Version classiqueVersion mobile

Um Islão Prático

 | 
Maria Cardeira da Silva

Prefácio

Dale F. Eickelman

Texte intégral

1Escrever é apenas metade da tarefa do antropólogo. A outra metade é ler antropologia. Tal como os outros escritores, o antropólogo tem que desenvolver um sentido apurado dos objectivos de um livro e das suas possíveis audiências. Uma audiência possível para este livro é portuguesa, um conjunto de leitores conscientes de que as circunstâncias políticas e económicas tornam cada vez mais importante a compreensão dos estilos de vida e das condições sociais marroquinas na contemporaneidade. Em séculos anteriores o destino de Portugal esteve intimamente ligado ao de Marrocos. De maneiras diferentes, Marrocos assume hoje, novamente, um significado especial para Portugal e para o resto da Comunidade Europeia. Outra audiência para este livro é constituída pelos antropólogos franceses, ingleses, americanos e norte-africanos. Maria Cardeira da Silva apresenta uma contribuição pioneira nos estudos sobre o Norte de África, debruçando-se sobre áreas há muito dominadas por estas diferentes tradições. Ela transforma a sua auto-proclamada “marginalidade” numa força que lhe permite manter uma distância crítica relativamente ao conhecimento dado como adquirido e convencional.

2A sua abordagem centra-se na vida social quotidiana — sobretudo das mulheres — numa rua particular de uma cidade marroquina. No entanto, o seu relato é tão local quanto os Tristes Trópicos de Lévi-Strauss são um “mero” relato de viagem acerca do interior do Brasil. Um Islão Prático pode ser lido, ao mesmo tempo, de maneiras diferentes. Pode ser lido como um travelogue de uma jovem académica portuguesa, em torno da sua experiência intelectual e pessoal do “fazer trabalho de campo” numa grande cidade marroquina, nos finais do século XX. Pode também ser lido como um comentário detalhado de trabalhos anteriores relacionados com as ideias de pessoa e self, género e vida urbana — temas imprescindíveis para a compreensão das possibilidades de desenvolvimento da sociedade civil nesse país vizinho, ao sul de Portugal. Finalmente, a obra descreve o “regateamento da realidade” em que as mulheres das cidades de Marrocos, em condições de incerteza económica e constrangidas pelo decoro típico das classes médias-baixas, investem diariamente para conseguir manter uma auto-imagem conveniente.

3Um Islão Prático retrata a viagem, simultaneamente intelectual e física, de uma antropóloga portuguesa em Marrocos. A autora deambula entre a leitura detalhada dos predecessores antropológicos e os seus próprios encontros directos com a sociedade marroquina. A este nível ela contribui para a reinvenção do género da literatura de viagem, servindo-se disso para ultrapassar uma audiência estritamente antropológica. Sobretudo nos anos sessenta e setenta, os estudos sobre Marrocos tornaram-se um lugar privilegiado — nas palavras de Maria Cardeira, um contexto “quente” — no âmbito da Antropologia. Tal como a Índia dos anos cinquenta fora o hot spot para a exploração de temas como o da classe, casta e desigualdade, os textos antropológicos sobre Marrocos dos anos sessenta e setenta transformaram-se num locus da compreensão original das questões políticas, religião e interpretação das sociedades complexas. Os académicos marroquinos mantiveram-se inicialmente à margem destes debates — a era colonial prestara pouca atenção à educação universitária — mas, a partir dos anos oitenta, começou a emergir uma produção histórica e antropológica distintamente marroquina, escrita tanto em árabe como em francês.

4Maria Cardeira da Silva relata a vida quotidiana e as práticas urbanas das mulheres marroquinas com uma sensibilidade que iliba o seu trabalho de quaisquer acusações de folclorismo ou orientalismo. Uma frase como “Salé guarda a auréola de uma cidade discretamente rebelde e misteriosa” poderia ser encontrada numa brochura turística mas é rapidamente contrabalançada com dados “duros” como os dos níveis educacionais, o dos direitos das mulheres e dos homens, do crescimento demográfico, da prospecção do radicalismo religioso e do crescimento da marginalidade económica das “cidades velhas” muradas como a de Salé. Os mapas, gráficos e outros dados, tal como o modo convincente como apresenta as ideias marroquinas relativas à sociedade e confiança social tornam a sua narrativa acessível e cativante.

5Um Islão Prático faz também uma incursão no modo como os antropólogos pensam, uma digressão que Maria Cardeira da Silva integra na sua descrição das realidades da vida social e urbana de Salé. A autora utiliza as suas experiências de vida urbana em Salé, e em particular o discurso e as práticas das mulheres do bairro modesto sobre o qual o seu trabalho incide, para perscrutar a densidade de alguns textos antropológicos recentes sobre Marrocos — incluindo os de Clifford Geertz, Hildred Geertz, Lawrence Rosen, Ernest Gellner, Vincent Crapanzano, Kevin Dwyer, Henry Munson, eu próprio e outros — e, na minha opinião, representa-os com fidelidade. Muitos textos antropológicos relegam posições teóricas anteriores ou adversárias para um capítulo introdutório ou para segundo plano. Ao contrário, Maria Cardeira da Silva coloca lado a lado as abordagens antecedentes e outras alternativas, seguindo de modo realista os passos da construção do edifício antropológico e os exercícios de imaginação da antropologia.

6A compreensão da sociedade marroquina, incluindo os papéis do género na sociedade urbana, exige uma atenção acrescentada sobre os contextos informais nos quais as mulheres constroem relações sociais e cumprem uma miríade de tarefas sociais e económicas. Só acedendo à estrutura destas relações se pode ter uma ideia de como os marroquinos comuns se imaginam a eles próprios em termos de história, religião, política e relativamente ao presente.

7Um Islão Prático argumenta claramente pela autonomia das redes sociais das mulheres, e a inclusão das divorciadas, solteiras ou com os maridos ausentes (incluindo aquelas cujos maridos trabalham no estrangeiro) complementa aqui trabalhos anteriores que tendiam a ignorar as mulheres actuando por conta própria. A autora descreve meticulosamente padrões de redes sociais e visitas — os papéis sobrepostos dos parentes, amigos, vizinhos, a roda das actividades diárias e a utilização do espaço urbano, as trocas intricadas de bens e serviços com vista a fins objectivos, e o equilíbrio delicado entre o decoro, a religiosidade e a apresentação pública, necessárias para a manutenção da integridade e da reputação nos diferentes palcos da vida de cada um e em diferentes situações sociais. A autora oferece uma óptima descrição do ritmo anual da vida doméstica e da vida num bairro urbano — uma sucessão de feriados religiosos e nacionais durante os quais o Estado promove celebrações públicas. A sua descrição das performances comunicativas alarga-se à televisão e aos vídeos explicando como os vídeos dos casamentos recentes, parte integrante da vida urbana contemporânea em Marrocos, são “lidos” pelas mulheres que os utilizam para ampliar o seu espaço social, bem como para aferir a sua definição face aos outros.

8Para antropólogos interessados no estudo das sociedades de Marrocos e Norte de África, Um Islão Prático oferece uma descrição intensiva de como os papéis das mulheres moldam e determinam a vida urbana, em particular no que respeita à importância das redes sociais das mulheres — o nexus comunicativo da prática quotidiana, expresso tanto pelas palavras como pelos actos. Habits of the Heart: Individualism and Commitment in American Life (1996), de Robert Bellah, narra as experiências de vida de pessoas “representativas” para mostrar como valores americanos, como os de autonomia pessoal, respeito pela independência dos outros e família, se mantêm no contexto de uma crescente desigualdade económica e declínio de confiança pública. Maria Cardeira da Silva propõe uma perspectiva idêntica relativamente a Marrocos.

9A sua análise das noções marroquinas de valor pessoal e comunidade é confirmada através de múltiplos e repetidos actos quotidianos, cenas e expressões repetidas, e o constante desafio dos limites sociais em “encontros íntimos” com amigos, vizinhos, parentes e antropólogos merece atenção particular por parte daqueles que estão interessados na importância crescente da “voz” popular na vida política do Norte de África. Maria Cardeira demonstra como os enredos complexos da “proximidade” (qarabâ) e os laços de segurança e confiança que estruturam, longe de constituirem uma relíquia do passado ou um mero condimento para a vida num bairro residencial economicamente marginalizado, contribuem para uma bricolage pessoal efectiva que torna difícil a separação entre aquilo que é “tradicional” e o que é “moderno”. De facto, alguns dos partidos políticos laicos da Turquia aperceberam-se de que o partido islâmico Refah (“Prosperidade”) deve muito do seu sucesso ao desenvolvimento de serviços sociais e redes de vizinhança femininas. Em Marrocos, os partidos políticos oficiais, em parte inspirados pelos acontecimentos recentes na Argélia, começam agora a fazer a mesma descoberta. Para além disto, Cardeira da Silva aponta ainda o papel da migração na transformação das noções de self. Quer fiquem para trás, assumindo o papel de chefes de agregado familiar, quer emigrem por conta própria, uma prática que tem vindo a tornar-se frequente, o que é facto é que as mulheres marroquinas cada vez mais encaram outras possibilidades para além daquelas com que se confrontam nas suas circunstâncias políticas e económicas mais imediatas.

10Um Islão Prático apresenta perspectivas originais sobre temas sociais e políticos contemporâneos. Oferece sugestões para que se possam colocar questões pertinentes acerca da dinâmica das migrações, do subemprego e do desemprego em Marrocos e noutros lugares. Torna o ofício da antropologia transparente para uma larga audiência e faz de Marrocos e do mundo Árabe contextos mais familiares e compreensíveis.

Auteur

Professor de Antropologia e Relações Humanas

Cátedra Ralph and Richard Lazarus, Dartmouth College (EUA)

© Etnográfica Press, 1999

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search