Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Orígenes y desarrollo de la guerra santa en la Península Ibérica

 | 
Carlos de Ayala Martínez
, 
Patrick Henriet
, 
J. Santiago Palacios Ontalva

III. — GUERRA SANTA Y CANCILLERÍA EN TORNO A LAS NAVAS

A guerra e os freires nas inquirições régias do século xiii

Luís Filipe Oliveira

Texte intégral

  • 1 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 1a. As actas de 1220 foram objecto de uma nova (...)
  • 2 Mattoso, Krus, Andrade, 1989, p. 40. O itinerário do monarca (Vilar, 2005, pp. 265-266) não desmen (...)
  • 3 Trabalhou-se com um total de 717 paróquias. Note-se que na base de dados das inquirições, que está (...)
  • 4 Mattoso, Krus, Andrade, 1989, pp. 39-40, 43-45. Para a consulta desses textos, veja-se o portal ac (...)
  • 5 Mattoso, 1985b, pp. 69-74; Vilar, 2005, pp. 187-189.
  • 6 Além da introdução à publicação das inquirições, veja-se Mattoso, Krus, Andrade, 1989, pp. 41-44.

1Em Agosto de 1220, partia da vila de Guimarães uma comitiva de doze inquiridores, composta por seis clérigos e por outros tantos leigos, entre os quais estava um juiz, Ramiro Peres, e o tabelião Martim Martins1. Seguia com mandato de Afonso II, que podia estar então em Guimarães2, e percorreu mais de setecentas freguesias3, pertencentes a trinta circunscrições, ora ditas terras, ora julgados, todas situadas entre os rios Lima e Douro. Naquelas freguesias, recolheu e registou milhares de testemunhos, começando quase sempre pelo pároco local, a que se seguia o depoimento de inúmeros camponeses. Como se deduz pela leitura desses registos, que infelizmente só se conservam numa cópia de finais do século xiii, o objectivo dos inquiridores era o de proceder ao cadastro das propriedades e direitos da Coroa, identificando os padroeiros das igrejas locais e arrolando os bens das instituições religiosas. Tal iniciativa não era de todo inédita —fora precedida por inquirições semelhantes a Sul do Douro4—, mas era a primeira vez que a presença dos inquiridores se fazia sentir na espaço de maior concentração dos poderes senhoriais5, dispondo-se a compilar informações indispensáveis para avaliar a legitimidade dos privilégios e das imunidades por eles exercidos. Terá sido, de resto, para facilitar a sua consulta pelas justiças do rei, que as actas originais foram reorganizadas entre 1284 e 12896, distribuindo-se os registos por quatro séries —reguengos, foros, padroados e bens das ordens—, a forma por que elas foram publicadas e são hoje conhecidas.

OS TESTEMUNHOS DA GUERRA

  • 7 A estimativa é do cruzado alemão (Relação da derrota naval, façanhas e sucessos dos Cruzados, p. 3 (...)
  • 8 Sobre as declinações da fronteira, Barroca, 2003a, pp. 25-52; Marques, 1996, pp. 37-43 e mapa à p. (...)
  • 9 Barroca, 2003c, p. 92; Gonçalves, 2012b, p. 44.
  • 10 O serviço de hoste foi mencionado em duas freguesias: em Salvador de Pena, na terra de Aguiar de P (...)
  • 11 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 111b, 121a. Por lapso, na base de dados das in (...)
  • 12 Gonçalves, 2012b, pp. 45-47.

2No território calcorreado pelos inquiridores de 1220 (mapa 1), a guerra contra o Islão era uma realidade muito distante. Mesmo se as populações do litoral podiam continuar expostas à acção das razias marítimas —em 1189, havia galegos entre os 450 cativos cristãos do castelo de Silves7—, há muito que os exércitos muçulmanos não transpunham o Douro e não sujeitavam as gentes locais a punições regulares. A fronteira também se havia entretanto deslocado para Sul, primeiro para os campos de Coimbra, depois para o vale do Tejo, estando à data para lá dos termos das cidades de Évora e de Alcácer do Sal8. Com os combates cada vez mais longe de suas casas, raros seriam, por certo, os que eram chamados a participar nas operações militares, sobretudo entre os camponeses, que não dispunham de armas adequadas, nem de treino eficaz9. Nas freguesias visitadas pelos inquiridores, poucos eram, de resto, os que estavam obrigados a prestar serviços militares ofensivos. Se do serviço de hoste nada consta, talvez por ser prerrogativa do Rico-Homem e dos seus cavaleiros10, a obrigação de sair em fossado tinha um carácter residual. Tal encargo atestava-se apenas em duas freguesias, uma na terra de Faria e a outra em Panóias, sem que recaísse, em ambas, sobre todos os fregueses11. Ao contrário de tempos anteriores, a participação nos fossados não era, portanto, uma obrigação geral, facto que pode ser confirmado pelas informações mais completas das inquirições de 125812.

Mapa 1. — As terras e julgados das Inquiriçoes de 1220, adaptado de Mattoso, 1985a, t. II, p. 221.

Mapa 1. — As terras e julgados das Inquiriçoes de 1220, adaptado de Mattoso, 1985a, t. II, p. 221.

1. – Termo de Guimarães; 2. – Terra de Penafiel de Bastuço; 3. – Terra de Prado; 4. – Terra do juiz de Bouro; 5. – Terra de Penela; 6. – Terra de Neiva; 7. – Terra de Faria; 8. – Terra de Anóbrega; 9. – Terra de Panoias; 10. – Terra de Aguiar de Pena; 11. – Terra de Aguiar de Riba Lima; 12. – Terra de Ponte (de Lima); 13. – Terra de Santo Estevão; 14. – Terra de Monte Longo; 15. – Terra de Celorico ; 16. – Terra (ou termo) de Lanhoso; 17. – Termo de Vieira; 18. – Penafiel de Soaz; 19. – Termo de São João de Rei; 20. – Julgado de Pedralvar; 21. – Julgado de Travassos; 22. – Santa Cruz de Sousa; 23. – Terra de Santa Maria de Gestaçô; 24. – Terra de Vermium; 25. – Termo do Couto de Braga; 26. – Termo do Castelo de Refojos; 27. – Termo de Ferreira; 28. – Termo de Aguiar de Sousa; 29. – Termo de Felgueiras; 30. – Termo de Lousada.

  • 13 Barroca, 2003b, pp. 96, 107; Gonçalves, 2012b, pp. 17-22.
  • 14 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 104a: «De Sancto Jacobo juxta Castellum».
  • 15 Ibid., pp. 259b, 79b, 131b, 13b, 149a, 136b, 135a, respectivamente.
  • 16 Barroca, 2003a, p. 53; Branco, 2006, pp. 156-157. Ainda que pertençam ao mesmo contexto, o reforço (...)
  • 17 Barroca, 2003a, p. 56; Vilar, 2005, p. 105.
  • 18 Barroca, 2003a, p. 56; Vilar, 2005, p. 227.
  • 19 Barroca, 2003a, p. 57; Vilar, 2005, pp. 230-232. Para a narrativa desses sucessos: Livros Velhos d (...)

3A guerra estava longe de ser, contudo, uma realidade ausente. Por ser fronteira com Leão e ter um litoral com rios navegáveis muito para lá das suas embocaduras, a região estava protegida por vários castelos13. A maior parte deles está apenas atestada por referências toponímicas14, ou pelas imposições que recaíam sobre as populações locais, mas de alguns outros as inquirições guardaram memória directa. Foi esse o caso dos castelos de Monte Córdova, de Vermoim, de Neiva, de Guimarães e de Lanhoso, ou dos de Barroso e do Portelo, ambos na terra de Celorico e o último já sobre a fronteira com o reino de Leão15. Por causa dessa vizinhança, a região esteve sujeita a alguma tensão e fora palco, em anos recentes, de diversos confrontos militares. Sem esquecer os conflitos de finais do século xii com Afonso IX de Leão, quando Bragança esteve cercada e Sancho I teve que reforçar, pelo menos, um dos castelos da terra de Celorico16, os mais importantes ocorreram em 1212, no contexto da disputa entre Afonso II e as suas irmãs. Nessa ocasião, as forças leonesas, das quais fazia parte o irmão do rei português, Pedro Sanches, tomaram duas vilas junto ao rio Minho, Valença e Melgaço, mas penetraram de igual modo pelas terras de Chaves e do Barroso, atacando Aguiar de Pena e Panóias17. Em resultado destas movimentações, ou talvez de outras em 1219, os leoneses conservaram a posse de Chaves até 123118. Os conflitos na região renovar-se-iam em 1220, quando outro irmão do rei, Martim Sanches, que era vassalo de Afonso IX de Leão e senhor de Límia, entrou no reino e destroçou três forças portuguesas nas lides de Barcelos, de Braga e de Guimarães19.

  • 20 Barroca, 2003a, p. 56.
  • 21 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 127b. Em 1258 (Gonçalves, 2012b, p, 31), estes (...)
  • 22 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 126b.
  • 23 Ibid., p. 127a.
  • 24 Ibid., p. 127a e b. Sobre a natureza destes serviços, que tanto incluíam tarefas braçais, como acç (...)
  • 25 Além de S. Eulália de Pensalvos (Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 126b), era o c (...)
  • 26 Ibid., p. 126a: «et faciunt servicium illi qui tenet castellum, et debent vellare castellum».
  • 27 Ibid., p. 126a.
  • 28 Ibid.: «de ista ecclesia dant de foro Ricohomini, quando vadit ad hostem Regis, ij. morabitinos».
  • 29 Das nove freguesias de Aguiar de Pena, só em três delas (S. Martinho de Friastelas, S. Julião de P (...)

4Como já foi sugerido20, a presença leonesa em Chaves pode justificar o ambiente de fronteira que caracteriza a terra de Aguiar de Pena nas actas das inquirições de 1220. Era tal circunstância que explicava, por certo, os serviços de espionagem prestados pelos moradores de três casais de Valoura, em S. Martinho de Bornes, a quem cabia saber, sempre que necessário, «quod facit Rex Legionensis»21. Em tempo de guerra, pertencia aos cultivadores de vinte e três casais do rei em Capeludos, da freguesia de Santa Eulália de Pensalvos, terem atalaias, dando informações privilegiadas —«dare sabedoria ad Castellum»—, e assegurando o trânsito dos homens do rei para as terras do Barroso, o que os eximia do serviço de apelido e de fossado22. Posto que nada conste quanto ao fossado, o apelido era dever a que não se eximia a maior parte dos vizinhos de São Martinho de Bornes23, embora muitos deles tivessem também de acorrer ao castelo para prestar serviços não especificados24, como ocorria, aliás, em Pensalvos e noutras quatro freguesias da terra de Aguiar25. O serviço de vela estava confiado, por outro lado, aos que habitavam nos dez casais do lugar do castelo, da freguesia do Salvador, os quais tinham igualmente que servir o alcaide respectivo26. Nem mesmo se descurara a assistência religiosa em caso de cerco, pois o abade da igreja do Salvador devia permanecer então no castelo e «cantare missam et alias oras»27. E se o citado abade do Salvador era o único que estava de certa forma obrigado ao serviço de hoste, dando dois morabitinos sempre que o Rico-Homem era chamado pelo rei28, poucos seriam, portanto, aqueles que se alheavam das operações de defesa quando soavam as trompetas da guerra na terra de Aguiar de Pena29.

  • 30 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 121a e b.
  • 31 Ibid., p. 124a: «Et omnes isti debent stare in castellum XV. dias si habuerint guerras».
  • 32 Ibid., p. 124b: «Et debent custodire casttellum […] ire ad apelido ita quod in ipso die reddeant a (...)
  • 33 Ibid., pp. 122a e b (Gouviães e Trasmires), 123a (Vilar de Maçada) 124a (Abaças), 125a (Roios).
  • 34 Ibid., p. 120b. Trata-se da actual freguesia de Folhadela, do concelho de Vila Real.

5Mesmo sem evocar um idêntico ambiente de fronteira, os serviços de defesa exigidos aos camponeses tinham alguma expressão na vizinha terra de Panóias. Os mais importantes eram os trabalhos de vela, que recaíam sobre alguns dos moradores das freguesias de Mouçós e de Adaúfe30, e, sobretudo, sobre os de Borbela, os quais, em tempo de guerra, deviam estar quinze dias no castelo31. Também os de Murça estavam sujeitos, por foro, a custodiar o castelo, se bem que acorressem de igual modo ao apelido, desde que pudessem regressar a suas casas no mesmo dia32. Tal como em Santa Maria de Borbela, onde havia quem devesse acudir ao castelo, registava-se a mesma imposição em outras cinco freguesias33, sem que se identificasse, em nenhuma, a natureza das tarefas a realizar. Para os cultivadores de quatro casais na freguesia de Santiago de Vila Nova, como para alguns dos moradores de dois lugares dessa freguesia, a ida ao castelo equivalia, porém, ao serviço de anúduva, quer dizer, à obrigação de participar nas obras de reparação e de construção das estruturas fortificadas34. Apesar da relevância e até da diversidade destas menções —e foi numa freguesia de Panóias que se registou uma das duas alusões ao fossado, como já se indicou—, o serviço da guerra tinha, contudo, um alcance mais limitado. Não só porque a ele não estavam coagidos todos os vizinhos das freguesias atrás mencionadas, mas, sobretudo, porque nas outras vinte e três freguesias da terra de Panóias, mais de dois terços do total, não se registou nenhuma prestação de natureza militar.

  • 35 Ibid., pp. 134b (Caçarilhe), 135a (Ourilhe), 136b (Mondim), 137b (Gémeos), 138b (Cabeceiras), 139b (...)
  • 36 Ibid., pp. 135a e b (Carvalho), 137b (Vila Garcia), 142a (Ardegão).
  • 37 Ibid., pp. 135a (Ourilhe), 135b (Rebordões) 136b (Mondim), 137a (Telões), 141a (Lavandeira), 141b (...)
  • 38 Apesar de escassearem as referências à cal na construção dos castelos (Martins, inédita, pp. 418, (...)
  • 39 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 135a (Ourilhe), 135b (Rebordões), 136a (Vale d (...)
  • 40 Ibid., pp. 135a e b (Carvalho), 136b (Infesta).
  • 41 Ibid., p. 141a (Lavandeira).

6O panorama não era muito diverso nas circunscrições da fronteira com Leão, caso das terras de Celorico, de Bouro e da Nóbrega. Na primeira delas, a anúduva era o serviço exigido com maior regularidade, documentando-se em sete das trinta e nove freguesias35. A estas, talvez se possam juntar aquelas onde alguns moradores estavam compelidos a ir ao castelo e à cal36, ou apenas a esta37, por ela ser um elemento indispensável, como se sabe, das argamassas com que se erguiam e reparavam os muros dos castelos38. Em contrapartida, o apelido não tinha grande expressão, sendo apenas exigido aos detentores de umas quantas herdades e casais de quatro freguesias39, embora alguns outros devessem velar e permanecer no castelo40, ou guardar os presos honrados que para aí fossem deslocados41. De outros serviços da guerra, nada mais constou.

  • 42 Ibid., pp. 96a (Chamoim), 96 b (Velance).
  • 43 Ibid., pp. 94a (Cenamir), 94b (Cova, Gondoriz, Ansede), 95a (Dossãos, Prado, Chorente), 95b (Goães (...)
  • 44 Ibid., pp. 95a (Chorente), 95b (Goães, Valdosende, Rio Caldo).
  • 45 Gonçalves, 2012b, pp, 18, 37.
  • 46 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 94a (Cenamir), 94b (Cova, Gondoriz, Ansede), 9 (...)
  • 47 Ibid., p. 91b: «Et omnes vadunt custodire castellum». A freguesia de S. Miguel corresponde a S. Ma (...)
  • 48 Ibid., pp. 98a (Covide), 98b (Carvalheira).
  • 49 Ibid., p. 98a.
  • 50 Gonçalves, 2012b, pp. 29-31. Sobre o tributo, Id., 2012a.
  • 51 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 98b: «et dant vitam Maiordomo qualem tenerent e (...)

7Era diversa a realidade observada nas terras de Bouro, onde a anúduva só se demandava a uns quantos vizinhos de duas freguesias42, predominando em contrapartida a sujeição ao apelido, atestada em nove das sessenta e oito paróquias43. Em tempo de guerra, eram muitos os que tinham que acudir à Portela do Homem44, para a vigiar e impedir qualquer incursão leonesa que usasse essa importante entrada45, enquanto alguns outros, das mesmas, ou de outras freguesias, deviam acorrer ao castelo46. A guarda deste último estava assegurada, por outro lado, pelos vizinhos de São Miguel do Vilar, a quem cabia custodiar o castelo47, coadjuvados certamente por oito famílias de Santa Marinha de Covide e de São Paio de Carvalheira, todas com o compromisso de aí terem a sua morada48. Na primeira destas freguesias, os possuidores de dois casais estavam ainda sujeitos a alimentar o casteleiro, dando-lhe, um deles, um alqueire de pão pela medida de Braga, e, o outro, uma teiga de pão, uma galinha, dez ovos e um afusal de linho, sem que se indicasse a periodicidade de tais entregas49. O mesmo tributo, ora designado vida, e que podia constar de uma refeição completa50, era igualmente solvido na freguesia de São Paio de Carvalheira, talvez por todos os moradores51. Estava limitado, porém, como por vezes sucedia, aos alimentos que dispusessem para a sua refeição.

  • 52 Ibid., pp. 119b (Paço Velho), 120a (Balões).
  • 53 Ibid., p. 118a e b.
  • 54 Ibid., pp. 119b (Paço Velho), 120a (S. Tomé de Vade).
  • 55 Ibid., pp. 117a (Grovelas, Ásias), 117b (Salvador de Touvedo, Panascal), 118a (Entre Ambos-os-Rios (...)
  • 56 Ibid., pp. 117a (Grovelas, Asias), 118a (Entre Ambos-os-Rios), 118b (S. Pedro de Vade), 119a (Aboi (...)
  • 57 Ibid., pp. 117b (Salvador de Touvedo, Panascal), 118a (Entre Ambos-os-Rios, Vila Chã, S. João Vila (...)
  • 58 Ibid., p. 117a: «quisque per se dat Castellario in singulis kalendis de quo habuerit si illi pecie (...)
  • 59 Ibid., pp. 118a, 119a.
  • 60 Ibid., pp. 118a (Covas), 118b (Sampriz), 119a (Paço Velho), 120a (S. Tomé de Vade, Valões).
  • 61 Registou-se em 14 das 34 freguesias. Entre outras, veja-se ibid., pp. 99b (Rio Mau), 100a (Fornelo (...)
  • 62 Ibid., pp. 104a (Santiago), 105b (Cepães), 108b (Antas), 131b (Carvoeiro).
  • 63 A única excepção é a prestação registada em Portela de Leitões (ibid., p. 79b), freguesia do termo (...)
  • 64 Gonçalves, 2012b, p. 30.

8Nem a anúduva, nem mesmo o apelido, estavam bem representados na terra da Nóbrega. A primeira cobrava-se somente em duas freguesias, e, em ambas, não recaía em mais que duas famílias52, se bem que uma delas apenas estivesse obrigada a fazer as portas do castelo. Em Santa Maria de Covas, hoje do concelho de Vila Verde, e em Santiago de Sampriz, no de Ponte da Barca, todos respondiam ao apelido53, embora noutras duas freguesias esse dever só recaísse sobre alguns fregueses54, nada constando nas restantes. O encargo de alimentar o casteleiro, também dito vida, era em contrapartida o mais comum, tendo-se registado em quinze das vinte e uma freguesias55. Podia ser pago por todos os moradores, ou só por alguns56, uma vez por mês57, ou apenas quando o casteleiro o solicitasse58. Também podia ser satisfeito em víveres —em S. Maria de Covas e em Vila Nova de Muía, entregava-se uma monda, ou a farinha equivalente59—, posto que fosse mais frequentemente remido em moeda, em regra um dinheiro, ou por alimentos nesse valor60. Tal tributo, que tinha ainda uma grande expressão na vizinha terra de Penela61, menos um pouco nas de Neiva e de Santo Estêvão62, mal se documentava, de resto, para lá dos limites definidos pelos rios Cávado e Lima63, facto em parte corroborado pelas inquirições de 125864.

  • 65 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 129a.
  • 66 Ibid., pp. 128b (Aborim, Balugães), 129a (Navió, S. Lucrécia, S. Lourenço), 129a (Ardegão, Poiares (...)
  • 67 Ibid., p. 128b: «Et de Freufe […] vadunt ad castellum facere».
  • 68 Ibid., pp. 104a (Santiago), 104b (Campo), 106b (Ania, Tregosa, Cortegaça), 108b (Paivães). Os dois (...)
  • 69 Registou-se tal obrigação em 21 das 49 freguesias. Entre outras, ibid., pp. 103b (Alijó), 105a (Vi (...)
  • 70 Ibid., p. 107a: «Et omnes de ista collatione habent pro foro quod si dominus Rex tenuerit ibi naui (...)

9O serviço da guerra só voltava a ter dimensão de relevo nas zonas costeiras, mormente nas terras de Neiva e de Aguiar de Riba de Lima. Nesta última, além de estarem sujeitos ao apelido os fregueses de Navió e alguns dos de Vitorino dos Piães65, a obrigação de acudir ao castelo era observada em sete das suas treze freguesias66, com a anúduva a recair sobre os moradores de um lugar de Quintiães67. Eram um pouco mais os que estavam submetidos a esse tributo na terra de Neiva, atestados em Castelo de Neiva, Campo, Vila Nova de Anha, Tregosa, Cortegaça e Paivães68. Mas eram numerosos os que se obrigavam a acudir ao castelo, situação que se rastreava em quase metade das freguesias e que respeitava, por vezes, a todos os moradores69. A posição do castelo junto ao mar e perto dos estuários do Lima e do Cávado era o que justificava, por certo, a importância de tais serviços, sendo a ameaça marítima a razão por que se coagiam, de igual modo, os vizinhos de Santa Maria das Areias a vigiar a foz do Lima e a guardar o celeiro do monarca sempre que houvesse avisos de guerra e os navios do rei andassem na costa entre o Douro e o rio Minho70.

  • 71 Aí se inclui o termo de Guimarães e o couto de Braga, além das terras de Penafiel de Bastuço e do (...)
  • 72 Termos de Ferreira, de Aguiar de Sousa, de Felgueiras e de Lousada.
  • 73 Gonçalves, 2012b, p. 33
  • 74 Mattoso, 1985b, pp. 68-74; Id., 1985a, t. I, pp. 137 sqq.
  • 75 Gonçalves, 2012b, pp. 33-34.

10Nas restantes circunscrições, as prestações de natureza militar tinham um carácter mais residual. Entre outras, era o caso das terras de Montelongo e de Gestaçô, a leste, de Vermoim e de Faria, a ocidente, ou de Penafiel de Soaz, na zona Norte. Outras havia, porém, totalmente isentas desse tipo de encargos e onde o esforço de guerra não recebia, ao que parece, qualquer contributo da gente comum. Além da terra de Ponte e do termo de Vieira, distribuíam-se as demais em torno das cidades de Braga e de Guimarães71, e, depois, na região do Douro litoral72, junto à cidade do Porto. Tal panorama parece revelar, como já foi sugerido73, que nessas terras o exercício da guerra estava monopolizado pelas milícias concelhias e pelos cavaleiros dos ricos-homens, hipótese que se apoia, em parte, na forte concentração de terras senhoriais no Douro litoral e nas margens do Ave e do Cávado74. As inquirições de 1258 mostram, contudo, que o apelido era um encargo importante na região de Guimarães75, facto que não só indicia o carácter lacunar dos dados de 1220, como sugere que o serviço militar dos camponeses mantinha então algum valimento.

A PRESENÇA E O PATRIMÓNIO DAS ORDENS MILITARES

  • 76 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 223a: «Fratres de Calatrava».
  • 77 Ibid., pp. 213b (Agrela), 214b (Garfe), 223b (Santa Marta), 237b (Vila Nova), 238a (S. Lourenço).
  • 78 Ibid., pp. 228b (Creixomil), 245b (Vilar de Esperança), 250a (Fregim).
  • 79 O primeiro mestre da milícia, Gonçalo Viegas, era originário das terras de Lanhoso. Entre outros, (...)
  • 80 A associação da milícia à vila de Uclés foi recordada nos Livros Velhos de Linhagens, 1B7.
  • 81 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 246b: «Et Freires de Alcazar». Para a referênci (...)
  • 82 Ibid., p. 211a (S. Cristóvão de Abação).

11Mesmo se estavam já um tanto esquecidas das ameaças muçulmanas e também mais atentas aos perigos vindos do reino de Leão, as gentes destas freguesias a Norte do Douro não se alheavam por completo dos sucessos da fronteira Sul. Não ignoravam, na verdade, que eram originários de Évora os freires que detinham algumas rendas e direitos no território onde viviam. Se estavam a par da sua filiação em Calatrava e os nomeavam como freires dessa milícia76, insistiam sobretudo na sua associação a Évora77, sem que lhes fosse estranha a forma de vida comunitária, dita «freiria de Elbora», que esses freires para si haviam escolhido naquela cidade do Sul78. Mais importante, sobretudo porque não pode ser explicada pela origem nortenha dos seus mestres, como ocorria com os freires de Évora79, era a maneira como os freires de Santiago eram aí mencionados. Sem que nunca se recordasse o vínculo ao apóstolo, sob cuja bandeira combatiam, nem mesmo a sua origem castelhana80, eles eram exclusivamente lembrados como freires de Palmela, ou de Alcácer81. Nada de parecido ocorria com as restantes milícias, sempre designadas como Templo e Hospital, por certo devido à ligação a Jerusalém, embora numa freguesia do termo de Guimarães se tivessem citado os hospitalários de Leça82. Neste caso particular, era a proximidade geográfica que ditava, talvez, as suas leis.

  • 83 Mattoso, 2000, pp. 276-281.
  • 84 Krus, 1994, pp. 53-55, 66-70.
  • 85 Ibid., pp. 54, 69-70. Para o passo da fonte, Livros Velhos de Linhagens, 1B7.
  • 86 Barroca, 2003a, pp. 46, 57-58.
  • 87 Pereira, 1996; Vilar, 2005, pp. 133-149; Martins, 2011. Sobre a presença dos freires de Évora no c (...)
  • 88 Vilar, 2005, pp. 134, 137-138; Erdman, 1940, pp. 45-46. A pregação da cruzada no reino consta da c (...)

12Não sendo numerosas, estas memórias camponesas das cidades do Sul definiam um contraste muito nítido com o desinteresse da nobreza por esses novos territórios. No Livro Velho de Linhagens, escrito por um monge de Santo Tirso para os senhores da Maia, nos finais dos anos oitenta do século xiii83, eram efectivamente escassas as menções aos espaços urbanos84. A Sul do Tejo, Évora era a única cidade referida, apenas para aí se localizar a morte de um bastardo régio, Fernando Afonso, às mãos dos freires de Uclés85. Tal como no Livro Velho de Linhagens, era através das ordens militares, e, em particular, das de Évora e de Santiago, que em 1220 se revelavam as cidades do Sul às gentes do Norte, sem que lhes fosse imposta a mesma conotação negativa. Todas essas cidades se associavam, pelo contrário, à presença de comunidades religiosas, e duas delas, pelo menos, evocavam conquistas recentes dos exércitos cristãos, nos quais os cavaleiros das ordens se tinham integrado86. A observação vale sobretudo para Alcácer87, cuja conquista ocorrera há menos de três anos e em cujo assédio todas as ordens militares haviam participado. Na divulgação deste recente episódio entre os camponeses do Norte, os freires das ordens devem ter tido um papel preponderante, quer porque os esforços militares foram antecedidos pela pregação da cruzada, quer ainda porque o rei português estivera ausente do cenário das operações88. Talvez os mais empenhados nessa tarefa fossem os cavaleiros de Santiago, ou mesmo os hospitalários, por terem a sua casa conventual na vizinhança do território percorrido pelos inquiridores de 1220 e por estarem igualmente interessados na captação dos favores e das esmolas dos fiéis.

  • 89 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 246b. Esta referência já fora notada por M. Cun (...)
  • 90 Para esta referência, veja-se a edição das inquirições no portal do Instituto de Estudos Medievais (...)
  • 91 Para os bens e direitos da ordem citados nas Inquirições de 1258, M. Cunha, inédita, p. 242, n. 11 (...)
  • 92 M. C. Cunha, 1986-1987, pp. 132, 139, 141-143; Ead., inédita, pp. 125-126.
  • 93 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 213b (Agrela), 214b (Garfe).
  • 94 Ibid., pp. 55b, 245b.
  • 95 Ibid., p. 228b: «Freiria de Elbora iiij. casalia, et quartam de ista ecclesia».
  • 96 Ibid., pp. 237b (Vila Nova), 238a (S. Lourenço).
  • 97 Ibid., p. 250a.
  • 98 Ibid., pp. 223a (Goães), 223b (Santa Marta). Por lapso, M. C. Cunha (1986-1987, p. 142; Ead., inéd (...)
  • 99 Tanto Trindade (1981, pp. 132, 137), como M. C. Cunha (inédita, p. 125), apresentaram totais infer (...)
  • 100 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 55b (Vilar de Esperança), 213b (Agrela). Segun (...)

13Nem os freires de Évora, nem aqueles que então se diziam de Palmela e de Alcácer, detinham, contudo, um património significativo nas terras entre o Lima e o Douro. A ordem de Santiago possuía apenas o quinto de um casal na freguesia de Santo Emilião, no termo de Lanhoso89, sendo padroeira da igreja de Santa Cristina, do termo de Lousada90. Ignora-se se este inventário estaria completo, mas os bens da milícia na região não eram avultados, e, se bem que tivessem aumentado por finais do século xiii91, nunca foram organizados em comenda. Em contrapartida, os freires de Évora tinham no julgado de Bouro a casa de Oriz, já documentada desde finais do século xii e à qual pertenciam, ao que parece, os bens inventariados em 122092. Entre eles, contavam-se duas quintãs no termo de Guimarães, uma em Agrela, a outra em Garfe, detendo esta o terço de quatro casais e arrecadando direitos senhoriais de natureza pública93. Os núcleos patrimoniais mais importantes situavam-se, porém, em Vilar de Esperança, do termo de Lanhoso, onde a milícia possuía dezassete casais e metade de um campo94, e em Creixomil, na terra de Neiva, sendo aqui proprietária de quatro casais e uma das padroeiras da igreja local95. Entre os demais, incluíam-se quatro casais em duas freguesias da terra de Panóias96, um outro na de Fregim97, em Santa Cruz de Sousa, e partes indivisas de dois casais no julgado de Bouro98. Alguns destes bens, entre os quais havia trinta e dois casais99, localizavam-se em antigas terras da Coroa100, circunstância que poderá revelar o apoio dos monarcas à milícia, se bem que não se conheça a origem dos restantes.

  • 101 A comenda de Braga está documentada desde 1238 (Fernandes, inédita, p. 114), mas as doações de ben (...)
  • 102 A ordem possuía outra comenda na região, mas situada para lá do Rio Lima, na localidade de Rio Fri (...)
  • 103 Trindade, 1981, pp. 133-134, 137. Para as cinco fracções de casal, que iam dos três quartos aos tr (...)
  • 104 Trindade, 1981, p. 134.
  • 105 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 212b, 227a, 237b, 225b, respectivamente.
  • 106 Ibid., p. 226b: «Et Templum duas partes de Albergaria et suis senariis et iiij. casalia».
  • 107 Gonçalves, 2012b, p. 18.

14Tal como os freires de Évora, os templários tinham uma comenda em Braga, talvez desde finais do século xii101, à qual deviam pertencer os bens descritos pelos inquiridores102. Possuíam, contudo, um património bem mais avultado, formado por 143 casais, com quotas indivisas noutros cinco, em boa parte concentrados nas terras de Faria, de Neiva e de Penela, ou até no termo de Braga, e com menor expressão noutras nove circunscrições103. Pertenciam-lhes ainda cinco quintãs e partes indivisas noutras duas104. Não sendo muitas, deviam reforçar de forma muito considerável a presença da milícia em certas localidades, por serem unidades de exploração e de administração com alguma importância. Era esse, talvez, o caso da freguesia de Longos, no termo de Guimarães, onde o Templo tinha uma quintã e dois casais, e, sobretudo, os de Abade de Neiva (uma quintã e nove casais) e de Santiago de Vila Nova (uma quintã e oito casais), na terra de Panóias, ou mesmo o de São Paio de Vila Nova, em Penela, onde detinha três quartos de uma quintã e oito casais, a par de outros bens105. Em contrapartida, a milícia não tinha nenhum senhorio, nem qualquer padroado, embora lhe coubesse uma quota parte na albergaria de Penela106, situada sobre a estrada que partia de Braga para Compostela107.

  • 108 Azevedo, 1949, p. 327; Barroca, 2000a, pp. 192-193.
  • 109 Costa, inédita, pp. 59, 61, 115, 146, 176. Para os bens listados em 1220, Portugaliae Monumenta Hi (...)
  • 110 Ibid., pp. 119a, 236b.
  • 111 Ibid., p. 236a. Para outros testemunhos da presença do Hospital, Coelho, 1990b, pp. 177, 180, 184.
  • 112 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 112a, 115b, 111a, respectivamente.
  • 113 Costa, inédita, pp. 60, 183.
  • 114 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 1425b: «Non est jbi abbas quia est fratrum Hosp (...)
  • 115 São as igrejas de S. Martinho de Aboim (Nóbrega), de S. Estêvão de Boulosa (Penela), de S. Mamede (...)
  • 116 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 227a (Boulosa), 236b (Aboim), 238b (Poiares).
  • 117 Ibid., pp. 207a (Rebordões), 217a (Penselo), 241b (Paradela), 244b (Amarante).
  • 118 Ibid., p. 227b (Vila Fiscaia): «Hopsitale j. modium de renda de una heremita».
  • 119 Ibid., pp. 119a, 54a.
  • 120 Ibid., p. 128a.

15Talvez por causa da localização da sua casa conventual em Leça do Balio, numa zona muito próxima, mas também devido a um interesse mais tardio pelos combates da fronteira Sul —a conquista de Silves, em 1189, fora a sua primeira acção militar108—, era maior o enraizamento dos hospitalários na região. Tinham aí duas comendas, uma em Aboim, na terra da Nóbrega e já documentada em 1146, a outra na Faia, em Celorico, que detinha dezassete casais em 1220 e cujo comendador se atestaria sete anos depois109. A casa de Aboim era, talvez, a mais importante, quer por ser a mais antiga, quer por ser a única detentora da igreja local e dos seus vinte e três casais, quer, ainda, por se situar em terra imune, graças a uma mercê de Sancho I110. Noutra freguesia da terra da Nóbrega, possuía a ordem outro espaço coutado, composto por sete casais111. Era na terra de Faria que se concentrava, contudo, a maior parte dos seus coutos, em Terroso e em São Paio do Carvalhal, ou em Cabanosa, onde a milícia impedia a entrada do mordomo e honrava a freguesia112. Ignoram-se as razões desta preferência, mas são elas que podem explicar porque foi aí que se instalou uma terceira comenda, a de Chavão, que está documentada desde Agosto de 1240113 e cuja existência é confirmada pelas inquirições de 1258114. A presença dos hospitalários materializava-se, ainda, no padroado de sete igrejas e de três ermidas, distribuídas um pouco por toda a parte: terras da Nóbrega, de Penela, de Santo Estêvão e de Aguiar de Riba de Lima, de Neiva, de Celorico, de Panóias, e nos termos de Guimarães e do Castelo de Refojos115. Nalgumas a milícia era a única padroeira, apresentando sozinha os párocos à confirmação dos bispos116, embora noutras partilhasse tais direitos com o monarca, ou com algumas igrejas e mosteiros locais117, caso em que eles podiam reduzir-se a uma porção fixa, como ocorria numa das ermidas118. Não admira, pois, que os hospitalários fossem os únicos freires que a memória camponesa resgatou do anonimato, nomeando-se os freires Afonso Negro e Martim Calvo119, um em Aboim, o outro em Amarante, e citando-se um Martim do Hospital entre os inquiridos em Salvador de Pena120, na terra de Aguiar de Pena.

  • 121 Trindade, 1981, pp. 132, 133, 137. Aos 620 casais aí indicados, somaram-se os dez que o Hospital t (...)
  • 122 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 212b. Para a localização das onze quintãs e das (...)
  • 123 De acordo com Trindade (ibid., p. 133), a ordem não tinha qualquer casal na terra de Ponte, no jul (...)

16Com tal implantação no território, e, por certo, com algum ascendente, também, sobre as comunidades locais, era de esperar que os hospitalários tivessem um património volumoso e que pudessem figurar, nalguns locais, entre os principais proprietários da região (mapa 2). No conjunto, possuíam 630 casais121, dois terços dos quais situados nas circunscrições atrás citadas, onde a presença da ordem mais se fazia sentir. Era nessas mesmas terras que se localizava, aliás, a maior parte das quintãs e a única granja do Hospital, esta em Santa Cristina de Longos, no termo de Guimarães122, rastreando-se as demais nas terras de Bouro e de Vermoim, ou na de Ponte, onde lhe pertencia o sexto de uma quintã em Santa Maria de Rebordões. Não eram muitas, de resto, as circunscrições onde a ordem não tinha qualquer casal, ou quintã, caso que se restringia ao julgado de Pedralvar e ao termo de São João Rei123, enquanto em outras ombreava, por vezes, com os proprietários eclesiásticos mais abonados, como já se deixou anotado.

Mapa 2. — Os casais das Ordens Militares nas Inquiriçoes de 1220, adaptado de Trindade, 1981, extra-texto, entre a p. 136 e a p. 137.

Mapa 2. — Os casais das Ordens Militares nas Inquiriçoes de 1220, adaptado de Trindade, 1981, extra-texto, entre a p. 136 e a p. 137.
  • 124 Ibid., p. 213a: «Et habet ibi Hospital j. casale minus sexta et alia entrada»; p. 214a: «Et Hospit (...)
  • 125 Entre outras, ibid., pp. 1a, 77b, 80b, 211a e b, 212b, 213a e b, 214a.
  • 126 O Hospital apenas tinha uma entrada em Santiago de Lamaçães (ibid., p. 258b), hoje freguesia de Fr (...)
  • 127 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 243a, 244b, 245a (Celorico); pp. 42a, 43a, 121 (...)
  • 128 Ibid., pp. 101b, 225b, 226b (Penela); pp. 227b, 229a e b (Neiva); pp. 231a, 232a, 233b, 234b (Fari (...)
  • 129 Ibid., pp. 220b, 221a, 222a, 224a.
  • 130 Ibid., pp. 117b, 235b.
  • 131 Ibid., pp. 248a (Penafiel de Soaz), 242b, 243a (Montelongo), 249a (Travaçós).
  • 132 Ibid., p. 261b.

17Não eram estes os únicos prédios do Hospital. Do seu património fazia parte outro conjunto de bens de menor valia, desde as leiras e as vinhas, aos campos e às herdades, e, sobretudo, às fracções indivisas de casais, por vezes designadas como entradas124. Eram numerosos no termo de Guimarães, onde surgem em dezasseis freguesias125, talvez por ser zona de povoamento mais antigo e ter uma propriedade mais retalhada, posto que quase não constem no termo de Braga126. No geral, acompanhavam o restante património da milícia, com presença assinalável nas terras de Celorico e de Panóias127, ou em Penela, Neiva e Faria128, embora fossem frequentes nas terras de Bouro129 e mais escassos na terra da Nóbrega130. Também estavam presentes nas comarcas em que o Hospital tinha um património menos significativo. Entre outros, era o que acontecia nas terras de Penafiel de Soaz e de Montelongo e no julgado de Travaçós131, mas, sobretudo, no termo de Felgueiras, onde os bens detidos pela ordem se reduziam à metade de um casal na freguesia da Pedreira132.

  • 133 Costa, inédita, pp. 78, 88-89, 97. Para Amarante, Marreiros, 1985, pp. 5-8.
  • 134 Costa, inédita, pp. 53-57, 59-63, 162 sqq.; Ead., 2005, pp. 616-618; Pizarro, 1999, t. I, pp. 535- (...)
  • 135 Para exemplos, Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 30a: «et modo habet illa Hospita (...)
  • 136 Ibid., p. 159a.
  • 137 Ibid., pp. 145b, 129b, respectivamente.
  • 138 Ibid., p. 122b.

18Não é fácil explicar a origem deste património, quer no que respeita aos núcleos mais importantes, quer quanto aos prédios de menor dimensão, ou mais fraccionados. São muito poucas, com efeito, as doações, as compras e os legados conhecidos para este período133, enquanto a relação que a milícia estabeleceu com algumas linhagens da região, como os de Aboim, os Pereiras e os de Riba de Vizela, que poderia justificar algumas dádivas, só se documenta em época posterior134. Mais preocupados com o que afectava as rendas e os direitos do monarca, os inquiridores também pouco adiantaram sobre as modalidades de aquisição dos bens do Hospital, limitando-se a assinalar o que este tinha ou havia obtido numa dada freguesia e a registar, por vezes, o nome dos antigos proprietários135. Só em quatro comarcas é que averbaram alguns legados e doações, em regra realizados por camponeses locais e quase sempre respeitantes a parcelas menos extensas, ou mais divididas. Foi isso que ocorreu em Entre Ambos-os-Rios, na terra de Vermoim, onde se legou ao Hospital o sexto de uma herdade foreira136, em Santo Estêvão de Geraz (Lanhoso) e em Santa Maria de Quintiães (Aguiar de Riba Lima), com doações da quarta e da sexta parte de dois casais, respectivamente137, ou em Santo Estêvão de Abreiro (Panóias), onde um Pedro Gomes cedeu ao Hospital o terço das herdades que possuía138.

O HOSPITAL E AS COMUNIDADES LOCAIS

  • 139 Para a Ordem do Templo, registou-se a cobrança de rendas semelhantes numa única freguesia, a de Sa (...)
  • 140 Trindade, 1981, p. 134.
  • 141 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 222a: «Hospitale terciam de casali, et ij, brac (...)
  • 142 Ibid., p. 216b: «Hospital habet ibi ij. casalia medium. Et Sanctus Michael j. casale de quo dant H (...)
  • 143 Ibid., pp. 235b, 236a e b (Nóbrega), 225a, 226b (Penela), 221a, 222a, 224b (Bouro), 227b, 228b, 22 (...)
  • 144 Ibid., pp. 215b (Guimarâes), 217b (Penafiel de Bastuço), 219a e b (Prado), 232a (Faria), 240a (Agu (...)
  • 145 Ibid., pp. 211a, 213b, 217 b, 252a (teiga), 226b, 232a, 256a (quarteiro), 228b (moio).
  • 146 Ibid., pp. 219a, 224b (quarta), 219b, 260a (moio).
  • 147 Ibid., pp. 211a, 213a, 221a, 222a, 235b (côvados), 225a, 251b (bragais).
  • 148 Ibid., pp. 225a e b, 241b (meio), 227b, 234a, 240a, 241b (um).
  • 149 Ibid., pp. 226b, 235b, 241a.
  • 150 Ibid., pp. 213a, 230a.
  • 151 Ibid., p. 229b. Paras as restantes, ibid., pp. 236a e b, 252a, 230b, respectivamente.

19Mesmo escassos, são os actos deste tipo que podem explicar quer a dispersão, quer a multiplicidade de pequenas parcelas detidas pelo Hospital, assim indiciando o apoio que ele encontrava nas comunidades locais. Há outros testemunhos, talvez menos claros, de um idêntico compromisso com os freires da ordem. Ao contrário de outras milícias139, o Hospital recebia diversas prestações fixas, em géneros, ou em dinheiro, atestadas em cinquenta e oito freguesias de dezasseis comarcas e em regra nomeadas como renda140. Na maior parte destes casos, aquelas rendas surgiam em freguesias onde o Hospital tinha algum património, embora nem sempre estivessem associadas a um prédio em particular141, e fossem por vezes solvidas através de bens que não lhe pertenciam142. Em vinte cinco daquelas freguesias, o Hospital não tinha, contudo, quaisquer propriedades, condição que não o impedia de arrecadar tributos semelhantes. Estas últimas não estavam circunscritas a qualquer zona específica, e, se bem que fossem mais numerosas nas terras da Nóbrega, de Penela, de Bouro e de Neiva143, surgiam de igual modo noutras oito comarcas144. Numas e noutras, aquelas rendas estavam formadas por quantias fixas de cereal, de vinho, de panos de linho, ou de dinheiro, embora os montantes fossem muito variáveis. Podiam ir desde uma teiga a um quarteiro, ou a um moio, no caso do pão145, de uma quarta a um moio de vinho146, de uns poucos côvados a várias varas de bragal147, ou fixarem-se, com maior frequência, no meio morabitino e no morabitino148, embora se dobrasse esta última quantia nalgumas freguesias149. Também podiam ter uma composição diversificada, nelas se incluindo o pão e o linho150, ou o dinheiro e outros produtos. Era o que se verificava em Santiago de Sampriz (Nóbrega), em Santiago de Gavião (Vermoim), em São Paio de Antas e em Santa Maria de Tregosa (Neiva), recebendo o Hospital, nesta última, dois dinheiros e uma mealha, além de um almude de pão151.

  • 152 Ibid., pp. 215b, 236a e b.
  • 153 Ibid., pp. 213a, 227b, 229b, 252. Era talvez o caso de S. Maria de Amarante, na terra de Celorico (...)
  • 154 Mattoso 1985a, t. I, p. 237.
  • 155 Rodrigues et alii, 1978, pp. 410, 425; Mattoso 1985a, t. I, pp. 238, 241, 269-270.
  • 156 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 131b: «Hospitale habet ibi unam hereditatem de (...)

20Nem todas estas rendas tinham a mesma procedência. Algumas associavam-se a tributos de natureza servil, como a lutuosa152, enquanto outras, formadas em regra por géneros mais variados153, podiam confundir-se com as direituras e terem, portanto, uma origem dominial, como já foi sugerido154. No que respeita às demais, o problema é mais complicado. Com base em observações feitas a partir dos inquéritos de 1258155, poder-se-ia admitir que aquelas rendas eram o resultado de censúrias, ou de encomendações, através das quais um camponês livre cedia a sua terra, ou parte dela, recebendo-a depois em concessão, ou aceitava que sobre ela recaísse um novo tributo, para garantir a protecção de algum senhor e ficar assim isento dos serviços exigidos pelo monarca. Mesmo sem discutir esta interpretação, em favor da qual militam dois testemunhos das inquirições de 1220156, importa notar que ela se fia, em parte, na opinião dos inquiridores, facto que desvia o olhar para as realidades a que eles estavam mais atentos, ocultando as demais. Era mais difícil, na verdade, que os inquiridores manifestassem o mesmo interesse por vínculos de outra natureza, e, em particular, pelas formas de associação espiritual entre o Hospital e alguns membros das comunidades locais.

  • 157 Para um panorama das formas de associação de leigos às ordens religiosas, Orlandis, 1954; Rêpas, 2 (...)
  • 158 Orlandis, 1954, pp. 151-168; Schenk, 2012, pp. 46-49, 52.
  • 159 Orlandis, 1954, pp. 166-168, 198, n. 198. Um morabitino foi o valor fixado num acordo de familiari (...)
  • 160 Orlandis, 1954, pp. 169-170, 267-268; Schenk, 2012, pp. 56-58.
  • 161 Orlandis, 1954, pp. 266-271; Schenk, 2012, pp. 56-57. Sobre a isenção dos familiares, Lomax, 1965, (...)
  • 162 Mansi, Sacrorum Conciliorum, t. XXII, col. 1043-1046, nº 57: «Certam tamen & ipsi remissionem obti (...)
  • 163 Rodríguez-Picavea Matilla, 1994a, pp. 286-288; Ayala Martínez, 2003b, p. 187.
  • 164 Figueiredo, 1793, pp. 396, 397, 399, 400-401.

21Muitas das rendas fixas registadas em 1220, sobretudo nas freguesias onde a milícia não tinha quaisquer bens, podem corresponder, na verdade, aos censos que se acordavam com quem entrava na familiaridade de uma ordem religiosa157. Para os que conservavam a posse dos bens à data da recepção, era habitual que a promessa então feita desse lugar ao pagamento de um censo anual, que tanto podia ser uma prestação autónoma, como prelúdio de uma doação futura, e ser paga a dinheiro, ou em géneros158. Os montantes envolvidos nem sempre eram elevados —um quarteiro de trigo, ou apenas duas arrobas, doze soldos, meia libra, ou um morabitino159—, se bem que pudessem descer a quantias bem menores. Em 1215, num dos cânones do IV concílio de Latrão reconhecera-se, com efeito, a existência de familiares que eram admitidos nas ordens religiosas a troco do pagamento de dois ou três dinheiros por ano160. Mesmo se estes não eram considerados ao nível dos outros familiares e não se lhes dava o direito de serem sepultados durante os interditos, procurando sujeitá-los assim à jurisdição dos bispos161, nem por isso eles deixavam de ser dignos de alguns méritos162. Com tal abertura da familiaridade a quem se dispunha a fazer pequenas esmolas, por regulares que fossem, não admira que seja possível documentar uns quantos camponeses entre os familiares das ordens militares163, e, sobretudo, entre os da ordem do Hospital164.

  • 165 Essa equivalência ficou registada, pelo menos, num testemunho recolhido no mosteiro de S. Simão da (...)

22Era também esse, talvez, o caso de muitos dos camponeses que ofereciam, em 1220, um censo fixo ao Hospital. Como familiares participavam na comunidade de oração da milícia e beneficiavam do seu amparo e da sua protecção, episódio que despertava a atenção dos inquiridores sempre que isso os eximia dos tributos e dos serviços devidos ao monarca. Se em alguns casos tal isenção podia ser o resultado que se procurava de forma consciente, nalguns outros haveria, pelo contrário, o desejo de estabelecer um compromisso e de participar na vida espiritual dos freires. Com alguma frequência, materializava-se esse vínculo por meio da entrega anual de um morabitino, ou dos seus múltiplos e sub-múltiplos, quantia que pode equivaler, de resto, ao «preço» do corpo que todo o familiar prometia entregar à milícia165. Por assim se associarem ao Hospital, davam os camponeses do Norte bom testemunho da atracção que sobre eles exercia a vida religiosa e comunitária nas casas da ordem, circunstância tanto mais significativa quanto se registava num território com uma densa malha de igrejas e de mosteiros. Mas, através das suas esmolas, talvez eles quisessem apoiar, também, as actividades de assistência desenvolvidas pelos freires e o seu crescente empenho nos combates da fronteira Sul, ou até financiar, quem sabe, o socorro da Terra Santa.

Notes

1 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 1a. As actas de 1220 foram objecto de uma nova edição no âmbito do Projecto «Regnum Regis», dirigido por Luís Krus, Amélia Andrade e Bernardo Sousa, estando disponíveis no portal do Instituto de Estudos Medievais <http://iem.fcsh.unl.pt/section.aspx?kind=outros&id=258> acompanhadas por uma base de dados que facilita as pesquisas e a identificação e localização das freguesias.

2 Mattoso, Krus, Andrade, 1989, p. 40. O itinerário do monarca (Vilar, 2005, pp. 265-266) não desmente a hipótese.

3 Trabalhou-se com um total de 717 paróquias. Note-se que na base de dados das inquirições, que está disponível no portal acima indicado, apenas se contabilizam 704, por se terem excluído os mosteiros e as ermidas com estatuto paroquial.

4 Mattoso, Krus, Andrade, 1989, pp. 39-40, 43-45. Para a consulta desses textos, veja-se o portal acima indicado do Instituto de Estudos Medievais.

5 Mattoso, 1985b, pp. 69-74; Vilar, 2005, pp. 187-189.

6 Além da introdução à publicação das inquirições, veja-se Mattoso, Krus, Andrade, 1989, pp. 41-44.

7 A estimativa é do cruzado alemão (Relação da derrota naval, façanhas e sucessos dos Cruzados, p. 36), que identificou como galego o autor de uma façanha ocorrida durante o cerco (ibid., p. 24), tendo um cronista posterior (Crónica de Portugal de 1419, pp. 94) acrescentado que ele tinha um filho cativo na cidade. Sobre a actividade naval, Picard, 1997, pp. 79-83, 90-91, 135; Duarte, 2003, pp. 293-298, 327-329.

8 Sobre as declinações da fronteira, Barroca, 2003a, pp. 25-52; Marques, 1996, pp. 37-43 e mapa à p. 62.

9 Barroca, 2003c, p. 92; Gonçalves, 2012b, p. 44.

10 O serviço de hoste foi mencionado em duas freguesias: em Salvador de Pena, na terra de Aguiar de Pena (Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 126a), para registar a obrigação de a igreja local contribuir com dois morabitinos quando o Rico-Homem saía em hoste, e em S. Pedro de Cerzedelo, da terra de Penafiel de Soaz (ibid., p. 148a), guardando os moradores o castelo se o rei partia em hoste. Nos inquéritos de 1258 (Gonçalves, 2012b, pp. 45, 47-48), o serviço de hoste documentou-se noutras comarcas, mas exteriores ao território visitado pelos inquiridores de 1220.

11 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 111b, 121a. Por lapso, na base de dados das inquirições, disponível no portal do Instituto de Estudos, registou-se o fossado em Salvador de Pena (Aguiar de Pena).

12 Gonçalves, 2012b, pp. 45-47.

13 Barroca, 2003b, pp. 96, 107; Gonçalves, 2012b, pp. 17-22.

14 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 104a: «De Sancto Jacobo juxta Castellum».

15 Ibid., pp. 259b, 79b, 131b, 13b, 149a, 136b, 135a, respectivamente.

16 Barroca, 2003a, p. 53; Branco, 2006, pp. 156-157. Ainda que pertençam ao mesmo contexto, o reforço do castelo Santa Cruz de Riba de Tâmega, junto a Amarante, pode ser anterior ao cerco de Bragança, que ocorreu na Primavera de 1199, e estar em relação com a lide de Ervas Tenras e com a hoste de Pinhel, ambas de 1198, ou de inícios de 1199, como sugeriu o primeiro daqueles autores.

17 Barroca, 2003a, p. 56; Vilar, 2005, p. 105.

18 Barroca, 2003a, p. 56; Vilar, 2005, p. 227.

19 Barroca, 2003a, p. 57; Vilar, 2005, pp. 230-232. Para a narrativa desses sucessos: Livros Velhos de Linhagens, 14 G10; Livro de Linhagens do Conde D. Pedro, 25 G3.

20 Barroca, 2003a, p. 56.

21 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 127b. Em 1258 (Gonçalves, 2012b, p, 31), estes casais mantinham a mesma obrigação.

22 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 126b.

23 Ibid., p. 127a.

24 Ibid., p. 127a e b. Sobre a natureza destes serviços, que tanto incluíam tarefas braçais, como acções de defesa e de vigilância, Barroca, 2003c, pp. 85-86; Martins, inédita, pp. 478 sqq.; Gonçalves, 2012b, pp. 24-25, 32-33, e, sobretudo, o texto das notas 36 e 85.

25 Além de S. Eulália de Pensalvos (Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 126b), era o caso de Santiago de Soutelo (ibid., p. 125b), do Salvador, actual freguesia de Ribeira de Pena (p. 126a) de Salvador de Jugal (p. 127a) e de S. Marinha de Pena (p. 127b).

26 Ibid., p. 126a: «et faciunt servicium illi qui tenet castellum, et debent vellare castellum».

27 Ibid., p. 126a.

28 Ibid.: «de ista ecclesia dant de foro Ricohomini, quando vadit ad hostem Regis, ij. morabitinos».

29 Das nove freguesias de Aguiar de Pena, só em três delas (S. Martinho de Friastelas, S. Julião de Paçô e Salvador de Pena) é que não se registou qualquer obrigação de natureza militar.

30 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 121a e b.

31 Ibid., p. 124a: «Et omnes isti debent stare in castellum XV. dias si habuerint guerras».

32 Ibid., p. 124b: «Et debent custodire casttellum […] ire ad apelido ita quod in ipso die reddeant ad domos suas».

33 Ibid., pp. 122a e b (Gouviães e Trasmires), 123a (Vilar de Maçada) 124a (Abaças), 125a (Roios).

34 Ibid., p. 120b. Trata-se da actual freguesia de Folhadela, do concelho de Vila Real.

35 Ibid., pp. 134b (Caçarilhe), 135a (Ourilhe), 136b (Mondim), 137b (Gémeos), 138b (Cabeceiras), 139b (Borba de Juniores), 142b (Fervença).

36 Ibid., pp. 135a e b (Carvalho), 137b (Vila Garcia), 142a (Ardegão).

37 Ibid., pp. 135a (Ourilhe), 135b (Rebordões) 136b (Mondim), 137a (Telões), 141a (Lavandeira), 141b (Agilde).

38 Apesar de escassearem as referências à cal na construção dos castelos (Martins, inédita, pp. 418, 464.477, 485-486.497), o seu uso era vulgar nos edifícios comuns, Bazzana, 1992, t. I, pp. 87-88; Conde, 2011, pp. 168-169.

39 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 135a (Ourilhe), 135b (Rebordões), 136a (Vale de Boiro e Molares).

40 Ibid., pp. 135a e b (Carvalho), 136b (Infesta).

41 Ibid., p. 141a (Lavandeira).

42 Ibid., pp. 96a (Chamoim), 96 b (Velance).

43 Ibid., pp. 94a (Cenamir), 94b (Cova, Gondoriz, Ansede), 95a (Dossãos, Prado, Chorente), 95b (Goães, Souto).

44 Ibid., pp. 95a (Chorente), 95b (Goães, Valdosende, Rio Caldo).

45 Gonçalves, 2012b, pp, 18, 37.

46 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 94a (Cenamir), 94b (Cova, Gondoriz, Ansede), 95a (Dossãos, Prado, Chorente), 95b (Goães, Rio Caldo), 98a (Covide), 98b (Carvalheira).

47 Ibid., p. 91b: «Et omnes vadunt custodire castellum». A freguesia de S. Miguel corresponde a S. Marinha do Vilar, no concelho de Terras de Bouro.

48 Ibid., pp. 98a (Covide), 98b (Carvalheira).

49 Ibid., p. 98a.

50 Gonçalves, 2012b, pp. 29-31. Sobre o tributo, Id., 2012a.

51 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 98b: «et dant vitam Maiordomo qualem tenerent et ad Castellarium».

52 Ibid., pp. 119b (Paço Velho), 120a (Balões).

53 Ibid., p. 118a e b.

54 Ibid., pp. 119b (Paço Velho), 120a (S. Tomé de Vade).

55 Ibid., pp. 117a (Grovelas, Ásias), 117b (Salvador de Touvedo, Panascal), 118a (Entre Ambos-os-Rios, Vila Chã, Covas, S. João de Vila Chã), 118b (S. Pedro de Vade, Sampriz), 119a (Muja, Aboim, Paço Velho), 120a (S. Tomé de Vade, Valões).

56 Ibid., pp. 117a (Grovelas, Asias), 118a (Entre Ambos-os-Rios), 118b (S. Pedro de Vade), 119a (Aboim), 120a (S. Tomé de Vade).

57 Ibid., pp. 117b (Salvador de Touvedo, Panascal), 118a (Entre Ambos-os-Rios, Vila Chã, S. João Vila Chã), 118b (S. Pedro de Vade, Sampriz), 119a (Muja, Paço Velho), 120a (S. Tomé Vade, Valões).

58 Ibid., p. 117a: «quisque per se dat Castellario in singulis kalendis de quo habuerit si illi pecierit».

59 Ibid., pp. 118a, 119a.

60 Ibid., pp. 118a (Covas), 118b (Sampriz), 119a (Paço Velho), 120a (S. Tomé de Vade, Valões).

61 Registou-se em 14 das 34 freguesias. Entre outras, veja-se ibid., pp. 99b (Rio Mau), 100a (Fornelos, Riba de Neiva, Cabaços, Ribeira), 100b (Pedregal), 101b (Sandiães).

62 Ibid., pp. 104a (Santiago), 105b (Cepães), 108b (Antas), 131b (Carvoeiro).

63 A única excepção é a prestação registada em Portela de Leitões (ibid., p. 79b), freguesia do termo de Guimarães, embora fosse paga ao casteleiro de Vermoim.

64 Gonçalves, 2012b, p. 30.

65 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 129a.

66 Ibid., pp. 128b (Aborim, Balugães), 129a (Navió, S. Lucrécia, S. Lourenço), 129a (Ardegão, Poiares).

67 Ibid., p. 128b: «Et de Freufe […] vadunt ad castellum facere».

68 Ibid., pp. 104a (Santiago), 104b (Campo), 106b (Ania, Tregosa, Cortegaça), 108b (Paivães). Os dois últimos são hoje lugares, respectivamente, das freguesias de Subportela, no concelho de Viana do Castelo, e de Palme, do concelho de Barcelos.

69 Registou-se tal obrigação em 21 das 49 freguesias. Entre outras, ibid., pp. 103b (Alijó), 105a (Vila Cova, Creixomil), 105b (Enchate, Quiraz, Cepães, S. João de Tamial, Carapeços).

70 Ibid., p. 107a: «Et omnes de ista collatione habent pro foro quod si dominus Rex tenuerit ibi nauigios ut eant a Dorio ad Miniun; et si habuerit guerram debent guardare foz et cellarium». Trata-se da actual freguesia de Darque, no concelho de Viana do Castelo.

71 Aí se inclui o termo de Guimarães e o couto de Braga, além das terras de Penafiel de Bastuço e do Prado, e dos julgados de Travassós e de Pedralvar. Numa das freguesias de Guimarães, davam-se alimentos ao casteleiro de Neiva, como já se indicou.

72 Termos de Ferreira, de Aguiar de Sousa, de Felgueiras e de Lousada.

73 Gonçalves, 2012b, p. 33

74 Mattoso, 1985b, pp. 68-74; Id., 1985a, t. I, pp. 137 sqq.

75 Gonçalves, 2012b, pp. 33-34.

76 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 223a: «Fratres de Calatrava».

77 Ibid., pp. 213b (Agrela), 214b (Garfe), 223b (Santa Marta), 237b (Vila Nova), 238a (S. Lourenço).

78 Ibid., pp. 228b (Creixomil), 245b (Vilar de Esperança), 250a (Fregim).

79 O primeiro mestre da milícia, Gonçalo Viegas, era originário das terras de Lanhoso. Entre outros, veja-se Mattoso, 1985b, pp. 230, 232-234; Pizarro, 1999, t. II, pp. 121-123.

80 A associação da milícia à vila de Uclés foi recordada nos Livros Velhos de Linhagens, 1B7.

81 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 246b: «Et Freires de Alcazar». Para a referência a Palmela («ista ecclesia est de fratribus de palmela»), que se encontra no registo dos bens das ordens na freguesia de Santa Cristina, do termo de Lousada, mas que falta na versão dos Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, veja-se a edição das inquirições no portal do Instituto de Estudos Medievais.

82 Ibid., p. 211a (S. Cristóvão de Abação).

83 Mattoso, 2000, pp. 276-281.

84 Krus, 1994, pp. 53-55, 66-70.

85 Ibid., pp. 54, 69-70. Para o passo da fonte, Livros Velhos de Linhagens, 1B7.

86 Barroca, 2003a, pp. 46, 57-58.

87 Pereira, 1996; Vilar, 2005, pp. 133-149; Martins, 2011. Sobre a presença dos freires de Évora no cerco de Alcácer, que está mal documentada e que tem sido esquecida pelos investigadores, veja-se Monumenta Henricina, t. I, nº 29 (de 26-I-1218).

88 Vilar, 2005, pp. 134, 137-138; Erdman, 1940, pp. 45-46. A pregação da cruzada no reino consta da carta que os bispos de Lisboa e de Évora dirigiram a Honório III (Monumenta Henricina, t. I, nº 25), em Outubro de 1217.

89 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 246b. Esta referência já fora notada por M. Cunha, inédita, p. 241, n. 11, mas escapara a Trindade, 1981, pp. 132, 143, n. 5.

90 Para esta referência, veja-se a edição das inquirições no portal do Instituto de Estudos Medievais <http://iem.fcsh.unl.pt/section.aspx?kind=outros&id=258>. Corresponde à freguesia de Nogueira, do concelho de Lousada. Note-se que, em 1220, aquela igreja possuía metade de cinco casais.

91 Para os bens e direitos da ordem citados nas Inquirições de 1258, M. Cunha, inédita, p. 242, n. 11. Para referências posteriores, Veiga, 1940, p. 160; Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT), Mesa da Consciência e Ordens (MCO), Ordem de Santiago, Doc. Particulares, Mç. 1, nº 23 (de 2-XI-1288); Mç. 1, nº 15 (de 4-VI-1315).

92 M. C. Cunha, 1986-1987, pp. 132, 139, 141-143; Ead., inédita, pp. 125-126.

93 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 213b (Agrela), 214b (Garfe).

94 Ibid., pp. 55b, 245b.

95 Ibid., p. 228b: «Freiria de Elbora iiij. casalia, et quartam de ista ecclesia».

96 Ibid., pp. 237b (Vila Nova), 238a (S. Lourenço).

97 Ibid., p. 250a.

98 Ibid., pp. 223a (Goães), 223b (Santa Marta). Por lapso, M. C. Cunha (1986-1987, p. 142; Ead., inédita, p. 125) localizou um desses casais na freguesia de Chorense, quando eles se situam em Goães e em Santa Marta de Bouro, ambas do concelho de Amares.

99 Tanto Trindade (1981, pp. 132, 137), como M. C. Cunha (inédita, p. 125), apresentaram totais inferiores, por a primeira não ter contabilizado as duas fracções de casal do julgado de Bouro e a segunda não ter considerado os quatro casais anexos à quintã de Garfe.

100 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 55b (Vilar de Esperança), 213b (Agrela). Segundo as inquirições de 1258, parte dos bens de Garfe também haviam sido da Coroa (M. C. Cunha, 1986-1987, p. 140), embora se atribuísse a doação ao conde D. Henrique.

101 A comenda de Braga está documentada desde 1238 (Fernandes, inédita, p. 114), mas as doações de bens na cidade, assim como em Fonte Arcada e em Rio Frio, são anteriores a meados do século xii. Veja-se ibid., pp. 79, 239, 241; Valente, inédita, pp. 73-75, 297. Para a doação de Rio Frio, Valdevez Medieval, nº 15 (de VI-1145).

102 A ordem possuía outra comenda na região, mas situada para lá do Rio Lima, na localidade de Rio Frio, do concelho de Arcos de Valdevez, ignorando-se quando terá sido organizada (Fernandes, inédita, p. 115). Em 1321, todos os bens do Entre Douro-e-Minho estavam reunidos numa única comenda (Monumenta Henricina, t. I, nº 73, p. 148), sendo anexados à mesa mestral pelas Ordenações da Ordem de Cristo (ibid., nº 74, p. 152) em 1326.

103 Trindade, 1981, pp. 133-134, 137. Para as cinco fracções de casal, que iam dos três quartos aos três décimos, Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 213a (Briteiros), 219b (Cervães), 221b (Regalados), 226b (Arcelos), 234a (Balazar).

104 Trindade, 1981, p. 134.

105 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 212b, 227a, 237b, 225b, respectivamente.

106 Ibid., p. 226b: «Et Templum duas partes de Albergaria et suis senariis et iiij. casalia».

107 Gonçalves, 2012b, p. 18.

108 Azevedo, 1949, p. 327; Barroca, 2000a, pp. 192-193.

109 Costa, inédita, pp. 59, 61, 115, 146, 176. Para os bens listados em 1220, Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 244a.

110 Ibid., pp. 119a, 236b.

111 Ibid., p. 236a. Para outros testemunhos da presença do Hospital, Coelho, 1990b, pp. 177, 180, 184.

112 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 112a, 115b, 111a, respectivamente.

113 Costa, inédita, pp. 60, 183.

114 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 1425b: «Non est jbi abbas quia est fratrum Hospitalis […] est honor Hospitalis et Dominus Rex nichil habet ibi nec habuit». A freguesia de S. João de Chavão foi criada entre 1220 e 1258, em territórios antes repartidos pelas freguesias de Chorente e de Grimancelos. Por se ter fiado na data que consta no traslado das inquirições de 1258 que foi feito para o Livro dos forais, escripturas, doações, privilégios e inquirições (t. III, nº 327, p. 168), Costa (1999-2000, p. 152) atribuiu erradamente a 1224 o padroado da ordem sobre a igreja de S. João de Chavão.

115 São as igrejas de S. Martinho de Aboim (Nóbrega), de S. Estêvão de Boulosa (Penela), de S. Mamede de Paradela (S. Estêvão de Riba Lima), de S. João de Penselo (Guimarães), de Santiago de Rebordões (Castelo de Refojos), de S. Veríssimo de Amarante (Celorico), de S. Miguel de Poiares (Panóias), situando-se as ermidas nas freguesias de S. Martinho de Vila Fiscaia (Neiva), hoje Vila Frescaínha, e nas de S. André de Vitorino (Aguiar de Riba Lima) e de S. Maria de Vilar de Maçada (Panóias). O padroado da milícia sobre outras igrejas da região (S. João de Chavão, S. Mamede de Arcozelo, S. João da Queijada e S. Paio do Carvalhal), a que se atribuíu a data de 1224 (Costa, 1999-2000, p. 152), só se documenta a partir de 1258, como já se indicou.

116 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 227a (Boulosa), 236b (Aboim), 238b (Poiares).

117 Ibid., pp. 207a (Rebordões), 217a (Penselo), 241b (Paradela), 244b (Amarante).

118 Ibid., p. 227b (Vila Fiscaia): «Hopsitale j. modium de renda de una heremita».

119 Ibid., pp. 119a, 54a.

120 Ibid., p. 128a.

121 Trindade, 1981, pp. 132, 133, 137. Aos 620 casais aí indicados, somaram-se os dez que o Hospital tinha em duas freguesias do termo de Lousada.

122 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 212b. Para a localização das onze quintãs e das duas fracções de quintã, Trindade, 1981, p. 134.

123 De acordo com Trindade (ibid., p. 133), a ordem não tinha qualquer casal na terra de Ponte, no julgado de Pedralvar e nos termos de S. João de Rei e de Felgueiras. Neste último tinha, contudo, meio casal em S. Marinha da Pedreira (Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 261b), possuíndo o sexto de uma quintã na terra de Ponte, tal como se indicou no texto.

124 Ibid., p. 213a: «Et habet ibi Hospital j. casale minus sexta et alia entrada»; p. 214a: «Et Hospital habet ibi j. casale medium et alias entradas».

125 Entre outras, ibid., pp. 1a, 77b, 80b, 211a e b, 212b, 213a e b, 214a.

126 O Hospital apenas tinha uma entrada em Santiago de Lamaçães (ibid., p. 258b), hoje freguesia de Fraião, no concelho de Braga. Sobre a densidade do povoamento no termo de Guimarães, Coelho, 1990a.

127 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, pp. 243a, 244b, 245a (Celorico); pp. 42a, 43a, 121a, 123a, 238b, 239a (Panóias).

128 Ibid., pp. 101b, 225b, 226b (Penela); pp. 227b, 229a e b (Neiva); pp. 231a, 232a, 233b, 234b (Faria).

129 Ibid., pp. 220b, 221a, 222a, 224a.

130 Ibid., pp. 117b, 235b.

131 Ibid., pp. 248a (Penafiel de Soaz), 242b, 243a (Montelongo), 249a (Travaçós).

132 Ibid., p. 261b.

133 Costa, inédita, pp. 78, 88-89, 97. Para Amarante, Marreiros, 1985, pp. 5-8.

134 Costa, inédita, pp. 53-57, 59-63, 162 sqq.; Ead., 2005, pp. 616-618; Pizarro, 1999, t. I, pp. 535-537, 540-541; t. II, pp. 257, 276-280, 295, 302-304. É provável que a linhagem de Sousa seja responsável pelo património da ordem em Amarante, em 1220 (Marreiros, 1985, pp. 7-8), embora o senhorio da milícia só se organize depois de meado o século xiii.

135 Para exemplos, Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 30a: «et modo habet illa Hospitalis»; p. 77b: «et hospitalis ganhauit ibi quandam entradam»; p. 117b: «et hospitale lucratus fuit ibi»; p. 119a: «et aliam medietatem adquisiuit Hospitale».

136 Ibid., p. 159a.

137 Ibid., pp. 145b, 129b, respectivamente.

138 Ibid., p. 122b.

139 Para a Ordem do Templo, registou-se a cobrança de rendas semelhantes numa única freguesia, a de Santiago de Piscos (ibid., p. 218b), na terra de Penafiel de Bastuço.

140 Trindade, 1981, p. 134.

141 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 222a: «Hospitale terciam de casali, et ij, bracales de renda»; p. 234a: «Hospitale iij. casalia, et j. morabitinum de renda»; p. 241b: «Hospitale ij. casalia, et medium morabitinum de renda».

142 Ibid., p. 216b: «Hospital habet ibi ij. casalia medium. Et Sanctus Michael j. casale de quo dant Hospitali ij. bracales»; p. 225b: «Hospitale j. casale, et de renda ij. casalia, et de alio casali medium morabitinum»; p. 252a: «Hospitale ij. leiras, et j. taligam panis de hereditate que fuit Menendo Arevaz».

143 Ibid., pp. 235b, 236a e b (Nóbrega), 225a, 226b (Penela), 221a, 222a, 224b (Bouro), 227b, 228b, 229a e b 230a (Penela).

144 Ibid., pp. 215b (Guimarâes), 217b (Penafiel de Bastuço), 219a e b (Prado), 232a (Faria), 240a (Aguiar de Pena), 241a (Ponte), 244b (Celorico), 251b, 256a (Vermoim).

145 Ibid., pp. 211a, 213b, 217 b, 252a (teiga), 226b, 232a, 256a (quarteiro), 228b (moio).

146 Ibid., pp. 219a, 224b (quarta), 219b, 260a (moio).

147 Ibid., pp. 211a, 213a, 221a, 222a, 235b (côvados), 225a, 251b (bragais).

148 Ibid., pp. 225a e b, 241b (meio), 227b, 234a, 240a, 241b (um).

149 Ibid., pp. 226b, 235b, 241a.

150 Ibid., pp. 213a, 230a.

151 Ibid., p. 229b. Paras as restantes, ibid., pp. 236a e b, 252a, 230b, respectivamente.

152 Ibid., pp. 215b, 236a e b.

153 Ibid., pp. 213a, 227b, 229b, 252. Era talvez o caso de S. Maria de Amarante, na terra de Celorico (ibid., p. 244b), onde o Hospital recebia 87 morabitinos de renda.

154 Mattoso 1985a, t. I, p. 237.

155 Rodrigues et alii, 1978, pp. 410, 425; Mattoso 1985a, t. I, pp. 238, 241, 269-270.

156 Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 131b: «Hospitale habet ibi unam hereditatem de qua dant ei i. morabitinum ut amparet inde homines»; p. 228b: «Hospitale iiij. casalia, xvj.morabitinos de censuria».

157 Para um panorama das formas de associação de leigos às ordens religiosas, Orlandis, 1954; Rêpas, 2009; Tommasi, 2006; Schenk, 2012, pp. 45-74.

158 Orlandis, 1954, pp. 151-168; Schenk, 2012, pp. 46-49, 52.

159 Orlandis, 1954, pp. 166-168, 198, n. 198. Um morabitino foi o valor fixado num acordo de familiaridade de 1201, celebrado entre um casal e o comendador de Almourol (Dias, 1989, nº 5, p. 60), quantia a ser paga sempre que se celebrasse o capítulo da milícia e à qual juntavam a doação, por morte, da terça parte dos seus bens. Para outras referências do mesmo teor, Schenk, 2012, pp. 47, 52.

160 Orlandis, 1954, pp. 169-170, 267-268; Schenk, 2012, pp. 56-58.

161 Orlandis, 1954, pp. 266-271; Schenk, 2012, pp. 56-57. Sobre a isenção dos familiares, Lomax, 1965, pp. 36-40, 186-188.

162 Mansi, Sacrorum Conciliorum, t. XXII, col. 1043-1046, nº 57: «Certam tamen & ipsi remissionem obtineant ab apostolica sibi sede concessam».

163 Rodríguez-Picavea Matilla, 1994a, pp. 286-288; Ayala Martínez, 2003b, p. 187.

164 Figueiredo, 1793, pp. 396, 397, 399, 400-401.

165 Essa equivalência ficou registada, pelo menos, num testemunho recolhido no mosteiro de S. Simão da Junqueira, no julgado de Faria (Portugaliae Monumenta Historica. Inquisitiones, p. 110a), através do qual se esclareceu que, por um tal Paio Gonçalves ter ido residir no couto do mosteiro, embora estivesse obrigado a servir como mordomo do rei, se dava «in quocunque anno. i. morabitinum pro suo corpore domini Regis». Era um morabitino (Durand, 1982, pp. 534, 549-550, 554-55) o valor igualmente pago por quem não servia com o corpo no fossado.

Table des illustrations

Titre Mapa 1. — As terras e julgados das Inquiriçoes de 1220, adaptado de Mattoso, 1985a, t. II, p. 221.
Légende 1. – Termo de Guimarães; 2. – Terra de Penafiel de Bastuço; 3. – Terra de Prado; 4. – Terra do juiz de Bouro; 5. – Terra de Penela; 6. – Terra de Neiva; 7. – Terra de Faria; 8. – Terra de Anóbrega; 9. – Terra de Panoias; 10. – Terra de Aguiar de Pena; 11. – Terra de Aguiar de Riba Lima; 12. – Terra de Ponte (de Lima); 13. – Terra de Santo Estevão; 14. – Terra de Monte Longo; 15. – Terra de Celorico ; 16. – Terra (ou termo) de Lanhoso; 17. – Termo de Vieira; 18. – Penafiel de Soaz; 19. – Termo de São João de Rei; 20. – Julgado de Pedralvar; 21. – Julgado de Travassos; 22. – Santa Cruz de Sousa; 23. – Terra de Santa Maria de Gestaçô; 24. – Terra de Vermium; 25. – Termo do Couto de Braga; 26. – Termo do Castelo de Refojos; 27. – Termo de Ferreira; 28. – Termo de Aguiar de Sousa; 29. – Termo de Felgueiras; 30. – Termo de Lousada.
URL http://books.openedition.org/cvz/docannexe/image/316/img-1.png
Fichier image/png, 91k
Titre Mapa 2. — Os casais das Ordens Militares nas Inquiriçoes de 1220, adaptado de Trindade, 1981, extra-texto, entre a p. 136 e a p. 137.
URL http://books.openedition.org/cvz/docannexe/image/316/img-2.png
Fichier image/png, 290k

© Casa de Velázquez, 2016

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540