Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Filhos de Adão, filhas de Eva

 | 
João de Pina Cabral

IV. A casa e a comunidade

12. Rituais de unidade da freguesia e de movimento correcto

Texte intégral

1As práticas cerimoniais que serão descritas nesta secção partilham de duas características: primeiro, são rituais de unidade da freguesia, porque supostamente promovem o bem comum e a união de todos os vizinhos; segundo, são caracterizadas por um tipo específico de movimento a que os habitantes locais atribuem um significado particular — o movimento «à direita». Estas práticas são a visita pascal do padre à maioria das casas da freguesia, as procissões em dias de festa ordinários, a passagem de casa em casa de imagens da Sagrada Família e, por fim, a bênção das sepulturas no dia de Todos-os-Santos e no dia de Finados.

2O estudo destes rituais, que colocam a sua ênfase na igualdade e na unidade entre todos os membros da freguesia, não pretende insinuar que os camponeses se alheiam da desigualdade social e do conflito existentes no interior da freguesia. Pelo contrário, os camponeses apercebem-se claramente destes aspectos que consideram negativamente como insuficiências em relação à condição ideal da sociedade. A significação destas cerimónias reside precisamente no facto de serem tentativas para restaurar a ordem neste mundo de perdição. Como cristãos, os minhotos acreditam que a morte de Jesus Cristo dotou os seres humanos da força necessária para derrotar as forças do conflito e do caos. O papel fulcral desempenhado pela cruz processional em três destas cerimónias está directamente relacionado com esta crença.

I

3Em geral, do ponto de vista geográfico, as freguesias minhotas são razoavelmente autónomas. Quer a freguesia de Paço, quer a de Couto são compostas por pequenos vales situados na margem sul do rio Lima. Em alguns casos esporádicos, os limites entre as freguesias podem atravessar a terra cultivada. Normalmente, os bosques, a terra de mato e as bouças estão localizados nas periferias geográficas das freguesias, muitas vezes no cimo dos montes que dividem esta região de montes e vales. A melhor terra cultivada — quase sempre no fundo de um vale — tende a situar-se no centro geográfico da freguesia. É aqui que geralmente está localizada a igreja da freguesia, edificada, em muitos casos, no topo de um pequeno outeiro. Mas, tal como os residentes da freguesia salientam repetidamente, o importante não é tanto a localização da igreja no centro geográfico rigoroso da freguesia, mas sim no seu centro acústico, isto é, no local que melhor permite propagar a sonoridade dos seus sinos, que devem ser escutados na maior parte possível da freguesia.

4A importância dos sinos da igreja é enorme. Devido aos modernos meios de comunicação como o telefone ou os veículos motorizados e devido ao facto do Estado ter assumido muitas das responsabilidades que, anteriormente, eram asseguradas pela cooperação entre vizinhos, tenderam a desaparecer as oportunidades para a acção comunal e os sinos perderam parte do seu significado. Contudo, mantêm ainda um papel público central. Os sinos tocam regularmente ao longo do dia de trabalho e facilmente se aprende a distinguir o sentido dos diferentes toques que permitem orientar o dia, a semana e o ano. A importância dos sinos é tal que os habitantes locais acreditam que, quando os sinos têm um som «triste» — talvez devido a condições atmosféricas particulares —, isso pressagia a morte próxima de um vizinho. Por outro lado, os lugares situados fora do alcance aural dos sinos da igreja são colocados numa posição desprivilegiada e têm a reputação de serem particularmente «atrasados». Há um desses lugares em Paço. Apesar de não existir qualquer evidência que comprove a lenda, os residentes da freguesia sustentam que outrora existiu nesse lugar uma prisão militar. Os residentes actuais seriam os descendentes dos prisioneiros que, uma vez libertados, optaram pela fixação no lugar. A origem lendária do lugar coaduna-se com a sua posição espacial. Em termos simbólicos, um lugar que não pode escutar os sinos da igreja, que está situado na periferia da freguesia e que está separado dos outros lugares por terra de mato, é um sítio apropriado para condenados — marginais e párias sociais.

5Os bosques periféricos das freguesias estão fortemente ligados à imagem do lobo, um dos raros animais desta região que é acusado de atacar seres humanos e de matar, mesmo quando não tem fome. A imaginação local associa frequentemente o lobo e o Diabo. Certo dia, sentado com algumas pessoas de roda de uma mesa de café na «meia de baixo» de Paço, ouvi a seguinte história:

Um amigo do meu pai, um homem muito forte que só com uma moca levava tudo em frente, resolveu ir a meio da noite a uma freguesia para lá do monte. Pegou num enorme pau como era costume das pessoas antigas e partiu.
Seguia por um bosque quando avistou um lobo sentado no meio do caminho. O homem aproximou-se, esperando que o lobo fugisse assustado. Mas não fugiu. O homem desfechou o seu pau com toda a força sobre a fera, para a esmagar. Mas o lobo simplesmente desviou-se para o lado e saltou, sorrindo, sobre o pau. O lobo repetiu este feito até esgotar completamente o homem. Quando já não podia continuar mais, ele segurou o pau em frente do lobo, não sabendo o que fazer. O lobo agarrou o pau com os dentes, segurou-o por uns instantes e afastou-se. O homem, tomado de um grande pavor, fugiu para casa e, na manhã seguinte, morreu.

6Terminada a história, o contador ergueu-se da mesa e afastou-se, deixando todos os presentes impressionados. Olhando para trás, porém, deve ter percebido que eu não compreendera todo o significado da história e, por isso, bradoume: «Não era lobo nenhum, homem, era o Diabo!»

7Enquanto a periferia da freguesia é caracterizada pelas forças anti-sociais, a igreja e o cemitério, localizados no centro, são os locais onde a unidade do grupo é mais intensamente sentida. Acima de tudo, a missa é um ritual de reunião, de «comunhão»; uma interpretação que é partilhada também pelos próprios camponeses, apesar de não possuírem ideias teológicas muito rigorosas. A igreja é o centro onde se processa esta «comunhão» e é também o centro de todas as actividades sociais. Os problemas que afectam os membros da freguesia são discutidos em redor da igreja, depois da missa dominical. Terminado o serviço religioso, o padre faz a leitura dos avisos enviados para a freguesia pelos órgãos administrativos da vila. É também nesse local e nesse momento que se realizam as reuniões da Junta de Freguesia e de outras associações e se debatem as questões relacionadas com as festividades que envolvem toda a freguesia. É ainda em redor da igreja que se celebram as festas e se desenrolam os comícios políticos.

8A missa significa a reunião dos paroquianos com a divindade e também a reunião dos vivos com os mortos. Exceptuada a principal missa de domingo, todas as outras missas diárias são rezadas em memória da alma de um paroquiano falecido cujos parentes pagam ao padre uma certa quantia em dinheiro pelo serviço religioso. A grande procura que incide sobre estas missas, que é impossível satisfazer com as sete missas semanais rezadas pelo padre, justifica a existência de uma lista de espera permanente. Bastará notar aqui que, durante a missa, os vivos e os mortos participam num acto de comunhão com a divindade. A missa é uma afirmação da unidade sagrada que ocorre no centro simbólico.

II

9A celebração da Páscoa apresenta claramente as características de um rito de passagem onde o Carnaval é um «rito de separação», a Quaresma é um «rito de transição» e a semana que decorre entre o domingo de Páscoa e o domingo seguinte (de Pascoela) é um «rito de integração».

10O Carnaval, localmente designado por Entrudo (da raiz latina introitus que significa «entrada», presumivelmente porque corresponde aos três dias que precedem a Quaresma de que é, assim, a «entrada»), é um tempo de folia e de um humor arruaceiro. Esta festividade é caracterizada pela representação simbólica das forças anti-sociais que ameaçam continuamente a sociedade e que os camponeses associam ao caos e à morte.

11Os principais actores são os jovens locais que formam bandos desordeiros e se passeiam vestidos com roupas de fantasia, armando travessuras. Os seus disfarces jogam sobretudo com os temas da morte, da doença, da velhice, da monstruosidade e do travestismo. A natureza anti-social da festividade é notória também nas brincadeiras que tendem a assumir um aspecto sádico. Nas suas travessuras, os «mascarados» fazem rebentar estalinhos debaixo dos pés das pessoas para as assustar, lançam pozinhos de espirro, espalham bombas de cheiro nauseabundo, usam pistolas de água, arremessam «bombas de água» (feitas de sacos de plástico). No passado, eram representadas duas cerimónias cómicas que hoje estão a desaparecer. Em Paço e em Couto, a sua não realização deve-se ao progressivo enfraquecimento dos grupos de companheiros a partir de meados da década de 60. A primeira cerimónia é a Serração da Velha, que consistia na serração burlesca de uma velha ao meio (o que podia fazer-se, simuladamente, com uma anciã ou então, realmente, com um boneco que representava uma velha). A segunda cerimónia é o Testamento de Judas que consistia na denúncia pública, perpetrada por jovens mascarados, das más acções dos vizinhos. O simbolismo da morte, da separação e das forças anti-sociais é expresso directamente nestas cerimónias.

12A Quaresma é um período caracterizado principalmente por um conjunto de proscrições. As pessoas não podem cantar, devem jejuar e arrepender-se, devem confessar-se e preparar-se para tomar a Sagrada Comunhão na Páscoa. O dever de se confessar e comungar ao menos uma vez por ano é conhecido como a «desobriga». Constitui um paralelo religioso do Testamento de Judas — uma expiação e purificação pelas faltas cometidas. Este dever é respeitado ainda hoje com uma grande seriedade e o padre faz o registo daqueles que vêm à confissão e comungam, porque todos os paroquianos deviam idealmente purificar-se anualmente.

13A Semana Santa começa no Domingo de Ramos, quando o padre benze os ramos de oliveira que os vizinhos trazem à igreja. Os ramos são levados para casa e dependurados no exterior das habitações, porque supostamente desviam o mau olhado («para não empecer»). São colocados também sobre as sementes que estão reservadas para a sementeira, porque se julga que o crescimento futuro das plantas será assim beneficiado.

14A Quinta-Feira Santa é o único dia da Quaresma em que quase todos jejuam. As comidas ingeridas nesse dia não devem incluir «coisas de gordura» e, assim, os residentes locais abstêm-se de comer muitos produtos animais. Foi-me dito que o pão que é feito neste dia por uma pessoa que jejuou durará para sempre e nunca ganhará bolor. Uma mulher particularmente devota de Paço afirma ter comido do mesmo pão durante cinco Quintas-Feiras Santas consecutivas. Entre a QuintaFeira Santa e o Domingo de Páscoa, os sinos da igreja estão silenciosos. Na noite da Sexta-Feira Santa, os paroquianos celebram uma procissão de velas.

15As procissões realizadas no Domingo de Páscoa e na Segunda-Feira de Páscoa constituem o ponto alto de toda a quadra. Pela manhã, os sinos repicam quando o padre, acompanhado da cruz processional, sai da igreja a «compasso», principiando a visita pascal que o levará à grande maioria das casas da freguesia, uma a uma, segundo uma ordem que, uma vez estabelecida, nunca mais será alterada. O padre é precedido por um ajudante de sacristão que transporta uma sineta e marca o passo da procissão (daí o nome «compasso») e por um homem que transporta a cruz processional. Tal como a maior parte dos participantes da procissão, o padre leva geralmente um ramo de flores. À medida que ele vai avançando de casa em casa, algumas pessoas juntam-se ao grupo, enquanto outras se afastam. No passado, as pessoas costumavam cantar e dançar quando seguiam o padre.

16A casa que recebe a visita pascal está normalmente decorada de uma forma especial para acolher o padre. Na sala, o padre deparará com uma mesa repleta das melhores iguarias que a casa pode oferecer: é a «mesa folarenga». Os doces são abundantes nesta mesa, porque a Páscoa é um «tempo para doces». O padre dá a estola a beijar às pessoas da casa e dirige-lhes a saudação da quadra: «BoasFestas, Aleluia». Depois, asperge a casa com água benta e permite que os seus membros beijem a cruz processional. O padre recebe um presente (habitualmente, em dinheiro porque, hoje em dia, não é encorajada a oferta de géneros) e segue para outra casa. Quando chega ao fim do lugar, a procissão detém-se para tomar uma refeição leve, que é organizada pelos jovens do lugar com géneros e dinheiro recolhidos entre todos os vizinhos. Há comida e bebida, acompanhadas por música e fogos de artifício, cujo propósito é anunciar que esse lugar exulta na sua coesão e vida nova.

17A procissão desloca-se então para o lugar seguinte. No Domingo de Páscoa, percorre os lugares da «meia de baixo» e na Segunda-Feira de Páscoa os lugares da «meia de cima».

18O padre não entra nas casas que possuem animais machos não castrados (porcos, bodes, cavalos de cobrição), porque estas casas são consideradas impuras. O padre não entra também nas casas onde os membros do casal-chefe não estão unidos pelo matrimónio ou não frequentam a igreja. Deste modo, os paroquianos impedem conscientemente a penetração da impureza e da desordem no «caminho da Cruz» que une todas as casas vizinhas durante o mais santo de todos os momentos.

19É particularmente interessante a ordem segundo a qual se processam as visitas às casas. Quando a procissão sai de uma casa, não avança arbitrariamente para uma outra casa qualquer: dirige-se para a casa seguinte «à direita». Irei esclarecer, no desenvolvimento desta discussão, os diversos significados que os habitantes locais associam a este tipo de movimento. Em todo o caso, posso notar, desde já, que muitas utilizações do termo não implicam um movimento de afastamento para a direita, mas sim um movimento pelo lado direito de um determinado caminho.

20Quando surge uma nova casa, ela é inserida na cadeia, de acordo com a sua aproximada localização geográfica. Se uma casa é extinta ou não pode ser visitada por uma das razões atrás mencionadas, é simplesmente excluída da cadeia. O importante é que a procissão não sofra desvios em relação ao que os residentes da freguesia designam como «o caminho do compasso» ou «o caminho da Cruz» e que é pré-estabelecido e teoricamente gerado pelo movimento «à direita». O movimento da procissão pascal entre os diversos lugares é concebido nos mesmos termos.

21A descrição seguinte sobre a visita pascal de 1980, publicada num dos dois jornais da vila, oferece uma imagem da atmosfera de alegria exuberante que está associada a este ritual:

No meio das palavras alegres de «Aleluia» parece que a natureza se alegrou connosco desfolhando flores e espalhando perfume naquele dia de sol risonho.
No domingo, a visita pascal começou na meia de baixo, e, na segunda-feira, na meia de cima, começando pelo lugar do Moinho de Vento, terminando no lugar de Sol Poente. Tanto no domingo como na segunda-feira, em quase todos os lugares da freguesia, houve foguetes que anunciaram a tradicional e alegre festa de Páscoa bem minhota e portuguesa. Nãd'faltaram as enfeitadas mesas folarengas.
Alegria que se viveu naqueles dias entre novos e velhos numa convivência despreocupada e feliz.

22A faceta mais peculiar da Páscoa será talvez a disposição de espírito dos habitantes locais. As querelas são temporariamente esquecidas; a parcimónia, essa característica tão marcada da vida quotidiana local, é ignorada; as casas são franqueadas a todos os visitantes; as pessoas saudam-se com gritos de «Aleluia» e «Boas Festas». «A Páscoa é a quadra mais bonita do ano», confidenciavame uma anciã. No Domingo e na Segunda-Feira de Páscoa, vai comer-se a casa dos amigos, saboreiam-se doces e guloseimas em abundância, e toda a freguesia, incluindo todas as casas particulares, é decorada numa profusão de flores. A Páscoa é, assim, um rito de integração, uma comemoração do renascimento em comunidade e pureza.

23O Diagrama N.o 7 é um mapa do movimento da procissão em Paço com base nos lugares percorridos. Os movimentos em Couto e nas freguesias limítrofes são virtualmente idênticos. Os lugares mais pequenos foram excluídos por razões de simplificação mas obedecem ao mesmo padrão geral.

24Um relance pelo Diagrama N.o 7 permite perceber facilmente que, em termos topográficos, o movimento da cruz ao longo dos lugares se orienta aproximadamente numa direcção contrária à dos ponteiros do relógio. O significado da afirmação dos habitantes locais de que andam «à direita», de casa em casa e de lugar em lugar, só pode ser captado se presumirmos algo que eles não declaram explicitamente: isto é, se não se orientassem sempre por referência a um ponto central, nunca poderiam dizer que o movimento observado no mapa é «à direita». Um novo relance pelo Diagrama N.o 7 sugere que esse ponto central se localiza algures na região da igreja. (No mapa, a posição central da igreja parece menos óbvia relativamente ao movimento entre lugares na «meia de cima». Porém, in loco, essa centralidade é imediatamente perceptível devido ao vale em forma de Y que corre ao longo da parte central da freguesia.) Em termos gerais, portanto, pode argumentar-se que os vizinhos, quando percorrem o caminho da cruz, executam uma rotação, ou seja, «a acção de se mover em torno de um centro ou de girar em torno de um eixo». Isto não significa, porém, que eles executam um movimento circular. Os meus informantes notavam sempre que «pouco interessa onde a procissão acaba desde que siga o caminho da cruz».

III

25A prescrição para o movimento «à direita» aplica-se a todas as procissões. Nos dias de festa, o padre emerge da igreja em procissão, acompanhado por diversos símbolos do poder religioso (figuras de santos, a hóstia consagrada, a cruz processional), seguido por um numeroso cortejo de paroquianos. No caso das peregrinações, encaminham-se para uma capela, situada frequentemente nos limites da freguesia, a fim de orar por um «favor» especial ou a fim de realizar a celebração anual em honra do santo patrono da capela. Mas, nas procissões normais, o cortejo só reentra na igreja depois de ter sido percorrido um trajecto topograficamente inverso ao sentido dos ponteiros do relógio e que abrange a igreja e o «cruzeiro» (cf. Diagrama N.o 8).

Diagrama N.o 7. Caminho da cruz pascal em Paço.

Diagrama N.o 7. Caminho da cruz pascal em Paço.

26No século xix, as procissões eram por vezes muito longas. Isto ocorria particularmente no caso dos chamados «cercos» do dia de S. Sebastião realizados por todo o Minho. Eram procissões que percorriam as fronteiras de uma freguesia, resguardando-a, assim, contra as forças anti-sociais. Em 1872, o arcet spo de Braga baniu os cercos com o argumento de que se tratava manifestamente de uma ocasião para «ajuntamentos profanos» (Pires de Lima, 1948, 111:235). Esta pressão exercida pelo clero para abolir ou encurtar as procissões é ainda hoje notória. Em 1979, a fúria instalou-se entre os paroquianos de Couto, quando o padre — sem o qual não pode haver uma procissão religiosa — se recusou a caminhar os cem metros suplementares até ao cruzeiro, limitando-se simplesmente a contornar a igreja.

Diagrama N.o 8. Percursos típicos de procissões nos nossos dias.

Diagrama N.o 8. Percursos típicos de procissões nos nossos dias.

27Os minhotos dizem que «até uma criança sabe», sem ter de perguntar, a direcção que qualquer procissão tomará, porque se segue sempre «à direita». Se observarmos o Diagrama N.o 8, que traça o trajecto das procissões em dias de festa ordinários em Paço e em Couto, no entanto, concluímos que a procissão, ao sair da igreja, vira à esquerda. Porque é, então, que as pessoas dizem que ela segue «à direita»? Só poderá afirmar-se que a procissão segue «à direita» se a igreja não for considerada como parte do movimento, mas sim como um ponto central de referência. A igreja não está incluída no caminho da cruz ou no caminho das procissões. Estes caminhos principiam na igreja, porque é ela que normalmente encerra os poderosos símbolos do poder sagrado que protegem os vizinhos. Embora, neste caso, o movimento pareça mais circular que o movimento da procissão da Páscoa, nada permite provar que esta perspectiva seja partilhada pelos aldeões. Pelo contrário, aplica-se aqui também a prescrição válida para o caminho da cruz pascal: «onde começa e acaba não importa, o que tem de ir é pela direita, de vizinho para vizinho. O acabamento não interessa: acaba onde acabar.»

IV

28A cruz pascal não é o único objecto que transita de casa em casa ao longo do «caminho do compasso». Em 1974, o padre de Paço e de Couto instituiu a prática de fazer circular continuamente duas imagens da Sagrada Família em cada freguesia (uma para a «meia de cima» e outra para a «meia de baixo»). Estas imagens passam de casa em casa seguindo a ordem da cruz pascal. Quando alguém morre, a imagem é conduzida pelo seu detentor temporário directamente para a casa do falecido e aí permanece até à conclusão dos ritos fúnebres. Muitas outras freguesias da região aderiram também a esta prática, cuja popularidade relativa depende da influência em cada freguesia do padre que a instituiu. Nestas freguesias, a prática é observada com alguma indiferença. Numa outra freguesia contígua a Paço ela é, no entanto, observada meticulosamente.

29A imagem está montada sobre uma caixa de esmolas. Quando é recebida, vinda de uma casa vizinha, é colocada junto a uma lamparina de azeite acesa; os membros da casa acrescentam algum dinheiro na caixa e, diante dela, recitam diariamente uma série de Avé-Marias e de Pai-Nossos. Se um dos membros da casa deseja invocar um «favor» especial da Sagrada Família, esta será a circunstância mais propícia para o fazer. É a dona da casa que toma a imagem ao seu cuidado logo que ela é recebida. Será ela também que, passados três dias, levará a imagem aos vizinhos «à direita». No fim do percurso pela meia freguesia respectiva, a imagem é reconduzida à igreja, onde o padre retira o conteúdo da caixa de esmolas. Passados alguns dias, reiniciará, sem qualquer cerimónia específica, o seu movimento.

30Este sistema é um bom exemplo da atitude da Igreja face à visão do mundo camponesa. O culto da Sagrada Família não é um culto local com uma tradição significativa. O seu sucesso, nos anos recentes, liga-se à penetração nas áreas rurais, sobretudo por via da influência clerical, da atitude burguesa que concede uma grande relevância à unidade conjugal enquanto forma mais primária de identificação social — a «família» — por oposição à concepção camponesa da forma primária de identificação social baseada na participação comum num fogo — «a casa».

31Ao apropriar-se do conceito camponês da unidade de todas as casas inseridas na cadeia criada pelo caminho da cruz pascal, o clero tenta estimular deliberadamente o abandono da concepção camponesa de «casa» em benefício da concepção de «família» suportada pela burguesia. A apropriação do caminho da cruz pela Igreja não subentende, porém, um compromisso; é antes um esforço para substituir uma concepção da unidade social primária por uma outra — isto é transparente na atitude sobranceira dos padres face à manutenção dos correctos e «tradicionais» caminhos da cruz (cf. Pina Cabral, 1981a).

V

32Duas das mais importantes festividades, ao nível da freguesia, são as festas do Dia de Todos-os-Santos e do Dia dos Finados ou Dia dos Fiéis Defuntos, celebrados respectivamente a 1 e 2 de Novembro. Os pontos focais destas festividades são as visitas ao cemitério realizadas nestes dois dias. As visitas desenrolam-se à tarde e são absolutamente idênticas, embora na festividade do Dia de Todos-os-Santos participe um maior número de pessoas.

33Depois da celebração da missa (durante a tarde), o padre anuncia que «agora, vamos sufragar as almas do Purgatório». («Sufragar» significa «votar por», «tomar partido por» e «orar ou dar esmolas pelos mortos». Recobre-se então com a sua capa e toda a congregação começa a abandonar a igreja através da porta principal, precedida pela cruz processional que é flanqueada por duas grandes velas. Tal como em todas as outras procissões a nível da freguesia (incluindo as procissões baptismais e fúnebres), os homens caminham à frente e as mulheres atrás. A procissão dirige-se, acto contínuo, para o cemitério, cuja limpeza foi assegurada pela Junta de Freguesia no dia anterior. Ao longo da manhã, as donas de casa incumbiram alguém de preparar as campas. Cada campa é decorada com velas, lamparinas, flores e uma pequena jarra de água benta que contém uma flor.

34Todas as casas enviam, pelo menos, um representante a cada uma destas visitas. Os indivíduos que nasceram noutra freguesia ou cujos pais provêm de outra freguesia assistem, geralmente, à primeira cerimónia na sua freguesia de residência e à segunda na freguesia dos seus pais. Algumas pessoas deslocam-se de lugares distantes a fim de estarem presentes, pelo menos, numa das cerimónias; é sobretudo o caso daqueles que, de outro modo, possivelmente teriam as suas campas de família votadas ao abandono. Esta visita é uma reivindicação aos direitos de vizinhança. Todas as casas vizinhas devem estar representadas; o contrário significaria o seu desinteresse em serem aceites como vizinhas.

35O cemitério está dividido em duas partes pelo caminho principal que se inicia no portão. As duas partes estão ainda subdivididas, cada uma em três secções, através de dois caminhos paralelos ao caminho principal. Depois de entrar no cemitério, o padre reza algumas orações para «sufrágio» das almas da primeira secção à direita do portão. Asperge esta secção com água benta e avança para a secção seguinte do lado direito do caminho principal, onde faz os mesmos gestos. Deste modo, circula à volta do cemitério numa direcção inversa à dos ponteiros do relógio, de secção em secção, até alcançar a última localizada à esquerda do portão, antecedendo a sua saída do cemitério. O padre, dizem as pessoas, anda «à direita».

36Enquanto o padre cumpre esta rotina, pontifica um silêncio absoluto apesar das pessoas se moverem continuamente. Pelo menos, um representante da família deve ficar sempre junto da sua campa. Quando o padre benze as campas de uma secção, devem estar presentes todos os participantes que são membros das famílias possuidoras de campas nessa secção. Mas quando o padre se dirige para outra secção, são enviados representantes para junto das outras sepulturas. A visita a uma campa, nestas circunstâncias, é encarada como uma forma de «respeito» para com a casa a que ela pertence. Nesta visita, a campa é aspergida de água benta com a flor que nela está imersa, ao que se sucede o breve murmurar de uma oração (geralmente uma Avé-Maria e um Pai-Nosso). A visita simboliza a boa vontade da família do visitante para estabelecer ou reatar uma relação de cooperação amistosa. No momento em que o padre sai do cemitério, este movimento silencioso está no seu auge. Depois, abranda pouco a pouco, à medida que as pessoas vão também partindo.

37O ponto alto desta cerimónia é a bênção das secções do cemitério realizada pelo padre. Nesse instante, ele promove a reunião de todos os vizinhos mortos e vivos. É interessante notar que a palavra «sufragar», que descreve estas orações pelos mortos, pode significar também «votar por» ou «tomar o partido de». Assim, os vizinhos vivos partilham o seu destino e a sua identidade com os vizinhos falecidos, com todos os outros vizinhos vivos e, especialmente, com aqueles que estão ligados por um relacionamento íntimo. Os residentes da freguesia tomam, portanto, uma vez mais, este movimento «à direita» como um meio para simbolizar a sua unidade baseada na igualdade e na entreajuda, ou seja, o ideal da vizinhança na perspectiva do protótipo de subsistência (cf. Harris, 1982:56).

VI

38No final dos anos 60 e início dos anos 70, foram construídas estradas alcatroadas nestas freguesias, facultando o acesso de automóveis a quase todos os lugares. Até então, os caminhos utilizados só podiam ser trilhados pelos robustos e primitivos carros de bois. Havia, no entanto, uma clara distinção, que ainda subsiste, entre «caminhos» e «carreiros». Teoricamente, a cruz pascal devia deslocar-se somente ao longo dos caminhos e nunca pelos carreiros. O movimento por estes caminhos, que ligam os lugares entre si e com a igreja, é concebido como um movimento «a direito» (sublinhe-se a forma masculina que distingue esta expressão de «à direita»). As procissões, os baptizados, os casamentos e os funerais não devem fazer «desvios», isto é, não devem transitar pelos carreiros mas apenas pelos caminhos. No caso das festas de baptizado, se não for observado o trajecto correcto, admite-se que a vida futura da criança será caracterizada por desvios e contratempos. No caso das procissões fúnebres, a alma do defunto não poderia descobrir o percurso para a igreja e para o cemitério e, assim, seria incapaz de entrar no Purgatório. Deste modo, permaneceria no mundo, o que, decerto, não seria motivo de especial prazer para os vivos. Por fim, muitas actividades comunais, como os peditórios de dinheiro para as festas, a cobrança da côngrua para o padre, as procissões e as peregrinações têm um itinerário prescrito ao longo destes «caminhos direitos», isto é, caminhos simultaneamente rectos e correctos.

39O facto da palavra «direito» possuir estes dois sentidos não é uma mera coincidência. Hertz considera que

nada permite afirmar que o antigo nome indo-europeu de direita possuía inicialmente um sentido exclusivamente físico; e, quanto aos nomes de formação mais recente, como a nossa palavra direito..., antes de terem sido aplicados a um dos lados do corpo, exprimiram a ideia de uma força que vai directa ao seu objectivo por vias normais e seguras, em contraste com o que é tortuoso, oblíquo e defeituoso (1909:564).

40A palavra portuguesa «direito» é, tal como em muitas outras línguas românicas, utilizada também para designar «direito», «título», «prerrogativa», «lei» e «jurisprudência». Esta palavra deriva do latino directus que significa «direito» ou «directo» e é o particípio do verbo dirigere («dirigir, conduzir ou guiar» — Corominas, 1980).

41Ambos os movimentos «a direito» e «à direita» são supostamente ordenados, directos, certos e rectos, conducentes num sentido moral e pragmático. Além disso, a associação, que nos é tão familiar, do lado direito ao que é correcto, sagrado, masculino e bom, e do lado esquerdo ao que é errado, profano, feminino e mau, é aqui bastante evidente. (A palavra «esquerdo» deriva etimologicamente do basco esku oker que significa «mão torcida, mão deformada» — Corominas, 1980). «Casar com a mão esquerda», por exemplo, significa arranjar um amante. A levedação da massa durante o processo de preparação do pão, que está associada à gravidez, ocorre no lado esquerdo da masseira, enquanto a garrafa de vinagre (que representa o aspecto masculino) está colocada no lado direito.

42Nesta área do Minho, muitas igrejas paroquiais possuem três altares; na sua disposição mais usual, é colocada uma imagem da Virgem no altar à direita (a esquerda de Deus, a sinistra heráldica) e uma imagem da Paixão de Cristo ou de S. Sebastião no altar à esquerda (a direita de Deus). Deve-se entrar ou sair de um lugar com o pé direito para evitar uma desgraça. Enfim, embora os indivíduos canhotos não sejam temidos ou particularmente detestados, o uso predominante da mão esquerda é fortemente desencorajado entre as crianças; a palavra «canhoto» pode referir-se também a uma pessoa desastrada, a um gesto desajeitado ou ao próprio Diabo. (Pode referir-se ainda a um cepo grosso, que é considerado como uma coisa tosca.) É notável a ausência de quaisquer prescrições ou proibições associadas ao movimento «à esquerda». Esta inexistência não é, certamente, motivada por um qualquer terror desmesurado a esse tipo de movimentos (porque, nesse caso, haveria proibições declaradas), mas sim pelo seu carácter inconsequente: deslocar-se «à esquerda» é como deslocar-se em qualquer direcção que não vai «direita» a sítio nenhum. É um movimento arbitrário, sem direcção.

43Dialogando com os meus informantes a respeito da natureza do movimento «à direita», apercebi-me da sua repetida insistência em três metáforas. Em primeiro lugar, comparavam o movimento «à direita» com o movimento dos veículos na estrada, que circulam «pela direita». Afirmavam que o movimento do trânsito é semelhante ao movimento das procissões, tem um «sentido obrigatório». Sublinhavam também que, quando os carros não se deslocam de modo ordeiro pelo lado direito da estrada, as previsíveis consequências são o acidente e a morte.

44Em segundo lugar, observavam que muitos tipos de feijões (Phaseolus) crescem num sentido ascendente, enrolando-se em estacas, de um modo geneticamente determinado, denominado «positivo» pelos botânicos, e que corresponde a um movimento helicoidal ascendente inverso ao sentido dos ponteiros do relógio (Baillaud, 1962). Para os meus informantes, o movimento «à direita» dos feijões respeita também um sentido obrigatório — neste caso, dotado pela Natureza. Isto é para eles uma demonstração do valor intrínseco do movimento «à direita»: a própria Natureza, nos seus padrões de crescimento, confirma as ideias locais.

45Por fim, e em terceiro lugar, comparavam o traçado do caminho da cruz pascal a um parafuso que roda também segundo um movimento helicoidal ou espiralado contrário ao sentido dos ponteiros do relógio.

46Outra expressão utilizada pelos habitantes locais para descrever o movimento «à direita» é «à mão de semear». As duas expressões são intermutáveis. A importância da segunda frase está na sugestão que nos fornece sobre a maneira como os minhotos valorizam este tipo de movimento. Embora semear não seja a única tarefa que é praticada com a mão direita, é certamente interessante que só possa semear-se com a mão direita. Os minhotos sustentam que a mão direita é forte e auspiciosa e, portanto, apropriada para a realização desse gesto tão importante que é o acto fecundante de semear.

47Na linguagem quotidiana, porém, esta expressão apresenta ainda um outro significado: diz-se que uma coisa «está à mão de semear» se puder ser facilmente alcançada, independentemente da sua posição face ao locutor. Ao classificarem o movimento da cruz processional como «à mão de semear», os residentes locais salientam não só o facto de ela se deslocar «à direita», mas também o facto de ser o movimento normal, fácil e previsível que deve ser executado e que, além disso, é, tal como a sementeira, um acto potencialmente criativo.

VII

48Abordámos uma diversidade complexa de conceitos e práticas que estão interligados, a despeito da sua aparente falta de sistematicidade. Em termos formais, o movimento «à direita» é politético, porque não existe uma característica comum a todos os exemplos citados; em todo o caso, é possível detectar um conjunto de características que parecem ser fundamentais no uso que os camponeses fazem do conceito.

49Muitos dos movimentos descritos podem ser classificados como formas de rotação, isto é, «movimentos em torno de um centro». Como tal, pode dizer-se que postulam um centro, porque presumem a sua existência. Mas, ao mesmo tempo, dispomos de informações que permitem afirmar que esta rotação não é concebida como circular: tal como no enrolamento dos feijões ou no atarraxamento do parafuso, no movimento da cruz processional o princípio e o fim não se tocam. Assim, em termos formais, podemos descrever o protótipo minhoto do movimento «à direita» comparando-o com as imagens de uma hélice ou de uma espiral, que se movem em torno de um eixo central, no sentido inverso ao dos ponteiros do relógio.

50É possível, no entanto, encontrar ainda uma maior consistência se especificarmos os valores ligados a todas as formas de movimento aqui discutidas. A mão direita está associada à ordem, à força, ao controlo, ao sagrado e aos poderes revitalizadores. Portanto, o movimento «à (mão) direita», é, como os camponeses notam, um «sentido obrigatório», ou seja, o movimento correcto, porque é socialmente benéfico; tal como o «sentido obrigatório» dos automóveis, é uma protecção contra o acidente e o infortúnio.

51Durante a Páscoa, todos os vizinhos estão unidos por uma cadeia de pureza criada por este movimento dador de vida. São unidos por meio da cruz que, segundo uma frase proferida num sermão pelo padre destas freguesias, «é a bandeira dos cristãos», um símbolo da recepção da graça revitalizadora de Deus. Os vizinhos estão unidos em torno do centro social e espiritual do seu mundo, a igreja. Esta unidade espiritual e revitalizadora é a fundação da experiência de comunidade que congrega todos os vizinhos. É com base nesta unidade espiritual que os vizinhos podem afirmar que «aqui, somos todos iguais» embora se apercebam claramente das diferenças em termos de riqueza, poder e prestígio que dividem a sua sociedade.

  • 2 Desde o século v, a maioria das igrejas ocidentais foram construídas com uma orientação similar. (C (...)

52Esta «identidade» experimentada pelos minhotos com regozijo na Páscoa e com pesar no Dia de Todos-os-Santos e no Dia dos Finados é acompanhada por um outro reconhecimento de «identidade» espiritual que é ainda mais amplo. Embora seja considerada como o centro da freguesia, a igreja, nas suas características arquitectónicas, não exprime o simbolismo do centro, já que está orientada em direcção a leste. Este simbolismo leste-oeste, aliás, manifesta-se no próprio ordenamento da comunidade durante os serviços religiosos: as mulheres estão a oeste, junto à porta, e a Hóstia consagrada, ou seja, o próprio Cristo, está no tabernáculo, a leste2. Deste modo, os minhotos expressam uma experiência mais global de comunidade, uma experiência que está focalizada em Cristo, «a luz do mundo» que une toda a Cristandade.

Notes

2 Desde o século v, a maioria das igrejas ocidentais foram construídas com uma orientação similar. (Cf. New Catholic Encyclopedia (1967), s.v. orientation of churches; e Hastings, 1918:30: s.v. points of the compass.) Esta prática tornou-se menos rígida no seio da Igreja Católica Romana a partir do Concílio Vaticano II.

Table des illustrations

Titre Diagrama N.o 7. Caminho da cruz pascal em Paço.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1784/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Diagrama N.o 8. Percursos típicos de procissões nos nossos dias.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1784/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 83k

© Etnográfica Press, 1989

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540