Version classiqueVersion mobile

Paisagens sonoras urbanas: História, Memória e Património

 | 
Vanda de Sá
, 
Antónia Fialho Conde

Manifestações musicais em espaço urbano (séculos XVI-XX)

A paisagem sonora de Vila Viçosa no século XIX

David Crammer

Résumé

As Memórias do P.e Joaquim José da Rocha Espanca (1839-96) diferem das memórias habituais no sentido em que o autor fala pouco de si próprio, fornecendo, pelo contrário, um registo sobre tudo o que testemunhou ou soube sobre a sua terra: o concelho de Vila Viçosa. De uma forma extremamente organizada e com uma abordagem, ao mesmo tempo, abrangente e minuciosa, conta a história desta comunidade num texto manuscrito de vários milhares de páginas. Escreve sobre tudo o que se passava: as secas e inundações, as colheitas, as epidemias, os crimes, as invasões, a turbulência política, a nova legislação e as suas consequências locais, e os eventos anuais e únicos, quer nas igrejas e conventos, quer nas ruas. Os sons fazem sempre parte destes eventos: os coros, os órgãos, as bandas filarmónicas, os sinos e os foguetes – no seu todo, uma paisagem sonora de enorme riqueza.

Texte intégral

«Eu, minha família, minha geração, nascemos num mundo de silêncio.»

Laurie Lee, Cider with Rosie – Last days.

Introdução

Figura 1 - O Paço Ducal e Terreiro do Paço, Vila Viçosa

Figura 1 - O Paço Ducal e Terreiro do Paço, Vila Viçosa

Postal, ca. 1900, coleção do autor

1Dia 1 de dezembro de 1873 – uma visita a Vila Viçosa da parte de D. Luís e de D. Maria Pia:

Aos vivas na sala dos Tudescos responderam no Terreiro do Paço com o hino de El-Rei as nossas duas filarmónicas reunidas, contando cerca de cinquenta instrumentistas. Estoiravam girândolas de foguetes. Repicaram os sinos das Igrejas e da Câmara e à noite iluminaram-se os Paços Municipais e muitas casas particulares tocando as filarmónicas pelas ruas. (ESPANCA, 1983-86, f. 19, 18)

2Nesta passagem, assinalámos em negrito as referências diretas a sons ou objetos / instituições que produziam sons.

3Antes de mais, contudo, convém lembrar o mundo de silêncio que servia de pano de fundo ao século XIX e séculos anteriores, antes do advento do motor de combustão interna, dos ruídos dos eletrodomésticos e aparelhos de comunicação, da música de fundo dos espaços comerciais – a tranquilidade absoluta implícita na imagem do Paço Ducal e do Terreiro do Paço, em cima. Este silêncio, que, entretanto, perdemos, vem a salientar a enorme riqueza dos sons de regozijo da descrição citada.

4De modo a entender melhor o leque e variedade da paisagem sonora nesses tempos em Vila Viçosa, basta escrutinar mais uma imagem da época e imaginar os sons que daí emanavam – do largo que hoje em dia se designa por «Praça da República», mas que no século XIX tivera outras designações – simplesmente «Praça», ou, nas últimas décadas da Monarquia, «Praça da Princesa D. Amélia».

Figura. 2 - A praça de Vila Viçosa, vista da Igreja do Colégio.

Figura. 2 - A praça de Vila Viçosa, vista da Igreja do Colégio.

Postal, ca. 1900, coleção do autor

5A fotografia reproduzida no postal, Figura 2, foi tirada do campanário da Igreja do Colégio – antiga igreja dos Jesuítas e desde 1865 sede da paróquia de S. Bartolomeu. Havia sinos não só nesta igreja, mas também nas duas igrejas que se veem na imagem – na Igreja Matriz (Santuário de N. S. da Conceição), dentro das muralhas, e, do lado direito da imagem, na Igreja do Espírito Santo (Igreja da Misericórdia, e sede da Paróquia de S. Bartolomeu antes da sua transferência para a Igreja do Colégio). Dentro das igrejas podia-se ouvir música sacra – canto gregoriano e, conforme o caso e a ocasião, um coro polifónico e/ou órgão. Existiam sinos ainda na Torre (lado esquerdo da imagem) e na Capela de N. S. dos Remédios (centro, junto à muralha), ambas entretanto derrubadas, tal como todo o quarteirão entre a Praça e a muralha. As procissões anuais e ocasionais passavam pelas ruas e praças da vila, com os seus cantores e bandas filarmónicas, que também atuavam num coreto que veio a ser construído, na viragem do século XX, no meio da praça, já há muito demolido. Em ocasiões de grande júbilo ouvia-se ainda o estalido dos foguetes e os estrondos da artilharia provindos sobretudo das muralhas e fortificações do castelo.

6 Porém, os postais e fotografias, em si, são mudos, e a nossa imaginação respeitante aos sons ouvidos flutua entre limitações e fantasias. No que diz respeito a Vila Viçosa é a nossa sorte termos um informador excecional na figura do P.e Joaquim José da Rocha Espanca (1839-96), que nos permite perceber com alguma exatidão como era a sua paisagem sonora no século XIX.

O P.e Joaquim Espanca

7 Nascido na Paróquia de S. Bartolomeu, recebeu uma sólida formação musical (voz, piano/órgão e composição) graças sobretudo a Francisco Franco (cantor da Real Capela e compositor). Em 1856 iniciou estudos no Seminário Episcopal de Évora, tendo sido ordenado diácono, e ainda presbítero, em 1863. A sua carreira como padre foi exercida sempre no Concelho de Vila Viçosa. Inicialmente aceitou o cargo de Capelão da Irmandade das Almas, Bencatel, onde o seu irmão, António Joaquim, era Prior da Igreja de Sant’Ana. Em 1877 foi nomeado Prior de Santa Catarina de Pardais e em 1887 Prior da paróquia de São Bartolomeu, voltando mesmo às raízes. Faleceu inesperadamente de um enfarte, na sequência de uma pneumonia, em finais de 1896.

  • 1 Agradeço a Rodrigo Teodoro de Paula por me ter chamado a atenção para estas categorias sonoras bási (...)

8 Para além do seu trabalho exigente como padre, interessava-se por tudo. Os frutos das suas leituras e investigações resultaram em artigos publicados em revistas especializadas nacionais (nomeadamente sobre aspetos da arqueologia de Vila Viçosa e dos seus arredores) e sobretudo nas Memórias de Vila Viçosa – vários milhares de páginas, fruto de uma recolha de dados realizada entre 1862 e 1886, que só chegaram a ser publicadas um século depois, em 36 fascículos. Ainda durante a sua vida, em 1892, com os custos de impressão suportados pelo próprio, saiu o Compêndio de notícias de Vila Viçosa, um resumo atualizado das Memórias, já em si de 449 páginas, editado no Redondo pela Typographia Francisco de Paula Oliveira de Carvalho. É nas Memórias e, em menor grau, no Compêndio, que o presente texto se fundamenta. As citações usadas são meramente exemplificativas – uma pequena seleção das imensas referências à paisagem sonora que o P.e Espanca descreve de forma minuciosa, como aliás descreve tudo. Tomando como enquadramento teórico de base a divisão dos sons em três categorias: musical, brônzea (os sinos) e bélica (as explosões, associadas sobretudo à atividade militar)1, começaremos com a música sacra e os órgãos, passando para as bandas e os sinos, e, por último, os foguetes, bombas e artilharia.

As igrejas e conventos – a música sacra

9 No início do século XIX, o espaço mais destacado para a música sacra era a Capela Real, anexo ao Palácio, cujos cantores se formavam no Real Seminário dos Santos Reis Magos. Devido a obras na Capela, que o Príncipe Regente (futuro D. João VI) mandou fazer em 1806, as atividades do corpo de clérigos, acólitos e músicos (a Real Capela) transferiu as suas atividades para a Igreja do Colégio, onde, sobretudo por inércia, continuou a funcionar durante mais de meio século. Das duas paróquias, N. S. da Conceição e S. Bartolomeu, apenas na igreja da primeira, a Igreja Matriz, houve alguma atividade musical significativa. Por outro lado, também se cantava e/ou tocava órgão, nos seis conventos: três masculinos – dos Agostinhos (Ordem de S. Agostinho – Igreja de N. S. da Graça), de N. S. do Amparo ou de S. Paulo (Congregação da Serra d’Ossa) e dos Capuchos (Ordem de S. Francisco – Igreja de N. S. da Piedade); e três femininos – de Santa Cruz (Ordem de S. Agostinho), da Esperança e das Chagas de Cristo (ambos da Ordem de S. Clara).

10O P.e Espanca conta todos os pormenores do annus terribilis de 1834. Para além da extinção das ordens religiosas – a expulsão imediata dos religiosos dos conventos masculinos e a morte lenta das comunidades femininas – Vila Viçosa sofreu dramaticamente com o encerramento da Real Capela e Seminário, por simples falta de verbas. A Real Capela continuou a funcionar nos eventos principais do ano depois desta data, em regime de voluntariado, perdendo membros aos poucos, à medida que a idade avançada e o falecimento os tiravam. As Memórias às vezes fornecem detalhes sobre as obras executadas:

Tabela 1 - Exemplos de obras de música sacra identificadas pelo P.e Espanca como tendo sido executadas em Vila Viçosa no século XIX

Ano

Compositor

Obra

Todos

[Fr. Manuel Cardoso]

Motetes dos Passos

1853, 1861?, 1878

David Perez

Ofício dos defuntos

1853

David Perez

Requiem

1855, 1865

Simão Portugal

Matinas

1855

António José Soares

Marcos Portugal

Eleutério Franco Leal

Salmos

1855

João José Baldi

Missa

1878

Francisco Peres

Subvenite

1878

Francisco Franco

Absolvições

1878

António José Soares

Te Deum

1878

Mathias Osternold

Te Deum

11No que diz respeito aos motetes dos Passos, o P.e Espanca diz apenas que recordavam «os tempos de Palestrina e outros maestros do século XVI a cuja época remonta esta composição singela, mas harmoniosa, suave e devota» (ESPANCA, 1983-86, f. 26, 47). Contudo, foi possível atribuir estes motetes a Fr. Manuel Cardoso, através de manuscritos em Vila Viçosa e na Biblioteca Nacional de Portugal (CRANMER, 2017, 275).

12Graças às Memórias ficamos informados igualmente sobre os órgãos que existiam na vila no século XIX e o que lhes aconteceu na sequência da extinção das ordens religiosas. Os maiores eram da Igreja da Graça (Panteão dos Duques de Bragança/Convento dos Agostinhos), que tinha três foles, e da Igreja do Convento de S. Paulo, de dois foles, ambos perdidos, embora a caixa do primeiro ainda se encontre no coro alto da igreja. O P.e Espanca considerava que o órgão da Igreja do Convento de S. Paulo tinha sido o melhor na vila (Espanca, 1983-86, f. 22, 76). Existiam órgãos também na Capela Real e na Igreja Matriz, que ainda funcionam – o segundo graças a um restauro recente. O órgão do Convento da Esperança foi transferido para a Igreja do Espírito Santo (Misericórdia) quando o Convento se encerrou. Quer a Igreja do Convento de Sta. Cruz, quer o Seminário dos Santos Reis Magos possuíam um realejo (órgão pequeno que soa uma oitava acima). O primeiro faz parte do espólio do Museu de Arte Sacra, no seu espaço primitivo, enquanto o outro chegou a ser usado pontualmente no resto do século XIX, principalmente na Igreja do Colégio, tendo-se perdido entretanto.

Bandas, sinos e foguetes

13A certo momento na sua descrição das celebrações da declaração do dogma da Imaculada Conceição, a 30 de junho/1 de julho de 1855, o P.e Espanca observa:

Ao sair a procissão da Matriz no meio de repiques de sinos, girândolas de foguetes e festivais hinos da filarmónica, ouvia-se nova salva Real de artilharia na Estrela e outra de morteiro que José de Freitas disparava na torre do Caracena. (ESPANCA 1983-86, f. 18, 32).

14Tal como na citação com que arrancou este texto, aqui há referências a mais três aspetos da paisagem sonora: os sinos, os foguetes/artilheria/morteiro e a banda filarmónica.

15 Começando com este último, a primeira banda filarmónica – da Sociedade Filarmónica Calipolense – fundou-se em 1850, por inspiração da banda filarmónica do Alandroal, que tocara em Vila Viçosa nesse ano. Foi dirigida inicialmente por Francisco Peres Ailon de Lara, outrora professor de música do Colégio dos Santos Reis Magos e 2.º organista da Real Capela. Pouco tempo durou, contudo. Como o P.e Espanca refere, mais uma vez, respeitante às celebrações do Dogma, em 1855:

E [Francisco Peres] convidou a filarmónica do Regimento de Infantaria nº 17, estacionado em Elvas, para tocar ao arraial no adro e atrás da procissão, visto achar-se raquítica e quase dissolvida a Filarmónica Calipolense. (Espanca, 1983-86, f. 18, 12)

16No entanto, a banda teve novo impulso em 1857 sob a direção de Eugénio Joaquim Tarana. O P.e Espanca refere, por exemplo, nesta fase, a sua atuação na transferência da Confraria de S. Crispim, da Igreja de S. Paulo para a Igreja de Sto. António, em 1864:

[…] À hora do sol posto reuniram-se os irmãos sapateiros com alguns devotos, havendo antecipadamente convidado a filarmónica da terra para os acompanhar e assim fizeram o seu saimento de cruz alçada e lanternas acesas, presidindo a esse acto o Pároco de S. Bartolomeu acompanhado pelo seu sacristão. Este facto, que estava mostrando aos olhos de todos a visível decadência da terra, produziu imensa tristeza em todo o povo e foram muitas as pessoas que verteram lágrimas de dor. (Espanca, 1983-86, f. 18, 75)

17Uma disputa interna, em 1870, resultou na criação de uma banda rival, da Sociedade Filarmónica Esperança. A eclosão da Guerra Franco-Prussiana (1870-71) resultou com que a primeira banda fosse alcunhada “Os Franceses” e a segunda “Os Prussianos”. Houve uma politização desta diferença, tendo sido os Franceses associados aos Progressistas e os Prussianos aos Regeneradores. Quer nas Memórias, quer no Compêndio encontram-se referências frequentes ao estado de colaboração/guerra aberta entre as duas bandas.

18Passando para os sinos, nas celebrações do Dogma, em 1855, encontramos outras referências, por exemplo no arranque, no dia 30 de junho:

Findo o sinal das trindades, principiou a baloiçar o sino maior da Matriz para dobre e aventar os seus sons, girando em torno do seu eixo, segundado pelas harmonias galhofeiras dos outros dois consócios. É assim que se anunciam nesta vila as festas de primeira classe chamando a este estilo repiques à Romana. (Espanca, 1983-86, f. 18, 22)

19O uso de sinos não era limitado aos eventos de regozijo. Assinalavam sistematicamente também os falecimentos dos residentes. Destaca-se, contudo, o uso dos sinos, em 1838, nos preparativos do fuzilamento de um assassino, enquanto andava em procissão pela vila:

Logo que o préstito fúnebre se pôs em movimento, começou a campana da Misericórdia a dobrar a finados, acompanhando-a também a torre da Freguesia de S. Bartolomeu. Outro tanto fizeram os sinos do Colégio da Companhia quando o cortejo subia pela Praça Nova e assim mesmo os campanários de Santa Luzia e S. João Baptista e a torre de Nossa Senhora da Lapa, conforme o padecente se aproximava destas Igrejas, cujas portas estavam abertas. Às do Colégio, Santa Luzia e S. João parou ele, enquanto os dois sacerdotes rezavam as antífonas dos Oragos respetivos, implorando o divino auxílio para a sua eterna salvação e de joelhos todos entoavam: Oh! Senhor Deus, misericórdia! (Espanca, 1983-86, f. 16, 59-60)

20 Nesta passagem, como em tantos outros, os sons dos vários tipos misturam-se – por um lado, sinos, por outro, as orações dos sacerdotes e a entoação de toda a assistência.

21Os foguetes, bombas e artilharia vêm sempre acompanhados pelos sinos, ou em simultâneo, ou em sequência. Mais uma vez nas celebrações do Dogma, a 30 de junho de 1855, o P.e Espanca testemunha a barulheira desta combinação em simultâneo:

Procedia-se de igual modo nas outras torres e o ruidoso concerto dos bronzes ia aumentando progressivamente. Os sinos do relógio e da Câmara ressoavam como usam nas festas civis e nacionais. Do adro do Matriz surgiram rapidamente girândolas de foguetes e estrondearam lá nas alturas do firmamento perdendo-se quase de vista. Pelas ruas e largos da povoação disparavam-se tiros de pólvora seca ou bombas fabricadas adrede para exprimir o alvoroço de alegria de um povo alucinado perante as glórias e louvores condignos que sua Mãe celestial ia receber nesta ocasião. […] (Espanca, 1983-86, f.18, 22)

22 Pelo contrário, a visita do Arcebispo de Évora, no fim de abril de 1877, fornece um exemplo da sequência:

Quando o Prelado se aproximou do Marco divisório dos dois concelhos, subiu ao ar uma girândola de foguetes que foi o sinal para começar a repicar o carrilhão da Capela Real e após ele todos os sinos das Igrejas e Conventos. (Espanca, 1983-86, f.19, 63)

Conclusão

23 Neste texto não fizemos mais do que exemplificar os tipos de paisagem sonora existentes em Vila Viçosa no século XIX. As Memórias do P.e Espanca deixam bem claro que o mundo em que vivia era um mundo de grande riqueza sonora. No entanto, diferente de hoje em dia, o ponto de partida não era o ruído de fundo a que tivemos de nos habituar, mas antes o silêncio.

24Uma descrição final, de dezembro de 1851, das preces e procissões de penitência após uma seca severa:

[…] Alguns dias depois sobreveio a chuva em quantidade suficiente para nascerem as searas e por conseguinte cantou-se um solene Te Deum na Matriz com a antífona Tota pulchra em comemoração da Virgem Imaculada e a Oculus Dei em comemoração do Patriarca dos Menores, saindo então este para a sua Capela no Convento da Esperança em procissão de gala. O clero com a Ordem Terceira entoava pelo trânsito salmos gratulatórios; entre eles soava a charanga de Cavalaria 3 tocando marchas festivas; da Estacada passou-se à Praça Nova pela rua de santa Cruz. Caiu então alguma chuva, mas ninguém se cobriu. Pela rua de Cambaia desceu-se ao Rossio de S. Paulo repicando os sinos das igrejas próximas e assim chegámos à Igreja da Esperança com muita alegria. (Espanca, 1983-86, f. 17, 68)

Bibliographie

CRANMER, David (2017) – Peças de um mosaico. Lisboa: Colibri/CESEM.

ESPANCA, Joaquim José da Rocha (1983-86) – Memórias de Vila Viçosa, ou Ensaio da História desta vila transtagana, corte da sereníssima Casa de Estado de Bragança, desde os tempos mais remotos atá ao presente, segundo o que pode coligir seu autor (1862-1886), 36 fascículos. Vila Viçosa, Câmara Municipal de Vila Viçosa.

ESPANCA, Joaquim José da Rocha (1892) – Compendio de noticias de Vila Viçosa, Concelho da Provincia do Alemtejo e Reino de Portugal. Redondo: Typographia de Francisco de Paula Oliveira de Carvalho, 1892.

Notes

1 Agradeço a Rodrigo Teodoro de Paula por me ter chamado a atenção para estas categorias sonoras básicas no âmbito das exéquias da rainha D. Maria I, as quais servem igualmente bem como paradigma no presente contexto.

Table des illustrations

Titre Figura 1 - O Paço Ducal e Terreiro do Paço, Vila Viçosa
Légende Postal, ca. 1900, coleção do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/7843/img-1.png
Fichier image/png, 300k
Titre Figura. 2 - A praça de Vila Viçosa, vista da Igreja do Colégio.
Légende Postal, ca. 1900, coleção do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/7843/img-2.png
Fichier image/png, 341k

Auteur

Departamento de Ciências Musicais/CESEM, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa, cranmer@netcabo.pt

© Publicações do Cidehus, 2019

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search