Version classiqueVersion mobile

Juvenes - The Middle Ages seen by young researchers

 | 
André Madruga Coelho
, 
Silvana R. Vieira de Sousa

Froila Gonçalves. O condado de Coimbra, caudilhismo de fronteira e a defensio de cenóbios no Ocidente Peninsular

Pedro Alexandre Gonçalves

Résumé

Nas últimas décadas do século X, perante um poder régio cada vez mais decadente emanado a partir de Leão, observou-se nas regiões periféricas deste reino uma crescente autonomização. Entre estas encontrava-se o condado de Coimbra, nas mãos de magnates descendentes do seu presor, que, contudo, pereceu perante al-Mansūr e a sua política agressiva face aos poderes cristãos do Norte peninsular a partir dos anos 987-988. Todavia, em parte deste território, ter-se-á formado um pequeno protectorado cliente do poder de Córdova, governado pelo filho de um antigo conde, que terá aceitado a soberania daqueles e prestar-lhes homenagem. Nos três decénios que se seguem, sensivelmente, Froila Gonçalves terá o controlo do condado, administrando-o e participando em acções militares punitivas contra os cristãos do Norte, além de se relacionar proximamente com o mosteiro de São Vicente e São Salvador da Vacariça. Assim, a partir de documentos originários desta abadia e da de Lorvão, procuramos demonstrar a importância que este nobre Froila deteve, através do seu governo, na afirmação daquele, tanto em vida como após a morte, ajudando-o a tornar-se a principal instituição monástica na região para o século XI.

Texte intégral

Introdução

1Para uma tentativa da reconstituição da sociedade da região de Coimbra em fins do século X e dealbar do XI, tal só será possível considerando as cópias de documentos presentes em dois cartulários de instituições que aí também têm a sua implantação. São estas a Sé de Coimbra e o Mosteiro de Lorvão, com os seus conjuntos documentais Livro preto e o Liber testamentorum, respectivamente.

  • 1 BOUCHARD, Constance B. (2002) – “Monastic Cartularies: Organizing Eternity”. In Kosto, Adam e Winro (...)

2A autora Constance B. Bouchard (2002, 22) apresenta os cartulários como «(…): they were novel, even revolutionary when they were first put together in the eleventh through thirteenth centuries, and represented a new way of organizing and thinking about both a monastery’s past and its possessions. (…)», colocando como ponto de partida da sua disseminação o espaço francês, não antes do ano 1000 e com a maior densidade de produção a não arrancar antes da década de 11201.

  • 2 MORUJÃO, Maria do Rosário (2008) – O Livro Preto da Sé de Coimbra. Estudo do Cartulário. Revista de (...)
  • 3 BRANCO, Maria João (2008) – “Reis, condes, mosteiros e poderes: O Mosteiro de Lorvão no contexto po (...)

3Coevo a este último marco será o Liber testamentorum, datado para pouco depois de 1116, o ano da restauração do Mosteiro de Lorvão por parte da Sé de Coimbra – a quem aquele tinha sido doado em 1109 pelos condes Henrique e Teresa de Portucale –, constituindo-se o exemplo mais antigo para o actual território português desta nova forma de pensar o arquivo2, sobretudo em instituições religiosas, tanto regulares como seculares. Ao ser criado logo a seguir a este evento, a elaboração consagra um claro aspecto laudatório à fundação, pois a própria forma de exposição e os diplomas seleccionados remontam, na sua clara maioria, ao século X, o período de maior pujança material e, provavelmente, ascética do cenóbio3.

  • 4 Pois corresponde a compilações de documentos, não desempenhando, assim, a sua função original, vide (...)
  • 5 BOUCHARD, Constance B. (2002) – “Monastic Cartularies: Organizing Eternity”. In Kosto, Adam e Winro (...)

4Mais tardio é o Livro preto, datado da segunda metade do século XII. Para a Sé conimbricense, a composição – uma forma de registo secundário4 – surgia num período de rivalidade com os cónegos regrantes de Santa Cruz de Coimbra – ainda que não fosse tão intenso como nas décadas anteriores –, das disputas territoriais com a homóloga do Porto e o fim da tutela sobre as dioceses de Viseu e Lamego, restauradas em 1147, como aponta Maria do Rosário Morujão (2008, 7-11). Desta forma, dadas as pressões externas e as mutações acentuadas no quadro eclesiástico no reino português, seria de capital importância a transposição de diplomas de origem diversa para um instrumento que, além de alterações várias (desde a mudança da letra visigótica à carolina, actualização de antroponímia e toponímia, entre outros), permitia o registo de privilégios e direitos detidos pela catedral, assim como a criação de uma narrativa com base no espólio arquivístico, preservando uma memória identitária da instituição5.

  • 6 No entanto, há que contextualizar estas atitudes dos seus autores, que acreditavam que a sua acção (...)

5Dado o peso ideológico da constituição, este processo – ou a simples produção documental – constitui um problema para os investigadores, dada as não-raras alterações efectuadas, intencionalmente ou não, nos diplomas6.

6Desta forma, teremos de ter em consideração que toda a documentação por nós considerada para este artigo foi, de uma forma ou outra, trabalhada entre um a dois séculos depois da sua elaboração, por pessoas com objectivos diferentes ou, até, de instituições diferentes. A isto junta-se a possibilidade de estarmos presentes perante alguns exemplares de cartas forjadas na sua totalidade. Este passado manuseado pelos monges de Lorvão e cónegos da Sé mais tarde era essencial para a política a aplicar e, desta forma, o conteúdo escolhido para figurar transforma-se de acordo com a história que estes desejariam contar. Jogava-se, assim, o prestígio e a antiguidade destas fundações religiosas, assim como as relações privilegiadas com os reis asturo-leoneses, a alta nobreza que destes dependia e, mais especificamente, as elites locais, entre os quais a família dos condes de Coimbra.

7Com efeito, no presente artigo, pretendemos debruçar-nos sobre a acção de Froila Gonçalves (sendo este o principal nome no condado de Coimbra na transição do século X para o XI) e a sua relação com o mosteiro dedicado a São Salvador e São Vicente, como resultado da uma construção sócio-política prévia. Dada a dificuldade em explicar a acção deste sem a conjuntura histórica do espaço condal que fora dominado pela sua família, teremos de nos auxiliar de documentação originária, além da Vacariça, do mosteiro de Lorvão – com a aquele a chegar-nos por via do supra-mencionado cartulário diocesano.

O condado de Coimbra na segunda metade do século X: o contexto sócio-político da região

  • 7 GOUVEIA, Mário (2009) – “Hermenegildo Guterres e a presúria de Coimbra (séc. IX-X)”. In Barata, Mar (...)

8O condado de Coimbra esteve, desde a presúria em 878 d.C., nas mãos da família de Hermenegildo Guterres, seu presor e primeiro conde7. Ocupado durante o reinado de Afonso III das Astúrias, um monarca envolto na promoção da ocupação de territórios mais meridionais pelos seus fideles, entre os quais aquele, ultrapassou-se, com este espaço, o próprio vale do Douro que, numa visão mais abrangente da península, parece ter servido como referência para estes empreendimentos militares e de ocupação territorial.

  • 8 Visível na sua acção político-administrativa ou na política matrimonial, sendo vários os monarcas q (...)

9O condado coimbrão terá, então, a partir desse momento, cerca de 110 anos de construção, seguida de uma solidificação, das estruturas de povoamento e repartição da propriedade dentro da esfera cristã e do poder asturiano-leonês antes de cair, novamente, em mãos islâmicas. Pode-se, inclusive, sobretudo antes deste acontecimento, falar de uma «ocidentalização» do reino leonês em meados do século X8.

  • 9 «(…) a implantação e consolidação de uma nobreza condal com ligações muito próximas à realeza astur (...)
  • 10 «A riqueza que o mosteiro vinha acumulando desde o início do século X, aumenta consideralvelmente n (...)

10O território parece manter-se estável ao longo daquele período, compartindo a Norte com o condado de Portucale, liderado pelos descendentes de Vímara Peres, e não se aventurando muito a sul do Mondego, certamente a grande referência demarcatória e que definiria, grosso modo, o limes meridional. A documentação do Liber testamentorum testemunha aquilo que parece ser a organização e povoamento do dito espaço ao longo de toda esta cronologia, desempenhando um grande papel nisto mesmo os condes9, alguma nobreza que lhe parece dependente e o mosteiro de Lorvão, associado a aqueles10. Junta-se, ainda, um centro urbano, Coimbra, que à época já seria suficientemente desenvolvido para desempenhar o papel de grande centro organizador de toda esta área condal, ainda que localizada sobre a margem direita do rio Mondego, o limite demarcatório meridional por excelência desta jurisdição político-administrativa.

  • 11 O rei Ramiro II morre em 951 e é sucedido pelo seu filho Ordonho III (apoiado por Gonçalo Mendes) q (...)
  • 12 MATTOSO, José (1992) – “Antes de Portugal”. In Mattoso, José (dir.) – História de Portugal. [s.l.]: (...)

11Este condado parece ter desenvolvido alguma rivalidade com o seu vizinho nortenho, sobretudo durante o período em que os seus condes eram Gonçalo Mendes de Portucale e Gonçalo Moniz de Coimbra, coincidindo com as disputas sobre o trono leonês ocorridas após a morte de Ramiro II – quando se sucedem quatro reis (um deles duas vezes) em quinze anos11 – que, por sua vez, levava a jogos políticos complexos e uma tentativa cada vez maior, por parte destes poderes periféricos de Leão, em elevarem os seus graus de autonomia, afrontando, não raras vezes, o seu monarca. O dito Gonçalo Moniz vai mesmo, ao que tudo indica, rebelar-se contra Sancho I e descendo este a Coimbra, aquele, ao que parece, envenenará este com uma maçã que lhe teria oferecido12, o que é demonstrativo da instabilidade vivenciada no reino de Leão na segunda metade do século XI.

  • 13 Refira-se a sua acção e presença fora dos seus domínios quando, em 960, por terras de Sahagún, conf (...)
  • 14 É, também, desta forma, imperativo a referência à sua eventual «embaixada» à corte califal omíada d (...)

12Nos limites meridionais do ocidente do reino de Leão, este grande magnate foi tomando partido da sua condição na sua relação com alguns dos poderes homólogos e, também, centrais. Isto é, o papel dentro do reino leonês13, enquanto nobre partidário num contexto de disputas entre príncipes e monarcas visando o trono (culminando com o envenenamento de Sancho I de Leão pela sua própria mão), fosse enquanto senhor de um território específico, que tentava promover e levaria a disputas com senhores vizinhos, neste caso, o conde de Portucale14.

  • 15 São exemplos, respectivamente, os documentos n.ºs 3, 5, 19, 23, 26, 33, 58 e 61, e n.ºs 46, 60 e 75 (...)
  • 16 Respectivamente, n.º 60 (em conjunto com o esposo), e n.ºs 51, 52 (Múnio Gonçalves), vide FERNÁNDEZ (...)

13Grande benfeitor do Mosteiro de Lorvão, que terá contado de forma clara com a sua protecção, sendo confirmante em vários documentos e autor jurídico de outros três (embora um seja parcialmente repetido)15, além de vários membros da sua família, como a mulher (Mumadona Froilaz) ou os filhos, a desempenharem papel semelhante16. Destes parece surgir toda uma geração que, após a morte do pai, irá constituir o grosso da elite conimbricense.

14No entanto, não se conhece as circunstâncias da sua morte. O último documento sobrevivente onde se confirma a sua presença data de 981, mas este nobre «(…) aparentemente terá morrido, (…), quando os representantes dos condados portucalense e conimbricense lutavam de novo, agora para defender a causa de Bermudo II, entre 982 e 984, nos finais deste agitado período.» (BRANCO, 2008, 54).

  • 17 AZEVEDO, Ruy de (1932) – “O Mosteiro de Lorvão na reconquista cristã”. In Saraiva, José da Cunha; F (...)
  • 18 Entre outros descendentes estão Godinha Gonçalves, casada com o conde Oveco Garcia – um navarro, se (...)

15A sua sucessão parece ter prosseguido em Múnio Gonçalves, mas este terá morrido (ou fugido ou sido afastado) pouco depois – o último documento com o seu nome data de 988 –, eventualmente como consequência de alguma resistência à ocupação islâmica, ainda que não passe de uma hipótese baseada numa coincidência. A sua doação ao mosteiro de Lorvão datada de 988 – isto partindo do princípio que o documento é legítimo, nem teve a data adulterada – pode ser um indício da impossibilidade de se manter no território, levando-o a ceder bens a uma instituição que lhe era bastante próxima, como era comum nestas situações, coincidindo este período de indefinição da década de 80 com a maior prosperidade laurbanense, segundo Ruy de Azevedo17. Quem lhe sucede foi o seu irmão Froila Gonçalves que, durante o seu governo, tomará uma posição pragmática face ao poderio das tropas amiríadas. Tal como este, outro irmão (do qual se chegou a colocar a hipótese de ser o mesmo que o último) de nome Veila Gonçalves também terá permanecido, apesar da ocupação, demonstrando que a relação com a terra seria superior à fidelidade devida ao monarca leonês18.

  • 19 SÉNAC, Philippe (2006) – Al-Mansur. Le Fléau de l’an Mil. Paris: Perrin, pp. 104-105.
  • 20 «Il ne s’agissait plus de défrendre les territoires menacés mais d’attaquer l’adversaire. Comme le (...)

16Junto com outros espaços controlados pelos poderes do Norte, o território conimbricense caiu para as tropas islâmicas em 987, pela mão do hājib al-Mansūr que, de facto, era o líder do califado de Córdova em nome no califa Hishām II. A sua política bélica ofensiva – apesar da sua formação jurídico-administrativa19 – teve bastante impacto no ocidente, pois retomou alguns territórios para o Islão e colocou a ferro e fogo outros espaços da cristandade peninsular (como o centro-norte da Península ou a marca hispânica)20.

  • 21 SÉNAC, Philippe (2006) – Al-Mansur. Le Fléau de l’an Mil. Paris: Perrin, p. 110.
  • 22 AILLET, Cyrille (2009) – El Monasterio de Lorvão y los Confines de la Beira (Siglos IX-XII): Apunte (...)
  • 23 Já M. Rúben García Alvaréz, por outro lado, apoiando-se num trabalho de C. Lévi-Provençal na sequên (...)

17Com a retoma, Coimbra «(…) fut repeuplée par des populations mozárabes et des muwallads (…)»21, mas, ao mesmo tempo, sem alterar, de forma radical, as estruturas existentes22 – ainda que, logicamente, possessões territoriais, privilégios e prerrogativas possam ter sofrido mutações, nomeadamente por demonstrações de lealdade ou fidelidade, com a substituição de elites que não acatassem a nova ordem23.

  • 24 MATTOSO, José (1981) – A Nobreza Medieval Portuguesa: A Família e o Poder. Lisboa: Editorial Estamp (...)
  • 25 AILLET, Cyrille (2004) – Entre Chrétiens et Musulmans: Le monastère de Lorvão et les Marges du Mond (...)
  • 26 FERNÁNDEZ CATÓN, José María (dir.) (2008) – Liber Testamentorum Coenobii Laurbanensis: Reprodução « (...)
  • 27 Estava em causa a disputa pelos direitos sobre a igreja de São Miguel na mesma uilla, assim como di (...)

18Entre estes, estariam, muito provavelmente, os membros da família dos descendentes de Ero Fernandes (governador de Lugo e tio paterno de Mumadona Dias)24, detentores dos mais variados bens na região do Vouga (entre outras) e, mais precisamente, do Mosteiro de Santo André de Sever do Vouga, como nos apercebemos pelo Livro preto, n.º 139 – e pelo conjunto documental que se lhe segue, como veremos mais à frente –, mas que terão fugido para Norte com a ofensiva islâmica25. Além da gestão deste cenóbio privado, também se relacionaram com o Mosteiro de Lorvão, tendo dois irmãos desta família (Fernando e Soeiro Sandines) sido generosos benfeitores, com doações de dimensão assinalável em inícios da década de oitenta do século X26. Entre estas, encontravam-se partes das uillae de Recardães (c. Águeda) e Bele, com aquela a localizar-se entre os rios Cértima e Águeda, não muito longe da junção destes com o Vouga, e esta, talvez, mais a montante deste último rio, a Este de Sever do Vouga, em Ribeiradio. Aquela primeira uilla, por sinal, também estará profundamente ligada ao ascetério vacariciense, que disputará com os monges laurbanenses várias parcelas em fins nas últimas décadas do século XI27.

  • 28 AILLET, Cyrille (2009) – El Monasterio de Lorvão y los Confines de la Beira (Siglos IX-XII): Apunte (...)

19Com efeito, constituiu-se nesta ocupação da região que durou quase oito décadas, «(…) un tipo de protectorado islâmico, en una zona compuesta por un verdadeiro mosaico de micro-poderes cristianos, bastante inestables y flujos según el contexto político.»28. A aliança com os senhores locais permitiu uma manutenção de algumas prerrogativas de tenência que alguns já deteriam dentro da cadeia de poderes do reino asturo-leonês. Uma das claras evidências desta relação de proximidade foi a grande operação de razia levada a cabo pelo hājib que chegou até Santiago de Compostela, em 997, e na qual participaram vários nobres cristãos, entre os quais Froila Gonçalves, sobre quem nos debruçaremos de seguida.

Froila Gonçalves e a sua acção

  • 29 Escreve Cyrille Aillet que «Fruela Gonçalves es un personaje bien conocido en este período. El domi (...)
  • 30 MATTOSO, José (1985) – Ricos-homens, Infanções e Cavaleiros: A Nobreza Medieval Portuguesa nos Sécu (...)

20Filho de Gonçalo Moniz e, tal como o seu pai, conde, sucedeu, muito provavelmente, ao seu irmão. A sua ascensão coincide, praticamente, com a reocupação islâmica da região, podendo significar a sua maior abertura face ao poder externo e que, por isso mesmo, lhe tenha aberto a possibilidade de estabelecer um território clientelar do califado cordovês29. Seria (assim como o seu irmão Veila), portanto, como o apresenta José Mattoso, um caudilho de fronteira que, numa visão pragmática, consoante o balanço das forças, se associaria aos poderes políticos que, nesse momento, conseguiam imprimir uma maior pujança30.

  • 31 «Al-Mansūr dirigea contre cette ville l’expédition estivale qui quitta Cordoue le samedi 23 djumada (...)

21Como tal, a sua participação em expedições predatórias amíridas nada mais seria do que uma associação de um «vassalo» ao seu suserano. Escreve Ibn Idhārī que, em 997, na sua 48.ª campanha, al-Mansūr dirige uma ofensiva a Santiago de Compostela. Em Viseu juntaram-se às forças califais vários condes (entre os quais Froila Gonçalves) que reconheciam a sua autoridade, apresentando-se com os seus guerreiros e grande pompa, prosseguindo depois em direcção à Galiza. Depois do saque, fizeram, em Lamego, a divisão dos despojos entre os chefes que participaram neste empreendimento, tanto os muçulmanos, como os «príncipes cristãos»31.

  • 32 AZEVEDO, Ruy de (1973) – A expedição de Almançor a Santiago de Compostela em 997, e a de piratas no (...)
  • 33 AZEVEDO, Ruy de (1973) – A expedição de Almançor a Santiago de Compostela em 997, e a de piratas no (...)

22Esta campanha terá sido precedida de um fossado do já mencionado Veila Gonçalves, numa incursão a norte do Douro, como expõe Ruy de Azevedo, de modo a neutralizar fortalezas que pudessem colocar em causa a progressão das forças que viriam do al-Andalus para a grande expedição ao Noroeste peninsular. Segundo este autor, aquele nobre – que teria funções análogas a Froila Gonçalves, mas na Terra de Santa Maria –, teria, assim, procurado anular as forças do conde de Portucale, Mendo Gonçalves, e seus dependentes, reavivando, certamente, velhas rivalidades. O responsável pela defesa do castelo da Maia – este deveria ser uma das principais defesas da região que agora se constituía como fronteira, escrevendo aquele autor que seria mesmo a «única fortaleza de alguma importância»32, terá traído a causa e entrou em conluio com Veila. Ao que tudo indica, este terá, mais tarde se reconciliado com o poder portucalense, ainda que não se sabendo bem quando tal terá ocorrido33.

  • 34 «(…). O mosteiro da Vacariça nascido em seu tempo ou pouco antes, foi o seu centro religioso, como (...)
  • 35 ISLA FREZ, Amancio (1992) – La Sociedad Gallega en la Alta Edad Media. Madrid: Consejo Superior de (...)

23Voltando, de novo, a nossa atenção para o conde Froila Gonçalves, poderemos dizer que, tal como os seus irmãos e antepassados, também beneficiou de forma significativa um cenóbio na região. Só que, ao invés de como estes doar a Lorvão, vai legar parcelas do seu território a um outro grande mosteiro regional e fronteiriço, o de Vacariça34, que, ao que tudo indica, estava nesse momento a surgir e vai contar com a protecção do caudilho conimbricense. É possível que seja um dos grandes responsáveis pelo seu estabelecimento, o que justificaria, em parte, as dotações que lhe faz pouco depois da provável fundação, que se situa entre os fins do século X e inícios do XI, uma vez que o seu primeiro documento sobrevivente data de 1002. Esta relação de proximidade enquadrar-se-ia dentro do que se denomina por defensio, ou seja, o assumir de obrigações face ao mosteiro por parte da aristocracia laica, desde a defesa, tutela, protecção ou auxílio, como explana o autor galego Isla Frez35. Junto a esta casa, também outras estarão na mesma situação, como veremos infra.

  • 36 RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbr (...)

24No ano de 1006, a 18 de maio, o conde doa ao mosteiro da Vacariça um quinto da sua uilla de Vila Nova de Monsarros (c. Anadia), que se converteria na totalidade da unidade após a sua morte, para o remédio da sua alma e dos seus pais, Gonçalo Moniz e Mumadona36.

  • 37 «(…) Id sunt: Villa Nova, que fuit de Gundisalvo Moniz et testavit eam filius suus, Froiula Gunsalv (...)
  • 38 Nomeadamente Recardães, a que já aludimos supra.
  • 39 Ideia visível, por exemplo, em BAPTISTA, Augusto Soares de Sousa (1954) – Mosteiro da Vacariça. Ave (...)

25Num documento de 1064, certamente relacionado com a conquista de Coimbra por Fernando I, o mosteiro elabora um documento, anotando as suas propriedades e direitos no Entre-Mondego-e-Vouga, onde deixa clara a forma de obtenção desta uilla, legada por Froila Gonçalves, que a tinha herdado do seu pai, o conde Gonçalo Moniz37. Tal situação – de incluir este último nome – tem o que parece ser uma forte tendência memorialística, com a pretensão de, certamente, elevar o cenóbio, ligando-o à elite regional e leonesa, o que lhe permitia fazer uma conexão directa com o período cristão pré-reocupação islâmica. Esta demonstração teria, assim, um objectivo legitimizador, tanto perante a monarquia leonesa, como face à elite «moçárabe» conimbricense, recentemente incorporada no reino cristão. Isto porque é sabido que aquele benfeitor teria tomado posse de alguns bens alheios durante o período de indefinição que se seguiu à reocupação da região por poderes islâmicos, possivelmente até bens pertencentes ao mosteiro de Lorvão e que, de certa forma, poderia justificar alguma sobreposição de propriedades entre este e o mosteiro vacariciense38, podendo-se tomar esta hipótese como uma alternativa à ideia que a Vacariça poderia ter surgido como uma dependência daquele39.

26O seu envolvimento com o mosteiro verificar-se-ia, novamente, com o caso do Mosteiro de Sever do Vouga, que despoletou uma batalha jurídica descrita mais tarde num documento de 1019:

  • 40 RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbr (...)

Et post obitum ipsis dominis [Fernando Sandines e Soeiro Sandines], migrauit Gudesteus presbiter, et remansit Sandinus diaconus, in illo monasterio. Et tunc surrexerunt in ipsis temporibus filii perditionis, gens ismaelitarum, et prenderunt ipsam terram in qua erat illud monasterium, ipsam et aliam, de Dorio usque in Cordoba, et cum eos andante Froila Gundesalviz, et in ejus societate, ipse Sandinus diaconus40,

  • 41 Como se lê na seguinte passagem: «modo vero ratione servata, ut de hac re nichil inde valeatis extr (...)
  • 42 RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbr (...)
  • 43 RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbr (...)
  • 44 ISLA FREZ, Amancio (1992) – La Sociedad Gallega en la Alta Edad Media. Madrid: Consejo Superior de (...)

27Doou Sandino, abusando das suas prerrogativas41, em 1005, a Froila o dito mosteiro, que, por sua vez, o cedeu aos monges da Vacariça42. Este é um exemplo claro da actividade predatória sobre bens alheios que estes senhores de fronteira evidenciavam nestes momentos de bastante incerteza e insegurança para várias famílias, como já mencionámos anteriormente, sendo este caso concreto uma situação a que já aludimos. Para a primeira situação, estamos precisamente perante um caso de profiliação – «cartulam donationis seu in perfiliationis»43 –, isto é, a sua colocação sobre a dependência de um senhor, ficando o bem em questão juridicamente na posse deste – neste exemplo, como defensor e patrono de uma casa monástica. Como escreve Amancio Isla Frez, a profiliação tende a confundir-se com as vendas ou doações, mas que, junto com outras, correspondia a um procedimento pela qual os poderosos poderiam estender a sua influência, aumentando, assim, o seu património44. Desta forma, fica evidente a colaboração entre estes dois indivíduos e, mais concretamente, a natureza da sua relação.

  • 45 «(…) et devenerunt in manus de Nunno et suos jermanos qui sunt filli Fernandi et nepotes Sandini Su (...)
  • 46 VELOSO, Maria Teresa Nobre (1999) – “Sever do Vouga – Terra de cristãos em tempo de domínio muçulma (...)
  • 47 Mudança essa que terá ocorrido entre os dias 13 e 30 de janeiro de 1018, pois num documento datado (...)

28Só após a ofensiva de Mendo Luz até à foz do rio Mondego é que a questão ficará esclarecida, pois pouco antes de 1019 este conseguiu expulsar Froila Gonçalves de Montemor, onde o mesmo tinha uma das suas principais fortalezas. O Mosteiro de Santo André de Sever e os seus direitos retornaram, com isto, aos filhos de Fernando Sandines, nomeadamente Nuno Fernandes e Sandino Fernandes, que, por sua vez, o doam ao cenóbio vacariciense45. Com esta acção, escolheram não prejudicar esta instituição pela forma como se manifestara a obtenção do domínio, legado como herança daquele conde46. Poderemos relacionar isto com uma posição diferente do cenóbio – dado o tom algo condenatório na descrição dos acontecimentos –, nomeadamente derivado da mudança, entretanto, do seu superior47, assim como da já visível tendência dos maiores mosteiros absorverem os privados de dimensões mais modestas, entre outras.

  • 48 Contudo, ao contrário dos seus ascendentes e outros familiares ligados a este condado, a disposição (...)

29Apesar da sua gens estar umbilicalmente ligada ao território conimbricense, Froila Gonçalves (e os seus ascendentes) detinha diversas propriedades fora da sua área mais directa de jurisdição condal48. Tal como o mosteiro que patrocinará, o filho de Gonçalo Moniz será bastante activo nestes dois espaços – possuía uma grande quantidade de bens imóveis em latitudes mais setentrionais, por virtude, certamente, das políticas matrimoniais dos seus antepassados –, os condados de Portucale e de Coimbra, pois, apesar da rivalidade que pontilhou durante este período, haveria certamente, à época, uma noção de continuidade – ou, pelo menos, do Vouga para Norte.

  • 49 RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbr (...)
  • 50 MATTOSO, José (1992) – “Antes de Portugal”. In Mattoso, José (dir.) – História de Portugal. [s.l.]: (...)

30Esta evidência de possessões mais setentrionais por parte do seu principal benfeitor nestes primeiros anos do século XI pode legitimamente ser uma das razões pelo qual o Mosteiro da Vacariça se expandirá de forma bastante vigorosa para a zona em torno do rio Douro, nomeadamente na região da Maia, onde deterá vários bens e construirá uma relação de grande proximidade com alguma da nobreza local. Um exemplo da acção de Froila para estas latitudes é a doação que ele faz em 994, outorgando as uillae de Sevilhães e Baquini (c. Gondomar) a Leoderigo e mulher, Ermengro. Em troca, estes últimos deram ao nobre um cálice de prata e quinze soldos – «uno copo de argento et XV solidos» –49, pequeno exemplo demonstrativo da tendência de entesouramento por parte das elites, de gosto pelo luxo e da ostentação, que crescia paulatinamente nesta sociedade da «Idade Média central»50.

  • 51 RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbr (...)

31Em 30 de janeiro de 1018, a condessa Toda Forjaz (a viúva do conde Mendo Gonçalves de Portucale) confirma o testamento do seu primo Froila Gonçalves – o que nos dá uma data mais ou menos precisa da sua morte, uma vez que o último documento em que toma parte é de 1017 –, que favorecia o Mosteiro da Vacariça com bens a norte do Vouga, entre este rio e a Serra da Gralheira (mais especificamente mons ezebrario, na documentação, hoje Zibreiros), incluindo o cenóbio dedicado a Santo André e suas possessões51. Assim como o terá protegido desde a sua origem, este nobre irá continuar a fazê-lo até ao seu derradeiro testamento o que, na verdade, nada é mais do que a demonstração de laços fortes entre o conde e a instituição em questão. Esta acção parece configurar-se, acima de tudo, como uma tentativa de validar a forma de obtenção dos bens e a sua transmissão ao ascetério vacariciense como legítima. Recorria, para isso, a uma autoridade importante como era esta senhora dentro da estrutura senhorial leonesa e que por ele poderia interceder, pois era possivelmente a regente em nome do seu filho para o condado portucalense, assim como a sogra do monarca Afonso V de Leão. Implica, também, por outro lado, que as resoluções de alguns conflitos, nomeadamente quanto ao caso do mosteiro de Sever, só teriam solução a partir da sua morte, significando uma intransigência deste em manter a sua área de influência bem demarcada, procurando manter os demais nobres com uma preponderância limitada.

  • 52 A própria proximidade entre os bens no Entre-Douro-e-Ave deste conde, dos descendentes de Fernando (...)
  • 53 De facto, foi levantada a possibilidade por C.J. Bishko de este novo abade ser aparentado à família (...)

32Por outro lado, poderá a morte deste magnate, assim como a conquista de Montemor-o-Velho – o coração do governo condal de Froila Gonçalves – por parte de Mendo Luz, como é descrito na já referida doação dos filhos de Fernando Sandines (Nuno e Sandino), ter tido consequências claras no mosteiro da Vacariça? A existência de nobreza (oriunda do norte do Douro) que lhe faz doações e o favorece quase imediatamente após a mudança de paradigma, assim como durante as décadas seguintes, assim o parece indicar52. Este episódio terá consagrado, certamente, mutações no Entre-Mondego-e-Vouga algo significativas, nomeadamente quanto à dita fundação monástica. É em 1018, por sinal, como já aludimos, que sobe ao assento abacial o abade Tudeíldo, protagonista no monaquismo peninsular ocidental para as três décadas seguintes. Seria verosímil a hipótese de que este clérigo seja o resultado de uma nova política e ordem neste espaço, uma vez eliminado Froila Gonçalves? A ideia de a escolha ter recaído num possível religioso do «Norte»53, descurando assim as vicissitudes regionais e aproximando o monaquismo dos dois condados é aliciante e, de certa forma, justificaria a aproximação dos senhores da diocese do Porto ao cenóbio vacariciense.

  • 54 Esta mulher terá, também, ao que tudo indica, pela documentação existente, menos actividade que as (...)
  • 55 MATTOSO, José (1985) – Ricos-homens, Infanções e Cavaleiros: A Nobreza Medieval Portuguesa nos Sécu (...)

33A descendência deste senhor, por sinal, parece ser cada vez menos relevante. A menor presença na documentação, indício de um menor poder «real» e influência no espaço que o rodeia, parece ser a norma para o seu filho, Gonçalo Froilaz. Pouco de sabe deste indivíduo, que viveu ao longo da primeira metade do século XI. Casou com Ermesenda Fernandes, filha de Fernando Sandines e irmã de Nuno Fernandes e Sandino Fernandes54 – todos já referidos aqui por virtude da sua doação (e contenda) ao mosteiro da Vacariça –, ou seja, de uma de origem família condal que terá tido como sua área de influência o território correspondente ao vale do Vouga e que, mais tarde, teria dado origem à família Marnel, implantada exactamente neste espaço55. Ou seja, Gonçalo Froilaz casou com uma mulher de uma família que sofreu da actividade predatória do seu pai, Froila Gonçalves.

34Por outro lado, o governo deste homem terá ajudado à fomentação da singularidade regional de Coimbra (reflectida no fenómeno do «moçarabismo»), pelos mais diversos motivos explanados, como se pode ler na passagem:

  • 56 MATTOSO, José (1985) – Ricos-homens, Infanções e Cavaleiros: A Nobreza Medieval Portuguesa nos Sécu (...)

Estes factos permitem também supor que o governo de Coimbra por condes de famílias do Norte não tenha constituído obstáculo a que a região de Coimbra se tornasse um claro bastião de mozarabismo, que triunfa durante a efectiva ocupação islâmica de 997 a 1064, mas se prolonga também durante mais meio século, sob o governo cristão de Sisnando.56.

35Mas é, ao mesmo tempo, o herdeiro de uma família que conectava, em nome do rei, o espaço que controlava ao Norte leonês e que, mesmo após a intervenção de al-Mansūr, continuará, ainda que de formas diversas e, até, mais hostis, a fazê-lo. Alguns exemplos claros são: o supra-referido casamento do seu filho com uma nobre de uma família que se afastou deste espaço por, muito provavelmente, não ter colaborado com o hājib cordovês; o que parece ser um usufruto livre das suas propriedades a norte do rio Douro, como mencionámos supra; o facto de ter a sua prima D. Toda de Portucale a servir como executora do seu derradeiro testamento ao mosteiro vacariciense.

36Por outro lado, a sua total exclusão do Liber testamentorum significará, possivelmente, a sua menor relevância dentro da família condal, como filho segundo que seria. Isto converter-se-ia numa invisibilidade, em determinada fase, nos documentos onde o núcleo principal da sua família apareceria, nomeadamente aqueles que se relacionariam com o cenóbio laurbanense. Poder-se-á, inclusive, questionar se tal corresponderia à realidade ou, se, por outro lado, foi uma opção consciente dos autores deste cartulário a sua exclusão, se quiçá não for uma interpretação demasiado abusiva desta falta de elementos. De qualquer forma, apercebemo-nos que esta perturbação externa que foi a recuperação islâmica da região terá constituído um momento oportuno para que este indivíduo ascendesse socialmente, passando, assim, a dominar parte significativa do Entre-Douro-e-Mondego.

Conclusão

37Por virtude da sua acção, este conde Froila Gonçalves promoveu, certamente, a exacerbação de um sincretismo cultural entre os poderes cristãos e islâmicos, pois a permeabilidade face às culturas dominantes que a envolviam era ainda mais evidente, dada a crescente instabilidade das fronteiras que se verificou a partir daí até 1064. Assim, o antigo condado de Coimbra corresponde, cada vez mais, a um espaço singular por excelência dentro da Hispânia, sobretudo no seu ocidente peninsular, especialmente para estas latitudes, onde a presença de qualquer um dos poderes era ainda algo ténue. Este fenómeno de influências mútuas permitiu a consolidação de uma identidade regional, identificada com o «moçarabismo», de acordo com a historiografia tradicional, de carácter bem vincado até às primeiras décadas do século XII, com a contribuição de outras personagens como Sesnando Davides ou Martinho Moniz.

38Ao mesmo tempo que exercia o seu poder militar, punindo sobretudo os domínios cristãos, promoveu, garantidamente, a ascensão de uma nova casa monástica, São Salvador e São Vicente da Vacariça. As relações entre esta e o ancestral cenóbio laurbanense não são claras, mas, por outro lado, existe claramente uma ruptura entre o que prosseguia da antiga família condal, na pessoa de Froila Gonçalves, e este ascetério que os seus antepassados tanto favoreceram. Constitui-se, desta forma, um novo centro espiritual do poder. A linguagem simbólica de substituição é clara, independentemente das dinâmicas e motivações iniciais que possam ter levado a estes desenvolvimentos.

39Este senhor dota-o de importantes bens – assim como fizeram os seus dependentes, como foi o caso do diácono Sandino –, expande os seus horizontes com doações em áreas para as quais o mosteiro tinha pouca projecção e, ao mesmo tempo, parece encaminhar, provavelmente inconscientemente, dada a data precoce da sua morte, os monges vacaricienses para o cenobitismo existente a norte do rio Douro, uma característica muito própria deste mosteiro e que o diferenciará face aos demais para as décadas que se seguem.

40A marca senhorial parece tão relevante na construção de uma narrativa memorialística, que, mesmo estando-se perante uma instituição de carácter livre para a clara maioria da sua existência, Gonçalo Moniz e o seu filho são os primeiros (e dois dos somente três laicos) mencionados na listagem de bens da abadia entre o Mondego e o Vouga feita em 1064, tantas décadas após o seu desaparecimento.

41Assim, o próprio cenóbio vacariciense é um claro factor importante a considerar na construção de uma identidade regional demarcatória e diferenciadora do resto do ocidente hispânico. A sua associação com a elite do mesmo território (que, por sua vez, a conectava à família real leonesa), de que é exemplo Froila Gonçalves, os homens livres ou a organização territorial, económica e social do espaço, providencia a formulação de sugestões válidas sobre as comunidades fronteiriças, a sua organização e, nomeadamente, o cenobitismo que lhe era associado.

Bibliographie

Fontes

FERNÁNDEZ CATÓN, José María (dir.) (2008) – Liber Testamentorum Coenobii Laurbanensis: Reprodução «fac-simile» do Códice n.º 49 do Mosteiro de Lorvão, conservado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo. León: Centro de Estudios e Investigación “San Isidoro” - Caja España de Inversiones - Archivo Histórico Diocesano.

RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra.

Estudos

AILLET, Cyrille (2009) – El Monasterio de Lorvão y los Confines de la Beira (Siglos IX-XII): Apuntes sobre la Memoria Histórica de un Espacio de Contacto. Studia Historica, Historia Medieval. Salamanca. N.º 27, pp. 71-95.

AILLET, Cyrille (2004) – Entre Chrétiens et Musulmans: Le monastère de Lorvão et les Marges du Mondego (878-1064). Revue Mabillon. Revue Internationale d’Histoire et de Littératures Religieuses. [s.l.]. Vol. 15 (76), pp. 27-49.

AILLET, Cyrille (2010) – Les Mozarabes: Christianisme, Islamisation et Arabisation en Péninsule Ibérique (IXe-XIIe siècle). Madrid: Casa de Velázquez.

ALARCÃO, Jorge de (2004) – “Trabalhos de Arqueologia”. In Territorio Colimbrie: lugares velhos (e alguns deles deslembrados) do Mondego. Lisboa: Coordenação de António Marques de Faria, Instituto Português de Arqueologia e Ministério da Cultura, n.º 38.

AZEVEDO, Ruy de (1973) – A expedição de Almançor a Santiago de Compostela em 997, e a de piratas normandos à Galiza em 1015-16. Revista Portuguesa de História. Coimbra. T. XIV, vol. III, pp. 73-93.

AZEVEDO, Ruy de (1932) – “O Mosteiro de Lorvão na reconquista cristã”. In Saraiva, José da Cunha; Faria, António Machado de (ed.) – Arquivo Histórico de Portugal. Lisboa: Oficinas Bertrand, vol. I, fasc. 1, pp. 183-239.

BAPTISTA, Augusto Soares de Sousa (1954) – Mosteiro da Vacariça. Aveiro: Coimbra Editora.

BAPTISTA, Augusto Soares de Sousa (1953) – O Mosteiro de Sever. Aveiro: Coimbra Editora.

BARROS, Maria Filomena Lopes de (2001) – “Moçárabes”. In Azevedo, Carlos Moreira de (dir.) – Dicionário de História Religiosa de Portugal. Vol. III – J-P. Rio de Mouro: Círculo de Leitores - Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa, pp. 246-249.

BISHKO, Charles Julian (1984) – “Portuguese pactual monasticism in the eleventh century: the case of S. Salvador da Vacariça”. In Bishko, C.J. – In Spanish and Portuguese Monastic History. 600-1300. Londres: Variorum Reprints, pp. 139-154.

BOUCHARD, Constance B. (2002) – “Monastic Cartularies: Organizing Eternity”. In Kosto, Adam e Winroth, Anders (eds.) – Charters, Cartulaires and Archives. The Preservation and Transmission of Documents in the Medieval West, Toronto: Pontificial Institute of Mediaeval Studies, pp. 22-32.

BRANCO, Maria João (2008) – “Reis, condes, mosteiros e poderes: O Mosteiro de Lorvão no contexto político do reino de Leão (secs. IX-XII)”. In Fernández Catón, José María (dir.) – Liber Testamentorum Coenobii Laurbanensis. Estudios. León: Centro de Estudios e Investigación “San Isidoro” - Caja España de Inversiones - Archivo Histórico Diocesano, pp. 27-80.

CLANCHY, M.T. (2013) – From Memory to Written Record: England 1066-1307. Nova Deli: Wiley-Blackwell.

GARCÍA ALVARÉZ, M. Rúben (1967) – Las diócesis galaico-portuguesas y la política de Almanzor. Bracara Augusta. Revista Cultural da Câmara Municipal de Braga. Vol. XXI, tomo I, n.ºs 47-50 (59-62), pp. 38-54.

GOUVEIA, Mário (2009) – “Hermenegildo Guterres e a presúria de Coimbra (séc. IX-X)”. In Barata, Maria do Rosário Themudo; Krus, Luís (dir.) – Olhares sobre a História: Estudos oferecidos a Iria Gonçalves. Casal de Cambra: Caleidoscópio, pp. 279-292.

ISLA FREZ, Amancio (1992) – La Sociedad Gallega en la Alta Edad Media. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas.

MATTOSO, José (1981) – A Nobreza Medieval Portuguesa: A Família e o Poder. Lisboa: Editorial Estampa.

MATTOSO, José (1993) – “Os Moçárabes”. In Mattoso, José – Fragmentos de uma Composição Medieval. Lisboa: Editorial Estampa, pp. 19-34.

MATTOSO, José (1992) – “Antes de Portugal”. In Mattoso, José (dir.) – História de Portugal. [s.l.]: Círculo de Leitores, vol. I, pp. 438-565.

MATTOSO, José (1985) – Ricos-homens, Infanções e Cavaleiros: A Nobreza Medieval Portuguesa nos Séculos XI e XII. Lisboa: Guimarães Editores.

MORUJÃO, Maria do Rosário (2008) – O Livro Preto da Sé de Coimbra. Estudo do Cartulário. Revista de História da Sociedade e da Cultura. Coimbra. N.º 8, pp. 7-43.

PÉREZ DE URBEL, Justo; DEL ARCO Y GARAY, Ricardo (1982) – España Cristiana: Comienzo de la Reconquista (711-1037). In Menéndez Pidal, Ramon (dir.) – Historia de España. Madrid: Espasa-Calpe. Tomo VI.

PRADALIÉ, M. Gérard (1974) – Les faux de la cathédrale et la crise à Coïmbre au début du XIIe siècle. Mélanges de la Casa de Velásquez. [S.n.]. T. 10, pp. 77-97.

RODRÍGUEZ, Justiniano (1987) – “Gonzalo Muñoz, «dux de terra portucalense»”. In Actas das II Jornadas Luso-espanholas de História Medieval. Porto: Centro de História da Universidade do Porto - Instituto Nacional de Investigação Científica. Vol. 1, pp. 111-121.

SÉNAC, Philippe (2006) – Al-Mansur. Le Fléau de l’an Mil. Paris: Perrin.

VELOSO, Maria Teresa Nobre (1999) – “Sever do Vouga – Terra de cristãos em tempo de domínio muçulmano – segundo a documentação do Livro preto da Sé de Coimbra”. In Stvdivm Dilectvm. Colectânea de Homenagem ao Prof. Doutor Justino Mendes de Almeida pelo seu 50.º Aniversário de Actividade Científica. Lisboa: Academia Portuguesa de História, pp. 333-339.

Notes

1 BOUCHARD, Constance B. (2002) – “Monastic Cartularies: Organizing Eternity”. In Kosto, Adam e Winroth, Anders (eds.) – Charters, Cartulaires and Archives. The Preservation and Transmission of Documents in the Medieval West. Toronto: Pontificial Institute of Mediaeval Studies, pp. 22-23. Assim, os cartulários são resultado, também, deste processo longo de mutação das mentalidades envolvendo a escrita, vide CLANCHY, M.T. (2013) – From Memory to Written Record: England 1066-1307. Nova Deli: Wiley-Blackwell, p. 94.

2 MORUJÃO, Maria do Rosário (2008) – O Livro Preto da Sé de Coimbra. Estudo do Cartulário. Revista de História da Sociedade e da Cultura. Coimbra. N.º 8, pp. 7-8 e BRANCO, Maria João (2008) – “Reis, condes, mosteiros e poderes: O Mosteiro de Lorvão no contexto político do reino de Leão (sécs. IX-XII)”. In Fernández Catón, José María (dir.) – Liber Testamentorum Coenobii Laurbanensis. Estudios. León: Centro de Estudios e Investigación “San Isidoro” - Caja España de Inversiones - Archivo Histórico Diocesano, pp. 29-30.

3 BRANCO, Maria João (2008) – “Reis, condes, mosteiros e poderes: O Mosteiro de Lorvão no contexto político do reino de Leão (secs. IX-XII)”. In Fernández Catón, José María (dir.) – Liber Testamentorum Coenobii Laurbanensis. Estudios. León: Centro de Estudios e Investigación “San Isidoro” - Caja España de Inversiones - Archivo Histórico Diocesano, pp. 29-30.

4 Pois corresponde a compilações de documentos, não desempenhando, assim, a sua função original, vide CLANCHY, M.T. (2013) – From Memory to Written Record: England 1066-1307. Nova Deli: Wiley-Blackwel, p. 86.

5 BOUCHARD, Constance B. (2002) – “Monastic Cartularies: Organizing Eternity”. In Kosto, Adam e Winroth, Anders (eds.) – Charters, Cartulaires and Archives. The Preservation and Transmission of Documents in the Medieval West. Toronto: Pontificial Institute of Mediaeval Studies, p. 27 e p. 29; MORUJÃO, Maria do Rosário (2008) – O Livro Preto da Sé de Coimbra. Estudo do Cartulário. Revista de História da Sociedade e da Cultura. Coimbra. N.º 8, pp. 7-11; CLANCHY, M.T. (2013) – From Memory to Written Record: England 1066-1307. Nova Deli: Wiley-Blackwel, p. 103.

6 No entanto, há que contextualizar estas atitudes dos seus autores, que acreditavam que a sua acção era, na medida em que estes actuavam por virtude do seu papel e serviço religioso, cujo objectivo único era engrandecer Deus e a sua Igreja, legítima e que correspondia a uma forma de, com os meios existentes à época, assegurar, através do poder da escrita, a capacidade do poder espiritual competir com o temporal, estabelecendo assim a verdade ou, pelo menos, como deveria ter ocorrido, vide CLANCHY, M.T. (2013) – From Memory to Written Record: England 1066-1307. Nova Deli: Wiley-Blackwel, pp. 148-151.

7 GOUVEIA, Mário (2009) – “Hermenegildo Guterres e a presúria de Coimbra (séc. IX-X)”. In Barata, Maria do Rosário Themudo; Krus, Luís (dir.) – Olhares sobre a História: Estudos oferecidos a Iria Gonçalves. Casal de Cambra: Caleidoscópio, pp. 279-292.

8 Visível na sua acção político-administrativa ou na política matrimonial, sendo vários os monarcas que desposam dentro das famílias condais portucalense ou conimbricense, vide BRANCO, Maria João (2008) – “Reis, condes, mosteiros e poderes: O Mosteiro de Lorvão no contexto político do reino de Leão (secs. IX-XII)”. In Fernández Catón, José María (dir.) – Liber Testamentorum Coenobii Laurbanensis. Estudios. León: Centro de Estudios e Investigación “San Isidoro” - Caja España de Inversiones - Archivo Histórico Diocesano, pp. 52-54. Contrastaria, por sua vez, com a aproximação do poder a Navarra, mais aberta às influências transpirenaicas, no século seguinte, consagrada com a inauguração em Leão, no ano de 1037, da dinastia navarra Jiménez, vide MATTOSO, José (1992) – “Antes de Portugal”. In Mattoso, José (dir.) – História de Portugal. [s.l.]: Círculo de Leitores, vol. I, pp. 540-541.

9 «(…) a implantação e consolidação de uma nobreza condal com ligações muito próximas à realeza asturiana e depois leonesa, que em determinadas alturas até foi responsável pela trasladação de centros de poder mais para a esfera geográfica do condado conimbricense, como aconteceu com Ramiro II, começa a desenhar a sua área de influência não apenas a nível geográfico, mas sobretudo a nível das redes de parentesco e poder que uma economia do dom como aquela que nesta época necessariamente tinha de se estabelecer para atingir os objectivos a que estes homens se tinham proposto, era uma realidade.», vide BRANCO, Maria João (2008) – “Reis, condes, mosteiros e poderes: O Mosteiro de Lorvão no contexto político do reino de Leão (secs. IX-XII In Fernández Catón, José María (dir.) – Liber Testamentorum Coenobii Laurbanensis. Estudios. León: Centro de Estudios e Investigación “San Isidoro” - Caja España de Inversiones - Archivo Histórico Diocesano, p. 49.

10 «A riqueza que o mosteiro vinha acumulando desde o início do século X, aumenta consideralvelmente nos últimos decénios do mesmo século: em seu benefício vemos toda a nobreza que senhoreava nos distritos do sul, despojar-se em massa da sua enorme fortuna imobiliária», vide AZEVEDO, Ruy de (1932) – “O Mosteiro de Lorvão na reconquista cristã”. In Saraiva, José da Cunha; Faria, António Machado de (ed.) – Arquivo Histórico de Portugal. Lisboa: Oficinas Bertrand, vol. I, fasc. 1, p. 207.

11 O rei Ramiro II morre em 951 e é sucedido pelo seu filho Ordonho III (apoiado por Gonçalo Mendes) que vê o seu irmão Sancho rebelar-se (com apoio de Gonçalo Moniz). Aquele morre cinco anos depois, sucedendo-lhe o irmão. Não sendo um nome consensual, alguns nobres (entre os quais Gonçalo Mendes) irão eleger Ordonho IV que, de facto, lhe toma o trono. No entanto, um pouco mais tarde, Sancho volta a recuperá-lo, mantendo-o até à sua morte, em 966, sucedendo-lhe o seu filho menor Ramiro III, vide PÉREZ DE URBEL, Justo; DEL ARCO Y GARAY, Ricardo (1982) – España Cristiana: Comienzo de la Reconquista (711-1037). In Menéndez Pidal, Ramon (dir.) – Historia de España. Madrid: Espasa-Calpe. Tomo VI, pp. 109-193 e MATTOSO, José (1985) – Ricos-homens, Infanções e Cavaleiros: A Nobreza Medieval Portuguesa nos Séculos XI e XII. Lisboa: Guimarães Editores, pp. 17-18.

12 MATTOSO, José (1992) – “Antes de Portugal”. In Mattoso, José (dir.) – História de Portugal. [s.l.]: Círculo de Leitores, vol. I, p. 538.

13 Refira-se a sua acção e presença fora dos seus domínios quando, em 960, por terras de Sahagún, confirma uma doação de uma uilla à diocese de Leão ou, dois anos mais tarde, a mesma acção do bispo de Leão ao mosteiro de Sahagún (com a ressalva de que o autor infra-referido escreve «Gundisalvus Nunniz», logo com um patronímico diferente), sob a autoridade do rei Sancho – relembremos que o magnate conimbricense foi um dos seus grandes apoios antes de se rebelar e, eventualmente, o assassinar –, como refere Justianiano Rodríguez, num pequeno estudo que lhe é inteiramente dedicado, procurando provar que, apesar de não ser um cortesão, não descurava a sua presença junto do monarca, vide RODRÍGUEZ, Justiniano (1987) – “Gonzalo Muñoz, «dux de terra portucalense»”. In Actas das II Jornadas Luso-espanholas de História Medieval. Porto: Centro de História da Universidade do Porto - Instituto Nacional de Investigação Científica. Vol. 1, pp. 116-117. Era filho de Múnio Guterres – muito activo durante o período das disputas entre Afonso IV e Ramiro II – e Elvira Aires, além de bisneto, tanto do lado paterno como materno, de Hermenegildo Guterres. O seu provável irmão Guterre Moniz seguiu, por sua vez, um caminho diferente, estando mais activo na corte leonesa do que propriamente associado a tenências (ainda que tenha sido conde de Burgos), demonstrando uma tendência, nesta família (e que se estenderia, certamente, a outras) a parte dos filhos servirem o rei de forma mais directa, seja na corte ou em lugares mais próximos geograficamente do centro do poder e outros que desempenhariam funções de governação no espaço onde adviria a família, vide MATTOSO, José (1981) – A Nobreza Medieval Portuguesa: A Família e o Poder. Lisboa: Editorial Estampa, p. 259 e MATTOSO, José (1985) – Ricos-homens, Infanções e Cavaleiros: A Nobreza Medieval Portuguesa nos Séculos XI e XII. Lisboa: Guimarães Editores, p. 22.

14 É, também, desta forma, imperativo a referência à sua eventual «embaixada» à corte califal omíada de Córdova de al-Hakam II. O autor Justiniano Rodríguez afirma que o mesmo enviou, a partir de Astorga no ano de 971, um séquito que levava notícias sobre incursões normandas que tinham entrado pelo Douro, vide RODRÍGUEZ, Justiniano (1987) – “Gonzalo Muñoz, «dux de terra portucalense»”. In Actas das II Jornadas Luso-espanholas de História Medieval. Porto: Centro de História da Universidade do Porto - Instituto Nacional de Investigação Científica. Vol. 1, pp. 117-118. Já José Mattoso é mais cauteloso, afirmando que não se sabe se era o conde de Coimbra ou de Portucale, uma vez que têm os dois o nome de Gonçalo, vide MATTOSO, José (1992) – “Antes de Portugal”. In Mattoso, José (dir.) – História de Portugal. [s.l.]: Círculo de Leitores, vol. I, p. 538. Independentemente do autor da missão diplomática, tal é demonstrativo da ineficiência do poder leonês à época de Ramiro III, que permitia a estes magnates agirem com bastante liberdade em matérias que, a priori, seriam da sua inteira responsabilidade.

15 São exemplos, respectivamente, os documentos n.ºs 3, 5, 19, 23, 26, 33, 58 e 61, e n.ºs 46, 60 e 75, enquadrando desde: confirmações a diplomas régios como testamentos de bens aos monges laurbanenses; confirmações a cartas de leigos ou religiosos que legavam em testamento os mais variados bens a São Paio e São Mamede de Lorvão; confirmações de compras e vendas entre particulares; confirmações de doações pro anima; doações do próprio a este cenóbio de parte ou a totalidade de uillae como Sarzedo (c. Arganil), Poiares (c. Vila Nova de Poiares?), Serpins (c. Lousã), Treixedo (c. Santa Comba Dão), Papízios (c. Carregal do Sal), Oliveira de Currelos (c. Carregal do Sal), Silvares, São João de Telhada e Ragolfe, entre outros bens, vide Fernández Catón (dir.), 2008, 597-598, 600-601, 623-624, 628-629, 631-632, 646-647, 663-664, 678-685 e 705-707. Confirma ainda o documento n.º 56 do Livro Preto da Sé de Coimbra, também dirigido ao mosteiro laurbanense, vide RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, pp. 93-94.

16 Respectivamente, n.º 60 (em conjunto com o esposo), e n.ºs 51, 52 (Múnio Gonçalves), vide FERNÁNDEZ CATÓN, José María (dir.) (2008) – Liber Testamentorum Coenobii Laurbanensis: Reprodução «fac-simile» do Códice n.º 49 do Mosteiro de Lorvão, conservado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo. León: Centro de Estudios e Investigación “San Isidoro” - Caja España de Inversiones - Archivo Histórico Diocesano, pp. 681-683 e pp. 670-673. Quanto a este último, vemos também a sua transposição para o Livro preto, onde num documento laurbanense aí conservado, Múnio doa em testamento a esta instituição bens em Santa Comba Dão, vide RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, n.º 1, p. 1-3.

17 AZEVEDO, Ruy de (1932) – “O Mosteiro de Lorvão na reconquista cristã”. In Saraiva, José da Cunha; Faria, António Machado de (ed.) – Arquivo Histórico de Portugal. Lisboa: Oficinas Bertrand, vol. I, fasc. 1, p. 207.

18 Entre outros descendentes estão Godinha Gonçalves, casada com o conde Oveco Garcia – um navarro, segundo Pérez de Urbel, ainda que José Mattoso faça a ressalva da falta de provas daquele –, outro grande benfeitor do mosteiro de Lorvão e detentor de vários bens na região do Mondego e, eventualmente, Ero Gonçalves, associado em parentesco por L.G. de Azevedo mas que José Mattoso desconsidera por faltarem bases sólidas e a cronologia colocar claras dificuldades, vide MATTOSO, José (1981) – A Nobreza Medieval Portuguesa: A Família e o Poder. Lisboa: Editorial Estampa, pp. 123-124. Sobre a possível ascendência de Oveco Garcia, vide Pérez de Urbel cit. por MATTOSO, José (1981) – A Nobreza Medieval Portuguesa: A Família e o Poder. Lisboa: Editorial Estampa, p. 259.

19 SÉNAC, Philippe (2006) – Al-Mansur. Le Fléau de l’an Mil. Paris: Perrin, pp. 104-105.

20 «Il ne s’agissait plus de défrendre les territoires menacés mais d’attaquer l’adversaire. Comme le relève Pedro Chalmeta, les campagnes musulmanes n’avaient été auparavant que des ripostes à des initiatives chrétiennes. Dorénavant, les raids amírides ne furent plues des ripostes, mais des ataques difficilement prévisibles, confuites avec une dureté sans précédent et à l’échelle de toute la péninsule.», vide SÉNAC, Philippe (2006) – Al-Mansur. Le Fléau de l’an Mil. Paris: Perrin, p. 107. Estas ofensivas permitiam, além do valor económico que se obteria, a diminuição do poderio inimigo, impondo-lhes perdas significativas e um clima de instabilidade, assim como a recuperação de alguns territórios. O biógrafo de al-Mansūr, Philippe Sénac, refere que na obra Dhikr Bilād al-Andalus são contabilizados 170 mil cativos no decurso das campanhas amiríadas. Embora esses números estejam, naturalmente, inflacionados de forma desmedida – valorizando, assim, o sucesso dos empreendimentos –, é demonstrativo da capacidade califal à época de submeter os inimigos e o peso que estes cativos teriam no negócio da guerra, vide SÉNAC, Philippe (2006) – Al-Mansur. Le Fléau de l’an Mil. Paris: Perrin, p. 109.

21 SÉNAC, Philippe (2006) – Al-Mansur. Le Fléau de l’an Mil. Paris: Perrin, p. 110.

22 AILLET, Cyrille (2009) – El Monasterio de Lorvão y los Confines de la Beira (Siglos IX-XII): Apuntes sobre la Memoria Histórica de un Espacio de Contacto. Studia Historica, Historia Medieval. Salamanca. N.º 27, p. 80.

23 Já M. Rúben García Alvaréz, por outro lado, apoiando-se num trabalho de C. Lévi-Provençal na sequência de uma passagem na Chronica Gothorum, refere que Coimbra terá ficado deserta sete anos, vide GARCÍA ALVARÉZ, M. Rúben (1967) – Las diócesis galaico-portuguesas y la política de Almanzor. Bracara Augusta. Revista Cultural da Câmara Municipal de Braga. Vol. XXI, tomo I, n.ºs 47-50 (59-62), p. 52. Tal, contudo, na nossa opinião, é altamente improvável. A mesma apreciação é partilhada por Jorge de Alarcão, vide ALARCÃO, Jorge de (2004) – “Trabalhos de Arqueologia”. In Territorio Colimbrie: lugares velhos (e alguns deles deslembrados) do Mondego. Lisboa: Coordenação de António Marques de Faria - Instituto Português de Arqueologia e Ministério da Cultura, n.º 38, p. 27. Demonstrativo disso mesmo é o facto de a cidade de Coimbra parecer ter ficado sob um domínio mais directo face a Córdova na sequência da conquista, pelo que depreendemos de uma notícia tardia presente no Liber testamentorum, onde existe menção a um indivíduo que corresponderá ao qa’id (ﻗﺎﺋﺪ) conimbricense, de seu nome Farhun ibn Abd-Allah, vide FERNÁNDEZ CATÓN, José María (dir.) (2008) – Liber Testamentorum Coenobii Laurbanensis: Reprodução «fac-simile» do Códice n.º 49 do Mosteiro de Lorvão, conservado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo. León: Centro de Estudios e Investigación “San Isidoro” - Caja España de Inversiones - Archivo Histórico Diocesano, n.º 71, p. 702.

24 MATTOSO, José (1981) – A Nobreza Medieval Portuguesa: A Família e o Poder. Lisboa: Editorial Estampa, pp. 125-136.

25 AILLET, Cyrille (2004) – Entre Chrétiens et Musulmans: Le monastère de Lorvão et les Marges du Mondego (878-1064). Revue Mabillon. Revue Internationale d’Histoire et de Littératures Religieuses. [s.l.]. Vol. 15 (76), p. 83; AILLET, Cyrille (2010), Les Mozarabes: Christianisme, Islamisation et Arabisation en Péninsule Ibérique (IXe-XIIe siècle). Madrid: Casa de Velázquez, p. 298; VELOSO, Maria Teresa Nobre (1999) – “Sever do Vouga – Terra de cristãos em tempo de domínio muçulmano – segundo a documentação do Livro preto da Sé de Coimbra”. In Stvdivm Dilectvm. Colectânea de Homenagem ao Prof. Doutor Justino Mendes de Almeida pelo seu 50.º Aniversário de Actividade Científica. Lisboa: Academia Portuguesa de História, pp. 336-337 e BAPTISTA, Augusto Soares de Sousa (1953) – O Mosteiro de Sever. Aveiro: Coimbra Editora, p. 10.

26 FERNÁNDEZ CATÓN, José María (dir.) (2008) – Liber Testamentorum Coenobii Laurbanensis: Reprodução «fac-simile» do Códice n.º 49 do Mosteiro de Lorvão, conservado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo. León: Centro de Estudios e Investigación “San Isidoro” - Caja España de Inversiones - Archivo Histórico Diocesano, n.ºs 26 e 27, pp. 631-634.

27 Estava em causa a disputa pelos direitos sobre a igreja de São Miguel na mesma uilla, assim como diversas parcelas de terreno, sendo deliberado pela elite regional a favor dos monges vacaricienses, vide RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, n.ºs 89 e 119, pp. 142-143 e pp. 181-182.

28 AILLET, Cyrille (2009) – El Monasterio de Lorvão y los Confines de la Beira (Siglos IX-XII): Apuntes sobre la Memoria Histórica de un Espacio de Contacto. Studia Historica, Historia Medieval. Salamanca. N.º 27, p. 73.

29 Escreve Cyrille Aillet que «Fruela Gonçalves es un personaje bien conocido en este período. El dominio islámico le permitió reforzar su poder, basado en el señorío de la fortaleza de Montemor-o-Velho, ubicada en la desembocadura del Mondego en una posición estratégica para la defensa de Coimbra. No solo conservó sus prerrogativas, sino que, gracias al exilio de una parte de la nobleza gallega y su alianza com el gobierno islámico, conseguió apoderarse de las posesiones de los Soares y de otras tierras hasta la tierra de Santa María, mas allá del río Vauga y del monasterio de San Andrés de Sever.», vide AILLET, Cyrille (2009) – El Monasterio de Lorvão y los Confines de la Beira (Siglos IX-XII): Apuntes sobre la Memoria Histórica de un Espacio de Contacto. Studia Historica, Historia Medieval. Salamanca. N.º 27, p. 83.

30 MATTOSO, José (1985) – Ricos-homens, Infanções e Cavaleiros: A Nobreza Medieval Portuguesa nos Séculos XI e XII. Lisboa: Guimarães Editores, p. 23.

31 «Al-Mansūr dirigea contre cette ville l’expédition estivale qui quitta Cordoue le samedi 23 djumada II 387 [3 juil. 997] et qui était sa quarente-huitième campagne. El entra d’abord dans la ville de Coria, puis quando il fut arrivé dans la capitale de la Galice [Viseu], il fut rejoint par un grand nombre de comtes qui reconnaissaient son autorité, et qui se présentèrent avec leurs guerriers et en grande pompe, pour se joindre aux musulmans et ensuite engager les hostilités de leur côté.» e que, após o saque a Santiago de Compostela, se fez, em Lamego, «La distribuition des vêtements qu’il fit dans cette campagne, tant aux princes chrétiens qu’aux musulmans qui s’étaient distingués, consista en 2285 pièces de soies diverses brondées, 21 vêtements de laine marine, deux vêtements ‘anbarī, onze de soie brodée d’or, quinze murayyazat […], sept tapis de brocart, deux pièces de brocart rūmi, et des fourrures de fenec.», vide Ibn Idhārī cit. por SÉNAC, Philippe (2006) – Al-Mansur. Le Fléau de l’an Mil. Paris: Perrin, pp. 123-125 e PÉREZ DE URBEL, Justo; DEL ARCO Y GARAY, Ricardo (1982) – “España Cristiana: Comienzo de la Reconquista (711-1037)”. In Menéndez Pidal, Ramon (dir.) – Historia de España. Madrid: Espasa-Calpe. Tomo VI, pp. 167-168.

32 AZEVEDO, Ruy de (1973) – A expedição de Almançor a Santiago de Compostela em 997, e a de piratas normandos à Galiza em 1015-16. Revista Portuguesa de História. Coimbra. T. XIV, vol. III, p. 83.

33 AZEVEDO, Ruy de (1973) – A expedição de Almançor a Santiago de Compostela em 997, e a de piratas normandos à Galiza em 1015-16. Revista Portuguesa de História. Coimbra. T. XIV, vol. III, pp. 83-84. Veja-se o doc. 1 (AUC, Códice do maço 194 de Santa Cruz, fl. 197 r/v) revelado por este autor neste artigo, conservado no Arquivo da Universidade de Coimbra, vide AZEVEDO, Ruy de (1973) – A expedição de Almançor a Santiago de Compostela em 997, e a de piratas normandos à Galiza em 1015-16. Revista Portuguesa de História. Coimbra. T. XIV, vol. III, pp. 89-90.

34 «(…). O mosteiro da Vacariça nascido em seu tempo ou pouco antes, foi o seu centro religioso, como o de Lorvão fora o de seu pai. (…)», BAPTISTA, Augusto Soares de Sousa (1953) – O Mosteiro de Sever. Aveiro: Coimbra Editora, p. 11; BAPTISTA, Augusto Soares de Sousa (1954) – Mosteiro da Vacariça. Aveiro: Coimbra Editora, p. 7 e VELOSO, Maria Teresa Nobre (1999) – “Sever do Vouga – Terra de cristãos em tempo de domínio muçulmano – segundo a documentação do Livro preto da Sé de Coimbra”. In Stvdivm Dilectvm. Colectânea de Homenagem ao Prof. Doutor Justino Mendes de Almeida pelo seu 50.º Aniversário de Actividade Científica. Lisboa: Academia Portuguesa de História, p. 337. Esta mudança tão significativa é possível que tenha sido premeditada, pois a sua posição divergiu completamente das obrigações dos seus antepassados (o que teria complicado as relações entre ambos) ou, por outro lado, talvez até mais provável, por possivelmente só ter sob sua jurisdição parte do antigo condado – que teria como o seu centro político-militar a fortaleza de Montemor –, o Mosteiro de Lorvão teria ficado fora do seu alcance, por virtude da sua maior proximidade face ao núcleo urbano conimbricense que, por sinal, parecia estar submetido a uma outra forma de governo (como já aludimos na nota 24 do presente artigo). Desta forma, a promoção de um outro ascetério seria uma alternativa para a sustentação do seu poder, despindo colateralmente o ascetério laurbanense de influência, o que parece ser a norma para grande parte do século XI. De facto, apenas sobreviveu um documento entre 1018 e a conquista definitiva da cidade de Coimbra pelos cristãos – com uma paulatina recuperação a partir deste marco –, o Liber testamentorum 38 do ano de 1051, quando um membro da congregação doa a esta as vinhas que possuía em Vila Cova, FERNÁNDEZ CATÓN, José María (dir.) (2008) – Liber Testamentorum Coenobii Laurbanensis: Reprodução «fac-simile» do Códice n.º 49 do Mosteiro de Lorvão, conservado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo. León: Centro de Estudios e Investigación “San Isidoro” - Caja España de Inversiones - Archivo Histórico Diocesano, n.º 38, pp. 653-654.

35 ISLA FREZ, Amancio (1992) – La Sociedad Gallega en la Alta Edad Media. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, p. 124.

36 RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, n.º 72, p. 119.

37 «(…) Id sunt: Villa Nova, que fuit de Gundisalvo Moniz et testavit eam filius suus, Froiula Gunsalviz, ad Vacarizam», RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, n.º 73, p. 121.

38 Nomeadamente Recardães, a que já aludimos supra.

39 Ideia visível, por exemplo, em BAPTISTA, Augusto Soares de Sousa (1954) – Mosteiro da Vacariça. Aveiro: Coimbra Editora, p. 6.

40 RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, n.º 134, p. 205.

41 Como se lê na seguinte passagem: «modo vero ratione servata, ut de hac re nichil inde valeatis extraneare, nec ad principem nec ad pontificem nec ad ullum hominem, nisi, ut diximus, habeatis vos et omnis posteritas vestra que viam monasticam deduxerint et fratribus vestris qui ipsum locum, sub regimine et sub manibus vestris habitare voluerint, firmiter possideant.», onde os patronos delimitavam a acção dos clérigos que usufruiriam dessa casa, nomeadamente quanto aos seus direitos de transmissão, vide RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, p. 336.

42 RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, n.ºs 129 e 135, p. 197 e 207-208, respectivamente. Curiosamente este diácono Sandino é o autor jurídico do primeiro documento conhecido sobre a Vacariça, em 1002, quando lega a esta instituição o Mosteiro de São Paio de Rocas de Sever (com a confirmação do descendente dos condes de Coimbra e talvez, de forma suspeita, com a do próprio abade Benjamim de Lorvão, muito provavelmente já falecido há mais de uma década), em Sever do Vouga, os respectivos bens (móveis e imóveis) e ainda a uilla de Penso (c. São Pedro do Sul), embora com usufruto da sua parte até à sua morte, vide RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, n.º 126, p. 191-193.

43 RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, n.º 135, p. 207.

44 ISLA FREZ, Amancio (1992) – La Sociedad Gallega en la Alta Edad Media. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, pp. 233-234.

45 «(…) et devenerunt in manus de Nunno et suos jermanos qui sunt filli Fernandi et nepotes Sandini Suariz. Ita vero accessit illis voluntas ut dedissent ipso monasterio ad deserviendum in monasterio de Vaccariza, (…) et ad Tudeildum abbatem et fratribus suis, et ut non habeant ibi licentiam nec vis aliquandiu progenies de Sandino diacono qui illum vendivit. (…)», RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, n.º 134, 205-206. Este episódio foi bastante explorado por Cyrille Aillet nos vários escritos dedicados ao território da Beira para esta cronologia, nomeadamente ao mosteiro de Lorvão, empregado de modo a demonstrar o carácter atribulado da região para esta época, vide AILLET, Cyrille (2009) – El Monasterio de Lorvão y los Confines de la Beira (Siglos IX-XII): Apuntes sobre la Memoria Histórica de un Espacio de Contacto. Studia Historica, Historia Medieval. Salamanca. N.º 27, pp. 82-83; AILLET, Cyrille (2004) – Entre Chrétiens et Musulmans: Le monastère de Lorvão et les Marges du Mondego (878-1064). Revue Mabillon. Revue Internationale d’Histoire et de Littératures Religieuses. [s.l.]. Vol. 15 (76), pp. 42-44 e AILLET, Cyrille (2010) – Les Mozarabes: Christianisme, Islamisation et Arabisation en Péninsule Ibérique (IXe-XIIe siècle). Madrid: Casa de Velázquez, pp. 297-298.

46 VELOSO, Maria Teresa Nobre (1999) – “Sever do Vouga – Terra de cristãos em tempo de domínio muçulmano – segundo a documentação do Livro preto da Sé de Coimbra”. In Stvdivm Dilectvm. Colectânea de Homenagem ao Prof. Doutor Justino Mendes de Almeida pelo seu 50.º Aniversário de Actividade Científica. Lisboa: Academia Portuguesa de História, p. 337 e BAPTISTA, Augusto Soares de Sousa (1953) – O Mosteiro de Sever. Aveiro: Coimbra Editora, pp. 11-12.

47 Mudança essa que terá ocorrido entre os dias 13 e 30 de janeiro de 1018, pois num documento datado daquele dia, assume as responsabilidades abaciais Emiliano, ao passo que nesta data já está à frente de São Salvador e São Vicente o abade Tudeíldo, vide RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, n.ºs 123 e 129/161, pp. 187-188 e pp. 196-197 e pp. 261-262, respectivamente.

48 Contudo, ao contrário dos seus ascendentes e outros familiares ligados a este condado, a disposição territorial das suas propriedades conhecidas parece estar bastante deslocada da maioria que estes possuem, sobretudo concentradas em torno da cidade de Coimbra e, também, com um pendor para se agruparem a montante desta cidade, ao longo rio Mondego, incluído a área em que o Dão neste desagua. Contrasta, assim, com a maior concentração de bens de Froila na bacia do rio Vouga, mais especificamente junto a este rio (na transição para a região de Lafões) ou do seu afluente, Cértima. Isto decorre, certamente, do seu período enquanto chefe fronteiriço, ocupando possessões alheias daqueles que se converteram em seus adversários e não de bens que teria herdado da sua família (excepto o caso de Vila Nova de Monsarros).

49 RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, n.º 517, pp. 693-694.

50 MATTOSO, José (1992) – “Antes de Portugal”. In Mattoso, José (dir.) – História de Portugal. [s.l.]: Círculo de Leitores, vol. I, pp. 511-514.

51 RODRIGUES, Manuel Augusto (dir. e coord.) (1999) – Livro Preto: Cartulário da Sé de Coimbra. Coimbra: Arquivo da Universidade de Coimbra, n.º 129/161, pp. 196-197 e pp. 261-262.

52 A própria proximidade entre os bens no Entre-Douro-e-Ave deste conde, dos descendentes de Fernando Sandines ou de Unisco Mendes – a mulher nobre que assumirá uma relação de grande proximidade com o Mosteiro da Vacariça, datada pelo menos desde 1021 –, é bastante sugestiva, mas para a qual temos possibilidades muito limitadas para explorar, dada a parca documentação sobrevivente e a inexistência de dados concretos de relações de qualquer natureza entre todos eles.

53 De facto, foi levantada a possibilidade por C.J. Bishko de este novo abade ser aparentado à família de Unisco Mendes (a viúva de Trutesendo Osoredes), uma poderosa senhora da região da Maia nas primeiras décadas do século XI, vide BISHKO, Charles Julian (1984) – “Portuguese pactual monasticism in the eleventh century: the case of S. Salvador da Vacariça”. In Bishko, C.J. – In Spanish and Portuguese Monastic History. 600-1300. Londres: Variorum Reprints, p. 145.

54 Esta mulher terá, também, ao que tudo indica, pela documentação existente, menos actividade que as suas irmãs, Sarracina e Ximena Fernandes, como se pode ver no levantamento de José Mattoso numa das suas obras sobre a nobreza medieval portuguesa, vide MATTOSO, José (1981) – A Nobreza Medieval Portuguesa: A Família e o Poder. Lisboa: Editorial Estampa, pp. 134-135. Estas acções, contudo, localizam-se todas na região da Maia, não existindo qualquer indício posterior ao Livro preto, n.º 134 de 1019 de envolvimento com o espaço onde outrora se localizavam bens familiares importantes, como para latitudes tão meridionais como Recardães, a Sul do rio Vouga e nas margens do rio Cértima, a que já aludimos.

55 MATTOSO, José (1985) – Ricos-homens, Infanções e Cavaleiros: A Nobreza Medieval Portuguesa nos Séculos XI e XII. Lisboa: Guimarães Editores, pp. 23-24.

56 MATTOSO, José (1985) – Ricos-homens, Infanções e Cavaleiros: A Nobreza Medieval Portuguesa nos Séculos XI e XII. Lisboa: Guimarães Editores, p. 23. Sobre a relação entre o mosteiro vacariciense e o governo de Sesnando Davides subsiste um documento que, todavia, é altamente problemático, pois muito provavelmente é resultado das confrontações existentes em Coimbra, no dealbar do século XII, entre o partido «tradicionalista», defensor das tradições hispânicas, e o «reformador», que promovia a substituição dos preceitos de uma Igreja autóctone pelos romanos. Desta forma, a um grupo muito significativo de pessoas, interessava conectar aquele que tinha sido o responsável pela governação do condado conimbricense ao longo de quase trinta anos com um forte cunho hispânico a uma das principais instituições regulares da região, de certa forma «vítima» da mudança do paradigma eclesiástico. Sobre este assunto, PRADALIÉ, M. Gérard (1974) – Les faux de la cathédrale et la crise à Coïmbre au début du XIIe siècle. Mélanges de la Casa de Velásquez. [S.n.]. T. 10, pp. 77-97. Este tradicionalismo tem sido associado pelos mais variados autores como a manifestação de «moçarabismo», cuja definição é sobejamente problemática, com correntes diversas e, não raras vezes, com posições verdadeiramente antagónicas. Etimologicamente, este conceito deriva do árabe mustaribūn (ﻣﺴﺘﻌﺮﺑﻮﻥ), um particípio passado que significa, literalmente, «arabizados». No entanto, há que considerar aspectos como a língua, a cultura, a observação do rito hispânico (também conhecido por moçárabe/isidoriano/visigótico) ou, até, o requerimento de submissão a um soberano muçulmano, pois qualquer uma destas variáveis nos poderá dar respostas diversificadas face à validade do epíteto «moçárabe» para qualificar indivíduos ou grupos populacionais. Veja-se BARROS, Maria Filomena Lopes de (2001) – “Moçárabes”. In Azevedo, Carlos Moreira de (dir.) – Dicionário de História Religiosa de Portugal. Vol. III – J-P. Rio de Mouro: Círculo de Leitores - Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa, pp. 246-249 e MATTOSO, José (1993) – “Os Moçárabes”. In Mattoso, José – Fragmentos de uma Composição Medieval. Lisboa: Editorial Estampa, pp. 19-34.

Auteur

Centro de História da Universidade de Lisboa, goncalves@campus.ul.pt/paalexg@hotmail.com

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search