Version classiqueVersion mobile

El republicanismo en el espacio ibérico contemporáneo

 | 
Nicolas Berjoan
, 
Eduardo Higueras Castañeda
, 
Sergio Sánchez Collantes

I. Historiografía de los republicanismos ibéricos. Estado de la cuestión por territorios

Republicanismo em Portugal e a relevância política do espaço regional e local

Uma resenha historiográfica

Maria Fernanda Rollo et Teresa Nunes

Texte intégral

Um movimento nacional antes e depois do 5 de Outubro de 1910

1O esforço de representação e de análise historiográficas do republicanismo em Portugal encontra-se intrinsecamente ligado à afirmação do movimento republicano. Concebido à luz de padrões epistemológicos e metodológicos específicos, tributários da influência positivista entre os intelectuais republicanos, esse exercício reflectia os objectivos políticos da novel corrente, inscrevendo-a no âmago das dinâmicas de regeneração política, institucional, económica e social, preconizadas pelo projecto liberal vintista e materializadas nas opções de governo de Mouzinho da Silveira. A interrupção dessa legitimava a assunção de um escol capaz de corresponder aos problemas do passado e aos dilemas ditados pela conjuntura da segunda metade de Oitocentos.

  • 1 Henriques Nogueira, Obra Completa, t. III, p. 157.
  • 2 Ibid., t. II, p. 77.
  • 3 Ibid., p. 17.
  • 4 Ibid., t. I, p. 140.

2Tais propósitos, entre outros, presidiram à iniciativa de Teófilo Braga com a sua História das Ideias Republicanas em Portugal (1880), contexto também de tributo a José Félix Henriques Nogueira, o «fundador da moderna democracia portuguesa»1, cujo ideário, de relevância crucial na constituição do corpus ideológico do republicanismo oitocentista, conferia indiscutível ascendência ao município. Fundamento primordial da organização do Estado, o município — «pequena pátria que o cidadão primeiro ama e primeiro serve»2 — corporizava a reserva de vitalidade nacional devendo, no século xix, conciliar os «interesses de todos os cidadãos que habitarem no seu território» e «acompanhar o movimento progressivo de todo o país”3. Segundo a asserção de Nogueira, «para o futuro, os concelhos ou municípios devem ser tudo, ou quase tudo, na nossa organização política»4.

  • 5 Chagas y Coelho, História da Revolta do Porto.

3Na esteira desta ideia, a abordagem historiográfica republicana reivindicava um cunho eminentemente nacional ao movimento político e revolucionário que culminou em 5 de Outubro de 1910. Antes, porém, a insurreição republicana de 31 de Janeiro de 1891 inspirava alguns protagonistas a lavrar registo das causas da tentativa revolucionária, dos factores determinantes do malogro, sem omitir a aspereza das condições impostas aos envolvidos. Tal orientação encontrava-se na História da Revolta do Porto de 31 de Janeiro de 1891, de João Chagas e Manuel Maria Coelho5, uma narrativa centrada em três áreas geográficas particulares e essenciais na geografia político do Portugal finissecular — Lisboa, Porto e Coimbra.

  • 6 Teles, Do Ultimatum ao 31 de Janeiro.
  • 7 Salgado, A Insurreição de Janeiro.

4O território restante, se crucial para o ideário republicano, diluía-se no relato da conjuntura política e partidária, feito de dissensões internas e dos efeitos da repressão monárquica, com impacto na redução da capacidade operativa do Partido Republicano Português, devido à dissolução dos centros republicanos ou suspensão de periódicos. Em idêntica perspectiva poderão inscrever-se os trabalhos de Basílio Teles, Do Ultimatum ao 31 de Janeiro6, subordinado às vivências do autor e observações sobre a falência do movimento, ou de Heliodoro Salgado, A Insurreição de Janeiro. História, Filiação, Causa e Justificações7, centrado nas insuficiências da estrutura partidária republicana.

5O apagamento político relativo da «província» nas descrições desses publicistas, em especial aquela em que o Partido Republicano Português já possuía qualquer forma de representação poderá ser explicada pela importância dos grandes centros urbanos na estrutura institucional do Constitucionalismo Monárquico. Concomitantemente, pela natureza do movimento político, tornado apelativo particularmente aos estratos médios e baixos da população citadina. Entre esses, seria de salientar as alterações no tecido económico e social dos núcleos de elevada densidade populacional, afectado pelo crescimento demográfico, degradação das condições de vida, aumento do desemprego e suas consequências, a marginalidade e a criminalidade nos espaços urbanos. A capacidade de recepção e enraizamento do ideário republicano confrontava-se ainda com os obstáculos devidos ao analfabetismo, cuja abrangência abarcava 70% da população portuguesa. A disseminação eficaz do republicanismo nas áreas rurais e urbanas de baixa densidade demografica deparava-se com fenómenos de resistência activa, inspirados ou promovidos directamente pelas estruturas clericais católicas.

6Estes factores poderiam concorrer para esclarecer os pressupostos expressos por Agostinho Veloso da Silva em 1904:

  • 8 Silva, História da República, p. 14.

as ideias republicanas modernas, isto é, de carácter popular e democrático, espalharam-se em Portugal desde a explosão revolucionária francesa de fim do séc. xviii; mas acentuaram-se depois da proclamação da segunda república em França, em Fevereiro de 1848. […] Fundaram-se clubes e têm-se feito publicar jornais e panfletos. Portugal ainda está no tempo da propaganda8.

  • 9 Catroga, 1991, vol. 1, pp. 21-30.

7As afirmações do propagandista ilustram também uma das características do republicanismo português da segunda metade de Oitocentos que, estribado na influência da Ilustração e do processo político francês citado, preconizava uma modalidade orgânica de feição clubista, arreigado a uma cultura política descentralizada9.

  • 10 «Organização Republicana», O País, 25 de dezembro de 1895, p. 1.

8A justaposição destes princípios, conjugada com as dificuldades de transporte e comunicação, contribuiria para o conhecimento desfasado sobre a rede partidária em formação impedindo uma visão de conjunto da capacidade operativa dos membros como do impacto institucional e social das suas acções. A título demonstrativo, evoque-se a relevância secundária atribuída aos resultados das eleições municipais na década de oitenta e inícios do decénio seguinte na imprensa periódica ou demais publicações afectas ao Partido Republicano Português. Ou os esforços de reorganização da estrutura partidária, no rescaldo de 1891, desenvolvidos por José Falcão, com particular incidência das áreas de menor presença republicana do norte e centro do país. O «Plano Falcão», assim denominado nas páginas de O País, de transformação do Partido Republicano Português numa estrutura genuinamente nacional, correspondendo às expectativas e necessidades de todos os estratos da sociedade portuguesa, arreigados aos valores liberais, alcançaria resultados apreciáveis na asserção dos correligionários coevos muito embora não sobressaísse nas abordagens historiográficas sobre o movimento10.

  • 11 Ribeiro, Revolução Portuguesa, vol. 1, pp. 778-780.
  • 12 Ibid., vol. 2, pp. 124-125.

9O registo da pela Revolução Republicana, mormente a publicação de Armando Ribeiro, não trouxe alteração substantiva neste padrão. Centrada num âmbito temporal específico — o reinado de Manuel II e a implantação da República — a análise integrava a evolução conjuntural portuguesa num escopo de abordagem política, económica e social global, de confronto entre as vivências nacionais com os cenários europeu, americano, asiático e africano. Tal perspectiva metodológica impunha uma leitura transversal das movimentações ocorridas no espaço de soberania nacional. Assim, daria visibilidade, embora escassa, às manifestações de cunho republicano, promovidas em Vila Nova de Gaia11 ou em Torres Novas12.

  • 13 Ibid., vol. 3, pp. 451-452.

10No entanto, evidenciava a adesão das províncias ao novel regime, conforme a expressão da vontade provincial corporizada pelos governadores civis, na esteira e contribuindo para consolidar o entendimento esboçado por João Chagas de uma correlação indelével entre o país e a capital, permitindo-se a segunda exportar a República por telégrafo às diferentes regiões e províncias ultramarinas. Apesar da aceitação tácita das novas instituições, Ribeiro sublinhava o pioneirismo da proclamação da República em algumas áreas urbanas definidas como «velhos baluartes democratas»: Montijo (então denominada Aldeia Galega), Alcochete, Almada, Barreiro, Seixal e Loures13.

  • 14 Abreu, A República na Beira Alta; Macedo, História do Movimento Republicano.

11Esta tendência não se revelava exclusiva. Em 1913, Martins de Abreu, conspirador de 1891, dava à estampa A República na Beira Alta, relato as linhas gerais da difícil conciliação entre as aspirações sentidas da população de Mortágua e os objectivos políticos e financeiros da República. Tal era a causa do movimento de contestação à reforma das matrizes prediais e à contribuição predial rústica. Outrossim, explicava o contexto da afirmação do republicanismo no âmbito local, ocorrida antes da Revolução de 1910, caracterizando os seus promotores e conferindo ênfase ao perfil socio-económico e às opções políticas prévias à adesão ao ideário republicano. Publicada no mesmo ano, a obra Apontamentos para a História do Movimento Republicano no Concelho de Vila Franca de Xira: de 1881 a 1891, de Lino de Macedo, detinha-se no registo circunstanciado das agruras experimentadas pelo próprio na promoção do republicanismo em Alhandra e Vila Franca de Xira, com particular ênfase às estruturas políticas e imprensa periódica local14.

12No após Grande Guerra, a revitalização do interesse pela análise histórica associada a efemérides de natureza emblemática para o devir colectivo abarcaria, directamente ou não, o estudo do republicanismo e da Primeira República. A História de Portugal, dirigida por Damião Peres e Eleutério Cerdeira, comemorativa do 8º Centenário da Fundação da Nacionalidade e publicada entre 1929 e 1940, abordava a implantação e consolidação do regime republicano, por Ângelo Ribeiro, e a beligerância portuguesa no conflito mundial, por Hernani Cidade, no volume VII. O Suplemento, da lavra de Damião Peres, concentrava-se na avaliação política, económica e social do período entre 1911 e 1933.

  • 15 Ribeiro, «Implantação da República».

13A visibilidade dispensada às manifestações republicanas locais sedeava-se na correlação estreita com os eventos revolucionários da capital, em Outubro de 1910, materizalizada na adesão ao movimento lisboeta. Na esteira de Armando Ribeiro, também Ângelo Ribeiro consubstanciava o elo através da valorização de bastiões da ideia republicana, limítrofes a Lisboa e precoces na proclamação das instituições republicanas. Nesta obra, além de Almada eram contempladas as vilas de Cascais, Sesimbra, Oeiras e Paço de Arcos, um aspecto reforçado pela notícia de adesão das unidades militares de Setúbal, Torres Vedras e Tomar15.

14Focada no republicanismo e na Primeira República, a História do Regime Republicano em Portugal, dirigida por Luís Montalvor, propunha-se inscrever uma ruptura historiográfica face às abordagens anteriores, objectivo aferido no plano geral da obra, divulgado em 1930. Esta viragem correspondia a um alargamento quantitativo e qualitativo do perímetro de observação, considerando a realidade nacional em plenitude e complementando a evolução política, associada às grandes urbes, com a demonstração do pulsar ideológico das demais áreas nacionais. Esses objectivos, firmados no sétimo capítulo da obra, intitulado «O Ambiente Nacional nas vésperas da Implantação da República», prolongavam-se na sexta parte da publicação cujo título, «A República e o Poder Local», ilustrava a relevância intrínseca aos municípios e respectivas forças sociais, à luz das concepções de Henriques Nogueira.

15O advento do Estado Novo, em 1933, impossibilitava a concretização integral do projecto, fenómeno semelhante ao ocorrido com a História de Portugal, de Damião Peres. Assim, os intuitos de Luís Montalvor, preconizados por Jaime Cortesão, Agostinho Fortes, Manuel Maria Coelho, Francisco Reis Pereira, Luz de Almeida, Afonso Augusto Bourbon e Menezes e José Lopes de Oliveira, ligados pela partilha do ideário republicano, ficavam-se pela exposição dos antecedentes da mudança política de 1910 e pela análise da revolução republicana, retratada no segundo volume publicado em 1935.

  • 16 Oliveira, «A Obra de Propaganda Republicana», pp. 44-45.
  • 17 Ibid., p. 106.

16O carácter inovador, por abrangente da constituição e contributo de elites republicanas regionais, ficava restringido à abordagem de Lopes de Oliveira em «A Obra de Propaganda Republica». Enfatizando as «dedicações intrépidas» surgidas «nas províncias», personificadas no jornal O Transmontano16, fundado em Vila Real, no ano de 1874, o autor explanava o impacto geográfico do manifesto «O Partido Republicano ao País», assente nos objectivos reformistas de José Falcão, de 26 de Junho de 189217.

  • 18 Ibid., p. 135.
  • 19 Ibid.
  • 20 Nunes, 2017, pp. 130-135.

17Aludia ainda à importância do Grupo Republicano de Estudos Sociais, surgido para reagir à repressão monárquica, «considerando que estavam fechados à propaganda os comícios, os clubes, o parlamento, e precária a acção da imprensa»18. Definida como entidade destinada a «estudar um conjunto de reformas económicas, políticas e morais, à maneira dos republicanos franceses nas vésperas da queda do Segundo Império»19, o autor mostrava-se parco na demonstração de um dos objectivos centrais do Grupo, o de congregar membros reputados pelo trabalho intelectual, dispersos pelo território nacional e dotados de elevado grau de independência face às instituições monárquicas, numa estrutura de coordenação, capaz de estabelecer os princípios orientadores do posicionamento do Partido Republicano Português nas vertentes conjuntural e a longo prazo20.

  • 21 Oliveira, «A Obra de Propaganda Republicana», p. 167.
  • 22 Ibid., p. 169.

18Por fim, Lopes de Oliveira privilegiava a recuperação eleitoral do Partido Republicano Português, verificada no início do século xx21. Esta tendência era atribuída, entre outros factores, aos «propagandistas pela palavra e pela escrita», os publicistas que pontificavam nos jornais da província, enfatizando a acção de Carlos de Lemos e António Barroso Pereira Vitorino em Viseu, de Evaristo de Carvalho e António Maria Pereira em Coimbra, de Amadeu Sanches Barreto e Adelino Samardã em Vila Real, de José Augusto de Castro na Guarda, de Manuel Jorge da Cruz na Figueira da Foz, de Evaristo Cutileiro em Évora, de José Neves de Carvalho em Benavente, de António Maria Silva Barreto em Alcochete, de António dos Santos Pousada, em Espinho, de Baltazar Teixeira em Portalegre e de Gaudêncio Pires de Campos em Leiria22. Sublinhe-se a feição parcial deste elenco, desprovido de uma natureza sistemática sobre protagonistas ou a imprensa periódica republicana regional. Por seu turno, não reflectia a totalidade das fórmulas de mobilização política utilizadas pelas elites republicanas locais.

  • 23 Id., História da República Portuguesa, pp. 47-48.

19Em 1947, Lopes de Oliveira revisitava a temática da propaganda republicana durante a Monarquia Constitucional. Observava a organização interna e abordagem metodológica do texto da História do Regime Republicano em Portugal, aprofundando o escopo analítico, ora extensível ao âmbito cronológico compreendido entre o princípio do século xix e a implantação da República. Fundada numa lógica dialéctica, reveladora do confronto entre as aspirações reformistas republicanas e a reacção das instituições monárquicas, a História da República Portuguesa. A Propaganda Na Monarquia Constitucional não revertia em mudança substantiva no tratamento das elites locais republicanas nem da respectiva capacidade interventora e mobilizadora em perímetro urbano além do comummente considerado. Não obstante, o autor perscrutava os resultados das eleições municipais de Novembro de 1881, sublinhando a representação institucional republicana, obtida em 23 concelhos do país23.

  • 24 Oliveira Marques, 1978, p. ix.

20Concebida numa perspectiva metodológica congénere e idêntica temporalidade, a História da República, edição comemorativa do Cinquentenário, chegava ao público fasciculada e sem indicação de autor (identificado por A. H. de Oliveira Marques como Carlos Ferrão24). Sublinhe-se, contudo, os contributos da obra na identificação da militância e mobilização republicanas no âmbito regional no período anterior à República. Essas achegas consubstanciavam-se na evidência do ambiente funchalense, ao qual Manuel de Arriaga devia o ingresso na Câmara dos Deputados e a consolidação do prestígio republicano, aferido nos resultados eleitorais de 1886.

  • 25 História da República (1959-1960), pp. 99-100.
  • 26 Ibid., p. 169.

21Apreciavam-se ainda na análise da «Geração do Resgate», a quem atribuía a revitalização do movimento republicano, após a insurreição republicana de 1891, e a promoção desse ideário numa geografia política descentralizada. Entre os membros da referida Geração, a obra valorizava as prestações de Brito Camacho cuja actuação estendia-se aos distritos de Viseu e de Beja, nos finais do século xix, através da fundação de periódicos republicanos25. Espraiava-se pela referência às movimentações republicanas nos distritos de Leiria e Santarém, associadas à mobilização popular, nos espaços urbano e rural, de Gaudêncio Pires de Campos e Nunes Godinho e Francisco José Pereira, respectivamente26.

  • 27 Ibid., pp. 213-214.
  • 28 Ibid., pp. 315-320.

22Neste discurso historiográfico, a Monarquia Constitucional contribuía para o fortalecimento do republicanismo nos concelhos limítrofes das grandes cidades, especialmente de Lisboa, através da Ignóbil Porcaria, reforma da legislação eleitoral de 1901, destinada a reduzir a presença institucional do Partido Republicano Português. As consequências revelavam-se inversas, transformando-se num «poderoso incentivo» de expansão do republicanismo no Ribatejo, fenómeno para o qual concorriam novos protagonistas como José Relvas e Ricardo Durão27. Assim, surgiam novos bastiões da ideia republicana — Vila Franca de Xira, Benavente, Alpiarça, Almeirim, Salvaterra de Magos e Santarém — os quais eram reforçados por outros baluartes, nascidos no decurso e em reacção à Ditadura Franquista (1907-1908). Tratava-se da «adesão da província», traduzida na alusão dos comícios do Alto Alentejo, considerados a par das manifestações republicanas realizadas em áreas tradicionalmente conotadas com o republicanismo, a saber, Coimbra, Lisboa, Porto e o Ribatejo28.

  • 29 Oliveira Marques, 1978, p. 580.

23A partir dos anos sessenta, o limbo historiográfico prevalecente sobre o regime republicano, fruto da afirmação dos princípios nacionalistas preconizados pelo Estado Novo, quebrava-se paulatinamente, na esteira da publicação do Dicionário de História de Portugal, dirigido por Joel Serrão. À excepção do artigo «Republicanismo», redigido pelo director da obra, os textos sobre a evolução e instituições políticas republicanas eram subscritos por David Ferreira a quem eram devidas análises sobre o primeiro governo constitucional, publicadas entre 1951 e 1956, com recurso ao pseudónimo de Ricardo Saraiva, na revista Seara Nova29.

  • 30 Ferreira, 1960-1971.
  • 31 Ibid., 1973-1981.
  • 32 Oliveira Marques, 1978, p. 581. Esta estrutura orgânica abarcava 57 % dos distritos portugueses e (...)
  • 33 Moura, 1963 e 1965.
  • 34 Oliveira Marques, 1978, p. 585.
  • 35 Id., 1981.

24Segundo David Ferreira, o republicanismo português era um fenómeno político nacional em vésperas da implantação da República, ideia assente na análise da estrutura do Partido Republicano Português30. Esta premissa, cultivada pelo próprio em trabalhos subsequentes31, era partilhada por A. H. de Oliveira Marques, autor de profusa obra sobre o movimento e o regime republicanos. Em 1978, Marques aprofundava a proposta de Ferreira ao afirmar «ao contrário do que muitas vezes se vê escrito, o Partido Republicano Português estava profundamente implantado no país, mesmo antes de 5 de Outubro de 1910. Dispunha de 12 comissões distritais, 152 comissões municipais, 385 comissões paroquiais e 159 associações, centros e escolas»32. A presença republicana estendia-se parcialmente ao perímetro colonial, embora de forma diferenciada, a saber, Guiné, São Tomé e Príncipe, Angola, e Moçambique, tendo esta colónia sido objecto dos trabalhos de João Vilas-Boas Carneiro de Moura33. O Partido Republicano Português era definido como estrutura partidária urbana tendo alcançado expressão nas áreas rurais a partir de 191434. Idêntica orientação era observada pelo autor no Guia de História da I República Portuguesa35, de 1981, e mais recentemente na Nova História de Portugal. Da Monarquia à República.

  • 36 Valente, 1974, pp. 57 e 61.
  • 37 Cabral, 1988, pp. 261-262.
  • 38 Medina, 1988, vols. 1 e 2.
  • 39 Homem, 1990, pp. 20-29 e 59-60.
  • 40 Catroga, 1991, vol. 1, pp. 95-112.

25Esta perspectiva não colhia o consenso no debate historiográfico sobre a natureza e expressão do republicanismo em Portugal, desenvolvido no decurso das décadas de setenta e oitenta do século passado. Os trabalhos de Vasco Pulido Valente privilegiavam a ligação entre ruptura institucional e a cidade de Lisboa, entendida como a base geográfica e social do Partido Republicano cujo crescimento se devia exclusivamente ao desenvolvimento demográfico da capital36. Esta visão não seria secundada por Manuel Villaverde Cabral, cuja matriz analítica incidente sobre o movimento operário português ditava uma leitura socio-económica da base de apoio e de adesão ao regime republicano em detrimento da dicotomia estrita entre espaço rural e rural37. Ou João Medina conforme as respectivas leituras historiográficas do republicanismo português expressas em História Contemporânea de Portugal38. A visão descentralizada do fenómeno republicano português e a relevância de múltiplos contextos geográficos na valorização das estruturas orgânicas do Partido Republicano subsistia na historiografia contemporânea, materializada nos trabalhos de Amadeu Carvalho Homem39 ou Fernando Catroga40.

A revalorização dos estudos sobre o republicanismo em contexto regional

  • 41 Torgal, 1987, p. 855.
  • 42 Ibid.

26Nos anos setenta do século xx observava-se um acréscimo do interesse historiográfico sobre a História Contemporânea portuguesa, reforçado nos decénios subsequentes e tributário, entre outros factores, da ruptura, institucional e política nacional, ocorrida em Abril de 1974. Essa tendência revelava-se particularmente profícua em domínios temáticos específicos, mormente as análises sobre o republicanismo e o regime republicano em Portugal. Não menos relevante, a actividade de investigação subordinada à República, às ideias republicanas e às dinâmicas de organização política, social e cultural seriam amplamente beneficiadas pelo movimento de contestação à Nova História, assente no distanciamento tendencial imposto pelas premissas teóricas e metodológicas do referido movimento em face das realidades nacional, regional e local. Assemelhando-se a um novo saber escolástico41, este paradigma historiográfico inspiraria uma lógica reactiva42, materializada na assunção de um entendimento compósito sobre os factores subjacentes à formação da identidade colectiva e evolução histórica das comunidades. Consequentemente, esse esforço apreciava-se na valorização inequívoca das partes integrantes do todo, observável na vitalidade dos estudos subordinados à História Regional e Local, não raras vezes enquadrados no âmbito dos estudos de pós graduação entretanto surgidos em Portugal.

27Assim, no decurso das últimas três décadas de Novecentos, o esforço historiográfico português subordinado ao republicanismo e ao regime republicano espraiavam-se por novos trilhos de investigação, muitos dos quais inteiramente inexplorados até então. Por outro lado, verificava-se uma diversificação dos agentes produtores do saber histórico e das entidades associadas a esse conhecimento, uma circunstância potenciadora de complementaridades desejáveis entre formações teóricas e empíricas diferentes. Não menos relevante, o processo de recolha e sistematização do conhecimento histórico angariava simultaneamente os contributos de autores locais, não necessariamente providos de formação académica no domínio da História, e dos cultores do ofício inspirado por Clio, basilar para o concurso alargado e multidisciplinar alcançado no âmbito da História Regional e Local.

28Sublinhe-se, porém, a dimensão temporal longa intrínseca ao fenómeno de renovação historiográfica ocorrida até às vésperas do Centenário da Implantação da República Portuguesa. Esta característica actuava em conjugação com a natureza da geografia dispersiva das análises históricas produzidas sobre os contextos regionais ou locais, respectivas elites, vivências e mobilizações políticas. Assim, em termos genéricos, poder-se-ia inferir a existência de um ímpeto pelo conhecimento dos padrões de conduta política, pela apetência do entendimento sobre os tempos e processos de republicanização em curso no Portugal de Oitocentos e nas primeiras três décadas do século xx, consubstanciável numa panóplia apreciável de estudos monográficos subordinados a áreas regionais específicas mas não replicáveis à totalidade do território português, extensível ao espaço colonial.

29A resenha bibliográfica seguinte, concebida para ilustrar o panorama de renovação historiográfica em torno do republicanismo e da Primeira República, não inclui propositadamente as publicações monográficas sobre Coimbra, Lisboa e Porto. Pretende-se assim privilegiar o corpus de conhecimento construído em torno das demais regiões do país. Observa, por seu turno, um quadro de referência cronológica, o qual corresponde ao objectivo de proporcionar uma perspectiva globalizante sobre as análises produzidas no período temporal considerado.

  • 43 Vale, 1971
  • 44 Castelo-Branco, 1975
  • 45 Cutileiro, 1977.
  • 46 Capela, Nunes, 1983.
  • 47 Assunção, Montoito, Freire, 1985.
  • 48 Manique, 1986.
  • 49 Proença, 1987.
  • 50 Serra, 1987.
  • 51 Aires, 1987.
  • 52 Menezes, 1992.
  • 53 Santos, 1988.

30Nos anos setenta, a atenção aos fenómenos de adesão ao republicanismo esboçavam-se de forma diferenciada seja pela publicação de fontes, concretamente actas municipais de Viseu43, seja pelas análises, mais ou menos desenvolvidas, sobre a criação de um centro republicano em Braga44 e respeitante à recepção do ideário republicano e da Primeira República no Alto Alentejo45. Na década subsequente, os trabalhados de José Viriato Capela e João Nunes, sobre o concelho de Barcelos46, de Ana Assunção subordinado à implantação da República em Loures47, de António Manique, alusivo às eleições administrativas de 1919 no concelho de Vila Franca de Xira48, de Maria Cândida Proença, relativo às eleições municipais em Sintra durante a Primeira República49, de Bonifácio Serra, focado nas elites políticas de Alcobaça em 191150, de Joaquim Aires, sobre a implantação da República em Sabrosa51, de Luís Menezes, referente às eleições legislativas de 1921-1925 no Arquipélago dos Açores52, e de Maria Alcina dos Santos, alusivo à imprensa periódica no distrito de Bragança (1910-1926)53 evidenciavam o alargamento do interesse a novas geografias.

  • 54 Ventura, 1991a e b e 1994.
  • 55 Rosmaninho, 1993.
  • 56 Silva, inédita.
  • 57 Dias, inédita.
  • 58 Faustino, inédita.
  • 59 Moura, 1997.
  • 60 Trindade, inédita.
  • 61 Carvalho, 1999 e 2011.
  • 62 Sousa, inédita.
  • 63 Baiôa, inédita e 1999.
  • 64 Dias, inédita.
  • 65 Tavares, inédita.
  • 66 Arriscado, inédita.
  • 67 Torres, 1999.
  • 68 Cordeiro, 1999.
  • 69 Oliveira Marques, 1997.
  • 70 Coelho, inédita.

31A década de noventa representava a consolidação de uma das tendências observadas no decénio anterior, a saber o acréscimo significativo de dissertações de mestrado e teses de doutoramento desenvolvidas no âmbito da História Contemporânea de Portugal e da História Regional e Local conforme, entre outros, os trabalhos apresentados por António Ventura, sobre a realidade do Gavião e Portalegre54, de Nuno Rosmaninho, respeitante à Anadia55, de José Silva, de análise ao Partido Reconstituinte e respectivas estruturas locais56, de Mário Balseio, subordinado ao movimento republicano na Aldeia Galega do Ribatejo no período anterior à implantação da República57, de Carla Faustino, sobre as elites políticas do concelho de Arraiolos (1890-1926)58, de Maria Lúcia Moura, alusivo ao concelho de Seia entre os finais do século xix e inícios do xx59, de Carla Trindade, sobre as elites e eleições no concelho de Moura60, de David Luna de Carvalho respeitante à resistência popular à Primeira República na ilha de São Miguel61, de Paulo Sousa, referente ao distrito de Angra do Heroísmo62, de Manuel Baiôa, ilustrativos da evolução política em Évora no final da Primeira República63, de Manuel Dias, respeitante ao concelho de Ansião64, de Mário Tavares, sobre as Caldas da Rainha desde o final do século xix e os primórdios do seguinte65, de José Arriscado, de análise à sociedade vianense da segunda metade de Oitocentos66, de Ana Torres, relativo às elites políticas de Oeiras (1908-1926)67 e de Carlos Cordeiro sobre as especificidades da vivência republicana no arquipélago dos Açores (1910-1926)68. Acresciam a estes, trabalhos desenvolvidos no âmbito da sociologia69 e da comunicação social70.

  • 71 Vicente, 1992.
  • 72 Santos, 1992.
  • 73 Coixão, Trabulo, 1993.
  • 74 Miguel (coord.), 1993.
  • 75 Costa (coord.), 1994.

32O interesse pelo republicanismo e pelo regime republicano inspirava a realização de outros trabalhos na mesma época: sublinhem-se, entre outros, os contributos de António Pedro Vicente sobre a recepção da Primeira República em Aveiro71, de António Santos, de análise similar aplicável a Torres Novas72, de António Coixão e António Rodrigues, subordinado à evolução política no concelho de Foz Côa, entre 1910 e 192673, de Fernando Miguel, acerca da implantação da República em Guimarães74 e de Amadeu Gonçalves, Artur Sá da Costa e Manuela Barreto, subordinados a Nuno Simões, pelo centenário do seu nascimento75.

  • 76 Aires, 1987.
  • 77 Id., 2010a.
  • 78 Machado, 1998.
  • 79 Torres, 2003.
  • 80 Azevedo, Tojal (coords.), 2008.
  • 81 Silva, Damásio, 2000.
  • 82 Martins, 2001-2005.
  • 83 Henriques, 2001.
  • 84 Duarte, 2002.
  • 85 Sousa Vieira, 2008.
  • 86 Neves, inédita.
  • 87 Matos, 2003.

33Em 1987, Joaquim Aires debruçava-se sobre o impacto do regime republicano em Vila Real76, um tema posteriormente aprofundado no contexto do Centenário da República77, enquanto Júlio Montalvão Machado dava à estampa um estudo sobre as repercussões da propaganda republicana em Chaves, as estruturas republicanas vigentes e a recepção do regime republicano78. Na década subsequente, operava-se um aprofundamento dos estudos sobre algumas áreas regionais – conforme o exemplo do Montijo (Aldeia Galega), objecto das análises de Alcídio Torres79 e Rosa Bela Azevedo80. Por outro lado, diversificava-se a cobertura geográfica das investigações, apreciável no interesse pela elite política de Amarante entre 1855 e 192281, na evolução política de Loulé desde os finais do século xix até 192682, nas mudanças socio-políticas ocorridas em Cascais entre 1908 e 191483, na caracterização dos industriais conserveiros de Portimão na primeira metade de Novecentos, atendendo ao posicionamento político84, na avaliação político-social de Sesimbra entre 1890 e 192685, na caracterização das elites e recepção da Primeira República em Vila Nova de Ourém86 e na análise do movimento republicano em Torres Vedras entre 1907 e 193187.

  • 88 Sousa, 2004.
  • 89 Sena, 2004 e 2009.
  • 90 Martins, 2004.
  • 91 Veiga, inédita.
  • 92 Gaspar, 2005.
  • 93 Guimarães, inédita.
  • 94 Valente, 2006.
  • 95 Sampaio, inédita 2.
  • 96 Ribeiro, 2011.
  • 97 Tavares, inédita 2; Amaral, 2013.

34Grelha analítica congénere, radicada na observação do impacto local da ruptura revolucionária, seria aplicada a Braga88, a Elvas89, ao arquipélago da Madeira90, a Viseu91 a Abrantes92, e a Vila do Conde93. Persistia, porém, o exercício biográfico inscrito no âmbito da esfera regional e local, consubstanciado nos trabalhos sobre o general Sousa Dias94 e José António do Carmo95. Enfatize-se, contudo, o esforço de análise sistemática das lógicas e mecanismos de afirmação do Partido Republicano Português em prol do alargamento da sua base social de apoio, entre 1881 e 1910, consubstanciados na avaliação dos centros republicanos e respectivas funções como ainda da imprensa periódica republicana96. Ou a abordagem histórica a associações recreativas de âmbito local, transmutadas em veículos de republicanização das comunidades em que se inseriam97.

O centenário da república e o impacto na historiografia nos contextos regional e local

35Volvidos cem anos sobre a implantação da República em Portugal, o centenário revela-se um momento de amplo debate e reflexão historiográfica acerca da natureza e especificidades do movimento político subjacente ao regime adoptado em 1910. Mais, a discusão versaria com idêntica acuidade o modelo ínstitucional concebido em 1911 e vigente até 1926, atendendo à respectiva evolução.

36Uma das vertentes do impulso historiográfico mencionado residia na revalorização da escala regional, um aspecto para o qual a Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República, presidida por Maria Fernanda Rollo, contribuía de forma indelével. Sob a denominação de Roteiros Republicanos, propiciava-se uma análise extensível a dezoito distritos do território continental e às duas regiões autónomas e assente em denominadores comuns de abordagem à realidade urbana. Esses vectores incidiam sobre a cronologia política específica, a identificação das elites republicanas e respectiva actividade partidária, a revisitação à toponímia citadina, com particular ênfase para as mudanças adoptadas no decurso do regime republicano e respectiva perenidade. Por outro lado, os Roteiros Republicanos privilegiavam a abordagem económica e social, aspirando alcançar uma reconstituição globalizante das factores estruturantes, das tendências conjunturais, das vivências quotidianas e dos lazeres nos âmbitos regional e local. Não menos relevante, esta iniciativa editorial consagrava especial atenção às múltiplas dimensões patrimoniais — arquitectura civil, militar e industrial e as artes plásticas.

  • 98 Brandão, Sardo (coords.), 2010.
  • 99 Mateus, Piçarra (coords.), 2010.
  • 100 Capela, Nunes (coords.), 2010.
  • 101 Neto Jacob, Alves (coords.), 2010.
  • 102 Pousinho (coord.), 2010.
  • 103 Ribeiro, Ribeiro (coords.), 2010.
  • 104 Cardoso de Matos, Bernardo, Rodrigues (coords.), 2010.
  • 105 Mendes (coord.), 2010a.
  • 106 Borges (coord.), 2010.
  • 107 Sousa (coord.), 2010.
  • 108 Ventura (coord.), 2010.
  • 109 Custódio, Mata (coords.), 2010.
  • 110 Afonso (coord.), 2010.
  • 111 Abreu (coord.), 2010.
  • 112 Aires (coord.), 2010b.
  • 113 Amaro, Marques (coords.), 2010.
  • 114 Carita (coord.), 2010.
  • 115 Silva (coord.), 2010.

37Publicados em 2010, os Roteiros Republicanos contemplaram os distritos de Aveiro98, Beja99, Braga100, Bragança101, Castelo Branco102, Coimbra103, Évora104, Faro105, Guarda106, Leiria107, Portalegre108, Santarém109, Setúbal110, Viana do Castelo111, Vila Real112 e Viseu113. No caso das regiões autónomas, a análise histórica abrangia o arquipélago da Madeira114 e a ilha açoriana de Ponta Delgada115.

38Esta colecção redimensionava-se nas vertentes de conteúdos e acessibilidade ao constituir-se como sítio web Roteiros Republicanos, alojado no site do Centenário da República. Destinado-se a novos segmentos de públicos-alvo e posicionando-se como instrumento de pesquisa histórica interactiva, este sítio induzia a lógicas comunicacionais de reciprocidade entre a memória colectiva de cada um dos espaços retratados e a recolha de informação necessária para proceder à actualização da página em apreço.

39Tais iniciativas da Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República constituiram parte do conhecimento produzido sobre o fenómeno republicano e o respectivo enraizamento nos âmbitos regional e local durante o ano de 2010. Sublinhe-se o cômputo extenso de publicações monográficas inscritas neste mesmo quadro comemorativista da efeméride, caracterizado pelo empenhamento das estruturas administrativas locais, pelo alargamento da cobertura geográfica embora objecto de análises diferenciadas bem como pelas abrangências temática e temporal diversificadas.

  • 116 Baptista, 2010.
  • 117 Pires, 2010.
  • 118 Queiroz, Manteigas (coords.), 2010.
  • 119 Marcos, 2010.
  • 120 Sampaio, inédita 3.
  • 121 Id., 2010.
  • 122 Mendes, 2010b.
  • 123 Tengarrinha (coord.), 2010.
  • 124 Barracosa Mendonça, Alípio (coms.), 2010.
  • 125 Duarte, 2010.
  • 126 Cabrita, 2010.

40Este panorama historiográfico facultava novos contributos para o entendimento do republicanismo no Algarve nomeadamente através dos trabalhos de José Alberto Baptista, sobre Lagos e a administração municipal entre 1908 e o início da Grande Guerra116, de Paulo Pires relativos ao republicanismo em Faro e São Brás de Alportel117, de José Queiroz e Rita Manteigas, subordinados a Tavira entre 1910 e 1926 118, de João Marcos, dedicado a Lagoa119, de José Sampaio, sobre Portimão120 e Monchique121, de António Mendes, respeitante ao caso de Olhão122 e de José Tengarrinha, relativa a Portimão, antes e durante o regime republicano123. No contexto algarvio, o empenho de investigação histórica determinava o interesse pelo género biográfico, como o estudo dedicado a José Mendes Cabeçadas Júnior em estreita interacção com o regime republicano nessa região124, pela análise às relações entre Estado e Igreja125 e, não menos relevante, pela elaboração de obra de síntese, alusiva à proclamação da República no Algarve126.

  • 127 Almeida, Aguiar, Fiel, 2010.
  • 128 Baião, 2010.
  • 129 Rego, 2010; Pata, 2010.
  • 130 Piçarra, 2010.
  • 131 Pinto, Piçarra (coords.), 2010.

41Novos estudos monográficos viriam igualmente a enriquecer a compreensão do republicanismo e da Primeira República no contexto alentejano, aferíveis aos contextos de Sousel127, ao concelho de Viana do Alentejo entre 1910 e 1926128, a Castro Verde, atendendo à evolução eleitoral e ao impacto do novo regime nas estruturas municipais129 e a Beja130, atendendo à caracterização das estruturas republicanas da cidade e respectiva adequação ao quadro institucional de 1910. O esforço de sistematização de conhecimento histórico apreciava-se igualmente mas restringido ao Baixo Alentejo131.

  • 132 Bento, 2010.
  • 133 Ferraz, 2010.
  • 134 Peixoto, Silva, Viana, 2010.
  • 135 Ferreira, 2010.
  • 136 Meireles, 2010.
  • 137 Neves, 2010.
  • 138 Andrade, 2010.
  • 139 Fernandes, 2010.
  • 140 Vilares, Silva, 2010.

42A renovação historiográfica de 2010 espraiava-se pelo Minho, beneficiando dos trabalhos subordinados ao concelho de Caminha, no âmbito temporal entre 1906 e 1913132, a Cabeceiras de Bastos, desde o final da Monarquia Constitucional até 28 de Maio de 1926133, a Viana do Castelo, no contexto da implantação da República134, a Braga, no decurso do regime republicano135 e a Vila Nova de Famalicão, a propósito da revolução republicana136. De igual forma, os contributos historiográficos abarcavam Trás-os-Montes através de um conjunto de publicações a saber, o 5 de Outubro em Vila Real137, a história política de Moncorvo entre 1890 e 1926138, temática objecto de nova análise inscrita a uma cronologia mais restrita (1910-1926), coincidente com a Primeira República139, e a resistência republicana em Mirandela140.

  • 141 Guimarães, 2010.
  • 142 Pinto, Sousa 2010.
  • 143 Martins, Mata, 2010.
  • 144 Ferreira, 2010.
  • 145 Ferreira, Vigário, 2010.
  • 146 Costa, inédita.
  • 147 Carvalho, 2010.
  • 148 Republicar Anadia (2010).
  • 149 Saraiva (coord.), 2010.
  • 150 Valdemar, 2010.
  • 151 Lázaro, 2010.
  • 152 Biscaia, 2010.
  • 153 Moreira, 2010.
  • 154 Matos, 2010.
  • 155 Oliveira, 2010.
  • 156 Silva, 2010.

43O Centenário da República inspirava análises historiográficas sobre o republicanismo e o regime republicano, reportadas a outras dimensões regionais como Vila Nova de Gaia141, Pombal142 e Sertã143, sobre as vereações municipais e elites republicanas entre 1910 e 1926; Penafiel144, Albergaria-a-Velha145, Oliveira do Bairro146, Castro Daire147, Anadia148, Ourém149, Loures150, Póvoa de Santa Iria151 e Figueira da Foz152, acerca das vivências da revolução republicana. As relações entre Estado e Igreja constituíam o objecto de estudo no que respeita a Lamego153, enquanto nos casos de Estarreja154 e Seia155, os exercícios historiográficos relacionavam-se com o género historiográfico e a publicação de correspondência sobre o posicionamento político das elites no decurso da mudança institucional. Por último, a monografia sobre a Moita destinava-se a oferecer uma síntese de natureza política e social, no decurso da Primeira República156.

  • 157 A República nos concelhos da Margem Sul (2011).
  • 158 Flores, Policarpo, 2011.
  • 159 Garcia (coord.), 2011.
  • 160 Dias, 2011.

44Nos anos subsequentes, a análise historiográfica do republicanismo e da Primeira República, centrada nos âmbitos regional e local, persistia embora com menor intensidade editorial. Em 2011, a perspectiva comparativa sobre a precocidade de adesão dos concelhos da margem sul do Tejo, tradicionalmente entendidos como baluartes do republicanismo, era objecto de publicação157, complementado pela abordagem à proclamação da República em Almada158. A esses títulos juntar-se-iam as análises respeitantes às memórias da Primeira República na Guarda159 e à evolução política e social de Ermesinde, entre 1910 e 1926160.

  • 161 Valdemar, 2012.
  • 162 Coimbra, Bastos, Leite, 2012.
  • 163 Simões et alii, 2012.
  • 164 Chaves, 2012.

45No ano seguinte, ainda os bastiões do republicanismo inspiravam nova publicação sobre Loures161. Contudo, o interesse historiográfico recaía também no impacto da Primeira República em Fafe bem como as consequências do regime na organização política, social e económica da região162. Por outro lado, procedia-se ao balanço da experiência institucional republicana no âmbito da região autónoma dos Açores163. O movimento de resistência monárquica e os sectores oposicionistas da República, associando as áreas regionais predispostas a combater o novo regime, apreciava-se em República e Incursões Monárquicas: um padre guerrilheiro de Barroso164.

  • 165 Sousa (coord.), 2013.
  • 166 Silva, 2015.
  • 167 Sousa, 2015.
  • 168 Oliveira, 2014.
  • 169 Pais, 2014.
  • 170 Gonçalves, 2017.

46A partir de 2013, a adesão e o impacto do republicanismo bem como da Primeira República, na esfera regional, surgiam inscritos a exercícios de abordagem de maior amplitude, tendo como denominador comum a contemporaneidade. Tais os pressupostos das obras sobre Bragança165, Vizela166 e Leiria167. Distantes, por esse motivo, dos estudos sobre Alcobaça168, Alpiarça169 e Vila Nova de Famalicão170, estribados num âmbito temporal coincidente com o regime republicano.

47Em suma, o debate e a investigação historiográfica sobre o movimento republicano nas «províncias» permitiu novos padrões de conhecimento sobre a presença, militância, formas de mobilização em diferentes partes do país. Subsiste, porém, um tratamento regional diferenciado, inibidor da assunção de premissas genéricas sobre o comportamento político e partidário dos diferentes concelhos do país seja na adesão à ideia republicana, seja de enquadramento nas instituições implantadas em 1910.

Notes

1 Henriques Nogueira, Obra Completa, t. III, p. 157.

2 Ibid., t. II, p. 77.

3 Ibid., p. 17.

4 Ibid., t. I, p. 140.

5 Chagas y Coelho, História da Revolta do Porto.

6 Teles, Do Ultimatum ao 31 de Janeiro.

7 Salgado, A Insurreição de Janeiro.

8 Silva, História da República, p. 14.

9 Catroga, 1991, vol. 1, pp. 21-30.

10 «Organização Republicana», O País, 25 de dezembro de 1895, p. 1.

11 Ribeiro, Revolução Portuguesa, vol. 1, pp. 778-780.

12 Ibid., vol. 2, pp. 124-125.

13 Ibid., vol. 3, pp. 451-452.

14 Abreu, A República na Beira Alta; Macedo, História do Movimento Republicano.

15 Ribeiro, «Implantação da República».

16 Oliveira, «A Obra de Propaganda Republicana», pp. 44-45.

17 Ibid., p. 106.

18 Ibid., p. 135.

19 Ibid.

20 Nunes, 2017, pp. 130-135.

21 Oliveira, «A Obra de Propaganda Republicana», p. 167.

22 Ibid., p. 169.

23 Id., História da República Portuguesa, pp. 47-48.

24 Oliveira Marques, 1978, p. ix.

25 História da República (1959-1960), pp. 99-100.

26 Ibid., p. 169.

27 Ibid., pp. 213-214.

28 Ibid., pp. 315-320.

29 Oliveira Marques, 1978, p. 580.

30 Ferreira, 1960-1971.

31 Ibid., 1973-1981.

32 Oliveira Marques, 1978, p. 581. Esta estrutura orgânica abarcava 57 % dos distritos portugueses e 52 % dos concelhos. Véase ibid., p. 582.

33 Moura, 1963 e 1965.

34 Oliveira Marques, 1978, p. 585.

35 Id., 1981.

36 Valente, 1974, pp. 57 e 61.

37 Cabral, 1988, pp. 261-262.

38 Medina, 1988, vols. 1 e 2.

39 Homem, 1990, pp. 20-29 e 59-60.

40 Catroga, 1991, vol. 1, pp. 95-112.

41 Torgal, 1987, p. 855.

42 Ibid.

43 Vale, 1971

44 Castelo-Branco, 1975

45 Cutileiro, 1977.

46 Capela, Nunes, 1983.

47 Assunção, Montoito, Freire, 1985.

48 Manique, 1986.

49 Proença, 1987.

50 Serra, 1987.

51 Aires, 1987.

52 Menezes, 1992.

53 Santos, 1988.

54 Ventura, 1991a e b e 1994.

55 Rosmaninho, 1993.

56 Silva, inédita.

57 Dias, inédita.

58 Faustino, inédita.

59 Moura, 1997.

60 Trindade, inédita.

61 Carvalho, 1999 e 2011.

62 Sousa, inédita.

63 Baiôa, inédita e 1999.

64 Dias, inédita.

65 Tavares, inédita.

66 Arriscado, inédita.

67 Torres, 1999.

68 Cordeiro, 1999.

69 Oliveira Marques, 1997.

70 Coelho, inédita.

71 Vicente, 1992.

72 Santos, 1992.

73 Coixão, Trabulo, 1993.

74 Miguel (coord.), 1993.

75 Costa (coord.), 1994.

76 Aires, 1987.

77 Id., 2010a.

78 Machado, 1998.

79 Torres, 2003.

80 Azevedo, Tojal (coords.), 2008.

81 Silva, Damásio, 2000.

82 Martins, 2001-2005.

83 Henriques, 2001.

84 Duarte, 2002.

85 Sousa Vieira, 2008.

86 Neves, inédita.

87 Matos, 2003.

88 Sousa, 2004.

89 Sena, 2004 e 2009.

90 Martins, 2004.

91 Veiga, inédita.

92 Gaspar, 2005.

93 Guimarães, inédita.

94 Valente, 2006.

95 Sampaio, inédita 2.

96 Ribeiro, 2011.

97 Tavares, inédita 2; Amaral, 2013.

98 Brandão, Sardo (coords.), 2010.

99 Mateus, Piçarra (coords.), 2010.

100 Capela, Nunes (coords.), 2010.

101 Neto Jacob, Alves (coords.), 2010.

102 Pousinho (coord.), 2010.

103 Ribeiro, Ribeiro (coords.), 2010.

104 Cardoso de Matos, Bernardo, Rodrigues (coords.), 2010.

105 Mendes (coord.), 2010a.

106 Borges (coord.), 2010.

107 Sousa (coord.), 2010.

108 Ventura (coord.), 2010.

109 Custódio, Mata (coords.), 2010.

110 Afonso (coord.), 2010.

111 Abreu (coord.), 2010.

112 Aires (coord.), 2010b.

113 Amaro, Marques (coords.), 2010.

114 Carita (coord.), 2010.

115 Silva (coord.), 2010.

116 Baptista, 2010.

117 Pires, 2010.

118 Queiroz, Manteigas (coords.), 2010.

119 Marcos, 2010.

120 Sampaio, inédita 3.

121 Id., 2010.

122 Mendes, 2010b.

123 Tengarrinha (coord.), 2010.

124 Barracosa Mendonça, Alípio (coms.), 2010.

125 Duarte, 2010.

126 Cabrita, 2010.

127 Almeida, Aguiar, Fiel, 2010.

128 Baião, 2010.

129 Rego, 2010; Pata, 2010.

130 Piçarra, 2010.

131 Pinto, Piçarra (coords.), 2010.

132 Bento, 2010.

133 Ferraz, 2010.

134 Peixoto, Silva, Viana, 2010.

135 Ferreira, 2010.

136 Meireles, 2010.

137 Neves, 2010.

138 Andrade, 2010.

139 Fernandes, 2010.

140 Vilares, Silva, 2010.

141 Guimarães, 2010.

142 Pinto, Sousa 2010.

143 Martins, Mata, 2010.

144 Ferreira, 2010.

145 Ferreira, Vigário, 2010.

146 Costa, inédita.

147 Carvalho, 2010.

148 Republicar Anadia (2010).

149 Saraiva (coord.), 2010.

150 Valdemar, 2010.

151 Lázaro, 2010.

152 Biscaia, 2010.

153 Moreira, 2010.

154 Matos, 2010.

155 Oliveira, 2010.

156 Silva, 2010.

157 A República nos concelhos da Margem Sul (2011).

158 Flores, Policarpo, 2011.

159 Garcia (coord.), 2011.

160 Dias, 2011.

161 Valdemar, 2012.

162 Coimbra, Bastos, Leite, 2012.

163 Simões et alii, 2012.

164 Chaves, 2012.

165 Sousa (coord.), 2013.

166 Silva, 2015.

167 Sousa, 2015.

168 Oliveira, 2014.

169 Pais, 2014.

170 Gonçalves, 2017.

© Casa de Velázquez, 2021

Licence OpenEdition Books

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search