições inferiores da escala social. É o caso de algumas alcunhas colectivas, familiares, ou até individuais. Exemplos? Penico dos Ricos, Cagadinhos, Açordas, Sem Pão, Sacaio, Piolhas, Tendeiros, Batata, etc.

19As diferenças sociais que as designações onomásticas marcam e aprofundam, não se dirigem apenas aos que ocupam posições inferiores na hierarquia social. Assim, também encontramos designações como: Conde, Barão, Rico, Menina da Moda, Barão da Rua de Baixo, Conde da Avenida, Caga Milhões, etc.

20Verificamos ainda, num exercício de verdadeira camuflagem, a existência de designações mentirosas ou por antítese, que significam exactamente o contrário do que dizem ou, são inadequadas ao receptor. Com efeito, ser chamado Rei da Póvoa, Rotchiles (do multimilionário Rothschild), Salazar, República, Champalimaud, Paródias, Vida Alegre, Gordo, Gigante Rasteiro, Fraquezas, etc., não é mais do que uma crítica a quem procura estatuto, prestígio ou riqueza, ou poderá significar que alguém herdou uma alcunha que não se lhe adequa.

21A proliferação dos alcunhos demonstra, por outro lado, uma outra função: eles servem para reduzir diferenças sócio-económicas, eliminando privilégios e igualizando todos os membros da comunidade. De facto «as alcunhas ultrapassam as barreiras sociais: metem no mesmo saco pobres e ricos, velhos e novos, homens e mulheres, bons e maus» (Ramos 1982: 23).

22Deve-se ainda notar que as alcunhas não pejorativas ou obscenas podem, ao longo dos tempos, passar a apelidos. É que se algumas são inócuas ou indiferentes, há alcunhas de prestígio que são convenientes. Notem-se alguns exemplos, com passagem ou não a apelidos: Rico, Caçador, Galego, Lisboa, Espanhol, Uva, Poeta, Sandokan, Tarzan, Organista, etc.

23Uma outra função que pode ser descoberta na utilização das alcunhas é a demarcação dos campos entre nós e os outros. Com efeito, algumas vezes, um acirrado bairrismo ou os sentimentos xenófobos de algumas povoações ou regiões produzem denominações bastante agressivas dirigidas aos estranhos, aos citadinos, aos habitantes doutros bairros, às famílias rivais. Estas alcunhas não referem simplesmente a proveniência dos visados, mas afirmam categoricamente que «eles não são dos nossos». Exemplos: Algarvios, Aldeanos (de aldeia), Ratinhos, Galegos, Povenhos, Sacaios, Cabrões de Moura, Paneleiros, Ferros de Charrua, Orelhudos, Assopras, etc.

24A alcunha pode, ainda, reforçar os laços da amizade. Nalguns locais, como Aldeia Amarela e Vila Velha, verifica-se uma tendência para a utilização do mau nome como termo de tratamento. Os interlocutores podem pertencer a grupos etários diferentes mas são, em geral, amigos. Esta autorização mútua para o tratamento pela alcunha fundamenta-se no conceito: «Ninguém me trata pela alcunha, mas tu podes fazê-lo porque te considero amigo».

25Ao mesmo tempo, evitar o tratamento pela alcunha, (entre parentes, amigos e vizinhos) serve para intensificar os elos da amizade. De facto, «eu respeito o meu compadre, como quero que ele me respeite a mim».

26Existe naturalmente uma estética da alcunha. As alcunhas dum agregado populacional são uma obra colectiva, misto de rendilhado e prazer lúdico, labirinto de gozo e riso, discurso sério e picaresco, reflexo duma capacidade inigualável de referenciar o outro com as palavras suficientes e essenciais. Mas o exercício da outorga da alcunha, acto necessariamente individual mas de sancionamento colectivo, tem um horizonte lúdico limitado ao conhecimento inicial da designação. Por outras palavras, o prazer da alcunha é passageiro para os locutores que dela se servem, é o prazer efémero do acto da criação e do primeiro conhecimento. A alcunha não é um fim, é um meio. A vocação essencial da alcunha não é, para os seus utilizadores, a reprodução consciente de uma estética, nem a alimentação decidida de um jogo, se bem que também seja isso. As palavras das alcunhas valem essencialmente pelas funções que desempenham e pela vocação prática de que se revestem, e não são uma produção intelectual e artística desinteressada. A alcunha é um artefacto utilitário, não é uma obra de arte. Há, naturalmente, uma estética da alcunha. Mas a beleza do discurso existe para nós, como existe para os utilizadores das alcunhas?

3. As alcunhas no Alentejo

27A alcunha é um instrumento aldeão. Com efeito, a vida urbana encoraja relações impessoais, destrói os laços do parentesco, pulveriza os elos tradicionais e reduz as relações de vizinhança. No Alentejo, os grandes centros populacionais não deixam de ser comunidades rurais, posto de parte o critério demográfico e tendo em linha de conta hábitos, costumes, modos de vida, tradições, fluxos migratórios internos, etc. Por essa razão, a alcunha circula sem constrangimentos de ordem demográfica. Mesmo nas pequenas comunidades não existem limites demográficos mínimos, ao contrário da sugestão de Stanley Brandes no que diz respeito às aldeias espanholas. Este autor afirma existir um limite demográfico mínimo, a partir do qual a alcunha não circula, porque isso iria ferir as fronteiras do parentesco, da amizade, da vizinhança, da solidariedade social (Brandes 1975).

28No Alentejo as alcunhas circulam mesmo em povoações de escassas dezenas de habitantes. Os dados etnográficos recolhidos demonstram que aqueles laços ou sentimentos não são limitações ao livre circuito das nomeadas criptonímicas.

29Os alcunhos «pertencem a uma categoria da nomenclatura espacial local, como signos que circulam no processo intercomunicativo da comunidade enquanto grupo fechado» (Polanah 1981: 102). Verifica-se, entretanto, em várias comunidades, uma ruptura com este carácter endogrupal: a comunidade defende-se da abertura ao exterior criando alcunhas colectivas para os habitantes doutros lugares e, o forasteiro é, rapidamente, crismado com uma alcunha.

30No Alentejo, devemos distinguir designações individuais e nomeadas colectivas. «Le surnom est toujours, à l’origine, crée à l’intention d’individu» (Pitt-Rivers 1983: 136). Por outro lado, um indivíduo pode receber duas alcunhas: a colectiva, que recebeu da sua família e a individual que ele adquiriu.

31A recolha etnográfica das alcunhas conduz-nos justamente a uma tentativa de arrumação e sistematização para benefício de posteriores análises. Assim, é possível tipificar as designações em dois grandes pares de categorias: Alcunhas individuais/colectivas, alcunhas herdadas/adquiridas. Quer umas, quer outras, podem ser sistematizadas em quatro subgrupos: Anatómicas, Geográficas, Profissionais e Comportamentais. Repare-se nalguns exemplos alentejanos:

Anatómicas:

Boca Torta

Gigante Rasteiro

Careca

Gordo

Fininho

Maneta

Geográficas:

Alemão

Bicho das Áfricas

Amareleja

João da Azinheira

Madragoa

Luís da Fazenda

Profissionais:

Acalca Barro

Pedro da Pastinha

Capitão

Sacristão

Pastilhas

Xico do Pincel

Comportamentais:

Espenica Toucinho

Mija Mansinho

Comunista de Inverno

Tranca Ruas

Messias da Agricultura

Vento Suão

4. As alcunhas em Vila Velha

32Vila Velha é uma povoação do interior do Alto Alentejo, sobranceira ao rio Guadiana e próxima da fronteira com a Espanha. Antiga sede de concelho, perdeu progressivamente a sua importância estratégica e administrativa, tendo-se tornado recentemente num centro de atracção turística. Para tal contribuem a relativa preservação do burgo medieval, a beleza da paisagem circundante, a singularidade das suas linhas arquitectónicas simples e o equilíbrio do silêncio que a domina.

33As alcunhas constituem uma verdadeira instituição social e podem ser consideradas como uma fatalidade que funciona como um instrumento de evidente utilidade no processo de comunicação e no sistema das relações sociais em Vila Velha.

34Aquele que não possui uma alcunha individual, terá certamente um nome fictício familiar.

35Para melhor comprender o fenómeno, convirá dar uma perspectiva geral das alcunhas mais usadas ou conhecidas na localidade.

Pai do Céu

Ciética (de ciática)

Melro

Pára Quieto

Holandeses

Alavancas

3100

Gajinhas

O Homem Mata a Vaca

Menino Jesus

Fala Forte

Janota

Cagadinho(s)

Segunda Vereadora

Nabo

Careca

Mangueira(s)

Cabecinha Torta

Peixeiro

Latoeiro(s)

Espeta Chouriços

Caldeirão

Viola

Papa Agulhas

Puto

Fraca

Guarda Cágados

Pintassilgo

Sagui

Boneco Teimoso

Besta

Tira-Olhos

Chico Rapaz

Rôlo

Cantigas

Milho

Cordoeiro

Coelha

Repolho

Feijão

Estrelinhas

Juiz da Fome

Machão

Ás de Copas

Padreca

Pé Leve

Brinco

Governanta

Loba

Alface

Carneirinho

Sapo

Boca Torta

Feitora

Pavão

Mestre até Ver

Caturra(s)

Maravilhas

Quatro Rodas

Catacus

Cabeça de Ferro

Rodas Baixas

Camafeus

Cortiço

Pêlo d'Arame

Malveira

Sol

Registo Civil

Verdemã

Sargento

Figo

Bocage

Lua

Salta Charcos

Camioneta

36Para além da outorga individual de alcunhas, o processo de transmissão das nomeadas constitui o suporte de uma dinâmica muito especial que alimenta a manutenção e circulação dos substitutos fictícios dos nomes em Vila Velha. Os exemplos etnográficos recolhidos permitem-nos ordenar vários tipos de transmissão de alcunhas:

1. Alcunha transmitida do pai para filhos(as), independentemente do sexo destes.

2. Passagem da alcunha da mãe para filhos(as), independentemente do sexo destes.

3. Transmissão do cognome do pai para os filhos e do da mãe para as filhas.

4. Passagem da alcunha de pais para filhos(as) e netos(as).

5. Transmissão directa da alcunha dos avós para netos(as).

6. Passagem da nomeada de tios para sobrinhos(as).

7. Alcunhas transmitidas pelo casamento (nos dois sentidos).

8. Outras situações (de padrinhos/madrinhas, amas de peito, padrastos/madrastas, de estranhos até).

37Os grandes geradores de alcunhas são os homens, mas tal não significa que, em cerca de 15% das situações não sejam as mulheres as dadoras dos cognomes.

38Uma situação singular ocorre ainda em Vila Velha. Trata-se de um tipo de alcunhas que classificaria como adquiridas mas que estão intrinsecamente ligadas às alcunhas dos progenitores ou parentes. O humor, singularidade e capacidade criativa que traduzem são evidentes. A situação não é única, mas é rara. Vejam-se os exemplos:

Pai — Sol
Mãe — Lua
Filhas — Estrelinhas

Avó — Pai do Céu
Neto — Menino Jesus

Marido — Cavalo de Pau
Mulher — Égua de Madeira

Avô — Cagado
Netos — Cagadinhos

Marido (mulher) — Sorte Grande
Mulher (marido) — Aproximação

39Em Vila Velha verifica-se que 92% dos seus habitantes são detentores de alcunhas, individuais ou familiares. Aqueles que não são receptores de alcunhas possuem apelidos ou nomes invulgares. Esta particularidade reforça a posição defendida de que a alcunha é essencialmente um instrumento de identificação e diferenciação.

40Algumas interrogações se levantam sobre a complexidade do sistema de transmissão dos sobrenomes.

— Porque é que há pessoas que não herdam nem adquirem alcunhas?

— Que razões justificam que uns, para além da alcunha familiar, adquiram simultaneamente uma nova alcunha, e outros não?

— O que leva um homem a receber a alcunha de sua mulher, quando a tendência é exactamente a oposta?

41Creio que, responder categoricamente a tais questões seria possuir a chave para a compreensão das matrizes do pensamento humano. No entanto, algumas explicações aproximadas podem ser adiantadas.

42a) A força reprodutora de uma alcunha assenta nas características dos dadores: riqueza, status, prestígio, caracteres anatómicos, comportamentos, etc. A alcunha de um homem rico e de prestígio tem tendência a crismar todos os seus parentes, mesmo aqueles que o são por aliança.

43b) O contrário também é verdade. Uma família colocada nos limites inferiores da escala social ver-se-á confrontada com a reprodução da mesma alcunha familiar e colectiva. Só a subida na escala social poderá significar, a nível individual, a libertação do estigma, e a aquisição de uma nova alcunha.

44c) Um indivíduo (homem ou mulher), poderá, para além da sua alcunha familiar, adquirir uma nova, desde que o seu comportamento, características físicas, atitudes morais ou a referida mobilidade social mereçam ser sancionadas.

45d) Há indivíduos que nunca herdam ou adquirem uma alcunha. Uma justificação poderá ser o facto de possuírem nomes ou apelidos pouco usuais. Outra razão poderá ser a sua postura discreta na vida social. No entanto, se um indivíduo não adquirir uma alcunha própria, raramente escapará, nos meios mais pequenos, à fatalidade da alcunha da sua família.

46e) Um homem poderá receber a alcunha da sua mulher, pelo menos em duas situações: se ela ocupar uma posição mais importante na escala social e, se ele, forasteiro, seguir a regra residencial da matrilocalidade.

47O discurso totalizante das alcunhas de uma comunidade é um texto que se lê, um livro aberto que reflecte elementos da ordem do económico, moral, estético, psicológico, sentimental, lúdico e ideológico. A inocuidade das alcunhas é apenas aparente: elas cobrem, encobrem, disfarçam ou descobrem as matrizes da coesão/competição, a luta entre nós/outros, o jogo das representações no palco social.

48Penso que a modernização da sociedade tradicional alentejana — processo há muito na forja — não irá asfixiar a dinâmica das alcunhas do Alentejo. A meu ver, somente um galopante crescimento demográfico (não previsto, aliás) poderia fazer diluir a importância dos substitutos fictícios dos nomes e apelidos.

49Vila Velha/1989

Bibliographie

BARTHES, ROLAND, 1981 (1976) O Prazer do Texto, Lisboa: Edições 70.

BRANDES, STANLEY, 1975 The Structural and Demographic Implications of Nicknames in Navanogal, Spain, Washington: American Ethnologist, vol. 2, no. 1.

CLARK, SANDRA and O’NEILL, BRIAN, 1980 Agrarian Reform in Southern Portugal, London: Critique of Anthropology (vol. 4, no. 15).

CUTILEIRO, JOSÉ, 1977 Ricos e Pobres no Alentejo, Lisboa: Sá da Costa.

GUIRAUD, PIERRE, 1973 A Semiologia, Lisboa: Editorial Presença.

LISÓN-TOLOSANA, CARMELO, 1966 Belmonte de los Caballeros: A Socioiogical Study of a Spanish Town, Oxford, Clarendon Press.

LUQUE-BAENA, ENRIQUE, 1974 Estudio Antropologico Social de un Pueblo del Sur, Madrid: Editorial Tecnos.

PITT-RIVERS, JULIAN, 1971 The People of the Sierra, Chicago: The University of Chicago Press.

PITT-RIVERS, JULIAN, 1983 Anthropoiogie de l’Honneur, Paris: Le Sycomore.

POLANAH, LUÍS, 1981 Comunidades Portuguesas no Parque Nacional da Peneda-Gerês, Lisboa: SNPRPP.

POLANAH, LUÍS, 1981 1984 Camponeses de Sayago, Braga: Universidade do Minho.

POLANAH, LUÍS, 1981 1986 O Estudo Antropológico das Alcunhas, Coimbra: Revista Lusitana, n.° 7.

RAMOS, FRANCISCO M., 1982 Algumas Alcunhas Alentejanas de Cariz Político, Évora: Semente, n.° 6.

RAMOS, FRANCISCO M., 1985a The Dynamics of Nicknames in Southern Portugal, comunicação apresentada no 84.° Congresso da Associação Antropológica Americana, Washington DC.

RAMOS, FRANCISCO M., 1985b Antropologia das Alcunhas Alentejanas: A Engenharia do Simbólico, Évora: Universidade de Évora (policop.).

WYLIE, LAURENCE, 1957 Village in the Vaucluse, New York, Harper & Row.

Auteur

Natural de Amareleja (Baixo Alentejo) licenciou-se em Ciências Antropológicas e Etnológicas no I.S.C.S.P.. É Assistente no Departamento de Sociologia da Universidade de Évora, onde tem exercido a docência nas áreas da Metodologia das Ciências Sociais, Antropologia Cultural e EtnoSociologia Portuguesa. Frequentou o Mestrado em Ecologia Humana (Évora), foi aluno da Universidade de Madison (USA) e é doutorando em Antropologia Social. A sua tese de doutoramento, em fase terminal, versa a temática do reestudo de Vila Velha, onde José Cutileiro fez trabalho de campo na década de 60. Publicou artigos dispersos sobre temas sócio-culturais do quotidiano do Alentejo, antropologia aplicada, contacto de culturas, turismo e desenvolvimento, áreas prioritárias das suas investigações. Participa regularmente nos congressos da Associação Antropológica Americana, onde tem apresentado comunicações sobre temas portugueses, tal como noutras reuniões internacionais em Bruxelas, Dublin e Paris. Tem no prelo para publicação o livro Alcunhas Alentejanas: Estudo Etnográfico.

© Etnográfica Press, 1991

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search