Version classiqueVersion mobile

Paisagens sonoras urbanas: História, Memória e Património

 | 
Vanda de Sá
, 
Antónia Fialho Conde

Manifestações musicais em espaço urbano (séculos XVI-XX)

Os lugares e a música

Braga, uma cidade de província na segunda metade do século XIX e princípios do século XX

Elisa Lessa

Résumé

Braga detinha na segunda metade do século XIX e princípios do século XX uma intensa actividade musical protagonizada em diferentes espaços: uma prática musical sacra, a partir da Capela da Sé, mas também na maior parte de muitas das Igrejas e instituições religiosas da cidade; os espectáculos nos teatros públicos; os concertos nos coretos dos jardins da cidade onde actuavam as bandas de música, também ligadas às festas e celebrações religiosas e cívicas que integravam manifestações artístico-musicais colectivas associadas a actividades militares, políticas e religiosas; os saraus de arte organizados pelas associações culturais e clubes musicais e os grupos de música que regularmente se apresentavam nos cafés da cidade e as instituições de ensino que com regularidade promoviam concertos. Na impossibilidade de elencar e caracterizar toda a música que então se ouvia, desenham-se traços da paisagem sonora bracarense nos séculos XIX e princípios do século XX, em torno de diferentes contextos e repertórios.

Entrées d'index

Texte intégral

Introdução

1A paisagem sonora de uma cidade é composta por um conjunto diversificado de fontes sonoras. Feita pelo homem, a paisagem sonora é manifestação acústica de um lugar, em que os sons são reflexo do “sentido desse lugar” dado pelos seus habitantes. Os significados de um lugar e os seus sons são criados justamente graças a essa interacção entre a paisagem sonora e as pessoas (WESTERKAMP, 1991). A paisagem sonora é reveladora da identidade e cultura de um espaço territorial que assume conforme a época do ano e até em diferentes momentos ao longo do dia múltiplas configurações.

2A vida musical na maior parte das cidades de província na segunda metade do século XIX e princípios do século XX caracterizava-se em torno de espaços públicos e privados, de espaços sagrados e laicos. Nos teatros públicos, nas salas de concertos, nas casas particulares, nas praças e jardins e nas catedrais, mosteiros e igrejas, as populações tinham acesso à cultura musical. A música popular e a música erudita integravam de algum modo a vida quotidiana das cidades de província, havendo todavia diferenças de cidade para cidade relativamente à periodicidade e tipo de espectáculos realizados. De um modo geral, as manifestações musicais realizavam-se essencialmente em torno das bandas filarmónicas e dos movimentos orfeónicos, com a prática do canto coral que as cidades de província viram nascer no início do século XIX. Os movimentos orfeónicos com seus coros amadores apresentavam-se em público com regularidade, seguindo um modelo inspirador importado da Europa. A prática musical amadora era uma presença forte nas cidades de província, que contavam com mecenas que nas suas casas ou em espaços públicos criavam as condições de realização de concertos ou outras manifestações musicais. Presença marcante da vida musical das cidades eram também as celebrações litúrgicas no âmbito da música sacra, as festas populares, com ligações entre o sagrado e o profano. Nas cidades de maior dimensão, os concertos de música erudita sinfónica e de câmara e os espectáculos de ópera realizavam-se de forma esporádica.

  • 1 Não se inclui neste estudo a prática musical nos conventos da cidade pelo facto desta temática ter (...)

3No caso de Braga, a cartografia dos eventos sonoros históricos nesta época está ainda por realizar pelo que este estudo é unicamente um esboço de um itinerário temático com alguns exemplos de cenários musicais históricos de diferentes paisagens e espaços 1.

A vida musical na cidade dos arcebispos

4Alberto Feio na sua crónica do Diário do Minho, intitulada Coisas memoráveis de Braga, escreveu:

  • 2 Carneiro,1959,16-17.

Nos fins do século XIX, Braga, cultivava apaixonadamente a arte musical. Havia três boas filarmónicas, a dos Paivas, a dos Esmerizes e a dos meninos Órfãos, afora a banda regimental de infantaria 8. A capela da Sé, com seus instrumentistas e cantores, a dos Paivas e dos Esmerizes, que disputavam as festas religiosas, sobretudo, os lausperenes quaresmais2

5Embora Alberto Feio se refira à prática musical nos finais do século XIX certo é que a cidade de Braga deteve ao longo de novecentos uma intensa atividade musical protagonizada em diferentes espaços: Uma prática musical sacra a partir da Capela da Sé e nas Igrejas e instituições religiosas da cidade, incluindo o santuário do Bom Jesus do Monte; a música no Teatro S. Geraldo; a música no Jardim Público e nas festas da cidade; a actividade regular de inúmeras associações culturais e clubes musicais; os espectáculos musicais nos cafés e nos hotéis e casino do Bom Jesus do Monte e os estabelecimentos de ensino que participavam activamente na vida cultural da cidade com inúmeros espectáculos musicais. À volta da cidade, nas freguesias rurais do concelho, a paisagem sonora musical era marcada pelas festividades religiosas dos seus Santos Padroeiros, de um número impressionante de celebrações organizadas pelas muitas Confrarias e pela música popular que fazia parte do quotidiano de trabalho e dos momentos de lazer das populações. Num ambiente fortemente moldado pelo catolicismo dando expressão musical às vivências religiosas da população, com práticas socioculturais herdeiras de um processo de crescimento vindo do século anterior, caracterizado por um modelo de encenação litúrgica de grande espectacularidade (NERY, 2005,18), a música secular, nas suas diversas manifestações ocupava também um lugar de destaque na urbe bracarense.

Práticas musicais no espaço do sagrado

6Nas cidades de província, as catedrais constituíam uma referência para as populações, assistindo às cerimónias religiosas, de forte componente musical, com eloquentes Te Deum, assumindo a música um papel preponderante. Braga, denominada ‘Cidade dos Arcebispos’ pelo facto dos detentores deste título eclesiástico terem sido senhores da cidade durante quase sete séculos e também conhecida como a Roma Portuguesa detinha uma paisagem sonora particularmente marcada pelo seu quotidiano de cariz religioso. A Capela da Sé bracarense era constituída por cerca de 30 músicos entre cantores e instrumentistas. Mais tarde tornou – se conhecida por Capela dos Esmerizes, uma família de várias gerações de Músicos desde o início do século XIX aos primórdios do século XX. Esta capela de músicos chamava a si os melhores cantores e instrumentistas da cidade, reforçando-a com outros músicos convidados nas festividades mais imponentes da Sé e das principais Igrejas da cidade (CARNEIRO, 1959,127 – 142).

7A imprensa bracarense à época noticiava as cerimónias litúrgicas que se realizavam ao longo de todo o ano e em frequência elevada, constituindo uma fonte preciosa de informação, especialmente quando incluía na notícia o repertório executado. Os serviços religiosos realizados nas principais Igrejas de Braga e no Santuário do Bom Jesus eram particularmente ricos no que à música dizia respeito, com particular destaque para a celebração das Vésperas e das festas de devoção dos padroeiros das Confrarias. Os músicos eram contratados para cantar e tocar nas funções religiosas interpretando um repertório musical constituído por Missas a 4 vozes e instrumental, Vésperas solenemente cantadas, Ladainhas, Novenas e ainda os Ofícios da Semana Santa. O efectivo vocal e instrumental era geralmente constituído por 4 a 5 cantores, instrumentistas de corda (violinos, violetas, violoncelos e rabecões e instrumentistas de sopro (trompas, oboé, fagotes). A este efectivo instrumental juntava-se o órgão, cabendo ao organista a realização do baixo contínuo. As celebrações das festas religiosas contavam ainda nos adros das Igrejas, nos coretos e procissões com a intervenção das principais bandas da cidade, nomeadamente a Banda dos Artistas, a Philarmonica Bracarense, a Banda dos órfãos de S. Caetano, A Banda da Oficina de S. José e a Banda do Regimento de Infantaria 8 ou das próprias freguesias como a Banda de Cabreiros, fundada em 1843.

8A 8 de Dezembro de 1877 realizou-se na Capela do Paço uma festividade dedicada à Imaculada Conceição. Passados alguns dias O Commercio do Minho publicou a seguinte notícia:

  • 3 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho, 11 de Dezembro de 1877. Cristina Fernandes (2014 (...)

Musica de Leal Moreira, música majestosa, propriamente Sacra sem nada de teatral (…) a musica era da capela da Sé conjuntamente com os Seminaristas com acompanhamento de órgão e baixos e composição de Leal Moreira (…)3

9Em 1883, a Festa das Dores na Igreja dos Congregados, foi amplamente noticiada nos jornais bracarenses:

  • 4 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho, 15 de Março de 1883.

Festa das Dores – Hoje à tarde cantar-se ão as Vésperas do maestro Jordani. Cantarão solos os snr. Padre João de Deus, António Cardoso e a exma snra D. Adelaide Ramos. Amanhã cantar-se á grande missa de Sá Noronha; aos distintos cantores que mencionamos acresce o snr. Arroio, barítono excelente. De tarde cantar-se á o Stabat Mater de Rossini. A grande orquestra executará hoje à tarde a amanhã várias e brilhantíssimas sinfonias…4

  • 5 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho de 2 de abril de 1903 e 4 de abril de 1903.

10A 20 e 21 de Março de 1902, na mesma festividade, um coro e orquestra dirigidos pelo maestro e compositor Sousa Moraes interpretou na celebração das Vésperas «música coral e instrumental de Lauro Rossi e Giovanni Quiricci e no concerto que se seguiu após o sermão proferido pelo Rev. Conselheiro Moreira Freire, o Stabat Mater de Rossini e outras obras de Sousa Moraes.»5 A orquestra, composta por músicos profissionais e amadores, era constituída por 50 elementos e o coro apresentava 30 vozes. A 14 de Janeiro desse ano o Comércio do Minho anunciou o início dos ensaios. A 2 e 3 de Abril de 1903 Sousa Morais voltou a ser responsável pela Música na Festa de Nossa Senhora das Dores. O quadro seguinte apresenta alguns exemplos do repertório que então se ouvia nas igrejas bracarenses.

Catedral / Igreja – Fonte

Celebração – Data

Repertório - intérpretes

Igreja da Torre

O Bracarense,18 de Junho 1857

Imaculada Virgem Santíssima, Senhora da Torre – 1857

Brilhantes vésperas de João Jordani

Magnifíco Te Deum do Sr. Santos Pinto

Capela do Sr. Luís Baptista

Sé Catedral.

Correio do Minho, 3 de Março de 1903

Aniversário da Coroação do Papa Leão XIII – 1903

Te Deum de Marcos Portugal

Tantum Ergo de Freitas Gazul

Phylarmonica Bracarense

Capela dos Esmerizes

Coro dos alunos do curso de Teologia

Igreja da Senhora à Branca

Correio do Minho, 3 de Março de 1903

Missa Nova - 1912

Antes da Exposição do Santíssimo

Ouverture da ópera Jone de Petrella

Depois da Exposição do Santíssimo

Salutaris Hostia de Mozart

Kiries e Gloria de Rossini

Ao Sermão

Salve Regina de Bartolini

Santus e Agnis Dei de Mazziotti

Final

Te Deum de Carlos Araújo

Tantum Ergo de Arroyo

Grande Symphonia da opera Campassoni do Maestro Mazza

Igreja do Pópulo

Echos do Minho, 19 de Dezembro de 1912

Festa da Immaculada Conceição

Magnificat alternado pelo clero e coro

Te Deum de Santos Pinto

Canto de Parce Domine pela congregação (em português)

Orchestra Esmeriz

11A notícia do jornal Echos do Minho sobre as celebrações na Igreja do Pópulo contra os protestantes referiu-se às obras interpretadas pela orquestra dos Esmerizes:

  • 6 Biblioteca Pública de Braga, Echos do Minho, 19 de Dezembro de 1912.

A orchestra Esmeriz apresentou composições musicais que se não eram em tudo conforme as prescrições do Motu próprio de SS Pio X acerca da Musica Sacra – approximavam-se e não desdiziam do logar a que se destinavam (…)6

12A cidade era conhecida pelas suas igrejas e torres sineiras que constituíam traços identitários de uma paisagem sonora marcada pelo pulsar dos sinos. Num tempo em que o relógio era ainda um luxo, a vida das populações era pautada pelos seus toques que obedeciam a um regulamento próprio assinado em 1888 pelo governador Civil Visconde de Pindela. Com o advento da República a paisagem sonora das vozes de bronze alterou-se significativamente, sendo apenas autorizados em 1911 toques de 3 minutos a partir das 5 da madrugada e de hora em hora.

dias foi multado o sineiro de Santa Cruz e repreendido o sineiro da Sé. O motivo foi o julgar da autoridade que os ditos sineiros excederam no toque dos sinos, o respectivo edital regulamentar. (Bibioteca Pública de Braga, Echos do Minho, 12 de Agosto de 1912)

Greve dos sineiros

  • 7 Biblioteca Pública de Braga, Notícias do Norte, 31 de Agosto de 1913.

(…) Muita gente tem deixado de almoçar e jantar por lhe faltarem os repiques costumados. Anda tudo triste e taciturno (…) os badalos estão a enferrujar-se (…) será de enviar carta para Lisboa pedindo-se providências urgentes.7

13A secular procissão Ecce Homo com o andor do Senhor no passo da flagelação e o precioso relicário de Santo Lenho foram (e continuam a ser) momentos marcantes nas celebrações da Semana Santa na cidade. A imprensa local não deixava de mencionar a presença da música que, de forma peculiar, através da matraca ou ruge-ruge, da trombeta e da banda filarmónica com suas marchas graves, ecoavam no silêncio da noite. Em 1859, a banda do Regimento de Infantaria 8, regida por José Maria Pernau integrou a procissão. Os Misereres que então se ouviram foram da responsabilidade da Capela dos Esmerizes. A tradição de se cantar o Salmo Miserere consta no capítulo XXIII do Compromisso da Santa Casa da Misericórdia de Braga, datado de 1628, instituição responsável pela realização da procissão de quinta feira santa.

  • 8 Arquivo Distrital de Braga, Fundo da Misericórdia, nº2, f.28v. Veja-se para este assunto Lessa, 201 (...)

14Acompanharão por huma parte e outra o Ecce Homo, e crucifixo doze tochas, que irão nas mãos de doze irmãos seis nobres e seis officiaes, cercando a todos sacerdotes e mais Padres, cantando a coros em canto de órgão o psalmo de Miserere mei Deus, a que responderão outros sacerdotes que também irão divididos em coros entre a irmandade.8

15Em 1907, Antero de Figueiredo, descreveu a Procissão Ecce homo, referindo-se ao estranho vozear da multidão que precedia a procissão em que se pronunciavam em voz alta os crimes cometidos, uma espécie de carta anónima em pregão. Passada a algazarra, a solene e silenciosa procissão percorria as ruas da cidade, com as luzes interiores da casa apagadas, e onde apenas se ouviam os sons das matracas chamando à penitência e os tambores que marcavam a cadência no andar dos soldados (FIGUEIRED0, 1907). A implantação das ordens religiosas no espaço urbano constitui também uma importante referência para a história das cidades. Os seus edifícios, constituídos pela igreja, edifício conventual e cerca, originaram focos de desenvolvimento do espaço urbano e proporcionaram no passado às populações vivências culturais e religiosas de forte componente musical. Os espaços conventuais foram, na época em questão, espaços de cultura e de ensino e prática musical. Segundo Gaspar (2002, 90) «a edificação de um Convento, quer no interior do tecido urbano consolidado, quer na periferia, representava sempre um elemento de qualificação do espaço em que se inseria.» Os processos de renovação urbana e o desenvolvimento de novos bairros junto dos mosteiros permitiram que as populações se aproximassem das casas conventuais assistindo às manifestações litúrgico-musicais então realizadas.

16A hegemonia do melodrama sobre a vida musical era evidente em Braga. Da prática musical existente pode dizer-se que coexistia o estilo antigo puro de cantochão na liturgia formal, o estilo antigo com acompanhamento do órgão designado de cantochão figurado e o stile concertato, constituído por obras policorais com acompanhamento de órgão e outros instrumentos, da autoria de compositores portugueses influenciados pelos compositores italianos, dos próprios compositores italianos activos ou conhecidos em Portugal e dos músicos cidade.

A música nas freguesias rurais e as celebrações festivas das Confrarias religiosas

  • 9 Termo da mesa de 6 de Dezembro de 1776. Oliveira,2010, Nogueiró. 135- 149 e 246.
  • 10 Arquivo da Confraria de Nossa Senhora da Consolação. Diário – Receita e Despesa da Irmandade de Nos (...)

17A festa religiosa alcançava uma dimensão sacro-profana de interacção social extraordinária desde o cerimonial litúrgico provido de interpretações virtuosísticas de cantores, organistas e outros instrumentistas. A Igreja e toda a freguesia profusamente iluminada e enfeitada constituía atmosfera exuberante. Através da música vivia-se a religiosidade em que os fiéis partilhavam experiências afectivas e de forte impacto sensorial. Os serviços religiosos realizados nas Igrejas de cada freguesia eram musicalmente ricos com particular destaque para a celebração Natal, (Autos de Natal) Páscoa, (Vias Sacras) e festas de devoção dos padroeiros. Os músicos eram contratados para cantar e tocar nas funções religiosas. A Confraria de Nossa Senhora da Consolação da Freguesia de Nogueiró foi fundada em 1617. A sua Capela fica situada no Monte da Consolação. O templo, construído depois século XVII, em substituição de um outro que existiu no mesmo local, tem um retábulo no altar-mor em estilo ainda de gosto rococó, datado de 1776 e «(…) tudo na forma de risco por Carlos Jose Ferreira da Cruz Amarante9. O sino do campanário foi fundido em 1802 na firma bracarense de João Ferreira Lima situada na freguesia de S. Lázaro, conforme se lê na inscrição: «1802/Joannes Ferreira Lima/me fecit Bracara João Ferreira Lima me fez em Braga». O toque manual, cada vez mais raro nas torres sineiras das Igrejas do concelho de Braga, mantém-se, podendo ouvir-se o seu toque na Festa da Padroeira, que continua a realizar-se na actualidade. No passado, o sino então denominado «Vaca da Consolação» convidava o povo de Braga para lutar em defesa das tropas Miguelistas, que ali estiveram em 1846. Em 1948, o Sineiro Vilaça recebeu dez escudos por tocar na Festa de Nossa Senhora da Consolação10.

18No arquivo desta confraria conserva-se uma cópia manuscrita do Hino Marcha de Nossa Senhora da Consolação para Banda, composto em 1926 pelo Capitão Joaquim António de Morais, chefe da Banda do Regimento de Infantaria nº 8 entre os anos de 1912 a 1920. Este músico exerceu uma notável actividade em Braga dirigindo esta prestigiada banda nos famosos concertos de domingo no antigo jardim público da cidade. Joaquim António de Morais foi também professor de piano e professor de música e instrumentos no Colégio dos órfãos de S. Caetano (CARNEIRO, 1959, 185-187). Certamente este Hino Marcha foi muitas vezes tocado no coreto pelas bandas que animavam a festa ou, como era uso no couce da procissão.

Figura 1 - Arquivo da Confraria de Nossa Senhora da Consolação. Nogueiró, Braga.

Figura 1 - Arquivo da Confraria de Nossa Senhora da Consolação. Nogueiró, Braga.

A Música nos Teatros da cidade

19A música em Lisboa e nas principais cidades portuguesas caracterizou-se desde o reinado de D. João V e perdurando quase dois séculos pelo predomínio da tradição vocal italiana quer no campo da música religiosa quer operática (Cymbron, 2012, 1). O gosto e a moda da ópera na corte lisboeta rapidamente passou para a cidade do Porto. Tratando-se de um espectáculo grandioso, atraía o público, que já se habituara ao esplendor das festas religiosas. Nos finais do século XIX, princípios do século XX, com excepção das cidades de Bragança e Castelo Branco as capitais de distrito tinham construído os seus teatros públicos, a maioria segundo o modelo italiano, tal como o Teatro S. Carlos em Lisboa, ainda que com dimensões mais pequenas e naturalmente mais modestos. A programação musical dos teatros públicos era polissémica e irregular, sendo muito apreciadas as operetas e zarzuelas trazidas de Espanha.

20O Teatro S. Geraldo abriu as suas portas em 1860 e encerrou em 1929 e possuía uma orquestra permanente dirigida ao longo de mais de vinte anos por Manuel João de Paiva e depois por Luís Esmeriz.

Figura 2 - Teatro S. Geraldo de Braga.

Figura 2 - Teatro S. Geraldo de Braga.

Figura 3 - O Commercio do Minho, 4 de Novembro de 1902

Figura 3 - O Commercio do Minho, 4 de Novembro de 1902

Biblioteca Pública de Braga

21As operetas e zarzuelas constituíam repertório muitíssimo apreciado, mas às vezes criticado pelas temáticas demasiado ousadas para uma cidade tão religiosa como Braga.

  • 11 Opereta «A Casta Susana» de George Okoukowsky e música de Jean Gilbert.
  • 12 Biblioteca Pública de Braga, Echos do Minho, 14 de Dezembro de 1913.

A musica nas 3 récitas foi lindamente bem executada. Casta Suzana11 só tem a recomenda-la a beleza e sentimento da muzica e o desempemho hábil dos interpretes. Sobre o todo moral da peça temos conversado. Deixa bem a desejar e até se pode dizer que é inconvenientíssimo (…)12

22Os espectáculos de ópera sucediam-se no regime de compra de assinatura, assegurando a viabilidade das récitas. No início do século a Companhia Lyrica do Real Theatro de S. João apresentou-se várias vezes neste teatro, que acolhia também inúmeros espectáculos de beneficiência organizados pelas instituições de caridade da sociedade bracarense.

  • 13 O musicógrafo bracarense Álvaro Carneiro (1909-1986) no seu livro Música em Braga elencou os espetá (...)
  • 14 A rainha do animatógrafo: opereta em 3 atos. Adaptação de Henriques da Silva; música de J. Gilbert. (...)
  • 15 Palmira Bastos apresenta-se pela primeira vez no Teatro Petrópolis no Rio de Janeiro a 23 de Abril (...)
  • 16 O burro do Sr. Alcaide é uma opereta em 3 atos da autoria de D. João da Câmara (1852-1908) e Gervás (...)
  • 17 Nasceu em Braga. Foi organista, professor de música e compositor de música sacra. Na juventude era (...)

23A inauguração do Theatro Circo ocorreu a 21 de Abril de 1915 com cinco espetáculos de opereta13. La reginetta delle rose (Rainha das Rosas) do compositor italiano Ruggero Leoncavallo (1857-1919), regida pelo Maestro Assis Pacheco foi a primeira obra a ser levada à cena pela Companhia de Teatro Eden de Lisboa dirigida por Luís Galhardo e da qual fazia parte a actriz Palmira Bastos. Nos dias seguintes à estreia foram representadas também com grande êxito Zigeunerliebe (Amor de Zíngaro) de Franz Lehár (1870-1948) Raínha do animatografo de Jean Gilbert (1879-1942)14, Maridos Alegres (Das Luxusweibchen) do compositor alemão Max Gabriel (1861-1942) 15e a opereta portuguesa O Burro do Sr. Alcaide do músico e empresário Ciríaco Cardoso (1846-1900)16 . As representações de operetas ou de farsas musicais, bem próximas do teatro musicado com diálogos falados e trechos cantados, e também as zarzuelas, composições dramáticas e musicais típicas do teatro espanhol, tinham alcançado um público fiel desde os finais do século XIX. Nos seus primeiros anos, o Theatro Circo apresenta em Braga as principais Companhias de Lisboa e do Porto de teatro musicado como aconteceu em 1917 com a Companhia Ruas do Teatro Apolo, a Companhia Taveira do Teatro Trindade, (1916 e 1918), a Companhia Portuguesa de Operetas do Teatro Avenida (1917 e 1918) e a Companhia de Opereta do Teatro Carlos Alberto (1928). Os espetáculos, amplamente divulgados, tinham à partida sucesso garantido com a presença de muito público. Em 1930, o Theatro Circo acolheu um espectáculo da Grande Companhia de Zarzuela e Opereta Rafaela Haro y Enrique Povedano. O Teatro ao longo da sua história foi acolhendo espectáculos produzidos pelos artistas e instituições bracarenses apresentando várias operetas. Em Dezembro de 1926 e Janeiro de 1927 a Sociedade Bracarense de Opereta apresentou a opereta sacra O Berço do Salvador (também intitulada O nascimento de Cristo). Esta obra, cuja música original é de António Martinho Fernandes Gomes dos Campos [1839-1888]17 foi representada em Braga durante vários anos no Natal e Ano Novo sempre com diferentes designações (CARNERO, 1959, 121). A 27 de Junho de 1915 o cinematógrafo do Theatro é inaugurado com a projeção do filme Aventuras de Catalina. No ano seguinte O Commercio do Minho noticiava mais uma sessão cinematográfica.

  • 18 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho de 19 de fevereiro de 1916.

N’este elegante theatro efectua-se amanhã o espectáculo cinematographico do costume, tomando parte no mesmo os dintinctos artistas musicais, Xisto Lopes, pianista e Perez, violoncelista, que executarão admiráveis trechos de música clássica. 18

Figura 4 - Manifestação de apoio à participação de Portugal na Primeira Guerra Mundial, junto à fachada do Theatro Circo, em 2 de Abril de 1916, onde vê um cartaz anunciando a realização da ópera D. Mécia de Óscar da Silva

Figura 4 - Manifestação de apoio à participação de Portugal na Primeira Guerra Mundial, junto à fachada do Theatro Circo, em 2 de Abril de 1916, onde vê um cartaz anunciando a realização da ópera D. Mécia de Óscar da Silva
  • 19 Pianista, diretor de orquestra e professor do Conservatório de Música do Porto. Fundou a Orquestra (...)

24Em 1916, o pianista de craveira internacional Raimundo de Macedo (1880-1931)19 dirige a novela lírica em dois actos, Dona Mécia composta em 1901 por Óscar da Silva (1870 - 1958) , baseada num argumento de Júlio Dantas.

  • 20 Apesar do sucesso obtido a Orquestra Sinfónica Bracarense não contou com os apoios necessários à su (...)
  • 21 A cantora de carreira internacional Cacilda Ortigão e o pianista Raimundo de Macedo também particip (...)

25Raimundo de Macedo havia fixado residência em Braga em 1924. Nos anos em que permaneceu nesta cidade, exerceu intensa atividade artística colaborando sempre com o Theatro Circo. Em 1926, fundou e dirigiu a Grande Orquestra Sinfónica Bracarense, constituída por oitenta músicos. O concerto realizado a 18 de fevereiro desse ano obteve enorme êxito ouvindo-se no início a Abertura da ópera Der Freichutz de Weber e terminando com a Marcha e Coro da Ópera Tannhauser de R. Wagner com a participação do Orfeão de Braga.20 No piano Bechstein, enviado de Lisboa em 1927 pela casa J. Heliodoro d’Oliveira para ser usado no Sarau d’Arte do Orfeão de Braga21, tocaram pianistas extraordinários como Vianna da Mota, que a 6 de Abril de 1930 realizou um concerto de música de câmara com Paulo Manso (violino) e Fernando Costa (violoncelo).

A Música no Jardim Público e nas festas da cidade

  • 22 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho, 14 de Novembro de 1908.

26No dia 11 de Novembro de 1908 por ocasião da visita à cidade do Rei D. Manuel II foi erguido um anfiteatro em frente ao extinto Banco do Minho (hoje CGD) onde se realizou um concerto por uma banda de música e um orfeão composto por alunos dos seminários e colégios de Braga com cerca de 600 vozes dirigidos por Sousa de Moraes22.

Figura 5 - Postal de Braga do princípio do século XIX.

Figura 5 - Postal de Braga do princípio do século XIX.

27As bandas filarmónicas da cidade apresentavam-se todas as quintas e domingos no coreto da Avenida. Segundo Álvaro Carneiro (1959, p.163) o público entusiasta ouvia cheio de interesse as obras executadas. Os órfãos do Colégio de S. Caetano tinham por hábito alugar as cadeiras para as senhoras se sentarem durante a actuação das bandas. A Banda da Infantaria 8 participava regularmente nestes concertos que no fim das suas actuações interpretava sempre a Portugueza (1890) de Alfredo Keil. O repertório que então se ouvia era constituído por obras originais para banda e arranjos e transcrições de aberturas de óperas, sinfonias, concertos etc. As zarzuelas eram também muito apreciadas.

  • 23 Biblioteca Pública de Braga, Echos do Minho, 12 de Janeiro de 1913.

28A 12 de Janeiro de 1913 ouviu-se na primeira parte «P. Dobrado de J. A. Moraes, Guarany –Ouverture opera de Carlos Gomes, Foujoures Fidele – Suite de Valsas de Wald Tenfel, Tanhauser – Wagner e na segunda La viejecita – Zarzuela de Caballero, As Bailarinas Polka de saxofones de Sousa Moraes , Alma de Mefistofeles P. Cala J. A. Moraes, Hino Nacional.»23

Figura 6 - Echos do Minho, 5 de Julho de 1914

Figura 6 - Echos do Minho, 5 de Julho de 1914

Biblioteca Pública de Braga,

Os concertos de música na Avenida nas Festas de S. João

  • 24 Matos, 2009, 67.

29A 24 de Junho de 1899, dia da Festa de S. João, Sousa Moraes [1863-1919] apresentou a sua obra Quadros Bíblicos no Jardim Público dirigindo a banda do Regimento de Infantaria 6 do Porto e um coro formado por vinte meninas. A obra com texto de Manuel Inácio da Silva Braga voltou a ser ouvida nas Festas de S. João de 1901 e 1906. João Carlos de Sousa Morais (Valença do Minho, 1863- Porto, 1919), regente de banda e compositor, escreveu várias obras profanas e religiosas, destacando-se o poema Sinfónico Viagem do Gama que ele considerava a sua melhor obra. Dirigiu a Tuna do Seminário Conciliar de Braga, as Bandas do Regimento de Infantaria nº 6 do Porto, Banda da Póvoa do Lanhoso, Banda de S. João da Madeira e Orquestra do Círculo Eborense. As suas obras, espalhadas pelos espólios das bandas que regeu, demonstram grande mestria e criatividade, constituindo património musical português de relevo. Quadros Bíblicos e Homenagem a Braga, entre outras obras dedicadas ao Minho e Alto Minho, foram sempre ouvidas com entusiasmo e apreço pelo público bracarense (CARNEIRO, 1959, 300-309). A ausência de meios nas bandas era por vezes compensada com a enorme criatividade e espírito de entrega dos seus maestros, sendo disso exemplo algumas obras de Sousa Morais que demonstram mestria na composição de obras para banda sinfónica desta época24.

Os Quadros Bíblicos

  • 25 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho de 12 de Junho de 1906.

A graça cativante das virgens figurantes, a riqueza e colorido dos trajes, a movimentação cénica por entre jorros de luz eléctrica, a harmonia dos coros sacros com música do reputado maestro Sousa Morais, enlevarão como sempre, os milhares de espectadores dos interessantes e formosos quadros bíblicos.25

  • 26 Desconhece-se actualmente o paradeiro da partitura desta obra.

30A Comissão das Festas de S. João, corria o ano de 1927, convidou o violinista David Dias de Paiva [1883- depois de 1959] para dirigir a obra Quadros Bíblicos de João de Sousa Moraes. Procurando a partitura apenas encontrou a primeira e segunda parte nos arquivos da Filarmónica Bracarense e da Banda dos Bombeiros Voluntários de Braga. David Paiva pediu então a uma senhora que conhecia a obra para cantar a terceira e última parte, reconstituindo a partitura. O concerto realizou-se na Avenida Central na noite de 24 de junho desse ano, sendo a obra interpretada pela Banda de Monsul da Póvoa de Lanhoso e um coro de 40 vozes femininas (CARNEIRO, 1959, 263)26 . Joaquim José de Paiva [1832-1901] foi regente da Filarmónica Bracarense mais tarde conhecida como «Bandas dos Paivas» durante mais de 30 anos. Segundo Álvaro Carneiro (1959, pp. 216-219) havia um grande despique entre esta banda e a banda da Infantaria 8. A sua viúva fez publicar um anúncio no jornal em 1902, para venda do espólio musical deixado por este compositor, constituído por cerca de 400 obras.

Arquivo de Músicas

Joaquim José de Paiva (1832-1901)

Sinfonias e aberturas (30)

Fantasias, Cavatinas, árias e duetos de óperas (80)

Pot-pourris e rapsódias (50)

Variações para diversos instrumentos (20)

Marchas, hinos e ordinários diversos (70)

Valsas de muitos autores (60)

Mazurkas, polkas, scots, boleros, habaneras (100)

Música de capela como Missas, symphonias, vésperas,um grande número de coros para Procissões, Te Deums e algumas musicas de dança.

Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho, 25 de Novembro de 1902

As associações culturais e prática musical amadora

31O Clube Musical, que se havia unido ao Clube Musical Bracarense fundado em 1888, organizava com regularidade recitais de música de câmara; os seus saraus de arte contavam com músicos de relevo do Porto como Bernardo Moreira de Sá, Leonilda Moreira de Sá e Luís Costa. Estas iniciativas incluíam, além da música, conferências proferidas por intelectuais como os Doutores Martins d’Almeida e Gonçalo Sampaio.

32Noutras associações como o Salão Recreativo Bracarense, fundado em 1924, assistia-se a espetáculos de teatro musicado; as associações de música coral como o Orfeão de Braga fundado em 1923, o Orfeão do Clube Musical, o Orfeão do Seminário ou o Orfeão da Escola do Magistério Primário ou ainda a Tuna do Orfeão de Braga ou a Tuna da Juventude Católica desenvolveram intensa actividade musical na cidade.

  • 27 “A Educação Musical em Braga“ artigo publicado no Correio do Minho de 20 de Julho de 1929 escrito p (...)

33Fundido o Clube Musical com o Clube Bracarense, Lopes Gonçalves auxiliado por vários rapazes da élite bracarense faz ressurgir o antigo orfeão e sob a sua regência se apresentou várias vezes em público, ficando célebre a audição na festa das Dores dos Congregados do Stabat Mater de Rossini, [em 1903] integralmente executado e cantado por amadores. Ao lado do grupo orfeónico e com a mesma regência se mantinha um belo grupo de câmara de que faziam parte o hábil cirurgião e violinista Henrique Teles, António da Costa, Dr. Leal e os nossos velhos amigos e distintos amadores, coronel Sebastião Mesquita Acácio Guimarães e Dr. Arnaldo Machado….27

Os espectáculos musicais nos cafés e nos hotéis e casino do Bom Jesus do Monte

  • 28 Biblioteca Pública de Braga, Diário do Minho de 19 de Abril de 1930.

34O Café Vianna, inaugurado em 1871 e localizado no edifício da Arcada, bem no centro da cidade, é um dos mais antigos cafés de Braga. Vários jornalistas, políticos e escritores portugueses como Eça de Queirós e Camilo Castelo Branco por ali passaram. No café Viana actuavam regularmente grupos musicais da cidade como o Quinteto Torta, cujo nome pertencia ao seu fundador, um contrabaixista italiano que trabalhou em Braga entre os anos de 1916 a 1921. Deste grupo faziam parte Paulette Garot (violinista francesa) Teresa Torta (2º violinista) e Adelina Torta (Violoncelista). No dia 15 de Julho de 1928 foi inaugurado outro dos mais notáveis cafés de Braga: o Café e Restaurante Astória. Situado ao lado do Café Vianna, no edifício da Arcada, este café encantou os bracarenses pela qualidade e beleza das suas instalações. Para o jornal Diário do Minho de 15 de Julho de 1928, o Astória apresentava-se como um estabelecimento chic. Nos principais cafés da cidade e clubes já mencionados, os seus frequentadores usufruíam de momentos musicais protagonizados por um vasto número de músicos naturais ou residentes em Braga, em que as senhoras instrumentistas tinham um papel de relevo. Bem conhecida pelas suas actuações era a orquestra dirigida por D. Olimpia Baptista que se fazia ouvir também no Palace Clube e o conjunto musical Torta. Em 1930 todavia, o proprietário do Astória não permitiu que se realizasse a festa de despedida do Trio Sinfónico Russo por ser quinta-feira santa.28

  • 29 Sobre a prática musical no Bom Jesus do Monte em Braga leia-se Lessa, 2018.
  • 30 Designação dada em Portugal no século XIX de um meio de transporte ligeiro de passageiros, precurso (...)

35Nos hotéis do Bom Jesus do Monte os concertos de música de câmara também realizavam-se com alguma frequência. Os livros de despesa conservados na confraria do Bom Jesus do Monte contêm o registo de despesas ao longo dos anos na compra de pianos e realização de concertos na secção Música de Reclame e Propaganda.29 O Commércio do Minho de 16 de Julho de 1886 anunciou a realização de um concerto no Grande Hotel do Bom Jesus por Mademoiselle Gabrielle Neusser, violinista, Mademoiselle Elise Weinlich, violoncelista, e pelo snr. Xisto Lopes, pianista. O programa incluiu a interpretação de obras de Mendelssohn, Goltermann, Rubinstein, Vieuxtemps, Haydn, Popper, Littolff, Raff e Sarasate. O jornal informou os seus leitores que o preço da entrada era de 800 réis, e com americano e elevador, ida e volta, teriam que ser desembolsados mais 1$000 réis e que bilhetes estavam à venda no escritório da companhia dos americanos em Braga30 e no Grande Hotel do Bom Jesus. O público presente neste concerto receberia como brinde álbuns de 5 a 7 músicas para piano.

Os concertos e outros eventos musicais nos estabelecimentos de ensino

  • 31 Segundo Rómulo de Carvalho provavelmente D. João VI, influenciado pelo general Beresford que, em re (...)

36No Colégio do Espírito Santo e noutros colégios da cidade realizavam -se inúmeras récitas musicais pelos alunos e concertos em ocasiões especiais. No Salão do Ensino Mútuo em Braga31 realizaram-se vários concertos. Francisco Sá Noronha (1820-1881), natural de Viana do Castelo apresentou-se em Braga e Guimarães várias vezes, tendo realizado um concerto no dia 16 de fevereiro de 1856. O jornal Farol do Minho referiu-se ao grande sucesso deste concerto dois dias depois.

Figura 7 - Pharol do Minho, 18 de Fevereiro de 1856

Figura 7 - Pharol do Minho, 18 de Fevereiro de 1856

Biblioteca Pública de Braga

37Em Abril do mesmo ano o Salão de Ensino Mútuo acolheu um concerto com cantores vindo do Teatro S. João.

Figura 8 - Pharol do Minho, 10 de Abril de 1856

Figura 8 - Pharol do Minho, 10 de Abril de 1856

Biblioteca Pública de Braga

  • 32 Sampaio, Gonçalo (1940), Cancioneiro Minhoto. Porto: Livraria Educação Nacional.

38A 21 de Abril de 1935 um grupo de senhoras da alta sociedade bracarense resolveu comemorar o 20º aniversário da inauguração do Theatro Circo com uma Récita de Gala. Nesse espectáculo ouviram-se cantares populares sob orientação do Prof. Dr. Gonçalo Sampaio [1865- 1954] que, devido à sua idade avançada, contou com a colaboração do Prof. Mota Leite. O sucesso obtido levou a que este grupo, que viria a dar origem ao Grupo Folclórico Dr. Gonçalo Sampaio, fosse convidado a actuar no Casino do Bom-Jesus, no dia 16 de Maio desse ano, perante um numeroso grupo de intelectuais estrangeiros que participou no II Congresso Ibero – Americano. Dado o sucesso desta iniciativa, o Prof. Dr. Gonçalo Sampaio lançou a ideia que há muito acalentava de formar um grupo folclórico com carácter permanente. A ideia do Prof. Dr. Gonçalo Sampaio só viria a vingar mais tarde. Gonçalo Sampaio realizou uma enorme recolha de danças, cantares, trajos e outros motivos tradicionais de toda a Região do Baixo Minho com interesse para a futura constituição do tão desejado grupo folclórico, que viriam a ser publicados após a sua morte por um grupo de amigos no Cancioneiro Minhoto.32

  • 33 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho, 26 de Fevereiro de 1901.
  • 34 Biblioteca Pública de Braga, Diário do Minho, 19 de Abril de 1930.

39No Seminário Diocesano a Sessão solene organizada pela Associação Católica por ocasião do 23º aniversário da Coroação do Papa Leão XIII em 1901, a Orquestra do seminário executou os hinos dedicados ao Arcebispo, excertos das óperas Dinorah de Meyerbeer, I Lombardi Alla Prima Crociata de Verdi, Cavalaria Rusticana de Mascagni e Canto à Virgem de Joaquim de Almeida.33 A extinção da Capela da Sé em 1911 e o conjunto de medidas derivadas da portaria do arcebispo de 1916 com determinações religiosas sobre a Música Sacra nomeadamente a proibição às mulheres de integrarem o coro da capela, a obrigação do Canto Gregoriano, a formação musical adequada nos seminários e ainda a existência de uma comissão de sacerdotes com funções de controlo da prática musical nas igrejas teve algumas consequências na escolha do repertório. A criação do Grupo Musical Pio X constituído por uma schola cantorum e uma orquestra de 25 músicos, com o objectivo de seguir o programa Motu Proprio Tra le Sollicitudini (1903) deste Papa parece ter contribuído para se passarem a ouvir nas principais igrejas da cidade obras dos compositores da polifonia da Escola Romana do século XVI e dos compositores da época recomendados. Na Páscoa de 1930 o jornalista do Diário do Minho referindo-se ao coro Schola Cantorum do Seminário de Teologia dirigido pelo Padre Manuel de Carvalho Alaio (1888-1937) escreveu: «O Miserere de Amatucci foi inexcedivelmente cantado podendo se dizer, sem favor, que empolgou a assistência pela sua majestade.»34 Obras sacras de Marcos Portugal, Freitas Gazul e Santos Pinto integravam também as celebrações litúrgicas das principais igrejas de Braga.

Notas finais

40Cymbron afirma que Ópera, virtuosismo e música doméstica constituem os traços marcantes da prática musical nas cidades de Lisboa e no Porto (CYMBRON, 2012). Com uma população reduzida na época e uma situação geográfica periférica, a actividade dos dois teatros de ópera italiana na cidade de Lisboa, a capital, e no Porto, a segunda cidade, como então era designada, constituíram as duas principais instituições de actividade referencial no campo operático. No entanto, uma diferença importante as distinguia: S. Carlos, teatro da capital, era para todos os efeitos o teatro real, com apoios garantidos, enquanto o Teatro S. João, identificado como modelo de teatro social, não dispunha de apoios regulares (CYMBRON, 2012). Segundo Rigaud (2011) Lisboa, a capital é o modelo, porém, o Porto assume igual protagonismo ou talvez superior. O mesmo não acontecia com as restantes cidades de província e em particular do interior, em que as actividades musicais eram poucas, intermitentes ou mesmo raríssimas. No caso dos espectáculos de Ópera, com excepção do Porto, tratava-se de um acontecimento que marcava as cidades de província, por se tratar de uma oportunidade raramente possível. Pelo contrário, a música nos serões das casas particulares e o ensino de piano às meninas das famílias com posses, fazia parte do quotidiano das populações da maior parte das cidades de província.

  • 35 Por vezes, o que se ouvia nas igrejas nada tinha que ver com temática religiosa. Dessa realidade no (...)

41As manifestações festivas no domínio religioso eram todavia os momentos altos de fruição cultural e musical. Na verdade, a Música instrumental, ocupava em Portugal um lugar muito significativo no contexto da prática musical litúrgica desde o século XVIII (NERY, 2006). A festa religiosa apresentava uma dimensão próxima do entretenimento e o estilo musical praticado nas nossas igrejas reflectia essa suposta natureza «profana» (NERY, 2014:20). Em Braga, como já se afirmou, o Natal, as celebrações na Semana Santa, as procissões Corpus Christi, as festas populares e romarias próprias de cada cidade de província contavam com a participação dos habitantes locais e visitantes vindos de fora constituindo-se como manifestações de cultura num ambiente de devoção e diversão das populações. A cidade não foi excepção, talvez apenas com a particularidade de ter muitas igrejas e outras instituições religiosas e, por essa razão, um grande número de celebrações festivas. No que concerne os aspectos estilísticos referentes à Música ao longo do século XIX, o repertório que então se ouvia nesta cidade era uma espécie de sinfonia dramática para orquestra e vozes com uma narrativa de temática religiosa.35 Na verdade, os compositores não estabeleciam grandes diferenças entre composições para ópera, igreja ou música dramática. Como afirmou Jorge Matta (2006, p.64) não se vislumbram diferenças substanciais entre as sinfonias destinadas às Missas e ao hino Te Deum e aquelas que eram escritas para as óperas. O século XIX contribuiu de forma marcante para o afastamento de uma música puramente litúrgica produzindo obras de carácter religioso que para alguns eram mais apropriadas para salas de concerto. Se nas Igrejas de Braga a práxis musical era no século XIX e princípios do século XX constituída por uma amplo repertório musical, na sua maioria circunstancial, com uma circulação de partituras que davam resposta à prática musical quotidiana das Irmandades e Confrarias e, se algumas obras eram de qualidade estética de menor valia, havia também outras representativas da melhor produção musical do italianismo em Portugal.

42É difícil imaginar o quotidiano da cidade sem as suas Novenas, Ladainhas, Vésperas, Missas cantadas, Procissões e festas populares em que a Música era componente fundamental. Lugares de memória e expressões de religiosidade, elementos essenciais de identidade individual e colectiva, instrumentos para a compreensão da sociedade, revelam uma paisagem sonora profundamente marcada por inúmeras celebrações religiosas. Pese embora este facto, a cidade de Braga detinha na época em estudo, um expressivo dinamismo cultural, social e económico, que deu lugar a diferentes espaços de lazer, onde a rubrica sonora não se confinava à música sacra.

Fontes Documentais

Biblioteca Pública de Braga - Periódicos consultados: A Illustração Popular, Archivo Pittoresco, Aurora do Minho, Atalaia Catholica, A Sentinela, Echos do Minho, O Bracarense, Commercio do Minho, Correio do Minho, Correspondência do Norte, Diário do Minho, Gazeta de Braga, Noticias do Norte, Pharol do Minho.

Espólio da Confraria de Nossa Senhora da Consolação

Diário – Receita e Despesa da Irmandade de Nossa Senhora da Consolação [1932 – 1948]

Bibliographie

Manuscritos Musicais: Hino marcha de Nossa Senhora da Consolação

CARNEIRO, Álvaro (1959) «A Música em Braga», Separata Theologica. Braga: Oficinas de S. José.

CARVALHO, Rómulo (2001) História do Ensino em Portugal. Desde a Fundação da Nacionalidade até ao fim do Regime de Salazar-Caetano. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, p.527.

CASTELO BRANCO, Camilo (1864) No Bom Jesus do Monte. Porto: Livraria Chardron, 1906.

CYMBRON, Luísa (2012) Olhares sobre a Música em Portugal no século XIX. Ópera, virtuosismo e música doméstica. CESEM. Lisboa: Edições Colibri.

FERNANDES, Cristina (2014) “Sinfonias “Al Divino”: Algumas Reflexões Sobre os Usos da Música Orquestral nos Espaços Eclesiásticos da Monarquia”. In Vanda de Sá e Cristina Fernandes, Coordenação. Música Instrumental no Final do Antigo Regime. Lisboa: Edições Colibri,2014, pp. 231-250.

FIGUEIREDO, António (1907) “A procissão das Endoenças” Illustração Portuguesa II vol.,5 de Março.

LESSA, Elisa (2016) «Memórias Musicais do Theatro Circo», O Theatro e a Memória. Braga: Caleidoscópio, pp. 149-168.

LESSA, Elisa (2018) Louvores ao Divino: “O Património Musical da Santa Casa da Misericórdia de Braga”. Braga: Santa Casa da Misericórdia de Braga, pp. 85-106.

LESSA, Elisa (2018) O Património Musical do Bom Jesus do Monte. Braga: Confraria do Bom Jesus do Monte.

MATTA, Jorge (2006) A Música Orquestral em Portugal no século XVIII. Diss. de Doutoramento. Lisboa: Universidade Nova, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.

MATOS, Vitor (2009) A Sociedade Filarmónica Vimaranense e a Figura de Sousa Morais (1863- 1919). Universidade do Minho. Dissertação de Mestrado.

NERY, Rui Vieira (2005) ”Piedade Barroca e Novas Práticas de Sociabilidade Urbana na Música Sacro Luso-Brasileira do século XVIII” In Cristina Fernandes, Devoção e Teatralidade. Lisboa: Edições Colibri, pp. 11-28.

NERY, Rui Vieira (2006) “Espaço Profano e Espaço Sagrado na Música Luso-Brasileira do Século XVIII”, Revista Música, Universidade de S. Paulo, 11.

NERY, Rui Vieira (2014) “A Música Instrumental no Portugal do Antigo Regime: Práticas de Sociabilidade e Estratégias de Distinção” In Vanda de Sá e Cristina Fernandes (Coord.) (2014) Música Instrumental no Final do Antigo Regime. Lisboa: Edições Colibri, pp. 17-36.

OLIVEIRA, Eduardo Pires de (2010) Nogueiró. Braga: Junta de Freguesia de Nogueiró.

RIBEIRO, Luís Cláudio (2015) As paisagens Sonoras e o seu Mapeamento. Uma Cartografia do Sentido.

RIGAUD, João Heitor (2011) João Arroyo (1861-1930) – O Homem e a Obra. Dimensão cívica e atividade musical. Poro: Universidade do Porto. Dissertação de Doutoramento.

WESTERKAMP, Hildegard, (1991), The Soundscape Newsletter, nº1

Notes

1 Não se inclui neste estudo a prática musical nos conventos da cidade pelo facto desta temática ter sido já abordada pela autora noutros trabalhos.

2 Carneiro,1959,16-17.

3 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho, 11 de Dezembro de 1877. Cristina Fernandes (2014: p.236) chama a atenção para o facto de diversas sinfonias da autoria de compositores portugueses servirem de abertura a obras sacras. É o caso das sinfonias de António Leal Moreira datadas de 1793, 1803 e 1805 que são Aberturas de Missas. (Idem, nota 13, p. 247)

4 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho, 15 de Março de 1883.

5 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho de 2 de abril de 1903 e 4 de abril de 1903.

6 Biblioteca Pública de Braga, Echos do Minho, 19 de Dezembro de 1912.

7 Biblioteca Pública de Braga, Notícias do Norte, 31 de Agosto de 1913.

8 Arquivo Distrital de Braga, Fundo da Misericórdia, nº2, f.28v. Veja-se para este assunto Lessa, 2018, 85-106.

9 Termo da mesa de 6 de Dezembro de 1776. Oliveira,2010, Nogueiró. 135- 149 e 246.

10 Arquivo da Confraria de Nossa Senhora da Consolação. Diário – Receita e Despesa da Irmandade de Nossa Senhora da Consolação [1932 – 1948].

11 Opereta «A Casta Susana» de George Okoukowsky e música de Jean Gilbert.

12 Biblioteca Pública de Braga, Echos do Minho, 14 de Dezembro de 1913.

13 O musicógrafo bracarense Álvaro Carneiro (1909-1986) no seu livro Música em Braga elencou os espetáculos de música realizados no Theatro Circo nos anos de 1915 a 1955. Sobre a programação musical do Theatro Circo leia-se Lessa, 2016, 149-168.

14 A rainha do animatógrafo: opereta em 3 atos. Adaptação de Henriques da Silva; música de J. Gilbert. - Lisboa: Impressão de Manuel Lucas Torres, 1914. Biblioteca da Universidade de Lisboa. [00507786] CDU82-2.

15 Palmira Bastos apresenta-se pela primeira vez no Teatro Petrópolis no Rio de Janeiro a 23 de Abril de 1916 com a opereta Maridos Alegres, de Max Gabriel.

16 O burro do Sr. Alcaide é uma opereta em 3 atos da autoria de D. João da Câmara (1852-1908) e Gervásio Lobato (1850-1895), com música do maestro Ciríaco Cardoso (1846-1900). Foi representada com grande sucesso nos teatros Avenida, Trindade, Príncipe Real, D. Amélia e Rua dos Condes em Lisboa, no Teatro do Príncipe Real no Porto e no Teatro Lucinda e Recreio Dramático no Rio de Janeiro.

17 Nasceu em Braga. Foi organista, professor de música e compositor de música sacra. Na juventude era conhecido como Boémio bracarense por cantar modinhas à viola. (Carneiro 1959:84-86).

18 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho de 19 de fevereiro de 1916.

19 Pianista, diretor de orquestra e professor do Conservatório de Música do Porto. Fundou a Orquestra Sinfónica Portuense (1910), a Sociedade de Concertos Sinfónicos e a Sociedade de Música de Câmara. Em 1929 foi para o Brasil onde leccionou no Conservatório de S. Paulo, vindo a falecer em 1931.Carneiro, 1959, 213-219.

20 Apesar do sucesso obtido a Orquestra Sinfónica Bracarense não contou com os apoios necessários à sua continuação.

21 A cantora de carreira internacional Cacilda Ortigão e o pianista Raimundo de Macedo também participaram neste concerto. Biblioteca Pública de Braga, Correio do Minho de 26 de maio de 1927.

22 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho, 14 de Novembro de 1908.

23 Biblioteca Pública de Braga, Echos do Minho, 12 de Janeiro de 1913.

24 Matos, 2009, 67.

25 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho de 12 de Junho de 1906.

26 Desconhece-se actualmente o paradeiro da partitura desta obra.

27 “A Educação Musical em Braga“ artigo publicado no Correio do Minho de 20 de Julho de 1929 escrito pelo Dr. Jerónimo Louro, ao tempo Presidente do Orfeão de Braga. Ver também Carneiro, 1959:185-186.

28 Biblioteca Pública de Braga, Diário do Minho de 19 de Abril de 1930.

29 Sobre a prática musical no Bom Jesus do Monte em Braga leia-se Lessa, 2018.

30 Designação dada em Portugal no século XIX de um meio de transporte ligeiro de passageiros, precursor do carro eléctrico.

31 Segundo Rómulo de Carvalho provavelmente D. João VI, influenciado pelo general Beresford que, em resposta a um pedido feito pelo governo português à velha aliada Inglaterra, foi encarregado de organizar o nosso exército, corria o ano de 1809 cria as escolas regimentais (Portaria de 10 de Outubro de 1815) coincidindo esta data com a estadia de Beresford no Brasil, em visita ao rei, ocorrida entre Agosto de 1815 e Setembro de 1816. Carvalho, 2001, 527.

32 Sampaio, Gonçalo (1940), Cancioneiro Minhoto. Porto: Livraria Educação Nacional.

33 Biblioteca Pública de Braga, O Commercio do Minho, 26 de Fevereiro de 1901.

34 Biblioteca Pública de Braga, Diário do Minho, 19 de Abril de 1930.

35 Por vezes, o que se ouvia nas igrejas nada tinha que ver com temática religiosa. Dessa realidade nos deu conta Camilo Castelo Branco (1884, p. 5): «Há pouco entrei no templo: o Sacerdote consagrava a hóstia, e o órgão entoava a Traviata. Santo Deus! Quem quiser música de adormecer dores, e levantar a alma à sua origem, há-de pedi-la à viração e à folhagem das árvores.»

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Arquivo da Confraria de Nossa Senhora da Consolação. Nogueiró, Braga.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/8791/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 264k
Titre Figura 2 - Teatro S. Geraldo de Braga.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/8791/img-2.png
Fichier image/png, 135k
Titre Figura 3 - O Commercio do Minho, 4 de Novembro de 1902
Crédits Biblioteca Pública de Braga
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/8791/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 256k
Titre Figura 4 - Manifestação de apoio à participação de Portugal na Primeira Guerra Mundial, junto à fachada do Theatro Circo, em 2 de Abril de 1916, onde vê um cartaz anunciando a realização da ópera D. Mécia de Óscar da Silva
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/8791/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Figura 5 - Postal de Braga do princípio do século XIX.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/8791/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Figura 6 - Echos do Minho, 5 de Julho de 1914
Crédits Biblioteca Pública de Braga,
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/8791/img-6.png
Fichier image/png, 190k
Titre Figura 7 - Pharol do Minho, 18 de Fevereiro de 1856
Crédits Biblioteca Pública de Braga
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/8791/img-7.png
Fichier image/png, 217k
Titre Figura 8 - Pharol do Minho, 10 de Abril de 1856
Crédits Biblioteca Pública de Braga
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/8791/img-8.png
Fichier image/png, 430k

© Publicações do Cidehus, 2019

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search