Desktop versionMobile version

Lugares de aqui

 | 
Joaquim Pais de Brito
, 
Brian Juan O'Neill

Montes e Aldeia no Nordeste Algarvio

Cristiana Lage David Bastos

Full text

Introdução: Terreno ou Não?

  • 1 Por «Nordeste Algarvio» entendemos aqui a secção interior do Algarve Oriental. A área correspondent (...)

1Ao abordar o Nordeste Algarvio1 a partir de mapas de Portugal, sejam eles de estradas, de explorações agrícolas ou de povoamento, tem-se a sensação de se tratar de um deserto, um ermo, um lugar onde nada se passa, um vazio sem interesse. O mesmo acontece se a abordagem for feita a partir de pesquisa bibliográfica: a literatura dedicada à região é escassa (Guerreiro 1951, Cavaco 1976, Correia 1984) e sublinha os temas de depressão, despovoamento, declínio, contrastando com o contíguo Baixo Algarve onde imperam o rápido desenvolvimento, crescimento, densidade de população.

  • 2 Devo ao arqueólogo Cláudio Torres as primeiras informações sobre a região e o impulso que, a partir (...)

2E todavia o espaço existe. Vazio ou não, está lá; talvez mesmo algo se passe. Na verdade, uma busca mais minuciosa às fontes revela que algo se passa mesmo. Arqueólogos e linguistas relatam as suas viagens de campo a esse mundo escassamente mapeado2, e fontes mais antigas revelam que a área foi visitada, conhecida e recenseada no passado. As memórias corográficas do século XIX dedicadas ao Algarve (Lopes 1841, Bonnet 1850) referem a região com detalhe e os dicionários geográficos gerais (Leal 1873-90) contêm diversas entradas relativas a lugares habitados e activos naquele espaço. O manuscrito renascentista de Frei João de São José agora editado (Guerreiro e Magalhães 1983) igualmente refere a vitalidade da área. As Viagens em Portugal, de Link (1801), contêm passagens na secção leste da Serra Algarvia; todavia, as suas referências são breves e escassas, desapaixonadas, contrastando com o vívido retrato que este botânico traçara para a mais ocidental Serra de Monchique.

3Contrapondo estas fontes de informação, pensa-se que a população da Serra terá variado ao longo do tempo, e que o relativamente povoado terreno descrito no século dezanove teria dado lugar ao despovoamento e vazio contemporâneo. A invisibilidade desta área nos documentos contemporâneos poderia ser explicada pelo seu despovoamento. A verificar-se esta afirmação, não valeria a pena pensar no Nordeste Algarvio enquanto terreno etnográfico.

4Todavia, há duas ordens de elementos que levam a questionar essa afirmação. A primeira é constituída pelos relatos esparsos daqueles que fisicamente visitaram o terreno e narram contactos com a população. A segunda vem da contextualização histórica e cultural do discurso dominante sobre o Nordeste Algarvio, que maioritariamente vem do muito habitado e em notável crescimento Baixo Algarve contemporâneo. A primeira convida à exploração empírica do terreno; a segunda sugere a relativização de toda a informação e teses sobre o mesmo.

5O presente artigo usa ambas as estratégias para qualificar o Nordeste Algarvio como terreno etnográfico. Contrastando a informação disponível com a observação empírica constituem-se provisoriamente paradoxos e contradições que sintetizam a diversidade de aproximações a esta região. No elucidar destas contradições se constrói o conhecimento deste terreno. Assim, o que se verá ao longo deste artigo não é a recolha do folclore de uma sociedade-em-vias-de-extinção, mas a integração de uma sociedade ideologicamente marginalizada no contexto mais vasto que gera a sua própria marginalização. Os problemas particulares deste terreno — nomeadamente os movimentos de população — serão vistos articuladamente, e como parte de, problemas mais gerais de alcance nacional e internacional.

  • 3 Esta primeira viagem ao local ocorreu em Dezembro de 1982 na companhia do arqueólogo Cláudio Torres (...)

6A pesquisa empírica começou pela observação directa do espaço. Tratava-se de verificar se a serra estava mesmo a tornar-se um deserto, se o mato estava mesmo omnipresente, se o terreno estava a seguir as etapas avançadas da erosão mediterrânica (floresta primitiva, campos cultivados, maquis e garrigue, deserto), se as terras estavam esgotadas, as casas abandonadas, as pessoas emigradas. A primeira viagem de prospecção3 abriu um mar de contradições, duplicando os contrastes vistos acima na literatura.

7Uma primeira travessia da Serra, pela estrada de Mértola a Vila Real de Santo António no sentido Norte-Sul, ou de Alcoutim a Martinlongo, no sentido Leste-Oeste, parece confirmar a tese da desertificação: quilómetro atrás de quilómetro, a paisagem consiste quase exclusivamente em cerros depredados ou cobertos das estevas que aqui sinalizam o processo de decadência dos terrenos mediterrânicos. Ninguém parece habitar esses ermos. Durante horas não passam carros na estrada. Não se ouve nada. Não se vêem campos cultivados. Aqui e além, há um sinal que indica um nome, seja uma Corte, uma Alcaria, um nome de gente. Imaginam-se povoados abandonados a combinar com o desolado da paisagem, com o carácter lúgubre das descrições de Link, com o catastrofismo das previsões dos agrónomos e geógrafos actuais.

8Todavia, se se segue uma dessas pistas que saem da estrada principal, abre-se perante nós um mundo inesperado. Não se vêem as vastas extensões degradadas e os lugares fantasmas que se tinha previsto. Pelo contrário, vêem-se parcelas cultivadas retalhando os cerros, e lugares vivos onde moram os que as cultivam. Vêem-se burros e mulas cruzando os caminhos, moinhos que funcionam, gente que semeia e colhe, faz eiras e debulha, amassa e coze o seu pão. Como grande parte desta actividade se processa através de técnicas não mecânicas, a visão destes campos parece ainda mais inesperada, como se ali sobrevivesse uma sociedade do passado, perdida nos espaços pouco apetecíveis das montanhas de xisto do nordeste algarvio. Como em tempos remotos, a ceifa é feita à mão, a debulha com os passos dos animais e o sopro do vento, a moagem com a força da corrente e a tecnologia da azenha, o pão com a paciência da dona da casa e o calor do forno de lenha, as mantas com o saber manejar os teares, e o processamento da lã e do linho parecem saídos dos livros etnográficos do passado.

9Dado este quadro, seria tentador fazer desta pesquisa uma adenda à etnografia portuguesa clássica, acrescentando-lhe um terreno menos conhecido, com os atractivos de contrastar com os mais conhecidos representantes do Sul português (Alentejo e Baixo Algarve). A tentação, e erro, é de pensar que o terreno empírico é suficiente para construir um objecto de conhecimento. Terrenos, hoje, não podem já ser pensados como ilhas separadas cuja identidade cultural distintiva pode ser descrita e adicionada a um conhecimento cumulativo. Na noção de terreno distinto deve estar incluída uma série de questões que integrem esse terreno no conjunto e façam com que a sua contribuição para o conhecimento geral não seja apenas cumulativa mas, sobretudo, elucidativa.

10Assim, vamos pensar nas particularidades do terreno do nordeste algarvio enquanto relacionadas com generalidades dos terrenos portugueses. O problema de que partimos — a questão de estar a despovoar-se ou não — vai ser usado como primeiro elemento para articular esses dois níveis. Depois deste problema serão analisadas as formas particulares de povoamento — os montes e aldeias — relacionando-as com questões gerais de organização do espaço e do papel administrativo da Igreja e do Estado. Em terceiro lugar mostrar-se-á como a unidade de residência é uma estrutura aberta, uma referência que faz parte de um todo que combina viver no monte com viver fora do monte. Finalmente, estender-se-á a problemática específica do nordeste algarvio à de outros terrenos portugueses e do país em geral.

O contraste despovoamento/povoamento

11A exploração empírica mostra que o terreno não pode ser descrito apenas num dos termos da oposição despovoado/povoado, mas, pelo contrário, é uma combinação complexa de aspectos de desertificação e vitalidade. Uma vez que ambos os aspectos são parte do nordeste algarvio contemporâneo, podemos perguntar-nos por que é que no discurso oficial das últimas décadas sobre a região tem dominado a tese da desertificação.

12Um dos factores que contribui para a legitimação da visão exclusivista da serra em decadência prende-se com o contexto em que foram produzidas as obras mais importantes sobre o assunto (Guerreiro 1951, Cavaco 1976, Correia 1984). Curiosamente, todas provêm do Baixo Algarve, e pensam a serra em contraste com este. Comparado com o impulso desenvolvimentista que o Baixo Algarve conheceu nas últimas décadas, o que se passou na serra parece o caminho para a extinção. Comparado ao enorme crescimento, visibilidade económica e populacional que recentemente caracterizam o litoral algarvio, o ainda que vago decrescimento na serra parece total abandono. Ao lado do Baixo Algarve, a Serra torna-se invisível. A este factor de contraste deve adicionar-se o elemento ideológico que consiste em, a partir do Baixo Algarve, pensar na Serra como um reservatório de gente que desce ao litoral para melhorar a vida e cuja racionalidade deve impôr que, existindo condições para isso, se troque a pobreza da serra pela vida no litoral. Uma vez que as novas indústrias do litoral — nomeadamente construção e turismo — aumentaram a procura de mão-de-obra, as condições para motivar a migração estavam reunidas. Acrescente-se-lhe a atracção de mão-de-obra para o estrangeiro a partir de 1960 e conclui-se, com esta abordagem, que a serra ficará rapidamente despovoada. Como se verá, a observação empírica mostra que existem elementos que desafiam este modelo.

  • 4 Também o discurso etnográfico, inicialmente alternativo e íntimo das subtilezas e imprevisibilidade (...)

13Outro dos factores que contribui para a invisibilidade da vida na serra é o uso dos indicadores macro-económicos para medir e avaliar a região. A pequena escala a que tudo se passa no nordeste algarvio escapa a esses indicadores e não parece representada. Para poder conhecer a natureza e dimensões da vida social e económica desta região há que tentar trabalhar um conhecimento de um outro tipo, através da investigação etnográfica. A investigação etnográfica, que permite dar visibilidade à vida no nordeste algarvio, usa múltiplas fontes: observação directa, contagens, entrevistas, reconstituição de famílias, desenho de mapas alternativos, pesquisa nos documentos locais, e integração de todos estes elementos. Qualitativamente diferente, o conhecimento etnográfico complementa os discursos oficiais existentes — dos economistas, dos agrónomos, dos planeadores, dos geógrafos4.

As formas de povoamento: os montes e as aldeias

  • 5 Os Róis de Confessados referem para cada ano toda a população da freguesia em idade de se confessar (...)

14As fontes usadas para conhecer as formas concretas de povoamento no nordeste algarvio variam entre os censos mais detalhados (I.N.E. 1911, 1940, 1960, 1970, 1981), que descrevem lugar a lugar o número de habitantes, os documentos paroquiais que descrevem os vários lugares existentes nos séculos passados, nomeadamente os Róis de Confessados5, os mapas detalhados de 1/25.000 do Instituto Geográfico e Cadastral, as fotografias aéreas do mesmo instituto, e a observação directa do território. Todas estas fontes revelam que a forma de povoamento é dominada por dois tipos: a aldeia, que centraliza a freguesia, e o monte.

15Este povoamento contrasta quer com o tipo disperso do Barrocal Algarvio, onde cada grupo doméstico está territorialmente separado dos vizinhos, quer com o tipo aglomerado do Alentejo, onde enormes aldeias e vilas são o centro de vida urbana e, no campo, os montes de herdade coordenam as actividades agrárias. Apenas em secções dos concelhos de Mértola e Almodôvar, que, sendo ainda administrativamente Alentejo, são ecologicamente parte da Serra Algarvia, se encontram os montes do tipo do Nordeste Algarvio, que se assemelham mais aos casais e lugares da Estremadura que aos montes de lavrador Alentejanos.

  • 6 O tamanho dos montes é variável e pode ter apenas um grupo doméstico ou várias dezenas deles. O mai (...)

16Toda a área do Nordeste Algarvio se caracteriza pelo povoamento em montes e aldeias. Administrativamente, esta área coincide com a totalidade do concelho de Alcoutim, que inclui as freguesias de Alcoutim, Pereiro, Giões, Martinlongo e Vaqueiros; a freguesia de Cachopo, do concelho de Tavira; a freguesia de Odeleite, do concelho de Castro Marim. À excepção de Alcoutim, que é vila e sede de concelho (antigo centro militar posicionado sobre o Guadiana e em frente a Espanha), as restantes freguesias correspondem a aldeias do mesmo nome e de tamanhos variáveis. Giões e Pereiro são muito pequenas, Martinlongo é maior e economicamente mais importante que a própria sede de concelho. Alguns dos montes da freguesia de Martinlongo, como Santa Justa e Pessegueiro, ultrapassam o tamanho de algumas das aldeias que encabeçam as freguesias6.

  • 7 Esta nova entidade administrativa coincide, no caso único do Algarve, com as anteriores divisões «D (...)

17A organização laica em torno de freguesias reproduz as unidades da organização paroquial promovida pela Igreja. Os documentos do passado e do presente estão organizados nestas unidades. Hoje, a aldeia é sede da Junta de Freguesia, onde se tomam decisões com relevância local e se articulam os interesses locais com os das unidades administrativas mais largas — Município, Região do Algarve7, Estado. No passado a aldeia era o centro a partir do qual o pároco coordenava o rebanho da sua paróquia. Através das listas elaboradas ano após ano para verificar se todos cumpriam as obrigações pascais — os «Róis de Confessados» — tem-se uma visão do grau de controlo exercido pelas autoridades eclesiásticas sobre a população; este controlo afrouxou com a instauração da República em 1910. Até essa data, porém, o uso de registos de controlo resultou num acervo de documentos precioso para reconstituir a vida nas aldeias e montes. Analisando os Róis de Confessados para cada ano é-nos possível conhecer não só a população da aldeia e de cada um dos montes nesse ano mas também reconstituir com grande detalhe a composição interna de cada grupo doméstico, incluindo as relações de parentesco, idades de cada um, ocupações, e mesmo movimentos de ausência e retorno. Nas notas marginais aos Róis de Confessados e nos comentários finais feitos em cada ano é ainda possível colher mais informação de relevância sociológica, como referências a migrações laborais no século XIX, às condições materiais da vida de então, e a elementos de resistência à autoridade da Igreja.

  • 8 A freguesia de Martinlongo, onde se levou a cabo esta pesquisa, tem a população contada em 1981 ass (...)
  • 9 Tradicionalmente os filhos saem de casa dos pais para formar um novo grupo doméstico de residência (...)
  • 10 A fragmentação da propriedade, visível também no Baixo Algarve, atingiu na Serra proporções exagera (...)

18Nos documentos paroquiais do passado vê-se que a organização espacial é idêntica à do presente: as pessoas dividem-se entre a aldeia e os montes8. Como são estes montes? Ajuntamentos de casas, espaços entre as casas — às vezes ruas, outras vezes apenas vazios —árvores, campos cultivados e campos de pousio, currais e malhadas, armazéns de alfaias, com gente, animais, utensílios, os montes são o lugar onde se desenrola o quotidiano local camponês. Nos montes se habita, se guarda o gado, se mantêm os grãos, se amassa e coze e come o pão, se têm as hortas, e se parte cada dia para os pedaços mais distantes onde se têm as searas — trigo para o pão, e ainda centeio, aveia, mistura de forragens, tremoço —, mais umas árvores, entre amendoeiras, alfarrobeiras, figueiras, azinheiras, mato para apanhar, e lugar para apascentar as ovelhas e cabras. As pessoas agrupamse e separam-se em grupos domésticos que, na sua maioria, se compõem exclusivamente da família nuclear de residência neolocal9. Nos montes verifica-se a combinação de uma tendência material para a pulverização da propriedade10 (Louro 1929) com uma tendência para recombinar os retalhos e ultrapassar as dificuldades da fragmentação através do uso dos laços familiares como instrumento de cooperação.

19Algumas diferenças na materialidade do quotidiano não são suficientes para pensar numa ruptura entre passado e presente; em muitos aspectos, a vida nos montes parece saída dos documentos paroquiais e das memórias que permitem reconstituir a vida nos séculos passados. Embora existam casas abandonadas ou fechadas por muito tempo, embora alguns cerros estejam mesmo cobertos de mato há já muito, e embora os censos indiquem forte declínio populacional, a Serra não está abandonada e os actuais montes provam a sua vitalidade. Se é verdade que alguns dos montes referidos nos documentos do século XIX já não existem hoje, também é verdade que outros que não existiam foram criados.

20Sendo que os montes, salvo poucas excepções, são unidades pequenas demais para conter o desenrolar e reproduzir da vida social, e sendo que as freguesias e concelhos são unidades administrativas impostas por poderes externos, é tentador procurar uma unidade de análise alternativa quer ao monte singular quer à freguesia. Intuitivamente, no terreno, pressentese que os montes se organizam em pequenos grupos que articulam actividades produtivas, de sociabilidade, de consumo. Os habitantes de cada monte têm um certo número de relações privilegiadas com alguns dos montes vizinhos; essas relações constam, no presente, de partilhar um posto de venda ou uma escola primária que serve a quatro ou cinco montes, de ter as parcelas de terreno entrelaçadas, ou de ter maior frequência de laços familiares com os membros desses montes. A possibilidade de estes agrupamentos de montes obedecerem a uma lógica funcional de proximidade levanta a hipótese de que, no passado, os montes podem ter-se agrupado da mesma maneira. Todavia, estes articulados não se recortam empiricamente da mesma forma que os aglomerados populacionais; tentativas de formalizar as «constelações de montes» através de indicadores como os casamentos de pares intermontes (Bastos 1987) mostram que não se pode pensar numa estrutura rígida e atemporal de articulação entre os montes mas que estes têm uma dinâmica de relacionamento que flexibiliza as estruturas de articulação.

A vida fora do monte

21A tese que prevê o abandono da Serra pelos seus habitantes baseia-se em duas ordens de evidência: por um lado, a região não tem capacidade ecológica para sustentar a reprodução da população, pelo que se segue que esta, tendo melhor escolha, partirá; por outro lado, os recenseamentos indicam um acentuado declínio populacional e o aspecto físico de alguns montes abandonados confirma a partida radical de muitos habitantes.

  • 11 Persiste até hoje, na memória dos mais velhos, a lembrança das grandes caminhadas a pé à Mina de Sã (...)
  • 12 Em 1949, Mariano Feio notava que «para equilibrar o seu orçamento, os montanheiros vão trabalhar pa (...)

22Todavia, as mesmas evidências podem servir de base a uma tese diferente; é o que se passa quando se lêem estes dados numa perspectiva histórica que dimensione os movimentos migratórios num período mais longo, e se interpretam à luz dos conhecimentos obtidos no trabalho de campo. Com efeito, numa perspectiva mais larga, vê-se que os habitantes dos montes de há muito que partem à procura de trabalho no exterior, para tornar viável a sua exploração doméstica. As referências aos ausentes que constam dos comentários finais dos Róis de Confessados da Paróquia de Martinlongo, na segunda metade do Século XIX, são elucidativas desses movimentos. Os serrenhos são referidos como trabalhando nas minas do Alentejo11, nas ceifas de Espanha e do Alentejo, na construção de estradas. Os habitantes de hoje traçam a continuidade destas deslocações do passado com as do presente. Há um século ia-se para as minas ou a ceifa no latifúndio, há umas décadas ia-se para a construção de estradas e de barragens, mais tarde para as hortas do Baixo Algarve, e há pouco ia-se para a Alemanha, França, margem sul de Lisboa, ou para a construção e indústrias de turismo do Algarve Litoral12.

23Ontem, como hoje, a partida não significava necessariamente o abandono do monte, por muito pobre e difícil que fosse a vida nestes; a partida era, e é, um meio de assegurar essa difícil sobrevivência. Aqueles que partiram e voltaram narram como geriam o tempo, as tarefas agrícolas e as reciprocidades para poder dar continuidade à sua exploração familiar: os homens tentavam que os trabalhos masculinos (lavra, alqueive) fossem feitos antes ou depois da sua partida, deixando às mulheres as restantes actividades; não ficando nenhum homem da casa para trabalhar nesses momentos, algum parente ou vizinho unido por laços de reciprocidade deveria tomar a seu cargo essas tarefas.

24Os que começaram as suas vidas de migrantes a trabalhar no Alentejo e em Espanha e mais tarde se viram a trabalhar industrial ou ruralmente em França e na Alemanha não vêem uma radical mudança de significado entre estes dois tipos de migração. Para eles, viver fora do monte foi uma táctica que lhes permitiu poder continuar a viver no monte. No passado, os trabalhos sazonais no exterior não implicavam mudança de residência. O nome, como a vontade, os laços de parentesco, de emoção e de ligação à terra, continuavam no monte, enquanto a pessoa se encontrava fisicamente a trabalhar noutro lugar, Alentejo ou Espanha. Hoje, o tipo de migração e respectiva legislação levam à mudança de residência, França ou Alemanha; e no entanto os laços com o monte continuam, nos contactos que mantêm com os que lá ficam, na propriedade que herdam ou desejam comprar, na casa que podem restaurar ou reconstruir.

25À luz deste conhecimento, a leitura das estatísticas sobre o declínio da população pode ser qualitativamente enriquecida. A variável a tomar em consideração é a diferença entre a população residente contada no censo e a população presente a essa mesma contagem. Nos anos recentes, ao mesmo tempo que há declínio populacional, existe uma menor diferença entre os residentes e os presentes que a que se dá no século passado, quando as migrações não implicavam mudança de residência. Assim a freguesia de Martinlongo, em 1950 — ano de maior população — registava 2875 residentes e 2681 presentes (6,7% de ausentes); em 1960 descia para 2441, em 1970 para 2010, com 1979 presentes (o que significa 1,5% de ausentes), e em 1981 para 1622 residentes com 1593 presentes (1,8% de ausentes). Em contrapartida, o censo de 1864 conta 2225 residentes e apenas 1821 presentes, o que significa uma taxa de ausência de 18,2%; em 1878 o número de residentes era de 2278 e o de presentes de 2002, com taxa de ausência de 12,1%. Estas duas centenas de habitantes ausentes ao tempo do recenseamento eram certamente os que, fora do monte, asseguravam com a venda da sua força de trabalho a continuidade da vida dos seus grupos domésticos nos montes. No ano de 1890 a taxa de ausência é relativamente menor (8,4%), porque a contagem da população sobe para 2405 residentes e 2203 presentes. Em 1990 essa taxa é de 13,7% (2542 residentes e 2139 presentes) e em 1911 é de 12,4% (2572 residentes e 2252 presentes). A partir dessa data a taxa de ausentes diminui, sendo de 6,3% em 1920 (2143 residentes, 2007 presentes), nula em 1930 (2410 residentes e 2411 presentes), e quase nula em 1940 (2677 residentes e 2667 presentes).

26Com as observações de terreno e a análise qualitativa das estatísticas podemos relativizar os testemunhos sobre o abandono e eminente desertificação da serra. A contradição de que partimos, entre testemunhos de abandono e de vitalidade, resume-se numa síntese entre essas duas formas; a serra combina aspectos de abandono com aspectos de continuidade, complementarmente, sustentando-se mutuamente. O «abandono», por parte de uns, é a viabilização da continuidade do monte. E, como vimos, esse abandono não é total, mas traduz-se na continuação de laços com o monte através de visitas, trabalho, dinheiro. Com o dinheiro de temporadas no estrangeiro, os emigrantes podem melhorar as casas, comprar mais terreno, unificar parcelas retalhadas; oficialmente residentes fora do monte, eles são uma força económica chave para a vitalidade do monte. Com o tempo de férias dos seus empregos na área de Lisboa ou no Baixo Algarve, os serrenhos que para aí migraram voltam ao monte para ajudar os pais e avós nas tarefas que requerem trabalho extra. Aqueles que vivem das estações de turismo no litoral algarvio passam os Invernos de desemprego na serra. Finalmente, aqueles que vivem da construção e hortas no Baixo Algarve vêm frequentemente partilhar o tempo dos fins-de-semana com os familiares no monte — pais, avós, e por vezes esposa e filhos.

Conclusão: o Nordeste Algarvio e outros terrenos portugueses

27Para compreender o estado de abandono ou vitalidade do nordeste algarvio tentámos perspectivar a natureza dos movimentos humanos em que se envolveram os habitantes daquela região nos séculos XIX e XX. Embora existam diferenças inegáveis e estruturais entre estes dois períodos de migração (a antiga caracterizada por movimentos de curto prazo e num raio espacial relativamente pequeno, e a recente caracterizada por migrações mais longas e de mais longo alcance), focámos os aspectos comuns entre ambos para concluir que o nordeste algarvio tem sempre vivido de combinar a exportação de alguns dos seus habitantes com a manutenção de alguns outros. O sistema assim criado combina ausências e presenças de forma peculiar; os ausentes são muitas vezes os responsáveis pela continuidade da exploração doméstica.

  • 13 Ainda no Século XX houve uma notável trasladação de nordestinos algarvios para a região alentejana (...)

28Nesses movimentos de população entram em jogo outros terrenos portugueses e estrangeiros, aqui no papel de receptores de mão-de-obra. Podemos analisar, através da canalização da mão-de-obra do nordeste algarvio, questões estruturais de cada uma dessas regiões receptoras, cada uma delas também um problema. Em suma, vimos que no século passado o nordeste algarvio se articulava estreitamente com o Alentejo; aqui se abriam minas e se exploravam grandes latifúndios, com necessidades de mão-de-obra extra em épocas de ponta. O nordeste algarvio, agora esquecido e ignorado, era já então uma espécie de retaguarda onde se podia ir sempre buscar mão-de-obra não especializada e não cara, a terra não sendo suficientemente aliciante para constituir latifúndios sólidos e podendo ser usada para reprodução dessa mão-de-obra. No século XX13, com a gradual mecanização das explorações agrárias, essas necessidades de mão-de-obra desaparecem e outras surgem. A transformação do litoral algarvio num imenso palco de turismo, implicando a existência de certas indústrias associadas como a hotelaria e a construção civil, tornou-o uma região atractora de mão-de-obra que ali vive sazonalmente e à sombra do turismo. Paralelamente, a região de Lisboa teve um súbito impulso de desenvolvimento industrial que atraiu muitos habitantes dos campos fazendo crescer enormes bairros periféricos e complexificando o aglomerado metropolitano. Finalmente, as regiões estrangeiras que atraíram migrantes portugueses para trabalhos industriais viram nascer bairros e comunidades lusófonas, bolsos de cultura portuguesa no estrangeiro, alguns deles incluindo nordestino algarvios.

29Os problemas do nordeste algarvio enquanto terreno não se circunscrevem, pois, ao espaço que o define geograficamente. Seguindo os movimentos migratórios, abre-se-nos uma rede complexa de interacções que envolvem o nordeste algarvio, os seus problemas, e os problemas daquilo que se pensaria isolar como outros terrenos distintos. Assim, conclui-se, a compreensão dos movimentos de população no nordeste algarvio trata menos de definir a tendência de um período de acordo com o estado ecológico do momento, que de articular os problemas que ligam as diversas regiões e perceber como aspectos visíveis nalgumas delas elucidam questões de outros lugares, e, na sua síntese, de todo o terreno português.

Bibliography

BASTOS, CRISTIANA, 1987 Os Montes do Nordeste Algarvio. Tese de Mestrado. Universidade Nova de Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.

BASTOS, CRISTIANA, 1988 «The Northeastern Algarve and the Southern Iberia Family Pattern». Journal of Family History 13(1): 111-122.

BONNET, CHARLES, 1850 «Memoire sur le Royaume de l’Algarve», História e Memórias da Academia Real das Sciencias de Lisboa, 2.a série, T.II, Parte II, 1-176. Lisboa: Academia Real das Sciencias.

CAVACO, CARMINDA, 1976 O Algarve Orientai. As Vilas, o Campo e o Mar. Faro: Gabinete de Planeamento da Região do Algarve.

CORREIA, J. MACÁRIO, 1984 Analyse des Constraints et Possibilités de Développement Rural et Agro-Alimentaire de la Serra Nord-Est de l'Algarve (Portugal). Institut Agronomique Mediterranean de Montpellier: Centre International de Hautes Études Mediterranéenes.

FEIO, MARIANO, 1983 Le Bas Alentejo et lAlgarve. Évora: Centro de Ecologia Aplicada da Universidade de Évora/Instituto Nacional de Investigação Científica (Orig: 1949).

GUERREIRO, MANUEL GOMES, 1951 Valorização da Serra Algarvia. Lisboa: Direcção Geral dos Serviços Florestais e Agrícolas.

GUERREIRO, MANUEL VIEGAS, e JOAQUIM ROMERO DE MAGALHÃES, 1983 Duas Descrições do Algarve do Século XVI. Apresentação, Leitura, Notas e Glossário. Lisboa: Sá da Costa.

I.N.E. (INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA), Recenseamentos Gerais da População para 1864, 1878, 1890, 1900, 1911, 1920, 1930, 1940, 1950, 1960, 1970, 1981.

LEAL, AUGUSTO SOARES BARBOSA DE PINHO, 1873-90 Portugal Antigo e Moderno. Dicionário Geográfico, Corográfico, Heráldico, Arqueológico, Histórico, Biográfico e Etimológico de todas as Cidades, Vilas e Freguesias de Portugal e grande número de Aldeias. Lisboa: Mattos Moreira.

LINK, HEINRICH FRIEDRICH, 1801Traveis in Portugal, and Through France and Spain.

LOPES, J. BAPTISTA DA SILVA, 1841 «Corografia» ou Memória Económica, Estatística e Topográfica do Reino do Algarve. Lisboa.

LOURO, MANUEL MARIA ESTANCO, 1929 O Livro de Alportel. Monografia de uma freguesia rural concelho. Lisboa: Ministério da Agricultura.

OLIVEIRA, ANTÓNIO F. LEAL DE, e MARIA DE LURDES VASCONCELOS, 1984 Caracterização Agroecológica e Ordenamento Agrário do Nordeste Algarvio Subsídios. Faro: Direcção Regional de Agricultura do Algarve.

RÓIS DE CONFESSADOS DA FREGUESIA DE MARTINLONGO, Para os anos: 1793, 1795, 1797, 1800, 1803, 1805, 1806, 1807, 1809, 1814, 1816, 1817, 1831, 1837, 1838, 1839, 1840, 1841, 1842, 1843, 1845, 1847, 1850, 1854, 1856, 1857, 1858, 1860, 1861, 1862, 1863, 1865, 1866, 1867, 1868, 1869, 1870, 1871, 1872, 1874, 1877, 1878, 1881, 1885, 1886, 1887, 1888, 1892, 1893, 1894, 1895, 1896, 1900, 1907.

Notes

1 Por «Nordeste Algarvio» entendemos aqui a secção interior do Algarve Oriental. A área correspondente a um rectângulo aproximado que a Leste é limitada pelo Guadiana e faz fronteira com Espanha, a Norte tem contíguo o Alentejo (concelhos de Mértola e Almodôvar), a Oeste tem a Serra do Caldeirão (parte Serrana do concelho de Loulé), e a Sul tem a transição com o Baixo Algarve. Na definição administrativa mais restrita coincide com o concelho de Alcoutim (freguesias de Alcoutim, Pereiro, Giões, Martinlongo e Vaqueiros), mais as freguesias de Cachopo, do concelho de Tavira, e Odeleite, do concelho de Castro Marim. Em sentido mais alargado a área inclui a freguesia de Ameixial (Loulé) e secções serranas de outras freguesias de Tavira e de São Brás de Alportel.
As rochas dominantes são os xistos e grauvaques, impermeáveis (Feio 1983: 93), em que o escorrimento das águas origina os barrancos abruptos e os cumes arredondados que caracterizam a paisagem. Os solos são esqueléticos (Oliveira e Vasconcelos 1984: 17), pouco adequados para a agricultura. Abundam as plantas silvestres mediterrânicas do género
cistus (estevas).

2 Devo ao arqueólogo Cláudio Torres as primeiras informações sobre a região e o impulso que, a partir da investigação que coordena em Mértola, me levou a explorar o nordeste algarvio.

3 Esta primeira viagem ao local ocorreu em Dezembro de 1982 na companhia do arqueólogo Cláudio Torres, da colega Clara Saraiva e do fotógrafo Luís Pavão. Seguiu-se-lhe um projecto elaborado com este último para o levantamento fotográfico das técnicas artesanais de produção na Serra Algarvia, que foi levado a cabo em 1984-85 com o patrocínio do Museu Etnográfico Distrital de Faro. A pesquisa continuou com trabalho de campo e de arquivo no âmbito do Mestrado em Antropologia Social e Cultural e Sociologia da Cultura da Universidade Nova de Lisboa (com orientação do Professor Vitorino Magalhães Godinho), e em 1986-87 foi apoiado financeiramente pelo Instituto Nacional de Investigação Científica. A primeira parte da recolha incluiu todo o Nordeste Algarvio, e a segunda parte concentrou-se na Freguesia de Martinlongo. A informação de que resulta este trabalho deve-se à interacção com os habitantes dos montes em que estive, que generosamente me receberam, à consulta dos arquivos paroquiais gentilmente facilitada pelo Pároco Manuel Oliveira Rodrigues e pelo investigador Francisco Lameira, e à troca de ideias com os colegas e orientadores da UNL, do ISCTE, e do Centro Arqueológico de Mértola. As afirmações contidas no trabalho são, naturalmente, da minha responsabilidade.

4 Também o discurso etnográfico, inicialmente alternativo e íntimo das subtilezas e imprevisibilidades da vida local, se pode com a escrita tornar reificado e oficial, e assim perder a intimidade original. Frequentemente, as obras de etnografia aparecem como retratos de realidades culturais que não poderiam ser percebidas através de outros instrumentos de conhecimento como os modelos económicos e estatísticos (daí a sua força), e (daí a sua fraqueza) acabam por «congelar» nesse retrato aquilo que, afinal, é uma realidade em constante mudança e em constantes interacções. Consciente deste problema, o presente trabalho não procura dar definições acabadas sobre a vida social na serra algarvia mas levantar e elucidar questões que permitam aumentar o conhecimento da complexidade desta região.

5 Os Róis de Confessados referem para cada ano toda a população da freguesia em idade de se confessar e comungar, com os nomes agrupados por lugar de residência e com muitos detalhes. Para este trabalho foram usados os Róis de Confessados da freguesia de Martinlongo, para os anos de 1793, 1795, 1797, 1800, 1803, 1805-7, 1809, 1814, 1816-7, 1831, 1837-43, 1845, 1847, 1850, 1854-8, 1860-3, 1865-72, 1874, 1877-8, 1881, 1885-8, 1892, 1893-6, 1900, 1907. Foram igualmente consultados Livros de Visitações que referem alguns dos lugares nos séculos XVI-XVII.

6 O tamanho dos montes é variável e pode ter apenas um grupo doméstico ou várias dezenas deles. O mais comum, na actualidade, é terem pouco mais de dez grupos domésticos, que, embora ligados entre si por laços de parentesco, se distinguem como unidades separadas e compostas, na maioria dos casos, pela família nuclear sem extensões.

7 Esta nova entidade administrativa coincide, no caso único do Algarve, com as anteriores divisões «Distrito de Faro» e «Província do Algarve».

8 A freguesia de Martinlongo, onde se levou a cabo esta pesquisa, tem a população contada em 1981 assim distribuída: 430 na aldeia de Martinlongo, 166 no monte de Santa Justa, 150 no Pessegueiro, 121 na Barrada (os três montes maiores), 85 no Laborato, 85 no Lotão, 68 em Castelhanos (três montes na parte norte da freguesia, pegada ao Alentejo), 63 em Corte Serranos (junto à estrada), 55 em Diogo Dias, 41 no Azinhal, 40 no Barroso, 40 em Pero Dias, 33 nos Zorrinhos, 32 no Tremelgo, 26 nas Mestras, 24 em Penteadeiros, 23 na Arrizada, 16 no Silgado, e 13 em Montargil. Os restantes montes, com menos de 10 habitantes, não são neste recenseamento classificados como aglomerados, pelo que os 110 habitantes que restam caem na categoria de isolados. Todavia, a população refere os nomes dos montes em que estes habitam da mesma forma que refere os maiores aglomerados.

9 Tradicionalmente os filhos saem de casa dos pais para formar um novo grupo doméstico de residência e economia separadas. Este momento pode coincidir com o casamento legal, mas este na maior parte dos casos só se dá uns anos depois de o casal se ter formado de facto (Bastos 1988: 113). Os grupos domésticos mantêm-se ligados por relações de parentesco próximas, pelo uso de terras a herdar e dividir no futuro, por prestações de trabalho, e pelo auxílio e comensalidade no ritual da matança do porco.

10 A fragmentação da propriedade, visível também no Baixo Algarve, atingiu na Serra proporções exageradas. Já o etnógrafo de Alportel (Louro 1929) referia nos anos vinte este fenómeno; a observação contemporânea mostra que ele se mantém, retalhando os campos em minúsculas parcelas. O costume que leva a este extremo é o de dividir igualmente, por todos os herdeiros, cada uma de todas as peças que compõem a propriedade em causa. Não se chega a um consenso unificador, em termos de valor, das diferenças substantivas entre terrenos de umbria e de soalheira, terrenos de horta e de campo, eiras, poços, casas, armazéns. A maleabilidade das construções permite a sua fácil divisão; correntemente se abrem e fecham portas entre as diversas casas (divisões) que compõem uma construção. A terra, identicamente, é recortada e redimensionada à medida destas necessidades. As árvores são, frequentemente, divididas no seu fruto.

11 Persiste até hoje, na memória dos mais velhos, a lembrança das grandes caminhadas a pé à Mina de São Domingos, entre Mértola e Serpa, que as mulheres e às vezes as crianças faziam para visitar os seus maridos e pais — de preferência coincidindo com o «dia do pago» dos mineiros e a feira que nessa ocasião se fazia na Mina.

12 Em 1949, Mariano Feio notava que «para equilibrar o seu orçamento, os montanheiros vão trabalhar para o Baixo Alentejo, especialmente na colheita. Também emigram definitivamente para essa região, mas nunca para o Algarve» (Feio 1983: 102). De então para cá os movimentos mudaram.

13 Ainda no Século XX houve uma notável trasladação de nordestinos algarvios para a região alentejana da Serra de Serpa. Esta serra é ecologicamente diferente dos circunvizinhos terrenos alentejanos e é muito parecida com a do nordeste algarvio. Segundo a tradição oral (José Mariz, comunicação pessoal, e notas de campo) esse foi o motivo pelo qual os serpenses a quem couberam as «sortes» do loteamento geral da serra nunca se adaptaram a cultivá-las e acabaram por vendê-las aos alcoutinejos, de há muito habituados a trabalhar sobre o xisto.

Author

Nasceu em Lisboa e estudou antropologia na U.N.L.. Fez a primeira pesquisa em Barrancos, no Alentejo, durante a licenciatura; para o mestrado trabalhou no Nordeste Algarvio, com o apoio do Museu de Faro e do I.N.I.C.. Leccionou Antropologia Social no I.S.C.T.E. Foi bolseira Fulbright e Invotan na City University of New York, onde está actualmente a preparar o doutoramento.

© Etnográfica Press, 1991

Terms of use: http://www.openedition.org/6540

This digital publication is the result of automatic optical character recognition.
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search