Version classiqueVersion mobile

Paisagens sonoras urbanas: História, Memória e Património

 | 
Vanda de Sá
, 
Antónia Fialho Conde

Manifestações musicais em espaço urbano (séculos XVI-XX)

A música na cidade de Évora

O papel do Boletim Municipal

Vanda de

Résumé

A partir de meados do século XX o município da cidade de Évora assumiu um importante papel de valorização do património através da publicação, desde Dezembro de 1942, do Boletim de Cultura A Cidade de Évora. A publicação, que teve como diretor António Bartolomeu Gromicho e como editor Túlio Espanca, contou com edições regulares até 1993 num total de 76 números. Após a morte de Túlio Espanca iniciou-se a II série, em 1994, com 8 números publicados até 2009. A III série publicou o seu número I em 2016. O periódico publicado como Boletim da Comissão Municipal de Turismo de Évora dividiu-se em três vertentes (literária, burocrática e publicação de obras e documentos), destacando-se uma vocação patrimonial evidente. Apesar de se privilegiar o património edificado, com clara valência turística, abriu-se espaço para a apresentação de trabalho pioneiro de levantamento e estudo dos fundos musicais da cidade, nomeadamente aqueles associados à Sé Catedral. Com base nos artigos da I e II Séries do Boletim relacionados com a vida musical e o património musical da cidade pretende-se analisar informação relevante sobre o processo de arranque de valorização deste mesmo património bem como sobre a atividade musical contemporânea na cidade, onde se encontram relatos de grande valor documental

Entrées d'index

Note de l’auteur

O presente estudo insere-se no âmbito do projecto ALT20-03-0145-FEDER-028584 (PTDC/ART-PER/28584/2017) – «PASEV: Patrimonialização da Paisagem Sonora em Évora (1540-1910)», financiado por fundos nacionais através da FCT/MCTES e co-financiado pelo Fundo Europeu de desenvolvimento Regional (FEDER) através do Compete 2020 – Programa Operacional Competividade e Internacionalização (POCI)

Texte intégral

1A cidade de Évora constitui-se como um núcleo urbano de particular riqueza por se articular com um património musical resultante da atividade de inúmeras instituições. Embora Évora gozasse de algum prestígio económico e político anteriormente, foi no século XVI que atingiu um período áureo:

o culminar desse período de riqueza e importância política, económica, cultural e artística. Este facto, deve-se à escolha da cidade de Évora, durante este século, para estadas prolongadas da corte, o que originou a construção do Paço Real (Palácio de D. Manuel), bem como de inúmeros palácios e casas solarengas de residência de nobres, conventos, igrejas, colégios e outros edifícios notáveis. (SIMPLÍCIO, 1997, 16)

2A riqueza do património edificado que hoje se mantem num casco urbano de grande valor histórico - aliás, reconhecido como Património Mundial da UNESCO em 1986 – decorre do facto de Évora ser uma cidade que pouco se alterou desde o século XVII, “tendo permanecido contida dentro do seu perímetro amuralhado até à primeira década do século XX.” (RODRIGUES, 2008).

  • 1 Refira-se quatro comunidades vindas da medievalidade: mosteiro de S. Bento de Cástris, (cisterciens (...)
  • 2 ‘mestre de Duarte Lobo, e de toda a boa musica deste Reino’ (Carta de Tomé Alvares a Baltazar Moret (...)

3Devido a razões múltiplas que não são exclusivas à cidade de Évora a valorização do património musical constituiu-se como um processo mais lento e ainda lacunar se comparado com o património edificado. Mas como é amplamente reconhecido, Évora foi um importante centro musical pelo menos desde o início do século XVI até às primeiras décadas do século XIX. A paisagem sonora da cidade até ao final do Antigo Regime, c. 1820, foi dominada pela atividade musical de mais de duas dezenas de instituições religiosas – seculares e monástico-conventuais – intramuros e extramuros. A sua distribuição pela cidade compreendia um núcleo central circundando a Praça do Giraldo, que englobava a Sé, com a Capela e o Colégio dos Moços do Coro. Envolvia também a igreja colegiada de Santo Antão e igreja de S. Tiago, e ainda cinco conventos, para além de outras instituições como o Colégio jesuíta do Espírito Santo. Na zona extramuros encontrava-se o mosteiro de S. Bento de Cástris, do Espinheiro, da Cartuxa e de Santo António da Piedade, entre outras1. Para além da atividade musical multifacetada que dava resposta às exigências do quotidiano, relacionadas com o calendário e com as festas sacras associadas às várias instituições, acresce um conjunto de compositores polifonistas de qualidade superlativa em atividade entre os séculos XVI e XVII. Esta idade de ouro musical que ficaria conhecida como Escola de Polifonia Sacra de Évora, é hoje responsável por colocar a cidade no mapa internacional dos reportórios ao mais alto nível e agrupa uma série de autores em torno da maestria do ensino de Manuel Mendes na Claustra da Sé de Évora2.

  • 3 No mesmo local da antiga Universidade foi criado o Instituto Universitário de Évora (IUE), por decr (...)
  • 4 Túlio Espanca, historiador, Vila-Viçosa 8-05-1913 – Évora 2-05-1993.

4Ao longo do século XX o processo de valorização do património da cidade, também musical, viria a contar com contributos de várias instituições da cidade, nomeadamente da Universidade que após o encerramento em 1759, voltou a ser aberta em 19733. Em 1963 a criação da Fundação Eugénio de Almeida, por Vasco Maria Eugénio de Almeida, viria a revelar-se também importante para a fixação e afirmação cultural da cidade. O município foi contudo a instituição que assumiu desde cedo um papel de valorização do património através da publicação, desde Dezembro de 1942, do Boletim de Cultura A Cidade de Évora, tendo como diretor António Bartolomeu Gromicho e como editor Túlio Espanca. A sua publicação regular até 1993 distribuiu-se por 76 números. Após a morte de Túlio Espanca4 iniciou-se a II série, em 1994, com 8 números publicados até 2009. A III série arrancou com um volumoso 1º número em 2016 assumindo uma ligação à Universidade de Évora e aos preceitos das publicações académicas.

  • 5 Cf. Correia (2010, p. 23) onde se apresenta um quadro dos Conteúdos Temáticos no período 1939-43. V (...)
  • 6 Refira-se que o Secretariado de Propaganda Nacional (1933) − investiu na inventariação e classifica (...)

5Durante o Estado Novo este tipo de imprensa institucional funcionou como um importante veículo de valorização local dos municípios, não apenas da sua atividade, mas também dos seus programas de investimento e valorização patrimonial. Pode referir-se, a título de exemplo, a Revista Municipal de Lisboa lançada em 1939, com propósitos semelhantes, uma vez que, para além de dar conta dos seus atos municipais, integrou uma série de artigos focados na valorização histórica e patrimonial5. No quadro de um estudo alargado de levantamento bibliográfico sobre periódicos em Portugal (SOUSA e VELOSO, 1987, p.19) constata-se a “existência de jornais catalisadores de um bairrismo no sentido positivo, fomentadores da defesa do património ideológico e cultural da região e a presença de figuras, que, animadas pelo mesmo espírito, deram todo o seu esforço à recolha e defesa desse mesmo património.” Apresenta-se como uma evidência que em Évora estamos perante um envolvimento pessoal desta natureza. Pode ainda relacionar-se a agenda cultural do Estado Novo e a sua máquina das comemorações de 1940, que provocaram um impulso de intensa produção historiográfica e valorização patrimonial, com reflexos ao nível do poder local e respetiva valorização do património edificado6.

6Nos seus propósitos matriciais o Boletim da Cidade de Évora (nº1,I) assumiu-se como uma publicação que integrasse “problemas relativos à sua qualidade de cidade única no País em riquezas arquitetónicas, fonte inesgotável de uma bem orientada propaganda turística.” A relevância turística da cidade de Évora vinha sendo paulatinamente confirmada em várias instâncias, referindo-se a propósito a passagem por Évora do IV Congresso Internacional de Turismo em 1911.

  • 7 Por agora criam-se três secções, a saber:
    a) – Secção literária com vista à valorização da cidade m
    (...)

7O periódico dividiu-se em três vertentes (literária, burocrática e publicação de obras e documentos), destacando-se uma vocação patrimonial evidente, desde o nº1 da I série, publicado como Boletim da Comissão Municipal de Turismo de Évora (ver imagem anexa)7.

8Pode compreender-se que ao património musical não fosse reconhecida uma valência turística, mas a sólida formação histórica de Túlio Espanca e o interesse de António Bartolomeu Gromicho (Presidente da Câmara entre outros cargos de destaque), abriram espaço para a valorização dos fundos musicais da cidade.

  • 8 Ver Gusmão (1943) e Marrecas (1944).
  • 9 Godinho (1980, 1982, 1984, 1986)

9De entre um total de 84 números da I e II Séries, que incluem um conjunto de 384 e 192 artigos respetivamente, verificamos a publicação de 14 artigos relacionados com música e património musical associado a Évora. Refira-se, aliás, que não encontramos artigos sobre conteúdo musical relacionados com qualquer outro contexto geográfico. Em termos de categorias destacam-se (a) os artigos dedicados ao património musical, nomeadamente com um total de 12 artigos dedicados à Sé de Évora e ao seu espólio. Numa segunda categoria (b) temos um pequeno conjunto de artigos de atualidade musical que se detém sobre formações em funcionamento na cidade e concertos realizados. Neste último grupo o destaque é dado à Orquestra Sinfónica Eborense8 e trata-se de um conjunto importante de fontes para o posterior estudo da vida musical da cidade. Temos ainda um conjunto de 4 artigos de Silva Godinho9 (c) que, sob o título de Temas Oitocentistas Eborenses, apresentam um manancial de informação da mais variada natureza mas que para o caso da música são de valor central no que refere a instituições (teatros), coletividades de amadores, bandas filarmónicas, agentes e eventos.

Relatos da atualidade musical em Évora

  • 10 Gromicho (1944)
  • 11 Intérpretes do Fiedeln Trio que tocaram em instrumentos das oficinas da Firma Siebenhüner, Planegg/ (...)

10No relato de concertos assinala-se uma breve nota de Gromicho (nº 6, I Série) que dá conta da realização de um concerto de música antiga no dia 18 de Fevereiro de 194410. Este concerto promovido pelo Instituto de Cultura Alemã e pela Orquestra Sinfónica Eborense teve lugar no Teatro Garcia de Resende. O Fiedel - Trio de Munique apresentou-se com reprodução de instrumentos antigos, sendo valorizado pelo autor o interesse histórico e musical do programa que aparece reproduzido11.

11O artigo dedicado à Orquestra Sinfónica Eborense dá conta do arranque do projeto aquando das comemorações do Centenário do Liceu Nacional de André Gouveia em 1941 por iniciativa do Maestro Tenente Manuel João Alves, diretor da Tuna Académica deste Liceu. O projeto concretizou-se no ano seguinte em 4 Abril de 1942, acrescentado com um Grupo Coral. Verificamos que constituídas as Comissões de Honra, Administrativa e de Propaganda, se identifica a presença de António Bartolomeu Gromicho, o director do Boletim da Cidade de Évora, na Comissão Administrativa. No artigo são narradas as vicissitudes de orçamento e os esforços levados a cabo para o regular funcionamento da orquestra, constituída em grande medida por amadores, que se apresenta em estreia no dia 22 de Novembro de 1942 pelas 21h no Teatro Garcia de Resende, apresentando-se ainda no mesmo espaço para o seu segundo concerto no dia 6 de Junho de 1943, pelas 22h; em nota é referido que a Orquestra deu ainda um concerto em Beja no dia 11 Fevereiro de 1943, o qual terá tido impacte na cidade.

12O provável autor do artigo que se apresenta como Dr. A.G. deve ser Armando Nobre Gusmão que integrou a segunda Comissão de Propaganda e investe na valorização do projeto, enfatizando com detalhe a importância de uma orquestra na cidade e de seus concertos. No final deste mesmo artigo o autor chega a nomear os elementos que constituem a orquestra e o coro, com os respetivos resultados estatísticos em relação às profissões representadas e seus instrumentos. Este levantamento pelo seu detalhe reveste-se de grande interesse para uma eventual caracterização da vida musical da cidade. Só no Coro é que nos aparece a referência a músicos profissionais militares e músicos reformados, pois a orquestra é integralmente constituída por músicos amadores, com as mais variadas profissões entre barbeiros, canalizadores, costureiras a empregados de escritório, entre tantas outras identificadas. Assinala-se nomeadamente a sua presença estatística no 1º e no 2º concerto em Évora respetivamente. Para além de obras de Beethoven, Boccherini, Berlioz e Mendelssohn, assinala-se a presença de autores portugueses como Rui Coelho (Melodia de Amor), Armando Leça e Manuel João Alves (Modas Regionais e Hino ao Alentejo).

  • 12 ROSA (1948).
  • 13 “Trata-se, implicitamente, de Música e de músicos, e, para isso, recolhi e utilizo preciosos elemen (...)

13Um outro artigo pode enquadrar-se nesta categoria, embora trate de um passado recente. João Rosa que pretende falar de música e músicos em Évora em finais do século XIX12 aborda a Sociedade dos Noctívagos, reconhecendo-lhe relevância para a caracterização musical da cidade13. Entre as várias informações relativas a músicos ou à qualidade do ensino musical na Casa Pia, o autor enumera uma série de apresentações na Praça do Geraldo dos músicos da formação Sol-e-Dó pertencente à Sociedade em datas e efemérides como p.e. em 1880, pelo centenário de Camões. Refere ainda concertos noutros espaços como Jardim do Templo de Diana, Largo de S. Domingos, Largo da Porta Nova (pelo Arraial da Senhora de Aires). Refere que o Sol-e-Dó chegou a ter um coreto próprio na cidade, que faziam “serenatas” pelas ruas de Évora e pelo Carnaval acrescentavam o atrativo de um “travesti” descrevendo alguns dos trajes (p. 292). A constituição integrava “arcos, (…) cordas e algumas madeiras, triângulo (ferrinhos) e bombinho, agregando-se as vozes necessárias para cantatas como os Hinos, Estudantina e A esmola, em admirável conjunto.” (p.295). O artigo enumera o conjunto de composições presentes no arquivo e ainda uma série de nomes de músicos, cuja identificação merece posterior trabalho de identificação. As composições enumeradas dão conta de um espólio constituído sobretudo por ritmos de danças em voga como polcas, valsas, tangos ou marchas da autoria de músicos locais como Joaquim Jerónimo Rosa, José Velasco, Joaquim Sebastião Limpo Esquível (também maestro da Orquestra Eborense), Teodósio Augusto Ferreira, Conceição Soalhal, G. A. Xisto, Vargas Júnior, entre outros.

  • 14 Na lista apresentada encontramos referência a Mercês, Hospital, Santa Clara, Calvário, Salvador, Ca (...)

14Também neste artigo se encontra referência detalhada das Festas religiosas abrilhantadas pela Orquestra Eborense noa anos de 1882-83, aludindo aos honorários pagos que eram significativamente superiores aqueles da Sociedade dos Noctívagos. Para além de uma série de Conventos em que as Festas importantes contavam com música excelente das Capelas das próprias freiras, (p.299) o autor enuncia uma série de instituições e festas onde se fez ouvir a orquestra e composições de Teodósio Augusto Ferreira (p.298)14. A extensa lista de instituições e festividades cuja música conta com a intervenção da orquestra, por sinal com elevadas remunerações (segundo a avaliação do autor do artigo), oferece uma ideia um pouco diversa da vida musical durante o século XIX, após extinção das ordens e processo de declínio das instituições musicais envolvidas nas celebrações. Deparamos com uma frequência e investimento assinalável na solenização musical das festas sacras mais relevantes no calendário, a qual deve ser enquadrada em diferentes moldes institucionais no que se refere aos conventos masculinos que haviam já sido encerrados a partir de 1834.

15O artigo encerra prestando homenagem a músicos da família do autor apresentados como ilustres amadores de talento Joaquim Jerónimo Rosa, Francisco José da Rosa, Padre João Rosa.

16 Os artigos de Silva Godinho são particularmente valiosos para o estudo nos domínios da musicologia urbana e paisagem sonora associados a Évora, uma vez que o autor apresenta uma particular sensibilidade para captar e valorizar informação normalmente secundarizada sobre eventos em espaços da cidade. Fica o exemplo sobre a Praça das Mercês a propósito do declínio registado após 1882:

Abandonada e silenciosa, a Praça das Mercês passou a ser um espectro a evocar tardes soalheiras de grita e música como são as da festa brava, euforia que durante anos quebrou a pasmaceira do “Buraco do Raimundo”, ao tornar-se ruidoso e fadista com as esperas de touros fora de portas, enquanto as locandas circunvizinhas se animavam com patuscadas e guitarradas boémias”. (Godinho 1984, 56)

17Nos artigos de Godinho destacamos informação detalhada sobre arraiais e festejos populares; os Amadores de música da cidade e suas atividades; a Tuna Académica Eborense ou sobre a Procissão dos Caldeirões (1982); valiosa informação também sobre os teatros (em particular o Teatro das Casas Pintadas e o Teatro Gracia de resenda); as Filarmónicas Eborenses: história e constituição, instalações e regentes (1984-85).

1. Estudo e divulgação de Património

  • 15 Entre a bibliografia de José Augusto Alegria relacionada com o património musical de Évora encontra (...)
  • 16 AlegriaA (1944 e 1944a).
  • 17 Documento cuja descoberta Alegria atribui, com agradecimento, a Manuel Joaquim.

18No conjunto dos artigos consagrados ao património a relevância é dada à valorização de figuras maiores da História da Música em Évora, nomeadamente polifonistas. José Augusto Alegria figura pioneira no trabalho de elaboração de catálogos e estudos sobre os fundos musicais de Évora15 restringe a sua colaboração a dois artigos em 1944, cujo âmbito genérico propõe-se contextualizar a atividade musical sacra em Évora no século XVI16. No segundo destes artigos Alegria introduz exemplos musicais transcritos e ainda a edição do motete Pueri Hebraeorum, para além de transcrever o testamento de Manuel Mendes17.

  • 18 Ribeiro (1950)
  • 19 Joaquim (1951 e 1951a). Sobre as fontes musicais de Évora Cf. Alvarenga (2015).
  • 20 Joaquim (1942). Sobre as fontes musicais Cf. Alvarenga (2015)
  • 21 Neste elogio Manuel Joaquim (1951a, 274) destaca “Honra ao ilustre Director da Cidade de Évora, Sr. (...)

19O compositor Manuel Mendes (c.1547-1605) foi um dos nomes maiores da Sé de Évora estando associado à formação de polifonistas como Duarte Lobo (1565-1646), Manuel Cardoso (1566-1650) ou Filipe de Magalhães (1571-1652). É também aquele que merece estudos de maior detalhe, na medida em que para lá do contexto biográfico (Ribeiro 1950)18 aborda-se noutros artigos a obra musical, nomeadamente, a Missa Pro Defunctis, com a transcrição do texto musical por Manuel Joaquim em dois artigos de 195119. Este mesmo autor publicara aliás, no Porto, já um outro trabalho sobre a Missa de Féria de Manuel Mendes (Joaquim 1942)20. Para além da transcrição Manuel Joaquim inclui um texto de contextualização e aparato relacionado com os problemas de edição musical. O seu texto termina elogiando a inteligência editorial e o apoio do Boletim A Cidade de Évora por proporcionar a edição de texto musical numa época em que as oportunidades seriam remotas21.

  • 22 Raposo (2002).

20A abordagem de contextualização volta a aparecer em dois outros artigos, mas agora associado ao levantamento de músicos, na capela da Sé de Évora (RAPOSO 2002)22. Referência ainda para um estudo anterior, de 1959 (CAPITÃO) que colige uma série de informação sobre o ensino e seus intervenientes na universidade de Évora. Encontramos nomeadamente informação sobre Estêvão de Brito que completou a sua formação na Universidade de Évora em 1596.

2. Música tradicional

  • 23 Espanca (1949).
  • 24 Russo (2007).
  • 25 Rosa (1960).
  • 26 Com a classificação de Património Cultural Imaterial com Necessidade de Salvaguarda Urgente

21Finalmente importa assinalar artigos que abordam o património musical relacionado com a música instrumental, e a construção de instrumentos, nomeadamente os violeiros (ESPANCA 1949)23. Ainda no quadro da música tradicional um artigo mais recente que aborda a viola campaniça, assinalando o processo de reabilitação do instrumento em curso desde finais do século XX (RUSSO 2007)24. O património relativo aos chocalhos é abordado (ROSA 1960)25 e constitui-se este artigo como uma chamada de atenção relevante, quer em termos de perceção de paisagem sonora, quer da valorização patrimonial recentemente reconhecida (UNESCO 2015)26.

22Apesar da desproporção de interesse revelado pelos editores do Boletim a Cidade de Évora em relação ao património edificado e ao espólio musical, a verdade é que este reflete sobretudo o estado incipiente dos estudos musicológicos contemporâneos. Em boa medida, as linhas e os pioneiros da investigação sobre o património musical de Évora até à década de 1980, aparecem delineados nesta publicação entre 1944 e 1951. O Boletim aparece implicado nos primeiros passos de valorização patrimonial do espólio de música polifónica de Évora, nomeadamente publicando a produção musicológica de uma primeira geração que inclui Sampaio Ribeiro (1898-1966), Manuel Joaquim (1894-1986) e José Augusto Alegria (1917-2004).

23Retira-se ainda informação relevante sobre a atividade musical em Évora relacionada com instituições locais, apresentando-se um quadro mais diverso e vasto no que refere à prática amadorística da música e a sua distribuição pela cidade em finais do século XIX e meados do século XX. O levantamento continuado de testemunhos documentais dos séculos XIX e inícios do século XX, poderão revelar uma vida musical da cidade com um dinamismo contrário à ideia de estagnação e decadência, que tradicionalmente se replicam em relatos sem fundamento documental.

  • 27 Refira-se a propósito dos estudos pioneiros consagrados ao património musical de Évora que Luís de (...)

24No quadro das publicações sobre música do mesmo período importa sublinhar que o Boletim Municipal cumpriu uma missão singular numa altura em que as publicações periódicas sobre música se concentravam na Arte Musical publicada em Lisboa sob a direção de Luís de Freitas Branco entre 1929-4927. A esta singularidade não é estranha a inteligência e cultura de Túlio Espanca enquanto editor.

Bibliographie

ALEGRIA, José Augusto (1944) - A Música em Évora no século XVI.  A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal. 1ª Série, nº 6, p.25-43.

ALEGRIA, José Augusto (1944a) - A Música em Évora no século XVI.  A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal. 1ª Série, nº 7, p.118-152.

ALEGRIA, José Augusto (1973) - História da escola de música da Sé de Évora. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

ALEGRIA, José Augusto (1977) - Biblioteca Pública de Évora - catálogo dos fundos musicais. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

ALEGRIA, José Augusto (1983) - Frei Manuel Cardoso, compositor português : 1566-1650. Lisboa: ICALP.

ALEGRIA, José Augusto (1984) - Polifonistas portugueses: Duarte Lobo, Filipe de Magalhães, Francisco Martins. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa.

ALEGRIA, José Augusto (1985) - O ensino e prática da música nas Sés de Portugal : da reconquista aos fins do século XVI Lisboa: ICALP, 1985.

ALEGRIA, José Augusto (1997) - O colégio dos moços do coro da Sé devora. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

ALEGRIA, José Augusto (2004) - Da Fundação aos Mestres Polifonistas e Legado. Escola de Música da Sé de Évora . Évora: Ed. Casa do Sul.

ALVARENGA, João Pedro, (2004) - Para uma Compreensão da polifonia portuguesa pós-tridentina. Escola de Música da Sé de Évora , Évora: Ed. Casa do Sul.

ALEGRIA, José Augusto (2015) - Polyphonic Church Music and Sources from Late Sixteenth-Century Évora Cathedral. Revista Portuguesa de Musicologia Vol.2, nº1, p. 19-40.

CAPITÃO, Maria Amélia R. da Mota (1959) - Do Ensino das Artes na Universidade de Évora. A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série), nº 41, p. 213 – 398.

CONDE, Antónia Fialho (2009) - Cister a Sul do Tejo. O Mosteiro de São Bento de Cástris e a Congregação Autónoma de Alcobaça (1567-1776). Lisboa: Colibri.

CORREIA, Rita Mourão Soares (2010) – Estado Novo e Imprensa Institucional: O Caso da Revista Municipal de Lisboa (1939-1959). Mestrado. Universidade Clássica de Lisboa, Faculdade de Letras.

ESPANCA, Túlio (1949) – Artes e Artistas de Évora: o desaparecido ofício de violeiro nos séculos XVI – XVII. A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série), nº17, p. 555-563.

FERREIRA, Manuel Pedro (1995) - Da música na história de Portugal. Revista Portuguesa de Musicologia. Lisboa. nº4-5, p.167-216.

GODINHO, Silva, "Temas oitocentistas eborenses ", A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série), nº 63-64, 1980, pp. 97 - 121

GODINHO, Silva, "Temas oitocentistas eborenses – 2ª série", A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série), nº 65, 1982, pp. 165-188.

GODINHO, Silva, "Temas oitocentistas eborenses – 3ª série", A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série), nº 67, 1984, pp.39-67.

GODINHO, Silva, "Temas oitocentistas eborenses – 4ª série", A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série), nº 69, 1986, pp.63-76.

GROMICHO, António Bartolomeu (1944) - Música da Idade Média e da Renascença. A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série), nº 6, p. 89 – 90.

[G., Dr. A.] GUSMÃO, Armando Nobre (1943) - Orquestra Sinfónica Eborense. A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série) nº3, p. 85-106.

JOAQUIM, Manuel (1942). - A Missa de Féria do Padre Manuel Mendes. Revista dos alunos do Conservatório de Música do Porto. Separata de Música, Porto, p. 249-54.

JOAQUIM, Manuel (1951) - Missa "Pro Defunctis" (do Padre Manuel Mendes - 1547 - 1605). A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série), nº 23, p. 95 – 108.

JOAQUIM, Manuel (1951a) - Missa "Pro Defunctis" (do Padre Manuel Mendes - 1547 - 1605). A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série), nº 25,p. 251 – 288.

MARRECAS, Cândido (1944) - A Orquestra Sinfónica Eborense em Beja.  A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série), nº 6, p. 91 – 94.

RAPOSO, Jorge Rebotim (2002) – Subsídios para a história dos músicos da Capela da Sé de Évora. A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (2ª Série), nº 6, p. 383 – 413.

RIBEIRO, Mário de Sampaio (1950) - Manuel Mendes e o Mestrado de Capela da Sé de Évora. A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série), nº21, p.35-42.

RODRIGUES, Paulo Alexandre Rodrigues Simões (2008) - A apologia da cidade antiga: a formação da identidade de Évora (Sécs. XVI-XIX). Évora: Universidade de Évora. Tese de Doutoramento.

ROSA, João (1948) - Música e músicos em Évora, no último quartel do século XIX.  A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série), nº 15, p. 289 – 303.

ROSA, João (1960) - Alcáçovas, terra de chocalhos.  A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (1ª Série), nº 43, p. 29 – 33.

RUSSO, Susana Bilou (2007) - A revitalização do património: estudo da Viola Campaniça. A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (2ª Série), nº 7, p. 501-524.

SIMPLÍCIO, Maria Domingas V. M. (2002) - Évora: Algumas Etapas Fundamentais na Evolução da Cidade até ao Século XVI. A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal (2ª Série), nº 6, p. 97-112.

SIMPLÍCIO, Maria Domingas V. M.

(2006) - Évora: Origem e Evolução de uma Cidade Medieval. Revista da Faculdade de Letras. Vol.XIX. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, p.365-372.

SOUSA, José Manuel Motta de e VELOSO, Lúcia Maria Mariano, (1987) - História da imprensa periódica portuguesa: subsídios para uma bibliografia, Catálogos e Bibliografias, 4. Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra.

TENGARRINHA, José, (1989) - História da Imprensa Periódica Portuguesa, Editorial Caminho.

Notes

1 Refira-se quatro comunidades vindas da medievalidade: mosteiro de S. Bento de Cástris, (cisterciense), e os conventos de S. Francisco, de S. Domingos e de Santa Mónica, de agostinhas calçadas;
- cinco no século XV, a fundação de Santa Margarida (paulista), do Espinheiro (jerónimos) em 1452, de Santa Clara (clarissas), em 1458, dos Lóios (S. João Evangelista), em 1485, da Graça (agostinhos descalços) em 1495; cinco no século XVI, o Paraíso (dominicanas), em 1516, de Santa Catarina de Sena (dominicanas), em 1547, do Calvário (primeira Regra de Santa Clara), em 1570, do Carmo (carmelitas descalços) e da Cartuxa ( S. Bruno), em 1587;
- cinco no XVII: os conventos do Salvador (clarissas) e dos Remédios (de carmelitas calçados), ambos em 1606, das Mercês (agostinhos descalços), em 1669, de Santa Teresa – S. José ou Convento Novo (carmelitas calçadas), em 1681;
- vários recolhimentos, de que salientaríamos os de Santa Marta e de S. Manços. (Cf. Conde 2009). Para uma abordagem sobre a evolução da cidade e património edificado Cf. Simplício (2002 e 2006).

2 ‘mestre de Duarte Lobo, e de toda a boa musica deste Reino’ (Carta de Tomé Alvares a Baltazar Moretus (1610) Cf. Alegria (1984, 13) e Alvarenga (2015, 23).

3 No mesmo local da antiga Universidade foi criado o Instituto Universitário de Évora (IUE), por decreto do então ministro da Educação, José Veiga Simão.

4 Túlio Espanca, historiador, Vila-Viçosa 8-05-1913 – Évora 2-05-1993.

5 Cf. Correia (2010, p. 23) onde se apresenta um quadro dos Conteúdos Temáticos no período 1939-43. Verificamos que os artigos relativos à área temática História/Memória são 63, representando 33,87 %.

6 Refira-se que o Secretariado de Propaganda Nacional (1933) − investiu na inventariação e classificação do património por todo o país e na sua promoção (Correia 2010, p.29).

7 Por agora criam-se três secções, a saber:
a) – Secção literária com vista à valorização da cidade monumental e à sua propaganda turística.
b) – Secção burocrática, na qual serão incluídos os relatórios dos vários serviços municipais, estatísticos, planos de obras, etc.
c) – Secção de publicação de obras e documentos inéditos de interesse citadino” (nº1, I série).

8 Ver Gusmão (1943) e Marrecas (1944).

9 Godinho (1980, 1982, 1984, 1986)

10 Gromicho (1944)

11 Intérpretes do Fiedeln Trio que tocaram em instrumentos das oficinas da Firma Siebenhüner, Planegg/Baviera: Franz Siedersbeck, Beatrice Dohme, Erich Wilke e Ernst Conrad Hease (barítono).

12 ROSA (1948).

13 “Trata-se, implicitamente, de Música e de músicos, e, para isso, recolhi e utilizo preciosos elementos, que um dia poderão servir, sem dúvida, para estudo de maior monta, acerca do cultivo dessa divina Arte em Évora, repito, nos últimos anos do século passado.” (Rosa, 1948, 289)

14 Na lista apresentada encontramos referência a Mercês, Hospital, Santa Clara, Calvário, Salvador, Casa Pia, Carmo, Santo Antão, São Francisco, Santa Catarina, Capela da Srª da Cabeça, Misericórdia, Paraíso, S. Tiago, Convento Novo, Catedral e S. Sebastião. O autor refere ainda a existência de obras de Teodósio Augusto Ferreira na Biblioteca Nacional (Rosa, 1948, 298-99). Devemos ter em conta que os conventos masculinos foram extintos em 1834 (Mercês, S. Francisco, Carmo), os femininos apenas quando ocorreu a morte da última religiosa (Paraíso, Convento Novo, Salvador, Santa Clara, Calvário, Santa Catarina); não é assim estranha, nestes últimos, a presença de atividade musical, sendo de mais difícil explicação nos masculinos. Deve considerar-se por isso a instalação de outros serviços ou instituições que não conventos que celebrassem as referidas festas.

15 Entre a bibliografia de José Augusto Alegria relacionada com o património musical de Évora encontra-se uma série de títulos de referência que dão conta da continuidade da investigação publicada no Boletim da Cidade mas agora apoiada por instituições como a Fundação Calouste Gulbenkian ou o Instituto de Cultura e Língua Portuguesa,: Alegria (1977, 1983, 1984, 1985, 1997).

16 AlegriaA (1944 e 1944a).

17 Documento cuja descoberta Alegria atribui, com agradecimento, a Manuel Joaquim.

18 Ribeiro (1950)

19 Joaquim (1951 e 1951a). Sobre as fontes musicais de Évora Cf. Alvarenga (2015).

20 Joaquim (1942). Sobre as fontes musicais Cf. Alvarenga (2015)

21 Neste elogio Manuel Joaquim (1951a, 274) destaca “Honra ao ilustre Director da Cidade de Évora, Sr. Joaquim Augusto Câmara Manuel e o seu devotado Director Tíluo Alberto Rocha Espanca pelo acto de inteligência que jamais pode deixar de ser sentido no mais elevado apreço pelos músicos amantes das curiosidades intelectuais”.

22 Raposo (2002).

23 Espanca (1949).

24 Russo (2007).

25 Rosa (1960).

26 Com a classificação de Património Cultural Imaterial com Necessidade de Salvaguarda Urgente

27 Refira-se a propósito dos estudos pioneiros consagrados ao património musical de Évora que Luís de Freitas Branco em 1921 participou no Congresso de História da Arte em Paris, apresentando uma comunicação subordinada ao tema: “Os contrapontistas da escola de Évora.” 

© Publicações do Cidehus, 2019

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search