Version classiqueVersion mobile

De Afonso X a Afonso XI

 | 
Maria do Rosário Ferreira

Os reinados finais da Crónica Geral de Espanha de 1344: índice de personagens

António Resende de Oliveira

Texte intégral

Apresentação

1Para além do elenco das personagens citadas nos reinados de D. Afonso X, D. Sancho IV, D. Fernando IV e D. Afonso XI, incluíram-se algumas notas de carácter biográfico naquelas que surgem com um maior protagonismo na narrativa ou cuja presença se liga mais de perto ao Conde de Barcelos. A seguir ao nome ou cronologia indica-se o reinado (ou reinados) em que este é mencionado. Foi igualmente pensada a integração neste índice dos lugares mencionados na obra, seguindo-se igualmente o critério de acrescentar algumas notas de enquadramento aos considerados mais significativos. Este ponto foi, em parte, ultrapassado pela análise toponímica efectuada em “A Castela do Conde nos reinados finais da Crónica de 1344”, estudo para o qual remetemos.

Afonso (D.), senhor de Valência

2Referido no reinado de Afonso X.
Filho do infante D. João.

Afonso, infante D. (filho Sancho IV)

3Referido no reinado de Sancho IV.

Afonso III de Aragão (1265/85-1291)

4Referido no reinado de Sancho IV
Primogénito de D. Pedro III e de Constança da Sicília, casou com Leonor de Inglaterra, filha de Eduardo I e de Leonor de Castela, mas morreu repentinamente sem ter recebido a infanta inglesa. Herda a coroa de Aragão enquanto o reino da Sicília é deixado ao irmão Jaime. O início do seu reinado foi marcado pela tentativa de resolução de problemas mediterrânicos: a pacificação da situação em Maiorca e uma expedição a Minorca, com a rendição do governador muçulmano Abenhaçam. No Ampurdan teve de repelir ataques do tio Jaime de Maiorca, que ameaçava o país a partir do Rosellón. Necessitado do apoio da nobreza, viu-se obrigado a ceder perante uma coligação de nobres e cidades — a União Aragonesa —, que recuperam privilégios e o direito de vigilância e contestação da monarquia, uma situação que se manterá até meados do século XIV. Em 1288 o relacionamento com Castela não era o melhor, porquanto segue o partido de Afonso de la Cerda contra Sancho IV, proclamando este infante como rei de Castela em Jaca. Manteve, neste contexto, algumas lutas fronteiriças com Castela entre 1289 e 1291, esperando, em troca, poder alargar o reino com a cedência de Múrcia e sua região por parte do infante. Foram precisamente alguns episódios deste conflito que deixaram eco na narrativa da Crónica de 1344. Morreu, porém, neste último ano com apenas 27 anos. Sem descendência, deixa o reino ao irmão Jaime da Sicília, sob a condição de ele deixar o reino da Sicília ao irmão Fadrique.
Bibliografia: Germán Bleiberg (dir.), Diccionario de Historia de España, 3 vols., Madrid, Revista de Occidente, 1968-69 (vol. I, p. 146-147).

Afonso IV de Portugal (1291/25-1357)

5Referido no reinado de Sancho IV, Afonso XI.
Primogénito de D. Dinis e de Isabel de Aragão, casa em 1309 com Beatriz de Castela, filha de D. Sancho IV e de D. Maria de Molina. Apesar de um início de reinado perturbado ainda pela resolução dos conflitos por ele alimentados nos últimos anos do governo do pai, quase poderá dizer-se que Afonso IV prosseguiu a política de D. Dinis, quer a nível interno quer externo. No primeiro caso, mantendo o percurso de organização e autonomização progressiva do Estado — visível mormente na organização do desembargo régio ou na administração da justiça (reforço dos juízes de fora e aparecimento dos corregedores) —, continuando a legislação tendente a debelar abusos senhoriais e melhorando a administração concelhia e a actuação dos seus representantes nas cortes. No segundo, mantendo boas relações com os reinos vizinhos, por intermédio de tratados com Castela ou Aragão ou da negociação de projectos matrimoniais. A guerra com Castela nos anos de 1336-1339 foi um intervalo rapidamente ultrapassado e a chegada dos muçulmanos marroquinos à Península solidificou a paz conseguida juntando os reis português e castelhano na vitória do Salado. A continuidade da política dionisina verificou-se igualmente nas preocupações com o incentivo às actividades comerciais com a Inglaterra ou na legislação e tratados afins. A partir de finais dos anos quarenta, a peste negra marca um período final de reinado mais sombrio, onde não faltam semelhanças com o reinado do pai, tendo em conta a guerra com o filho D. Pedro em resultado da morte de Inês de Castro.
Bibliografia: Joel Serrão e A. H. de Oliveira Marques, Nova História de Portugal, vol IV, Lisboa, Presença, 1987, p. 495-505; José Mattoso (dir.), História de Portugal, vol. II, Lisboa, Circulo de Leitores, 1993, p. 483-487.

Afonso X (1221/52-1284)

6Filho de D. Fernando III de Castela e de Beatriz de Suábia, nasce em 1221. O seu futuro seria suceder ao pai no governo do reino de Castela, mas nove anos depois essa sucessão estender-se-ia a Leão, enquanto o rei se encarregava do alargamento do reino a sul, com as conquistas de Córdova e Sevilha, entre outras povoações de menor importância. Pelos anos 40 colaborava já nesta frente militar procurando, ao mesmo tempo, controlar a progressão dos reinos vizinhos Aragão e Portugal. Em 1252 recebe um reino que ocupava já boa parte da Península cristã e que se tornava necessário estabilizar e reorganizar política e administrativamente. Esta orientação seria, contudo, alterada pela candidatura ao Império germânico. Iniciava-se então uma nova fase da sua vida, de perto de 20 anos, em que os projectos anteriores seriam subordinados a esse novo objectivo. Em 1275, com o fim do sonho imperial após o encontro com o Papa, preparava-se um fim de reinado difícil, em virtude da morte do herdeiro, nesse mesmo ano, e dos problemas com a nobreza que, poucos anos antes, por 1272-1273, se haviam avolumado, levando alguns membros das principais linhagens do reino a procurarem o exílio junto do rei de Granada. As queixas da nobreza em relação ao monarca associaram-se às expectativas de aceder ao trono por parte do infante D. Sancho, ambas convivendo mal com as indecisões do monarca em relação à sucessão. Em 1282, uma reunião em Valladolid em que se encontraram as principais forças do reino, caucionou a tomada do poder pelo infante, remetendo Afonso X ao seu reduto sevilhano, onde morreria a 4 de Abril de 1284.
Bibliografia: A. Resende de Oliveira, “Na casa de Afonso X. O rei, a corte e os trovadores (abordagem preliminar)”, Revista de História das Ideias, 31 (2010, p. 53-58.

Afonso XI (1311/12-1350)

7Filho de Fernando IV e de Constança de Portugal, filha de D. Dinis. Casa com Constança Manuel, casamento não consumado e anulado, e com Maria de Portugal, filha de D. Afonso IV e de Beatriz de Castela (1328). A hegemonia da alta nobreza e de alguns membros da família régia fez-se sentir nos primeiros anos do seu governo, com tentativas de controle do poder, por vezes efectivas, por parte de infantes e de magnates das principais linhagens do reino. Após a regência, num primeiro momento, dos infantes D. João e D. Pedro, tio avô e tio do rei respectivamente, candidatam-se D. João o Torto, filho do primeiro, o infante D. Filipe, irmão do segundo, e ainda D. João Manuel, após a morte dos primeiros na veiga de Granada, à qual se seguiu a morte de Maria de Molina sob cuja custódia o rei se encontrava. A paralisia do governo, por falta de consenso quanto aos novos candidatos ao trono, somente foi resolvida a partir de 1325 com a assunção do poder pelo rei e a escolha de uma nova corte onde pontificaram figuras de menor relevo como Álvaro Nunes Osório e Garsilaso de la Vega. Apesar da renúncia ao trono de Afonso de La Cerda em 1331, nos anos seguintes Afonso XI terá ainda de conter a rebeldia de alguns magnates, em particular de D. João Manuel e de D. João Nunes de Lara III, dominados após terem sido sitiados em Lerma e Penafiel. Nos finais da década, perante a ameaça muçulmana resultante da coligação do rei de Granada com forças marroquinas, consegue, com o apoio dos reis peninsulares, uma importante vitória no Salado e, quatro anos depois, a conquista de Algeciras e o domínio do estreito. Da ligação com Leonor de Gusmão ficariam alguns filhos, entre os quais Henrique (futuro Henrique II de Castela), que contribuirão para as perturbações que ensombrarão o reinado seguinte.

Afonso de la Cerda (1270-1344)

8Referido no reinado de Afonso X, Sancho IV, Fernando IV
Filho mais velho de D. Fernando de la Cerda e de D. Branca de França e neto de D. Afonso X, nasceu em Valladolid em 1270. Após a morte do pai, em 1275, a rainha D. Violante leva-o, com o irmão D. Fernando, para Aragão, onde foi criado no castelo de Játiva. De acordo com as Partidas, poderia perfilar-se como representante do pai na sucessão após a morte deste em 1275. No testamento de D. Afonso X surge como herdeiro de Leão, cláusula que não foi respeitada. Libertado em 1288 por Afonso III de Aragão, foi proclamado em Jaca rei de Castela e de Leão, sob os auspícios de Diego Lopez de Haro, filho de Lopo Diaz, que tinha conseguido a sua libertação. Em 1290 procura auxílio em França sem nada conseguir. Após a morte de Sancho IV, com o apoio do infante D. João e de Jaime II de Aragão, entra em Castela e vê o seu exército desbaratado pela peste no cerco de Mayorga (1296). As conquistas para a sua causa, onde momentaneamente aparece D. Dinis, não lhe conseguem fazer valer as suas pretensões. Retorna a França em 1302, e depois em 1312, mas sem nunca conseguir os apoios desejados. Em 1331 parece abandonar a reivindicação anterior, prestando juramento de fidelidade a Afonso XI. Casou com Mafalda de Narbona, senhora de Lunel, de quem teve D. Luís que casou, por sua vez, com Leonor de Gusmão, por via de quem os la Cerda incorporarão Puerto de Santa Maria no seu património.
Bibliografia: Germán Bleiberg (dir.), Diccionario..., I, cit.; Salvador de Moxó, “De la nobleza vieja à la nobleza nueva. La transformación nobiliaria castellana en la baja Edad Media”, Cuadernos de Historia – Anexos de la Revista Hispania, 3, Madrid, 1969, pp. 176-178.

Afonso Fernandes Coronel

9Referido no reinado de Afonso X.

Afonso Mendes, mestre de Santiago

10Referido no reinado de Afonso XI.

Álvaro Nunes de Lara II (depois de jul. de 1260-1287)

11Referido no reinado de Afonso X.
Filho de João Nunes de Lara I (ver biografia) e de Teresa Álvares de Azagra, senhora de Albarracín (em U é dado como filho de Nuno Gonçalves o Bom). Aparece no final do reinado de Afonso X entre os partidários de Sancho, embora esteja junto do rei em 1283. Adoptou uma atitude conciliadora para com D. Sancho IV, mantendo-se nos domínios castelhanos da linhagem durante o período de rebeldia do pai e quando do seu afastamento para França. Sendo o principal adversário da hegemonia alcançada pelos Haro na corte, não sobreviveu à queda e morte do seu opositor (1288). Em 1287, iniciando as ligações dos Laras a Portugal, apoiava o infante D. Afonso, irmão de D. Dinis, no confronto deste com o rei português a partir do seu senhorio fronteiriço no alto Alentejo. Tal facto levou ao cerco de Arronches pelos reis português e castelhano. Morreu em Marvão no final do mesmo ano.
Bibliografia: Germán Bleiberg (dir.), Diccionario..., cit.; Salvador de Moxó, “De la nobleza vieja...”, p. 41; site: medieval lands; Simon R. Doubleday, Los Lara. Nobleza y monarquía en la España medieval, Madrid, Turner, 2004.

Álvaro Nunes Osório (?-1329)

12Referido no reinado de Afonso XI.
Filho de Rodrigo Álvares Osório, senhor de Villaornate e meirinho-mor de Leão, e de Elvira Nunes. Descendentes do Conde Osório Martins, alguns membros da linhagem leonesa dos Osório detiveram cargos importantes na corte ou exerceram funções político-administrativas de carácter mais regional, como a tenência de Deza, na Galiza, e o meirinhado-mor de Leão. Mas é com Álvaro Nunes que, no reinado de Afonso XI, embora por breve período, alcançam a privança régia e o correspondente alargamento patrimonial. De acordo com a Crónica de Alfonso XI, nos quatro anos dessa proximidade do monarca, este Osório terá sido camareiro e mordomo-mor, adiantado-mor da fronteira e pertigueiro-mor de Santiago, para além de ter sido agraciado com o título de conde de Trastâmara, Lemos e Sarria e com o senhorio de Ribera e Cabrera. Tal acontecera na sequência de Afonso XI, atingida a maioridade, se ter rodeado de uma nobreza mais secundária e pertencente ao partido anti-senhorial do infante D. Filipe, tio do monarca. A sua acção concitou a oposição da alta nobreza, que levou o rei a afastá-lo das suas funções e, depois, a mandar matá-lo. Esta luta política terá deixado igualmente os seus reflexos na imagem de D. Álvaro construída pela cronística.
Bibliografia: Eduardo Pardo de Guevara y Valdés, Los Señores de Galicia. Tenentes y condes de Lemos em la Edad Media, Coruña, 2000; Salvador de Moxó, “De la nobleza vieja..., p. 158 e segs.

Álvaro Rodrigues Charinho

13Referido no reinado de Afonso XI.

Beatriz de Castela, rainha de Portugal

14Referida no reinado de Afonso X.
Filha de Afonso X.

Beatriz de Castela, rainha da Portugal

15Referida no reinado de Sancho IV.
Filha de Sancho IV.

Ben Yuçuf [Abu Yusuf Yaqub] (1269-1286)

16Referido no reinado de Afonso X.
Rei de Marrocos nos finais do século XIII. Pertenceu à dinastia berbere Merinida (= Banu Marin, Benimerines), que governou Marrocos de 1195 a 1468, na sequência dos almóadas. Os benimerines surgem pela primeira vez na Península em 1275 e manter-se-ão atentos ao evoluir da situação peninsular até à derrota que sofrerão na batalha do Salado. Ao longo deste período caracterizam-se pelas suas alianças com o reino de Granada contra Castela, tendo permanecido à frente de algumas povoações como Algeciras e Tarifa (esta até 1292). Abu Yusuf esteve na península em 1275, 1277 e 1283-85, neste último período como aliado de Afonso X contra seu filho Sancho, que lhe usurpara o trono. Ocupa, deste modo — quer pela participação nestas operações militares, quer pelos contactos mantidos com a nobreza rebelde castelhana —, um papel de algum destaque na narrativa dos acontecimentos destes anos que pode ser lida na Crónica de Alfonso X. Morre em Algeciras em 1286.
Bibliografia: Felipe Maíllo Salgado, Vocabulario de Historia Árabe e Islámica, Madrid, Akal, 1999; M. González Jiménez (ed.), Crónica de Alfonso X, Murcia, Real Academia Alfonso X el Sabio, 1998.

Constança

17Referida no reinado de Fernando IV.
Filha de D. Dinis, mulher de Fernando IV de Castela.

Diego Afonso, alcaide de Toledo

18Referido no reinado de Afonso X.

Diego de Biscaia

19Ver Diego Lopes de Haro V.

Diego Lopes de Campos

20Referido no reinado de Sancho IV.

Diego Lopes de Haro V (c.1250-1310)

21Referido no reinado de Afonso X.
Filho de Diego Lopez de Haro III e de Constança de Béarn, foi irmão de Lopo Dias de Haro III, o grande privado de D. Sancho IV morto em Alfaro pelo rei em 1288. Casou com a infanta Violante de Castela, filha de Afonso X. Foi um dos revoltosos de Lerma, tendo-se colocado ao lado do infante Sancho em 1282, altura em que casa com D. Violante, irmã deste infante. A morte prematura do sobrinho (1289) e a menoridade de Fernando IV, com as perturbações políticas então despoletadas, levaram-no a apropriar-se do senhorio de Biscaia, pertença da sobrinha Maria Dias de Haro, tendo-se, anos depois (1307), chegado a um compromisso estabelecido sob a vigilância régia: manutenção do senhorio com D. Diego e sua transferência para a sobrinha após a morte dele, recebendo os filhos Orduña e Valmaseda, povoações que constituíam uma parte do património paterno. É considerado o fundador de Bilbao pelos privilégios dados a essa vila piscatória em 1300. Morreu nos inícios de 1310, quando acompanhava o rei no cerco a Algeciras.
Bibliografia: Salvador de Moxó, “De la nobleza vieja..., p. 50-52; Ghislain Baury, “Los ricoshombres y el rey en Castilla: el linaje Haro (1076-1322)”, Territorio, Sociedad y Poder. Revista de Estudios Medievales, 6 (2011), pp. 69-72.

Dinis (D.), rei de Portugal (1279-1325)

22Referido nos reinados de Sancho IV e Fernando IV.
Filho de D. Afonso III de Portugal e de Beatriz Afonso de Castela, casou com Isabel de Aragão, irmã de D. Pedro III e de D. Jaime II. No seu reinado prolonga o percurso centralizador do pai, reposicionando-se simultaneamente no contexto peninsular. Neste particular, o casamento com Isabel de Aragão mostra as alianças políticas que privilegiou e que somente foram reavaliadas com a renovação do bom relacionamento com Castela após Alcanizes (1297). São as suas expectativas de alargamento territorial que emergem na Crónica de 1344, na sua atitude beligerante de finais do século, concluídas com o seu papel de árbitro nos conflitos políticos e sucessórios castelhanos, decorrente da estatura política então adquirida. No plano interno merecem destaque: o reatar do relacionamento normal com a alta hierarquia da igreja através das concordatas; o controle do poder senhorial por via das inquirições, de legislação e da criação de novos cargos político-administrativos; a reorganização territorial com a política de povoamento, a criação de concelhos e feiras; a criação de importantes mecanismos identitários como a difusão do galego-português escrito, a fundação da universidade ou a clarificação das fronteiras territoriais e sua defesa. Por sobre tudo isto, saliente-se o primeiro sinal inequívoco da participação da corte régia no campo cultural com a produção poético-musical do próprio rei.
Bibliografia: José Augusto de Sotto Mayor Pizarro, D. Dinis, Lisboa, Círculo de Leitores, 2011.

Diogo Lopes Pacheco

23Referido no reinado de Afonso XI.

Fadrique, infante D. (1223-1276)

24Referido no reinado de Afonso X.
Segundo filho de D. Fernando III de Castela e de D. Beatriz de Suábia, filha do Imperador D. Filipe. Em 1240, com pouco mais de 17 anos, encontrava-se em Itália, onde acompanhou a corte do Imperador Frederico II durante cerca de 5 anos, mas sem conseguir o ducado da Suábia, ambicionado em Castela. Terá casado então com Beatriz de Malespina, de quem nascerá Beatriz Fadrique de Castela (1242-77), casada com Telo Afonso de Meneses e, depois, com Simon Ruiz dos Cameros. Regressa à corte castelhana e participa activamente na reconquista, tendo-se destacado na tomada de Sevilha, onde obtem importantes propriedades e um paço. Em 1260 ausenta-se do reino juntando-se a seu irmão D. Henrique que se encontrava ao serviço do rei de Tunes. Daí parte para Itália, participando, na segunda metade da década, em apoio de familiares de Frederico II, nas lutas entre o Papado (guelfos) e o Império (gibelinos). Regressado a Castela em 1271, reconcilia-se com o rei seu irmão, que lhe cede bens em Sevilha e o governo de Ciudad Real. A evolução da situação interna, sobretudo após a morte do herdeiro D. Fernando de la Cerda em 1275 e a reabertura da questão da sucessão, fizeram com que se envolvesse em manobras políticas, juntamente com o genro Simon Rodrigues dos Cameros, que levaram o rei a justiçá-los em 1277.
Bibliografia: Julio González, Reinado y Diplomas de Fernando III, I, p. 107-109; encontram-se esboços biográficos deste infante nas biografias de Afonso X.

Fernando IV de Castela (1285/95-1312)

25Filho de D. Sancho IV e de Maria de Molina, foi irmão do infante D. Pedro, senhor de los Cameros, e de Beatriz, rainha de Portugal. Casou em 1302 com D. Constança de Portugal, filha de D. Dinis. A primeira parte do seu reinado, marcada pela sua menoridade, é confiada à rainha viúva, Maria de Molina, e ao seu tio-avô infante D. Henrique, escolhidos nas cortes de Valladolid reunidas para o efeito. Ambos se continuaram a confrontar com os problemas políticos provenientes da sucessão de Afonso X, a que se juntavam os decorrentes da nova situação política peninsular: a fragilidade dos períodos de menoridade régia, a falta de legitimação do casamento de D. Sancho com Maria de Molina, o apoio de Jaime II aos infantes de la Cerda, e a continuidade e persistência das reivindicações nobiliárquicas, sempre prontas a aproveitar momentos de conflito na corte régia. Do lado português, D. Dinis não deixou de aproveitar a conjuntura política castelhana para novas reivindicações fronteiriças que culminaram no tratado de Alcañices. Os compromissos internos e externos assumidos acabaram por tirar alguma margem de manobra ao poder régio, que se viu enfraquecido e a braços com a hegemonia de alguns infantes e da mais alta nobreza de corte. Pelos finais da primeira década do século XIV, após alguns anos de maior pacificação interna, o tratado de Alcalá de Henares parecia abrir a possibilidade de uma nova investida na luta contra o reino de Granada, jornada que viu gorados os seus intentos graças à ausência de alguns opositores da campanha, como o infante D. João e D. João Manuel.
Bibliografia: César González Minguez, “Fernando IV de Castilla (1295-1312): perfil de un reinado”, Espacio, Tiempo y Forma, t. 17 (2004), p. 223-244.

Fernando de la Cerda, infante D. (1255-1275)

26Referido no reinado de Afonso X.
Filho mais velho de Afonso X de Castela e de Violante de Aragão. Destinado a suceder ao pai, casou em 1269 com Branca de França, filha de Luís IX, de quem teve Afonso de la Cerda (1270) e Fernando de la Cerda (1275). Aparece como mordomo do pai e como adiantado-mor de Múrcia, tendo participado nas negociações com a nobreza revoltada. É nele que o rei delega a regência do reino na altura em que se ausentou da Península, em 1274-75, para a reunião com o Papa. Morre neste último ano em Villa Real (Ciudad Real), quando se preparava para fazer frente a um exército benimerine proveniente do Norte de África. O facto de o código afonsino das Partidas prever a sucessão por via dos filhos do herdeiro transformará Afonso e Fernando de la Cerda em bandeiras disponíveis para a oposição aos reis castelhanos subsequentes.
Bibliografia: Manuel González Jiménez, Alfonso X el Sabio, Barcelona, Ariel, 2004.

Fernando de la Cerda II (1275-1322)

27Referido nos reinados de Afonso X e de Sancho IV.

Fernão Guedelha

28Ver Fernando de la Cerda II.

Fernão Peres Ponce (depois de 1229-1292)

29Referido no reinado de Afonso X.
Filho de Pedro Ponce de Cabrera e de Aldonza Alfonso de León (filha natural de Alfonso IX), casou com Urraca Guterres de Meneses, de quem teve, entre outros, Pedro e Fernão Peres Ponce, que manterão a ligação da linhagem à corte régia na geração seguinte. Pertenceu a uma linhagem implantada na região a norte de Zamora e que esteve ligada à detenção de algumas tenências em terras de Astúrias e Leão. Fernão Peres ocupou alguns cargos de relevo na corte, como o de mordomo-mor de D. Afonso X (1284) ou o de adiantado-mor da fronteira e aio de Fernando IV, estes no tempo de D. Sancho IV. Em 1273 surge associado à conjura encabeçada pelo infante D. Fadrique e por D. Simon Rodrigues. Após a morte dos cabecilhas, em 1277, exila-se e coloca-se ao serviço de Filipe III de França com o seu séquito. Regressa em 1282, para a reunião de Valladolid onde o infante D. Sancho tenta assegurar a sucessão, mas no ano seguinte está junto de Afonso X, tendo derrotado os partidários do infante D. Sancho em recontros próximo de Córdova, e participado na recuperação de Mérida, controlada até então pelo infante. No ano seguinte aparece entre os testamenteiros de Afonso X, com o infante D. João e a rainha D. Beatriz. Sancho IV delega nele a educação do infante herdeiro. Nomeado adiantado-mor da fronteira da Andaluzia, participa em 1291 no acordo entre o rei e Muhammad II de Granada e, um ano depois, na conquista de Tarifa. Morre no fim deste mesmo ano em Jerez de la Frontera, sendo posteriormente trasladado para o mosteiro de Moreruela, próximo da sua região de origem.
Bibliografia: Salvador de Moxó, “De la nobleza vieja...”, p. 123-127; para a sua presença na crónica do Sábio, M. González Jiménez, Crónica..., cit.

Fernão Ruiz, prior do Hospital

30Referido no reinado de Afonso XI.

Filipe, infante D.

31Referido no reinado de Sancho IV.
Filho de Sancho IV.

Filipe IV de França (1268/85-1314)

32Referido no reinado de Sancho IV.

Gaston de Béarn [Gaston VII de Moncada]

33Referido no reinado de Sancho IV.

Gonçalo Esteves de Tavares [no texto: Gonçalo Esteveanes de Tavares]

34Referido no reinado de Afonso XI.

Gonçalo Fernandes, alcaide de Toledo

35Referido no reinado de Afonso XI.

Gonçalo Martins de Oviedo, mestre de Calatrava

36Referido no reinado de Afonso XI.

Gonçalo Vasques de Moura

37Referido no reinado de Afonso XI.
Embaixador português.

Guilherma de Béarn

38Referido no reinado de Sancho IV.

Henrique, infante D. (1230-1304)

39Referido no reinado de Afonso X, Sancho IV.
Filho de D. Fernando III de Castela e de Beatriz da Suábia, e irmão de D. Afonso X e do infante D. Fadrique, casou com Joana Nunes de Lara, tendo ficado conhecido, após ter sido nomeado senador de Roma, como o Senador. Irrequieto, insatisfeito com o papel secundário que lhe corresponderia enquanto filho segundo, as tensões com Afonso X, então infante herdeiro, notam-se desde a conquista de Sevilha, quando se colocou a questão da prestação de menagem ao rei pelas doações a que daria azo a conquista da região. Acresceu a isso a discordância do herdeiro para com os senhorios que o pai se propunha doar-lhe. Estas tensões tiveram o seu epílogo na década seguinte quando D. Afonso X não lhe cedeu as povoações prometidas, levando-o a uma rebelião que o obrigou a sair do reino para Valência e daí para Inglaterra. Depois de uma estada no norte de África, talvez entre 1260-1266, ao serviço do emir de Tunes, seguiu para Itália onde, envolvido nos conflitos entre os partidos imperial e papal que dilaceram o território, é aprisionado na batalha de Tagliacozzo (1268), mantendo-se em cativeiro até ao regresso a Castela já no final do reinado de Sancho IV. Com a morte deste e a menoridade de D. Fernando IV, consegue a tutoria do novo rei, passando a governar com Maria de Molina, que conseguiu a custódia do filho. Apesar dos seus 65 anos, disfrutou ainda de oito anos de grande actividade política, num período de ameaças para a coroa castelhana, provenientes das actividades e jogos políticos dos infantes e do latente estado de rebelião da nobreza, aos quais de associavam os interesses dos reis vizinhos, sempre atentos ao evoluir da situação castelhana. Morreu em 1303 quando congeminava com Diego Lopes de Haro V e com D. Juan Manuel novas divisões do reino, planos a que Maria de Molina se opôs com firmeza.
Bibliografia: M. González Jiménez, Alfonso X..., cit.; Id. (ed.), Crónica..., cit.

Henrique, infante D.

40Referido no reinado de Sancho IV
Filho de Sancho IV.

Isabel, infanta D.

41Referida no reinado de Sancho IV.
Filha de Sancho IV.

Jaime II de Aragão (1267/91-1327)

42Referido no reinado de Fernando IV.
Filho segundo de Pedro III e de Constança de Hohenstaufen, casou por quatro vezes tendo apenas descendência da segunda esposa, Branca de Nápoles, filha de Carlos II de Nápoles e de Maria de Hungria. Após a morte do pai recebe o reino da Sicília (1285), herdando seis anos depois o reino aragonês por morte, sem descendência, do irmão Afonso III. Aproxima-se, nos inícios do reinado, de Sancho IV de Castela, com o qual participa na conquista de Tarifa. Durante a menoridade de D. Fernando IV entra na disputa pelo reino de Múrcia apoiando as pretensões de D. Afonso de La Cerda ao trono castelhano. A Crónica de 1344 dá o devido realce à invasão de Castela associada a esse apoio, num largo capítulo em que menciona igualmente o papel de D. Dinis nos tratados que puseram fim ao diferendo. Apesar de ter cedido em algumas das conquistas feitas, conseguiu alargar a fronteira sul até à costa de Múrcia, reforçando a ligação de Valência ao reino. No plano exterior, manteve a estratégia de intervenção e expansão no mediterrâneo. Apesar da cedência da Sicília ao Papado, conquista a Córsega e a Sardenha, e acorda com Castela as respectivas zonas de influência no Norte de África. Transforma, assim, Aragão num importante rival de Pisa e de Génova no domínio do comércio mediterrânico.
Bibliografia: Germán Bleiberg (dir.), Diccionario..., II, p. 534-536; E. Michael Gerli (ed.), Medieval Iberia. An Encyclopedia, New York – London, 2003, p. 435-436.

Jimeno de Urrea

43Referido no reinado de Fernando IV.

João, infante D. (1260-1319)

44Referido no reinado de Afonso X e de Sancho IV.
Filho de Afonso X e de Violante de Aragão, casou com Margarida de Monferrat (1281) e, posteriormente, com Maria Dias de Haro (a. maio 1287). Foi alferes-mor de Afonso X entre 1277-84 e mordomo-mor de D. Sancho IV entre 1284-85. Embora partidário de D. Sancho, está junto do pai em 1283. Viúvo em 1287, liga-se em segundas núpcias a Maria Lopes de Haro, filha e herdeira de Lopo Dias de Haro, o grande privado de D. Sancho IV até à sua morte pelo rei em 1288. Preso no castelo de Curiel entre 1287 e 1292, é libertado a pedido de João Nunes de Lara. Participa na conquista de Tarifa, mas está em Portugal pouco depois, refugiando-se mais tarde em Marrocos. Com a morte de Sancho IV reclama a aplicação do testamento do pai (que lhe deixara o reino de Sevilha), direito que lhe é reconhecido por D. Dinis. Em 1300 regressa à corte castelhana transformando-se no favorito do monarca e sendo-lhe reconhecida, em 1307, a sucessão no senhorio de Biscaia. Na menoridade de Afonso XI voltam os conflitos, aparecendo como tutor do rei juntamente com o infante D. Pedro (irmão de Fernando IV) em 1314. É alferes-mor do monarca entre 1312 e 1318, morrendo no ano seguinte na Veiga de Granada. Do primeiro casamento nasce D. Afonso, senhor de Valência (conhecida como Valência “de Don Juan”, a partir do nome do filho de D. Pedro e de D. Inês de Castro a quem pertenceu posteriormente), senhorio herdado do pai. Do segundo casamento destacou-se D. João o Torto (dp. 1293-1326), que sucedeu ao pai no senhorio de Biscaia.
Bibliografia: Germán Bleiberg (dir.), Diccionario..., II, p. 574-575; site medieval lands; Salvador de Moxó, “De la nobleza vieja...”, p. 179-183.

João o Torto (D.) (depois de 1293-1326)

45Referido no reinado de Afonso XI.
Filho do infante D. João e de D. Maria Dias de Haro, e neto de D. Afonso X, casou com Isabel de Portugal, filha do infante D. Afonso, irmão de D. Dinis, e de Violante Manuel. O livro de linhagens do conde D. Pedro associa a alcunha ao facto de ser cego de um olho. Com a morte de Diego Lopes de Haro V em 1310, o senhorio de Biscaia tinha sido devolvido a sua mãe Maria Dias de Haro, que o pôde assim transmitir a seu filho após o desaparecimento do pai na veiga de Granada (ver entrada anterior). Apesar de filho de um infante, D. João optou pela designação de D. João de Haro, talvez tendo em conta a origem do importante património que recebeu. Detentor de um dos principais senhorios peninsulares ocupava lugar de relevo na corte, com D. João Manuel e o infante D. Filipe, situação ameaçada pela chegada à maioridade por parte do rei e pela sua escolha de conselheiros pertencentes a uma nobreza mais secundária e afastada dos meandros da intriga cortesã. A tentativa de coligação com D. João Manuel no sentido de se imporem ao monarca, e que seria selada com o casamento do Haro com Constança, é anulada pelo monarca com a proposta de casamento com a mesma Constança e, por outro lado, com a atracção do Haro a Toro onde foi assassinado em 31 de Outubro de 1326.
Bibliografia: Salvador de Moxó, “De la nobleza vieja...”, sobretudo pp. 50-52.

João Afonso de Albuquerque II [João Afonso Teles de Meneses] (?-1304)

46Referido no reinado de Sancho IV.
Filho de Rodrigo Eanes de Meneses e de Teresa Martins, f.ª de Martim Gil de Soverosa. Casou com Teresa Sanches, f.ª ilegítima de D. Sancho IV. Em 1282 aparece entre os apoiantes do infante D. Sancho, quando este se apoderou do trono remetendo D. Afonso X ao seu paço sevilhano. Documentado na corte a partir de 1284, no ano seguinte encontrava-se já casado com Teresa Sanches, com quem troca alguns bens com a Ordem do Hospital. A partir de 1289, ano em que incorpora o castelo de Azagala no seu território de Albuquerque, aparece com o cargo de Adiantado da Galiza, que manterá até 1291. A Crónica de D. Sancho revela que datarão destes anos os primeiros sinais de conflitos com o rei, que teve de o aquietar numa incursão à Galiza. Ter-se-á colocado ao lado do infante D. João, que nos inícios de 1293 abandona a corte e se acolhe no seu senhorio. Neste ou no ano seguinte é aprisionado por Paio Gomes Charinho, a mando do rei, mantendo-se na prisão na altura das cortes de Valladolid de 1295, quando o mestre de Calatrava e outros tentam a sua libertação. O facto é que em finais do ano está junto de D. Dinis, iniciando uma trajectória portuguesa pródiga em benefícios e que o manterá em Portugal até à morte. Mordomo-mor do rei português a partir de 1297, receberá o condado de Barcelos no ano seguinte, certamente pelo papel desempenhado nas negociações do tratado de Alcañices em defesa dos interesses portugueses. Nos primeiros anos do século XIV mantém-se em acções diplomáticas na Península tentando congraçar os reis castelhano e aragonês, em contexto facilitado pela legitimação papal de Fernando IV (1301). Morre em 1304, ano em que o seu esforço diplomático é recompensado com o tratado de paz entre ambos os reis arbitrado por D. Dinis.
Bibliografia: A. Braamcamp Freire, Brasões da Sala de Sintra, Lisboa, IN-CM, 1973, vol. I, pp. 106-108; José Augusto de Sotto Mayor Pizarro, D. Dinis, cit.; William S. Kurt, “Juan Alfonso de Albuquerque: noble del reinado de Sancho IV de Castilla y León”, Revista Portuguesa de História, 44 (2013), pp. 215-236.

João Afonso de Albuquerque III (c.1304-1354)

47Referido no reinado de Afonso XI.
Filho de D. Afonso Sanches, bastardo de D. Dinis, e de Teresa Martins Telo, 5ª senhora de Albuquerque. Casou com D. Isabel de Meneses, filha de Telo Afonso de Meneses e de D. Maria, filha do infante D. Afonso senhor de Portalegre. Nasce provavelmente em Lisboa, tendo tido como aio D. João Simão, figura bem conhecida da corte de D. Dinis de quem o conde D. Pedro traça largo elogio, referindo a sua presença prévia em Castela junto de D. Nuno Gonçalves de Lara e de seu filho D. João Nunes. Ainda pequeno, surge numa doação identificado como João Afonso de Sousa, reivindicando, portanto, com várias outras linhagens, a memória desta importante família. Em 1314 o aio deixa-lhe alguns bens em Campo de Ourique e Alenquer e três anos depois o rei doa-lhe casas em Lisboa, na freguesia de S. Bartolomeu. A guerra civil de finais do reinado de D. Dinis, desencadeada, segundo a Crónica de Portugal de 1419, pelo favoritismo do pai junto do rei, acabará com a saída de D. Afonso Sanches para o exílio castelhano em 1324, sendo certamente nesse contexto que D. João Afonso se afasta igualmente para Castela. O casamento com Isabel de Meneses acrescentou aos seus não menosprezáveis bens toda a herança da linhagem mãe, transformando-o num dos mais poderosos senhores de Castela. Na década seguinte consegue afirmar-se na corte castelhana, aparecendo com os cargos alferes-mor de D. Afonso XI e aio do infante D. Pedro, seu sucessor. Com este último monarca, e como seu chanceler, transforma-se na principal figura do governo. Divergências políticas com o rei tê-lo-ão afastado da corte e levado a coligar-se com os bastardos régios D. Henrique e D. Fradique, cujo exército praticou razias em regiões próximas da fronteira portuguesa, tendo tomado Castelo Rodrigo e Medina del Campo. Morreu na sequência da última conquista, envenenado, dando crédito ao cronista Pero Lopes de Ayala, por ordem do próprio rei.
Bibliografia: José Augusto P. De Sotto Mayor Pizarro, Os Patronos do Mosteiro de Grijó (evolução e estrutura da família nobre séculos XI a XIV), Ponte de Lima, Edições Carvalhos de Basto, 1995, p. 188; Salvador de Moxó, “De la nobleza vieja...”, p. 66-72.

João Afonso de Alfaro [João Afonso de Haro II]

48Referido no reinado de Fernando IV.

João de la Cerda

49Referido no reinado de Afonso XI.
Filho do infante D. Manuel (ver) e da sua segunda mulher Beatriz de Saboia. Casou com Constança de Aragão, filha de Jaime II, e com D. Branca de Lara e de la Cerda, filha de D. Fernando de la Cerda e D. Joana de Lara (la Palomilla). É uma das figuras mais marcantes da idade média castelhana, quer pelo seu papel político, quer pela riquíssima produção cultural. A sua presença na corte está documentada, quando era muito novo ainda, nos finais do reinado de Sancho IV. Em 1296, com a ocupação de Múrcia pelos exércitos de Jaime II, e tendo perdido Elche, consegue, em compensação, a vila de Alarcón. Em 1303 dá o tom da sua futura sagacidade política: trata do seu casamento com Constança de Aragão, filha de Jaime II, recuperando a jurisdicção de Elche, enquanto ameaça o monarca castelhano de apoiar os infantes de la Cerda, conseguindo conservar Alarcón. Após a morte do Infante D. Henrique (ver) aparece junto do sinuoso infante D. João, iniciando uma deriva de aproximação e afastamento da corte consoante os interesses do momento que prosseguirá no período de menoridade de Afonso XI (1312-25). Aproveita a morte dos regentes, os infantes D. João e D. Pedro (1319), para se propor como candidato à regência, num contexto em que a falta de um candidato com apoio maioritário perturbou a actividade política castelhana até à maioridade do monarca. Gorada a tentativa de controle da corte nos inícios da maioridade de Afonso XI (ver João o Torto), associado ao rei de Granada ou a partir dos seus senhorios, inicia uma nova fase de confrontos e períodos de apaziguamento com o rei castelhano, associado, em momentos diferentes, a outros nobres, como Álvaro Nunes Osório ou João Nunes de Lara. Bem relacionado com Aragão e preparando o casamento da filha Constança com D. Pedro, o herdeiro português, pretenderia certamente reforçar o seu papel na corte. Em momento de concórdia com o monarca participa na batalha do Salado, após o que a sua actividade política se atenuou, retirando-se da corte e dedicando-se à ultimação da sua obra literária.
Bibliografia: Germán Bleiberg (dir.), Diccionario..., II, p. 585-586.

João Mendes de Sousa (?-1277)

50Referido no reinado de Afonso X.
Filho de Mem Garcia de Sousa e de Teresa Anes de Lima, pertencia a uma das mais importantes linhagens portuguesas. De acordo com o Livro de Linhagens do Conde D. Pedro, não casou nem teve descendência, pertencendo, portanto, ao núcleo de secundogénitos que não eram destinados ao casamento. As sentenças das Inquirições de 1288 mostram-no interessado, durante o governo de Afonso III, na honra de Lalim, próximo de Lamego, onde metera juiz e chegador. De acordo com a narrativa do Conde do reinado de Afonso X, foi um dos justiçados em 1277, no contexto de uma conjura que se prepararia para depor o rei. A falta de documentos em Portugal sobre ele indica que se terá afastado para Castela em conjuntura desconhecida e que por lá se manteve até ao nefasto acontecimento daquele ano. Esse afastamento poderá ter-se efectivado em 1262, quando o turbulento irmão mais velho, D. Gonçalo Mendes, abandonou igualmente o território.
Bibliografia: José Augusto de Sotto Mayor Pizarro, Linhagens Medievais Portuguesas. Genealogias e estratégias (1279-1325), Porto, Centro de Estudos de Genealogia, Heráldica e História da Família da Universidade Moderna, 1999, p. 217-218; Crónica Geral de Espanha de 1344.

João Nunes de Lara I, o Gordo (?-1294)

51Referido no reinado de Afonso X, Sancho IV
Filho de Nuno Gonçalves o Bom e de Teresa Afonso, filha bastarda de Afonso IX. Casa com Teresa Álvares de Azagra (a.1260), herdando o senhorio de Albarracín, um dos seus centros de actuação mais importantes, o que o terá levado a interessar-se pela fronteira aragonesa onde conseguiu também Moya e Cañete. Representa a figura do magnate turbulento de fronteira, dado a manobras políticas constantes, e que se afirmou como principal apoiante dos direitos ao trono dos infantes de La Cerda, a partir do momento em que o infante D. Fernando lhe terá confiado, em 1275, o futuro dos filhos. Em 1270 participara já na cruzada de S. Luís contra Tunes, ponto de partida de uma aliança com a França efectuada em 1277. Nos anos subsequentes coloca as suas forças ao serviço do rei francês e, desde Albarracín, lança-se em incursões a Castela e Aragão em nome de D. Afonso de la Cerda e de seu irmão, presos por Pedro III de Aragão (1276-85). Após cerco e tomada de Albarracín por Pedro III e Sancho IV (1284), foge para França onde permanece até 1289. Regressa e recebe então Moya e Cañete mantendo-se ora dentro, ora fora da corte, chegando a enfrentar e vencer um exército castelhano em Chinchilla (1290). O casamento do filho João Nunes II, com Isabel de Molina, asseguraria à linhagem um importante senhorio, mas a morte prematura desta sem herdeiro inviabiliza os seus projectos. Sublevou-se novamente com o infante D. João, mas foi obrigado sair para Navarra e a confirmar a entrega do senhorio de Molina à rainha em Maio de 1293. Morreria no ano seguinte.
Bibliografia: Salvador de Moxó, “De la nobleza vieja...”, p. 39-40; Simon R. Doubleday, Los Lara..., cit.

João Nunes de Lara II (a.1273-1315)

52Referido no reinado de Sancho IV.
Filho segundo de João Nunes de Lara I e de Teresa Álvares de Azagra, e irmão de Álvaro Nunes de Lara II. Não teve descendência dos casamentos efectuados, o primeiro dos quais com Isabel de Molina (1290), herdeira de um importante senhorio situado junto à fronteira de Aragão. Mantém a postura política do pai, com momentos de aproximação e afastamento da corte e alianças com países próximos. A perda de Molina em 1293, na sequência da morte da mulher, aproxima-o do infante D. João e de Aragão, onde mantinha a espectativa de poder recuperar Albarracín (v. João Nunes de Lara I). Neste contexto, participa na incursão do exército aragonês a Castela em apoio a Afonso de la Cerda (1296), presta, depois, vassalagem a Jaime II de Aragão recebendo a tenência de Albarracín e, à frente de um exército franco-aragonês, assola as terras de João Afonso de Haro. Com a perda de Albarracín e a aproximação entre Castela e Aragão regressa à corte castelhana onde surge, a partir de 1302, com o cargo de mordomo-mor. Recebe, ainda, Cañete e Moya como senhorios vitalícios, surgindo como adiantado da fronteira e participando nas campanhas contra Gibraltar e Algeciras, quer militar, quer diplomaticamente. Os bens recebidos não o fazem esquecer os senhorios de Albarracín ou Molina pelo que o vemos momentaneamente em ruptura com a corte, como em 1305 ou 1307, sendo sitiado na primeira data em Aranda del Duero. Em 1312 era vassalo do rei de Portugal, sinal de que a sua insatisfação permanecia.
Bibliografia: site Medieval Lands; Simon R. Doubleday, Los Lara.., cit.

João Nunes de Lara III (1314/15-1350)

53Referido no reinado de Afonso XI.
Filho de D. Joana Nunes de Lara (la Palomilla) e de Fernando de la Cerda II, casou com Maria de Haro, filha de D. João o Torto e herdeira do senhorio de Biscaia.
Documentado na corte a partir de 1322, é alferes régio em 1328 e nos anos seguintes, aparecendo identificado como João Nunes de Lara. A década seguinte, até 1336, é um período de maior afastamento da corte e de aproximação a D. João Manuel. No verão de 1332 ambos acompanham o rei de Granada numa campanha militar contra Afonso XI, e nos anos seguintes, confiantes no apoio dos reis de Portugal e de Aragão — com o primeiro a cercar Badajoz e a fazer incursões pela fronteira galega —, mantêm as hostilidades, acabando sitiados em Penafiel e em Lerma. A concórdia com o rei acompanha o reconhecimento por este do direito de D. João Nunes ao senhorio de Biscaia, senhorio que passa a identificar D. João, reaparecendo como alferes e sendo-lhe doadas hereditariamente as povoações de Villalón, Cigales e Moral de la Reina. A partir de então inicia-se uma nova fase da vida do filho de D. Joana, de maior presença na corte e participação em acontecimentos militares de relevo em que sobressai, como no ataque a Ronda (1339), na vitória do Salado ou na tomada de Algeciras (1343). No cerco a Gibraltar, em 1350, a peste dizimou o exército, tendo morrido o próprio rei. O sucessor, D. Pedro, manda prender D. Leonor de Gusmão, amante do rei que ganhara ascendente na corte, e coloca à frente da administração D. João Afonso de Albuquerque III. O futuro parecia sombrio, mas quase não chegou pois D. João Nunes morreria repentinamente. Pôs-se a hipótese de se tratar de envenenamento por um dos homens do senhor de Albuquerque.
Bibliografia: site Medieval Lands; Simon R. Doubleday, Los Lara..., cit.

Leonor, infanta D. (filha D. Afonso IV e m. D. Pedro IV de Aragão)

54Referida no reinado de Sancho IV.

Leonor Peres de Gusmão

55Referida no reinado de Afonso XI.

Lopo Dias de Haro III (Lopo de Biscaia) (1255-1288)

56Referido nos reinados de Afonso X e Sancho IV.
Filho de Diego Lopez de Haro III e de Constança de Béarn, e irmão de Diego Lopes de Haro V (ver). Casou com Joana Afonso de Molina (1269), de quem nasceram Diego Lopes de Haro IV e Maria Dias de Haro. Após a morte do pai, ainda jovem, vêmo-lo entre os nobres acolhidos por D. Jaime I de Aragão numa coligação contra D. Afonso X, tendo sido submetido pelo Sábio, ainda em 1255, após este ter tomado Orduña. Somente aparece na corte a partir de 1270, e de um modo intermitente, continuando a tratar do governo dos seus territórios de onde, imitando o pai, faz guerra de razia contra o rei procurando Granada, Navarra ou Aragão como lugares de refúgio. Em 1272 está com os revoltosos de Lerma. A questão da sucessão dá-lhe novas possibilidades de manter a postura rebelde, afastando-se para Navarra em 1276-77 e colocando-se ao serviço de D. Pedro de Aragão em 1278-79. Momentaneamente na corte deste último ano (Abril-Junho), regressa a Navarra nos dois anos subsequentes, altura em que presta vassalagem a Filipe III de França. Em 1282 está entre os apoiantes de D. Sancho IV. Dois anos depois, enquanto senhor de Biscaia, confirma o foro de Orduña, documento onde surge rodeado pelos principais membros da sua cúria. Nos anos subsequentes, até à sua morte, emerge como a grande figura da corte, tendo ocupado o cargo de mordomo e sido regente do reino. Acaba morto às mãos de um dos homens do rei em Alfaro. Em data incerta participou na valorização da memória de Diego Lopes de Haro II, personagem chave na definição da linhagem.
Bibliografia: M. González Jiménez, Alfonso X..., cit.; Ghislain Baury, “Los ricoshombres..., cit., pp. 53-72.

Lopo Fernandes Pacheco

57Referido no reinado de Afonso XI.

Luís Dias de Rada

58Referido no reinado de Fernando IV.

Manfredo, rei das Duas Sicílias (1232-1266)

59Referido no reinado de Sancho IV.

Manuel, infante D. (1234-1283)

60Referido no reinado de Afonso X.
Filho de Fernando III e de Beatriz de Suábia, e irmão de Afonso X, que terá nutrido por ele especial afeição. Foi criado por Pedro Lopez de Ayala na região de Burgos. Casou com a infanta Constança de Aragão e, posteriormente, com D. Beatriz de Saboia, de quem nascerá o sucessor da casa D. João Manuel (ver). Parte do seu património estendia-se pela zona oriental de Castela a Nova, colindante com Aragão até Villena, fora do território dominado pelas linhagens da velha nobreza castelhana. Recebe bens no repartimento de Sevilha, que mais tarde D. Afonso X alargará doando-lhe Elche, Villena e outros bens em Murcia, Escalona em troca do castelo de Valdeayora, e ainda Santa Olalla e Peñafiel. Ocupou alguns dos cargos mais importantes da corte, mormente o de alferes-mor (1254-1275) e o de mordomo-mor, este após a morte do herdeiro D. Fernando (1275-1282). Em 1272 aparece como intermediário entre o rei e a nobreza rebelde, tendo acompanhado o Sábio no encontro com o Papa três anos depois. Mantendo sempre uma forte ligação ao rei Sábio, no final do seu reinado colocar-se-ia, no entanto, ao lado de D. Sancho, do qual terá sido um dos principais conselheiros. Morre em finais de 1283.
Bibliografia: Julio González, Reinado y Diplomas ..., I, p. 112-113; Salvador de Moxó, “De la nobleza vieja...”, p. 190; Joseph F. O’ Callaghan, El Rey Sabio. El reinado de Alfonso X de Castilla, Sevilla, 1999.

Margarida de Monferrat

61Referida no reinado de Afonso X.
Mulher do infante D. João.

Maria de Molina (a.1270-1321)

62Referida nos reinados de Sancho IV, Fernando IV e Afonso XI.
Filha do infante D. Afonso de Molina, irmão de Fernando III de Castela, e de D. Maior Afonso de Meneses, nasce na década de sessenta do século XIII e terá passado a sua juventude na terra de Campos, zona de implantação dos Meneses. Casa em 1282 com o infante D. Sancho, num momento em que este iniciara a rebelião contra o pai, D. Afonso X, e certamente no quadro do estabelecimento de alianças que reforçassem as suas pretensões ao trono, que ocuparia cerca de dois anos depois. Para além do seu papel como rainha durante o reinado de Sancho IV (1284-1295), a sua importância política torna-se determinante nos anos subsequentes, quer durante a menoridade de seu filho Fernando IV (1295-1302), quer depois, no início do governo de seu neto Afonso XI (1312-1321). Num período difícil para a monarquia castelhano-leonesa, pressionada por constantes ameaças de fragmentação resultantes das divisões verificadas nos finais do reinado do Sábio e suas sequelas até à maioridade de D. Afonso XI, é-lhe reconhecido um papel diplomático de primeiro plano — sobretudo nas menoridades régias, onde assume as tutorias do filho e do neto—, procurando congraçar as desavenças internas e os conflitos com os reinos vizinhos de modo a garantir a permanência dinástica e, na medida do possível, a integridade do território.
Bibliografia: Germán Bleiberg (dir.), Diccionario ..., II, p. 891-894; para as principais linhas da sua acção, Patricia Rochwert-Zuili, « La actuación pacificadora de María de Molina », e-Spania [Online], 20 | février 2015, posto online no dia 13 Fevereiro 2015, consultado o 02 Setembro 2016. URL : http://e-spania.revues.org/​24170 ; DOI : 10.4000/e-spania.24170.

Maria, infanta D.

63Referida nos reinados de Sancho IV e Afonso XI.
Filha de Afonso IV de Portugal e mulher de Afonso XI.

Nuno Gonçalves de Lara I, o Bom

64Referido no reinado de Sancho IV.

Nuno Gonçalves de Lara III (?-1296)

65Referido no reinado de Afonso X.
Filho de João Nunes de Lara I e de Teresa Álvarez de Azagra, e irmão de Álvaro Nunes e de João Nunes de Lara II. Prossegue com João Nunes uma estratégia de alianças com países vizinhos como salvaguarda de uma confrontação militar intermitente com a coroa. Nos inícios do reinado de Fernando IV (1295) adquire maior visibilidade, surgindo, a 3 de Agosto, como alferes do novo rei. No mesmo ano terá casado com D. Constança, filha do infante D. Afonso, irmão de D. Dinis, e de Violante Manuel. No ano seguinte, num contexto de quebra de vassalidade do irmão para com o rei, recebe uma doação de Maria de Molina. No entanto, segundo Zurita, terá estado com o irmão entre os partidários de Afonso de la Cerda quando este, no mesmo ano, invade Castela. Morreu em Valladolid ainda neste ano de 1296, depois de Agosto, quando teria c. de 35 anos.
Bibliografia: Doubleday, Los Lara ..., cit.

Paio Peres Correia (1233-1276)

66Referido no reinado de Afonso X.
Membro de uma nobreza mediana originária das terras de Aguiar da Pena, Panoias e Basto, e sediada igualmente próximo de Braga e no julgado de Faria, ao sul de Barcelos, é filho de Pero Pais Correia e de Dordia Peres de Aguiar. Nos anos trinta, surge como Comendador de Alcácer e, na década seguinte, a partir de 1242, como Mestre da Ordem de Santiago, cargo que o acompanhará até à morte. Participa, com outros familiares, na conquista de Sevilha, e a Crónica da Conquista do Algarve demora-se a narrar a sua acção, à frente da Ordem de Santiago, na conquista de várias povoações dessa região. Boa parte do terceiro quartel do século XIII viveu-o em Castela, ao serviço de D. Fernando III e D. Afonso X. Está sepultado no mosteiro de N. Sra. de Tentudía, por ele fundado.
Bibliografia: José Augusto Sotto Mayor Pizarro, Linhagens..., vol. II, p. 389-392, que remete para a principal bibliografia existente.

Pedro, infante (D.)

67Referido no reinado de Afonso XI.
Filho de Afonso XI.

Pedro, infante de Aragão (D.) (1275-1296)

68Referido no reinado de Fernando IV.

Pedro, infante D. (1290-1319)

69Referido nos reinados de Sancho IV e de Fernando IV.
Filho de Sancho IV.

Pedro Coronel

70Referido no reinado de Fernando IV.

Pedro Fernández de Castro

71Referido no reinado de Afonso XI.

Pedro Fernández de Híjar [no texto: Exar]

72Referido no reinado de Fernando IV.

Pero Nunes de Gusmão

73Referido no reinado de Afonso XI.

Ramón de Anglesola [no texto: Angorala]

74Referido no reinado de Fernando IV.

Rodrigo Afonso de Leão

75Referido no reinado de Sancho IV.
Adiantado de fronteira.

Sancho IV (1258/84-1295)

76Filho de Afonso X de Castela e de Violante de Aragão, teve contrato de casamento com Guilherma de Béarn, filha de Gaston [VII] de Moncada, visconde de Béarn, contrato anulado antes de Junho de 1281. No ano seguinte casaria com Maria Afonso de Molina. Em 1275, com a morte do herdeiro Fernando de la Cerda, assume a chefia militar contra a ameaça benimerine, dando mostras de qualidades para suceder ao irmão. No ano seguinte, nas cortes de Segóvia, os nobres reconhecem-no como herdeiro. Perante a indecisão do monarca, pressionado pelo grupo afecto à causa dos infantes de la Cerda, onde pontificavam a rainha, os Lara e Filipe III de França, a situação acaba por se tornar explosiva, com D. Sancho a revoltar-se abertamente contra o pai e a assumir o poder na reunião de Valladolid (1282), onde reuniu apoios do clero, da nobreza e dos representantes de muitas cidades do reino. Subiria ao trono cerca de dois anos depois, após a morte do Sábio, sendo os primeiros anos de governo marcados pelos problemas de sucessão deixados pelos testamentos do pai, onde se misturavam as expectativas dos filhos de Fernando de la Cerda com as ambições de infantes (D. João) ou membros das mais importantes linhagens do reino (Haro e Lara, sobretudo). O rei de Aragão procurou também tirar dividendos da situação proclamando Afonso de la Cerda como rei de Castela em Jaca (1288) e fazendo uma incursão a Castela nos anos seguintes. A partir de 1291, com a subida ao trono aragonês de D. Jaime II, o tratado de Monteagudo selava uma maior aproximação entre estes reinos vizinhos e um período de maior acalmia quebrado pela irrequietude do infante D. João. Em 1295, ao morrer, D Sancho IV deixava um herdeiro com 9 anos aos cuidados da mãe e num contexto em que não tinham desaparecido ainda as divisões que haviam marcado o seu reinado.
Bibliografia: site Medieval Lands; v. fichas de “Afonso de la Cerda”, “Fernando de la Cerda, infante D.”, “João, infante D.”; Germán Bleiberg (dir.), Diccionario..., III, p. 574-577.

Simão Rodrigues de Cameros (1242-1277)

77Referido no reinado de Afonso X.
Originário de uma região da Rioja próxima da fronteira navarra, dominada pela linhagem a que pertencia, era filho de D. Rodrigo Dias de Cameros, um dos mais antigos trovadores dos cancioneiros galego-portugueses, e de D. Aldonça Dias de Haro. Herda o senhorio de Cameros após a morte do pai em 1230. Documenta-se na corte de D. Fernando III a partir de 1242 e participa na conquista de Sevilha sendo aí beneficiado em 1253 por Afonso X. Casou com D. Sancha Afonso de Leão, filha de Afonso IX e de Teresa Gil de Soverosa, tendo o casal recebido de Afonso X, em 1256, a vila de Tolmantos e outros bens. Nos anos setenta casa novamente, com Beatriz Fadrique de Castela, filha do infante D. Fadrique, e em 1272 aparece com o sogro entre os conspiradores reunidos em Lerma contra a política de Afonso X. Embora, no ano seguinte, não tenha acompanhado os rebeldes no seu exílio granadino, não compareceu às cortes de Burgos de 1274, mas apenas às de 1276, não conseguindo, no entanto, que Afonso X nomeasse o filho Sancho como herdeiro. Morreria em meados do ano seguinte, queimado vivo pelo infante D. Sancho em Treviño, por ordem do rei.
Bibliografia: Salvador de Moxó, “De la nobleza vieja..., p. 53-56; Julio González, Reinado y Diplomas..., I, p. 138-140; encontram-se esboços biográficos de Simão Rodrigues nas biografias de Afonso X.

Vasco Peres de Neira, alcaide de Xerez

78Referida no reinado de Afonso XI.

Violante, infanta D.

79Referi Os reinados finais da Crónica Geral de Espanha de 1344: índice de personagens da no reinado de Sancho IV.
Filha de D. Afonso X.

Yuçaf de Écija (D.)

80Referido no reinado de Afonso XI.
Almoxarife.
Biografia em www.sefardies.es (Écija, Yuçaf de).

Auteur

Historiador, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, investigador do Centro de História da Sociedade e da Cultura (CHSC, unidade de investigação da FCT sediada na FLUC), é colaborador do SMELPS e consultor do projecto “Pedro de Barcelos…”. A sua investigação foca diferentes aspectos da cultura da nobreza galego-portuguesa, privilegiando a elucidação da vida e obra dos trovadores e jograis galego-portugueses, com destaque, nos anos mais recentes, para a obra trovadoresca de Afonso X. Da sua vasta bibliografia, salienta-se Depois do Espectáculo Trovadoresco. A estrutura dos cancioneiros peninsulares e as recolhas dos séculos XIII e XIV (Lisboa, Colibri, 1994), O trovador galego-português e o seu mundo (Ed. Notícias, Lisboa, 2001) e “Literary and historiographical production”, in: José Mattoso (dir.), Historiography on Medieval Portugal (Lisboa, Instituto de Estudos Medievais, 2011, p. 381-400).

© e-Spania Books, 2015

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search