Version classiqueVersion mobile

Comunicación política y diplomacia en la Baja Edad Media

 | 
Néstor Vigil Montes

Diplomacia e espionagem na baixa Idade Média portuguesa

Duarte Maria Monteiro de Babo Marinho

Résumé

A projeção externa de Portugal, à semelhança de outros reinos, encontra os seus jogos diplomáticos alicerçados numa complexa e eficaz rede de espionagem. Esta era uma prática vista como positiva por beneficiar a diplomacia, pois proporcionava aos embaixadores tirarem um proveito máximo da sua atividade. Essa eficaz rede, com métodos próprios, dava mostras da sua grande utilidade, uma vez que o rei tinha acesso a informações que caracterizam as realidades de um determinado espaço político, podendo assim organizar, de forma mais adequada, uma missão diplomática.

Entrées d'index

Texte intégral

1. Introdução e metodologia

  • 1 Entre outros vd. González Sánchez, 2015. PÉQUIGNOT, 2017, 645-670. Veja-se também a bibliografia es (...)
  • 2 PÉQUIGNOT, 2017, 646.

1Apesar do recente interesse que a espionagem medieval tem suscitado na historiografia internacional1, as abordagens existentes limitam o tema essencialmente a obras de divulgação; sendo que alguns desses trabalhos abordam a questão anacronicamente: importam conceitos da atualidade para a Idade Média2.

  • 3 Inúmeros trabalhos acerca da História de Portugal são omissos em relação a este assunto. De entre e (...)
  • 4 PINTO, 2015.
  • 5 REGO, 1942, 131-250. CORTÉS CORTÉS, 1989. BARROS, 1990, 101-132. MONTEIRO, 1998. SANTOS, 1998. BARR (...)

2Em Portugal a realidade não é muito diferente. Na verdade, o tema espionagem medieval no panorama historiográfico não tem despertado grande atenção aos académicos3. São poucos os trabalhos que abordam esta temática4 e as referências existentes limitam-se, essencialmente, a considerações em capítulos de obras de História Militar ou em artigos científicos dispersos sobre o tema5.

  • 6 PÉQUIGNOT, 2017, 648.
  • 7 DUARTE, 1982. PÉQUIGNOT, 2017, 648 e1054-1055.

3A ausência de estudos desta natureza para a Idade Média é compreensível: deparamo-nos com uma menor riqueza documental e com uma atividade envolta em grande secretismo. De facto, havia um grande cuidado em ocultar as informações epistolares (por intermédio de cifras), de forma a evitar que caíssem em mãos inimigas6. D. Duarte, Alfonso O Magnânimo, Fernando O Católico e Carlos III de Navarra, foram algumas das personalidades daquele tempo que usaram textos cifrados na sua correspondência7.

  • 8 GONZÁLEZ SÁNCHEZ, 2015, 137.
  • 9 PINTO, 2015.
  • 10 Fernanda Nussbaum, 2012, 71. PÉQUIGNOT, 2017, 647.
  • 11 PÉQUIGNOT, 2017, 647. Em relação ao caso português veja-se o exemplo de ALMEIDA, 1935. DIAS, 2003.
  • 12 Biblioteca Pública de Évora (doravante BPE), Fundo Manizola, Códice 177, fls. 24-29v.

4A ausência de fontes documentais não é apenas um problema da realidade portuguesa: o mesmo se verifica para a generalidade dos reinos d’aquém e além Pirenéus8. Sendo assim, o investigador que se dedique ao estudo da espionagem do Portugal medieval (como foi, v.g., o caso de Vítor Manuel Pinto9) terá nos relatos cronísticos descrições de grande valor, o que os torna numa das principais fontes de consulta10. Além da cronística, existem outras tipologias documentais que podem interessar aos investigadores e que proporcionam importantes pistas acerca das atividades de espionagem. Podemos, assim, encontrar referências em textos de reflexão política, correspondência, relatos de viagem11 e em cartas de instrução endereçadas a embaixadores/diplomatas12, entre outras tipologias de documentação avulsa.

  • 13 González Sánchez, 2015, 137.

5Contudo, apesar de termos à nossa disposição uma considerável variedade de tipologias documentais, só nos será possível compreender uma parte mínima do fenómeno espionagem medieval13. Acresce referir que, na maior parte dos casos, será mesmo impossível detetar o nome da maioria dos agentes secretos, porque o mesmo encontra-se omisso, o que é compreensível dado o caráter sigiloso da atividade.

  • 14 REGO, 1942, 131-250.
  • 15 CORTÉS CORTÉS, 1989.
  • 16 PÉQUIGNOT, 2017, 646.

6Todavia, comparando a espionagem medieval portuguesa com a da época Moderna notámos uma diferença acentuada no que concerne à documentação, tanto a nível qualitativo como quantitativo, principalmente para os séculos XVI14 e XVII15. Esta realidade não é apenas veiculada por nós: na recente publicação Les Relations Diplomatiques au Moyen Âge é feita a mesma referência, chegando a ler-se que existe um contraste notório entre os trabalhos dedicados à Idade Média e os que incidem na Época Moderna e Contemporânea16.

  • 17 Denécé, et al., 2011, 9 e 163.

7Tendo em consideração o exposto, entende-se que os estudos referentes à diplomacia não dediquem maior espaço à questão da espionagem, apesar de «il est indissociable de l’art de la guerre, de la diplomatie, de la police et du commerece»17, o que a torna um tema de investigação muito complexo e com enfoques diversificados, que não poderíamos de forma alguma aprofundar neste artigo. Saliente-se, contudo, o nosso propósito: centrar, dar achegas e inserir a espionagem no contexto da guerra e da política externa do Portugal tardo-medieval; época cujo dinamismo político é intenso e gerador de grandes particularidades à escala ibérica e além-ibérica.

  • 18 FERNANDA NUSSBAUM, 2012, 66.
  • 19 González Sánchez, 2015, 137. DENECE et al., 2011, 164.
  • 20 PÉQUIGNOT, 2017, 653-657.

8A projeção externa de Portugal, à semelhança de outras unidades políticas do seu tempo, apoiava-se nos seus jogos diplomáticos, alicerçados também numa rede de espionagem complexa e eficaz. Se em Castela se dizia que «los hilos que se entretejíanen las sombras del poder eram fundamentales para el funcionamento del gobierno, por eso no sorprende que los códigos jurídicos autooricen el espionaje»18; o mesmo se passaria com a Coroa de Aragão, com a França, com Inglaterra e com a Itália19. Este último âmbito geográfico destaca-se devido aos seus antagonismos internos, o que criava as condições ideais para a prática da espionagem (sem que nenhuma autoridade política tivesse o monopólio dessa atividade, devido às dissensões internas). Todavia, temos que destacar que a sua organização variava de local para local, dependendo nuns casos das autoridades regionais e noutros do poder central20.

  • 21 PÉQUIGNOT, 2017, 650-653. Acerca da captura e punição de espiões veja-se as considerações de Gonzál (...)
  • 22 Powers, 1988, 152. SYLVAIN, 1988, 590-592.

9Apesar de a espionagem na Idade Média ser fortemente condenada, tanto a nível moral como jurídico (tratava-se de um crime de lesa-majestade, cuja punição era a morte), observamos que esta atividade funcionava segundo objetivos muito precisos para o monarca, sendo incentivada pela política da época e largamente praticada e difundida em inúmeras regiões21. Era, tal como na atualidade, um útil complemento à Diplomacia, o que explica o vasto leque de valiosos dados colocados à disposição dos embaixadores, nomeadamente referentes à política interna dos locais de destino. Posto isto, era possível que os diplomatas, baseados em informações prévias, preparassem melhor a sua argumentação e antecipassem a contra-argumentação dos seus congéneres22.

2. Espionagem e espiões ao serviço da Diplomacia

  • 23 MOURE, 1978, 1642-1643. MONTEIRO, 1998, 242. Relativamente à função dos espiões nas Cortes Ocidenta (...)
  • 24 PÉQUIGNOT, 2017, 652-653.

10Apesar de não existir um retrato-tipo do espião medieval, esta figura emerge com claro destaque naquele período. Trata-se de indivíduos que podiam ser provenientes de variados estratos sociais, sendo que alguns deles exerciam importantes cargos palatinos23. Seja como for, colocando à margem os estratos sociais dos espiões, as autoridades esforçavam-se por mantê-los no anonimato, para melhor se adaptarem às circunstâncias das missões que lhes eram confiadas24.

  • 25 PÉQUIGNOT, 2017, 649-650.

11Era indispensável que os espiões medievais adotassem e se adaptassem a uma identidade social que lhes permitisse circular encobertos, dissimulando assim os seus atributos25. Portanto, era frequente os poderes políticos da Idade Média usarem como espiões embaixadores ou outros agentes diplomáticos; naturais de um reino; agentes duplos; comerciantes; viajantes; oficiais de armas; e clérigos.

  • 26 MARINHO, 2018.
  • 27 PÉQUIGNOT, 2017, 659-660.

12Observando algumas das atividades acima indicadas, pode-se considerar que o aspeto de um espião era muito relevante, nomeadamente o seu vestuário, pois ele refletia uma condição social ou política de um individuo em concreto (v.g. clérigos e oficiais de armas)26. Desta forma, atribuir determinado hábito a determinada pessoa era um método usual na espionagem daquele tempo; por isso não estranhamos que os agentes encarregados de espiar diretamente as realidades estrangeiras se dissimulassem, frequentemente de clérigos, mercadores ou diplomatas, por forma a adquirirem as imunidades inerentes a essas classes sociais27.

2.1. Os diplomatas e as embaixadas

  • 28 González Sánchez, 2015, 168 e 175. PÉQUIGNOT, 2017, 654.
  • 29 PÉQUIGNOT, 2017, 651.

13 A embaixada medieval era um mecanismo muito útil para a prática de atividades relacionadas com a espionagem. Habitualmente ao abrigo desse tipo de missões refugiava-se uma atividade de espionagem, cujo único objetivo era observar e recolher informações sem que os espias fossem descobertos28. Devido a isso, os embaixadores eram objeto das maiores preocupações por parte das Cortes que visitavam. O exemplo de Bizâncio e de Veneza ilustra bem essa preocupação. As autoridades dessas unidades políticas restringiram ao máximo o contacto dos diplomatas com as populações locais, de forma a limitar a recolha de informações que, posteriormente enviariam para as suas Cortes de origem29. Na verdade, era normal que os reis pedissem aos seus embaixadores o envio regular de reportes detalhados sobre vários aspetos, tais como a situação política dos locais onde se encontravam. Na História da Diplomacia portuguesa existem algumas situações que ilustram bem esse tipo de estratégias.

  • 30 Lopes, 1983, vol. 1, cap. 33. MONTEIRO, 1998, 243. MARINHO, 2013, 68.

14De facto, nas vésperas da Batalha de Aljubarrota (1385), foi enviada uma embaixada encabeçada pelo escudeiro Gonçalo Anes Peixoto, com a suposta finalidade de prestar declarações de protesto e desafio a Juan I. Contudo, a verdadeira intenção era, como refere Fernão Lopes, que «esguardarsse bem que gentes eram [na] hordenança [de Juan I]». Por sua vez, o rei de Castela retribuiu nos mesmos moldes, enviando ao arraial português uma embaixada solene liderada por Pêro López de Ayala e por Diogo Fernandes (irmão de Nuno Álvares Pereira). Eles tinham como finalidade espiar e inteirarem-se da situação das forças do Mestre de Avis, com o intuito de transmitirem essas informações aos castelhanos. Anos mais tarde (1398), e ainda no contexto da guerra com Castela, João Correia (cavaleiro da Ordem de Santiago) é enviado àquele reino como embaixador ao Mestre dos Espatários; todavia, o verdadeiro propósito da missão foi encobrir actos de espionagem30.

  • 31 Zurara, 1992, cap. 16.

15Aos exemplos apresentados pode-se juntar outros factos importantes e merecedores da nossa atenção, tendo em consideração os objetivos definidos para este texto. Um desses factos é a conquista militar de Ceuta, cujo mérito muito se deve, em parte, à atuação da Diplomacia como veículo de espionagem. Em 1412 D. João I enviou uma embaixada matrimonial à Sicília, liderada pelo prior do Hospital e pelo capitão-mor Afonso Furtado, com a finalidade de oferecer a mão do infante D. Pedro à rainha viúva. Porém, a realidade era outra. O verdadeiro objetivo da missão era que os navios portugueses atracassem no porto de Ceuta, tanto na viagem de ida como na de regresso, para que os embaixadores observassem a cidade com o máximo de detalhe possível. Mas, como se tratava de uma missão de espionagem, foi-lhes pedido que memorizassem essas informações31, que se revelaram extremamente úteis passados três anos.

  • 32 João Fernandes da Silveira (ativo entre 1443-1483). Doutor em Leis e 1º barão do Alvito. Era filho (...)
  • 33 PÉQUIGNOT, 2017, 651. MARINHO, 2017, vol. 2, 218, doc. 1.

16Em abril de 1456 João Fernandes da Silveira32 foi enviado como embaixador à Santa Sé e a outras unidades políticas italianas. Essa missão teve como objetivo preparar a participação portuguesa na Cruzada que se estava a organizar contra os turcos. Uma carta de instrução inédita entregue por D. Afonso V a este diplomata permite-nos compreender, um pouco melhor, o verdadeiro alcance dessa deslocação ao território italiano. Na verdade, a missão foi muito além dos objetivos normais de uma embaixada, pois comportava uma vertente de espionagem: «Escrever-nos-eis logo todas as novas de laa por estes que comvosqo forem e por outros, emformamdo-nos de todo asy dos amigos como dos imigos»33.

  • 34 MARINHO, 2017, vol. 2, 218-219, doc. 1.

17Assim sendo, ao lermos esse documento observamos que foi solicitado a João Fernandes que se certificasse se o Papa estava, ou não, a preparar uma armada e qual seria a sua dimensão material e humana. O mesmo foi pedido em relação a outros Estados, tais como Veneza, Sacro Império, Hungria e Polónia. No caso dos venezianos, além de D. Afonso V solicitar informes acerca das dimensões materiais e humanas da armada, também queria esclarecimentos em relação a outros assuntos: se essa frota se juntaria à do Santo Padre ou se atuaria de forma isolada; como seriam efetuados os pagamentos e quais os valores em jogo. Quanto às restantes entidades políticas, o monarca português queria esclarecimentos a respeito da atuação dos corpos de exército: como e quando foram mobilizados, de que armamentos dispunham, para onde convergiam e qual seria a estratégia militar a pôr em prática. Informações semelhantes também foram pedidas em relação às forças armadas turcas: qual a sua atual disposição no terreno e as estratégias de combate que poderiam estar a ser conjeturadas, bem como o financiamento em curso; isto é, «se tem algũas ilhas suas povoadas de algũa jemte sua, ou tributarias e quais, e se pagua soldo e quejamdo e se amdão cristãos co[m] elle e quamtos»34.

  • 35 Arquivo Nacional da Torre do Tombo (doravante ANTT) Corpo Cronológico, parte 1, maço 12, nº 57.
  • 36 Albuquerque, 2010, 136-153.

18O tipo de situação que descrevemos repetia-se inúmeras vezes, como podemos verificar através de um episódio que ocorreu 57 anos mais tarde. Com efeito, um Gaspar Pereira enviou uma carta, a 12 de janeiro de 1513, a noticiar a D. Manuel I que o embaixador do rei Preste João se tratava, na verdade, de um espião mouro, que muito certamente tinha como intenção colher dados relativos à presença portuguesa em Goa35. O mal-estar e a forte concorrência que esta presença significava para os muçulmanos naquela região pôde, muito bem, ter despoletado essa missão. Esse mal-estar depreende-se claramente ao analisarmos a correspondência trocada entre D. Manuel I e o Vice-rei da Índia, D. Afonso de Albuquerque. Nestas missivas são relatadas informações com base em atividades de espionagem sobre Dgedah e Suez, Meçua, do Preste João e Dalaca, do Mar Roxo, entre outras36.

2.2. Os nativos

  • 37 MONTEIRO, 1998, 263, n. 154. González Sánchez, 2015, 163. PÉQUIGNOT, 2017, 651.

19Os espiões designados como internos ou nativos são uma categoria de homens que pertence ao território visado, mas que servem o oponente. Trata-se de homens que conhecem as terras e os costumes das regiões a serem espiadas, o que se tornava num requisito de primeira ordem. Destes indivíduos era esperado o domínio das línguas, mas também um excelente conhecimento da topografia local37.

  • 38 Zurara,1978, cap. 68. A este respeito veja-se também PINTO, 2015.

20No que diz respeito à realidade do Portugal medieval, esses nativos eram designados de línguas. Trata-se de um termo amplamente difundido na cronística medieval portuguesa, nomeadamente nas crónicas de D. Duarte de Meneses e de D. Pedro de Meneses. Esses indivíduos, ao serem nativos, detinham, obviamente, um bom conhecimento do terreno e dos dialetos da região para onde eram enviados38. À luz desses conhecimentos destacavam-se como peças fundamentais no xadrez político-militar e diplomático de Portugal no século XV, em especial no norte de África.

  • 39 PÉQUIGNOT, 2017, 656.
  • 40 Zurara, 1997, cap. 43.

21Neste grupo ainda podemos incluir os exilados políticos que dariam informações vitais sobre a Corte adversária39. Além desses homens também é importante referir os cativos, devido às informações importantes que deles se podia obter. Gomes Eanes de Zurara expõe-nos um desses exemplos: relata o caso de um mouro aprisionado por D. Pedro de Meneses, de quem se obteve informações valiosas sobre a povoação de Tânger, sob a promessa de ser libertado40.

2.3. Os agentes duplos

  • 41 BEGOUM, 1994. González Sánchez, 2015, 168-169, 172-173 e 181.

22Um agente duplo tratava-se (e trata-se) de um espião cujo principal objetivo era infiltrar-se numa Corte-alvo e ganhar a confiança de homens-chave. Dessa forma poderia recolher informações verdadeiras para, posteriormente, as transmitir ao seu senhor. Em outras circunstâncias a sua atuação também podia ter em agenda alguns planos de calúnia ou de desinformação, cujo intuito seria intoxicar os membros da Corte-alvo. Muitas vezes estes indivíduos também eram responsáveis por desmascararem outros agentes-duplos. Geralmente esses homens atuavam ao nível da Corte, como dissemos, por se tratar de um lugar de intrigas e ambições e, por tal, um dos melhores locais para se proceder a este tipo de espionagem41.

  • 42 FERNÁNDEZ GALLARDO, 2002.
  • 43 MOURE, 1978,1642-1643. MOURE, 1996, 4114.
  • 44 CORTESÃO, 1997, 6 e 19.
  • 45 DINIS [Ed.],1960-1974, vol. 2, doc. 143.

23Outras atuações podem comprovar que a Corte portuguesa além de dar imensa importância à atuação de agentes duplos, também era alvo de intrigas do género. A atuação de Alfonso de Cartagena é um desses exemplos42. Este homem foi enviado para a Corte de Avis pelo rei de Castela (c. 1425), com a finalidade de obter o máximo de informações possíveis. De forma a executar o mais eficazmente as suas obrigações, travou amizade com a família real portuguesa, nomeadamente com D. João I e com os ínclitos infantes, com os quais, ao longo de 10 anos, cimentou laços em comum. Dessa forma Cartagena pôde obter inúmeras informações, posteriormente remetidas para o seu soberano sob a forma de missivas43, salvaguardando por todos os meios o sigilo das mensagens. Essa missão, ao que parece, foi bem-sucedida. Na verdade, poderá ter sido com base nos relatórios de Cartagena que Portugal perdeu, em definitivo, a luta pela posse das Canárias44. Esse facto viria a ser confirmado por Eugénio IV, através da Bula Romani Pontificis (6 de novembro de 1436)45.

  • 46 PINA, 1901, caps. 23, 25 e 27 (D. Leonor); caps. 43, 96 e 104 (D. Pedro). MARINHO, 2017, vol. 2, cf (...)

24Durante a crise da regência, entre finais da década de 1430 e inícios da de 1440 a rainha viúva D. Leonor e o Regente D. Pedro utilizavam a espionagem como forma de controlo mútuo; sendo o caso de D. Pedro o mais interessante. Este infante, de acordo com os dados colhidos na Crónica de D. Afonso V, terá colocado duas donzelas a espiar a rainha-viúva, sendo uma filha de Pedro Gonçalves de Malafaia e de Isabel Gomes da Silva, e a outra de João Vaz de Almada46. Este caso chama-nos a atenção para uma questão importante: na área da espionagem qual seria o papel das mulheres na Corte?

  • 47 Martim Mendes de Berredo (ativo entre 1442-1458). Rico-homem e fidalgo da Casa Real. Era filho de G (...)
  • 48 MORENO, 1973, 735.
  • 49 PINA, 1901, caps. 13, 89, 102.

25Em 1448, Martim Mendes de Berredo47 fazia jogo duplo, conspirando e agindo contra o infante D. Pedro à medida que era visita de sua casa, para posteriormente lançar sucessivas calúnias relativamente ao infante junto de D. Afonso V48. Não se pode dizer que tenha sido propriamente um espião que prejudicasse o reino em detrimento de outro, embora notoriamente fosse um agente duplo ao serviço do rei e do duque de Bragança. (O duque de Bragança e os seus filhos tinham o hábito de fazer uso de espiões para, com base neles, negociar as suas estratégias políticas e militares49).

  • 50 Rui Galvão (ativo entre 1426-1458). Cavaleiro da Casa Real. Era filho de um clérigo de missa, João (...)
  • 51 FREITAS, et al., 2013,113-114.

26Rui Galvão50 é outro caso associado a esta tipologia. Segundo Judite de Freitas, em agosto de 1453, este homem foi enviado por D. Afonso V a Castela, tendo como objetivo negociar o casamento de sua irmã, D. Joana, com o futuro Enrique IV. Nesse mesmo ano viria a ascender ao mais alto grau da administração régia castelhana, figurando como secretário de Juan II de Castela. Esse ofício garantiu-lhe a inserção na vida política daquele reino, bem como o acesso a informações privilegiadas. Cerca de dois anos após essa nomeação, i.e., em 1455, regressou a Portugal, onde voltaria a ocupar as suas anteriores funções. Posto isto, Judite de Freitas defende a tese de que Rui Galvão exerceu funções de agente duplo na Corte castelhana, tendo por base a sua ampla experiência diplomática ao mais alto nível, além de ter um perfil muito similar ao dos espiões: destemido e audaz51

  • 52 DINIS, [Ed.],1960-1974, vol. 12, doc. 126. AZEVEDO, 1915-1934, vol. 2, doc. 310.

27Por fim, data de 26 de fevereiro de 1456 um outro episódio que pode, certamente, ser conotado com a atividade de um agente duplo. Trata-se de um judeu, socialmente relevante, que terá tido acesso a informações estratégicas e confidenciais e que, posteriormente, as transmitiu ao alcaide dos mouros de Safim. O teor da sua missiva informava que uma caravela portuguesa iria à referida localidade para proceder a uma missão de espionagem e reconhecimento para, mais tarde, se efetuar uma ocupação militar52.

2.4. Os comerciantes

  • 53 Ribeiro, 1931,88. Miranda, 2012,180-209.
  • 54 MARINHO, 2017, vol. 2, 221, doc. 1.

28De facto, os comerciantes ao exercerem uma atividade que lhe proporcionava uma grande itinerância tinham a possibilidade de estabelecer amplas redes de contactos. Assim, com base nessas redes de contactos, estavam a par das realidades económicas, sociais e até mesmo militares dos locais por onde passavam53. A comprovar a importância desses homens, temos o pedido que, em 1456, D. Afonso V fez ao seu embaixador João Fernandes da Silveira: durante a sua missão em Itália deveria falar com os mercadores dessa região, entre outras «pessoas seguras que achardes» de forma a obter informações dos investimentos e transações financeiras da Coroa em Bruges, na Flandres, Roma, França e Veneza54.

  • 55 PÉQUIGNOT, 2017, 651.

29Por esta razão, muitos espiões faziam-se passar por mercadores para assim elencar o máximo de informações, levantando o mínimo de suspeitas. É por estes motivos que ao longo dos séculos XIV e XV esses homens eram encarados com suspeita por parte dos poderes políticos, como é o caso do Império55.

  • 56 DINIS, [Ed.],1960-1974, vol. 1, doc. 88; vol. 2, doc. 45.

30De acordo com documentação publicada nos Monumenta Henricina, datada de junho-novembro de 1341 temos conhecimento que a cidade italiana de Génova tinha os seus espiões em Portugal. As cartas de mercadores florentinos, estabelecidos em Sevilha, transmitem-nos nótulas relativas à partida da armada portuguesa de Lisboa com destino às Canárias, descrita por um Giovanni Boccaccio. Na mesma compilação documental detetámos que, em 1414 (5 de dezembro), um mercador castelhano chegou a Portugal, certamente com a incumbência de proceder ao levantamento de informações relativas à armada que partiria para Ceuta56.

  • 57 Zurara, 1992, cap. 31.
  • 58 DINIS, [Ed.],1960-1974, vol. 2, doc. 71. Sobre este agente veja-se Baeza Herrazti, 1994, 33-52.
  • 59 MarqueS, 1994, 372.

31Do mesmo modo, agiram os genoveses que se encontravam em Lisboa57, bem como o espião aragonês, Rui Díaz de Vega, em 141558 ou, até mesmo, os ingleses. Estes últimos, não raras vezes, procuravam informar-se do estado das colheitas e, para o efeito, percorriam as zonas de plantações com a ajuda de nativos. Faziam, assim, a previsão das necessidades em perspetiva, comunicando esses dados ao seu reino para que na devida altura enviassem carregamentos inferiores às necessidades portuguesas. Dessa forma venderiam as suas mercadorias a preços elevados, visto que a procura seria superior à oferta59. No caso vertente, a Inglaterra (ou outra unidade política) poderia sair beneficiada num qualquer acordo diplomático que visasse questões económicas, tirando partido das fragilidades do inimigo.

  • 60 Boucharb, 1994, 199.
  • 61 FICALHO, 1988, 48.

32Para a segunda metade de Quatrocentos pode-se referir, pelo menos, mais duas ocorrências da prática de espionagem associada a comerciantes. Em 1456 o rei D. Afonso V envia uma embarcação à costa de Safim, com o intuito de conquistá-la futuramente (da qual já se falou)60; e entre 1486-1487 Pêro da Covilhã, disfarçado de comerciante de cavalos, foi a Castela espiar em nome de D. João II61.

2.5. Viajantes

  • 62 D. Jorge da Costa, Cardeal Alpedrinha (ativo entre 1442-1508). Clérigo de origem humilde. Era filho (...)
  • 63 D. Afonso (ativo entre 1422-1460). 4º conde de Ourém e 1º marquês de Valença. Filho de D. Afonso, 1 (...)
  • 64 AIDA, 2013, 46.
  • 65 AIDA, 2013, 37 (cit.) e 47.

33Quanto a nótulas sobre viajantes temos algumas referências que, a par das do Cardeal Alpedrinha62, podem ser olhadas sob o ponto de vista de uma análise minuciosa dos locais por onde passaram. Veja-se, a título de exemplo, o relato que é feito sobre Milão no Diário do 4º conde de Ourém63. D. Afonso diz-nos que é «muy grande e muy rica e abastada de todalas cousas como outras cidades, salvo de pescados»64. Esta referência poderia, muito certamente, ser tida como importante do ponto de vista da recolha de dados de índole económica, como aquelas que eram feitas pelos ingleses em solo português. Contudo, ao lermos o relato podemos aceder, além de a uma viagem no tempo, a uma perspetiva descritiva de certos pontos da cidade. Ficamos a saber, a título de exemplo, que o castelo do duque era muito robusto e dentro tinha uma cerca, vigiada por mais de 40 homens, que só se podiam ausentar do local mediante prévia autorização do seu capitão. Pode-se ter também uma noção das dimensões de outras cidades, como a de Pisa que está «assentada em hum valle e sua cerca he muy grande, mas diziam que mayor era a de Lixboa»65.

  • 66 Lopo de Almeida (ativo entre [1433]-1486). Cavaleiro da Casa Real, conselheiro régio e 1º conde de (...)
  • 67 Sousa, 1946-1955, vol. 1, 378 (prova 54).

34Vemos assim a importância deste tipo de relatos na eventual, ou hipotética, preparação de ações futuras, à qual se pode juntar também as cartas de Itália que Lopo de Almeida66 enviou ao rei D. Afonso V no ano de 1452. Este fiel do monarca acompanhou a comitiva da infanta D. Leonor até Itália, onde esta se iria casar com o Imperador. Durante esta jornada, o próprio diz-nos que «De Roma escrevi a vossa Alteza todo o que passou na vinda de vossa Irmãa, até partir de Roma»67. Por exemplo, na primeira carta, presente no tomo I das Provas da História Genealógica da Casa Real Portugueza, vemos que a determinado momento Lopo de Almeida faz referência a que

  • 68 SOUSA, 1946-1955, vol. 1, 372.

Segundo a disposiçaõ desta terra [Siena] a meu fraco entender, se aqui viesse hum Emperador rijo, toma-la hia toda sem nenhuma detença, mormente que com a cativeza da gente della naõ soem andar na guerra, se nam por haver proveito sem vontade de pelejar68.

35Apesar de estes episódios não se identificarem diretamente com práticas de espionagem, constituem bons exemplos da importância que teria o conhecimento de informações variadas, incluindo descrições sobre certos locais, para a eventual organização de campanhas.

  • 69 FICALHO, 1988, 47.

36Um exemplo conhecido da associação da espionagem à realização de viagens encontra-se na figura do já referido Pêro da Covilhã. Este escudeiro de D. João II reunia as melhores condições para, sem levantar suspeitas, desempenhar este tipo de tarefas. Tratava-se de um homem de baixa condição social (por nascimento), que ao longo da sua vida teve várias estadias na Barbaria e em diversas cortes europeias, o que lhe proporcionou o conhecimento de idiomas como o árabe, castelhano e francês. Além dessas mais-valias, era um grande conhecedor da política internacional da sua época, na qual ele andara obscuramente comprometido. Por tais motivos, em uma das inúmeras missões de espionagem em que se viu envolvido, o monarca «mãdou [Pero da Covilhã] andar em Castella porque sabia bem falar castelhano, pera saber quaeserã os fidalgos que se deitavã la»69. Esta missão surge na sequência das perseguições movidas por D. João II a vários nobres de alta condição, devido aos actos de conspiração. Algumas dessas personalidades conseguiram refugiar-se em Castela, ou noutros reinos, como é o caso do Conde de Penamacor que se exilou em Inglaterra.

2.6. Os oficiais de armas

  • 70 MARINHO, 2018.
  • 71 Monteiro, 1998, 243-246, n. 172. Monteiro, 2002, 177.

37Os oficiais de armas (assunto que debatemos recentemente70), devido ao cargo que desempenhavam, tinham a sua atividade regida por códigos de honra e fidelidade. Em face disso, dificilmente seriam encarados como potenciais espiões. Mas a realidade era outra. Na verdade, os oficiais de armas escudavam-se na imunidade diplomática para desempenharem autênticas missões de espionagem: observavam e tomavam nota de acontecimentos, dos pontos-chave dos locais por onde passavam, e guardavam memórias que relatavam aos senhores a quem prestavam fidelidade. Contudo, de acordo com os códigos medievais, ao espiar reino alheio incorriam num claro aproveitamento da sua condição, violando, assim, o juramento de honra e fidelidade ao qual estavam submetidos, como salienta João Gouveia Monteiro, com base no Livro dos Arautos71.

2.7. Os clérigos

  • 72 SOUSA, 1993, 423-440. Duarte, 1989, 554.
  • 73 Moreno, 1984,17.
  • 74 Fonseca, 2005, 163.

38Os clérigos são outro grupo social que também podia exercer este tipo de função com alguma facilidade e discrição. Por pertencerem a um grupo que, segundo Armindo de Sousa, era transnacional, tornavam-se fundamentais para certas missões de espionagem, tal como os comerciantes72. No século XV, um desses clérigos apto a desempenhar um papel mais ativo no que respeita a missões espionagem é o já referido Cardeal Alpedrinha. D. Jorge da Costa (o Alpedrinha), no ano de 1480 escreve uma carta ao príncipe D. João (futuro rei, 2º de seu nome), onde, entre outros aspetos, evidencia a vida política da Itália de finais do século XV. Entre inúmeros problemas, alerta para os perigos de uma investida turca-otomana73. De facto, a possibilidade de um confronto militar era real, principalmente devido à queda de Constantinopla, em 1453. Tal como Luís Adão da Fonseca refere, na biografia de D. João II, o emprego destes indivíduos era fundamental, sendo mais uma peça num complexo xadrez daquilo que seria o sistema de informações do futuro monarca74.

  • 75 PÉQUIGNOT, 2017, 651.

39Porém, devido a muitos clérigos, ou indivíduos disfarçados de clérigos, atuarem como espiões (de forma a beneficiarem das imunidades associadas à sua condição), este grupo, ao longo do século XV, passou a ser encarado com potencialmente suspeito por várias unidades políticas do Ocidente, das quais se destaca a França e Inglaterra75.

3. As redes de espionagem

  • 76 PÉQUIGNOT, 2017, 657.

40Ao contrário da diplomacia, a espionagem não se tratava de uma prática esporádica. Era uma atividade com um certo grau de profissionalismo e empregue com grande frequência por várias unidades políticas medievais76.

  • 77 MARINHO, 2017, vol. 2, 220-221, doc. 1.

41Como se sabe, as informações coletadas no estrangeiro, por parte de emissários pertencentes, ou não, à comitiva de uma embaixada eram imprescindíveis para atualizar os diplomatas. Dessa forma, garantia-se que os embaixadores tomavam decisões assertivas, face à agenda e às manobras dos seus interlocutores77.

  • 78 PÉQUIGNOT, 2017, 665.
  • 79 Álvaro Lopes de Chaves (ativo entre 1462-1508). Fidalgo da Casa Real com cultura letrada e cavaleir (...)
  • 80 BPE, Fundo Manizola, Códice 177, fls. 36v-37v.
  • 81 Cide de Sousa (ativo entre [1433]-1469). Fidalgo da Casa Real. Era filho bastardo de Gonçalo Anes d (...)
  • 82 MARINHO, 2017, vol. 2, 47; e 227-228, doc. 4.

42Em outras circunstâncias as informações coletadas no estrangeiro também eram fundamentais. Graças a essas informações era possível redigir e formalizar cartas de instrução bastante detalhadas e precisas78. A carta de instrução que D. Afonso V entregou a Álvaro Lopes de Chaves79, seu secretário régio, é ilustrativa desta realidade80. Nesse documento lê-se que a missão dirigida aos mestres das ordens militares de Santiago e de Alcântara (em Castela), foi planeada com base nas informações que Cide de Sousa81 transmitiu à Corte portuguesa, entre 1468-146982.

  • 83 Santos, 1998, 261.

43Essas redes, em finais do século XIV, davam mostras de grande organização e especialização: os agentes procediam a um trabalho de recolha, triagem e sistematização de dados83. Posto isto, não é de estranhar a existência de uma rede de espionagem ao serviço da monarquia portuguesa, posta à prova em diversas situações.

  • 84 PÉQUIGNOT, 2017, 655.
  • 85 Lopes, 2004, cap. 40. Martins, 1997, 39, n. 143.
  • 86 Lopes, 1983, vol. 1, cap. 63. A 8 de Junho deste ano temos notícia de um português detido em Valênc (...)

44À semelhança de Inglaterra e França que durante a Guerra dos Cem Anos se espiaram mutuamente, tanto a nível militar como diplomático84, Portugal e Castela iriam ter a mesma atitude durante os vários conflitos nos quais se opuseram. São disso exemplo as atividades da espionagem portuguesa durante as Guerras Fernandinas, às quais Fernão Lopes faz algumas referências85. No que respeita a D. João I, o referido cronista e Gomes Eanes de Zurara também nos indicam algumas ocorrências. D. João, ainda na qualidade de Mestre de Avis, já tinha inúmeros espiões em Castela, mantendo-se, desta forma, sempre informado de todas as ocorrências naquela Corte; e anos mais tarde o mesmo se verifica quer para a Corte aragonesa (1413) como para o norte de África, ao mandar «lançar inculcas pella terra antre os Mouros»86.

  • 87 Vegécio, 2006, liv. 3, cap. 26.

45Dessa forma, mantinha-se informado de todas as movimentações inimigas, bem como das decisões diplomáticas que pudessem ser tomadas em prejuízo de Portugal. O monarca seguia, assim, os preceitos da estratégia militar de Vegécio87, bem conhecido entre os medievais, e que muito bem podiam ser aplicados ao campo diplomático. Isto é, em vez de se espiar os arraiais dos inimigos, espiava-se as suas Cortes, o que proporcionava resultados positivos.

  • 88 DUARTE, 2015, 80-87.
  • 89 Cit. por González Sánchez, 2015, 168 (cit.) e 184.

46No mesmo período o recém-eleito rei de Aragão também iria fazer uso da sua rede de espionagem contra dois importantes alvos: Portugal e o condado de Urgel. Quanto a Portugal, a missão de Rui Díaz de Vega veio apurar informações acerca da armada que a Corte de Avis preparava, pois temia que fosse para prestar auxílio militar a Jaime de Urgel (desconhecia-se que o destino era Ceuta)88. Relativamente ao conde de Urgel, Fernando I tinha uma rede de espiões que controlava ao pormenor os passos do conde, pois temia-se que este desencadeasse uma rebelião: «por los muchos espías que tenia en todo o lugar, y por ser nuevo em estos reinos, andaba muy receloso». Graças a esta eficaz e ampla rede de espionagem Fernando I pôde eliminar a oposição interna e externa e consolidar-se no trono89.

  • 90 Carrillo de Huete, 1946, cap. 9.

47Um outro exemplo, datado de 21 de julho de 1428, refere mais um caso de espionagem: o monarca castelhano, aproveitando a saída de D. Leonor de Medina, tomando caminho por São Félix dos Galegos, a 21 de julho de 1428, enviou um observador a Portugal90, para assim colher, certamente, uma série de relatos que pudesse vir a usar em seu benefício.

  • 91 Thomaz, 1994, 149-167. Santos, 1998, 261. Fonseca, 2005, 163.
  • 92 ANTT, Corpo Cronológico, parte 2, maço 18, nº 25, maço 27, nº 23, maço 27, nº 69 e maço 62, nº 191. (...)
  • 93 Denécé et al., 2011, 12.
  • 94 SENATORE, 1998. PÉQUIGNOT, 2017, 655.

48Nos finais do século XV, o Portugal de D. João II, envolto, não só em perseguições à sua nobreza exilada no estrangeiro, mas também em projetos ultramarinos, é prova viva disso. Não seria possível a construção do projeto imperial joanino sem a existência de um sistema de espionagem de grande envergadura, garantido por agentes especializados e, obviamente da confiança régia91. (Tratava-se de homens que sabiam manter o sigilo e dissimular a sua nacionalidade caso fosse necessário). Esta também era uma realidade bem presente no reinado seguinte, como comprovam alguns exemplos bem documentados92. Assim sendo, o Príncipe Perfeito podia ser colocado ao nível dos soberanos mais informados do mundo de então, à semelhança do que se havia passado na Antiga Roma com Júlio César, que «été le premier à recourir systématiquement au renseignementet à la diplomatie secrète»93; ou, por exemplo, como os seus contemporâneos Luís XI de França que tinha informadores em todo o Ocidente; ou de Francesco Sforza, duque de Milão94.

  • 95 Zurara, 1997, cap. 34.
  • 96 Zurara, 1997, cap. 34.

49Depreendemos, desta forma, a existência de toda uma estrutura hierárquica que era, sem margem de dúvida, a peça determinante de uma complexa engrenagem, que se mostrava eficaz. Um relato da Crónica de D. Pedro de Meneses assim o demonstra relativamente à espionagem sobre os mouros. Com base em informações muitíssimo precisas das movimentações inimigas, podia-se proceder a uma defesa eficaz da praça de Ceuta95. Desse sistema de espionagem valeu-se, em 1438, D. Sancho, irmão do Capitão-mor de Ceuta, que ia ser enviado aos mouros para negociar a libertação do Infante Santo; contudo, os agentes secretos apuraram que os muçulmanos tinham planos para o raptar, pelo que a missão acabou por ser abortada96.

  • 97 Monteiro, 1998, 244. Santos, 1998, 262.

50Por outro lado, os relatos extraídos dos estudos de João Gouveia Monteiro, João Marinho dos Santos e Vítor Manuel Pinto, confrontados com a cronística, são igualmente reveladores. Sabe-se que o concelho de Lisboa, como outros do reino, pagava determinadas quantias fixas àqueles que serviam permanentemente na rede de espionagem, e que, dessa forma, forneciam informações estratégicas. Tomemos como exemplo certos pagamentos por parte deste concelho a espias, em 1386, ainda que esses valores em concreto sejam desconhecidos97 e menos reveladores se comparados com os referidos anteriormente para a centúria de Seiscentos.

  • 98 Lopes, 1983, vol. 1, caps. 60 e 66.
  • 99 Arnaut, 1947, 169.

51Uma das figuras dessa eficaz máquina que era a espionagem é o procurador do concelho. Tinha como responsabilidade os pagamentos aos enculcas, Como refere Fernão Lopes, cada um destes homens era individualmente muito bem recompensado. O cronista indica que o rei deu a um «huum muy boom cauallo e outras cousas». Todavia, tais benesses só eram conferidas «sse mester fezessem, e outras taaes cousas, sse mester fezessem davisamentos»98. Com efeito, Silvestre Esteves, um desses homens que ocupou o cargo, era responsável pelo pagamento dos espiões que seguiram na hoste lisboeta, aquando do cerco a Chaves. Servia, como se deduz, como ponto de ligação entre os agentes secretos e o monarca, ou entre este e um destacado membro palatino, próximo a D. João I99.

4. Conclusão

52Tendo em conta tanto os textos cronísticos como a documentação avulsa que compulsamos para este estudo, sobre o contributo da espionagem para a atividade diplomática do Portugal do século XV, foi possível chamar a atenção para algumas situações que, até este momento, não têm tido grande acolhimento na produção historiográfica.

53Os casos analisados permitem-nos verificar que os serviços de informações, nos seus vários tipos, se revelam de uma importância capital para a ação de qualquer entidade política. Esta mesma realidade teve lugar no Portugal do século XV, período no qual a espionagem é encarada como um veículo fundamental para a salvaguarda dos interesses da Coroa, ou daqueles que à volta dela gravitam, como é o caso do Duque de Bragança e os seus filhos. Desta forma, garantia-se, na medida dos possíveis, a capacidade de neutralizar qualquer tipo de ameaça que estivesse patente ou de diminuir os prejuízos que a mesma representasse.

54Como vimos, a capacidade de adequação de toda a estrutura da espionagem era a base do sucesso das missões secretas. Note-se que os espiões se encontravam num habitat repleto de ameaças. A descoberta da sua atividade podia ter como consequência penas corporais ou a condenação à morte. No caso de serem indivíduos nativos ao serviço de outrem, os denunciados podiam ser condenados apenas à perda dos seus bens.

55Contudo, o risco de ser espião, em caso de sucesso, era largamente compensado pelos monarcas ou pelo indivíduo interessado nas informações recolhidas. Estes pagavam com favores as múltiplas e proveitosas informações militares, políticas ou económicas que podiam obter e usar em seu proveito. De umas e de outras se foram dando exemplos ao longo do trabalho e que poderão ser fundamentais para interpretar de forma mais abrangente as atividades diplomáticas levadas a cabo por Portugal no final da Idade Média.

Bibliographie

ALBUQUERQUE, Afonso de (2010) — Cartas para el-rei D. Manuel I. Seleção, prefácio e notas de António Baião. Lisboa: Sá da Costa Editora.

ALMEIDA, Lopo de Almeida (1935) — Cartas de Itália. Ed. Rodrigues Lapa. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda.

ARNAUT, Salvador Dias (1947) — A Batalha de Trancoso. Coimbra: FLUC/Instituto Histórico Dr. António de Vasconcelos.

AZEVEDO, Pedro [Dir.] (1915-1934) — Documentos das chancelarias reais anteriores a 1531 relativos a Marrocos. Lisboa: Academia das Sciências de Lisboa. Vol. 2.

BAEZA HERRAZTI, Alberto (1994) — « Rui Díaz de Vega, un espía de Aragón en la Reconquista ». Revista Transfretana. nº 6, pp. 33-52.

BARROCA, Mário (2003) — «História das campanhas: serviços de vigilância». En Nova História Militar de Portugal. Dir. Manuel Themudo Barata e Nuno Severiano Teixeira. Rio de Mouro: Círculo de Leitores. Vol. 1, pp. 86-87.

BARROS, Amândio (1990) — « A preparação das armadas no Portugal de finais da Idade Média ». Revista da Faculdade de Letras – História, 2ª série. Porto. Vol. 7, pp. 101-132.

BEGOUM, F. M. (1994) — «Observations on the Double Agent». Studies Archive Indexes. Vol. 6, nº 1.

BOUCHARB, Ahmed (1994) — «A importância de Safi no império comercial português». Mare Liberum. Vol. 7, pp. 193-201.

CARRILLO DE HUETE, Pedro (1946) — Crónica del Halconero de Juan II. Edição e estudo de Juan de Mata Carriazo. Madrid: Espasa Calpe, S.A.

CORTÉS CORTÉS, Fernando (1989) — Espionagem e contra-espionagem numa guerra peninsular: 1640-1668. Lisboa: Livros Horizonte.

CORTESÃO, Jaime (1997) — A política de sigilo dos Descobrimentos. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda.

CUNHA, Maria Cristina; COSTA, Paula Pinto; MARINHO, Duarte de Babo (no prelo) — « Portuguese late-medieval letters of credence and instruction ». E-Journal of Portuguese History.

DENÉCÉ, Eric e DEUVE, Jean (2011) — Les services secrets au moyen âge. Rennes: Editions Ouest-France.

DIAS, Aida Fernanda [Ed.] (2003) — Diário da Jornada do Conde de Ourém ao Concílio de Basileia. Ourém: Câmara Municipal de Ourém.

DINIS, Dias [Ed.] (1960-1974) — Monumenta Henricina. Coimbra: Comissão Executiva do V Centenário da Morte do Infante D. Henrique. 15 Vols.

DUARTE, D. (1982) — Livro dos conselhos de el-rei D. Duarte: Livro da Cartuxa. Transc. João José Alves Dias. Introd. A. H. de Oliveira Marques e João José Alves Dias. Lisboa: Editorial Estampa.

DUARTE, Luís Miguel (1989) — «Aspectos menos conhecidos das relações entre Portugal e a Inglaterra na segunda metade do século XV». En Actas Congresso Internacional Bartolomeu Dias e a sua época. Porto: Universidade do Porto/Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. Vol. 3, pp. 551-561.

DUARTE, Luís Miguel (2003) — «A marinha de guerra, a pólvora, o norte de África: a preparação da conquista». En Nova História Militar de Portugal. Coord. José Mattoso. Dir. Nuno Severiano Teixeira e Miguel Themudo Barata. Rio de Mouro: Círculo de Leitores. Vol. 1, pp. 290-442.

DUARTE, Luís Miguel (2015) – Ceuta 1415. Seiscentos anos depois. Lisboa: Livros Horizonte.

ENCARNAÇÃO, Marcelo Augusto Flores Reis da (2006) — A guerra vista do chão: os conflitos militares em Portugal nos reinados Fernandino e Joanino observados numa perspetivo local. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Dissertação de mestrado.

FERNADA NUSSBAUM, María (2012) — «Algunas notas sobre los espías en la literatura medieval española de los siglos XIII y XIV». Memorabilia. Boletín de literatura sapiencial. Valência. Vol. 14, pp. 65-76.

FERNÁNDEZ GALLARDO, Luis (2002) — Alonso de Cartagena (1385-1456): una biografia polítca en la Castilla del siglo XV, Valladolid.

FICALHO, Conde de (1988) — Viagens de Pêro da Covilhã. Lisboa: INCM.

FONSECA, Luís Adão da (2005) — D. João II. Mem Martins, Círculo de Leitores, 2005.

FREITAS, Judite Gonçalves de; CAÑAS GÁLVEZ, Francisco de Paula (2013) — «O agente que serviu as Coroas de Portugal e de Castela: um agente duplo?» En Program, Abstracts & Notebook 5th European Congress of Medieval Studies. Secrets and Discovery in the Middle Ages. Porto, 25th-29th June 2013. Ed. José Meirinho e Lidia Lanza. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto/Fédération Internationale des Institutes D’Études Médiévales, pp. 113-114.

GONZÁLEZ SÁNCHEZ, Santiago (2015) — « El espionaje en los reinos de la Península Ibérica a comienzos del siglo XV ». En la España Medieval. Madrid. Vol. 38, pp. 135-194.

LOPES, Fernão (1983) — Crónica de D. João I: Segundo o Códice nº 352 do Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Introdução Humberto Baquero Moreno. II vols. Porto: Livraria Civilização.

LOPES, Fernão (2004) — Crónica de D. Fernando. Edição crítica e introdução Giuliano Macchi. Lisboa: Imprensa Nacional da Casa da Moeda.

LOPES, Paulo (2005) — Viajar na Idade Média. A visão Ibérica do Mundo no ‘Livro do Conhecimento’. Lisboa: Círculo de Leitores.

MARINHO, Duarte de Babo (2013) — A família Correia no contexto da Ordem Militar de Santiago: séculos XIII-XIV. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Dissertação de mestrado.

MARINHO, Duarte de Babo (2017) — Os embaixadores portugueses nos reinos ibéricos (1431-1474). Um estudo sociodemográfico. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. 2 Vols. Tese de doutoramento.

MARINHO, Duarte de Babo (2018) — «Diplomacia visual na Baixa Idade Média portuguesa: os oficiais de armas». Medievalista. nº 24.

MARQUES, A. H. de Oliveira; SERRÃO, Joel [Dir.] (1987-1998) — Nova História de Portugal. Dir. A. H. de Oliveira Marques e Joel Serrão. Lisboa: Editorial Estampa. Vols. 3-5.

MARQUES, José (1994) — Relações entre Portugal e Castela nos finais da Idade Média. Braga: Fundação Calouste Gulbenkian.

MARTINS, Miguel Gomes; Filipe, Estevão Vasques (1997) — «O percurso de um guerreiro em finais de Trezentos». Cadernos do Arquivo Municipal. Lisboa. Vol. 5, pp. 10-47.

MATTOSO, José [Dir.] (1997) — História de Portugal. Dir. José Mattoso. Lisboa: Editorial Estampa. Vols. 1-3.

MIRANDA, Flávio (2012) — Portugal ant the Medieval Atlantic. Commercial Diplomacy, Merchants, and Trade, 1143-1488. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Tese de doutoramento.

MONTEIRO, João Gouveia (1998) — A Guerra em Portugal nos Finais da Idade Média. Lisboa: Notícias.

MONTEIRO, João Gouveia (2002) — «As comunicações em tempo de guerra». En As Comunicações na Idade Média. Coord. Maria Helena da Cruz Coelho. Lisboa: Fundação Portuguesa de Telecomunicações, pp. 172-189.

MONTEIRO, João Gouveia (2003) — «De D. Afonso IV (1325) à Batalha de Alfarrobeira (1449). Os desafios da maturidade: exploração do terreno e espionagem». En Nova História Militar de Portugal. Dir. Manuel Themudo Barata e Nuno Severiano Teixeira. Rio de Mouro: Círculo de Leitores. Vol. 1, pp. 163-289.

MORENO, Humberto Baquero (1973) — A Batalha de Alfarrobeira. Antecedentes e significado histórico. Lourenço Marques.

MORENO, Humberto Baquero (1984) — «Uma carta do Cardeal Alpedrinha ao Príncipe D. João sobre a situação política da Itália em 1480». Revista da Faculdade de Letras. História. Porto. Vol. I, pp. 193-204.

MOURE, Michel (1978) — «Espionnage». En Dictionnaire Encyclopedique D’Histoire. Bordas. Vol. 3, pp. 1642-1643.

MOURE, Michel (1996) — «Espionnage». En Dictionnaire encyclopédique d’Histoire. Nouvelle édition. Poitiers: Larousse-Bordas. Vol. 4, p. 4114.

PÉQUIGNOT, Stéphane (2017) — «Questions et débats : Espionnages». En Diplomatie et Relations Internationales au Moyen Âge (IXe-XVe siècle). Dir. Jean-Marie Moeglin. Paris : Press Universitaires de France, pp. 645-670.

PINA, Rui de (1901) — Chronica d'El-Rei D. Affonso V. Lisboa: Escriptorio.

PINA, Rui (1950) – Crónica de El-Rei D. João II. Prefácio e notas Alberto Martins de Carvalho. Coimbra: Atlântida.

PINTO, Vítor Manuel da Silva Viana (2015) — De Olhar atento e Ouvidos à escuta... A espionagem militar na cronística portuguesa de Quatrocentos: Fernão Lopes e Gomes Eanes de Zurara. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Dissertação de mestrado.

POWERS, James (1988) — A society organized for war. The Iberian municipal militias in the Central Middle Ages, 1000-1284. Berkeley-Los Angeles. London: University of California Press.

REGO, A. da Silva Rego (1942) — «Duarte Castanho, espião e embaixador (1538-1542)». Anais da Academia Portuguesa de História. 2ª série. Vol. 4, pp. 131-250.

RIBEIRO, Ângelo (1931) — « Alfarrobeira ». En História de Portugal. Dir. Damião Peres e Eleutério Cerdeira. Barcelos: Portucalense Editora, 1931. Vol. 3, pp. 87-100.

SANTOS, João Marinho dos (1998) — A guerra e as guerras na Expansão portuguesa: séculos XV e XVI. Lisboa: Comissão Nacional para os Descobrimentos Portugueses.

SENATORE, Francesco (1998) — «Uno mundo de carta». Forme e strutture della diplomazia sforzesca. Nápoles: Liguori Editore.

SERRÃO, Joel [Dir.] (1985) — Dicionário de História de Portugal. Porto: Livraria Figueirinhas. 6 Vols.

SOUSA, António Caetano de (1946-1955) — Provas da História Genealógica da Casa Real Portuguesa. Coimbra: Atlântida. Vol. 1.

SOUSA, Armindo de (1993) — «A sociedade (estruturas, grupos e motivações). Eclesiásticos». En História de Portugal. A Monarquia Feudal (1096-1480). Dir. José Mattoso. Lisboa: Editorial Estampa. Vol. 2, pp. 423-440.

SYLVAIN, Curtenaz (1988) — «Recensão crítica de ALEM, Jean-Pierre (1987) – L'espionnage: histoires, méthodes. Paris: La Vauzelle, 466 pp.» Revue Militaire Suisse. Nº 133, pp. 590-592.

THOMAZ, Luís Filipe Reis (1994) — De Ceuta a Timor. Lisboa: DIFEL.

VEGÉCIO, Flávio (2006) – Tratado de ciência militar. Lisboa: Edições Sílabo.

ZURARA, Gomes Eanes de (1992) — Crónica da tomada de Ceuta, introdução e notas Reis Brasil. Lisboa: Europa-América.

ZURARA, Gomes Eanes de (1997) — Crónica do Conde D. Pedro de Meneses. Edição e estudo de Maria Teresa Brocardo. Lisboa: FCG/JNICT.

ZURARA, Gomes Eanes de (2006) — Crónica do Conde D. Duarte de Meneses. Edição diplomática de Larry King. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa/Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.

Notes

1 Entre outros vd. González Sánchez, 2015. PÉQUIGNOT, 2017, 645-670. Veja-se também a bibliografia especializada acerca da espionagem que este autor publicou na terceira parte desta obra, cf. as páginas 1050-1055.

2 PÉQUIGNOT, 2017, 646.

3 Inúmeros trabalhos acerca da História de Portugal são omissos em relação a este assunto. De entre eles destacam-se SERRÃO, 1985. MARQUES et al., 1997-1998. MATTOSO, 1997.

4 PINTO, 2015.

5 REGO, 1942, 131-250. CORTÉS CORTÉS, 1989. BARROS, 1990, 101-132. MONTEIRO, 1998. SANTOS, 1998. BARROCA, 2003, 86-87. DUARTE, 2003, 397-398. MONTEIRO, 2003, 119-121. ENCARNAÇÃO, 2006. DUARTE, 2015, 50-53 e 80-97.

6 PÉQUIGNOT, 2017, 648.

7 DUARTE, 1982. PÉQUIGNOT, 2017, 648 e1054-1055.

8 GONZÁLEZ SÁNCHEZ, 2015, 137.

9 PINTO, 2015.

10 Fernanda Nussbaum, 2012, 71. PÉQUIGNOT, 2017, 647.

11 PÉQUIGNOT, 2017, 647. Em relação ao caso português veja-se o exemplo de ALMEIDA, 1935. DIAS, 2003.

12 Biblioteca Pública de Évora (doravante BPE), Fundo Manizola, Códice 177, fls. 24-29v.

13 González Sánchez, 2015, 137.

14 REGO, 1942, 131-250.

15 CORTÉS CORTÉS, 1989.

16 PÉQUIGNOT, 2017, 646.

17 Denécé, et al., 2011, 9 e 163.

18 FERNANDA NUSSBAUM, 2012, 66.

19 González Sánchez, 2015, 137. DENECE et al., 2011, 164.

20 PÉQUIGNOT, 2017, 653-657.

21 PÉQUIGNOT, 2017, 650-653. Acerca da captura e punição de espiões veja-se as considerações de González Sánchez, 2015, 182-184.

22 Powers, 1988, 152. SYLVAIN, 1988, 590-592.

23 MOURE, 1978, 1642-1643. MONTEIRO, 1998, 242. Relativamente à função dos espiões nas Cortes Ocidentais veja-se o estudo de LOPES (2005, 46-47) que, entre outros casos, foca a embaixada enviada por Enrique III de Castela a Tamerlão. Esta missão tinha um duplo propósito: averiguar as possibilidades de uma aliança futura com esse soberano e espia-lo principalmente ao nível das suas capacidades militares.

24 PÉQUIGNOT, 2017, 652-653.

25 PÉQUIGNOT, 2017, 649-650.

26 MARINHO, 2018.

27 PÉQUIGNOT, 2017, 659-660.

28 González Sánchez, 2015, 168 e 175. PÉQUIGNOT, 2017, 654.

29 PÉQUIGNOT, 2017, 651.

30 Lopes, 1983, vol. 1, cap. 33. MONTEIRO, 1998, 243. MARINHO, 2013, 68.

31 Zurara, 1992, cap. 16.

32 João Fernandes da Silveira (ativo entre 1443-1483). Doutor em Leis e 1º barão do Alvito. Era filho do doutor Fernão Afonso da Silveira, chanceler-mor e embaixador de D. João I. Casou em primeiras núpcias com Violante Pereira e em segundas núpcias com Mécia de Sousa Lobo, neta materna de D. Lopo Dias de Sousa, 7º mestre da Ordem de Cristo (1373-1417). Entre 1443 e 1484 exerceu vários ofícios régios: vice-chanceler, chanceler da Casa do Cível, conselheiro régio, regedor da Casa da Suplicação e escrivão da Puridade. Paralelamente a esses ofícios representou Portugal em inúmeras missões diplomáticas à Coroa de Aragão, Castela, Santa Sé e Siena (Cf. MARINHO, 2017, vol. 2, 75-82).

33 PÉQUIGNOT, 2017, 651. MARINHO, 2017, vol. 2, 218, doc. 1.

34 MARINHO, 2017, vol. 2, 218-219, doc. 1.

35 Arquivo Nacional da Torre do Tombo (doravante ANTT) Corpo Cronológico, parte 1, maço 12, nº 57.

36 Albuquerque, 2010, 136-153.

37 MONTEIRO, 1998, 263, n. 154. González Sánchez, 2015, 163. PÉQUIGNOT, 2017, 651.

38 Zurara,1978, cap. 68. A este respeito veja-se também PINTO, 2015.

39 PÉQUIGNOT, 2017, 656.

40 Zurara, 1997, cap. 43.

41 BEGOUM, 1994. González Sánchez, 2015, 168-169, 172-173 e 181.

42 FERNÁNDEZ GALLARDO, 2002.

43 MOURE, 1978,1642-1643. MOURE, 1996, 4114.

44 CORTESÃO, 1997, 6 e 19.

45 DINIS [Ed.],1960-1974, vol. 2, doc. 143.

46 PINA, 1901, caps. 23, 25 e 27 (D. Leonor); caps. 43, 96 e 104 (D. Pedro). MARINHO, 2017, vol. 2, cf. ficha prosopográfica 44 (Pedro G. Malafaia).

47 Martim Mendes de Berredo (ativo entre 1442-1458). Rico-homem e fidalgo da Casa Real. Era filho de Gonçalo Pereira de Riba de Vizela, senhor de Cabeiras de Basto. Casou com Mécia de Albuquerque, filha de Fernão Pereira, conselheiro régio e 3º senhor de Santa Maria. Entre os anos de 1447-1458 foi fronteiro do castelo de Leiria e embaixador régio, sendo enviado sucessivamente à Santa Sé, Génova e Coroa de Aragão (cf. MARINHO, 2017, vol. 2, 136-139).

48 MORENO, 1973, 735.

49 PINA, 1901, caps. 13, 89, 102.

50 Rui Galvão (ativo entre 1426-1458). Cavaleiro da Casa Real. Era filho de um clérigo de missa, João Fernandes Galvão, e sobrinho-neto do rico-homem Nuno Martins da Silveira. Casou com Branca Gonçalves, filha de Pedro Gonçalves, cónego da Sé de Lisboa e prior de São Miguel de Sintra. Entre os anos de 1426-1458 foi nomeado para conselheiro régio, escrivão da Câmara Real, secretário régio e escrivão da Puridade de D. Afonso V. Além desses ofícios integrou oito embaixadas a Castela, entre as décadas de 1430 e 1450 (Cf. MARINHO, 2017, vol. 2, 173-177).

51 FREITAS, et al., 2013,113-114.

52 DINIS, [Ed.],1960-1974, vol. 12, doc. 126. AZEVEDO, 1915-1934, vol. 2, doc. 310.

53 Ribeiro, 1931,88. Miranda, 2012,180-209.

54 MARINHO, 2017, vol. 2, 221, doc. 1.

55 PÉQUIGNOT, 2017, 651.

56 DINIS, [Ed.],1960-1974, vol. 1, doc. 88; vol. 2, doc. 45.

57 Zurara, 1992, cap. 31.

58 DINIS, [Ed.],1960-1974, vol. 2, doc. 71. Sobre este agente veja-se Baeza Herrazti, 1994, 33-52.

59 MarqueS, 1994, 372.

60 Boucharb, 1994, 199.

61 FICALHO, 1988, 48.

62 D. Jorge da Costa, Cardeal Alpedrinha (ativo entre 1442-1508). Clérigo de origem humilde. Era filho de Martim Vaz, caseiro de uma quinta chamada Costa (Alpedrinha, c. Fundão). Este homem progrediu rapidamente na hierarquia eclesiástica, após realizar os seus estudos no Colégio de Santo Elói, mas também devido ao patrocínio régio. Entre os anos de 1445-1505 foi sucessivamente nomeado para as dignidades de padre, bispo de Évora, arcebispo de Lisboa e Braga e cardeal; dignidades que lhe garantiram um lugar no Conselho Régio. Entre os anos de 1462 e 1472 incorporou algumas embaixadas a Castela e Inglaterra. A partir de 1492, dada a sua permanência na Santa Sé, D. João II nomeou-o como o principal representante dos interesses de Portugal junto do Santo Padre (Cf. MARINHO, 2017, vol. 2, 84-88).

63 D. Afonso (ativo entre 1422-1460). 4º conde de Ourém e 1º marquês de Valença. Filho de D. Afonso, 1º duque de Bragança e neto paterno de D. João I, foi um dos grandes do Reino. Ao longo da sua vida desempenhou alguns cargos de relevo, tais como o de conselheiro régio e alcaide de inúmeros castelos. Entre as décadas de 1430 e 1440 chefiou algumas embaixadas à Santa Sé e à Coroa de Aragão (Cf. MARINHO, 2017 vol. 2,13-22).

64 AIDA, 2013, 46.

65 AIDA, 2013, 37 (cit.) e 47.

66 Lopo de Almeida (ativo entre [1433]-1486). Cavaleiro da Casa Real, conselheiro régio e 1º conde de Abrantes. Este homem de cultura letrada era filho de Diogo Fernandes de Almeida, rico-homem, senhor do Sardoal e vedor da Fazenda dos reis D. João I, D. Duarte e D. Afonso V. Casou com Beatriz da Silva, filha do diplomata Pedro Gonçalves de Malafaia. Ao longo da sua carreira desempenhou inúmeros ofícios régios, quer militares quer burocráticos. A nível militar foi coudel e alcaide de vários castelos. A nível burocrático foi vedor da Fazenda, mordomo-mor, chanceler-mor e escrivão da Puridade. Além destes ofícios participou, entre 1451 e [1472], em sete embaixadas: Siena, Santa Sé, Império, Marrocos, Castela e França (Cf. MARINHO, 2017, vol. 2, 104-114).

67 Sousa, 1946-1955, vol. 1, 378 (prova 54).

68 SOUSA, 1946-1955, vol. 1, 372.

69 FICALHO, 1988, 47.

70 MARINHO, 2018.

71 Monteiro, 1998, 243-246, n. 172. Monteiro, 2002, 177.

72 SOUSA, 1993, 423-440. Duarte, 1989, 554.

73 Moreno, 1984,17.

74 Fonseca, 2005, 163.

75 PÉQUIGNOT, 2017, 651.

76 PÉQUIGNOT, 2017, 657.

77 MARINHO, 2017, vol. 2, 220-221, doc. 1.

78 PÉQUIGNOT, 2017, 665.

79 Álvaro Lopes de Chaves (ativo entre 1462-1508). Fidalgo da Casa Real com cultura letrada e cavaleiro da Ordem de Santiago, pela qual foi comendador da Choupeira. Está documentado como secretário régio (1462-1495) e notário geral do reino (1481). Efetuou uma missão diplomática a Castela, algures entre setembro e dezembro de 1468, cuja preparação contou com informações transmitidas por Cide de Sousa (Cf. MARINHO, 2017, vol. 2, 35-36).

80 BPE, Fundo Manizola, Códice 177, fls. 36v-37v.

81 Cide de Sousa (ativo entre [1433]-1469). Fidalgo da Casa Real. Era filho bastardo de Gonçalo Anes de Sousa Chichorro, 3º senhor de Mortágua, e primo de Rui de Sousa, um dos diplomatas responsáveis pela conclusão do Tratado de Tordesilhas (1494). Serviu na Casa da rainha D. Leonor, tanto em Portugal como em Castela ([1433]-1445), e na dos reis de Aragão (1445-[1452]). Foi capitão dos navios de D. Afonso V (1453-1454), vedor e conselheiro da rainha D. Joana de Castela (1456-[1468]). Entre 1445 e 1454 realizou viagens a Nápoles, à Guiné e a Ceuta. Novamente em Portugal (após a morte do príncipe castelhano D. Alfonso, a 5 de junho de 1468), realizou duas embaixadas a Castela, no segundo trimestre de 1468, e ajudou a preparar a de Álvaro Lopes de Chaves (Cf. CUNHA et al., no prelo).

82 MARINHO, 2017, vol. 2, 47; e 227-228, doc. 4.

83 Santos, 1998, 261.

84 PÉQUIGNOT, 2017, 655.

85 Lopes, 2004, cap. 40. Martins, 1997, 39, n. 143.

86 Lopes, 1983, vol. 1, cap. 63. A 8 de Junho deste ano temos notícia de um português detido em Valência. Esse homem foi acusado de ter na sua posse carta de teor prejudicial para os interesses da Coroa de Aragão (DINIS, [Ed.],1960-1974, vol. 2, docs. 17-18). Veja-se ainda Zurara, 2006, cap. 6.

87 Vegécio, 2006, liv. 3, cap. 26.

88 DUARTE, 2015, 80-87.

89 Cit. por González Sánchez, 2015, 168 (cit.) e 184.

90 Carrillo de Huete, 1946, cap. 9.

91 Thomaz, 1994, 149-167. Santos, 1998, 261. Fonseca, 2005, 163.

92 ANTT, Corpo Cronológico, parte 2, maço 18, nº 25, maço 27, nº 23, maço 27, nº 69 e maço 62, nº 191. PINA, 1950, cap. 34.

93 Denécé et al., 2011, 12.

94 SENATORE, 1998. PÉQUIGNOT, 2017, 655.

95 Zurara, 1997, cap. 34.

96 Zurara, 1997, cap. 34.

97 Monteiro, 1998, 244. Santos, 1998, 262.

98 Lopes, 1983, vol. 1, caps. 60 e 66.

99 Arnaut, 1947, 169.

Auteur

Faculdade de Letras da Universidade do Porto/ CEPESE/ CIJVS

babo.dmmbm@gmail.com

© Publicações do Cidehus, 2019

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search