Version classiqueVersion mobile

Lugares de aqui

 | 
Joaquim Pais de Brito
, 
Brian Juan O'Neill

Prefácio

Texte intégral

1O Centro de Estudos de Antropologia Social (CEAS) do I.S.C.T.E. (Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa) promoveu entre 1988 e 1989 um Seminário em que participaram antropólogos que, desenvolvendo a sua actividade de investigação e docência em Portugal, neste país têm realizado o seu trabalho de campo ou, de alguma forma, nele se situa o objecto de suas pesquisas. Desta referenciação precisa a um território e a uma língua claramente individualizados surgiu a designação geral de «Terrenos Portugueses», título deste Seminário. Com ele se procurou criar um espaço de encontro e conhecimento de trabalhos actualmente em curso de que, muitas vezes, só se tem notícia depois dos seus resultados serem publicados. Mas foi também nossa intenção propor com ele condições para a discussão de perspectivas teóricas e metodológicas que se prendem tanto com as estratégias individuais de pesquisa como com a diversidade dos objectos e questões abordadas.

2As comunicações foram apresentadas com uma cadência quinzenal e a escolha do conjunto dos participantes seus autores foi, naturalmente, condicionada por razões de ordem prática que obrigaram a limitar o seu número. Assim, além dos que colaboram no presente volume, outros — tanto do Departamento de Antropologia Social do I.S.C.T.E. como de outras instituições universitárias — foram originalmente contactados com vista a contribuir para o Seminário e a presente publicação dos seus resultados, participação esta que, por um ou outro motivo, não se viabilizou. Por outro lado, é também evidente que com elas não se esgotaria todo o campo da pesquisa em antropologia sobre Portugal. De facto, com a institucionalização da antropologia social em Portugal e o interesse acrescido na escolha deste como campo de pesquisa por antropólogos vinculados a universidades estrangeiras, é cada vez maior o número dos estudos a serem elaborados. Convém recordar alguns dos momentos que balizam o percurso deste campo disciplinar, para melhor ficar situado o contexto preciso das contribuições que compõem este volume, que não é mais que uma amostragem dos investigadores e da investigação actualmente em curso.

3A introdução da antropologia em Portugal, em termos de modernidade, pode ser referenciada ao ano em que simultaneamente são publicados dois livros que inauguram duas linhas de pesquisa que viriam a ter um desenvolvimento diferente. É em 1948 que Jorge Dias, no âmbito do recémcriado Centro de Estudos de Etnologia Peninsular, publica Os Arados Portugueses e Vilarinho da Furna. A formação académica do autor numa disciplina que em Portugal não tinha qualquer âmbito institucional e o plano sistemático que havia esboçado para a actividade a desenvolver pela reduzida equipa dos investigadores daquele Centro, definiram o facies da pesquisa e os trabalhos publicados nas décadas seguintes. Essas duas linhas foram: o inquérito extensivo cobrindo a globalidade do território continental (também alargado às ilhas atlânticas) visando o levantamento e análise dos elementos da cultura material; e o estudo intensivo de pequenas comunidades, com trabalho de campo e com o objectivo da restituição dos dados recolhidos e do seu tratamento sob a forma de monografias. Quanto a estas últimas, apenas duas foram publicadas — Vilarinho da Furna (1948) e Rio de Onor: Comunitarismo Agro-pastoril (1953) — apesar de Jorge Dias ter tido a intenção de proceder ao estudo de outras aldeias, como, por exemplo, Castro Laboreiro, o que todavia não se concretizaria. De facto, foi o campo definido pela primeira linha antes referida que veio a ser privilegiado em toda a actividade do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular — com algumas incursões mais esparsas cobrindo aspectos da organização social no âmbito da família, do parentesco e da ritualidade levados a efeito por Jorge Dias e Ernesto Veiga de Oliveira — numa súmula de trabalhos de grande vulto que mobilizou o escasso número dos seus investigadores que, para além destes últimos, incluem Fernando Galhano, Benjamim Pereira e Margot Dias. A própria vinculação de Jorge Dias a projectos de pesquisa no domínio dos antigos territórios ultramarinos desviou-o desse plano inicial de desenvolvimento dos estudos monográficos de pequenas comunidades.

4Considerando a inúmera produção de estudos realizados nos países do Sul da Europa por antropólogos de formação disciplinar académica, sobretudo de matriz anglo-saxónica, que Pitt-Rivers formalmente inaugurou em 1954 com a sua monografia The People of the Sierra, Portugal permaneceu relativamente periférico como campo de investigação antropológica. Esta surge isolada e sem desmultiplicação de efeitos devido à sua reduzida inclusão e articulação no debate metodológico mais amplo da antropologia das sociedades europeias, o que só viria a acontecer a partir da década de 70. São exemplos de pesquisas isoladas que ocorrem em simultâneo ao trabalho continuado do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular, nos anos 50 e 60, o estudo de Emílio Willems (1955) sobre a família em Portugal, a monografia de Joyce Riegelhaupt (tese de doutoramento de 1964 que permanece inédita) sobre a aldeia estremenha de S. João das Lampas, e os trabalhos de Colette Callier-Boisvert sobre Soajo (1966) e sobre o sistema de parentesco português (1968). Mesmo quando surge o livro de José Cutileiro (1971), ainda não há qualquer enquadramento institucional que permita fazer repercutí-lo de forma sistemática, pela ausência de espaço de formação académica específica da antropologia em Portugal. De facto, o único curso então existente era ministrado no I.S.C.S.P.U. (Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina), instituição que se mantinha vinculada a uma estratégia política e pragmática que teve como pano de fundo a administração colonial, apesar de, a partir de 1969, terem surgido teses de licenciatura em antropologia sobre comunidades locais do território continental, como a que veio a ser publicada em 1973 sobre a Fuzeta por Carlos Ramos de Oliveira. Todavia, é com a obra de Cutileiro — A Portuguese Rural Society — que «terrenos portugueses» passam a incorporar e a participar do debate científico da antropologia em geral.

5Com os anos 70 a produção cresce e diversifica-se, não apenas pelo aumento dos estudos feitos por antropólogos estrangeiros como pela criação, subsequente às transformações ocorridas em 1974, de cursos de licenciatura de que o último foi, já em 1983, o de Antropologia Social do I.S.C.T.E. São exemplos desse interesse acrescido por Portugal como «terreno» as pesquisas de Twig Johnson (1977; 1980) sobre uma comunidade piscatória algarvia, que permanece em grande parte inédita, de Patricia Goldey (1981; 1983) a partir de trabalho de campo numa aldeia do Gerês, e de Jan Bennema (1978) sobre as formas de organização comunitária de uma pequena aldeia transmontana vizinha de Rio de Onor — o mesmo tema abordado por M.V. Guerreiro (1982) para o caso duma aldeia do Barroso — , assim como os trabalhos continuados de Joyce Riegelhaupt, que a morte prematura veio a interromper, e o início da investigação diversificada de Caroline Brettell (1979; 1983; 1986) focada prioritariamente sobre uma freguesia do Minho, ou de Robert Rowland (1981; 1984), no domínio da demografia histórica antropologicamente perspectivada.

6Estas indicações não têm, evidentemente, qualquer carácter de exaustividade, nem podem dar conta da variedade de temas, modelos de abordagem e perspectivação teórica que caracterizam e distinguem os autores e os seus trabalhos. Mas com elas pretende-se indiciar a multiplicação de pesquisas concretas e textos publicados, de uma forma ou de outra, a partir de «terrenos portugueses», referindo em especial os primeiros de entre eles. Por isso, também os balanços até hoje feitos sobre os percursos da antropologia em Portugal (Pereira 1965; Callier-Boisvert 1967; Oliveira 1968, 1987; Branco 1986), são instrumentos de trabalho importantes para enquadrar esta breve nota sobre a diversidade dos autores e dos estudos feitos. Este facto torna-se aliás mais acentuado se tomarmos em conta os trabalhos académicos que alunos e professores desenvolvem no âmbito dos cursos de licenciatura e mestrados em antropologia que, desde 1975, foram criados. Neste contexto, o Seminário que está na origem deste livro, sendo apenas uma amostragem da investigação em curso, é desde logo, pela instituição que o promoveu, bastante representativo dos antropólogos que, no Departamento de Antropologia Social do I.S.C.T.E., têm situado em Portugal os objectos de suas pesquisas.

7Na formulação inicial do Seminário, destacou-se um tema unificador: as unidades de análise na sua referenciação ao espaço, e as formas de apropriação social e os sentidos produzidos pelos grupos que o habitam. Pareceu de particular interesse abrir o campo para uma reflexão sobre o que podemos designar a espacialidade ou territorialidade dos grupos. De facto, uma dimensão corrente da pesquisa etnográfica é ela desenvolver-se no quadro da comunidade local. Mas qual a natureza e quais os contornos específicos dessas comunidades? É patente a diversidade de tipos de povoamento no país (certamente ainda não suficientemente problematizada) onde contrastam formas como, por exemplo, o povoamento disseminado do Noroeste de freguesias e lugares; a pequena aldeia aglomerada do Norte Transmontano, aonde sede de freguesia e anexos se equivalem; a grande aldeia do Alentejo de malha urbana e forte expressão demográfica; ou o monte e sítio algarvios e o âmbito de inter-relações que definem conjuntos que a englobam. Sabendo como todas elas se interligam com formas de propriedade e posse da terra, relações económicas e sociais, vizinhança e sociabilidades, representações e práticas simbólicas — que participam dessa mesma diversidade — , tornou-se pertinente reflectir sobre a espacialidade ou, mais precisamente, a territorialidade das unidades de povoamento que têm sido, afinal, os «terrenos» de pesquisa independentemente dela ser ou não o objectivo central da investigação.

8Os ensaios aqui reunidos não constituem — e não pretenderam constituir — uma simples cartografia antropológica dos recentes estudos de comunidade elaborados em várias regiões de Portugal. Também não são uma síntese de todo o trabalho desenvolvido pelos autores nas suas próprias investigações anteriores, podendo mesmo ser, em alguns casos, exteriores às suas preocupações principais. Procurou-se centrar a atenção — quer empírica quer metodologicamente e, por vezes, de forma simplesmente indiciada sobre a complexidade da definição e apropriação social do espaço, e da estruturação divergente das unidades-base que formam esse espaço nas suas diversas expressões regionais. Isto é, tentámos interrogar as ligações entre as unidades de espaço referidas a uma dada zona e contexto e alguns dos significados sociais dessas mesmas unidades para as populações locais e para o analista. A casa, a aldeia, o bairro, o latifúndio, o monte, o sítio, a freguesia, o lugar, o casal, a quinta — todas estas unidades se organizam em estruturas e sentidos bem diferentes; essas múltiplas territorialidades são, assim, directa ou indirectamente, chamadas para o campo da nossa reflexão.

9Presta-se aqui, desde logo, uma particular atenção ao termo específico, mas também multifacetado, de lugar. Entende-se por lugar não apenas a configuração concreta de um espaço físico ou entidade territorial (com os seus usos, apropriações, significações), mas mais precisamente no sentido de «local» de intersecção social ou locus analítico de estudo. Isto é, tomamos por complexa e ambígua a natureza da palavra lugar, apontando para uma das várias vertentes de sentido nela inerentes — os lugares espaciais como loci de análise ou unidades preferenciais de conceptualização. De uma época para outra — aliás, mesmo de um momento para outro — , um lugar pode rapidamente alterar o seu significado social relativamente a grupos, famílias ou indivíduos específicos; naturalmente algo «fixo» e territorial à partida, um lugar também nos oferece dimensões bem mais difusas e filtradas de apropriação e definição social. São estas dimensões que pretendemos levantar como ponto de reflexão etnográfica e teórica — lugares de aqui, de Portugal e em Portugal, perspectivados na sua variabilidade e complexidade.

10Juntamente com esta preocupação em aprofundar a espacialidade, mantêm-se algumas articulações com a investigação desenvolvida anteriormente pelos autores. Comunidades e tópicos aflorados por estes incluem, por exemplo, as zonas da serra algarvia, os Açores e a Madeira, o Alto Trás-os-Montes, o Alto Minho, a Beira Alta, o Alentejo e Lisboa. Mas queremos salientar que esses «terrenos» — tendo sido utilizados sobretudo como panos de fundo para recolhas e problemáticas clássicas da antropologia social — , aqui tendem a constituir per se objecto prioritário de análise e problematização. Daí resulta, ao mesmo tempo, a natureza aliciante mas algo embrionária da formulação da noção de espacialidade. Qual, por exemplo, o alcance e os contornos, na serra algarvia, das unidades locais monte e sítio! Serão níveis significativos na sociedade local, com representações inequívocas para os habitantes? Quais as significações especificamente locais de lugar e de freguesia nos Açores e Madeira, ou de aldeia, lugar, bairro e casa nas povoações de Trás-os-Montes e Alto Minho, ou nas da Beira Alta e Alentejo, ou até nas zonas urbanas de Lisboa? Todas estas interrogações apontam no sentido de abrir um campo de reflexão e debate relativamente à comparação dessas unidades. Um olhar atento focado sobre as inter-relações entre as unidades de espaço e as formas de apropriação social desse espaço pode tornar-se especialmente frutífero. Inerente a esta formulação de uma problemática-chave paira, como é óbvio, a articulação com uma disciplina afim — a geografia — , embora não seja esta possível interdisciplinariedade um objectivo deste volume.

11Um segundo tema merece também menção. No decurso do Seminário, tornou-se evidente que um outro tipo de «terreno» antropológico estava a emergir nalgumas das apresentações. Seria o terreno próprio do texto escrito ou do documento local. Ao focar como fonte principal o livro de contas de uma taberna transmontana, os livros de Actas de uma associação recreativa em Lisboa, os relatos científico-literários dos viajantes setecentistas na ilha da Madeira, ou o Livro de Leitura da 3.a Classe, abre-se um campo de pesquisa que se distancia (mas também re-aproxima) da recolha clássica antropológica centrada prioritariamente em testemunhos orais e nos contextos locais da sua emissão. Quando se toma como objecto de análise uma fonte eclesiástica como o Rol de Confessados, ou a mais difusa memória colectiva baseada na cultura oral camponesa, ou até as cristalizações verbais da personalidade social — as alcunhas — , as possíveis configurações dos espaços e dos grupos sociais que os apropriam podem alterar-se de forma notória. Bem diferente do uso dum texto local como mera «informação suplementar», levantam-se aqui vários casos de articulação da leitura de um texto escrito com a análise propriamente antropológica do mundo social oral. Este facto irá enriquecer o conjunto de problemas tratados.

12Mas qual o significado disto? Claro que na antropologia sempre se tem recorrido ao uso do texto oral — seja este uma genealogia, um mito, um comentário verbal, uma entrevista ou uma história de vida. Não se pretende neste caso simplesmente alargar ou estender este uso a outros textos escritos, que já pela sua variabilidade e complexidade não compete necessariamente à antropologia tratar em primeiro plano. A questão central que se coloca é, quais os contornos principais dum documento na sua própria inserção local? Estes documentos também são, de certa forma, lugares ou locais de apropriação e de diversificação social. Ou, antes, apresentam-se-nos em dois planos: primeiro, os espaços e territorialidades das unidades a nível local (com os seus grupos, redes, classes e parentelas) e, segundo, o espaço propriamente «social» da composição, circulação, sentidos e usos locais do documento. Quais os indivíduos ou grupos que se apropriam dum documento, ou se investem da sua filtração oral a outros indivíduos e grupos? Outra questão central: qual a correspondência entre as espacialidades numa dada zona e os vários «espaços» (explícitos ou escondidos) que um documento torna perceptíveis?

13Uma comunidade rural de pessoas a serem observadas in situ com longa permanência de um estranho à sociedade local não constitui forçosamente o «terreno» etnográfico preferível (aliás, este estilo de trabalho de campo é, ele mesmo, apenas um na história global da etnologia, do folclore e da antropologia social e cultural). Num texto também se podem «ouvir» e confrontar várias vozes, com a sua devolução ao espaço social da sua produção e circulação. Também ele assim se constitui em locus em algumas das contribuições ao presente volume.

14Sem pretender qualquer tratamento exaustivo, serão pertinentes umas curtas palavras iniciais sobre os artigos agrupados no volume, atendendo também a algumas das articulações laterais entre eles.

15Abre o livro com o estudo de João Leal sobre a festa do Espírito Santo na ilha de S. Jorge nos Açores, que amplia o campo da investigação já antes conduzida pelo autor (Leal 1984). Analisando a estruturação local das irmandades e da circulação cerimonial de alimentos neste festejo — com particular atenção aos jantares e gastos — , salienta-se a complexidade de vários níveis de pertença local. Esta pode referir-se à irmandade, ao lugar (arrabalde), à freguesia ou aos postos específicos de mordomo, de uma forma horizontal ou vertical. No decurso da festa, exprime-se o prestígio colectivo da freguesia como um corpo social unificado e reafirma-se a sua identidade como unidade «sociocêntrica», constatação social que é posta em relação com as práticas fortemente endogâmicas verificadas nalgumas das mesmas freguesias. Coloca-se desde logo o problema das várias unidades espaciais e sociais locais — quais os seus significados no (e fora do) contexto da festa? A análise complexifica-se, por exemplo, quando se traça a criação da freguesia de St.° Antão em 1889 e se verifica o papel da festa nessa criação, com o seu acentuado antagonismo em relação à freguesia de Topo. Avançando mais, descreve o autor as mudas da população rural para as fajãs e nortes da ilha, deslocações sazonais que — contrariamente à separação rígida e competitiva dos membros das duas freguesias na altura da festa do Espírito Santo — aproximam pessoas e casas dos diferentes lugares da mesma freguesia e de freguesias diferentes. Se se pode notar uma junção das vertentes sociais e territoriais na reconstrução da identidade durante as festas, nestas mudas encontramos um contraste flagrante: a «desagregação» das unidades do lugar e da freguesia.

16Jorge Freitas Branco oferece-nos uma perspectiva sobre os espaços enigmáticos e misteriosos da ilha da Madeira — terreno de uma investigação aprofundada anterior do autor (Branco 1987) — apreendidos como contraditórios e ambíguos tanto pelo analista moderno como pelos viajantes setecentistas James Cook e Georg Forster. Dois grandes níveis de aproximação a esta realidade complexa da ilha são comparados — primeiro, o dos textos produzidos «externamente» e em que se projectam idealizações de uma paisagem verdejante, e o segundo um nível de análise «interna» das lógicas e dinamismos inerentes aos espaços geográficos e sociais no interior da ilha. Enquanto no primeiro caso se trata duma imagem europeia (não-portuguesa e não ibérica) do ambiente natural de um terreno semi-exótico, no segundo caso a análise antropológica descortina uma situação de tensões profundas entre grupos sociais — centrados, em planos antagónicos, na produção e exportação do vinho e numa agricultura cerealífera de subsistência. A circulação de mostos e de vinhos finos revela uma rede hierárquica interna que entrelaça paisagem, ecologia, espaço social e relações sociais. Quer no século XVIII através de textos que falam da beleza paisagística das vinhas, quer no trabalho de campo antropológico focado no «presente etnográfico», detecta-se nesta análise uma riqueza de interpretações de vários níveis de espacialidade (horizontais e verticais) na sua articulação com os diversos grupos sociais da ilha. Como unidade de análise — ao lado das do arquipélago, ilha, freguesia e lugar — , destaca-se a menos imediatamente visível do «andar ecológico».

17Pedro Prista apresenta-nos dados de uma região relativamente desconhecida da antropologia portuguesa — o Alto Barrocal. Introduz-nos a uma zona de grande mutabilidade e de difícil classificação: região de transição entre a serra e o litoral algarvios caracterizada por uma indefinição e uma imprecisa diversidade, que chegou a ser designada como terra inominata. Situa-se a freguesia que estuda numa confluência de sub-regiões geográficas, debruçando-se o autor sobre a unidade principal de espaço social local — o sítio. Que são estes lugares minúsculos? A dispersão é profunda, a ponto de parecerem simples conjuntos de «vizinhos espalhados por montes». São referidos factores que levam à ruína de alguns sítios e casas que os compõem, à sua subdivisão interior, desmantelamento ou pura extinção. No meio desta paisagem socialmente árida, denotam-se algumas lojas e tabernas e algumas actividades de cooperação agrícola como as tornas e ajudadas, juntamente com uma ênfase idêntica àquela reportada por Cristiana Bastos na residência neolocal e na disseminação de parcelas divididas por herança estritamente equitativa. Mas interroga o autor, qual então o sentido de «pertença colectiva» das gentes que a habitam, se é que existe algum? Pormenores sobre os funerais e cemitérios só parecem responder pela negativa: temos neste caso unidades de espaço social diametralmente opostas à natureza daquelas analisadas por João Leal nos Açores. Será que há alguma identidade local nestes sítios, com a inexactidão das formas do povoamento disperso aí indicadas e a precariedade e fragilidade da sua reprodução? Com uma autonomia individual de cada casa, podemos falar em «grupos» concretos de parentes ou vizinhos? Como interpretar a tendência dos idosos para o suicídio? O autor conclui, no entanto — numa concordância com Cristiana Bastos — que existe também uma vivacidade e estabilidade na estrutura do sítio.

18Cristiana Bastos aborda, na sequência de pesquisas anteriores (Bastos 1987), uma região igualmente pouco conhecida — a serra algarvia. À partida, trata-se duma zona «deserta» caracterizada pela sua marginalização — uma paisagem desolada de «lugares-fantasmas» despovoados. Também aqui são invocados os escritos de alguns viajantes do passado, e utiliza-se como fonte o Rol de Confessados cobrindo o período entre 1793 e 1907. De certa forma, detecta-se uma correspondência nítida entre as unidades espaciais principais e o seu tamanho, ao longo do século XIX, e a sua configuração actual, como tendo «saído directamente dos documentos paroquiais». Nesta região, as unidades básicas são os montes, bem contrastados com os montes alentejanos ao norte e o povoamento Barrocal mais a oeste e sul. Parecem ser unidades territoriais de grande dificuldade em classificar e comparar. Constituem normalmente pouco mais que uns 10 grupos domésticos, o que suscita à autora considerações de ordem metodológica sobre a sua pertinência como unidade analítica. Quase se sugere que uma entidade tão frágil, demográfica e socialmente, indica uma falta de capacidade desta sociedade para a sua própria reprodução. Documenta-se a predominância da residência neolocal, da pulverização e fragmentação da propriedade — cada parcela partilhada rigorosamente, em quinhões iguais entre os herdeiros —, e uma curiosa combinação de desertificação e vitalidade. Reside esta forma de reciclagem e mobilidade de pessoas dentro e fora da zona, sendo muito antigos estes movimentos da população (note-se o contraste imediato entre estas unidades de montes e as estruturas mais estáveis da casa e da aldeia no norte do país). Dando indicações que tocam aspectos da análise de Raúl Iturra neste volume, destaca-se o facto que estas formas de constante mobilidade e deslocação são conceptualizadas pelos próprios actores sociais como continuadas no tempo: há uma memória que remete para um passado em que tais práticas eram muito generalizadas. De novo nos interrogamos quanto à inserção desta unidade nos espaços sociais ao seu redor: constituiriam as pessoas nelas residentes verdadeiros «grupos» de parentes, vizinhos ou amigos? Ou será que a natureza específica desta unidade, como exemplo extremo — particularmente reduzida, frágil e, aparentemente, quase amorfa — , nos obriga a redefinir com mais cuidado ainda os nossos elementos espaciais básicos?

19João de Pina Cabral leva-nos a uma outra região — o Alto Minho — e a um outro nível de conceptualização do espaço: a casa rural. A atenção transfere-se aqui para o Noroeste do país, e remete para um longo trabalho de investigação antes efectuado pelo autor (Pina Cabral 1986). Inspirandose num artigo de Max Gluckman em que a análise do «estudo de caso» toma em conta a posição específica do antropólogo como actor consciente, coloca o autor uma questão aparentemente simples e inócua — porque residiu o observador naquela casa durante o seu trabalho de campo e não noutra qualquer? Constrói-se toda uma perspectivação complexa dos variados níveis da apropriação social do espaço da casa rural por meio da exposição de um «estudo de caso»: só ao fim desta exposição podemos chegar a uma resposta adequada à referida interrogação. Destacam-se, assim, três princípios associados que destrinçam o processo em questão — um de verticalidade e da apropriação do espaço e dos objectos, outro da horizontalidade dessa apropriação e um terceiro da temporalidade envolvida na devolução da apropriação a outras gerações. O próprio antropólogo aparece na cena como um potencial ocupante perene duma casa desabitada: houve um perigo difuso, localmente institucionalizado, em ceder ou arrendar casas por causa da dificuldade futura em conseguir que o ocupante abandonasse a residência, percebida ao longo de vários anos como um «direito adquirido de uso». O antropólogo conseguiu residir, então, numa casa que lhe foi «emprestada» pelo antigo Presidente da Junta de Freguesia, mas que mais tarde acabaria por se converter numa situação de renda (instituída pelo autor). A ocupação dessa casa específica liga-se com toda uma série de processos e factos políticos e sociais remontando até à década anterior ao 25 de Abril de 1974, quando o dono da casa se encontrava numa posição política de destaque (que se viria a modificar após 1974). O antropólogo acaba por ser, de certa forma, absorvido por subtis formas de apropriação local do espaço de residência. Casas não utilizadas, casas destinadas aos filhos e netos futuros, e casas (em parte ou na íntegra) cedidas ou arrendadas encontram-se, simultaneamente, imbrincadas em desenvolvimentos políticos, alianças interpessoais e pactos momentâneos. Com uma chamada de atenção para o significado local de unidades de lugar, e das entidades complementares de meia de cima e de meia de baixo em que se divide a freguesia, o autor oferece-nos uma visão dinâmica e complexa da unidade vacilante e mutável da casa.

20Brian Juan O’Neill, numa linha diferente, propõe um modelo quadripartido para a análise das interligações entre o espaço social e os grupos sociais na aldeia aglomerada transmontana. Não sendo uma proposta definitiva, mas antes uma grelha particular aplicável especificamente à nossa problemática do espaço, tenta-se aprofundar o cruzamento (ou falta de tal) entre quatro grandes níveis de espaço físico numa comunidade rural e os principais grupos sociais que se apropriam, ou que se afastam, desses mesmos espaços. Começando com o nível exterior à pequena povoação de Fontelas (O’Neill 1984), perspectivam-se quais os papéis, e para quem, de estruturas como os campos de cultivo, as vinhas, os baldios, as poças de irrigação e os «moinhos do povo». Um segundo nível de espaço constitui o da aldeia como um todo, designado comunal ou público: trata-se agora de espaços comunais como o cemitério e a igreja, o «conselho de vizinhos», a escola, os poulos, a taberna e as ruas. Um terceiro campo — ainda mais complexo a destrinçar analiticamente — é o nível colectivo dos grupos de co-herdeiros, não coincidente mas relacionado com o espaço do bairro. Analisam-se aqui as cortinhas, as eiras e os fornos colectivos, e os caminhos — dando atenção também a práticas sem um referente espacial directo como a entreajuda, a amizade e a vizinhança. Comparando este nível com o do comunal/público, pode detectar-se uma tendência para práticas semi-comunitárias localizadas não ao nível da comunidade como um todo, mas antes dentro destes subgrupos de co-herdeiros. Estes últimos não são «parentelas» nem «famílias» concretas, assim suscitando outro nível de problematização de grupos de parentesco e grupos de colaboração agrícola. Quais são, então, os verdadeiros grupos sociais? Finalmente, encontramos um quarto campo: o nível doméstico que corresponde à estrutura da casa rural e os seus anexos e sub-divisões internas. O objectivo primordial do texto é dissecar internamente a comunidade rural aglomerada, no sentido de evitar a reificação de níveis de espaço físico (o que acontece frequentemente com os segundos e quartos níveis apontados — a aldeia e a casa). Quais as especificidades destes quatro níveis de espaço, e quais os graus de apropriação por indivíduos e grupos concretos? Esta delineação não deixa de suscitar também uma reflexão sobre o sentido e as ambivalências das categorias locais de «grupo social».

21Joaquim Pais de Brito, numa outra aldeia transmontana — Rio de Onor — procura descortinar os modos como o espaço social aldeão se projecta na taberna/mercearia local. Este apresenta-se como espaço de circulação de pessoas, bens e ideias, assim como de produção e reprodução de relações sociais. Mas, mais do que na expressão física concreta deste lugar da aldeia e nas formas e fluxos da sua frequentação, é a partir de uma fonte documental ali produzida — o livro de registo de gastos, débitos e pagamentos escriturado pelo taberneiro — que o autor interroga a inserção local da taberna na aldeia. De facto, a forma e o conteúdo dos registos denunciam exemplarmente os modos de vida, os ritmos sazonais, os momentos marcantes do ciclo de vida dos habitantes, como também a própria estruturação social do todo que é a aldeia com as unidades menores que a compõem — as casas ou vizinhos (são estes os únicos que têm os seus nomes inscritos como clientes da taberna). Em moldes ainda mais expressivos, as contas revelam-nos a própria aldeia como cliente colectivo da taberna, com folha própria no livro e é esta, afinal, o objecto último de um texto que, interrogando a instituição taberna, nesta vem a descobrir — pelo recurso a esse texto privilegiado constituído pelo registo dos consumos e débitos — um lugar que revela o todo aldeão, no seu fechamento e abertura ao exterior, nas suas homologias e diferenciações, nas instituições que acompanham as suas formas e princípios de organização, como o conselho em posição de cúpula tal, como o autor pode analisar com detalhe num trabalho recentemente concluído (Brito 1989).

22Graça Ìndias Cordeiro conduz-nos a outra espécie de lugar — a cidade — com toda a fluidez e compartimentalização de esferas sociais inerentes à vida urbana. Perspectiva a sociabilidade dos tempos livres num dos bairros populares de Lisboa (ver também Ìndias Cordeiro 1987), com particular atenção às sociedades de cultura e recreio ou colectividades, que constituem uma forma específica de associação voluntária com os seus próprios «pontos espaciais de interacção». Analisa o caso do Grémio de Instrução Liberal de Campo de Ourique — fundado em 1910 — através da recolha de dados na própria associação e da análise dos Livros de Actas das reuniões semanais da direcção entre os anos 1942 e 1972. Com base nestas podem repor-se algumas linhas da «pequena história» deste micro-cosmos associativo — processo que remete natural e imediatamente para a história e percursos de outras associações lisboetas (e urbanas em geral) e a história englobante da própria capital. Confrontamo-nos com «grupos» de indivíduos (os sócios) algo permeáveis, cujos limites se apresentam pouco precisos: como enquadrar os vários níveis de sociabilidade e colaboração destes membros nas suas actividades dentro da associação, estando eles ligados através de redes de administração local, de política, de vizinhança ou de cooperação com outras associações? O simples «convívio social» torna-se um campo de conflitos e tensões: as actas registam e comentam diversos momentos de agressividade no espaço do jogo, relações tensas entre a direcção e o corpo dos sócios, desacordos em torno das horas de jogo e menções de «falta de decência» nos bailes. Todos estes registos de eventos e relações interpessoais — algo comparáveis ao «barómetro social» do livro de contas da taberna de Rio de Onor — convergem numa perspectivação do espaço de convivialidade desta micro-unidade como simultaneamente associativista e conflituosa. Através duma análise controlada dum campo vivo de interacção associativa e dum texto escrito registando processos sociais entrecruzando um espaço concreto ao longo de várias décadas, temos um exemplo não da anomie moderna urbana, mas da apropriação positiva, activa e continuada dum espaço social complexo.

23Francisco Ramos concentra-se sobre uma outra zona do país — o Alentejo — e uma outra forma de «terreno» textual: a alcunha. Conferindo alguma atenção à comunidade de Vila Velha estudada anteriormente em forma monográfica por José Cutileiro, aborda as várias funções sociais das alcunhas como forma precisa de comunicação oral. Nelas destaca a identificação rápida dos indivíduos; o controlo e crítica social; o estabelecimento de definições hierárquicas numa escala socioeconómica; a demarcação dos limites entre famílias, bairros, povoações ou regiões rivais em termos de nós e os outros; o reforço da amizade; e o efeito lúdico do simples prazer verbal humorístico. Tomando como terreno preferencial a forma específica e idiossincrática do curto «texto» oral da alcunha, distanciamo-nos dos temas de grupos sociais e unidades territoriais: as alcunhas, por sua própria natureza, não nos permitem teorizações ou comparações directas com níveis de espacialidade. Apesar de a formulação inicial do autor remeter para o contexto preciso de Vila Velha, acaba no entanto por referenciar a análise a um espaço amplo (que como tal não chega a ser interrogado no texto) do Alentejo oriental, que foi o território de recolha do material trabalhado. No entanto, emerge uma articulação com os tópicos desenvolvidos no trabalho de Raúl Iturra. Trata-se da oralidade como uma esfera relativamente separada e autónoma em relação à cultura letrada, e da memória colectiva como «fonte» de relações sociais.

24Raúl Iturra perspectiva outra dimensão do espaço da aldeia camponesa. À partida, conceptualiza-se a aldeia aparentemente como uma unidade de análise a par com as unidades clássicas da antropologia como, por exemplo, o clã e a tribo. Mas, nas comunidades rurais europeias, uma perspectiva mais dinâmica é necessária — focar a aldeia como um processo social com as suas próprias continuidades e descontinuidades no seu devir histórico. A aldeia apresenta-se-nos assim como «uma sucessão de épocas acumuladas no mesmo tempo histórico» que o antropólogo atento exclusivamente ao presente etnográfico perderia facilmente, sem dar conta desta dimensão da genealogia de conhecimentos acumulados localmente ao longo de séculos de história. São umas escassas pessoas letradas que se encarregaram de interpretar e estudar a enorme população de membros da cultura oral, com as suas próprias regras de reprodução do saber e da memória. Chama o autor a nossa atenção para a necessidade de «abrir» as unidades de análise dos antropólogos — seja através duma visão mais ampla das relações sociais, de um enquadramento da aldeia dentro das conjunturas mais vastas do Estado-Nação, ou do estudo da articulação entre o passado mítico local e o passado factual geral. Ao colocar a memória histórica e a memória oral no centro da análise como espécies de «terrenos» a aprofundar (articulando assim com certos aspectos dos trabalhos de Cristiana Bastos e Francisco Ramos), oferece-nos uma outra visão — mais reflexiva e teórica — sobre a unidade aldeia. Em vez de serem aparentemente «sociedades sem textos», as aldeias seriam sociedades sumamente textuais na sua própria oralidade. Neste caso, não se afirma que essa unidade seja, ou tenha sido, «fechada», prolongando-se no seu passado histórico e memorial. São alguns dos aspectos que Raúl Iturra ilustra a partir dum trabalho de campo extenso numa aldeia da Beira Alta, que tem sido objecto duma investigação prolongada (ver, por exemplo, Iturra 1985; 1987; 1988).

25Miguel Vale de Almeida introduz-nos a um «terreno» bem diferente — um texto escrito sobrecarregado de nacionalismo, ruralidade e sobreposições de história, memória e ideologia — o Livro de Leitura da 3.a Classe adoptado durante muitos anos nas escolas primárias do país. Propõe uma leitura deste texto semelhante à leitura a que um antropólogo procede de uma sociedade ou uma «cultura»: um todo orgânico susceptível à análise e interpretação. Interessa não a simples discriminação de valores, crenças e conhecimentos como entidades abstractas, mas o campo de ideias e símbolos que, como corpus de conceitos unificados, agem activamente sobre a vida social e as pessoas. Por excelência, temos neste caso um terreno ou «lugar»: as ideias normativas fixadas na escrita. De certa forma, também aqui o campo se transfere a outro nível, distinto da aldeia ou do bairro urbano: é todo Portugal e a sua construção discursiva que se constituem como terreno no Livro de Leitura. Ao interrogar-se, quem lia este livro?, e ao propor que, idealmente, seria a criança de 7 ou 8 anos, levantam-se como objectos de contemplação vastos grupos sociais que recebiam as «mensagens» contidas nos textos e múltiplas ilustrações do referido Livro: é a ficcionalidade e estrutura interna (coerente ou não) desse texto — não o Estado Novo ou as suas instituições — que ocupam o palco antropológico deste autor. O texto em análise, reflectindo (de forma bem particular) instituições como a escola e a Igreja, e processos complexos de socialização e inculcação, acaba por se configurar como um esquema totalizante de uma certa visão do mundo: este «esquema ideal» (legitimado em níveis divinos através de suas remetências religiosas) consegue condensar identidades, descurar algumas épocas históricas e destacar outras, misturar sequências ordenadas, exagerar personagens e quase obliterar quaisquer referências a outros povos a não ser o «português». Este campo da memória nacional-mítica articula-se, mas de forma indirecta, com o campo da memória social e o saber oral camponês referidos por Cristiana Bastos e Raúl Iturra, e apresenta-nos um lugar preferencial, embora idiossincrático, de análise antropológica do espaço social dum texto.

*

26Não pretendemos propor interdisciplinariedades apressadas: haverá, no conjunto das contribuições, articulações claras com a geografia, a história, a sociologia e a literatura, mas essas articulações não constituem a nossa proposta-chave. Se conseguirmos despertar algumas dúvidas, questionamentos, reflexões e hesitações, então teríamos atingido um dos objectivos colectivos: reflectir e ponderar sobre os diversos modos de analisar, através de um ou dois fios condutores, a rica diversidade das unidades espaciais em Portugal.

Bibliographie

BASTOS, Cristiana, 1987 Os montes do nordeste algarvio, Tese de Mestrado, Lisboa, Universidade Nova.

BENNEMA, Jan Wellem, 1978 Traditions of communal co-operation among portuguese peasants, Amsterdam, Papers on European and Mediterranean Societies, N.o 11.

BRANCO, Jorge Freitas, 1986 «Cultura como ciência? Da consolidação do discurso antropológico à institucionalização da disciplina», Ler História, 8: 75-101. , 1987 Camponeses da Madeira. As bases materiais do quotidiano no Arquipélago (1750-1900), Lisboa, Publicações Dom Quixote.

BRITO, Joaquim Pais de, 1989 A aldeia, as casas: Organização comunitária e reprodução social numa aldeia transmontana (Rio de Onor), Tese de Doutoramento, Lisboa, I.S.C.T.E..

BRETTELL, Caroline B., 1979 «Emigrar para voltar: A Portuguese ideology of return migration», Papers in Anthropology, 20: 1-20.

BRETTELL, Caroline B., 1983 «Emigração, a Igreja e a festa religiosa no norte de Portugal: Estudo de um caso», Estudos Contemporâneos, 5: 175-204.

BRETTELL, Caroline B., 1986 Men who migrate, women who wait: Population and history in a Portuguese parish, Princeton, Princeton University Press.

CALLIER-BOISVERT, Colette, 1966 «Soajo: Une communauté féminine rurale de 1’Alto-Minho», Bulletin des Études Portugaises,XXVII: 237-278.

CALLIER-BOISVERT, Colette, 1967 «La vie rurale au Portugal: Panorama des travaux en langue portugaise», Études Rurales, 27: 95-134.

CALLIER-BOISVERT, Colette, 1968 «Remarques sur le système de parenté et sur la famille au Portugal», l'Homme, VIII 2: 87-103.

CUTILEIRO, José, 1971 A Portuguese rural society, Oxford, Oxford University Press (Trad: Lisboa, Sá da Costa, 1977).

DIAS, Jorge, 1948a Os arados portugueses e as suas prováveis origens, Coimbra, I.A.C.

DIAS, Jorge, 1948b Vilarinho da Furna: Uma aldeia comunitária,Porto, I.A.C.

DIAS, Jorge, 1953 Rio de Onor: Comunitarismo agro-pastoril, Porto, I.A.C.

GOLDEY, Patrícia, 1981 «Emigração e estrutura familiar: Estudo de um caso no Minho», Estudos Contemporâneos, 2/3: 111-127.

GOLDEY, Patrícia, 1983 «Migração e relações de produção: A terra e o trabalho numa aldeia do Minho (18761976)», Análise Social, XIX (77/78/79): 995-1021.

GUERREIRO, Manuel Viegas, 1982 Pitões das Júnias: Esboço de monografia etnográfica, Lisboa, S.N.P.R.P.P.

ÍNDIAS CORDEIRO, Graça, 1987 Laranjinha, lazer, solidariedade: Um ensaio de antropologia urbana, Tese de Mestrado, Lisboa, Universidade Nova.

ITURRA, Raúl, 1985 «Casamento, ritual e lucro: A produção de produtores numa aldeia portuguesa (18621983)», Ler História, 5: 59-81.

ITURRA, Raúl, 1987 «A reprodução no celibato», Ler História, 11: 95-105.

ITURRA, Raúl, 1988 «A construção conjuntural do grupo doméstico», Sociologia: Problemas e Práticas, 5: 61-78.

JOHNSON, Twig W., 1977 Work among Portuguese fishermen: Towards a model of social production, Tese de Doutoramento, Columbia University.

JOHNSON, Twig W., 1980 «Work together, eat together: Conflict and conflict management in a Portuguese fishing village», in R. Anderson (Ed.), North Atlantic maritime cultures: Anthropological essays on changing adaptation, Haia/Paris/N. York, Mouton: 241-252.

LEAL, João, 1984 Etnografia dos Impérios de Santa Bárbara (Santa Maria, Açores), Lisboa, Instituto Português do Património Cultural.

OLIVEIRA, Carlos Ramos de, 1973 Fuzeta: Uma abordagem antropológica, Lisboa, I.S.C.S.P.U.

OLIVEIRA, Ernesto Veiga de, 1968 Vinte anos de investigação etnológica do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular,Lisboa, I.A.C.

OLIVEIRA, Ernesto Veiga de, s/d Centro de Estudos de Etnologia: 1947-1987, Lisboa, I.N.I.C. (1987).

O’NEILL, Brian Juan, 1984 Proprietários, lavradores e jornaleiros: Desigualdade social numa aldeia transmontana — 1870-1978, Lisboa, Publicações Dom Quixote.

PEREIRA, Benjamim Enes, 1965 Bibliografia analítica de etnografia portuguesa, Lisboa, I.A.C.

PINA CABRAL, João de, 1986 Sons of Adam, daughters of Eve: The peasant worldview of the Alto Minho, Oxford, Clarendon Press (Trad: Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1989).

RIEGELHAUPT, Joyce F., 1964 In the shadow of the city: Integration of a Portuguese village, Tese de Doutoramento, Columbia University.

RIEGELHAUPT, Joyce F., 1967 «Saloio women: An analysis of informal and formal political economic roles of Portuguese peasant women», Anthropological Quarterly, 40, 3: 109-126.

RIEGELHAUPT, Joyce F., 1973 «Festas and Padres: The organization of religious action in a Portuguese parish», American Anthropologist, 75, 3: 835-852.

RIEGELHAUPT, Joyce F., 1979 «Os camponeses e a política no Portugal de Salazar: O Estado Corporativo e o “apoliticismo” nas aldeias», Análise Social, XV (59): 505-523.

RIEGELHAUPT, Joyce F., 1981 «Camponeses e Estado liberal: A revolta de Maria da Fonte», Estudos Contemporâneos, 2/3: 129-139.

ROWLAND, Robert, 1981 «Âncora e Montaria, 1827: Duas freguesias do Noroeste segundo os livros de registos das Companhias de Ordenanças», Estudos Contemporâneos, 2/3: 199-242.

ROWLAND, Robert, 1984 «Sistemas familiares e padrões demográficos em Portugal: Questões para uma investigação comparada», Ler História, 3: 13-32.

SANCHIS, Pierre, 1983 Arraial: festa de um povo. As romarias portuguesas, Lisboa, Publicações Dom Quixote.

WILLEMS, Emílio, 1955 «A Família Portuguesa Contemporânea», São Paulo, Publicações Avulsas da Revista Sociologia, 1: 1-59.

© Etnográfica Press, 1991

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search