Version classiqueVersion mobile

Paisagens sonoras urbanas: História, Memória e Património

 | 
Vanda de Sá
, 
Antónia Fialho Conde

O papel dos músicos, instrumentistas e construtores de instrumentos na identidade das paisagens sonoras

Apontamentos sobre a actividade musical na Sé de Portalegre

Músicos e repertório musical

Ana Caeiro et Hugo Porto

Résumé

A Sé de Portalegre acolheu, desde os seus primórdios, um serviço musical de contornos idênticos aos das restantes sedes episcopais. Depois de dar a conhecer os momentos fundacionais da diocese bem como da construção da catedral, pretendemos, em breves linhas, resgatar do esquecimento os indivíduos e as funções musicais desempenhadas pelos seus principais agentes desde meados do século XVI até 1917, data da extinção do serviço musical da catedral. Faremos, igualmente, uma pequena incursão pelos documentos musicais existentes no Arquivo da Sé de Portalegre, especialmente quanto ao tipo de repertório e compositores representados, com particular ênfase dado aos que fizeram a sua formação ou desenvolveram a sua actividade na própria catedral.

Note de l’auteur

O presente estudo insere-se no âmbito do projecto ALT20-03-0145-FEDER-028584 (PTDC/ART-PER/28584/2017) – «PASEV: Patrimonialização da Paisagem Sonora em Évora (1540-1910)», financiado por fundos nacionais através da FCT/MCTES e co-financiado pelo Fundo Europeu de desenvolvimento Regional (FEDER) através do Compete 2020 – Programa Operacional Competividade e Internacionalização (POCI)

Texte intégral

Introdução

1Os estudos académicos e científicos sobre a música nas sés de Portugal têm sempre passado ao lado da Sé de Portalegre. Com efeito, depois de Braga, Coimbra, Évora, e, em menor escala, Elvas, as restantes catedrais, por razões diversas que se prendem com o desaparecimento ou a dispersão de documentação, têm sido esquecidas ou pelo menos preteridas nos estudos centrados na sua dimensão musical.

2Sendo certo que os historiadores da música do século XIX e início do século XX, como Vasconcelos, Vieira ou Viterbo, nos legaram alguns esboços biográficos de músicos oriundos ou formados na Sé de Portalegre, até ao momento não foi feita uma análise aturada e tendencialmente exaustiva da documentação existente, sem a qual será impossível corroborar a informação veiculada por estes.

3O projeto Arquivo da Sé de Portalegre: organização, descrição e difusão online, financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian e finalizado em Dezembro de 2014, teve como objectivos o tratamento arquivístico (organização, inventariação e acondicionamento) da documentação existente na Sé de Portalegre, bem como a sua difusão em linha através da base de dados Fundos Documentais de Instituições do Sul (FUNDIS).

  • 1 Prevê-se, para breve, a divulgação de um estudo mais extensivo sobre os músicos da Catedral de Port (...)

4Ao tornar o acervo documental acessível aos investigadores, este projeto permitiu o levantamento de dados sobre a vida musical da Sé de Portalegre e, consequentemente, a produção das linhas que se seguem que julgamos constituírem um primeiro contributo para o conhecimento dos músicos que passaram por esta catedral entre o século XVI e o século XIX1 e da documentação musical nele existente. Neste artigo faremos uma breve incursão pelos dados recolhidos até ao momento que nos pareceram mais relevantes expor, apresentando, assim, uma visão preliminar sobre o serviço musical da Sé de Portalegre.

5Partiremos, essencialmente, dos cinquenta e dois Livros de receita e despesa da Fábrica da Sé de Portalegre, que felizmente se conservam na sua quase totalidade, para identificar uma grande parte dos protagonistas da actividade musical desta catedral, nomeadamente, subchantres, mestres de capela, cantores, instrumentistas e moços do coro. Estamos em crer que esta constitui a fonte por excelência para a caracterização do serviço musical da Sé, designadamente quanto aos recursos humanos afectos a essa actividade ao longo do tempo.

  • 2 A documentação musical do Arquivo da Sé de Portalegre foi objecto de uma investigação aprofundada a (...)

6Além dos documentos de ordem mais administrativa, a documentação musical é indispensável para o conhecimento mais profundo da prática musical da Sé de Portalegre. No último ponto do presente texto, pretendemos revelar ao público as obras musicais com autoria identificada que existem neste acervo, em resultado da investigação levada a cabo na dissertação de mestrado de um dos autores deste artigo2. Esta investigação, situada no campo das ciências da informação e da documentação, na vertente arquivística, abordou a identificação, organização, descrição e inventariação da documentação. Por este motivo, apesar de não ter sido realizada uma análise das obras musicais sob o ponto de vista musicológico, neste artigo damos a conhecer à comunidade científica as obras musicais existentes no acervo documental da Sé de Portalegre, aguçando a vontade dos investigadores para futuras análises destas obras.

1. A fundação da diocese de Portalegre e a construção da catedral

  • 3 Patrão, 2002, 22 e 25.

7A fundação da diocese de Portalegre data do reinado de D. João III, monarca que se empenhou na criação desta mas também das dioceses de Leiria e Miranda do Douro. No caso particular de Portalegre, o Piedoso terá tido alguma dificuldade no processo de convencimento do Papa. Depois de uma primeira decisão negativa, D. João III logra convencer o Pontífice da necessidade de criação desta diocese, com o argumento de que a extensão da diocese da Guarda e a dificuldade de cobertura do território diocesano provocavam um claro prejuízo ao serviço pastoral3.

  • 4 Idem, 24.

8A criação formal da diocese ocorreu com a emissão das Bulas Decet Romanum Pontificem e Pro excelenti apostolicae sedis praeminenlia de 21 de Agosto de 15494 concomitantes, aliás, com a fundação da própria cidade de Portalegre. O território da diocese de Portalegre constituiu-se pela anexação de várias povoações até então pertencentes à diocese da Guarda e outras à arquidiocese de Évora.

  • 5 Alvará da Rainha para o Thezoureiro Diogo Salema dar a Julião d’Alva sancristão da sua Capella 12$0 (...)
  • 6 Martins, 1997, 17.

9Encontramos nomeado como primeiro Bispo de Portalegre, D. Julião de Alva, castelhano que chega a Portugal entre o séquito da rainha D. Catarina ainda como sacristão da sua capela5, o qual permaneceu em Portalegre até à data da sua transferência para a diocese de Miranda em 15606.

10Os primeiros esforços do Prelado foram encaminhados para a construção de uma nova catedral. Com efeito, o primeiro espaço que funcionou como catedral foi a igreja de Santa Maria do Castelo, pertencente à Comenda da Ordem e Cavalaria de Avis. Contudo, esta igreja apresentava, nessa época, graves problemas estruturais, havendo sido dadas instruções para que o acesso ao coro alto se cingisse aos cantores face ao perigo de derrocada que apresentava.

  • 7 Patrão, 2002, 60 e 67.

11A construção da nova catedral deverá ter consumido significativos recursos financeiros mas foi, todavia, um processo relativamente rápido; de facto o lançamento formal da primeira pedra ocorreu em Maio de 1556 e a conclusão da parte estrutural com o fecho das abóbadas teve lugar em 15717.

  • 8 Santos, 2009, 99.

12Este Templo sofreu, mais tarde, algumas alterações executadas por D. Álvaro de Castro Noronha e D. Manuel Tavares Coutinho e Silva, Bispos de Portalegre do século XVIII, motivadas não só pela necessidade de adaptação ao gosto da época, mas também para mitigar os danos ocasionados pelo terramoto de 17558.

  • 9 Idem, 107.

13Do ponto de vista arquitectónico e no que releva para a economia deste artigo salientamos a existência de um coro-alto que abarca toda a largura do edifício, característica eminentemente tridentina9.

  • 10 Portalegre-Castelo Branco. Diocese, [s.d.], 3.

14A diocese de Portalegre sofreu alterações territoriais ao longo dos séculos. A Bula Gratissimum Christi do Papa Leão XIII e o decreto régio de 14 de Setembro de 1881 extinguiram a diocese de Castelo Branco e integraram o seu território na diocese de Portalegre. Esta Bula extinguiu, ainda, a diocese de Elvas, integrando algumas povoações desta na diocese de Portalegre e outras na arquidiocese de Évora. A designação actual de diocese de Portalegre-Castelo Branco foi estabelecida por decreto da Sagrada Congregação Consistorial de 18 de Julho de 195610.

2. O serviço musical da Sé de Portalegre

2.1. As normas regulamentares

  • 11 Transcrita por Martins, 1997, 17-51.
  • 12 Idem, 17.
  • 13 Idem, 53-128.

15Ainda antes de proceder à constituição formal do Cabido Catedralício, o que ocorrerá com a Carta da Instituição, Ereção e Declaração das Dignidades, Conesias, Benefícios e Ofícios da Santa Sé de 155611, D. Julião de Alva procedeu de imediato à instituição do serviço musical da Sé de Portalegre. Claro que quando o faz já havia sido fixado o «numero das dignidades, conesias e meyas conesias, e outros officios e beneficios que pera ser o serviço da dita see nos parecerão ser necessários»12. Todavia, não deixa de ser significativa a precocidade da outorga do Regimento da Igreja, Coro e Sé de Portalegre datado logo de 156013.

16Este documento normativo contém, de forma extremamente descritiva, a identificação dos responsáveis pelo serviço musical, bem como as respectivas obrigações ao longo do calendário litúrgico no que respeita ao funcionamento do Coro mas também dos restantes espaços da igreja. O primeiro funcionário mencionado é o subtesoureiro, que supervisionava todo o funcionamento da igreja, desde o estado das alfaias e ornamentos religiosos ao provimento de bens necessários ao regular funcionamento da igreja.

  • 14 Idem, 56 e 57. De resto, existe uma grande afinidade funcional nas catedrais quanto à actividade do (...)

17O regulamento não regula em capítulo autónomo as obrigações do chantre, no entanto, fá-lo para o subchantre, especificando que deveria ter boa voz e ser “destro no canto chão”. Cabia-lhe estar antes de todos no coro e escolher “tudo o que se ouver de dizer e cantar”14. A entoação dos hinos e o “alevantar das antíphonas e psalmos” era responsabilidade sua. Mais do que o mestre de capela, tinha uma função quotidiana de supervisão do serviço musical.

18De não menor relevância para a actividade quotidiana da Sé são os moços do coro que

  • 15 Idem, 55.

se buscarão e escolherão de boa gente e bem costumada que tenhão boas vozes, e que, ao menos, saybão ler. Aprenderão a cantar pera a estante quando for necessário. Dirão os versos et responsoria brevia (que chamão) antes do fim das horas. Ajudarão as missas da terça e as mais que ho Dayão e Cabido mandarem15.

19No rol dos oficiais mencionados no citado Regimento encontramos o mestre de capela, de importância essencial para o ensino diário dos moços do coro. Encontrava-se obrigado a ensinar

  • 16 Idem, 56.

todos hos dias huma lição de canto chão e outra de canto d’orgão e contraponto, ao tempo e lugar que lhe for ordenado; e insinará de graça aos capitulares e capellães e moços de coro, e assy será obriguado a reger ho estante nas vesporas e missas de procissões e oficios divinos dos dias e festas principais em que ouver de aver canto d’orgão e nos outros dias que pelo Bispo e Cabido lhe for mandado16.

20Para além do tangedor dos órgãos, responsável pelo tanger e boa conservação dos órgãos, é dado particular destaque à função do subchantre, que devia «ter boa voz e … destro no canto chão», e a quem cabia «estar no coro primeiro que todo» e decidir o que deveria ser cantado. Tinha ainda a função de entoar «os hymnos de todas e horas, e começar as antiphonas» e «alevantará os psalmos de todas horas, e o nunc dimittis». Acrescia como conteúdo funcional a obrigação de cuidar dos livros do coro e ainda a decisão sobre a «escala de serviço interna»:

  • 17 Idem, 57.

fará uma tavoa que porá cada Sabado na porta do coro pola antiguidades, em que se declare quem será o domayro pera a somana seguinte, e declarará na dita tavoa quais são os que hão de capitular e dizer missas das festas17.

  • 18 Idem, 57.
  • 19 Idem, 57 e 58.

21Por fim, temos os capelães que deviam ter «boas vozes e saybam cantar»18, a quem assistia a obrigação de servir e residir na igreja e permanecer no coro desde as horas menores. Cabia-lhes, igualmente, a função de dizer missa nos dias defesos para os curas e conhecer o cerimonial da igreja, devendo obediência a todas as ordens e instruções emanadas pelo bispo e cabido19.

2.2. Os protagonistas

22Embora as normas regimentais não apresentem essa ordem de forma expressa, entendemos apresentar os responsáveis pelo serviço musical a partir de um critério tendencialmente hierárquico. De facto, não podemos esquecer que toda a estrutura eclesiástica se encontra edificada segundo classes (dignidades, cónegos, capelães, músicos assalariados) caracterizadas por prerrogativas e precedências específicas, especialmente visíveis durante a actividade coral. Dado que o subchantre era o representante do chantre (dignidade) optámos por iniciar a apresentação pelos indivíduos que desempenharam esta função.

2.2.1. Os subchantres

23O subchantre, como o próprio nome parece sugerir, é um auxiliar do chantre. De facto, a complexificação do serviço religioso, em geral, e da actividade musical, em particular, tiveram particular incidência na orgânica e na estruturação dos cargos eclesiásticos.

  • 20 Cf. Carta de Instituição do Cabido transcrita por Martins, 1997, 20.

24Na sua formulação original, ao chantre cabia a responsabilidade pela formação dos cantores e, não raro, por todos os estudos eclesiásticos. Todavia, a crescente exigência desta função deverá ter levado à criação do subchantre, o qual se subordinaria hierarquicamente ao chantre. No caso de Portalegre, esta situação era particularmente evidente dado que era o próprio chantre que pagava do seu vencimento ao subchantre, correspondente, nos primeiros tempos da diocese, a 2000 réis em dinheiro e a um moio de trigo20.

25Quanto aos indivíduos designados para esta função cumpre esclarecer que, em regra, seriam escolhidos de entre os capelães que integravam o efectivo com responsabilidades corais.

26Da consulta dos Livros de receita e despesa da Fábrica da Sé nem sempre é fácil identificar o indivíduo que exerce o cargo, dado que assina muitas vezes com o termo «subchantre». Ainda assim, foi possível identificar alguns indivíduos que assumiram tal função ao longo do tempo.

  • 21 PT/ASP/CSP/F/C/001/Lv004-1590-1591, f.51 e PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv003-1602-1603, f.19.

27Foi também possível detectar alguma circulação bidirecional entre os cargos de subchantre e mestre de capela, ou seja, o exercício de funções de subchantre seguido do exercício de funções de mestre de capela e vice-versa. Foi o que se verificou com Miguel Fernandes apontado como subchantre em 1591 e que em 1602 assina na qualidade de mestre de capela21.

28Durante a realização da pesquisa no Arquivo da Sé de Portalegre, tivemos sempre presentes três nomes incontornáveis da historiografia musical e cuja biografia, durante a passagem pela Sé, nos é praticamente desconhecida. São eles: António Ferro, Manuel Tavares e Manuel Leitão de Avillez.

  • 22 PT/ASP/CSP/C/001/Lv001-1557-1561, f.89.

29Ora, logo em 1560 encontramos um indivíduo que assina como Manuel Leitão e que exercia funções de subchantre na Sé de Portalegre. O documento que contém tal informação e que se divulgará oportunamente constitui o primeiro inventário de livros de música (cantochão e canto de órgão) da catedral de Portalegre. Neste apêndice documental o subchantre Manuel Leitão assina no fim de um rol de livros de cantochão que lhe foi entregue e permanecem sob a sua responsabilidade. No fim do rol de livros de canto de órgão, assina o mestre de capela, Afonso Fernandes22.

  • 23 Rees, 2005, 188 e 191.

30Paradoxalmente, encontramos nos Livros de receita e despesa da Fazenda, datados de 1591, um capelão também com o nome de Manuel Leitão que desaparece dos registos nos anos seguintes. Aduzimos como hipótese ser este Manuel Leitão (que não assina com o apelido Avillez), que se irá encontrar na capela do Salvador, em Ùbeda (Andaluzia) em 1601, pois se considerarmos as datas de actividade do (subchantre) Manuel Leitão, activo em 1560, e Manuel Leitão de Avillez, que falece em 1630 já na qualidade de mestre de capela real de Granada, teríamos de supor um período de actividade de 70 anos, o que não se afigura crível23.

2.2.2. Os mestres de capela

31Os Livros de receita e despesa da Fábrica da Sé de Portalegre, que se conservam na sua quase totalidade, permitiram identificar a maioria dos mestres de capela, embora seja curioso notar que o cuidado com que os escribas registaram a identidade destes indivíduos se dilui ao longo do tempo, especialmente a partir de meados do século XVIII e durante todo o século XIX, quando os nomes dos mestres de capela são muitas vezes omitidos.

32O período cronológico tomado como referência inicia-se no século XVI e espraia-se até aos alvores do século XX. De facto, aqui parece residir uma das originalidades desta Sé. Só em 1917 o serviço coral parece soçobrar definitivamente perante a escassez de meios, quando, noutros casos relativamente conhecidos e dotados de meios financeiros mais generosos, como é o caso de Évora, o período liberal terá posto termo ao tradicional corpo de agentes musicais, com o seu epicentro nos moços do coro.

  • 24 As fontes que permitem determinar o período de actividade de Afonso Fernandes são bastante heterogé (...)
  • 25 D. André de Noronha tomou posse da Diocese em 30 de Outubro de 1560 tendo aí permanecido até ser no (...)

33Verificou-se, nas primeiras nomeações, que o cargo de mestre de capela terá sido provido de imediato logo após a criação da diocese de Portalegre. Com efeito, encontramos Afonso Fernandes activo como mestre de capela entre 1557-156624. O mestre de capela que lhe sucederá será Manuel Mendes (activo entre 1569 e 1574), cuja presença nesta catedral foi possível documentar durante um breve período antes de rumar para a Sé de Évora, onde alcançará um lugar de prestígio nacional e internacional. Julgamos que a presença de Manuel Mendes em Portalegre, coincidindo com o momento de finalização da construção da Sé catedral, permite inferir um investimento ou pelo menos a realização de um esforço, provavelmente pela acção do Bispo D. André de Noronha,25 para a atracção de um jovem talento capaz de conferir algum dinamismo e «luzimento» ao serviço musical da catedral.

  • 26 ADPTG, Paroquiais, Sé, Casamentos, 1573-1585, f.150v.
  • 27 ADPTG, Paroquiais, Sé, Casamentos, 1573-1585, f.114.

34Após a saída de Manuel Mendes, a informação de que dispomos é escassa, face ao desaparecimento dos Livros de receita e despesa da Fábrica da Sé referentes ao último quartel do século XVI. Todavia, após a consulta dos registos paroquiais da Sé, encontramos Francisco Dias, apelidado como mestre de capela num registo paroquial da Sé de 157626. Nestes mesmos registos encontramos cinco anos depois Gaspar Fernandes Vilarinho como mestre de capela27. Só voltamos a retomar a informação em 1602 quando no Livro de receita e despesa da Fábrica número 3, no fólio destinado ao reporte dos pagamentos ao mestre de capela, surge o registo de dois indivíduos com essa função: Miguel Fernandes e João Villes (Velez).

35Assim, se escreve no fólio 19 deste livro:

  • 28 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv003-1602-1603, f.19.

o mestre da capella tem de ordenado en cada hun anno quarenta e quatro mil reis e hum moio de trigo / Reçeberão o pe Miguel Fernandes sochantre e Joao Villes que foi colegial hum moyo de trigo do recebedor da fabrica que lhe mandou dar o senhor Bispo e cabido por cumprirem ha obrigação do mestre do canto, isto e, hum na estante e outro ensinando os moços e dando lição, ho qual moyo partirão pello meio ambos e por assim se assinarão a 25 de novembro de 1602 annos. Antonio Nogueira, secretario a fez28.

36A repartição do vencimento do mestre de capela é, de resto, uma característica que iremos encontrar de forma intermitente no exercício deste cargo. Especialmente a partir de meados do século XVIII, o mestrado da capela passou a ser exercido de forma bicéfala, prolongando-se ao longo do século XIX.

37Em 1618 encontramos nomeado o Padre José Nunes, que prolongará o seu mandato até 1639, ano em que foi substituído, por razões certamente relacionadas com a sua idade, passando a ser designado nos registos de receita e despesa como mestre de capela aposentado. O seu substituto será o Padre Manuel Dias que passará a exercer tais funções no ano seguinte até ao dia de S. João de 1666. Estamos perante o que parece ser um caso particular de longevidade, especialmente se tivermos em consideração a esperança média de vida do século XVII e o desgaste físico e intelectual provocado pelo ensino de crianças.

  • 29 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv013-1656-1661, f.24.
  • 30 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv023-1692-1694, f.5.

38No ano 1668, o novo mestre de capela é o Padre Pedro Barrento, que se tratará provavelmente do tangedor de harpa a quem foram concedidos 1000 réis para a compra de cordas para o instrumento29. Persistiu nessas funções até pelo menos 1688, porque dois anos depois já se encontrava designado com esse múnus o Padre Bernardo Rodrigues30.

  • 31 PT/ASP/CSP/F/001/Lv051-1693-1694, f.1v.

39Em 1720, encontra-se documentado o exercício de funções de mestre de capela por parte de Manuel Martins Serrano, o mesmo que vinha desempenhando funções de organista pelo menos desde 169331. Deste compositor ainda se conservam, no Arquivo da Sé de Portalegre, diversas obras musicais como se mencionará adiante. A seguir a Afonso Fernandes, primeiro mestre de capela, será o segundo leigo que encontramos na direcção da capela, todos os restantes, estamos em crer, eram detentores de ordens sacras.

40A partir do fim do seu mandato, ocorrido em 1752, ano da sua morte, encontramos quase invariavelmente dois mestres de capela. Podemos situar neste momento, o fim dos longos períodos de exercício do magistério da capela musical.

  • 32 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv047-1751-1769, f.11.
  • 33 PT/ASP/CSP/I/001/Lv011-1756-1763, s/f e PT/ASP/CSP/I/001/Lv012-1772-1788, s/f que regista o óbito d (...)

41Por outro lado, a informação contida nos livros a partir deste momento passa a ser mais lacónica e irregular face à não identificação dos indivíduos providos nesse cargo. Assim, em 1752-1755 encontramos o Padre José Freire e o Padre Francisco de Paula providos nessa função32. Mas pouco tempo depois, em 1759-1760, encontramos curiosamente a menção a 1º mestre de capela, epíteto atribuído ao Padre Francisco de Paula, e a 2º mestre de capela, atribuído a Pina, que parecem prolongar o seu mandato até 177833.

  • 34 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv048-1779-1807, f.7, 11v, 14, 26.

42Entre esta data e 1790 os mandatos sucedem-se. No ano de 1778-1779 registaram-se como mestres de capela os Padres Francisco de Paula e Manuel Sequeira. Por razões que desconhecemos, com a saída do Padre Francisco de Paula, o Padre Manuel Sequeira partilhou o mestrado da capela com o Padre Manuel Furtado até 1784. Nos seis anos seguintes, este partilhará as suas funções com o Padre Veiga34.

  • 35 Idem, f. 25, 26 e 27v.

43A partir desta data assiste-se, novamente, a alguma instabilidade no exercício do cargo, aparecendo designados os Padres Veiga e Ferteiro (1790-1791), os Padres Castanho e Veiga (1791-1792) e o Padres Fratel e Castanho designados para os anos de 1792-1793 e para os anos subsequentes até ao ano de 1796-179735.

  • 36 Idem, f.47v.
  • 37 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv049-1807-1834, f.3 e 5 e PT/ASP/CSP/I/001/Lv014-1804-1843 f.94.
  • 38 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv049, f.7, 9 e 9v, 12v.

44O início do século XIX não evidencia maior estabilidade, subsistindo dois mestres de capela sendo que apenas se conseguiu identificar o nome de um, quando, nos anos de 1806 e 1807 se registaram as perdas de salário do mestre de capela Serra36. No ano seguinte encontramos a referência a três mestres de capela (Duarte, Serra e Nogueira) e em 1808 a quatro (Nogueira, Padre Duarte, Freire e Cândido Nunes)37. A divisão por três das tarefas do mestrado volta a suceder em 1809-1810 com o Padre Nogueira, João Pedro e Cândido Nunes e em 1810-1811 com os mestres João Pedro, Freire e Nunes. No ano 1811-1812 apenas figuram os mestres Nunes e Freire38.

  • 39 Azevedo, 2000, 95.

45O que permite explicar esta situação? A transição para o século XIX marca o período de redução dos rendimentos eclesiásticos, muito assentes na prestação de serviços religiosos ou na gestão de património fundiário legado «por alma», mas também na recolha dos dízimos. A gestão de casas, terrenos, vinhas e olivais pertencentes à igreja, e que permitia a manutenção do corpo de servidores previstos regimentalmente, passa a ser seriamente afetada com o conjunto de restrições e exações fiscais que aumentaram no final do século XVIII por dificuldades do Tesouro Régio39. Por outro lado, arriscaríamos afirmar que a instabilidade não se cingirá ao campo financeiro pois estamos num período em que o corpo eclesiástico é ele próprio permeável às ideias liberais difundidas a partir da Revolução Francesa e às clivagens da sociedade portuguesa no primeiro quartel do século XIX. Os documentos consultados no Arquivo da Sé de Portalegre indiciam episódios de digladiação entre o próprio corpo capitular, com fugas de clérigos da cidade de Portalegre ou até de demissões com intenções sancionatórias, matérias que justificariam um estudo mais aturado.

  • 40 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv049-1807-1834, f.16 e 18.
  • 41 Cândido Nunes foi alvo de um procedimento disciplinar que determinou a sua expulsão e cujos element (...)

46No ano eclesiástico de 1814-1815, o jovem Padre José Joaquim Bragança assumiu funções como mestre de capela, repartindo essa função com Cândido Nunes40. Este par manter-se-á até 1816, data em que Nunes será expulso após devassa41.

  • 42 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv049, f.20v, 22v e 24.
  • 43 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv049, f.79.
  • 44 PT/ASP/CSP/I/001/Lv014-1804-1843, f.217-218.

47Nos anos de 1816 a 1818, os Livros de receita e despesa da Fábrica da Sé registam dois novos nomes, o Padre Chaves e o mestre de capela Fonseca, que se mantêm no ano seguinte mas passam a ser acompanhados pelo mestre de capela Cebolinho42. Voltamos a encontrar novos registos em 1824, desta feita com os mestres de capela Chaves e Cebolinho, mas a entrada e saída deste ofício revela irrefutavelmente que a função não seria muito apelativa, fosse por razões remuneratórias ou pela natureza do trabalho,43. Basta verificar que em 1826 encontramos Cebolinho, Chaves e Calado como mestres de capela, mas nos anos de 1829 e 1830 encontramos quatro mestres de capela, a saber: o Padre Joaquim António Trindade, o Padre Vital António de Carvalho, o Padre Manuel António Pereira e o Padre António Pedro Marques44.

  • 45 PT/ASP/CSP/I/001/Lv014, f.262v.

48Esta sucessão de nomeações não terá conferido estabilidade ao exercício do cargo pois no ano seguinte é nomeado o Padre Roxo45.

  • 46 PT/ASP/CSP/I/001/Lv014, f.281.
  • 47 PT/ASP/CSP/I/001/Lv014, f.291v.
  • 48 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv050-1834-1847, f.42v.

49Embora o mestrado da capela continue a ser ocupado por dois indivíduos só voltamos a encontrar informação em 1834, quando se reporta o pagamento ao mestre de capela Ribeiro e ao mestre de capela Lourinho46. Quatro anos depois tomamos conhecimento que um dos mestres de capela se chama Carrilho, o qual por razões não especificadas se ausenta do seu cargo47. No ano de 1839 encontramos o seguinte registo «ordenado dos Me da Capella de q recebeu o Silvestre 3:330 o q venceu até o natal, e o resto q são 36:670 foi entregue aos Pes. Capellães por Portarias do Sr. VigrºCapª – 40:000»48.

50Os registos referentes aos mestres de capela desaparecem praticamente até ao ano de 1869, data em que a função passa a ser apelidada de regente do coro. Cumpre referir que a dotação orçamental do mestrado da capela parece subsistir, embora seja repartida por vários capelães e até pelo próprio organista, pois assim se expressa no f. 44 do Livro de receita e despesa da Fábrica número 55: «1858 - Março – ordenado dos mestres da capela entregue aos capelães músicos e organista pelo trabalho nas cantorias da semana santa – 40 000 rs.».

  • 49 PT/ASP/CSP/C/001/Lv007-1895-1954, f.3.

51Por outro lado, já no último quartel do século XIX, a regência coral e a função de subchantre parecem fundir-se, deixando de consistir no exercício de actividades autónomas. A última informação de que dispomos é que no ano de 1895 é nomeado Francisco António Barroqueiro como subchantre e regente do canto coral, em substituição de Manuel António Pereira, que havia falecido49.

2.2.3. Os cantores

52O canto reconduz-se à função mais básica do serviço musical de uma catedral e deve constituir uma das competências essenciais a deter por um bom clérigo. Esta exigência foi reiterada ao longo do tempo vindo a ser plasmada em sucessivas normas sinodais. Neste sentido, no recrutamento dos moços do coro, a existência de um «aparelho fonador» adequado constitui a primeira condição do processo de seleção.

53Todavia, existindo limitações biológicas intransponíveis e não sendo possível antecipar as consequências da puberdade, os responsáveis eclesiásticos, ainda assim, procuram recrutar os indivíduos tidos como mais habilitados para o canto coral, especialmente para o canto à estante mais exigente em termos técnicos.

54Nesta breve nota, não tão abrangente quanto a anterior relativa aos mestres de capela, pretendemos dar a conhecer, não a identidade mas as características deste grupo da Sé de Portalegre.

55Ora, a primeira característica encontrada é a de não terem existido praticamente cantores leigos na Sé de Portalegre, pois quase todos os cantores que pudemos identificar dispunham de ordens sacras. De facto, apenas nos momentos iniciais da diocese foi possível identificar dois cantores leigos, tratam-se de Constantino Tavares e Estêvão da Ponte.

  • 50 PT/ASP/CSP/F/C/001/Lv009-1621-1622, f.152.

56O primeiro é um caso particular de longevidade musical. Com efeito, a primeira contratação de Constantino Tavares (com a voz de «contralta») ocorrerá em 1571 e o último pagamento ocorrerá já em 162150. O contexto da sua contratação fica perfeitamente explicitada na Provisão que a formalizou:

  • 51 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv002-1570-1572,f.137.

Nos Dayam e cabido da See desta cidade de Portalegre fazemos saber aos que esta nossa provisão virem q considerando nos capitular mto o proveito que recrecera ao serviço desta dita See em se acceptar por cantor della Constantino Tavares morador nesta cidade por ter sufficientia de cosentimento de todos o acceptamos por cãtor pa de hoje em diante aiudar catar os officios divinos e os Dias a que o mestre da capella e mais cãtores são obrigados e lhes asinamos de stipendio a custa da fabrica da See 15 cruzados em cada hu ano emquãto não se prover em contrario e Rdor da fabrica lhe fará bom pagamento segundo costume das mais pagas e pedimos ao snor bpo dee cõsentimento a esta nossa provisão e a mande comprir e guardar por assentir nos faz Serviço de Deus e desta See o cónego Pº Cabrª escrivão e secretario do Cabido a fez a 16 de Maio de/1568/ A Dayão e Chantre/Ei por bem e se cumpra e guarde este alvará do nosso Cabido assi e da maneira a que se cõtem./o bpo de Portalegre51.

57Estêvão da Ponte, ao serviço da catedral pelo menos desde 1570, revela-se um caso interessante pois demonstra a condição em que se encontravam alguns músicos na segunda metade do século XVI. Atentemos numa petição que dirige ao Bispo D. André de Noronha em 1570:

  • 52 Idem, f.5.

Diz Estêvão daponte cantor da Sse que ho chegou ha sua pobreza ha tanto que não pode alcansar pera comprar hum vistido pera servir na Sse que ho tem he tam roto que se anda a esconder da gente pelo que pede ha V. S. por amor de noso snor lhe mande pagar hu quartell por que ha dez messes que serve sem perder nhua festa em q sam obrigados os cantores noso snor acrecente havida estado a v.s. com eu desejo pera me sempre fazer merces como sempre me faz52.

58Quanto ao número de cantores, os registos que constam nos Livros de receita e despesa da Fábrica da Sé não revelam o pagamento a um número muito elevado. Para este cômputo considerámos apenas os indivíduos expressamente indicados como cantores dado que, como é notório, todos os clérigos pertencentes à Sé tinham a obrigação de participar no canto litúrgico.

  • 53 Idem, f.131, 131v, 132v e 133.

59Nos primeiros registos dos Livros de receita e despesa da Fábrica da Sé encontramos, em 1572, no capítulo reservado aos cantores, pagamentos feitos a António Dias, clérigo de ordens sacras «contrabaixa», a Constantino Tavares «contralta» e a Gaspar Fernandes «tipre»53.

  • 54 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv003-1602-1603, f.25 e 27.

60No início do século XVII, o número de cantores a quem se procede a pagamento nessa qualidade reconduz-se apenas a dois. Assim, em 1603, encontramos ainda Constantino Tavares e o Padre Gaspar Dias como cantores54.

  • 55 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv013-1656-1661, f.145v.

61Já em meados deste século, tal como sucederá com os instrumentistas, o número de cantores capelães aumentou para um máximo de quatro. Em 1661, encontramos Francisco de Góis, Manuel Fernandes, António Veles e Manuel Nogueira a quem são pagos 4000 réis55. De resto, o século XVII é o período melhor documentado quanto à contratação de cantores. Nos séculos seguintes, seja por falta de diligência dos escribas ou mesmo pela ausência de contratação de cantores, não nos chegaram dados que nos permitam avaliar com segurança esses efectivos. Estamos em crer que o corpo permanente de capelães assumiria essa tarefa.

2.2.4. Os instrumentistas

  • 56 Sobre Évora, atente-se nos trabalhos de Raposo (2006) e Moreira (2007). No que respeita a Elvas, co (...)

62A Sé de Portalegre não foi a catedral com o serviço musical mais sofisticado do ponto de vista da diversidade de instrumentos musicais utilizados, especialmente se a compararmos com as congéneres alentejanas, Évora e Elvas56.

63Estamos em crer que a razão da sofisticação prender-se-á tão simplesmente com a disponibilidade de recursos financeiros. Se compararmos a extensão territorial da diocese de Portalegre com a vizinha arquidiocese facilmente se apreende que a recolha de receita – fortemente sustentada em rendimentos fundiários das paróquias que a integravam – seria modesta. E será com essa contingência que a capela de música funcionará.

64Claro que isto não significa que a catedral de Portalegre estivesse divorciada das práticas musicais de outras catedrais, nem desinvestisse no aparato musical do serviço religioso. Julgamos encontrar indícios de que os bispos que passaram pela diocese se esforçaram por dotá-la de condições materiais similares às de outras dioceses, e a música não foi excepção.

  • 57 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv001-1557-1558, f.134 e PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv052- 1867-1917, f.66.

65A primeira notícia de instrumentos musicais na Sé reporta-se ao uso do órgão, o qual se encontra presente desde o primeiro momento. Conhecemos a grande maioria dos nomes dos organistas que prestaram serviço na catedral, desde Estêvão Barradas em 1573 a José Augusto Lavara em 191557.

  • 58 Sobre a persistência do baixão no serviço musical em Espanha vide Kenyon De Pascual (1984 e 2000).
  • 59 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv003-1602-1603, f.32v.
  • 60 Registo de Chancelaria (1712-1717), f.20v, datado de 24 de Dezembro de 1712, muito gentilmente cedi (...)

66Quanto à existência de outros instrumentistas constatámos que, logo a seguir ao órgão, o baixão é o instrumento musical que durante mais tempo apoiará a actividade musical da catedral58. Em 1602, Paulo Sanches era o tangedor de baixão da catedral embora se possa admitir a presença deste instrumento em momentos anteriores face à inexistência de Livros de receita e despesa da Fábrica referentes ao último quartel do século XVI59. O último registo que documenta a presença deste instrumento data já de 1712, data em que o Manuel Ramos Cordeiro, antigo moço do coro, é designado, por provisão do Bispo D. Álvaro Pires de Castro Noronha, para tanger o baixão e o fagote60.

67O que nos permite afirmar que o século XVII é o período do apogeu musical da Sé assenta também no facto de encontrarmos charamelas ao serviço da Sé. Importa recordar que o termo charamela, pelo menos em Portugal, significava não só o próprio instrumento com esse nome como, genericamente, qualquer tangedor de instrumento de sopro.

  • 61 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv008-1648-1649, f.14v e PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv14-1668-1671, f.70.
  • 62 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv012-1653-1668 f.116.

68Deste modo, entre 1648 e 1671, a Sé contrata Francisco Vaz, mestre dos charamelas, e os seus «companheiros» Noutel Rosado, Manuel Vaz Delicado e António Vaz Delicado61. Não conhecemos em detalhe a tipologia dos instrumentos tangidos, apenas sabemos que Manuel Vaz Delicado tocava sacabuxa porque assim é designado em 166062.

  • 63 Idem.

69Se em 1648 os charamelas auferiam 7000 réis, no ano de 1671, data em que deixam de figurar nas ordens de pagamentos, já venciam 12500 réis63.

  • 64 Martins, 1997, 33.

70O desaparecimento dos charamelas e do tangedor do baixão das ordens de pagamento ordinárias da fábrica não significa, no nosso entendimento, que deixassem de intervir nos momentos musicais mais faustosos como procissões, visitas de dignidades ou até em cerimónias de tomadas de posse dos bispos. Curiosamente, a saída dos instrumentistas de sopro dos Livros de receita e despesa da Fábrica coincide com a entrada em Portalegre do Bispo D. Ricardo Russel, clérigo de origem inglesa, cujo mandato de treze anos culminou com a sua transferência para a diocese de Viseu, na sequência da instauração de um processo por irregularidades financeiras cometidas durante a sua gestão64.

  • 65 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv013-1656-1661, f.24
  • 66 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv013-1656-1661, f.60.
  • 67 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv044-1742-1743, f.12. e PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv46-1746-1748, f.32.

71Para além destes instrumentos de sopro bastante em voga durante o século XVII, existem esparsas referências a harpistas, como o Padre Mestre Barrento65 em 1656, a Miguel Paz, em 165966, e José da Cruz de 1742 a 174867. Neste último caso, parece estarmos perante um caso de intervenção pessoal do bispo, pois reza assim o fólio 12 do Livro 44: «Dispendera com o Harpista José da Cruz – 24 000 rs pagos em quartéis por Alvará de mercê do Exm.º Sr. Bispo Manuel Lopes Simões».

  • 68 Martins, 1997, 43.

72Resta referir que D. Manuel Lopes Simões tomou posse em 1742 e faleceu em 1748, exactamente as datas de permanência de José da Cruz nos Livros de receita e despesa da Fábrica68.

2.2.5. Os moços do coro

73Os moços do coro são o alicerce básico do serviço musical de qualquer catedral. Para além de assegurarem o cantochão e o canto de órgão durante o período de estudo da música ao serviço da catedral, constituem o núcleo essencial de onde, tendencialmente, se recrutam os seminaristas e, logo que dotados de ordens sacras, os clérigos com funções musicais nas catedrais (capelães).

74A partir de uma análise prosopográfica preliminar, podemos constatar que a diocese de Portalegre tende a recrutar os músicos dentro das suas fronteiras e, em particular, na cidade e seu termo.

75No fólio 149 do Livro de receita e despesa da Fazenda número 8, referente ao ano de 1619, consta a seguinte lista dos moços do coro:

Ambrósio de Portalegre, filho de João Rois

João de Portalegre, filho de Pereira

Manuel filho de Gaspar de macedo de Portalegre

Francisco de Portalegre filho de […]

Semião de Portalegre, filho de João gls

António de Niza filho de Matheus Bello

En lugar deste de Niza entrou outro de Portalegre por se absentou pª a pátria.

76Como facilmente se depreende, a quase totalidade dos moços do coro são naturais de Portalegre, com a excepção de um natural de Nisa. Podemos colocar como hipótese justificativa o facto de os moços do coro se encontrarem ao serviço da catedral, mas em regime de externato, pois não se encontram evidências da existência de um colégio interno que permitisse a permanência dos rapazes durante esse período. O regresso a casa só seria possível se a mesma se situasse perto da catedral.

  • 69 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv001-1557-1558, f.30v.
  • 70 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv002-1570-1572, f.121, que menciona a entrega de um moio de trigo aos moços (...)
  • 71 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv052-1867-1917, f.52.

77No que concerne ao número de moços do coro permanentemente ao serviço, os Livros de receita e despesa da Fábrica revelam que nos tempos iniciais da diocese (1557-1558) o número de moços do coro era de quatro69. Cerca de vinte anos depois, em 1570, durante a permanência de Manuel Mendes na Sé de Portalegre, esse número já se havia elevado para seis70. Este é o número que se mantém constante, embora, pontualmente, se encontrem sete moços do coro em simultâneo o que se pode imputar a períodos de transição, ou seja, anos em que, durante o ano eclesiástico, sai um moço do coro (por excesso de idade para o exercício da função ou mudança de voz) e entra um outro para o substituir. Em 1873, este número de moços do coro ainda se mantinha constante. Só no ano de 1897, se identificam novamente quatro71.

  • 72 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv003-1602-1603, f.24.

78A remuneração dos moços do coro manteve-se mais ou menos estável ao longo do tempo e consistiu-se quase sempre no pagamento individual de 1000 réis anuais, pagos em quartéis, a que acrescia um moio de trigo a dividir pelo número de moços. Embora os primeiros registos de pagamento aos moços do coro, datados de 1557-1558, que constam nos Livros de receita e despesa da Fábrica, não sejam perfeitamente claros, pois reportam-se apenas a um quartel - ao do Natal -, permite-nos, ainda assim, inferir que a remuneração anual não andaria distante de 1000 réis. Em 1602 o valor pago aos moços do coro já se havia estabilizado neste montante pois assim consta do Livro de receita e despesa da Fábrica: «os seis mocos de choro tem todos seis de ordenado en cada hum anno seis mil e hum moyo de trigo e cada hum sua opa e barrete e sobrepeliz»72.

79Faça-se notar que ao valor do salário acresceria um moio de trigo a dividir pelo número de moços, ou seja, caberiam 10 alqueires a cada um.

  • 73 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv007-1644-1645, f.17v.
  • 74 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv012-1653-1668, f.27 e 27v.

80O custo da manutenção dos moços do coro assegurado pela Fábrica era bastante mais elevado do que o montante do pagamento de remuneração pois incorporava também os custos de vestiaria de periodicidade anual. Em 1644 gastava a Fábrica 900 réis com as opas dos moços do coro e 3045 réis de pano de linho com as sobrepelizes, o que totalizava quase 4000 réis73. Mas em 1653 gastaram-se 9600 réis com panos vermelhos para as opas dos moços do coro e 5640 réis com as sobrepelizes e barretes dos moços do coro. Neste ano, só com os moços do coro, os gastos de vestiaria alcançaram os 15240 réis74.

3. Os documentos musicais da Sé de Portalegre

81O acervo documental comummente conhecido por Arquivo da Sé de Portalegre é custodiado pelo Cabido da Sé de Portalegre, a quem cabe salvaguardar o património informacional das instituições que ao longo dos séculos actuaram no espaço físico da Sé e que ali deixaram o seu testemunho. Neste acervo encontramos não apenas um arquivo, mas também uma biblioteca de livro antigo.

82O arquivo, com cerca de 39 metros lineares, é composto por centenas de livros e milhares de documentos avulsos que abrangem um período cronológico entre o século XII e meados do século XX. No que respeita à documentação musical, o arquivo possui dezenas de documentos avulsos e nove livros manuscritos, num total de 1,5 metros lineares, que se estendem por um período cronológico desde o início do século XVIII ao início do século XX.

83A biblioteca de livro antigo, com cerca de 4 metros lineares, é composta por 92 livros, designadamente livros litúrgicos, livros de direito canónico e livros musicais impressos.

3.1. Arquivo da Sé de Portalegre

84A investigação desenvolvida até ao momento sobre os documentos musicais da Sé de Portalegre foi alicerçada sob a área de conhecimento das ciências da informação e da documentação e teve como objectivo o tratamento arquivístico dos documentos musicais, não tendo sido realizado um estudo musicológico das obras musicais. Não obstante, para ir ao encontro da especificidade dos documentos musicais para o seu melhor tratamento, existiu uma convergência de conhecimentos entre as ciências da informação e da documentação e as ciências musicais.

  • 75 Castagna, 2003.
  • 76 Idem.
  • 77 Para um melhor entendimento sobre estes cinco níveis sugere-se a leitura de Castagna (1999 e 2003) (...)

85Castagna75 aponta algumas soluções para a organização de obras musicais sacras tendo em consideração não apenas os princípios arquivísticos como também a especificidade inerente a esta música devido ao seu cunho fortemente funcional. Castagna76 propõe a distinção entre cinco níveis: super-ofício, unidade cerimonial ou ofício, unidade funcional, secção e unidade musical permutável (UMP)77.

  • 78 Castagna, 2003, 15.
  • 79 Castagna (2003) considera estas unidades arquivístico-musicais uma vez que permitem respeitar as a (...)

86Para a organização dos documentos musicais da Sé de Portalegre aplicaram-se os conceitos propostos por Castagna78, destacando-se o conceito de unidade musical permutável (UMP), uma categoria que o autor considera arquivístico-musical79 (e não documental), e que se refere à manifestação física da obra. Castagna define unidade musical permutável como

o conjunto de textos (e não, necessariamente, de unidades funcionais ou seções) que receberam uma composição autónoma e que pode ser associada a uma outra unidade musical permutável, mesmo que escrita por autor diferente. Esse tipo de unidade, portanto, é decorrente da actividade de compositores e copistas em uma determinada época e região, e não somente de particularidades dos textos religiosos, sendo exemplos as Lições das Matinas, os Hinos das Vésperas, as Turbas das Paixões, os Impropérios da Adoração da Cruz, os Tractos das Lições da Missa do Sábado Santo, etc.

  • 80 Castagna, 2003, 15.

A UMP, portanto, pode ser ora uma unidade cerimonial, ora uma unidade funcional e ora uma seção, sendo definida enquanto um nível transversal, que pode abarcar porções de níveis distintos80.

87Assim, a adopção do conceito de UMP permitiu identificar as composições musicais que receberam um tratamento autónomo e que formam uma unidade observável, não descurando o facto de que cada UMP possa ser constituída por várias unidades funcionais e que estas possam ser individualizadas e interpretadas autonomamente fora do seu contexto criativo original.

  • 81 As catorze séries documentais estão integradas no subsistema Fábrica da Sé de Portalegre, na secção (...)

88Com esta premissa, a documentação musical foi organizada em catorze séries documentais81 que, devido às especificidades apresentadas pela documentação, foram baseadas em diferentes critérios, por exemplo, umas representam unidades funcionais e outras unidades cerimoniais.

Série

Número de UMP

SR: 001 – Antífonas

6

SR: 002 – Canções sacras

1

SR: 003 – Ciclo per anum

1

SR: 004 – Ciclo Santoral

5

SR: 005 – Ciclo Temporal

1

SR: 006 – Diversos

4

SR: 007 – Hinos

4

SR: 008 – Ladainhas

1

SR: 009 – Lições

1

SR: 010 – Matinas

17

SR: 011 – Missas

9

SR: 012 – Óperas

3

SR: 013 – Paixões

2

SR: 014 – Salmos

12

Total

67

89Do ponto de vista arquivístico, foram identificadas 67 agregações documentais ou UMP. Atente-se que dentro de algumas UMP existe mais de uma obra musical, bem como existem obras musicais inseridas dentro de livros impressos pertencentes à biblioteca de livro antigo. Desta forma, no acervo documental da Sé de Portalegre existe mais de uma centena de obras musicais. Porém, como o foco do estudo desenvolvido foi a criação de um inventário de documentos musicais e não a criação de um catálogo de obras musicais, existem várias obras musicais no arquivo que não foram alvo de identificação e análise (e portanto não serão neste artigo mencionadas).

3.1.1. Compositores e obras

90A documentação musical pertencente à Sé de Portalegre contém principalmente música para o Oficio Divino e o Ordinário da Missa e é na sua maioria de autoria anónima, não se tendo encontrado até ao momento dados que permitissem atribuir-lhes uma autoria identificada.

91Sem autor identificado encontramos antífonas, responsórios, livros do ciclo santoral, hinos, missas, paixões e salmos, que na sua quase totalidade não possuem data no documento. Nos escassos cinco casos em que existe, não significa que a data seja a de criação da obra. O problema de datação das obras advém dos escassos manuscritos autógrafos conhecidos e, mesmo quando existem, estes podem ser cópias autógrafas do próprio compositor ao original da obra musical. Não obstante, tende ainda a existir uma certa inclinação para fazer equivaler a data de produção da cópia mais antiga conhecida à data de criação da obra, à semelhança do que acontece com a instrumentação original. Para o nosso caso, as datas aqui mencionadas consideram-se as datas de produção dos documentos.

92Verificámos, ainda, que nas UMP anónimas prevalecem obras musicais a quatro vozes, por vezes com acompanhamento instrumental (geralmente pelo órgão). Existem, ainda, algumas obras em cantochão.

  • 82 Os dados constantes nesta tabela referem-se aos constantes nos documentos musicais observados. Dest (...)

93As UMP com autoria identificada pertencem maioritariamente à série hinos e à série matinas. Na tabela82 abaixo destacam-se alguns compositores identificados, bem como se referenciam as obras que lhes são associadas:

Compositor

UMP

Data

  • Agu[?], Tomás de, Frei (????-????)

Missa do Coração de Maria

Livro essencialmente de cantochão

s.d.

  • Almeida, Eugénio Ricardo Monteiro de (1826-1898)

Matinas de Nossa Senhora da Conceição a quatro vozes e órgão

Partitura (orquestra) e partes – S, T, T, B / órg.

1865-1868

  • Ataíde, Joaquim de Meneses e, Frei (1765-1828)

Miserere a 3 vozes

S, T, B / rabecão / órg. / S, órg. (redução)

1895

  • Baldi, João José (1770-1816)

Missa de capela concertada a 4º

S, A, T, B / acomp. ou órg.

1820

  • Bastos, Manuel Patrício de (1800-1856)

Responsórios a 3 vozes que se cantam na quarta-feira Santa

2 partituras e partes: S, S, T, B / cb / órg.

1876 – 1897

  • Casimiro Júnior, Joaquim (1808-1862)

Responsórios que se cantam em Quinta Feira Santa

Partitura e partes: S, T, B / cb / órg.

1869 – 1897

Quinta Feira Santa. Matinas

fl, cl 1, 2, cor 1, 2, cornetim 1,e, trb 1, 2, 3, tb 1, 2, figle, sax / timp 1, 2 / vl 1, 2, 3, vla, vlc, cb / oitavino, órg.

1877- 1899

Responsórios das Matinas que se cantam em 4ª feira de trevas

S, A, T, B / fl, cl 1, 2, cornetim, cor 1, 2, trb, tb, figle / timp / vlc, cb / órg.

1879

Ofícios de Sexta-Feira Santa

T, B / fl, cl 1, 2, cornetim 1, 2, cor 1, 2, trb 1, 2, tb 1, 2, figle / timp / vl solo, vl 1, 2, vla, vlc, cb / oitavino

1895 – 1903

  • Jordani, João (1793-1860)

Lamentação 1ª e Responsórios para Quinta-Feira Santa

S, A, T, B, B / fl, cl, fag, cor / vl 1, 2, vlc, cb / órg.

1871

Matinas da Semana Santa que se cantam na Quarta-Feira de Trevas

S, A, T, B / fl, fag, cor, cornetim / vl 1, 2, vlc, cb / órg.

s.d.

  • Lima, Inácio António Ferreira de (m. 1818)

Responsórios de Natal

partitura e partes – S, S, S, A, T, B / órg.

1832 –1858

  • Neves, António Machado, Frei (???? - ????)

Responsórios para as Matinas de 4ª f.ra a quatro vozes e órgão

S, A, T, B / acomp.

1816

  • Paula, Francisco Gomes de (séc. XVIII)

Miserere a 8 Vozes

Coro 1: S, A, T / Coro 2: S, T, B / acomp. fig. Coro 1

s.d.

Miserere a 8 Vozes

Coro 1: S, A, T / Coro 2: S, A, T, B / acomp. fig. Coro 1, acomp. fig. Coro 2

s.d.

  • Perez, David (1711-1778)

Te Deum Laudamos a 4 vozes e órgão

S, A, T, B / órg. fig.

1858

Officium Defunctorum

B / vl 1, 2, vla, vlc ou fag

s.d.

  • Perosi, Lorenzo (1872-1956)

Vexilla regis e Pange língua

S, A, T, B / figle

1905

  • Pinheiro, José Joaquim dos Santos (????-????)

In Conceptione B. M. V.

Livro de cantochão

1852

Responsórios a 4 Vozes para a Festividade da Imaculada Conceição B. M. V.

S, A, T, B / órg.

1853

  • Piteira (????-????)

Missa a 4 com violinos

A, T, B / vl 1, 2 / acomp. fig.

s.d.

  • Serrano, Manuel Martins (????-1752)

[Colectânea para a Semana Santa]

S, A, T, B / S, A, T, B, B / S, S, A, T, B / S, A, T, T, B

séc. XVIII

Lectio 7ª in Feria 4ª a 4

S, S, A, T / acomp.

1716

  • Rosário, António do, Frei (1647-1704)

conhecido como “o Sarilho de Campo mayor”

Lamentação a 8 p.ª Cantar na 4.ª fr.ª

Coro 1: S, A, T, B / Coro 2: S, A, T, B / baixão ou rabecão, órg. fig.

1770

Miserere a 8 repartido em dois coros sem sinfonia

Coro 1: S, A, T, B / Coro 2: S, A, B / acomp., órg. fig.

1770

  • 83 Consultar, por exemplo, o Livro de receita e despesa da Fábrica PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv051-1847-1 (...)

94Nas UMP com compositor identificado prevalecem documentos datados do século XIX e XX e surgem as UMP com maiores efectivos instrumentais, também em consequência da ampliação da orquestra a que se assistia na época. Contudo, isto não significa que a Sé dispusesse na altura de um maior efectivo de músicos ao seu serviço. Aliás, nos Livros de receita e despesa da Fábrica da Sé relativos ao século XIX não se encontraram menções ao pagamento regular de músicos ao serviço da Sé, mas sim o pagamento esporádico dos músicos que trabalharam em determinada festa religiosa83.

95Dos nomes acima mencionados encontramos alguns já conhecidos no meio científico, como João José Baldi, Joaquim Casimiro Júnior, João Jordani ou David Perez. Surgem dois nomes associados à vida eclesiástica e/ou musical das congéneres catedrais alentejanas: Joaquim de Meneses e Ataíde (1865-1828), que foi Bispo de Elvas entre 1820 e 1828 (ano da sua morte), e Inácio António Ferreira de Lima (m. 1818), penúltimo mestre de capela da Sé de Évora. Associados à vida eclesiástica e/ou musical da Sé de Portalegre encontramos os seguintes nomes:

  • Francisco Gomes de Paula, mestre de capela entre 1752-1755, 1756-1778 e 1778-1779, e

  • Manuel Martins Serrano, organista da Sé em alguns períodos entre 1693 e 1726 e mestre de capela entre 1720 e 1752.

96Manuel Martins Serrano é o compositor da Sé de Portalegre que mais se destaca devido à quantidade de obras musicais compostas. Manuel Martins Serrano não era padre e foi casado com Madalena Mendes. Como referido acima, entrou ao serviço da Sé como organista em 1693, cargo que desempenhou até 1726, cumulativamente ao cargo de mestre de capela, que iniciou em 1720 e cessou em 1752, ano da sua morte. Manuel Martins Serrano esteve ao serviço da Sé durante 59 anos e a sua importância na instituição é revelada, por exemplo, através da sua sepultura na catedral. Nela encontra-se inscrito o seguinte:

  • 84 Transcrição da inscrição epigráfica para escrita moderna.

Sepultura de Manuel Martins Serrano organista e mestre de capela que foi desta Santa Sé e de sua mulher Madalena Mendes. Deixou livros e papéis de música à Fábrica da mesma e o ilustríssimo Cabido Sede Vacante lhe fez mercê de jazigo e campa para si e seus herdeiros. Ano de 1784.

  • 85 PT/ASP/CSP/FSP/D/004/Mç001.

97No Arquivo da Sé de Portalegre foi possível encontrar uma escritura de doação à qual está anexado o Inventario dos papeis, e Livros q Manoel Mize Serrano M.e da Sé deyxa a fabrica da mesma85, onde consta que

aos quatro dias do mes de Mayo de mil, e settecentos, e trinta, e oito nesta Cidade de Portalegre nas Cazas do Illus.mo Cabb.o pareceo, e foi prezente M.el Mize Serrano mestre da Capp.a da S.ta See; e por elle foi ditto q elle dava, e doava deste dia para todo o sempre à Fabrica da mesma See tudo o q constava do Rol asima, Atras escripto q erão Livros e papeis q ele tinha composto p.a serviço da mesma Igra; […] (f. 5r).

98Neste inventário constam dois livros de Manuel Martins Serrano com várias obras musicais, um dos quais ainda se preserva no arquivo, e perto de cinquenta obras musicais, entre responsórios, salmos, hinos, paixões e missas. Infelizmente, a quase totalidade dos documentos referidos no inventário não se encontra no Arquivo da Sé de Portalegre, desconhecendo-se actualmente a sua localização.

3.2. Biblioteca da Sé de Portalegre

99A Biblioteca da Sé de Portalegre possui 92 livros impressos, nomeadamente: antifonários, breviários, graduais, epistolários, kyriais, leccionários, liber usualis, missais, passionários, processionais, saltérios, entre outros. Apesar de a maioria ter como autor a Igreja Católica, existem obras impressas de:

Compositor

Obras

Datação do documento

  • Cardoso, Manuel (1566-1650)

Livro de Varios Motetes: Officio da Semana Santa e ovtras covsas

s.d.

  • Estevão, O. de Cristo (c. 1540-1613)

Liber Passiomum Et Eorum Quae A Dominica In Palmis Vsque Ad Vesperas Sabbathi Sancti Inclusiué Cantari Solent...

1595

  • Lobo, Duarte (c. 1565 -1646)

Ordo Amplissimvs Precationvm, Caeremoniarvm qve Fvnebrivm

1603

  • Magalhães, Filipe de (1571-1652)

Cantum Ecclesiasticum Praecibus apud Deum Animas juvandi, corporaque humandi Defunctorum Officium, …

1691

  • Navarro, Juan (c. 1530-1580)

[Ioannis Nauarri hispalen Psalmi, hymni ac magnificat totius anni, secundum ritum sanctae romanae Ecclesiae …]

[1590]

  • Perez, David (1711-1778)

Mattutino de’ Morti

[1774]

  • Pousão, Manuel (c. 1593-1683)

Liber Passionum, Et Eorum Quae A Dominica Palmarum, Usque Ad Sabbatum Sanctum Cantari Solent

1675

100Sendo quase exclusivamente composta por livros de natureza litúrgica, a biblioteca possui ainda livros impressos de uma obra de música profana:

Compositor

Obras

Datação do documento

  • Corelli, Arcangelo (1653-1713)

Concerti Grossi Con duoi Violini, e Violoncello di Concertino obligati, e duoi altri Violini, Viola, e Basso di Concerto Grosso …

[1715]

Considerações finais

101Nestas breves linhas julgamos ter contribuído para um melhor conhecimento sobre o serviço musical da Sé de Portalegre, desde o tempo da sua fundação até aos nossos dias.

102A partir dos informes contidos nos livros, muitas vezes, de natureza casual e decerto divorciados das preocupações actuais que norteiam os estudos históricos, percorremos e tentámos caracterizar os principais agentes do serviço musical, designadamente subchantres, mestres de capela, cantores, instrumentistas e moços do coro, desde os primórdios desta diocese fundada em meados do século XVI até quase aos nossos dias.

103O extenso âmbito cronológico do presente artigo reclama um estudo mais aprofundado dos indivíduos que desenvolveram a sua actividade profissional nesta catedral, só desta forma se poderão identificar tendências ou pelo menos persistências quanto aos principais caracteres deste grupo social.

104Nos documentos musicais custodiados pelo Arquivo da Sé de Portalegre existe mais de uma centena de obras musicais, entre os documentos avulsos e os livros manuscritos. A grande maioria destas composições não possui o compositor identificado o que nos leva a aduzir que uma boa percentagem destas possa ter sido composta para as necessidades correntes do serviço musical da Sé pelos seus próprios músicos. Os compositores identificados são quase na totalidade externos ao serviço da Sé, à excepção de Francisco Gomes de Paula e Manuel Martins Serrano, o que nos permite concluir que existia conhecimento sobre o repertório que circulava no meio musical da época.

105O tratamento arquivístico dos documentos musicais permitiu obter um levantamento prévio sobre compositores e obras musicais constantes nas agregações documentais identificadas, bem como efectuar uma preliminar caracterização do repertório musical ali existente. No futuro, será importante a elaboração de um catálogo de obras musicais, visto que em algumas UMP existem mais de uma obra musical, permitindo, assim, dar a conhecer a totalidades das composições musicais constantes no Arquivo da Sé de Portalegre.

106Por fim, urge analisar e investigar em maior profundidade os documentos e as composições musicais do acervo documental da Sé de Portalegre, o que irá ampliar, certamente, o conhecimento de que dispomos actualmente sobre as práticas musicais nas sés de Portugal e o repertório musical português.

Fontes

Arquivo Distrital de Portalegre

Paroquiais

Sé, Casamentos, 1573-1585

Arquivo da Sé de Portalegre

Livro dos Acórdãos

PT/ASP/CSP/C/001/Lv007-1895-1954

Livros do Apontador

PT/ASP/CSP/I/001/Lv011-1756-1763

PT/ASP/CSP/I/001/Lv012-1772-1788

PT/ASP/CSP/I/001/Lv014-1804-1843

Documentos diversos sobre património

PT/ASP/CSP/FSP/D/004/Mç001-1558-1807?

Livros de receita e despesa da Fábrica

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv001,1557-1558

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv002-1570-1572

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv003-1602-1603

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv007-1644-1645

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv008-1648-1649

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv012-1653-1668

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv013-1656-1661

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv014-1668-1671

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv023-1692-1694

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv030-1720-1721

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv044-1742-1743

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv046-1746-1748

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv047-1751-1769

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv048-1779-1807

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv049-1807-1834

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv050-1834-1847

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv051-1847-1867

PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv052-1867-1917

Livros da receita e despesa da Fazenda

PT/ASP/CSP/F/C/001/Lv004-1590-1591

Bibliographie

PT/ASP/CSP/F/C/001/Lv009-1621-1622

ARCILLA SEGADE, Héctor Archilla (2016) Músicos portugueses en España durante el reinado de Felipe III|: El maestro Estêvâo de Brito. Extremadura: Universidad de Extremadura. Tese de doutoramento.

AZEVEDO, Carlos Moreira, dir. (2000) – Dicionário de história religiosa de Portugal. Lisboa: Círculo de Leitores.

BROOKS, Lynn Matluck (1982) “Los Seises” in the Golden Age of Seville. Dance Chronicle. Vol. 5, nº 2, p. 121-155.

CABRAL, Luís (2003) A capela musical da Sé do Porto no século XVI. Porto: autor.

CASTAGNA, Paulo (1999) – Reflexões metodológicas sobre a catalogação de música religiosa dos séculos XVIII e XIX em acervos brasileiros de manuscritos musicais. In Simpósio latino-americano de musicologia, p. 139-165. [Consult. 6 de Fevereiro 2014].

CASTAGNA, Paulo (2003) – Níveis de organização na música religiosa católica dos séculos XVIII e XIX: implicações arquivísticas e editoriais. In Colóquio brasileiro de arquivologia e edição musical [Consult. 14 de Dezembro 2013]

FARRICA, Fátima; CAEIRO, Ana (2014) – Inventário do Arquivo da Sé de Portalegre. Évora

KENYON DE PASCUAL, Beryl (1984) A Brief Survey of the Late Spanish Bajón. The Galpin Society Journal. Vol. 37, p. 72–79.

IDEM (2000) A further updated review of the Dulcians (“bajón” and “bajoncillo”) and their music in Spain. Galpin Society Journal. Nº 53, p. 87–116.

MEDINA HÉRNANDEZ, Natalia (2016) La vida musical en la catedral de Toledo durante el siglo XVII: Capilla de música y obras [Em linha]. Madrid: Universidad Autónoma de Madrid. [Consult. 14 de Dezembro 2017].

MARTINS, Anacleto Pires da Silva (1997) – O Cabido da Sé de Portalegre: Achegas para a sua história. Portalegre: Cabido da Sé de Portalegre.

MOREIRA, Paulo Estudante (2007) Les pratiques instrumentales de la musique sacrée portugaise dans son contexte ibérique. XVIe-XVIIe siècles. le ms. 1 du fond Manuel Joaquim (Coimbra). Évora e Paris: Universidade de Évora e Universidade de Paris IV. Tese de doutoramento.

PATRÃO, José Dias Heitor (2002) – Fundação da Cidade e do Bispado: Levantamento e Progresso da Catedral. Lisboa: Edições Colibri.

PORTALEGRE-CASTELO BRANCO. Diocese [s.d.] – Diocese de Portalegre – Castelo Branco: Anuário 2012/2013. Gavião: Diocese de Portalegre – Castelo Branco.

RAPOSO, Jorge Rebotim (2006) Subsídios para a história dos músicos da Capela da Sé de Évora. A cidade de Évora - Boletim de Cultura da Câmara Municipal. Vol. 6, p. 383-413.

REES, Owen (2004-2005) – Manuel Leitão de Avilez in Andalucia. Revista Portuguesa de Musicologia. Lisboa. N.º 14-15, p. 187-208.

RUIZ JIMÉNEZ, Juan (2007) La librería de canto de órgano: creación y pervivencia del repertorio del renacimiento en la actividad musical de la catedral de Sevilla. Sevilha: Consejería de Cultura.

SANTOS, Cátia Margarida Jorge dos (2009) – As Sés Joaninas: Arquitectura episcopal na segunda metade do século XVI. Coimbra: Universidade de Coimbra. Dissertação de mestrado.

SIMÕES, Manuel Lopes (1992) A capela musical da Sé de Braga no arcebispado de D. Gaspar de Bragança: 1758-1789. Coimbra: Universidade de Coimbra. Dissertação de mestrado.

Notes

1 Prevê-se, para breve, a divulgação de um estudo mais extensivo sobre os músicos da Catedral de Portalegre, que é parte do objecto da tese de doutoramento em preparação por Hugo Porto na Universidade de Évora, com o título Os Agentes do Serviço Musical das Catedrais de Elvas e Portalegre.

2 A documentação musical do Arquivo da Sé de Portalegre foi objecto de uma investigação aprofundada ao nível do seu tratamento arquivístico na dissertação de mestrado intitulada A organização e a descrição de documentos musicais aplicadas ao Arquivo da Sé de Portalegre, da autoria de Ana Caeiro, apresentada em Abril de 2015, na Universidade Nova de Lisboa.

3 Patrão, 2002, 22 e 25.

4 Idem, 24.

5 Alvará da Rainha para o Thezoureiro Diogo Salema dar a Julião d’Alva sancristão da sua Capella 12$0000 rs de que lhe fez mercê, a 29 de Julho de 1527 (ANTT, Corpo Cronológico, Parte I, mç. 22, n.º48).

6 Martins, 1997, 17.

7 Patrão, 2002, 60 e 67.

8 Santos, 2009, 99.

9 Idem, 107.

10 Portalegre-Castelo Branco. Diocese, [s.d.], 3.

11 Transcrita por Martins, 1997, 17-51.

12 Idem, 17.

13 Idem, 53-128.

14 Idem, 56 e 57. De resto, existe uma grande afinidade funcional nas catedrais quanto à actividade do subchantre. Em Braga cf. Simões, 1992, 19. Em Elvas, vide Arquivo Histórico Municipal, Estatutos da Sé de Elvas, ms. 57, f. 5 e 5v. No Porto, atente-se na obra de Cabral, 2003, 54. No caso de Espanha, o cargo existia em idênticos moldes. Sem pretensões de exaustividade vide o caso de Badajoz em Arcilla Segade, 2016, 46, ou de Sevilha em Ruiz Jiménez, 2007, 25.

15 Idem, 55.

16 Idem, 56.

17 Idem, 57.

18 Idem, 57.

19 Idem, 57 e 58.

20 Cf. Carta de Instituição do Cabido transcrita por Martins, 1997, 20.

21 PT/ASP/CSP/F/C/001/Lv004-1590-1591, f.51 e PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv003-1602-1603, f.19.

22 PT/ASP/CSP/C/001/Lv001-1557-1561, f.89.

23 Rees, 2005, 188 e 191.

24 As fontes que permitem determinar o período de actividade de Afonso Fernandes são bastante heterogéneas. De facto, para além da menção em PT/ASP/CSP/FSP/F/C/001/Lv001,1557-1558, f.25, encontramos a referência a Afonso Fernandes no f. 89 de PT/ASP/CSP/C/001/Lv001, e ainda em alguns registos paroquiais da Sé de Portalegre que compulsámos.

25 D. André de Noronha tomou posse da Diocese em 30 de Outubro de 1560 tendo aí permanecido até ser nomeado por Filipe II para Bispo de Plasencia – cf. Martins, 1997, 19.

26 ADPTG, Paroquiais, Sé, Casamentos, 1573-1585, f.150v.

27 ADPTG, Paroquiais, Sé, Casamentos, 1573-1585, f.114.

28 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv003-1602-1603, f.19.

29 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv013-1656-1661, f.24.

30 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv023-1692-1694, f.5.

31 PT/ASP/CSP/F/001/Lv051-1693-1694, f.1v.

32 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv047-1751-1769, f.11.

33 PT/ASP/CSP/I/001/Lv011-1756-1763, s/f e PT/ASP/CSP/I/001/Lv012-1772-1788, s/f que regista o óbito do Padre Manuel Pires de Pina em 25/08/1778.

34 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv048-1779-1807, f.7, 11v, 14, 26.

35 Idem, f. 25, 26 e 27v.

36 Idem, f.47v.

37 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv049-1807-1834, f.3 e 5 e PT/ASP/CSP/I/001/Lv014-1804-1843 f.94.

38 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv049, f.7, 9 e 9v, 12v.

39 Azevedo, 2000, 95.

40 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv049-1807-1834, f.16 e 18.

41 Cândido Nunes foi alvo de um procedimento disciplinar que determinou a sua expulsão e cujos elementos instrutórios se conservam parcialmente no Arquivo da Sé de Portalegre.

42 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv049, f.20v, 22v e 24.

43 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv049, f.79.

44 PT/ASP/CSP/I/001/Lv014-1804-1843, f.217-218.

45 PT/ASP/CSP/I/001/Lv014, f.262v.

46 PT/ASP/CSP/I/001/Lv014, f.281.

47 PT/ASP/CSP/I/001/Lv014, f.291v.

48 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv050-1834-1847, f.42v.

49 PT/ASP/CSP/C/001/Lv007-1895-1954, f.3.

50 PT/ASP/CSP/F/C/001/Lv009-1621-1622, f.152.

51 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv002-1570-1572,f.137.

52 Idem, f.5.

53 Idem, f.131, 131v, 132v e 133.

54 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv003-1602-1603, f.25 e 27.

55 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv013-1656-1661, f.145v.

56 Sobre Évora, atente-se nos trabalhos de Raposo (2006) e Moreira (2007). No que respeita a Elvas, contamos divulgar dados curiosos a respeito dos instrumentistas, no âmbito da dissertação de doutoramento em preparação.

57 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv001-1557-1558, f.134 e PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv052- 1867-1917, f.66.

58 Sobre a persistência do baixão no serviço musical em Espanha vide Kenyon De Pascual (1984 e 2000).

59 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv003-1602-1603, f.32v.

60 Registo de Chancelaria (1712-1717), f.20v, datado de 24 de Dezembro de 1712, muito gentilmente cedido pelo Senhor Cónego Bonifácio Bernardo.

61 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv008-1648-1649, f.14v e PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv14-1668-1671, f.70.

62 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv012-1653-1668 f.116.

63 Idem.

64 Martins, 1997, 33.

65 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv013-1656-1661, f.24

66 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv013-1656-1661, f.60.

67 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv044-1742-1743, f.12. e PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv46-1746-1748, f.32.

68 Martins, 1997, 43.

69 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv001-1557-1558, f.30v.

70 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv002-1570-1572, f.121, que menciona a entrega de um moio de trigo aos moços do coro Baltasar, Manoel, Jerónimo, Manuel Sardinha e Joane (João). Mesmo em catedrais ibéricas com serviço musical de referência os moços do coro eram em número de seis, daí o uso da expressão “seises” para designar os moços do coro – cf. Brooks, 1982, 121.

71 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv052-1867-1917, f.52.

72 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv003-1602-1603, f.24.

73 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv007-1644-1645, f.17v.

74 PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv012-1653-1668, f.27 e 27v.

75 Castagna, 2003.

76 Idem.

77 Para um melhor entendimento sobre estes cinco níveis sugere-se a leitura de Castagna (1999 e 2003). Contudo, mencionam-se sumariamente os traços gerais de cada um deles: super-ofício (quando há justaposição de duas unidades cerimoniais, como o ofício divino e a missa de Domingo de Ramos); unidade cerimonial (cerimónia religiosa que possui unidade intrínseca, como por exemplo a Missa e o Ofício Divino); unidade funcional (cada um dos textos de uma unidade cerimonial e a música escrita para esses textos. Exemplo: cada uma das partes do ordinário da missa (Kyrie, Gloria, Credo, Sanctus/Benedictus, Agnus Dei); secção (partes diferenciadas que podem existir numa unidade funcional. Exemplo: Jesu Redemptor omnium do hino das vésperas de Natal); e unidade musical permutável (conjunto de textos (e não necessariamente unidades funcionais) que receberam uma composição autónoma. Exemplo: lições de matinas, hinos de vésperas) (Castagna, 1999 e 2003).

78 Castagna, 2003, 15.

79 Castagna (2003) considera estas unidades arquivístico-musicais uma vez que permitem respeitar as agregações estabelecidas pelo produtor e/ou detentor da documentação, preservando assim as ligações existentes entre as diferentes partes que compõem a unidade musical permutável.

80 Castagna, 2003, 15.

81 As catorze séries documentais estão integradas no subsistema Fábrica da Sé de Portalegre, na secção G/Música. O inventário completo pode ser consultado na página em linha da FUNDIS: http://fundis.cidehus.uevora.pt/.

82 Os dados constantes nesta tabela referem-se aos constantes nos documentos musicais observados. Desta forma, as datas apresentadas consideram-se as datas de produção dos documentos (e não as datas de criação da obra), como já referido acima, bem como a instrumentação identificada é a resultante das partes/partituras atribuídas a cada UMP, podendo não corresponder à instrumentação original da obra. Esta situação deve-se ao facto de a música religiosa ter na época um forte cunho funcional, adaptando-se às necessidades práticas e/ou funcionais requeridas, e, como tal, a mesma obra musical podia ser escrita para diversas instrumentações, originando assim diferentes versões da mesma obra.

Nesta tabela apresenta-se uma descrição bastante redutora de cada UMP com o propósito de dar uma visão geral sobre a instrumentação. Na dissertação de mestrado de Ana Caeiro, disponível em linha no repositório digital da Universidade Nova de Lisboa, pode ser consultada a proposta de descrição de documentos musicais a partir de uma conjugação da norma RISM, Répertoire International des Sources Musicales, com a norma ISAD(G), General International Standard Archival Description General.

83 Consultar, por exemplo, o Livro de receita e despesa da Fábrica PT/ASP/CSP/FSP/E/C/001/Lv051-1847-1867, f.30v, 35 e 37v.

84 Transcrição da inscrição epigráfica para escrita moderna.

85 PT/ASP/CSP/FSP/D/004/Mç001.

Auteurs

Universidade de Évora (CIDEHUS

© Publicações do Cidehus, 2019

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search