Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Filhos de Adão, filhas de Eva

 | 
João de Pina Cabral

Prefácio à edição inglesa

Texte intégral

1Na sua introdução a A Portuguese Rural Society, José Cutileiro afirma que o antropólogo social que investiga a sua própria sociedade se defronta com algumas desvantagens e que «para observar e descrever a vida de alguns dos meus compatriotas, tive, por assim dizer, de personificar um antropólogo de Oxford» (1971: vii). Mais tarde, na edição portuguesa de 1977 da mesma obra, Cutileiro alterou a sua opinião, sugerindo que os métodos da antropologia social só podem ter alguma credibilidade se não dependerem da pessoa que os utiliza.

2Esta questão é certamente discutível. Na minha opinião, porém, é necessário admitir que o antropólogo social, enquanto ser humano, tem sempre interesses investidos na forma como apresenta os seus dados, sejam quais forem as condições que marcaram a sua experiência de trabalho de campo. Como Maybury-Lewis frisou, na introdução a Akwê-Shavante Society (1974), o antropólogo social deve ter a honestidade de referir os principais factores que possam ter influenciado, de alguma maneira, a sua imagem ou o seu conhecimento da sociedade que estuda.

3No meu caso particular, apesar de ser português por nascimento e formação, fui educado em África como anglicano. No Verão de 1977, quando iniciei os preparativos para o meu trabalho de campo, o mundo arreigadamente católico do Portugal provinciano representou para mim uma experiência bastante inédita. Fiz questão em escolher uma área do Minho rural a que não me ligavam quaisquer contactos anteriores de modo a obter uma maior liberdade de movimento, pelo menos durante o período inicial de adaptação e descoberta do terreno. A sugestão do concelho de Ponte da Barca partiu de Manuel Villaverde Cabral que, nesse tempo, passava um ano sabático em Oxford. A minha familiarização com a sociedade local foi facilitada por D. Eurico Nogueira, Arcebispo de Braga, que me facultou cartas de apresentação para dois párocos locais.

4Aproveito esta oportunidade para lhe agradecer a simpatia que me mostrou, quer nessa data quer posteriormente.

5Só ao fim de três meses comecei a ser aceite pelos residentes de Paço, a freguesia onde vim a fixar a minha residência. Foram três meses penosos. Só mais tarde me apercebi de um problema que não previra e que se revelou, afinal, extremamente difícil de superar. Foi a descoberta gradual da minha identidade como membro da élite urbana. Esta pertença proporcionou-me simultaneamente um status elevado e uma espécie de poder informal: privilégios que não acolhi de bom grado, sobretudo, porque compreendi que criavam obstáculos às minhas relações com o campesinato. Durante todo o trabalho de campo, tive de fazer face a expectativas, preconceitos e predisposições tanto de citadinos como de camponeses, que me imputavam, uns e outros, crenças, hábitos e atitudes que, em muitos casos, eu não partilhava.

6Na altura, foi uma luta surda, inconsciente. Foi apenas durante o processo de escrita do material recolhido que tomei consciência da importância que a minha experiência pessoal do conflito entre a burguesia e o campesinato assumiu para a minha compreensão da sociedade local. Creio que esta percepção da luta foi intensificada pelo facto de eu ser português. Teriam sido depositadas menos expectativas num estrangeiro, sobretudo se ele não dominasse fluentemente a língua portuguesa.

7A John K. Campbell, que orientou o meu trabalho em Oxford, liga-me uma dívida de imensa gratidão. Estou também grato a Rodney Needham, cuja paixão pela perfeição me inspirou um renovado entusiasmo num momento difícil do processo de conclusão da tese; e a Peter Rivière e a Julian A. Pitt-Rivers, meus examinadores, que me encorajaram a prosseguir o trabalho e a publicar os resultados.

8De regresso a Lisboa, entre 1982 e 1984, continuei a fazer pequenas visitas regulares à zona de trabalho de campo e, ao mesmo tempo, fui revendo radicalmente o texto da tese; em alguns casos, alterei mesmo as minhas interpretações. Não sendo possível agradecer a todos os que me auxiliaram e encorajaram no decurso destes sete longos anos, limito-me a citar aqueles para quem a minha dívida é maior: Hermínio Martins, Manuel Villaverde Cabral, Renée Hirschon, Rui G. Feijó e, em Ponte da Barca, António José da Costa e sua família, Alzira das Dores e Silva e sua família, António da Silva Oliveira, sua esposa e filhos, os padres Fernando Sá e José Cerqueira Carneiro.

9Agradeço a possibilidade da utilização de partes dos meus próprios artigos aos editores do Journal of the Anthropological Society of Oxford, da Análise Social e da Estudos Contemporâneos e à editora Croom Helm. Nestes artigos podem ser encontrados alguns pormenores que foram omitidos neste livro.

10Agradeço ao British Council e ao Philip Bagby Trust (Oxford) pelo seu contributo nas fases iniciais da tese. Em Lisboa, o Instituto de Ciências Sociais proporcionou-me as condições indispensáveis para a transformação da tese em livro. Quando o livro estava no prelo, fui designado para uma Research Fellow-ship na Universidade de Southampton financiada pela Fundação Calouste Gulbenkian, o que me permitirá continuar a desenvolver os argumentos expostos neste livro. Agradeço também a estas instituições.

11Finalmente, há aqueles a quem nunca poderei agradecer bastante e a quem dedico este trabalho: meu pai, minha mãe e minha mulher.

12Southampton, 1984

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/1730/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 335k

© Etnográfica Press, 1989

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr