Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Filhos de Adão, filhas de Eva

 | 
João de Pina Cabral

Capítulo I. Introdução

1. O Contexto

Texte intégral

Há muito tempo, [o homem] deixou de viver simplesmente e começou a pensar como vivia; deixou de sentir simplesmente a vida; concebeu-a. Com base em todos os fenómenos que contribuem para a vida, ele formou um conceito da vida, da fertilidade, da prosperidade, da vitalidade. Compreendeu que havia algo que distinguia o animado e o inanimado, e a este algo chamou vida.
a.m. hocart, Kings and Councillors

1. No campo de batatas

1. No campo de batatas

I

  • 1 Para sublinhar que as freguesias aqui estudadas foram seleccionadas como amostras da vida camponesa (...)

1O rio Lima corre em direcção ao poente, da província espanhola de Orense para a costa Atlântica, que encontra na cidade de Viana do Castelo, capital do distrito ao qual ambas as margens do rio pertencem. Na margem sul, estão situadas duas pequenas vilas, Ponte de Lima e Ponte da Barca, nomes que referem as pontes que atravessam o rio nos locais de encontro entre a estrada que o bordeja e as principais vias antigas que, no sentido sul-norte, ligam Braga (capital eclesiástica e económica do Minho) com o rio Minho, na fronteira mais setentrional do país. Paço de S. Miguel e Couto de S. Fins, cujos residentes são os protagonistas deste estudo, são duas freguesias ribeirinhas do pequeno concelho de Ponte da Barca, que se situa a cerca de quarenta quilómetros do mar1.

  • 2 Pluviosidade média em 1979: observatório de Viana: 1712,1 mm; observatório de Braga: 1818,1 mm. (Fo (...)

2A parte noroeste do Minho, onde se localiza Ponte da Barca, é habitualmente designada de Alto Minho, por oposição às áreas mais baixas e menos montanhosas desta província. É uma região húmida e, de uma maneira geral, fértil, que, exceptuados os trechos mais montanhosos, apresenta um clima temperado, com uma pluviosidade média de quase 2000 mm e uma temperatura média de 13° C a 14° C, variando entre um mínimo de 4° C a 5° C em Janeiro e um máximo de 27° C a 28° C em Julho2. Paço e Couto possuem, pois, Verões tépidos e secos e Invernos muito húmidos, chuvosos e moderadamente frios. A localização destas freguesias na margem sul do rio torna o clima menos temperado do que nas freguesias vizinhas da margem norte. Isto é agravado pelos acidentes do terreno. Do alto dos montes (517 m de altitude) até ao rio (14 m de altitude), a descida é de aproximadamente 500 m numa distância de apenas 4 km. Paço e Couto assemelham-se, assim, a anfiteatros virados a norte, onde os socalcos nos evocam filas de lugares, com o rio, a estrada principal e as igrejas a formarem palcos.

II

  • 3 São tais as diferenças entre o norte e o sul de Portugal que A Portuguese Rural Society (1971) de J (...)

3O Minho manifesta, na sua globalidade, uma identidade cultural que o distingue claramente das outras províncias portuguesas. Embora este estudo aborde especificamente as duas freguesias onde residi entre 1978 e 1980, durante dois períodos de oito meses cada, as suas conclusões são geralmente válidas para a maior parte do Alto Minho. Quando, ao longo deste trabalho, me refiro aos camponenses minhotos ou à cultura minhota, tenho em mente particularmente o Alto Minho. Estas duas freguesias foram escolhidas não por apresentarem quaisquer características identificadoras particulares, mas precisamente porque se assemelham à maioria das outras freguesias desta região, em termos da sua acessibilidade à estrada, da sua proximidade em relação à vila e da consequente abertura às influências urbanas. As povoações montanhosas mais isoladas, tal como a Ermida ou o Lindoso, mostram um carácter diferente e mais pitoresco. Uma dessas povoações era Vilarinho da Furna, descrita por Jorge Dias no seu livro hoje famoso (Dias, 1981), e que agora jaz submersa nas águas de uma barragem. Estas povoações, porém, são muito diferentes das freguesias minhotas comuns. Mesmo o Soajo, na margem norte do Lima, descrito por CaillerBoisvert, é, em muitos aspectos, atípico (Cailler-Boisvert, 1966). Os artigos desta autora constituem, no entanto, os relatos etnográficos cuja temática está geograficamente mais próxima do material aqui apresentado3.

4As freguesias rurais minhotas agrupadas em torno a uma vila formam um concelho. É nestas vilas que estão sediados os representantes locais da administração central e das grandes empresas. É também aqui que encontramos o corpo administrativo localmente eleito de maior importância, a Câmara Municipal, tal como o hospital, o Centro de Saúde, a Casa do Povo, os tribunais e as lojas principais. A vila, normalmente pachorrenta mas reanimando-se nos dias de mercado, é o centro da élite concelhia, a burguesia provincial, que porfia em demarcar-se do resto da população, o campesinato, desprezando-o pelo seu atraso e pela sua falta de educação.

5Em norma, os camponeses residem em «lugares» dispersos pelas encostas, compostos por um conjunto de «casas» cujo número vai de 5 a 80, e que possuem uma identidade social definida. Os lugares estão associados a áreas específicas de terra, independentemente desta terra ser possuída ou não na sua totalidade por residentes do lugar. A concepção local não distingue o grupo social da sua inserção geográfica. Assim, quando um minhoto refere o seu lugar, a sua freguesia ou o seu concelho, ele tem em mente, ao mesmo tempo, a população e a terra (cf. Pitt-Rivers, 1971:7). Uma freguesia, por seu lado, é formada por um conjunto de lugares que têm o seu centro num cemitério e numa igreja. A freguesia é a menor unidade administrativa, elegendo uma Junta de Freguesia que representa os seus interesses; com o nome de «paróquia», a freguesia é a menor unidade eclesiástica para a qual é nomeado um padre e uma Comissão Fabriqueira.

6Tanto a freguesia como o lugar são concebidos fundamentalmente como agregados de casas — «as casas de vizinhos». A palavra «casa» pode designar quer um fogo quer um edifício habitado. De modo idêntico, a palavra «vizinho», possui dois significados relacionados mas distintos: pode referir-se ou a um indivíduo ou a uma casa — aqui frequentemente empregada no plural — mas, no segundo caso, aplica-se apenas às «casas» que possuem terra e residem permanentemente numa freguesia ou num lugar (cf. Serrão, 1965: s.v. vizinho). Se esta prática, por um lado, realça a associação da «casa» (unidade social) com a terra, por outro lado, nega implicitamente o direito de residência às pessas destituídas de terra que não podem constituir casas no sentido de «casas de vizinhos», porque estas exigem um vínculo directo e permanente com a terra. Os duplos significados destes conceitos centrais de «casa» e «vizinho» reflectem uma atitude ambivalente em relação aos indivíduos que não possuem terra. A preocupação do camponês minhoto face à igualdade em termos de status, que será discutida posteriormente, exclui os jornaleiros sem terra enquanto grupo, embora não os exclua enquanto indivíduos.

7Historicamente, o campesinato minhoto não se tem apresentado como um grupo uniforme. Existiram sempre diferenças consideráveis de riqueza entre «jornaleiros», «caseiros» e «lavradores». Os grandes proprietários raramente trabalham a terra e tendem a viver mais nas vilas do que nas áreas rurais. Os que vivem nas freguesias rurais costumam habitar grandes casas construídas no interior de uma «quinta». Nesta região de Portugal, os proprietários abastados que se identificam com a burguesia provincial não se autodenominam «lavradores» mas sim «proprietários».

  • 4 Weber define status como «uma reivindicação efectiva à estima social em termos de privilégios posit (...)

8A despeito das suas diferenças, todos os três referidos tipos de camponeses partilham uma identidade comum, por oposição à burguesia provincial. Vestemse e comportam-se de maneira semelhante, falam com a mesma pronúncia, adoptam geralmente as mesmas atitudes. A população do concelho está, assim, nitidamente dividida em dois grupos de status: a burguesia e o campesinato4.

9O objectivo principal deste estudo é descrever analiticamente os modos de pensamento e a percepção do mundo dos camponeses minhotos — doravante designados como a «visão do mundo camponesa». Procuro, assim, inserir esta visão do mundo no seu contexto histórico, sociológico e económico e, ao mesmo tempo, descobrir os princípios subjacentes que a unificam num sentido tanto diacrónico como sincrónico.

10A minha utilização do termo «visão do mundo» (worldview, weltanschauung) foi sugerida pela influente definição de Daryll Forde em African Worlds. Segundo ele, uma «visão do mundo» consistiria nas «crenças e atitudes dominantes de um povo sobre o lugar do Homem na Natureza e na Sociedade, não só pelo modo como elas são reveladas nas expressões formais e informais de crença, mas também pelo modo como estão implícitas nos costumes e prescrições éticas, em contextos tanto rituais como seculares» (1954: p. vii). A história longa mas errática do termo mostra globalmente duas tendências, que eu procurei particularmente evitar: a tentação de utilizar o termo exclusivamente no contexto das ideias religiosas, e a incapacidade de o relacionar com o processo de transformação socio-económica (v. Kearney, 1975 e Kiernan, 1981). A utilização que Berger e Luckman fazem da noção de «visão do mundo» é, de igual modo, demasiado restritiva para os meus objectivos; a minha utilização aproxima-se mais do seu conceito alternativo de «tudo o que passa por ‘conhecimento’ na sociedade» (1960: 26-7). A literatura antropológica fornece uma série de termos que poderiam quase cobrir o mesmo objecto de estudo. Preferi «visão do mundo» em alternativa a «cultura», que seria demasiado inclusiva; a «ideologia», que tende a implicar falsidade; e a «cosmologia» ou a «folk model», que empolariam os aspectos sistemáticos e codificados da percepção quotidiana do mundo.

11A minha aproximação não é sistemática quanto às questões mais importantes que acompanharam a história do conceito de visão do mundo — as que são suscitadas pelas noções de espaço, tempo, causalidade e identidade pessoal. Mas as ilustrações etnográficas destas questões tornam-se claras ao longo deste estudo, sobressaindo como factor essencial o problema da racionalidade — que também é, aliás, um velho companheiro do conceito de visão do mundo.

III

12A organização deste estudo foi motivada pela procura de uma coerência cultural subjacente. Após uma introdução geral, considero inicialmente os aspectos simbólicos da unidade social primária, a casa, e a sua formação. Examino depois as relações no interior da casa, sobretudo as relações entre os sexos, e as atitudes sobre a reprodução humana. Procedo, em seguida, a uma descrição das várias manifestações da experiência de comunidade entre casas e entre seres humanos e seres divinos. Isto leva a uma discussão sobre a «inveja», considerada como fonte principal do conflito social e da desigualdade e sobre os meios mobilizados para anular os seus efeitos, especialmente através da intervenção de padres e de bruxos. O estudo encerra com uma descrição dos enterros, com uma análise das atitudes em relação à morte, expressas em várias formas de culto centradas na morte e com a conclusão de que a oposição entre a vida e a morte — um desejo profundo pela vida no seu sentido mais pleno — é a preocupação fundamental dos camponeses do Alto Minho.

Notes

1 Para sublinhar que as freguesias aqui estudadas foram seleccionadas como amostras da vida camponesa do Alto Minho, e não por virtude de quaisquer características específicas que as possam distinguir de outras freguesias, e também como uma forma de proteger a privacidade das pessoas estudadas, preferi atribuir pseudónimos às duas freguesias. Os nomes dos concelhos e distritos são os verdadeiros. A maioria dos nomes dos residentes das duas freguesias são pseudónimos.

2 Pluviosidade média em 1979: observatório de Viana: 1712,1 mm; observatório de Braga: 1818,1 mm. (Fonte: Anuário Estatístico, 1979.)

3 São tais as diferenças entre o norte e o sul de Portugal que A Portuguese Rural Society (1971) de José Cutileiro não pode ser considerado como o companheiro natural deste estudo. Um exemplo muito mais próximo é o trabalho de Carmelo Lisón na Galiza (1971a; 1971b; 1973; 1974; 1976).

4 Weber define status como «uma reivindicação efectiva à estima social em termos de privilégios positivos ou negativos» e «grupo de status» como «uma pluralidade de pessoas que, no seio de um grupo mais vasto, reivindica com sucesso a) uma estima especial e possivelmente também b) monopólios de status» (1978,1:305-6).

Table des illustrations

Titre 1. No campo de batatas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1736/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 411k

© Etnográfica Press, 1989

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540