Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Filhos de Adão, filhas de Eva

 | 
João de Pina Cabral

Prefácio à edição portuguesa

Texte intégral

1Este livro, que agora é apresentado ao público português, tem já uma longa história. Iniciado em 1977-1978 no contexto de uma tese de mestrado em Oxford, foi apresentado em 1981-1982 como tese de doutoramento. Até 1982, toda a minha experiência de vida adulta em Portugal se limitava ao trabalho de campo no Minho. Entre 1982-1984, já residente em Lisboa, continuei o trabalho de campo e revi o livro radicalmente à luz de toda uma nova sensibilidade da vida portuguesa que muito deve aos meus colegas do Instituto de Ciências Sociais e do I.S.C.T.E.

2Publicado em inglês em 1986, quando eu vivia de novo em Inglaterra, o estudo foi bem recebido pela crítica especializada internacional. Inicialmente, não era minha intenção traduzi-lo, já que sentia que outro livro teria sido escrito, tivesse-o eu feito em português. No entanto, de volta a Portugal em 1986, apercebi-me que o nosso público académico tende a desconhecer tudo o que seja escrito sobre Portugal em línguas estrangeiras. Fui assim levado a aceitar uma proposta de tradução. Durante dois anos, o Dr. Paulo J. Valverde fez um excelente trabalho de tradução, pelo qual lhe estou muito grato.

3Não era este o livro que eu hoje escreveria; até já não estou de acordo com um ou outro ponto de pormenor; no seu todo, porém, o argumento continua a atrair-me. Foi este o «descobrimento» que eu pude fazer do Portugal rural. Mas um livro, para quem continua a escrever, nunca é um ponto final. A própria forma utilizada induz em erro, pois sugere falsamente dois tipos de finalidade: a do autor e a da realidade interpretada. A monografia etnográfica é, nesse aspecto, como o cinema: encoraja a megalomania. Como só apresentamos aquilo que conseguimos interpretar (ou pensamos conseguir interpretar), acabamos por assumir uma pose de omnisciência. Como no cinema, o que fica fora do raio de visão deixa de existir pura e simplesmente. Ora, não só o que é escrito corresponde a uma parte ínfima do que poderia ter sido escrito, como as razões porque aquela parte foi escolhida e não outra são tão complexas (e biográficas...) que chegam a parecer, por vezes aleatórias.

4Com a passagem dos anos, fui sendo tomado cada vez mais pelo desejo de fazer uma segunda narrativa deste meu «descobrimento» — mais emocional, mais ficcional, mais... verdadeira. Há verdades diferentes. A da ciência é megalómana, a da ficção também, mas mais subtil. Quis experimentá-la. Aromas de Urze e de Lama, um livro que espero cedo esteja acessível ao público, é um esforço de captar uma verdade mais íntima e, portanto, moralmente, mais ambígua e menos subjectivizante. Por outro lado, a tarefa de interpretração antropológica não tinha terminado com Filhos de Adão, Filhas de Eva. Um jovem colega que leu a versão inglesa comentou, surpreendido, que ela acabava repentinamente, quando o leitor ainda estava à espera da conclusão... De certa maneira, tem razão; mas, que conclusão? As generalizações mais abrangentes a que conseguira chegar, tinha-as já apresentado no primeiro capítulo. Tivesse eu artificialmente concluído a obra, teria simplesmente exacerbado a tendência, já de si inevitável, para circunscrever a realidade descrita que, como todas as realidades sociais, não tem princípio nem fim. Mas há um outro sentido para «conclusão»: aquilo que o autor sente ao concluir o percurso intelectual que o próprio material exige dele. Ora, em 1984, faltava-me ainda escrever tudo o que tenho vindo a escrever desde então.

5Faltavam-me os textos sobre o tempo (1987), sobre o teatro e o trabalho assalariado rural (s.d.a), sobre a identidade social e a regionalidade em Portugal (1989a), sobre o trabalho de campo e a etnografia portuguesa (1986), sobre a metodologia de trabalho de campo antropológica de hoje (Pina-Cabral e Campbell, s.d.b), sobre as categorias de comparação regional e, em particular, a de Mediterrâneo (s.d.c), sobre a unidade social primária (1989b), sobre a família burguesa (s.d.d) e, finalmente, o texto que tenho presentemente entre mãos, sobre a reprodução da unidade social primária e o casamento no contexto da Europa atlântica e mediterrânica. Para dar ao leitor alguma ideia de todo este trabalho, decidi-me a incluir aqui, como Epílogo, a tradução revista de um texto que saiu na revista inglesa Man em 1987. Escrito para a secção sobre «Perceptions of the Past» do Congresso Mundial de Arqueologia de 1986, numa altura em que eu abandonara já o trabalho de campo, este artigo permitirá ao leitor uma noção das conclusões que, entretanto, fui atingindo para esta viagem intelectual que foi, para mim, o Alto Minho.

***

6Só agora começo a sentir que cobri o percurso que tinha traçado quando em 1976 — recém-licenciado em Antropologia Social pela Universidade de Witwatersrand em Joanesburgo — me fascinei pela literatura popular portuguesa.

7Pouco antes, voltara brevemente a Portugal para ser operado. Os meus companheiros de enfermaria, no Hospital da Ordem do Carmo, no Porto, eram quase todos rurais — liam jornais, livros de banda desenhada, aborreciam-se e, sobretudo, ouviam na rádio os discursos ferozes que Acácio Barreiros desferia então na Assembleia da República, empolgando todo o país. Para passar o tempo, o meu pai oferecera-me os três volumes da colecção de contos populares portugueses de Carlos de Oliveira e Gomes Ferreira (1975). Os meus colegas de enfermaria riram-se de mim ao ver-me ler livros tão grossos — mas só até eu lhes ler alguns contos... Não esqueço a enorme surpresa que tive quando vi que eles (iletrados, se bem que capazes de ler) ficaram imediatamente fascinados. Leram todos os volumes de seguida e quando, uma semana depois, o médico me deu alta, não me os deixaram levar. Tive de voltar mais tarde a buscá-los. Não era só eu que estava fascinado por Brancaflor — havia aqui algo a explicar: estas velharias faziam mais sentido para mais gente do que eu tinha imaginado!

8Na altura, deixei-me tomar pelo zeitgeist e fui explorar o filão que me era sugerido pelo estruturalismo formalista (Pina Cabral, 1977). Gostei do exercício e, se bem que hoje o estruturalismo formalista é algo do passado, nunca consegui convencer-me da sua inutilidade. Mas queria mais: o meu treino como antropólogo social levava-me a crer que não há estruturas significantes sem uma vida social que as produza. Parecia-me que o segredo do fascínio por Brancaflor e outros contos, que me absorvera tanto como aos meus colegas de enfermaria, estava na sociedade que os produzira, na vida que os moldara. Assim, quando voltei a Portugal para estudar os camponenses minhotos, procurava algo de mais profundo, de mais original na vida portuguesa.

9Hoje, reconheço que estava equivocado — a essência que explica o fascínio destes contos está tanto na vida camponesa, como na vida burguesa, como na história das instituições portuguesas. Mas não me arrependo, pois comecei por aquilo que me era menos acessível e assim poupei caminho.

***

10Quem ler este texto em 1988-89, surpreender-se-á sem dúvida pela ausência de referências a toda uma série de trabalhos que, entretanto, vieram a público. Peço ao leitor que tenha em mente que o texto não foi alterado desde 1984. Se o fizesse, teria de re-escrever completamente o livro, o que me seria impossível. Algum diálogo com as ideias de Brian J. 0’Neill, de Caroline Brettell e de João Ferreira de Almeida (cujas monografias saíram, a primeira, em 1984 e, as duas últimas, em 1986) e de Robert Rowland (1987a; 1987b) estará certamente presente pelo facto de os nossos passos se terem cruzado em colóquios e conferências, apesar de eu não ter tido então acesso aos seus textos. Desconhecia, no entanto, obras de Raul Iturra (1985), Moisés Espírito Santo (1984), Pierre Sanchis (1983) e J. Freitas Branco (1987), que, entretanto, foram saindo a público.

11Recentemente, a etnografia peninsular sofreu também uma enorme expansão: as obras de Ruth Behar (1986), Brandes (1980), Bestard (1986) e McDonough (1986) em particular, teriam sido ajudas valiosas, se eu lhes tivesse tido acesso. Finalmente, tenho a certeza que o meu projecto metodológico teria sido outro se toda a literatura recentemente publicada sobre trabalho de campo (especialmente, Jackson, 1987, Clifford e Marcus, 1986 e Pina Cabral e Campbell, no prelo) e sobre antropologia reflexiva (por exemplo, Rabinow, 1977, Boon, 1982 e Clifford, 1988) me tivesse influenciado — mesmo estando eu em desacordo com a posição de princípio deste último grupo de autores.

12Como diz James Clifford, desde Malinowski que a autoria/autoridade etnográfica assenta sobre a experiência da observação participante — essa «dialéctica de experiência e interpretação» (1988:34). Segundo ele, «os paradigmas da experiência e da interpretação estão a dar lugar a paradigmas discursivos de diálogo e polifonia» (1988:41). Penso entrever no texto que escrevi já alguma dessa preocupação pela polifonia e até pelo diálogo. No entanto, o livro ainda foi construído segundo os protótipos clássicos — não fosse ele baseado numa tese de doutoramento.

13Por muito que as estratégias de apresentação e de autoria/autoridade se alterem, no futuro previsível, a componente experiencial continuará a ser central na investigação antropológica. Resulta assim, que cada geração tem a sua etnografia, pois os membros de cada geração partilham muitos dos aspectos das suas experiências pessoais. Num contexto português e ibérico, e comparada com as anteriores, a minha geração tem sido prolífica e inovadora. A geração dos antropólogos sociais que hoje acabam as suas licenciaturas — geração que não conheceu a ditadura, que não tem que se confrontar com os efeitos imediatos do êxodo emigratório dos anos 60 e 70, que não necessita de criar instituições universitárias a partir do quase nada e que encontra um Portugal inovador e activo, mas politicamente estabilizado — essa geração terá uma experiência bem diferente, tanto do trabalho de campo como do contexto de elaboração da interpretação subsequente. É com certa curiosidade que espero pelo seu trabalho, pois não será só a metodologia e a retórica de apresentação que mudarão; mudarão também os objectos. Nós estudamos camponenses, emigrantes e mulheres — quem estudarão eles?

14Lisboa, 1988

Bibliographie

almeida, João Ferreira de. 1986. Classes Sociais nos Campos. Camponeses Parciais numa Região do Noroeste. Lisboa: edições do Instituto de Ciências da Universidade de Lisboa.

behar, Ruth. 1986. Santa Maria del Monte. Princeton, New Jersey: Princeton University Press.

bestard, Joan. 1986. Casa y Familia. Parentesco y Reproducción Doméstica en Formentera. Palma de Mallorca: Institut d’Estudis Baleárics.

boon, James A. 1982. Other Tribes, Other Scribes. Cambridge: Cambridge University Press.

brandes, Stanley. 1980. Metaphors of Masculinity. Philadelphia: Pennsylvannia University Press.

brettell, Caroline B. 1986. Men Who Migrate, Women Who Wait. Princeton, New Jersey: Princeton University Press.

clifford, James. 1988. The Predicament of Culture. Cambridge, Mass.: Harvard University Press.

clifford, James e George E. Marcus (orgs.). 1986. Writing Culture. Berkeley: University of Califórnia Press.

espírito santo, Moisés. 1984. A Religião Popular Portuguesa. Lisboa: A Regra do Jogo.

freitas branco, Jorge. 1987. Camponeses da Madeira. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

iturra, Raul. 1986. «Casamento, Ritual e Lucro na Aldeia Portuguesa (1862-1983)», Ler História 5, pp. 59-81.

jackson, Anthony (org.). 1987. Anthropology at Home. London: Tavistock.

mcdonough, Gary. 1986. Good Families of Barcelona. Princeton, New Jersey: Princeton University Press.

oliveira, Carlos de e José Gomes Ferreira. 1975. Contos Populares Portugueses, 4 vols. Lisboa: Iniciativas Editoriais.

o’neill, Brian Juan. 1984. Proprietários, Lavradores e Jornaleiros. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

pina cabral, João de. 1977. Brancaflor: a Structuralist Analysis of a Portuguese Folktale. Thesis, University of the Witwatersrand.

pina cabral, João de. 1986. «Notas críticas sobre a observação participante no contexto da etnografia portuguesa», Análise Social xix (76), pp. 327-339.

pina cabral, João de. «Paved Roads and Enchanted Mooresses: The Perception of the Past among the Peasant Population of the Alto Minho», Man N.S. 22 (4), pp. 715-735.

pina cabral, João de. 1989a. «Socio-cultural differentiation and regional identity in Portugal» in Richard Herr (org.), Iberian Identities. Berkeley: University of Califórnia Press.

pina cabral, João de. 1989b. «L’Heritage de Maine: L’érosion des catégories descriptives dans 1’étude des phénomènes familiaux en Europe», Ethnologie Française, no prelo.

pina cabral, João de. s.d.a. «Acting Out Change: Popular Theatre Within a Context of Altering Work Conditions», apresentado ao Congresso «Change and Continuity in 20th Century Portugal», St. Antony’s College, Oxford, 1983.

pina cabral, João de. s.d.b. «A Point of View: The Role of the Researcher in the Production of Ethnographic Knowledge» in Pina Cabral e Campbell (orgs.) op. cit.

pina cabral, João de. s.d.c. «The Mediterranean as a Category of Regional Comparison: A Criticai View», Current Anthropology, no prelo.

pina cabral, João de. s.d.d. «The Bourgeois Family of Oporto: Tomb Management and Sibling-Vicinalities», apresentado ao 1.° Congresso Português de Sociologia, Lisboa, Janeiro 1988.

pina cabral, João de e John Campbell (orgs.). s.d. Europe Observed: Anthropology Fieldwork and History in Mediterranean and Atlantic Europe. London: MacMillan/St. Antony, em preparação.

rabinow, Paul. 1977. Reflections on Fieldwork in Morocco. Berkeley: University of California Press.

rowland, Robert. 1987a. «Nupcialidade, Família, Mediterrâneo», Boletín de la Asociación de Demografia Histórica., V (2) pp. 128-143.

rowland, Robert. 1987b. Antropologia, História e Diferença. Porto: Afrontamento.

sanchis, Pierre. 1983. Arraial: Festa de um Povo. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

© Etnográfica Press, 1989

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540