Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

A Colecção

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Luísa Tiago de Oliveira

Parte III. Anexos

3 - Artefactos portugueses e o estudo de colecções

Texte intégral

1Em obra anterior, foi abordada a relação de Michel Giacometti com o domínio da cultura material, no âmbito do seu interesse pela cultura popular em Portugal (Branco & Oliveira 1993: 245-252). O seu acesso às expressões materiais de cultura inseridas em processos sociais de produção fez-se sobretudo pelo aprofundamento das recolhas de música regional. Contudo, e desde finais dos anos 40, levavam-se a cabo no nosso país levantamentos sistemáticos em diversos domínios do património etnográfico — ou legado social do povo português, na expressão de A. Jorge Dias. Os resultados dessa obra ampla e vasta, empreendida em grupo, nos aspectos relevantes para o enquadramento de qualquer colecção etnográfica portuguesa podem ser resumidos da seguinte forma:

QUADRO 2 - A Colecção do Museu do Trabalho e obras anteriores

DATA

AEP

TTP

REF.ª BIBLIOGRÁFICA

COLECÇÃO

1948

Arados

 

Oliveira, Galhano & Pereira 1976

1.2.1, 1.2.6

1951

Desterroamento

 

Oliveira, Galhano & Pereira 1976

1.4.2, 1.4.6

1952-53

Enxadas

 

Oliveira, Galhano & Pereira 1976

1.3.2, 1.3.3, 1.3.4,1.1.6,
1.6.5, 1.6.6

1953

Rega

Regadio

Dias & Galhano 1953

1.6.2, 1.6.3

1958

 

Fertilizantes

Oliveira, Galhano & Pereira 1975

1.1.1

1961-62

 

Cestaria

Galhano 1961-62

 

1963

Espigueiros

Armazenagem

Dias, Oliveira & Galhano 1963

 

1965

 

Moagem

Oliveira, Galhano & Pereira 1983

5.1.3

1968

Debulha

 

Oliveira, Galhano & Pereira 1976

2.3.4, 2.3.7

1973

Jugos

Atrelagem

Oliveira, Galhano & Pereira 1973

7.3.3

1973

Carros de bois

 

Galhano 1973

7.2.6

1977

 

Pisões

Oliveira & Galhano 1977

 

1978

 

Tecelagem

Oliveira, Galhano & Pereira 1978

6.1.3, 6.1.5, 6.1.7, 6.3.2,
6.3.3, 6.3.5, 6.4.2, 6.5

1990

 

Serração

Pereira 1990

4.5.4

2O quadro deve ser entendido como uma tentativa de confronto do universo de artefactos de etnografia portuguesa recolhido pelos estudantes do Plano Trabalho e Cultura com os resultados das pesquisas levadas a cabo pelo Centro de Estudos de Etnologia Peninsular (Porto), posteriormente transformado em Centro de Estudos de Etnologia (Lisboa). Na primeira coluna (data), figura o ano aproximado em que elementos seleccionados de cultura material ou de técnicas são divulgados no circuito científico através de publicações especializadas (artigos ou monografias). A compilação cronológica destes dois aspectos da recolha e pesquisa de cultura material revela a edificação de um universo camponês feita a partir das suas bases materiais. No que diz respeito a método de trabalho, sobressaem dois eixos fundamentais e estruturadores de uma abordagem do Portugal rural. Em primeiro lugar, o Atlas Etnográfico de Portugal (coluna AEP), alimentado por sucessivas Cartas de Distribuição. É um empreendimento de fundo no âmbito da cartografia etnológica (Oliveira 1969, Pereira 1989: 555-559, Brito 1989: 521-525). A informação recolhida e ao longo do tempo complementada viria a servir para uma classificação tipológica segundo critérios funcionais. Estabelecia-se deste modo uma base e, ao mesmo tempo, uma articulação para o levantamento e o estudo etnológico de algumas técnicas, constantes das Tecnologias Tradicionais Portuguesas (coluna TTP). A coluna seguinte (ref.ª bibliográfica) indica a principal obra onde a distribuição geográfica de instrumentos ou de processos específicos (AEP), ou a abordagem monográfica de uma técnica, é apresentada e discutida. Finalmente (coluna Colecção) introduzem-se as faixas do catálogo que correspondem funcionalmente ao AEP ou às TTP.

© Etnográfica Press, 1994

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540