Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

A Colecção

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Luísa Tiago de Oliveira

Parte I. A Via dos Artefactos

Abordagem da colecção

Jorge Freitas Branco

Texte intégral

Prelúdio

1Encontrava-se a Colecção numa sala do Convento de Jesus, quando com ela tivemos o primeiro contacto. Numa deslocação realizada semanas antes, foram fixados com os responsáveis do Museu do Trabalho os objectivos do trabalho a empreender, as condições logísticas necessárias à sua execução e o calendário mais adequado para a concretização das tarefas em vista. Tivemos acesso aos materiais conhecidos pertencentes ao espólio: fotografias tiradas pelos brigadistas, alguns negativos das mesmas, listas de inventariação. Discutiram-se os problemas que a localização da Colecção acarretava no âmbito da conservação. Foi-nos explanada a política norteadora e o programa de actividades do Museu do Trabalho, para poder ser entendido o relevo que se pretendia dar ao espólio de Michel Giacometti. Nessa jornada de abordagem, reuniram-se dados dispersos, visionou-se a Colecção na generalidade, observaram-se algumas peças, as respectivas etiquetas e o seu estado de conservação.

Primeira batalha

2Inicia-se o inventário à vista (IVT). Esta tarefa ir-se-ia desenrolar em sessões de dias inteiros. Mais de mil peças estavam arrumadas numa sala com cerca de vinte e cinco metros quadrados. Os artefactos de menor dimensão encontravam-se em estantes metálicas ao longo das três paredes, deixando mais ou menos livre a da porta de acesso ao exterior (claustro). Ao centro, uma armação alta em forma de cubo suportava a maioria dos jugos. Embora existente, a área de circulação acabara por ter sido sacrificada aos objectos de maior dimensão. Algumas mesas serviam para agrupar conjuntos de pequenas peças, como as foices, as cornas, as almotolias. Para desenvolver o trabalho, era necessário dispor de uma área desafogada, para onde fosse possível ir deslocando as peças, de forma a manuseá-las individualmente. A luz natural na sala não satisfazia os mais modestos requisitos. A iluminação eléctrica não melhorava muito a situação; como as peças estavam acondicionadas em prateleiras ou em altitude, formavam-se muitas sombras. A solução mais adequada foi recorrer à ala do claustro, onde se situava a sala. Cada peça foi levada para o exterior, a fim de ser observada e controlada a existência de chapa e de etiqueta, para apurar o respectivo número e a designação utilizada. Estas informações alimentavam uma lista, onde se confirmavam os dados referidos ou se procedia à sua correcção. Do manuseio directo da peça retiravam-se outros elementos, quando tal pareceu pertinente. A estratégia encontrada consistiu em avançar no IVT, agrupando o mesmo tipo de artefactos. Isto nem sempre foi possível, pela dificuldade em movimentar o material dentro da pequena e improvisada reserva. Por outro lado, não fora este o critério adoptado na arrumação.

3Ao fim de cada dia, o acervo deslocado para o exterior era reacomodado no interior da sala, respeitando-se a sua anterior localização. A fim de evitar repetições involuntárias na inventariação em curso, tentou-se sempre ir abrangendo por cada sessão diária de trabalho um número determinado de prateleiras ou um sector de parede facilmente delimitável. Terminada a recolocação, fazia-se, com base na lista, uma verificação do avanço relativo a essa jornada: contagem das peças manipuladas, avaliação visual do conjunto ainda por abordar, balanço das questões específicas detectadas. Logo neste dia revelaram-se casos de não conformidade entre o número de inventário e a designação da etiqueta. Surgiam objectos destituídos de uma destas componentes de identificação. Houve, por conseguinte, que improvisar dentro da sala uma área destinada a acolher os casos pendentes, constituídos aparentemente por artefactos erráticos. Neste dia, passaram-se a pente fino quarenta e cinco jugos.

4A jornada inicial acabara por ser dedicada à experimentação de um modo de trabalho e, pelo conteúdo, aos sistemas de atrelagem. Para evitar qualquer percalço, a lista do IVT foi elaborada num caderno, pois o uso de folhas soltas equivaleria ao risco de perder algumas delas no futuro. Optou-se pelo uso de esferográfica de tinta preta, não só por ser indelével, mas também por facilitar a fotocópia.

Segunda batalha

5Durante a manhã sucederam-se as cangas. Ao contrário da sensação ganha na sessão anterior, nem todas pareciam provir da região de Aveiro. Pelas chapas de matrícula ainda presas a alguns exemplares, viu-se que as havia da Beira Interior.

6Terminado este conjunto, organizou-se um ataque frontal a outro, composto por objectos de menor dimensão e mais fáceis de deslocar: as espadelas. Ao contrário destas, os jugos obrigavam a um considerável esforço para recolocação no seu local de arrumação. Vencida a primeira dúzia, começaram a aparecer as gadanhas com cabo e outras sem ele; sachos; forcados com dentes, deles já destituídos ou tendo-os partidos; lâminas de enxada; um rastro; engaços completos e muitos desencabados; pesos e medidas; e, chegados aos manguais, sentia-se uma lufada de sabor mais estival.

7Ao fim da tarde escaldante no exterior, mas muito fresca naquele claustro — a diferença de temperatura rondava os 12º C — a progressão pelas entranhas da Colecção tinha sido considerável: noventa peças controladas.

8Em relação ao primeiro dia, o ritmo de cobertura de objectos fora mais rápido, concluindo-se, por isso, que as peças de pequena dimensão tornavam aquela travessia do deserto artefactual menos castigadora para expedicionários apostados em resistir a grandes amplitudes térmicas. De facto, o material graúdo implicava uma deslocação individual das peças, enquanto as outras podiam sê-lo à dúzia — no caso das espadelas —, ou a quilo — quando se tratou das enxadas sem cabo.

9Numa perspectiva mais centrada na gestão de património museológico, constatou-se um aumento da frequência de casos de peças navegando por conta própria e sem carta marítima. No entanto, não se podia falar de situação dramática. Como na maioria dos casos detectados se mantinha ainda a chapa com o número presa ao artefacto, alguma anomalia na identificação era rapidamente anulada, graças a uma acção decidida de reimposição de nome no IVT.

Terceira batalha

10Foi uma terça-feira quase toda dedicada a alfaias agrícolas cortantes. Da jornada completa sairia uma longa lista de utensílios separados dos seus cabos. Hoje será difícil determinar se a separação do componente ausente foi acontecendo ao longo dos anos, já depois de chegadas ao enquadramento museológico, ou se a amputação se verificou durante o transporte ferroviário ou outro, no trajecto desde os campos em direcção à cidade.

11Esta empreitada nada tinha de monótono. A configuração das peças, as etiquetas de papel e as chapas com o número de inventário gravado permitiram uma leitura conjugada, diferenciadora do que à partida parecia igual: picaretas, guinchas, sachos. O mesmo se pode dizer do ataque seguinte, lançado preventivamente contra os machados: machado, machadas, umas delas corticeiras, após passagem rápida por alguns sedeiros e ripos, que impediam o acesso à prateleira seguinte. Esta estava guarnecida de plainas e ferramentas similares. Um formão quebrou a harmonia, lembrando que não só com madeira se trabalha no mundo rural. Seguiu-se uma cesta carregada de objectos de metal, talvez o resultado do assalto feito por alguma brigada a uma oficina de ferreiro. O seu recheio compunha-se de foices lisas e dentadas, de dobradiças, de chavetas de carros de bois, umas tantas chapas de número de inventário perdidas, muita coisa com número, mas não identificável, permanecendo assim uma designação vaga e enigmática. Reporte-se como exemplo um pequeno objecto em ferro, contra o qual o investigador naquele momento nada pode fazer. E, por várias dúzias de itens, pareceu manter-se o processo de espoliação dum ferreiro desconhecido. Surgiram à luz do dia arreios, freios, tesouras de poda, de tosquia, limas, marretas, martelos, chaves de porcas e, finalmente, dezenas de foices e muitas podoas. Com duzentos e quinze artefactos revistados terminaria esta jornada, em grande parte dominada pelo metal e pelas correspondentes artes do fogo.

Quarta batalha

12O material de ferro ocuparia mais algumas horas desta etapa diária de trabalho. A uma foice inicial seguiram-se gadanhas sem cabo e depois artefactos de índole diversificada: manguais e alfaias para limpeza do cereal na eira, uma picareta com o cabo decorado, armadilhas, um berço, cortiços e uma porção de relhas. Ainda foi possível vencer uma série de chocalhos e de cornas. Para retomar, um barril provavelmente pertencente ao enigmático ferreiro já mencionado. No termo da jornada chegara-se a um total de cento e trinta e quatro peças compiladas e visionadas.

Quinta batalha

13Quase todo o dia seria dedicado à iluminária: candeias, lamparinas, gasómetros e muitas almotolias. Um fogareiro a petróleo pelo meio, recordando que nem todo o combustível era de origem local.

14Apareceu um objecto grande e atractivo, cuja representação em colecções raramente se cifra pelas dezenas — um trilho. Foi a primeira vez que se estabeleceu de imediato uma ligação com a informação existente na documentação contida no Museu do Trabalho, e vista de relance no primeiro dia. Na pasta das fotografias, havia ampliações de muito boa qualidade, que remetiam para este artefacto: um homem e um rapaz conduziam uma junta de vacas cangadas ao trilho, circulando pela eira. Muito mais tarde ser-nos-ia possível identificar e contactar com o jovem apanhado através da lente fotográfica por um camarada da sua brigada. O trabalho ligara-os ao Povo, a fotografia perpetuava e proporcionava currículo a uma peça. Seguiu-se uma cadeira de barbeiro, situação única em toda a colecção.

15O dia trouxe mais pequenas surpresas. Imaginaram-se ranchos de mulheres na debulha do milho, foi relembrada rega pontual com um cabaço, empreendeu-se uma entrada sem cerimónia pelos domínios da tecelagem, graças a muitos fusos e a algumas dobadoiras. Encontraram-se porções de rocas, estando muitas parcialmente danificadas. Uns pares de dedeiras e de canudos convidavam a reencenar as ceifas. Um carrinho para bebés ensaiarem os primeiros passos anunciava uma incursão pelos interiores domésticos: uma broeira, trempes, bancos, tripeças. Com esta jornada, outras cento e quarenta e quatro peças foram referenciadas.

Sexta batalha

16Esta sessão de inventariação à vista iniciou-se com a manipulação de coisas muito diversas. Uma panela de serrador, uma cruz de procissão, um Sagrado Coração pintado de vermelho, nichos, sarilhos, tachos, um trambolho, mais armadilhas, maços em boa quantidade, odres, dobadoiras, peças de barro, uma terrina, tirantes. O dia terminou com uma mó.

17Ao todo, apenas sessenta e uma peças, mas em contrapartida uma situação já de tal modo avançada, que se impunha um balanço desta cavalgada. O espaço dificultava cada vez mais o manuseamento do acervo ainda por tratar. Por outro lado, ao controlar o trabalho de IVT, verificou-se uma sobreposição. Neste dia havia-se novamente listado a cadeira de barbeiro. Como era grande e só havia uma, não restavam dúvidas quanto ao equívoco. A ocorrência alertava para a necessidade de alterar o procedimento futuro. Chegou-se à conclusão de que seria oportuno introduzir a informação disponível numa base de dados, por forma a garantir um acesso rápido e seguro aos artefactos, pelo número de inventário ou pela designação da peça. Por outro lado, tornara-se urgente começar um confronto sistemático com as anteriores inventariações feitas à Colecção. As respectivas listas constavam do Inventário de Doação (ID), que constituíra o documento básico para a transferência definitiva de propriedade daquele acervo para o Município de Setúbal e do Inventário do Museu do Trabalho (IMT), uma tarefa já realizada pelo próprio Museu do Trabalho, provavelmente em meados da década de 80.

Retaguarda

18Três fases curriculares da Colecção foram digitadas para bases de dados. Passou a ser possível comparar directamente as listagens. A primeira conclusão preliminar tirada foi de que cerca de oito centenas de peças coincidiam nas três listagens referidas: ID, IMT e IVT. Em contrapartida, tornaram-se evidentes problemas de fundo. O efectivo de peças abrangidas até aí pelo IVT era bastante mais baixo do que as acima de nove centenas contidas no IMT e, por sua vez, este último cômputo ficava aquém das cerca de mil e duzentas enumeradas no ID. Mas foi igualmente possível proceder a numerosas correcções e precisões. Muitos objectos que, no nosso manuseamento directo, tinham a chapa ou a etiqueta trocadas, caídas ou desaparecidas foram reinseridos na posição certa. Por esta altura, a direcção do Museu do Trabalho conseguiu transferir o espólio em estudo para outras instalações — o chamado Pólo da Bela Vista —, onde as condições de depósito, manutenção e conservação passaram a ser boas (ver Velez 1991). O espaço global disponível também aumentou consideravelmente; para além de uma área de circulação muito maior, foi possível conseguir uma arrumação mais adequada, caracterizada por melhor acessibilidade e visibilidade.

19Aproveitou-se a instalação no novo local para realizar uma primeira grande acção de controlo e verificação de todos os objectos, tendo presentes as três listagens. Dela resultou o ressurgimento de muitas peças e a possibilidade da sua imediata identificação. Esta tarefa não suscitou dúvidas, sempre que se tratava de artefactos representados por um ou dois exemplares em toda a Colecção. Chegou-se a uma fase de actualização directa da base de dados IVT, e o confronto com as outras duas permitiu converter peças até aí erráticas em objectos inventariados — exemplo de uma escada, de um búzio, de uma albarda, de um naperon, de uma croça. Adoptou-se um critério aleatório quando o número de objectos sem qualquer marca de anterior inventariação — tendo, portanto, passado a erráticos — coincidia com as indicações do ID. Nestes casos atribuiu-se um dos números livres neste último documento a um objecto. Ao tomar esta decisão houve consciência de que deste modo se podia trair qualquer informação suplementar que mais tarde viesse eventualmente a ser detectada sobre a respectiva procedência geográfica. Dito de outra forma, deixaria de se saber se uma lanterna ou uma roca, naquele momento com o estatuto de erráticas, tinham sido recolhidas no Alto Alentejo ou em Trás-os-Montes. Esta questão tornava explícito um problema, à altura irresolúvel: a determinação do local de recolha. Apesar das novas evidências, era positivo o saldo da inventariação à vista. Em relação ao ID, só cerca de 8% dos artefactos não foram reencontrados. Para um espólio durante cerca de dez anos a circular por vários locais com condições precárias, envolvido numa disputa pela respectiva pertença e finalmente tutelado por uma instituição, ela própria em arranque, poderá afirmar-se que o défice é baixo.

20Quatro sessões mais realizar-se-iam na Bela Vista. Às peças foram atadas novas etiquetas, com a informação reencontrada. Nos casos em que a chapa se desprendera, foi pintado a tinta envernizada o elemento identificador. Com a reserva técnica no Pólo da Bela Vista, o Museu do Trabalho passou a poder mostrar a Colecção a sectores seleccionados de público, sendo organizadas regularmente visitas guiadas para as escolas.

Interrupção

21Mesmo antes de iniciar a pesquisa, afigurou-se-nos decisivo contactar Michel Giacometti. Foi nossa intenção pô-lo ao corrente da pesquisa proposta pelo Museu do Trabalho, solicitando a sua anuência, na medida em que ele, como mentor do Plano Trabalho e Cultura (PTC) e colector colectivo daquele espólio, deveria pronunciar-se sobre o nosso propósito. Até à sua morte tivemos vários contactos prolongados, em que demos conta do avanço da inventariação à vista. Ele receava que o montante das peças entretanto extraviadas fosse elevado, desvalorizando um acervo reunido em moldes tão originais. Logo que o avanço do trabalho o permitiu, mostrámos os resultados comprovativos do estado da Colecção. Com satisfação reflectimos sobre as vias a explorar na investigação posterior. Era ponto assente que o contexto de recolha seria uma via fundamental a aprofundar. Das trocas de impressões com o Museu do Trabalho, e uma vez que M. Giacometti nos havia facultado um conjunto de documentos, onde estava a lista completa dos ex-brigadistas, ordenada por equipas, surgiu a ideia de encontrar o maior número possível de ex estudantes do PTC, para os reunir num encontro. Pensava-se desta forma conseguir não só depoimentos a quinze anos de distância, como juntar materiais que se baseassem em recordações pessoais. M. Giacometti logo aderiu à ideia, pensando-se na sua realização num fim-de-semana próximo. Enviaram-se circulares, solicitando materiais e indagando do paradeiro de outros ex-brigadistas.

22O autor do PTC faleceu quando o número de ex-brigadistas reencontrados nos pareceu suficiente para mandar uma convocatória. Pouco depois, a 17 de Fevereiro de 1991, realizou-se o Encontro de Setúbal. O entusiasmo dos ex-PTC perante a investigação em curso foi grande, tendo sido compilados materiais e informações em quantidade apreciável. No entanto, interrompera-se a ligação ao topo da pirâmide.

Infiltração

23Tratado em termos de identificação todo o acervo reunido pelo PTC, atingido um nível aceitável de ordenação do espólio, restava iniciar a segunda grande etapa no estudo da Colecção. Era preciso desvendar-lhe vertentes caracterizadoras para não continuar um simples amontoado de cultura material reunida em determinada altura por quase todo o país. Encarado nestes moldes, o acervo fundador do museu onde estava albergado não passava de mais um conglomerado de objectos retirado no tempo e no espaço de um Portugal rural recentemente desaparecido. As pistas disponíveis sobre o contexto de recolha — a orientação do olhar construído sobre as pessoas e os locais onde foram obtidas — eram tão vagas que não proporcionariam um discurso específico sobre aquela colecção. E, se a instituição proprietária tentava transmitir uma particularidade em torno dos objectos sob sua tutela, isso devia-se menos ao contexto de recolha e mais à sua associação ao mentor do PTC, com quem haviam tido relações de trabalho sobretudo em 1987, altura em que Michel Giacometti participara na primeira exposição realizada pelo museu. Numa perspectiva de elaboração de um discurso museográfico ou expositivo, só pelo número de peças e sobretudo pela sua representatividade no plano nacional seria possível distingui-la das inúmeras outras depositadas em museus locais. Contudo, e ainda dentro das particularidades imediatamente referenciáveis, chamava a atenção tratar-se de um espólio concebido e projectado para ter relevo nacional, embora colocado fora da capital. Por si só, e no campo da etnografia portuguesa, uma tal iniciativa, pela sua ambição, merecia uma apreciação mais atenta. Por último, há que equacionar o conteúdo científico. Como se concluiu anteriormente (Branco & Oliveira 1993: 247-250), por si os artefactos pouco dizem, tudo depende do modo como os queiramos encarar.

24O nosso objectivo consistiu em tentar compilar dados, a fim de encontrar elementos que conduzissem à determinação da especificidade de uma colecção etnográfica. A ordenação, identificação e tratamento estritamente etnográfico — por exemplo, confrontando-a com o Atlas Etnográfico de Portugal (AEP) ou com a série conhecida como Tecnologias Tradicionais Portuguesas (TTP) —, significava um avanço, no entanto, ainda pouco satisfatório.

25Findas as batalhas através dos artefactos inertes, passou-se à tentativa de extracção das outras vertentes. Dos objectos transitou-se para a análise aprofundada da documentação. Nas instalações de então do Museu do Trabalho (Convento de Jesus), reuniram-se os materiais de índole documental disponíveis. Dominado um conjunto de papéis formando um processo considerável, onde predominava correspondência institucional, cedo nos apercebemos de que as pistas conduziam à reconstituição duma longa marcha pelos meandros e segredos da acção administrativa. A situação assemelhava-se à de uma guerrilha com a contra-ofensiva clássica, onde as tropas foram substituídas por fileiras de papel formato A4 e as estratégias dos estados-maiores se esvaneciam nas tramitações burocráticas. Estes artefactos de novo tipo, produzidos em paralelo e, por acção remota, colados aos da própria Colecção (Bouquet 1993: 4-5), logo se revelaram demasiado centrados na vertente institucional. Mostravam uma face escondida, mas nada se apurava em relação ao contexto de recolha. Embora o visionamento dos negativos fotográficos e das ampliações existentes permitisse reconhecer no terreno algumas peças, estes suportes nem sempre ostentavam a respectiva ficha ou legenda. Às peças não era possível atribuir colector imediato e, através dele, estabelecer a proveniência no acto de recolha. Quanto à vertente institucional, ela só aclarava aspectos do grau de envolvimento das instâncias administrativas a vários níveis políticos e as respectivas esferas de influência.

O terreno

26O contacto pessoal com os protagonistas dos bastidores seria uma hipótese para conseguir ultrapassar os enigmas que os maços de papel teimavam em guardar. Eram necessários testemunhos orais. Foi feita a lista dos previsíveis melhores informantes. Os meses seguintes seriam dedicados à sua localização e à marcação de entrevistas. Esta acção iniciou-se em Setúbal, mas cedo se estendeu a Lisboa. O universo de pessoas seleccionadas era amplo, pois envolvia indivíduos empenhados na política autárquica durante os últimos quinze anos, outros ligados a actividades culturais locais e alguns que, de formas diversas, estabeleciam o elo entre Setúbal e a capital em assuntos ligados à política e à acção cultural. Esta permanência no terreno estava a dar frutos. Apercebíamo-nos dos contornos mais nítidos de alguns dos enigmas retirados dos papéis, aclarava-se o contexto imaterial da sua construção. Lentamente, pressentimos que, a uma crescente penetração na esfera local, graças à comparação dos testemunhos acumulados, maior consistência adquiriam os indícios apontando para Lisboa. Mudámos o âmbito geográfico do terreno, assentando arraiais na capital.

27A esta altura, dominávamos empiricamente a Colecção, conhecíamos os contornos do seu percurso institucional e dispúnhamos de informação importante sobre a vida das brigadas. Faltava-nos a quase totalidade de um conjunto de documentos — que deduzíamos terem de existir — reportando a actividade de coordenação das brigadas durante o Verão de 1975.

28Cerca de uma dezena de amigos pessoais de Michel Giacometti e outras tantas pessoas que o haviam conhecido prestaram-se a colaborar. Esforçaram-se por reavivar a memória, mas em quase todos ficara sobretudo a lembrança de uma longa e aturada actividade dedicada à captação de som. Muitos quase desconheciam a existência da Colecção em Setúbal, confundindo a sucessão e o encadeamento de ocorrências do seu enredo inicial.

29Numa noite de Novembro, foi possível consultar uma caixa com muitos dados sobre o PTC: as fichas de inscrição, a composição das brigadas, a contabilidade global e a das equipas, as bobinas com entrevistas aos brigadistas gravadas no terreno (Branco & Oliveira 1993: 291), as cadernetas com as doações de material etnográfico entregues pelos brigadistas no termo da Missão, os relatórios das brigadas seleccionados para publicação e outros elementos. Este material, conjugado com aquele que já nos havia sido fornecido por Michel Giacometti (listagem de participantes, livro de contabilidade I, cadernetas com os talões de compra de material etnográfico), formou um núcleo documental essencial ao nosso trabalho. Fomos autorizados a levar, por tempo determinado, estes materiais para deles extrair o que nos viesse a ser útil. Era madrugada, e não havia neblina, quando os enfiámos no carro e abalámos daquela zona urbana situada a oeste da cidade. Apesar da hora, o alvoroço transformou-se em fome. Um taxista indicou-nos um restaurante fast food ainda aberto no centro de Lisboa. Devorámos hamburgers duplos, regados a Coca-Cola espumante e fria, servida em copos grandes não reutilizáveis, mas feitos de material reciclável. Eram modos de comemoração espontânea desconhecidos em Portugal, ao tempo em que os brigadistas desenvolveram a sua acção pelos quatro cantos do país.

30A permanência, durante vários meses, de dois investigadores num terreno de características tipicamente urbanas havia sido coroada de êxito. O anonimato heroicamente mantido em inúmeros cafés, restaurantes, casas particulares, a destreza imbatível no uso do telefone para a marcação de encontros, a mobilidade quase ilimitada graças à perícia para circular a velocidades vertiginosas por uma ponte de grande envergadura ligada a uma auto-estrada, sem ferir a susceptibilidade dos nativos, a experiência duramente adquirida para percorrer a selva urbana sem outra camuflagem que a própria multidão em movimento, a resistência dos nossos organismos em acompanhar os naturais nas suas quase permanentes e intermináveis ingestões de pequenos tragos de denso e espesso café açucarado e torrado à máxima amargura, todo este treino longo de inserção numa cultura diferente havia possibilitado alcançar locais e instâncias inatingíveis ao comum da população e ganhar a confiança dos que por elas zelavam, impedindo o acesso ao tesouro cobiçado. Podíamos agora abordar a Colecção segundo três pontos de vista: a cultura, as instituições, a etnografia.

A grelha

31Níveis múltiplos de informação caracterizam o estado alcançado na descrição da Colecção. Para o efeito, desenvolveu-se uma grelha que incorporasse os dados à medida que se abordavam individualmente os artefactos (ver Catálogo Descritivo). A tabela compõe-se de quatro colunas. Da esquerda para a direita foi disposta toda a informação disponível, assim como o resultado do cruzamento dos respectivos níveis:

- a primeira coluna tem a designação definitiva do artefacto. Ela destina-se à consulta rápida.

- segue-se-lhe, uma segunda coluna, com o número do objecto em causa, de acordo com o IMT.

- na terceira coluna encontramos na
primeira linha a designação, também de acordo com o IMT;
a segunda linha reporta a informação correspondente no ID, ou seja, novamente o número e designação da peça;
a linha abaixo destina-se a informar sobre a recolha (a equipa, o anterior proprietário, o local, o modo de aquisição);
finalmente, um espaço para as observações que possam interessar para a discussão da peça em causa.

- a quarta coluna dá a classificação decimal internacional convencionada para a etnografia europeia, de acordo com a Société Internationale d’Ethnologie et de Folklore (SIEF) e publicada por W. Hansen (1969: 148-153).

Discussão

  • 1 A proposta é então assinada por Wolfgang Jacobeit (Alemanha, ex-RDA), Tamás Hofer (Hungria), Cornei (...)

32A ordem de apresentação da informação da tabela não reflecte directamente o modo como os dados disponíveis foram tratados e incorporados. Numa primeira fase listou-se o IMT pelo seu número crescente. Em seguida, introduziu-se uma coluna à direita, para proceder a uma classificação por assuntos. Escolheu-se a da SIEF, visto ter reflectido, na altura em que foi aprovada, um consenso entre vários grupos de cientistas europeus, trabalhando em simultâneo no levantamento e na inventariação de processos de trabalho e das alfaias agrícolas. Embora hoje os equipamentos para tratamento de informação já nada tenham a ver com os que naquela altura se pretendia vir a utilizar (arquivos de fichas perfuradas), pareceu-nos adequado o critério temático, na medida em que a esmagadora maioria dos objectos da colecção em estudo remetem para o mundo rural e o contexto de recolha também privilegiou o meio social camponês. Nesta ordem de ideias, o enunciado programático referido, elaborado pela comissão da SIEF na década de 60,1 ao pretender a instalação de arquivos de documentação sobre a história e o desenvolvimento da agricultura europeia numa perspectiva etnológica, estava próximo dos intuitos científicos gerais e indirectos na altura invocados como adicionalmente justificativos do lançamento do PTC. Contudo, há que sublinhar uma diferença fundamental. Enquanto o objectivo da SIEF não se confina a fronteiras nacionais, constituindo um programa num campo científico concreto, a ser desenvolvido por uma rede transnacional de investigadores profissionais, no caso do PTC a motivação decisiva assenta num projecto de militância cultural num contexto de leitura política nacional (Branco & Oliveira 1993). Salvaguardada esta questão, e num âmbito centrado essencialmente nos objectos, a adopção deste procedimento será o mais lógico, na medida em que mais adiante se abordarão outros levantamentos etnológicos de cultura material efectuados em Portugal.

33A proposta da SIEF estabelece como critério os modos de trabalho e de produção na agricultura, onde serão de integrar os instrumentos e demais utensilagem, mas tendo a actividade humana como ponto de partida. Daí os objectos surgirem associados a processos concretos e não a tipologias morfológicas ou funcionais (por exemplo, um arado destinado às vinhas entra numa ordenação diferente de um arado para terras de pão). Por outro lado, aspectos determinados da esfera de produção e transformação agrícolas caracterizadores de muitas regiões europeias são postos de parte, talvez por as particularidades dificultarem ou impedirem a elaboração de linhas esquemáticas de classificação operacionalizáveis. É o caso da vinha, do azeite, da cortiça e dos hábitos alimentares, só para citar esferas de grande peso no terreno de investigação aplicado à realidade portuguesa.

34Ao submeter a Colecção a este primeiro crivo, obteve-se um segundo nível de informação. A situação anterior não permitia um tratamento de índole mais sistematizante, porque só era possível ordenar os artefactos pelo seu número de inventário, ou então alfabeticamente pela respectiva designação. No entanto, estas tarefas — sobretudo a primeira — só têm importância numa perspectiva muito restrita de controlo e gestão de existências nas reservas de um museu; a listagem pela designação pode até induzir facilmente a erros (por exemplo, uma enxada de bicos aparece separada de um outro instrumento para cavar como uma guincha).

35A incorporação de uma dimensão suplementar, constituída pela arrumação por domínios estabelecidos e convencionados, proporcionou outro arranjo global das peças, surgindo agora conjuntos edificados pela ordenação funcional, correspondentes a fases dos ciclos de produção agrícola, a tarefas e a actividades determinadas (ainda a título ilustrativo, as debulhas de cereal, o ferreiro, a pastorícia). Empreendido este passo, sobraram uma série de peças, às quais não tinha sido possível atribuir uma classificação decimal. Tratava-se dos domínios regionais europeus, pela sua especificidade não abrangidos. A fim de integrá-las, criaram-se espaços, expandindo aleatoriamente a ordenação decimal. A configuração acrescentada é a seguinte:

4.5 - Outros

4.5.1 - Resina

4.5.2 - Lenha

4.5.3 - Carvão

4.5.4 - Serração

4.5.5 - Cortiça

6.5 - Cordoaria

11 - Vinha

12 - Azeite

13 - Recheio doméstico

14 - Iluminação

15 - Miniaturização

36Verifica-se, no caso da lenha, do carvão vegetal, da serração de madeiras, do aproveitamento de resinas e da extracção da cortiça, uma ampliação num domínio já definido, o das apropriações directas. Nas restantes situações, optou-se por introduzir novos níveis por progressão numérica, fora da inicialmente cativada na proposta da SIEF (Hansen 1969: 148-153). Esta opção não pretende, e não pode, ser definitiva. Também não se trata sequer de uma proposta, sobretudo nos casos 11 a 15. Destina-se a resolver provisoriamente um problema concreto. Contudo, é uma questão crucial na maioria dos acervos etnográficos portugueses. Por isso, não se elabora uma diferenciação mais aprofundada.

37Com a introdução deste nível de informação, deixou de se trabalhar com um universo de objectos, cujo denominador comum resultava do facto de possuírem um mesmo contexto de recolha (o PTC), abstraindo-nos neste momento de algumas incorporações posteriores de peças feitas por M. Giacometti. O nível introduzido permite o tratamento comparado. Ao poder ser caracterizada por elementos mais substantivos que a simples dimensão estatística dos efectivos que a compõem, a Colecção abre-se ao confronto com outras.

38Organizados em conjuntos e em subconjuntos funcionais, de acordo com o critério acima discutido, os objectos ganharam uma nova disposição. Chegada esta fase, acrescentou-se mais um nível de informação. A coluna 3 (contada da esquerda da tabela) foi dilatada, por forma a receber os dados facultados pelos talões de aquisição de material etnográfico — os talões preenchidos pelos brigadistas sempre que obtinham um artefacto, quer fosse oferta, quer se tratasse de compra. Deste modo, foram acrescentados campos para recepção de informação curricular sobre cada peça. Eles encontram-se sob a respectiva designação retirada do IMT. A expansão abrange:

- doação; onde se introduziu o número segundo o ID;

- recolha; do confronto entre estes elementos foi muitas vezes possível determinar a equipa que procedeu à recolha e o anterior proprietário;

- obs.; espaço destinado a anotar eventuais discrepâncias, dúvidas e incertezas suscitadas pelas operações anteriores.

39Esta operação não pôde ser elaborada através do confronto imediato das listagens do IMT e do ID. A informação acumulada era imensa, mas fragmentada; ou seja, a esta altura não havia nenhum elemento comum presente em todos os níveis de informação introduzidos. O estabelecimento de identidade de peças só podia ser tentado na base da sua reapreciação individual, tendo o IVT por documento-guia.

40Se em muitas situações foi possível chegar a resultados conclusivos, são frequentes os casos em que a determinação da recolha deverá ficar incerta ou então dada como provável. Relativamente a muitas entradas da tabela, não parece ser possível ter êxito nesta operação de posterior atribuição de colector, do local e do modo de aquisição. Mas os limites do procedimento desenvolvido no tratamento dos objectos é, no seu resultado negativo, de não menos importância. As peças com recolha indeterminada coincidem com os subconjuntos de objectos mais representados na colecção em número de exemplares. Trata-se de almotolias, apetrechos de atrelagem, alfaias de preparação da terra ou instrumentos do processo de tecelagem, e todos eles podem ter sido obtidos em quase qualquer ponto do país. Por outro lado, a compilação das recolhas de cultura material feitas por brigada, tal como está referida ao longo da obra anterior (Branco & Oliveira 1993: XIII-XIV), dá uma ideia da actividade de cada equipa neste domínio. Contudo, o cruzamento não é possível, visto não se saber qual o número atribuído no ID às peças chegadas durante o Verão a Lisboa, ou levadas directamente para Setúbal.

41No que respeita à doação, a introdução da informação do ID destina-se a auxiliar na detecção de incongruências devidas a imprecisões, ou a desajustes ocasionados por chapas de identificação separadas do seu artefacto ao longo do tempo. Perante estes casos, optou-se por uma determinação definitiva pelo IVT. Sempre que tal aconteceu, fez-se a anotação na linha obs; e, por fim, procedeu-se à atribuição de designação definitiva da peça na primeira coluna à esquerda da tabela.

Resumo

42Apresentado o método desenvolvido e aplicado, discutidas as questões dele derivadas, equacionados os problemas surgidos no processo de tratamento da Colecção, pode proceder-se ao resumo. Da leitura

- das duas primeiras colunas (designação, número da peça) obtém-se a designação e o número da peça, de acordo com o estado actual da Colecção;

- da segunda (número da peça) e terceira colunas retira-se a informação apurada sobre o passado histórico, em termos de recolha, da peça pretendida.

43A ordenação geral dos objectos reportados fez-se pelo critério funcional (classificação decimal); dentro deste, por ordem alfabética da designação e, perante coincidência desta, eles aparecem por ordem numérica crescente baseada no IMT.

44Cabe agora fazer um comentário sobre a bibliografia referenciada e compilada no final deste volume. Ela não só cobre os títulos explicitamente citados ao longo do texto, como abrange um leque de obras de referência e consulta para aprofundar aspectos subjacentes ao contexto de recolha, ao tratamento de colecções, ao enquadramento de cultura material e às relações entre estes domínios e a museologia etnográfica.

Notes

1 A proposta é então assinada por Wolfgang Jacobeit (Alemanha, ex-RDA), Tamás Hofer (Hungria), Corneille Jest (França) e Ernesto Veiga de Oliveira (Portugal).

© Etnográfica Press, 1994

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter