Version classiqueVersion mobile

Paisagens sonoras urbanas: História, Memória e Património

 | 
Vanda de Sá
, 
Antónia Fialho Conde

A música e a Corte: das ocasiões de festa aos cerimoniais fúnebres (Séculos XVI-XIX)

Recebimento Real, 1518: eventos festivos & música

Isabel Monteiro

Résumé

Nos finais de 1518 o rei D. Manuel, viúvo pela segunda vez, casa-se com a irmã do futuro Imperador Carlos V, Leonor, flamenga de origem mas residente então em Espanha. Após o casamento por procuração em Saragoça, a nova rainha de Portugal fará uma longa viagem de mais de setecentos quilómetros por terra até ao Alentejo, encontrando finalmente o monarca no Crato, um mês e meio mais tarde. O casal instala-se posteriormente em Évora, onde nasce o seu primeiro filho, fazendo a entrada solene em Lisboa apenas em 1521. Este acontecimento, relatado parcialmente em várias fontes que se complementam, revela uma série de eventos festivos adequados a tais ocasiões, em que o ambiente sonoro é por vezes bem caracterizado. Procurando contextualizar as ocorrências sonoras em função da cultura de corte quinhentista, assinala-se a participação dos vários grupos sociais envolvidos, situando-os nos devidos espaços – interiores/ exteriores, públicos/ privados, em terra/no mar – destacando em particular a função dos instrumentos musicais.

casamento real, festa áulica, instrumentos musicais, cortejo fluvial, entrada real

Aos colegas e amigos músicos do DOLCIMELO

Texte intégral

Introdução

  • 1 Góis, 1926, 73-74. Rêgo, 1967, 660-667. Correia, 1992, 125.

1Nos finais de 1518 o rei D. Manuel, viúvo pela segunda vez, casa-se com a irmã do futuro imperador Carlos V, Leonor, nascida na Flandres mas residindo então em Espanha. Após as complexas negociações dos contratos nupciais1 tem finalmente lugar o casamento, o qual decorre em várias etapas rigorosamente estabelecidas pelo protocolo em vigor nas cortes ibéricas, assinaladas pelos cronistas.

2Note-se que o termo ‘recebimento’ se aplica a diversas situações, nomeadamente [1] o prévio casamento da noiva por procuração, com um embaixador representante do esposo; [2] a recepção protocolar feita à rainha na fronteira do seu novo reino; [3] o casamento religioso, ministrado por um prelado, com a presença dos dois cônjuges; [4] as festas de homenagem organizadas pelas cidades e vilas onde a rainha entra pela primeira vez e onde é solenemente recebida. Recebimento ocorre também com o sentido global do conjunto de actos protocolares e cerimónias festivas associados ao casamento real.

3Em alguns destes passos as fontes assinalam a presença da música, em particular instrumental, quer como expressão áulica inerente ao estatuto social dos intervenientes – os monarcas e os grandes senhores de título – quer como elemento festivo nas manifestações de júbilo popular pelos lugares por onde passam as pessoas reais, ou ainda como indispensável nos serões e outros entretenimentos de corte que se sucedem durante vários dias.

4A informação relativa a este evento provém particularmente de fontes que lhe dizem respeito directa ou indirectamente – nomeadamente as crónicas de Damião de Góis e de Gaspar Correia, e o Livro de Festas da Câmara de Lisboa – mas também das que documentam mais de uma dezena de outros casamentos no seio da corte portuguesa, entre 1490 e a perda da independência (1580), permitindo aferir incidências e eventualmente complementar os dados documentais.

1. Casamento, jornada e entrega de D. Leonor, 1518

  • 2 Combet, 2008, 90 e Combet, 2012, 234, indica o dia 10 de Julho, sem no entanto indicar a fonte para (...)
  • 3 Góis, 1926, 74.
  • 4 Combet, 2008, 90 e Combet, 2012, 234, indica o dia sem referir a fonte. Poderá inferir-se esta data (...)
  • 5 Sobre as entregas de rainhas e princesas quinhentistas na raia, v. Lourenço, 2012, 25-39.
  • 6 Góis, 1926, 76.

5Sobre a longa jornada da rainha D. Leonor desde Saragoça – onde teve lugar o protocolar casamento por palavras de presente2 – até à raia, pouco se sabe, mas Damião de Góis não deixa de referir que «por causa do qual casamento se fizeram por espaço de quinze dias muitas festas, & jogos em Saragoça, onde então elRei dom Carlos estava».3 Segundo o investigador e biógrafo desta rainha, Michel Combet, a comitiva terá deixado a corte a 5 de Outubro,4 afirmando Góis que chegou à fronteira portuguesa cerca de um mês e meio depois, a 23 de Novembro, situada pelo cronista «a par do ribeiro de Sever, que demarca estes dois reinos».5 O cronista assinala que a comitiva da rainha se encontrava então numa das margens do rio «e os Portugueses da outra, sem se moverem» nem uns nem outros. Dando uma panorâmica do ambiente sonoro que então se vivia, Góis relata que «Estando ali todos, sem haver outra mais fala que muito estrondo de trombetas, atabales e charamelas, de uma e de outra parte, o Conde de Vila Nova passou o ribeiro e foi beijar a mão à Rainha...», dando início aos procedimentos de entrega.6

  • 7 Caetano de Sousa, 1738, 535-537.
  • 8 Góis, 1926, 77. Correia, 1992, 125.

6Caetano de Sousa, que na sua História Genealógica segue Damião de Góis, acrescenta porém que o Duque de Bragança – em representação do rei, chefiando a delegação portuguesa de recepção na raia – levava entre os seus servidores, «treze trombetas […], onze charamelas […] e seis atabaleiros», números que podem não parecer relevantes numa comitiva que contava com trezentos homens de cavalo para além de cem alabardeiros, mais de sessenta moços da câmara e estribeira, grande número de oficiais heráldicos e outros, fora as quarenta azémolas com a sua bagagem pessoal e «outras muitas pertencentes à família e serviço da casa».7 No entanto Góis calcula que «a outra gente de cavalo, com a que levavam os Bispos, Condes, fidalgos e cavaleiros, passava de dous mil», e Gaspar Correia, fazendo uma conta mais avantajada, afirma que «no recybymento averya bem cymqo myll de caualo», pelo que se deve multiplicar o número dos instrumentistas assinalados.8

Instrumentos nas entregas na raia

  • 9 Buescu, 2010, 131-132.
  • 10 Sousa, 1951, 270-271.

7Comparando estes dados com os de cerimónias idênticas ocorridas em anos próximos, encontramos na raia, no recebimento à rainha D. Catarina, em 1525, «seis atabaleiros e dez trombetas» do Conde de Tentúgal, «oito trombetas e quatro atabale[iro]s» do Conde de Vimioso e «seis trombetas e quatro atabaleiros» do futuro Conde do Prado, D. Pedro de Sousa; a própria rainha faz-se acompanhar de seis trombetas, quatro atabaleiros e quatro charamelas.9 Do outro lado da fronteira são assinalados, em 1526, no recebimento feito à irmã do monarca português, recém-casada com o imperador Carlos V, oito trombetas e cinco charamelas do Duque de Béjar, e doze trombetas, seis charamelas e três «mulas de atabales» do Arcebispo de Toledo.10

Quadro 1 – Quadro das trombetas, atabales [ou atambores] e charamelas assinalados em recebimentos na raia e no séquito de D. Beatriz, duquesa de sabóia, entre 1518 e 1526.

TBT

ATB

CHR

total

D. Jaime de Bragança, 1518

31

6

11

30

Infanta D. Beatriz, 1521

8

[6]

6

20

Conde de Tentúgal, 1525

10

6

-

16

Conde de Vimioso, 1525

8

4

-

12

D. Pedro de Sousa, 1525

6

4

-

10

Rainha D. Catarina, 1525

6

4

4

14

Duque de Béjar, 1526

8

-

5

13

Arcebispo de Toledo, 1526

12

3

6

21

  • 11 Resende, 1973, 299-300.
  • 12 V. Anexo, Quadro A.
  • 13 João de Évora é assinalado por Viterbo, 1932, 192-193 numa carta régia datada de 1496, como tendo s (...)
  • 14 V. Quadros em Anexo. Para o ano de 1515 encontram-se identificados, ao serviço de D. Manuel, 12 tro (...)
  • 15 Resende, 1973, 324.

8Recuando a 1498, quando D. Manuel entra em Espanha com a rainha D. Isabel, sua primeira consorte – onde viriam a ser jurados herdeiros de Castela e Aragão – o Duque de Medina Sidónia recebe-os com dezasseis trombetas e oito tambores, «tudo de prata», segundo Garcia de Resende, indicando o cronista que D. Manuel levava também os seus instrumentistas, todavia sem desvendar quantos seriam.11 Conhecemos no entanto os nomes de quatro trombetas ao serviço do rei português em 149612 – três dos quais herdados do seu antecessor, D. João II13 – mas no dia 6 de Dezembro de 1515 D. Manuel revela ter já um elenco significativo destes instrumentistas ao seu serviço, quando ordena o pagamento de vestiaria a doze trombetas seus.14 Um pouco mais preciso no caso da infanta duquesa D. Beatriz, Resende revela que a mesma levava, na magnificente comitiva que a acompanhava a Sabóia aquando do seu casamento, em 1521, «seis charamelas […], oito trombetas e seis atambores», entre outros instrumentos.15 Nesta pequena amostragem em que as fontes generosamente revelam o número de instrumentistas, verifica-se facilmente que nenhum grupo ultrapassa, nem sequer iguala, os efectivos de D. Jaime de Bragança em 1518.

2. Casamento no Crato e périplo até Almeirim

  • 16 Góis, 1926, 77.
  • 17 Correia, 1992, 125. Góis, 1926, 77.

9As fontes parecem unânimes quanto ao trajecto seguido pela rainha D. Leonor em Portugal, afirmando Góis que pernoitou em «Castelo de Vide, onde esteve um dia e ao seguinte se foi ao Crato».16 Correia acrescenta que «no Crato foi reçebyda delrrey que ahy foy a ve la e teue dela a primeira noyte», confirmando que foi aqui que os dois cônjuges se conheceram, assinalando Góis que também aqui teve lugar a cerimónia religiosa do casamento, seguida de serão, plausivelmente com dança e, necessariamente, com música.17

10Correia afirma, de forma um pouco generalista, que estiveram oito dias «em gramdes festas e alegres canas e touros», tendo-se depois dirigido a Almeirim «com gramdes bamquetes e reçebymentos», elencando assim algumas das principais manifestações áulicas próprias destas circunstâncias. Góis é mais preciso quanto à duração da estadia no Crato, afirmando que os monarcas aí permaneceram dois dias «em que houve muitas festas, jogos e danças, […] e elRei com a Rainha vieram dormir a Ponte de Sor e ao outro dia a Chamusca».18 Efectivamente encontra-se na Torre do Tombo uma breve nota referente a Ponte de Sor com ordens do almotacé-mor, D. Nuno Manuel, para que se fizessem os preparativos necessários «para a espera que El Rei faz a raynha».19

  • 20 Note-se que o príncipe tinha acompanhado D. Manuel ao Crato, onde beijara então a mão à rainha (Gói (...)
  • 21 Góis, 1926, 77-78.

11Daí partiria o casal real para o Paço de Almeirim, onde os infantes aguardavam,20 sendo majestosamente recebido pelos três varões mais velhos (de 12, 11 e 9 anos) acompanhados por um notável séquito de grandes senhores e prelados, a uma légua da vila, onde decorreu nova cerimónia de beija-mão. Findo o acto protocolar, «deste lugar abalaram com trombetas, atabales e charamelas sem cessarem até Almeirim, onde as Infantes D. Isabel e D. Beatriz […] estavam esperando a Rainha».21

  • 22 Góis, 1926, 78-79.

12É ainda Góis quem assinala que no mesmo dia, por ser véspera de Santo André, «houve vésperas e depois da ceia, serão», acrescentando ainda, em jeito de conclusão, que o rei permaneceu em Almeirim com a Corte «em grandes festas, de touros, canas, serões, e outros passatempos até o começo do verão [1519], em que se foi pera Évora».22

3. Évora, Lavradio: preparativos para o recebimento em Lisboa

  • 23 Correia, 1992, XXVIII.

13As duas crónicas que relatam este importante acontecimento, aqui divergem. Note-se que a crónica de Góis é uma encomenda régia, oficial, redigida umas décadas após as ocorrências, enquanto a de Correia não terá sido terminada, consistindo em apontamentos manuscritos – uma compilação de fontes, nas palavras do editor Pereira da Costa – cujo eventual desenvolvimento teria sido ultrapassado pelo empreendimento das Lendas da Índia.23

  • 24 Correia, 1992, 125. Góis, 1926, 158-159.
  • 25 Livro de Festas, fl. 36. Em carta do monarca à cidade (04-07-1520) paira ainda o receio da peste.
  • 26 Góis, 1926, 158.
  • 27 Livro de Festas, fl. 76. Ver também fl.74ss «Conta que se tomou a Vasco Periz thesoureiro das remda (...)

14Apesar de Gaspar Correia afirmar que, após o casamento, o rei esteve em Almeirim «alguns dias aguardando que Lisboa se fizesse prestes com seu solene recebimento», e de Góis situar essa entrada apenas três anos mais tarde, em 1521, não é evidente que a primeira afirmação seja falsa.24 Na verdade sabemos que a cidade continuava assolada pela peste, o que terá impedido que a entrada triunfal se concretizasse logo após o casamento, acabando por ficar adiada por alguns anos.25 Entretanto a rainha teria engravidado, dando à luz o infante D. Carlos em Évora, em Fevereiro de 1520, o que pode eventualmente ter contribuído para continuar a protelar a entrada na capital.26 O Livro de Festas do Arquivo Municipal de Lisboa confirma que, efectivamente, em 1518 tinha havido planos para a realização desse evento festivo, registando algumas despesas com os preparativos, entre as quais a aquisição de damasco preto e «tefetaa bramco pera as bamdeiras das trombetas».27

  • 28 Correia, 1992, 126.
  • 29 Livro de Festas, fls. 39ss. ANTT, Corpo Cronológico, Pt. I, mç. 24-26 (vários).
  • 30 Livro de Festas, fls. 39, 45.
  • 31 Livro de Festas, fl. 50.

15É ainda Correia quem afirma que o rei foi de Almeirim para o Lavradio [Barreiro], de onde faria a sua entrada com um sumptuoso cortejo pelo Tejo.28 Mas não só no Livro de Festas como no Corpo Cronológico – onde existe um número significativo de alvarás assinados por D. Manuel em Évora, desde Maio de 1519 em diante – se encontra evidência da presença do monarca no Alentejo até finais do ano seguinte.29 Na realidade, só a partir de Novembro de 1520 (estando D. Leonor no início de uma nova gravidez), se encontra expresso na correspondência entre o monarca e a Câmara de Lisboa que estão em curso os preparativos para «a nosa entrada que em hora avemos de entrar na dita çidade com a rainha minha sobre todos muito amada e prezada molher», dando mesmo a conhecer, umas semanas mais tarde, a sua intenção de passar o Natal no Lavradio, de onde faria então a entrada na capital.30 Efectivamente assim viria a ocorrer em Janeiro de 1521, sendo a última carta régia do Livro de Festas datada de 18 desse mês, justamente do Lavradio.31

4. Cortejo fluvial, janeiro 1521

16A crónica de Correia é a única fonte conhecida para este evento sumptuoso, dando uma panorâmica viva e algo detalhada de como os monarcas fizeram a travessia do Tejo com um riquíssimo cortejo – segundo o autor, de mais de seiscentas velas – que incluía embarcações de entidades públicas e privadas, entre barcas e batéis, caravelas, fustas e a galé real.

  • 32 Correia, 1992, 126-127.

17Esta última é apresentada como um navio de recurso para o caso de necessidade, uma vez que os monarcas viajavam a bordo de uma fusta, a qual estava «toda da vante a ré cuberta somente de uma ramada de cravos e rosas e mangeronas e outras fermosas froles», com estrados «pera as pessoas reais» e ricos brocados, sem remadores nem vela, uma vez que era levada «por outra fusta à toa per uma grossa cadeia dourada». Por seu turno a galé «tinha vela de damascos brancos e carmesins» – as cores heráldicas de D. Manuel – estava «toda embandeirada de bandeiras dos mesmos damascos, dourados e franjados de ouro», tinha toldo de brocado, enxárcias e remos pintados de ouro e azul, e levava a bordo «todolos instrumentos altos e baixos».32 Quais os instrumentos baixos e que função teriam no seio dos mais sonoros, é uma questão difícil de esclarecer.

  • 33 Cf. Alves, 1986, 76-84: Lembrança das festas que se fizeram em Lisboa ao recebimento do Príncipe D. (...)

18Sendo esta a única referência explícita (ou implícita) a música neste cortejo áulico, pode no entanto intuir-se a presença de muitos instrumentos a bordo das embarcações participantes, tal como ocorrerá na idêntica travessia de 1552, do Barreiro a Lisboa, quando D. João III acompanha a recém-chegada princesa D. Juana, sua nora, onde é reiteradamente assinalada a presença de trombetas, charamelas, tangeres e músicas «de muitas maneiras» na maioria dos batéis participantes.33

  • 34 Livro de Festas, fls. 66, 70v.
  • 35 Livro de Festas, fl. 90 – carta de D. João III à Câmara de Lisboa (Alcochete, 12-01-1527), ordenand (...)

19De novo recorrendo à documentação municipal para a entrada da rainha, encontramos despesas com vestuário festivo para seis trombetas [=trompetistas] e pagamento a sete charamelas do rei [charameleiros], bem como o valor despendido com mantimentos (vinho, pão e fruta) para oitenta e oito «arremadores da galle e trombetas e charamellas e outros que foram na dita galle», não sendo porém claro quem eram os ‘outros’ personagens a bordo.34 Esta informação singular revela no entanto que a cidade tem pelo menos seis trombetas ao seu serviço – facto que se confirma na documentação referente à entrada de D. João III com a rainha D. Catarina em 1527 – e os charamelas são, inequivocamente, músicos ao serviço da casa do rei.35

  • 36 Correia, 1992, 127.
  • 37 Livro de Festas, fls. 62, 64v, 65v.

20O cronista, talvez pouco sensível à música, é bastante parco no assunto, apesar de tudo assinalando a presença de seis barcas do Ribatejo «com suas frolias e homens mancebos e moças louçãs pera bailar e cantar e froliar».36 O Livro de Festas corrobora esta presença registando despesas em vestuário, calçado e estadia de trinta foliães e vinte e quatro folioas «que vieram d´Abramtes e da Castanheira».37

  • 38 Correia, 1992, 127. Sobre a utilização de trons a bordo dos navios, ver por exemplo Valdez dos Sant (...)

21Destaca-se no cortejo um outro navio que parece produzir um ambiente sonoro muito particular. Era uma caravela a cargo de um grupo de estudantes, «cheia de diabos mui disformes e a caravela mal aparelhada e velas esfarrapadas e pintadas de más pinturas» – só a descrição já dá uma ideia do efeito cómico que teria no seio de tão nobre companhia – «de onde saíam grandes fumaças e fogos artificiais e muitos trões», aludindo certamente aos tiros de artilharia disparados sem pelouros que atroavam os ares.38

  • 39 Correia, 1992, 128.
  • 40 Regimentos de D. Manuel, fl. 19v.

22Efectivamente o uso da artilharia em cerimónias oficiais era uma prática corrente no século XVI, pelo que não é de estranhar a sua presença neste contexto. O cronista refere a propósito que, chegando o rei à cidade, «as naus todas logo deram fogo a sua artilharia que foi sem conto»,39 aparentemente seguindo as normas inscritas no Regimento manuelino para os Recebimentos dos Reis, de 1502, onde se estabelecia que «todalas naus e navios que no porto i houverem, em sinal de prazer e alegria, lhe será mandado que […] desparem dos tiros de pólvora que tiverem na hora da entrada» del-rei.40

Iconografia

  • 41 IANTT, Leitura Nova, Liv. IV de Além-Douro. Sobre a caracterização dos navios do século XVI, v. Dom (...)

23As nuvens de fumo provocadas por disparos de artilharia a bordo encontram-se retratadas numa sugestiva miniatura iluminada, na moldura (sul) de um dos monumentais frontispícios da Leitura Nova onde, num pequeno medalhão de cerca de oito a dez centímetros de diâmetro, o pintor inscreve uma cena marítima com três navios de alto bordo representando naus ou galeões, dois ou três navios de remo e vela configurando fustas ou galés, e ainda um conjunto de embarcações mais pequenas, possivelmente batéis e barcas, dos quais seis à vela e pelo menos três com remos e sem mastros.41

  • 42 Correia, 1992, XXXVII-XXXVIII: no seu estudo introdutório, Pereira da Costa afirma encontrar aqui « (...)

24Apesar de esta imagem correr frequentemente como ilustração da partida de D. Beatriz para Sabóia, uns meses mais tarde,42 parece mais aceitável que represente antes uma chegada festiva do que uma largada, sendo nela identificáveis diversos pormenores relatados por Correia. Não obstante, há que ter em conta que grande parte dos elementos áulicos presentes nestas festas eram comuns a muitas outras ocorridas na época, nomeadamente o aparato visual – símbolos heráldicos, têxteis preciosos, decorações ricas em que sobressai o carmesim e o ouro – associados ao indispensável estrondo da artilharia de mistura com a chamada música alta, produzida geralmente por trombetas, atabales e charamelas. Lamentavelmente não é possível identificar nenhum instrumento na imagem, ou por não estar efectivamente representado ou por ter uma escala tão diminuta que, passados quinhentos anos, já não é perceptível.

25Uma outra pintura, estudada e reiteradamente referida nos trabalhos de José Manuel Garcia – o frontispício de um dos exemplares manuscritos e iluminados da Crónica de D. Afonso Henriques, de Duarte Galvão (c.1520)43 – apresenta uma vista da cidade de Lisboa em fundo, encontrando-se em primeiro plano o porto repleto de navios de vela e remos.44 O investigador chama a atenção para o facto de figurarem as armas da casa de Áustria no toldo da popa de uma fusta ou galé, pelo que provavelmente aludiria também à entrada de D. Leonor nesta cidade.45 No entanto, o cotejo desta imagem com os elementos visuais descritos na crónica de Correia, não apresentando uma correspondência directa, sugere que possa a mesma configurar uma representação áulica convencional, artística, sem o objetivo de retratar um acontecimento específico de forma documental.

5. Entrada triunfal em Lisboa

  • 46 Regimentos de D. Manuel, fl. 19.

26As entradas reais em Lisboa estavam regulamentadas, desde 1502, com uma série de obrigações estipuladas tanto para as autoridades como para os moradores e os representantes dos ofícios. Entre outras coisas era exigida a presença de «todos ministres e tangedores, que nela [cidade] e no termo houver, e trombetas, todos postos nos lugares pertencentes, e todos outros Joguos, Representações que se poderem fazer».46

  • 47 Cf. Alves, 1986 e Regimentos de D. Manuel, 17v.-19v.

27A cerimónia contava obrigatoriamente com alguns elementos de forte simbolismo, como a arenga ou discurso de boas vindas à personalidade homenageada, a entrega das chaves da cidade – simbolizando a lealdade dos súbditos – e o trajecto debaixo de um pálio rico até à Sé, para um momento de recolhimento e oração. Seguidamente a comitiva percorria certas ruas decoradas com ricos têxteis e atapetadas de ervas cheirosas, ao longo das quais se sucediam as exibições de grupos de cariz popular, mas também as eruditas representações promovidas e apresentadas pelas corporações profissionais e instituições, em palcos montados para o efeito.47

  • 48 Cf. Camões et al., 2010, 97. Livro de Festas, fls. 44, 47, 63.
  • 49 Correia, 1992, 129. Livro de Festas, fls. 50, 59; fl. 70v; fls. 61-62, respectivamente para arenga, (...)

28A entrada de 1521 inscreve-se de forma evidente neste modelo, sendo assinalados por Correia mais de uma dúzia de cadafalssos com cenografias espectaculares e representações alegóricas em honra da rainha, onde é hoje indiscutivelmente aceite que Gil Vicente participou, tanto na concepção como provavelmente também na produção dramatúrgica.48 O cronista refere efectivamente a arenga, a entrega das chaves e a ida da rainha debaixo de pálio rico de oito varas douradas, aspectos que se encontram reiterados na documentação camarária.49 Mas para além disso dá informação bastante detalhada sobre conteúdos e ambiente sonoro de algumas das representações, sendo esta a única descrição conhecida deste grandioso evento áulico que durou largas horas, fazendo com que os monarcas regressassem «aos Paços já qasi noite».

  • 50 Correia, 1992, 129.
  • 51 Correia, 1992, 129.

29Encontramos no meio da multidão de participantes os oficiais heráldicos – porteiros «de maças de prata» e reis de armas «com suas ricas cotas vestidas» – diante do pálio de brocado onde seguiam os monarcas a cavalo, juntamente com os indispensáveis charamelas, trombetas e atabales, diante dos quais ia «todo género de festas e folias e damças e amtremeses».50 Logo no primeiro palco encontrava-se uma representação de um tema bíblico onde figurava, «em um céu, Deus Padre com a corte angélica com muitos instrumentos e músicas» eventualmente pintados ou esculpidos no cenário com bastante realismo, segundo se depreende, mas não sendo de descartar que houvesse efectivamente participação musical.51

  • 52 Correia, 1992, 129.
  • 53 Correia, 1992, 130.

30O palco seguinte, do outro lado da rua, representava a ilha da Madeira, onde se encontrava um grupo de fadas acompanhadas por «quatro sereias cantando suavemente» e que terminava justamente com os «doces cantares das sereias, que mui bem pareceu».52 Mais à frente encontrava-se um palco a cargo dos tanoeiros, onde figurava «uma dama encantada com o cantar de um grande dragão» e outro representando «uma grande brenha de arvoredo mui viçoso de muitas froles e aves mui fremosas e muitos passarinhos que nele cantavam».53

  • 54 Correia, 1992, 131.
  • 55 Correia, 1992, 132.

31A representação dos oficiais da Casa da Índia merece ao cronista uma descrição particularmente detalhada, a qual terminava com «muitas gentes com grandes festas e prazeres […] e muitos tangeres», revelando assim a presença de música instrumental, lamentavelmente não especificada.54 Uma das últimas representações contava uma vez mais com «um céu artificial de grandes músicas e cantares», subsistindo a dúvida se seria apenas cenário ou som real, parecendo provável que aludisse realmente a instrumentistas e cantores actuando no local.55

  • 56 Combet, 2008, 46-47; Combet, 2012, 218. Fernández Álvarez, 2006, 56, assinala a compra de um clavic (...)
  • 57 Góis, 1926, principalmente IV Parte, Capítulo 84.

32Elementos biográficos de D. Leonor apontam para as suas invulgares competências musicais, adquiridas na Flandres durante a infância, sendo-lhe atribuídos, por volta de 1518, notáveis dotes como executante de diversos instrumentos – nomeadamente o alaúde e o manicórdio – além de proficiência no canto polifónico e na dança.56 É pois plausível que as grandiosas festas organizadas em sua honra em Lisboa contemplassem esta particularidade, tendo ainda em conta a enorme importância dada por D. Manuel à música, como tem sido amplamente reconhecido a partir das palavras do seu cronista Damião de Góis.57

Considerações finais

  • 58 Strong, 1993, 42, 44. Para entradas na Península Ibérica, Alves, 1986.
  • 59 D. Leonor fará múltiplas entradas solenes em diversas cidades francesas, a partir de 1530, após o s (...)
  • 60 Cf. Juan Christóval Calvete de Estrella (2001) – El felicíssimo viaje del muy alto y muy poderoso P (...)

33Os vários episódios festivos relacionados com este casamento espelham certamente ambientes sonoros idênticos aos que a rainha teria vivenciado em entradas solenes ao lado de Carlos, quer enquanto arquiduque da Áustria, na Flandres, quer como príncipe herdeiro de Espanha, já na Península. Elementos simbólicos destes eventos políticos, baseados numa matriz classicizante comum à generalidade das cortes europeias – ainda que eventualmente com particularidades ibéricas, em alguns casos58 – parecem manter-se em vigor décadas mais tarde, em diversas outras entradas cerimoniais presenciadas por D. Leonor, nos anos de 1530 como rainha de França,59 e em 1549-1550, viúva de novo, acompanhando a sua irmã Maria de Hungria, então governadora dos Países Baixos, nos sucessivos festejos e recebimentos em honra do sobrinho de ambas, o príncipe Filipe de Espanha, no seu périplo pelo Império.60

34Para além do atroar da artilharia em certos momentos específicos – e eventualmente do repique dos sinos das igrejas e conventos, não referidos nas fontes aqui seguidas – bem como das já mencionadas bandas de cariz áulico associadas aos oficiais heráldicos, encontramos instrumentos a bordo, no desfile náutico, músicos incorporados nos diversos palcos com representações durante a entrada real e grupos de foliões nas ruas, bem como divertimentos privados de corte, indissociáveis da música, sobretudo instrumental.

35Do ponto de vista musicológico é de lamentar que apenas nos tenham chegado breves sinais da presença musical nestes (e em muitíssimos outros) grandiosos eventos áulicos. De entre as principais dúvidas que subsistem releva a questão do repertório executado, de que não há notícia: seria música polifónica? Composta por quem? Fanfarras, melodias populares e outras com que o público estaria familiarizado? Impossível determinar com exatidão, até ao momento.

36Outras perguntas ficam igualmente sem resposta por ora. Para além dos trombetas da Câmara de Lisboa e dos charamelas do rei, quem eram os músicos participantes? Profissionais contratados individualmente, amadores, grupos organizados previamente existentes? Fica ainda por resolver a questão da propriedade dos instrumentos, que não conseguimos determinar se eram das instituições ou dos próprios músicos, sendo ambas as hipóteses plausíveis.

37Se não é ainda possível responder a todas estas questões, em contrapartida sabemos hoje que nos serões principais em que havia dança, acompanhavam os instrumentistas de sopro de madeira e sacabuxas (ministres ou menestréis), sendo provável que ocasionalmente também os músicos da câmara do rei – tocando alaúde, cravo, harpa ou viola de arco – desempenhassem algum papel neste contexto, bem como os cantores da Capela Real, participando nomeadamente nos autos teatrais e nas músicas da câmara. Temos ainda notícia da presença de instrumentos em torneios e touradas – frequentemente trombetas mas também pífaros e atambores – actividades invariavelmente incluídas na programação festiva deste tipo de comemorações.

  • 61 Andrade, 1613, fl. 7. O autor refere o cortejo entre os Paços da Ribeira e a igreja de S. Domingos, (...)

38Sobre o destacado papel das bandas de charamelas, trombetas e atabales – os instrumentos de mais forte sonoridade e de maior significado heráldico, que ostentavam as armas do seu senhor nas bandeiras de seda das trombetas, na paramentaria dos atabales e em medalhões de prata lavrada que os instrumentistas levavam ao peito – é evidente o seu protagonismo na generalidade das cerimónias áulicas. Se por um lado caracterizam o ambiente sonoro em momentos de grande importância política, todavia não deixarão de ser suprimidos «por respeitos da Rainha viúva» após a morte de D. Manuel, nos finais de 1521, por ocasião das cerimónias de juramento de D. João III como rei de Portugal.61

  • 62 Andrade, 1613, fls. 8-8v.
  • 63 Os meus sinceros agradecimentos aos investigadores que gentilmente me facultaram informações, docum (...)

39De facto o novo monarca, respeitando o luto de D. Leonor durante as celebrações da sua subida ao trono, ordena o silêncio tanto à saída do cortejo como no regresso ao paço real. O seu cronista salienta que, terminado o longo acto solene na igreja de S. Domingos, o jovem rei, acompanhado de um magnífico séquito, «chegou até à porta da ribeira, fazendo em todo este caminho seu ofício os estrumentos, porém dali até o Paço mandou que cessassem, também polo mesmo respeito da Rainha veúva»,62 lembrando assim que, no xadrez da paisagem sonora, tem igualmente lugar de destaque o silêncio.63

Instrumentistas ao serviço do rei D. Manuel (1495-1521)64

Quadro A - trombetas identificados, dos quais 4 em 1496 e 12 em 1515

TROMBETAS DE D. MANUEL

1496

Gonçalo Fernandes

trombeta

CDM, L. 33, ff. 66 e 73v; Subsídios, 211

1496

João Vaz

trombeta; tb. de D. João II

CDM, L. 40, f. 102; Subsídios, 562-63

1496

Pero Afonso

trombeta

CDM, L. 32, f. 99v

1496

1502

1514

1515

João de Évora

trombeta; tb. de D. João II

CDM, L. 32, f. 132; Subsídios, 192

CDM, L. 4, f. 16

CC, Parte II, mç. 45, n.º 72

CC, Parte II, mç. 62, n.º 87

1506

1514

Álvaro [Fernandes] Esteves

trombeta

CDM, L. 44, f. 16v; Subsídios, 198

CC, Parte II, mç. 45, n.º 74

1506

1515

João de Final

trombeta

CDM, L.44, ff. 14 e 17v; Subsídios, 223

CC, Parte II, mç. 62, n.º 83

1513

1515

1517

Luis Martins (m. 1517)

trombeta

CDM, L. 42, ff. 84 e 89; Subsídios, 365-6

CC, Parte II, mç. 62, n.º 85

CDM, L. 10, f. 37v

1513

1514

1515

1516

Jorge Fernandes

trombeta

CC, Parte II, mç. 48, n.º 111; Subsídios, 213

CC, Parte II, mç. 51, n.º 97

CC, Parte II, mç. 62, n.º 88

CC, Parte II, mç. 63, n.º 20

1514

Álvaro Esteves

trombeta

CC, Parte II, mç. 45, n.º 74

1514

1515

Diogo Prestes, f. de Pero Prestes

trombeta

CC, Parte II, mç. 52, n.º 174

CC, Parte II, mç. 62, n.º 80

1514

Pe[d]ro Prestes

trombeta

CDM, L. 36, f. 126v; Subsídios, 463-64

1514

1515

Francisco Fernandes

trombeta

CC, Parte II, mç. 50, n.º 160

CC, Parte II, mç. 62, n.º 90

1514

1517

Diogo Fernandes

trombeta

CC, Parte II, mç. 50, n.º 9

CDM, L.10, f.48v; Subsídios, 201-2

1515

Pedro Corvo/ Corno

trombeta; tb. de D. João II

CC, Parte II, mç. 62, n.º 79; Subsídios, 140

1515

João de Seixas

trombeta

CC, Parte II, mç. 62, n.º 81

1515

Pedro de Fustamante

trombeta

CC, Parte II, mç. 62, n.º 84

1515

Henrique Esteves

trombeta

CC, Parte II, mç. 62, n.º 86

1515

Vicente Barroso

trombeta

CC, Parte II, mç. 62, n.º 89

1515

1516

Jorge Anes

trombeta

CC, Parte II, mç. 62, n.º 78

CDM, L. 25, f. 108; Subsídios, 51

1521

Diogo de Évora

trombeta

CDM, L. 18, f. 104; Subsídios, 189-190

CC – Instituto dos Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo, Corpo Cronológico.
CDM – Instituto dos Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo, Chancelaria de D. Manuel I.
Charamelas – VITERBO, Sousa (1912) – O Rei dos Charamelas e os Charamelas-móres. Lisboa: Typ. J. F. Pinheiro.
CML Documentos do Arquivo Histórico da Câmara Municipal de Lisboa: Livros de Reis, vol. IV (1959). Lisboa. Câmara Municipal.
Subsídios – VITERBO, Sousa (1932) – Subsídios para a História da Música em Portugal. Coimbra: Imprensa da Universidade. Edição facsimilada de Arquimedes Livros, Lisboa, 2008

Quadro B - charamelas e sacabuxas identificados, dos quais 5 em 1515

MENESTRÉIS DE D. MANUEL

1501

Francisco Camelo

charamela

CML, IV-78

1507

1515

1521

Jaques (já falecido em 1529)

charamela

CDM, L. 38, ff. 74 e 75; CC, Parte II, mç. 12, n.º 137; Subsídios, 286-90
CC, Parte I, mç. 17, n.º 127; Charamelas, 2 e 4

CDM, L. 18, f. 112v;

1515

1516

Alberto de Arsia

charamela

CC, Parte II, mç. 57, n.º 104

CC, Parte II, mç. 64, n.º 58

1515

1516

Adrião de Marcha

charamela

CC, Parte II, mç. 57, n.º 105

CC, Parte II, mç. 64, n.º 66

1515

1516

Cor[o]neles, de Malynes

charamela

CC, Parte II, mç. 57, n.º 106

Charamelas, 4

1515

Luís de Flandes

charamela

CC, Parte II, mç. 57, n.º 111

1516

Gerarte/ Geraldo, de Lovem

sacabuxa

CC, Parte II, mç. 64, n.º 7; Charamelas, 4; Subsídios, 245

1516

Gyles/Giles, de Belduque

charamela

Charamelas, 4; Subsídios, 250-251

1516

Pytre, morador em brucelas

sacabuxa

Charamelas, 4; Subsídios, 457

1516

Jaques doçaina

instrumentista de sopro

CC, Parte II, mç. 64, n.º 125

1520

Jaques Fansyt [= Jaques?]

charamela

CDM, L.35, f.129v; Subsídios, 193

CC – Instituto dos Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo, Corpo Cronológico.
CDM – Instituto dos Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo, Chancelaria de D. Manuel I.
Charamelas – VITERBO, Sousa (1912) – O Rei dos Charamelas e os Charamelas-móres. Lisboa: Typ. J. F. Pinheiro.
CML Documentos do Arquivo Histórico da Câmara Municipal de Lisboa: Livros de Reis, vol. IV (1959). Lisboa. Câmara Municipal.
Subsídios – VITERBO, Sousa (1932) – Subsídios para a História da Música em Portugal. Coimbra: Imprensa da Universidade. Edição facsimilada de Arquimedes Livros, Lisboa, 2008

Quadro C - percussionistas identificados, dos quais 2 tamboris e 4 atabaleiros em 1515

PERCUSSIONISTAS DE D. MANUEL

1498

Arnão

tamboril

CDM, L. 31, f. 22v; Subsídios, 60

1502

1515

1516

Jaques de Ogales/ Ogueles

Jaques tamboril/ tambory

tamboril

CDM, L. 6, f.100v; Subsídios, 419

CC, Parte II, mç. 58, n.º 7

CC, Parte II, mç. 64, n.º 121

1505

Pero Favela

atabaleiro-mor

CDM, L. 20, f. 17v; Subsídios, 195-6

1515

Mestre Pedro

tamboril

CC, Parte II, mç. 54, n.º 64

1515

Gonlçalo Pichaleiro

atabaleiro-mor

CC, Parte II, mç. 60, n.º 200

CC, Parte II, mç. 61, n.º 30

1515

Afonso de Aguilar

atabaleiro

CC, Parte II, mç. 60, n.º 200

1515

Francisco de Aguilar

atabaleiro

CC, Parte II, mç. 60, n.º 200

1515

c.1521

Fernão de Carião/ Caria

filho de G. Pichaleiro

atabaleiro

CC, Parte II, mç. 61, n.º 28

Subsídios, 104-105

CC – Instituto dos Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo, Corpo Cronológico.
CDM – Instituto dos Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo, Chancelaria de D. Manuel I.
Charamelas – VITERBO, Sousa (1912) – O Rei dos Charamelas e os Charamelas-móres. Lisboa: Typ. J. F. Pinheiro.
CML Documentos do Arquivo Histórico da Câmara Municipal de Lisboa: Livros de Reis, vol. IV (1959). Lisboa. Câmara Municipal.
Subsídios – VITERBO, Sousa (1932) – Subsídios para a História da Música em Portugal. Coimbra: Imprensa da Universidade. Edição fac-similada de Arquimedes Livros, Lisboa, 2008.

Bibliographie

Fontes manuscritas

Arquivo Municipal de Lisboa AML-AH, Chancelaria RégiaLivro de Festas, CHR 78 [exemplar policopiado].

Instituto dos Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo – Corpo Cronológico, Parte. I, mç. 24-26 (vários).

Instituto dos Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo – Corpo Cronológico, Parte II, mç. 78, n.º 101.

Fontes impressas

ANDRADE, Francisco de (1613) – Cronica do muyto alto e muito poderoso Rey destes reynos de Portugal Dom João o III. deste nome. Lisboa: Jorge Rodriguez.

CAETANO DE SOUSA, António (1738) – História Genealógica da Casa Real Portugueza, Tomo V. Lisboa: Officina Sylviana da Academia Real.

CORREIA, Gaspar (1992) – Crónicas de D. Manuel e de D. João III (até 1533), leitura, introdução, notas e índice por José Pereira da Costa. Lisboa: Academia das Ciências.

Documentos do Arquivo Histórico da Câmara Municipal de Lisboa: Livros de Reis, Vol. IV (1959). Lisboa. Câmara Municipal.

GÓIS, Damião de (1926) – Crónica do Felicíssimo Rei D. Manuel, Pt. IV. Coimbra: Imprensa da Universidade.

Les entrées de Eléonore d’Autriche, reine de France et du Dauphin, fils de François Ier (Éd. 1866). S.L.: Hachette Livre/ Bibliothèque Nationale de France. [Edição fac-similada].

Regimentos de D. Manuel para os vereadores e oficiais da Câmara de Lisboa - 3 de agosto de 1503 [Livro Carmesim], (2014). Cadernos do Arquivo Municipal. Lisboa. 2ª Série Nº 2, p.273-298. [3-III-2019].

RÊGO, António da Silva (1967) – As Gavetas da Torre do Tombo, VI (Gav. XVI-XVII, Maços 1-3), Lisboa: Centro de Estudos Históricos Ultramarinos.

RESENDE, Garcia de (1973) – Crónica de D. João II e Miscelânea. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda.

SOUSA, Frei Luis de (1951) – Anais de D. João III, Vol. I, Prefácio e Notas de M. Rodrigues Lapa. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora.

VANDENESSE, Jean de (1874) – Collection des Voyages des Souverains des Pays-Bas, publiée par M. Gachard, Tome Deuxième, Itinéraire de Charles-Quint de 1506 a 1531. Journal des Voyages de Charles-Quint, de 1514 a 1551. Bruxelas: F. Hayez.

Estudos

ALVES, Ana Maria (1986) – As Entradas Régias Portuguesas. Lisboa: Livros Horizonte.

BUESCU, Ana Isabel (2010) – Na Corte dos Reis de Portugal. Lisboa: Colibri.

CAMÕES, José; MACHADO, João Nuno Sales (2010) – Who’s in a name? In A Custódia de Belém 500 anos. Lisboa: Instituto dos Museus e Conservação/ Museu Nacional de Arte Antiga. P. 89-103.

CAZAUX, Christelle (2002) – La Musique à la Cour de François Ier. Paris: École Nationale des Chartes.

COMBET, Michel (2008) – Éléonore d’Autriche. Paris: Pygmalion.

COMBET, Michel (2012) – Leonor de Áustria. In Isabel dos Guimarães Sá e Michel Combet, Rainhas consortes de D. Manuel I. Lisboa: Círculo de Leitores.

DOMINGUES, Francisco Contente [2019] – Caravelas, Naus e Galeões, séculos XV e XVI. Casal de Cambra: Caleidoscópio.

FERNÁNDEZ ÁLVAREZ, Manuel (2006) – Carlos V, el César y el Hombre. Madrid: Espasa Calpe.

GARCIA, José Manuel (1996) – Poder, História e Exotismo na Iluminura Portuguesa Quinhentista. Oceanos. Lisboa. Nº 26, 25-48.

GARCIA, José Manuel (2005) – As iluminuras de 1502 do Livro Carmesim e a iconologia manuelina. Cadernos do Arquivo Municipal. Lisboa. Nº 8, 38-55. [3-III-2019].

GARCIA, José Manuel (2016) – Lisboa: a cidade dos Descobrimentos. Rossio: estudos de Lisboa [em linha]. N.º 7, p.21-43. [10-IV-2018].

LOURENÇO, Maria Paula Marçal (2012) – Rainhas no Portugal Moderno: Casa, Corte e Património. Lisboa: Colibri.

STRONG, Roy (1993) – Art and Power. Suffolk: The Boydell Press.

VALDEZ DOS SANTOS, N. (1999) – Armamento Naval Português (1100-1500). Lisboa: Edições Culturais da Marinha.

VITERBO, Sousa (1912) – O Rei dos Charamelas e os Charamelas-móres. Lisboa: Typ. J. F. Pinheiro.

VITERBO, Sousa (1932) – Subsídios para a História da Música em Portugal. Coimbra: Imprensa da Universidade. Edição fac-similada de Arquimedes Livros, Lisboa, 2008.

Notes

1 Góis, 1926, 73-74. Rêgo, 1967, 660-667. Correia, 1992, 125.

2 Combet, 2008, 90 e Combet, 2012, 234, indica o dia 10 de Julho, sem no entanto indicar a fonte para a datação. Nenhuma das crónicas portuguesas aqui seguidas indica a data precisa.

3 Góis, 1926, 74.

4 Combet, 2008, 90 e Combet, 2012, 234, indica o dia sem referir a fonte. Poderá inferir-se esta data a partir de Vandenesse, 1874, 23, o qual indica, no Itinerário de Carlos V em Espanha, em 1518, que esteve em Saragoça até 4 de Outubro, passando nos dias seguintes por Muéla (dias 5-6) e Almunia (dias 7-8), voltando a 9 para Muéla, onde uma nota indica que «Le 9 octobre, à Almunia, le Roi prit congé de madame Éléonore, qui partait pour le Portugal», supondo-se que terão deixado Saragoça juntos e que este seria o trajeto seguido por D. Leonor para Portugal.

5 Sobre as entregas de rainhas e princesas quinhentistas na raia, v. Lourenço, 2012, 25-39.

6 Góis, 1926, 76.

7 Caetano de Sousa, 1738, 535-537.

8 Góis, 1926, 77. Correia, 1992, 125.

9 Buescu, 2010, 131-132.

10 Sousa, 1951, 270-271.

11 Resende, 1973, 299-300.

12 V. Anexo, Quadro A.

13 João de Évora é assinalado por Viterbo, 1932, 192-193 numa carta régia datada de 1496, como tendo sido trombeta apenas de D. João II «Joham deuora trombeta que foy delRey meu senhor que Deus aja», mas encontra-se documentado ao serviço de D. Manuel em documentos posteriores. V. Anexo, Quadro A.

14 V. Quadros em Anexo. Para o ano de 1515 encontram-se identificados, ao serviço de D. Manuel, 12 trombetas, 5 charamelas, 4 atabaleiros e 2 tamboris, para além de, no âmbito dos músicos da câmara, Diogo, Francisco e Gonçalo de Baena, tangedores de viola de arco, bem como Luis de Santa Maria, tangedor-mor, possivelmente organista.

15 Resende, 1973, 324.

16 Góis, 1926, 77.

17 Correia, 1992, 125. Góis, 1926, 77.

18 Góis, 1926, 77.

19 IANTT, Corpo Cronológico, Parte II, mç. 78, n.º 101: «Mandado de D. Nuno Manuel, almotacé-mor, para o juiz do Sardoal por promptas todas as cousas por ele recomendadas para a espera que El Rei faz a raynha em Ponte de Sor (1518-11-23)». [7-Abr.-2018]. Agradeço a Ana Isabel Silva, do Arquivo Histórico Municipal de Ponte-de-Sor, ter-me assinalado a existência deste documento.

20 Note-se que o príncipe tinha acompanhado D. Manuel ao Crato, onde beijara então a mão à rainha (Góis, 1926, 77).

21 Góis, 1926, 77-78.

22 Góis, 1926, 78-79.

23 Correia, 1992, XXVIII.

24 Correia, 1992, 125. Góis, 1926, 158-159.

25 Livro de Festas, fl. 36. Em carta do monarca à cidade (04-07-1520) paira ainda o receio da peste.

26 Góis, 1926, 158.

27 Livro de Festas, fl. 76. Ver também fl.74ss «Conta que se tomou a Vasco Periz thesoureiro das remdas da cidade de Lisboa do anno de Vc XVIIIº do que gastou nas festas da entrada d’el rey e rainha…», referindo-se a «quando [houve] de ser aa primeira entrada».

28 Correia, 1992, 126.

29 Livro de Festas, fls. 39ss. ANTT, Corpo Cronológico, Pt. I, mç. 24-26 (vários).

30 Livro de Festas, fls. 39, 45.

31 Livro de Festas, fl. 50.

32 Correia, 1992, 126-127.

33 Cf. Alves, 1986, 76-84: Lembrança das festas que se fizeram em Lisboa ao recebimento do Príncipe D. João, filho de el Rei D. João o 3º que casou com a Princesa D. Joana, filha do Imperador Carlos V. Esta princesa será mãe do rei D. Sebastião.

34 Livro de Festas, fls. 66, 70v.

35 Livro de Festas, fl. 90 – carta de D. João III à Câmara de Lisboa (Alcochete, 12-01-1527), ordenando «que os tronbetas desa cydade que hão de servir na minha emtrada ajam os vestydos asy e da maneira que ho ouverão os tronbetas quando el rey meu senhor e padre que samta glorya aja emtrou a deradeira vez nesa cydade».

36 Correia, 1992, 127.

37 Livro de Festas, fls. 62, 64v, 65v.

38 Correia, 1992, 127. Sobre a utilização de trons a bordo dos navios, ver por exemplo Valdez dos Santos, 1999, 41ss.

39 Correia, 1992, 128.

40 Regimentos de D. Manuel, fl. 19v.

41 IANTT, Leitura Nova, Liv. IV de Além-Douro. Sobre a caracterização dos navios do século XVI, v. Domingues, [2019].

42 Correia, 1992, XXXVII-XXXVIII: no seu estudo introdutório, Pereira da Costa afirma encontrar aqui «elementos que nos parecem seguros» de estar representada a armada que levava D. Beatriz para Sabóia, sem no entanto desvendar essas evidências.

43 Códice manuscrito da Chronica do Muito Alto e Muito Esclarecido Príncipe D. Afonso Henriques, Primeiro Rey de Portugal, de Duarte Galvão. Museu dos Condes de Castro Guimarães, Cascais. [10-III-2019]

44 Garcia, 1996, 36, 38; Garcia, 2005, 48-49.

45 Garcia, 2016, 42.

46 Regimentos de D. Manuel, fl. 19.

47 Cf. Alves, 1986 e Regimentos de D. Manuel, 17v.-19v.

48 Cf. Camões et al., 2010, 97. Livro de Festas, fls. 44, 47, 63.

49 Correia, 1992, 129. Livro de Festas, fls. 50, 59; fl. 70v; fls. 61-62, respectivamente para arenga, entrega de chaves e pálio rico.

50 Correia, 1992, 129.

51 Correia, 1992, 129.

52 Correia, 1992, 129.

53 Correia, 1992, 130.

54 Correia, 1992, 131.

55 Correia, 1992, 132.

56 Combet, 2008, 46-47; Combet, 2012, 218. Fernández Álvarez, 2006, 56, assinala a compra de um clavicórdio para Leonor e o seu irmão Carlos, ainda crianças, em Malines, sob os cuidados da sua tia e tutora Margarida de Áustria, governadora dos Países Baixos.

57 Góis, 1926, principalmente IV Parte, Capítulo 84.

58 Strong, 1993, 42, 44. Para entradas na Península Ibérica, Alves, 1986.

59 D. Leonor fará múltiplas entradas solenes em diversas cidades francesas, a partir de 1530, após o seu casamento com Francisco I de França. Cf. Combet, 2008, 136ss; Combet, 2012, 268. Les entrées de Eléonore d’Autriche; Cazaux, 2002, especialmente 188-196.

60 Cf. Juan Christóval Calvete de Estrella (2001) – El felicíssimo viaje del muy alto y muy poderoso Príncipe don Phelippe. [Madrid]: Sociedad Estatal para la conmemoración de los centenários de Felipe II e Carlos V / Turner Libros.

61 Andrade, 1613, fl. 7. O autor refere o cortejo entre os Paços da Ribeira e a igreja de S. Domingos, em Lisboa.

62 Andrade, 1613, fls. 8-8v.

63 Os meus sinceros agradecimentos aos investigadores que gentilmente me facultaram informações, documentos ou imagens que contribuíram para a elaboração deste trabalho: Ana Isabel Buescu (Universidade Nova de Lisboa), Edite Alberto (Câmara Municipal de Lisboa), Ana Isabel Silva (Arquivo Histórico de Ponte de Sor), João Magusto (Câmara Municipal de Castelo de Vide) e José Manuel Garcia (Gabinete de Estudos Olissiponenses), respectivamente.

64 Alguns destes instrumentistas continuam ao serviço da corte no reinado de D. João III, fora do âmbito deste trabalho.

© Publicações do Cidehus, 2019

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search