Vous l’avez sans doute déjà repéré : sur la plateforme OpenEdition Books, une nouvelle interface vient d’être mise en ligne.
En cas d’anomalies au cours de votre navigation, vous pouvez nous les signaler par mail à l’adresse feedback[at]openedition[point]org.

Précédent Suivant

Prefácio


Texte intégral

1No inicio de 1384 os homens de Évora, que andavam com D. Nuno Álvares Pereira, nomeavam como seus representantes e para membros do seu Conselho, Diogo Lopes Lobo, João Fernandes da Arca e Lopo Rodrigues Façanha1. Através dessas nomeações, aqueles que enraizavam as suas esperanças de vitória e de sucesso futuro no Mestre de Avis e no seu companheiro de armas não respondiam apenas ao apelo do futuro Condestável, reafirmando a sua lealdade e a sua disponibilidade para o servirem. Eles consagravam, em paralelo, uma curiosa e fecunda articulação entre linhagens com diferentes percursos e posicionamentos face ao poder concelhio da cidade da qual provinham.

2O livro que agora se publica, da autoria de Joaquim Serra, constitui um contributo de inestimável qualidade para o conhecimento dos percursos bem como das articulações destas e de outras linhagens que, ao longo dos séculos finais da Idade Média, exerceram e influenciaram o poder concelhio de Évora, constituindo uma oligarquia política de fronteiras nem sempre fáceis de traçar.

3Poder-se-á dizer, numa primeira leitura, que a Évora medieval conta já com um número significativo de estudos, de abrangência e de aprofundamento desiguais. Sem pretender elaborar ou retomar o estado da arte que inicia o estudo de Joaquim Serra, a verdade é que autores dispares como Túlio Espanca e Gabriel Pereira e mais recentemente Bernardo Vasconcelos e Sousa, Ângela Beirante ou mesmo a autora deste prefácio, entre vários outros estudiosos, contribuíram para o conhecimento da cidade e dos seus grupos dominantes na Idade Média. A relativa riqueza das fontes documentais existentes para Évora, quando comparadas com outros arquivos municipais, assim o tem permitido. E é essa mesma riqueza a par de uma renovação dos questionários sobre a composição e o papel dos grupos oligárquicos no governo das cidades que tem alimentado o retomar ou a continuidade dos estudos sobre Évora e sobre outras cidades do Portugal medieval.

4A originalidade e a importância do estudo de Joaquim Serra repousam exatamente nesta ligação. Ou seja, entre um aturado e minucioso conhecimento e manuseio das fontes disponíveis e um sólido conhecimento da época e do espaço que se propõe estudar. Tudo isto ancorado numa extensa e diversificada bibliografia e num questionário que, embora tomando Évora como laboratório de análise, centra as suas questões no âmbito do reino e dos processos de recomposição social dos grupos governantes.

5E fá-lo tendo como ponto de partida uma análise centrada numa curta duração: 1367-1433. Um período compreendido entre o final do reinado de D. Pedro e o final da governação joanina. Um tempo tradicionalmente identificado como sendo de crise e de transição política entre dinastias. Mas que o autor nos mostra ser também de consolidação de práticas de governação e de continuidades, apesar das ruturas, por vezes mais aparentes do que reais, que a alteração dinástica provoca.

6E fá-lo tomando a cronologia escolhida como campo privilegiado, mas não exclusivo, de análise. A sua reflexão não nos coloca, assim, e apenas, perante o desenrolar dos acontecimentos que pontuaram as décadas finais do século XIV e o início de Quatrocentos. A reflexão aqui apresentada alarga-se no tempo e no espaço, ao estudar a evolução das articulações entre diferentes poderes na cidade, as alterações na composição e nas formas de domínio dos grupos dominantes, a abrangência das redes de influência, os processos de recomposição social suscitados pela crise política e pelas alterações nas formas de produção da riqueza.

7A este nível o serviço ao rei surge como um elemento de progressiva importância na estruturação e manutenção das oligarquias políticas dos séculos finais da Idade Média.

8Sem pretender afirmar imagens ou leituras retrospetivas de enaltecimento da figura régia, que visam verter no passado a imagem de um rei «absoluto», sem dúvida que estes séculos são marcados, no espaço do ocidente latino, pela afirmação da realeza, pelo alargamento das suas competências, pela criação de uma fiscalidade mais efetiva e de um corpo de oficiais, com competências acrescidas mesmo se com eficácia limitada. Estes são os séculos da(s) política(s) tal como John Watts já realçou2 mas também do equilíbrio e da negociação entre poderes.

9E é disso também que Joaquim Serra nos fala.

10Da prática da negociação, mas também do ensaio de práticas de governação e de intervenção ao nível concelhio por parte do rei. O caso dos regedores aqui estudado é particularmente relevante a este nível. Apesar das abordagens já existentes sobre estes oficiais, algumas delas bastante vagas na identificação das suas competências face à escassez de informação, a reflexão de Joaquim Serra permite-nos compreender melhor as conjunturas da sua criação e recuperação, bem como as funções que a realeza lhes procurou outorgar, embora sem grande sucesso, face à implantação de um modelo de governo concelhio onde estes oficiais dificilmente viriam a ter lugar.

11Mas a sua criação pela mão do rei evidencia não apenas a tentativa de seguir práticas já testadas em reinos vizinhos, mas também a importância da articulação entre o rei e as cidades. Uma importância que, de forma recorrente, tem vindo a ser reafirmada pela historiografia, mas que cabe aqui reafirmar, numa perspetiva de relação biunívoca entre as partes, em detrimento de uma visão de subordinação ou de supremacia raramente questionada.

12Não surpreende, assim, que o desempenho de cargos na administração concelhia eborense tenha compreendido diferentes perfis de participação como o autor bem evidencia, ao identificar carreiras com duração desigual e diversificados níveis de compromisso. E que tenha implicado por parte das linhagens ligadas de forma direta ou indireta ao governo do concelho, mas participantes nos círculos de exercício do poder, o desenvolvimento de diferentes estratégias de afirmação e de consolidação da sua presença na cidade e, por vezes, no reino. Os Lobo e os Arca, os dois exemplos escolhidos para uma análise mais aturada, não são mais do que isso, ou seja, dois exemplos de diferentes percursos trilhados pelos membros de uma oligarquia que, num momento ou noutro, se interligaram com o exercício da governação concelhia.

13«Governar a cidade e servir o rei», foi o título escolhido pelo autor, o qual retrata bem os eixos em torno dos quais o seu trabalho se desenvolveu. Da mesma forma que o subtítulo: «oligarquia concelhia de Évora em tempos medievais», ao identificar o objeto e a cronologia marca as fronteiras de uma análise, que, no entanto, ultrapassa o âmbito regional.

14A tese de doutoramento de Joaquim Serra que agora é publicada e divulgada constitui, a meu ver, um importante e original contributo para o conhecimento de Évora no período medieval. Mas ela é, também, uma reflexão de inquestionável qualidade e importância para o estudo das práticas e da sociologia da governação concelhia no Portugal dos séculos XIV e XV, o que torna a sua menção, doravante, obrigatória.

15Reflexão que demonstra, igualmente, na riqueza dos dados que carreia e que sustentam as biografias que se encontram na parte final do livro, no questionário que suporta a investigação, na capacidade de rever afirmações, na singeleza de uma escrita que se lê com agrado, o muito que há ainda a fazer e aquilo que se pode fazer.

16Não apenas na reestruturação da sociologia das instituições ou dos grupos governativos, mas sobretudo na capacidade de refletir e de repensar as práticas governativas, a relação entre grupos, o papel das políticas nestes séculos que tradicionalmente identificamos como sendo de final da Idade Média.3

17A minha última palavra é de agradecimento ao autor. Bem sei que a feitura desta tese não foi fácil. Não fazendo parte do corpo académico de nenhuma universidade, o Joaquim Serra não usufruiu de nenhuma dispensa para esta elaboração. Fê-la a par das suas obrigações profissionais e familiares, pelo prazer que tem pela investigação e pela reflexão históricas. Fê-la também por ser alguém comprometido com a sociedade em que vive.

18Por tudo isto, é minha obrigação agradecer-lhe e dizer-lhe que este foi também um percurso de aprendizagem para mim.

Novembro de 2018

Notes de bas de page

1 Fernão Lopes, Crónica de Dom João I. Primeira Parte, edição critica e notas de Teresa Amado, Lisboa, Imprensa Nacional- Casa da Moeda, 2017, p. 166.

2 John Watts, The making of polities. Europe, 1300-1500, Cambridge, Cambridge University Press, 2014.

3 A este nível vale sempre retomar a discussão em torno da periodização e também sobre os limites das denominações utilizadas. Realço, como exemplo: Robert I. Moore, “A Global Middle Ages?” in The Prospect of Global History, ed. by James Belich and others, First edition (Oxford ; New York, NY: Oxford University Press, 2016, pp. 80-92 e Jacques Le Goff, Faut-il vraiment découper l’histoire en tranches?, 2016.

Précédent Suivant

Le texte seul est utilisable sous licence Licence OpenEdition Books. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.