Version classiqueVersion mobile

Lugares de aqui

 | 
Joaquim Pais de Brito
, 
Brian Juan O'Neill

Bases éticas para práticas lúdicas: associativismo e sociabilidade numa colectividade de Lisboa1

Graça Índias Cordeiro

Texte intégral

1. Introdução

  • 1 Este texto só foi possível graças à colaboração dos sócios do G.I.L.C.O. em geral e da sua Direcção (...)

1A identificação do associativismo popular na cidade de Lisboa como um terreno de estudo antropológico surgiu de um encadeamento de vários elementos: um gosto pessoal pela vida social citadina, uma intencionalidade teórica relacionada com algumas ideias preconcebidas sobre o tipo de relações sociais característico das grandes cidades e um sem-número de dificuldades prático-metodológicas na delimitação de um terreno de pesquisa urbana.

  • 1 Cf. estudos produzidos na Universidade de Chicago na primeira metade do século.

2Os discursos sobre a cidade constituem uma parte substancial da produção teórica daqueles que lançaram os fundamentos da moderna ciência social. A visão negativa com que, inicialmente, as cidades foram encaradas — como locais produtores de relações anti-sociais ditadas pela vontade fria da razão e pelos valores do cálculo e da pontualidade, habitadas por indivíduos isolados e infelizes perdidos numa multidão anónima — produziu uma visão idealizada de um «modo de vida urbano» que, apesar de etnocentricamente marcado pelo contexto histórico e social do seu lugar de nascimento1, ainda hoje influencia os olhares sobre a vida social das cidades.

3A escolha de uma dimensão da realidade social que permitisse um maior conhecimento de algumas particularidades do modo de vida urbano revelou-se extremamente difícil, pela aparente fluidez deste modo de vida. Contrariamente ao que se passa nas sociedades de pequena escala, onde os diferentes domínios da vida social se encontram intimamente relacionados, nas cidades eles encontram-se dissociados. A compartimentação de papéis vivida por cada citadino entre a vida familiar e o parentesco, o trabalho, os lazeres, o consumo, o tráfego, assim como a mobilidade existente num espaço compartilhado a diferentes níveis, pareciam ser características, só por si, dissuasoras de qualquer abordagem etnográfica, pelo menos no seu sentido tradicional.

4Um aspecto do quotidiano lisboeta, no entanto, parecia-me de particular interesse: as sociabilidades de tempo livre vividas colectivamente, em grupos de dimensão variada, nos bairros populares. O problema estava «apenas» em encontrar, neste hipotético tema de estudo, um conjunto de experiências significativas suficientemente localizadas que permitissem um estudo intensivo, baseado em larga medida na observação, tanto quanto possível participante e nas técnicas qualitativas características da antropologia.

5Foi com este esforço de procura de uma unidade social onde um estudo etnográfico fosse possível que surgiram as sociedades de cultura e recreio, ou colectividades. Sendo organizações formalizadas, espontaneamente criadas por grupos de indivíduos e caracterizadas pela voluntariedade de pertença dos seus membros, estas associações voluntárias pareciam constituir núcleos importantes de sociabilidade de bairro e, por conseguinte, «pontos espaciais de interacção» (Eames e Goode, 1977), privilegiados para um trabalho de campo antropológico.

6O texto que se segue foi escrito no início de uma pesquisa sobre sociabilidades urbanas e associativismo e tem como objectivo retratar o quotidiano de uma sociedade recreativa de Lisboa: o Grémio de Instrução Liberal de Campo de Ourique. O conteúdo da informação apresentada baseou-se em diferentes tipos de contacto com a realidade (observação e convívio nos seus espaços colectivos entre Fevereiro de 1986 e Julho de 1987, entrevistas e conversas com alguns dos seus dirigentes e associados) e, fundamentalmente, na informação guardada nos livros de Actas das reuniões semanais da direcção, referentes a um período de tempo entre 1942 e 1972. Estes registos revelaram ser uma fonte de grande interesse pela minúcia das descrições do quotidiano da associação, pelo cuidado, quase obsessivo, de tudo registar, pelo próprio facto do registo escrito, em si. O ciclo anual festivo, as modificações do espaço, o financiamento, as relações com o exterior, a explicitação dos valores éticos, os meandros da organização formalizada, as actividades quotidianas de jogo e convívio, são apenas alguns dos temas que, através destas actas, podem ser avaliados. Estas actas, no entanto, constituem materiais ainda descontextualizados em relação a quem os produziu, à época histórica em que surgiram (para além da «pequena história» associativa), à própria situação da sociedade estudada na história das associações existentes em Lisboa e na história da própria capital. Por isso, este retrato impressionista do micro-cosmos associativo do G.I.L.C.O. apenas pretende ser uma primeira aproximação ao mundo das sociabilidades de Lisboa ainda tão pouco «olhadas» pelas ciências sociais.

2. O Grémio de Instrução Liberal de Campo de Ourique: do espaço público da rua ao convívio do jogo

  • 2 Sobre a história da República portuguesa veja-se: Marques, A.O. (1975) A1.a República Por tuguesa, (...)

7O Grémio de Instrução Liberal de Campo de Ourique (G.I.L.C.O.) é uma das muitas associações recreativas e culturais que surgiram no período de implantação da República e que pretendiam criar e difundir a «cultura» por um povo maioritariamente analfabeto2. A sua história ainda está por fazer, no entanto elas podem-se caracterizar por se terem esforçado por promover a educação, instrução e assistência entre os habitantes dos bairros mais pobres, bem como um tipo de lazer «cultural». Actualmente mantém, mais ou menos intensamente, actividades de ensino e assistência (escola, banhos, cantinas), um espaço de convívio permanente (bar, sala de jogos, bailes, televisão) e actividades cíclicas festivas (Carnaval, Santos Populares, Natal).

  • 3 Hoje, Rua Infantaria 16.

8O G.I.L.C.O. foi fundado em 10 de Junho de 1910 na Rua da Piedade3 por um grupo de republicanos habitantes de Campo de Ourique, numa Lisboa em que se multiplicavam as uniões, centros escolares, sociedades de instrução e sociedades musicais, toda a espécie de associações livres que contribuíssem para a materialização do ideal de um povo esclarecido e instruído. Em termos organizacionais, o G.I.L.C.O. é uma estrutura formalizada, com estatutos, uma sede social (na Rua da Arrábida, 104,) diferentes categorias de sócios permanentes (efectivos, de mérito e honorários), uma direcção (constituída por um presidente, três vice-presidentes, seis secretários, dois tesoureiros e dois vogais), a assembleia geral e o conselho fiscal.

9Os cerca de mil e quinhentos associados que, actualmente, fazem parte do Grémio, constituem um dado quantitativo pouco revelador da sua realidade associativa. Uma grande parte destes vínculos encontram a sua razão de ser na actividade da escola, que ultimamente tem crescido desmesuradamente em relação ao ponto de partida, a ponto de se ter destacado espacialmente do, quase centenário, edifício do Grémio. Muitos sócios são-no apenas para poder matricular os seus filhos numa escola convenientemente situada na sua área de emprego. Quer isto dizer que não só residem geograficamente longe de Campo de Ourique, como pouco têm a ver com esta colectividade, para além da formal categoria de sócio. Deste modo, a base associativa que «dá vida» à sede do G.I.L.C.O. não pode ser procurada nos registos dos sócios mas sim no conhecimento «in locu» da sua vida quotidiana.

10Os frequentadores mais assíduos da sua sede possuem algumas características comuns: homens não jovens, alguns reformados, quase todos «nados e criados» em Lisboa no bairro onde ainda hoje vivem; habitam velhas casas modestas na parte mais antiga de Campo de Ourique (principalmente na freguesia de Santa Isabel), zona populosa de antiga tradição fabril, salpicada de vilas e pátios ao longo dos seus estreitos arruamentos; pertencem a grupos socio-profissionais de rendimento baixo — empregados de comércio, artífices, motoristas, operários, etc. — e possuem um grau de inter-conhecimento bastante forte. Retrato impressionista este que apenas pretende situar um pouco o leitor, e não limitar artificialmente um grupo de indivíduos que, como todos os grupos urbanos, é relativamente permeável e de limites pouco precisos.

a) Espaço físico

11As suas instalações estendem-se em profundidade em relação à rua. A fachada do prédio, que ocupa apenas uma porta e duas janelas, no rés-dochão, e várias janelas no primeiro andar, passa quase despercebida a um transeunte desatento.

12A organização interior do seu espaço assemelha-se a muitas outras associações congéneres. Em linhas gerais, pode-se dizer que se entra naquilo que se pode classificar de «imagem pública» da associação — área que vai desde a sala da direcção, à entrada, até um espaçoso hall onde estão expostas as taças e as medalhas, placas comemorativas, emblemas, bandeiras em vitrines bem iluminadas — e, que, progressivamente, à medida que nos vamos aproximando «dos fundos», vamos penetrando num domínio mais «privado» e, de certa forma, escondido dos olhares estranhos: as salas de jogo, fervilhantes de actividade. Dois espaços desigualmente povoados, mediados pela existência de um bar e algumas mesas dispersas. A actividade de jogo, que ocupa todo o fundo do edifício, ainda no rés-do-chão, estende-se por três salas: a sala da laranjinha (antes, um antigo barracão situado no quintal hoje incorporado no edifício), a sala dos bilhares e o enorme salão de festas, sempre cheio de jogadores de cartas.

13O piso de cima, ao qual se tem acesso por uma escada apertada que sai do recinto do bar, encontra-se ainda estruturado de acordo com as actividades escolares que, entretanto, já se deslocaram para outro edifício. Ainda se podem encontrar algumas salas de aula, a antiga sala da direcção junto da antiga secretaria, a sala de televisão e um enorme armazém atafulhado de mobília e objectos velhos (hoje já transformado numa vasta sala plurifuncional para bailes, espectáculos, assembleias gerais, actos solenes).

b) O recreio e o convívio

14De acordo com os estatutos, as actividades desenvolvem-se em torno de dois objectivos fundamentais: o ensino e o recreio. A actividade mais importante como base de suporte financeiro continua a ser a escola (infantil, primária e preparatória) instalada num edifício novo destacado da sede do Grémio. Quanto à sua finalidade recreativa, temos de distinguir o ideal de convívio cultural, tal como vem expresso nos estatutos, e a prática quotidiana de ocupação de tempo livre, tal como existe de facto. Promover e desenvolver «a prática das Artes, nomeadamente o Teatro, a Dança e a Música; manter a acção didáctica e cultural da biblioteca, ampliando-a sempre que possível», é o que vem expresso nos estatutos. Uma fervilhante actividade de jogo, de cartas, de laranjinha, de bilhar, a ocupação da sala da televisão, a conversa mais ou menos ruidosa, mais ou menos regada no espaço do bufete, é o que quotidianamente, se pode assistir dentro das paredes do n.o 104 da Rua da Arrábida. Se o desenvolvimento da dança, do teatro e da música, bem como a biblioteca, são actividades quase inexistentes, é, no entanto, claro que a organização de festas, bailes e outros motivos de convívio, tal como exprimem também os estatutos — «organizar festas, bailes, excursões e outros motivos de convívio, respeitando sempre as suas tradições» — constitui uma das bases da actividade do G.I.L.C.O., da qual o livro de Actas nos fala abundantemente.

3. O ciclo anual de festividades

15O Carnaval, a Festa da Primavera, a comemoração do aniversário (que se sobrepõe aos festejos dos Santos Populares), o Natal e a Passagem de Ano, são os momentos mais importantes do calendário anual festivo do G.I.L.C.O.

16No início de cada ano, o primeiro assunto a ser discutivo é a realização dos festejos de Carnaval que se aproxima: orçamentos dos grupos musicais que estão dispostos a abrilhantar as festas, qual o programa e os preços de entrada para os bailes. Em 1943 são os grupos privativos da Sociedade Filarmónica Operária Amorense que actuam, o Grupo Jazz «Os Livres e os Maravilhosos»; em 1950 o conjunto musical «O Tropical»; em 1958 é a vez do «Vera Cruz» e o «Alves Coelho (filho)»; em 1962 tenta-se ultrapassar a indecisão entre o «Lua Azul» e o «Brasília», ambos demasiado caros para a situação financeira da sociedade... «Em virtude das restrições provenientes pelo momento actual que o país atravessa...», prefere-se abrilhantar as festas com instalação sonora. As despesas são elevadas, contribuindo para isso os orçamentos dos grupos musicais e ainda as inúmeras licenças de diversas entidades: Governo Civil, Sociedade dos Direitos de Autor, Inspecção dos Espectáculos, Federação das Sociedades de Cultura e Recreio.

17Os bailes de Carnaval começam habitualmente na tarde de Domingo Magro, prosseguem no Sábado seguinte de noite, Domingo de tarde e de noite, Segunda de noite, Terça-Feira de Entrudo de tarde e de noite — altura em que se enterra o Carnaval e momento alto do ciclo... apesar de ainda faltar mais um baile: o da Pinhata, no Sábado ou Domingo seguinte.

18Mas o ponto alto do ciclo festivo anual do G.I.L.C.O. é, sem dúvida nenhuma, o seu aniversário de fundação. A Sessão Solene e restantes festejos são preparados com meses de antecedência, sendo por vezes destacados alguns directores ou mesmo formada uma comissão para a organização desta comemoração. São convidadas outras colectividades para se fazerem representar com os seus estandartes e bandeiras, bem como entidades oficiais, instituições, indivíduos com quem o Grémio mantém relações preferenciais. Bazar, lotarias, bailes, bodos, cinema infantil, torneios relâmpagos, visitas e excursões, é organizado um cuidadoso programa que envolve vários dias de festa seguida.

A.572 1.5.58
«Para comemoração do 48.° aniversário da nossa colectividade foi resolvido elaborar o seguinte programa: dia 1 de Junho — visita das nossas alunas a um asilo de ceguinhas e visita dos nossos alunos ao albergue dos Inválidos do Trabalho, distribuindo respectivamente bolos e tabaco. À noite, soirée dançante. Dia 2, 3 e 4 realização dum torneio relâmpago de laranjinha inter sócios. Dia 5 (feriado) visita dos alunos de ambos os sexos ao aquário Vasco da Gama e lanche na Tapada da Ajuda. Dias 6 e 7 — realização de um torneio relâmpago de bilhar inter sócios. Dia 8 — concerto pela Banda dos Alunos das Escolas Salesianas das Oficinas de São José. Dia 9 — soirée com a apresentação de uma peça teatral pelo grupo desportivo da Papelaria Fernandes. Dia 10 — alvorada — canto coral pelos alunos da nossa escola. Sessão solene — distribuição de emblemas de dedicação aos associados que completam 25 anos, distribuição de diplomas aos alunos que fizeram exames no último ano lectivo, distribuição de prémios dos torneios. Inauguração da exposição dos trabalhos escolares. Dia 15 — almoço de confraternização e fecho das festas de aniversário.»

19Esta celebração conclui o ano lectivo da escola e é o cumular de mais um ano de vida da colectividade, o momento de paroxismo da vida associtiva, tanto interna como em relação ao exterior, concentrando e recriando, num curto período de tempo, as redes de relação que ao longo do ano são lassas e ténues nos seus diferentes níveis — poder político, administrativo e local, relações de vizinhança e colaboração com outras associações. É também a altura da distribuição de medalhas aos sócios mais antigos e aos mais destacados, dos discursos a acentuar a continuidade entre o passado e o futuro.

20No final de cada Inverno é a altura da festa da Primavera:

A. 351 4.3.50
«O Sr. Presidente leu o regulamento da grande Festa da Primavera, concurso que se destina a eleger uma Rainha e quatro Princesas e a disputar entre meninas representantes entre as Colectividades de Educação e Recreio de Lisboa.»

A. 679 2.4.62
«Festa da Primavera: sucesso (...) elogios, brilhantismo, boa organização da comissão de festas (...) foram enviados agradecimentos aos artistas: Madalena Iglésias, Carmencita Lopes, os Dois Rapazes, fadistas Alfredo Duarte José e Alice Maria (...) às casas típicas que cederam os fadistas, ao sócio que os transportou e à esposa. Foi dada uma gratificação ao contínuo e ao paquete.»

21Esta festa, actualmente, não é tão regular no G.I.L.C.O., mas noutras colectividades continua a ser bastante popular e faz-se acompanhar, normalmente, de um concurso de «misse», sendo nalguns casos as «misses» travestidas.

22A Sessão Solene e restantes comemorações do aniversário, por altura do 10 de Junho, os festejos natalícios e de fim de ano, e o Carnaval são os momentos mais importantes do ciclo anual de festas. No entanto, os bailes que sempre acompanham estes momentos, também têm uma existência própria, embora não regular. O baile da Micarema é um deles, entre o Carnaval e a Páscoa; os bailes mensais ou quinzenais, nos meses de Inverno, são outro exemplo.

A. 5842 7.9.58
«Ficou resolvido dar início à época de inverno com a abertura de bailes mensais, realizando-se o primeiro no dia 12 de Outubro, ficando assentes os seguintes preços: sócios: 5$00/senhoras 4$00 e convidados 12$55.»

4. O quotidiano associativo entre a transgressão e a norma

a) A regulamentação do jogo e da bebida

23Os assuntos relacionados com as actividades de jogo, o funcionamento do bufete e o comportamento dos seus sócios e empregados, constituíram sempre os temas mais polémicos das reuniões da direcção.

A. 40 4.2.43
«Foi deliberado afixar avisos dando conhecimento aos sócios frequentadores da colectividade de que os jogos autorizados deverão terminar às 0 horas com uma tolerância de 30 minutos, a fim de ser dado cumprimento ao superiormente determinado.»

24Os sócios têm acesso aos jogos (de laranjinha, de bilhar, negus, dominó, damas, cartas) mediante a compra de um talão ao barateiro — o pagamento do barato do jogo. Este, anteriormente ajudado por um empregado do bufete que fornecia a bebida aos sócios, encarrega-se de supervisionar e controlar a actividade de jogo, já que alguns são proibidos (caso do poquer, do sintético, do bluff). Hoje, o consumo da bebida restringe-se à área do bar e é proibido levar bebidas para os recintos de jogo.

25Em Abril de 1943 a direcção discutia a forma como certos jogos podiam «trazer vantagens» para a colectividade:

A. 44 3.4.43
«Por iniciativa do Sr. Presidente da Assembleia Geral foi apresentado nesta direcção um projecto que tem por fim estabelecer normas entre os jogadores do “burro” com o fim de estabelecer um auxílio mensal que será destinado: uma parte para a admissão de um groom para maior comodidade dos citados jogadores, o qual servirá de intermediário entre os sócios que estiverem jogando e o bufete, uma parte para gratificar o contínuo e a outra parte ao auxílio escolar. A Direcção aprovou por unanimidade (...) manifestando grande satisfação por tão útil como simpática iniciativa resultar em benefício da sociedade (...) e o seu reconhecimento pelo altruísmo que esta iniciativa representa e ousa esperar que este exemplo de colaboração entre a Direcção e os sócios da qual só resulta vantagens para o desenvolvimento da nossa Sociedade, seja compreendido e seguido por todos.»

26Esta colaboração entre a direcção e os sócios é sempre difícil e cai repetidas vezes na incompreensão mútua provocada pelo frequente despoletar de conflitos no espaço do jogo, com uma maior frequência na laranjinha. Alguns destes conflitos são discutidos entre os directores nas suas reuniões semanais, e os sócios são chamados a justificar a sua conduta.

A.801 17.5.65
«A Direcção apreciou o incidente verificado no dia 13 pelas 23.45h em que o sócio n.°... agrediu (como ele próprio opinou na Direcção minutos depois) o associado n.°...; a quem aliás teria ofendido previamente com palavras e expressões obscenas, envolvendo-se ambos em desordem a que não faltaram cenas de pujilato e contusões em ambas as partes, isto no salão da laranjinha, com manifesta falta de respeito pelo prestígio da colectividade. Ouviram-se relatos e testemunhos do caso para se determinar com rigor a responsabilidade de cada um.»

27O castigo foi desde a admoestação, repreensão registada ou suspensões de um a seis meses, até à expulsão, nos casos mais extremos.

28Os empregados da colectividade, esses, são frequentemente despedidos por embriaguês, por falta de respeito aos superiores hierárquicos, por incorrecção ou negligência das funções que desempenham:

A. 558 20.30 3.1.58
«O contínuo deve manter-se das às zero horas junto ao bengaleiro a fim de controlar as entradas de indivíduos estranhos à colectividade, excepto quando tenha serviço exterior determinado por algum director, ou esteja a dar a folga a alguns empregados. Foram dadas instruções ao contínuo que não pode permitir a entrada a pessoas estranhas à colectividade, sem autorização do director de serviço, ou por quem o substitua.»

29Ao longo destes anos, a exploração do bufete sempre foi outro dos pontos fulcrais das discussões na direcção. Tentou-se várias vezes a sua adjudicação, pois a exploração por parte da direcção ou empregado auxiliar era extremamente deficiente. Abria-se concurso ou convidava-se um sócio para o explorar, mas todas estas tentativas acabavam por resultar no insucesso. Com os seus empregados também surgiam continuamente problemas por horários não cumpridos, por consumo exagerado de bebida, etc. Hoje, o bufete é explorado por um grupo de sócios, mediante o pagamento de uma renda. Idênticos problemas surgem com o barateiro que não controla devidamente as entradas dos não-sócios, que frequentemente não entrega os talões como é da sua obrigação, outras vezes não está presente e os sócios têm de arrombar a gaveta das cartas...

30«Havia toda a conveniência em arranjar cinzeiros para as mesas de jogo, cabides e mesinhas para as bebidas para não estragar o pano verde», está registado em Janeiro de 1947 no grande livro das Actas; «devia-se comprar mais vinho do Porto porque a colectividade consome em média quatro garrafas por semana não sendo suficiente até agora as garrafas existentes». Neste ano foi vendido um jogo de bilhar, em 1950 alugado um «negus» (ou laranjinha de salão) a um bar da Buraca, em 1965 oferecida uma mesa de ping-pong por um consócio. Mas a actividade lúdica centra-se, ainda hoje, na laranjinha e nas cartas. De tempos a tempos regulamenta-se os baratos dos jogos.

A.564 5.3.58
«Barato de jogos: por se ter verificado um aumento de despesas, foi resolvido alterar os preços dos baratos de jogos, da seguinte maneira: a sueca passa de 70 centavos para 1$00; crapeau passa de 80 centavos para 1$00; solo passa de 1$00 para 1|50; burro passa de 2$00 para 2$50; liques de 70 centavos para 1$00; dominó de 80 centavos para 1$00; king de 1$00 para 1$50; damas de 70 centavos para 1$00; laranjinha (meia hora) passa de 1$60 para 2$40 e uma hora de 3$60 para 4$80; bilhar mantém-se o preço de 4$00.»

31Cada ano novas redefinições do controlo do jogo: a licença anual a subir, a Federação de Sociedades de Cultura e Recreio a transmitir informação sobre os «jogos que por determinação do senhor Governador Civil estão proibidos». Em 1965 o presidente da direcção deslocava-se a esta Federação para ficar ao corrente da nova legislação sobre jogos.

32É difícil por vezes fazer a mediação entre as autoridades que controlam as associações populares e a sua base associativa, com as suas práticas quotidianas de lazer.

A. 717 27.5.63
«Ronda de polícia: tendo o piquete de serviço da polícia visitado a colectividade, encontrou diversos sócios jogando às cartas num jogo chamado buraco, o qual não figura na classificação dos autorizados, levantou o respectivo auto, acrescido da colectividade estar aberta fora de horas regulamentares. Os srs. directores R.P. e A.C., por estarem presentes na referida noite deram explicações sobre os esclarecimentos que tinham dado à polícia assim como da identidade dos jogadores. Ponderado e discutivo o assunto, resolveu a direcção usar de medidas enérgicas no sentido de fazer respeitar a lei no tocante ao acabamento dos jogos e encerramento da colectividade, assim como tornar-se solidária com a responsabilidade que venha a ser assacada aos jogadores.»

33Mais uma vez é o contínuo responsabilizado por este incidente, pois que «se encontrava em todos os sítios menos naquele que lhe competia em vez de impedir a entrada sorrateira da polícia e a sua permanência no salão dos jogos».

34Mesmo sem interferência de autoridades exteriores, existe um controlo rígido das condutas e atitudes dos sócios, por parte dos seus corpos gerentes. Devem-se comportar correctamente dentro das instalações do Grémio e abster-se de atitudes comprometedoras da boa convivência e da vida normal da colectividade num modelo de atitude que, muitas vezes não se concilia com a dinâmica do jogo e muito menos com a exaltação que a convivência masculina e o consumo de álcool provocam. Insultar, oferecer bofetadas, desentendimentos ruidosos são razões suficientes para choverem castigos que vão da repreensão à irradiação da colectividade. Até insinuações de certas atitudes menos correctas da Direcção são consideradas ofensas graves.

A. 748 19.3.64
«Sócio admoestado: este associado pusera em dúvida se entrariam ou não nos cofres da colectividade os donativos — se existissem — quando da cedência do terraço para festas a sócios da colectividade; e que as esposas dos directores não pagavam entradas nos bailes do Carnaval, etc. Não se lembrava de ter dito isso e pediu desculpa.»

35Em qualquer destes casos o estado de embriaguês serve como atenuante de maus comportamentos, da mesma forma que o arrependimento espontâneo.

A. 825 25.2.66
«Um sócio pede para reingressar, apesar de tersido expulso: atendendo à espontaneidade do pedido e a ter sido aluno vaise apresentar o caso na próxima Assembleia Geral.»

36O jogo rotineiro também tem os seus momentos altos. Campeonatos de laranjinha e de sueca, torneios de tiro aos pratos, promovidos pelo Grémio ou por outras associações que atempadamente o oficiam para que os seus sócios possam participar, estes encontros inter-sócios e inter-colectividades são momentos importantes de convívio que por vezes se prolongam em almoços de confraternização, bailes, etc.

b) Televisão, teatro, biblioteca e outras actividades culturais

37A eventualidade da aquisição de um aparelho de televisão suscitou várias discussões nestas reuniões. Em Outubro de 1960, pela primeira vez foi alvitrada a hipótese desta instalação. Em Fevereiro de 1962 ainda se discutia:

A. 674 5.2.62
«Considerados e debatidos os prós e os contras e as possíveis reacções dos sócios que quasi diariamente frequentam as nossas salas, foi resolvido suspender a sua aquisição e fazer previamente uma consulta aos frequentadores habituais da colectividade para colher alvitres sobre a aceitação por parte dos sócios e o local da sua instalação.»

38Só em Março de 1963 o primeiro secretário foi encarregue de «entabular regociações para a sua aquisição», efectuada um mês depois.

39De início, era possível reservar mesas para o seu visionamento, o que gerava problemas, já que alguns sócios marcavam a sua mesa e depois não apareciam, passando, por isso, a ser proibidas as marcações. No primeiro Inverno da sua instalação no terraço, falou-se na necessidade de um aquecimento para esse espaço e mais tarde afixaram-se avisos comunicando a obrigatoriedade no consumo por parte de quem se sentava às mesas durante as emissões. Em 1963 era referido que se partia muita loiça nas sessões de televisão e que os seus responsáveis passariam a pagá-la...

40Outras actividades são tentadas com menos sucesso. Pontualmente, fazemse sessões de cinema infantil durante alguma comemoração importante. Em 1961, uma proposta de teatro associativo fica-se pela sugestão. Seis anos mais tarde decidiu-se, finalmente, fundar um grupo cénico e após a sua estreia, a direcção registou em acta o facto, regozijando-se pela colectividade ter dado o seu «contributo a mais uma manifestação de cultura que é afinal a sua finalidade». Numa anterior representação teatral, efectuada pelo grupo cénico da Fimma-Lever, no palco emprestado do Grémio, mais precisamente no salão de jogos, e apesar dos avisos aí colocados, estalara um conflito com os jogadores cujo resultado fora a expulsão de um sócio.

A. 866 26.4.67
«Teatro incidente: durante o espectáculo oferecido pela Fimma-Lever realizado no passado sábado, dia 22, com agrado geral dos que assistiram, alguns sócios que pretendiam contrariar a deliberação unânime da Direcção insistiram em jogar nessa noite, quando só estavam autorizados a fazê-lo das 14 às 20.30 conforme aviso que se afixara. Como tal não fosse autorizado, alguns consócios permitiram-se criar discussões, propositadamente em voz alta, aliciando outros, o que redundou em prejuízo do espectáculo e que ia levando à suspensão do mesmo, tal o alarido e ambiente causados.»

41Perante a estagnação natural da biblioteca, considerada pilar fundamental da colectividade contra a realidade que a cerca, há por vezes uma tentativa, infrutífera, de a alargar e «lhe dar vida».

A. 379 22.2.51
«Biblioteca: foi nomeada uma comissão de sócios (...) como é do conhecimento de todos as funções de uma biblioteca dentro de uma sociedade como a nossa é verdadeiramente valiosa. Pelo que representa no sentido cultural e pelo que possamos fazer para o seu desenvolvimento, deve merecer o incondicional apoio de todos aqueles que dão valor à formação individual dos indivíduos.»

42Em 1953, a Câmara Municipal de Lisboa ofereceu uma biblioteca, o que provocou obras de limpeza no espaço consagrado a essa finalidade e que, habitualmente, servia para guardar o bilhar e outros objectos incómodos em dias de festa, razão pela qual a sua porta havia sido alargada. Em 1964 foi decidido abrir este espaço de cultura a todos os moradores do bairro de Campo de Ourique, sócios ou não: em 1968 foi chamado um sócio para dela se encarregar. Hoje, a biblioteca continua sendo uma linda estante de madeira antiga, encostada à parede numa salinha de passagem entre o salão de jogos e o bar.

c) Moral associativa vs. prática

43O G.I.L.C.O. é uma associação familiar e fechada, como exemplifica a seguinte discussão:

  • 4 Clube Atlético de Campo de Ourique.
  • 5 Sociedade de Instrução de Campo de Ourique, nome do G.I.L.C.O. nesta época.

A. 830 6.4.66
«J.C. da comissão de festas sugere um baile da primavera no salão do C.A.C.O.
4 para que a festa tivesse mais brilho; propõe convidarem Madalena Iglésias, António Calvário e Sérgio Borges, os três primeiro classificados no cine RTP (...). Depois de discutido resolve-se fazer esse baile na S.I.C.O.5 (...) Festas pequeninas mas airosas e dentro da nossa casa, mesmo que se ganhe menos (...). A realizar-se esta festa fora da porta da colectividade, a mesma perderia a sua originalidade e a característica familiar o que não era aconselhável pois nem sempre o factor financeiro se deve sobrepor à finalidade da S.I.C.O., disse o presidente.»

44Familiar, cerrada aos estranhos e extremamente preocupada em garantir valores tão importantes como o decoro e a decência. O incidente minuciosamente relatado na acta seguinte retrata uma imagem dos usos e costumes contraditórios reflectidos na sociabilidade de um baile popular:

A. 24 1.7.42
«No baile de 28 para 29 de Junho pelas 2 horas da manhã notou (o presidente) que um casal, cujos nomes revelará oportunamente, se for necessário, saía do salão de baile para o quintal dizendo: vamos embora que isto já não é dançar, já ninguém se entende, os encontrões são tantos que se não podem suportar e isto não é decente. Em face do que acabava de ouvir, o presidente entrou no salão e, com surpresa sua, verificou que um grupo de cavalheiros agarrados às damas pelas costas, segurando estas pelas ancas, dançavam meneando-se apenas, fazendo movimentos de flexão do tronco, fazendo passagem sob um arco formado pelos braços, o que provocava maior aproximação dos pares. Era a
conga ou suinque, dançada indecorosamente, o que aliás é expressamente proibido por Sua Excelência o Governador de Distrito. Esta dança por este processo, não tinha ainda sido exibida neste salão desde que a actual Direcção se encontra à frente dos Destinos desta Colectividade. Por isso a sua surpresa, já por se tratar de uma dança proibida pela autoridade, a quem devemos respeito e acatamento, já por a reputar incompatível pela boa moral que devemos defender (art.° l.° parágrafo 5.° dos estatutos). Não hesitou por isso em pôr-lhe cobro e imediatamente se dirigiu ao chefe do jazz a quem disse: acabe lá com essa música e toque outra, porque esta não é própria para esta casa, que tem essencialmente por fim instruir e educar. Aquele fez logo sinal com a cabeça de que ia satisfazer os desejos do presidente pelo que este se dirigiu ao bufete. Antes porém de aqui chegar notou que os acordes de música haviam terminado, todavia um som semelhante ao do Batuque Africano feria ainda mais os ouvidos dos assistentes, produzido pela acção do executante do jazz (bombo) e isso chamou a atenção do presidente que teve então ocasião de constatar que os músicos em plena sala de baile e misturados com os pares de dança, sócios e convidados e suas famílias, dançavam também de instrumentos ao ombro. Era uma perfeita anarquia, irreverente o procedimento dos músicos e pouco digna a atitude de alguns pares dançantes. Em face disto, o presidente dirigiu-se ao executante do jazz e convidou-o a parar, a fim de acabar com semelhante estado de coisas pouco dignificantes para a nossa sociedade, tanto que já se começava a dizer que aquilo era pior que a Apoio. O homem do bombo não cedeu logo mas o presidente agarrou na batuta e obrigou-o ao silêncio. Os pares pararam. Ninguém percebeu o que acabava de suceder porque a acção do presidente foi correcta, serena e sem dar nas vistas.»

45Também no serviço de banhos, o decoro fica em perigo pelo não cumprimento de horários:

A. 770 20.9.64
«Banhos: o sr. P.J. propôs, baseado em expressões de desagrado que tem presenciado por parte de sócios da colectividade, que a taxa pela utilização dos balneários seja menor para estes e superior para os não sócios, além de que deveria existir o direito de prioridade para os sócios. Ainda sobre os banhos disse que também o horário deveria ser modificado, pois tal como está anunciado o aviso diz “que os banhos terminam aos domingos às 13h”, o que tem sido mal interpretado pelos utentes que chegam a entrar nos últimos minutos o que prolonga o serviço até perto das 14h. Ora, abrindo a esta hora as portas da colectividade aos associados, torna-se impossível promover às necessárias limpezas, sucedendo com frequência que enquanto a empregada está a trabalhar, os sócios se utilizam das instalações sanitárias sem o cuidado que o decoro requer.»

46E para além do difícil controlo da «vergonha» que parece ser bastante relativa na sua bitola, também a «honra» devida a «sócios prestimosos» e «beneméritos da instrução» parece tratar-se de um assunto que preocupa uma minoria dentro da colectividade:

A. 385 11.4.51
«Todas as instituições têm as suas figuras gratas, galeria de honra enternecida de louros pelo muito que fizeram em prol da colectividade. Na nossa sociedade existe uma série de fotografias de sócios muito prestimosos e de beneméritos da instrução cuja acção merece o maior respeito. Dentro deste pensamento, resolveu a Direcção que estes retratos fossem colocados na biblioteca, lugar mais próprio, pois é o local mais visitado por todos que honram a nossa colectividade com a sua presença (...) depois de discutido este parágrafo ficou resolvido afixarse os retratos no hall e alguns no gabinete da Direcção.»

47O empolamento público de um acto cívico, o seu exagero publicitário, são, por si só, significativos do grau de explicitação que determinados valores têm de ter:

A. 711 11.3.63
«Aluna 102 da 2.
a classe: (no Carnaval uma menina deu um relógio que encontrou). O Conselho Escolar propôs fazer uma ordem de serviço e escrever uma carta ao encarregado de educação exaltando o bonito acto. O sr. Presidente disse que na sessão solene se deve relembrar o facto e dar um prémio. Relacionado com o facto foi pelo consócio H.C. oferecida uma fotografia formato 24 por 36 representando a referida aluna entregando o achado ao seu proprietário.»

48Existe uma relação claramente tensa entre os dirigentes da associação e a massa associativa, com as suas práticas pouco regradas, a avaliar pelo discurso das actas. Os exemplos do exercício desta função controladora sobre os comportamentos colectivos da colectividade, contrariando a falta de decoro ou empolando a honestidade de certos actos, deixa espaço para uma análise mais cuidada sobre o significado desta dinâmica entre valores apregoados e práticas existentes, aparentemente tão contraditória, mesmo apenas no espaço limitado de uma micro-unidade, afinal sintetizadora de certos aspectos da sociedade mais vasta.

5. Conclusões

49Como muitas outras associações semelhantes, o G.I.L.C.O. foi criado por um grupo de indivíduos empenhados no esforço de cultivar e educar um povo inculto e pobre, tanto a nível do ensino básico, como a nível da promoção de um lazer cultural — teatro, música, dança, leitura. Este objectivo, explicitado tanto nos estatutos como pelos «líderes» que se vão encarregando de guiar o seu destino, parecem ter sido, até hoje, a base da sua sobrevivência. No entanto, esta, como muitas outras colectividades, com as práticas de sociabilidade que lhe são características, parece viver um facto ambíguo nas próprias bases da sua existência.

50Na realidade, o que fica da leitura destas actas das reuniões da direcção, da lembrança desta fatia de vida associativa de certa de 30 anos e da observação feita ao longo de ano e meio, são as festas e os bailes, os campeonatos e os torneios, a animação do bufete e do salão de jogos, o intercâmbio com as colectividades vizinhas, a rotina do jogo e a permanência (ou passagem) pelo bufete. Como se a razão de ser explícita desta associação voluntária não coincidisse com a sua razão de ser implícita.

  • 6 Vida de bairro parcial já que apenas alguns sectores do bairro participam.

51Em primeiro lugar, ela é responsável pela organização e dinamização dos festejos anuais mais importantes a nível local. A reunião das crianças na festa de Natal, o «réveillon» familiar na última noite do ano, os intermináveis bailes de Carnaval, o concurso de «misses» no início da Primavera, as comemorações festivas do aniversário da sua fundação, todos estes momentos de reunião de sócios, familiares, amigos e vizinhos, são pontos de afluência e concentração de um número significativo de habitantes da sua zona de influência, são a criação de momentos de intensa sociabilidade (inter-sexista e inter-generacional) e de produção de uma vida colectiva de bairro6 episodicamente concentrada nestas festas.

52Em segundo lugar, ela constitui um espaço permanente de acolhimento a um convívio quotidiano, essencialmente masculino, associado à actividade de jogo e de bebida. O seu espaço associativo integra uma «zona» de socialização masculina, de tempo livre, bem como o desenvolvimento e reprodução de relações de amizade e inter-conhecimento entre habitantes de um mesmo bairro, actualizando assim uma vizinhança reproduzida no lazer entre indivíduos com mais alguma afinidade do que apenas o facto de habitarem próximo.

53Em terceiro lugar, esta colectividade fornece diferentes tipos de assistência e de serviços ao seu entorno urbano, já que as suas instalações não incluem apenas espaço de convivialidade. Escola, serviço de balneário, actos de beneficência, empréstimo de salas para certos rituais próprios do ciclo de vida familiar, como sejam baptizados, casamentos, aniversários, são alguns exemplos de usos que os sócios fazem do seu espaço.

54Finalmente, o G.I.L.C.O. e todas as suas congéneres, constituem-se como antênticos nós de redes de inter-relações, individuais e institucionais, criando fluxos de comunicação entre diferentes zonas da cidade. As sessões solenes, por altura dos aniversários são, anualmente, o motivo de maior confraternização entre as sociedades recreativas de Lisboa e arredores. Mas outros momentos de relação existem: convites para várias actividades e comemorações, correspondência de Boas Festas, agradecimentos e felicitações, votos de saudação, visita de bandas e fanfarras, trocas de bandeiras e outros símbolos identitários, empréstimos de objectos tais como cadeiras e mesas, candeeiros, salas, acordos vários, enfim, todo um ciclo interminável de trocas variadas constituem laços de solidariedade entre diferentes colectividades, estabelecendo a ligação entre o exterior e o interior de cada uma.

55Dois factos se podem destacar: por um lado, as vivências produzidas neste espaço associativo semi-familiar pressupõem, como actividades colectivas que são, um consenso de valores e regras partilhadas por todos os que nelas participam; por outro lado, qualquer destes aspectos dinamizados pela colectividade — celebração do calendário festivo, quotidiano lúdico masculino, prestação de serviços, relacionamento inter-bairros — contribuem, seguramente, para a construção de identidades locais, seja a nível de colectividade ou de zona da cidade (bairro ou parte de bairro), já que a maioria destas sociedades recreativas se identificam, nominalmente, como uma «região» urbana. E assim podemos visualizar estes «pontos de interacção» (Eames e Goode, 1977) como uma ligação entre a vida social localizada e uma certa mobilidade intra-cidade.

  • 7 Cooley, C. 1909.

56As várias dimensões existentes no G.I.L.C.O. — massa associativa/dirigentes, história associativa/história «grande», ideais/práticas, sócios dentro da associação/situação global de vida — tornam extremamente complexa a sua construção como unidade social de estudo. Numa primeira aproximação a esta complexidade, foram destacados dois níveis de relacionamento distinto: um mais «secundário», que está na base da sua formação e um «primário»7 baseado no conhecimento pessoal e que constitui a base convivencional da sua existência. No entanto, mais do que dois tipos de relacionamento social, o que sobressai são concepções e práticas distintas de indivíduos e/ou grupos sociais situados em diferentes posições na estrutura de classes e, por conseguinte, na hierarquia da colectividade. O movimento paternalista, oriundo de camadas pequeno-burguesas urbanas, que esteve na origem destas associações com a finalidade de promoverem uma recreação moral e cultural que substituísse os passatempos tradicionais das classes mais desfavorecidas, é um elemento importante para a compreensão da tensão permanente existente no espaço associativo.

  • 8 Roberts, K. 1981 (1970).

57A vida real do interior das sociedades recreativas, o convívio do jogo e da bebida, as festas e bailes familiares e vicinais, está em maior continuidade com outros espaços urbanos, do que com a «razão de ser» idealizada das associações, como se um «estilo de sociabilidade»8 se tivesse apropriado e invadido o espaço associativo como lugar alternativo ao desaparecimento de outros (tabernas, retiros, ruas, praças, mercados, etc.). Quanto maior o espaço existente para esta sociabilidade, mais vida tem a associação. Contudo, o ideal que promoveu a comunhão dos seus fundadores parece não ter nada a ver com a prática que promove a comunhão dos seus associados. O jogo e a festa parecem ser, assim, uma espécie de «rito positivo», segundo a terminologia durkheimiana, que leva um grupo de indivíduos a unirem-se em torno de algo que os aproxima e cria solidariedade.

58O G.I.L.C.O. é apenas uma das 5 ou 6 colectividades mais importantes em C. Ourique que, no seu conjunto contém cerca de 20 associações deste género. O crescimento acelerado de Lisboa e da sua área metropolitana tem sido acompanhado pelo nascimento de novas colectividades e reactivação de velhas. O olhar sobre a grande urbe e a sua vida social não pode deixar de reparar nestes pólos localizados de sociabilidade, exemplificativos de modos particulares de viver na cidade.

59Contrariamente à ideia de que a «impessoalidade, o isolamento e a alienação» (Simmel, 1902) caracterizam a sociedade urbana ou de que os contactos sociais na cidade são «superficiais e transitórios» (Wirth, 1938), o estudo do «modo de vida» de uma associação, aparentemente produzida por relações «secundárias», leva-nos a encarar a vida social como estando enraizada em formas pessoalizadas, permanentes, afectivas. Formas estas que interagem permanentemente com outras formas impessoais e alienadas de relação, que, no entanto, não só não são as mais importantes como, inclusivamente podem fornecer bases para uma maior afirmação do tipo de relacionamento pessoalizado.

60A razão não se opõe ao sentimento, como acreditavam os sociólogos do princípio do século, distinguindo as relações baseadas no contrato das relações baseadas no afecto como se a realidade social vivesse clivada entre as duas. A vida social processa-se num continuum gradativo entre estes dois extremos, de uma essência supostamente distinta — racional vs. emocional — , sendo impossível traçar uma linha de separação entre as duas.

Bibliographie

COOLEY, Ch., 1909 Social Organization. A Study of the Larger Mind, New York.

CORDEIRO, G., 1987 Laranjinha, lazer, solidariedade: um ensaio de antropologia urbana, Tese de Mestrado, Universidade Nova de Lisboa.

CRESPI, I., 1956 «The social significance of card playing as a leisure time activity» American Socioiogical Review, vol. 21, 6.

EAMES, E. e J. GOODE, 1977 Anthropology of the city, Englewood Cliffs, New Jersey: Prentice-Hall.

HANNERZ, U., 1983 (1980) Explorer la ville, Paris: Minuit.

HOGGART, R., 1973 (1957) As utilizações da cultura, Lisboa: Presença.

MARQUES, A. O., 1971 A 1.a República Portuguesa, Lisboa, Livros Horizonte

1981 Guia de História da 1.a República Portuguesa Lisboa: Estampa.

ROBERTS, K., 1981 (1970) Leisure, New York: Longman.

SILLS, D., 1968 «Voluntary Association II — Socioiogical Aspects» I.E.S.S. New York: The Mac Millan Comp. vol. 15, 16 e 17.

SILVA, J., 1983 «As bandas filarmónicas como expressão e veículo culturais» Expresso, 28.5.1983.

SIMMEL, G., 1979 (1902) «A metrópole e a vida mental» in O fenómeno urbano, Velho, O. (ed), Rio: Zahar.

VELHO, G., 1981 Individualismo e Cultura, Rio de Janeiro: Zahar.

VIEGAS, J., 1986 «Associativismo e dinâmica cultural» Sociologia, 1.

WIRTH, L., 1979 (1938) «O urbanismo como modo de vida» in O fenómeno urbano. Velho, O. (ed) Rio de Janeiro: Zahar.

DOCUMENTOS

Arquivos do G.I.L.C.O.

Notes

1 Cf. estudos produzidos na Universidade de Chicago na primeira metade do século.

2 Sobre a história da República portuguesa veja-se: Marques, A.O. (1975) A1.a República Por tuguesa, Lisboa: Livros Horizonte e (1981) Guia da História da1.a República Portuguesa, Lisboa: Estampa.

3 Hoje, Rua Infantaria 16.

4 Clube Atlético de Campo de Ourique.

5 Sociedade de Instrução de Campo de Ourique, nome do G.I.L.C.O. nesta época.

6 Vida de bairro parcial já que apenas alguns sectores do bairro participam.

7 Cooley, C. 1909.

8 Roberts, K. 1981 (1970).

Notes de fin

1 Este texto só foi possível graças à colaboração dos sócios do G.I.L.C.O. em geral e da sua Direcção em particular, por me ter facilitado o acesso ao seu material de arquivo. Fica, pois, aqui, o meu sincero agradecimento.

Auteur

Nascida em Lisboa em 1960, licenciou-se em Antropologia na Universidade Nova de Lisboa (1982) e terminou o seu mestrado na mesma em 1988 com a apresentação do trabalho de investigação intitulado «Laranjinha», Lazer, Solidariedade: Um Ensaio de Antropologia Urbana. Assistente no Departamento de Antropologia Social do I.S.C.T.E. desde 1984, e membro do Centro de Estudos de Antropologia Social, encontra-se neste momento a preparar o seu doutoramento sobre sociabilidades e associativismo popular em Lisboa.

© Etnográfica Press, 1991

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search