Versione classicaVersione mobile
OpenEdition Books

Filhos de Adão, filhas de Eva

 | 
João de Pina Cabral

VI. A vida e a morte

18. A morte e o enterro

Testo integrale

6. Ofertas votivas na capela de Utelinda da Barca.

6. Ofertas votivas na capela de Utelinda da Barca.

7. O corpo incorrupto de Utelinda da Barca.

7. O corpo incorrupto de Utelinda da Barca.

I

1As práticas ligadas ao enterro não são uniformes em todo o Minho. Por vezes, diferem mesmo entre duas freguesias, reflectindo, assim, por um lado, o relativo isolamento das freguesias rurais e, por outro lado, as suas histórias diferentes. Mas podemos ainda acrescentar um terceiro factor explicativo: o impacto diverso de toda uma nova atitude para com a morte e o enterro. O Alto Minho atravessa presentemente um processo de transformação radical destas atitudes. O que surpreende é o facto de não haver uma consciência local sobre este processo de alteração.

2A partir do século vi, desenvolveu-se, entre os cristãos, um apego ao enterro ad sanctos, ou seja, considerava-se que quem fosse sepultado junto das relíquias de um santo ou em lugares santificados obteria, desse modo, benefícios espirituais na vida extraterrena (para uma discussão histórica geral sobre as práticas da morte na Europa cristã, cf. Ariès, 1975 e 1977). Não existindo no Minho espaço suficiente para acomodar todos os mortos no interior da igreja, só os ricos podiam receber este tratamento privilegiado: os vizinhos eram, na sua maioria, enterrados no adro em sepulturas comunais ou individuais.

3Deste modo, no momento em que os vivos se congregavam para a oração, os mortos jaziam aos seus pés, assim, a pertença à freguesia promovia uma unidade que transcendia a própria morte.

4A despeito de alguma imprecisão da parte dos meus informantes, parece que, até ao século xx, muitas das pessoas eram enterradas sem caixão. Envoltas numa mortalha, eram levadas à sepultura dentro de esquifes, que eram caixões comunais abertos.

5Em todo o sul da Europa, durante o século xviii, a prática de enterrar as pessoas nos adros começou a ser objecto de críticas. Em Portugal, esta crítica veio a ser saliente depois das invasões napoleónicas e foi consagrada nas denominadas Leis de Saúde da década de 1830 e, especialmente, na lei de 1845 (cf. Pina Cabral e Feijó, 1983). Como Ariès observa a propósito da França, não é possível afirmar com rigor se esta indignação resultava de uma preocupação real com o verdadeiro perigo que o estado de incúria dos adros representava para a saúde pública ou se resultava do desenvolvimento de novas atitudes perante a morte. Inclino-me a aceitar a proposta de Ariès, colocando uma maior ênfase na segunda explicação.

6A reacção do campesinato minhoto ao ataque directo que as Leis de Saúde de 1845 moveram às suas práticas de enterro foi violenta e conseguiu protelar a construção sistemática de cemitérios até aos finais do século xix. Em Paço, as actas da Junta de Freguesia mostram que, durante as décadas de 1880 e 1890, foi debatida a questão da construção de um cemitério, que ficaria fisicamente separado do adro actual. No entanto, o cemitério só começaria, de facto, a ser utilizado durante o segundo quartel do século xx. O cemitério de Couto só viria a ser construído muito mais tarde, durante a década de 1970. A mera utilização de cemitérios é, desde logo, uma indicação de uma reformulação das atitudes camponesas.

7Os enterros nos cemitérios são realizados em campas separadas pertencentes a cada casa. As campas podem ser compradas. Praticamente todas as casas camponesas de grande e média riqueza possuem uma campa onde enterram os seus mortos. São, geralmente, ornamentadas com uma lápide de mármore onde se encontram gravados os nomes e as datas de nascimento e morte dos defuntos. Estão também, habitualmente, presentes outros símbolos religiosos como um crucifixo ou uma estatueta da Virgem Maria. Estas decorações são imitações conscientes das modas urbanas e transmitem prestígio à casa. As casas pobres não têm meios para adquirir campas próprias e, portanto, não se podem dar a estes luxos. O direito de utilizar uma campa é herdado por todos os filhos do proprietário original. Mas, na prática, há uma campa por cada casa e as pessoas são enterradas na campa da casa a que pertencem ou na dos seus pais, no caso de não possuírem uma casa própria.

8Há dois aspectos inovadores a salientar a respeito dos enterros nos cemitérios. Primeiro, os cemitérios estão situados em espaços separados das igrejas, apesar de serem um campo santo. Nas cidades, poderão ter sido, sobretudo, as necessidades demográficas que impuseram esta alteração. Mas, nas áreas rurais, ela corresponde a uma mudança de atitude que leva ao desaparecimento da antiga familiaridade com os mortos em benefício de uma maior separação entre o reino dos vivos e o reino dos mortos. Os vizinhos já não rezam literalmente por cima dos seus mortos. A tentativa de abolição desta prática parece ter constituído uma das facetas das Leis de Saúde que mais chocaram os camponeses minhotos oitocentistas. Ainda hoje se encontram ecos dos comentários do almocreve de A Morgadinha dos Canaviais: cobertas de mármore, estas campas são tão bonitas como as da cidade, é verdade; mas o cemitério é um lugar frio e húmido, onde os mortos ficam desamparados na solidão e no desconforto. Actualmente, isto é aceite como uma condição inevitável, mas no século xix era considerada como uma exigência injustificada.

9É interessante verificar que os camponeses, ao mesmo tempo que começam a adoptar práticas urbanas e a construir cemitérios, continuam a ter dificuldade em renunciar totalmente ao seu antigo sentido de familiaridade com os mortos, que era uma expressão do forte sentimento de comunidade da freguesia. Assim, quando finalmente foram construídos, os cemitérios foram situados o mais próximo possível das igrejas, no traçado do caminho que é percorrido pelas procissões quando, nos dias de festa, elas contornam a igreja e o cruzeiro. Trata-se, na verdade, de uma transgressão das Leis de Saúde originais, que especificavam que o cemitério deveria localizar-se nos limites das zonas habitadas. Além disso, em Paço e em Couto, depois da missa dominical, os vizinhos visitam sempre os mortos, restabelecendo, assim, o laço que a construção do cemitério ameaçara romper.

10A segunda característica dos cemitérios que representa uma mudança radical das atitudes é a existência de túmulos separados uns dos outros e pertencentes a casas diferentes. Como Ariès escreve,

a necessidade de reunir perpetuamente os mortos da família no interior de um lugar preservado e fechado corresponde a um novo sentimento que, entretanto, se alargou a todas as classes sociais no século xix: o afecto que liga os membros vivos da família é comunicado aos membros mortos (1975:153).

11Natalie Davis discutiu a emergência desta tendência na França durante os séculos xvi e xvii. Nessa época, e particularmente entre as famílias protestantes, surgiu a necessidade de destacar o que a autora designa como «a flecha da família no tempo e no espaço» através do interesse dedicado à história da família, de uma limitação dos laços de parentesco activos e de um maior cuidado no planeamento activo das estratégias familiares. Entre os católicos, esta tendência foi dificultada pela grande importância colocada nos laços interfamiliares e comunais, expressos nas «formas católicas tradicionais (de enterro) que se ligavam directa ou simbolicamente a instituições corporativas que não estavam, de modo nenhum, moribundas nos séculos xvi e xvii, tal como as assembleias e os conselhos paroquiais das aldeias, os grupos profissionais, as guildas de ofícios, as confrarias e outros organismos similares» (1977:99-100).

12Nos cemitérios, os vizinhos não são colocados numa unidade indistinta como sucedia nos adros; as pessoas já não rezam pelos mortos da freguesia e sim pelos seus próprios mortos — «os nossos mortos». Mas as duas tendências coexistem — a influência da comunidade e a influência da casa. Esta coexistência não é um fenómeno recente e foi detectada ao longo deste estudo. O enterro nas campas separadas e decoradas do cemitério não é apenas um sinal do enfraquecimento das experiências de comunidade, mas também da noção de casa que lhe está indissociavelmente ligada, conforme já referimos.

II

13Como tem sido sublinhado frequentemente, a morte, enquanto fenómeno social, é um processo e não um acontecimento completo que ocorre no exacto momento da morte física. Para o minhoto, tal como em muitas outras sociedades, a morte detém uma existência própria e pode ser evitada, prevista ou convocada.

14Os minhotos acreditam que a iminência da morte coincide com a manifestação de certos sinais «agoirentos». Há muitos exemplos: se os sinos da igreja «têm um som triste», é um vizinho que vai morrer: se um mocho pousa no telhado de uma casa durante a noite e pia num tom arrepiante, é um dos residentes da casa que vai morrer; se um cão uiva de noite sem uma razão óbvia, ou se uma raposa ou um coelho não foge quando uma pessoa se aproxima, é prenunciada a morte iminente de alguém.

15Pelo facto de pertencerem à sociedade — uma pertença sinalizada e simbolizada pelo baptismo —, os seres humanos estão protegidos de uma percepção imediata das forças sobrenaturais. Os animais, que não são protegidos pelo baptismo, possuem presumivelmente uma maior sensibilidade a estas forças. Assim, reagem com mais prontidão quando se aproxima a morte, o Diabo, o olhar fixo do mau-olhado, a bruxa ou o santo — a presença destas forças é sinalizada pelo comportamento inquieto ou anormal dos animais (cf. Christian, 1981:75).

16Os próprios mortos podem, ocasionalmente fornecer uma indicação sobre as pessoas que os irão seguir. Por exemplo, quando os olhos de uma criança morta não podem ser fechados, diz-se que ela está a «chamar» um parente; quando uma pessoa morre, a direcção da sua cabeça assinala a parte da freguesia — «de cima» ou «de baixo» — onde se verificará a próxima morte.

17As visões da «procissão dos defuntos» são registados em todo o Norte de Portugal e na Galiza. Embora as características específicas variem levemente, os aspectos principais são comuns a toda esta vasta região. Em Ponte da Barca, a «procissão» é formada pelos vizinhos que estão prestes a morrer ou, segundo outras versões, pelos que morreram recentemente. Um certo vizinho de Paço costumava ter visões de um grupo de pessoas que transportavam um caixão. No interior do caixão, jazia o vizinho que iria ser o próximo finado, rodeado por aqueles que o iriam seguir na morte. Este homem acreditava que não lhe era permitido revelar os nomes dos vizinhos que observara, porque, nesse caso, seria ele próprio a morrer; no entanto, indicava o número de pessoas que deveriam morrer durante esse ano nas «meias de cima» e nas «meias de baixo» da freguesia.

18A morte é uma ruptura na ordem social, quer pela alteração que provoca nas relações sociais, quer pelo seu forte pendor individualista (cf. Bloch e Parry, 1982:3-5); as pessoas são individualmente subtraídas do grupo a que pertenciam desde o baptismo. Esta interpretação é confirmada por uma outra crença: os que vêem a procissão são pessoas só parcialmente baptizadas, cujos padrinhos não pronunciaram correctamente todas as palavras durante a cerimónia do baptismo. O balanço entre a natureza social e a natureza física ou animal do homem é, nestas pessoas, mais favorável à segunda.

19Um aspecto interessante de todas as «procissões dos defuntos» é a sua forte ligação com a identidade da freguesia. Como Lisón Tolosana notou a respeito da Galiza, «deve ser salientado que ‘os da noite’ [a ‘procissão’] restringem, escrupulosamente, as suas deambulações nocturnas aos limites da freguesia, porque esta possui uma igreja e um cemitério» (1971b: 105). Os vizinhos mortos pertencem à comunidade da freguesia, tal como os vivos; uma vez mais, a comunidade da freguesia transcende a morte. Isto é evidente na crença que afirma que, na noite anterior à morte de uma pessoa, a sua alma vagueia pela freguesia, falando aos amigos e visitando os seus campos. Isto ocorre também no caso do vizinho ser um emigrante que morre longe de casa. Contaram-me a história de um homem que sentiu, junto da sua cama, uma presença que durante a noite lhe afagou a sua mão. Alguns dias depois, recebeu a notícia da morte em Paris de um grande amigo seu.

20A morte não é interpretada simplesmente como a extinção das condições fisiológicas da vida; é, sobretudo, um processo que resulta de uma luta entre as forças da vida e as forças da morte. Há um conceito local que o ilustra muito claramente: a crença nos «remédios da desempata». Nesta metáfora está implícita a ideia de um desafio, tal como nos jogos, entre a vida e a morte. Quando uma pessoa está muito doente e se aproxima da morte, os residentes locais acreditam que haverá um momento em que os médicos lhe aplicam este remédio. Se ainda restar um sopro de vida à pessoa, ela sobrevive e cura-se; se, no entanto, estiver destinada a morrer, a morte ocorrerá imediatamente.

III

21No Alto Minho, há quatro tipos distintos de morte, em relação aos quais as pessoas reagem de forma diferente. Pode morrer-se de velhice; se a pessoa tomou a Extrema Unção — um «rito de incorporação no outro mundo» (Van Gennep, 1960:165) — esta morte não é problemática: a passagem da vida à morte está bem delineada e ritualmente completa. Pode morrer-se de uma doença: é possível que, neste caso, se tenha recebido a Extrema Unção e efectuado os rituais de separação da vida e de incorporação na morte; apesar disso, este tipo de morte gera maiores problemas, porque subtrai da comunidade dos vivos um membro que ainda era válido, ameaçando, assim, a ordem social. Neste tipo de morte, a reacção dos parentes e dos vizinhos é já mais violenta, o pranto é mais intenso e são maiores os perigos que envolvem o período que precede o enterro.

22No entanto, é o terceiro tipo — a morte violenta ou a morte por acidente — que produz a maior reacção da comunidade local. O choro é mais intenso, os vizinhos lastimam o falecido e os outros membros da sua casa, e todas as práticas de defesa suscitadas pelo medo de que a alma do morto possa não se ter separado do mundo dos vivos, são estritamente cumpridas.

23Finalmente, há as mortes de crianças — de «anjinhos». Em geral, não são sentidas tão intensamente como sucede nos casos dos dois tipos anteriores de morte. As crianças não são ainda membros plenamente participantes da sociedade e, sobretudo se são muito novas, a sua morte é aceite com um certo sentimento de resignação. Por outro lado, a «pureza» das crianças, o facto de que «não tiveram tempo de pecar», significa também que possuem menos laços com este mundo; assim, a sua separação cria menos problemas que a morte de um adulto.

24Depois de qualquer tipo de morte, todos os portões e portas da casa do falecido são imediatamente abertos de par em par, permitindo a entrada a quem o desejar. Os parentes entregam-se ao choro e, geralmente, retiram-se para um quarto interior, até chegar o momento em que o corpo está pronto para ser exposto. Este é o primeiro de três prantos que irão ocorrer durante o velório e tem o efeito de chamar a atenção de todos os vizinhos próximos, que logo acodem em auxílio. É rapidamente organizado um grupo de vizinhos composto por algumas mulheres, que tratam da cozinha e ajudam a preparar o corpo, e por um homem que «corre com o enterro». Todos os vizinhos do lugar se esmeram no auxílio à casa do falecido no período da morte. Velhas animosidades e disputas são temporariamente esquecidas; se há uma inimizade de longa data entre duas casas e se uma delas deseja terminar a contenda, esta é a altura de enviar um seu representante para trabalhar na outra casa. Na prática, os vizinhos não são todos necessários e os que, afinal, assumem a direcção da casa durante os três dias do velório são, geralmente, os vizinhos preferidos, os «amigos».

25O corpo é, habitualmente, lavado por uma pessoa do mesmo sexo do falecido com aguardente, o que supostamente permite preservar as suas feições. É atado um pano para manter os maxilares cerrados, o seu cabelo é penteado e o corpo é vestido com a melhor roupa que o finado possui. Coloca-se uma forte ênfase na necessidade dele parecer «decente», isto é, de evitar os sinais da decomposição. Deve existir sempre uma lamparina de azeite acesa ao lado do morto, para o resguardar das influências maléficas.

26Depois de o corpo ter sido preparado, o homem que «corre com o enterro» convoca o funcionário da agência funerária e os parentes próximos que residem em lugares afastados, compra comida e apronta a casa para acolher a súbita afluência de gente que a irá encher depois do segundo pranto. Nos três dias seguintes, a cozinha será utilizada ininterruptamente, produzindo refeições da melhor qualidade para as pessoas que auxiliam no enterro assim como petiscos para as pessoas que apresentam as suas condolências.

27Depois de trazer o caixão, o agente funerário prepara a sala e coloca o cadáver no caixão. Começa uma nova fase do velório. A azáfama e as lamentações desordenadas das primeiras horas desaparecem e todas as pessoas, doravante, passam a desempenhar papéis formalmente definidos. Os membros da casa (incluindo os criados) iniciam o segundo pranto. São acompanhados pelos filhos do defunto, mesmo no caso de viverem actualmente separados, e, com menor intensidade, pelos irmãos germanos do defunto.

28Os «doridos» vestem-se de preto e, mesmo no pico do Verão, cobrem-se com roupas próprias para os rigores do Inverno. Deste modo, protegem-se contra a má influência que é provocada pela morte. É interessante lembrar que o homem que «corre com o enterro» era também chamado «agasalhador».

29Os «doridos» sentam-se, então, chorando o morto, acompanhados por parentes próximos e outras visitas. As carpideiras profissionais, que organizavam o pranto, eram comuns ainda há cerca de vinte anos. Eram as chamadas «choradeiras». Hoje, esta tarefa é desempenhada pelos «doridos» e, particularmente, pelas mulheres que se entregam a um choro frenético. O pranto é pontuado por paroxismos regulares, que coincidem com a chegada de pessoas íntimas do falecido — um parente ou um amigo —, consistindo em algumas frases convencionais que variam ligeiramente segundo os diferentes tipos de morte. De um modo geral, há a preocupação de destacar a «bondade» e a «pureza» do finado e é frequente a sua comparação com uma criança ou com um anjo, insistindo-se sempre no facto da casa ficar agora sem protecção.

30As visitas, que continuam a afluir ao longo das quarenta e oito horas seguintes, aproximam-se da base do caixão e aspergem o corpo com água-benta, uma prática cuja função manifesta é afastar os espíritos maléficos (cf. Hertz, 1960:63). Aliás, se a pessoa morre em casa, a aspersão com água-benta e a recitação de ladainhas destinadas a afugentar o Diabo são iniciadas logo que o indivíduo atravessa os seus derradeiros momentos. Segundo uma crença difundida pelo clero ainda recentemente, se pudéssemos olhar através dos olhos de um moribundo que não foi aspergido com água-benta, não poderíamos ver a luz do dia, porque os demónios que o rodeiam são tão numerosos que obscurecem a luz.

31Após este rito da água-benta, cada visitante dá os pêsames a cada um dos membros da casa, fazendo, em seguida, um donativo para uma missa e inscrevendo o seu nome na lista dos visitantes. Esta prática constitui também um rito de separação, porque cada missa, que é celebrada pela alma de um defunto, é uma forma de a auxiliar a libertar-se mais rapidamente do Purgatório. Ao oferecer uma missa, os visitantes favorecem o processo de transição do defunto do mundo dos vivos para o mundo dos mortos. Durante todo o período que antecede a missa do sétimo dia, ninguém pronuncia o nome da pessoa que morreu, que é antes designada como «o falecido». Nos próprios dias que precedem o enterro, o morto é referido como «o falecido sobre terra». (Só os parentes próximos cumprem esta regra durante todo o período de luto.) Os visitantes entram e saem, mas os «doridos» nunca ficam sozinhos e ninguém dorme em casa até ao momento em que o corpo é levado. São servidos continuamente vinho do Porto, vinho, aguardente e bolos. Os amigos íntimos, os parentes e os vizinhos próximos são convidados a tomarem refeições com a família.

32A presença no velório dos filhos, do cônjuge ou dos pais é uma prática corrente, mesmo no caso de estarem emigrados. No prazo de uma hora, depois de ter sido recebida a notícia, os parentes abandonam empregos e casas em países como o Canadá, a França, a Alemanha, o Brasil e até a Austrália, tomando imediatamente um avião que os traz a Portugal. Em geral, chegam durante a segunda noite do velório ou na manhã seguinte e a sua chegada anuncia um recrudescimento dos choros que, finalmente, atingirão o clímax a meio da manhã com a vinda do padre que irá conduzir o corpo ao cemitério.

33Os sinos dobram durante a manhã, indicando que se vai realizar um funeral. Assim, um largo número de pessoas comparece na casa dos familiares do morto para as orações, incluindo, pelo menos um representante de cada uma da maior parte das casas vizinhas que mantêm contactos com os «doridos». Os presentes quedam-se, por uns instantes, silenciosos, formando-se, em seguida, no exterior, uma procissão quando o corpo abandona a casa ao som do último e mais estridente pranto dos «doridos». A estes não é permitido acompanhar o caixão, porque a alma do defunto poderia sentir-se entristecida pela sua mágoa, decidindo-se a permanecer entre os vivos.

34O processo de separação da alma relativamente ao corpo e aos vivos principiara antes do próprio momento da morte física. Mas agora o perigo de uma separação inadequada é particularmente grave, pelo que os movimentos da alma devem ser cuidadosamente guiados. É isto que explica práticas como a proibição de pronunciar o nome do falecido (com medo de que alma responda à chamada). Não deve levar-se fogo para fora da casa onde se encontra o cadáver, porque a alma poderia segui-lo, transformando-se, assim, numa alma penada que assombraria a comunidade dos vivos. Para impedir o extravio da alma, é necessária a presença do padre na procissão. Até recentemente, a procissão costumava deter-se nas encruzilhadas, onde o padre recitava uma oração para evitar que a alma tomasse a direcção errada. O padre actual aboliu este costume. Quando o caixão é baixado à sepultura, a maioria das pessoas muda incessamente de lugar, porque, de contrário, a alma poderia encontrá-las e ficar com elas. Depois do caixão ser colocado na sepultura, quase todas as pessoas lançam um pedacinho de terra para a cova. Sem este rito de separação, a alma transformar-se-ia numa alma penada, porque, mais uma vez, seguiria os vivos. Deve notar-se que todos estes rituais cumprem duas funções simbólicas: ao afastarem a alma, as pessoas protegem-se contra a contaminação da morte e, ao mesmo tempo, auxiliam a alma no caminho da sua salvação.

35O perigo da alma não partir e permanecer na terra, sob a forma de alma penada, é sobretudo marcado nos casos de morte violenta e, particularmente, se o indivíduo foi assassinado. Diz-se que alma de uma pessoa assassinada instala-se nas costas do homicida até a sua espinha se partir. A única maneira de o evitar consiste em espetar uma cruz no local onde a morte ocorreu. Mas, mesmo sob circunstâncias normais, a alma de uma pessoa recém-falecida é perigosa, porque chama pelas outras almas. Quando passa um enterro, as pessoas que estão deitadas, mesmo por doença, erguem-se para que a alma do falecido não atraia as suas almas.

36O enterro é encabeçado por um menino de coro com uma sineta que é tocada e rapidamente silenciada, de três em três passos. Este rapaz é seguido por outros meninos de coro e por homens adultos que transportam a cruz processional da paróquia e a bandeira das confrarias a que o finado pertenceu. Atrás destes, caminha o padre, seguido pelo féretro, que é transportado pelos membros de uma confraria (Nossa Senhora do Carmo) especializada nesta tarefa, ou por quatro homens solteiros. O caixão é seguido pelo resto dos homens e, finalmente, na cauda da procissão, pelas mulheres.

37Depois da cerimónia ter sido completada na igreja com uma pompa cuja intensidade depende da riqueza dos familiares do morto, o caixão é levado para o cemitério, mas muitas pessoas abandonam, neste momento, a procissão fúnebre. No cemitério, o caixão é aberto mais uma vez para as pessoas olharem e, de seguida, é fechado com brusquidão e baixado à sepultura, enquanto as pessoas se vão dispersando depois de deitarem sobre o caixão um pouco de terra.

38O indivíduo que «corre com o enterro» e todas as outras pessoas que contribuíram para a realização do acto, o padre ou os padres, os meninos de coro, os membros das confrarias presentes são convidados para uma refeição depois do enterro. A ênfase colocada na comida ao longo de todo o velório e do enterro pode ser interpretada como uma forma de negar a morte e de destacar a vida dos que ficam. A importância da comensalidade como uma expressão de «comunidade» deve ser também tida em conta.

39Durante e após o velório, os membros da casa do falecido não devem lavar-se, pentear-se, cortar o cabelo ou barbear-se, não devem mudar de camisa e, aliás, de qualquer peça de vestuário. Estão proibidos de cantar, dançar, ouvir música ou rádio e ver televisão. Durante este período de liminalidade, os «doridos» não devem frequentar a igreja, relembrando o facto de que também eles estão marcados pela morte. Exceptuada a proibição contra a música e a dança que, em Paço e em Couto, são respeitadas durante todo o período de luto, as outras proibições são levantadas depois da missa do sétimo dia que, no entanto, ainda não é presenciada pelos «doridos». Uma segunda missa é celebrada um mês depois e, finalmente, uma terceira missa assinala o primeiro aniversário da morte. Durante alguns anos depois da morte, o padre profere uma missa pela alma do falecido, que é paga com o dinheiro deixado pelos visitantes que acorreram ao velório; o remanescente do dinheiro é enviado para a cúria episcopal, onde é distribuído entre padres que não têm paróquias a seu cargo (como é o caso dos que pertencem a conventos, seminários ou à cúria episcopal; o número total de missas encomendadas pelos visitantes pode ascender a mais de duzentas). Todas as pessoas que têm intimidade com a família fazem questão em assistir às três missas principais, porque, como um dia um informante me afirmou, é «aí que vemos quem são os verdadeiros amigos».

40O luto é marcado pelo uso do preto e pela recusa de todas as formas de diversão. A sua duração varia de acordo com a relação mantida com o falecido, sendo mais longa nas freguesias da montanha do que nas freguesias que sentiram mais acentuadamente a influência urbana. Em Paço e em Couto, o luto dura dois anos ou mais por um cônjuge, dois anos pelos pais, um ano pelos irmãos e seis meses por primos e sobrinhos.

41No Alto Minho, actualmente, o processo das segundas exéquias tende a ser bastante desvalorizado. Esta é uma das áreas em que se pode observar um amplo grau de variação a nível local. No final do século xix, estas segundas exéquias eram ainda cerimónias muito participadas (ver a descrição de Castelao sobre a Galiza, Durán, 1976:79), tal como o continuam a ser em algumas partes da Europa mediterrânica (cf. Alexiou, 1974 e Guillebaud, 1979). A tendência para a progressiva perda de importância desta parte das práticas funerárias pode ser explicada com base num argumento de Maurice Bloch. Este autor defende que, nas sociedades onde a legitimidade não está assente na «canalização da fertilidade dos antecessores» e sim na mediação de uma fonte extra-humana de poder, «não há qualquer necessidade de transformar o cadáver numa fonte de fertilidade permanente» (1982:229), o que explica a ausência de segundas exéquias. A tendência para o desaparecimento destas cerimónias acompanharia, assim, o enfraquecimento da autoridade tradicional da casa e do seu chefe (o que decorre, entre outras coisas, da progressiva diminuição do significado económico global do rendimento agrícola). Um processo similar ocorreu a respeito dos enterros das crianças não baptizadas que, como já foi dito anteriormente, são hoje sepultadas em silêncio no cemitério e não no interior da casa como outrora.

42Durante um período mínimo de cinco anos estipulado pelo Estado, ninguém tem autorização para abrir uma sepultura. Mas, na prática, esta lei não é respeitada escrupulosamente e a exumação é efectuada muitas vezes decorridos apenas três ou quatro anos depois do enterro. A ordem para proceder à abertura da sepultura é dada ao coveiro pela família, devendo estar presente, nesse momento, pelo menos um dos seus membros. A campa é aberta e os ossos são recolhidos e limpos. Se existe um ossário, é aí que serão depositados; em Paço e em Couto, são colocados cuidadosamente em sacos de plástico, que são, em seguida, reenterrados a um canto da sepultura.

43A justificação dada para a exumação é que o túmulo pode ser necessário para qualquer outro membro da família, mas, tanto quanto pude observar, esta prática é seguida mesmo no caso de não haver nenhum membro da família na iminência de morrer. A aceleração deste processo deve-se ao facto destas segundas exéquias marcarem a separação completa entre o morto e os vivos.

IV

44Ao longo desta descrição do processo da morte (morte, velório e enterro), encontrámos um conjunto de ritos, práticas e crenças que acentuam a experiência de comunidade. A ligação entre a morte e a comunidade é algo que os próprios minhotos sublinham repetidamente. Comentários como «ricos ou pobres, aqui somos todos iguais; acabamos todos no mesmo lugar» ou «nisto, pelo menos, somos todos o mesmo», são reacções padrão que escutamos sempre que o assunto da morte é aflorado ou sempre que passa um funeral.

45É este também o significado do estado «aberto» da casa dos familiares do morto, que mantém as suas portas abertas durante os três dias do velório. Deve lembrar-se que nem todas as formas de «abertura» comunicam esta mensagem.

46Fizemos já referência às «horas abertas» e ao facto de serem perigosas devido à sua vulnerabilidade face às influências exteriores. Mas, no contexto do enterro, a «abertura» deve ser compreendida de um modo semelhante àquele que é utilizado para qualificar as pessoas. Por exemplo, quando um minhoto diz que alguém «é um homem aberto», está a sugerir que o indivíduo em causa é sociável, aberto à sociedade. Aqui a «abertura» refere-se a uma orientação no sentido da comunidade e que é confirmada pela boa-vontade das pessoas para esquecer as querelas na ocasião da morte e para auxiliar os vizinhos afligidos pela morte.

47O auxílio dos que «correm com o enterro», isto é, dos vizinhos íntimos e «amigos», que acorrem à casa quando sucede o primeiro pranto, é oferecido num espírito de «reciprocidade generalizada», uma forma de reciprocidade na qual as dívidas não são saldadas rigorosamente.

48A relação entre os «doridos» e os outros visitantes é, no entanto, já diferente e pode ser classificada como uma forma de reciprocidade simétrica e equilibrada. Assistir ao velório, participar no cortejo fúnebre e comparecer às três missas por alma do defunto são formas pelas quais os visitantes «dão respeito» à casa dos familiares do morto. Mas trata-se de «favores que devem ser pagos» e, assim, os parentes do falecido controlam com minúcia a identidade dos presentes, a fim de saberem como devem pautar o seu comportamento no futuro.

49Mesmo se é possível afirmar que a reciprocidade simétrica e a reciprocidade generalizada apresentam significados diferentes, a verdade é que, globalmente, as duas são manifestações de uma percepção de comunidade e de igualdade. Esta percepção é exteriorizada de maneira diferente em diferentes níveis, mas está sempre presente. Apesar de ser particularmente forte ao nível da freguesia, esta experiência de comunidade e igualdade na morte, não se limita a esse nível: em última instância, aplica-se a toda a humanidade. Aliás, esta atitude não se restringe a afirmações estereotipadas no sentido de que a morte torna todos os homens iguais, sendo também representada com grande convicção nas «alminhas» que bordejam as estradas, onde se podem observar, por entre as chamas, as almas nuas ou quase nuas. Aí todos sofrem do mesmo modo: reis, bispos, homens e mulheres, velhos e novos.

50Dito isto, deve sublinhar-se que nem todas as pessoas recebem o mesmo tipo de funeral. Os velórios podem distinguir-se pela profusão de comida; os caixões podem ser mais ou menos refinados; os cortejos fúnebres podem ter um maior ou menor acompanhamento de automóveis; o serviço na igreja pode incluir de um a oito padres; e, enfim, a sepultura pode ser uma campa rasa, pode ser coberta por uma placa de mármore mais ou menos elaborada ou, no caso dos proprietários ricos, pode mesmo ser um jazigo. Durante os funerais, os católicos franceses do século xvi costumavam distribuir «‘esmolas ostentatórias’ aos indigentes» (N. Davis, 1977:94). Encontramos aqui uma situação semelhante. As «esmolas» eram dadas como expressão de um sentimento de «comunidade», mas também eram «ostentatórias», isto é, consolidavam a superioridade dos dadores. No Alto Minho, de igual modo, os «doridos» utilizam os ritos de comunidade e igualdade ligados ao enterro como um instrumento para acentuar o seu prestígio. Isto é importante para compreender a atitude local relativa aos funerais e aos velórios — estes revelam a diferenciação social através de expressões de comunidade. As duas tendências estão interligadas.

51A história de Adão e Eva conta-nos que a morte resultou do pecado original — consequência obrigatória da condição física do homem. A morte torna, assim, iguais todos os homens. Mas, paradoxalmente, a morte física é um fenómeno social e, como tal, é um fenómeno que existe num mundo decadente: embora a alma nua possa entrar no Purgatório para arder entre reis e mendigos, os «doridos», que ficam neste mundo, participam em complexos arranjos fúnebres, compram caixões caríssimos e colocam dispendiosas placas de mármore.

Indice delle illustrazioni

Titolo 6. Ofertas votivas na capela de Utelinda da Barca.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1811/img-1.jpg
File image/jpeg, 340k
Titolo 7. O corpo incorrupto de Utelinda da Barca.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1811/img-2.jpg
File image/jpeg, 248k

© Etnográfica Press, 1989

Condizioni di utilizzo http://www.openedition.org/6540