Version classiqueVersion mobile

O trágico e o contraste

 | 
António Firmino da Costa
, 
Maria das Dores Guerreiro

Posfácio. À laia de afinação

Texte intégral

1Antes do fado começar, afinam-se os instrumentos e aclara-se a voz. Estas operações têm uma finalidade explicitamente utilitária — preparar as cordas vocais bem como as da guitarra e da viola —, mas são também rituais, sinalizam o início da sessão. Para quem ouve, raramente estes preliminares possuem grandes atractivos. É mesmo frequente que, prolongando-se, despertem uma certa impaciência e um ligeiro sentimento de incómodo.

  • 250 Georg Simmel, «Filosofia do coquetismo», in Georg Simmel, Cultura Feminina, Lisboa, Galeria Panoram (...)

2Ao contrário, para os executantes, é um momento de concentração, vivido como uma inextricável mistura de sensações, em que a certeza da indispensabilidade e utilidade do acto se associa a um indefinível encantamento da repetição sincopada dos sons, com o agridoce do que é já musicalidade permanecendo ainda desafinação. A não ser que o encanto seja o de prolongar a expectativa da assistência, seja o encanto dum subtil coquetismo, como diria Simmel250, em que se promete mas ainda se não dá e em que, de forma ambígua, a provisória recusa aparece implicitamente justificada com a pretensa ou verídica necessidade instrumental. Vá lá o auditório saber, ao certo, o que é estritamente obrigatório do ponto de vista técnico e o que é instante de prazer que o artista reserva exclusivamente para si, nesse momento fugido e preliminar que antecede a entrega e a partilha com os outros.

3Aconteceu-nos também sentirmo-nos na necessidade de preparar a leitura deste livro com um conjunto de observações preliminares. Destinar-se-iam a situar, mesmo que muito sucintamente, as nossas hipóteses de partida para a análise do fado, bem como a esclarecer o tipo de livro de que se trata, a forma de exposição adoptada, algumas das nossas convicções sobre a natureza da pesquisa sociológica e antropológica.

4É norma os textos das ciências sociais fazerem-se preceder de considerações deste tipo, teóricas, metodológicas e outras. Também nelas, como na afinação musical, coexistem as dimensões da utilidade instrumental, do ritual e da autocomplacência. São também estas, normalmente, as páginas mais insuportáveis. Como não encontrámos maneira de as suprimir resolvemos trocar-lhes as voltas e colocá-las no fim.

5Toda a gente conhece o fado. Todos sabem do que se trata quando do fado se fala. Ninguém está pois excluído à partida do debate deste assunto. Ninguém é dele ignorante absoluto. Todos puderam acompanhar a exposição anterior com base em algum conhecimento pessoal. Em Portugal, anos oitenta, a primeira coisa que se sabe do fado é que ele existe. Afirmação que se afigura a maior das banalidades. O fado existe, pois claro! Quem o ignora?

6Ora, se pensarmos bem, talvez convenhamos que fazer uma afirmação directa é ainda uma maneira de aludir a uma dúvida latente. Se um facto se toma à partida como certo, não surge a dúvida. Pura e simplesmente não se pensa ou fala dele. A sua presença, por demasiado natural e familiar, passa despercebida. Mas a sociologia e a antropologia pretendem analisar aprofundadamente os fenómenos sociais. O que obriga, em primeiro lugar, a dar por eles, a reparar na sua existência e, assim, no mesmo movimento, a pô-los implicitamente em dúvida, a equacioná-los como problemáticos.

7É essa a operação inicial do olhar atento e crítico sobre a sociedade. Mesmo nos casos em que o resultado seja, finalmente, o enunciado de proposições que, por incidirem sobre o que estava quotidianamente dado por assente, pareçam repetir, numa linguagem escusadamente rebuscada, conhecidos lugares-comuns. Mas entre algo que implicitamente aceitamos sem nos darmos conta — e que por isso mesmo de algum modo nos domina — e algo que, com conhecimento de causa, explicitamente afirmamos como certo (e que, desse modo, entra, como vimos, no reino do afinal incerto), posibilitando-nos um maior controlo, por mais parcial que seja, das situações, entre uma possiblidade e outra vai um passo considerável. É a esse passo que podemos chamar, na melhor acepção, «conhecimento sociológico».

8Atentemos então melhor na imagem que se tem usualmente do fado. Como dissemos, dela faz parte saber-se, no mínimo, que hoje em dia em Portugal o fado existe. E mais, sabe-se que é uma das formas de expressão cultural mais divulgadas: na televisão e na rádio, nos discos e nos espectáculos, nos restaurantes típicos e casas de fado.

9Parece igualmente incontestável ser o fado uma forma musical caraçteristicamente portuguesa. À imagem do fado está associada a designação de «canção nacional». É veículo de turismo e aparece tomado como emblema da «identidade nacional» ou da «cultura do povo português».

10A imagem corrente do fado possui ainda outras facetas bem conhecidas. Fala da saudade e do destino, da paixão e do remorso, da mãe e dos filhos, e ainda do próprio fado. Toca-se à guitarra e à viola. Já foi mais puro e mais autêntico, mais castiço do que agora é: também de si próprio tem saudades. No imaginário social português, o fado, sendo nacional, é em primeiro lugar lisboeta. E, antes de mais, aparece como característico da velha Lisboa, dos bairros populares alfacinhas.

11É um bom princípio da análise sociológica ter em conta que nem tudo o que parece é, ou que, frequentemente, as aparências iludem. Se a que descrevemos é a imagem do fado, como é ele na realidade? Em que medida correspondem mais ou menos aos factos as diferentes facetas dessa imagem?

12Um segundo princípio analítico, cuja importância não é menor, aconselha-nos a não esquecermos que, em certa medida, o que as pessoas definem como real acaba por tomar-se real nas suas consequências (para usarmos a formulação do sociólogo americano do princípio deste século, William Thomas). Se, portanto, a imagem do fado é a descrita, ele acaba por ser (de algum modo, mais ou menos consoante as diferentes facetas) desse modo ouvido, sentido e praticado.

13Não há aqui nenhum paradoxo. Ou melhor, nada nestes princípios da análise sociológica é mais paradoxal que a própria realidade social, da qual o que é mais seguro afiançar é que se trata duma realidade intrincada e complexa. Um dos aspectos decisivos dessa complexidade é precisamente o facto de as ideias, símbolos e imagens não esgotarem, nem de perto nem de longe, toda a realidade social. Esta possui muitas outras dimensões, mais materiais, que possuem frequentemente importância não menor ou mesmo superior. Dimensões estas que contribuem em larga medida para explicar as «configurações de sentido» de cada sociedade. Ainda por cima, aqueles símbolos e imagens retraduzem de forma usualmente bastante distorcida as outras dimensões do social. Não se conhece uma época pela ideia que ela faz de si própria, dizia há mais de um século Karl Marx. Mas — adoptando uma postura analítica tão utilizada também por este autor — também não se conhece uma época ou um fenómeno social sem se dar atenção e sem se ter em conta exactamente essa «auto-representação». A qual está sempre presente e produz efeitos bem reais, sendo aliás através dela que obtemos grande parte das informações sobre a realidade social.

  • 251 Maurice Godelier, «The ideal in the real», in Raphael Samuel e Gareth Stedman Jones (ed.), Culture, (...)
  • 252 A título de exemplo refiram-se: Robert Merton e as suas distinções conceptuais entre «motivos subje (...)

14A argúcia da análise sociológica consiste sobretudo em conseguir colocar-se estrategicamente no ponto de intersecção de duas formas de desconfiança: a desconfiança de que o que parece seja e a de que o que parece nada tenha a ver com o que é. O que significa, entre outras coisas, procurar captar a realidade social nesse percurso continuamente reflexivo em que «a parte ideal do real»251 é, de forma inequívoca, dimensão constitutiva dos fenómenos analisados e, tantas vezes, uma das mais fecundas vias de acesso à realidade em estudo. Pode dizer-se que esta «estratégia da dupla desconfiança» está presente não só em alguns dos grandes clássicos da análise sociológica mas é também utilizada, de uma maneira ou de outra, por vários dos mais significativos analistas contemporâneos dos fenómenos sociais252.

15Começámos pois o estudo do fado partindo da sua representação no «imaginário colectivo» dos portugueses. Pareceu-nos interessante confrontar essa representação com a existência actual e efectiva do fado no contexto social que é referido pelo núcleo central organizador daquela imagem, onde se cruzam as determinações de «lisboeta» e «popular». Ou seja, decidimos abordar o fado nos bairros populares de Lisboa, no centro histórico da cidade. Escolhemos o bairro de Alfama.

16Não se tratava de um estudo das «origens» do fado, mas da hipótese de que em Alfama, ainda actualmente, essa forma cultural tivesse uma presença específica e uma importância particularmente significativa (com paralelos apenas noutros bairros lisboetas). E ainda de que aí se reproduzissem — em formas historicamente moventes — mecanismos sociais próprios, com papel decisivo na atribuição ao fado dos seus traços mais marcantes.

17Como é então o fado em Alfama? Onde e em que modalidades se pratica? Em que tecido social está inserido? Que significados aí assume? Foram estas as perguntas iniciais.

18Com elas em mente, num dia dos finais de Dezembro de 1979, fomos pela primeira vez a Alfama com o objectivo deliberado de captar a realidade social desse bairro nos seus múltiplos aspectos, de surpreender aí o fado e de conseguir compreendê-lo e explicá-lo, integrando-o nessa realidade polifacetada.

19Pode dizer-se que por lá ficámos. Centenas de vezes voltámos a percorrer o caminho da Alfama. À medida que íamos estabelecendo um contacto directo com o bairro e com as pessoas que lá habitam, ia-se multiplicando em cacho o conjunto de informações, a série de aspectos susceptíveis de pesquisa parcelar, a gama de sugestões ricas de interesse para a temática genérica da pesquisa.

20A atracção revelou-se irresistível e, de qualquer modo, não víamos (nem vemos) qualquer razão de peso para não nos deixarmos seduzir por essa diversidade. E acorremos a tudo quanto pudemos, de forma inevitavelmente dispersa, «provando» aqui e ali, em todas as direcções. A contrapartida, tivemos consciência dela, foi a de não termos construído, sobre algum domínio restrito, um corpo de observações exaustivo. Em todo o caso, mantemos a nossa opinião inicial. A termo-nos fechado num pequeno e tranquilizador refúgio de descrição e análise intensiva não teríamos, nem pouco mais ou menos, conseguido a percepção da panorâmica geral da realidade de Alfama, onde procurávamos ver surgir, enquadrada, a expressão cultural fadista. Também aqui não se pode pôr o carro à frente dos bois. As análises sistemáticas globalizantes, ou as descrições parcelares pormenorizadas, só poderão vir mais tarde.

21Ao longo de todo este processo oscilámos, alternadamente, entre o fado e Alfama como objectos de estudo. A motivação inicial era o fado. íamos a Alfama para compreender o fado. Depois… caímos nas teias de Alfama, e por lá ficámos, apanhados. Durante algum tempo o fado reduziu-se a um longínquo ponto de referência, nem sempre muito presente, à medida que íamos sendo solicitados por novos e variados motivos de interesse na vida do bairro alfacinha e, cada vez mais, solicitados ainda à própria participação na sua vida, nos seus problemas, actividades e conflitos. Solicitados já, também, como amigos dos amigos que íamos fazendo.

22Depois, o campo de análise precisou-se, os fios da meada foram-se unindo e, de tudo isso resultou um livro — este — que em definitivo é sobre o fado; apesar de grande parte do levantamento de dados no local ter incidido sobre múltiplos e variados aspectos do bairro de Alfama, os quais aparecem aqui mencionados apenas como enquadramento. É material que está a servir de ponto de partida para outros trabalhos.

23Este livro é portanto, como se viu, a apresentação dos resultados duma pesquisa, mas é igualmente o relato de algumas das próprias peripécias que envolveram a sua realização. Esta «reflexão sobre si próprio» do processo de pesquisa conduziu a infringir um modelo habitual de sequência expositiva. Sobrepõem-se aqui os conteúdos dos temas abordados, a história da pesquisa empreendida, a narração de episódios da nossa passagem por Alfama, bem como apontamentos de reflexões que nos surgiram em momentos variados do trabalho.

  • 253 Embora estas considerações se possam aplicar, com as necessárias adequações, a todos os tipos, mome (...)

24O motivo é muito simples. Parte da ideia — traduzida em procura de rigor metodológico e em forma de estilo expositivo — de que os actos de pesquisa são também eles práticas sociais. Referimo-nos aqui sobretudo ao chamado «trabalho de terreno»253. Quando o sociólogo e o antropólogo empreendem a pesquisa de campo entram em contacto com as pessoas, seja pela via da observação sistemática e da participação controlada, seja pela aplicação de questionários, testes ou entrevistas. Em qualquer caso coloca-se em plena interacção. Deste modo o analista obtém as informações através duma série de relações «artificiais» com os outros, por ele desencadeadas, ou através de situações em maior ou menor grau por ele induzidas ou afectadas (de maneira mais directa quando conversa «face-a-face», de modo mais indirecto quando, parcialmente retirado, observa).

25Não se pense entretanto que se trata linearmente dum «mal», «obstáculo» ou «limitação». Pelo contrário, essa própria interacção possibilita o conhecimento e constitui uma via preferencial para a captação do real social sobretudo quando nele se pretende objectivar, entre outros aspectos, a subjectividade dos protagonistas sociais, enquanto um dos elementos constitutivos da própria realidade em estudo. Também aqui convém tirar todas as consequências metodológicas do facto de o processo de conhecimento ter o carácter de prática social — o que tende a ser demasiadas vezes esquecido, pelos que são metodologicamente ingénuos ou mal preparados ou pelos que tentam elidir-se do campo de visão, impessoalizar o discurso e absolutizar o socialmente relativo (contextualizado) das suas análises.

26Em física, por exemplo, a criação de condições artificiais de experiência não tem sido um obstáculo ao conhecimento. E em ciências sociais também não, desde que se tenham em conta, precisamente, os parâmetros de artificialidade da experiência (e as consequentes implicações e limites de validade) quando se procede à interpretação dos fenómenos observados. Uma miopia teimosa insiste em identificar a presença participante e observante do analista social num determinado contexto, a realização de entrevistas e de inquéritos, toda uma panóplia para a recolha de informações, com um processo de «observação» implicitamente entendido como passivo, por oposição aos processos de «experimentação» entendidos como activamente artificiais. Nada mais falso. Aquela dicotomia tem reduzida pertinência, mas, se se quiser utilizá-la em ciências sociais, o que se passa no trabalho de terreno (e também, a um outro nível, com a produção e divulgação de teorias e análises) é muito mais da ordem da «artificialidade» experimental do que duma hipotética, passiva e neutra «naturalidade» observacional (no sentido que temos vindo a atribuir a estes termos). Aquilo a que se tem tradicionalmente chamado «experimental» em ciências sociais é à experimentação de laboratório que certa psicologia social tem praticado, procedimento de pesquisa que leva ao máximo a artificialidade de uma série de aspectos da prática social a observar e que nem sempre tem obedecido ao requisito de rigor e à lucidez analítica que levam a não deixar de procurar sistematicamente o que é que nos comportamentos observados pode ser imputado às condições artificiais da experiência enquanto condições sociais de tipo particular.

27A postura científica tradicional (a dominante, em diversas versões) consiste em erigir em critério de rigor a suposição de que o analista não está na sociedade, que não sofre a sua influência, que não a modifica com a sua presença e com as suas práticas, nomeadamente com a própria prática científica. É este um dos aspectos daquilo a que se tem genericamente chamado «positivismo». Não defendemos a arbitrariedade e a gratuitidade na análise científica. Pelo contrário: um rigor acrescido obriga a não esquecer essa instituição social que é a ciência, essa relação com os outros que é a prática e o conhecimento científico, esse protagonista influente da vida social que é o cientista. Arbitrário seria retirá-lo a ele e só a ele do campo de visão.

  • 254 Alvin Gouldner, «Sociology and the Everyday Life», in Lewis A. Coser (edit.), The Idea of Social St (...)

28Alvin Gouldner põe as coisas duma maneira ainda mais radical. Para ele «o estudo da vida social pelos sociólogos gera uma situação que se assemelha muito mais à pesquisa de dois grupos de cientistas rivais (ou diferentes)»; ou seja, «os sociólogos e aqueles que eles estudam constituem comunidades epistemológicas interactivas e rivais»254.

  • 255 Boaventura de Sousa Santos, «O Estado, o Direito e a Questão Urbana», Revista Crítica de Ciências S (...)

29Boaventura de Sousa Santos realça que, para além da «história oficial» da investigação («transcrição respeitosa» do «conjunto de códigos teóricos e metodológicos reconhecidos, neste caso, pela comunidade científica ou por uma fracção significativa desta») existe e deve ser tida em atenção a «história não oficial» das «vicissitudes, andanças e desandanças, encontros e desencontros, sortes e azares, enfim, do mundo miúdo e pragmático das acções concretas do trabalho de investigação». E acrescenta: «Hoje, numa conjuntura epistemológica e sociológica diferente, talvez menos confiante mas certamente mais rica, é possível ver que a elucidação profunda do processo científico não reside na crença da obediência estrita (mítica e mistificadora) aos códigos teóricos e metodológicos, mas sim na assunção da tensão dialéctica entre a vigência desses códigos e as realidades concretas do trabalho científico que neles ora se reconhecem ora se desconhecem.»255

30Um livro deste tipo, quer o assuma explicitamente quer se esforce por o esconder, é sempre um diálogo e uma polémica. Escolhem-se os assuntos, hierarquizam-se os temas, constroem-se os argumentos em referência aos interlocutores, certos ou possíveis, em vários planos de proximidade, e dos quais se pretende rebater, confirmar ou relativizar teses e opiniões. Mas este carácter situado, dialogado e polémico, raramente é assumido como tal no próprio texto. Necessidade de acabamento formal? Talvez. Mas o que é certo é que essa ausência não contribui para o avanço do conhecimento. Se o investigador ou o ensaísta situassem constantemente, tanto quanto disso se conseguissem aperceber, as sugestões teóricas e temáticas que os influenciaram, as motivações dos tópicos abordados (encontrem-se elas nos fenómenos sociais analisados, na experiência pessoalmente acumulada ou noutros autores), as dúvidas, os procedimentos e por aí fora — tudo isso poderia aumentar enormemente a fecundidade dos estudos e análises. Não queremos estabelecer uma norma processual de validade universal. Por ora basta-nos defender que foi este o procedimento que nos pareceu mais aconselhável!

  • 256 Eliseo Véron, «Fundações», in A Produção de Sentido, São Paulo, Cultrix, 1981, pp. 97-172. O texto (...)
  • 257 Idem, ibidem, p. 105.
  • 258 Idem, ibidem, pp. 111-112.

31É possível afirmar que o que distingue mais seguramente o discurso científico é uma atitude de tentativa de revelação explícita dos códigos e condições subjacentes à sua própria enunciação. Eliseo Véron, num texto em que tece uma crítica demolidora ao que designa pelas várias perspectivas do «cientismo positivista» (onde inclui a perspectiva da «ruptura epistemológica» e a sua rígida oposição entre «ciência» e «ideologia»), chama a atenção para que tanto o «efeito ideológico» como o «efeito de cientificidade» são dois «efeitos de sentido» potencialmente presentes em todos os discursos256. Para Véron o ideológico é «o nome de uma dimensão presente em todos os discursos produzidos no interior de uma formação social, na medida em que o facto de serem produzidos nessa formação social deixou ‘traços’ nos discursos»257. Enquanto que «o efeito de sentido chamado ‘cientificidade’ pode produzir-se quando um discurso que se supõe descrever um domínio do real, discurso submetido a determinadas condições de produção, se tematiza a si próprio como estando, precisamente, submetido a determinadas condições de produção. Está claro portanto que tal propriedade definidora da cientificidade de um discurso (portanto, do ‘conhecimento científico’) consiste em instaurar um desdobramento nas relações do discurso com o extradiscursivo. A cientificidade nada mais é do que uma relação do discurso com a sua relação com o real; uma relação de ‘segundo grau’, se quiserem. Ao contrário, o efeito de sentido que se pode chamar ‘ideológico’ é precisamente a anulação de qualquer possibilidade de desdobramento: sob efeito ideológico, o discurso surge como possuidor de uma relação directa, simples e linear com o real; por outras palavras: como sendo o único discurso possível sobre o objecto, como sendo absoluto. Acrescentemos que o efeito de sentido ‘ideológico’ é a forma ‘espontânea’ de todo o discurso; em seu ‘estado natural de funcionamento’, se é que se pode falar assim, todo o discurso é, ao nível do seu efeito de sentido, ideológico. A instauração de uma dupla relação do discurso com o seu relacionamento com o real é o produto de um longo trabalho histórico, o mesmo que resultou no modo de produção capitalista. O capitalismo ‘inventou’ aquilo que hoje conhecemos como ciências e produziu, ao mesmo tempo, o discurso destinado a fomecer-lhes o fundamento deontológico: a ‘epistemologia’ e a ‘metodologia’ da ciência. Noutros termos: o efeito de sentido ‘cientificidade’ foi ao mesmo tempo historicamente produzido e pensado sob formas idealistas, num só e mesmo movimento. O núcleo essencial dessas formas idealistas é este: existe alguma coisa que é da ordem da Verdade (a ciência) e existe alguma coisa que é a da ordem do Erro (a ideologia). Modelo que destrói a natureza mesma do ‘conhecimento’ como produto de um sistema produtivo. Inútil sublinhar, mais uma vez, que uma teoria da ‘ruptura’ responde com exactidão a esse modelo deontológico destinado a encontrar, a qualquer preço, uma fronteira absoluta entre duas instâncias irredutíveis»258.

  • 259 Veja-se por exemplo Roland Barthes, «L’Ancienne Rhétorique. Aide-mémoire», Communications, 16, 1970 (...)
  • 260 Gilbert Durand, Les Structures Anthropologiques de l’Imaginaire, Paris, Bordas, 1980 (ed. orig. 196 (...)

32Como parece estar a tomar-se cada vez mais claro no domínio das ciências sociais, cremos ser pertinente analisar o discurso científico enquanto portador de formas retóricas específicas, accionando estratégias próprias de persuasão, paralelas a outros modos retóricos presentes nas artes e nos processos comunicativos das práticas sociais quotidianas. «Retórica» assume aqui um significado lato e moderno, convergindo precisamente com a problemática eminentemente sociológica da persuasão259. É nesse sentido lato que se lhe refere Gilbert Durand ao preconizar uma reabilitação do estudo da retórica no trajecto para uma antropologia do imaginário. Para Durand «a retórica compreende a lógica aristotélica como um vulgar departamento»260.

  • 261 Umberto Eco, A Estrutura Ausente, São Paulo, Editora Perspectiva, 1976 (ed. orig. 1968), p. 73.
  • 262 Idem, ibidem, p. 78.

33Umberto Eco, a propósito da «mensagem persuasiva», e comparando «retórica antiga» com «retórica moderna», tece as seguintes considerações; «Nos tempos modernos foi-se reduzindo cada vez mais a área atribuída aos discursos apodícticos, fundados na autoridade indiscutível da dedução lógica; e hoje somos levados a admitir a apodicidade unicamente para certos sistemas lógicos que deduzem de axiomas tidos como indiscutíveis. Todos os outros tipos de discurso, que outrora pertenciam à lógica, à filosofia, à teologia, etc., são hoje também reconhecidos como discursos suasórios, os quais tendem a sopesar argumentos não indiscutíveis e a inclinar o interlocutor para um determinado tipo de consenso, obtido com base não tanto na autoridade de uma Razão Absoluta, quanto na concorrência de elementos emocionais, de avaliações históricas, de móveis práticos. A redução à retórica da filosofia, juntamente com outras formas de argumentação que outrora se postulavam como indiscutíveis, constitui uma conquista se não da razão, pelo menos da razoabilidade, que se fez cauta em face do fanatismo e da intolerância das crenças.»261 É claro que a prática científica não se reduz à retórica, mas a retórica faz parte do discurso científico e nele convém distinguir aquilo que Umberto Eco chama «um dúplice uso e uma dúplice acepção da retórica; 1) Retórica como técnica gerativa, retórica heurística, cuja mira é discutir para convencer; 2) Retórica como depósito de formas mortas e redundantes, retórica consolatória, cuja mira é confirmar as opiniões do destinatário, fingindo discutir, mas na verdade resolvendo-se em movimentação de sentimentos»262.

  • 263 Veja-se, por exemplo, John L. Austin, How to Do Things with Words, Oxford, Oxford University Press, (...)

34Contributos importantes para esta problemática podem procurar-se na vasta literatura sobre a filosofia, a história e a sociologia das ciências, bem como nas várias aproximações recentemente desenvolvidas a uma análise dos processos de enunciação, da interacção verbal e das estratégias de comunicação, quer nas que partem do campo linguístico quer nas que se originam na área sociológica263.

35O trabalho que apresentamos não se encaixa num certo protocolo, tão habitual em ciências sociais e humanas, que, numa tradição francesa, cartesiana, convenientemente actualizada, começa por uma referência introdutória aos objectivos, localiza o quadro teórico em que a investigação se insere, esboça-lhe a problemática, constrói conceptualmente um objecto teórico, ordena hipóteses e, eventualmente, se houver trabalho empírico a realizar, indica metodologias e técnicas a empregar. Segue-se o corpo de materiais recolhidos e trabalhados de acordo com todo aquele aparelho conceptual. Finalmente, conclui-se.

36O presente trabalho também não se inclui no estilo anglo-saxónico, o qual entra muito mais rapidamente na substância do assunto (após uma página de delicados agradecimentos), deixando que o quadro conceptual se dilua através do próprio texto, aparentemente tão «apenas descritivo» quanto possível, fazendo crer que a estrutura lógica do discurso e os conceitos utilizados não são mais que emanações da própria realidade empírica.

37Não vamos retomar aqui o tema mais que tratado (mas não esgotado) do racionalismo versus empirismo. Só queremos frisar que qualquer dos estilos tem uma preocupação: envolver cuidadosamente as lacunas, desviar do campo de visão as dúvidas, os pontos fracos, a fim de dar um aspecto acabado à exposição. A nós pareceu-nos estimulante procurar fazer o contrário: tentar, na medida do possível, compreender e explicitar a origem das afirmações e sugestões que fizemos, evidenciar falhas existentes na malha conceptual construída, dar conta de dúvidas. Em grande medida este escrito funciona como um jogo de espelhos, em que nos encontrássemos situados entre duas superfícies reflectoras, voltadas uma para a outra. Cada espelho devolve-nos a nossa imagem bem como a do outro espelho, numa série de reflexões sucessivas, intermináveis, originando uma perspectiva perturbadora. De espelhos serviram-nos, por um lado, o fado e Alfama; do outro, as propostas teóricas de múltiplos autores. No fundo, que estamos a ver? Um espelho, o outro, nós próprios? Em qual das sucessivas projecções? O mais surpreendente no jogo de espelhos é o seu permanente dinamismo, a evidência do carácter interminável do processo de reflexão sucessiva. E no entanto, paradoxalmente, a imagem, em cada momento, está lá, fixa. É fotografável. Num texto como este mais não podemos surpreender do que a fotografia dum jogo de espelhos.

  • 264 Claude Lévi-Strauss, Tristes Trópicos, Lisboa, Edições 70, 1979 (ed. orig. 1955).

38Um dos livros cuja leitura teve grande influência na realização deste trabalho foi Tristes Trópicos, de Lévi-Strauss264. Este clássico da literatura antropológica não é um livro como os outros que o seu autor deu à estampa. Não se encaixa nos paradigmas da exposição atrás mencionados. É um livro inclassificável. Mas será por isso menos credor de validade antropológica? Cremos que não. Pelo contrário, é um guia para a leitura do conjunto da obra desse autor. O livro é um permanente diálogo de Lévi-Strauss consigo próprio, pela mediação das experiências vividas e das realidades sociais e culturais observadas. É ao mesmo tempo uma constante reflexão sobre essas realidades, pela mediação da bagagem de conhecimentos, de inspirações e de vivências sedimentadas na pessoa do autor. Por vezes tão inefáveis como um aroma. Por vezes tão intelectualmente trabalhadas como as sistematizações filosóficas universitárias. O mérito do livro é expor tudo isso à luz do dia. Tentámos seguir, com a modéstia dos nossos recursos e das nossas pretensões, um percurso do mesmo tipo.

39Resumindo o que ficou dito, tomámos como ponto de partida para a análise do fado o inventário dos traços mais marcantes da sua imagem corrente.

40O fado conota «identidade nacional», «cultura do povo português» e, em particular, velha Lisboa, bairros populares alfacinhas.

41Se é essa a imagem, como é de facto o fado? Dentro do leque vasto de problemas que esta questão levanta, centrámo-nos num: o da relação efectiva do fado com os bairros velhos do núcleo histórico da cidade de Lisboa.

42Uma convicção inicial (podemos chamar-lhe um pressuposto teórico traduzido em hipótese de trabalho) levou-nos a pensar que seria particularmente proveitoso estudar essa forma cultural procurando compreendê-la integrada no conjunto dos actos quotidianos, das vivências, das representações e práticas culturais, do imaginário partilhado por uma população bem definida, em relação à qual fosse também possível estudar a inserção ecológico-urbanística, as características demográficas, profissionais e económicas, as classes sociais, os fenómenos de poder, a dinâmica histórica.

43Dos «bairros populares» lisboetas, considerados locais de inserção por excelência do fenómeno fadista, escolhemos Alfama.

Notes

250 Georg Simmel, «Filosofia do coquetismo», in Georg Simmel, Cultura Feminina, Lisboa, Galeria Panorama, s/d (prefácio de Romeu de Melo e introdução de Natália Correia), pp. 73-103. Veja-se também, de G. Simmel, «coquetry», in Kurt H. Wolff (edit). The Sociology of Georg Simmel, New York, The Free Press (Macmillan Company), 1964 (1.a edição, 1950), pp. 50-51, extraído da obra de Georg Simmel, Grundfragen der Soziologie (Individuum und Gesellchaft), Berlin und Leipzig, de Gruyter, 1917.

251 Maurice Godelier, «The ideal in the real», in Raphael Samuel e Gareth Stedman Jones (ed.), Culture, Ideology and Politics, London, Routledge & Kegan Paul, 1982.

252 A título de exemplo refiram-se: Robert Merton e as suas distinções conceptuais entre «motivos subjectivos» e «processos sociais objectivos», entre «funções manifestas e latentes», bem como as análises das «consequências inesperadas da acção social» e das «profecias que se cumprem por si próprias» (Social Theory and Social Structure, New York, The Free Press, 1949, 1968); Jean-Paul Sartre na sua análise das «mediações» (Questions de Méthode, Paris, Gallimard, 1960); Peter Berger e Thomas Luckman na proposta que fazem de estudo integrado da sociedade como «realidade objectiva» e como «realidade subjectiva» (The Social Construction of Reality, New York, Doubleday & Company, Inc., 1966); Pierre Bourdieu, quando sugere uma «análise praxeológica» que supere a «análise subjectivista» e a «análise objectivista» dos fenómenos sociais (Esquisse d’une théorie de la pratique, Genève, Droz, 1972, ou Le sens pratique, Paris, Minuit, 1980); Anthony Giddens e a sua «teoria da estruturação» (Central Problems in Social Theory Action, Structure and Contradiction in Social Analysis, London, The Macmillan Press Ltd, 1979); Eliseo Verón, em «Infraestrutura e Superestrutura na Análise da Acção Social», in Ideologia, Estrutura, Comunicação, São Paulo, Cultrix, 1977, e em «A Semiose Social», in A Produção de Sentido, São Paulo, Cultrix, 1981.

253 Embora estas considerações se possam aplicar, com as necessárias adequações, a todos os tipos, momentos e aspectos da prática sociológica.

254 Alvin Gouldner, «Sociology and the Everyday Life», in Lewis A. Coser (edit.), The Idea of Social Structure, New York, Harcourt Brace Jovanovich, 1975, p. 426.

255 Boaventura de Sousa Santos, «O Estado, o Direito e a Questão Urbana», Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n.o 9, Junho 1982, pp. 11-12. Veja-se também, por exemplo, Boaventura de Sousa Santos, «Science and Politics: Doing Research in Rio’s Squatter Settlements», in Robin Luckman (edit.), Law and Social Enquiry: Case Studies of Research, Uppsala, Scandinavian Institute of African Studies 1981.

256 Eliseo Véron, «Fundações», in A Produção de Sentido, São Paulo, Cultrix, 1981, pp. 97-172. O texto é de 1975.

257 Idem, ibidem, p. 105.

258 Idem, ibidem, pp. 111-112.

259 Veja-se por exemplo Roland Barthes, «L’Ancienne Rhétorique. Aide-mémoire», Communications, 16, 1970, Jacques Dubois et al. Retórica Geral, São Paulo, Cultrix, 1974 (ed. orig. 1970), Jacques Dubois et al., Retórica da Poesia, São Paulo, Cultrix, 1980 (ed. orig. 1977) e Renato Barilli, Retórica, Lisboa, Presença 1983 (ed. orig. 1979).

260 Gilbert Durand, Les Structures Anthropologiques de l’Imaginaire, Paris, Bordas, 1980 (ed. orig. 1960), p. 483.

261 Umberto Eco, A Estrutura Ausente, São Paulo, Editora Perspectiva, 1976 (ed. orig. 1968), p. 73.

262 Idem, ibidem, p. 78.

263 Veja-se, por exemplo, John L. Austin, How to Do Things with Words, Oxford, Oxford University Press, 1962, John R. Searle, Speech acts: an essay in the philosophy of language, Cambridge, Cambridge University Press, 1969; Eliseo Véron. A Produção de Sentido, São Paulo, Cultrix, 1981; Jürgen Habermas, Communication and the Evolution of Society, London, Heinemann, 1979, Pierre Bourdieu, Ce que parler veut dire, Paris, Fayard, 1982; José Pinto de Lima (org. e intr.), Linguagem e Acção da filosofia analítica à linguística pragmática, Lisboa, apáginastantas, 1983, Yves Winkin (org. e apres.), La nouvelle communication, Paris, Seuil, 1981.

264 Claude Lévi-Strauss, Tristes Trópicos, Lisboa, Edições 70, 1979 (ed. orig. 1955).

© Etnográfica Press, 1984

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search