Version classiqueVersion mobile

Les archives familiales dans l’Occident médiéval et moderne

 | 
Véronique Lamazou-Duplan

I. Archives et archives « de famille », entre archivistique et histoire

Preâmbulo da primeira parte

Maria de Lurdes Rosa

Texte intégral

1A primeira parte deste livro interroga os termos do(s) campo(s) de estudo que baliza(m) as contribuições presentes no conjunto da obra. Espelha bem, nos diferentes olhares que convoca, as reflexões e os debates que estiveram presentes desde o primeiro momento do programa Archifam, e que contribuíram para fazer deste um momento de grande enriquecimento científico.

2Cabe destacar, na presente Introdução, um ponto especialmente positivo neste âmbito: trazer para cima da mesa — em particular, para a mesa de trabalho dos historiadores — o tema e a tarefa central que são o estabelecimento de uma relação verdadeiramente científica com o «arquivo». E não é afinal um problema, se esta tem várias maneiras de se resolver, revelando-se fundamental uma perspectiva interdisciplinar que agregue, entre outras, a arquivística/«archival science», a Ciência da Informação, a antropologia. Com a História, torna-se assim possível estabelecer campos de inquérito «entre fronteiras», de que são exemplos a Arquivística Histórica, a História social do arquivo de matriz americana e inglesa, a história das representações e da organização do conhecimento/saber/poder, a história documental das instituições, a história das práticas de escrita, enfim uma história antropológica das instituições, especialmente importante no caso das sociedades europeias prémodernas.

3No caso dos arquivos focados neste livro, a que foi conferida a designação de «arquivos de família», a diversidade de arsenais teóricos e metodológicos é especialmente importante. Desde logo — e é esta a questão que perpassa todos os textos, de forma mais ou menos evidente — porque a caracterização do sujeito produtor de arquivos, a «família», carece de um questionamento profundo, que vá até à forma de construir o conceito (Morsel, Rosa). Mas também de tal beneficiam o conceito de «arquivo» (idem e Chastang), ou as propostas de organizar os conjuntos documentais (Rodrigues, Silva) [a começar pela ideia de «organicidade», que Terry Cook, argutamente, sugere poder ter ser sido influenciada por uma «excitação Hegeliana e Darwínica»…]; por fim, os panoramas históricos mais amplos de evolução das práticas em estudo (Aguinagalde, Chastang).

4Quatro dos textos desta Parte I focam especificamente os «arquivos de família», propondo diferentes abordagens: a crítica daquela denominação termo e a sua substituição por «arquivos de reprodução» (social, senhorial) [Morsel]; a análise do desenvolvimento de arquivos de família do País Basco inserido num processo de «normalização documental» (Aguinagalde); uma leitura dos arquivos de família e seus inventários a partir da Arquivística Histórica, cruzando «archival science», Ciência da Informação e história da organização do conhecimento (Rosa); por fim, uma proposta de metodologia de classificação de arquivos de família a partir de reconceptualização da Ciência da Informação (escola da U. Porto) [Rodrigues, Silva]. O quinto artigo opera num enquadramento historiográfico e histórico mais vasto, propondo uma mudança de perspetiva na análise dos arquivos das comunidades (não no sentido anglo-saxónico de «community archives», mas sim quanto a congregações eclesiásticas, comunidades urbanas, de habitantes) na Idade Média, que os subtraia a um comparativismo reducionista com o paradigma estatal «moderno» de arquivos, favorecendo a longa duração e a história social.

5A leitura de cada um destes textos será o melhor modo de avaliar da riqueza dos diferentes contributos. Aqui, beneficiando das ideias dos autores, terminaríamos esta breve Introdução por uma abertura ao futuro: será possível, no final da leitura dos cinco textos — e afinal, de todo o livro — deixarmos de colocar entre aspas as palavras arquivo e família? Afinal, esse sinal tipográfico remete para algo que não se consegue bem definir — ou que se renuncia a definir? — e em ciência é importante um consenso (mesmo se limitado e localizado) sobre os conceitos. Acreditamos que sim, embora a sua construção implique novos debates, para os quais o livro quer ser, antes de mais, um ponto de partida, ele próprio sujeito a crítica; e obrigue, também, a uma prática de identificação clara dos materiais da construção conceptual.

6Por arquivo entenderíamos, assim, assumindo a importância da história institucional e da configuração disciplinar arquivística (no seu estadio pós-moderno, a «archival science»), a produção informacional de uma instituição, no seu processo de documentalização, conservação e uso, numa aceção ampla a que recentemente se tem chamado de «práticas arquivísticas»; ela incorpora parâmetros ausentes das definições tradicionais, mas que têm sido trazidos à luz por, entre outros, os estudos de arquivos não convencionais (de comunidades, colecções) e/ou não-europeus (ou não modernos, pelo menos): afectividade, identidade, selectividade, manipulação. O arquivo não é evidentemente estático, e há que ter em conta, antes de mais, que o conhecimento que dele tem o cientista social, é retrospectivo, isto é, incorpora as camadas de vida posteriores, e com frequência alheias, à existência organizacional. Quanto a família — no caso das que produziram os arquivos estudados neste livro — cremos ser possível defini-la antes de mais como uma realidade institucional, e que esta dimensão é fundamental para perceber funções centrais da mesma, como a dominação e a reprodução social de que fala Joseph Morsel no seu texto. É no entanto imprescindível, na linha do defendido pelo mesmo autor, um trabalho extenso de adequação do conceito, em que porventura caberiam, numa caracterização institucional, as funções sociais definidas. O projecto — trata-se disso — é chegar a uma concepção alteritária de «instituição», que lhe confira matriz histórico-antropológica respeitadora do ordenamento societal e legal do Antigo Regime europeu (na senda dos trabalhos de Bartolomé Clavero, Paolo Grossi, António Hespanha); e adequá-la, de seguida, aos grupos institucionais familiares (numa aceção historicamente construída) que tenham contado, entre as suas características essenciais, a produção e conservação de arquivos.

© Casa de Velázquez, 2021

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search