Version classiqueVersion mobile

Filhos de Adão, filhas de Eva

 | 
João de Pina Cabral

V. As relações com o mal

As relações com mal

Texte intégral

5. Visita pascal. A refeição num dos lugares de Paço.

5. Visita pascal. A refeição num dos lugares de Paço.

1A adesão ao ideal de comunidade e igualdade consagrado no protótipo de subsistência significa que os próprios camponeses minhotos se apercebem do desfasamento entre este ideal e a sua vida social real. Este desajustamento é, para eles, um fracasso que se manifesta não só na existência do conflito e da desigualdade sociais, mas também em muitos tipos de infortúnio considerados como desvios do estado ideal de bem-estar. O mal moral e o mal do infortúnio estão profundamente interligados, porque ambos são aspectos da mesma coisa—são imperfeições face à vida ideal desejada pelo grupo. A fertilidade, a riqueza, o bem-estar físico não bastam; há que encontrá-los dentro de um mundo social. Isto é, um mundo caracterizado pela ordem, distinguindo-se, assim, do mundo animal. Por «ordem», entende-se a capacidade de controlo que permite aos seres humanos predizer e ajustar a realidade a um conjunto de objectivos comuns.

2Logo, o problema de explicar as razões da crença na eficácia da «magia» é um problema falso. Wittgenstein, num comentário a Frazer, escreve: «Queimar em efígie. Beijar o retrato de um amado. Isto não está baseado, obviamente, na crença de que se produzirá um efeito definido no objecto representado pelo retrato. Pretende alguma satisfação e consegue-a. Ou antes, não pretende o que quer que seja; procedemos desta maneira e, depois, sentimo-nos satisfeitos» (1982:4e). Quando as pessoas, por exemplo, pedem a Deus a chuva que, com toda a probabilidade, está prestes a cair, não estão a cometer um «erro»; estão sim a interpelar a natureza unitária da sua imagem da vida. Não desejam simplesmente chuva, desejam chuva «bendita», aquela que cai no momento certo e que dura o tempo certo.

3O conceito cristão de «bênção» é aqui perfeitamente adequado. As bênçãos podem ser invocativas, quando o favor de Deus é suplicado para alguém ou para o bom uso de alguma coisa; ou constitutivas, quando alguma coisa ou alguém é dedicado ao serviço sagrado. Normalmente, são acompanhadas por um gesto purificatório: a aspersão de água benta. Surpreendemos aqui também uma associação entre o bem moral e o bem material. Mas a natureza elucidativa do conceito reside, particularmente, num conjunto complementar de associações, isto é, o da ordem, do uso correcto, do serviço sagrado e da purificação. A bênção é, então, um acto de comunicação (porque pode ser dirigida a Deus ou provir de Deus) que tenta instituir a vida ideal — assim, os seus benefícios materiais estão indissoluvelmente ligados aos benefícios espirituais, porque são a mesma coisa. Podemos compreender, pois, os motivos que levam a Igreja Católica Romana a permitir que a sua bênção seja concedida aos não católicos, mas apenas nos casos em que eles desejam suplicar a dádiva da fé ou, a par desta, a dádiva da saúde. Um não católico não pode invocar um benefício de ordem material, porque carece do seu correlato essencial que é o benefício espiritual da fé.

Table des illustrations

Titre 5. Visita pascal. A refeição num dos lugares de Paço.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1796/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 357k

© Etnográfica Press, 1989

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search