Version classiqueVersion mobile

Amérindiens de Sinnamary (Guyane)

 | 
Stéphane Vacher
, 
Sylvie Jérémie
, 
Jérôme Briand

Resumo

Texte intégral

1Introdução

2A construção de uma barragem hidroelétrica em Petit Saut no médio Sinnamary foi a ocasião de realizar, entre 1990 e 1995, o primeiro salvamento arqueológico programado na Guiana Francesa. Os trabalhos realizados na área do futuro lago de retenção da barragem e da construção da própria represa englobam uma área de 310 km2 de floresta equatorial que deram origem a uma nova etapa do desenvolvimento da arqueologia ameríndia do planalto das Guianas.

3Capítulo 1
Abordagem metodológica

4Durante a fase de identificação dos sítios, dois métodos mostraram-se particularmente eficazes, apesar das dificuldades ligadas ao meio ambiente florestal. Trata-se da prospecção fluvial, que consiste em uma visita sistemática dos afloramentos rochosos em período de estiagem, e da prospecção pedestre focalizada na procura de decepamentos que formam numerosos pontos de observação do subsolo. Foram descobertos 273 sítios (sítios polidores e sítios ao ar livre). As prospecções subaquáticas e aéreas não deram resultados significativos. A cartografia em escala 1/25000 permitiu realizar uma localização suficientemente precisa dos sítios antes de empreender sondagens manuais em 52 sítios ao ar livre e escavar 5 deles, depois de uma remoção mecânica extensiva da terra vegetal.

5Capítulo 2
Sítios ao ar livre

6A escolha ambiental da implantação dos sítios varia de forma muito ampla. Às vezes eles estão situados às margens dos rios mas encontram-se preferencialmente nas areal elevadas. As zonas interfluviais, inexploradas no âmbito deste estudo, representam um território cujo potencial ainda não foi precisado.

7Nos sítios ocupados pelo homem, a realização de trincheiras efetuadas com uma pá mecânica colocou em evidência uma estratigrafia que se particulariza sistematicamente pela presença de uma camada de terra preta constituída de dois horizontes situada sob o húmus. Embora a gênese e a evolução desses horizontes permaneçam imprecisas, sua implantação resulta no entanto da ação humana. Depois de distinguir as anomalias vegetais ou animais, não foi observado nenhum paleosolo nem estrutura. Após a fase de abandono dos sítios, os artefatos migram dentro do solo e a lixiviação dos elementos constituintes da terra preta mascaram a presença de estruturas uniforntizando a cor do solo. Estas estruturas (buracos de estacas, fossas com depósitos de cerâmica...) só são identificadas se as escavações atingirem o substrato compacte. Apesar da sua densidade nos sítios onde a terra vegetal foi removida, nenhuma organização espacial pôde ser definida.

8O reconhecimento, em contato com a terra preta e em estratigrafia, de níveis de carvão vegetal permitiu colocar em evidência as fases de incêndios naturais da floresta, devidas a períodos de aquecimento climático. Sua presença coloca o problema da validade das amostras de carvão vegetal retiradas das áreas ocupadas pelo homem e coletadas para a realização das 131 datações de C14.

9Apareceram, no entanto, diferentes marcos cronológicos: de 10000 a 8000 BP e de 6000 a 4000 BP para os períodos de paleoincêndios. Quanto à presença ameríndia, ela está atestada pelo menos de 1660 BP a 220 BP.

10Capitulo 3
Material vegetal e animal

11O estudo antracológico forneceu as primeiras bases ambientais para os períodos de paleoincêndios e precisou a natureza da vegetação nas imediações dos sítios na época em que foi submetido à ação humana.

12O estudo osteológico permitiu a identificação de restas humanos e de animais carbonizados, no seio de estruturas que apresentavam depósitos cerâmicos ou disperses no nível de ocupação dos sítios ao ar livre.

13Os objetos de madeira, pouco numerosos, coletados no fundo dos rios, são abordados sob a forma de um catálogo descritivo (espátulas, arcos, pangaias e eixos de fusos).

14Capitulo 4
O estudo lítico

15Este estudo tem como primeiro eixo o estudo dos artefatos descobertos in situ ou provenientes do fundo dos rios. A natureza dos suportes é variada (quartzo, quartzito, rocha magmática e rocha laterítica) e a especialização dos produtos em função da matéria-prima aparece nitidamente.

16O estudo dos utensílios percutidos-martelados, talhados e polidos, inscrevese dentro da perspectiva de estabelecer um repertório descritivo capaz de unificar um vocabulário muito discordante e apresenta ao mesmo tempo uma base tipológica abundantemente ilustrada.

17Os produtos de desbaste, todos descobertos in situ mas fora dos ateliês atestados, constituem o primeiro conjunto conhecido na Guiana. A natureza da rocha determina a técnica de desbaste. Os produtos em quartzo são particularmente bem representados e testemunham de um desbaste feito com bigorna, caracterizado por numerosos acidentes de talha e por um forte percentual de peças desperdiçadas.

18Apesar da grande quantidade de dados coletados a partir deste mobiliário, a seriação dos sítios em função do material lítico é prematura, pois subsistem muitas incógnitas como a especialização das ocupações ou o valor cultural de tal tipo de utensílio ou de talha.

19Os polidores fixos e portáteis constituem o segundo eixo do estudo lítico. A análise dos ateliês, que compreendem de uma a mais de 400 polidores, mostra uma repartição regular dos sítios de acordo com os afloramentos rochosos nos cursos d’água. O espaçamento entre eles não ultrapassa 9000 m. O catálogo tipológico das formas apresentadas, estabelecido a partir de dados métricos coletados em mais de 1 450 polidores, permite distinguir, de maneira empírica, uma cadeia de operações própria ao polimento e talvez a certos objetos.

20Capitulo 5
A cerâmica

21Ela constitui a maior parte do mobiliário arqueológico recolhido. Depois de uma análise crítica dos meios até então empregados na área amazónica, o estudo propõe duas abordagens diferentes mas complementares para tratar os 180 000 fragmentes coletados em 74 sítios ao ar livre. A primeira se interessa pela descrição das pastas, sob microscópio binocular, e por sua classificação segundo critérios de observação como a natureza das inclusões, sua abundância e a cor da pasta; completado por uma caracterização físico-química, resultado de dosagens químicas, de análises de espectros RX e da observação de lâminas finas. Este primeiro eixo permitiu validar a hipótese de que cada sitio se distingue por uma produção que lhe é própria, mostrar a origem local dos materiais utilizados, precisar a natureza das apurações ou dos acréscimos de inclusões, admitir o caráter uniforme do modo de cozimento, assim como a natureza idêntica de alguns engobos estudados. A segunda abordagem do estudo cerâmico, mais tradicional mas no entanto inovadora no caso da Guiana, foi estabelecer uma tipologia das formas e das decorações com base em uma codificação que facilita o estudo através de uma triagem informática de 21 851 artefatos registrados. O resultado disso, assim como para o estudo lítico, é a apresentação de um repertório enriquecido de numerosos desenhos.

22Capítulo 6
Uma abordagem sintética e critica

23Seis conjuntos de sítios se distinguem apesar da difícil confrontação entre os resultados de Petit Saut e os trabalhos anteriores, devido às diferenças dos temas abordados, dos métodos de obtenção e de análises dos dados. Apenas os três primeiros têm um valor tipocronológico. Trata-se do conjunto «Arauquinoïde-Koriabo» que esta vinculado a tradições e complexes já conhecidos dos conjuntos «vermelho fine» e «pança incisa» não caracterizados até agora. Os três últimos agrupam os sítios que só forneceram um conjunto cerâmico muito restrito e, finalmente, os sítios cuja terra vegetal foi removida e onde a abundância das informações coletadas não permite uma real comparação com as outras ocupações atualmente conhecidas na área amazônica. Esses resultados, se eles questionam em parte a validade da tipocronologia existante, não permitem entretanto estabelecer uma nova. Falta caracterizar melhor as fases de paleoincêndios e multiplicar as escavações extensivas a fim de obter para cada «cultura» definida, conjuntos de sítios significatives tanto ao nível do mobiliário quanto das estruturas, da estratigrafia e das escolhas de implantação.

Le texte et les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont sous Licence OpenEdition Books, sauf mention contraire.

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Lire

Open access

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search