Version classiqueVersion mobile

Lugares de aqui

 | 
Joaquim Pais de Brito
, 
Brian Juan O'Neill

Ritual e estrutura social numa freguesia açoriana. As festas do Espírito Santo em Santo Antão (São Jorge)

João Leal

Texte intégral

I

  • 1 A recolha de terreno que se encontra na base deste texto realizou-se entre Abril e Agosto de 1988. (...)

1Situada na ponta SE da ilha de São Jorge (Açores), Santo Antão é uma freguesia de características essencialmente rurais. A criação de gado vacum — utilizado na produção de leite e sobretudo no fabrico do queijo de São Jorge — é a actividade dominante da sua população que era, em 1988, de 1223 habitantes, correspondentes a 268 grupos domésticos1.

2Nesta freguesia, as Festas do Espírito Santo compreendem duas séries distintas de festejos: Os Jantares e os Gastos, por um lado, e as Festas, por outro. Os Jantares e os Gastos — equivalentes às funções terceirenses — têm lugar ao longo do período de 8 semanas que medeia entre o Domingo de Páscoa e o Domingo da Trindade. Nas primeiras 6 semanas têm lugar os Jantares, conhecidos por primeiro Jantar, segundo Jantar, terceiro Jantar, etc..., de acordo com a semana em que recaem. Nas últimas 2 semanas têm lugar os Gastos: Gasto de Pentecostes no Domingo de Pentecostes e Gasto da Trindade, no Domingo da Trindade. Nestas duas últimas semanas, em simultâneo com os Gastos realizam-se também as Festas: Festa velha, no domingo de Pentecostes e Festa nova, no domingo da Trindade.

3Na base tanto dos Jantares como dos Gastos encontra-se um conjunto de 8 irmandades, cada uma delas ligada a um Jantar ou Gasto específico. No total, estas irmandades abrangem um conjunto de 305 unidades domésticas, 27,5% das quais — isto é 84 — correspondem a emigrantes. Os seus membros dividem-se em duas categorias: os cabeças — -ou irmãos propriamente ditos — e os ajudantes (Cf. Quadro 1). É entre os primeiros que cada irmandade — de acordo com um critério rotativo — designa em cada ano o responsável individual pelos festejos respectivos. Este recebe a designação de mordomo e, apoiado na irmandade, assume um papel particularmente importante no seu decurso.

4Nos Jantares os festejos convergem, em cada uma das semanas, para o domingo respectivo, sendo a semana que o antecede ocupada com preparativos de vária ordem e com algumas cerimónias preparatórias. Nos Gastos, o ponto culminante dos festejos, além do domingo, abrange ainda os dias mais próximos: sábado,2.a e3.a feira, no caso do Gasto de Pentecostes e sábado no Gasto da Trindade. A estrutura genérica dos festejos apresenta um certo número de traços comuns. Nos Gastos, de acordo com a sua maior extensão, essa estrutura básica é entretanto objecto de um conjunto significativo de enriquecimentos e acrescentamentos.

QUADRO 1 — Composição das irmandades

Irmandade

N.o Membros

Irmãos

Ajudantes

l.° Jantar

37

14

23

2.° Jantar

35

15

20

3.° Jantar

31

13

18

4.° Jantar

42

16

16

5.° Jantar

51

51

6.° Jantar

30

24

6

Gasto Pentecostes

45

13

32

Gasto Trindade

34

22

12

TOTAL

305

168

115

  • 2 Esta representação da divindade no quadro das Festas do Espírito Santo é usualmente justificada com (...)

5Podendo começar por ser genericamente definidos como um conjunto de cerimónias e festejos em honra e louvor do Espírito Santo, os Jantares e os Gastos compreendem em primeiro lugar uma vertente de natureza estritamente religiosa, centrada na Coroa do Espírito Santo. Esta é em todo o arquipélago a forma consagrada de representação da divindade no âmbito das Festas do Espírito Santo. Trata-se de uma Coroa em prata trabalhada, encimada por uma pomba e que é a insígnia central de um conjunto de que fazem ainda parte um ceptro — também encimado por uma pomba — e uma salva ou prato, ambos em prata2. Em Santo Antão existem na actualidade três dessas Coroas. Tradicionalmente, no decurso da semana preparatória dos festejos, essas Coroas eram instaladas em casa do mordomo, num altar montado especificamente para o efeito, e era lá que se realizavam algumas das cerimónias preliminares. Com o declínio dessa prática, a totalidade dos festejos passou a centrar-se no Império e na Casa do Espírito Santo, dois edifícios rituais situados na proximidade da igreja paroquial exclusivamente consagrados ao culto do Espírito Santo.

6Entre as cerimónias de natureza mais estritamente religiosa centradas nas Coroas conta-se a recitação diária do terço, um certo número de procissões e cortejos e sobretudo a coroação. Esta tem lugar em cada um dos domingos, no termo da missa e consiste na imposição solene das Coroas a um conjunto de 3 rapazes ou raparigas, escolhidos para o efeito pelo mordomo. Nos Gastos, em vez de uma realizam-se várias coroações, ao longo dos diferentes dias por que os festejos se prolongam.

  • 3 Esta articulação entre cerimónias cíclicas e formas de circulação cerimonial do alimento é recorren (...)
  • 4 A designação genérica de massa sovada aplica-se a um conjunto de pães em cuja preparação intervêm, (...)

7Ao lado destas cerimónias, a estrutura ritual dos Jantares e Gastos é sobretudo marcada — como o sugerem as designações atribuídas aos festejos — por um conjunto de formas de circulação cerimonial do alimento3. Na sua base encontra-se um conjunto tradicionalmente definido de alimentos cerimoniais, entre os quais avultam as Sopas do Espírito Santo — à base de carne de rês cozida e de pão de trigo — um certo número de variedades de biscoitos e massa sovada4 e ainda duas variedades principais de pão de trigo — pão de esmola e pão de cabeça. Estes alimentos são preparados em quantidades muito significativas e requerem um elevado dispêndio de dinheiro ou géneros, suportado em parte importante — cerca de 60% — pelo mordomo. Os restantes 40% provêm, por um lado, da contribuição dos membros da irmandade, cada um dos quais deve entregar ao mordomo uma determinada soma em dinheiro e uma certa quantidade de ovos — utilizados na confecção da massa sovada — variável de irmandade para irmandade. Cada mordomo recebe ainda algumas dezenas de ofertas em géneros de parentes e vizinhos. É sobre o mordomo que recaem também as responsabilidades de confecção dos alimentos. Para o efeito, ele apoia-se num grupo de ajudantes femininas, as amassadeiras, que são dirigidas por uma mestra.

8Os alimentos circulam no quadro dos festejos sob a forma de um conjunto de refeições, ofertas e distribuições tradicionalmente regulamentadas. A mais importante dessas prestações é constituída por uma grande refeição que tem lugar, em cada um dos domingos, a seguir à coroação, na Casa do Espírito Santo. Essa refeição consta de Sopas do Espírito Santo, massa sovada e vinho e nela participam algumas centenas de pessoas, entre as quais a totalidade dos membros da irmandade respectiva e um conjunto amplo de convidados do mordomo. Entre estes convidados, é usual cada mordomo incluir 12 pobres. Em articulação com esta refeição e antes do seu início, realiza-se uma distribuição de esmolas por cerca de 2 a 3 dezenas de casas mais pobres, escolhidas por cada um dos mordomos. Estas esmolas constam de um pão de trigo — o chamado pão de esmola — e, eventualmente, de uma porção de carne de rês crua. No termo da refeição, tem por seu turno lugar uma distribuição de um pão de trigo — o chamado pão de cabeça — exclusivamente destinada aos membros da irmandade. A par destas prestações mais importantes, a sequência ritual de Jantares e Gastos prevê ainda outras formas de circulação do alimento. Assim, na madrugada de domingo, realiza-se uma distribuição porta-a-porta de Sopas do Espírito Santo, que pode abranger, nos casos mais expressivos perto de 2 a 3 dezenas de casas, escolhidas por cada um dos mordomos de acordo com critérios variáveis. Uma vez terminados os festejos, tem lugar também uma distribuição porta-a-porta de presentes em massa sovada, que, entre outros objectivos, visa retribuir as ofertas em géneros feitos ao mordomo. Integram ainda a sequência dos festejos um certo número de dádivas alimentares em carne de rês crua.

  • 5 Entre esses doces encontram-se espécies, rosquilhas brancas, suspiros, pão leve, etc..

9Este conjunto de prestações é comum a Jantares e Gastos. Nestes últimos, porém, elas caracterizam-se por uma maior amplitude. Assim, no Gasto de Pentecostes, realizam-se não uma mas várias refeições — uma por cada dia por que se prolongam os festejos — que abrangem no seu conjunto perto de mil pessoas. No Gasto da Trindade, apesar de, à semelhança dos Jantares, se realizar uma só refeição, o número de participanes é em geral mais elevado que nos Jantares: cerca de 400, contra 200/300. Da mesma maneira, as esmolas distribuídas em ambos os Gastos são geralmente em número superior às distribuídas no quadro dos Jantares. A par desta maior amplitude, algumas das prestações que integram os Gastos possuem ainda um conteúdo distinto. É o caso das esmolas, que além do pão de esmola, envolvem obrigatoriamente a distribuição de carne de rês crua. E é também o caso da oferenda alimentar feita aos membros da irmandade que, em vez de um pão de cabeça, é integrada por um prato de doces, de confecção mais trabalhosa e dispendiosa5.

Aspecto da Coroação. O cortejo que se segue à Coroação.

Bênção das esmolas junto à Casa do Espírito Santo.

Aspecto da distribuição deesmolas.

A mesa ocupada pelos irmãos no decurso do Jantar. Em primeiro plano vêem-se os pães de cabeça que lhes são destinados.

Aspecto do cortejo que antecede obodo de leite.

Distribuição de leite no decurso do bodo de leite.

Distribuição demassa sovada e vinho no decurso do bodo de leite.

  • 6 Esta despesa monetária corresponde, nos Jantares, aos seguintes gastos médios em géneros: uma cabeç (...)

10Proporcionalmente a este conjunto de acrescentamentos e enriquecimentos, os Gastos requerem uma despesa superior à dos Jantares. Enquanto que nestes últimos, ela se situa em média por volta dos 200/400 contos, no Gasto da Trindade ela eleva-se a 600 contos podendo atingir no Gasto de Pentecostes valores superiores a 1000 contos6. A contribuição dos membros da irmandade para os festejos apresenta também nos Gastos um valor mais elevado. Enquanto que nos Jantares ela é em geral de mil escudos e uma dúzia de ovos, os irmãos do Gasto de Pentecostes oferecem ao mordomo respectivo 3 mil escudos e 3 dúzias de ovos e os do Gasto da Trindade 2 mil escudos e 2 dúzias de ovos.

11Simultaneamente aos Gastos têm lugar as Festas. Estas têm o seu ponto culminante num conjunto de distribuições de bolos e no bodo de leite. Estas duas distribuições possuem uma relativa autonomia em relação às prestações alimentares que temos vindo a referir e apoiam-se também em critérios distintos dos que até agora encontrámos. Na sua base, em vez do dispêndio cerimonial do mordomo e da irmandade, encontram-se um conjunto de contribuições de casas da freguesia que se associam de forma autónoma aos festejos. Os critérios que presidem à própria distribuição do alimento são também distintos: a sua circulação, em vez de privilegiar conjuntos limitados de indivíduos e casas, é geral e aberta. As distribuições de bolos realizam-se tanto no Gasto de Pentecostes — na 2.a e na 3.a feira — como no Gasto da Trindade e decorrem junto à Casa do Espírito Santo. No Gasto de Pentecostes, além dos bolos propriamente ditos — conhecidos também pela designação de vésperas — são também distribuídos coscorões. No Gasto da Trindade a distribuição consta unicamente de bolos, os chamados bolos mancebos. Quanto ao bodo de leite, ele é específico do Gasto de Pentecostes. Realiza-se na 2.a feira de Pentecostes e consiste numa distribuição de leite acabado de ordenhar. Os pastores da freguesia trazem as vacas em cortejo para as imediações da Casa do Espírito Santo onde, depois da sua benção pelo padre, o leite é distribuído. Simultaneamente realiza-se uma distribuição de fatias de pão de leite e de vinho. A introdução do bodo de leite na estrutura dos festejos remonta aos anos 40 e é indissociável de dois factores principais: a existência de relações muito fortes entre a ponta SE de São Jorge e a ilha Terceira, donde os bodos são originários; a reorientação, a partir dos anos 40/50, da economia da freguesia no sentido da criação de gado como actividade dominante, em detrimento da complementariedade até então existente entre a criação de gado e a actividade agrícola.

II

12Estas formas de circulação cerimonial do alimento podem começar por ser analisadas à luz das características religiosas das Festas do Espírito Santo.

13A dissipação de recursos alimentares que elas requerem é de facto concebida, antes de mais, como uma forma não só de homenagear a divindade, mas também de assegurar a sua protecção.

14No caso do mordomo, sobre quem recai a parte mais importante dos gastos requeridos pelos festejos, estes operam como um meio genérico de obtenção da protecção do Espírito Santo para a sua unidade doméstica. É por outro lado frequente que certos dispêndios cerimoniais precisos — por exemplo, a quantidade precisa de esmolas distribuídas ou o número de cabeças de gado abatidas — resultem de promessas feitas ao Espírito Santo e funcionem portanto como um meio de retribuir graças anteriormente concedidas.

15As contribuições alimentares feitas pela comunidade no âmbito das Festas baseiam-se também em pressupostos semelhantes. Assim, a participação no bodo de leite está ligada à benção do gado e à colocação deste recurso fundamental da economia local sob a protecção divina. Quanto às ofertas de bolos, além de serem recorrentemente apresentadas como uma «devoção», podem também em certos casos resultar de promessas. No passado, elas apareciam por outro lado estreitamente associadas a ideias de bem-estar do grupo doméstico, como decorre de uma história frequentemente evocada na freguesia, de acordo com a qual o momentâneo abandono das ofertas de coscorões — em cuja feitura intervem a banha de porco — teve como consequência um «castigo» do Espírito Santo, sob a forma de uma epidemia que matou todos os porcos da freguesia.

16Algumas das formas de circulação do alimento baseiam-se também em critérios de natureza religiosa. É o que se passa com as distribuições de esmolas e com a tradição de incluir 12 pobres entre os convidados para a refeição na Casa do Espírito Santo.

*

17Simultaneamente a esta vertente religiosa, as refeições, dádivas e distribuições alimentares que integram a sequência ritual das Festas do Espírito Santo possuem uma importante dimensão sociológica. Circulando num quadro social profano minuciosamente previsto e regulamentado, os alimentos, ao mesmo tempo que ligam os homens à divindade, ligam também os homens entre si. Mauss, no célebre «Essai sur le Don», chamou a atenção para esta imbricação das vertentes religiosa e sociológica da dádiva (1983: 164 a 171). É justamente para uma imbricação deste tipo que nos remetem as Festas do Espírito Santo.

18Esta dimensão sociológica inscrita na linguagem da dádiva alimentar começa por operar num âmbito restrito, como um instrumento de reiteração dos laços sociais existente entre cada um dos mordomos e o conjunto de indivíduos e grupos domésticos que fazem parte do seu círculo de relações: parentes, vizinhos, amigos, etc...

19É nesse quadro que cada mordomo estabelece a lista de convidados para a refeição da Casa do Espírito Santo. E é também nesse quadro que começam por circular algumas das prestações de âmbito mais restrito que referimos atrás: distribuição porta-a-porta de Sopas do Espírito Santo, presentes finais em massa sovada, etc...

20Ao lado desta dimensão sociológica restrita, as refeições, dádivas e distribuições alimentares que integram a sequência ritual das Festas do Espírito Santo possuem simultaneamente uma dimensão sociológica mais ampla e decisiva. Essa dimensão diz respeito às duas instâncias centrais sobre que assenta o sistema social local: o lugar — localmente designado por arrabalde — e a freguesia.

  • 7 Estes números — bem como outros que se podem encontrar no texto — foram calculados a partir do rece (...)

21A freguesia constitui o quadro fundamental da organização social. Dois factos expressam com particular nitidez essa sua característica: uma elevada taxa de endogamia — que se situa perto dos 80%7 — e uma forte consciência de si própria, com múltiplas expressões em verbalizações e práticas de natureza «sociocêntrica».

22Quanto ao lugar, além de constituir a unidade base do povoamento da freguesia, configura também em muitos casos uma importante unidade social intermédia. Do total de lugares existentes na freguesia, 4 são desse ponto de vista particularmente importantes: São Tomé, Cruzai, Santa Rosa e Caminho Chão (Cf. mapa). Dispondo de um conjunto de equipamentos próprios — comércio, escolas, ermidas — que reforçam a sua autonomia, estes lugares desenham ainda um quadro preferencial de relacionamento social. Nalguns casos, a sua personalidade reflecte-se mesmo no afloramento de uma consciência «sociocêntrica» embrionária e ainda numa certa endogamia de lugar. É o que se passa em particular em São Tomé e no Cruzai, onde justamente a tendência endogâmica é mais acentuada: 40,8% em São Tomé e 45% no Cruzai. Comparativamente, os lugares de Santa Rosa e do Caminho Chão — devido sobretudo à sua maior proximidade com o centro — possuem um perfil menos marcado.

Freguesia de Santo Antᾶo (Sᾶo Jorge)

23É justamente como um instrumento de reiteração dos laços existentes no âmbito destas duas unidades sociais e da reafirmação da sua identidade que a circulação cerimonial do alimento no quadro das Festas do Espírito Santo assume maior relevância.

24O vínculo entre os festejos e o lugar estabelece-se por intermédio da série inicial de Jantares, e assenta sobretudo nas respectivas irmandades. Estas, como vimos, além de procederem à nomeação anual do mordomo, têm um relevante papel no decurso dos festejos, e, em particular, na sua vertente alimentar. Suportando uma parte do dispêndio cerimonial requerido pelos festejos, os seus membros constituem também um dos círculos onde a circulação do alimento é mais intensa. Além da oferenda alimentar que lhes é exclusivamente destinada, participam em plano de relevo na refeição que tem lugar na Casa do Espírito Santo — onde são os primeiros a entrar, ocupando a mesa central. Em caso de impossibilidade pontual de algum dos seus membros comparecer à refeição o mordomo está mesmo obrigado a levá-la a sua casa.

25Ora, em 5 desses 6 Jantares, existe uma correspondência entre a pertença a uma determinada irmandade e a pertença a um dos lugares principais da freguesia: São Tomé, Cruzai, Santa Rosa e Caminho Chão (Cf. Quadro 2).

QUADRO 2 — Jantares e Lugares

l.° Jantar

São Tomé

2.° Jantar

Caminho Chão

3.° Jantar

São Tomé

4.° Jantar

Santa Rosa

5.° Jantar

Cruzai

  • 8 Estes cálculos — bem como os seguintes — não levam em conta os emigrantes.

26Essa correspondência é particularmente clara no l.° e no 5.° Jantares, onde o número de membros das irmandades que pertencem a São Tomé, por um lado, e ao Cruzai, por outro, representam respectivamente 87% e 72% do total dos irmãos8.

27Mas reencontra-se, embora de forma menos nítida nos outros Jantares. Assim, no 2.° Jantar, 57% dos membros da respectiva irmandade pertencem ao Caminho Chão e no 3.° Jantar, 56% pertencem a São Tomé. No 4.° Jantar essa ligação é aparentemente mais frágil: embora o lugar que forneça mais irmãos seja o de Santa Rosa, estes não representam senão 27% do total de membros da irmandade. Se acrescentarmos entretanto a esses irmãos os provenientes de outros lugares menores situados nas imediações de Santa Rosa, obtemos uma percentagem mais significativa: 50%.

28O modo como se estabelece o vínculo entre estes diferentes lugares e os Jantares é também em si muito significativa. Os casos onde ele é mais vincado correspondem aos lugares mais fortemente personalizados da freguesia: o Cruzai e, sobretudo São Tomé. Este último lugar, em particular, possui um perfil «sociocêntrico» particularmente claro. É talvez por essa razão que, além da ligação privilegiada que possui em relação ao l.° Jantar, ele surge ainda associado, embora de uma forma menos vincada, ao 3.° Jantar. Os casos em que a ligação entre Jantares e lugares é menos forte correspondem inversamente a lugares caracterizados por uma personalidade menos pronunciada.

29Este vínculo entre os Jantares e os principais lugares da freguesia reencontra-se ainda nos critérios que presidem à circulação do alimento fora do quadro da irmandade. Em cada um dos lugares que têm vindo a ser referidos existe um certo número de casas — entre 25 a 30% — que não integram a respectiva irmandade. Essas casas, na sua maioria, acabam entretanto por ser abrangidas pelas diferentes prestações alimentares. Algumas delas figuram entre os convidados do mordomo à refeição que tem lugar na Casa do Espírito Santo e contam-se também entre aquelas que lhe fizeram ofertas alimentares prévias; no termo dos festejos recebem portanto em suas casas um presente em massa sovada. Outras, particularmente as de menores recursos económicos, são alvo das atenções do mordomo, sobretudo no quadro da distribuição de esmolas, mas também no quadro da distribuição porta-a-porta de Sopas do Espírito Santo.

30Tanto o vínculo preferencial entre lugares e irmandades como estes dispositivos emprestam aos Jantares características de uma celebração que, por intermédio da linguagem da dádiva alimentar, reafirma os laços sociais entre habitantes de um mesmo lugar e sublinha a sua identidade no quadro da freguesia.

31Este vínculo entre irmandades e lugares, que se apresenta já de uma forma diluída no 6.° Jantar, enfraquece-se decisivamente no quadro dos Gastos. Proporcionalmente ao maior dispêndio requerido pelos festejos, os critérios de pertença a estas duas irmandades deixam de ser de tipo «horizontal» — a pertença a um mesmo lugar — para passarem a reflectir preferencialmente critérios de tipo «vertical» — o estatuto socioeconómico mais elevado dos seus membros. As prestações alimentares asseguradas no seu âmbito pelo mordomo e pela irmandade recebem em consequência um significado sociológico distinto.

32Isso não significa entretanto o abandono do tipo de trabalho sociológico inaugurado pela série inicial de Jantares. De facto, simultaneamente aos Gastos têm lugar as Festas, cujo núcleo central é constituído, como vimos, por com um conjunto de prestações alimentares — distribuições de bolos e bodo de leite — autónomas das refeições e distribuições asseguradas pelo mordomo e pela irmandade. Através dessas prestações é justamente à continuação desse trabalho sociológico que podemos assistir. Depois de se ter colocado ao serviço da reafirmação da identidade do lugar, a circulação do alimento passa então a estar ao serviço da reiteração dos laços sociais no âmbito da freguesia e da reafirmação da sua identidade enquanto corpo social unificado.

Extracto do rol onde são registadas as ofertas em bolos.

  • 9 Na Festa de Pentecostes cada conta corresponde a 25 bolos e 25 coscorões e cada meia conta a 13 bol (...)

33O vínculo entre essas prestações e a freguesia decorre em primeiro lugar da intervenção decisiva que esta tem no seu financiamento e organização. Esta intervenção assume formas particularmente importantes no quadro do bodo de leite. A distribuição de leite propriamente dita conta de facto com a participação da maior parte dos pastores da freguesia. A distribuição de pão de leite e vinho que a acompanha assenta também em mecanismos comunitários. A sua organização está a cargo de uma comissão de 10 a 12 pessoas nomeada anualmente e à qual, à vez, todas as casas da freguesia devem pertencer. Os alimentos distribuídos resultam pelo seu lado de um peditório que, algum tempo antes dos festejos, percorre o conjunto da freguesia. Quanto às distribuições de bolos — apesar da concorrência do bodo de leite — continuam a envolver também uma participação significativa das casas da freguesia: cerca de 90 a 100 casas — correspondentes a 40% do total da freguesia — associam-se regularmente a elas, mediante ofertas de quantidades tradicionalmente definidas de alimentos, as chamadas contas ou meias contas9.

34O vínculo que se estabelece entre as distribuições de bolos e o bodo de leite reencontra-se, em segundo lugar, nos critérios que presidem à distribuição destas prestações alimentares. Como verificámos antes, diferentemente das restantes prestações — que se destinam a conjuntos determinados de indivíduos ou grupos domésticos — as distribuições de bolos e o bodo de leite possuem como característica distintiva uma circulação ilimitada e generalizada. Por detrás desta amplitude na circulação do alimento é de novo o horizonte sociológico da freguesia que emerge.

35Esta desenha por um lado o quadro preferencial de circulação dos alimentos. Tanto as distribuições de bolos, como o bodo de leite começam por reunir em seu torno um grande número de vizinhos e é entre eles que os alimentos distribuídos são primeiro que tudo consumidos e partilhados. Se os Jantares se configuravam como uma refeição colectiva privilegiadamente centrada sobre o conjunto dos habitantes de um dado lugar, a articulação das Festas com estas distribuições alimentares empresta a estas, por seu turno, características de uma refeição alargada ao conjunto da freguesia.

36A amplitude que caracteriza a circulação do alimento estende-se em segundo lugar às pessoas de fora da freguesia que, acorrendo em grande número aos festejos, são convidadas a associar-se às distribuições alimentares em curso. Esta faceta dos festejos é particularmente forte na Festa de Pentecostes, em particular no decurso da 2.a feira de Pentecostes. Nesse dia, além do bodo de leite, realiza-se ainda uma distribuição de bolos especialmente destinada aos forasteiros.

  • 10 A apresentação estética dos bolos e bolos mancebos é particularmente valorizada e apoia-se em grand (...)

37Por detrás desta hospitalidade alimentar é de novo a freguesia que se perfila. O alimento funciona aqui como um instrumento através do qual a freguesia, abrindo-se para o exterior, pode reivindicar de uma forma plena a sua identidade. A lógica sobre a qual se fundam estas reivindicações possui algumas similitudes com aquela que os antropólogos puseram em evidência a propósito do «potlatch». O alimento opera como um signo de prestígio colectivo da freguesia. Esta dimensão é particularmente marcada no bodo de leite. Os pastores escolhem para o efeito as melhores vacas que, não tendo sido propositadamente ordenhadas de manhã, se apresentam no bodo com os tetos literalmente a abarrotar de leite, numa óbvia demonstração de abundância. Os temas predominantes de conversa incidem justamente sobre as qualidades do gado presente, ou sobre a excelência do seu leite. As distribuições de bolos possuem uma dimensão idêntica: a qualidade da massa e a apresentação estética dos alimentos10 são muito valorizadas, assim como a sua abundância e a liberalidade com que são distribuídos.

38Isto é: convidados a partilharem o alimento, os forasteiros são também e sobretudo convidados a testemunharem as pretensões a prestígio da freguesia. Entre esta faceta dos festejos e a que pusémos anteriormente em evidência não há solução de continuidade: é porque a freguesia se procura dar, por intermédio do alimento reunido e partilhado em comum, como um corpo social unificado, que se torna necessária a presença de um parceiro outro, em relação ao qual a freguesia possa assumir de forma plena a sua identidade.

39Esta orientação dos festejos, embora assente sobretudo nas distribuições alimentares que temos vindo a analisar, afecta também o carácter das prestações alimentares asseguradas no âmbito de cada um dos Gastos pelos respectivos mordomos. Não só, comparativamente aos Jantares, é maior o número de indivíduos e casas abrangido pelas refeições na Casa do Espírito Santo e pelas esmolas, como, sobretudo no Gasto de Pentecostes, certos aspectos da circulação do alimento acabam por ser «contaminados» pelos critérios seguidos nas distribuições de bolos e no bodo de leite. É o que se passa com a refeição que tem lugar na 2.a feira de Pentecostes. Coincidindo com o dia em que é máxima a abertura dos festejos para o exterior, ela não só é reservada a convidados de fora da freguesia, como é também frequente que a estes se juntem outros forasteiros que, embora não convidados, solicitam ao mordomo licença para participarem na refeição. Em nome da hospitalidade alimentar em relação ao exterior que é característica desse dia, esses pedidos são geralmente satisfeitos.

III

40A vinculação das Festas a ideias de reafirmação dos laços sociais no âmbito da freguesia e de reiteração da sua identidade como corpo social unificado reflecte-se noutros aspectos dos festejos.

41É a essa luz que é possível examinar em primeiro lugar alguns aspectos relacionados com a participação que têm nos festejos as duas filarmónicas existentes na freguesia. Uma das características peculiares das Festas do Espírito Santo era a sua articulação com formas tradicionais de canto e música, a cargo de folias, de composição e atributos variáveis de ilha para ilha (cf. a este propósito Veiga de Oliveira, 1986: 25 a 29). Nos últimos 40 a 50 anos, essas folias têm entretanto vindo a ser substituídas por filarmónicas. Em Santo Antão verificou-se uma evolução semelhante: desde há cerca de 20 anos que o acompanhamento musical dos Jantares e dos Gastos está exclusivamente a cargo das filarmónicas. Estas, além de se integrarem nos vários cortejos, participam ainda na refeição que tem lugar na Casa do Espírito Santo.

42As duas filarmónicas existentes na freguesia mantêm entretanto entre si uma forte rivalidade, ligada à existência de dois «partidos» rivais na freguesia. Essa rivalidade remonta aos anos 40 e, embora se tenha vindo a atenuar, conserva ainda uma certa expressão, possuindo algumas semelhanças com a rivalidade entre partiti que Boissevain detectou na aldeia de Hal Farrug, em Malta (cf. Boissevain, 1965; 1978: 206 a 226). Devido a essa rivalidade as duas filarmónicas recusam-se habitualmente a tocar em conjunto e os mordomos vêem-se obrigados a convidar para os festejos uma delas, com exclusão da outra. A Festa de Pentecostes articula-se justamente com uma das poucas excepções a esta norma. No quadro das sequências mais directamente relacionadas com o bodo de leite, as duas filarmónicas, pondo momentaneamente de parte as suas rivalidades, tocam em conjunto. Como vimos, o bodo de leite representa, no âmbito mais geral dos festejos, um dos pontos altos da afirmação da unidade da freguesia. Não deixa de ser significativo que seja justamente essa a ocasião onde, em nome dessa unidade, é encenada uma momentânea supressão dos factores de divisão internos à freguesia que as rivalidades entre as duas filarmónicas expressam.

43É também a essa luz que pode ser examinada a instituição das chamadas casas de ver a festa. Esta instituição — que entrou em declínio no seguimento do sismo de 1981 — designava um conjunto de casas, situadas na proximidade imediata da Casa do Espírito Santo e do Império, que eram utilizadas exclusivamente na altura das Festas de Pentecostes e da Trindade, encontrando-se desocupadas durante o resto do ano. Constituindo propriedade conjunta de várias famílias, residentes habitualmente em lugares menos centrais, essas casas eram tradicionalmente utilizadas para acomodar essas famílias ao longo de todo o período de duração das Festas. Facilitando a concentração da população no «coração» geográfico dos festejos, elas podiam ser entendidas como uma transcrição para o plano espacial, das ideias de unificação da freguesia inscritas nas Festas.

*

44É finalmente a esta luz que é possível examinar o papel que as Festas do Espírito Santo desempenharam no processo que, no decurso do século passado, conduziu à criação da freguesia de Santo Antão.

45A existência de Santo Antão enquanto freguesia e paróquia autónomas remonta de facto a 1889. Até então, Santo Antão constituía apenas um curato da paróquia e freguesia do Topo. O processo que rodeou a sua autonomização do Topo foi um processo longo e marcado por incidentes vários que opuseram entre si os partidários da nova freguesia e os que na Vila estavam contra a autonomia de Santo Antão. Muitos desses incidentes conservam-se ainda na memória local, com relevo para a chamada «guerra dos marcos», um conjunto de confrontos verbais e físicos surgidos após a criação da freguesia de Santo Antão em torno da demarcação dos seus limites.

46As Festas do Espírito Santo desempenharam justamente neste processo um importante papel. De facto, uma das primeiras e mais importantes expressões das reivindicações «autonómicas» de Santo Antão consistiu na ruptura do vínculo ritual que, por intermédio das Festas do Espírito Santo, a unia à Vila. Essa ruptura deu-se em 1884, antecipando portanto em 5 anos a criação oficial da freguesia. No decurso das Festas do Espírito Santo desse ano, a população de Santo Antão não só se recusou a participar, como era usual, nos festejos da Vila, como decidiu promover, à revelia do clero local e da população da Vila, aquela que se tornaria na primeira Festa do Espírito Santo circunscrita a Santo Antão.

47Esse acontecimento é relatado com certo detalhe numa notícia de um jornal da época:

Em toda a ilha se festejou como é costume, no 1.° do corrente, o Divino Espírito Santo, distribuindo-se ao povo pão, bolos, tremoços, queijo e vinho.
No Topo, porém, onde estas festas se fizeram sempre com grande abundância e entusiasmo, reunindo-se os povos dos diferentes arrabaldes da freguesia no antigo Império da vila, o que tornava um arraial digno de admirar-se, no corrente ano, dividiram-se os povos em dois partidos, formando-se um novo Império de Santo Antão, povoação importante daquela freguesia.
Entre uns e outros entusiastas empregaram-se todos os meios, os da Vila contra a criação do novo Império e os de Santo Antão para levarem a efeito a ideia. Se os da Vila conseguiram o propósito de se não coroar o novo imperador de Santo Antão em dia tão memorável para os povos do curato, os de Santo Antão viram coroados de melhor êxito os seus desejos.
Negou-se o clero da freguesia a concorrer com as cerimónias que em semelhantes actos se costumam realizar; o povo de Santo Antão, porém, não recuou, coloca a coroa no prato e em procissão, percorre o curato entoando ao Divino Espírito Santo a oração da Ave Maria; distribuindo de tarde os seus 3.600 bolos, coscorões, tremoço, queijo e vinho entre alegres trovas ao som da clássica viola.
E assim inaugurou aquela povoação o seu primeiro Império.
(O Velense, n.
o 109 de 8 de Julho de 1884)

48Esta ligação entre as Festas do Espírito Santo e a autonomia da freguesia de Santo Antão mantém-se ainda hoje viva na memória local. Para muitas pessoas, a razão da oposição da Vila à criação da freguesia de Santo Antão assentava nas Festas: «este povo já não ia para a Vila ajudálos a fazer a festa».

49Nos anos imediatamente subsequentes à criação da freguesia de Santo Antão, as Festas do Espírito Santo continuaram ainda a desenhar um terreno preferencial para a expressão da rivalidade entre as duas freguesias. Alguns dos incidentes concretos então ocorridos foram registados pela imprensa da época. Outros fazem parte da memória oral da freguesia. Entre eles merece particular destaque o de uma família de Santo Antão que, insistindo em oferecer os seus bolos no Topo, em vez de o fazer em Santo Antão, acabou por ser objecto de uma pequena acção «punitiva» no seu regresso à freguesia. Mais uma vez demos a palavra à imprensa da época:

Na terça-feira do Espírito Santo à tarde, quando seguia da Vila para sua casa, o sr...., ao passar em Santo Antão, alguém mal intencionado, deitou uns foguetes próximo do carro em que ia a família do dito, do que resultou espantarem-se os bois, com grave susto e grande perigo para as pessoas que conduziam.
(O Insulano, n.
o 268 de 16 de Junho de 1900)

50Historicamente assumida por contraposição ao Topo, a identidade de Santo Antão repousa ainda hoje em dia em parte importante sobre esse confronto com a freguesia vizinha. E, tal como no século passado, as Festas do Espírito Santo continuam a desempenhar um importante papel nesse confronto, conduzido agora de uma forma mais «pacífica».

51De facto, um dos aspectos mais interessantes da Festa de Pentecostes é o modo como ela dá lugar ao estabelecimento de uma relação de reciprocidade cerimonial entre as duas freguesias. Enquanto que em Santo Antão, o dia mais importante dos festejos e aquele em que ocorre a sua abertura ao exterior é, como vimos, a 2.a feira de Pentecostes, no Topo as mesmas cerimónias e festejos concentram-se na 3.a feira. Este arranjo dos festejos possibilita que as duas freguesias se visitem mutuamente nestes dois dias: na 2.a feira a população do Topo ocorre em grande número a Santo Antão, e, na 3.a feira, é a vez de os de Santo Antão se deslocarem ao Topo.

52Abandonadas as formas mais violentas de rivalidade é no terreno criado por esta relação de reciprocidade cerimonial, que ambas as freguesias podem agora competir: confrontando pequenas diferenças na estruturação dos festejos, comparando o seu brilho relativo, e, sobretudo, procurando exibir uma generosidade e uma liberalidade acrescidas na distribuição dos alimentos.

IV

53O trabalho sociológico que passámos em revista desenrola-se num momento preciso do calendário anual, coincidente com o início da primavera. É à luz desta sua colocação que ele pode ser entendido. Associada a ideias de renascimento da natureza e de reanimação da actividade produtiva, a primavera coincide ainda com uma reanimação geral da própria vida social. Após o período de letargia representado pelo outono/inverno, as relações sociais entram então numa fase de expansão e intensificação, que se manterá até ao termo do verão. É no quadro desta configuração cíclica da vida social que intervêm as Festas do Espírito Santo. Elas podem nessa medida ser vistas como um esforço de reactivação das linhas fundamentais da morfologia social local, por intermédio do qual a sociedade é introduzida a um novo ciclo sociológico.

  • 11 No fim do Verão, tinha lugar um movimento similar, mas de mais curta duração e envolvendo uma parte (...)

54Esta configuração cíclica da vida social apresentava tradicionalmente em Santo Antão características muito particulares, que lhe eram conferidas pela articulação de certos períodos chave do calendário anual com as chamadas mudas. Estas consistiam em deslocações sazonais da população do seu habitat usual para as fajãs e nortes, povoações de ocupação temporária situadas respectivamente na costa sul e na costa norte (cf. mapa 1). A mais importante e significativa dessas deslocações ocorria justamente no decurso do inverno, entre meados de Janeiro e finais de Março, isto é, no período que antecedia as Festas do Espírito Santo11. As razões que estavam na sua base prendiam-se com alguns constrangimentos ecológicos que pesavam sobre a actividade agro-pastoril. Para as compreendermos tornase necessário ter presente o facto de o povoamento em Santo Antão se desenvolver a mais de 300 m, o que corresponde, nos Açores, a uma altitude considerável. Durante o período mais rigoroso do inverno, a produtividade dos pastos tornava-se consequentemente muito reduzida. Devido às suas condições climatéricas mais amenas e temperadas e a uma maior produtividade dos solos, as fajãs e os nortes representavam uma alternativa a esse quadro.

55Além da sua componente geográfica e económica, as mudas possuíam também uma importante dimensão sociológica, expressa no conjunto de modificações a que submetiam a organização social local. Essas modificações operavam a vários níveis, desde os hábitos e as práticas mais quotidianas de sociabilidade até aos níveis mais estruturais do relacionamento social, como o lugar e a freguesia, cujos limites e identidade eram justamente postos em causa de forma radical. Relativamente ao lugar, as mudas implicavam não apenas o abandono desse espaço privilegiado de sociabilidade como determinavam uma suspensão das fronteiras e limites que ele impunha ao relacionamento social. De facto, ao mesmo tempo que dispersavam pelas diferentes fajãs e nortes os habitantes de um mesmo lugar, as mudas concentravam em cada um desses locais, pessoas e casas provindas de diferentes lugares da freguesia. A identidade da freguesia era também profundamente afectada. De facto, um dos aspectos característicos das mudas era o modo como elas envolviam, simultaneamente à população de Santo Antão, a população do Topo. Misturando nas diferentes fajãs e nortes a população das duas freguesias, as mudas «subvertiam» pois os limites e barreiras que usualmente as separavam, diluindo momentaneamente a identidade de cada uma delas.

56Isto é: eram justamente as unidades sociais nomeadas pelas Festas do Espírito Santo que as mudas punham de alguma forma em questão. Um tal facto conferia uma importância acrescida ao trabalho sociológico inscrito nas Festas do Espírito Santo. Sobrevindo tradicionalmente no termo das mudas, este, além das características genéricas que ainda hoje lhe podem ser reconhecidas, assumia então um sentido mais radical. Mais do que uma reactivação cíclica do lugar e da freguesia como quadros centrais da organização social, ele propunha-se uma verdadeira recomposição dessas duas unidades sociais, após um período particularmente crítico do seu desenvolvimento.

57É também a essa luz que é possível examinar o peso que ocupavam tradicionalmente nas Festas do Espírito Santo um certo número de mecanismos relacionados com a organização espacial dos festejos. Verificámos o peso desses mecanismos nas Festas, a propósito das casas de ver a festa. Orientadas para a reafirmação da identidade da freguesia, as Festas articulavam-se com uma momentânea fixação da população no centro da freguesia que, envolvendo o abandono da sua residência habitual de parte dos habitantes, desenhava um movimento simétrico e inverso ao das mudas. De forma embora diferente, esta dimensão espacial reencontrava-se também na série inicial de Jantares. De facto, quando a Coroa era instalada em casas dos mordomos, uma parte dos festejos decorria então no próprio marco físico de cada um lugares, tornando em certa medida indissociáveis as vertentes sociológica e territorial da reconstrução da sua identidade. Isto é: funcionando nas mudas como causa e suporte material do processo de «desagregação» do lugar e da freguesia, o espaço era simultaneamente utilizado nas Festas do Espírito Santo como um elemento simbólico dos propósitos de recomposição da organização social que nelas se inscreviam.

Bibliographie

AVELAR, JOSÉ CÂNDIDO DA SILVEIRA, 1902 A Ilha de São Jorge (Açores). Apontamentos para a sua História. Horta: Typ. Minerva Insulana.

BETTENCOURT, ALBERTO, 1988 As Mudas. Movimentos Anuais das Populações da Zona do Topo na Ilha de São Jorge. Comunicação apresentada à 2.a Semana de Etnologia do Atlântico, Angra do Heroísmo, 15 a 21 de Agosto de 1988.

BOISSEVAIN, JEREMY, 1965 Saints and Fireworks. Religion and Politics in Rural Malta. London: Athlone Press.

BOISSEVAIN, JEREMY, 1978 (1974) Friends of Friends. Networks, Manipulators and Coalitions. Oxford: Basil Blackwell.

CANTO E CASTRO, FRANCISCO, 1946 Memória Histórica das Festas do Divino Espírito Santo na Ilha de São Jorge. Insulana, vol. III: 495 a 502.

CUNHA, Pe. MANUEL AZEVEDO DA, 1981 (1906) Festas do Espírito Santo na Ilha de São Jorge, in Notas Históricas. I. Estudos sobre o Concelho da Calheta (São Jorge) [recolha, introdução e notas de Artur Teodoro de Matos], Ponta Delgada, Universidade dos Açores: 423 a 461.

MAUSS, MARCEL, 1983 (1923/24) Essai sur le Don. Forme et Raison de 1’Échange dans les Sociétés Archaiques Sociologie et Anthropologie, Paris, P.U.F.: 143 a 279.

MENDONÇA, ELSA BRUNILDE LEMOS DE, 1961/62 Ilha de São Jorge. Subsídios para o Estudo da Etnografia, Linguagem e Folclore Regionais. Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, vol. XIX/XX: 5 a 347.

VAN GENNEP, ARNOLD, 1947 Manuel de Folklore Français Contemporain. Tome Premier. III. Cérémonies Périodiques Cycliques. 1. CarnavalCarème — Pâques. Paris: Picard.

VEIGA DE OLIVEIRA, ERNESTO, 1984 Festividades Cíclicas em Portugal. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

VEIGA DE OLIVEIRA, ERNESTO, 1986 Instrumentos Musicais Populares dos Açores. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian (Serviço de Música).

Notes

1 A recolha de terreno que se encontra na base deste texto realizou-se entre Abril e Agosto de 1988. Tanto essa recolha como o projecto mais vasto de que ela faz parte beneficiam de uma bolsa atribuída pelo I.N.I.C.. A atenção para esta freguesia açoriana foi-me chamada por trabalhos de dois ex-alunos do Departamento de Antropologia da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Nova de Lisboa — o Dr. Paulo Ramalho e o Dr. Alberto Bettencourt — a quem gostaria, por esse motivo, de expressar a minha gratidão. Posteriormente o Dr. Alberto Bettencourt foi de um grande auxílio na organização prévia da minha estada em Santo Antão assim como na minha introdução junto da comunidade. Os meus agradecimentos vão ainda para os mordomos das Festas do Espírito Santo, pela paciência e amabilidade evidenciadas e finalmente para os senhores Manuel Inácio e Carmina, em casa de quem fiquei alojado e que prestaram um apoio importante ao meu trabalho em Santo Antão.
O material apresentado e analisado no decurso do texto diz exclusivamente respeito às Festas do Espírito Santo em Santo Antão, que possuem, no quadro geral de São Jorge, uma certa singularidade. Para alguns aspectos genéricos das Festas do Espírito Santo na ilha de São Jorge, cf. Avelar, 1902, Cunha, 1981, Canto e Castro, 1946 e Mendonça, 1961/2.

2 Esta representação da divindade no quadro das Festas do Espírito Santo é usualmente justificada com base nas narrativas de fundação das Festas pela Rainha Santa Isabel.

3 Esta articulação entre cerimónias cíclicas e formas de circulação cerimonial do alimento é recorrente (cf. Van Gennep, 1947 e Veiga de Oliveira, 1984). Mas atinge nas Festas do Espírito Santo dimensões particularmente importantes, expressas tanto nas quantidades avultadas de alimentos distribuídos como na elaboração cerimonial e amplitude atingida pelas diferentes prestações alimentares que integram a sequência ritual dos festejos.

4 A designação genérica de massa sovada aplica-se a um conjunto de pães em cuja preparação intervêm, além da farinha de trigo, quantidades variáveis de ovos, manteiga e açúcar. No caso de Santo Antão são as seguintes as principais variedades de massa sovada usadas no quadro das Festas do Espírito Santo: pão de leite, massa da noite e massa de São Miguel. Os biscoitos compreendem pelo seu lado duas qualidades principais: rosquilhas fervidas e rosquilhas de aguardente.

5 Entre esses doces encontram-se espécies, rosquilhas brancas, suspiros, pão leve, etc..

6 Esta despesa monetária corresponde, nos Jantares, aos seguintes gastos médios em géneros: uma cabeça de gado, entre 10 a 15 sacas de farinha, 1 saca de açúcar (50 kg), 20 a 25 kg de manteiga, 70 a 80 dúzias de ovos, 2 quintos de vinho, etc... O Gasto de Pentecostes requer, pelo seu lado, 3 a 4 reses e quantidades significativamente mais elevadas dos restantes géneros. No Gasto da Trindade, por fim, são usualmente necessárias duas reses.

7 Estes números — bem como outros que se podem encontrar no texto — foram calculados a partir do recenseamento das casas da freguesia que elaborei no decurso da pesquisa de terreno.

8 Estes cálculos — bem como os seguintes — não levam em conta os emigrantes.

9 Na Festa de Pentecostes cada conta corresponde a 25 bolos e 25 coscorões e cada meia conta a 13 bolos e 13 coscorões. Na Festa da Trindade, cada conta corresponde a 15 bolos mancebos.

10 A apresentação estética dos bolos e bolos mancebos é particularmente valorizada e apoia-se em grande medida na apreciação dos motivos imprimidos na massa por meio de pequenos chavões de madeira, alguns deles bastante antigos; entre os motivos mais comuns encontram-se pombas do Espírito Santo, motivos florais diversos, etc...

11 No fim do Verão, tinha lugar um movimento similar, mas de mais curta duração e envolvendo uma parte menos significativa da população. Para uma apresentação mais detalhada das mudas, cf Bettencourt, 1988.

Table des illustrations

Légende Aspecto da Coroação. O cortejo que se segue à Coroação.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1860/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 440k
Légende Bênção das esmolas junto à Casa do Espírito Santo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1860/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 264k
Légende Aspecto da distribuição deesmolas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1860/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 232k
Légende A mesa ocupada pelos irmãos no decurso do Jantar. Em primeiro plano vêem-se os pães de cabeça que lhes são destinados.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1860/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 228k
Légende Aspecto do cortejo que antecede obodo de leite.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1860/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 232k
Légende Distribuição de leite no decurso do bodo de leite.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1860/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 240k
Légende Distribuição demassa sovada e vinho no decurso do bodo de leite.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1860/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 236k
Légende Freguesia de Santo Antᾶo (Sᾶo Jorge)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1860/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 260k
Légende Extracto do rol onde são registadas as ofertas em bolos.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1860/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 512k

Auteur

Nascido em 1954. Assistente do Departamento de Antropologia Social do ISCTE (Lisboa) e membro do Centro de Estudos de Antropologia Social. Realizou trabalho de terreno nos Açores, tendo em preparação uma tese de doutoramento acerca das Festas do Espírito Santo no arquipélago. Tem também trabalhado sobre história da Etnologia em Portugal, em particular sobre a fase de constituição e desenvolvimento da disciplina no país (finais do séc. XIX).

© Etnográfica Press, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search