Version classiqueVersion mobile

Penser l’histoire des savoirs linguistiques

 | 
Sylvie Archaimbault
, 
Jean-Marie Fournier
, 
Valérie Raby

Deuxième partie. Grammatisations, outillages et descriptions des langues

A inversão de português-tupi para tupi-português nos dicionários bilíngues

José Horta Nunes

Texte intégral

  • 1 A partir da segunda metade do século xix houve no Brasil uma produção de dicionários parciais: de c (...)

1Os dicionários bilíngues tiveram grande importância na gramatização brasileira, seja na descrição e instrumentação das línguas indígenas no período colonial, seja no século xix com o estabelecimento de uma identidade para o brasileiro e em seguida com a constituição da língua nacional no final desse mesmo século. Isso explica em parte o aparecimento tardio dos grandes dicionários monolíngues brasileiros, que só se dá durante o século xx1. Os primeiros dicionários bilíngues funcionaram como instrumentos de catequese e de conhecimento do real do Novo Mundo, ou seja, como instrumentos da colonização no Brasil. Enquanto em Portugal se operava a inversão latim-português/português-latim com Cardoso (1562), que depois desencadearia a produção dos primeiros monolíngues em Portugal, a saber, o Vocabulário Portuguez e Latino (Bluteau 1712-1728) e o Diccionario da Língua Portuugesa (Silva 1789), no Brasil surgiam os bilíngues português-tupi, que prevaleceram durante a estadia dos jesuítas, de 1549 a 1759.

2Vamos analisar neste trabalho o processo de inversão dos bilíngues português-tupi para tupi-português realizada a partir do final do século xviii, considerando as transformações em relação aos primeiros bilíngües dos séculos xvi ao xviii. A primeira inversão para tupi-português ocorreu por volta de 1795, quando foi produzido o manuscrito do Dicionário Brasiliano-Português, por Frei Veloso. Esse dicionário consistiu, como veremos mais adiante, em uma inversão com acréscimos de um dicionário português-tupi elaborado anteriormente por um missionário (Frei Onofre). O que decorre dessa inversão para tupi-português, e em seguida com outros bilíngues tupi-português do século xix, é que os termos do tupi passam a ter sentido não somente para o conhecimento das línguas indígenas pelos missionários, mas também para a divulgação de conhecimentos sobre a natureza e o índio para um público mais amplo, e depois para o estudo da incorporação desses termos na língua nacional, de sua história e transformação até se tornarem unidades do português brasileiro.

3Para a análise do processo de inversão do dicionário bilíngue, consideramos as reflexões de Sylvain Auroux sobre o papel dos instrumentos linguísticos na gramatização das línguas do mundo. Os dicionários, assim como as gramáticas, quando inseridos em um espaço-tempo, transformam as relações entre os sujeitos ali presentes. Segundo Auroux, “A gramática não é uma simples descrição da linguagem natural, é preciso concebê-la também como um instrumento lingüístico: do mesmo modo que um martelo prolonga o gesto da mão, transformando-o, uma gramática prolonga a fala natural e dá acesso a um corpo de regras e de formas que não figuram junto na competência de um mesmo locutor” (Auroux 1992, p. 69). Pensando o caso brasileiro, a inserção de vocabulários bilíngues no período colonial transformou o espaço-tempo dos falantes (a “hiperlíngua”), com a homogeneização das línguas indígenas em direção a certas unidades construídas, como a “língua brasílica”, língua “da costa” que funcionou no imaginário da colonização em oposição às outras línguas indígenas com as quais se tinha pouco contato.

4O aparecimento de dicionários bilíngues português-tupi e tupi-português acompanha um movimento amplo de gramatização das línguas que ocorreu com a instrumentação dos vernáculos. Segundo Auroux, “os glossários bilíngües se multiplicam geralmente entre o fim do século xiv e o do xv”. (Auroux 1992, p. 71). Em relação à tradição portuguesa, Verdelho afirma que “A lexicografia portuguesa, como a dos restantes vernáculos europeus, nasceu dos vocabulários bilíngues que puseram em confronto o latim e as línguas vulgares”. (Verdolho 2002, p. 17). A primeira alfabetação do português ocorreu com um dicionário português-latim, o Dictionarium ex Lusitanico in Latinum Sermonem, de Jerônimo Cardoso (1562).

5No Brasil, ainda na segunda metade do século xvi, os jesuítas elaboravam seus glossários português-tupi, que resultaram no Vocabulário na Língua Brasílica (Ayrosa 1938). Desse modo, a especificidade do caso brasileiro reside na instrumentação de um bilíngue que colocava em relação o português com uma língua não-indoeuropeia, o que conduziu a uma série de outros bilíngues antes do aparecimento dos monolíngues. Nos itens que seguem, mostraremos alguns momentos desse processo, a fim de compreender o surgimento de diferentes formas de bilíngues e seus funcionamentos específicos.

6Salientamos que os trabalhos em História das Ideias Linguísticas no Brasil, realizados inicialmente a partir de uma colaboração entre a Universidade Paris 7, por meio de Sylvain Auroux, e a Universidade Estadual de Campinas, por meio de Eni Orlandi e Eduardo Guimarães, são marcados em grande parte pela perspectiva da Análise de Discurso, o que implica em observar o funcionamento discursivo dos instrumentos linguísticos, com atenção para a materialidade linguística dos textos em análise, para as regularidades discursivas, para a questão do sujeito em sua relação com a língua, com a história, com a sociedade. Além disso, segundo Eni Orlandi, propôs-se, em um programa de colaboração científica, uma pesquisa que “aliasse a história da construção do saber metalinguístico com a história da constituição da língua nacional, visando trazer contribuições específicas ao modo de pensar e trabalhar a questão da língua nos países de colonização” (Orlandi 2001, p. 7). Nesse sentido, no presente trabalho estaremos atentos ao modo como os bilíngues, ao serem elaborados, retomados e transformados, participaram da formação da língua nacional em um país de colonização.

Os primeiros bilíngues: compreender e transformar o Novo Mundo

7Os primeiros dicionários elaborados no Brasil foram bilíngues. OVocabulário na Língua Brasílica (Ayrosa 1938), o VLB, é um dicionário português-tupi, anônimo, produzido pelos jesuítas no período colonial. Um dos exemplares manuscritos é datado de 1621, mas acredita-se que ele foi elaborado nas missões desde a segunda metade do século xvi. Segundo Serafim Leite eram “listas que iam passando de uns Padres a outros, ampliando-se ou aperfeiçoando-se sucessivamente” (Leite 1938, p. 553). As entradas são palavras, sintagmas, frases ou sequências em português. O corpo dos verbetes apresenta equivalentes em tupi e comentários em português. Há também algumas expressões latinas inseridas nos comentários, bem como a presença da metalinguagem da gramática latina.

8A Companhia de Jesus se estabeleceu no Brasil em 1549. Os dicionários jesuítas são marcados pelo discurso religioso da catequese na conjuntura da colonização: um discurso de transformação do outro, de construção de uma identidade religiosa no contexto de estabelecimento das escolas jesuítas, nas quais o tupi era ensinado com finalidade de conversão dos índios.

9A “língua brasílica” era considerada, conforme se nota na gramática de J. de Anchieta, publicada em 1595 (Anchieta 1975), a “língua mais usada na costa do Brasil”, e assim a metáfora espacial reunia diferentes falares da região em uma unidade geográfica que instalou um imaginário de língua de contato para uso na catequese e nas frentes colonizadoras em direção ao interior do país.

10A gramatização da língua brasílica é marcadamente uma exogramatização, ou seja, uma descrição da língua efetuada por locutores não nativos (ver Auroux 1992, p. 74), geralmente jesuítas que falavam o português, com conhecimentos de latim e eventualmente de espanhol. Alguns missionários aprenderam o tupi nas missões e também se apoiavam nos línguas (intérpretes), bem como na observação dos usos da língua pelos indígenas, para a elaboração dos verbetes.

11Nos verbetes do VLB nota-se o trabalho com a referência: a relação entre as palavras e as coisas é frequentemente marcada na enunciação, de maneira que o dicionário funciona como um instrumento de reconhecimento do mundo a partir do contato entre as línguas. As traduções acompanhadas de comentários são índices desse funcionamento enunciativo: situações de diálogo, de perguntas e respostas, de interpretação dos enunciados. Nos verbetes há várias formas de “equívoco” que se dão nessas situações. Segue abaixo um dos verbetes:

Partir com alguem do q. tenho. - Aiopoi. act. pupe. Aimojaoc. Çupe. Exemplo do 1o. Ajopoi ahe çoô pupê. i. parti com N. da carne, porque comumente se entende de cousas de comer, posto que não sempre. Do 2o. Aimojaoc xe itajuba ahe pe, l, çupe: parti com N. do meu dinheiro ou de qualquer outra cousa.

12Há observações gramaticais como as que indicam a regência do verbo, no caso verbo “ativo” (act) com o uso da preposição pupe ou çupe (com). Notam-se também os comentários sobre a situação de enunciação, com as interpretações em vista da compreensão dos enunciados (porque comumente se entende de cousas de comer, posto que não sempre) e a sintonização da referência (do meu dinheiro ou de qualquer coisa). A direção português-tupi aponta para o aprendizado do tupi pelos missionários. A presença de comentários em português no corpo dos verbetes indica o direcionamento para falantes do português. O fato de não haver nessa conjuntura a inversão tupi-português confirma a orientação para falantes que conhecem o português mas têm pouco ou nenhum contato com a língua indígena.

13Com a expulsão dos jesuítas em 1759 esse tipo de dicionário caiu em desuso, porém ele se tornou com isso um objeto histórico e passou a ser lido e retomado em compilações e estudos do chamado “tupi Antigo” durante o século xix e até a atualidade.

A primeira inversão de português-tupi para tupi-português

14A circulação das ideias iluministas levou a transformações na prática lexicográfica bilíngue referente às línguas no Brasil. Com a retirada dos jesuítas, deixou-se de lado as descrições do uso da língua, com as observações sobre as situações dialogais e o funcionamento referencial. Os dicionários dos jesuítas, em forma manuscrita, foram lidos então com outros objetivos, tendo em vista divulgar um saber sobre a língua, o índio, a fauna e a flora. Fez parte dessa releitura a alteração dos enunciados definidores bem como a inserção de descrições de termos da natureza e dos costumes indígenas sustentada pelo olhar científico. Nesse contexto, ocorre também a primeira inversão do dicionário bilíngue, de português-tupi para tupi-português: o Dicionário Brasiliano-Português (Ayrosa 1934). É bastante significativo que essa inversão tenha ocorrido nesse momento de releitura dos dicionários dos missionários, visto que o interesse pelos termos científicos projeta um leitor que não é mais o missionário no contexto das missões, mas sim um público mais amplo interessado sobretudo no conhecimento da natureza brasileira e no índio e seus costumes.

15O Dicionário Português-Brasiliano (DPB) e o Dicionário Brasiliano-Português (DBP) são dois bilíngues elaborados por Frei Veloso (Ayrosa 1934), a partir de um manuscrito de Frei Onofre que circulara nas missões e que apresentava marcas de usos da “língua geral”, com expressões heterogêneas de português com tupi. Esse manuscrito de Frei Onofre foi objeto de uma leitura e compilação, com alterações e inserções para a elaboração do DPB e do DBP. O autor, Frei Veloso, foi diretor da Tipografia do Arco do Cego e ocupou-se da edição de obras sobre o Brasil, dentre as quais o Dicionário Português-Brasiliano (DPB). Segundo Rodrigues (1979, p. 406), Frei Veloso publicou obras visando à formação profissional dos brasileiros. Ele era conhecido também por seus trabalhos em botânica, o que confirma o viés naturalista do discurso do DPB, bem como a preocupação terminológica com a descrição da natureza. Essa posição se constitui em um momento de difusão das ideias iluministas em Portugal, às quais o autor estava vinculado. Como resultado para a lexicografia, temos uma leitura e reformulação dos dicionários bilíngues manuscritos, tendo em vista a “clareza” das definições e evitando-se os equívocos enunciativos e a mistura de línguas que predominavam em dicionários anteriores. O dicionário bilíngue passa a funcionar então na construção de uma imagem sem falhas da língua indígena e da língua portuguesa, e como divulgador dos termos e das descrições da natureza brasileira.

16O Dicionário Português-Brasiliano (Ayrosa 1934) foi publicado em 1795. Trata-se da primeira publicação de um dicionário bilíngue brasileiro. A passagem do manuscrito à edição é acompanhada de um gesto interpretativo no sentido de homogeneizar tanto o tupi quanto o português descritos no manuscrito, evitando-se os indícios da “língua geral”, ou seja, das unidades que indicavam a mistura de línguas. A partir da leitura de Martins (s. d.), observamos, dentre outras, as seguintes alterações que aparecem no DPB: supressões de palavras portuguesas adotadas ou adaptadas pelos nativos ( “Justiça – jurtîça”, “Fechar com chave – moxavî”, “Sabado – sabarû”); supressão de termos portugueses em expressões heterogêneas ( “Vela de cera –Yratîm” por “Vella de cera – yraitym canéa”; “Não presta para nada –Nitio mbaê ráma” por “Não presta para nada – nitio mbaê ráma oservir”; “Panno de algodão – Amanejû çuîgoára” por “Pano de algodão – pána amanejû çuî goára”); substituição de expressões portuguesas por formas do tupi ( “Servir –Meauçúb” por “Servir – servîr”; “Navalha – Quecê” por “Navalha – naváya”; “Saia de mulher – Cunhâ óba” por “Saya de molher – cunhám pána, ou sáya”. Tais alterações apontam para a construção de uma imagem sem falhas das línguas, de uma homogeneização que evitou marcas heterogêneas em uso, algumas delas já descritas em dicionários anteriores.

  • 2 A primeira publicação conjunta do Dicionário Português-Brasiliano e do Dicionário Brasiliano-Portug (...)

17Já o Dicionário Brasiliano-Português (Ayrosa 1934) consistiu na primeira inversão de um dicionário português-tupi. Note-se que essa inversão não consiste somente em uma transposição dos verbetes na ordem inversa, mas sim em uma reformulação a partir de diversas fontes. ODBP não chegou a ser publicado na época2, e as alterações com acréscimos de Frei Veloso ficaram na letra A (ver Martins s. d.). Os acréscimos de Frei Veloso apontam para uma descrição naturalista com classificação das espécies, sustentada em relatos de viajantes, naturalistas e historiadores. Vejamos o verbete abaixo, em que é feita a descrição de um peixe:

Acará-pinima - acará pintado. Outra espécie larga e longa de sete dedos, da figura de uma pequena pêra. Tem a boca pequena, os dentes agudos, os olhos muito grandes contorneados de um vermelho escuro, e branco. Marcg. liv. IV, cap. 4, Ruisch, pag. 127 e Ray, 97, dizem que também se pesca na Jamaica e que os ingleses o chamam “The gray brant” (Ayrosa 1934, p. 164).

18As citações de Marcgraf e outros estudiosos confere uma imagem de universalidade do saber naturalista. Ao compilar tais saberes na formulação dos verbetes, Frei Veloso atua como lexicógrafo divulgador das ciências naturais para um público ilustrado, conforme o discurso das Luzes. Podemos considerar que se produz aí um saber enciclopédico apoiado em uma leitura de arquivo que percorre tanto textos de naturalistas e viajantes quanto gramáticos como Luís Figueira (1621), estabelecendo-se uma forma de autoria lexicográfica no discurso científico, acompanhada de uma certa redução da língua em vista de um ideal de homogeneidade e de prática terminológica.

Dicionários bilíngues no século xix: o discurso da história e uma identidade para o brasileiro

  • 3 Sobre a produção linguística do IHGB ver a tese de D. A. Garcia (A Revista do IHGB e o saber linguí (...)

19Em meados do século xix, após os movimentos pela Independência, a produção dos bilíngues ganha outros contornos. Algumas instituições que se ocuparam da organização dos saberes linguísticos já estavam estabelecidas, como é o caso do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, que foi inaugurado em 1832 e fomentou a documentação de materiais concernentes às línguas indígenas, dentre outros relativos à história e à geografia do país3. Tais condições proporcionaram um outro olhar sobre os dicionários bilíngues, que passaram a descrever as significações de uma língua antiga (o “tupi antigo”), língua tida como “primitiva” e “morta”, a língua dos antepassados brasileiros, já “corrompida” pelos novos usos. Os bilíngues participam então da configuração de uma identidade nacional brasileira, sustentada na imagem do índio enquanto “bom selvagem”, conforme os ideais românticos.

  • 4 M. De L. P. Martins. Notas referentes ao “Dicionário português-Brasiliano e Brasiliano-português”, (...)

20Nesse contexto ocorre uma outra inversão de português-tupi para tupi-português. Trata-se do Dicionário da Língua Geral (DLG), que acompanha uma história do Maranhão (região ao norte do país), a Poranduba Maranhense, elaborada por Frei Prazeres do Maranhão (1891). Segundo Martins4, o DLG é uma inversão do Dicionário Português-Brasiliano mencionado no item anterior, com poucas alterações. Vejamos alguns verbetes do DLG confrontados com os do DPB:

21O manuscrito da Poranduba Maranhense, juntamente com o Dicionário da Língua Geral, foi oferecido ao Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro em 1843 e publicado na Revista do IHGB em 1891. Segundo Frei Prazeres, um capuchinho que depois se tornou membro do IHGB, o DLG representava a língua que havia sido falada no Maranhão durante muitos anos, que ele chamava de “língua geral”, ou “língua da nação tupinambá, cultivada pela maior parte das nações brasílicas”. Situando o contexto de uso dessa língua no passado ( “foi a língua corrente [...] até o ano de 1755, em que entrou a correr a portuguesa”), Frei Prazeres usa o DLG para ilustrar sua história do Maranhão:

No Maranhão conservam nomes da língua geral a maior parte das plantas, animais, rios e sitios; correm também alguns vocábulos da mesma entre o vulgo. Por esta causa julguei do meu dever dar ao público alguma notícia desta língua, e não a podia eu dar melhor do que a que apresento no seguinte Dicionário: ele foi composto por frei Onofre... (nada mais sei do seu nome) antigo missionário dos índios, entre cujas obras manuscritas eu o descobri na livraria do convento de Santo Antonio do Maranhão. (Prazeres do Maranhão 1891, p. 187)

22O DLG funcionou como um instrumento de descrição de termos toponímicos, de nomes de plantas, animais, e outros, ainda em uso naquela época. Ele condicionou, assim, a interpretação de termos tupis (da “língua geral”) no português que então passava a predominar. Saliente-se que Frei Prazeres do Maranhão (s. d.) é autor ainda de uma “Coleção de Etimologias Brasílicas”, contendo topônimos e nomes de plantas e animais provenientes do tupi. Nessas etimologias a descrição dos termos é feita por meio da divisão entre o nome, a raiz e a significação, tal como em: “Parautinga/Pirá - yg - tinga/Rio do peixe branco. Rio e villa de S. Paulo”. Nota-se aí a influência da concepção histórica das línguas, com a busca das raízes para explicar a significação dos termos em uso na toponímia, de modo que os dicionários bilíngues elaborados/compilados nessa conjuntura apontam para uma interpretação histórica e geográfica, tendo em vista a incorporação de termos tupi no português brasileiro.

23Também com um viés histórico, o Dicionário da Língua tupi chamada língua geral dos indígenas do Brasil (DLT), elaborado por Gonçalves Dias (1958), é outro dicionário tupi-português que, além de produzir uma imagem do “tupi Antigo”, leva ao conhecimento de termos que se incorporaram ao português brasileiro. Enquanto membro do IHGB, Gonçalves Dias foi encarregado de realizar uma “memória” sobre os indígenas brasileiros. Ocupou-se, então, “dos que habitavam o litoral do Brasil”. Em O Brasil e a Oceania, Dias (s. d.) apresenta uma história dos Tupis, segundo ele “a última ou a única raça conquistadora”, “os mais bem aquinhoados”, ligando assim o brasileiro a sua “infância” primitiva e construindo uma imagem de povo conquistador. Podemos dizer que o DLT, enquanto instrumento linguístico, participou dessa construção identitária do brasileiro.

24O DLT não resulta de uma pesquisa realizada in loco mas sim de uma leitura de arquivo, em que são contemplados diversos materiais:

Tomei por base o vocabulário que o autor da ‘Poranduba Maranhense’ acrescentou ao seu trabalho, valendo-me da Gramática do Padre Figueira, do Dicionário Brasiliano, publicado por um anônimo em Lisboa, no ano de 1795, de um Manuscrito com que me deparei na Biblioteca Pública do Rio de Janeiro, e cujo título me esquece agora, de outro Dicionário, também manuscrito, da Biblioteca da Academia Real de Ciências, de Lisboa, e de quatro dos cadernos que acompanharam as remessas do nosso distinto e infatigável naturalista - Alexandre Rodrigues Ferreira, durante sua comissão científica pelo Amazonas nos anos de 1785, 86 e 87. (DIAS, 1858, Prefácio)

25Além da compilação de dicionários dos jesuítas e da inserção de comentários com apoio em naturalistas como Alexandre Rodrigues Ferreira, que realizara viagens pelo Amazonas, o que vemos no dicionário de Dias é a elaboração de uma narrativa histórica no interior dos dicionários. Com isso, há definições marcadas por verbos no pretérito, nas quais se relatam os usos linguísticos no tupi antigo e em alguns casos as transformações de significação na passagem ao português. Vejamos alguns verbetes:

PÁJE, feiticeiro. Era o cantor, o médico, o augure e o sacerdote dos indígenas. PAJURÁ, árvore, cujos fructos os índios e brancos comem: as sementes secas e raladas são empregadas para cura de desinteria. Nasce pelas margens dos Rios (no Pará) em partes úmidas.
PARICÁ, servia aos índios em vez de fumo. Nos Cachimbos, em que os Muras fumavam o Paricá, os tubos eram feitos de alguns caniços ou das hastes, que sustentam a frutificação das palmeiras. Marajá e outras, e tambem da tabóca-merim. As caçoletas onde punham o paricá eram os gargaes do fructo da cabaceira. Os tubos erão reforçados com fio de algodão, ou com a casca dos talos da folha da palmeira - gaxitára.
PETECA, encontramos esta expressão em algumas frases, no sentido de bater. Çoba-petéca, bater no rosto, esbofetear, pana peteca, lavar roupa, mas lavar batendo e não somente esfregando. Daqui vem chamar-se peteca a espécie de volante ou supapo feito de folhas de milho, que as criança lançam ao ar com a palma da mão. Daqui, por fim, se originou a frase, hoje vulgar, fazer peteca de alguém.
PITÉR, beijar, chupar, sorver, embeber o líquido. Pitéra rupi, pelo meio.

  • 5 Segundo E. Orlandi, vemos em algumas produções do século xix a predominância da relação palavra-pal (...)

26Nos verbetes páje e paricá notam-se as marcas de uma narrativa histórica inserida nos verbetes, com a presença de verbos no pretérito imperfeito (era, servia, fumavam, eram feitos, punham). Conforma-se aí a imagem dos “antepassados brasileiros” falantes do tupi antigo. No verbete pajurá temos uma definição atualizada, com verbo no tempo presente e indicação de “índios e brancos” na representação social, o que aponta para um uso generalizado. Há também nesse verbete uma indicação de uso medicinal ( “são empregadas para cura de desinteria”), traço do discurso científico. O verbete peteca apresenta comentários sobre as significações antigas e o percurso que leva a transformações até um uso atual ( “hoje vulgar”) incorporado ao português. Já o verbete piter apresenta uma série sinonímica, pela qual se nota a preocupação com a relação entre palavra e palavra na língua portuguesa5.

Os bilíngues tupi-português no final do século xix

27No final do século xix surgem alguns dicionários bilíngues (de conversação, de tradução de lendas e mitos) que se voltam para línguas vivas indígenas faladas no Brasil Central e na Amazônia. Há um deslocamento do tupi antigo em direção ao “tupi moderno”. Prevalecem nesses dicionários a orientação de tradução de frases e textos do tupi ao português. Encontramo-nos aí próximos aos movimentos que levaram à República, que foi proclamada em 1889. Nesse período as descrições voltam-se para a “língua do povo” e não somente para o índio como símbolo da nacionalidade, com atenção para as textualidades orais (marcas de oralidade na fala, textos de lendas e mitos, representações de conversação, etc.). Multiplicam-se as descrições com apoio na antropologia, na sociologia e no folclore e com base na pesquisa de campo. Algumas delas se apresentam como contribuições (históricas, culturais, folclóricas) para o estudo da língua nacional (o português “enriquecido com as línguas indígenas e africanas”).

28O canadense Charles Frederik Hartt, geólogo, membro de expedições científicas americanas realizadas no Brasil (Thayer Expedition, 1865; Morgan Expedition, 1870), apresenta em suas Notas sobre a língua geral ou tupi moderno do Amazonas um dicionário de conversação no “tupi moderno”. O autor descreve desse modo a “língua geral do Amazonas”:

  • 6 C. F. Hartt. Notas sobre a língua geral ou tupi moderno do Amazonas, Anais da Biblioteca Nacional d (...)

Por todo o rio e nas cidades o português o substitui rapidamente, e com o veloz progresso da civilização o tupi deverá morrer em breve. Mas a língua geral do Amazonas não é o tupi dos antigos Jesuítas. Na pronúncia e na estrutura as duas línguas diferem ainda mais que o português do Espanhol, e as orações, hinos, etc. dos Jesuítas não são entendidos pelos índios amazônicos de hoje. (Hartt 1938, p. 308)6

29O dicionário é organizado pela apresentação de frases (853) e conversações (66), tal como vemos abaixo:

301. FRASES

311 - hasó hompyryrik se mantéga (Ereré).

321 a-xasó xamopyryryk se mantéga (Santarém).

331 - vou frigir minha manteiga.

342 - xasó xamuí ymyrá yí irúm.

352 - vou rachar o pau com machado.

363 - xamumuranú putar se kamarára itá.

373 - vou convidar meus companheiros (ou camaradas).

382. CONVERSAÇÕES

391 - YASÓ YAYUÓG SEKANTÁN YGAPYRA KYTY!

401 - VAMOS PARA CIMA TIRAR BREU!

412 - MAÉ TENÁUA OPÉ.

422 - PARA QUE LUGAR IREMOS?

433 - KUPARI REAPYRA OPÉ.

443 - PARA AS CABECEIRAS DO RIO CUPARI

454 - SETÁ SERÁ KUITÉ SEKATÁN AERUPÍ?

464 - ENTÃO HÁ BASTANTE BREU PARA LÁ?

475 - YA! YAUASEM TEÑE.

485 - SIM! TEMOS DE ACHAR SEMPRE.

49Note-se também que Hartt foi um dos primeiros a dar atenção maior aos mitos indígenas, tendo publicado vários deles. Tal direcionamento para a linguagem oral, para os contos, mitos e lendas, frequentemente aliada aos interesses colonizadores de regiões pouco exploradas, se apresenta igualmente em outros autores desse período. É o caso de Couto de Magalhães, que considera que esses textos são úteis para a formação moral dos índios, para a “educação intelectual”. Assim, em seu Curso de Língua Geral, inserido em O Selvagem, de 1867, Magalhães (1935, p. 23) propõe o uso deles em vista de seu projeto “civilizador”, que, dentre outros objetivos, apresenta o de, com o auxílio de intérpretes em contato com os índios, “utilizar cerca de um milhão de selvagens que possuímos, os quais são os que melhores serviços podem prestar nessas duas terças partes do nosso território, porque as indústrias extrativas, únicas possíveis nessas regiões (enquanto não houver estradas), só têm sido e só podem ser exploradas pelo selvagem”. Citemos ainda os trabalhos de Barbosa Rodrigues, que em sua Poranduba Amazonense (Rodrigues 1890) inclui contos e mitos indígenas, escritos em tupi e traduzidos para o português. São contos cosmológicos, zoológicos e botânicos, além de cantigas. Observe-se que o autor diferencia o “tupi moderno” do “tupi jesuítico”.

50Tais obras, ao voltarem-se para algumas formas do “tupi moderno” têm como conseqüência, além de mostrar as transformações do tupi, a consideração da “influência” das línguas indígenas no português brasileiro e levam a posições como a de Sílvio Romero (1985), que, ao elaborar uma coletânea de cantos populares (Cantos Populares do Brasil), publicada em 1883, objetiva, a partir da observação e estudo dos textos orais, estabelecer os domínios da nacionalidade no encontro entre as culturas portuguesa, indígena e africana.

Conclusão

51Os trabalhos em História das Ideias Linguísticas no Brasil, propiciados pela colaboração com a equipe coordenada por Sylvain Auroux, trouxeram condições para se compreender melhor a especificidade da produção de saber linguístico em um país de colonização. Como afirma Auroux: “Todo conhecimento é uma realidade histórica, sendo que seu modo de existência real não é a atemporalidade ideal da ordem lógica do desfraldamento do verdadeiro, mas a temporalidade ramificada da constituição cotidiana do saber” (Auroux 1992, p. 11). Levar em conta o espaço-tempo brasileiro na história das ciências da linguagem conduziu a observar, dentre outras coisas, o modo como ali se elaboraram os instrumentos linguísticos, como eles se transformaram e funcionaram em diferentes conjunturas.

  • 7 Segundo S. Auroux (1992, p. 74), “Por definição, o processo de gramatização que nos interessa aqui (...)

52Com a inversão de português-tupi para tupi-português, o olhar sobre a língua nos instrumentos linguísticos se deslocou de uma língua estranha (do “outro”, o índio) para uma língua familiar (língua da ciência e depois língua dos antepassados brasileiros, contribuição para a língua nacional). Desse modo, nota-se uma passagem de longo prazo da predominância da exogramatização (gramatização por falantes não nativos) para a endogramatização (quando aqueles que efetuam a gramatização se reconhecem como locutores da língua)7. O discurso sobre a língua tupi direcionado à constituição de uma identidade nacional no século xix conferiu aos dicionários bilíngues uma função que os monolíngues portugueses da época (de Bluteau a Morais) não chegaram a desempenhar. Além disso, a inversão para tupi-português condicionou, por retomadas, compilações e atualizações, a produção dos primeiros monolíngues brasileiros, sejam aqueles que reuniam apenas uma parte do léxico, como os dicionários de brasileirismos do final do século xix (Beaurepaire-Rohan 1889, Soares 1888), sejam os primeiros dicionários monolíngues brasileiros “completos” que surgiram durante o século xx, a começar pelos de Laudelino Freire (Freire 1939-44) e Barroso e Lima (1938).

53Diremos finalmente que a instrumentação da língua pelo dicionário não se restringe a uma descrição. Ela possibilita, pela dimensão técnica desses artefatos (listas de palavras, alfabetação, acréscimos, supressões, inversões, etc.) construir novos instrumentos, adaptá-los, transformá-los em certas conjunturas, na tensão entre a continuidade e a ruptura, entre a memória e o esquecimento. Como diz Auroux:

A lista de palavras não é um “dicionário” no sentido de um dicionário de língua. É –uma vez que ela é escrita– um objeto técnico: isto é, um objeto material, dotado de uma longevidade própria, que pode ser reutilizado totalmente ou em parte para a construção de objetos técnicos. Ela pode, assim, assumir outras funções além daquelas que eram as suas na origem, ou ser retomada na construção de outros objetos técnicos. (Auroux 2008, p. 18)

54Como decorrência disso, o que confere sentido aos dicionários elaborados, compilados, transformados, invertidos, etc., não são somente as listas de palavras tomadas de modo autônomo, mas também os discursos relacionados a elas, que orientam os sentidos para uma ou outra direção em determinadas conjunturas.

Bibliographie

Referências

Auroux Sylvain, 1992, A Revolução Tecnológica da Gramatização, Campinas, Editora da Unicamp.

Auroux Sylvain, 2008, “Listas de palavras, dicionários e enciclopédias. O que nos ensinam os enciclopdistas sobre a natureza dos instrumentos linguísticos”, Línguas e Instrumentos Linguísticos 20, Universidade Estadual de Campinas, Pontes Editores, Campinas, p. 9-23.

Ayrosa Plinio, 1934, Diccionario Portuguez-Brasiliano e Brasiliano-Portuguez, reimpressão integral da edição de 1795, seguida da 2a parte, até hoje inédita, Revista do Museu Paulista, t. XVIII, São Paulo.

Ayrosa Plinio, 1938, Vocabulário na Língua Brasílica, Coleção Departamento de Cultura, vol. XX, São Paulo.

Barroso G. e Lima H., 1938, Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, Rio de Janeiro/São Paulo, Civilização Brasileira.

Beaurepaire-Rohan Visconde de, 1889, Dicionário de Vocábulos Brasileiros, Rio de Janeiro, Imprensa Nacional.

Bluteau R., 1712-1728, Vocabulário Portuguez e Latino, Lisboa, Colégio das Artes da Companhia de Jesus.

Cardoso Jerônimo, 1562, Dictionarium ex Lusitanico in Latinum Sermonem, Lisboa, Álvares.

Dias Gonçalves, s. d., O Brazil e a Oceania, Rio de Janeiro/Paris, H. Garnier.

Dias Gonçalves, 1858, Dicionário da Língua tupi chamada língua geral dos indígenas do Brasil, Lipsia, F. A. Brockhaus.

Figueira Luís, 1621, Arte da Língua Brasílica, Lisboa, Manuel da Silva.

França Ernesto Ferreira, 1859, Chrestomathia da Lingua Brazilica pelo Dr. Ernesto Ferreira França, Lipsia, F.A. Brockhaus.

Freire L., 1939-1944, Grande e Novíssimo Dicionário da Língua Portuguesa. Organizado por... e com a colaboração técnica do Professor J.L. de Campos, 5 vol., Rio de Janeiro, A Noite S. A. Editora.

Garcia Dantielli Assumpção, 2011, A Revista do IHGB e o saber linguístico: um gesto de documentação, Tese de Doutorado, São José do Rio Preto, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas/Univesidade Estadual Paulista.

Hartt Charles Frederik, 1938, “Notas sobre a língua geral ou tupi moderno do Amazonas”, Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, vol. LI, Ministério da Educação e Saúde, Rio de Janeiro.

Leite Serafim, 1938, História da Companhia de Jesus, Lisboa, Livraria Portugália/Rio de Janeiro, Civil Brasileira.

Magalhães General Couto de, 1935, O Selvagem, São Paulo, Companhia Editora Nacional.

Martins Maria de Lourdes de Paula, s. d., “Notas referentes ao ‘Dicionário português-Brasiliano e Brasiliano-português’”, Boletim Bibliográfico 12, Biblioteca Pública Municipal de São Paulo, São Paulo.

Nunes J. H., 2006, Dicionários no Brasil: análise e história, Campinas, Pontes Editores/ São José do Rio Preto, FAPERP/São Paulo, FAPESP.

Orlandi Eni Puccinelli, 1994, “A natureza e os dados”, Cadernos de Estudos Lingüísticos 27, Campinas, p. 47-57.

Orlandi Eni Puccinelli, 2001, “Apresentação”, em História das Idéias Linguísticas – construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional, E. P. Orlandi (Org.), Campinas, Pontes Editores/Cáceres UNEMAT.

Prazeres do Maranhão Frei Francisco de N. S. dos, 1846, “Collecção de etymologias brazilicas”, Revista Trimestral de História e Geografia ou Jornal do Instituto Histórico e Geográfico Brazileiro, Rio de Janeiro, Tipografia Universal de Laemmert, p. 69-81.

Prazeres do Maranhão Frei Francisco de N. S. dos, 1891, « Poranduba Maranhense », Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, t. LIV, parte I, Rio de Janeiro.

Rodrigues José Honório, 1979, História da História do Brasil: 1a parte Historiografia Colonial, São Paulo, Companhia Editora Nacional.

Rodrigues J. Barbosa, 1890, “Poranduba Amazonense”, Anais da Biblioteca nacional XIV/2, Rio de Janeiro.

Romero Sílvio, 1985, Cantos populares do Brasil, São Paulo, Edusp/Belo Horizonte, Itatiaia.

Silva A. de M., 1789, Diccionario da Lingua Portuguesa, composto pelo Padre D. Rafael Bluteau, reformado, e acrescentado por Antonio de Moraes Silva natural do Rio de Janeiro, Lisboa, Officina de Simão Thaddeo Ferreira.

Soares Antônio Joaquim de Macedo, 1888, Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Anais da Biblioteca Nacional.

Verdelho Telmo, 2002, “Dicionários Portugueses, breve história”, em História do saber lexical e constituição de um léxico brasileiro, São Paulo, Humânitas/Campinas, Pontes.

Notes

1 A partir da segunda metade do século xix houve no Brasil uma produção de dicionários parciais: de complemento aos dicionários portugueses, de regionalismos, de termos técnicos, de brasileirismos. Ver J. H. Nunes (Dicionários no Brasil: análise e história, Campinas: Pontes Editores/São José do Rio Preto: FAPERP/São Paulo: FAPESP, 2006).

2 A primeira publicação conjunta do Dicionário Português-Brasiliano e do Dicionário Brasiliano-Português ocorreu em 1934 (P. Ayrosa, “Diccionario Portuguez-Brasiliano e Brasiliano-Portuguez”, em Revista do Museu Paulista, t. XVIII, São Paulo, 1934).

3 Sobre a produção linguística do IHGB ver a tese de D. A. Garcia (A Revista do IHGB e o saber linguístico: um gesto de documentação. Tese de Doutorado. São José do Rio Preto: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas/Univesidade Estadual Paulista, 2011).

4 M. De L. P. Martins. Notas referentes ao “Dicionário português-Brasiliano e Brasiliano-português”, em Boletim Bibliográfico 12, Biblioteca Pública Municipal de São Paulo, São Paulo. s. d.

5 Segundo E. Orlandi, vemos em algumas produções do século xix a predominância da relação palavra-palavra, ou seja, da relação entre elementos linguísticos termo a termo em detrimento da enunciação discrepante entre palavras e coisas. (A natureza e os dados, Cadernos de Estudos Lingüísticos, 27, p. 47-57, Campinas, 1994).

6 C. F. Hartt. Notas sobre a língua geral ou tupi moderno do Amazonas, Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, vol. LI, Ministério da Educação e Saúde, Rio de Janeiro, 1938, p. 308.

7 Segundo S. Auroux (1992, p. 74), “Por definição, o processo de gramatização que nos interessa aqui corresponde pois a uma transferência de tecnologia de uma língua para outras línguas, transferência que não é, claro, nunca totalmente idependente de uma transferência cultural mais ampla. Importa levar em conta a situação dos sujeitos que efetuam a transferência, segundo eles sejam ou não locutores nativos da língua para a qual ocorre a transferência. Falaremos respectivamente de endotransferência e de exotransferência. Lingüisticamente teremos igualmente ou uma endogramatização ou uma exogramatização”.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/enseditions/docannexe/image/32290/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 26k

Auteur

Universidade Estadual Paulista

Le texte et les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont sous Licence OpenEdition Books, sauf mention contraire.

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search