Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Filhos de Adão, filhas de Eva

 | 
João de Pina Cabral

Capítulo I. Introdução

4. O camponês e o burguês

Texte intégral

I

1A diferenciação cultural ao nível da freguesia deve ser, no entanto, considerada no contexto global da sociedade do Alto Minho. Devido à extensão e à rapidez das transformações culturais das últimas décadas, a diferenciação cultural pode inicialmente parecer incompreensível. Mas um exame mais minucioso sugere que tal não é correcto, mostrando a necessidade de um quadro conceptual que permita a localização, no seu interior, tanto da diferenciação como da transformação cultural. Em termos gerais, a sociedade minhota pode ser dividida em dois tipos de áreas culturais: a urbana e a rural. Nas áreas urbanas, a visão do mundo dominante é a da burguesia, enquanto nas áreas rurais pontifica a visão do campesinato. A burguesia e o campesinato são os dois grupos de status mais significativos da sociedade local. No interior das áreas rurais, encontramos também mendigos, ciganos, membros da élite urbana que vivem no campo e jornaleiros sem terra, mas todos eles são quantitativa e qualitativamente irrelevantes face ao campesinato. De modo semelhante, nas áreas urbanas, encontramos um resíduo da velha aristocracia rural, os primeiros sinais de um proletariado e mesmo alguns camponeses, mas também aqui estes grupos não são numérica ou culturalmente significativos em relação à burguesia.

  • 14 Uma análise do comportamento camponês em termos de classes tenderia a minimizar os aspectos cogniti (...)

2Justifiquei anteriormente a minha utilização do termo «camponês» para qualificar os habitantes de Paço e de Couto com base no argumento de que, na sua maioria, «são produtores agrícolas que extraem da terra que controlam a maior parte das suas necessidades de subsistência». Mas esta definição é, simultaneamente, demasiado inclusiva e demasiado exclusiva: exclui os comerciantes e os artesãos camponeses, os emigrantes e os semi-proletários e, ao mesmo tempo, inclui pessoas que vivem no campo mas que são claramente membros da élite urbana, isto é, os «proprietários». Qualquer definição do campesinato deve incluir parâmetros culturais. Como Redfield notou, por exemplo, a subordinação cultural a uma élite urbana é um factor tão importante para a definição do campesinato como o é a subordinação económica (1960,11:20). A escolha do termo «visão do mundo» permite frisar que os modos de pensamento e a percepção do mundo camponeses não constituem um quadro totalmente separado e independente, sendo antes parte de uma complexa tradição cultural. De igual modo, a escolha do termo weberiano grupo de status reflecte, tanto a preocupação com uma perspectiva cultural, como a necessidade de definir o campesinato e a burguesia na base da sua relação mútua14.

3A relação entre a élite urbana e o campesinato não é simétrica. Pelo contrário, como será demonstrado ulteriormente (Capítulo V, secção 17), a burguesia e a hierarquia eclesiástica, que a ela está aliada, são os intermediários que veiculam a hegemonia cultural do que Redfield designa como a «grande tradição». Este controlo sobre o uso local da ciência, da cultura e da religião dá à burguesia provincial poder técnico, ideológico e espiritual sobre o campesinato «sem educação». No passado, este controlo foi exercido pela aristocracia rural mas, durante o século xix, a burguesia provincial apropriou-se deste papel de mediadora e, portanto, de manipuladora da «grande tradição».

4A crença na sua própria inferioridade cultural é um aspecto importante da cultura e do comportamento camponeses de hoje (ver Capítulo III, secção 9). O Alto Minho é, assim, um exemplo da situação tipificada por Redfield, quando ele considera que «qualquer camponês se apercebe que a sua dignidade e a sua satisfação são matizadas pelo conhecimento de que ele é mais pobre e mais rude que a élite, aquelas pessoas que vivem nas cidades» (1960,11:75). Isto não significa que a visão do mundo camponesa não exerça qualquer influência sobre a visão do mundo burguesa, porque, de facto, há vários exemplos que demonstram o contrário. Além disso, não implica uma confusão entre a visão do mundo da burguesia provincial e a «grande tradição». A burguesia das pequenas vilas provincianas é um mero elo de uma cadeia que se origina nas grandes metrópoles científicas, culturais e religiosas do mundo.

II

5A vida cultural quotidiana de um lugar minhoto é diversa e dinâmica. As pessoas discordam e mudam as suas opiniões, aprendem coisas novas e esquecem coisas velhas, pelo que afirmar que «as pessoas deste lugar pensam isto ou aquilo...» é algo desprovido de sentido. Porém, um estudo minucioso desta vida cultural permite demonstrar que o pensamento de todas as pessoas se relaciona com conceitos e imagens específicos à sociedade em causa. Os habitantes locais podem aceitar estes conceitos e imagens, podem argumentr contra eles, podem manipulá-los em seu próprio benefício, podem mesmo ser esmagados por eles, com uma aceitação muda dos próprios princípios da sua destruição pessoal. Em relação a estes conceitos e imagens, podemos então dizer que «as pessoas deste lugar pensam desta ou daquela maneira...» Embora partindo de uma perspectiva teórica muito diversa, Redfield expressa uma ideia semelhante quando escreve que «a estrutura social de uma pequena comunidade é um conjunto de condições limitadoras no interior do qual se desenvolve o comportamento dos indivíduos, é um sistema de orientação ética, um conjunto de postos sinalizadores da vida boa e virtuosa» (1960,1:46).

6Esta «visão mais ou menos coerente da vida boa» não é algo que os habitantes locais possam descrever conscientemente. O investigador deve explorar os aspectos mais diversos da cultura antes de poder começar a formar uma imagem que, hipoteticamente, se aproximará do núcleo comum às imagens vagas que existem, sobretudo a um nível sub-consciente, nas mentes de todos os membros do grupo social em questão. Ao longo deste estudo, pretendi captar essa imagem da «vida boa» no quadro da população camponesa do Alto Minho.

7Em termos mais abstractos, localizei no centro desta visão do mundo uma imagem ideal específica da unidade social primária, da sua reprodução e da sua participação e integração no todo social. O termo «reprodução» deve ser entendido no seu sentido mais lato, porque se refere ao processo de aquisição das condições materiais, biológicas e ideológicas indispensáveis para a projecção no tempo da unidade social primária. Resumindo as minhas conclusões: a unidade social primária é a «casa» agrícola que, essencialmente, embora não exclusivamente, é composta pelo casal-chefe e pelos seus filhos. A casa encontra a sua identidade nas unidades de comensalidade, residência, administração e propriedade; produz os seus próprios alimentos na terra que controla; e, idealmente, é independente de fontes de alimentação exteriores. Este laço directo com a terra é a condição essencial para a plena participação nesta sociedade camponesa. O tratamento adequado da terra, e não a posição genealógica, é o factor mais importante para justificar a chefia do casal-chefe. A fertilidade, a riqueza e o bem-estar físico são imprescindíveis para a sobrevivência da casa, mas é igualmente essencial uma vida social ordenada que, por sua parte, exige o controlo da fertilidade, das propensões aquisitivas e dos desejos corporais. A sociedade exerce este controlo através de um corpo de símbolos religiosos e seculares que reproduz e reforça os ideais associados às relações entre casas. Estas operam com base numa identidade de status entre todas as casas detentoras de terra; tais relações baseiam-se, assim, idealmente, na igualdade, na reciprocidade simétrica e na amizade.

8Para designar o complexo de imagens acima descrito, adoptei a expressão «protótipo de subsistência», pela centralidade que nele desempenha a concepção de que a casa sobrevive pelos seus próprios meios. O conceito de protótipo de subsistência deve ser distinguido do seu parente próximo, a «ética de subsistência», que foi definida por James C. Scott (1976). Esta é uma noção decerto muito rica porque delimita o que é especificamente característico do comportamento económico camponês: a necessidade de se estar protegido contra a fome e de nunca descer abaixo do nível de subsistência — aquilo que Scott designa como «princípio de segurança-primeiro». Este princípio manifesta-se, na sua opinião, em dois mecanismos ideológicos: a insistência na reciprocidade e o direito à subsistência do camponês. Na base destes princípios, ele elabora uma teoria fenomenológica da exploração camponesa que, sem dúvida, detém um grande valor explanatório no que se refere à revolta camponesa. No entanto, não partilho a sua atitude crítica face ao valor da teoria substantivista da exploração, conforme mostrarei mais tarde: ambas as teorias são importantes em diferentes momentos teóricos.

9O conceito de «ética de subsistência» é assim perfeitamente compatível com o conceito de «protótipo de subsistência», mas os dois não devem ser confundidos: o conceito de protótipo de subsistência é mais global que o da ética de subsistência; além disso, não reclamo para o protótipo de subsistência qualquer validade descritiva automática fora dos limites dos dados minhotos que aqui analiso. Se, como eu sugiro, a vida cultural está focalizada numa imagem da unidade social primária, nos seus meios de reprodução e na sua relação com as outras unidades sociais — o protótipo cultural básico —, então essa imagem é geradora da sua própria economia moral. Neste caso particular, como mostrarei adiante, ela produz uma manifestação específica do princípio da reciprocidade e também uma manifestação específica do direito à subsistência.

  • 15 «Systèmes de dispositions durables et transposables, structures structurées predisposées à fonction (...)

10Uma potencial crítica ao protótipo cultural básico é a de que ele postula a existência de um centro estático no interior de uma cultura, o que só adiaria os problemas da explicação da diacronia cultural, deslocando-os do nível da superfície da cultura (ou visão do mundo) para os seus níveis mais profundos. Como resposta a esta crítica deve sublinhar-se que os protótipos culturais básicos não podem ser concebidos como estáticos, pois são permanentemente recriados no processo das trocas culturais entre os membros do grupo social que, por seu lado, (como indivíduos, como grupos ou como um grupo) estão continuamente envolvidos na dialéctica entre a acção e a cognição. Esta aproximação tem algumas similitudes com as propostas de Bourdieu e poderia mesmo sugerir-se que estes protótipos são parte do habitus15. Porém, a meu ver, a verbosidade de Bourdieu oculta a ausência de uma coerência central, o que faz da sua terminologia um instrumento de utilização muito traiçoeira, e o recurso ao termo ambíguo disposition enfraquece o conceito de habitus, tornando-o universalmente aplicável e reduzindo, assim, o seu valor descritivo.

III

11Embora a preocupação fulcral deste estudo seja a visão do mundo camponesa, referirei também a relação entre esta visão do mundo e a da élite urbana, porque o seu isolamento levaria inevitavelmente a descurar uma das características mais importantes do pensamento camponês de hoje. A postulação de um protótipo cultural básico para a burguesia, à semelhança do que foi acima proposto para o campesinato, exigiria um outro longo estudo dedicado aos estratos urbanos. Irei, portanto, limitar-me a enunciar as diferenças mais notórias entre a visão do mundo burguesa e a do campesinato, subestimando, assim, necessariamente, a diferenciação interna da sociedade burguesa.

12A visão do mundo burguesa baseia-se numa concepção da família nuclear e da participação individual na economia monetária que é tipificada pela venda da força de trabalho em troca de um salário. Neste aspecto, ela é distinta da visão do mundo camponesa e da sua noção central de «casa». Os indivíduos e as suas famílias são categorizados separadamente de acordo com diferenças de status. O burguês, ao invés do camponês, não divide a sociedade em grandes blocos de status; ele perspectiva a sociedade em termos de um continuum de prestígio. O seu próprio status é motivo de dúvida permanente, o que explica a sua preocupação com a «aparência» (cf. Lefebvre, 1971:177ss.). A posição social de um camponês baseia-se num bem económico visível, seguro e estável — a sua terra, enquanto a posição social do burguês se baseia em bens muitas vezes invisíveis e, em última análise, perecíveis. Ao mesmo tempo, os camponeses detestam as demonstrações das diferenças mútuas de riqueza, preferindo uma definição das relações sociais baseada no seu carácter comunal. O burguês concebe tipicamente as relações sociais como associativas, e coloca uma forte ênfase na demonstração exterior da diferenciação económica (Weber, 1978,1:40-2).

13Tal como o conceito de subsistência tipifica a visão do mundo camponesa, é o conceito de salário que melhor tipifica a visão do mundo burguesa. O burguês contemporâneo é caracteristicamente um indivíduo que depende de um salário maior ou menor e que desenvolve uma vida pessoal (a vida de consumo) separadamente e sem qualquer relação com o seu «trabalho» (a vida de produção).

14A velha «casa comercial» que era administrada pela família tem sido progressivamente substituída pela concepção de «empresa» que a dissocia da «família». Actualmente, é menor o número de pessoas que são proprietárias dos seus negócios e, quando o são, inspiram-se sobretudo na imagem do «gestor», preterindo a imagem tradicional do «patrão». Esta concepção burocrática das actividades produtivas tem seduzido o grupo cada vez maior dos funcionários civis e também os trabalhadores do sector público.

15O citadino do Alto Minho não é geralmente um «acumulador de lucros», empreendedor e disposto a correr riscos para reforçar o seu poder económico. Ele é dominado por preocupações mais reprodutivas que produtivas. A sua acumulação de «poupanças» não é um meio para aumentar os lucros, é sim uma tentativa para proteger o seu presente nível de consumo. Como empregado, ele dissocia-se tipicamente da responsabilidade pelo processo de produção, o que explica a institucionalização das «baixas» por doença e os fracos níveis de produtividade, que são objecto de duras críticas por parte das grandes empresas e do Estado.

16As constantes referências a «arranjos» e a «bons negócios», que são tão características das conversas burguesas, podem induzir em erro. Normalmente, estes «arranjos» ou «negócios» levam à aquisição de bens de consumo e não de bens de produção. O citadino, em contraste com o camponês, mede-se a si mesmo e aos outros pela capacidade de consumo; a sua preocupação central não é a acumulação do lucro, mas sim a maximização do consumo.

IV

17A divisão da sociedade minhota em dois tipos culturais não é absoluta. Mas, apesar de muitos residentes locais poderem, ocasionalmente, produzir afirmações que podem ser classificadas numa ou noutra visão do mundo, há uma forte incompatibilidade entre as duas visões do mundo. Confrontado com duas «definições da realidade social» alternativas, o indivíduo opta por uma ou por outra, de acordo com as diferentes situações e audiências e de acordo com a sua própria história e os seus interesses individuais.

18G campesinato e a burguesia mantiveram sempre uma relação de grande proximidade. Com a crescente penetração das áreas rurais pelas instituições do Estado moderno, pela economia capitalista e pelos meios de comunicação de massas, esse contacto intensificou-se: os membros individuais de um grupo de status utilizam frequentemente o seu conhecimento da visão do mundo do outro grupo de status. Mas, enquanto os valores burgueses marcam cada vez mais a sua presença e a sua intervenção em todas as áreas da sociedade, os valores camponeses sofrem um processo de declínio. É assim previsível que o conflito cultural assuma uma maior intensidade, a nível individual, entre os camponeses.

19Os habitantes rurais apercebem-se da necessidade de recorrerem, num número crescente de situações, a concepções, definições e valores urbanos. Mas, ao mesmo tempo, as condições para a reprodução do protótipo de subsistência permaneceram. A marginalização económica da agricultura camponesa nos anos 70 não envolveu a sua marginalização social e cognitiva: a posse da terra e o seu trabalho continuam a ser os meios fundamentais para a aquisição da segurança e do prestígio sociais. Assim, em termos económicos, a terra já não pode assegurar por si só a subsistência, constituindo meramente uma base para o desenvolvimento de estratégias de maximização económica familiar, no interior de um mundo que é cada vez menos agrícola. Mas, em termos cognitivos, as concepções da subsistência e da casa agrícola mantêm-se vigorosas.

Notes

14 Uma análise do comportamento camponês em termos de classes tenderia a minimizar os aspectos cognitivos na determinação da acção social. Como Weber sugeriu, «o factor que cria a ‘classe’ é indubitavelmente o interesse económico» (1978,11:928). Apesar do interesse económico ser muito variável no interior do campesinato, que inclui tanto os proprietários ricos como os caseiros extremamente pobres, os camponeses não reconhecem, no seio do grupo social a que pertencem, a existência de uma diferenciação de status e, fundamentalmente, partilham uma visão do mundo comum.

15 «Systèmes de dispositions durables et transposables, structures structurées predisposées à fonctionner comme structures structurantes» (Bourdieu, 1980:88).

© Etnográfica Press, 1989

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540