Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Filhos de Adão, filhas de Eva

 | 
João de Pina Cabral

V. As relações com o mal

15. A inveja

Texte intégral

I

1Este capítulo aborda as concepções dos minhotos sobre a existência do mal que os rodeia e os meios disponíveis para o enfrentar. Referi-me já ao conflito entre casas. Este conflito pode ser virulento e persistir durante largo tempo sem uma expressão pública. As pessoas têm relutância em manifestar abertamente a sua inimizade em relação a outras. Por isso, recorrem frequentemente a actos subreptícios de agressão pelos quais não podem ser facilmente responsabilizadas. Por exemplo, várias vezes me afirmaram que os vizinhos, sempre que passavam pelo campo de um inimigo, arrancavam das ramadas cachos de uvas ainda verdes para prejudicar a sua colheita; que atiravam pedras dos seus campos para o campo do vizinho; que desviavam subrepticiamente o curso de água que o inimigo usa para a irrigação. Em Paço e em Couto há um termo para designar estas acções: «desgaste», quer dizer, desgastar a paciência do inimigo. Em muitos casos, estas inimizades são mútuas. Mas, por vezes, um inimigo pode ignorar durante muito tempo quem é a pessoa que lhe «quer mal».

2Um indivíduo que, num curto período de tempo, reforça consideravelmente a sua posição económica ou o seu prestígio, aproveita geralmente tal oportunidade para tornar público um conflito desta natureza. Os emigrantes de torna-viagem e, particularmente, as suas mulheres, que muitas vezes permaneceram na aldeia, sofrendo possivelmente dificuldades económicas e agravos pessoais, são vezeiros neste tipo de acções. As mulheres são conhecidas como «justiceiras», porque, à mínima ofensa, não hesitam em recorrer ao tribunal. A sua riqueza recente permite-lhes arranjar testemunhas e, se necessário, tentar subornar os oficiais de justiça, os advogados, a polícia e, de preferência (quando possível), os próprios juízes. Estes processos permitem-lhes prejudicar os seus inimigos de uma forma legitimada.

3O conflito entre os grupos informais de amigos, descritos na secção anterior, é também frequente. Os conflitos entre casas acabam, em geral, por assumir essa configuração, sobretudo quando a luta é travada entre duas casas camponesas ricas que constituem o núcleo de diferentes grupos de amigos. Estes grupos de amigos são especialmente úteis se o caso for levado a tribunal, porque é nas casas dos amigos que se conseguem testemunhas, apoio económico e influência junto de burocratas e funcionários.

4Para explicar a existência do conflito que os rodeia, assim como de muitos outros tipos de infortúnio, os minhotos recorrem quase sempre ao conceito de «inveja». Tendo em conta a força do sentimento que lhe está ligado e a frequência com que é invocado, podemos considerá-lo como um dos conceitos centrais da visão do mundo camponesa.

II

5Segundo um dos meus informantes, uma pessoa «invejosa» raciocina do seguinte modo: «Pois se eu me escravizei tanto ou mais que ele, pois se eu poupei, porque é que que não ganhei tanto?» Mas não são apenas os «vencidos da vida» que são acusados de terem «inveja», «porque o maior crime cá da freguesia é a inveja. A gente são [sic] muito invejosos e não podem ser mais do que são. Se você vive bem, olham para si com má-cara; se vive mal, dizem ‘dá cabo de tudo, é um desgovernado’ ». As pessoas invejosas «são ruins por dentro, têm peçonha.» A «inveja» é, portanto, nefasta e relaciona-se com a percepção das diferenças em termos de riqueza e de fortuna. Geralmente, as pessoas ricas são acusadas de não serem generosas, de que «querem tudo para elas» e, por isso, de serem «invejosas»; a «inveja» das pessoas pobres manifesta-se no desejo de possuírem o que pertence aos outros. Paralelamente, há uma vaga consciência de que ao acusar uma pessoa de ser «invejosa», se está a reconhecer a existência de uma razão real para a «inveja».

6A «inveja» provoca em toda a gente um sentimento de mal-estar; é uma deficiência que afecta a sociedade como um todo. As pessoas podem dizer que não sabem se a têm ou não, mas não podem afirmar positivamente que não têm inveja.

7É preciso evitar interpretar o que os minhotos designam como «inveja» com base no conceito burguês de inveja como uma emoção. Este não é mais do que um dos aspectos da concepção local de «inveja», facto que, inicialmente, dificultou a minha compreensão do conceito. A «inveja», para o minhoto, é um princípio do mal, uma força incontrolável e imprevisível que existe na sociedade — uma razão básica que impede os seres humanos de instaurarem a sociedade perfeita neste mundo decadente. Ao contrário do que sucede com a inveja como uma emoção, a inveja, aqui, não é algo que existe simplesmente no interior da pessoa que a experimenta; é antes uma relação entre a pessoa que a gera e a pessoa que padece os seus efeitos.

8Em contraste com outras regiões da parte setentrional da Península Ibérica, onde o infortúnio causado pela inveja é atribuído principalmente a forasteiros (cf. Cátedra Tomás, 1976), no Alto Minho ele é geralmente imputado a outros residentes do próprio lugar. Até muito recentemente, à noitinha, os membros das casas faziam uma recitação colectiva do terço. Cada série de Avé-Marias era acompanhada por um Pai-Nosso dedicado sempre a uma causa específica. Em muitas casas de Paço e de Couto, um deles era usualmente dedicado à protecção contra o «inimigo de ao pé da porta», ou seja, a «inveja» dos vizinhos.

9Esta última expressão é muito interessante, porque sugere uma ligação entre a «inveja» e o Diabo — «o Inimigo». Uma outra confirmação desta ligação é fornecida por um conhecido provérbio que diz que «o Diabo é o pai da inveja». Além disso, a «inveja» é a suposta razão para a transformação das mulheres em bruxas; se uma mulher for acusada de ser bruxa, é conveniente não a hostilizar, porque as bruxas matam as pessoas que elas «invejam». Aliás, nem só as bruxas o fazem; a «inveja» das mulheres que «querem mal» aos outros também mata.

10A existência da «inveja» — uma emoção e uma força — é um conceito que a burguesia tem crescente dificuldade em compreender. Numa conversa de café com outros colegas seus, o padre de Paço e de Couto foi desafiado a tentar demonstrar aos seus paroquianos que a concepção de «inveja» é infundamentada. Foi ele próprio que me confessou o seu fracasso. A impossibilidade dessa demonstração deveu-se, a meu ver, a duas razões: primeiro, o padre, como nativo da região, não podia entender cabalmente a inveja apenas como uma emoção e, assim, foi incapaz de traçar uma distinção consistente entre o conceito burguês e o conceito camponês de inveja; segundo, sendo idêntico o termo utilizado pelos dois conceitos, os camponeses protestaram que o padre não sabia do que estava a falar; «então não se vê aí o efeito da inveja dessa gente maldosa? Eles já nascem assim!» Os camponeses sustentam que a «inveja» é uma das causas principais do infortúnio; logo, se o infortúnio ocorre, a «inveja» tem certamente de existir.

11Como força anti-social profundamente ligada à morte, a «inveja» é um instrumento de utilização perigosa. Apesar de ser mais perniciosa para as suas vítimas, os seus efeitos atingem também os próprios «invejosos». Assim, os residentes locais dizem que as pessoas «invejosas» são frequentemente magras, ossudas e macilentas. As pessoas saudáveis «medram», enquanto «os invejosos têm peçonha». Podem observar-se sintomas similares também nos indivíduos que, embora não sofrendo de «inveja», são atormentados por um forte desejo ou ânsia que não é satisfeito. Estas pessoas, normalmente crianças, estão «augadas». Em ambos os casos, os indivíduos que não possuem controlo sobre os seus desejos sofrem, como resultado, de uma grave diminuição da sua força vital, o que, eventualmente, pode levar até à morte.

12A «inveja» manifesta-se sob formas muito diferentes. Aludimos anteriormente à sua relação com a desigualdade socio-económica e ao modo como suscita acções conflituosas geralmente dissimuladas, isto é, o «desgaste». Esta «inveja» pode também manifestar-se através do mexerico: é o «falar-mal», o «dizer-mal», a «má-língua».

13As mulheres, em particular, são tomadas como «bisbilhoteiras». Supõe-se que a razão porque elas usam os mexericos para prejudicar outras pessoas é a «má vontade» causada pela sua «invejedade». (A palavra «invejedade» é específica da fala local. Pode ser usada como sinónimo de «inveja» no sentido de inveja como uma emoção, mas não no sentido de inveja como força espiritual. Embora utilizem esta palavra, os habitantes locais não se apercebem claramente da distinção que ela implica.) Há uma terceira forma pela qual a inveja se pode expressar: o «feitiço». Apesar dos vizinhos raramente confessarem utilizar «feitiço», o recurso real a este meio para prejudicar os outros pode ser comprovado nos resíduos resultantes das acções rituais a que está associado.

14A palavra «feitiço» é aplicada às preparações e encantamentos que supostamente produzem um efeito definido e negativo ou maléfico sobre o curso futuro dos acontecimentos. Por isso, é quase impossível obter informações concretas a seu respeito, porque os vizinhos não querem ser considerados como pessoas que detêm conhecimentos que podem ser utilizados de uma forma anti-social. Muitas das informações necessárias para a prática do feitiço são retiradas do Livro de S. Cipriano, um célebre tratado sobre feitiçaria; mas ninguém admite a posse de um exemplar, porque isso significaria automaticamente que tinham a intenção de o utilizar.

15As poções de amor têm uma grande voga nesta região. São utilizadas profusamente por mulheres solteiras e casadas para conquistar o amor dos seus escolhidos ou para preservar o amor dos seus maridos, respectivamente. Quando os homens afirmam que as mulheres «enfeitiçam», o seu sentido é simultaneamente metafórico e literal.

16Um jovem de Couto regressou de França, sofrendo de dores no estômago. Recordou-se, então, que uma rapariga que ele namorara lhe tinha oferecido uma certa comida que ela destinara especialmente para ele; concluiu, assim, — culpabilizando-se talvez por a ter abandonado — que ela lhe tinha deitado feitiço. Foi a uma bruxa que confirmou o diagnóstico e lhe administrou um purgante. Depois disto, sentiu-se melhor e, além disso, «provou» as suas suspeitas, porque as suas fezes continham cabelos, um sinal de que ele havia ingerido feitiço. O purgante utilizado pode ser obtido nas farmácias da vila por baixo preço e, por isso, muitas pessoas o tomam sem sequer consultar uma bruxa.

17Um feitiço pode ser utilizado para atacar as vacas, o feno, os produtos agrícolas e mesmo um vizinho. Um dos meios mais comuns para lançar um feitiço é acender um «defumadouro»: um caco de louça onde são queimadas diversas ervas supostamente dotadas de poderes especiais. Se for feito com uma peça de vestuário pertencente à vítima visada, e que tenha estado em contacto directo com o seu corpo, o feitiço desencadeará efeitos terríveis. Isto acontecerá sobretudo se o defumadouro for aceso numa encruzilhada e se as cinzas forem lançadas ao mar; ou se for aceso nas «horas abertas», ou seja, à meia-noite, ao meio-dia ou ao pôr do sol quando os sinos tocam para as orações do fim do dia de trabalho (as Trindades). As encruzilhadas, o mar e as «horas abertas» partilham do facto de serem concebidos como aberturas às forças e influências exteriores. É impossível recuperar o feitiço que é deitado desta maneira. Isto é muito importante, porque o processo para anular um feitiço é recuperá-lo e lançá-lo ao mar. Os defumadouros podem ser usados também como contra-feitiços. Mas se o feitiço original foi um defumadouro aceso numa encruzilhada ou deitado ao mar, a possibilidade de o recuperar é nula e os seus efeitos serão imparáveis.

18Nem todos os feitiços são eficazes, porque alguns «podem não pegar». As pessoas que suspeitam de um vizinho usam um pequeno amuleto comprado nas feiras e que é pendurado ao pescoço. É chamado «Agnus Dei» e consiste num coração composto de duas partes que formam um medalhão que contém no seu interior um pedaço de cera benzida. (Uma mulher disse-me que suspeitava que no interior do medalhão estava um fragmento de hóstia.) O uso destes encantos permite colocar as pessoas no interior da esfera dos poderes de protecção e revitalização de Cristo, sendo, assim, prevenidos os efeitos do mal; como me disseram, «o Diabo não acompanha quem usa esta coisa».

19Finalmente, a «inveja» pode manifestar-se através das «pragas» que, por vezes, são também designadas como feitiços. Uma praga é a expressão do desejo de que um infortúnio específico venha a ocorrer a outra pessoa. Ao invés dos feitiços, as pragas devem ser manuseadas com extrema precaução, porque poderão facilmente cair sobre aquele que as profere e também porque o seu poder se intensifica de acordo com as circunstâncias em que são lançadas. Os camponeses dizem que «pragas com razão, nem no rabo do meu cão», porque, na sua opinião, estas pragas têm uma enorme eficácia.

20Apesar da motivação para as pragas ser também a «inveja», há um sentido em que elas são actos morais, porque, quando são lançadas sobre uma pessoa inocente, elas voltam-se contra o seu próprio autor. As pragas que são proferidas durante a missa são as mais eficazes. No período entre a elevação do cálice e da hóstia, a pessoa deve dizer «a Fulano, engamei de pés e mãos» ou «Sicrano vá por uma ribanceira abaixo». Segundo um dos meus informantes, «é o pecado maior que se pode fazer, porque essa hora representa quando Nosso Senhor derramou todo o seu sangue por nós. É mau. São coisas muitos perigosas».

21Com os feitiços, os minhotos manipulam uma força maléfica para causar danos aos seus vizinhos. Mas a utilização das pragas corresponde à manipulação de uma força basicamente boa para fins destrutivos. Por isso, as pragas só resultam quando são justas, fracassam quando são injustas e são mais poderosas se forem lançadas por pessoas que detêm sobre a vítima um poder moralmente fundamentado, por exemplo, os padres e os pais.

III

22Sem margem de dúvida, a manifestação mais importante da «inveja» é o «mau-olhado». Curiosamente, a expressão «mau-olhado» é pouco usada em Paço e em Couto. A expressão mais comum é o verbo «tolher», que descreve a acção do mau-olhado sobre a vítima e não o mau-olhado em si. Este termo «tolher», noutros contextos, pode significar «embaraçar; estorvar; impedir; vedar; obstar; embargar; paralisar; refl. ficar paralítico; fig. coibir-se» (Costa e Melo, 1975:1397) — significados que dão uma noção do peso semântico atribuído à expressão. É também interessante verificar que, na linguagem do quotidiano, em Paço e em Couto, a distinção entre «mau-olhado» e «inveja» é pouco nítida. Não sou, aliás, o primeiro etnógrafo ibericista a observar este facto (e.g. Cátedra Tomás, 1976:12). Lisón Tolosana distingue o «mau-olhado» de outras formas de causar danos através da inveja (1973:830). Não adoptarei, porém, esta distinção, porque os minhotos empregam o mesmo termo «tolher» para designar os dois fenómenos. Além de «tolher», há outras palavras que se referem à capacidade de fazer mal às pessoas, provocando a doença, o infortúnio, o acidente: «feitiço» novamente, «bruxedo», «mal d’inveja», «enguiço». Por fim, a própria palavra «inveja» compete com a palavra «tolher» para descrever o dano causado pela «inveja» veiculada através dos olhos. As pessoas que «tolhem» possuem um olhar tão «forte» que, no caso de fitarem roupa estendida ao sol, até o tecido se pode rasgar.

  • 1 Podemos observar novamente a distribuição diferente dos papéis sexuais, por comparação com o sul da (...)

23A maior parte das acusações de «inveja» ou de «tolher» são, mais uma vez, dirigidas contra vizinhos e, especialmente, contra vizinhos do mesmo lugar. Além disso, as mulheres são acusadas com mais frequência do que os homens que, no entanto, não estão completamente libertos deste tipo de acusações1. Em todo o caso, a «inveja» feminina é considerada mais poderosa do que a «inveja» masculina. Esta ênfase na associação da «inveja» com a feminilidade explica o facto dos orgãos genitais masculinos e os artigos de vestuário especificamente masculinos (como os chapéus e as calças) estarem dotados de um particular poder de protecção face ao «mau-olhado» e a outras «coisas más». Esta é uma das razões que justifica a colocação das calças de um homem no berço de uma criança não baptizada como alternativa às tesouras.

24A história seguinte ilustra a forma assumida por muitas acusações e a maneira como os vizinhos encaram esta força terrível. Uma mulher do lugar onde vivi possuía uma vaca leiteira. A vaca estava prenha e, como seria previsível, deixou de dar leite quando se aproximou o nascimento do vitelo. Na véspera do dia em que o leite secou, uma vizinha veio pedir um pouco de leite à dona da vaca que foi obrigada a recusar, porque já abastecia de leite três pessoas e, além disso, precisava também de algum para o consumo doméstico da sua própria casa. Quando a vaca interrompeu abruptamente a lactação, a mulher considerou imediatamente que a causa fora a «inveja» da vizinha. Ao escutar isto, fiz-lhe notar que a vaca, de qualquer modo, iria deixar de dar leite de um momento para o outro. A mulher retorquiu-me que isso era verdade, mas que o leite poderia ter durado mais alguns dias. Fosse como fosse, insistiu ela, o leite secara abruptamente, algo que não acontece necessariamente.

25A vizinha acusada de ter «tolhido» a vaca é conhecida pelo seu mau-olhado. É uma velha pobre muito quelizenta e irascível. Os residentes do lugar têm-lhe um grande temor. Quando, nas quartas-feiras, se deslocam à feira da vila com os seus produtos, procuram sempre um modo de a evitar. Se, por acaso, a vêem depois de terem iniciado o seu caminho, pensam imediatamente que é indiferente continuar ou ficar em casa, porque os seus produtos nunca se venderão a bom preço, isto no caso pouco plausível de chegarem a ser vendidos.

26O meu cepticismo sobre o facto desta pobre mulher possuir mau-olhado confrontou-se com uma certeza absoluta da parte dos meus informantes. Segundo eles, as suas convicções já haviam sido testadas. Um certo dia, duas mulheres estavam a plantar batatas quando a vizinha «invejosa» se aproximou. Encostouse a uma parede, metendo conversa, enquanto elas prosseguiam na sua tarefa. Foi elogiando a batata de semente das mulheres, dizendo que «se Deus quiser, a colheita será abundante, porque as vossas batatas de semente são muito boas». Não confiando muito na velha, as duas mulheres, depois de ela se ter ido embora, espetaram duas estacas na terra para marcar a área plantada na sua presença. No tempo da colheita, quase exultaram ao descobrir que essa área produzira menos do que as outras partes do campo.

27É interessante observar que a posição desta velha mulher no interior do lugar é muito ambígua. Ela e o seu marido são pobres, mas possuem alguma terra própria e o filho vai prosperando em França. Apesar das suas irmãs serem jornaleiras sem terra e solteiras, ela veio a casar com um homem que tinha um pedaço de terra. Além disso, não suporta de bom grado os pequenos mas sistemáticos actos de exploração e arbítrio cometidos pelos vizinhos mais ricos, protestando sempre com insolência. Enfim, o lugar onde reside divide-se, grosso modo, em três grandes grupos de amigos centrados em três das casas mais ricas; ora, ela e o seu marido têm conseguido permanecer na periferia de dois destes grupos sem nunca terem sido obrigados a assumir um partido definido.

28Quaisquer que sejam as razões que, de facto, estão por detrás da reputação desta mulher, os vizinhos do lugar atribuem-na à «inveja». Um dos meus informantes sugeriu que a mulher possivelmente nascera já com a «inveja», mas outros rejeitaram a ideia, afirmando que a mulher a tinha adquirido.

29A capacidade de «tolher» pode ser algo que uma pessoa adquire inocentemente antes do nascimento se a mãe grávida virar a cabeça durante a elevação da hóstia ou se os seus desejos alimentares não forem satisfeitos. Estas duas formas de comportamento mantêm uma relação metafórica com a «inveja» (v. p. 134 acima), embora não directamente, pelo que há pessoas que são temidas por causa do seu olhar e não são acusadas de terem «inveja». Os minhotos não possuem um nome especial para designar este tipo congénito de mau-olhado.

30As pessoas que adquirem a reputação de sofrerem do mau-olhado congénito não são, porém, menosprezadas. A proporção dos homens relativamente às mulheres é maior aqui do que no caso das acusações de «tolher» por maldade, onde as mulheres são predominantes. Por outro lado, notei que a maioria dos que supostamente possuem mau-olhado congénito é composta de pessoas ricas. Isto contrasta com a habitual atribuição do mau-olhado a pessoas pobres. Os indivíduos que encontrei nesta situação e de cujas histórias tive conhecimento, caracterizavam-se por uma ascensão muito rápida, em termos de prestígio e riqueza, muitas vezes através de um bom matrimónio.

31Mas, em última análise, o papel da «inveja» como factor do infortúnio é reafirmado. Segundo os minhotos, os indivíduos com mau-olhado congénito podem evitar ser a causa de danos. Assim, se uma pessoa que padece desta «doença» prejudicar alguém, a responsabilidade é totalmente sua, porque, de manhã, não «purificou a vista», olhando, por exemplo, através de um pedaço de vidro imediatamente depois de ter acordado. Este lapso é atribuído pelos vizinhos à «inveja».

IV

32O olhar que transmite a «inveja» é «mau» ou «ruim», porque provoca o infortúnio. Sabemos já que os mexericos são apelidados de «má-língua». As pessoas referem-se ainda ao «mau-ar» ou «ar ruim». Os residentes de Paço e de Couto são muito vagos sobre o uso destas últimas expressões. Pode dizer-se genericamente que este «ar» é o veículo que transmite o mal. Um certo homem cuja potência sexual decaiu depois de ter sido atacado pelas bruxas, foi a uma curandeira que praticou sobre ele uma cerimónia para «cortar o ar». (O verbo «cortar» é frequentemente utilizado para descrever a tentativa de separar uma força ou uma doença de uma pessoa). As crianças não baptizadas são particularmente vulneráveis aos ataques do «ar ruim», sobretudo se estiveram na rua nas «horas abertas».

33Todo o mal está, em última instância, relacionado com o Diabo. O próprio Diabo pode aparecer dissimulado sob vários disfarces, habitualmente como um animal (uma marrã com porquinhos, um lobo ou um coelho que não foge quando alguém se aproxima dele). Outras aparições, como um homem do tamanho de uma árvore ou uma mulher desconhecida que aparece nalgumas partes da estrada e desaparece noutras, estão também mais ou menos relacionados com o Diabo na mente das pessoas que as relatam. Estas aparições são denominadas «coisas más» ou «coisas ruins» à semelhança de todos os outros fenómenos anti-sociais que originam o infortúnio, como os mexericos, o mau-olhado, o mau-ar, as bruxas, os lobisomens, os fantasmas e as almas penadas.

34Em resposta a diferentes «coisas más» prescrevem-se reacções diferentes. A distinção entre medidas terapêuticas e medidas profilácticas, no entanto, nem sempre é nítida. Por outro lado, as tentativas de uma pessoa para se proteger a si própria ou à sua casa contra estas forças nem sempre são de natureza mística; medidas práticas também podem ser aplicadas. Por exemplo, se uma parte da estrada é assombrada, toma-se a precaução de a não percorrer de noite; se o vizinho da frente é conhecido por ter mau-olhado, adicionam-se mais dois palmos ao muro do pátio; enfim, dado que ver mulheres enlutadas provoca o insucesso no dia de mercado (devido à sua suposta «inveja»), sai-se de casa antes do nascer do sol de modo a evitar maus encontros.

35As medidas terapêuticas exigem normalmente a intervenção de um especialista, seja um padre ou um curandeiro. Discutiremos esta questão mais adiante. As medidas profilácticas são geralmente decisões individuais; a pessoa recorre a uma reserva de símbolos e práticas que são do conhecimento de todos.

36Como protecção contra o mau-olhado, as bruxas ou os feitiços, pode usar-se uma «figa» feita com a mão esquerda ou um alho-porro em flor, roubado na noite de S. João. Pode usar-se também um «sino-saimão», uma ferradura com as pontas viradas para cima, um ramo de oliveira ou um ramo de buxo. A eficácia destes ramos para afugentar as «coisas ruins» será maior se forem benzidos no Dia de Ramos.

37Muitos outros instrumentos profilácticos e terapêuticos são objectos que pertencem ao cerimonial católico e referem-se à Paixão de Cristo ou à sua transubstanciação na Eucaristia. Este é o caso dos já citados medalhões do «Agnus Dei», dos fragmentos de pedra de ara, das chaves do tabernáculo e das borlas do manípulo.

38Mas há um símbolo que pontifica sobre todos os outros devido ao seu poder e à frequência com que é utilizado: o sinal da cruz. Quando os camponeses se confrontam com qualquer surpresa ou com uma súbita causa de ansiedade, medo ou terror, fazem invariavelmente «o sinal da cruz» e podem mesmo exclamar «Cruzes, Cristo!» No Alto Minho, descobrimos muitas vezes cruzes no cimo das colinas ou dos montes; no centro da freguesia, perto da igreja, encontramos os «cruzeiros»; no caminho de subida para as capelas, há quase sempre uma sequência de cruzes que comemoram a Paixão de Cristo; e, finalmente, nos locais das estradas onde ocorreram acidentes mortais, há sempre uma cruz de pedra ou de ferro para auxiliar o finado nas suas contendas do Além. Nestes casos, trata-se, geralmente, de cruzes latinas, cujo eixo vertical é mais longo do que o eixo horizontal, constituindo referências directas ao Santo Lenho.

39Mas as cruzes latinas não representam, de modo nenhum, a maioria das cruzes que podem ser encontradas nesta região. Embora raramente colocada em locais institucionalmente reconhecidos, a cruz equilateral (grega) é, no entanto, mais comum. Costuma ser toscamente pintada ou riscada em paredes, bermas das estradas, celeiros, cadeiras, mesas, instrumentos de trabalho, portas, umbrais, árvores, tanques de água, esquinas de casas, fornos, etc. Quando leveda, o pão é marcado com uma cruz equilateral e a porção de massa reservada para a cozedura seguinte é também protegida através deste processo.

40A adopção da cruz equilateral não é apenas uma referência à morte de Cristo, porque as pessoas conjugam o simbolismo cristão ortodoxo com práticas que a Igreja qualificaria de crenças pagãs. A utilização da cruz com um significado específico não implica necessariamente a negação de outros significados. A função da cruz equilateral é repelir as «coisa más». As cruzes podem ser colocadas em locais estratégicos para impedir o potencial ataque destas forças anti-sociais, mas muitas são encontradas nos pontos mais imprevistos dos muros e das paredes e são pintadas ou garatujadas nas ruas por uma pessoa que é acometida pelo medo (principalmente à noite).

41O sonho seguinte, que me foi relatado por um homem, permite elucidar o tipo de utilização que os habitantes locais fazem da cruz equilateral. No seu sonho, o homem achou-se ao pé de uma capela abandonada e viu um estranho homem, alto, de barbas e particularmente aterrador. Como defesa, tentou fazer o sinal da cruz ou traçar uma cruz na parede, mas não conseguiu. Quando despertou, banhado em suores frios, verificou que durante o sono comprimira o lado de uma mão contra a palma da outra mão, formando, assim, uma cruz.

42A cruz é também utilizada para representar a presença humana. Uma pessoa que não sabe assinar o seu nome, escreve uma cruz no papel. Quando uma pessoa pretende indicar a outra que esteve num determinado lugar, traça uma cruz no chão ou num muro.

43Quando descobriam uma nova terra, os marinheiros portugueses dos séculos xv e xvi eregiam uma cruz. Deste modo, tomavam posse da terra ao mesmo tempo que a consagravam. Devido a esta consagração, eles estavam, por assim dizer, «a criar uma nova terra» (Eliade, 1965:32). De igual modo, os minhotos que usam o sinal da cruz consagram o seu mundo. Como Eliade escreveu, «para que se possa viver no mundo, é preciso que ele seja fundado — e nenhum mundo pode emergir no caos da homogeneidade e da relatividade do espaço profano. Esta descoberta ou projecção de um ponto fixo — o centro — é equivalente à criação do mundo» (1961:22).

44Num tom menos metafísico, e retomando a feliz expressão do padre de Paço e de Couto, podemos afirmar que os camponeses utilizam a cruz como a «bandeira dos cristãos», isto é, como um meio para delimitar o espaço santificado ou bendito, por oposição ao espaço não santificado e caótico. Por outro lado, é evidente, uma vez mais, a dificuldade em distinguir claramente o bem e o mal morais e o bem e o mal práticos: o espaço santificado também é um espaço socialmente benéfico. Num certo sentido, toda a terra habitada — e mesmo uma grande parte da terra desabitada — está permanentemente santificada, devido à procissão da Páscoa e aos símbolos sagrados (cruzes, capelas e santuários) posicionados em pontos estratégicos por todo o Minho.

45Mas há uma luta contínua entre as forças do bem e as forças do mal. Ora, o espaço santificado apresenta brechas, como as encruzilhadas e as «horas abertas». Estas brechas encontram o seu significado na natureza inevitavelmente má do homem, cuja expressão mais clara é, para os habitantes locais, a «inveja». Os minhotos tentam fechar estas brechas através da morte redentora de Jesus Cristo que foi, aliás, a condição necessária para a existência de um espaço socialmente benéfico no interior deste mundo pecador. Com a Sua morte, Jesus Cristo dotou a humanidade com a graça de Deus; ofereceu, assim, aos seres humanos a possibilidade de serem cristãos e de beneficiarem dos poderes de vitalidade social e individual, espiritual e física, que a graça de Deus concede.

46A fertilidade e todas as outras manifestações da vida física são, como já vimos, simultaneamente desejadas e temidas, porque podem conduzir ao caos social. É através do controlo sobre a vida física que o camponês pode alcançar o seu grande ideal: a reprodução na pureza, a fertilidade controlada, a vida no seu sentido mais pleno. A cruz institui o espaço socialmente benéfico onde esse processo se pode desenrolar.

V

47No seu estudo estatístico comparativo sobre as crenças no mau-olhado, J.M. Roberts conclui que «a desigualdade social é provavelmente uma pré-condição para qualquer elaboração do mau-olhado» (1976:261). Embora esta hipótese possa ser verosímil, a preocupação a respeito da «inveja» e do mau-olhado, que detectamos no Alto Minho, baseia-se principalmente na existência de uma ideologia igualitarista. Maria Cátedra defende uma posição idêntica a esta, ao afirmar que, entre os vaqueiros das Astúrias, «os olhos» — a inveja — parecem intervir nas situações onde pessoas que devem ser iguais, se revelam, afinal, diferentes. Isto é, «‘os olhos’ parecem ser a característica de um grupo que tende ideologicamente para a igualdade económica, social e sexual, numa tentativa para a reforçar» (1976:43). Um indivíduo, quando aceita que um outro indivíduo lhe é legitimamente superior, não o inveja. É por isso que as acusações de «inveja» nunca incidem sobre membros individuais da burguesia: os camponeses aceitam a existência de diferenças entre eles e a burguesia como parte de uma ordem natural das coisas. A sociedade camponesa está impregnada pela «inveja» porque se concebe como igualitária e, simultaneamente, é forçada a reconhecer a impossibilidade de concretizar esse ideal.

Notes

1 Podemos observar novamente a distribuição diferente dos papéis sexuais, por comparação com o sul da Península Ibérica, onde as mulheres são os únicos agentes que podem provocar o infortúnio através da inveja (cf. Pitt-Rivers, 1971:183 e Cutileiro, 1971:276).

© Etnográfica Press, 1989

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540