Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

El tabaco y la esclavitud en la rearticulación imperial ibérica (s. xv-xx)

 | 
Santiago de Luxán Meléndez
, 
João Figueirôa-Rêgo

Os contratadores do tabaco nos arquipélagos atlânticos dos Açores e da Madeira

The contractors of tobacco in the atlantic archipelagos of Madeira and the Azores

Margarida Vaz do Rego Machado

Résumé

O presente estudo incide sobre o Contrato Real do Tabaco, nos arquipélagos Atlânticos portugueses da Madeira e dos Açores, através do estudo de caso de um dos administradores do contrato do tabaco em Ponta Delgada, Açores - António José de Vasconcelos.
O Contrato Geral do Tabaco detinha o monopólio do comércio e manufacturação desse produto, através da Junta da administração do Tabaco e da Fábrica do Tabaco, ambas sediadas em Lisboa. Até à segunda metade do século XVIII, os contratadores gerais subarrendavam o contrato para a Madeira e Açores, sendo que neste último grupo insular o arrendamento podia ser feito para todo o arquipélago ou por ramos divididos pelas ilhas de S. Miguel, Terceira e Faial. Também na Madeira havia uma fábrica que manipulava só o tabaco mandado pelos contratadores gerais, acontecendo o mesmo nos Açores com uma fábrica em S. Miguel e outra na Terceira.
A partir da segunda metade de setecentos, o contrato real passou a ser arrendado por grandes negociantes da praça de Lisboa, sendo que a organização da sua administração parece ter-se modificado.
Com base no arquivo particular de um estanqueiro e grande negociante micaelense - António José de Vasconcelos, e na análise da sua correspondência, pretendemos conhecer a organização do contrato nos Açores e Madeira, nomeadamente os seus arrendadores, as redes comerciais incrementadas pelo tabaco, as ligações entre os vários estanqueiros insulares e a importância que o comércio do tabaco teve na dinamização da economia madeirense e açoriana.

This study focuses on the Royal Contract for Tobacco within the Portuguese Atlantic Archipelagos of Madeira and Azores, by means of a case study on one of the administrators of the Tobacco Contract in Ponta Delgada, Azores - António José de Vasconcelos.
The general Tobacco Contract detained the monopoly of commerce and manufacturing of that product through the Tobacco Administration Committee and the Tobacco Factory, both having headquarters in Lisbon. Until the second half of the 18th century, the general contractors sublet the contract to Madeira and Azores. In this Island group, the lease could be done for the whole archipelago or to branches divided between the islands of S. Miguel, Terceira and Faial. In Madeira there was also a factory that worked only with the tobacco sent by the general contractors, the same happening in the Azores, at a factory in S. Miguel and another in Terceira.
From the second half of the 18th century, the royal contract started to be leased by big businessman in the Lisbon market, having their administration’s organisation apparently been changed.
Based on the private archives of a tobacco dealer and great businessman from S. Miguel - António José de Vasconcelos -, and on the analysis of his correspondence, our goal was to know the organisation of the contract in Azores and Madeira, mainly their renters, the commercial network increased by the tobacco, the connections between the several tobacco dealers in the islands, and the importance that Tobacco had in the boost of the economy in Madeira and the Azores.

Entrées d'index

Note de l’auteur

Este trabalho faz parte do projecto de investigação «La configuración de los espacios atlánticos ibéricos. De políticas imperiales a políticas nacionales en torno al tabaco. Siglos XVII-XIX». HAR 2015-66142R

Texte intégral

  • 1 José Manuel AZEVEDO E SILVA, «A importância dos espaços insulares no mundo Atlântico», in História (...)

1Se pensarmos nas ilhas em geral e, nos arquipélagos da Madeira e Açores em particular, como um local de cruzamento de rotas, circulação de produtos e pessoas no Atlântico, inevitavelmente somos levados ao conceito do Sistema do Atlântico ou seja um espaço integrado marcado por diversas interacções onde as ilhas assumem um papel fundamental na organização deste mesmo Mundo Atlântico1. Poderíamos assim, numa primeira vista, considerar as ilhas como zona central deste Sistema Atlântico participando na construção dos Impérios Ultramarinos da época Moderna. Todavia a sua pequenez física fê-las, apar de zona central nas rotas atlânticas, zona periférica pois, desde sempre, estiveram ligadas a estímulos externos e altamente sensíveis a qualquer oscilação nas economias imperiais modernas. Segundo Alberto Vieira:

  • 2 Alberto VIEIRA, Nova História Económica da Madeira, Lisboa, Esfera do Caos Editores, APCA e Autor, (...)

A subordinação deste mundo insular aos impérios europeus implicou que se criassem várias fronteiras e dependências internas que obrigaram a uma ancoragem da economia e riqueza à metrópole, geraram-se dependências reais ou forçadas por decretos e medidas limitativas das relações com outros mercados, doutros impérios ou estados. Impôs uma fronteira para a atividade comercial e regularidade das relações com a metrópole, associada aos monopólios de fornecimento de alguns produtos2.

2O papel que os Açores e a Madeira desempenharam no comércio do tabaco é bem exemplo desta situação dúbia: centro/periferia. Como veremos toda a atividade económica relacionada com o comércio e produção do Tabaco revela-nos duas situações contraditórias: por um lado não se podia cultivar nem fazer comércio de Tabaco directamente com o Brasil, única região do império Português onde era permitido cultivar o tabaco, por isso ficávamos dependentes da metrópole e de todo o controlo feito pela Junta da Administração do Tabaco; por outro este mesmo consumo gerava sinergias económicas que integravam, quer se quisesse ou não as ilhas nas rotas internacionais do Atlântico.

  • 3 João Paulo SALVADO, «O Estanco do Tabaco em Portugal: Contrato-Geral e Consórcios mercantis (1702-1 (...)

3Pelos estudos que o grupo do projecto SATI tem vindo a fazer, pude inferir que como acontecia no reino, onde o Contrato Real do Tabaco era arrendado a negociantes, normalmente da praça de Lisboa que, por sua vez, o subarrendava nas comarcas e freguesias, também, nas ilhas o negócio era subarrendado a negociantes insulares ou que nelas residissem3. No arquipélago dos Açores estes subarrendamentos tanto podiam ser feitos num só ramo que abrangia todo o arquipélago ou, como acontecia muitas vezes, atrevo-me a afirmar mesmo que, a maioria das vezes, era dividido em três ramos: Faial, Terceira e S. Miguel e anexas. O mesmo acontecia na Madeira, onde podia ser arrendado a um só contratador e depois subdividido por freguesias.

  • 4 Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT) Junta da Administração do Tabaco (JAT), maço nº 2, 17 de (...)

4Segundo os privilégios dos Contratadores Gerais, toda e qualquer infracção quanto à produção e manipulação do tabaco, devia ser severamente punida. Nem sempre isso acontecia, nomeadamente nas ilhas, pois encontramos diversas queixas (que atravessam todo o período do Contrato Real) à Junta da Administração do Tabaco dos estanqueiros da Madeira e dos Açores sobre a pouca diligência das autoridades locais quanto ao contrabando que se fazia sentir, prejudicando amplamente a administração do tabaco. São denunciados tanto clérigos, como civis de todos grupos sociais. O facto de o contratador da Madeira, Ayres de Ornelas Vasconcelos ter arrematado o contrato do tabaco para a Madeira e Porto Santo, em 1680, por um preço considerado alto - 2 300$000 réis - teve como contrapartida a anulação de uma decisão do Provedor da Fazenda da ilha da Madeira contra o arrematante e seus familiares, pelo crime de descaminho de tabaco4.

5Apesar de ter encontrado alguns documentos em que se referenciava os nomes dos contratadores insulares e mesmo por quanto tinham arrematado o contrato, como nos mostram os quadros que se seguem, não foi possível encontrar séries completas pois os documentos estão dispersos por várias instituições e notários e são, por isso, muito difíceis de encontrar.

6Mesmo com estes condicionantes analisemos, dentro do possível, os quadros seguintes:

Açores*

Açores*

* Fontes: ANTT, JAT, Consultas,Maços1, doc.55, 99; maço nº 2, doc.53, 161; maço n.º e, doc. N.º 10. ARBPPD, Fundo da Alfândega de Ponta Delgada, Livro de Registo da Alfândega de Ponta Delgada, 1639/1654, fol. 328; Livro de registo da Câmara de Ponta Delgada dos anos de 1655 a 1718 Copiadores de correspondência do estanqueiro José António de Vasconcelos 1801 a 1805; 1811, 1817.

Madeira*

Data

Nome arrematador

Preço em réis

1677

Ayres Ornelas de Vasconcelos

1680

Ayres Ornelas de Vasconcelos

2:220$000

1682

Domingos do Rego

1 840$000

1685

2 300$000

1688

Gaspar Barreto

1 840$000

1717

Manuel Teixeira Brazão

1719

António Ribeiro

1801 a 1811

Paulo Malheiro de Mello

Fontes: ANTT, JAT, Consultas,Maços1, doc.55, 99; maço nº 2, doc.53, 161; maço nº e, doc. nº 10.
Copiadores de correspondência do estanqueiro José António de Vasconcelos 1801 a 1805; 1811, 1817.

  • 5 Por enquanto ainda não consegui encontrar quantitativos para o Ramo do Faial.
  • 6 Arquivo Particular-António José Vasconcelos (AP:AJV) Copiadores de Correspondência de 1801 a 1817.

7Uma primeira ilação é que na primeira arrematação conhecida para os Açores o Ramo da Terceira foi arrematado por 2 410$000 réis/ano, quantia elevada e por isso mesmo nos anos seguintes as arrematações oscilaram entre 1 130$000 e 2 300$000/ano tanto para o Ramo da Terceira como o de S. Miguel e Santa Maria5. Mesmo quando se rematou por todo o arquipélago os preços estão equiparados entre os 4 600$000 e os 5 520$000. Estes montantes aumentam bastante no século seguinte atingindo o preço de 25 300$000réis /ano para todo o arquipélago. As primeiras duas décadas do século XIX os preços mantêm-se em S. Miguel pelos 4 000$000réis /ano6.

8Quanto à Madeira apenas poderemos dizer que na segunda metade do século XVII e, como aconteceu nos Açores, os preços variaram entre os 2 300$000 e os 1 840$00, embora as oscilações fossem menores que naquele arquipélago. Para o século XVII e XVIII, por agora, ainda não conseguimos preços.

9Todavia o que mais chama à atenção são os nomes dos estanqueiros. Quem são estes homens? Fariam parte da elite social e comercial das ilhas? Como organizavam o negócio do tabaco? Os contratadores insulares detinham grande autonomia face aos contratadores gerais? Quais as suas actividades mercantis para além das vendas do tabaco? Como se organizava a fábrica local?

10Tentando responder à primeira pergunta, verificamos que há uma volatilidade nos homens que arrematam no contrato até à segunda metade do século XVIII. Excepção para as duas arrematações seguidas feitas por Joaquim Siqueira, que arrematou o contrato para o arquipélago em geral, seguida de nova arrematação em 1791, mas só para o ramo de S. Miguel. Na Madeira temos a excepção de Ayres de Ornelas e Vasconcelos, que também arremata o contrato por dois períodos de três anos seguidos.

  • 7 Cf. José Damião RODRIGUES, São Miguel no século XVIII, casa, elites e poder, Instituto Cultural de (...)

11A partir de 1744 o preço da arrematação aumenta bastante, o que pressupõe serem homens de «mais grossos cabedais», mas apesar de ter estudado um pouco da elite mercantil micaelense de setecentos a verdade é que ainda não consegui saber qual a posição económica e social do capitão José Azevedo, contratador do Tabaco de S. Miguel e Santa Maria. Julgamos ser capitão de ordenanças de um dos municípios da Ilha, o que nos remete para um estatuto social de certo modo elevado. Fazer parte das ordenanças municipais, era mostrar poder e prestígio sendo, por vezes, utilizado pelos negociantes para a sua integração na elite social regional7.

12A partir da década de 80 do século XVIII e durante as duas primeiras décadas do século XIX, a permanência do contratador por vários anos é uma constante para todas as ilhas dos Açores e da Madeira.

  • 8 João Paulo SALVADO, «O Estanco do Tabaco em Portugal: Contrato-Geral e Consórcios mercantis (1702-1 (...)

13O que teria mudado? Será que poderemos transpor para os Açores e Madeira a teoria de João Paulo Salvado de que, nos primeiros anos do contrato, os mercadores que arrematavam o contrato do tabaco não seriam os mais abastados, nem fariam parte da elite mercantil portuguesa, tendo muitos deles falido por não poderem satisfazer as suas obrigações?8 Penso que sim. Não me parece haver dúvidas que a partir dos anos oitenta de setecentos o perfil do contratador/estanqueiro das ilhas atlânticas mudou, à semelhança do que se passava no reino.

  • 9 SUPICO, Francisco Maria, Escavações, vol.2, Ponta Delgada, Instituto Cultural de Ponta Delgada, 199 (...)
  • 10 Margarida VAZ DO REGO MACHADO, Uma fortuna do Antigo Regime…, p.72.

14Vejamos então o perfil de alguns destes estanqueiros. Sobre Joaquim da Costa Barradas, sabemos que arrendou o contrato do Tabaco de S. Miguel e Santa Maria em 1782 e que tinha vindo para S. Miguel exatamente para ficar com o estanco micaelense. Ou seja, e seguindo a linha de João Paulo Salvado, ele parece ter sido escolhido pelos Contratadores Gerais do Tabaco do reino e ilhas adjacentes, que geriam agora o negócio do tabaco como verdadeiros capitalistas, não fossem grandes negociantes, dos maiores da praça de Lisboa e preferissem ter nas suas delegações gentes de sua confiança. Como aconteceu com outros negociantes de grosso trato, casou no seio da sociedade micaelense com a filha de Inácio José de Melo, pessoa de Boa forma e riqueza, integrando-se com facilidade na sociedade aristocrática micaelense. No Almanaque de 1800, imprimido em Lisboa, é referido como o administrador do tabaco em Ponta Delgada, e em 1793, nas festas públicas de comemoração do nascimento da princesa da Beira, filha de D. João VI e D. Carlota Joaquina, as luminárias de sua casa foram distinguidas e amplamente elogiadas na imprensa micaelense9. Apesar de não termos fontes suficientes que nos permitem caracterizar a sua actividade como estanqueiro, podemos afirmar que Joaquim da Costa Barradas, movimentava um negócio que lhe permitia animar uma actividade financeira não só de crédito local, mas também de desconto de letras de câmbio com praças estrageiras. Em 1782 foi a ele que recorreu um dos principais negociantes de grosso trato da praça de Ponta Delgada, Nicolau Maria Raposo, para obter um crédito de 20 000 cruzados (9 600$000 réis), que foram pagos em letras no Rio de Janeiro.10 Na década seguinte, são-lhe remetidos alguns barcos vindos de Lisboa, Figueira da Foz e Madeira e Terceira, mas as cargas parecem-nos estritamente pessoais, nomeadamente alguns barris de vinhos e aguardente, mobiliário para casa e cinco chapeleiras, o que mostra uma situação desafogada nos hábitos de sua casa. Todavia, também recebe alguns rolos de papel, moios de cal e vários barcos em lastro, o que me leva a crer que já tinha iniciado um comércio por grosso, nomeadamente na exportação de cereais pois, muitas vezes, os negociantes micaelenses de cereais mandavam vir a Ponta Delgada barcos a lastro, para depois irem carregados de cereais para o reino. Morre em 1803 altura em que já o contrato de tabaco em S. Miguel tinha passado para outras mãos, mais precisamente para António José de Vasconcelos, estudo de caso do presente trabalho.

  • 11 Gostaria de agradecer publicamente ao Dr. Rui Freitas da Silva a grande disponibilidade que mostrou (...)

15Por felicidade pude aceder a parte do seu arquivo pessoal11 composto por alguns livros do Contrato do Tabaco da Ilha de S. Miguel iniciado em 1801. Embora em relativo bom estado, o arquivo não está organizado e apesar de ter quatro livros de correspondência, entre os anos de 1800 a 1805, só com cartas e contas do contrato do Tabaco, a partir daí, para conseguir informações sobre o mesmo, tive de analisar os seus copiadores de correspondência relativos a todos os seus negócios, ente 1801 e 1817.

  • 12 Luísa Cymbron, «Algumas modinhas de bom gosto e duetos italianos para meninas. A música e a educaçã (...)

16António José Vasconcelos era natural da Terceira, mas antes de vir para S. Miguel exercera atividade comercial no Funchal, pelo menos na última década de setecentos, casando-se em 1798 nesta cidade, em casa do Morgado Agostinho José d’Ornelas Esmeraldo e Vasconcelos12. As cartas comerciais expedidas do Funchal abrangem datas que vão de 1793 a 1800 e mostram-nos que, nesse período, a atividade de Vasconcelos estava essencialmente centrada no comércio de vinhos, que exportava para a Baía e para a América do Norte, fazendas e ainda diversos produtos, mas em menor escala. Como não podia deixar de ser e como negociante de grosso trato do Antigo Regime que era, possuía uma rede de agentes/correspondentes noutras localidades, nomeadamente na ilha Terceira, principalmente com seu irmão Vitorino José de Vasconcelos, bem como no Faial onde residia o primo António Graham. Como veremos esta rede de comerciantes/correspondentes irá alargar-se durante os anos em que administrou o contrato Real do Tabaco.

  • 13 Cf. Luísa CYMBRON, Modas e Modinhas….pp. 91, 92

17Como atrás se disse em 1801, chegou a Ponta Delgada e neste mesmo ano nasceu sua primeira filha. Segundo registo de batismo, o seu nascimento fez-se na freguesia da matriz de S. Sebastião e ao que tudo indica na casa que pertencera ao anterior contratador Joaquim da Costa Barradas13.

  • 14 AP:AJV - Livro de correspondência de Thomás Gouveia, 1798-1800.

18Como todos os outros era, também, negociante de grosso trato, e as suas cartas de correspondência, assim como as entradas e saídas de barcos de Ponta Delgada, revelam relações comerciais com a Terceira e Faial, S. Maria, assim como com a Madeira, o Reino e o Brasil14. Como todos os grandes negociantes micaelenses, a partir de 1810, irá alargar o seu comércio com a Inglaterra tudo fazendo para entrar no negócio dos citrinos.

19Através das cartas que, no ano de 1800, recebeu do seu correspondente Thomas Gouveia, percebemos que o arrendamento do contrato do tabaco para S. Miguel e Santa Maria, não foi fácil.

  • 15 AP:AJV - Livro de correspondência de Thomás Gouveia, 1798-1800, Cartas de Thomás Gouveia a Vasconce (...)

20Segundo as mesmas, foi Thomas Gouveia que se dirigiu a Lisboa para realizar o contrato e, utilizando as suas as suas palavras: era preciso conhecer bem as leis e mesmo o contrato, para não ser prejudicado15. Ficamos, também, a saber por Thomás Gouveia, que o arrendamento foi feito por 4 000$000 réis anuais, todavia a exigência do contratador Geral Joaquim Pedro Quintella da propina ser paga em dinheiro metálico no dia da escritura quase que pôs a perder o negócio. Thomas Gouveia refere que teve grande dificuldade em conseguir a quantia exigida em moeda, pois as letras mandadas por Vasconcelos eram para serem pagas a 150 dias e para negocia-las teve grande dificuldade. A usura era grande, o papel-moeda não era do agrado de muitos comerciantes, tendo depreciação em relação ao metálico, acabando por ter de fazer um empréstimo de 1 000$000réis a um conhecido de modo a perfazer os 4 000$000 réis. Apesar de tudo tinha saído vitorioso e a escritura assinada a 29 de Outubro de 1800. Tinha o contrato por três anos.

  • 16 AP:AJV - Cartas de Thomás Gouveia a António José Vasconcelos, 13 de Novembro, 15 de Dezembro de 180 (...)

21Avisava ainda que, segundo o que tinham combinado, iria a S. Miguel para estabelecer a administração esperando mais tarde pela chegada de António José de Vasconcelos (chegou a S. Miguel a 11 de Fevereiro, um mês depois de tomado posse da administração)16.

22Esta ligação à Madeira tornou-se fundamental na organização do negócio do Tabaco, havendo grandes ligações comerciais entre os dois contratadores. As cartas entre António José de Vasconcelos e Paulo Malheiro de Mello (administrador do contrato do Tabaco na Madeira) demonstram um grande conhecimento do comércio entre os Açores e a Madeira e de como o negócio do Tabaco ligava estes dois arquipélagos.

23Paralelamente às relações comerciais geradas pelo contrato do Tabaco, os negócios particulares também se praticavam. Como acontecia com o Reino, alguns dos correspondentes particulares de Vasconcelos, nomeadamente Pedro Scola, Francisco António Lodi e Álvaro Thomazini, estavam intimamente ligados por redes comerciais e pessoais aos contratadores-gerais do tabaco. Também na Madeira, Manuel de Oliveira, talvez o correspondente com quem mais negócios tinha, estava relacionado com o contratador do Tabaco daquela Ilha. Sempre que era preciso favores ou negócios mais importantes eram a estes negociantes que o estanqueiro micaelense recorria.

24 Como acontecia desde sempre, o tabaco vinha para Ponta Delgada directamente de Lisboa e António José de Vasconcelos, recebia e cumpria ordens dos contratadores-gerais em Lisboa. Toda a correspondência mostra uma dependência efectiva dos contratadores-gerais e por isso mesmo, embora na sociedade micaelense fosse conhecido pelo estanqueiro a verdade é que o nome de administrador do tabaco me parece mais correto até porque, em muitas cartas e documentos que analisamos, a palavra administrador é a que aparece e não a de contratador ou estanqueiro.

  • 17 João Paulo SALVADO, «O Estanco do Tabaco em Portugal: Contrato-Geral e consórcios mercantis (1702-1 (...)

25Logo no início da sua administração e como era habitual no Reino17, os contratadores cessantes vendiam o resto de seus tabacos a preços mais baixos, deixando nos armazéns apenas aqueles que já não estavam em bom estado, o que dificultava o início da comercialização do contrato. Foi o que aconteceu quando Vasconcelos iniciou o seu negócio, pois encontrou muito deste tabaco e que, apesar de o beneficiar com o novo tabaco chegado em Fevereiro, teve de queimar alguns. Todavia só o fez com a autorização dos contratadores-gerais.

  • 18 Segundo um estudo feito por nós anteriormente, a média de entrada de tabaco em Ponta Delgada, vindo (...)
  • 19 Designativo do tabaco da primeira folha, usado geralmente como rapé

26Seguindo a os livros de correspondência de António José de Vasconcelos entre os anos de 1801 e 1805, remetidos aos contratadores-gerais Joaquim Pedro Quintella, Anselmo José da Cruz e, mais tarde, a Jacinto Fernandes Bandeira, verificamos que a média dos rolos de tabaco recebidos corresponde à média das décadas anteriores18. Todavia ressalta o ano de 1803 com um menor número de rolos, situação que António José de Vasconcelos compensou pedindo ao administrador da ilha Terceira, o negociante Teixeira de Sampaio, mais 20 rolos de tabaco e 5 barris de Simonte em pó19.

  • 20 AP:AFV - Valores extraídos dos Livros da correspondência de 1800 a 1803, 1804 e 1805. Cartas de Ant (...)

Total recebido por ano de rolos de Tabaco20

Ano

Rolos

Peso líquido

1801

100

1 967 @

1802

70

1 033@ e 16 arráteis

1803*

60+ 20 vindos da Terceira

790@

1804

120

1505@ e 32 arráteis

1805

160

2123@ e 32 arráteis.

Fontes: AP:AJV, Livros de correspondência do Contrato do Tabaco de 1800 a 1805.

  • 21 Esta situação parece dever-se a uma nova estratégia nos investimentos do dinheiro apurados, como ve (...)

27Em relação ao consumo, as contas eram enviadas aos trimestres, sendo apenas apontado o valor em réis e não as quantidades. Segundo as mesmas cartas, apenas os 3 primeiros anos estão completos, pois no ano de 1804 somente são apontados as somas dos dois primeiros trimestres e no de 1805, apenas temos a referência de que se mandaram as folhas para Lisboa21.Contudo podemos afirmar que os valores médios de consumo giravam à volta dos 40:000$000 réis.

  • 22 AP:AFV - Valores extraídos dos Livros de correspondência de 1800 a 1803, 1804 e 1805. Cartas de Ant (...)

Valores em réis do Consumo de tabaco22

Ano

Trimestre

Consumo em réis

1801

8 766$908

10 113$032

10 515$972

10 064$180

Total

39 460$092

1802

10 830$634

10 668$072

10 071$296

10 137$320

Total

41 727$322

1803

9 933$836

10 194$836

9 516$184

9 684$184

Total

39 329$04

1804

9 788$320

9 576$352

  • 23 AP: AFV - Livro de correspondência das Cartas escritas ao Real Contrato, carta de António José de V (...)

28Inferimos, também, que em todos os anos, do valor conseguido pela venda do tabaco a maior parte era investida ou em géneros ou em letras de câmbio, ficando sempre algumas quantias em caixa, após todas as despesas pagas23.

  • 24 AP:AJV - Livro de correspondência das Cartas escritas ao Real Contrato. Apenas um exemplo, Carta de (...)

29Corroborando o que tinha dito o contratador dos dízimos e miunças de toda a ilha de S. Miguel, Nicolau Maria Raposo, que os contratadores do tabaco eram os maiores compradores de cereais e dos legumes de contra-folha: fava e feijão, verificamos que esta era uma das principais maneiras de investir os lucros das vendas dos tabacos24. Apesar do trigo ser o cereal mais importante e mais caro, no início do século XIX, a exportação de milho da Ilha é maior do que a do trigo, situação espelhada nas remessas compradas por António José de Vasconcelos por conta do contrato. Nestes primeiros 5 anos Vasconcelos investiu, por ano, em géneros, especialmente em milho, fava e feijão, entre 15 000$000 réis e 28 000$000 reis, o equivalente a metade do consumo bruto do tabaco.

  • 25 AP:AJV - Copiadores de Correspondência com o Contrato-Geral do Tabaco, Carta de António José Vascon (...)

30Na correspondência em análise, são explicados o modo de compra dos géneros micaelenses, o cuidado a ter com os barcos, pois nem sempre era fácil encontrar barcos disponíveis em Ponta Delgada. Na verdade o contrato tinha o privilégio de mandar primeiro os seus produtos mas, nem sempre, os contratadores conseguiam barco. Face e a este problema o contrato preferia os barcos de António Pereira Caldas ou Álvaro Thomazini, sendo estes avisados logo que António José de Vasconcelos tinha carga para mandar para o reino25.

  • 26 AP:AFV - Copiadores de Correspondência com o Contrato-Geral do Tabaco, Carta de António José Vascon (...)

31Um outro aspeto muito importante eram os preços dos cereais e legumes (através de suas cartas podemos fazer ideia dos preços por cada época) e as melhores alturas para os comprarem, salientando a importância dos comissários volantes para a carestia dos mesmos. Explicava, ainda, que uma das maneiras de evitar os 2%de comissão desses comissários, era comprar as rendas dos Morgados, pagas em trigo e as únicas vendidas na cidade. Por isso, tudo fazia para comprar o trigo aos contratadores dos dízimos, proponde que os contratadores-gerais fizessem um acordo com o Conde da Ribeira Grande, de modo a que o seu administrador na ilha lhe vendesse algum trigo. O mesmo aconteceu com o Morgado Sousa Coutinho de Santa Maria. O lucro estaria na venda do mesmo em Lisboa26.

  • 27 AP:AJV - Copiador de correspondência particular (Fevereiro de 1804 a junho de 1804), Carta a José T (...)

32Esta estratégia de comprar o trigo aos grandes proprietários e aos administradores do contrato dos dízimos e miunças de toda a ilha de S. Miguel será a estratégia que ele próprio irá usar quando se tornará um dos grandes mercadores de grosso trato micaelense. Entre 1801 e 1812, o aumento de correspondência com o Reino é enorme e Vasconcelos torna-se um dos maiores negociantes de géneros. Ele próprio arrenda muitas das administrações de morgados das ilhas, não só em S. Miguel, como também do Faial e mesmo da Madeira e em 1805 consegue entrar na sociedade que arrematou os dízimos de trigo e miunças da ilha de S. Miguel27.

  • 28 AP:AJV - Copiador de correspondência particular (Novembro de 1801 a 22 de Maio de 1805), carta a Jo (...)

33A sua ligação de negociante e administrador do contrato faz-se vendendo muitas de suas rendas, de propriedades que tinha em S. Maria, S. Miguel, Terceira e Faial, ao contrato.28 Nestas remessas de géneros, o estanqueiro de Santa Maria era uma peça fundamental, pois era ele que recebia o trigo e cevada de diversas propriedades da Ilha e as mandava o Vasconcelos em S. Miguel.

  • 29 AP:AJV - Copiador de correspondência particular (4 de fevereiro de 1804 a 25 de Junho de 1804), car (...)
  • 30 Como havia um ágio entre as moedas do reino e a das ilhas (não só nos Açores, mas também em relação (...)

34Tão importante ou ainda mais do que os negócios de cereais foi a actividade financeira que o contrato do Tabaco, pela mão de seus contratadores, dinamizaram nas ilhas. Por exemplo entregava a uma pessoa de S. Miguel dinheiro a pedido do estanqueiro/administrador da Terceira, Francisco José Teixeira de Sampaio, que por sua vez, entregava igual quantia nos cofres da Fazenda Real em Angra por conta de Vasconcelos29.Para além de empréstimos que dava a muitas pessoas, incluindo Morgados, grandes mercadores e mesmo à Fazenda Real, José António de Vasconcelos utilizava com regularidade letras entre as administrações do Tabaco da Terceira e do Faial, assim como com a da Madeira e do Reino. Mas não se ficava por aqui, as relações com os seus diversos correspondentes, que foram aumentado através de redes de negociantes relacionados, mesmo que indirectamente, com o contrato de tabaco, dinamizou um verdadeiro mercado de letras de câmbio, especialmente entre o Reino e a Madeira30.

  • 31 Apenas a título de exemplo: AP:A. F.V., Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabac (...)

35Através dos seus copiadores de correspondência, podemos fazer uma ideia de como estas letras eram empregues, pois neles encontramos algumas cartas onde se avisava a letra enviada ou recebida, por conta de quem e a favor de quem se fazia o saque assim como a sua importância. Não poderei afirmar que todos os avisos estão registados nas cartas que analisei entre os anos de 1801 a 1805; 1811 e 1812, mas tomando como exemplo estes anos, poderei afirmar que a maioria era sacada, a 90 dias, sobre uma diversidade de negociantes mas, sempre, a favor dos Administradores do Contrato em Lisboa ou por conta da própria administração do contrato31.

36Por exemplo em junho de 1801, Vasconcelos avisava os contratadores-gerais do Tabaco que enviava 2 letras de câmbio, a 90 dias, passadas por Pedro Scola sobre Francisco Lodi e José Ventura a fovor do contrato, com o montante de 18 000$000 réis, quantia que o estanqueiro micaelense tinha entregue ao Senhor Scola em moeda corrente na Ilha por conta da administração. Foi o montante maior que encontrei, mas tanto Fancisco Lodi e Pedro Scola, são dos correspondentes mais importantes que Vasconcelos tem, não só sobre assuntos do contratao como de negócios particulares. As letras que se seguiram a favor do contrato em Lisboa foram menores entre os 100$000 réis e 4 000$000, com uma média anual de cerca de 7 500$000 réis. Outras vezes o giro fazia-se ao contrário e sobre quantias que os contratadores mandavam a pessoas da ilha por conta de outrem que por susa vez sacava letar a favor do contrato. Era pelo movimento de letras que muitas das receitas do contrato da Terceira e do Faial chegavam a S. Miguel para depois os seus montante serem empregues em géneros ou mandadas para a administração da Madeira, situação que passou a ser comum a partir de 1803. Por vezes o administrador da Madeira sacava letas sobre António José de Vasconcelos que eram pagas com dinheiro da administração do tabaco das outras ilhas que entretanto tinham sido enviados para Ponta Delgada. Esta relação entre os três administradores das Ilhas açorianas, alargava-se com os negócios particulares de cada um. Por exemplo a partir de 1805, Antómio José de Vasconcelos entrou numa sociedade que arrematou o maior contrato real dos Açores: o dos dizimos de trigo e miunnças da Ilha de S. Miguel. Como os pagamentos eram feitos na Junta da Fazenda na Ilha Terceira, Vasconcelos muitas vezes pedia ao administrador do contrato daquela Ilha: José Teixeira de Sampaio, que este lhe adiantasse dinheiro e sacasse letras da referida quantia sobre ele.

37As relações entre as administrações das ilhas Terceira, Faial e Madeira, revelam uma rede apertada de negócios e um conhecimento sobre as mesmas, movimentando grandes somas de letras, sempre apoiadas pelos contratadores-gerais.

  • 32 AP:AFV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Carta de António José Vascon (...)

38Mas não eram só letras. Se uma ilha necessitava de Tabaco logo pedia a outra, enquanto esperava pelo barco que o trouxesse de Lisboa. O mesmo acontecia quando havia excesso de tabaco que, para não se perder, ia para outra Ilha. Por exemplo: Vasconcelos verificou logo no primeiro ano que o rapé não se vendia muito em S. Miguel. Como tinha grande quantidade dessa espécie e sabendo que na Madeira ele era apreciado, mandou uma boa porção daquele para o contratador madeirense - Paulo Malheiro de Mello, não antes de, primeiro, ter pedido autorização para Lisboa32.

  • 33 AP:AFV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Cartas de António José Vasco (...)
  • 34 AP:AJV - Copiadores de Correspondência com o Contrato-Geral do tabaco, em Lisboa; carta de António (...)

39Como disse atrás no ano de 1804 e até Abril de 1805, a estratégia de investimentos modificou-se: agora o estanqueiro de S. Miguel e anexa deveria mandar o que fosse apurando na administração aos administradores da ilha Madeira. O mesmo aconteceu com a administração da Terceira e Faial que as mandavam a Vasconcelos e este por sua vez remetia (normalmente através do saque de letras) para a Madeira. Todos estes movimentos eram ordenados e conferidos pelos contratadores-gerais em Lisboa33. Os lucros enviados a António José de Vasconcelos giravam à volta das seguintes cifras: 8 600$000 réis pertencentes à Junta da Administração do Tabaco da Terceira e 2 400$000 réis referentes à do Faial34.

  • 35 AP:AFV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Carta de António José Vascon (...)

40Apesar dos privilégios do Contrato, nem sempre os contratadores conseguiam barco para mandar os produtos para o reino. Face a este problema o contrato vai acautelar-se com acordos com António Pereira Caldas ou Álvaro Thomazini. Os barcos destes dois negociantes/armadores deviam ser os preferidos do contrato. Assim logo que António José Vasconcelos tivesse carga, devia notifica-los para virem a S. Miguel buscar a carga. Embora fossem os barcos mais usados, nem sempre estavam disponíveis e o administrador de S. Miguel deveria resolver a situação com outros que estivessem disponíveis35.

41 A defesa dos privilégios nem sempre era fácil e as diligências do contratador insular nem sempre se reportavam satisfatoriamente. Por exemplo, em 1804, a retenção na alfândega, para verificação dos tabacos passou a ser usual, apesar das provisões da Junta da Administração do Tabaco mandadas ao conservador na ilha que por sua vez as entregava ao juiz e mais oficiais da alfândega.

  • 36 AP:AFV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Carta de António José Vascon (...)

42Outro aspeto bastante referido era a pouca vigia que os guardas faziam ao contrabando, não só do tabaco nacional como, também, estrangeiro, nomeadamente da Virgínia. Era usual a entrada destes tabacos, pela calada da noite, nas muitas reentrâncias da costa. Segundo António José de Vasconcelos este era um problema grave que muito prejudicava o contrato36.

  • 37 ANTT, JAT, Maço nº161, 17 de Agosto de 1797.
  • 38 AP:AFV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Carta de António José Vascon (...)

43Como vimos no início deste artigo, durante a vigência do Contrato Geral havia em Portugal uma fábrica em Lisboa, outra no Porto e ainda nas ilhas dos Açores e Madeira. Apesar de tanto João Paulo Salvado e Susana Munch Miranda referirem apenas duas fábricas: uma na Terceira e outra em S. Miguel, encontrei num documento da Junta da Administração do Tabaco de Agosto de 1797, informação de que na fábrica do Faial havia muito tabaco perdido e que se deveria queimá-lo.37 Por enquanto consegui muito pouca informação sobre estas fábricas. Através, novamente, do nosso estudo de caso, e a partir da correspondência de António José de Vasconcelos, ficamos a saber que logo após a sua chegada a S. Miguel os armazéns foram mudados devido há muita humidade que os antigos apresentavam. Era também dever do estanqueiro prover os utensílios da fábrica, por isso, pisões, peneiras, passadores, várias balanças e pesos, papel eram várias vezes pedidos para Lisboa. Não consegui saber quantos homens trabalhavam na fábrica mas, logo no primeiro ano, em junho de 1801, António José de Vasconcelos foi confrontado com o anseio dos pisoeiros em aumentar suas jornas. Segundo o administrador de S. Miguel era legítimo este aumento pois o pão tinha subido quase 100%. Não sei se o conselho foi levado em conta mas no ano seguinte os protestos continuaram e António José de Vasconcelos voltou a dizer que as jornas deviam ser aumentadas, sempre em proporção com o preço dos géneros pois, para além de ser de justiça, era também uma maneira de granjear outros trabalhadores visto que a fábrica bem os necessitava. Portanto o negócio aumentava. E como o negócio aumentava o trabalho da administração também, levando Vasconcelos a contratar um escriturário em 1804, oferecendo 200$000 réis por ano, casa, mesa e transporte para Ponta Delgada38

  • 39 AP:AJV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Carta de António José Vascon (...)
  • 40 ANTT, Tabelião António Nunes, escritura feita em 1801.

44O que ganhava o próprio administrador, visto que toda atividade do negócio era controlada pelos contratadores-gerais? Não consegui, ainda, apurar. Apenas percebi que recebia uma comissão, não só das vendas do tabaco como também sobre os negócios dos géneros feitos pela administração39. Através de escrituras de contratos feitas em notários de Lisboa, com estanqueiros de Torres Vedras e Lisboa em 1801, são apontadas comissões de 30% sobre cada arrátel de tabaco40. Será isso que ganhava?

  • 41 Logo no seu primeiro ano, António José de Vasconcelos consegui ser vice-cônsul de Espanha no Faial.
  • 42 AP:AJV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Carta de António José Vascon (...)

45Mas havia mais, talvez ainda mais importantes para quem se queria impor no mundo dos negócios. Era frequente conseguir alguns favores, como por exemplo pedir ao contratador do Faial (com o conhecimento/licença dos contratadores-gerais em Lisboa) que desse crédito ao seu correspondente naquela ilha, António Garham, de modo a que pudesse suprir os navios espanhóis que aportavam naquela ilha41. No ano seguinte, 1803, outro pedido é feito. Sabendo que os contratadores da Madeira exportavam por conta do contrato grandes porções de vinho para a Índia, pedia a graça de lhe contemplarem naquela comissão, dando-lhe preferência de poder embarcar anualmente até 200 pipas de vinho, pela casa do seu socio no Funchal e depois ser embolsado nas contas da administração em S. Miguel42.

  • 43 AP:AJV - Copiadores de correspondência particular (23 de Julho de 1811 a Dezembro de 1812), Carta a (...)

46Lucro devia dar, pois é o próprio Vasconcelos que em 1811 ao escrever ao seu correspondente Francisco António Lodi dizia: Já lhe disse que me não contento com o nome de administrador sem proveito43. Os lucros deviam ser grandes, pois o nosso estanqueiro cedo se integra na sociedade micaelense, com uma vida desafogada e sendo muito considerado por ela.

47Os grandes negociantes das Ilhas, costumavam associar-se para entrarem nos negócios mais rentáveis, como os Contratos Reias, nas compras de barcos e respectivas viagens de negócios, ou seja em tudo o que poderia dar lucro. Durante muito tempo fiquei admirada porque a elite comercial insular não se tinha associado ao Contrato de Tabaco? A resposta talvez esteja na constatação de que o estanqueiro era um mero administrador, escolhido pelos Contratadores-Gerais do Tabaco em Lisboa. O que aconteceu foi precisamente o contrário. Foi António José de Vasconcelos que se aliou a esta elite entrando nas sociedade insulares. Assim em 1805 entra na sociedade do contrato do dízimo chefiada por Bento Sodré Pereira, conseguindo destronar a sociedade existente já há vários anos. Anos depois integra-se no grupo seu opositor que voltou a arrendar o contrato. O lucro do contrato fazia com que se mudasse de sociedade, sempre que a possibilidade de ganhar estivesse ao alcance.

  • 44 AP:AJV,

48Um outro aspeto curioso foi a sua pretensão a vice-cônsul de Espanha no Faial, logo no ano seguinte à sua vinda para S. Miguel. Vasconcelos não residia no Faial, mas tinha um procurador que o substituía no cargo. Pela correspondência expedida entre os dois penso que não lhe deu grande lucro, mas deu-lhe imenso prazer ganhar o cargo a outros pretendentes na ilha. Segundo as suas próprias palavras: «Já tenho o vice-consulado de Espanha dessa ilha, com muito desgosto de todos estes fidalgos os quais com sua riqueza e nobreza nada conseguiram...»44

49Apesar de não ter tantas informações dos outros estanqueiros insulares, mas conhecendo o tecido mercantil da Ilha, posso assegurar que as actividades e interesses seriam semelhante às de António José de Vasconcelos.

Em conclusão

50Podemos afirmar, pelo menos para o final de setecentos e primeiras duas décadas de oitocentos, que os estanqueiros/administradores insulares tinham uma relação mercantil intensa entre si, incrementada pelo negócio do Tabaco. As quatro administrações trabalhavam muitas vezes em rede, sendo que era o administrador de S. Miguel que mais contatava com a administração da Madeira. Após a análise de toda esta correspondência de António José Vasconcelos com os administradores do Faial, Terceira e Madeira, constatamos que as administrações tinham pouca autonomia, pois as suas ações estavam sempre dependentes das ordens dos Contratadores-Gerais do Tabaco em Lisboa. Por esse motivo estes homens deveriam ser referenciados como administradores do Tabaco e não como contratadores/estanqueiros. Na verdade, temos alguns documentos do século XVII e da primeira metade do século XVIII que nos falam de editais e intrigas entre as várias licitações para as arrematações dos contratos nas Ilhas. Todavia para o final de setecentos e início de oitocentos esta efervescência de lanços apaga-se e apenas sabemos que foram escolhidos este ou aquele para administrar o contrato. O caso de António José de Vasconcelos é paradigmático. O seu primeiro arrendamento foi por 3 anos, o segundo por 9 anos sem nenhuma incerteza na sua recondução. Quando em 1817, o Contrato-geral muda de Contratadores gerais, encontramos várias cartas a diversos, para que pugnassem por ele na recondução. O que acaba por conseguir. Pensamos que, agora mais do que nunca, os contratadores-Gerais tinham uma administração centralizada em Lisboa e que sabiam que o sucesso do contrato dependia em grande parte do desempenho que estas pessoas tinham. Era necessário ter confiança e conhecer-se os futuros administradores, para além das fianças e das «propinas» que pagavam todos os anos.

51 Esta pouca independência não anulava as comissões, lucros e favores que o contrato e contratadores-gerais proporcionavam, possibilitando a estes negociantes a sua entrada na elite da sociedade insular.

52Uma última consideração para evidenciar que, apesar do Contrato do Tabaco não permitir uma participação direta nas rotas internacionais do tabaco, a verdade é que as sinergias geradas por este negócio propiciavam lucros que depois eram investidos na compra dos géneros agrícolas locais que, por sua vez, eram exportados e no movimento de letras de câmbio e, por isso mesmo, dinamizavam e integravam-se no Sistema mercantil do Atlântico ou mesmo no Sistema Atlântico do Tabaco.

Notes

1 José Manuel AZEVEDO E SILVA, «A importância dos espaços insulares no mundo Atlântico», in História das ilhas Atlânticas, vol. 1, pp.125-161;

Fernand BRAUDEL, O Mediterrâneo e o Mundo Mediterrânico na época de Filipe II, «Anais 2», Lisboa, Publicações D. Quixote, vol. I, 1983, pp.172-174.

2 Alberto VIEIRA, Nova História Económica da Madeira, Lisboa, Esfera do Caos Editores, APCA e Autor, 2014, p. 40.

3 João Paulo SALVADO, «O Estanco do Tabaco em Portugal: Contrato-Geral e Consórcios mercantis (1702-1755)», in Santiago de Lúxan MELÉNDEZ (dir.), Política e hacienda del Tabaco en los Imperios Ibéricos (siglos XVII_XIX), Centro de Estudos Politicos y Constitucionales, Madrid, 2014, p.137, p.141; Margarida VAZ DO REGO MACHADO, «O contrato do tabaco nos finais do Antigo Regime e início do liberalismo: sua importância na economia açoriana» in Santiago de LÚXAN MELÉNDEZ (dir.), Política e hacienda …pp.159, 162, 164.

4 Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT) Junta da Administração do Tabaco (JAT), maço nº 2, 17 de Abril de 1680.

5 Por enquanto ainda não consegui encontrar quantitativos para o Ramo do Faial.

6 Arquivo Particular-António José Vasconcelos (AP:AJV) Copiadores de Correspondência de 1801 a 1817.

7 Cf. José Damião RODRIGUES, São Miguel no século XVIII, casa, elites e poder, Instituto Cultural de Ponta Delgada, 2003, pp.457 a 260; Margarida VAZ DO REGO MACHADO, Uma fortuna do Antigo Regime: A casa comercial de Nicolau Maria Raposo de Amaral, Patrimónia, 2006, pp. 294, 295, 303 e 304; Margarida VAZ DO REGO MACHADO, «Elites Mercantis Açorianos no fim do Antigo Regime», in Actas do II Colóquio da História das Elites, ICS, Lisboa, 2004, CD Rom.

8 João Paulo SALVADO, «O Estanco do Tabaco em Portugal: Contrato-Geral e Consórcios mercantis (1702-1755)», in Santiago de LUXAN MELÉNDEZ (dir.), Política e hacienda del Tabaco…, pp.145 a 150.

9 SUPICO, Francisco Maria, Escavações, vol.2, Ponta Delgada, Instituto Cultural de Ponta Delgada, 1995, p.476.

10 Margarida VAZ DO REGO MACHADO, Uma fortuna do Antigo Regime…, p.72.

11 Gostaria de agradecer publicamente ao Dr. Rui Freitas da Silva a grande disponibilidade que mostrou em compartilhar comigo algumas lembranças de família em relação ao seu trisavô António José de Vasconcelos e a abertura que demonstrou em deixar-me consultar, sem restrições nenhumas, o arquivo particular do estanqueiro António José de Vasconcelos, hoje na sua posse.

12 Luísa Cymbron, «Algumas modinhas de bom gosto e duetos italianos para meninas. A música e a educação de uma família micaelense do início do século XIX» in Revista Arquipélago, 2ª série, História, XIII, 2009, p. 90 e 91.

13 Cf. Luísa CYMBRON, Modas e Modinhas….pp. 91, 92

14 AP:AJV - Livro de correspondência de Thomás Gouveia, 1798-1800.

15 AP:AJV - Livro de correspondência de Thomás Gouveia, 1798-1800, Cartas de Thomás Gouveia a Vasconcelos, 24 de Outubro de 1800.

16 AP:AJV - Cartas de Thomás Gouveia a António José Vasconcelos, 13 de Novembro, 15 de Dezembro de 1800.

17 João Paulo SALVADO, «O Estanco do Tabaco em Portugal: Contrato-Geral e consórcios mercantis (1702-1755)», in Santiago de LUXAN MELENDEZ; Política e hacyenda…, p.150.

18 Segundo um estudo feito por nós anteriormente, a média de entrada de tabaco em Ponta Delgada, vindo de Lisboa, nas décadas de sessenta e setenta de setecentos era de 101 rolos de tabaco (mínimo 49 rolos e máximo 270).Nas duas décadas seguintes verificou-se um pequeno aumento com 112 rolos (máximo 200 e mínimo 30; não se contabilizou o ano de 1791, por não se ter registado entrada nenhuma) - CF. Margarida Vaz do Rego MACHADO, «O Contrato do Tabaco nos finais do Antigo Regime e início de liberalismo: sua importância na economia açoriana», in Santiago de Lúxan (dir.), Política e hacienda…, p.166.

19 Designativo do tabaco da primeira folha, usado geralmente como rapé

20 AP:AFV - Valores extraídos dos Livros da correspondência de 1800 a 1803, 1804 e 1805. Cartas de António José de Vasconcelos a Joaquim Pedro Quintela, Anselmo José da Cruz e Jacinto Fernandes Bandeira.

21 Esta situação parece dever-se a uma nova estratégia nos investimentos do dinheiro apurados, como veremos mais à frente.

22 AP:AFV - Valores extraídos dos Livros de correspondência de 1800 a 1803, 1804 e 1805. Cartas de António José de Vasconcelos a Joaquim Pedro Quintela, Anselmo José da Cris e Jacinto Fernandes Bandeira.

23 AP: AFV - Livro de correspondência das Cartas escritas ao Real Contrato, carta de António José de Vasconcelos aos Contratadores dos Tabacos em Lisboa,

24 AP:AJV - Livro de correspondência das Cartas escritas ao Real Contrato. Apenas um exemplo, Carta de António José de Vasconcelos aos contratadores do Tabaco, 30 de Junho de 1802.

25 AP:AJV - Copiadores de Correspondência com o Contrato-Geral do Tabaco, Carta de António José Vasconcelos a Pedro Quintela, 6 de Agosto de 1802.

26 AP:AFV - Copiadores de Correspondência com o Contrato-Geral do Tabaco, Carta de António José Vasconcelos a Joaquim Pedro Quintela, 22, de Janeiro de 1802.

27 AP:AJV - Copiador de correspondência particular (Fevereiro de 1804 a junho de 1804), Carta a José Teixeira de Sampaio, 24 de Fevereiro de 1804.

28 AP:AJV - Copiador de correspondência particular (Novembro de 1801 a 22 de Maio de 1805), carta a José Inácio de Carvalho, 22 de Setembro de 1802.

29 AP:AJV - Copiador de correspondência particular (4 de fevereiro de 1804 a 25 de Junho de 1804), carta a Francisco José Teixeira de Sampaio,14 de Abril de 1804.

30 Como havia um ágio entre as moedas do reino e a das ilhas (não só nos Açores, mas também em relação à Madeira), estas letras eram usadas no giro entre os arquipélagos e o Reino.

31 Apenas a título de exemplo: AP:A. F.V., Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Carta de António José Vasconcelos a Joaquim Pedro Quintela, 31 de Agosto de 1802.

32 AP:AFV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Carta de António José Vasconcelos a Joaquim Pedro Quintela, 21 de Março de 1801.

33 AP:AFV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Cartas de António José Vasconcelos a Jacinto Fernandes Bandeira, 3 de Março de 1804; 16 de Abril de 1805.

34 AP:AJV - Copiadores de Correspondência com o Contrato-Geral do tabaco, em Lisboa; carta de António José de Vasconcelos a Joaquim Pedro Quintella, 12 de Agosto de 1803

35 AP:AFV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Carta de António José Vasconcelos a Pedro Quintela, 6 de Agosto de 1802.

36 AP:AFV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Carta de António José Vasconcelos a Pedro Quintela, 28 de Março de 1804.

37 ANTT, JAT, Maço nº161, 17 de Agosto de 1797.

38 AP:AFV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Carta de António José Vasconcelos a Joaquim José Pinheiro, 11 fevereiro 1811; a António da Cunha, 11 de Abril de 1804.

39 AP:AJV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Carta de António José Vasconcelos a Pedro Inácio Quintela, 17 de Março de 1803.

40 ANTT, Tabelião António Nunes, escritura feita em 1801.

41 Logo no seu primeiro ano, António José de Vasconcelos consegui ser vice-cônsul de Espanha no Faial.

42 AP:AJV - Copiadores de Correspondência com o Contrato Geral do Tabaco, Carta de António José Vasconcelos a Pedro Inácio Quintela, 24 de Março de 1803.

43 AP:AJV - Copiadores de correspondência particular (23 de Julho de 1811 a Dezembro de 1812), Carta a Francisco António Lodi, 6 de Fevereiro de 1811.

44 AP:AJV,

Table des illustrations

Titre Açores*
Légende * Fontes: ANTT, JAT, Consultas,Maços1, doc.55, 99; maço nº 2, doc.53, 161; maço n.º e, doc. N.º 10. ARBPPD, Fundo da Alfândega de Ponta Delgada, Livro de Registo da Alfândega de Ponta Delgada, 1639/1654, fol. 328; Livro de registo da Câmara de Ponta Delgada dos anos de 1655 a 1718 Copiadores de correspondência do estanqueiro José António de Vasconcelos 1801 a 1805; 1811, 1817.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/6294/img-1.png
Fichier image/png, 60k

Auteur

CHAM – Universidade Nova de Lisboa e dos Açores

© Publicações do Cidehus, 2018

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter