Version classiqueVersion mobile

Lugares de aqui

 | 
Joaquim Pais de Brito
, 
Brian Juan O'Neill

A «minha» casa em Paço: um estudo de caso

João de Pina Cabral

Texte intégral

1Quero iniciar este artigo com uma dedicatória a Max Gluckman, em particular por referência a uma obra sua que considero uma das mais ricas fontes de inspiração da etnografia contemporânea: «Análise de uma situação social na Zululândia moderna» (1987 [1958]: 227-344). Este texto foi pioneiro em muitos aspectos; permitam-me que saliente aqui apenas três, pela relevância que têm para o exercício que se segue: para começar, tratase de uma das primeiras e mais bem sucedidas utilizações do método de «estudo de caso» na literatura etnográfica; em segundo lugar, é um dos primeiros textos em que a posição e acção do etnógrafo é especificamente referida como parte integrante da situação social estudada; finalmente, é um dos primeiros textos em que Gluckman desenvolve a sua visão do conflito social como um factor tanto estrutural como estruturante.

2O «caso» que abordarei neste ensaio é o da minha própria residência em Paço — isto é, porque é que, durante o trabalho de campo em Ponte da Barca, eu residi naquela casa e não noutra. Considerando que eu não tinha poder económico, político ou burocrático para impôr a minha presença em Paço, o facto de ter encontrado um sítio para residir é já de si um acontecimento cuja elucidação — na medida em que eu seja capaz de o fazer — terá algum interesse socio-antropológico.

3O material etnográfico que aqui exporei foi escolhido principalmente por duas razões: a primeira, de ordem teórica — porque, com ele, pretendo validar um argumento mais geral sobre a natureza da apropriação social do espaço; a segunda, de ordem metodológica.

4No que se refere a esta última, o meu argumento é essencialmente que, quando o etnógrafo recorre ao método do estudo de caso, a sua própria relação com os eventos descritos não só pode ser útil para a compreensão destes, como deve mesmo ser sempre especificada porque, mesmo quando uma boa parte da informação veiculada é de natureza secundária, não resultando de observação presencial directa, a leitura crítica do material é facilitada pelo conhecimento do ponto de vista do etnógrafo e do lado negociai da aquisição de conhecimento (cf. Clifford 1988: 80-81). Aqui, o exemplo de Gluckman e da descrição que faz da inauguração da ponte e dos acontecimentos que a seguem é lapidar. Ele leva a sério a noção de observação participante ao incluir-se como agente social na descrição que faz de uma situação social.

5Mas não correremos nós o risco de transformar o texto etnográfico num exercício de auto-biografia? Esta objecção deve ser levada a sério, já que a capacidade de generalizar sobre material etnográfico pode mesmo ser posta em causa por esta tendência — longe de mim tal intenção. A resposta parece-me ser que, hoje, tornou-se um ponto assente que o etnógrafo tem à sua disposição uma variedade de registos de depoimento dentro dos quais pode apresentar o seu material. Não se trata de algo de novo — no sentido em que já Malinowski escrevera o seu diário (1967), Evans-Pritchard escrevera textos sobre as suas experiências de trabalho de campo (cf. Apêndice IV, 1976) e Laura Bohannan escrevera um romance (1964 [1954]). O que mudou foi o valor dado a esses textos; foi o desaparecimento da noção de que existe «um» estilo preferencial de depoimento etnográfico.

6Passemos, então, agora, às motivações teóricas para este texto. A argumentação que se segue assenta sobre a observação já tão vulgarizada de Marx de que a propriedade é uma relação entre pessoas e não entre pessoas e coisas. Por outras palavras, a propriedade é um facto social. Várias ilações se podem retirar desta observação; limitar-me-ei aqui a identificar três princípios associados: o princípio da verticalidade da apropriação do espaço e dos objectos; o princípio da horizontalidade dessa apropriação; e o princípio da temporalidade ou, melhor, da devolução da apropriação.

7Nem todos os níveis de identificação social são níveis privilegiados de apropriação do espaço e das coisas, apesar de raramente existirem níveis que não impliquem algum direito de apropriação, por vago que seja. Aos níveis de identificação que se caracterizam marcadamente por serem níveis de apropriação chamo níveis de coalescência social. Frequentemente, certos níveis de identificação estão associados a formas, já caducas, de coalescência, de tal modo que reflectem direitos que, apesar de reais e claramente definidos, são já secundários; funcionando primordialmente como níveis de interrelacionamento e não de apropriação. A estes chamo «identidades continuadas» (cf. Pina Cabral 1990).

8Antes de especificar os três princípios, porém, devo indicar que não estou a utilizar a noção de «propriedade» no sentido estritamente jurídico da palavra, que se refere a um título legal (isto é, validado pelo Estado). A propriedade, na significação mais geral a que dou preferência, continua a referir-se a uma «pertença legítima», mas a legitimidade é definida socialmente e não necessariamente por referência ao aparelho burocrático do Estado moderno. Assim, a distinção entre «posse» e «propriedade» sobre a qual o aparelho jurídico insiste fortemente, continua a ser relevante; perdendo, no entanto, algo da sua nitidez.

9Princípio da verticalidade ou das «identidades sobrepostas» — a apropriação social do espaço e dos objectos realiza-se concomitantemente a vários níveis de coalescência social e está, por conseguinte, sujeita a uma manipulação entre esses níveis, que também são níveis de identidade. Em última instância não existe propriedade individual, já que os direitos de controlo e utilização sobre o espaço e os objectos só em raríssimos casos se encontram limitados a um indivíduo particular.

10Consequentemente, a apropriação social do espaço e dos objectos é efectuada, não por indivíduos, mas por categorias de identidade socialmente reconhecidas. Portanto, como as categorias de identidade social se sobrepõem em esquemas de hierarquia ou de complementaridade, toda a propriedade é uma manipulação entre os vários níveis de apropriação. Na sua relação com o espaço e os objectos, uma pessoa está sempre a jogar com os vários níveis de identidade social em relação aos quais detém direitos sobre esse espaço ou esses objectos. Assim, a maneira como um agricultor utiliza um campo ou, no caso presente, uma casa, é a síntese de todo um jogo de considerações e interesses que se situam a níveis diferentes — em relação à sua unidade conjugal, em relação ao seu agrupamento familiar, em relação aos outros residentes da sua casa, em relação aos coherdeiros da sua casa paterna e da casa da sua mulher, em relação a parentes mais afastados, em relação a vizinhos de lugar, em relação à freguesia, em relação à Nação e, hoje em dia, até em relação à CEE.

11O método de estudo de caso é uma forma privilegiada de observar a potencial conflitualidade neste jogo de identificações. Como diz Gluckman, «Um homem utiliza-se da existência de diferentes grupos para escapar das dificuldades encontradas em um desses grupos. Ao fazer isso, pode até agir contra o que considere serem os interesses de um grupo importante, do qual é membro, sem perceber a contradição do seu comportamento.» (ibid.: 294). E, é claro, outros casos haverá em que esse homem, perfeitamente consciente da conflitualidade da sua situação, é forçado a escolher o mal menor, como nos ensina Turner (1957).

12Dentro de cada nível de coalescência social existe uma estrutura de poder. Por exemplo, no agrupamento familiar, o pai tem mais poder que os filhos; na freguesia, o Presidente da Junta tem poderes que escapam aos outros fregueses. Por conseguinte, a forma como uma pessoa age a um nível específico, reflecte a forma de participação que tem nos outros níveis.

13Princípio da'horizontalidade ou dos «direitos adquiridos» — sendo que a propriedade é um fenómeno social, ela é, portanto, dependente de uma validação social. Os direitos de propriedade são adquiridos sempre precariamente. Há que mostrar títulos de propriedade, há que impedir a sua re-apropriação; sobretudo porque o exercício efectivo público da posse tende a conferir direitos de propriedade. Este princípio é particularmente relevante em situações em que os bens em causa existem em quantidade limitada e estão, consequentemente, em disputa. A legislação portuguesa prevê pelo menos três situações em que esta necessidade de validação é bem explícita em relação a prédios rurais e urbanos. Assim, segundo o princípio do usucapião, se o proprietário legal não validar a sua apropriação durante um período legalmente explicitado, o «utilizador pacífico» (isto é, não contestado) adquire direitos de propriedade. Outra situação prevista é aquela em que, não havendo nenhum proprietário conhecido para o prédio, a sua propriedade reverte a favor do Estado depois da publicitação da necessidade de validação. A terceira situação é aquela em que, uma vez efectuado o arrendamento, o arrendatário adquire direitos de utilização e até de devolução desses direitos de utilização que não podem ser limitados ou controlados pelo senhorio. Este último, em particular, é muito relevante para a situação social que iremos apresentar de seguida.

14Convém ainda indicar que existe uma relação entre as implicações deste princípio e as do anterior. Assim, por exemplo, quando um agricultor quer vender um campo ou uma casa que herdou, o uso estabelecido é que ele dê um direito de opção aos seus ex-co-herdeiros, sendo ainda eles os primeiros informados da decisão de venda. Num caso específico em que um membro de uma das genealogias que serão mais adiante apresentadas infringiu parcialmente este costume, foi severamente criticado. Aliás, essa infracção foi concebida como um corte de laços, como a destruição de uma identificação social.

15Princípio da temporalidade ou dos «modelos de devolução» — a manipulação estratégica da propriedade (tanto vertical: entre níveis de apropriação que se complementam; como horizontal: entre entidades alternativas de apropriação) está sempre sujeita a uma temporalização — ela presume um modelo socialmente reconhecido de evolução em relação ao qual as pessoas se situam. Presume a existência de um modelo do que a apropriação será e do que foi. A sociedade não permite uma violação excessiva desse modelo. Em Paço, quando um velho deixa de ter condições físicas ou mentais para explorar a sua terra dentro de parâmetros que, apesar de latamente definidos, são, no entanto, bem explícitos, os vizinhos exercem uma forte pressão social para que ele efectue partilhas. O próprio aparelho legal reconhece situações (e, portanto, presume a existência de um modelo dessas situações) em que uma pessoa não se encontra em condições de reter a sua propriedade, sendo forçado a cedê-la a outrém.

16Consciente ou inconscientemente, em Portugal, o agricultor planeia o futuro da sua propriedade tendo em vista os seus netos e não os seus sobrinhos uterinos ou os administradores que o sigam segundo um princípio de meritocracia, etc. (as alternativas são, em princípio, infinitas). Esse homem ou mulher projecta no futuro os seus interesses recorrendo a um modelo que é parcialmente construído por si próprio individualmente, mas que integra o modelo partilhado por toda a sociedade.

17A minha intenção ao identificar aqui estes três grandes princípios é fornecer um esquema que nos permita retirar do domínio do óbvio a situação social que passarei a descrever, explicitando a complexidade do jogo de apropriação que rodeia a simples utilização por um estranho à sociedade rural de uma casa desabitada.

*

  • 1 Algumas das situações e personalidades aqui referidas, foram já anteriormente descritas por mim, cf (...)

18Quando, em Maio de 1978, vim para Portugal com a intenção de procurar uma área de trabalho de campo, já tinha uma noção de que a Ponte da Barca talvez fosse o local indicado. Visitei o concelho por duas vezes antes de me decidir. Finalmente, na tarde do dia 1 de Junho de 1978, cheguei à vila na carreira proveniente de Braga. Vinha munido de duas cartas de introdução, uma para o padre da vila e a outra para outro padre. Nessa mesma tarde, o padre da vila recebeu-me com uma gentileza pela qual lhe ficarei sempre grato. Tendo-me oferecido a sua própria casa, que eu rejeitei por não querer ficar preso desde o princípio a uma visão particular da vida concelhia, o padre arranjou-me um quarto numa pensão da vila1.

19No dia seguinte, fui visitar o outro padre, na freguesia onde acabei por me fixar e que chamo Paço. Apesar da distância, fui a pé, com o intuito de reconhecer melhor o terreno. Convenci-me logo de que essa freguesia seria ideal para os meus efeitos. Este padre é, no entanto, por temperamento, mais reservado que o outro. Só na semana seguinte, depois de ter conseguido conquistar a sua confiança, pude principiar o processo de tentativa de encontrar uma residência na freguesia.

20De várias conversas com colegas europeístas na Inglaterra, tinha-me convencido que seria relativamente fácil alugar um quarto em casa de alguém. Cedo, porém, se tornou evidente que ninguém em Paço estava disposto a ter um estranho em sua casa: o que, em si, já diz algo sobre a intensa privacidade do espaço doméstico no Alto Minho, que distingue esta região de outras de Portugal e do sul da Europa, onde a prática de alugar quartos está estabelecida. O padre explicou-me que só as pessoas mais indigentes me aceitariam em sua casa; ora ele não considerava que essas vivessem em condições suficientemente «decentes» para mim e não estava disposto a indicar-me essas pessoas.

21Tendo os donos do café aceitado que eu partilhasse das suas refeições, bastava agora encontrar um quarto. O problema não era a inexistência de espaço disponível — pelo contrário, a freguesia estava cheia de casas recentemente construídas, desocupadas pelos seus donos, emigrados na França, Alemanha ou Canadá. O problema era encontrar quem estivesse disposto a ceder uma casa. Para os emigrantes, o dinheiro que eu poderia pagar de aluguer não compensava os riscos que a minha presença traria — riscos cuja natureza inicialmente eu não compreendia.

22Com o passar do tempo, convenci-me que a relutância em alugar-me uma casa, ou um quarto numa casa temporariamente desabitada, tinha razões complexas que se prendiam com os três princípios de apropriação acima identificados.

23Ostensivamente, o problema central era o perigo de, uma vez estabelecido na casa, eu me recusar a abandoná-la. O medo de que eu me tornasse um inquilino permanente era ampliado pelos fantasmas que nesta zona conservadora tinham sido levantados pelo ainda recente período revolucionário. Em princípio, já que eu estava disposto a pagar renda sem exigir recibos, a questão não se levantava. Mas o problema central era mais abrangente. Pela minha simples presença, eu adquiriria direitos sobre a casa. (Vide o princípio dos direitos adquiridos)

  • 2 «Lugar» é o termo utilizado no Minho para descrever as unidades socio-geográficas inferiores à freg (...)

24Neste capítulo, aliás, as boas referências que eu tinha funcionavam contra mim, já que seria mais difícil libertar-se de um inquilino com quem os vizinhos se viessem a dar bem. Ora a casa rural, não pode ser compreendida como um simples edifício: um objecto sujeito a troca, venda ou arrendamento. A casa é também uma entidade social por meio da qual se adquirem direitos sobre águas, hortas, árvores, acessos, espaços públicos, assim como outros direitos mais vagos, nomeadamente os de «cidadania de lugar»2 — passo a expressão. As pessoas que emigram não querem abandonar todos esses direitos. É essa, aliás, uma das razões que os leva a construir casas onde, em muitos casos, nunca chegam a habitar permanentemente. (Vide o princípio das identidades sobrepostas)

25O modelo dominante na mente das pessoas era o do arrendamento de casas a caseiros. É praticamente impossível a um senhorio libertar-se de um caseiro que não queira sair, tanto por razões legais como por razões de moral comunitária. Os caseiros passam as casas e as terras de pais a filhos, numa sucessão que se aparenta muito com a devolução por herança. As minhas pretensões contrariavam este modelo. (Vide o princípio da devolução)

26Foi, portanto, com alguma surpresa que, nos primeiros dias de Setembro, recebi a notícia de que o padre tinha finalmente encontrado uma pessoa que se prestava a emprestar-me uma casa. A surpresa foi maior quando fui informado pelo indivíduo em causa, que até ali eu não conhecia, que ele me «emprestava» a casa, mas com a condição de que não aceitaria qualquer forma de pagamento. Segundo ele, aceitava emprestar-ma porque a casa estava vazia e o padre, com quem ele se dava muito bem, lhe tinha pedido que ma emprestasse: razão claramente insuficiente para o seu gesto. A descoberta das motivações para esta sua decisão interessou-me desde o início, tanto mais que ela implicava um benefício económico muito significativo para quem, como eu, vivia com um orçamento de estudante.

27O Soares (Diagrama A: 7; Diagrama B: 24) recusou-se sempre a discutir a questão de pagamentos pelo empréstimo da casa. Ao fim do primeiro ano, aceitou um presente que lhe dei. Mais tarde, quando começou a confiar mais em mim, e a instâncias do padre, acedeu a receber envelopes dentro dos quais eu punha dinheiro, sem que nunca tivessemos comentado o seu conteúdo.

28Aliás, conforme fui conhecendo melhor a situação, a própria existência daquele edifício veio a consistir para mim um enigma. A interpretação que dou em seguida é aquela a que consegui chegar; não é, no entanto, mais do que uma tentativa de dar verosimilhança a uma série de factos históricos já que, por mais que elucidemos os contextos dentro dos quais as pessoas e as entidades sociais fazem opções, nunca conseguiremos saber as suas reais motivações. Assim, por detrás da interpretação dada, existe a necessidade de verosimilhança, isto é, o pressuposto da racionalidade. O acto do Soares só pode ser compreendido tendo em conta uma teia complexa de «interesses» — mais uma vez no sentido mais geral da expressão — que integram um grupo limitado de entidades apropriadoras, um conjunto de níveis de apropriação e uma história da devolução dos bens em questão. Nomeadamente seremos forçados a insistir sobre os interesses intelectuais do Soares, os interesses políticos que ele representava e o jogo de interesses dentro de um grupo de parentes do qual fazia parte.

*

29Comecemos por descrever o edifício em questão, a sua posição dentro do contexto da casa agrícola liderada pelo Soares, e a sua utilização.

30Quando lá fui levado, descobri que a casa do Sobral estava situada idealmente para as minhas intenções. O lugar de Souto ficava a meia encosta, na estrada que forma o eixo da freguesia, permitindo-me assim acesso tanto à meia-de-baixo como à meia-de-cima (cf. Pina Cabral 1989). Em 1979, o lugar tinha 29 casas, das quais 6 estavam fechadas devido à emigração de todos os seus membros. Em 1982, o total já ascendia a 31 casas. Era, assim, um lugar de tamanho médio que, não deixando de ser representativo, me permitiria um conhecimento íntimo da maioria dos habitantes. Finalmente, a casa em questão situava-se centralmente em relação ao lugar, permitindo, no entanto, por estar ao lado da estrada, uma certa privacidade de movimentos.

31A casa estava inacabada. Ainda em 1985, quando lá fiquei pela última vez, as paredes exteriores não tinham sido pintadas, a grade de ferro da escada e da varanda só tinha a tinta anti-ferrugem, a instalação eléctrica não tinha sido finalizada e faltava ainda à casa de banho uma banheira. Para obter electricidade tive que arranjar uma «gambiarra» (como lá se diz) vinda da casa de uma vizinha, a quem, como sempre, tive enorme dificuldade em pagar pela electricidade que ia consumindo. Para ligar a água que enchia o depósito da casa tinha que passar pelas leiras do Cruzeiro de Baixo, pertencentes a uma prima do Soares, porque a água era também usada para os trabalhos agrícolas do Cruzeiro de Cima que ele possuía. Foram estas duas casas vizinhas e a do Presidente da Junta («o Codeceira», como ele era conhecido), que também vivia perto e cuja mulher também era parente do Soares, com quem primeiro me relacionei no lugar.

  • 3 Não pude estabelecer a data precisa da sua entrada em funções como Presidente da Junta, já que ele (...)

32A data precisa da construção da casa é impossível de saber. Aquilo era um agregado de retalhos que o Soares foi agrupando com o passar do tempo em torno a um nucleozito central composto por uns casebres e umas cortes de gado que ele herdara da mãe. Sem nunca ter conseguido saber quando lhe terá ocorrido a ideia de tornar aquilo numa casa moderna — por ele também não mo poder informar —, era evidente que o processo se iniciara mais ou menos quando ele tomou conta da Junta de Freguesia em colaboração com o Taveira, o marido da prima do Cruzeiro (MZDH, Diagrama B: 30). Como veremos adiante, foi-se tornando óbvio para mim que o interesse que o Soares tinha pela casa do Sobral estava ligado à sua carreira como Presidente da Junta nos dez a doze anos que antecederam o 25 de Abril3.

33A casa que encontrei em 1978 fora construída sobre as bases de umas «cortes» que ali existiam anteriormente. Segundo o Soares, a esquadria um pouco enviezada das paredes, reflectia ainda o alinhamento dos antigos alicerces de que ele se aproveitara. O espaço em torno à casa não era quadrilateral; pelo contrário, reflectia a forma globular de crescimento da propriedade. Alguns casebres tinham já sido comprados e deitados abaixo, outros tinham ainda as paredes em pé, um outro ficara intacto e, finalmente, havia ainda algumas cortes e um casebre de pedra solta que ele não conseguira comprar, habitado por um casal de irmãos solteiros.

34A razão pela qual ele deixara intacto um dos casebres que comprara, tem em si algum interesse, já que se prende com o princípio da horizontalidade (dos «direitos adquiridos»). Eu não era o único inquilino da casa do Sobral. Num pequeno quarto ao lado da «loja» que ficava no rés-do-chão, habitava uma mulher que, em 1978, tinha 62 anos de idade. Aquele casebre tinha sido onde ela tinha nascido e vivido toda a vida. Era solteira, como já tinha sido a sua mãe e era jornaleira sem terra.

35Nos anos setenta, o aluguer que ela pagava ao Soares já era meramente simbólico. Esta mulher tinha direitos adquiridos sobre aquele casebre e aquele espaço, dos quais não abdicava e que não lhe eram de forma alguma regateados pelos donos legais. As ocupações que ela e eles faziam do espaço eram compatíveis, complementares e ambas plenamente legitimadas segundo os usos e costumes locais.

36Quando a casa nova foi construída no Sobral, foi o próprio Soares que sugeriu que a mulherzinha deixasse o casebre e se passasse para aquele quarto, onde vivia quando eu lá cheguei. Mais tarde o casebre ruiu sem que ninguém sequer lá entrasse dentro. Por fim, quando voltei em 1982 depois de uma ausência mais prolongada, fui informado de que ela fora encontrada morta ali no quartinho, uma manhã. A partir de então, o quarto reverteu à sua finalidade original de armazém de produtos agrícolas.

37Como já vimos, a «casa» dos Soares possuía um outro edifício de habitação em Souto, o Cruzeiro de Cima. Este edifício, que era ainda do tipo antigo, de pedra solta, tinha sido renovado nos meados da década de quarenta, quando o Soares se casara. A ideia era que ele e a mulher fossem habitar para lá, quando o irmão mais novo se casasse. Como este ficou solteiro, no entanto, a casa nunca chegou a ser habitada.

38As operações agrícolas dos Soares em Souto funcionavam principalmente a partir desse edifício, onde eles tinham estábulos para gado e onde tinham uma adega e um espigueiro. A casa de Sobral pouco mais era do que um armazém, o que aumentava a minha curiosidade sobre a razão da sua existência. A questão que se me punha era: porque tinha o Soares gasto tanto dinheiro a construir uma casa no Sobral a partir de umas cortes, quando a casa do Cruzeiro de Cima poderia ser renovada com muito maior facilidade?

39Segundo o Soares, tinha sido sua intenção dar a casa ao primeiro dos oito filhos que se casasse; mas este, que estava emigrado e tinha dinheiro disponível, construira entretanto uma casa melhor num outro lugar da freguesia. Em 1985, uma das filhas mais novas, que se casara nesse ano, e emigrara com o marido, tinha intenção de utilizar a casa como a sua base na freguesia. No entanto, ela própria me disse que, logo que pudesse, construiria uma casa para si, a seu gosto.

40De qualquer forma, quando, nos finais da década de sessenta, o Soares começou a investir na construção da casa do Sobral, não podia ter tido a intenção de dar uma casa a cada um dos oito filhos. Portanto, as razões pelas quais se decidiu a renovar essa casa e não a do Cruzeiro de Cima, continuaram enigmáticas para mim, até eu conhecer melhor: 1) a relação entre estas terras e edifícios e os laços de parentesco que uniam os membros mais destacados do lugar de Souto; 2) a carreira política do Soares e a luta informal pelo poder na freguesia; e 3) que essa luta passava pela manutenção de direitos de «cidadania» no lugar de Souto e, em particular, pela pertença a um número limitado de casas ligadas por laços de parentesco. Em seguida, tentarei apresentar cada um destes aspectos por esta ordem.

*

41Pelo lado do pai, o Soares era oriundo da meia-de-cima. Foi ainda aí que foi buscar a sua mulher, a D. Emília, que pertencia a famílias que tinham já antigas alianças de casamento com parentes seus. Reza a tradição familiar que o seu bisavô paterno (Manuel, Diagrama A: 1) tinha sido criado de servir e era muito pobre. Foi, no entanto, acumulando algumas poupanças que utilizava para «contratar gado» (negócio de gado). Chegou mesmo, no fim da vida, a comprar umas leiritas. O seu filho único, António (A: 2), continuou o negócio, comprou mais terras e começou a «arrecadar libras» (fez umas poupanças). Por sua vez, este teve dois filhos, ambos chamados Manuel (A: 3 e 4), porque o mais velho morreu antes do segundo nascer.

42Foi Manuel Soares, o pai dos Soares que eu conheci (A: 6, 7 e 9 ou B: 23, 24 e 26), quem comprou as terras de Padim, onde hoje vivem. Estas terras foram compradas aos donos da Quinta do Sol (aristocratas absentistas) com as libras que ele, o pai e o avô tinham arrecadado no negócio das vacas. Os filhos dizem que ele pagou 1.500$00 pela propriedade.

43Como Souto, Padim fica a meia encosta, detendo assim uma posição na freguesia que permite aos seus residentes mediarem entre os habitantes da «meia-de-cima» (gente de montanha, mais rude e isolada dos costumes urbanos) e os da «meia-de-baixo» (gente da beira rio, vizinhos da estrada nacional e do comércio que sempre circulou nela). Ao mesmo tempo, o Manuel Soares (A: 4; B: 14) fez um bom casamento: a sua mulher (B: 13) era neta de um dos camponeses mais ricos da freguesia e habitava Souto.

Diagrama A: A Genealogia dos Soares

Diagrama A: A Genealogia dos Soares

44Os dois irmãos do Soares (A: 6 e 9 ou B: 23 e 26), por razões que, segundo os vizinhos, se prendem com percalços amorosos, não se casaram. Assim, quando a sua mãe morreu, nos anos 50, o Soares (A: 7; B: 24) encontrou-se dono da propriedade indivisa do seu pai, do seu avô e do seu bisavô, acrescentada, por um lado, pelos proveitos que estes homens tinham retirado do negócio de gado e, por outro lado, pelas heranças das suas mulheres — sempre criteriosamente escolhidas.

45É importante perceber-se que, para o negócio de gado, é necessário terse um capital móvel relativamente elevado. Quando comprou Padim, o pai do Soares deixou de poder usar as poupanças do seu pai e do seu avô para negociar com gado. O próprio Soares nunca se entregou a esse negócio: por um lado, porque o seu temperamento sério, cuidadoso e pouco atrevido não o inclinava para aí; por outro lado, porque nunca teve capital disponível suficiente, preferindo investir na compra de terras. Quando o conheci, ele era um dos maiores proprietários da freguesia e dedicava o pouco tempo que a agricultura lhe deixava livre às suas «escritas» e à louvação — tendo-se tornado um dos «louvados» (assessores de terras) mais famosos do concelho.

46Dois aspectos sobressaem na história desta casa, que são muito pouco comuns e que explicam a posição peculiar ocupada pelo Soares. Em primeiro lugar, o facto de, durante quatro gerações, ter havido uma herança indivisa. Em segundo lugar, o facto de se tratar de uma fortuna obtida totalmente a nível local, sem nenhum recurso à emigração. Este último facto, explica talvez o estilo pessoal do Senhor Soares, o seu apego aos valores da sociedade camponesa, o esforço que fez por desenvolver os seus consideráveis talentos intelectuais dentro desse contexto. A sua expertise na louvação, as peças de teatro e as poesias que escreveu, a contabilidade agrícola que manteve durante toda a sua vida como chefe da casa, os seus artigos no jornal concelhio, até a sua actividade como Presidente da Junta — são tudo aspectos desta atitude. Essa foi também uma das razões pelas quais, depois da Revolução, nunca mais conseguiu recuperar o poder político que tivera. Como é que ele, que se tinha sempre recusado a emigrar e que nunca tivera nenhuma actividade produtiva que não fosse estritamente agrícola, podia representar as novas gerações?

47Assim, encontramos finalmente uma das principais razões que levaram o Soares, em Setembro de 1978 a decidir-se a emprestar-me a casa de Sobral. A noção de que um universitário levava a sério a vida e a visão do mundo camponesa — chegando mesmo a querer viver na freguesia para a estudar detalhadamente — era para ele irresistível de um pqnto de vista intelectual e, de um ponto de vista de política de freguesia, vinha reforçar os valores que ele representava e que estavam a ser postos em causa pelos jovens que, liderados pelo marido da sua prima (MFBSDH, B: 20, «o Codeceira»), o tinham afastado do poder durante o 25 de Abril.

Diagrama B: A Genealogia dos Cerqueiros

Diagrama B: A Genealogia dos Cerqueiros

48Foi, no entanto, da parte da sua mãe que o Soares herdou os bocados de terra em torno aos quais a casa de Sobral cresceu, assim como a outra casa e as terras que tinha em Souto, sem as quais a sua posição na política de freguesia não seria compreensível.

49A primeira vez que me apercebi da importância dos laços entre estas casas foi quando passava com o Taveira (B: 30) por um pinhal, perto de Souto, e vimos o actual Presidente da Junta (B: 20, o Codeceira) a limpar o mato numa «bouça». O Taveira apontou para a colina coberta de pinhal e disse algo de semelhante ao seguinte: «Isto tudo era do Cerqueira antigo — o que vivia na Roda. Aqui este pedaço, daquele castanheiro até ao cimo, pertence-nos metade a nós (B: 29 e 30) e metade à minha cunhada (B: 27), para aquele lado é dos Soares (B: 23, 24 e 26), do lado de lá é da Linda do Ti’Tó do Vale (B: 11 e 12), sabe? Ao meu cunhado (B: 31, já falecido) não lhe coube nada aqui. Mas a parte principal é dos da Roda (o Codeceira e a mulher, B: 19 e 20), que o irmão dela praticamente vendeu-lhes tudo.» De repente tornava-se óbvio para mim, com toda a precisão gráfica oferecida por aquele pinhal, que um número considerável das casas influentes de Paço, e certamente as que dominavam toda esta região da meia encosta entre a meia-de-cima e a meia-de-baixo, eram aparentadas.

50Na altura debatia-me com a enorme dificuldade de compatibilizar a linguagem e prática locais com as terminologias de parentesco e residencialidade que herdara da tradição socio-antropológica — pelo que a natureza dos laços entre estes indivíduos, casas e famílias me era difícil de descrever. Hoje, penso que me será talvez mais fácil compreendê-los através da noção de «identidades continuadas»: laços resultantes de uma comum identificação tanto das pessoas, como das casas, com pessoas e casas de gerações anteriores que, apesar de já defuntas, continuam a exercer um poder aglutinador entre aqueles que a elas estavam associados. A propriedade é dividida no momento da morte das casas e/ou das pessoas segundo princípios de devolução estabelecidos legalmente e manipulados pelos usos e costumes, mas a memória da comunhão de direitos preexistentes sobrevive, sendo, então, expressa por formas específicas, elas também estabelecidas pelos usos e costumes.

51Assim, não se tratava propriamente já de uma «família» — pois os laços de parentesco começavam já a não ser muito fortes. Diziam uns dos outros que «ainda somos primos» e já não que «somos primos». Apesar disso, os descendentes da casa da Roda tinham herdado um capital simbólico que explica a posição importante que detêm nas estruturas de poder formal e informal de Paço.

  • 4 Cf. Pina Cabral 1989: 99-100.

52O Cerqueira da Roda (B: 1), segundo reza a tradição familiar, veio de fora e casou-se com uma mulher da freguesia de Couto, tendo comprado a quinta e as outras propriedades4. Foi regedor da freguesia (1903). Teve três filhos. O mais velho (B: 3) casou-se em casa e herdou a quinta do pai, assim como a maior parte da propriedade. Os outros dois receberam porções menores. O mais novo (B: 7), que era padre, levou a parte de cima das leiras do Cruzeiro; o do meio (B: 5), levou o Cruzeiro de baixo e nunca foi muito rico, porque o pai não tinha querido que se casasse. O sogro, que era rico, opôs-se igualmente ao casamento e deixou-lhe também pouco, como vingança por ele lhe ter raptado a filha durante a noite. Este homem (B: 5) morreu novo, quando ia levar ao irmão padre uma pipa de vinho que lhe era devida das propriedades do Cruzeiro de Cima, da qual ele era caseiro. Ao atravessar o rio em direcção à aldeia onde o irmão era padre, o carro de bois tombou por cima dele e afogou-se.

53Ainda assim, este homem teve três filhas e um filho. O filho (B: 17) não deixou memória em Paço, porque emigrou para a América e, quando voltou, casou-se com uma viúva numa freguesia distante; «por ser rica», foi-me explicado. A irmã mais velha casou-se com um pequeno proprietário num outro lugar. A segunda irmã casou-se com o pai do Senhor Soares (A: 3), cuja história já conhecemos. A terceira irmã (B: 15) casou-se com o Ribas, um homem de uma casa relativamente pobre que fora para a América e voltara rico. Por muitos anos o principal usurário de Paço, este homem vivia numa casa que comprara em Souto, a casa do Rossio.

54Todas as três irmãs casaram com homens de casas humildes em termos de prestígio local. Porém, nos dois últimos casos (o Soares e o Ribas), estes homens compensaram amplamente o prestígio familiar que elas traziam, com a fortuna que eles iam acumulando.

55Quando o tio padre morreu, a mãe delas (B: 6) herdou o Cruzeiro de Cima, da qual já eram caseiros. Por morte dessa mulher, em 1932, a quinta foi novamente dividida: os Soares ficaram com a parte de cima, que tinha pertencido ao padre e os Ribas com a parte de baixo, que tinha pertencido ao pai delas. Os outros dois levaram outras propriedades que têm pouca relevância para o argumento que aqui desenvolvo.

56A estratégia do ramo principal foi diferente. O filho que ficou na Roda (B: 3) chegou a ser Presidente da Junta (1923-6 e 1937-40) e casou-se com uma mulher «possuída» (isto é, rica) de uma freguesia do outro lado do rio. Tiveram dois filhos, um dos quais morreu em criança. O outro recebeu educação formal, chegando a ser professor e Presidente da Junta (1931-34) — nunca trabalhou a terra com as suas próprias mãos. Este, por sua vez, casou-se com uma mulher que prometia trazer um bom dote mas não trouxe (B: 9). Este facto, juntamente com a má gestão deste homem, explica porque, quando chegamos à quarta geração, os filhos das duas primas do Cruzeiro que tinham feito bons casamentos (os Soares e os Ribas), se encontram em competição directa com eles.

57O filho deste homem (B: 21) emigrou muito novo e, quando voltou, casou-se numa freguesia distante, cedendo à sua irmã muita da sua herança. Por conseguinte, nos princípios da década de cinquenta, quando a quarta geração dos Cerqueiras assume a gestão das propriedades, e para os efeitos da luta de poder que vamos descrever em seguida, a situação é a seguinte:

58Casa da Roda — a filha do Cerqueira (B: 19) casou-se com um homem de fora da freguesia, o Codeceira. Não são os mais ricos em terras ou em numerário, mas têm bastante prestígio, resultante em larga parte de terem herdado a casa do pai praticamente intacta. Este homem (B: 20) é Presidente da Junta desde o 25 de Abril.

59Casa de Padim — o Soares (B: 24) herdou intacta a casa paterna e fez um casamento que, em 1960, por partilhas dos sogros, lhe veio a aumentar consideravelmente a propriedade. Os seus dois irmãos solteiros não só não retiraram propriedades à casa, como foram uma fonte de mão-de-obra gratuita valiosíssima naquela década que presenciou o surto de emigração, e durante a qual os preços do «jornal» aumentaram vertiginosamente. Este foi Presidente da Junta antes da Revolução de 1974.

60Casa do Barral — a filha mais velha do Ribas, casou-se com o Alexandre (B: 27), um lavrador rico de um lugar da meia-de-baixo que nunca participou muito activamente em questões de política de freguesia. (Em 1984, um filho seu casou-se com uma filha dos da Roda — será, por ventura, um futuro Presidente da Junta).

61Casa do Cruzeiro — a segunda filha do Ribas ficou a viver no Cruzeiro de Baixo, tendo-se casado com um homem de fora da freguesia, o Taveira (B: 30). Se bem que estes não fossem muito ricos em terras, tinham bastante dinheiro vindo tanto da venda das propriedades que o Taveira herdara na sua freguesia natal como do Ribas que, através da usura, tinha aumentado consideravelmente o dinheiro que trouxera da América. O Taveira era um negociante de gado de certa importância ao nível das freguesias vizinhas. Este foi Secretário da Junta presidida pelo Soares — tinham uma colaboração baseada num acordo de interesses, nomeadamente em relação à consolidação das suas heranças, de que falaremos mais tarde.

62Casa do Rossio — finalmente, o filho do Ribas, que herdou a casa paterna, morreu novo sem deixar progenitura. A sua viúva voltou à freguesia de onde viera e deixou as terras nas mãos de caseiros até que, nos meados dos anos 80, e por vingança para com os cunhados, que não lhe queriam dar o preço que ela achava justo, vendeu as terras a um estranho à freguesia.

*

63Como vimos, desde os princípios do século que os Cerqueira tinham uma posição privilegiada em questões de política paroquial. Esta posição foi, no entanto, posta em causa no período de 1941 ao princípio dos anos 60 (ver nota pág. 132) em que a Junta foi dominada por António Pires — um emigrante retornado dos Estados Unidos que, nos anos trinta, comprou uma das três quintas aristocráticas da meia-de-baixo de Paço (na meia-de-cima nunca existiram tais casas). Nos primeiros anos da década de sessenta, este homem decidiu-se a abandonar a Presidência da Junta, já que o seu poder estava suficientemente consolidado e a Junta era trabalho pelo qual ele não recebia pagamento — foi esta a explicação que me deu, quando o conheci, pouco tempo antes da sua morte. Poder-se-ia ainda considerar importante o facto de não ter deixado filho varão e de não ter nenhum genro a viver com ele.

64Quando se soube da sua decisão, três candidatos naturais se apresentaram: o Soares (B: 20), o Taveira (B: 24) e o Codeceira (B: 30), isto é, os descendentes do Cerqueira antigo com residência em Souto. (Aqui, a inclusão do Soares é propositada — ele vivia em Padim, mas detinha em Souto uma casa, o Cruzeiro de Cima. Como veremos, a detenção da «cidadania de lugar» em Souto é um factor central em todo este processo.) O Codeceira seria normalmente o candidato principal, já que a casa da Roda era a casa-mãe dos Cerqueiras. Tinha, no entanto, uma desvantagem em relação ao Soares, por não ser natural de Paço, onde residia ainda há pouco tempo. Finalmente, porém, o factor que levou o velho Presidente da Junta a não ceder o lugar ao Codeceira, terá sido a aliança entre o Soares e o Taveira. Este último era o que estava em pior posição, por ser também natural de outra freguesia e por ser menos rico em terras que os outros dois. Ao aceitar ser Secretário do Soares ele viabilizou a sua candidatura, mas pôs uma condição — ora essa condição é do maior interesse para a presente discussão.

65Segundo ele próprio me contou, o pacto que fez com o Soares foi o seguinte: se o Soares conseguisse comprar o resto da Quinta do Sol aos descendentes da família aristocrática a quem o seu pai tinha comprado a quinta de Padim (que era só parte da quinta original), o Soares obrigar-se-ia a vender ao Taveira as terras do Cruzeiro de Cima. Desta forma, restituiriam ambos a amplidão «original» dos núcleos de propriedade em torno às suas respectivas casas, o que aumentaria consideravelmente o prestígio de ambos — situando as suas casas numa posição de igualdade com a casa-mãe, a casa da Roda. A palavra «original» foi aqui posta entre aspas, para sublinhar que não se trata tanto de uma lógica de natureza histórica, mas mais propriamente de uma valorização moral. A finalidade de ambos era a consolidação de um corpo unitário de propriedade, de uma «quinta».

66O golpe era astuto, do ponto de vista do Taveira, já que a dona da Quinta do Sol dera já sinais de interesse em vender as terras. Para o Soares, porém, a situação era potencialmente perigosa. Ele corria o risco de perder os seus direitos de cidadania no lugar de Souto, o que deixaria o Taveira menos dependente do seu apoio político.

67Podemos agora perceber porque é que o Soares começou a investir na casa do Sobral, onde eu acabei por ir viver. Por um lado, investir na casa do Cruzeiro de Cima seria um erro, porque o dia viria em que ele teria de vender a terra ao Taveira. Por outro lado, uma vez construída a casa do Sobral, seria também um erro transferir as actividades agrícolas e pecuárias para lá, porque daria a impressão aos vizinhos que ele abdicava dos direitos que tinha sobre o Cruzeiro de Cima. Até porque o Taveira, espalhara já a notícia por toda a freguesia, para se assegurar de que o Soares não faltaria à palavra.

68O imprevisível, no entanto, aconteceu. A Revolução veio alterar a situação. Por vários anos, tanto o Soares como o Taveira ficaram legalmente impedidos de voltar a ser membros da Junta. Os filhos do Codeceira mexeram-se, aderiram ao MES e conseguiram que o seu pai fosse eleito. Entretanto, este mudou-se para o PPD/PSD e fez uma aliança estável com a nova elite concelhia — incidentalmente, liderada também por um genro do velho Presidente da Câmara que controlara o concelho desde os tempos distantes do Estado Novo.

69As carreiras políticas do Soares e do Taveira foram cerceadas, particularmente porque as alterações que entretanto vinham ocorrendo significaram que a sua base de apoio se ia alterando. A segunda metade dos anos 70 e a primeira da década seguinte foram anos de grande alteração socioeconómica. Os emigrantes que começavam agora a voltar, já não partilhavam da visão do mundo de pessoas tais como o Soares e o Taveira, cujo universo conceptual era exclusivamente marcado pela visão do mundo camponesa. A vida económica alterara-se. A construção tornou-se muito importante, as pequenas indústrias começaram a proliferar, as formas de divertimento também foram afectadas pelos novos ares. Tal como os seus oponentes, o Codeceira também não tinha emigrado, mas estava por temperamento — e apoiado no seu filho, que era estudante universitário — em melhores condições para negociar com a nova geração.

70As profissões que tradicionalmente efectuavam o entrosamento da sociedade camponesa com a economia nacional, começaram a perder importância. A centralidade do papel dos «louvados» como o Soares, dos «contratadores de gado» como o Taveira, dos usurários como o Ribas, dos madeireiros e dos donos dos «comércios», cedeu lugar ao dos construtores, dos donos de tractores, de alambiques industriais, de lagares mecânicos, de serrações modernas, de cafés. A prova de que essa gente já não se sentia representada pelo Soares é que, quando ele voltou a participar (mas só como vogal) numa lista eleitoral liderada por um madeireiro da meia-de-cima, essa lista foi derrotada. Para além de tudo o mais, uma Junta PS, mesmo composta por pessoas como ele, que não podiam ser suspeitas do menor laivo de esquerdismo, teria sempre menor poder negociai ao nível concelhio — factor para o qual o eleitorado estava muito sensibilizado.

71Assim, podemos talvez compreender porque é que, a partir de 1974, o Soares abandonou a construção da casa do Sobral, deixando-a inacabada. O pacto entre ele e o Taveira perdera a sua utilidade: já não tencionava ter de abandonar o Cruzeiro de Cima e, portanto, não necessitava de acabar a casa do Sobral. Quando eu apareci, e para além das condicionantes e interesses que já foram anteriormente apontados, eu vim responder a uma necessidade do Soares, a saber: pelo que respeita ao princípio da verticalidade, manter a casa ocupada, para que os vizinhos não começassem a pressioná-lo para a vender ou a utilizá-la clandestinamente; pelo princípio da horizontalidade, encontrar um utilizador que não fosse mais tarde valer-se dos direitos entretanto adquiridos; pelo princípio da devolução, manter a propriedade sobre a casa, para não diminuir a importância futura do corpo de propriedade que ele constituira.

72Quando a Quinta do Sol foi posta à venda nos finais da década de setenta, o Soares já não a queria para si. Apercebia-se que, por referência ao modelo de devolução dominante, tinha chegado ao termino do ciclo de desenvolvimento da sua «casa». No fim da sua vida, um homem com oito filhos, já não sente a necessidade de criar um núcleo unificado e forte de terras — facto que só viria a tornar mais difícil a divisão próxima da sua propriedade. Ao mesmo tempo, havia o risco dos filhos do Taveira tentarem ainda fazer-se valer do velho acordo público entre os dois homens. Assim, quem comprou a Quinta do Sol foi o genro preferido do Soares, com dinheiro trazido do Canadá.

*

73Ao terminar este ensaio, gostava de fazer algumas considerações sobre a natureza do depoimento etnográfico que ele efectua. A complexidade do processo de interrelação de identidades e de apropriações aqui descritas, assim como a sua diacronicidade intrínseca, nunca poderiam ser explicitadas por um argumento que não apresentasse a forma de um estudo de caso.

74Por oposição aos métodos de depoimento típicos da antropologia social moderna, não se trata aqui de generalizar a partir de comportamentos ou afirmações particulares observadas; trata-se, pelo contrário, de procurar o nexo entre uma série de acontecimentos que foram apresentados ao etnógrafo como dispersos. Entre a pluralidade dos boatos, conselhos, afirmações, discussões e informações que presenciou, o etnógrafo escolhe os aspectos que lhe parecem correctos e abandona os que lhe parecem falsos (seguindo, quantas vezes, um processo mental do género: «Fulana diz que sicrana fez isto e aquilo: mas deve ser simplesmente má língua, que elas odeiam-se» ou «Fulano disse tal e tal coisa, mas ele não podia ter sabido, porque sicrano disse que ele não estava lá», etc.). Da mesma forma, entre a infinidade de informações secundárias possíveis, o etnógrafo só entrou em contacto com algumas e não com outras. Assim, na exposição de um estudo de caso, a autoria da etnografia torna-se um factor forçosamente mais explícito, expondo mais facilmente o autor a um questionamento da sua autoridade etnográfica.

75Contudo, se o aspecto ficcional é mais visível no método de estudo de caso do que em qualquer outro, ele está presente em toda a etnografia. Como afirma Clifford, «... de forma mais ou menos explícita, as etnografias são ficções tanto de uma outra realidade cultural como do seu próprio modo de produção» (1988: 81). Urge, por conseguinte, ter sempre presente a distinção entre «ficcionalidade» e «falsidade».

Bibliographie

BOHANNAN, LAURA (Eleonore Smith Bowen). 1964 [1954] Return to Laughter: An Anthropological Novel. New York: Anchor Books.

CLIFFORD, JAMES. 1988 The Predicament of Culture. Cambridge, Mass.: Harvard University Press.

EVANS-PRITCHARD, E.E. 1976 «Some Reminiscences and Reflections on Fieldwork» in Witchcraft, Oracles and Magic among the Azande. Abridged by Eva Gillies. Oxford: Oxford University Press.

GLUCKMAN, MAX. 1987 (1958) «Análise de uma situação social na Zululândia moderna» in Bella Feldman-Bianco (org.) A Antropologia das Sociedades Complexas, S. Paulo: Zahar.

MALINOWSKI, BRONISLAW. 1967 A Diary in the Strict Sense of the term. New York: Harcourt, Brace, and World.

PINA CABRAL, JOÃO DE. 1986 Sons of Adam, Daughters of Eve. Oxford: Clarendon Press. 1989 Filhos de Adão, Filhas de Eva. Lisboa: D. Quixote. 1990 Os Contextos da Antropologia. Lisboa: Difel, no prelo.

TURNER, VICTOR W. 1957 Schism and Continuity in an African Society. Manchester: Manchester University Press.

Notes

1 Algumas das situações e personalidades aqui referidas, foram já anteriormente descritas por mim, cf. Pina Cabral 1989. Todos os nomes utilizados são pseudónimos.

2 «Lugar» é o termo utilizado no Minho para descrever as unidades socio-geográficas inferiores à freguesia. O «lugar» é definido por referência à porção do território da freguesia que lhe está associada. No Alto Minho, o «lugar» tem em geral um núcleo habitacional que pode assemelharse a uma «aldeia»; no Baixo Minho, no entanto, a habitação é por vezes totalmente dispersa. Frequentemente, o «lugar» tem uma pequena capela ou um nicho das Almas do Purgatório e uma pequena praceta que funcionam como foco de identificação.
De qualquer forma, mesmo quando existe um núcleo habitacional, como na maioria dos lugares de Paço, as casas que se situam fora desse núcleo detêm os mesmos direitos de «cidadania de lugar» que as outras. Contudo, existem excepções: nomeadamente, no caso de vizinhos que vivem em zonas muito isoladas e que se recusam a participar na vida comunal do lugar — isto é, sistemas de entreajuda, colaboração e apoio funerário e festeiro, celebração da Páscoa, etc. Esses são considerados «bichos do mato», seres associais; são temidos e discriminados.

3 Não pude estabelecer a data precisa da sua entrada em funções como Presidente da Junta, já que ele não se lembrava do ano específico e o livro de actas da Junta de Freguesia que cobre o período 1942/1974 «desapareceu». Não me foi também possível estabelecer se este «desaparecimento» se deveu à situação conflitual que se criou no período do PREC entre a nova Junta e a velha, presidida pelo Soares, ou se se trata de uma tentativa por parte do novo Presidente de me impedir acesso a registos existentes nessas actas que poderiam eventualmente ser pouco prestigiantes para a sua pessoa.

4 Cf. Pina Cabral 1989: 99-100.

Table des illustrations

Titre Diagrama A: A Genealogia dos Soares
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1878/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Diagrama B: A Genealogia dos Cerqueiros
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1878/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 166k

Auteur

Nascido em V.N. Gaia em 1954, licenciou-se em antropologia social pela Universidade do Witwatersrand (Joanesburgo, África do Sul) onde também apresentou a sua tese de mestrado. O seu doutoramento (Universidade de Oxford, 1982) versou sobre a sociedade rural do Alto Minho. Entre as suas publicações destacam-se Filhos de Adão, Filhas de Eva, Os Contextos da Antropologia (no prelo) assim como numerosos artigos em revistas académicas internacionais. As suas áreas preferenciais de investigação e docência têm sido o estudo comparativo da família, em particular no Sul da Europa, e o estudo da relação entre o poder e os comportamentos simbólicos. Presentemente está a levar a cabo investigação sobre a família e a etnicidade entre os macaenses. É investigador auxiliar do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e professor associado convidado do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa. É Presidente da Associação Portuguesa de Antropologia.

© Etnográfica Press, 1991

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search