Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

A Rua

 | 
Graça Índias Cordeiro
, 
Frédéric Vidal

Introdução

Graça Índias Cordeiro et Frédéric Vidal

Texte intégral

1Falar da rua é falar da cidade. Analisar a rua como lugar estratégico para a observação da vida citadina e urbana, no que esta tem de mais peculiar e original, é o tema central deste livro. A rua é entendida como um recorte empírico que permite encontrar uma multiplicidade de pontos de vista e de objectos, um recorte etnográfico possível para a exploração e o conhecimento da vida urbana contemporânea a partir de baixo e de dentro. A proposta é relativamente simples e exploratória: procurar diferentes ângulos de aproximação a esta realidade complexa, reunindo um conjunto de casos provenientes de campos disciplinares próximos mas com temas de análise e contextos geográficos e temporais distintos. Porque os objectos não são neutros nem existem no vazio, mas são construídos no interior de tradições científicas próprias, foi também o olhar subjectivo do investigador formado numa determinada disciplina – a Antropologia, a História, mas também a Sociologia e a Arquitectura – que quisemos convocar para a discussão.

2Contudo, o objectivo do presente livro não é pensar novas formas de interdisciplinariedade. O encontro entre diferentes autores não se fez tanto em torno de objectos relativamente próximos mas, sobretudo, em torno de questionamentos e maneiras comuns de observar: de perto, em situação, procurando não reduzir artificialmente a complexidade das formas sociais analisadas, com uma particular atenção às mudanças históricas. Neste sentido, a rua surge como lugar privilegiado para uma troca e circulação de saberes disciplinares. Tomar a rua como problema a identificar e não como unidade definida a priori é, pois, o ponto de partida desta obra.

3As realidades concretas que são trabalhadas nos capítulos que se seguem – os espaços, as situações, os actores, os processos-abrem novas perspectivas para o debate em torno de um tópico tão falado mas, paradoxal mente, tão pouco conhecido. Trata-se de revelar o sentido que a interacção urbana quotidiana adquire para cada citadino, nos lugares que habita e percorre, nos papéis que desempenha, nas representações que fabrica. E a rua à escala de quem a vive o que nos interessa descobrir, discutir e problematizar – a rua como lugar onde se fabricam interacções, onde se produz sociedade, a rua que tantas vezes se inventa para além do enquadramento urbanístico que a envolve e que assim nos surpreende.

4A cidade tem sido olhada como um símbolo, “primeira forma material da modernidade” afirma Michel Agier que, no primeiro capítulo, analisa o caso dos campos de refugiados. É precisamente a relação entre esta materialidade urbana – a cidade histórica – e a produção de espaços de vida urbana que interessa problematizar nestes espaços liminares, precários ou vazios que permitem discutir a génese da vida urbana, tanto na sua materialidade como nas formas de organização social e cultural. O factor mínimo de urbanidade está lá, são implantações relativamente permanentes e densas de indivíduos heterogéneos. E o tempo é crucial na dinâmica destes espaços: ao nível da sua organização, da sua apropriação simbólica, das sociabilidades que se vão desenvolvendo, das formas de expressão simbólica, até das formas emergentes de acção política. “O campo é um espaço em si que cria a sua própria dinâmica.” Analisar os quadros de identificação local que nascem em situações de extrema precariedade, neste e noutros espaços liminares, permite repensar a localidade e o próprio facto urbano em si.

5O mote está dado: espaço, tempo e sociabilidade são apenas três tópicos que nos ajudam a ler, de um modo coerente, as contribuições da presente colectânea. Se olharmos um pouco para o contexto histórico e científico da reflexão sobre a rua podemos ver que a sua abordagem tem oscilado entre, por um lado, um excesso de visibilidade, no sentido em que a cidade tem sido, muitas vezes, lida a partir do ponto de vista da rua – de uma certa rua, de uma certa imagem de rua – confundindo-se, até, com ela, e, por outro lado, um limitadíssimo conhecimento empírico destes espaços concretos, com uma consequente lacuna na sua teorização. Este aparente paradoxo, entre a força de uma certa “ideia de rua” e a pouca nitidez na percepção das múltiplas, diversas e muitas vezes contrastantes “experiências de rua” traduz uma real dificuldade na apreensão destes espaços de vida urbana, lugares cruciais na vida das nossas cidades.

6Enquanto imagem e símbolo de um “modo de vida urbano”, lugar onde se acredita ocorrerem as formas de interacção social “mais típicas da cidade”, a rua condensa e viabiliza todo um imaginário composto por bipolarizações classificatórias (casa/rua; público/privado; urbano/tradicional), discursos, imagens, memórias e emoções que atravessam, elaboram e estruturam simbolicamente a cidade naquilo que ela tem de mais originalmente urbano. Desde a identificação do par proximidade geográfica/distância social pela chamada Escola de Chicago que não têm conta as variações mais ou menos sofisticadas desta relação constitutiva da vida citadina em qualquer latitude. Nesta busca da especificidade da vida social urbana, a rua surge, inequivocamente, como o elemento central ao nível da prática social e do imaginário.

7Num primeiro momento de reflexão sobre a urbanidade e o facto urbano em si, reportando-nos à emergência das primeiras cidades industriais, a rua surge com um valor metafórico evidente e, até mais do que isso, parece condensar e sintetizar em si mesma aquilo que traduz a modernidade que se confunde com o modo de vida urbano: a rua é a cidade, sinónimo de espaço público. Se nos lembrarmos de alguns autores clássicos que basearam a sua percepção da cidade a partir do espaço público onde se inclui a “rua”, vemos como a identificação de um novo tipo de relacionamento social, baseado no contrato e no anonimato, se confunde com o espaço público e ganha uma grande relevância. Como se, nestes primeiros tempos de definição de conceitos e de matrizes de interpretação da realidade, a rua fosse um objecto com demasiada visibilidade, capaz de suscitar um imenso interesse traduzido numa multiplicidade de olhares, quase cinematográficos, como o flâneur de Baudelaire que tanto inspirou os primórdios da reflexão urbana. Podemos considerá-lo um olhar de fora, en passant, do habitante privilegiado da cidade que não vive na rua nem a vive, antes a cruza numa atitude romântica, de fascínio sempre renovado, perante a descoberta de uma cidade outra, exótica, inesperada nas figuras e nos comportamentos – cidade misteriosa essa que se dá a conhecer, antes do mais, nesse espaço socialmente misturado que é a rua.

8A formação desta “alteridade interna ao espaço social que desfigura e torna estrangeira” uma parte da população activa é apresentada por Maurizio Gribaudi, neste livro, na digressão histórica que faz pela cidade de Paris no século xix. Analisa o contraste entre o esplendor da imagem de uma cidade moderna nascida em torno dos novos bairros e boulevards e a invisibilidade do lado mais popular dessa mesma cidade, cuja modernidade não foi lida como tal, nem pelos seus contemporâneos nem pelos que se seguiram. Maurizio Gribaudi resgata a importância da complexa organização social e económica dos velhos bairros de Paris, centrados em torno do universo da rua e do prédio, com laços de vizinhança coesos e fortes que testemunham a grande proximidade funcional entre a residência e uma intensa actividade económica. Esta população desenvolveu não apenas formas de “identidade profundamente enraizada no espaço de vizinhança” como também todo um conjunto de estratégias de mobilidade social e mobilização política que podem, inclusivamente, ser lidas como projectos de democracia local. Bairros e ruas que, nas leituras mais comuns, têm sido ofuscados pelo “mito de uma modernidade” baseada numa visão da cidade que nega o protagonismo e a vitalidade social e urbanística do centro popular da cidade, relegando-o para o “espaço opaco e indefinido da marginalidade urbana”.

9Tais espaços, onde a sociabilidade pública e interacção urbana têm um valor central, são apresentados e discutidos por Tim Sieber a propósito de Lisboa. É aqui trabalhada em profundidade a ideia comum, prevalecente ao longo da segunda metade do século xx, de que a rua, como espaço de integração de funções e de cruzamento de vários tipos de sociabilidades, de múltiplas e diversificadas interacções sociais, se vai esvanecendo e de que a “rua tradicional” desaparece, tornando-se numa espécie de não-lugar ou, então, de um lugar problemático associado à delinquência, à pobreza, à marginalidade social. Tim Sieber analisa os significados que a rua assume segundo diferentes tradições nacionais, usando literalmente a rua como janela de observação para a compreensão da cultura urbana e das diferentes formas de construção intelectual e cultural da cidade. A uma tradição norte-americana historicamente antiurbana, exemplificada pela “rejeição da vida de rua como tema sério de investigação”, Tim Sieber contrapõe o olhar da “Europa urbana do Sul” onde é inquestionável o valor desta dimensão na vida social das suas cidades. O caso em análise constrói-se a partir de dois lugares de observação, contrastantes e, por isso mesmo, particularmente elucidativos: Alfama, com a patine cultural das suas velhas ruas e a Expo’98/Parque das Nações, com o espaço controlado das suas muito recentes ruas “artificiais”. O registo minucioso do quotidiano capaz de transmitir o sabor e o sentido das vivências na apropriação criativa das ruas e dos espaços públicos surge, assim, a contrabalançar essa outra visão mais global do desenvolvimento urbano contemporâneo.

10As ruas como lugares de referência e de interacção urbana, como espaços de aprendizagem e exercício profissional, são temas trabalhados por Frédéric Vidal e Susana Durão. Apesar de se confinarem a épocas, fontes, temáticas e disciplinas diferentes, contêm alguns pontos comuns, tanto ao nível da discussão teórica como da abordagem metodológica. A relação entre a cidade gerida e a cidade vivida, por um lado, e uma abordagem em várias escalas e um enfoque situacional, por outro, são algumas das preocupações partilhadas nestes dois textos.

11Em que medida o modo de identificação dos domicílios pode ter a sua história? No texto de Frédéric Vidal, a morada surge como uma forma de identificação socialmente construída, ponto de encontro entre “modelos normativos” e “lógicas de tipo comunitário”. A análise de diferentes práticas em curso na Lisboa do século xix – nomeadamente a organização da posta domiciliária, as declarações nos registos paroquiais, a percepção da organização do espaço urbano em alguns textos novelísticos – permite focalizar pontos de articulação e de interacção entre dimensões por vezes conflituais: os factores individuais e colectivos; os meios sociais organizados segundo lógicas próprias e as práticas administrativas de gestão do espaço urbano; as lógicas relacionais pré-existentes e as normas regulamentares inovadoras. O autor consegue assim descobrir uma cidade dinâmica e complexa, organizada social e culturalmente a partir de zonas de negociação incertas. Entre os sítios, os bairros e as paróquias, a rua vai surgindo aqui como principal elemento de identificação, mas sempre em tensão com outros, desde o nível mais amplo do reconhecimento geral do espaço urbano, através do uso da categoria administrativa, até ao nível mais restrito da memória partilhada, transmitida através das redes de conhecimento interpessoal. Face à progressão de uma percepção cada vez mais normalizada do espaço, a rua é, de certo modo, um compromisso entre “diferentes níveis de apreensão e de leitura do espaço urbano”. Pois a rua aparece aqui, antes de tudo, como “um lugar de negociação entre vários interesses e hábitos”.

12E igualmente a partir dos usos sociais e, muito concretamente, das práticas profissionais de um corpo de agentes de uma esquadra da polícia de Lisboa que Susana Durão analisa diferentes formas de percepção da cidade e seus territórios, percepção esta que não decorre de uma apreensão passiva mas sim de um quotidiano activo de “socialização da rua” e de produção de “ordens socioespaciais, de poder e morais para a cidade”. Aqui, como no texto anterior, há uma preocupação em cruzar vários níveis de apreensão e leitura da cidade, desta vez através do olhar sensível e atento da etnografia. Certas definições policiais que discriminam, por exemplo, os bairros de “gente de bem” dos “problemáticos” e que suscitam atitudes e visibilidades contrastantes, remetem-nos para um nível de conhecimento concreto do território cujas fronteiras e tipificações decorrem de uma prática que não coincide, por vezes, com as definições oficiais. A identificação de algumas das possíveis “ruas dos polícias” cujo significado depende das rotinas e dos serviços desempenhados (patrulha apeada, carro-patrulha e apoio a idosos) mostra como os saberes profissionais e urbanos da polícia se constroem, em última análise, na relação com os territórios e as populações, desde a sua forma mais itinerante e territorializada – como na patrulha apeada – até modos de relacionamento em rede, dirigidos pessoalmente a certas casas e pessoas – como no apoio aos idosos. O que está em causa neste texto é, claramente, a análise dos diferentes saberes desenvolvidos na actividade policial e de que modo este conhecimento vai moldando aquilo que a autora designa como cartografias policiais.

13E chegamos às ruas dos bairros, de bairros novos que vão surgindo na Lisboa do século xx, tanto os que são planeados pelos poderes públicos como os que surgem fruto do improviso e da iniciativa privada. A relação entre a rua enquanto “lugar físico construído” e as múltiplas formas de apropriação de quem a usa e nela vive é um dos eixos que organiza os três capítulos que se seguem. A diversidade dos casos apresentados e também do enquadramento disciplinar de cada um deles, pela Sociologia, Arquitectura e Antropologia, fazem-nos fortemente complementares e dialogantes entre si. A rua é percorrida de “cima-a-baixo”, nas suas múltiplas dinâmicas e agentes, desde os construtores e/ou planificadores até aos seus mais efémeros utentes.

14A relação entre a circulação e a convivência urbana é a linha de força do texto de João Pedro Silva Nunes e Luís Vicente Baptista, que discutem a relação entre as mobilidades e o espaço urbano na cidade moderna do século xx, cujo crescimento se fez através de uma separação clara entre as vias de circulação e os espaços residenciais. Como se constroem os prédios ao longo das ruas? Quem pensa as ruas dos bairros planificados? Nos dois casos apresentados, “contrastantes de produção da cidade nova” – Bairro do Rego, início século xx; Olivais Sul, anos 1960 –, a rua surge com valores e significados diferentes conforme os actores e agentes envolvidos na sua edificação. No primeiro caso, a rua aparece “como suporte de investimento económico” e “via para o loteamento”. Nos Olivais Sul, pelo contrário, a edificação da rua foi planeada e, sobretudo, pensada e imaginada. Dá-se uma verdadeira reinvenção da rua nas suas “enseadas” residenciais protegidas da circulação automóvel. Neste segundo caso – como no caso do texto da arquitecta Monica Farina – a grande referência é a unidade de vizinhança, categoria operatória, demográfica e ecológica, onde a “rua e praça surgem como organizadores da articulação entre os espaços domésticos e o espaço exterior, para a interacção e comunicação interpessoal”, numa tentativa de recriação na cidade nova dos espaços físicos similares aos da cidade antiga.

15Monica Farina estuda, num misto de observações arquitectónicas e etnográficas, um conjunto de habitação social em Cheias (Matriz H do Bairro da Flamenga). No âmbito da relação entre o espaço construído e as culturas específicas que o produzem, a autora quer perceber melhor como os espaços exteriores à habitação particular são portadores de valores de sociabilidade e facilitadores do desenvolvimento de identidades territoriais. A sua observação recai sobre aquilo que designa pelo encontro entre a “cultura dos arquitectos e urbanistas”, que projectaram a organização do espaço e previram práticas de uma “população abstracta”, e a cultura dos “habitantes reais” ou, para dizer por outras palavras, a interacção entre os habitantes e os modelos espaciais propostos. De um modo semelhante ao dos Olivais-Sul, uma das ideias fortes do projecto da Matriz H é o de “levar o espaço da rua até aos pisos mais altos do edifício”. Neste texto a arquitectura é analisada à escala do indivíduo, o que permite descobrir uma sociedade mais estruturada por espaços relacionais do que por espaços funcionais e por códigos de conduta que se foram construindo no âmbito de uma cultura popular urbana local. Existe, assim, uma variedade e imprevisibilidade de respostas que faz com que, por exemplo, a rua prevista para ser “de vida urbana intensa” acabe por ser um espaço fechado sobre si próprio ou que um local inesperado se torne num ponto de encontro e de convívio.

16E é, precisamente, neste quadro relacional – e não apenas funcional – que Rita d’Avila Cachado se situa para apresentar o caso dramático da Quinta da Vitória, em Loures, bairro precário parcialmente destruído devido a um muito longo processo de realojamento. Apesar disso, as suas ruas não desapareceram e continuam a mostrar a sua vitalidade. A observação recai sobre uma rua em particular, que faz fronteira entre os dois bairros – o antigo, precário, e o novo, de realojamento – para além de separar, também, dois concelhos – Loures e Lisboa. Apesar da demolição de casas de um dos lados desta rua ela continua a ser central para um sem número de actividades, pois é o espaço mais próximo dos dois bairros. A reinvenção permanente da utilização desta e doutras ruas faz sobressair aqueles que dominam e controlam o seu espaço: jovens africanos, ciganos e, com um maior protagonismo, hindus, com as suas lojas e templo e, sobretudo, com os seus rituais-performance cíclicos que transformam a rua de todos os dias numa “rua ritualizada”. “E na rua que melhor podemos observar os fenómenos da diferenciação cultural”, afirma a autora, defendendo que estudar formas de viver na rua é a melhor maneira de nos aproximarmos das pessoas e, assim, evitar a distância do olhar.

17A diferenciação sociocultural nas ruas de Lisboa e Barcelona é um dos pontos analisados por Joan J. Pujadas, que arrisca a comparação entre dois bairros históricos – o Raval e a Madragoa – cujas transformações urbanísticas e sociais testemunham fases diferentes do processo de crescimento da cidade pós-industrial. Muito embora tais realidades possam ser aproximadas pelo fenómeno da gentrificação que a ambos afectou, a observação etnográfica revela diferenças abissais nas formas de integração dos seus velhos habitantes, no tipo de vida de rua, no próprio espaço público em si. Com efeito, enquanto a Madragoa dos finais dos anos 1980 se caracteriza ainda por um sistema de relações vicinais relativamente denso, baseado em espaços de convívio e de interacção fortemente controlados pelos seus habitantes – onde a rua é (ainda) um espaço semi-privado –, o Raval surpreende pelo anonimato visível nas suas ruas, pela insegurança, “pela sociabilidade tensa e conflituosa, que substitui formas anteriores de interacção vicinal”, pela variedade de instituições ali existentes e pela heterogeneidade dos actores que por ali circulam.

18O último estudo apresentado neste livro permite explorar uma outra dimensão da rua como espaço do político. Fátima Sá e Melo Ferreira leva-nos ao universo das festas revolucionárias e contra-revolucionárias em Portugal, na primeira metade do século xix. Na realidade, parte da história política dos séculos xix e xx pode ser lida através da evolução dos modos de ocupação da rua, espaço de tensão onde se confrontam memórias e simbologias concorrentes na luta pelo poder. Reencontramos aqui o tema da “rua ritualizada” analisado por Rita Cachado, mas, neste caso, a historiadora debruça-se sobre a génese de novas formas de mobilizações políticas. Neste estudo a autora propõe-se comparar as festas e outros rituais públicos instituídos em Portugal, a partir da revolução de 1820, com o repertório festivo que a contra-revolução elaborou em resposta a estes novos modos de ocupação simbólica do espaço público. Convoca, para o efeito, não apenas as dimensões de encenação do poder e da ordem social presentes nas celebrações do Antigo Regime, mas também as dimensões arcaizantes e carnavalescas que nelas subsistiam e eram passíveis de promover a mobilização política das camadas populares.

19Terminamos com as palavras de encerramento de Yves Lequin, em jeito de balanço provisório. Este “historiador insatisfeito” insiste nos caminhos que ainda falta percorrer. A fabricação das ruas tem ainda muitos mistérios por descortinar. Existe todo um campo da história económica das formas urbanas para explorar. Sobretudo fica a questão: “Será que a rua ainda é a rua?”. Apesar da relativa estabilidade do objecto material em si ao longo da história das cidades – uma via de circulação e alguns edifícios – esta recolha de textos permite dar conta da grande diversidade de usos e de formas sociais, pelas quais nem sempre é fácil encontrar uma continuidade no tempo e no espaço. Na cidade moderna, a partir do século xix, a rua é espaço de circulação onde a ordem tem de se impor. Existe, sem dúvida, uma ruptura nesta época. Todavia, será que as sociabilidades de rua, os encontros e as formas de interacção que permanecem até hoje, têm de ser considerados como simples arcaísmos, marcas e vestígios de formas tradicionais da vida urbana? Em que medida, ainda hoje, vamos reinventando formas de ocupação do lugar da rua?

© Etnográfica Press, 2008

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter