Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

A Colecção

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Luísa Tiago de Oliveira

Parte I. A Via dos Artefactos

Sobre colecções etnográficas

Jorge Freitas Branco

Texte intégral

1O volume dedicado à Missão proporcionou uma análise circunstanciada de um contexto de recolha de cultura popular, posto em marcha em Portugal durante o período revolucionário de meados da década de 70. Os materiais estudados permitiram realinhar os passos quase diários dados por mais de uma centena de colectores imediatos espalhados pelo terreno e, através deles, avaliar os resultados do esforço empreendido. As recolhas de oralidade e as de cultura material adquirem outro relevo, porque são vistas à luz do enquadramento que as originou. A seguir, propõe-se uma leitura conjugada da Missão e da Colecção, uma vez que a última foi uma das principais resultantes da primeira.

Filtros

2A retrospectiva construída deixa uma marca indelével, impregnada da atitude destemida que envolve a experiência inédita gerada pela grande operação de recolha. Foram actos heróicos em tempos revolucionários.

3No contacto com as populações, os brigadistas iam munidos de um filtro activo, característico da época vivida e da maneira como eles nela se integraram. As apreciações feitas e os ângulos de observação escolhidos revelam uma decantação da realidade obtida através de um filtro vermelho. O resumo conclusivo dos confrontos culturais verificados nos domínios do sexo, da política, da religião e da alimentação constituem um fio condutor, cujo percurso se confunde com as relações estabelecidas entre as brigadas e Povo. A tonalidade dominante no encaminhamento do olhar e no modo de arriscar a inserção no terreno era parcial nos dois lados da frente de batalha. Os forasteiros abordavam as populações lendo a situação vivida numa perspectiva de transformação futura. Era um mundo em marcha terminal, uma revolução que se impunha, mas também uma lamentação enérgica sobre o que lhes pareciam adulterações duma vivência mais pura, próxima de uma cultura camponesa desejadamente impermeável às influências urbanas.

4O Povo, por seu lado, olhava-os com suspeita, dada a sua origem, o seu estatuto, o seu desempenho de ordens emanadas de instância pouco visível do Poder central. Mesmo disfarçada a tonalidade do filtro, permanecia a dúvida vestida de certeza. Esta ambiguidade mutuamente alimentada produzia o nível de comunicação possível entre as frentes: a linguagem do anticomunismo. O Povo usava-a em dois sentidos. Um imediato, para marcar uma posição num período específico; os brigadistas desviavam as acusações para dissipar a suspeição. Contudo, no seu íntimo, nem uns nem outros se deixavam enganar. Na visão das populações, o comportamento dos jovens adolescentes vindos da cidade, desligados do mundo camponês, não deixava margens para ilusões: vivência quotidiana promíscua nas brigadas, desacerto quanto à alimentação, apego religioso pouco convincente, presumíveis simpatias políticas menos aceitáveis.

5A linguagem do anticomunismo, com a qual os brigadistas em muitos casos detectados se viram obrigados a lidar, representa não só uma atitude assumida pelas populações num período determinado, mas também um comportamento de princípio, temporalmente mais abrangente, de confronto e repulsa pelo exterior. Naquele período revolucionário era o modo mais adequado de mediação com o exterior, de produzir distinção entre o rural local e o supostamente urbano e nacional. Foi um processo de reconhecimento mútuo da amplitude do fosso separador entre o universo nativo de valores e o dos forasteiros.

6Hoje, o filtro condicionador do olhar talvez fosse de tonalidade esverdeada. Não se imaginará a cartografia da nova linha mental que delimitaria a fronteira invisível. Provavelmente, uma nova vaga de jovens colectores voluntários construiria uma visão do mundo alheio menos centrada na análise das forças sociais e políticas em confronto directo pelo poder e pela transformação programática das instituições. Quem sabe se a imagem desse outro lado da fronteira não seria erguida em torno dos parâmetros fornecidos pela acção das forças sociais próximas e longínquas relativamente à preservação e manejo dos recursos ambientais existentes. Do ponto de vista nativo, seriam sempre os seus valores, articulados por elementos diferentes, a opor aos forasteiros. Para os últimos, uma teia para se envolverem num confronto de comportamentos culturais. Mais que o impacto da linguagem usada, importa interrogar o significado imediato e remoto nela contido.

7Os rastos da movimentação desencadeada a cavalo desta fronteira fluida, em que os improvisados colectores de cultura popular foram aprendizes por conta própria, sem forças para actuar no sentido da alteração da realidade que descobriam, encontramos na quantificação dos resultados das recolhas efectuadas. Pesem algumas discrepâncias regionais, a grande operação não falhou, como se depreende do extenso rol de pessoas prontas a ceder materiais etnográficos. Ofertas e compras, esta a ordem no tipo de aquisições feitas. Enquanto para os brigadistas se tratou de uma prova da sua capacidade de inserção no meio camponês, para aqueles que cediam o gesto da dádiva poderá ser interpretado como um modo de, perante si e os brigadistas, demonstrarem tê-los por meros mediadores, e não pelos visados directos numa relação áspera com o Poder central. A sua juventude e a estada curta terão sido razões para que os camponeses os desculpabilizassem das tensões do momento e das sequelas do passado.

Militante cultural, colector, coleccionador

8As relações entre brigadistase nativos não esgotam os planos possíveis de abordagem. O processo de concepção, preparação e de efectivação das recolhas nasceu de uma ideia de Michel Giacometti, adaptada de forma original às circunstâncias do momento em que se realizaram.

9O objectivo último era a criação de um museu dedicado ao Povo. Mais que a transformação de uma museologia etnográfica porventura existente e a criticar, com o PTC pretendeu reformular-se radicalmente o discurso de inspiração etnográfica que emoldurava o Povo em vitrinas para efeito de mostras, exposições e outros arranjos públicos em museus locais, regionais ou de representação nacional. O mentor do PTC quis erguer outra arquitectura para a encenação do universo camponês.

10A trajectória pessoal de Michel Giacometti colocava-o numa posição sui generis. Não era um erudito local, promovendo a aldeia ou a região em despique com outras, integradas num todo nacional. A sua atitude ao longo do tempo parece ter derivado de uma obsessão por recolher e ordenar quilómetros de fita gravada cobrindo o conjunto do continente português. Este golpe de força, mantido por cerca de duas décadas, demonstra uma preocupação em colocar-se acima de localismos. Tão pouco se tratou de uma prática científica regular, pois para isso faltou-lhe a integração profissional e institucional.

11A sua acção prolongada de militância cultural preencheu um espaço intermédio, encontrado e conquistado para dispor de uma referência pessoal e de motivação para agir. Manteve-se bem acima da linha dos horizontes locais, limitadora de perspectivas; e colocou-se longe da submissão a qualquer dos enquadramentos científicos instituídos.

  • 1 Entretanto depositado no Museu Nacional de Etnologia (Castelo-Branco 1989: 94); há partes do seu es (...)

12Neste contexto, o património solitariamente acumulado adquire facetas múltiplas e valores diferenciados. Ao longo da década de 60, parece manter uma relação de índole científica com o material que vai reunindo. Transforma-se em colector individual apostado em cobrir e dominar a unidade de análise a priori definida. Pretende catalogar os principais ciclos de manifestações culturais do Povo português, captados através das sonoridades emitidas. Movia-o uma atitude política, geradora de militância cultural, como forma de assumir a sua independência pessoal, participando sempre numa resistência colectiva. Para ele, o património sonoro terá sido uma arma num combate de ideias, e nunca só uma colecção de factos da realidade experimentada pelo suporte magnético. Mas a obsessão posta na tarefa faz de novo recair sobre ele a suspeita de assumir uma postura do coleccionador. Os seus arquivos sonoros, tanto a parte editada, como (talvez) o acervo ainda inédito,1 revelam um colector consciente da pertinência dos materiais acumulados. De outro modo seria difícil compreender a entrega total, publicamente assumida, implicando a disponibilização de um espaço de acondicionamento e tratamento das recolhas em expansão. O seu primeiro Nagra foi emprestado por um amigo. A dedicação devorou-lhe o espaço privado, enquanto a paixão lhe dominava a personalidade.

13O objecto sagrado impulsionador da sua fuga constante na intermitência para o terreno, levando-o aos sacrifícios derivados de não dispor do estatuto de profissional da ciência, terá sido o Povo — de que se ia apropriando pela colecção de retalhos gravados. Foram raptos ritualizados, porque mutuamente consentidos.

14No prosseguimento da militância, a sua caminhada convergiu para os limites estabelecidos pelo espaço social de acção individual onde se inseria. A acumulação de património sonoro tendia a transbordar do quadro inicial da sua produção; tornava-se premente alcançar um nível qualitativamente diferente — o de um quadro estruturado de actividade científica.

15Como sucede nos percursos institucionais, também os dos indivíduos não são lineares. Por isso, importa trazer à superfície a rede de reciprocidades desniveladas, impostas aos parceiros envolvidos num sistema de relações sociais.

16Sendo o registo da sonoridade a essência da relação estabelecida por Michel Giacometti com o terreno, outros aspectos dos seus encontros marcados com o Povo não amadureceram ao mesmo ritmo. É o que acontece com a cultura material. Aproveitando as andanças para as gravações, apanha objectos soltos. Subordina-os à arte popular, assentando o critério adoptado para a respectiva selecção no aspecto formal, mais precisamente, na sua apropriação pela vertente estética. Não constituem para ele instrumentos de trabalho imediatos. Neste sentido, foi um simples coleccionador, não penetrando em outra leitura desses objectos, proporcionada pelo acompanhamento do discurso científico produzido em torno deles. A ambiguidade desta posição pessoal, reveladora da atitude assumida entre si, o Povo e a ciência, encontramo-la no Cancioneiro Popular Português (Giacometti 1981). Excepção feita aos instrumentos musicais, os artefactos são de adorno, úteis como separadores colocados entre as pautas, as letras e os executantes.

Etnografia e museus

17Os museus nascem de colecções, é a conclusão mais globalizadora apontada na bibliografia especializada. No caso presente, a acção de recolha é pensada, projectada e desencadeada para dar corpo a um museu.

18Um mundo feito de colecções baseadas em incidências várias, eis a equação mais próxima do universo particular albergado por Michel Giacometti no seu domicílio. Eram conjuntos de artefactos vários, tais como trechos gravados, as respectivas referências em fichas estabelecendo ordenações, as séries de imagens paradas, as peças avulsas, seleccionadas de acordo com princípios de beleza formal, sem atender ao critério funcional. Nos últimos, o rasto de uma apropriação solitária e pouco aprofundada, nos outros uma maior e mais segura penetração na sistematização dos contextos de onde haviam sido retirados.

  • 2 M. Giacometti refere em entrevistas a obra póstuma de Kurt Schindler (1882-1935), consultada em Par (...)

19Com a acumulação de séries arquivadas, o colector deve ter sentido a necessidade de transpor a esfera do privado, proporcionando-a ao público. O passo implica a mudança de atitude inerente aos processos de patrimonialização. Significa uma alteração na relação com o trabalho e perante o papel dos resultados obtidos. Obriga a confronto e a perfilhar posicionamentos no âmbito científico. Traduz-se pela necessidade de institucionalizar o acervo, aceitando a sua passagem física para uma tutela publicamente legitimada. Faltava uma estrutura especializada, perpetuadora dos resultados das recolhas obtidas ao longo de anos a fio, graças a uma atitude impregnada de generosidade heróica.2

20Com o 25 de Abril, esgotara-se na sociedade portuguesa a pertinência cultural e, socialmente, o cabimento do lutador incansável sem aparente desfalecimento moral. Com a chegada deste período agitado, Michel Giacometti deve ter-se apercebido duma profunda alteração no contexto da sua causa. O despertar de inúmeras actividades culturais, ligadas de formas directas ou indirectas a um processo político acelerado, a espontaneidade de acções em curso, a procura de reconstrução rápida das tradições esmagadas no passado ainda fresco, tê-lo-ão levado a equacionar o futuro da sua vida anterior. O seu Povo carecia de memória própria instituída; era imperioso desencadear uma longa marcha pelas instituições reformuladas ou emergentes, para criar um museu. Seria a via de institucionalização das suas colecções privadas, a respectiva transformação em património cultural, em simultâneo a legitimação definitiva e generalizada da sua experiência.

21O seu ingresso num ex-organismo oficial do regime desaparecido, numa fase de reestruturação de funções e atribuições (FNAT) – de modo que deixasse de ser uma entidade normalizadora da representação verticalizada da cultura popular para passar a entidade centralizadora da recuperação da memória dos aspectos culturais inerentes aos conflitos sociais (INATEL), implicando a reorientação radical da representação do universo camponês – criou-lhe condições reais para fazer confluir a essência do seu projecto individual numa realização institucional. Aproveitando a anterior inserção da etnografia no organismo em questão, Michel Giacometti concebe um plano de acção no terreno,a Missão, cujos resultados serviriam de alicerces para a criação e o arranque do museu dedicado ao Povo.

22Analisando as propostas formuladas a princípio, a estrutura idealizada corresponde à de uma instituição científica: a articulação entre um centro de documentação e o museu propriamente dito segue os modelos conhecidos nos museus de etnografia. Nesta perspectiva, podemos estar certos de que não se tratava de um qualquer museu local ou regional, destinado a produzir identidade circunscrita a um raio de acção determinado. Mais difícil será determinar a relação que se poderia estabelecer com um domínio científico específico: a etnografia. Afastando e combatendo perspectivas comuns nos museus portugueses e estrangeiros, onde se encenavam aspectos da vida camponesa e rural, com destaque para enquadramentos atemporalizados de cultura material, decalcados de moldes feitos em torno de noções de popular, de folclórico ou mesmo de exótico, ou ainda da exaltação de particularidades desprendidas de inserção global, M. Giacometti defende nos documentos preparatórios do PTC uma abordagem etnossociológica.

23Desde logo aparece o CDOC, no qual funcionaria um museu do trabalho. Acabará por ser esta última designação a tornar-se definitiva. Trata-se de um pormenor merecedor de alguma atenção.

  • 3 Esta suposição foi-nos indirectamente confirmada por várias pessoas, em diversas fases do processo (...)

24Como se viu, o lançamento e a concretização do PTC constituíram a plataforma para a aquisição de acervo inicial e para a constituição duma colecção etnográfica de arranque e legitimadora da estrutura museológica em vista. Ao mesmo tempo, o sector a ele organicamente ligado — o centro de documentação —, presume-se, seria dotado de um conjunto de informação abrangendo os objectos e a cultura popular em geral. As fotografias, os trechos musicais e a literatura oral recolhidos pelos brigadistas no Verão de 1975 formariam o espólio documental disponível à partida.3 Verifica-se deste modo o pendor etnográfico do acervo reunido, ou seja, a intenção de criar um museu centrado nesta vertente temática. Contudo, a expressão museu etnográfico nunca aparece na documentação redigida e posta a circular por Michel Giacometti. Que o conteúdo pretendido tenha sido este, deduz-se do termo etnossociológico por ele escolhido para fundamentar o cariz do PTC. Embora qualquer uma das designações incida no âmbito dos museus do social, não deixa de ser interessante tentar encontrar o conjunto de motivos que o terão levado a preterir a etnografia a favor do trabalho.

  • 4 Antes Museu de Etnologia do Ultramar, embora albergando nas suas reservas cultura material portugue (...)

25No que respeita ao apanhado histórico dos museus portugueses dedicados a áreas afins (GEPB [1948]; Dias, A. J 1964: 18-20, 1969; Oliveira 1969: 77, 1971), pode afirmar-se que o termo não estaria desgastado ou sequer ocupado. Com representatividade nacional existia, desde 1948, o Museu de Arte Popular (Boléo 1948: 465) e, após o 25 de Abril de 1974, surgiria o Museu de Etnologia (Lisboa).4 Por isso, não parece ter sido este o motivo principal. A razão profunda era o posicionamento de M. Giacometti na sociedade, perante o panorama museológico nacional, e por conseguinte também de ordem epistemológica. Ao reunir, tratar, sistematizar dados etnográficos, ao promover recolhas no terreno, ao organizar acções concertadas com o Povo, Michel Giacometti não subestimou o papel da etnografia, antes o pretendeu reforçar. Ao idealizar um museu articulado com um centro de documentação — uma estrutura orientada para recolha e posterior tratamento científico —, o mentor do PTC visava certamente posicionar-se de forma crítica no pequeno concerto dos museus dedicados à etnografia existentes e abertos ao público em Portugal. Quis fazer pontaria certeira aos que poderiam vir a ser criados ou promovidos por organismos de política social do Poder central, e não tanto aos que derivavam de organismos científicos instituídos. Ao defender um cunho ideológico a imprimir ao seu projecto, visava o derrube cultural do universo camponês encenado aqui e além em vitrinas, e herdado do regime político varrido pela Revolução de 25 de Abril.

26A opção Museu do Trabalho será de entender como um desafio — na altura talvez até uma fuga para a frente —, lançado na esperança de que aquele museu se destinasse programaticamente a abordar um universo diferente, mentalmente erguido a partir da consciência do papel das lutas sociais nos campos e nas cidades das camadas trabalhadoras — a aplicação da noção de Povo — na transformação da sociedade (Giacometti 1975). O enunciado não presumia a subalternização do papel da ciência, antes o seu reforço. Partindo do princípio de que ela não é neutra, com aquela designação institucional visou comprometer o Museu à partida, ligando-o a uma postura de militância activa. Durante anos, Michel Giacometti convivera quase anónimo com o Povo. Através do museu dedicado ao nosso Povo, alcançaria a consagração desse Povo.

27Para além deste compromisso político na esfera cultural, a criação de um primeiro museu do trabalho em Portugal, à luz do contexto em que surge, traz consigo outras implicações. Uma instituição museológica não vive para dentro. Pesem embora os enunciados tradicionais do seu papel (educação, identidade) e as definições clássicas da sua essência (colecções, conservação, divulgação), a questão da relação entre o museu e o público não foi estranha, no seu enunciado genérico, às preocupações de M. Giacometti. Ao omitir do nome do museu concebido a orientação segundo um domínio específico do saber, e preferindo realçar para o exterior a categoria (filosófica, sociológica) trabalho, pretendeu exaltar os respectivos protagonistas sociais activos. Isto equivale a uma tentativa de fomentar uma alteração na composição social dos visitantes esperados e desejados nas exposições e realizações do Museu do Trabalho: conseguir um local de cultura franqueado ao Povo.

28O projecto museológico de Michel Giacometti foi o culminar da sua convivência com camponeses e operários agrícolas. Durante mais de uma dúzia de anos empenhou-se em raptar-lhes sons; o museu seria uma via para devolver a voz ao Povo e, como intelectual, defender maior justiça social.

Paradigma

29As colecções etnográficas são suportes transmissores de ideias. A indagação das ideias agregadas aos artefactos desencadeia um processo construtivo de relações sociais no tempo e no espaço que, por sua vez, reassociado aos objectos, os converte em novos artefactos. Este procedimento gera uma dinâmica produtora de memória resultante dos níveis de abordagem introduzidos, porque susceptíveis de recuperação. O modelo proposto assenta na articulação de três planos analíticos: o cultural, o institucional e o científico.

Cultura

  • 5 Neste papel de colector colectivo, Michel Giacometti teria uma experiência pós-PTC. Nos meses de Ag (...)

30A vertente cultural revelou o contexto prévio dos artefactos, onde se estabeleceram as incidências da Colecção. Foi a trajectória pessoal de Michel Giacometti em função do objectivo que o motivava e orientava. Numa primeira fase sobressai uma noção geral de colector. Ele assume-a ao longo da vida de diversas formas. Inicialmente, é como acção individual, ganhando familiaridade com um terreno (Caufriez 1997: 13). Numa fase posterior, definida pela necessidade do trabalho colectivo, em que o labor solitário é substituído pelo papel de colector colectivo, passando a coordenar à distância um conjunto de colectores imediatos. Esta transformação da relação do colector com o terreno implica uma organização e uma atitude diferentes.5

31O património conseguido e o ritmo agora possível na respectiva acumulação fazem com que, pelo menos para o caso específico estudado, se torne inviável perdurar uma situação de colector e de coleccionador individual. Atinge-se um ponto em que o âmbito privado da militância cultural se congestiona. Há que transitar para um outro quadro, o da legitimação e do reconhecimento públicos. O processo de patrimonialização é a via condutora, aparecendo a criação de um museu como a forma de assegurar a transição da esfera de acção privada para uma outra sujeita ao controlo público. Esta passagem contém elementos de conflito, porque perspectivas e interesses individuais podem colidir com regras institucionais e normas políticas vigentes.

32Na parte da caminhada de Michel Giacometti abrangida nesta pesquisa, serão de referir dois factos relacionados entre si: o apagamento da memória imediata dos artefactos e o desejo de assegurar um controlo sobre a leitura a dar aos objectos recolhidos. Os inventários conhecidos — e até ao momento disponíveis — feitos em diversas fases à Colecção não assentam nem podem reportar-se à origem em termos de aquisição dos objectos. Falta uma ligação directa entre eles e os talões de aquisição de material etnográfico preenchidos in loco pelas brigadas. No entanto, ela deve ter existido, porque os colectores imediatos dispunham de uma ficha museológica. Um tal conjunto de documentos parece ter-se extraviado, sendo possível que a primeira inventariação (1979) — utilizada neste trabalho — tenha sido feita nesta base. Este pormenor pode explicar a razão de ser o referido inventário (ID) o mais pormenorizado em relação às peças. Nas inventariações seguintes vai-se diluindo a informação transmitida.

Instituição

33A diluição da densidade de informação curricular sobre os artefactos, no contexto institucional já conhecido, provocou um fenómeno ambíguo. Por um lado, uma maior dependência do museu em relação ao colector colectivo, Michel Giacometti, por só ele dominar todo o contexto de constituição da Colecção. Uma instituição com colecção fundadora, mas dispondo por si só de reduzido grau de intervenção sobre esse acervo. Terá sido este o momento do divórcio entre o ideal individual e o interesse institucional. A clivagem gerada por este conflito torna-se mais evidente na divergência existente no nível da leitura desejada para os objectos. M. Giacometti terá mantido uma perspectiva centrada no plano da representação nacional do acervo existente, antes de mais articulando-o com uma noção de Povo reveladora de uma opção na construção de universos camponeses. O seu projecto assentava numa atitude de princípios ideológicos. Entretanto, o contexto político português alterara-se. Porém, não foi em torno destes pólos que se terá verificado o afastamento inevitável entre o autor inicial do projecto e a instituição que agora o administrava. Se na fase inicial do Museu do Trabalho a conjuntura política foi decisiva, a partir de meados da década de 80, a separação consumava-se por outro motivo. Uma vez criada sob alçada autárquica, a instituição museológica tinha de manter-se. Também no museu se havia de repercutir o reforço da nova forma de exercício político de poderes. Esta realidade explicará a redefinição do Museu do Trabalho atrás analisada (ver capítulo 1) e a tendência objectiva para o afastamento face a linhas de intervenção definidas à escala nacional. Às encenações de memória histórica do Povo, tendo Portugal por unidade de análise, desejadas por M. Giacometti, à realidade da inserção política e social de um museu local teriam de suceder-se intenções voltadas para a abordagem de memória histórica local, como modo de sublinhar a redistribuição do poder político. O âmbito espacial de incidência da memória social, definido como área privilegiada de actuação de um museu, estabelece a ligação com a vertente institucional do paradigma da Colecção.

34Pode, assim, indagar-se em que medida o factor ideológico presente no projecto de M. Giacometti se revelou desajustado do avanço do tempo, não tanto pela atitude de fundo nela manifestada, mas talvez por o quadro de tutela da instituição exigir uma intervenção no âmbito da identidade local.

35Adquirem maior visibilidade as transformações ocorridas no plano institucional, onde se alberga um património etnográfico. Como consequência, verifica-se a manutenção física de uma Colecção, agora com o estatuto de acervo histórico interno, por ter proporcionado o enredo fundamental para o avanço do processo de institucionalização do museu. No novo contexto, o seu peso deriva do conhecimento do contexto de recolha, e não tanto do conteúdo etnográfico em si.

Ciência

36Se na primeira das dimensões paradigmáticas discutidas o elemento individual sobressai pelo seu relacionamento com os parâmetros culturais prevalecentes na sociedade (militância cultural), na segunda foi realçado o envolvimento institucional (estrutura museológica nascida). Um intelectual na sociedade, a Colecção reunida e construída, são variáveis condicionantes do valor específico de um determinado património, por sua vez matriz de codificação de um modo social de construção do passado.

37A vertente etnográfica contém uma dialéctica de ideias e objectos. Para além dos artefactos nela incorporados, a abordagem de uma colecção etnográfica obriga a manusear um quantitativo significativo de documentação congregado ao seu redor. Esta produção anexa (imagens, gravações, informação dos colectores, confronto posterior com os informantes, etc.), aliada às vertentes anteriores gera contextos específicos à Colecção.

38Distinguem-se os artefactos de raiz e os artefactos derivados. As descontextualizações deixam deste modo de ser simples lacunas, para se transformarem em problemas de pesquisa, readquirindo um novo contexto. Elas resultam de apagamentos de memória e produzem os artefactos derivados. O novo contexto nasce da conjugação das vertentes do paradigma, só possível se transparece uma lógica dotada de coerência nos planos dos comportamentos culturais e dos processos sociais. Consoante a situação, uma delas pode prevalecer em relação às outras, incutindo à colecção um cunho de distinção. Só aparentemente o percurso se desmaterializa, porque com a leitura extraída reincorpora-se no agrupamento de objectos outra visão da sua incidência material.

39No presente caso, a especificidade deriva do contexto de recolha, no qual a sonoridade como via de acesso à cultura popular é indissociável da postura do colector colectivo perante um mundo de materialidades a reter. Para além da posição existe a intenção. Ela assentou numa ideia para a construção do universo camponês (suposta, porque não se concretizaria segundo o projecto concebido). Eram as representações sociais do trabalho vistas como suporte estruturador de lembranças, como forma de pensar o passado e produzir sociedade no presente.

40O estudo de colecções etnográficas proporciona uma reflexão com implicações no domínio dos métodos do trabalho antropológico. Não só importa indagar e avaliar a situação de terreno que envolveu a recolha dos objectos a analisar, como a sua recontextualização cria uma base propícia à formulação de novas questões, para as quais o regresso ao terreno poderá constituir uma hipótese fértil para abrir perspectivas. No fundo, trata-se de uma proposta de reconfronto com uma realidade determinada, tendo em conta a permanente alteração da posição do investigador pela acumulação e selecção de memórias: a das peças e a das pessoas envolvidas. O discurso etnográfico produz também uma que lhe é própria. Deriva do exercício comparativo que as colecções etnográficas estudadas - e, como tal, publicadas - viabilizam. No domínio do saber antropológico, há que integrar a colecção etnográfica, como uma categoria de análise, por meio da qual porções de artefactos se transformam em mediadores de redes de relações sociais produtoras de atitudes culturais.

41No caso estudado, Michel Giacometti, para além de intervir na sociedade em que viveu, porque se posicionou perante indivíduos e instituições, pessoalmente não pôde fugir ao comportamento cultural caracterizador do coleccionador, do aficionado, do apaixonado. O apego aos artefactos de raiz ou aos derivados, ao património detido, é uma atitude de encapsulamento, em que a prática adquirida de entesouramento torna difícil uma transição pacífica para a esfera da posse, da propriedade ou do usufruto públicos.

42Ao longo deste volume, a comparação da Colecção com a recolha feita no âmbito do Atlas Etnográfico de Portugal serviu de elemento remoto de comparação. Deste contraponto, pode concluir-se ter sido a orientação pela sonoridade a abordagem de M. Giacometti e não a vertente contida nos aspectos materiais da cultura popular. Intelectuais e cientistas na sociedade, por caminhos paralelos, ocupam-se de questões em última instância talvez convergentes. Separou-os a perspectiva que eles próprios tinham do papel social a atribuir à sua actividade. O intelectual coligiu, acumulou, não transcreveu sistematicamente, apropriou-se, para através dum museu publicamente restituir. O cientista tem um desempenho indirecto: a devolução pública é mediatizada pelo discurso científico.

Conclusões

43A Colecção é o resultado de uma recolha por varrimento do continente português, desencadeada em simultâneo. Não é demonstrativa, nem elucidativa dum método etnográfico, por isso não se poderá considerá-la com estatuto idêntico àquela reunida ao longo de anos para a fundamentação do Atlas Etnográfico de Portugal. Enquanto esta última dispunha de estrutura para o acolhimento e o tratamento das recolhas previamente seleccionadas, a do Plano Trabalho e Cultura destinava-se a constituir o espólio justificativo para a criação de um museu. Este representa o aspecto porventura mais saliente no confronto de duas colecções com representatividade nacional, compulsando os aspectos mais importantes da etnografia portuguesa na vertente da cultura material.

44É na originalidade do contexto de terreno que se revelam dimensões inesperadas que a caracterizam. A captura rápida de artefactos não foi um processo isolado, mas antes uma das incidências da operação desencadeada no Verão de 1975. Os jovens colectores olharam a cultura popular na globalidade possível: os resultados publicados referentes à oralidade são muito significativos. Contudo, sublinhe-se que haverá ainda materiais por conhecer e tratar, tanto nos domínios já aflorados, como no da saúde.

45Por estas razões, a Colecção constitui um fragmento de um fresco rural esboçado a ritmo rápido, com pinceladas decididas e a cores vivas. Só o restauro completo da obra colectiva permitirá apreciá-la no seu todo. A grelha desenvolvida para equacionar os artefactos da Colecção apenas evidencia cultura material já destituída de contexto. Do conjunto de materiais compilados e em A Missão e A Colecção fica a ideia de que muitos fragmentos hoje dispersos pertencem a um mesmo contexto de recolha e de conteúdo. Confirmando-se esta hipótese, a Colecção seria a parte visível duma orquestra, faltando agregar-lhe música, vozes e imagens.

46O projecto do Museu do Trabalho foi o culminar de uma missão de militância ao sabor da intervenção imediata na sociedade e destinada a estimular a pesquisa sobre cultura popular numa perspectiva de emancipação social. Criada a instituição acolhedora, a dinâmica escaparia à vontade individual temperada por anos de travessia solitária de fronteiras pessoais, sociais, políticas, culturais e ideológicas. O Museu do Trabalho singrou, redefinindo o seu raio de acção, e mantendo a vocação para as representações sociais do trabalho. A Colecção foi o pretexto, o suporte e talvez uma inspiração na longa marcha através dos meandros das instituições. A semente lançada germinou.

47Casos similares de recolhas e de projectos de musealização de cultura popular serão sempre excepcionais pela diversidade de questões que suscitam. As implicações teóricas e metodológicas que o enredo posto a descoberto levanta criam um âmbito de pesquisa pertinente. Para além do papel dos museus na teoria antropológica (Stocking 1985, Dias, N. 1990, Roth 1991), um paradigma das colecções etnográficas deverá contemplar e aprofundar os seguintes aspectos: a) a variabilidade das leituras construídas em torno de objectos agrupados em colecções; b) o papel atribuído às colecções etnográficas existentes nos museus não especializados neste domínio; c) as colecções particulares de intenção ou feição etnográficas sem acessibilidade nem vínculo institucional estabelecidos.

48Aos longo desta investigação discutiram-se objectos e formação de colecções; cultura popular e a construção social de universos camponeses; a constituição de patrimónios e a criação de museus.

49Em meados da década de 70, havia projectos e concepções de museus de conteúdo etnográfico em curso e em confronto. Como não chegaram a existir vitrinas para expor cultura popular ao público, não é possível avaliá-los em termos de museologia etnográfica. Ela ainda não existia em Portugal.

50Em contrapartida, a acção de Michel Giacometti e o Museu do Trabalho por ele idealizado permitem distinguir o modo de intervenção de duas culturas numa sociedade, empenhadas na tarefa de produzir passado. De um lado, encontramos os intelectuais e a sua acção militante directa; pelo outro, os cientistas, agindo em diferido, através da mediação do discurso científico.

51A comparação das colecções etnográficas reflecte essa diferença de atitudes e de papéis. No Plano Trabalho e Cultura arrecadaram-se objectos para contextualizar materialmente lógicas subjacentes às representações sociais do trabalho. Para a elaboração do Atlas Etnográfico de Portugal, armazenaram-se lenta e sistematicamente elementos da cultura material para analisar processos culturais através da determinação das sequências técnicas. Exaltação e contemplação foram duas atitudes num mesmo tempo para ir ao encontro do Povo.

Notes

1 Entretanto depositado no Museu Nacional de Etnologia (Castelo-Branco 1989: 94); há partes do seu espólio sonoro aguardando edição ou reedição (Graça 1990, Gomes 1993).

2 M. Giacometti refere em entrevistas a obra póstuma de Kurt Schindler (1882-1935), consultada em Paris (Schindler 1941), como o primeiro contacto tido com a Música Popular Portuguesa, neste caso a transmontana (Pinheiro 1990). Pode ter sido esta uma das razões da sua vinda para Portugal. A exemplo do musicólogo norte-americano, terá encontrado a motivação para iniciar recolhas que se prolongariam por muito tempo. Logo no início, conhece Fernando Lopes-Graça, com quem trabalhou (Dias, A.J. 1970: 11). De acordo com outras referências, o que viria a ser o seu projecto até à morte, no final de contas, seria a concretização de um Manifesto para a Compilação Nacional da Música do Povo, de 1926, nunca levado a efeito devido à instauração do salazarismo (Matos, M. 1981: 225-228).

3 Esta suposição foi-nos indirectamente confirmada por várias pessoas, em diversas fases do processo inicial do Museu do Trabalho, nele envolvidas a título institucional ou por manterem relações pessoais com M. Giacometti. De acordo com esses testemunhos, existia grande número de cassetes, desconhecendo-se o seu conteúdo. É incerto o paradeiro destas gravações, sendo provável ter-se tratado de cópias e, nesse sentido, os materiais não estarão perdidos; as transcrições da literatura oral foram depositadas na Universidade de Lisboa (Faculdade de Letras, no actual Centro de Estudos de Tradições Populares). Aqui têm sido alvo de tratamento e estudo (Galhoz 1987, 1988; Guerreiro, A.M. 1989; Soromenho & Soromenho 1984, 1986).

4 Antes Museu de Etnologia do Ultramar, embora albergando nas suas reservas cultura material portuguesa metropolitana, na linguagem anterior. Muitos outros museus tinham a designação de etnológico ou etnográfico, mas não exclusiva. Em regra, ela aparecia como complemento à arqueologia, ou então subentendida em inúmeros museus regionais ou locais (arte popular).

5 Neste papel de colector colectivo, Michel Giacometti teria uma experiência pós-PTC. Nos meses de Agosto e Setembro de 1976, no âmbito do lançamento do Movimento Alfa, uma iniciativa estudantil partidária (União dos Estudantes Comunistas), destinada a mobilizar adolescentes para a alfabetização de adultos, grupos de voluntários foram preparados num curso para esta acção, a desenvolver sobretudo na Zona de Intervenção da Reforma Agrária. Giacometti ministrou a iniciação a um plano de recolhas para levantamento de cultura popular, a realizar em simultâneo, entre outros locais, nas unidades colectivas de produção (UCP) do Alentejo. Desconhece-se o paradeiro dos materiais recolhidos. A experiência adquirida com o PTC forneceu certamente elementos importantes para esta campanha regional de recolha de cultura popular. Sobre o Movimento Alfa em geral, existe abundante documentação no arquivo da Juventude Comunista Portuguesa.

© Etnográfica Press, 1994

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540